LOCAÇÃO COMERCIAL. DESPEJO. ASPECTOS GERAIS. HOSPITAL COMO LOCATÁRIO. AÇÃO REVISIONAL. RENOVATÓRIA. CRIAÇÃO DE NOVO HOSPITAL NA ÁREA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOCAÇÃO COMERCIAL. DESPEJO. ASPECTOS GERAIS. HOSPITAL COMO LOCATÁRIO. AÇÃO REVISIONAL. RENOVATÓRIA. CRIAÇÃO DE NOVO HOSPITAL NA ÁREA."

Transcrição

1 LOCAÇÃO COMERCIAL. DESPEJO. ASPECTOS GERAIS. HOSPITAL COMO LOCATÁRIO. AÇÃO REVISIONAL. RENOVATÓRIA. CRIAÇÃO DE NOVO HOSPITAL NA ÁREA. RISCO DO NEGÓCIO PARECER

2 Rénan Kfuri Lopes Advogado fundador do RKL ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA Autor, palestrante, articulista e pósgraduado em várias áreas de direito. Advogado. CONSULTA Na qualidade de interessado na formalização de um negócio comercial envolvendo a locação não-residencial de um imóvel cuja propriedade pertence a uma sociedade da qual participa como sócio quotista, o Dr. Luiz Adelmo Lodi Neto submeteu-me a consulta acerca dos elementos legais caracterizadores da locação para um hospital por período superior a 05 (cinco) anos de locação. Também questionou acerca da viabilidade de se construir um novo hospital no local com especificidade, a princípio, de atuação na área oncológica. 2

3 SUMÁRIO I - LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL (comercial). AÇÃO DE DESPEJO. ASPECTOS GERAIS II - HOSPITAL COMO LOCATÁRIO III- AÇÃO RENOVATÓRIA DO CONTRATO IV- AÇÃO REVISIONAL DO VALOR DO ALUGUEL V- RISCO DO NEGÓCIO VI- CONCLUSÃO 3

4 I - LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL (comercial). AÇÃO DE DESPEJO. ASPECTOS GERAIS No direito pátrio as locações dos imóveis urbanos e os procedimentos a elas atinentes são reguladas pela Lei n de 18 de outubro de 1.991, denominada no meio forense como LEI DA LOCAÇÃO, sob a insígnia de "L.L.", que passarei a adotar doravante para a identificação da predita legislação especial. Insta pontuar de proêmio que não é a situação do imóvel que o qualifica como prédio rústico ou urbano, mas a finalidade estabelecida no contrato de locação que o difere de locação residencial, não-residencial, por temporada ou para fins de shopping center. Necessário frisar de chofre que as disposições contidas no Código de Defesa do Consumidor e nas operações de Alienação Fiduciária (Lei de ) não são 4

5 aplicáveis ao contrato de locação predial urbana, que se regula por legislação própria - Lei 8.245/91. 1 As locações de imóveis de propriedade da União são regidas pela Lei n de , que regulamentou o art. 37, inc. XXI, da CF 2, instituindo normas para licitações e contratos da administração pública. Desse modo, tais contratos administrativos regulam-se pelos preceitos de direito público, aplicando-se-lhes, supletivamente, as disposições do Código Civil sobre locação. Essas locações cessam com o simples implemento de seu termo final, quando o inquilino é obrigado a devolver o imóvel, para não se tornar esbulhador. 1 RSTJ 182:518; Resp , DJU CF, art.37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios da legalidade, impessoabilidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:...xxi. ressalvados os caos especificados na legislação, as obras, serviços, compras e alienação serão contratados mediante processo de licitação pública que assegure igualdade de condições a todos os concorrentes, com cláusulas que estabeleçam obrigações de pagamento, mantidas as condições efetivas da proposta, nos termos da lei, o qual somente permitirá as exigências de qualificação técnica e econômica indispensáveis à garantia do cumprimento das obrigações.... 5

6 O contrato de locação não-residencial tem características que haverão de ser do conhecimento do consulente para sua afeição à matéria in examen, pelo que destacarei adiante os tópicos de maior relevância. Num contrato de locação não-residencial sua forma será preferencialmente escrita. Necessário estipular o nome do locador (não obrigatoriamente o proprietário tem de ser o locador, mas sempre interessante que o seja para fins de retomada do imóvel, tema analisado na dianteira desse parecer), o objeto (identificação do imóvel), sua finalidade (nãoresidencial) 3, o valor da locação 4, prazo de duração, data do vencimento 5, quem será responsável pelas benfeitorias 6, multa 3 Considera-se igualmente como locação não residencial quando o locatário for pessoa jurídica e o imóvel destinar-se ao uso de seus titulares, diretores, sócios, gerentes, executivos ou empregados (art. 55, LL). As locações residenciais, quando contratadas por empresa para uso de seus agentes, são reguladas como não residenciais, sendo possível despejo imotivado (STJ, Resp , DJU e RT 725:292). Por isso, se prorrogadas por prazo indeterminado, cabe a rescisão imotivada desde que previamente notificado o inquilino (RT 723:420). 4 É vedada a estipulação do valor do aluguel em moeda estrangeira e sua vinculação à variação cambial ou ao salário mínimo. No restante é livre a convenção do aluguel (art. 17, LL). 5 Salvo a hipótese do contrato de locação não contiver cláusula de garantia de qualquer modalidade e nas locações por temporada, não é permitido ao locador receber antecipadamente o aluguel do mês vincendo (arts.20 e 42, LL). 6 Salvo expressa disposição contratual em contrário, as benfeitorias necessárias introduzidas pelo locatário, ainda que não autorizadas pelo locador, bem como as úteis, desde que autorizadas, serão indenizáveis, permitindo o exercício do direito de retenção (art. 35 LL). As benfeitorias voluptuárias não serão 6

7 por atraso no pagamento, responsabilidade pela quitação dos tributos, encargos e despesas ordinárias (se for o caso de condomínio) 7, as garantias locatícias 8, fatos geradores da rescisão contratual, permissibilidade ou não de sublocação ou empréstimo para terceiros 9 e como se dará a devolução. No tocante às benfeitorias o Código Civil considera benfeitorias necessárias as que têm por fim conservar o bem ou evitar que se deteriore, ad exemplificandum, serviços realizados num alicerce do imóvel que cedeu, troca de encanamento enferrujado ou da fiação elétrica que pode indenizáveis, podendo ser levantadas pelo locatário, finda a locação, desde que sua retirada não afete a estrutura e a substância do imóvel (art. 36, LL). 7 Atribuída ao locatário a responsabilidade pelo pagamento dos tributos, encargos e despesas ordinárias de condomínio, o locador poderá cobrar tais verbas juntamente com o aluguel do mês a que se refiram. O mesmo sucede em caso de antecipação desses pagamentos pelo locador (art. 25, LL). 8 No contrato de locação o locador poderá exigir uma dessas garantias ao locador: caução (bens ou imóveis registradas no cartório de notas ou de registro de imóveis, respectivamente), fiança, seguro de fiança locatícia ou cessão fiduciária de quotas de fundo de investimentos (deverá ser rescindida em caso de recuperação judicial ou falência). A caução em dinheiro, que não exceder a três meses de aluguel será depositada em caderneta de poupança (arts.37 e 38, LL). A garantia prevalece até a efetiva devolução do imóvel, ainda que prorrogada a locação (art.39, LL). O locador poderá exigir novo fiador ou a substituição da garantia nos casos relacionados nos incisos I usque X do art. 40 da LL. 9 A cessão da locação, a sublocação e o empréstimo do imóvel, total ou parcialmente, dependem do consentimento prévio e escrito do locador, não se presumindo pela simples demora do locador em manifestar formalmente a sua oposição. Desde que notificado por escrito pelo locatário, de ocorrência de sublocação ou empréstimo, o locador terá o prazo de trinta dias para manifestar formalmente a sua oposição (art. 13, LL). 7

8 provocar curto-circuito, reconstrução de um assoalho que apodreceu e similares. As benfeitorias úteis são aquelas que aumentam ou facilitem o uso do imóvel, por exemplo, instalação de aparelhos sanitários modernos, construção de uma garagem. E as benfeitorias voluptuárias são as de mero deleite ou recreio, que não aumentam o uso habitual do bem, ainda que o tornem mais agradável, embelezamento ou sejam de elevado valor (Código Civil, art. 96). Em casos de reparos urgentes, cuja realização incumba ao locador, o locatário é obrigado a consenti-las, tendo direito ao abatimento do aluguel no período das obras. Se ultrapassar trinta dias o locatário poderá resilir o contrato de locação (art. 26, LL). Os demais requisitos são peremptórios, cogentes, obrigatórios, com previsão estanque na Lei 8.245/91. 8

9 A locação poderá ser desfeita por mútuo acordo formalizado extrajudicialmente. Mas, se porventura a parte locatária descumprir, ad ilustrandum, a devolver o imóvel no prazo estipulado, passível de se submeter ao despejo compulsório se assim contiver no ajuste do termo pactuado do rompimento da locação (art. 9º, I da LL). Sempre a locação não-residencial, salvo acordo amigável, para fins de reaver o imóvel, mesmo com o término da locação, será a de despejo, exceto nos casos de desapropriação, com a imissão do expropriante na posse do imóvel (art. 5º,LL). Também são causas do fim da relação locatícia, que justificam o ajuizamento da ação de despejo quando ocorrer prática de infração legal ou ao contrato, falta de pagamento do aluguel e demais encargos pelo inquilino (despesas ordinárias de condomínio e outras elencadas no art. 23, XII da LL), para realização de reparações urgentes determinadas pelo Poder Público, que não possam ser normalmente executadas 9

10 com a permanência do locatário no imóvel ou, podendo, ele se recuse a consenti-las (art. 9º, II, III e IV) 10. Durante o prazo de vigência da locação do contrato, o locador não poderá reaver o imóvel alugado por sua livre vontade, sem que ocorram os casos previstos em lei que justifiquem o ajuizamento da ação de despejo. Todavia, o locatário, poderá devolvê-lo, pagando a multa pactuada, proporcionalmente ao período de cumprimento do contrato, ou, na sua falta, a que for judicialmente estipulada (art. 4º, caput, LL). Nos casos dos contratos de locação nãoresidencial prorrogados automaticamente por prazo indeterminado, sem que se firme novo compromisso (art. 56, caput, LL), é direito do locatário denunciar a locação mediante aviso por escrito ao locador, com antecedência mínima de trinta dias. Se não avisar e entregar de pronto o imóvel, o locador poderá exigir do locatário a título de indenização a quantia 10 A petição inicial será instruída com prova da propriedade do imóvel ou do compromisso registrado (art.60, LL). 10

11 correspondente a um mês de aluguel e encargos, vigentes quando da resilição (art. 6º, LL). Permanecendo o locatário por mais de trinta dias depois de findo o termo contratual, sem oposição do locador, presumir-se-á prorrogada a locação nas condições ajustadas, mas sem prazo determinado (art. 56, LL). Logo, a ação de despejo para reaver o imóvel nãoresidencial, sem justa causa, haverá de ser promovida pelo locador antes dos trinta dias posteriores ao vencimento do contrato. Se não o fizer, terá o locador de previamente notificar o locatário para desocupar em 30 (trinta) dias, sob pena de ajuizamento da ação de despejo imotivado (RT 751:356). A ação de despejo segue o rito ordinário (art. 59, caput, LL); o foro competente é o do lugar da situação do imóvel, salvo se outro houver sido eleito no contrato (art.58,ii, LL) e é permitida a liminar para desocupação em quinze dias, independentemente da audiência da parte contrária e 11

12 desde que prestada a caução no valor correspondente a três meses de aluguel, nas ações que tiverem por fundamento exclusivo: descumprimento do mútuo acordo previsto no art. 9º, I), desde que celebrado por escrito, ajustado o prazo mínimo de seis meses para desocupação; extinção do contrato de trabalho vinculado ao imóvel; término do prazo da locação por temporada; morte do locatário sem deixar sucessor legítimo da locação; permanência de sublocatário depois de extinta a locação; reparações urgentes por órgãos públicos; o término do prazo notificatório previsto no parágrafo único do art.40, sem apresentação de novo fiador ou garantia apta a manter a segurança inaugural do contrato; a falta de pagamento de aluguel e acessórios da locação no vencimento quando o contrato não estiver garantido por caução, fiança, seguro de fiança locatícia ou cessão fiduciária de quotas de fundo de investimento (art.59, 1º, incisos I, II, III, IV, V, VI, VII e IX da LL) No caso da falta de pagamento de aluguel e acessórios da locação, para evitar o despejo através de liminar, poderá o locatário elidir a desocupação se efetuar o depósito judicial no prazo de 15 (quinze) dias do prazo concedido para sua desocupação, independentemente do cálculo do contador, incluindo-se as multas, juros de mora, custas e honorários do advogado no percentual de 10% sobre o montante devido (art. 59, 3º c.c. art. 62, II da LL). 12

13 As obrigações do locador estão relacionadas numerus clausulus no art. 22 da LL, in verbis: Art. 22. O locador é obrigado a: I - entregar ao locatário o imóvel alugado em estado de servir ao uso a que se destina; II - garantir, durante o tempo da locação, o uso pacífico do imóvel locado; III - manter, durante a locação, a forma e o destino do imóvel; IV - responder pelos vícios ou defeitos anteriores à locação; V - fornecer ao locatário, caso este solicite, descrição minuciosa do estado do imóvel, quando de sua entrega, com expressa referência aos eventuais defeitos existentes; VI - fornecer ao locatário recibo discriminado das importâncias por este pagas, vedada a quitação genérica; VII - pagar as taxas de administração imobiliária, se houver, e de intermediações, nestas compreendidas as despesas necessárias à aferição da idoneidade do pretendente ou de seu fiador; VIII - pagar os impostos e taxas, e ainda o prêmio de seguro complementar contra fogo, que incidam ou venham a incidir sobre o imóvel, salvo disposição expressa em contrário no contrato; IX - exibir ao locatário, quando solicitado, os comprovantes relativos às parcelas que estejam sendo exigidas; X - pagar as despesas extraordinárias de condomínio. Parágrafo único. Por despesas extraordinárias de condomínio se entendem aquelas que não se refiram aos gastos rotineiros de manutenção do edifício, especialmente: a) obras de reformas ou acréscimos que interessem à estrutura integral do imóvel; b) pintura das fachadas, empenas, poços de aeração e iluminação, bem como das esquadrias externas; c) obras destinadas a repor as condições de habitabilidade do edifício; d) indenizações trabalhistas e previdenciárias pela dispensa de empregados, ocorridas em data anterior ao início da locação; 13

14 e) instalação de equipamento de segurança e de incêndio, de telefonia, de intercomunicação, de esporte e de lazer; f) despesas de decoração e paisagismo nas partes de uso comum; g) constituição de fundo de reserva. E as obrigações do locatário são transcritas no art. 23 da LL, in expressis: Art. 23. O locatário é obrigado a: I - pagar pontualmente o aluguel e os encargos da locação, legal ou contratualmente exigíveis, no prazo estipulado ou, em sua falta, até o sexto dia útil do mês seguinte ao vencido, no imóvel locado, quando outro local não tiver sido indicado no contrato; II - servir - se do imóvel para o uso convencionado ou presumido, compatível com a natureza deste e com o fim a que se destina, devendo tratálo com o mesmo cuidado como se fosse seu; III - restituir o imóvel, finda a locação, no estado em que o recebeu, salvo as deteriorações decorrentes do seu uso normal; IV - levar imediatamente ao conhecimento do locador o surgimento de qualquer dano ou defeito cuja reparação a este incumba, bem como as eventuais turbações de terceiros; V - realizar a imediata reparação dos danos verificados no imóvel, ou nas suas instalações, provocadas por si, seus dependentes, familiares, visitantes ou prepostos; VI - não modificar a forma interna ou externa do imóvel sem o consentimento prévio e por escrito do locador; VII - entregar imediatamente ao locador os documentos de cobrança de tributos e encargos condominiais, bem como qualquer intimação, multa ou exigência de autoridade pública, ainda que dirigida a ele, locatário; VIII - pagar as despesas de telefone e de consumo de força, luz e gás, água e esgoto; IX - permitir a vistoria do imóvel pelo locador ou por seu mandatário, mediante combinação prévia de dia e hora, bem como admitir que seja o mesmo visitado e examinado por terceiros, na hipótese prevista no art. 27; 14

15 X - cumprir integralmente a convenção de condomínio e os regulamentos internos; XI - pagar o prêmio do seguro de fiança; XII - pagar as despesas ordinárias de condomínio. 1º Por despesas ordinárias de condomínio se entendem as necessárias à administração respectiva, especialmente: a) salários, encargos trabalhistas, contribuições previdenciárias e sociais dos empregados do condomínio; b) consumo de água e esgoto, gás, luz e força das áreas de uso comum; c) limpeza, conservação e pintura das instalações e dependências de uso comum; d) manutenção e conservação das instalações e equipamentos hidráulicos, elétricos, mecânicos e de segurança, de uso comum; e) manutenção e conservação das instalações e equipamentos de uso comum destinados à prática de esportes e lazer; f) manutenção e conservação de elevadores, porteiro eletrônico e antenas coletivas; g) pequenos reparos nas dependências e instalações elétricas e hidráulicas de uso comum; h) rateios de saldo devedor, salvo se referentes a período anterior ao início da locação; i) reposição do fundo de reserva, total ou parcialmente utilizado no custeio ou complementação das despesas referidas nas alíneas anteriores, salvo se referentes a período anterior ao início da locação. 2º O locatário fica obrigado ao pagamento das despesas referidas no parágrafo anterior, desde que comprovadas a previsão orçamentária e o rateio mensal, podendo exigir a qualquer tempo a comprovação das mesmas. 3º No edifício constituído por unidades imobiliárias autônomas, de propriedade da mesma pessoa, os locatários ficam obrigados ao pagamento das despesas referidas no 1º deste artigo, desde que comprovadas. Importante frisar a possibilidade da alienação do imóvel durante a locação. Nesse cenário o adquirente poderá denunciar a locação no prazo de noventa dias contados do registro da venda ou do compromisso, se não o fizer nesse prazo significará a concordância com a manutenção da locação. A denúncia do contrato com o fito da sua rescisão concederá ao 15

16 locatário o prazo de noventa dias para sua desocupação e será procedida através de notificação extrajudicial ou judicial. Só não poderá fazê-lo o adquirente se, porventura, a locação for por tempo determinado e o contrato contiver cláusula de vigência em caso de alienação, além de estiver averbado junto à matrícula do imóvel. Idêntico direito terão o promissário comprador e o promissário cessionário em caráter irrevogável, com imissão na posse do imóvel e título registrado na matrícula (art. 8º, LL) 12. Porém, antes de alienar, prometer vender, ceder ou doar o imóvel alugado, o locador dará preferência ao locatório para o adquirir em igualdade de condições com terceiros. A comunicação ao locatário da intenção de venda e suas condições (preço e forma de pagamento), e também a apresentação da documentação será feita de forma escrita, estabelecendo o local e horário em que poderá ser examinada (art.27, LL). Se o locatário não se manifestar de maneira 12 O adquirente passará a receber os alugueis do inquilino, bastando comunicá-lo da compra. Se não houver rescisão e prosseguimento da locação, serão obedecidas as cláusulas do contrato vigente. 16

17 inequívoca, expressamente, caducará seu direito de exercer a preferência (art.28, LL) 13. Aceita a proposta pelo locatário, acaso ele venha dela desistir, responderá pelos prejuízos ocasionados, inclusive lucros cessantes diante de sua conduta (art.29, LL). Se estiver sublocado, a preferência será dada primeiramente ao sublocatário e em seguida ao locatário na forma acima (art.30, LL). A locação não-comercial encerra, cessa, de pleno direito, findo o prazo estipulado, independentemente de notificação ou aviso. Mas se o locador permanecer inerte e não pedir o imóvel no prazo de trinta dias, presumir-se-á prorrogada a locação nas condições ajustadas no contrato, por prazo indeterminado (art. 56, LL). Trocando em miúdos: 13 O locatário ou sublocatário preteridos no seu direito de preferência poderá reclamara do alienante as perdas e danos ou, depositando o preço e demais despesas do ato de transferência, haver para si o imóvel locado, se exercer esse direito no prazo de seis meses, a contar do registro no Cartório de Imóveis, desde que o contrato de locação esteja averbado pelo menos trinta dias antes da alienação junto à matrícula do imóveis (art.33, LL). 17

18 ❶ A denúncia vazia é o requerimento judicial destinado à retomada de imóvel alugado, interposto pelo locador, sem necessidade de ser provada a motivação ou a justificação da causa da rescisão do contrato. De um modo geral, a denúncia vazia é uma rescisão imotivada da locação imobiliária. Representa, pois, uma possibilidade que o locador exerce, com fundamento na lei, para recuperar a posse do imóvel nos contratos de locação para fins residenciais ou comerciais. ❷ A Lei de Locação (Lei Federal nº 8.245/91), estabelece três hipóteses básicas para a denúncia vazia: Nas locações celebradas verbalmente ou por prazo indeterminado, o locador poderá denunciar o contrato a qualquer tempo, desde que conceda o prazo de 30 dias para o inquilino desocupar o imóvel (art. 46, 2º, LL); Quando o imóvel for alugado pelo usufrutuário ou pelo fiduciário nos casos de imóveis gravados por usufruto ou fideicomisso, sendo que, com a extinção do gravame, o 18

19 locatário deverá restituir o imóvel ao proprietário pleno ou ao fideicomissário no prazo de 90 dias (art. 7º, LL); Quando o imóvel for alienado a terceiro e o locatário não exercer o direito de preferência à sua aquisição, deverá ele desocupar o imóvel em 90 dias, depois de notificado pelo novo proprietário (art. 8º, LL). Não sendo o imóvel, nestes casos, restituído no prazo legal ao locador ou proprietário, poderá este ingressar judicialmente com ação de despejo por denúncia vazia. O oposto da denúncia vazia é a denúncia cheia. A denúncia cheia consiste no pedido de retomada do imóvel alugado em razão do descumprimento, por parte do locatário, das normas do contrato de locação ou de disposição expressa de lei, com caráter motivado. 19

20 A hipótese normal do ajuizamento da ação de despejo por denúncia cheia ocorre nos casos de falta de pagamento, pelo locatário, do valor do aluguel e dos demais encargos da locação (art. 9º, III, LL). A denúncia cheia também é motivada pelo término do contrato de locação celebrado por tempo determinado, quando este vigorar por prazo igual ou superior a 30 meses (art.46, LL), ou quando o locatário deixar de cumprir acordo escrito firmado perante o locador para a devolução do imóvel (art. 9º, I, LL). Se o locatário, ainda, transfere a outra pessoa o direito de uso e posse do imóvel, por cessão ou sublocação, sem o consentimento do locador, ficará sujeito a despejo por denúncia cheia, em razão de evidente violação das normas do contrato de locação (art. 13, LL). Não é cabível o despejo, por denúncia vazia, nos contratos de locação de imóveis utilizados por hospitais, unidades sanitárias oficiais, asilos, estabelecimentos de saúde e de ensino autorizados e fiscalizados pelo Poder Público, bem como por entidades religiosas devidamente registradas, já havendo o Superior Tribunal de Justiça consolidado 20

21 jurisprudência no sentido da impossibilidade de retomada de imóvel destinado a esses fins em virtude de sua relevante função social, conforme a inteligência do art. 53 da Lei nº 8.245/91 (STJ, 6ª Turma, RESP RS, Relator Ministro Hamilton Carvalhido, DJU ). Todavia, seja qual for o fundamento do término da locação, a ação do locador para reaver o imóvel é a de despejo (art. 5º, LL), devendo esta ação seguir o trâmite regulado pelos artigos 59 a 66 da Lei nº 8.245/91. Tratando-se de hospital como inquilino, a lei é peremptória que na sentença da ação de despejo, por qualquer motivo, o prazo para desocupação será de um ano, exceto, naqueles casos em que entre a citação e a sentença de primeira instância houver decorrido mia de um ano, hipótese em que o prazo será de seis meses (art. 63, 3º). 21

22 Poderá o locador executar provisoriamente a sentença que decretar o despejo, desde que deposite judicialmente o valor da caução fixada na sentença, em valor não inferior a seis meses e nem superior a doze meses de aluguel. Se a sentença de despejo procedente for reformada em segundo grau, o locador perde em favor do locatário o valor da caução como indenização mínina, podendo este ainda reclamar em ação própria, a diferença pelo que a exceder de prejuízos (art.63, 4º e 64, LL). II - HOSPITAL COMO LOCATÁRIO A locação de imóvel para a instalação de um hospital tem características próprias e peculiares que exige do locador uma análise dos requisitos gerais do contrato de locação alhures tratados e outros que serão objeto de abordagem nesse estudo. 22

23 De certo que o valor do aluguel nos dias atuais encontra-se inflacionado e o índice de seu reajuste também superou a inflação (11,26% com base no IGP-M de 2.012). Existem estudos mais aprofundados que concluem uma média do aluguel não-residencial equivalente à variante de 0,6% (zero vírgula seis por cento) a 1% (um por cento) do valor venal do imóvel, prevalecendo a média de 0,8% (zero vírgula oito por cento). Na verdade, cada caso haverá de ser analisado dentro da moldura fática e empresarial do negócio jungida ao interesse e capacidade das partes envolvidas. Exemplificando, se o valor venal do imóvel é de R$ ,00 (trinta milhões de reais), o aluguel de 1% (um por cento) corresponderá à importância de R$ ,00 (trezentos mil reais). Com isso, em termos, o locador para recuperar o valor histórico do investimento pela compra do imóvel aguardaria em torno de 100 (cem) meses, ou seja, 08 anos e quatro meses. 23

24 Noutro aspecto, não raramente o locatário-hospital terá de fazer diversas benfeitorias úteis e necessárias, portanto, sujeito a receberem indenização por parte do locador, em virtude da peculiaridade dessa atividade que congrega vários órgãos de fiscalização sanitária e de órgãos especializados (arts. 35 e 36 da LL c.c. art. 96 do Código Civil). E o contrato não-comercial com hospital somente poderá ser rescindido nas hipóteses preconizadas no art. 53 da LL: da ocorrência dos fatos prescritos no art. 9º da LL: por mútuo acordo; em decorrência da prática de infração legal ou contratual; em decorrência da falta de pagamento do aluguel e demais encargos; para a realização de reparações urgentes determinadas pelo Poder Público, que não possam ser normalmente executadas com a permanência do locatário no imóvel ou, podendo, ele se recuse a consenti-las; 24

25 se o proprietário, promissário comprador ou promissário cessionário, em caráter irrevogável e imitido na posse, com título registrado e quitado, pedir o imóvel para demolição, edificação licenciada ou reforma que venha a resultar em aumento mínio de cinquenta por cento da área útil. O despejo por falta de pagamento encaixa-se na hipótese de ausência do pagamento do aluguel, IPTU e condomínio (se for o caso), sendo pedida a rescisão por esse motivo. Tanto o locatário como o fiador, para evitar a rescisão da locação, no prazo de quinze dias depois de citados, poderão fazer o pagamento do débito atualizado, incluindo acessórios e multas contratuais, juros de mora, custas iniciais pagas pra a distribuição da ação e honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o montante devido. Se houver alguma diferença encontrada pelo locador depois do depósito pelo locatário/fiador, denominado judicialmente como purgação da mora, o inquilino poderá completá-lo no prazo de dez dias estabelecido pelo juiz. Esses depósitos são feitos judicialmente e juntados aos autos (art. 62, LL). 25

26 Nessas situações o prazo para o hospital desocupar será de um ano (art. 63, 3º, LL). Outra forma de retomada sucede quando o imóvel for abandonado após ajuizada a ação de despejo, possibilitando ao locador a imissão na sua posse (art.66, LL). Assim, sendo o abandono uma causa de rescisão de contrato, mister o ajuizamento da ação de despejo para reaver de pronto o imóvel locado. Poderá também o locatário/hospital concordar com a desocupação voluntária no prazo da contestação na hipótese de demolição (art. 61, LL). Assim, são por demais restritas a possibilidade de rescisão do contrato de locação não-comercial para um hospital, posto que geralmente tem prazo de duração superior a cinco anos, o que faculta ao locatário vir a juízo e propugnar pela renovação do pacto locatício. 26

27 III- AÇÃO RENOVATÓRIA DO CONTRATO O hospital, por se tratar de uma locação de imóvel não-comercial e destinado ao comércio (prestação de serviço) tem o direito de vir a juízo e requerer a renovação se o prazo do contrato primitivo ou os posteriores firmados sem interrupção atingirem a somatória do prazo de vigência igual ou superior a cinco anos. Prevê a Lei de Locação, entretanto, que cumulativamente, ou seja, ao mesmo tempo, o locatário satisfaça as seguintes condições impostas pelo art. 51, in verbis: Art. 51. Nas locações de imóveis destinados ao comércio, o locatário terá direito a renovação do contrato, por igual prazo, desde que, cumulativamente: I - o contrato a renovar tenha sido celebrado por escrito e com prazo determinado; II - o prazo mínimo do contrato a renovar ou a soma dos prazos ininterruptos dos contratos escritos seja de cinco anos; III - o locatário esteja explorando seu comércio, no mesmo ramo, pelo prazo mínimo e ininterrupto de três anos; 1º O direito assegurado neste artigo poderá ser exercido pelos cessionários ou sucessores da locação; no caso de sublocação 27

28 total do imóvel, o direito a renovação somente poderá ser exercido pelo sublocatário. 2º Quando o contrato autorizar que o locatário utilize o imóvel para as atividades de sociedade de que faça parte e que a esta passe a pertencer o fundo de comércio, o direito a renovação poderá ser exercido pelo locatário ou pela sociedade. 3º Dissolvida a sociedade comercial por morte de um dos sócios, o sócio sobrevivente fica sub-rogado no direito a renovação, desde que continue no mesmo ramo. 4º O direito a renovação do contrato estende-se às locações celebradas por indústrias e sociedades civis com fim lucrativo, regularmente constituídas, desde que ocorrentes os pressupostos previstos neste artigo. 5º Do direito a renovação decai aquele que não propuser a ação no interregno de um ano, no máximo, até seis meses, no mínimo, anteriores à data da finalização do prazo do contrato em vigor. Cabe aqui destacar o prazo preclusivo para o locatário exercer o direito à renovação do contrato, qual seja, haverá de ajuizar o pedido renovatório no interregno de um ano até seis meses antes da data do vencimento do contrato (art.51, 5º). Tem legitimidade para figurar no pólo passivo da ação renovatória de aluguel o locador/promissário comprador, enquanto o respectivo título translativo da propriedade não for registrado no competente cartório de registro de imóveis (STJ, AI AgRg, DJU ). 28

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira - São Paulo, Brasil - 13 de agosto de 2010 MULTA CONTRATUAL Lei nº. 8.245/91 O locatário poderia devolver

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos pertinentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei introduz alteração na Lei

Leia mais

MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS

MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS Por Paulo Caldas Paes* Manual Registrado na Fundação Biblioteca Nacional sob o nº 541.597, Livro 1030, Folha 315. 1.0- Apresentação do Manual: Tema de

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS É o ato de vontade que, por se conformar com os mandamentos da lei e a vocação do ordenamento jurídico, confere ao agente os efeitos por ele almejados. ELEMENTOS ESTRUTURAIS I -ESSENCIAIS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 21 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.245, DE 18 DE OUTUBRO DE 1991. Mensagem de veto Texto compilado Dispõe sobre as locações dos imóveis urbanos

Leia mais

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010 Apresentação: Leandro Ibagy Vitória, mar/2010 Ao proteger excessivamente o locatário, restringindo a reprise, ninguém mais se interessava adquirir imóveis para destiná-los a locação. Nível de aquisição

Leia mais

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS Diogo L. Machado de Melo Nathália Annette Vaz de Lima NORMA ANTERIOR (LEI 8245/91) ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI 12.112/09 (COM JUSTIFICATIVAS DE VETOS) (EM VIGOR

Leia mais

Leis do Inquilinato LEI 8.245 DE 18/10/1991. Dispõe sobre as Locações dos Imóveis Urbanos e os Procedimentos a Elas Pertinentes.

Leis do Inquilinato LEI 8.245 DE 18/10/1991. Dispõe sobre as Locações dos Imóveis Urbanos e os Procedimentos a Elas Pertinentes. Leis do Inquilinato LEI 8.245 DE 18/10/1991 Dispõe sobre as Locações dos Imóveis Urbanos e os Procedimentos a Elas Pertinentes. TITULO I Da Locação (artigos 1 a 57) CAPITULO I Disposições Gerais (artigos

Leia mais

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Ao alugar um imóvel é necessário documentar a negociação por meio de um contrato, de preferência, escrito. O inquilino deve ler atentamente todas

Leia mais

CARTILHA LOCAÇÕES RESIDENCIAIS

CARTILHA LOCAÇÕES RESIDENCIAIS 2013 CARTILHA LOCAÇÕES RESIDENCIAIS Realização: SUMÁRIO DEFINIÇÕES... 3 Locatário/Inquilino... 3 Fiador: é... 3 Seguro Fiança... 3 Aluguel... 4 Contrato:... 4 Contrato de locação... 4 Lei Federal n 8.245/91:...

Leia mais

(Do Sr. Deputado Alberto Fraga)

(Do Sr. Deputado Alberto Fraga) PROJETO DE LEI Nº, DE 2003-03-13 (Do Sr. Deputado Alberto Fraga) Altera a Lei nº 8245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações dos imóveis urbanos e os procedimentos a ela pertinentes. TÍTULO

Leia mais

ÍNDICE. Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS...

ÍNDICE. Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS... ÍNDICE Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS... XXI XXV I PARTE II CO M EN TÁ RIO S À L E I N. 8.245, DE 18 DE OUTUBRO

Leia mais

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS 1.1. Generalidades... 17 1.2. Conceito, requisitos e características... 37 1.3. Natureza jurídica do contrato de locação...

Leia mais

1. Multa pela quebra do contrato. (Lei 8.245/91- art. 4º)

1. Multa pela quebra do contrato. (Lei 8.245/91- art. 4º) Efeitos e reflexos da Lei no. 12.112/09 ao introduzir alterações na Lei n o 8.245/91 que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos (por conseqüência não se aplica às locações regidas pelo código civil).

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.245, DE 18 DE OUTUBRO DE 1991. Mensagem de veto Dispõe sobre as locações dos imóveis urbanos e os procedimentos a elas pertinentes.

Leia mais

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para o exercício da empresa, por empresário, ou sociedade empresária. Artigo 1.142 CC Estabelecimento

Leia mais

Íntegra da Lei do Inquilinato

Íntegra da Lei do Inquilinato Íntegra da Lei do Inquilinato Saiba o que diz a legislação brasileira a respeito de locação de imóveis LEI 8245, DE 18 DE OUTUBRO DE 1991 (LEI DO INQUILINATO) Dispõe sobre as locações dos imóveis urbanos

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL Nº 118DV/2015

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL Nº 118DV/2015 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL Nº 118DV/2015 MUNICÍPIO DE WENCESLAU GUIMARÃES, pessoa jurídica de direito público, através de seu órgão administrativo Prefeitura Municipal, CNPJ nº 13.758.842/0001-59, representado

Leia mais

prazo para você denunciar o contrato é de 90 dias a partir do registro da averbação da extinção do usufruto.

prazo para você denunciar o contrato é de 90 dias a partir do registro da averbação da extinção do usufruto. 18.)Fiz um contrato de locação de um imóvel residencial e quando me mudei para a casa constatei que há sérios problemas de esgoto que precisarão de reparos, o que resultará na quebra do piso do banheiro

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL COM SEGURO FIANÇA

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL COM SEGURO FIANÇA CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL COM SEGURO FIANÇA Por este instrumento particular, de um lado como proprietário (a) Locador(a), o Sr.(a) (nome, qualificação, endereço e número do CPF), ora representado

Leia mais

CONTRATO DE ADMINISTRAÇÃO DE BENS IMÓVEIS QUADRO RESUMO

CONTRATO DE ADMINISTRAÇÃO DE BENS IMÓVEIS QUADRO RESUMO CONTRATO DE ADMINISTRAÇÃO DE BENS IMÓVEIS QUADRO RESUMO CONTRATADA/ADMINISTRADORA: HB IMOBILIÁRIA LTDA., estabelecida na Avenida Hermes Fontes, nº 1950, Luzia, Aracaju, Sergipe, CEP: 49045-760, inscrita

Leia mais

Lei nº 8.245 - Do Inquilinato

Lei nº 8.245 - Do Inquilinato Lei nº 8.245 - Do Inquilinato DE 18/10/1991 DOU 21/10/1991 (Dispõe sobre as Locações dos Imóveis Urbanos e os Procedimentos a Elas Pertinentes) TÍTULO I - Da Locação (artigos 1 a 57) CAPITULO I- Disposições

Leia mais

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEL

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEL CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEL, que entre si fazem, GMI - Grupo Mineiro de Imóveis Ltda, inscrita no CNPJ sob o n.º 42.771.485/0001-67, CRECI PJ 2427, estabelecida nesta

Leia mais

1O contrato escrito de CONTRATO DE LOCAÇÃO. Locação Comercial

1O contrato escrito de CONTRATO DE LOCAÇÃO. Locação Comercial 1 CONTRATO DE LOCAÇÃO Locação Comercial A locação comercial pode ser entendida como a cessão de um imóvel para terceiro, que ali pretende montar seu negócio e que, para isso, remunerará o proprietário

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL LOCADOR(A): NOME PROPRIETÁRIO, brasileira(o), desquitada(o), comerciante, portador(a) da cédula de identidade nº SSP/SP., e do CIC nº 000.000.000-00, residente e domiciliado

Leia mais

EVENTO. Centro de Educação Tecnológica

EVENTO. Centro de Educação Tecnológica EVENTO Centro de Educação Tecnológica Nossa Atuação Palestra: Os Direitos e os Deveres dos Locatários dentro da Sociedade Condominial Professor: Dr. Rudnei Maciel Conteúdo 1) Diferenças conceituais entre

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL PARA FINS NÃO RESIDENCIAIS

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL PARA FINS NÃO RESIDENCIAIS 1 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL PARA FINS NÃO RESIDENCIAIS Pelo presente instrumento particular de contrato, que tem de um lado FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA, entidade de direito privado sem fins lucrativos

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA ROSA

MUNICÍPIO DE SANTA ROSA CONTRATO Nº 099/2015 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BEM IMÓVEL URBANO RESIDENCIAL QUE ENTRE SI CELEBRAM A FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA E CRISTIANE PREISSLER. LOCADOR (A): CRISTIANE PREISSLER, brasileira,

Leia mais

CONTRATO DE ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEIS N.º XXXX/XX

CONTRATO DE ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEIS N.º XXXX/XX Página 1 de 5 CONTRATO DE ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEIS N.º XXXX/XX Pelo presente Instrumento Particular, de um lado, como ADMINISTRADORA, a empresa VIVER NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS LTDA ME CRECI/RN sob o nº 2990

Leia mais

LOCAÇÃO - Lei 8.245, de 18.10.91 (LI), arts. 1º a 4º LEI N. 8.245, DE 18 DE OUTUBRO DE 1991

LOCAÇÃO - Lei 8.245, de 18.10.91 (LI), arts. 1º a 4º LEI N. 8.245, DE 18 DE OUTUBRO DE 1991 LOCAÇÃO - Lei 8.245, de 18.10.91 (LI), arts. 1º a 4º LEI N. 8.245, DE 18 DE OUTUBRO DE 1991 Dispõe sobre as locações dos imóveis urbanos e os procedimentos a elas pertinentes. O Presidente da República

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO LOCADOR:-

CONTRATO DE LOCAÇÃO LOCADOR:- CONTRATO DE LOCAÇÃO Pelo presente instrumento, as pessoas abaixo nomeadas e qualificadas contratam a locação do bem imóvel descrito e caracterizado, adiante designado simplesmente Objeto, com a finalidade,

Leia mais

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

CONTRATOS IMOBILIÁRIOS LOCAÇÃO DE IMÓVEL POR TEMPORADA

CONTRATOS IMOBILIÁRIOS LOCAÇÃO DE IMÓVEL POR TEMPORADA CONTRATOS IMOBILIÁRIOS LOCAÇÃO DE IMÓVEL POR TEMPORADA 1 2 DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS É o ato de vontade que, por se conformar com os mandamentos da lei e a vocação do ordenamento jurídico, confere ao agente

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL Por este instrumento particular, as partes logo adiante nomeadas ajustam o presente CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL PARA FINS NÃO RESIDENCIAIS, na forma da Lei nº 8.245/91

Leia mais

Câmara dos Deputados. Legislação. Lei do Inquilinato

Câmara dos Deputados. Legislação. Lei do Inquilinato Câmara dos Deputados Legislação Lei do Inquilinato Brasília 2010 Legislação Lei do Inquilinato Apresentação Durante décadas, proprietários de imóveis e inquilinos enfrentaram a insegurança resultante de

Leia mais

Mensagem de veto Altera a Lei no 8.245, de 18 de outubro de 1991, para aperfeiçoar as regras e procedimentos sobre locação de imóvel urbano

Mensagem de veto Altera a Lei no 8.245, de 18 de outubro de 1991, para aperfeiçoar as regras e procedimentos sobre locação de imóvel urbano Confira a íntegra da nova Lei do Inquilinato Mensagem de veto Altera a Lei no 8.245, de 18 de outubro de 1991, para aperfeiçoar as regras e procedimentos sobre locação de imóvel urbano LEI Nº 12.112 DE

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

Estado do Amazonas Prefeitura Municipal de Benjamin Constant Gabinete da Prefeita Fls.1/10

Estado do Amazonas Prefeitura Municipal de Benjamin Constant Gabinete da Prefeita Fls.1/10 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO Contrato de Locação de Imóvel nº 001/2014 Processo nº 001/2014 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE BENJAMIN CONSTANT/AM, E À EMPRESA

Leia mais

neste regulamento. 2. DOS CONCEITOS FUNDAMENTAIS

neste regulamento. 2. DOS CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1. DAS PARTES 1.1. A constituição e o funcionamento de grupos de consórcio formados pela empresa Sponchiado Administradora de Consórcios Ltda., pessoa neste regulamento. 2. DOS CONCEITOS FUNDAMENTAIS promovida

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO USO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÃO USO RESIDENCIAL CONTRATO DE LOCAÇÃO USO RESIDENCIAL Que entre si fazem, na qualidade de LOCADORA,..., (qualificação), inscrita no CPF/MF sob o nº..., portadora da Carteira de Identidade nº..., expedida pelo..., representada

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTO(S) COM OPÇÃO DE COMPRA

INSTRUMENTO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTO(S) COM OPÇÃO DE COMPRA I PARTES: I.1. WI2BE TECNOLOGIA S.A., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CPNJ/MF sob o nº 11.013.389/0001-26, com sede em Curitiba, Estado do Paraná, na Rua Padre Anchieta, nº 2310, 4º andar,

Leia mais

1. NATUREZA DA LOCAÇÃO E DESTINAÇÃO DO IMÓVEL

1. NATUREZA DA LOCAÇÃO E DESTINAÇÃO DO IMÓVEL 1. NATUREZA DA LOCAÇÃO E DESTINAÇÃO DO IMÓVEL 1.1. A presente locação reger-se-á pelos dados constantes nos campos informáticos, pela Lei nº 6.245/1991, pelas demais disposições legais aplicáveis à espécie

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Condomínio Ação de Anulação de Assembleia Geral- Ação Ordinária Petição Inicial...16

APRESENTAÇÃO... 13. Condomínio Ação de Anulação de Assembleia Geral- Ação Ordinária Petição Inicial...16 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO................ 13 PETIÇÕES EM MATÉRIA IMOBllIÁRIA...15 Condomínio Ação de Anulação de Assembleia Geral- Ação Ordinária Petição Inicial......16 Condomínio Ação de Anulação de Assembleio

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E HABITAÇÃO SEMUR EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 004/2014

SECRETARIA MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E HABITAÇÃO SEMUR EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 004/2014 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 004/2014 A Secretaria Municipal de Regularização Fundiária e Habitação, Órgão da Administração direta municipal, através de seu Secretário Municipal de Regularização Fundiária,

Leia mais

CARTILHA LOCAÇÃO COMERCIAL DIREITOS DO LOJISTA

CARTILHA LOCAÇÃO COMERCIAL DIREITOS DO LOJISTA CARTILHA LOCAÇÃO COMERCIAL DIREITOS DO LOJISTA AGRADECIMENTOS O IBEI - Instituto Brasileiro de Estudos Imobiliários agradece aos seus associados e parceiros por mais esta oportunidade de compartilhar

Leia mais

CIRCULAR Nº 01, DE 14 DE JANEIRO DE 1992.

CIRCULAR Nº 01, DE 14 DE JANEIRO DE 1992. CIRCULAR Nº 01, DE 14 DE JANEIRO DE 1992. Aprova novas Condições para o Seguro de Fiança Locatícia. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, na forma do art. 36, alíneas "c" do

Leia mais

MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO Nº XXX/2013

MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO Nº XXX/2013 MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO Nº XXX/2013 EDITAL CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 004/2013 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº: 23062.008112/2013-11 DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº XXX/2013 Contrato de Locação nº XXX/2013 que entre

Leia mais

RESPONSABILIDADE FINAL DO PAGAMENTO DOS ENCARGOS CONDOMINIAIS EM SHOPPING CENTERS

RESPONSABILIDADE FINAL DO PAGAMENTO DOS ENCARGOS CONDOMINIAIS EM SHOPPING CENTERS RESPONSABILIDADE FINAL DO PAGAMENTO DOS ENCARGOS CONDOMINIAIS EM SHOPPING CENTERS Inicialmente, destaca-se que, não há no ordenamento jurídico brasileiro norma específica que regule a importante atividade

Leia mais

Apresentação Parceria Fiança Locatícia.

Apresentação Parceria Fiança Locatícia. Apresentação Parceria Fiança Locatícia. Fiança Locatícia. O seguro de fiança locatícia facilita a vida dos proprietários dos imóveis, das imobiliárias e inquilinos, substituindo com vantagens o fiador.

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE LOCAÇÃO ANEXO II CONTRATO DE LOCAÇÃO N. XX/2014

MINUTA DE CONTRATO DE LOCAÇÃO ANEXO II CONTRATO DE LOCAÇÃO N. XX/2014 MINUTA DE CONTRATO DE LOCAÇÃO ANEXO II CONTRATO DE LOCAÇÃO N. XX/2014 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL, CELEBRADO ENTRE A AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO ESTADO DO PARÁ E XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX. A AGÊNCIA

Leia mais

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005).

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005). A nova legislação brasileira destinada às empresas em dificuldades econômico-financeiras. Lei de Recuperação de Empresas disciplina a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial. Aspectos legais.

Leia mais

LEI DO INQUILINATO COMENTADA

LEI DO INQUILINATO COMENTADA LEI DO INQUILINATO COMENTADA A Lei nº. 8.245, publicada em 18 de outubro de 1991, regula sobre as locações de imóveis urbanos e procedimentos a elas pertinentes. A nossa experiência nos mostrou a necessidade

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO...., brasileiro, casado, médico, portador da Cédula de Identidade RG nº... - SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob nº... com

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 005/2011 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMPRESSORA MULTIFUNCIONAL QUE ENTRE SI CELEBRAM O CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM/SC E A EMPRESA MTS & SH TECNOLOGIA EM IMPRESSÃO E CÓPIA

Leia mais

*ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973.

*ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973. *ESTE CONTRATO ESTÁ REGISTRADO NO 9O. OFICIAL DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS DE SÃO PAULO SOBRE O NÚMERO 793973. CONTRATO DE LOCAÇÃO INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BEM MÓVEL Contrato

Leia mais

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARISP. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2014. Lei 11.331,

Leia mais

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? A locação de imóveis sem as garantias tradicionais. Jaques Bushatsky

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? A locação de imóveis sem as garantias tradicionais. Jaques Bushatsky A locação de imóveis sem as garantias tradicionais. Jaques Bushatsky A Lei 12.112 de 09/12/2009 Aperfeiçoou a Lei 8.245/91. Manteve o bom espírito da lei de 1.991. Trouxe para o direito positivo, a experiência

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 15 de janeiro de 2013, Marcelo, engenheiro, domiciliado no Rio de Janeiro, efetuou a compra de um aparelho de ar condicionado fabricado pela G S. A., empresa sediada

Leia mais

MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL

MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL Sugestão de Contrato de Promessa de Compra e Venda de Imóvel MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL Pelo presente instrumento de promessa de compra e venda, de um lado como promitente

Leia mais

PROJETO DE LEI. Define os critérios, diretrizes e procedimentos para concessão do Aluguel Social. Autor: Vereador Eliomar Coelho

PROJETO DE LEI. Define os critérios, diretrizes e procedimentos para concessão do Aluguel Social. Autor: Vereador Eliomar Coelho PROJETO DE LEI Define os critérios, diretrizes e procedimentos para concessão do Aluguel Social. Autor: Vereador Eliomar Coelho A Câmara Municipal do Rio de Janeiro DECRETA: Art. 1 o A concessão do benefício

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

Processo Administrativo n.º 03.86.00044-1 PREÂMBULO

Processo Administrativo n.º 03.86.00044-1 PREÂMBULO Contrato n.º 065/2003. Locação de imóvel não residencial, firmado entre a Justiça Federal Seção Judiciária do Paraná e FUNBEP - FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO. Processo Administrativo n.º 03.86.00044-1

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Atualizado em 22/10/2015 CONTRATOS ADMINISTRATIVOS São contratos celebrados pela Administração Pública sob regime de direito público com particulares ou

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX. Minuta Contratual

ESTADO DE ALAGOAS XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX. Minuta Contratual Minuta Contratual TERMO DE CONTRATO (...) Nº - (...)/(...), QUE ENTRE SI CELEBRAM O ESTADO DE ALAGOAS, POR INTERMÉDIO DA (...), E O SR. (...), PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL. LOCATÁRIO: O Estado de Alagoas, por

Leia mais

SUMÁRIO. TíTULO I DA locação. Capítulo I DISPOSiÇÕES GERAIS. Seção I Da locação em geral. Art. 1.

SUMÁRIO. TíTULO I DA locação. Capítulo I DISPOSiÇÕES GERAIS. Seção I Da locação em geral. Art. 1. PREFÁCIO À 7. a EDIÇÃO.................... 17 PREFÁCIO À 6. a EDIÇÃO......... 19 PREFÁCIO À 5. a EDIÇÃO... 21 PREFÁCIO À 4. a EDIÇÃO...... 23 PREFÁCIO À 3. a EDIÇÃO............ 25 PREFÁCIO À 2. a EDIÇÃO......

Leia mais

60.209 - OCUPAÇÃO DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS Data da aprovação:18/08/1998 Data da alteração: 16/09/2004

60.209 - OCUPAÇÃO DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS Data da aprovação:18/08/1998 Data da alteração: 16/09/2004 60.209 - OCUPAÇÃO DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS Data da aprovação:18/08/1998 Data da alteração: 16/09/2004 ÍNDICE CAPÍTULO I - GENERALIDADES...01/01 I - Objetivo II - Aplicação III - Definição CAPÍTULO II -

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO POR TEMPORADA

CONTRATO DE LOCAÇÃO POR TEMPORADA CONTRATO DE LOCAÇÃO POR TEMPORADA CLÁUSULAS E CONDIÇÕES RELATIVAS AO CONTRATO DE LOCAÇÃO 01 DA FINALIDADE: 1.1 A Pousada do Juliano tem como finalidade, exclusivamente, à Locação por Temporada. 02 DO PRAZO

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL 1 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL Os abaixo assinados LOCADOR/A e LOCATÁRIO/A, têm justo e contratado, na melhor forma de direito, o/a Sr/a,,,,, portador/a da Cédula de Identidade do RG nº e do CPF nº, residente

Leia mais

LOCADORES(AS): LOCATÁRIO(A): FIADOR: IMÓVEL: PRAZO: INÍCIO DA LOCAÇÃO: TÉRMINO DA LOCAÇÃO: VALOR: REAJUSTE: ANUAL DESTINAÇÃO: COMERCIAL

LOCADORES(AS): LOCATÁRIO(A): FIADOR: IMÓVEL: PRAZO: INÍCIO DA LOCAÇÃO: TÉRMINO DA LOCAÇÃO: VALOR: REAJUSTE: ANUAL DESTINAÇÃO: COMERCIAL LOCADORES(AS): LOCATÁRIO(A): FIADOR: IMÓVEL: PRAZO: INÍCIO DA LOCAÇÃO: TÉRMINO DA LOCAÇÃO: VALOR: REAJUSTE: ANUAL DESTINAÇÃO: COMERCIAL CONTRATO DE LOCAÇÃO COMERCIAL Pelo presente instrumento, e na melhor

Leia mais

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO. Advogado: Marcelo Terra

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO. Advogado: Marcelo Terra PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO Advogado: Marcelo Terra 1. Objetivo do patrimônio de afetação O patrimônio de afetação se destina à consecução da incorporação correspondente e entrega das unidades imobiliárias

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Estado do Paraná CONTRATO DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL PARA SEDIAR A SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICIPIO DE LONDRINA E BARRETO IMÓVEIS S/S LTDA. DISPENSA N.º DP/SMGP- Nº0490/2009- Art. 24, X, da

Leia mais

Contrato de Locação Residencial

Contrato de Locação Residencial Contrato de Locação Residencial IMÓVEL: - RIO DE JANEIRO - RJ, com direito a vaga(s) na garagem. LOCADOR(A): ADMINISTRADORA: RC IMÓVEIS LTDA., inscrita no Conselho Regional de Corretores de Imóveis da

Leia mais

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) Regulamenta os arts. 5º a 9º e 23, da Lei nº 5.546, de 27 de dezembro de 2012, que instituem remissão, anistia e parcelamento estendido,

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO SESC/AR/DF DF 2015 CL - XXX

CONTRATO DE LOCAÇÃO SESC/AR/DF DF 2015 CL - XXX CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO DE LOCAÇÃO SESC/AR/DF DF 2015 CL - XXX Locação de espaço físico na Unidade do SESC xxxxxxxxx que entre si firmam o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu Estatuto

Leia mais

COMENTÁRIOS À LEI 12.122/09, QUE ALTEROU A LEI DO INQUILINATO

COMENTÁRIOS À LEI 12.122/09, QUE ALTEROU A LEI DO INQUILINATO COMENTÁRIOS À LEI 12.122/09, QUE ALTEROU A LEI DO INQUILINATO Gilberto Koenig A Lei 8.245, de 16 de outubro de 1991, indiscutivelmente é considerada pelos especialistas uma das melhores legislações sobre

Leia mais

CONTRATO DE CONVÊNIO

CONTRATO DE CONVÊNIO CONTRATO DE CONVÊNIO Pelo presente instrumento particular, CANDEIAS ESPORTE LAZER E RECREAÇÃO, Pessoa Jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob número 43.446.434/0002-03, com sede administrativa

Leia mais

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 ALTERA dispositivos da Lei Municipal nº 3.194, de 03 de janeiro de 2006, que dispõe sobre a política habitacional de interesse social do Município, voltada para a população

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado de

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO. Parágrafo quarto Os aluguéis somente serão recebidos com os encargos locativos ajustados neste contrato.

CONTRATO DE LOCAÇÃO. Parágrafo quarto Os aluguéis somente serão recebidos com os encargos locativos ajustados neste contrato. CONTRATO DE LOCAÇÃO Parágrafo primeiro Além do aluguel mensal, o(a) locatário(a) pagará Impostos de qualquer natureza (se necessário), bem como a taxa de boleto bancário, IPTU, e outras cobradas pelo Município

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS As Partes: CEDENTE ITAÚ UNIBANCO S.A., com sede em São Paulo -SP, na Praça Alfredo Egydio de Souza Aranha, nº 100 Torre Olavo Setubal,

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONECTIVIDADE COM VPN

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONECTIVIDADE COM VPN CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONECTIVIDADE COM VPN Pelo presente instrumento particular de CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONECTIVIDADE COM VPN (CONTRATO), a ISEC SOLUÇÕES

Leia mais

REPERCUSSÕES DA ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE IMÓVEL NA LOCAÇÃO

REPERCUSSÕES DA ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE IMÓVEL NA LOCAÇÃO REPERCUSSÕES DA ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE IMÓVEL NA LOCAÇÃO NELSON KOJRANSKI Ex-Presidente do Instituto dos Advogados de São Paulo 1.- LEASING IMOBILIÁRIO: A Lei n 9.514, de 20.11.97, que dispõe sobre o

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 Altera a Resolução Normativa - RN 4, de 19 de abril de 2002, que dispõe sobre o parcelamento de débitos tributários e não tributários para com a

Leia mais

ANEXO V. D:\_LICITAÇÕES\3CONCORRÊNCIA\EDITAL\2014\CP2014001-AlienaçãoAgênciaGoiânia\CP2014001-AnexoV-MinutaContratoLocação-Goiânia.

ANEXO V. D:\_LICITAÇÕES\3CONCORRÊNCIA\EDITAL\2014\CP2014001-AlienaçãoAgênciaGoiânia\CP2014001-AnexoV-MinutaContratoLocação-Goiânia. ANEXO V CONTRATO DE LOCAÇÃO BRB 2014/, QUE ENTRE SI FAZEM O BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A. E (NOME DO ADQUIRINTE, CONFORME CONCORRÊNCIA DIPES/CPLIC 2014/001, OBJETIVANDO A LOCAÇÃO DE IMÓVEL PARA FUNCIONAMENTO

Leia mais

Breve análise da Lei do Inquilinato Bruno de Souza Lopes, Francisco José Gonçalves Karlinski

Breve análise da Lei do Inquilinato Bruno de Souza Lopes, Francisco José Gonçalves Karlinski Breve análise da Lei do Inquilinato Bruno de Souza Lopes, Francisco José Gonçalves Karlinski Resumo: Este trabalho procura analisar alguns aspectos da Lei do Inquilinato. Sua regulamentação, pela importância

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE CONTRAGARANTIA

CONTRATO PARTICULAR DE CONTRAGARANTIA CONTRATO PARTICULAR DE CONTRAGARANTIA CLÁUSULA 1 De comum acordo, as PARTES CONTRATANTES abaixo definidas, celebram o presente CONTRATO PARTICULAR DE CONTRAGARANTIA, doravante apenas CONTRATO, na forma

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 1 REGULAMENTA O FUNDO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE ALTO BELA VISTA GERAINVEST, REVOGA DECRETO 1883 E DA OUTRAS PROVIDENCIAS O Prefeito Municipal de Alto Bela Vista, Estado de Santa Catarina, no uso

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº:

CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº: CONTRATO PARTICULAR DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EM IMÓVEL COMERCIAL Nº: LOCADOR: Salão de Beleza ou (Estética), situado na Rua, Bairro, CEP, Cidade, Estado, inscrito no CNPJ sob o número, Alvará Municipal

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEICULOS CARRENT ALUGUEL & VEICULOS LTDA, CNPJ sob n.o 23.002.258/0001 22 com Rua Bento Albuquerque 2653 A Papicu 60 191 355

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEICULOS CARRENT ALUGUEL & VEICULOS LTDA, CNPJ sob n.o 23.002.258/0001 22 com Rua Bento Albuquerque 2653 A Papicu 60 191 355 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEICULOS CARRENT ALUGUEL & VEICULOS LTDA, CNPJ sob n.o 23.002.258/0001 22 com Rua Bento Albuquerque 2653 A Papicu 60 191 355 doravante identificada LOCADORA e a pessoa física ou

Leia mais

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 Disposição sobre a consignação em folha de pagamento O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA faz saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.949, de 14 de fevereiro de 2014 que estabelece mecanismos de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA ADMINISTRAÇÃO DE BENS IMÓVEIS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA ADMINISTRAÇÃO DE BENS IMÓVEIS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA ADMINISTRAÇÃO DE BENS IMÓVEIS CONTRATANTE inscrito no CPF sob nº, RG, estado civil, profissão, domiciliado a BH/MG, CEP E-mail: TEL: Pelo presente Contrato, o(a)

Leia mais