UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DJONATHAN LEON AREIAS MACIEL A TUTELA ANTECIPADA NAS AÇÕES DE DESPEJO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DJONATHAN LEON AREIAS MACIEL A TUTELA ANTECIPADA NAS AÇÕES DE DESPEJO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DJONATHAN LEON AREIAS MACIEL A TUTELA ANTECIPADA NAS AÇÕES DE DESPEJO São José 2008

2 DJONATHAN LEON AREIAS MACIEL A TUTELA ANTECIPADA NAS AÇÕES DE DESPEJO Monografia apresentada à Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, como requisito parcial a obtenção do grau em Bacharel em Direito. Orientador: Prof. MSc. Geyson José Gonçalves da Silva São José 2008

3 DJONATHAN LEON AREIAS MACIEL A TUTELA ANTECIPADA NAS AÇÕES DE DESPEJO Esta Monografia foi julgada adequada para a obtenção do título de bacharel e aprovada pelo Curso de Direito, da Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Ciências Sociais e Jurídicas. Área de Concentração: São José, 31 de outubro de 2008 Prof. MSc. Geyson José Gonçalves da Silva UNIVALI Orientador Profa. MSc. Luiza Cristina Valente Almeida UNIVALI Membro Prof. MSc. Elisabete Wayne Nogueira UNIVALI Membro

4 AGRADECIMENTOS Agradeço, primeiramente, aos meus pais, por todo apoio e atenção incondicional dedicados durante toda a vida. À minha namorada Gabriela, pelos constantes e incansáveis votos de incentivo. Aos amigos que, durante a caminhada universitária, sempre estiveram ao lado para todo o apoio que se fizesse necessário. Ao meu orientador, prof. MSc. Geyson Gonçalves, pela atenção destacado durante a elaboração desta monografia.

5 Empreendendo função de tamanha relevância social, exprime-se como um postulado natural a exigência de uma prestação de justiça em prazo razoável que não sacrifique os interesses das partes. A justiça tardia não é justiça, é denegação de função soberana insubstituível e monopolizada, o que revela grave infração aos ditames constitucionais. O acesso à justiça significa não só a disposição de o Estado intervir, como também a presteza e a segurança dessa intervenção. Luiz Fux em Tutela Antecipada e Locações

6 TERMO DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE Declaro, para todos os fins de direito, que assumo total responsabilidade pelo aporte ideológico conferido ao presente trabalho, isentando a Universidade do Vale do Itajaí, a coordenação do Curso de Direito, a Banca Examinadora e o Orientador de toda e qualquer responsabilidade acerca do mesmo. São José, 31 outubro de Djonathan Leon Areias Maciel

7 RESUMO Este trabalho foi realizado por meio de pesquisa bibliográfica e jurisprudencial. Apresentam-se os argumentos contrários e favoráveis à aplicação da tutela antecipada nas ações de despejo. O objetivo consiste no reforço à vertente favorável ao cabimento da antecipação de tutela em sede de ações de despejo. Ação de despejo é o meio processual a ser utilizado pelo locador para extinguir o vínculo locatício, seja qual for o fundamento, com a conseqüente restituição do imóvel alugado. A tutela antecipada é um instrumento processual que tem a finalidade de antecipar os efeitos de fato da prestação jurisdicional. A sua concessão está condicionada à produção de prova inequívoca que convença o magistrado da verossimilhança da alegação. Duas são as hipóteses autorizadoras dessa medida antecipatória: quando haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou fique caracterizado o abuso do direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do réu. A antecipação de tutela não será concedida no caso de existir perigo de irreversibilidade do provimento antecipado. Esse requisito negativo deve ser interpretado com ressalvas. O art. 79 da lei de locações permite a aplicação subsidiária do Código de Processo Civil. Com base nesse dispositivo, defende-se a possibilidade da tutela antecipada ser outorgada nas ações de despejo, além das cinco situações já previstas na lei. Esse é o entendimento predominante nos Tribunais. Palavras-chaves: ação de despejo tutela antecipada cabimento subsidiariedade jurisprudências.

8 ABSTRACT This work was carried through by means of bibliographical and jurisprudencial research. The arguments contrary and favorable to the application of the anticipated guardianship in the evictions are presented. The objective consists of the reinforcement to the source favorable to the application of the anticipation of guardianship in headquarters of eviction. Eviction is the procedural way to be used by the landlord to extinguish the rental bond, whichever the bedding, with the consequent restitution of the rented property. The anticipated guardianship is a procedural instrument that has the purpose to anticipate the effect in fact of the judgement. Its concession is conditional to the production of unequivocal test that convinces the magistrate the probability of the allegation. Two are the hypotheses of this measure: when it has established distrust of irreparable damage or difficult repairing; or he is characterized the abuse of the right to counsel or the manifest dilatory intention of the male defendant. The guardianship anticipation will not be granted in the case to exist unreversible danger it anticipated provisions. This negative requirement must be interpreted with exceptions. Art. 79 of the law of locations allow the subsidiary application of the Code of Civil action. On the basis of this device, defends it possibility of the anticipated guardianship to be granted in the evictions, beyond the five foreseen situations already in the law. This is the predominant agreement in the Courts. Word-keys: eviction - anticipated guardianship - application - subsidiarity - jurisprudences.

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO AÇÃO DE DESPEJO Conceito Classificação Elementos identificadores Condições Legitimidade Procedimento Liminares TUTELA ANTECIPADA Aspectos gerais Requisitos Hipóteses Características Momento da antecipação Efetivação TUTELA ANTECIPADA NAS AÇÕES DE DESPEJO Tutela antecipada e procedimentos especiais Aplicação subsidiária do Código de Processo Civil Cabimento da tutela antecipada nas ações de despejo Jurisprudência...62 CONCLUSÃO...65 REFERÊNCIAS...67

10 10 INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo, elaborado por meio de método dedutivo e técnica de pesquisa bibliográfica e documental, é demonstrar a possibilidade da aplicação da tutela antecipada genérica no campo locatício, mais precisamente nas ações de despejo, além das hipóteses enumeradas na Lei nº 8.245/91 Lei de locações residenciais e não residenciais, tidas como exemplificativas e não exaustivas, com fundamento no art. 79 da mesma Lei, que admite a aplicação subsidiária do Código de Processo Civil nos casos omissos. Parte da mora processual é fruto da vultosa demanda de ações, que, normalmente, perduram por muitos anos, causando, assim, uma sensação de insegurança e injustiça. A tutela antecipada genérica, disposta no art. 273 do CPC, apresenta-se com um importante instrumento à disposição dos operadores do direito para afastar do processo os efeitos prejudiciais do tempo, que corroem o direito material, deixando seus detentores apreensivos e insatisfeitos. Logo, a tutela jurisdicional há de ser efetiva, propiciando à sociedade um célere e eficaz veredicto, com a finalidade de assegurar o acesso à justiça e, conseqüentemente, a paz social. No mesmo sentido, o universo imobiliário exige uma efetividade na solução de seus conflitos para se desenvolver, proporcionando, por conseguinte, uma maior oferta de imóveis, fundamental àqueles que de alguma forma deles necessitam. Diante disso, surge a importância da aplicação da antecipação de tutela genérica que, em tempo, veio ao encontro dos princípios da moderna Lei do Inquilinato na busca dos meios para que a justiça seja efetivamente alcançada. Esta monografia divide-se em três capítulos, além desta introdução e da conclusão.

11 11 No primeiro capítulo será analisada a ação de despejo no contexto da teoria geral das ações. Apresentar-se-á o seu conceito, classificação, elementos, condições, legitimidade, procedimento e, sucintamente, as liminares. O segundo capítulo tratará do instituto da tutela antecipada, previsto no atual art. 273 do CPC, apontando seus requisitos gerais e específicos, características, momento de aplicação e a forma de efetivação. Por fim, o terceiro capítulo traz a problemática deste trabalho, exibindo os argumentos contrários à antecipação de tutela em sede de ações de despejo, bem como, com mais veemência, os argumentos a favor, que, atualmente, estão predominando, como será visto por meio dos acórdãos pesquisados.

12 12 1. AÇÃO DE DESPEJO 1.1 Conceito Ação No passado, a solução dos conflitos era alcançada pelos próprios litigantes, realizando aquilo que se denomina autotutela. Atualmente, o Estado detém o monopólio da jurisdição, aplicando o direito ao caso concreto como forma de dirimir os litígios entre seus súditos, criminalizando o exercício arbitrário das próprias razões. O monopólio da justiça produz duas conseqüências importantes citadas por Humberto Theodoro Jr.: a) a obrigação do Estado de prestar a tutela jurídica aos cidadãos; e b) um verdadeiro e distinto direito subjetivo o direito de ação oponível ao Estado-juiz, que se pode definir como o direito à jurisdição 1. O direito de ação, como é concebido, percorreu um longo caminho no decorrer da história, evoluindo em decorrência das inúmeras discussões doutrinárias em relação ao seu conceito. Modernamente, o direito de ação pode ser definido como o direito público, subjetivo e abstrato, de natureza constitucional, regulado pelo Código de Processo Civil, de pedir ao Estado-juiz o exercício da atividade jurisdicional no sentido de solucionar determinada lide 2. A atual Constituição Federal no seu art. 5º, inciso XXXV, consagra o direito de ação ao dizer que a lei não poderá excluir da apreciação do Poder Judiciário qualquer lesão ou ameaça a direito. De forma mais abrangente, Theodoro Jr. conceitua ação como sendo: 1 THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito Processual Civil. V.1, 38 ed., Rio de Janeiro: Forense, 2002, p WAMBIER, Luiz Rodrigues. Curso Avançado de Processo Civil: Teoria Geral do Processo e Processo de Conhecimento. 4 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 127.

13 13 Um direito público subjetivo exercitável pela parte para exigir do Estado a obrigação da prestação jurisdicional, pouco importando seja esta de amparo ou desamparo à pretensão de quem o exerce. É, por isso, abstrato. E, ainda, é autônomo, porque pode ser exercitado sem sequer relacionar-se com a existência de um direito subjetivo material, em casos como o da ação declaratória negativa. É, finalmente, instrumental, porque se refere sempre a decisão a uma pretensão ligada ao direito material (positiva ou negativa) Despejo O termo despejo é derivado do verbo despejar: prefixo latino des (separação; negação; contrariedade), mais o verbo pejar (encher; ocupar; replenar). Assim, temos como significado básico (etimológico) a ação ou efeito de desocupar, esvaziar, evacuar algo ou alguma coisa. Juridicamente, despejo é a desocupação obrigatória de um imóvel, por parte do locatário, em cumprimento de sentença judicial 4. Em outras palavras, despejo é o ato material, coercitivo 5 ou não, de retirada do inquilino e seus pertences do imóvel dado em locação, por ordem judicial Ação de despejo O art. 5º da Lei 8.245/91 (Lei do Inquilinato) prescreve que seja qual for o fundamento do término da locação, a ação do locador para reaver o imóvel é a de despejo. Do caput deste citado artigo, conclui-se que a ação de despejo é o único meio competente para o locador reaver seu imóvel locado. 3 THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito Processual Civil. v.i, 38 ed., Rio de Janeiro: Forense, 2002, p HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001, p Findo o prazo assinado para a desocupação, contado da data da notificação, será efetuado o despejo, se necessário com emprego de força, inclusive arrombamento. (Art. 65 da Lei 8.245/91)

14 14 Nesse sentido, Sylvio Capanema de Souza conceitua a ação de despejo como sendo o meio legal de que lança mão o locador para dissolver o contrato e obter a restituição do imóvel locado, com a desocupação do mesmo 6. Importante ressaltar que se a relação jurídica entre as partes não for locatícia, mas comodatária, por exemplo, a ação cabível é a possessória e não a de despejo. A única exceção, prevista no parágrafo único do art. 5º, refere-se à desapropriação do imóvel objeto da locação. Nesse caso, o expropriante poderá imitir-se na sua posse, extinguindo a relação locatícia, independente da ação de despejo 7. Salienta-se, por fim, que não se confunde ação de despejo com o despejo, uma vez que este é o ato material de desocupação do locatário e aquele é o meio processual que tem o locador para extinguir a locação, com a conseqüente restituição do imóvel que alugou Classificação A ação de despejo é o meio processual competente para reaver o imóvel locado, e assim se classifica: 1- Quanto à natureza da tutela jurisdicional almejada; 2- Quanto ao objeto reivindicado; 3- Quanto ao fim; 4- Quanto à natureza do direito em litígio Quanto à natureza da tutela jurisdicional almejada As ações, quanto à natureza da tutela jurisdicional invocada, classificam-se em: a) ações de cognição (ou de conhecimento) são o meio pelo qual a parte apresenta os fatos e os fundamentos de sua pretensão para, ao final, vê-la atendida 6 SOUZA, Sylvio Capanema de, Da Locação do Imóvel Urbano: Direito e Processo. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p SOUZA, Sylvio Capanema de, Da Locação do Imóvel Urbano: Direito e Processo. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p DINIZ, Maria Helena. Lei de Locações de Imóveis Urbanos Comentada: Lei n de 18/10/ ed. São Paulo: Saraiva, 1997, p. 49.

15 15 pelo Judiciário; b) ações de execução visam a realização efetiva da tutela jurisdicional através de atos executórios; e c) ações cautelares onde se pede uma prestação jurisdicional de caráter instrumental tendente a garantir resultado profícuo a processo de outra natureza 9. Atualmente, a doutrina tende a desdobrar as ações de conhecimento em cinco espécies (classificação quinária): a) ações declaratórias buscam a declaração de um direito requerido ao Estado-juiz; b) ações constitutivas pretendem constituir (positiva), desconstituir (negativa) ou modificar uma situação jurídica; c) ações condenatórias têm o objetivo de condenar alguém a cumprir uma obrigação ativa ou omissiva; d) ações mandamentais visam a obtenção de sentença em que o juiz emite uma ordem de autoridade, que, se não for especificamente cumprida por quem a receba, implica sujeição às sanções de tipo penal 10 ; e e) ações executivas lato sensu são ações que alcançam decisões que produzem efeitos práticos independentemente de um posterior processo de execução. Sendo assim, a ação de despejo é uma ação de conhecimento constitutiva negativa 11, uma vez que admite uma ampla dilação probatória com a finalidade de demonstrar os fatos extintivos de uma relação locatícia. Reforçando esse entendimento, Sylvio Capanema prescreve o seguinte: Isso não significa dizer que não haja, na sentença, uma certa carga condenatória, o que não basta para descaracterizar sua natureza constitutiva. De nada adiantaria ao locador dissolver o contrato, rompendo o vínculo jurídico, se não fosse o réu condenado a demitir-se da posse do imóvel, sob pena de, não o fazendo, voluntariamente, no prazo cominado na sentença, proceder-se ao despejo judicial, com a utilização de força, se necessário MARQUES, José Frederico. Instituições de Direito Processual Civil. V. 2. Campinas: Millennium, 1999, p WAMBIER, Luiz Rodrigues. Curso Avançado de Processo Civil: Teoria Geral do Processo e Processo de Conhecimento. 4 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p SLAIBI FILHO, Nagib. Comentários à Nova Lei do Inquilinato. 9 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1998, p SOUZA, Sylvio Capanema de, Da Locação do Imóvel Urbano: Direito e Processo. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p. 394.

16 16 Parte da doutrina, porém, classifica a ação de despejo como executiva lato sensu 13, pois sua fase executória ocorre no mesmo processo onde o vínculo jurídico é dissolvido; não necessitando, portanto, de uma execução autônoma Quanto ao objeto reivindicado As ações, quanto ao objeto pretendido, dividem-se em: a) ações mobiliárias tratam de bens móveis, ou seja, bens que podem ser removidos sem alteração da substância 14 ; e b) ações imobiliárias versam sobre bens imóveis, que, ao contrário dos móveis, não podem ser removidos sem alteração da substância. A ação de despejo pertence, pois, ao campo das ações imobiliárias, uma vez que seu objeto será sempre a devolução de um imóvel, seja ele apartamento, casa, galpão, sala, loja, terreno Quanto ao fim Quanto ao seu fim, podem ser classificadas as ações em: a) reipersecutórias buscam a retomada de um bem que é devido e se encontre fora do patrimônio do autor 15 ; b) penais visam a satisfação de uma pena convencional ou legal; e c) mistas são aquelas que o bem e a multa são pedidos conjuntamente. Por conseguinte, a ação de despejo situa-se no grupo das reipersecutórias, em que se tem em mira a recuperação da posse de um imóvel, em decorrência da extinção do contrato de locação Quanto à natureza do direito em litígio 13 SLAIBI FILHO, Nagib. Comentários à Nova Lei do Inquilinato. 9 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1998, p GOMES, Orlando. Direitos reais. 14 ed. Rio de Janeiro: Revista Forense, 1999, p SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras Linhas de Direito Processual Civil. V. 1, 21 ed. São Paulo: Saraiva, 1999, p SOUZA, Sylvio Capanema de, Da Locação do Imóvel Urbano: Direito e Processo. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p. 394.

17 17 Com relação à natureza do direito em litígio, as ações podem ser: a) pessoais são conexas a um direito obrigacional; e b) reais tutelam um direito real. Dessa forma, cabe ao direito material determinar se a ação tem natureza pessoal ou real, pois a qualificação aludida depende da natureza do direito subjetivo de que deriva a pretensão ligada ao direito de agir 17. A ação de despejo tem como finalidade imediata a dissolução de um vínculo locatício, que é de natureza obrigacional. Assim sendo, a ação de despejo é classificada pela doutrina como pessoal. No que se refere aos procedimentos, tal classificação traz importantes conseqüências práticas descritas por Sylvio Capanema de Souza: Não constituindo uma ação real, é indispensável, em sede de ação de despejo, que os cônjuges do locador e do locatário, se casados forem, integrem a relação processual. Qualquer que seja o regime de bens do casamento, pode o marido, ou a mulher, ingressar, isoladamente, com a ação de despejo, ou a ela resistir. Nas ações reais, ao contrário, a ausência dos cônjuges, seja no pólo ativo ou passivo, acarreta a nulidade do processo. Outra conseqüência é que, nas ações de despejo, não é absoluta e inderrogável a competência do foro da situação da coisa, tal como se estabelece no campo das ações reais, admitindo a nova lei do inquilinato que as partes elejam, livremente, um foro diferente daquele da situação da coisa, para dirimir os litígios emanados do contrato de locação, e que prevalecerá sobre o forum rei sitae, como se depreende da regra inserida no art. 58, inciso II 18. Concluindo, a ação de despejo pode ser classificada como uma ação de conhecimento, constitutiva negativa, imobiliária, reipersecutória e pessoal. 1.3 Elementos identificadores 17 MARQUES, José Frederico. Instituições de Direito Processual Civil. V. II. Campinas: Millennium, 1999, p SOUZA, Sylvio Capanema de, Da Locação do Imóvel Urbano: Direito e Processo. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p. 395.

18 18 A identificação das ações, ou melhor, das causas 19, é importante para garantir a segurança jurídica, no sentido de evitar decisões controversas ou conflitantes acerca de uma mesma lide, além de se prender a questões processuais fundamentais como a coisa julgada e a litispendência 20. A doutrina menciona três elementos essenciais para identificar uma ação (ou causa): 1- as partes, 2- a causa de pedir e 3- o pedido. Portanto, uma ação só será idêntica à outra quando esses três elementos forem rigorosamente os mesmos Partes As partes são o sujeito ativo e o sujeito passivo na lide. O sujeito ativo é o autor, aquele que requer a tutela jurisdicional do Estado a fim de fazer valer sua pretensão resistida. Já o sujeito passivo é o réu, aquele que resiste a uma pretensão exposta pelo autor. As partes, mesmo que possivelmente ilegítimas, não perdem sua qualidade de parte enquanto exista o processo ou enquanto não seja excluída dele, por força do reconhecimento da ilegitimidade 22. Na ação de despejo, as partes são o locador (autor) e o locatário (réu), ou quem se sub-rogou em tais posições, como será visto adiante Causa de pedir A causa de pedir são os fatos (causa remota) e os fundamentos jurídicos (causa próxima) que amparam o pedido, de acordo com a linguagem legal do Código de Processo Civil (art. 282, inciso III). Assim, nosso Código adotou a teoria 19 O que, porém, realmente existe na espécie são elementos da causa, pois, como já afirmamos, o direito de ação é único, variando apenas as lides deduzidas em juízo (isto é, as causas). (Theodoro Jr., 2002, v. I, p. 58). 20 Há litispendência, quando se repete ação, que está em curso; há coisa julgada, quando se repete ação que já foi decidida por sentença, de que não caiba recurso. (Art. 301, 3º do Código de Processo Civil). 21 Art. 301, 2º, do Código de Processo Civil. 22 WAMBIER, Luiz Rodrigues. Curso Avançado de Processo Civil: Teoria Geral do Processo e Processo de Conhecimento. 4 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 129.

19 19 da substanciação que exige não só a exposição da causa próxima, como também da causa remota 23. Na Lei nº 8.245/91, encontram-se inúmeros fundamentos que embasam o pedido de despejo, destacando-se 24 : a) Locações residenciais: ação por resolução findo o prazo (art. 46 da Lei do Inquilinato); ação por denúncia na prorrogação (art. 46, 2º); ações relativas às locações verbais; ações relativas às locações de prazo inferior a 30 (trinta) meses (art. 47); ação por término da locação por temporada (art. 48). b) Locações não residenciais: ação de despejo relativo às locações excluídas do art. 51; ação relativa a estabelecimentos de ensino e saúde (art. 53); ação relativa à loja em shopping center (art. 54); ação relativa à locação de prazo determinado (art. 56); ação relativa à locação para pessoa jurídica (art. 55); ação relativa à locação sem prazo (art. 57). c) Locações residenciais e não residenciais: ação de despejo por mútuo acordo (art. 9º, I); ação de despejo por infração legal ou contratual (art. 9º, II); ação de despejo por falta de pagamento (art. 9º, III); ação de despejo para reparações urgentes (art. 9º, IV); ação de despejo pelo nu-proprietário ou fideicomissário (art. 7º); ação de despejo pelo adquirente do imóvel (art. 8º) Pedido O pedido é a solicitação ao Estado-juiz, por parte do autor, de uma prestação jurisdicional que atenda sua pretensão resistida pelo réu. O pedido 26 ou o objeto da ação, como prefere parte da doutrina, pode ser imediato ou mediato. O 23 SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras Linhas de Direito Processual Civil. V. 1, 21 ed. São Paulo: Saraiva, 1999, p Locações realizadas após 20/12/ PACHECO, José da Silva. Tratado das Locações, Ações de Despejo e outros. 11 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000, p Art A petição inicial indicará: IV o pedido, com as suas especificações. (Código de Processo Civil).

20 20 primeiro é a tutela jurisdicional invocada; o segundo é o bem corpóreo ou imaterial que se reclama no pedido 27. Logo, o pedido imediato na ação de despejo é a rescisão do contrato de locação e o mediato é a conseqüente restituição do imóvel. 1.4 Condições Condições gerais As condições gerais da ação são requisitos que devem ser obrigatoriamente preenchidos em qualquer tipo de ação, a fim de obter do Estado-juiz uma sentença de mérito. A não observação de qualquer uma, ou de algumas, dessas condições, implica carência de ação com a conseqüente extinção do processo sem julgamento do mérito, conforme preceitua o art. 267, VI, do Código de Processo Civil 28. Três são as condições da ação enumeradas pela doutrina: a possibilidade jurídica do pedido, a legitimidade das partes e o interesse processual. Há possibilidade jurídica do pedido quando a pretensão, em abstrato 29, formulada pelo autor, encontrar amparo no direito material positivo vigente. Souza, a título exemplificativo, enuncia algumas hipóteses que vão de encontro aos preceitos da Lei do Inquilinato: Podemos arrolar alguns exemplos de impossibilidade jurídica do pedido, a conduzir, igualmente, à extinção do processo, sem 27 MARQUES, José Frederico. Instituições de Direito Processual Civil. V. II. Campinas: Millennium, 1999, p Art Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: VI quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual. 29 Em abstrato pois a coincidência, na afirmação contida no pedido, dos caracteres que são necessários e suficientes para que o órgão jurisdicional deva realizar sua tarefa, que consiste em exercer suas funções na direção e forma previstas pela ordem jurídica. (Marques, 1999, v. II, p. 23).

21 21 julgamento do mérito: a denúncia imotivada da locação feita a estabelecimento de ensino regular, autorizado e fiscalizado pelo Poder Público, cujo desalijo só pode ser reclamado nas hipóteses elencadas, exaustivamente, no art. 53; a denúncia imotivada de locação residencial, verbalmente avençada, antes de decorridos 5 (cinco) anos de sua vigência; a denúncia, pelo adquirente do imóvel locado, cujo contrato de locação esteja vigendo por prazo determinado, e contenha cláusula de respeito, averbada à margem da matrícula, no Registro de Imóveis; a retomada para uso de parente colateral do locador, ainda que seu dependente econômico; a retomada de imóvel destinado ao comércio, para uso de sociedade da qual faça parte um descendente do locador, mas que não tenha, ainda, 1 (um) ano de fundo de comércio 30. As partes, como visto anteriormente, são os sujeitos da relação processual, detentores da titularidade ativa (autor) e passiva (réu) no processo. No entanto, esses sujeitos só serão legítimos se forem assim considerados pela lei material ou processual. Portanto, a ação somente pode ser proposta por aquele que é titular do interesse que se afirma prevalente na pretensão, e contra aquele cujo interesse se exige que fique subordinado ao do autor 31. A legitimidade pode ser ordinária ou extraordinária. A primeira ocorre quando os legitimados são os sujeitos da lide, titulares dos interesses em conflito. A segunda dá-se quando a lei concede direito de ação a quem não seja titular do direito afirmado na pretensão, mas a quem se apresenta e esteja autorizado a defender interesse de outrem, como ocorre nos casos de substituição processual. A legitimidade nas ações de despejo será analisada, detalhadamente, adiante em subseção própria. O interesse de agir resulta da indispensabilidade de intervenção do Judiciário a fim de dirimir um conflito de interesses, após frustradas todas as tentativas de solução pelas próprias partes litigantes. 30 SOUZA, Sylvio Capanema de, Da Locação do Imóvel Urbano: Direito e Processo. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p MARQUES, José Frederico. Instituições de Direito Processual Civil. V. II. Campinas: Millennium, 1999, p. 25.

22 22 Há dois aspectos, ligados entre si, que compõem o interesse de agir: o binômio necessidade-adequação. Sob esse prisma, o interesse processual surge da necessidade da tutela jurisdicional do Estado, invocada pelo meio adequado, que determinará o resultado útil pretendido, do ponto de vista processual 32. Souza, no campo das locações, apresenta duas hipóteses onde não há interesse de agir: Daí inexistir interesse de agir, se já extinto o contrato e o imóvel despejando já estiver inteiramente desocupado, de pessoas e de coisas, ou se ainda não se expirou o prazo avençado na resilição bilateral, para a desocupação do prédio. Em ambas as hipóteses aqui lembradas, entre muitas outras que poderão ocorrer, haverá a extinção do processo, sem julgamento do mérito Condições específicas Existem, no âmbito das ações de despejo, por isso específicas, inúmeras condições estabelecidas pela lei que, quando ausentes, acarretam a extinção do processo sem julgamento do mérito. A título exemplificativo, enumeram-se alguns casos onde a lei de locações exige o cumprimento de certas condições: a) notificação premonitória do locatário para que deixe o imóvel, voluntariamente, em determinado prazo descrito na lei 34 ; b) comprovação da propriedade ou, pelo menos, do compromisso registrado em cartório, nas ações de despejo fundadas no inciso IV do art. 9º, inciso IV do art. 47 e inciso II do art. 53, todos da Lei do Inquilinato (art. 60); c) extinção do contrato de trabalho, caso a locação estiver relacionada com o emprego do locatário (art. 47, II); 32 WAMBIER, Luiz Rodrigues. Curso Avançado de Processo Civil: Teoria Geral do Processo e Processo de Conhecimento. 4 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p SOUZA, Sylvio Capanema de, Da Locação do Imóvel Urbano: Direito e Processo. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p Ocorre nos casos descritos pelos arts.: 46, 2º; 57; 71; 78 e 82 da Lei 8.245/91.

23 23 d) tempo do contrato, quando se cuidar de denúncia condicionada, tratado no inciso V do art Legitimidade Ativa Ordinariamente, está legitimado a figurar no pólo ativo da relação processual locatícia o locador ou quem se sub-rogou no seu direito, ou seja, aquele que cedeu, a título oneroso, a posse direta do imóvel ao locatário. Pode, sem a menor dúvida, o locador ser pessoa física ou jurídica, de direito privado ou público, nacional ou estrangeira. O locador sendo incapaz, somente ingressará em juízo se for assistido (incapacidade relativa) ou representado (incapacidade absoluta). Tratando-se de pessoa jurídica, será representada, na ação, por aquele que o respectivo ato constitutivo designar, o que deverá restar inequivocamente demonstrado 36. Por fim, estão legitimadas a figurarem no pólo ativo das ações de despejo, na qualidade de locador ou equiparado, as pessoas abaixo relacionadas: a) o proprietário do imóvel; b) o promissário-comprador, na forma dos arts. 8º, 1º e 47, 2º da Lei do Inquilinato; c) o cessionário ou promissário-cessionário, de acordo com os artigos mencionados na alínea anterior; d) o enfiteuta, titular do domínio útil; e) o usuário, titular do direito real de uso; f) o usufrutuário, detentor do direito de usar e fruir as utilidades de alguma coisa; 35 SOUZA, Sylvio Capanema de, Da Locação do Imóvel Urbano: Direito e Processo. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p SOUZA, Sylvio Capanema de, Da Locação do Imóvel Urbano: Direito e Processo. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p. 400.

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos pertinentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei introduz alteração na Lei

Leia mais

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira - São Paulo, Brasil - 13 de agosto de 2010 MULTA CONTRATUAL Lei nº. 8.245/91 O locatário poderia devolver

Leia mais

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Da TUTELA ANTECIPADA Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO ANTECIPAÇÃO DE TUTELA - REQUISITOS Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida

Leia mais

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010 Apresentação: Leandro Ibagy Vitória, mar/2010 Ao proteger excessivamente o locatário, restringindo a reprise, ninguém mais se interessava adquirir imóveis para destiná-los a locação. Nível de aquisição

Leia mais

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO PARTE 1 A TUTELA PROVISÓRIA PREVISTA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA CRÍTICA... 23 CAPÍTULO I TEORIA GERAL DA TUTELA

Leia mais

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi PODER JUDICIÁRIO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii um mu um um um um mu mi mi Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento

Leia mais

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS Diogo L. Machado de Melo Nathália Annette Vaz de Lima NORMA ANTERIOR (LEI 8245/91) ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI 12.112/09 (COM JUSTIFICATIVAS DE VETOS) (EM VIGOR

Leia mais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais Espelho Civil Peça A peça cabível é PETIÇÃO INICIAL DE ALIMENTOS com pedido de fixação initio litis de ALIMENTOS PROVISÓRIOS. A fonte legal a ser utilizada é a Lei 5.478/68. A competência será o domicílio

Leia mais

ARBITRAGEM NO CAMPO IMOBILIÁRIO LOCAÇÃO DE IMÓVEIS

ARBITRAGEM NO CAMPO IMOBILIÁRIO LOCAÇÃO DE IMÓVEIS ARBITRAGEM NO CAMPO IMOBILIÁRIO LOCAÇÃO DE IMÓVEIS ADEVANIR TURA Considerando que a Arbitragem cuida de bens disponíveis, a locação de imóveis se enquadra nesta modalidade. Assim, não podemos descaracterizar,

Leia mais

AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO

AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO CAETANO ERNESTO DA FONSECA COSTA Desembargador do TJ/RJ 1. OBJETIVO O que modestamente se pretende com este trabalho é alcançar maior celeridade à pretensão jurisdicional

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV PODER GERAL DE CAUTELA DO JUIZ Cláudio Basques

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV PODER GERAL DE CAUTELA DO JUIZ Cláudio Basques DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV PODER GERAL DE CAUTELA DO JUIZ Cláudio Basques - PREVISTO NOS ARTIGOS 798 E 799 DO CPC Art. 798. Além dos procedimentos cautelares específicos, que este código regula no Capítulo

Leia mais

Revista Pesquisas Jurídicas ISSN 2316 6487 (v. 3, n. 2. jul./out. 2014)

Revista Pesquisas Jurídicas ISSN 2316 6487 (v. 3, n. 2. jul./out. 2014) 4 AS TUTELAS DE URGÊNCIA E EVIDÊNCIA NO ANTEPROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Felipe Maciel Pinheiro Barros 1 INTRODUÇÃO O Código de Processo Civil vigente CPC encontra-se obsoleto não apenas pelo

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 180 SENTENÇA Processo Digital nº: 1021633-14.2014.8.26.0405 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Promessa de Compra e Venda Requerente: RAFAEL RODRIGUES e outro Requerido: IBÉRIA INCORPORADORA

Leia mais

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS É o ato de vontade que, por se conformar com os mandamentos da lei e a vocação do ordenamento jurídico, confere ao agente os efeitos por ele almejados. ELEMENTOS ESTRUTURAIS I -ESSENCIAIS

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS 1.1. Generalidades... 17 1.2. Conceito, requisitos e características... 37 1.3. Natureza jurídica do contrato de locação...

Leia mais

Site Jurídico S.O.S Estagiários (www.sosestagiarios.com) Trabalhos Prontos Gratuitos LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA

Site Jurídico S.O.S Estagiários (www.sosestagiarios.com) Trabalhos Prontos Gratuitos LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA Nos primórdios da sociedade romana, surgiu o instituto da arbitragem como forma de resolver conflitos oriundos da convivência em comunidade, como função pacificadora

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2006.0003477-9/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE PITANGA IMPETRANTE...: JOÃO OLÍVIO BENTO DA SILVA AUTORIDADE COATORA...: JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL DA COMARCA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO APELAÇÃO SEM REVISÃO N º 590.556-0/9 - SÃO VICENTE Apelante: Elisabetta Maiorano (ou Elisabetta Maiorano Errico) Apelada : Manayara de Azambuja Luz AÇÃO DE DESPEJO. NOTIFICAÇÃO. Art. 47, inc. V, da Lei

Leia mais

ESPÉCIES DE TUTELA JURISDICIONAL

ESPÉCIES DE TUTELA JURISDICIONAL ESPÉCIES DE TUTELA JURISDICIONAL Maria Cristina Zainaghi Resumo: Neste trabalho pretendemos trazer, em breve relato, as espécies de provimento jurisdicionais, inclusive abordando as tutelas diferenciadas,

Leia mais

TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS

TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS 1.1. TUTELA DEFINITIVA: SATISFATIVA E CAUTELAR TUTELA DEFINITIVA Obtida com base na cognição do exauriente, profundo debate acerca do objeto da decisão, garantindo o devido

Leia mais

D E C I S Ã O. Vistos.

D E C I S Ã O. Vistos. D E C I S Ã O Vistos Trata-se de mandado de segurança impetrado pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT pretendendo a concessão de liminar nas modalidades initio litis e inaudita altera pars

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO PRATICA JURIDICA II : FASE DE POSTULAÇÃO AILTON SILVA ANTUNES NILSON DE OLIVEIRA JUNIOR TITO MARÇAL DE OLIVEIRA PEREIRA LINHARES-ES

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Jorge, professor de ensino fundamental, depois de longos 20 anos de magistério, poupou quantia suficiente para comprar um pequeno imóvel à vista. Para tanto, procurou

Leia mais

PROCEDIMENTO. Classificação do procedimento Comum: rito ordinário e rito sumário Especial: de jurisdição contenciosa e de jurisdição voluntária

PROCEDIMENTO. Classificação do procedimento Comum: rito ordinário e rito sumário Especial: de jurisdição contenciosa e de jurisdição voluntária Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 20 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles PROCEDIMENTO Conceito Corrente clássica: é uma forma material com que

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão fls. 1 Autos n.º 0708777-72.2013.8.01.0001 Classe Ação Civil Pública Autor Defensoria Pública do Estado do Acre Réu Estado do Acre Decisão Trata-se de Ação Civil Pública, com pedido de tutela antecipada,

Leia mais

ÍNDICE. Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS...

ÍNDICE. Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS... ÍNDICE Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS... XXI XXV I PARTE II CO M EN TÁ RIO S À L E I N. 8.245, DE 18 DE OUTUBRO

Leia mais

ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, EFEITO SUSPENSIVO E A REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, EFEITO SUSPENSIVO E A REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, EFEITO SUSPENSIVO E A REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL GUILHERME DE ALMEIDA BOSSLE Bacharel em Direito pela Universidade do Vale do Itajaí Com a recente reforma do Código de Processo

Leia mais

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL PEÇA PROFISSIONAL José, brasileiro, por intermédio da Administradora de Imóveis Maranhão Ltda., sociedade civil, representada por Aluísio, contratou a locação da

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

Ação é algo que significa, basicamente, direito público subjetivo de receber do Estado Tutela Jurisdicional.

Ação é algo que significa, basicamente, direito público subjetivo de receber do Estado Tutela Jurisdicional. ROTEIRO DE AULA: TEORIA GERAL DO PROCESSO CAUTELAR: Ação, Processo e Procedimento: Ação é algo que significa, basicamente, direito público subjetivo de receber do Estado Tutela Jurisdicional. Processo

Leia mais

Mensagem de veto Altera a Lei no 8.245, de 18 de outubro de 1991, para aperfeiçoar as regras e procedimentos sobre locação de imóvel urbano

Mensagem de veto Altera a Lei no 8.245, de 18 de outubro de 1991, para aperfeiçoar as regras e procedimentos sobre locação de imóvel urbano Confira a íntegra da nova Lei do Inquilinato Mensagem de veto Altera a Lei no 8.245, de 18 de outubro de 1991, para aperfeiçoar as regras e procedimentos sobre locação de imóvel urbano LEI Nº 12.112 DE

Leia mais

TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS Programa de Pós-Graduação em Direito Processual Civil Tema: TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS 1 I - CONCEITO a) Espécie de procedimento (de conhecimento) Processo de Conhecimento Procedimento Comum

Leia mais

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2. 2 0 0 7 PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.164,95 2 - Recursos: A) interposição de qualquer recurso 1.042,37 3,8476 40,11 1.082,47 B)

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 6º SEMESTRE - NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL

Leia mais

prazo para você denunciar o contrato é de 90 dias a partir do registro da averbação da extinção do usufruto.

prazo para você denunciar o contrato é de 90 dias a partir do registro da averbação da extinção do usufruto. 18.)Fiz um contrato de locação de um imóvel residencial e quando me mudei para a casa constatei que há sérios problemas de esgoto que precisarão de reparos, o que resultará na quebra do piso do banheiro

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO 30 a Câmara AGRAVO DE INSTRUMENTO No.1204235-0/4 Comarca cie SÃO CAETANO DO SUL Processo 2789/08 3.V.CÍVEL DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A)

Leia mais

1. Multa pela quebra do contrato. (Lei 8.245/91- art. 4º)

1. Multa pela quebra do contrato. (Lei 8.245/91- art. 4º) Efeitos e reflexos da Lei no. 12.112/09 ao introduzir alterações na Lei n o 8.245/91 que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos (por conseqüência não se aplica às locações regidas pelo código civil).

Leia mais

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na 1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na qual este reivindicava a propriedade do veículo adquirido

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO E AÇÃO DE DEPÓSITO 1 Parte I AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 2 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos, os autos acima

VISTOS, relatados e discutidos, os autos acima ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Gen ésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 001.2011.015750-81001 RELATOR : Dr. Aluízio Bezerra Filho, Juiz Convocado para

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO Agravo de Instrumento n 200.2011.019980-5/001 Origem : 8 4 Vara Cível da Comarca da Capital Relatora : Juíza de Direito Convocada Maria

Leia mais

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4.1 Conceito - O que é a ação de prestação de contas? 4.2 Ação de dar e ação de exigir contas - A quem compete esta ação? - Trata-se de uma ação dúplice? - Ação de dar contas

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA: 1. TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO 2. PARTES NO PROCESSO DE EXECUÇÃO 3. COMPETÊNCIA 4. REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA REALIZAR QUALQUER EXECUÇÃO 5. FASE DE CUMPRIMENTO DE SENTENÇA 5.1 CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY. fls. 133 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000597809 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2120157-80.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante EMPRESA FOLHA DA

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

André Luís Monteiro. Fernanda Medina Pantoja

André Luís Monteiro. Fernanda Medina Pantoja OAB/RJ Comissão de Arbitragem Impactos do Novo Código de Processo Civil na Arbitragem André Luís Monteiro Advogado de Andrade & Fichtner Advogados. Mestrando em Direito Processual Civil pela PUC-SP SP.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39 SUMÁRIO Apresentação da Coleção...15 CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 1. Antecedentes históricos da função de advogado...19 2. O advogado na Constituição Federal...20 3. Lei de regência da

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques

AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO CUMULADA COM COBRANÇA DE ALUGUERES E ENCARGOS.

Leia mais

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações:

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: 1. Jurisdição internacional concorrente Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: I de alimentos, quando: a) o credor tiver domicílio ou residência no

Leia mais

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 (Escrituras de Inventário, Separação e Divórcio) Antonio Carlos Parreira Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões de Varginha MG Art.

Leia mais

Direito Processual Civil II - Turma A

Direito Processual Civil II - Turma A Direito Processual Civil II - Turma A Regência: Professor Doutor Miguel Teixeira de Sousa 4 de Junho de 2015 Duração: 2h A intentou contra B e C uma ação, na secção cível do Tribunal da comarca do Porto.

Leia mais

Petição Inicial. OBS: todas as petições iniciais obedecem aos mesmos requisitos, seja ela de rito ordinário, sumário, cautelar procedimento especial.

Petição Inicial. OBS: todas as petições iniciais obedecem aos mesmos requisitos, seja ela de rito ordinário, sumário, cautelar procedimento especial. Petição Inicial A Petição inicial é a peça por meio da qual o autor provoca a atuação jurisdicional do Estado. A sua redação deverá obedecer a determinados requisitos estabelecidos no artigo 282 do CPC.

Leia mais

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Art. 1 - Salvo disposição contrária, a lei começa

Leia mais

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO INSTITUTO DA AUSÊNCIA Fernanda Sacchetto Peluzo* Hugo Leonardo de Moura Bassoli* Loren Dutra Franco** Rachel Zacarias*** RESUMO O Instituto da Ausência está exposto na parte geral do Novo Código Civil

Leia mais

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Capítulo I Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Desapropriação é o termo jurídico que indica ato, emanado do poder público, do qual resulta a resolução do domínio do titular sobre

Leia mais

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? A locação de imóveis sem as garantias tradicionais. Jaques Bushatsky

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? A locação de imóveis sem as garantias tradicionais. Jaques Bushatsky A locação de imóveis sem as garantias tradicionais. Jaques Bushatsky A Lei 12.112 de 09/12/2009 Aperfeiçoou a Lei 8.245/91. Manteve o bom espírito da lei de 1.991. Trouxe para o direito positivo, a experiência

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.507.239 - SP (2014/0340784-3) RELATÓRIO O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE: Trata-se de recurso especial interposto por Santander Leasing S.A. Arrendamento Mercantil, com fundamento

Leia mais

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS...

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO COMPRADOR QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... Rubens Leonardo Marin SECOVI / SP 11/05/2015 O problema:

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP PROCESSO nº DISTRIBUIÇÃO POR DEPENDÊNCIA AO PROCESSO nº 90.0042414-3 MARÍTIMA SEGUROS S/A, pessoa jurídica de

Leia mais

DIREITO DE PREFERÊNCIA NA LEI 8.245/91

DIREITO DE PREFERÊNCIA NA LEI 8.245/91 DIREITO DE PREFERÊNCIA NA LEI 8.245/91 Luana Cristina Coutinho Orosco PLAÇA 1 RESUMO: O Direito de Preferência é um instituto da Lei de Locação, que gera proteção ao Locatário na alienação do imóvel para

Leia mais

Inventário e Partilha

Inventário e Partilha 108 Inventário e Partilha Flávia de Azevedo Faria Rezende Chagas 1 O palestrante, Dr. Sérgio Ricardo de Arruda Fernandes, iniciou sua explanação abordando a abertura da via extrajudicial, prevista na Resolução

Leia mais

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação).

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). Direito de familia Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). 1 EC nº 66/2010: Nova redação do art. 226, 6º da CF: O casamento civil pode ser dissolvido

Leia mais

Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação

Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação Jurisdição: é o poder de dizer o direito Ação: direto público subjetivo Processo: método de compor litígios Procedimento:

Leia mais

I. INTRODUÇÃO A RESPEITO DAS CAUTELARES

I. INTRODUÇÃO A RESPEITO DAS CAUTELARES MEDIDAS CAUTELARES NO DIREITO ELETRÔNICO Claudia Moura Salomão São Paulo Julho 2005 I. INTRODUÇÃO A RESPEITO DAS CAUTELARES Esse trabalho visa proporcionar uma breve noção sobre a aplicação do instituto

Leia mais

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL José Domingues Filho 1 SUMÁRIO RIO: 1. O problema. 2. Conceito de mérito 3. Defesa de mérito no processo de conhecimento. 4. Julgamento de mérito no processo de conhecimento.

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo Em 29 de abril de 2015,na sede da, com a presença da juíza Juliana Petenate Salles, realizou-se a audiência para julgamento da ação trabalhista ajuizada por JULIANA PUBLIO DONATO DE OLIVEIRA em face de

Leia mais

TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA.

TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA. PALESTRA TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA. Professor: Dr. Francisco Ferreira Jorge Neto Desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Professor Universitário

Leia mais

11ª Vara Federal Cível SP Autos n. 0012625-89.2014.403.6100. Decisão Antecipação de Tutela

11ª Vara Federal Cível SP Autos n. 0012625-89.2014.403.6100. Decisão Antecipação de Tutela PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL C O N C L U S Ã O Nesta data faço conclusos estes autos a MM. Juíza Federal. São Paulo, 16 de julho de 2014. Eu,..., Téc. Judiciário RF 6506 11ª Vara Federal Cível SP Autos

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Reclamação trabalhista I: petição inicial

Reclamação trabalhista I: petição inicial Reclamação trabalhista I: petição inicial Denominação Daniele Sehli* A petição inicial ordinária na Justiça do Trabalho, consoante artigo 840 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), recebe a denominação

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 PREFÁCIO... 17 INTRODUÇÃO... 19 Capítulo I FLEXIBILIZAÇÃO... 21 1.1. Definição... 21 1.2. Flexibilização da norma... 23 1.3. Flexibilizar a interpretação e

Leia mais

DA VIABILIDADE DO OFERECIMENTO DOS ALUGUÉIS VENCIDOS COMO CAUÇÃO PARA CONCESSÃO DE LIMINAR EM AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO

DA VIABILIDADE DO OFERECIMENTO DOS ALUGUÉIS VENCIDOS COMO CAUÇÃO PARA CONCESSÃO DE LIMINAR EM AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO DA VIABILIDADE DO OFERECIMENTO DOS ALUGUÉIS VENCIDOS COMO CAUÇÃO PARA CONCESSÃO DE LIMINAR EM AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO DÉCIO SEIJI FUJITA 1 RESUMO A atual Lei das Locações de Imóveis Urbanos

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA (PR. DE LAS LEÑAS)

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA (PR. DE LAS LEÑAS) MERCOSUL/CMC/DEC. N 05/92 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA (PR. DE LAS LEÑAS) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção assinado

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI Nº 71, DE 2007.

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI Nº 71, DE 2007. 1 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI Nº 71, DE 2007. Dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos a ela pertinentes, alterando a Lei nº 8.245,

Leia mais

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda.

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. (Tecnisa) Juiz(a)

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Curso Resultado Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Atualizado em 18 de dezembro de 2015 Sumário Ação coletiva / civil pública Ação contra seguradora Ação de adjudicação compulsória

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA

LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA SUCESSÕES: LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA DOCUMENTOS ROTEIRO INTRODUÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ...una mala política legislativa, consagrada a través del tiempo, no se sabe

Leia mais