O PROFISSONAL DE ASSESSORIA DE IMPRENSA E AS NOVAS MÍDIAS 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROFISSONAL DE ASSESSORIA DE IMPRENSA E AS NOVAS MÍDIAS 1"

Transcrição

1 O PROFISSONAL DE ASSESSORIA DE IMPRENSA E AS NOVAS MÍDIAS 1 Ana Beatriz Amorim da Câmara 2 ; Bárbara Hanna Pires Marcolino 3 ; Maria das Graças Lima de França 4. Resumo Este trabalho propõe discutir o papel do profissional de assessoria de imprensa e as novas mídias sob as atuais circunstâncias da comunicação organizacional. A revolução tecnológica da informação gerou complexidades que trouxeram novas formas e processos comunicativos dentro das organizações, que implicam em um reposicionamento do jornalista enquanto assessor de imprensa. Inseridas numa rede global, as organizações se reposicionam com novas estratégias frente a um novo paradigma tecnológico para se comunicar com seus públicos, onde as informações se fazem em fluxos mais ágeis, poderosos e interativos. Para este trabalho foram considerados os conceitos teóricos de diversos autores da comunicação organizacional. Palavras-chaves: Comunicação organizacional; assessoria de imprensa; novas mídias; estratégias; paradigma. Resumé 1 Artigo apresentado na XIX Semana de Humanidades da UFRN no GT Estudo da Comunicação Organizacional. 2 Jornalista graduada pela Universidade Potiguar, integrante da Comídia/UFRN. Faz Pós-graduação em Assessoria de Comunicação na Universidade Potiguar UnP. 3 Jornalista graduada pela Universidade Potiguar, integrante da Comídia/UFRN. Faz Pós-graduação em Assessoria de Comunicação na Universidade Potiguar UnP. 4 Jornalista graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN, integrante da Comídia/UFRN. Cursando pós-graduação em Assessoria de Comunicação na Universidade Potiguar-UnP.

2 L objectif de ce travail est discuter le rôle de l assesseur de presse et les nouvelles médias obéissant aux actuelles circonstances de la communication organisationnelle. La révolution technologique de l information a géré des complexités qui ont apporté de nouvelles formes et des processus communicatifs au sein des organisations qui impliquent un repositionnement du journaliste autant qu assesseur de presse. Insérées dans un réseau global, les organisations se repositionnent avec de nouvelles stratégies en face à un nouveau paradigme technologique pour se communiquer avec ses publics, oú les informations se font em flux plus agiles, plus puissants et interatifs. Pour Ce travail ont été considérés les concepts théoriques des plusieurs auteurs de la communication organisationnelle. Mots clés : communication organisacionelle ; assesseur de press, nouvelles médias ; stratégies ; paradigme. 1 Introdução O papel dos jornalistas frente às Assessorias de Comunicação sob as novas circunstâncias da comunicação organizacional, com as novas tecnologias digitais e o enfoque da comunicação integrada é o objeto deste estudo. Abordaremos as dificuldades e as facilidades que estas novas ferramentas e o novo contexto apresentam sob a perspectiva de teóricos da comunicação e do jornalismo, assim como definir o perfil destes profissionais e como interagem com as mídias existentes, sua representação de serviço de assessoria de imprensa e a interação para com o seu público interno e externo, no universo das organizações. Como profissionais da palavra, seja ela escrita ou falada, os jornalistas desenvolveram ao longo dos últimos 200 anos a imagem de intelectuais, educadores e portadores da verdade, mesmo que todos estes arquétipos possam ser facilmente criticados. O trabalho destes profissionais tornou-se uma peça fundamental dentro da política de democracias e ditaduras; na administração de organizações; nas economias de todos os tamanhos e no dia a dia do quase todos os cidadãos. É importante frisar que este trabalho está longe de ser uma tarefa simples, sendo sim o resultado de um intrincado sistema de relações entre o jornalista, seu público e os veículos. Em especial queremos tratar aqui de como estes comunicólogos se relacionam

3 com as mídias nos contextos organizacionais, numa relação que através das novas tecnologias tem se aperfeiçoado na tarefa de gestão dos processos comunicacionais dentro do enfoque da comunicação integrada, que criou novos papeis do profissional. Se por um lado as novas redes de informação proporcionam velocidade e interação de mídias como nunca antes foi possível, nas organizações a questão do sentido da comunicação é entendido como algo construído e em constante mudança, sendo uma variável fundamental para se compreender as dinâmicas internas das organizações e seu reflexo para a sociedade. Não se pode negar, como defendem muitos teóricos, que a comunicação organizacional é um questão de sobrevivência e dentro deste contexto todos buscam inovações, reestruturações, mudança de mentalidade e de cultura organizacional. Neste universo, o assessor de imprensa tem que se articular com público variado, com inserção em fluxos não só de sentido interno, mas com o universo global. Há a necessidade de entender e interagir de modo essencialmente dinâmico no universo nos quais as organizações se estruturam e se movimentam. É preciso que façamos uma reflexão sobre o momento em que vivemos e ponderemos sobre os riscos e sobre as novas possibilidades que as novas tecnologias estão nos dando, a fim de tirarmos o melhor proveito delas. Não se pode esquecer que neste novo contexto, a comunicação, especialmente a interna, assume papel relevante, pois muito embora as tecnologias do mundo pós-moderno, o elemento base das organizações é o humano. Todos que fazem parte de uma organização precisam acreditar nas mudanças, participarem dos processos de implantação de novos programas para garantir coerência e sintonia entre os discursos e as ações organizacionais. Não podemos também deixar de lado o fato de que, mesmo com as mudanças trazidas pelo acesso às tecnologias de informação, a simples informação permanece como uma importante peça de valor, que deve, sobretudo, fluir nas organizações de forma adequada às peculiaridades de cada uma. 2 Assessoria de Imprensa Os estudiosos da comunicação organizacional definem, em seus conceitos básicos, que a ACS presta um serviço especializado, coordenando as atividades de comunicação de um assessorado com seus públicos e estabelecendo políticas e estratégias que incluem atividades nas áreas de jornalismo (assessoria de imprensa), relações públicas e publicidade e propaganda. A Assessoria de Imprensa no Brasil surgiu da necessidade de divulgar o Estado e

4 suas ações em prol da população como peça crucial no processo de desenvolvimento do país, a partir de 1964, como afirmava o governo militar. Assim, surge a Assessoria Especial de Relações Públicas da Presidência da República (Aerp), que coordenava a rede governamental de divulgação, criando e difundindo verdades oficiais, que o ambiente de autocensura e adesismo favorecia. (CHAPARRO, 2003, p. 41). Hoje as empresas de assessoria de comunicação oferecem serviços a empresas públicas e privadas, com um fluxo de comunicação que surge de diversos lados e em níveis cada vez mais ágeis. Cada empresa e seu gestor devem estar bem informados, não só sobre o que acontece dentro de sua organização ou com seu concorrente, mas também, está conectado aos diversos meios de comunicação e ambientes digitais, para agregar valor como profissional e alcançar um bom gerenciamento coorporativo. No cenário novo da informação, a instantaneidade e a abrangência ilimitada da difusão eliminaram os intervalos de tempo entre o momento da materialização dos fatos e sua divulgação em forma de notícia. [...] A notícia tornou-se produto abundante nas relações humanas globalizadas. Inundou as redações. Porque hoje noticiar é a forma mais eficaz de interferir no mundo. (CHAPARRO, 2003, p. 49). Ao descobrir esta potencialidade, o assessor de imprensa oferece às redações notícias de interesse coorporativo ou político, fazendo com que o jornalista, muitas vezes com inúmeras pautas e pouco tempo, permaneça dentro da redação com o release pronto, buscando apenas confirmação de dados e/ou fatos. Com o surgimento da Internet, as empresas têm a chance de oferecer informações adicionais e estratégias de trabalho de imagem. Já o jornalista, tem a oportunidade de fazer pesquisas avançadas e checagem de informações que aprimorem e fortaleçam suas matérias jornalísticas. 3 A criação da internet e as novas estratégias de comunicação 3.1 A criação da Internet Nos anos 60, presenciou-se a legitimação da ideia de uma sociedade da informação, ou seja, uma sociedade cuja forma é determinada no plano cultural, psicológico, social e econômico pela influência da tecnologia, mas particularmente pela

5 informática e pelas comunicações. A partir desta época, a estrutura social fundamenta - se na circulação constante de informações através dos meios de comunicação e, como consequência, o indivíduo passa a receber maior número de informações pela televisão, pelo rádio, pelo jornal e por outras tecnologias. Impulsionando assim os indivíduos a buscarem, constantemente, novas notícias. A Internet, com o surgimento do computador, também passou a ser utilizada como meio para suprir essa necessidade do homem contemporâneo. Dentro deste novo contexto, o indivíduo percebido como ser social dotado de cultura modifica-se constantemente. Se o homem é dotado de cultura e a tecnologia a modifica, é possível que comportamento humano sofra alterações com o uso frequente de inovações tecnológicas. Esta tecnologia está determinada a revolucionar o processo de formação da cultura e hoje já testemunhamos o início desta revolução. A Internet possibilita a aproximação de indivíduos distantes geograficamente, mas possibilita a distanciação de indivíduos próximos. As redes de informação passam a ter um papel importante trazendo novas informações, diminuindo a rotina, interligando o mundo, gerando assim o aumento de interação e aprendizado das pessoas, contribuindo para a criação de novos conhecimentos. Não podemos dizer que a democratização da informação, ainda que atuando de forma tímida no Brasil, e na maioria dos países do chamado terceiro mundo, é formada apenas por conflitos e dificuldades. É preciso também ressaltar o papel que a mídia independente, fortalecida pela Internet, tem realizado para contrabalancear o poder exercido pelas grandes corporações de mídia. No caso do Brasil, gostaríamos de destacar não apenas os jornais e tevês, que tiveram papel fundamental em eventos transformadores da história nacional, a exemplo do golpe de março de 1964, mas também do controle exercido diretamente por agentes políticos e seus aliados nos sistemas de comunicação em cada município da Federação. Falamos aqui do poder que foi outorgado através da farra das concessões no governo Sarney. A imparcialidade jornalística permanece como um mito vivo dentro das cabeças da população e nos letreiros das portas de redação. Desconstruindo este mito, José Marques de Melo explica em Jornalismo Opinativo os conceitos falsos que são vendidos pela velha mídia.

6 Entendemos que os meios de comunicação coletiva, através dos quais as mensagens jornalísticas penetram na sociedade, bem como os demais meios de reprodução simbólica, são aparatos ideológicos, funcionando, se não monolíticamente atrelados ao Estado, como dá a entender Althuse, pelo menos atuando como uma indústria da consciência, de acordo com a perspectiva que lhe atribuiu Enzensberg, influenciando pessoas, comovendo grupos, mobilizando comunidades. São, portanto, veículos que se movem na direção que lhes é dada pelas forças sociais que os controlam e que refletem também as contradições (...) das estruturas societárias em que existem. Recusamos, por tanto, a idéia da objetividade jornalística naquela acepção de neutralidade. (MELO, 2003, p.73) Sabemos que toda mídia expressa uma opinião, um juízo de valor sobre qualquer que seja o tema que esta aborda. É nesse ponto que a Internet tem o potencial para produzir uma revolução na maneira com que o jornalismo é feito e percebido pelo leitor, como coloca Wilson Dizard Jr.(2000, p.25) em A Nova Mídia ao afirmar que: O poder da internet está baseado na sua habilidade de superar as barreiras que limitavam o acesso de uma massa de informações para os consumidores comuns. O desafio que a internet lança aos detentores do poder midiático ainda caminha de forma tímida no Brasil. No entanto, a perspectiva de uma democratização do acesso às redes de comunicação de forma mais ampla e rápida, aponta para o início de um debate sobre os modelos que regem a comunicação do país. Essa mudança de visão sobre os veículos de comunicação pelo seu público é um processo inerente a evolução que a Internet propõe fazer, mas que, no entanto, estará sempre atrelado aos modelos com raízes nos veículos tradicionais, como explica Gustavo Cardoso. "Por sua vez parte da inclinação evolucionária, a Internet é vista como introduzindo mudanças no jornalismo, e também para o papel do jornalista, mas na essência o jornalismo continuará a ser desenvolvido de um modo relativamente convencional" (Cardoso, 2007, p.197). produziu: Cardoso segue relatando as alterações que a introdução da rede nas redações A introdução da internet nas redações não originou apenas a presença online de meios de comunicação de massa tradicionais, foi, também, dominada pelo acesso de jornalistas à arquivos pesquisáveis, a bases de dados e a fontes. Essa utilização trouxe benefícios à atividade jornalística pelo acesso a mais informações e fontes na maioria dos casos de forma gratuita. Mas trouxe também desafios e questões menos pacíficas como a utilização de materiais, em diversos suportes, sem retribuição monetária ou mesmo a editorialização, segundo critérios diferentes, da mesma notícia em suportes diferentes. (CARDOSO, 2007, p.200)

7 O novo estágio em que o jornalismo está inserido favorece ao profissional novas liberdades quanto ao acesso à informação, mas a mesma visão sobre informações não pode ser repassado para o leitor através do veículo no qual o jornalista atua por causa das políticas editorias de cada empresa de comunicação. Por outro lado, o acesso à informação não está mais restrito ao jornalista, pelo menos não as que são jogadas na rede, colocando em questão os recortes feitos pela mídia, on-line ou não, para os seus leitores. 3.2 As novas estratégias de comunicação A proliferação dos sistemas computacionais nas organizações contemporâneas deu oportunidade para uma inovação nas modalidades de comunicação das organizações. O profissional de comunicação tem a seu dispor uma gama muito grande de instrumentos que podem ser utilizados em suas ações de comunicação externa e interna. No entanto, a utilização de instrumentos clássicos como o mural, o boletim, a revista, os jornais, entre outros, ainda são mais comuns do que os que provêm da comunicação moderna, que utiliza o , as apresentações multimídia, a internet e a intranet. Durante a elaboração de uma nova estratégia de comunicação, o profissional deve ficar com o dever de mesclar as técnicas e os modos de trabalho, utilizando-os de acordo com as possibilidades da organização. Segundo Corrêa apud Soares (2009, p. 319): A comunicação e a organização são atividades humanas fortemente relacionadas. A informação passa a ser a variável mediadora que as conecta, sendo, por sua vez, o resultado da comunicação, que se utiliza para restringir e coordenar as atividades dos indivíduos, estabelecendo, assim, a ordem. [...] A comunicação oportuniza aos sujeitos gerarem e compartilharem informações que lhes proporcionem ferramentas de pensamento e direção para cooperar e organizar suas rotinas. Ao se comunicarem, os indivíduos criam significados, trocam e respondem mensagens. A informação representa os dados processados dos significados criados pelas pessoas. As organizações optam ou são levadas a adotar o ciberespaço 5 para sua existência ou comunicação por motivos diferentes. Algumas já nascem virtuais, outras vão virtualizando seus processos gradativamente atendendo a necessidades internas ou externas. Muitas organizações vêem-se empurradas para o ciberespaço por necessidades 5 Segundo Lévi, o ciberespaço é "o novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial de computadores"

8 competitivas ou situações coercitivas. Algumas encaram a mudança de forma séria e efetiva, outras pensam na web como uma vitrine, um cosmético para mostrar uma cara bonita da organização. Estar no ciberespaço significa mostrar-se, abrir as portas da organização para o mundo, apresentar informações coerentes, identidade visual adequada à imagem institucional que se pretende construir, definir objetivos concretos com relação à comunicação virtual e, sobretudo, abrir espaço para a interatividade. A virtualização agiliza a comunicação, favorece a descentralização, exige uma nova postura, estrutura, habilidade e conhecimento. A organização virtual, como coletivo inteligente, está obrigada a produzir qualidade e quantidade de informação e talvez, conhecimento, contribuindo para a construção de sua imagem institucional forte e sua credibilidade. O fator motivacional é o principal desafio, principalmente em organizações virtuais e redes organizacionais. A organização como coletividade inteligente, reconhecida pelas suas expertises na área em que atua, colabora para a construção da imagem institucional forte e favorece a credibilidade da organização. A maneira como as organizações utilizarão as ferramentas de comunicação estará relacionada à sua cultura, onde todos poderão contribuir com sugestões e opiniões para o desenvolvimento do negócio. Estar presente na rede é de fundamental importância, principalmente quando pensamos em comunicação dirigida. 4 O surgimento de uma nova cultura organizacional e as mídias digitais 4.1 Comunicação Organizacional A comunicação organizacional tem suas raízes em várias áreas do conhecimento humano, como bem destaca Margarida Kunsch (2009), como administração e suas teorias das organizações, sociologia, psicologia social e organizacional, antropologia, linguística e retórica e da teoria da comunicação. Os estudiosos destas áreas foram os primeiros a tratar do assunto, com trabalhos que levaram o tema a categoria de disciplina acadêmica, que hoje estuda todos os aspectos inerentes à comunicação dentro das organizações, sejam eles referentes aos aspectos técnicos, mecânicos, administrativos e humanos. Há uma tendência em pensar a comunicação organizacional com base nas teorias

9 de Taylor e Ford. Como destaca Margarida Kunsch (2009, p.70) os estudos de Taylor relatam que a comunicação não é mais descrita como transmissão de mensagens ou conhecimento, mas como uma atividade prática que tem como resultado a formação de relacionamento. Nesta abordagem Kunsch (2009, p.70) afirma: Assim, quando se fala em comunicação organizacional, temos que pensar, sobretudo, na comunicação humana e nas múltiplas perspectivas que permeiam o ato comunicativo no interior das organizações. Este é, a nosso ver, o ponto de partida quando se analisa esta modalidade comunicacional. Em primeiro lugar, é necessário voltar-se para a comunicação entre as pessoas, uma vez que os seres humanos não vivem sem se comunicar. Aqui, podemos destacar, mais uma vez, que o homem vem em primeiro lugar quando o assunto é comunicação e o elemento base das organizações é o humano, que tem uma carga relevante de cultura e sentimentos, que devem ser constantemente afinados a empresa em que trabalha Fluxos internos O homem é um ser social e se difere dos demais pela capacidade de julgar e discernir, estabelecendo regras para a vida em sociedade. Tal concepção, com base em A Política, de Aristóteles, implica estabelecer a necessidade de linguagem para que o homem possa se comunicar. A linguagem, capacidade comunicativa dos seres, constrói as relações humanas, possibilitando a transmissão de culturas, além de garantir sentido e objetivo ao funcionamento dos grupos sociais. Não temos neste trabalho a pretensão de discutir os conceitos dos teóricos de comunicação organizacional, mas tão somente traçar um perfil do novo papel do jornalista no trânsito dos fluxos comunicacionais das organizações na contemporaneidade. Vale enfatizarmos o que Margarida Kunsch (2009,p.75) afirma, remetendo a Taylor. As relações ocorrem entre pessoas com diferentes visões de mundo e que, para o sucesso da organização, sejam capazes de agregar seus accounts (experiências e perspectivas) ao account maior da organização (uma espécie de razão de ser). Nesta abordagem Kunsch se refere a teoria da coorientação de Taylor sobre a

10 questão da diversidade nas organizações, na qual admite as influências de cada um na interação do todo. Essa visão concebe a comunicação nas organizações numa dimensão mais humanizada e de interação entre as pessoas no que remete ao público interno. Dentro desta perspectiva como o assessor de imprensa vai utilizar as ferramentas, os métodos e técnicas para informar, conscientizar, mobilizar, motivar e transformar o relacionamento nas organizações e seus públicos diretos que afetam objetivos sociais e mercadológicos será o diferencial. Como construir dentro das empresas, com o outro, um entendimento comum, um objetivo compartilhado? Não se pode negar que no contexto atual, em que a velocidade das comunicações possibilita trocas comerciais e de informações em âmbito global, torna-se cada vez mais necessário que as empresas e as organizações busquem soluções de comunicação eficientes, a fim de alcançarem suas metas. Para Kunsch (2009, p. 321), as organizações têm que se valer de serviços integrados nessa área, pautando-se por políticas que privilegiem o estabelecimento de canais de comunicação com os públicos vinculados. Vale destacar que o jornalista no exercício da função no que concerne aos fluxos internos de comunicação, muito embora seja receptor das informações, tem a função maior de emissor, uma vez que trabalha as informações e as transforma em código para ser enviada ao receptor (público interno). Para isto ele tem que conhecer o código utilizado no contexto e suas peculiaridades, construir um discurso dentro das regras linguísticas, estruturar sua fala de forma inteligível e clara e, principalmente escolher o canal adequado para fazer sua mensagem chegar ao receptor. O mais importante neste processo é que ele perceba o contexto, o espírito do clima organizacional e se seu público compartilha deste mesmo referencial, pois é primordial que o canal esteja livre de ruídos e o sentido expresso na mensagem seja compreendido. Nas situações informais de comunicação, é natural que as mensagens sejam estruturadas de maneira mais desprendida, sem grande elaboração por parte do emissor, o que também exige uma interatividade nas relações pessoais dentro da organização. Manuel Castells (2010) aponta a Internet como meio de comunicação interativa, destacando sua variada gama de aplicações, entre elas para o trabalho, informações e conexões pessoais. Não se pode negar a força das novas mídias digitais, mas há de se analisar até que ponto sua aplicabilidade é eficaz nos fluxos internos de comunicação de cada organização. Em virtude disto, o assessor de imprensa deve fazer um diagnóstico do clima

11 organizacional e traçar um plano de comunicação. Afinal, quem é seu público interno? O que este público quer? Deve-se também desenvolver políticas e ações para influenciar comportamentos e pessoas com o objetivo de informar e integrar os diversos segmentos e interesses organizacionais para o alcance dos objetivos da organização, afinal não se pode esquecer que a imagem da organização é moldada pelos públicos internos e externos. É tarefa do assessor promover a comunicação interna, a fim de desenvolver uma verdadeira cultura da comunicação com uma homogeneidade dos discursos. Assim, as tarefas extrapolam o habitual de ser apenas o intermediário da relação entre organização e mídia. Há de se alinhar a organização para que os discursos tenham o mesmo sentido, como se todos vestissem uma personalidade comunicacional dentro da organização. Quanto a este aspecto, o assessor tem a função de realizar Media Training para capacitar gestores como porta-vozes da organização. Contudo, não esquecer que o fator humano da organização funciona como espelho refletindo o espírito (sentido) da organização. Sobre o assunto os autores Assad e Passadori (2009, p. 13) ressaltam que levando em consideração a construção eficaz de uma comunicação com a imprensa e a sociedade: Este treinamento só será produtivo se for abastecido pelo máximo de informações sobre os jornalistas e veículos de comunicação de interesse do cliente. O gestor necessita conhecer as técnicas de entrevista, os erros mais frequentes e como utilizar a conversa com uma oralidade adequada a cada ocasião. Além da Internet o assessor deve utilizar, quando necessário, outros meios para que a comunicação seja eficaz, como eventos, murais, newsletters, reunião, cartilhas, jornal, mas, sobretudo não descartar a comunicação face à face, as relações informais. Para atender as necessidades do mundo contemporâneo o treinamento para Internet e as instruções sobre condutas nas redes sociais não podem ser descartados. É imperativo agregar e gerenciar informações nas novas mídias digitais. Comunicação se faz todo tempo e com todos os públicos e a imprensa tradicional também checa a performance das organizações no mundo virtual Fluxos externos

12 Com o aprimoramento e crescente gerenciamento da comunicação externa, o assessor de imprensa necessita estar conectado com as novas tecnologias e suas ferramentas, como forma de obter mais visibilidade para a empresa que presta serviço. No artigo sobre novas formas de comunicação organizacional na sociedade da informação, Claudio Guimarães Cardoso (2009, p. 365), falando do desafio do novo, afirma: Trata-se, enfim, de constatar a permanente recriação do contexto comunicacional nas organizações, agora inseridas em uma sociedade global e mutante. É o desafio de, ao mesmo tempo, compreender o que acontece, verificar novos desdobramentos, identificar novas ressonâncias e implicações, inventar nova formas de atuação e de sabe tirar proveito dos novos formatos pela recriação de velhos (ou nem tão velhos assim) conteúdos. Não é de hoje que imagem, principalmente a coorporativa, é a alma da organização, mas como torná-la bem sucedida perante os meios de comunicação é o que torna o profissional da Assessoria de Imprensa alguém que se utiliza de estratégias bem sucedidas em seu trabalho. Com o fluxo da comunicação, o gestor sente a necessidade de sua empresa ter visibilidade diante da concorrência. Mas atualmente fica difícil ter visibilidade diante da avalanche de informações que são passadas, todos os dias, principalmente com a estrutura descentralizada do ciberespaço que complica o trabalho de apuração dos jornalistas nas redes, com a multiplicação das fontes que não têm a tradição especializada no tratamento de notícias. A empresa entra então como fonte oficial e facilitadora de um processo comunicacional, com o objetivo de expor suas ações, sua história e sua imagem positiva diante dos jornalistas, e principalmente, da população que está cada vez mais exigente. No atual mundo da tecnologia e da informação ágil, o profissional da área deve sempre estar atento ao trabalho realizado pela empresa, como participar de reuniões importantes, discutir estratégias e estar presente ativamente em todos os níveis dentro da organização, para estar preparado em atender aos meios de comunicação em caso de crise. Assim, o planejamento estratégico, agregado ao marketing publicitário, além de um relacionamento constante com a mídia, deve ser feito através de diversos meios, inclusive no contexto digital.

13 Com isso, o constante gerenciamento de ferramentas como as mídias sociais e as redes de comunicação são essenciais dentro deste processo. Hoje, o cliente de uma empresa tem o poder de expressar sua opinião apenas por meio das mídias sociais. Tal poder oferece, constantemente, riscos a imagem da organização. Em tempos onde a informação é feita em redes e o público tem o poder de divulgar a informação, através da Internet, por exemplo, é necessária a divulgação e constante trabalho de unidade da imagem da instituição, de forma que ruídos não podem existir. O grande volume de informações que flui na diversidade das mídias dificulta o destaque das empresas no mercado, mas neste contexto o profissional de comunicação se diferencia, ao oferecer ao seu cliente estratégias de divulgação comprometidas com a ética, o meio-ambiente e à população, que está cada vez mais exigente. 5 Considerações Finais O papel do jornalista, enquanto assessor de imprensa, nas organizações, tem como meta principal a eficácia na comunicação organizacional, com o aprimoramento da capacidade comunicacional e o alinhamento dos discursos. Para o alcance destes objetivos se faz necessário um diagnóstico, com uma visão integral da organização e elaboração de um planejamento estratégico para a busca de soluções de comunicação eficiente utilizando todos os meios disponíveis, desde as novas tecnologias digitais até os canais informais correntes na organização. Acreditamos que o maior desafio ainda é adequar as ferramentas de comunicação à cultura organizacional e construir uma imagem (marca) positiva para os diversos públicos, sejam internos ou externos. Referências ASSAD, Nansy Alberto; PASSADORI, Reinaldo. Media Training. São Paulo: Gente, CHAPARRO, Manoel Carlos. Cem anos de Assessoria de Imprensa, in: Assessoria de Imprensa e Relacionamento com a Mídia. São Paulo: Atlas, CARDOSO, Gustavo. A mídia na sociedade em rede. Rio de Janeiro: FGV, CASTELLS, Manoel. A sociedade em rede. Vol. 1. São Paulo: Pais e terra S/A, DIZARD, Wilson. A Nova Mídia a comunicação de massa na era da informação.

14 Tradução: Antonio Queiroga e Edmond Jorge. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores KUNSCH, Margarida M. Krohling. Comunicação Organizacional: histórico, fundamentos e processos. Vol. 1. Ed. Saraiva, MELO, José Marques de. Jornalismo Opinativo. Campos do Jordão: Mantiqueira, 2003

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 19-CEPE/UNICENTRO, DE 6 DE MARÇO DE 2009. Aprova o Curso de Especialização em Mercados Emergentes em Comunicação, modalidade modular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL

COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Módulo IV Curso de Capacitação para Museus COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Maria do Carmo Silva Esteves Relações Públicas REALIZAÇÃO 1) A COMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE Ruptura Interconexão Transposição 1.1)

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa.

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. A Fran Press está de cara nova, mantendo a sua reconhecida identidade estratégica. Nos tempos atuais

Leia mais

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida.

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida. A Dehlicom Soluções em Comunicação é a agência de comunicação integrada que busca divulgar a importância da comunicação empresarial perante as empresas e todos os seus públicos, com atendimento personalizado

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

1º CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA MUSEUS CICLO 2

1º CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA MUSEUS CICLO 2 1º CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA MUSEUS CICLO 2 MÓDULO III: COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Maria do Carmo Silva Esteves Relações Públicas maria@comunicarp.com.br REALIZAÇÃO 1) A COMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE

Leia mais

1 INSTITUIÇÕES E ENTIDADES ENVOLVIDAS NO PROJETO

1 INSTITUIÇÕES E ENTIDADES ENVOLVIDAS NO PROJETO TITULO: Assessoria de Comunicação às Instituições da UFSM no norte gaúcho EJE: Incorporación curricular de la extensión AUTORES: Mariana Cristina Raimondi, Bruna Occhi, Tássia Becker Alexandre. REFERENCIA

Leia mais

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 Patrícia Marques da Silva 2 ; Aline Cardoso Militão 3 ; Sônia Cristina Soares Dias Vermelho

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Manual com normas para solicitação de produção e publicação de material informativo jornalístico no site, lista de

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Fabiana BAGDONAS.. 2 João Paulo MARTIN 3 Myllena DE PONTES 4 Cintia dos Reis Barreto 5 Universidade Potiguar UnP, Natal/RN

Fabiana BAGDONAS.. 2 João Paulo MARTIN 3 Myllena DE PONTES 4 Cintia dos Reis Barreto 5 Universidade Potiguar UnP, Natal/RN Plano de Comunicação: Uma proposta de implantação de um setor de Comunicação na Cirne Motos Natal/RN 1 Fabiana BAGDONAS.. 2 João Paulo MARTIN 3 Myllena DE PONTES 4 Cintia dos Reis Barreto 5 Universidade

Leia mais

Atuação do comunicólogo frente a uma Assessoria de comunicação 1. Thalles ATAIDE 2 Liliana RODRIGUES 3 Faculdade Boas Novas (FBN), Manaus AM

Atuação do comunicólogo frente a uma Assessoria de comunicação 1. Thalles ATAIDE 2 Liliana RODRIGUES 3 Faculdade Boas Novas (FBN), Manaus AM Atuação do comunicólogo frente a uma Assessoria de comunicação 1 Thalles ATAIDE 2 Liliana RODRIGUES 3 Faculdade Boas Novas (FBN), Manaus AM RESUMO Com o intuito de alavancar a imagem de empresas foram

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Política de. [ comunicação] Forluz

Política de. [ comunicação] Forluz Política de [ comunicação] Forluz Índice Apresentação...4 Missão da Forluz...5 Condições para aplicação deste documento...6 Objetivos da Política de Comunicação...7 Diretrizes da Política de Comunicação...8

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013

Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013 Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013 Aurea Maria da Rocha Pitta aureapitta@fiocruz.br Grupo de Pesquisa Governos e Sociedade

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Tipos de Veiculos e Instrumentos de Comunicação 1

Tipos de Veiculos e Instrumentos de Comunicação 1 Tipos de Veiculos e Instrumentos de Comunicação 1 Ramon Brod Ballverdú 2 Resumo: Através deste artigo científico, sendo um instrumento de comunicação, com o objetivo de ser um canal de comunicação entre

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa:

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa: 31 6 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Um dos principais objetivos da comunicação institucional é o estabelecimento de relações duradouras com os seus públicos. Isso é possível através de ações personalizadas

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Comunicação Estratégica

Comunicação Estratégica Comunicação Estratégica Prof. Dr. João José Azevedo Curvello COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES UCB Brasília (DF) Agosto/Setembro de 2006 Estratégia Uma forma de pensar no futuro; integrada no processo decisório;

Leia mais

A Assessoria de Comunicação e Seus Reflexos Positivos no Ambiente de Uma Empresa Júnior 1

A Assessoria de Comunicação e Seus Reflexos Positivos no Ambiente de Uma Empresa Júnior 1 A Assessoria de Comunicação e Seus Reflexos Positivos no Ambiente de Uma Empresa Júnior 1 Manoel Adalberto da COSTA JÚNIOR 2 Juliana BULHÕES Alberto Dantas 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte,

Leia mais

A Comunicação Interna Perante as Instituições: Um Recorte da Literatura 1

A Comunicação Interna Perante as Instituições: Um Recorte da Literatura 1 A Comunicação Interna Perante as Instituições: Um Recorte da Literatura 1 Cláudio Henrique DOERNER 2 Katyanne Karinne KRULL 3 Valeska dos Santos Dias FRONZA 4 André MUNZLINGER 5 Centro Universitário para

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Media Training

Assessoria de Imprensa e Media Training Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social Habilitação: Relações Públicas Disciplina: Assessoria de Comunicação Profª. Nadege Lomando Assessoria de Imprensa e

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

15 anos. Melhor. Fundada há. Carteira com mais de 60 clientes. Equipe com 40 Profissionais. Prêmio Aberje de. Assessoria de Imprensa

15 anos. Melhor. Fundada há. Carteira com mais de 60 clientes. Equipe com 40 Profissionais. Prêmio Aberje de. Assessoria de Imprensa A Fundada há 15 anos a Link é uma das principais agências de comunicação integrada do País. Carteira com mais de 60 clientes de segmentos diversos: mercado financeiro, de utilities, educação, saúde, serviços,

Leia mais

Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1

Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1 Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1 Jaqueline ECLISSI 2 Jesse James dos SANTOS 3 Sergio RODRIGUES 4 Daniele DOMINGOS 5 Drielle Ferreira de LIMA 6 Adriana

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 1 Graduada em Comunicação Social - UFV, Gerente de Marketing da Lifesys Informática Ltda.

Leia mais

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa]

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] 1 Sumário O Surgimento do Analista de Redes Sociais... 2 O que é um Analista de Redes Sociais?... 5 Qual é o Perfil do Analista

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente.

A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente. .a agência A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente. Nosso compromisso é auxiliar empresas e organizações

Leia mais

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 Jeaine Cardoso Soares 2 Resumo Parafraseando a célebre indagação Shakespeariana: Ser ou não ser, eis a questão e aproveitando

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fabiane Silveira GOMES 2 Claudia Nociolini REBECHI 3 Universidade Metodista de São Paulo - UMESP, São Paulo, SP RESUMO Em posse de dados cruciais

Leia mais

A empresa não é uma ilha

A empresa não é uma ilha A empresa não é uma ilha Relacionamento implica em comunicação. A empresa com as rédeas da sua comunicação. Comunicação social tem ferramentas que ajudam na construção de empresas de alta performance.

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES

PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 Institui a Política Nacional de Comunicação Social do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Palavras- Chave: Comunicação organizacional, evolução das tecnologias de informação e o uso da internet.

Palavras- Chave: Comunicação organizacional, evolução das tecnologias de informação e o uso da internet. A adequação da comunicação nas organizações de acordo com o progresso das novas tecnologias ¹ Vanessa Rodrigues Silveira² Universidade Católica de Pelotas Resumo: As mudanças ocorridas com a valorização

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

AGENDA. Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing. 02 de Julho. Hotel Intercontinental São Paulo/SP 5ª EDIÇÃO.

AGENDA. Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing. 02 de Julho. Hotel Intercontinental São Paulo/SP 5ª EDIÇÃO. AGENDA Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing 5ª EDIÇÃO D 02 de Julho? Hotel Intercontinental São Paulo/SP Realização: www.corpbusiness.com.br Patrocínio Bronze Apoio Realização:

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO 121.3508.9 ASSESSORIA DE IMPRENSA 5ª 02 30 2º / 2009 PROFESSOR ANA LUÍSA

Leia mais

Prof. Ms. Anchieta Silveira

Prof. Ms. Anchieta Silveira Prof. Ms. Anchieta Silveira Aula 2 Comunicação com a sociedade O Judiciário e os MCM Assessorias e monografias Resumo da aula 1 Comunicação como processo Cultura organizacional Redes, fluxos, tipos de

Leia mais

Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS

Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS Autores: William Malfatti 1 ; Thaís Arruda 2 ; Sergio Auerbach 3 ; Kleber Soares Filho 4 ; Alex Fernandes 5 ; Melina

Leia mais

1 - Apresentação... 3. 2 - Objetivos... 6. 3 - Público Alvo... 7. 4 - Metas e Resultados Esperados... 7

1 - Apresentação... 3. 2 - Objetivos... 6. 3 - Público Alvo... 7. 4 - Metas e Resultados Esperados... 7 1 Presidente Paulo Marchiori Buss Vice Presidente de Desenvolvimento Institucional e Gestão do Trabalho Paulo Ernani Gadelha Vieira Diretora de Recursos Humanos Leila de Mello Yañez Nogueira Departamento

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

Brasif Máquinas e Brasif Rental: de mãos dadas para o futuro 1

Brasif Máquinas e Brasif Rental: de mãos dadas para o futuro 1 Brasif Máquinas e Brasif Rental: de mãos dadas para o futuro 1 Ana Carmela Sabetta Vecchione3 Giulia Agria Moraes 3 Mariana Bueno Posso 3 Rafaela Jorge Colella 3 Renata Torres Tersiote 2 Sthefanie Sparvoli

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

Auditoria de imagem e seus produtos digitais na Secretaria Municipal de Saúde: Saúde na Mídia e SMS em Pauta 1

Auditoria de imagem e seus produtos digitais na Secretaria Municipal de Saúde: Saúde na Mídia e SMS em Pauta 1 Auditoria de imagem e seus produtos digitais na Secretaria Municipal de Saúde: Saúde na Mídia e SMS em Pauta 1 Franciane Gomes FERREIRA 2 Caroline de Brito FERNANDES 3 Caroline de Morais Santos ARAÚJO

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Curitiba PR Maio 2010 Roberto F. Bentes SISTEMA FIEP SENAI roberto.bentes@fiepr.org.br Silvana Martinski SISTEMA FIEP

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais 19 Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Para compreendermos este livro, há que se entender alguns conceitos-chave que vão permear a sua leitura. O blog hoje é o melhor mecanismo para construir relacionamentos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Assessoria de Imprensa na era digital ABRIL/2016

Assessoria de Imprensa na era digital ABRIL/2016 Assessoria de Imprensa na era digital ABRIL/2016 "Consumidores e marcas se relacionam através das mídias sociais". Isabela Pimentel PÁGINA 3 COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARTIGO DA ASSESSORIA À GESTÃO DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Com DANILO CUNHA Ética A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Conceito Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Charlotte Couto Melo 2 Gláucia da Silva Brito 3 Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. Resumo As mudanças

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais