Graduado em Administração e especialista em Metodologia do Ensino Superior.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Graduado em Administração e especialista em Metodologia do Ensino Superior."

Transcrição

1 ISSN: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O EXERCÍCIO PLENO DA JUSTIÇA PELOS CIDA- DÃOS SUL-MATO-GROSSENSES SILVA, Jany Carla Arruda da 1 ÁVALO, Hélio 2 Resumo O presente artigo estuda se a gestão da comunicação e informação no Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul aproxima o jurisdicionado da justiça, já que o entender acerca dos seus direitos o leva ao exercício pleno da cidadania e democracia. Por meio de uma revisão bibliográfica foram levantados os aspectos teóricos da gestão de comunicação e suas ferramentas dentro das organizações, em continuidade houve um estudo sobre as ações desenvolvidas pelo órgão em questão nos últimos anos. Como resultado se concluiu que os projetos em andamento tendem a promover sim a aproximação do cidadão ao seu direito à justiça, que utilizam variedade de meios para transmissão das mensagens, com destaque para a internet. Entretanto, as metas a médio e longo prazo só serão atendidas se as atividades forem ampliadas a todo o Estado, e os dirigentes se apresentarem mais sensíveis e abertos, dando espaço na gestão a profissionais que desenvolvam um trabalho coerente e uniforme, agregando as várias áreas do conhecimento, indispensáveis na administração de interesses institucionais. Palavras-chave: Comunicação; gestão; justiça; cidadania; Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul. Abstract This article studies whether the management of communication and information in the Justice Court of Mato Grosso do Sul comes near the courts of Justice, since the understanding about their rights takes it to the full exercise of citizenship and democracy. Through a literature review it was possible to raise the theoretical aspects of the communication management and its tools within organizations. Following, there was a study on the actions carried out by the previously mentioned institution in recent years. As a result, it was concluded that the ongoing projects indeed tend to promote the boundary between the citizen and their right to justice, using a variety of means for the transmission of messages, with emphasis on the internet. However, the medium-and long-term goals will only 1 Bacharel em Secretariado Executivo Bilíngüe Português/ Inglês pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, em Bacharel em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, pelo Centro Universitário da Grande Dourados (Unigran), em Pós graduada em MBA em Gestão de Negócios, pelo Centro Universitário da Grande Dourados (Unigran), Graduado em Administração e especialista em Metodologia do Ensino Superior.

2 ISSN: be met if the activities are extended to the entire State, and if the leaders are more sensitive and open, generating some space in the management to the professionals who develop a coherent and uniform work, aggregating the various areas of knowledge, which are essential to the management of institutional interests. Keywords: palavras-chave no idioma secundário (traduzir termo: palavras-chave ).

3 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 85 Introdução Em se tratando da gestão da comunicação e da transparência pública, é importante destacar a visível mudança de postura da sociedade brasileira, que com o melhoramento do nível de renda e maior acesso à educação têm se tornado mais crítica, adotando uma postura de acompanhamento e fiscalização dos serviços e entidades públicas. Neste contexto, mais uma vez a comunicação se torna peça chave de gestão e de garantia de democracia, a fim de possibilitar o acesso do cidadão às informações e serviços, seu entendimento correto acerca do funcionamento do órgão e a devida prestação de contas da instituição para a sociedade. Desde a primeira Constituição Brasileira, consta o comprometimento do Estado Brasileiro em assegurar aos brasileiros, dentre outras coisas, o acesso à justiça. Atualmente, no âmbito do nosso estado, o órgão de maior destaque e responsabilidade para tal é o Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul, que como no setor privado, também deve trabalhar as ferramentas de gestão de comunicação para gerir da melhor maneira possível os seus trabalhos e oferecer ao cidadão aquilo que lhe é de direito, devendo ser executadas com profissionalismo e foco nas metas. Nos últimos dois anos, mais especificamente, o Tribunal de Justiça tem lançado na sociedade algumas ações a fim de aproximar a sociedade da justiça, tendo como meio para tal os veículos de comunicação, com destaque para a internet, inclusive com inserção do órgão nas redes sociais. Assim, temos como hipótese que os veículos escolhidos nos novos projetos do Tribunal de Justiça de MS são realmente os mais indicados nesta era tecnológica e pelo perfil atual da população, ainda que as ações executadas, se continuadas e amplificadas dentro de um planejamento eficaz, ajudarão a o jurisdicionado a se aproximar da justiça. Por outro lado, a gestão desta política de comunicação deve ser menos engessada e mais aberta ao entendimento do uso das ferramentas informacionais e comunicacionais para a elaboração de um planejamento que a médio e longo prazo traga resultados satisfatórios. Diante do exposto, pretende-se com o presente artigo, por meio da análise das ações de comunicação desenvolvidas pela instituição pública Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul, averiguar se estas possibilitam à instituição cumprir com sua missão e visão, levando ao cidadão um dos direitos que a constituição lhe garante, somado ainda, ao atendimento das metas e obrigações estabelecidas pelos órgãos superiores e fiscalizadores. Com seus resultados, demonstrar então a importância de bem se trabalhar a comunicação como ferramenta de gestão democrática. Revisão de literatura A busca por uma boa comunicação nos setores institucionais é uma forte ferramenta para trabalhar a visibilidade e as ações internas e externas de uma instituição, pública ou privada, de tal maneira que ela possa

4 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 86 trabalhar de modo eficiente em um mercado volátil, interligado e globalizado, que a afeta em todos os âmbitos, como argumenta Duarte ao advertir que a empresa ou indústria que deixa de comunicar sua posição, ou de reagir a questões na mídia, pode obter para si conseqüências muito negativas, inclusive um desastre financeiro (DUARTE, 2006, p. 147). A assessoria de comunicação procura trabalhar de forma ordenada e integrada os vários aspectos em uma empresa (relações públicas, jornalismo, propaganda, publicidade e marketing), como define Kunsch a seguir: Ela pressupõe uma junção da comunicação institucional, da comunicação mercadológica e da comunicação interna, que formam o composto da comunicação organizacional. Este deve formar um conjunto harmonioso, apesar das diferenças e das especificidades de cada setor e dos respectivos subsetores. A soma de todas as atividades redundará na eficácia da comunicação nas organizações (KUNSCH, 1997, p. 115). De acordo com Duarte (2006), a realidade dos assessores de comunicação é mostrar a notícia e não implantá-la. A intenção é mostrar o que há de interessante por trás daquela empresa, pessoa ou organização. Até mesmo em casos de crise, o assessor de comunicação intervém para que a imagem seja positiva, mesmo mostrando o lado negativo. Assim, esse profissional deixou de ser apenas um emissor de releases, despontando, hoje, como um produtor ou mesmo um executivo de informações e um intérprete do macroambiente. O novo profissional de comunicação empresarial deve ter capacidade de identificar e trabalhar com cenários do ambiente interno e externo e ter domínio sistêmico sobre todas as áreas de comunicação. O jornalismo empresarial abrange um amplo elenco de atividades desenvolvidas em empresas e entidades, com vistas à divulgação de seus fatos e realizações. Assim, na prática, ele compreende não apenas as ações de relacionamento com a mídia, mas a elaboração de veículos jornalísticos para a comunicação com determinados públicos e com a sociedade em geral (CHAPARRO, 2007). De acordo com Lorenzon (2006, p. 55), o jornalismo empresarial no Brasil foi definido em um grande surto de industrialização pós-guerra, entre as décadas de 40 e 60. Atualmente, ele está em pleno desenvolvimento, só o número de jornais empresariais produzidos ultrapassam a casa dos 5 mil títulos, fato que o coloca entre os dez países com maior número de publicações empresariais do mundo. Para este autor, os jornais empresariais brasileiros tornaram-se produtos híbridos, que se baseiam, sobretudo, na tentativa de uma síntese entre o jornalismo, o marketing e as relações públicas. A assessoria em comunicação vem, pouco a pouco, se profissionalizando, assumindo também novos contornos, assim, tendo uma visão mais mercadológica, concentrada cada vez mais em planos estratégicos. Esse segmento passou de mero executor de tarefas a executivo da informação, responsável pelo microambiente da empresa e pelo planejamento e avaliação de oportunidades de divulgação. As empresas passam a valorizar mais as atividades do jornalista e a importância do papel comunicacional (BAHIA, 1995). Sendo assim, entende-se, por meio de Martinez (2006, p. 234), que a assessoria de comunicação, hoje

5 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 87 no Brasil, é o resultado de um movimento relativamente novo em nosso mercado, em que os diversos segmentos da sociedade descobrem que imagem é fator de vantagem competitiva e deve ser construída com inteligência, informação, pesquisa, uso de técnicas de comunicação, ações coordenadas e muito profissionalismo. Para Kunsch (2009), planejamento em comunicação institucional significa, sobretudo, o encaixe e o ajuste dos projetos jornalísticos no contexto das políticas da empresa/ órgão/ instituição: relações Públicas, relações industriais, treinamento, segurança, benefícios, relações humanas. Desta maneira, planejar significa identificar políticas, selecionar prioridades, corrigir desvios nos fluxos de comunicação empresarial e adequar as publicações às situações conhecidas. De acordo com Rego (1987, p. 99), as atividades do planejamento empresarial/ institucional, como jornais, revistas, intranet e outros, devem se integrar à política global de comunicação da empresa; exigindo, portanto, a programação de todos os fatores componentes de um projeto, ou seja, com o estabelecimento de objetivos, verbas, prazos e cronogramas, natureza técnica do projeto, definição de estruturas de comando e ação participativa em sua realização. O planejamento irá considerar o perfil da instituição em todos os planos subjetivos que a caracterizam, como, ambiente, público, estruturas de comando, linhas de produção, diferenças sócio-culturais, locomoção e comportamento dos grupos no ambiente, além das inter-relações existentes entre estas variantes do sistema empresarial. Planejamento de criação: após definir os objetivos, parte-se para a definição das características técnicas, de modo a conjugar os aspectos técnicos com os objetivos das publicações. Nesta etapa, Rego (1987, p. 100) lista alguns itens que merecem atenção, tais como: nome da publicação; endereço para correspondência; periodicidade; gênero; circulação; momento de distribuição; número de páginas (tamanho); formato; tipo de impressão; tipo de papel; cores; tiragem; gráfica pesquisa de qualidade e custos. Nassar (2004) enfatiza que o jornalismo empresarial está a serviço da organização, com o propósito de possibilitar a comunicação contínua com o ambiente e mercado onde atua, e o próprio ambiente interno, que congrega sua estrutura. Por isso, é importante levar em consideração a definição de público, já que cada estrutura comporta um tipo. Neste contexto, diz que a definição e a perfilização destes públicos tornam-se necessárias para a eficácia do projeto; neste caso, o público interno são os colaboradores; o público externo os acionistas, revendedores, concessionários, consumidores, imprensa, assistidos, etc. Martinez (2006, p. 221) destaca a importância da Assessoria em Comunicação de forma esclarecedora: uma boa assessoria de imprensa pode significar o ganho ou a economia de milhares ou milhões de reais quando se trabalha com eficiência as informações, pelo planejamento sistemático de suas ações e em sintonia com os objetivos a serem atingidos. Mafei (2007) explica que em qualquer lugar que se trabalhe com assessoria de imprensa e seja quem for o chefe ou empregador, o assessor terá que demonstrar habilidade em lidar com procedimentos de trabalho integrados a um planejamento maior da empresa. Na concepção da autora, os procedimentos de trabalho de

6 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 88 uma assessoria de comunicação foram criados para que a informação entre a assessoria, o cliente e a imprensa seja transmitida adequadamente. São esses procedimentos, junto com o corpo a corpo necessário ao trabalho de divulgação, que vão ajudá-lo a estabelecer relações com a imprensa de modo a possibilitar o cumprimento das metas estabelecidas no plano de comunicação, que é uma das primeiras ferramentas que você precisará aprender a usar (MAFEI, 2007, p. 63). Entende-se como reforço da comunicação desenvolvida por uma empresa, órgão ou entidade, estabelecer canais que possibilitem o relacionamento ágil e transparente da direção com o público interno e os próprios elementos que o integram. A comunicação interna deve incluir a comunicação horizontal (segmento do público) e a comunicação ascendente, que estabelece o feed-back e instaura uma efetiva interação (NEVES, 2000). Porém, tradicionalmente a comunicação interna tem ficado em segundo plano no planejamento de comunicação das empresas, órgãos ou entidades. Isso ocorre na maioria das vezes, pela falta de consciência por parte dos gestores de que uma boa comunicação (transparente, ágil, democrática e participativa) é vital para a sobrevivência das organizações. Nos últimos anos com o objetivo de aumentar a produtividade e a qualidade, a comunicação interna tem sido aplicada de forma efetiva nos setores empresariais, organizacionais e institucionais, no entanto existem ainda muitos tabus a serem derrubados, sobretudo, é preciso democratizar a estrutura formal das organizações que se caracterizam por uma hierarquia rígida e autoritária (OLIVEIRA, 2005). Não menos importante que a simples divulgação de produtos e serviços, a comunicação externa é uma poderosa ferramenta para a empresa dialogar com a sociedade, dar satisfação de seus atos e criar expectativas, é um instrumento fundamental para construir e solidificar a imagem institucional. Assim, uma política de comunicação externa clara e definida é reconhecida como fator estratégico para o sucesso da corporação. Além de definir princípios e estratégias, criar e implantar uma política de comunicação é necessário mudar a mentalidade e a própria cultura da gestão. Por isso, a política de comunicação de uma empresa deve ser norteada por alguns princípios e o principal é a consciência de informar a sociedade sobre suas atividades de forma transparente (NEVES, 2000). Em resumo, os principais produtos e serviços de uma assessoria de comunicação são: clipping organizar material publicado na mídia e encaminhar a quem interessar em folhas padronizadas; contatos estratégicos manter contato regular com as redações nos seguintes âmbitos: administrativo, operacional, pautas, prospecção, manutenção de relacionamento; entrevista coletiva; fotos; levantamento de pauta função sistemática e fundamental (criar rede de informantes; reuniões semanais com o assessorado); mailing list ou cadastro de veículos de comunicação; manuais redação, editoração, relação, com a imprensa, apoio ao jornalista; nota oficial; comunicado; pauta tudo que pode virar notícia: release, boletim de sugestões, pauta exclusiva; press-kit; publieditorial; sites; veículos jornalísticos institucionais; follow up; media training e workshops (DUARTE, 2006). Para Martinez (2006, p. 228) esses produtos e serviços têm funções efetivas para a competência de uma assessoria, pois traduzem-se no uso planejado da diversidade. Desta maneira, espera-se de uma assessoria a

7 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 89 leitura de conjuntura dos jornais nos níveis que forem necessários à empresa, para estar apta a dar aos dirigentes uma idéia do cenário político, econômico e social, antecipar tendências e acontecimentos que venham afetar a vida da empresa. Além disso, também a criação, implementação e desenvolvimento dos produtos jornalísticos considerados estratégicos e necessários à consecução dos objetivos da política de comunicação da empresa (jornais, house organs, revistas, faxnews, site, dentre outros); divulgação aos públicos e por meio das mídias julgadas pertinentes dos produtos gerados pela assessoria; cobertura de eventos ligados à empresa; organização de entrevistas coletivas. Para Ribeiro (2002), o relacionamento reativo e proativo com a imprensa regional e nacional leva à organização de encontros entre os dirigentes da empresa e editores e repórteres dos veículos e editorias relevantes, que sejam relacionados com a natureza social, econômica e política da instituição, de forma que haja troca de questões conjunturais ou específicas do setor de atuação da empresa. É importante considerar que a imprensa não trabalha com a atividade da natureza da assessorada, ela é uma área de trabalho facilitadora e vendedora da imagem da empresa, que não se encaixa na rotina de sua produção, mas por outro lado, possui uma lógica e rotina próprias, sendo assim, o trabalho das assessorias devem adequar-se a cada empresa de comunicação. A comunicação em instituições públicas deve ser regida pelos mesmos princípios e da mesma forma que nas privadas, já que alguns dos objetivos de ambas se assemelham: a transparência, ética, formação e solidificação da imagem, o comprometimento com o público, a oferta de serviços, dentre outros. Entretanto, a responsabilidade não é com o lucro, mas sim com a cidadania e a democracia, o que enseja que os trabalhos e, portanto, também a comunicação, sejam exercidos com responsabilidade ímpar, a fim de corresponder os anseios e necessidades da sociedade (TORQUATO, 1992). A comunicação, como processo e técnica, fundamenta-se nos conteúdos de diversas disciplinas do conhecimento humano, intermedia o discurso organizacional, ajusta interesses, controla os participantes internos e externos, promove, enfim, a maior aceitabilidade da ideologia empresarial. Como poder expressivo, exerce uma função meio perante outras funções fim da organização. Nesse sentido, chega a contribuir para a maior produtividade, corroborando e reforçando a economia organizacional (REGO, 1986, p. 17). Em outras palavras, Rego (1986) diz que a comunicação enquanto processo é uma coisa. Mas em sua plenitude exerce poder, que ele chama de expressivo, legitimando outros poderes da organização, como o remunerativo, normativo e coercitivo. Assim, a comunicação torna-se uma ferramenta para gerar consentimento, que é uma meta importante da comunicação organizacional. Produzir aceitação, melhorar o desempenho, a acessibilidade e a expressividade por meio da comunicação expressiva-emocional, deve ser o objetivo dos profissionais que lidam com comunicação nas empresas. Para isso, o autor coloca é primordial a escolha dos canais adequados, conforme os objetivos e os públicos. É preciso fazer algumas distinções entre os termos comunicação e informação. Enquanto a comunicação compreende todos os meios e formas de transmissão de informação, a informação é definida como todo sinal,

8 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 90 signo ou símbolo que pode ser empregado por uma ou varias pessoas para modificar o comportamento de um ou mais indivíduos. Por outro lado, a comunicação seria, portanto, a transferência de informação entre duas ou varias pessoas (MEKSENAS, 2002). Levado o conceito para o âmbito da empresa, privada ou pública, podemos dizer que a informação empresarial constitui uma atividade reguladora, compreendendo tudo aquilo que a empresa recebe ou emite com o objetivo de padronizar comportamentos, são os regulamentos, normas, portarias, avisos. A comunicação empresarial é um processo mais amplo, que objetiva provocar atitudes voluntárias por parte dos públicos para os quais a empresa se dirige. Engloba, portanto, todos os tipos de informações empresariais (TAVARES, 2010). Os objetivos gerais da comunicação devem produzir maior prazer e satisfação no trabalho e nas relações entre os colaboradores; atitudes mais desejáveis e mais racionais, em conseqüência de um maior sentido de participação e talvez de uma melhor informação acerca do ambiente de trabalho; ainda, um sentimento mais desenvolvido do dever, em conseqüência de uma definição mais clara de autoridade e de responsabilidade, uma ação mais inteligente do trabalho e nas negociações (REGO, 1986, p. 60). Os objetivos gerais da comunicação coletiva de uma organização complexa, do tipo utilitário, como o Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul, devem promover acessibilidade e são assim expressadas por Rego: a) Projetar um conceito adequado das organizações perante públicos internos e externos, consistentes com suas políticas, crenças e valores; b) criar, manter e desenvolver, internamente, formas de comunicação que contribuam para a maior e melhor operacionalidade dos sistemas e atividades; c) Desenvolver, harmoniosamente, um espírito de equipe, preparando e organizando situações comunicativas que se traduzam em melhores performances profissionais; d) contribuir para o desenvolvimento de valores básicos dos participantes, do tipo solidariedade, companheirismo, dedicação; e) projetar junto a centros irradiadores de opinião e poder o pensamento ideológico da organização, de forma que os resultados dessa projeção possam favorecer o desempenho operacional e administrativo; f) racionalizar formas de comunicação, contribuir para diminuir custos dos programas, aumentando sua eficácia; g) traduzir, em mensagens claras, as decisões sobre operações, métodos e técnicas de trabalho; h) acompanhar e influenciar o meio ambiente, criando e desenvolvendo representações e contatos junto aos poderes executivo, legislativo e judiciário (municipais, estaduais e federais), diagnosticando as tendências político-partidárias e estabelecendo vínculos que possam ampliar as bases dos negócios (REGO, 1986, p. 89). Cada vez mais os profissionais de comunicação precisam aprimorar sua formação em gestão e ampliar conhecimentos sobre o campo de comunicação e áreas da interface, dentro da empresa, o comunicador empresarial deve deixar de ser um fazedor de mídia para participar da formulação das políticas da empresa (VIANA, 2001). Oliveira e Paula (2007, p ) enfatizam que a comunicação organizacional se processa nas interfaces com outros campos e promove interações entre organização e atores sociais, trabalhando os fluxos informacionais e relacionais, de modo a contribuir para a construção de sentido sobre as ações da organização e do ambiente. Além disso, favorece a interação da organização com a sociedade e cria mecanismos que possibilitam a validação pública da sua atuação e conduta. Engloba políticas e estratégias de comunicação elaboradas a

9 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 91 partir dos valores e objetivos da organização, numa dimensão articulada à gestão organizacional, bem como às expectativas e demandas dos atores sociais com os quais interage, assim, os subcampos jornalismo, e publicidade e propaganda voltam-se para os fluxos informacionais entre empresa e mídia, coordenando sua quantidade, variedade e aplicação. Materiais e métodos Segundo Vieira e Hossne (2011, p. 136), uma revisão bibliográfica mostra a evolução de conhecimentos sobre um tema específico, aponta as falhas e os acertos dos diversos trabalhos na área fazendo críticas e elogios e resume o que é, realmente, importante sobre o tema. Partindo desta perspectiva, foi realizada uma revisão de bibliografia, no intuito de descrever os conceitos teóricos e os aspectos históricos do jornalismo empresarial no Brasil, suas características mais relevantes e algumas formas de aplicação. Cada situação comunicacional tem características peculiares e não pode ser generalizada, portanto, em síntese, o melhor meio de análise se baseou na pesquisa qualitativa chamada estudo de caso, como explicam Alves-Mazzotti e Gewandsznajder (2002, p. 147, 163): ao contrário do que ocorre com as pesquisas quantitativas, as investigações qualitativas, por sua diversidade e flexibilidade, não admitem regras precisas, aplicáveis a uma gama de casos, as pesquisas qualitativas são caracteristicamente multimetodológicas. Podemos dizer que a observação (participante ou não), a entrevista em profundidade e análise de documentos são os mais utilizados, embora possam ser complementados por outras técnicas. Partindo desse pressuposto, após a revisão de literatura, foi elaborada uma pesquisa e análise sobre o Tribunal de Justiça e suas ações relacionadas à comunicação, notícias e projetos divulgados por ele na mídia, de andamento atual e futuro; para assim, saber se estes estão atingindo o objetivo divulgado pela instituição, que é aproximar os cidadãos dos seus direitos em relação à justiça. Resultados e discussões O Estado de Mato Grosso do Sul foi criado pela Lei Complementar n. 31, de 11 de outubro de 1977, que estabeleceu o Poder Judiciário do Estado juntamente com os demais Poderes. Hoje, a sede do Poder Judiciário fica no Parque dos Poderes, na capital do estado. Todas as comarcas somam 54, abrangendo praticamente todas as cidades do estado, os municípios e distritos menores que não possuem comarca própria são atendidos pelas mais próximas. O Poder Judiciário do Mato Grosso do Sul (PJMS) possui uma Secretaria de Comunicação, que em conjunto com outras secretarias, administra seu sítio na internet, a Intranet para os funcionários, o informativo mensal do Tribunal de Justiça TJ em notícias, os eventos (relações públicas) e as ações de publicidade e marketing. Um dos primeiros projetos de destaque que utiliza como principal ferramenta a comunicação no Tribunal

10 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 92 de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) é o projeto Conheça o Judiciário, que surgiu em cumprimento à Meta 4, proposta pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para 2011, que previa a implantação de pelo menos um programa de esclarecimento ao público sobre as funções, atividades e órgãos do Poder Judiciário em escolas ou quaisquer espaços públicos. O projeto continua em atuação até hoje, tendo como slogan Um Meio Legal de Entender a Justiça, a intenção do Projeto Conheça o Judiciário, além de cumprir a meta é, ao mesmo tempo, aproximar o judiciário da sociedade, além de permitir que os participantes adquiram conhecimentos práticos a respeito do funcionamento da justiça estadual, pretende criar canais efetivos de comunicação com a sociedade e tornar possível à população conhecer a realidade do Tribunal de Justiça, sua atuação como órgão participativo e interativo com os problemas sociais e principalmente como guardião das garantias constitucionais. Entre suas ações são realizadas visitações aos órgãos do Poder Judiciário, divulgação nas mídias impressa, falada e televisiva; palestras ministradas pela Secretaria da Escola do Servidor (SES); convênios com escolas, disponibilização de outdoors em diferentes pontos da Capital, utilização de busdoor; distribuição de cartilhas, entre outros. Trata-se de um projeto homenageado pela sociedade, no entanto, até o momento vem sendo executado apenas na capital, então, para que seu objetivo realmente seja alcançado e amplificado é preciso que seja levado às comarcas do interior também, onde estão a maior parte dos jurisdicionados. Em 27 de abril de 2012, por meio do Provimento nº 259, o TJMS criou o Comitê Gestor de Comunicação Institucional, órgão consultivo da Presidência nas questões relacionadas com as ações de comunicação social do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul. Sendo formado por dois desembargadores, juízes e a direção da Secretaria de Comunicação, sua criação foi justificada em razão do princípio constitucional da publicidade, do qual se extrai que o Poder Público deve agir com transparência, prestando contas de suas atividades à sociedade. Sua finalidade, segundo o Tribunal, é atender a população, para que haja o aprimoramento da comunicação com o público externo, que é um dos Objetivos Estratégicos do Judiciário Nacional, de tal modo que a imprensa se aproxime do Poder Judiciário e tenha condições e conhecimento para transmitir informações fidedignas e claras. Apesar deste comitê ser uma ação recente do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul e motivado pela Resolução nº 85 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que trata da Comunicação Social no âmbito do Poder Judiciário Brasileiro, também demonstra um início de conscientização do órgão quanto à importância da comunicação para a cidadania. Haja vista ser dever do Poder Judiciário possibilitar, por meio de uma linguagem acessível, amplo conhecimento à sociedade de suas políticas públicas, além de divulgar os direitos dos cidadãos e os serviços colocados à sua disposição. Dentre outras responsabilidades, caberá aos membros do Comitê Gestor de Comunicação Institucional: propor e apreciar diretrizes, prioridades, estratégias, orientações e instrumentos de gestão dos processos de comunicação do Poder Judiciário; coordenar o desenvolvimento e a execução das ações de publicidade; orientar as ações de Comunicação Social realizadas com recursos orçamentários do Poder Judiciário, com a observância da

11 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 93 eficiência e da racionalidade na sua aplicação; orientar a adoção de critérios de utilização de marcas para ações de publicidade e de identidade visual, nos sítios e portais dos órgãos do Poder Judiciário; orientar as diretrizes básicas para a comunicação digital nos sítios e portais dos órgãos do Poder Judiciário; apoiar os integrantes da Secretaria de Comunicação Social nas ações de imprensa que exijam, pela natureza da pauta, articulação interna e participação coordenada no Poder Judiciário (Diário da Justiça nº 2638 de 27/04/2012, Provimento 259, p. 2). Outra ação que demonstra o reconhecimento da instituição da necessidade de aderir às novas tecnologias, aproximando-se assim da população, é a inserção do Judiciário de MS nas redes sociais a partir de 05 de junho de 2012, com o lançamento de perfis oficiais do TJMS no Facebook, Twitter e no Flickr. Com estas novas ferramentas disponíveis, o judiciário estadual visa assegurar mais transparência aos atos institucionais e possibilitar maior proximidade no relacionamento com a sociedade. No Youtube, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul disponibiliza desde agosto de 2009, os vídeos produzidos pela Secretaria de Comunicação Social e as entrevistas concedidas pelos magistrados do estado às redes locais de televisão (http://www.youtube.com/user/tjmsjornalismo). O serviço de RSS envia ao internauta as notícias do TJMS e permite a visualização customizada desde fevereiro de Esse mecanismo permite que notícias sejam alimentadas (feed) automaticamente assim que os textos são publicados no sítio do TJ (http://www.tjms.jus.br/rss/portaltjms.php). Exemplificando a inserção da instituição na era da informatização, há previsão de que até dezembro de 2012, 100% da Justiça de Mato Grosso do Sul seja digital, ou seja, com distribuição e tramitação de processos apenas eletrônicos, não em papel mais. O TJMS é pioneiro nesse sentido, pois já em 2005 passou a ter processo 100% digital em todas as fases.

12 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 94 CONSIDERAÇÕES FINAIS Como se pode constatar pela pesquisa apresentada, é indiscutível que o uso da comunicação como ferramenta de gestão estratégica tem feito a diferença em um dos órgãos de promoção da cidadania mais importante do nosso estado, promovendo assim a aproximação do cidadão ao seu direito à justiça. No entanto, pelo fato dos projetos do Judiciário sul-mato-grossense serem recentes e pioneiros nesta área, é preciso que a gestão se atente em atuar de forma crítica, de modo a estar sensível e tomar as ações acertadas para as correções necessárias, pois os itens a serem amadurecidos e melhorados poderão ser percebidos ao longo do tempo, apenas com a real execução das ações propostas. Um exemplo é o fato do comitê gestor de comunicação, o mais influente grupo diretamente ligado à gestão da comunicação, contar com apenas um profissional de comunicação e vários superiores do Tribunal (juízes e desembargadores), mostrando aí que a instituição, embora aberta à era digital e com grandiosos avanços, ainda não se desvencilhou do engessamento típico do sistema público. Apesar de existir abaixo deles uma equipe técnica de execução, mais profissionais de comunicação e administração envolvidos na gerência das decisões, agregariam um olhar mais amplo, uniforme, coerente e eficiente na elaboração do planejamento estratégico comunicacional com metas a curto, médio e longo prazo. O equilíbrio entre o uso da linguagem e meio de comunicação adequados ao público faz-se necessário. Ponderamos que para uma análise eficaz da adequação de linguagem nestes projetos do TJMS caberia outro tipo de estudo mais aprofundado, mesmo assim, vale ressaltar que somente o veículo de comunicação não supre todas as intenções de informar pretendidas. O direito e as leis são cheios de termos técnicos, pouco conhecidos e que atrapalham a compreensão de pessoas leigas neste assunto, por isso, deve prevalecer nestes projetos a mensagem mais coloquial, clara e simples possível. Se de outra forma for, os objetivos finais propostos pelo TJMS não serão alcançados, pois os muros que separam a maioria da população do mundo jurídico não serão transpostos. O poder judiciário deve estar ao alcance de todos; o bom uso da comunicação e de suas ferramentas, executadas por profissionais qualificados deve promover isso. Ainda há muitas ações a serem tomadas, porém, há ânimo ao perceber que os primeiros passos já foram dados, não obstante, devem continuar e serem expandidos não somente para suprir as metas dos órgãos fiscalizadores do governo e da justiça, mas sim, para garantir o que a constituição determina.

13 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 95 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O Método nas Ciências Naturais e Sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, BAHIA, Benedito Juares. Introdução à comunicação empresarial. São Paulo: Mauad, CHAPARRO, Manuel Carlos. Pragmática do Jornalismo: busca pragmática para uma teoria da ação jornalística. São Paulo: Summus, DUARTE, Jorge (organizador). Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia: teoria e técnica. 2 ed. São Paulo: Atlas, KUNSCH, Margarida Maria Krohling (Org.). Comunicação Organizacional: histórico, fundamentos e processos. Volume 1. São Paulo: Saraiva, Comunicação Organizacional: linguagem, gestão e perspectivas. Volume 2. São Paulo: Saraiva, Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. Ed. revista, atualizada e ampliada. São Paulo: Summus, Relações Públicas e modernidade: novos paradigmas na comunicação organizacional. São Paulo: Summus, LORENZON, Gilberto; MAWAKDIYE, Alberto. Manual de Assessoria de Imprensa. 2 ed. Campo dos Jordão/RJ: Mantiqueira, MAFEI, Maristela. Assessoria de Imprensa: como se relacionar com a mídia. 3 ed. São Paulo: Contexto, MARTINEZ, Francisco. Os Meios de Comunicação e a Sociedade. In BRASIL Mediatamente! Televisão, cultura e educação. Brasília: Ministério da Educação, SEED, MEKSENAS, Paulo. Cidadania, poder e comunicação. São Paulo: Cortez, NASSAR, Paulo; FIGUEIREDO, Rubens. O que é comunicação empresarial. São Paulo: Brasiliense, NEVES, Roberto de Castro. Comunicação empresarial integrada: como gerenciar: imagem, questões públicas, comunicação simbólica, crises empresariais. Rio de Janeiro: Mauad, OLIVEIRA, Ivone de Lourdes; PAULA, Maria Aparecida de. O que é comunicação estratégicas nas organizações?. São Paulo: Paulus, 2007 OLIVEIRA, Fábio Risério Moura de. Relações Públicas e a comunicação na empresa cidadã. In: Responsabilidade social das empresas a contribuição das universidades. São Paulo: Peirópolis, REGO, Francisco Gaudêncio Torquato. Jornalismo Empresarial: teoria e prática. 2 ed. São Paulo: Summus, Comunicação empresarial, comunicação institucional: conceitos, estratégias, sistemas, estruturas, planejamento e técnicas. São Paulo: Summus, RIBEIRO, Lair. Comunicação Global: o poder da influência. Belo Horizonte: Editora Leitura, 2002.

14 SILVA, Jany Carla Arruda da. ÁVALO, Hélio. 96 TAVARES, Maurício. Comunicação empresarial e planos de comunicação: integrando teoria e prática. São Paulo: Atlas, TORQUATO, Gaudêncio. Cultura, poder, comunicação e imagem: Fundamentos da nova empresa. São Paulo: Atlas, TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MATO GROSSO DO SUL. Acesso em 25/07/2012 e 01/08/2012. VIANA, Francisco. De cara com a mídia: comunicação corporativa, relacionamento e cidadania. São Paulo: Negócios Editora, VIEIRA, S; HOSSNE, W. S. Metodologia Científica para Áreas da Saúde. Rio de Janeiro: Elsevier, 2001.

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Manual com normas para solicitação de produção e publicação de material informativo jornalístico no site, lista de

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

Prof. Ms. Anchieta Silveira

Prof. Ms. Anchieta Silveira Prof. Ms. Anchieta Silveira Aula 2 Comunicação com a sociedade O Judiciário e os MCM Assessorias e monografias Resumo da aula 1 Comunicação como processo Cultura organizacional Redes, fluxos, tipos de

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO 121.3508.9 ASSESSORIA DE IMPRENSA 5ª 02 30 2º / 2009 PROFESSOR ANA LUÍSA

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO 121.3508.9 ASSESSORIA DE IMPRENSA 5ª 02 34 1º/2011 PROFESSOR (A) ANA LUÍSA SOUZA / FERNANDO PEREIRA

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho IMPRENSA IT. 36 07 1 / 8 1. OBJETIVO Administrar o fluxo de informações e executar ações de comunicação junto aos públicos interno e externo do Crea GO de forma transparente, ágil, primando pela veracidade

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI PLANO DE TRABALHO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PCS Plano de Trabalho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 1 2.1. Objetivos Específicos... 1 3. PÚBLICO ALVO... 2 4. METAS... 2 5.

Leia mais

MINAS GERAIS 12/04/2008. Diário do Judiciário. Portaria 2.176/2008

MINAS GERAIS 12/04/2008. Diário do Judiciário. Portaria 2.176/2008 MINAS GERAIS 12/04/2008 Diário do Judiciário Chefe de Gabinete: Dalmar Morais Duarte 11/04/2008 PRESIDÊNCIA Portaria 2.176/2008 Institucionaliza o Programa Conhecendo o Judiciário do Tribunal de Justiça.

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

A ESTRUTURAÇÃO DA COMUNICAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO

A ESTRUTURAÇÃO DA COMUNICAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO A ESTRUTURAÇÃO DA COMUNICAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO A transparência, tônico infalível da cidadania, outorga confiabilidade e, por conseguinte, maior respeito. Por sua vez, a população, melhor informada,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

Realizar a Justiça. TRT7 Plano de Comunicação da Estratégia

Realizar a Justiça. TRT7 Plano de Comunicação da Estratégia Realizar a Justiça TRT7 Plano de Comunicação da Estratégia Secretaria de Gestão Estratégica 2013 A Secretaria de Gestão Estratégica em conformidade ao que dispõe o Objetivo Estratégico nº 8: melhorar e

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho IMPRENSA IT. 36 08 1 / 6 1. OBJETIVO Administrar o fluxo de informações e executar ações de comunicação junto a imprensa sediada na capital e no interior de forma transparente, ágil, primando pela veracidade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral.

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral. APRESENTAÇÃO 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. 2. E-mail para contato eje@tre-rj.gov.br. 3. Nome do Projeto. 4. Tema escolhido Gestão Sócio Ambiental. 5.

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

Acerola Assessoria de Comunicação: Uma Vivência em Assessoria na Universidade 1

Acerola Assessoria de Comunicação: Uma Vivência em Assessoria na Universidade 1 Acerola Assessoria de Comunicação: Uma Vivência em Assessoria na Universidade 1 Ana Vitória Silva Matos 2 Joana D arc Pereira 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO O artigo apresenta o trabalho

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional.

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. Sistema de Gerenciamento da Informação Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. O tempo sumiu-1 8 horas dormir; 8 horas trabalhar; 1,5 hora no trânsito;

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

Relatório de Gestão Setorial 2010

Relatório de Gestão Setorial 2010 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial 2010 Cruz das Almas BA 2010 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES Período: Janeiro

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018 /2011/CSCI Versão: 01 Aprovação em: 17 de novembro de 2011 Ato de Aprovação: 018/2011 Unidades Responsáveis: Assessoria de Imprensa e Comunicação Social DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA SALVADOR 2012 GOVERNADOR Jaques Wagner VICE-GOVERNADOR Otto Alencar SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Osvaldo Barreto Filho SUB-SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Aderbal de Castro Meira Filho

Leia mais

Projeto Cidadania. Saiba o que ele pode acrescentar à sua empresa

Projeto Cidadania. Saiba o que ele pode acrescentar à sua empresa Projeto Cidadania Projeto Cidadania Saiba o que ele pode acrescentar à sua empresa Humanização Ambiente de Trabalho Valor Comunitário Integração Social de Portadores de Deficiência Ação Social Voluntária

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

ANEXO I PROJETO BÁSICO

ANEXO I PROJETO BÁSICO ANEXO I PROJETO BÁSICO APRESENTAÇÃO O Conselho Regional de Nutricionistas 3ª Região congrega em sua jurisdição os Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, com sede a Av. Brigadeiro Faria Lima Lima, 1.461,

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014 PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014 Abertura de prazo para solicitação de serviços pelas entidades cadastradas no Projeto Serviços e Cidadania e sediadas em Curitiba e Região Metropolitana O

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 19, XX, da Lei Complementar nº 85, de 27 de dezembro de 1999, Considerando

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais