LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL"

Transcrição

1 LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO ARBITRAMENTO DO ALUGUEL INTERPRETAÇÃO DOS ARTS. 3.º, PARÁGRAFO ÚNICO, E 6.º E PARÁGRAFOS DO DECRETO LEI N.º 4, DE 7 DE FEVEREIRO DE 1966 Sérgio Sérvulo da Cunha Professor de Direito Civil da Faculdade Católica de Direito de Santos 1. Em novembro de 1964, com a lei n.º 4.494, pretendeu o Governo regular definitivamente, ou ao menos por dez anos, o problema da locação de imóveis. As sucessivas leis de inquilinato haviam cerceado de tal modo os direitos dos proprietários, que se fazia mister descongelar gradativamente os aluguéis. Contudo, nem bem posta em vigor a nova lei, e já um ano após, em 29 de novembro de 1965, dois artigos introduzidos sub repticiamente na lei de estímulo à construção civil (lei n.º 4.864, arts. 17 e 28) vieram restaurar, para certos tipos de locação, o regime de absoluta liberdade consagrado pelo Código Civil. Nesse regime merecem atenção especial dois dispositivos, contidos nos arts e 1.196: Art : A locação por tempo determinado cessa de pleno direito findo o prazo estipulado, independentemente de notificação ou aviso. Art : Se, notificado o locatário, não restituir a coisa, pagará, enquanto a tiver em seu poder, o aluguel que o locador arbitrar... Face à avalancha de notificações que invadiu os pretórios logo em seguida, gerando grave inquietação, viu se o Governo obrigado a voltar atrás, em parte, restringindo a liberdade dos locadores. Editou, assim, o decreto lei n.º 4, de 7 de fevereiro de 1966, aplicável às locações não residenciais, que visou humanizar a aplicação da faculdade conferida pelo art do Código Civil. 2. Esse decreto lei, como qualquer outro entre os recentemente publicados, que não diga respeito à segurança nacional, fere à Constituição e ao Ato Institucional n.º 2. Não é nosso propósito, porém, examiná lo desse ponto de vista. Os nossos juízes vêm lhe dando aplicação, e principalmente nas ações de despejo por falta de pagamento, levantam se polêmicas quanto à sua interpretação. 1

2 Tentamos deslindar, nesse estudo, a aparente contradição existente entre seus arts. 3.º, parágrafo único, e 6.º e seus parágrafos. Determina o art. 3.º em seu parágrafo único: Se, notificado, o locatário não restituir o prédio, pagará, enquanto o tiver em seu poder, o aluguel que o locador arbitrar, cujo valor máximo não poderá, entretanto, exceder o valor da correção monetária do aluguel, calculada, a partir do início desse aluguel, de acordo com os índices fixados pelo Conselho Nacional de Economia. 3. Esse dispositivo vinha sanar, afinal, uma lacuna existente em nossa legislação, a respeito do alcance do arbítrio do locador, ao fixar o novo aluguel. Discutira se muito, em torno do art do Código Civil, se era ou não ilimitado aquele arbítrio, sendo afirmativa, a princípio, a maioria das opiniões e julgados, com base principalmente na lição de Clóvis Bevilaqua: O Código não estabelece limite algum para o aluguel arbitrado pelo locador, neste caso, por que este preço elevado é um meio de coagir o locatário a cumprir sua obrigação e restituir a coisa alugada, finda a locação. A continuação arbitrária do locatário na posse da coisa alugada é um ato injusto, uma ação abusiva, contra a qual a lei arma o locador desse recurso extraordinário, além do comum da ação para lhe ser restituído o que, sem direito, continua em poder do locatário ( Código Civil, Ed. Freitas Bastos, vol. 4, pág. 298). É o que se vê nas decisões insertas na Rev. dos Tribs., vols. 124/235, 147/218, 149/193, 151/798, 154/659, 196/540, 209/491, algumas do Supremo Tribunal Federal. Moderando essa interpretação, presa a uma concepção individualista da propriedade, erigiram se outros acórdãos no sentido de que o novo aluguel, arbitrado pelo locador, não poderia exceder ao dobro do devido anteriormente. Isto porque, nos termos do art. 920 do Código Civil, o valor da pena não pode exceder ao dobro da obrigação. A tese de que se trataria, no caso, da aplicação de cláusula penal, foi rejeitada pela doutrina e jurisprudência, que se fixaram, finalmente, na opinião de Filadelfo Azevedo, traduzido em acórdão publicado na Rev. dos Tribs., vol. 199/226: Essa majoração, todavia, deve limitar se ao dobro, não da renda antiga, e sim da que justamente caiba ao tempo da restituição. Para conhecimento dessa evolução, leia se Luís Antônio de Andrade, que lhe traça a história em Locação e Despejo (Ed. Forense, Rio de Janeiro, 2.ª ed., 1966, n.º 36, pgs. 35 e segs.). 4. Do parágrafo único do art. 3.º, conclui se, portanto, à primeira vista, que o arbítrio do locador ficaria limitado a fixar o aluguel até um teto, correspondente ao valor do aluguel, corrigido monetariamente. 2

3 A leitura, porém, do art. 6.º, enseja entendimento diverso: Se a ação de despejo tiver por fundamento a falta de pagamento de aluguel arbitrado pelo locador, na conformidade do parágrafo único do art. 3.º deste decreto lei, o juiz, contestado o pedido, fixará previamente o novo aluguel (Código de Processo Civil, arts. 254 e 248), e o homologará por sentença. Daí a dúvida, ainda não resolvida. O mesmo Luís Antônio de Andrade (op. cit., n.º 96, pág. 90) assim explica essa confusão: Na sua tramitação pelos gabinetes ministeriais, sofreu o anteprojeto, entretanto, modificações que alteraram substancialmente a idéia que presidiu a sua feitura. Nele foi introduzida a norma que hoje constitui o parágrafo único do art. 3.º, alterando o alcance do art do Código Civil, mas com a mesma finalidade visada pelo art. 6.º, resultando daí um bis in idem que torna quase sem sentido esse último dispositivo. E conclui que esses textos, com orientações diversas, têm a mesma finalidade. Essa explicação, porém, não desfaz o impasse, que persiste conforme reconhecido pelo mesmo autor: Realmente, por que e para que fixar o juiz o aluguel cominado e homologá lo, se tal aluguel, nos termos do parágrafo único do art. 3.º, não pode exceder o resultante da correção monetária do aluguel primitivo? Por que e para que a perícia a que alude a parte final do art. 6.º? Para que a opção conferida ao locador pelo 1.º, se ela vai coincidir, necessariamente, com o aluguel cominado? (Ibidem). Fazendo remissão aos arts. 254 e 258 do Código de Processo Civil, o art. 6.º indica que o novo aluguel será fixado pelo juiz, se contestado o pedido, através da realização de prova pericial. Para que a prova pericial? Para simples verificação da aplicação dos índices de correção monetária? Claro que não. Se fosse para esse fim, o juiz remeteria os autos ao contador, e a lei não precisaria fazer referência à perícia, cujo objetivo, segundo o art. 254 do Código de Processo Civil, é a prova de fato que dependa de conhecimento especial. Portanto, a finalidade da perícia, no caso, não pode ser outra que a de apurar o aluguel real, ou aluguel justo. E isto é evidente porque, ainda mais tratando se de locações não residenciais, o aluguel justo nem sempre corresponderá à mera correção monetária do aluguel primitivo, sendo necessário cogitar, para sua fixação, de outros fatores, tais como a valorização do imóvel, mercê de melhoramentos públicos, valorização do ponto, destinação da locação, aumento da 3

4 carga tributária, etc. Seria o caso, por exemplo, de um imóvel alugado há muitos anos na Rua Augusta, em São Paulo, ou na Praia do Boqueirão, em Santos. O 1.º desse artigo vem confirmar tal entendimento: Será dispensada perícia, para efeito de fixação de que trata este artigo, se o locador aceitar como novo aluguel o resultante da aplicação do índice de correção monetária fixado pelo Conselho Nacional de Economia, ao aluguel primitivo. Se o locador aceita cobrar o aluguel corrigido monetariamente, dispensa se a perícia. Mas se, ao contrário, pretende aluguel mais alto, este será fixado, então, mediante prova pericial. Assim, ao inverso do que se depreende à primeira leitura do art. 3.º, parágrafo único, o aluguel corrigido monetariamente não constitui um teto à pretensão do locador. A expressão categórica nele empregada: cujo valor máximo não poderá, entretanto, exceder o valor da correção monetária, deve interpretar se como estabelecendo um teto às pretensões como estabelecendo um teto às pretensões do locador, sempre que o aluguel for por ele mesmo arbitrado, sem o concurso da autoridade judiciária, isto é, sempre que o inquilino, acedendo em pagar aumento, quiser pagar o aumento emitido em lei. Note se a diferença entre os dois casos: O art. 3.º, parágrafo único, fala no aluguel que o locador arbitrar. E o art. 6.º refere se a que o juiz... fixará... o novo aluguel. Poder se ia dizer, todavia, impugnando essa interpretação, que é a própria cabeça do art. 6.º que faz menção a aluguel arbitrado pelo locador na conformidade do parágrafo único do art. 3.º. A necessidade de conciliação entre os dois textos impõe que se veja, na expressão na conformidade, referência ao requisito da prévia notificação, e não à fixação de um teto. O que está, aliás, em consonância com o art do Código Civil, pois sem prévia notificação o locador não poderá exigir o aluguel majorado. Na prática, como se ajustaria a lei, face a esse entendimento, às várias hipóteses que se podem verificar? 1. O locador arbitra o aluguel novo de acordo com os índices do CNE, e passa a cobrá lo sem oposição do inquilino. 2. O locador arbitra o aluguel de acordo com esse índice, e encontrando oposição inquilino, move lhe ação de despejo por falta de pagamento. O inquilino, ao contestar, alega que o cálculo está incorreto, e os autos são remetidos ao contador. 4

5 3. O locador exige aluguel superior ao corrigido monetariamente e move ação de despejo. O locatário, ao contestar, alega que o aluguel reclamado é abusivo, e requer realização de perícia. Tal interpretação, como vemos, além de conciliar os dois dispositivos, alinha se também com o espírito que norteou as modificações efetuadas na legislação do inquilinato. Não nos cabe, aqui, julgar do significado social dessas reformas. Mas, dentro do novo sistema instaurado, essa interpretação, que à primeira vista contraria os interesses dos inquilinos pois permite a fixação de aluguéis em níveis superiores aos da mera correção vem em seu benefício. Explico: na nova sistemática, restauradora do Código Civil, pode o locador exigir o prédio alugado, findo o prazo contratual, se lhe convier, independentemente de necessidade, ou de prova de necessidade. É óbvio que, podendo obter aluguel mais alto, nas condições do mercado, se lhe for negada a via judicial que permita a sua fixação, não se conformará com a percepção apenas do aluguel corrigido monetariamente, e despejará o inquilino através de ação ordinária. Assim, a fixação de aluguel inferior seria, para este, uma vantagem provisória, anulada mais tarde com a perda da locação. ooo0ooo Locação não residencial. Ação de despejo por falta de pagamento. Arbitramento do aluguel. Interpretação dos artigos 3º, parágrafo único, e 6º e parágrafo do Dec. lei nº 04, de 07 de fevereiro de 1966 Revista dos Tribunais n.º 382 pág. 38 agosto/67 5

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO APELAÇÃO SEM REVISÃO N º 590.556-0/9 - SÃO VICENTE Apelante: Elisabetta Maiorano (ou Elisabetta Maiorano Errico) Apelada : Manayara de Azambuja Luz AÇÃO DE DESPEJO. NOTIFICAÇÃO. Art. 47, inc. V, da Lei

Leia mais

1. Multa pela quebra do contrato. (Lei 8.245/91- art. 4º)

1. Multa pela quebra do contrato. (Lei 8.245/91- art. 4º) Efeitos e reflexos da Lei no. 12.112/09 ao introduzir alterações na Lei n o 8.245/91 que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos (por conseqüência não se aplica às locações regidas pelo código civil).

Leia mais

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010 Apresentação: Leandro Ibagy Vitória, mar/2010 Ao proteger excessivamente o locatário, restringindo a reprise, ninguém mais se interessava adquirir imóveis para destiná-los a locação. Nível de aquisição

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL LOCADOR(A): NOME PROPRIETÁRIO, brasileira(o), desquitada(o), comerciante, portador(a) da cédula de identidade nº SSP/SP., e do CIC nº 000.000.000-00, residente e domiciliado

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador MARCO MACIEL

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador MARCO MACIEL PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 94, de 2003, de autoria do Senador AELTON FREITAS, que altera dispositivos

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos pertinentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei introduz alteração na Lei

Leia mais

*ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973.

*ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973. *ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973. CONTRATO DE LOCAÇÃO INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BEM MÓVEL Contrato

Leia mais

AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO

AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO CAETANO ERNESTO DA FONSECA COSTA Desembargador do TJ/RJ 1. OBJETIVO O que modestamente se pretende com este trabalho é alcançar maior celeridade à pretensão jurisdicional

Leia mais

A Lei do Inquilinato e o novo Código Civil Questões Polêmicas

A Lei do Inquilinato e o novo Código Civil Questões Polêmicas A Lei do Inquilinato e o novo Código Civil Questões Polêmicas José Fernando Simão, Bacharel e mestre em direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, onde atua como monitor nas aulas

Leia mais

A garantia em dinheiro nas locações urbanas

A garantia em dinheiro nas locações urbanas Geraldo Beire Simões, advogado Rua do Carmo n 17, 9 andar - Centro - Rio de Janeiro RJ CEP 20.011-020 Tel/fax (21) 2222-9457 e-mail: geraldobeire@globo.com A garantia em dinheiro nas locações urbanas Geraldo

Leia mais

SENTENÇA. Juiz(a) de Direito: Dr(a). Edward Albert Lancelot D C Caterham Wickfield. Vistos.

SENTENÇA. Juiz(a) de Direito: Dr(a). Edward Albert Lancelot D C Caterham Wickfield. Vistos. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0228774-67.2011.8.26.0100 Classe - Assunto Revisional de Aluguel - Locação de Imóvel Requerente: Hospilal e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes S/A Requerido: Fundo de Investimento

Leia mais

CONCLUSÃO. Em 18 de junho de 2015, estes autos são conclusos ao MM. Juiz de Direito Titular II, Dr. Marco Antonio Botto Muscari.

CONCLUSÃO. Em 18 de junho de 2015, estes autos são conclusos ao MM. Juiz de Direito Titular II, Dr. Marco Antonio Botto Muscari. fls. 452 CONCLUSÃO Em 18 de junho de 2015, estes autos são conclusos ao MM. Juiz de Direito Titular II, Dr. Marco Antonio Botto Muscari. Processo nº: 1000819-86.2015.8.26.0003 Classe - Assunto Procedimento

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI Nº 71, DE 2007.

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI Nº 71, DE 2007. 1 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI Nº 71, DE 2007. Dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos a ela pertinentes, alterando a Lei nº 8.245,

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA ROSA

MUNICÍPIO DE SANTA ROSA CONTRATO Nº 099/2015 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BEM IMÓVEL URBANO RESIDENCIAL QUE ENTRE SI CELEBRAM A FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA E CRISTIANE PREISSLER. LOCADOR (A): CRISTIANE PREISSLER, brasileira,

Leia mais

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi PODER JUDICIÁRIO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii um mu um um um um mu mi mi Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento

Leia mais

Fiança não é aval. Entrega das chaves

Fiança não é aval. Entrega das chaves Para a maioria das pessoas, gera desconforto prestar fiança a amigos ou parentes. Não é pra menos. Ser a garantia da dívida de alguém é algo que envolve riscos. Antes de afiançar uma pessoa, é preciso

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10ª Turma INDENIZAÇÃO. DANO MORAL. ATRASO NA ENTREGA DAS GUIAS DO FGTS E SEGURO- DESEMPREGO. A demora injustificada na entrega das guias do FGTS e do Seguro- Desemprego, feita ultrapassado o decêndio

Leia mais

ARBITRAGEM NO CAMPO IMOBILIÁRIO LOCAÇÃO DE IMÓVEIS

ARBITRAGEM NO CAMPO IMOBILIÁRIO LOCAÇÃO DE IMÓVEIS ARBITRAGEM NO CAMPO IMOBILIÁRIO LOCAÇÃO DE IMÓVEIS ADEVANIR TURA Considerando que a Arbitragem cuida de bens disponíveis, a locação de imóveis se enquadra nesta modalidade. Assim, não podemos descaracterizar,

Leia mais

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Ao alugar um imóvel é necessário documentar a negociação por meio de um contrato, de preferência, escrito. O inquilino deve ler atentamente todas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região DEFINE OS DIREITOS DO LOCATÁRIO DETENTOR DE FUNDO DE COMÉRCIO

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região DEFINE OS DIREITOS DO LOCATÁRIO DETENTOR DE FUNDO DE COMÉRCIO Ilmo. Sr. JOSÉ CARLOS GALANTI M. D. Delegado Titular Delegacia Sub-Regional de Marília Marília SP PARECER Nº 029.P.2003 DEFINE OS DIREITOS DO LOCATÁRIO DETENTOR DE FUNDO DE COMÉRCIO Aprovado na 35ª Reunião

Leia mais

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº:

CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº: CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº: LOCADOR: Salão de Beleza ou (Estética), situado na Rua, Bairro, CEP, Cidade, Estado, inscrito no CNPJ sob o número, Alvará Municipal

Leia mais

Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário.

Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário. Processo nº 11/03 Acção de despejo Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário. Sumário: 1. A acção de despejo, como meio para fazer cessar imediatamente o contrato

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº Registro: 2013.0000605821 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002348-73.2011.8.26.0238, da Comarca de Ibiúna, em que é apelante ASSOCIAÇAO DOS PROPRIETARIOS DO LOTEAMENTO

Leia mais

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS 1.1. Generalidades... 17 1.2. Conceito, requisitos e características... 37 1.3. Natureza jurídica do contrato de locação...

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO 34ª CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO 34ª CÂMARA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 34 a Câmara Seção de Direito Privado Julgamento sem segredo de justiça: 13 de setembro de 2006, v.u. Relator: Desembargador Irineu Pedrotti. APELAÇÃO COM REVISÃO Nº 861.671-0/4

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251 fls. 1 Registro 2012.0000021251 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 0007220-95.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é recorrente L I V - INTERMEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO Agravo de Instrumento n 200.2011.019980-5/001 Origem : 8 4 Vara Cível da Comarca da Capital Relatora : Juíza de Direito Convocada Maria

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO 30 a Câmara AGRAVO DE INSTRUMENTO No.1204235-0/4 Comarca cie SÃO CAETANO DO SUL Processo 2789/08 3.V.CÍVEL DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A)

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO...., brasileiro, casado, médico, portador da Cédula de Identidade RG nº... - SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob nº... com

Leia mais

Honorários Periciais Judiciais

Honorários Periciais Judiciais Honorários Periciais Judiciais Atualização monetária Juros legais de mora Impugnação aos Cálculos CAROLINE DA CUNHA DINIZ Máster em Medicina Forense pela Universidade de Valência/Espanha Título de especialista

Leia mais

1O contrato escrito de CONTRATO DE LOCAÇÃO. Locação Comercial

1O contrato escrito de CONTRATO DE LOCAÇÃO. Locação Comercial 1 CONTRATO DE LOCAÇÃO Locação Comercial A locação comercial pode ser entendida como a cessão de um imóvel para terceiro, que ali pretende montar seu negócio e que, para isso, remunerará o proprietário

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS DO IBAPE-ES

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS DO IBAPE-ES REGULAMENTO DE HONORÁRIOS DO IBAPE-ES CAPÍTULO I - EXPOSIÇÕES DE MOTIVOS O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer valores e formas de compatibilizar os interesses entre contratante e contratado,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000329XX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX-42.2014.8.26.0565, da Comarca de São Caetano do Sul, em que é apelante LIBERTY INCORPORADORA LTDA, são

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0409/11 Data do Acordão: 11-05-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO ISABEL MARQUES DA SILVA RECLAMAÇÃO PRESCRIÇÃO DO

Leia mais

PARECER JURÍDICO A DISCUSSÃO ACERCA DO AUMENTO ABUSIVO DO IPTU

PARECER JURÍDICO A DISCUSSÃO ACERCA DO AUMENTO ABUSIVO DO IPTU Página1 Daniel Lopes Leão Advogados Associados Brasília/DF, 2 de novembro de 2013 PARECER JURÍDICO A DISCUSSÃO ACERCA DO AUMENTO ABUSIVO DO IPTU EMENTA: ADMINISTRATIVO. TRIBUTÁRIO. AUMENTO ACIMA DO VALOR

Leia mais

SENTENÇA. Processo Digital nº: 1059894-56.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo Digital nº: 1059894-56.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 332 SENTENÇA Processo Digital nº: 1059894-56.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Marcelo Monea e outro Requerido: Vila

Leia mais

1. Ação de Despejo por Falta de Pagamento Autos do processo nº 29.195/00 Requerente: Carlos Batoco Requerido: Colégio Pioneiro S/C Ltda.

1. Ação de Despejo por Falta de Pagamento Autos do processo nº 29.195/00 Requerente: Carlos Batoco Requerido: Colégio Pioneiro S/C Ltda. APELAÇÃO COM REVISÃO N º 712.871-0/7 SÃO PAULO Apelante: Colégio Pioneiro S/C Ltda. Apelado: Carlos Batoco Referências: 1. Ação de Despejo por Falta de Pagamento Autos do processo nº 29.195/00 Requerente:

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

Murillo Lo Visco 1 Editora Ferreira

Murillo Lo Visco 1 Editora Ferreira Olá pessoal! Sabemos que se aproxima a prova do concurso destinado a selecionar candidatos para provimento de vagas no cargo de Fiscal de Rendas de 3ª Categoria, do quadro da Secretaria de Estado de Fazenda

Leia mais

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira - São Paulo, Brasil - 13 de agosto de 2010 MULTA CONTRATUAL Lei nº. 8.245/91 O locatário poderia devolver

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região DEFINE A FUNÇÃO DOS CONSELHOS PROFISSIONAIS E A OBRIGATORIEDADE DE INSCRIÇÃO NO CRECI DE JURÍDICA COM COMPRA E VENDA DE IMÓVEIS Ilmos. Srs.. OPTIO ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. Rua Sete de Setembro n

Leia mais

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ RELATOR DO EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS. PROCESSO N. 220-95.2011.6.04.0000 - Classe 30 AUTOS:

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL COM SEGURO FIANÇA

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL COM SEGURO FIANÇA CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL COM SEGURO FIANÇA Por este instrumento particular, de um lado como proprietário (a) Locador(a), o Sr.(a) (nome, qualificação, endereço e número do CPF), ora representado

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Fórum João Mendes Júnior - 18º Andar, sala 1806, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6315, São Paulo-SP

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Fórum João Mendes Júnior - 18º Andar, sala 1806, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6315, São Paulo-SP Registro: 2015.0000075537 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 1008924-47.2014.8.26.0016, da Comarca de São Paulo, em que é recorrente CHAMALEON EVEN EMPREENDIMENTOS

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos, os autos acima

VISTOS, relatados e discutidos, os autos acima ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Gen ésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 001.2011.015750-81001 RELATOR : Dr. Aluízio Bezerra Filho, Juiz Convocado para

Leia mais

REPERCUSSÕES DA ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE IMÓVEL NA LOCAÇÃO

REPERCUSSÕES DA ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE IMÓVEL NA LOCAÇÃO REPERCUSSÕES DA ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE IMÓVEL NA LOCAÇÃO NELSON KOJRANSKI Ex-Presidente do Instituto dos Advogados de São Paulo 1.- LEASING IMOBILIÁRIO: A Lei n 9.514, de 20.11.97, que dispõe sobre o

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000853162 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1012384-11.2014.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que é apelante ALEX VOLTOLINI, é apelado MOLISE

Leia mais

EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG.

EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG. EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG. PROCESSO: 007910 017400-6 / 0174006-57.2010.8.13.0079 JULIANA FERREIRA

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.11.062985-4/001 Númeração 0629854- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Armando Freire Des.(a) Armando Freire 28/10/2014 10/11/2014 EMENTA:

Leia mais

DIREITO CIVIL SÚMULA Nº 49 A CLÁUSULA DE INALIENABILIDADE INCLUI A INCOMUNICABILIDADE DOS BENS.

DIREITO CIVIL SÚMULA Nº 49 A CLÁUSULA DE INALIENABILIDADE INCLUI A INCOMUNICABILIDADE DOS BENS. SÚMULAS SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL STF DIREITO CIVIL SÚMULA Nº 49 A CLÁUSULA DE INALIENABILIDADE INCLUI A INCOMUNICABILIDADE DOS BENS. SÚMULA Nº 80 PARA A RETOMADA DE PRÉDIO SITUADO FORA DO DOMICÍLIO DO

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI » Pedro Henrique Meira Figueiredo NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI O ano de 2010 marcou a comunidade jurídica com a divulgação dos tão esperados anteprojetos do novo Código

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA O projeto de pesquisa a ser apresentado para o Curso de Graduação da UNIÃO DAS FA- CULDADES DOS GRANDES LAGOS constitui-se de uma proposta de como o trabalho

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO TRT/RO - 0033300-35.2009.5.01.0017 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

RECURSO ORDINÁRIO TRT/RO - 0033300-35.2009.5.01.0017 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Convenção coletiva. SESI O SESI não é representado por sindicato de hospitais e estabelecimentos de serviços de saúde, sendo entidade cuja atividade preponderante é orientação e formação profissional.

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2. 2 0 0 7 PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.164,95 2 - Recursos: A) interposição de qualquer recurso 1.042,37 3,8476 40,11 1.082,47 B)

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Revelia e prazo para o revel José Eduardo Carreira Alvim* Sumário: 1. Introdução. 2. Contagem de prazo para o revel. 3. Considerações finais. 1. Introdução A revelia é um instituto

Leia mais

Guia prático de procedimentos para os. Administradores de Insolvência.

Guia prático de procedimentos para os. Administradores de Insolvência. Guia prático de procedimentos para os Administradores de Insolvência. Índice Introdução 1. Requerimentos 2. Apreensão de bens 2.1. Autos de apreensão de bens 2.2. Apreensão de vencimento 2.3. Apreensão

Leia mais

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica.

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica. NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 14, DE 31 DE MAIO DE 2001 (Publicação: Diário Oficial n 110-E, de 7/6/2001, seção 1, pág. 123 e Boletim de Serviço n 24, de 11/6/2001) Estabelece procedimentos técnicos e administrativos

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO: N 200.2010. 033159-0/001 - Capital RELATOR: Des. José Ricardo Porto

Leia mais

MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS

MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS Por Paulo Caldas Paes* Manual Registrado na Fundação Biblioteca Nacional sob o nº 541.597, Livro 1030, Folha 315. 1.0- Apresentação do Manual: Tema de

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro., vem, auxiliado pela Amaerj Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro, com fulcro na jurisprudência e legislação

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA / LEGISLAÇÃO LEIS DE AVALIAÇÕES TÉCNICAS

JURISPRUDÊNCIA / LEGISLAÇÃO LEIS DE AVALIAÇÕES TÉCNICAS JURISPRUDÊNCIA / LEGISLAÇÃO E LEIS DE AVALIAÇÕES TÉCNICAS JURISPRUDÊNCIA / LEGISLAÇÃO 1) Desapropriação - Perícia Avaliatória - Habilitação a Engenheiros A nomeação de perito para avaliação de imóvel deve

Leia mais

Questões de Direito Civil

Questões de Direito Civil Questões de Direito Civil Sandro Gilbert Martins* Questão 1 (OAB/SP) Antônio comparece ao seu escritório e relata que está residindo, juntamente com sua família e com outras nove famílias, em um terreno

Leia mais

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS Diogo L. Machado de Melo Nathália Annette Vaz de Lima NORMA ANTERIOR (LEI 8245/91) ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI 12.112/09 (COM JUSTIFICATIVAS DE VETOS) (EM VIGOR

Leia mais

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi INTRODUÇÃO - TÍTULO EXECUTIVO - DINAMARCO: Título executivo

Leia mais

Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL -

Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL - BOLETIM NR #28 Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL - O Superior Tribunal de Justiça editou quatro novas súmulas (nº 406 a 409), que trazem um teor bastante relevante

Leia mais

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa.

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa. Proc. n 101/97 Prisão Abandono do posto de trabalho Processo disciplinar Nulidades secundárias Legitimidade Processo sumário Conciliação Sumário: 1. Apenas às partes ou seus mandatários é conferida legitimidade

Leia mais

Laudo Pericial Judicial

Laudo Pericial Judicial Laudo Pericial Judicial Disponível em: Acesso em: 06 jun. 2009 O Laudo é o parecer técnico resultante do trabalho realizado pelo Perito, via

Leia mais

A responsabilidade do inquilino pelo pagamento do IPTU Imposto Predial e Territorial Urbano, relativo ao imóvel locado.

A responsabilidade do inquilino pelo pagamento do IPTU Imposto Predial e Territorial Urbano, relativo ao imóvel locado. A responsabilidade do inquilino pelo pagamento do IPTU Imposto Predial e Territorial Urbano, relativo ao imóvel locado. RONALDO MARTON Consultor Legislativo da Área III Tributação, Direito Tributário MARÇO/2006

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo Em 29 de abril de 2015,na sede da, com a presença da juíza Juliana Petenate Salles, realizou-se a audiência para julgamento da ação trabalhista ajuizada por JULIANA PUBLIO DONATO DE OLIVEIRA em face de

Leia mais

Principais características:

Principais características: 1 - Entendendo a sua situação Se você contratou financiamento imobiliário através da PREVI/CARIM, saiba que são 4 (quatro) os tipos de contratos e situação possíveis. Conforme quadro comparativo abaixo,

Leia mais

RECURSOS NO PROCESSO PENAL

RECURSOS NO PROCESSO PENAL ESTUDO RECURSOS NO PROCESSO PENAL RECURSOSRE Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

Petição inicial de ação ordinária

Petição inicial de ação ordinária Capítulo I Petição inicial de ação ordinária SUMÀRIO: 1. Considerações gerais 2. Elementos da ação: 2.1. Partes; 2.2. Causa de pedir; 2.3. Pedido (terceiro elemento da ação) 3. Requisitos da petição inicial

Leia mais

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para o exercício da empresa, por empresário, ou sociedade empresária. Artigo 1.142 CC Estabelecimento

Leia mais

Colóquio SRS. Como se sabe, a lei teve na sua origem um ante-projecto da APA, embora em certos pontos muito limitados dele se afaste.

Colóquio SRS. Como se sabe, a lei teve na sua origem um ante-projecto da APA, embora em certos pontos muito limitados dele se afaste. Colóquio SRS 1. Pedem-me que na abertura deste Colóquio faça uma breve história da génese da lei de Arbitragem Voluntária que foi publicada em 14 de Dezembro de 2011 e entrará em vigor em 14 de Março de

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO CAETANO DO SUL FORO DE SÃO CAETANO DO SUL 2ª VARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO CAETANO DO SUL FORO DE SÃO CAETANO DO SUL 2ª VARA CÍVEL fls. 137 CONCLUSÃO Em 24 de outubro de 2014, faço estes autos conclusos ao (à) Doutor(a) Ana Lucia Fusaro Juiz(a) de Direito. Rafael Nigoski Lopes, Assistente Judiciário. Processo nº: 1002710-42.2014.8.26.0565

Leia mais

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL PEÇA PROFISSIONAL José, brasileiro, por intermédio da Administradora de Imóveis Maranhão Ltda., sociedade civil, representada por Aluísio, contratou a locação da

Leia mais

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda.

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. (Tecnisa) Juiz(a)

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N.º 14.239

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N.º 14.239 PARECER N.º 14.239 CONTRATO DE LOCAÇÃO EM QUE A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA É LOCATÁRIA. PRORROGAÇÃO. DURAÇÃO DO CONTRATO. REVISÃO DO PARECER 10.391. O presente expediente, proveniente da Secretaria da Justiça

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA AC Nº 403709 - PE (2006.05.00.074197-1) APELANTE : BACEN BANCO CENTRAL DO BRASIL REPTE : PROCURADORIA REGIONAL DA ENTIDADE APELANTE : UNIÃO APELADA : ODETE FERNANDES SILVA ADV/PROC : MARLENE ZULEIDE BISPO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA APTE : CRECI/PB - CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS DA 21ª REGIÃO ADV/PROC : ITAMAR GOUVEIA DA SILVA e outros APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ASSIST : CADE - CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA

Leia mais

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Comarca de...

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Comarca de... CONTESTAÇÃO Fundamento: Oportunidade: Requisitos: Finalidade: Espécies: Art. 297 do CPC. Oferecimento no prazo de quinze (15) dias contados na forma do art. 241 do CPC. Na contestação o réu deve alegar

Leia mais

PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos)

PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos) PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos) Anotações Art. 106. Sempre que o oficial fizer algum registro ou averbação, deverá, no prazo de cinco dias, anotá-lo nos atos

Leia mais

INFORMAÇÕES. INQUILINOS Information for Tenants Portuguese

INFORMAÇÕES. INQUILINOS Information for Tenants Portuguese PODER JUDICIÁRIO DE NOVA JERSEY NEW JERSEY JUDICIARY INFORMAÇÕES PARA INQUILINOS Information for Tenants Portuguese Tribunal de Justiça de Nova Jersey Divisão Jurídica Seção Especial Cível Setor de Proprietários/Inquilinos

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.000057XXXX Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº XXXXXX-XX.2013.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante/ apelado ADALBERTO (Omitido), é apelado/apelante QUEIROZ

Leia mais

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Por Carlos Eduardo Rios do Amaral Caro leitor, observe bem esta

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO SEMANAL Nº XLIII- AN0 2010 DIREITO TRABALHISTA NOVAS MODALIDADES E POSTOS DE TRABALHO

INFORMATIVO JURÍDICO SEMANAL Nº XLIII- AN0 2010 DIREITO TRABALHISTA NOVAS MODALIDADES E POSTOS DE TRABALHO 1 INFORMATIVO JURÍDICO SEMANAL Nº XLIII- AN0 2010 DIREITO TRABALHISTA NOVAS MODALIDADES E POSTOS DE TRABALHO Com o avanço da globalização, o mundo contemporâneo se viu forçado a criar novas formas de trabalho,

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel.

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Dentre as inúmeras espécies contratuais previstas na legislação civil, emerge uma utilizada em larga escala no dia-a-dia tanto empresarial como

Leia mais

DIREITO DE PREFERÊNCIA NA LEI 8.245/91

DIREITO DE PREFERÊNCIA NA LEI 8.245/91 DIREITO DE PREFERÊNCIA NA LEI 8.245/91 Luana Cristina Coutinho Orosco PLAÇA 1 RESUMO: O Direito de Preferência é um instituto da Lei de Locação, que gera proteção ao Locatário na alienação do imóvel para

Leia mais

Sumários de Acórdãos do

Sumários de Acórdãos do 2013 Sumários de Acórdãos do Tribunal Constitucional Direito do Trabalho Centro Informático 2014 ADVERTÊNCIA O texto aqui apresentado foi disponibilizado antes da publicação, pelo que pode não coincidir

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais