História da Orientação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História da Orientação"

Transcrição

1 PROF. António Sousa

2 História da Orientação

3 História da Orientação As raízes da orientação perdem-se no tempo. Já nos remotos anos 2000 A.C., os Egípcios utilizavam mapas com símbolos que os auxiliavam na navegação. Muitas outras civilizações, entre as quais a Grega e a Romana, utilizaram representações cartográficas para o auxílio da navegação.

4 História da Orientação A orientação como modalidade é relativamente jovem. Considera-se que a sua origem remonta a 1912, quando o Major Ernst Killander, preocupado com a desmotivação dos jovens pela corrida, associou-lhe a componente de leitura e interpretação do mapa, com o objetivo de originar um equilíbrio entre a vertente física e a vertente cognitiva.

5 Caracterização da Modalidade O carácter único da Orientação consiste em encontrar e seguir o melhor itinerário, através de terreno desconhecido, numa luta constante contra a o tempo. Isso exige capacidade de Orientação.

6 Caracterização da Modalidade capacidade de Orientação: boa leitura do mapa, avaliação de opções de itinerário, utilização da bússola, concentração sob stress, rapidez na tomada de decisões, corrida em terreno acidentado, etc.

7 Caracterização da Modalidade A orientação tem ainda uma vertente recreativa e lúdica, pois proporciona aos seus praticantes um contato permanente com a Natureza. Para além disso, permite conhecer novas pessoas e fazer novos amigos.

8 Vertente Competitiva A Federação Internacional de Orientação (IOF) reconhece e desenvolve quadros competitivos em 4 disciplinas: ORIENTAÇÃO PEDESTRE ORIENTAÇÃO EM BTT TRAIL ORIENTEERING SKI ORIENTEERING

9 ORIENTAÇÃO PEDESTRE A Orientação pedestre é uma disciplina de endurance (entre 60 a 90 minutos) onde o meio de locomoção é a corrida e que envolve uma grande componente mental...

10 ORIENTAÇÃO EM BTT

11 ORIENTAÇÃO EM BTT A Orientação em BTT é uma disciplina de endurance que atrai praticantes de Orientação e utilizadores de BTT... Contudo, existem normas específicas quanto à elaboração dos mapas, onde os caminhos são classificados quanto à sua transitabilidade e largura.

12 TRAIL ORIENTEERING...O Trail Orienteering é uma forma de prática da Orientação vocacionada para deficientes motores, com percursos específicos em que a competição não se realiza cronometrando a duração do percurso, mas pela quantidade de pontos de controlo marcados corretamente.

13 ...O Trail Orienteering : (Orientação Adaptada). TRAIL ORIENTEERING

14 SKI ORIENTEERING Ski Orienteering é uma disciplina de Inverno estilo crosscountry...onde se conjuga o Orientação com a prática de ski.

15 Outro tipo de Orientação...Orientação em canoagem

16 Outro tipo de Orientação...Com a família (crianças/idosos)

17

18 ... para ter sucesso na competição, o praticante de Orientação tem que conciliar uma boa capacidade técnica e uma boa condição física...

19 Nas competições são, regra geral, usadas áreas naturais. O terreno pode variar entre planícies, montanhas, parques de cidade, etc...

20 MULHERES E HOMENS EM IGUALDADE Na Orientação, as mulheres e os homens tem estatuto e oportunidades de treino iguais...

21 Material

22 Material

23 Material

24 Material Tradicional cartão / picotador Sistemas electrónicos

25 Material (equipamento)

26 Na partida, cada praticante recebe um mapa onde está impresso um percurso constituído por uma partida, uma sequência de pontos de controlo e uma chegada. Os pontos de controlo, são materializados no terreno pelas balizas (prismas de cor laranja e branca) que estão acompanhados de um pequeno picotador.

27 A escolha do itinerário entre os pontos de controlo é uma opção do próprio praticante! A velocidade de movimento tem que ser acompanhada pela velocidade de raciocínio para ler o mapa e interpretar a relação mapa/terreno, ponderar sobre várias opções de itinerário e, por fim, decidir!

28 A bússola é o único instrumento de Orientação que é permitido utilizar pelos praticantes. Com o mapa vem junto um cartão de sinalética para precisar a localização dos postos de controlo.

29

30 Cores do Mapa

31 Cores do Mapa Símbolos pretos: definem todas as vias e acidentes artificiais construídos pelo homem, como caminhos, casas, vedações, linhas de alta tensão, limites laterais de estradas, etc... e pedras ou orlas das matas, entre outros; Símbolos azuis: representam todos os acidentes de terreno que contêm água, como lagos, diques, nascentes, poços, tanques, linhas de água, áreas pantanosas, etc... Símbolos castanhos: representam o relevo - curvas de nível (representam no mapa uma linha imaginária sobre o terreno, ao longo da qual todos os pontos têm a mesma cota), pontos de cota, depressões, fossos secos, elevações, vales, etc.;

32 Cores do Mapa Vegetação amarela: representa basicamente áreas abertas de terreno, onde a progressão em termos de corrida é fácil. Vegetação verde: representa a densidade de determinadas áreas, em termos de vegetação, de acordo com a tonalidade do verde, ou seja, o verde mais escuro, representa áreas intransponíveis, onde a corrida não é possível. Os espaços em branco no mapa, sem designação específica do tipo de vegetação, representam zona de bosque ou floresta, normalmente o típico da área onde foi feito o mapa.

33 H18/D m 190m m

34 A B C D E F G H H18/D m m 190m A- Numero do ponto B- Código do ponto C- Qual de elemento similares D- Elemento onde se encontra o ponto E- Aparência F- Dimensões/Combinações G- Localização da baliza em relação ao elemento H- Outras informações

35 Sinalética

36

37 CARTÃO DE CONTROLO H21E JOSÉ SILVA 123 AMIGOS DA FLORESTA

38 O Desporto Inteligente

39 FORMAS DE ORGANIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES Percurso permanente Percurso em linha Percurso radial Percurso em estrela Score 100 Percurso formal Estafetas

40 Variáveis de grau de dificuldade Contexto onde decorre a actividade Número de PC Acuidade técnica dos PC Distância entre os PC Execução individual ou em grupo

41 Tipo de actividades PERCURSO PERMANENTE

42 Tipos de actividades PERCURSO por LINHA

43 Tipos de actividades PERCURSO RADIAL <

44 Tipos de actividades PERCURSO em ESTRELA < 2 A B 1 C 6

45 9 Percurso do tipo Ponto para Ponto 8 Tipos de actividades

46 Tipos de actividades Percurso do tipo ESTAFETA

47 TÉCNICA pelo Relevo

O que é a Orientação. Vem fazer Orientação. Orientação. O Percurso de Orientação

O que é a Orientação. Vem fazer Orientação. Orientação. O Percurso de Orientação O que é a Orientação Vem fazer Orientação A Orientação é um Desporto recente em Portugal, mas tem já 100 anos de existência enquanto desporto organizado. A Orientação é o desporto da floresta, é um desporto

Leia mais

Orientação - o desporto da floresta

Orientação - o desporto da floresta Orientação - o desporto da floresta Fundão - 12 de Outubro de 2012 - Luís Quinta-Nova Actividade desenvolvida em espaços verdes e seminaturais (floresta, parque urbano, jardim,.), permitindo alargar os

Leia mais

Equipamentos Desportivos e o Território

Equipamentos Desportivos e o Território Equipamentos Desportivos e o Território O Estado, por si ou em parceria, tem a obrigação de promover, incentivar e apoiar a prática da actividade desportiva. Sendo um direito de qualquer cidadão ter acesso

Leia mais

19/02/ h06- Atualizado em 19/02/ h06. Conheça um pouco sobre Corrida de Orientação, esporte 'novo' na Paraíba

19/02/ h06- Atualizado em 19/02/ h06. Conheça um pouco sobre Corrida de Orientação, esporte 'novo' na Paraíba 19/02/2012 19h06- Atualizado em 19/02/2012 19h06 Conheça um pouco sobre Corrida de Orientação, esporte 'novo' na Paraíba Esporte é praticado em contato direto com a natureza e seus principais equipamentos

Leia mais

1. Quais os tipos de orientação que conheces? 2. Que material é necessário para um Prova de Orientação? 3. O que simboliza a cor amarela num mapa?

1. Quais os tipos de orientação que conheces? 2. Que material é necessário para um Prova de Orientação? 3. O que simboliza a cor amarela num mapa? . Quais os tipos de orientação que conheces? Aula nº2 Prof. Joana Correia. Orientação Pedestre 2. Orientação em BTT 3. Orientação em Esqui. Orientação de Precisão 2. Que material é necessário para um Prova

Leia mais

O que é a Orientação?

O que é a Orientação? O que é a Orientação? A orientação pode ser definida como o uso de um mapa e de uma bússola para encontrar um caminho num terreno desconhecido. O objetivo é, usando o mapa e a bússola, localizar estes

Leia mais

Em Portugal, país de florestas, a orientação tem um mundo à sua espera...

Em Portugal, país de florestas, a orientação tem um mundo à sua espera... O que é Orientação Anda-se ou corre-se de mapa na mão como se se estivesse dentro dele. A bússola não nos deixa sem Norte e o polegar segue os passos dados pelas pernas. É uma espécie de caça ao tesouro

Leia mais

Era utilizada como forma de entretenimento e para melhorar a utilização da bússola e do mapa.

Era utilizada como forma de entretenimento e para melhorar a utilização da bússola e do mapa. ORIENTAÇÃO A orientação nasceu como desporto em 1850 nos meios militares escandinavos Era utilizada como forma de entretenimento e para melhorar a utilização da bússola e do mapa. A designação ORIENTAÇÃO

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Orientação. Grau

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Orientação. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Orientação Grau I Versão 1.00 FORMAÇÃO Referenciais de Orientação Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa

Leia mais

Cartografia. Escala. Projeção

Cartografia. Escala. Projeção Cartografia E o esplendor dos mapas, caminho abstrato para a imaginação concreta. Letras e riscos irregulares abrindo para a maravilha (Pessoa, 1969: 386) A Cartografia é a ciência que estuda os diferentes

Leia mais

RAIDBOOK PROMOÇÃO III CORRIDA DE AVENTURA ESCOLA DAS ARMAS

RAIDBOOK PROMOÇÃO III CORRIDA DE AVENTURA ESCOLA DAS ARMAS RAIDBOOK PROMOÇÃO III CORRIDA DE AVENTURA ESCOLA DAS ARMAS INSTRUÇÕES GERAIS PROMOÇÃO Este Raidbook irá regular a Prova Aventura de Mafra 1ª prova da Taça de Portugal de Corridas de Aventura, época 2016

Leia mais

DGEstE - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) NIPC

DGEstE - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) NIPC Prova código 311 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Educação Física 2016 12.º ano de Escolaridade O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016

CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016 CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016 NAVEGAR É PRECISO 2500 A.C. uma das primeiras representações de mapa, produzido na região da mesopotâmia. NAVEGAR É PRECISO Mapa do Salmo (1260) e Mappe-Monde (1707),

Leia mais

UM EXAME TEÓRICO METODOLÓGICO DA UTILIZAÇÃO DO ESPORTE DE ORIENTAÇÃO COMO ATIVIDADE DIDÁTICA NO ENSINO DE CARTOGRAFIA NO CURSO DE GEOGRAFIA

UM EXAME TEÓRICO METODOLÓGICO DA UTILIZAÇÃO DO ESPORTE DE ORIENTAÇÃO COMO ATIVIDADE DIDÁTICA NO ENSINO DE CARTOGRAFIA NO CURSO DE GEOGRAFIA UM EXAME TEÓRICO METODOLÓGICO DA UTILIZAÇÃO DO ESPORTE DE ORIENTAÇÃO COMO ATIVIDADE DIDÁTICA NO ENSINO DE CARTOGRAFIA NO CURSO DE GEOGRAFIA Guilherme de Oliveira Bueno Graduando em Geografia, Universidade

Leia mais

International Exhibition of Boating, Sports, Adventure, Caravanning and Swimming Pools

International Exhibition of Boating, Sports, Adventure, Caravanning and Swimming Pools Salão Internacional de Navegação de Recreio, Desporto, Aventura, Caravanismo e Piscinas International Exhibition of Boating, Sports, Adventure, Caravanning and Swimming Pools Desportos e Actividades Náuticas

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Educação Física 2.º Ciclo do Ensino Básico As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO - FPO. Fundação 19 de Dezembro de 1990

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO - FPO. Fundação 19 de Dezembro de 1990 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO - FPO Fundação 19 de Dezembro de 1990 Ficha Atualização 31.08.2015 SEDE Estrada da Vieira, 4 - Bairro Florestal Pedreanes 2430-401 Marinha Grande CONTATOS Telefone: (+351)

Leia mais

PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DA COVA 152018 Informação Prova de Equivalência à Frequência do 9º Ano Ano: 2016 Prova 26-1ª Fase Total de páginas: 5 PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1. Introdução O presente

Leia mais

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros.

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros. REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DE GRAU I (Resumo) 1. Carga Horária O Curso de Treinadores de Atletismo de Grau I passa a englobar na sua componente curricular, para além das matérias gerais do treino desportivo

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 CARGO E UNIDADES: Instrutor de Esportes (Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 2 (duas) horas. I N S T

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 02 a Aula CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA

Leia mais

1- Objeto de Avaliação

1- Objeto de Avaliação Informação - Prova de Equivalência à Frequência Geografia 3º ciclo do Ensino Básico 2016 1- Objeto de Avaliação As Orientações Curriculares para o 3º ciclo do ensino básico da disciplina de Geografia integram

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

Regulamento. 1. O Mocidade Sangemil AC organiza a Corrida e Caminha dos 40 Anos do Mocidade Sangemil

Regulamento. 1. O Mocidade Sangemil AC organiza a Corrida e Caminha dos 40 Anos do Mocidade Sangemil Regulamento 1. O Mocidade Sangemil AC organiza a Corrida e Caminha dos 40 Anos do Mocidade Sangemil AC, com o apoio técnico da Desportave - Eventos Desportivos, que tem a finalidade de estimular a prática

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVO GERAL Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, consolidar hábitos

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CURSO BÁSICO DE ARBITRAGEM MARINGÁ PR 21, 22 E 23 DE AGOSTO DE 2015 PROGRAMAÇÃO

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CURSO BÁSICO DE ARBITRAGEM MARINGÁ PR 21, 22 E 23 DE AGOSTO DE 2015 PROGRAMAÇÃO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CURSO BÁSICO DE ARBITRAGEM MARINGÁ PR 21, 22 E 23 DE AGOSTO DE 2015 PROGRAMAÇÃO UNIDADE I CONTEÚDO Distribuição do material/apresentação O Atletismo Entidades de organização

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina. Informação-Prova de Equivalência à Frequência Educação Física maio de 2016 Prova 28 2016 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A

ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A BOXE Introdução Na antiguidade, antes mesmo das civilizações grega e romana, há indícios arqueológicos que indicam que o homem praticava lutas usando as mãos, desferindo

Leia mais

DIRETRIZES PARA PROJETO

DIRETRIZES PARA PROJETO ELABORAÇÃO EQUIPE TÉCNICA USHI: Ely Carlos de Alvarenga Josete de Fátima de Sá Nicolás Lopardo 1 INTRODUÇÃO Esta Diretriz tem como função principal indicar critérios técnicos necessários para permitir

Leia mais

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I 1-Em um mapa cuja escala é 1:2.500.000, duas cidades estão separadas, em linha reta, por 5 centímetros. A distância real (no terreno) entre essas duas cidades é a) 50

Leia mais

Junta de Freguesia de Marvila

Junta de Freguesia de Marvila Junta de Freguesia de Marvila MARVILA RUN PELOURO DO DESPORTO E JUVENTUDE JFM Marvila maio de 2016 Conteúdo Artigo 1º - Organização... 2 Artigo 2º - Objetivos... 2 Artigo 3º - Participação... 2 Artigo

Leia mais

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano Letivo 2014-2015 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA - PCA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Categoria Expedição 1

Categoria Expedição 1 equipamentos obrigatórios 2017 1 Categoria Expedição 1 Lista de Equipamentos Obrigatórios - Terra de Gigantes 2017 - Categoria Expedição DURANTE TODO O PERCURSO Sim Não Nome Imagem Quantidade Descrição

Leia mais

Jogos Desportivos da União das Freguesias de Caparica e Trafaria Torneio de Ténis de Mesa

Jogos Desportivos da União das Freguesias de Caparica e Trafaria Torneio de Ténis de Mesa Jogos Desportivos da União das Freguesias de Caparica e Trafaria 2014 Torneio de Ténis de Mesa Regulamento 1. Disposições iniciais Este Regulamento define as normas de organização do Torneio de Ténis de

Leia mais

Símbolos Ordenados. PONTOS LINHAS ÁREAS ORDEM relevo e outros, se manifestam de forma contínua no espaço ou no tempo, ou obedecem uma hierarquia de

Símbolos Ordenados. PONTOS LINHAS ÁREAS ORDEM relevo e outros, se manifestam de forma contínua no espaço ou no tempo, ou obedecem uma hierarquia de 14- Simbolização Cartográfica Manifestações Ordenadas Além das manifestações qualitativas, Símbolos Cartográficos Ordenados quantitativas e dinâmicas, alguns fenômenos espaciais, como os fatores climáticos

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais

2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS

2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS 2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS 1. Escreva V para as informações verdadeiras e F para as informações falsas. A superfície dos lugares não é igual em toda a sua extensão. b)

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/ º ciclo do Ensino Básico

GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/ º ciclo do Ensino Básico DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/2017 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 1. A avaliação é contínua e sistemática.

Leia mais

Conceitos Básicos mapa

Conceitos Básicos mapa Cartografia Conceitos Básicos Entende-se por mapa a representação gráfica convencional, geralmente plana e em pequena escala, de áreas relativamente extensas, como acontece nos mapas dos atlas. Para tal,

Leia mais

Localização de parques eólicos Condições eólicas Normalmente a natureza do solo resulta numa excelente ajuda para encontrar uma localização apropriada para o aerogerador. As posições das árvores da região

Leia mais

Voleibol de Praia Equuspolis, Golegã (19h00-22h00) Futebol de Praia Equuspolis, Golegã (19h00-21h00)

Voleibol de Praia Equuspolis, Golegã (19h00-22h00) Futebol de Praia Equuspolis, Golegã (19h00-21h00) PROGRAMA* DIA 7 DIA 8 DIAS 10, 11, 12 E 13 DIAS 14 DIA 15 DIAS 17,18, 19 E 20 DIAS 21, 22 E 23 DIAS 24, 25 E 26 DIA 27 E 28 DIA 29 Apresentação das Equipas Equuspolis Golegã (22h00) Desfile Cada equipa

Leia mais

O Adventure CORP é espcializado em

O Adventure CORP é espcializado em O que é: Treinamentos Corporativos O Adventure CORP é espcializado em atender empresas. Através de uma análise das necessidades do cliente, é elaborado um projeto de educação experimental ao ar livre para

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova escrita e prática Prova 26 2016 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL

REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. ESCALÕES ETÁRIOS, BOLA, DURAÇÃO DO JOGO E VARIANTES DA MODALIDADE 2. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA 3. ARBITRAGEM 4. QUADRO COMPETITIVO E CRITÉRIOS

Leia mais

Docente Marília Silva Soares Ano letivo 2012/2013 1

Docente Marília Silva Soares Ano letivo 2012/2013 1 Ciências Físico-químicas - 9º ano de 1.1. COMPETÊNCIAS Reconhecer que repouso e movimento são conceitos relativos; Conhecer a noção de referencial; Identificar situações de movimento e repouso em relação

Leia mais

Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete

Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete Quarta feira, 17 de junho de 2015. A Transporte Ativo juntamente com as organizações locais, Grupo Charlas Urbanas

Leia mais

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Data: 5 de março de 2016 Horário: 09h30 às 12h30 Organização: *Centro de Formação Desportiva de Atletismo Gonçalo Sampaio Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova Código 26-2015 3º Ciclo do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova de

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ORIENTAÇÃO. (Revisto em Setembro de 2014)

REGULAMENTO ESPECÍFICO ORIENTAÇÃO. (Revisto em Setembro de 2014) REGULAMENTO ESPECÍFICO ORIENTAÇÃO 2013 2017 (Revisto em Setembro de 2014) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. ESCALÕES ETÁRIOS 3 3. ORIENTAÇÃO PEDESTRE 5 3.1. CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS 5 3.1.1. QUADRO COMPETITIVO

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO. A Geografia Levada a Sério

A REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO.  A Geografia Levada a Sério 1 Mapa É a representação dos elementos de um determinado espaço na superfície plana, tornando-se um importante instrumento de orientação e de localização; O mapa de Ga-Sur é o mapa mais antigo que se tem

Leia mais

REGULAMENTO PARTICULAR 42ª VOLTA AO ALGARVE 2016

REGULAMENTO PARTICULAR 42ª VOLTA AO ALGARVE 2016 REGULAMENTO PARTICULAR 42ª VOLTA AO ALGARVE 2016 ARTIGO 1 ORGANIZAÇÃO A 42ª Volta ao Algarve é organizada pela Federação Portuguesa de Ciclismo Rua de Campolide 237, 1070-030 Lisboa, de acordo com os regulamentos

Leia mais

Promover e divulgar o desenvolvimento e crescimento dos Desportos de Inverno em Portugal.

Promover e divulgar o desenvolvimento e crescimento dos Desportos de Inverno em Portugal. 2014/15 Quem somos A Federação de Desportos de Inverno de Portugal ou FDI-Portugal, é uma organização sem fins lucrativos dotada de estatuto de utilidade pública desportiva, responsavel pela tutela dos

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTÇÃO DA CARTOGRAFIATEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES DINÂMICAS E CARTOGRAFIA DE SÍNTESE

MÉTODOS DE REPRESENTÇÃO DA CARTOGRAFIATEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES DINÂMICAS E CARTOGRAFIA DE SÍNTESE Aula MÉTODOS DE REPRESENTÇÃO DA CARTOGRAFIATEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES DINÂMICAS E CARTOGRAFIA DE SÍNTESE META Representar os fenômenos quando estes variam no tempo e no espaço e apresentar como se processa

Leia mais

IX CIRCUITO DE ORIENTAÇÃO DA PARAÍBA Campeonato Paraibano de Orientação. V etapa Boletim IIi. #etapadoauto

IX CIRCUITO DE ORIENTAÇÃO DA PARAÍBA Campeonato Paraibano de Orientação. V etapa Boletim IIi. #etapadoauto IX CIRCUITO DE ORIENTAÇÃO DA PARAÍBA Campeonato Paraibano de Orientação V etapa 18.10.2015 Boletim IIi A Federação de Orientação da Paraíba e o Clube de Orientação AUTO ESPORTE convidam para a V etapa

Leia mais

Programa Geral (1º Dia )

Programa Geral (1º Dia ) Programa Geral (1º Dia 15-05-2015) 09h00 Abertura do Secretariado (Anfiteatro junto ao Del Rio Bar*) 09h45 Abertura oficial do Challenger da Nersant 2015 10H00 Briefing geral do Challenger 10H00 Briefing

Leia mais

1) Em se tratando de questões de natureza cartográfica, assinale o correto.

1) Em se tratando de questões de natureza cartográfica, assinale o correto. 1) Em se tratando de questões de natureza cartográfica, assinale o correto. a) A realização de mapeamentos temáticos muito detalhados requer a utilização de produtos de sensoriamento remoto de alta resolução

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 2º Ciclo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul CÓDIGO DA PROVA: 28 DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA TIPO DA PROVA: TEÓRICA ESCOLA DE REALIZAÇÃO DA PROVA: ESCOLA BÁSICA Nº 2 DE S.PEDRO DO SUL Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

REGULAMENTO PARTICULAR DO CAMPEONATO REGIONAL DE ESTRADA DA ARCVR 2016

REGULAMENTO PARTICULAR DO CAMPEONATO REGIONAL DE ESTRADA DA ARCVR 2016 REGULAMENTO PARTICULAR DO CAMPEONATO REGIONAL DE ESTRADA DA ARCVR 2016 1. INTRODUÇAO 1.1. O Campeonato Regional de Estrada e um Trofeu Oficial da Associação de Ciclismo de Vila Real, organizado em conjunto

Leia mais

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. Guilherme Sanches Valverde 2 Fernanda Pereira de Souza 3 Rosangela Marques Busto 4 Abdallah Achour Junior 4 Fausto Orsi de Medola 4 RESUMO Este estudo

Leia mais

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ESTAFETAS 192 DOMÍNIO DAS TÉCNICAS III FASE - APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS I- Ensino / Aprendizagem - Aquisição da noção de transmissão, através de jogos. - Aquisição

Leia mais

Orientações Programáticas 2015/2016

Orientações Programáticas 2015/2016 Orientações Programáticas 2015/2016 Orientações Programáticas - Projeto do Desporto Escolar no 1.º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 Índice 1. Fundamentação 3 2. Objetivos do Projeto do Desporto Escolar no 1.º

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas.

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. CARTOGRAFIA (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. ELEMENTOS DE UM MAPA. Escala: é a proporção entre o tamanho

Leia mais

Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano

Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 9 9 9 9 10 (Carga horária:

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 abril

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 abril INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 abril Disciplina: HISTÓRIA Código: 19 Tipo de Prova: ESCRITA 1. INTRODUÇÃO O presente documento

Leia mais

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ESCOLA EB/S VIEIRA DE ARAÚJO VIEIRA DO MINHO INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 28 Educação Física Ensino Básico 2º Ciclo [Despacho Normativo

Leia mais

Normas. Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Divisão de Desporto e Juventude Núcleo de Actividades Desportivas

Normas. Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Divisão de Desporto e Juventude Núcleo de Actividades Desportivas Normas Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Núcleo de Actividades Desportivas Índice 1 Organização... 3 2 Calendarização e Local de Realização dos Jogos... 3 3 Inscrição... 3 3.1 Período de Inscrição...

Leia mais

2º Semestre. 1º Semestre

2º Semestre. 1º Semestre MECANISMO DE FINANCIAMENTO Programa Operacional Regional do Norte ON.2, DESIGNAÇÃO DA OPERAÇÃO Complexo Desportivo de Cerva Infraestruturas de Apoio e Arrelvamento EIO DE INTERVENÇÃO Eixo IV Coesão Local

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO GERAL DA CANOAGEM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO GERAL DA CANOAGEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO GERAL DA CANOAGEM 2001-2002 INDICE INTRODUÇÃO...3 1. ESCALÕES ETÁRIOS...4 2. NÍVEL DE COMPETIÇÃO...4 3. JURIS...5 4. ESPECIALIDADES...6

Leia mais

EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL MATRIZ DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 1. Introdução Os exames de equivalência à frequência incidem sobre a aprendizagem definida para o final do 2.º ciclos do ensino básico, de acordo

Leia mais

Regulamento do Torneio de Matraquilhos

Regulamento do Torneio de Matraquilhos Regulamento do Torneio de Matraquilhos O Plano de Atividades e Orçamento da Associação de Estudantes do Externato Frei Luís de Sousa para o mandato 2013/2014 prevê a organização de um Torneio de Damas.

Leia mais

1ª/2ª Fase. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do programa da disciplina.

1ª/2ª Fase. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do programa da disciplina. Agrupamento de Escolas de Barrancos INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO FÍSICA abril de 2015 Prova 26 2015 1ª/2ª Fase 3.º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita

Leia mais

REGULAMENTO. A CORRIDA MARISTA é um evento composto por uma corrida e uma caminhada, que se pretende seja anual.

REGULAMENTO. A CORRIDA MARISTA é um evento composto por uma corrida e uma caminhada, que se pretende seja anual. REGULAMENTO 1. Descrição e Objectivo A CORRIDA MARISTA é um evento composto por uma corrida e uma caminhada, que se pretende seja anual. Esta edição da corrida será em piso misto (estrada e trail) em percurso

Leia mais

REVISÃO UNESP Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini

REVISÃO UNESP Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini REVISÃO UNESP Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini Aluno :... (UNESP SP/2015) GEOMETRIA PLANA A figura indica um mecanismo com quatro engrenagens (A, B, C e D), sendo que o eixo da engrenagem

Leia mais

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016, de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS XII CORTA MATO DO C.I.C.

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS XII CORTA MATO DO C.I.C. COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS XII CORTA MATO DO C.I.C. DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO OUTUBRO DE 2008 Regulamento do Corta Mato 2008/2009 do Colégio Internato dos Carvalhos Organização do

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

3.1. As linhas existirão em toda a arena, com exceção da última sala.

3.1. As linhas existirão em toda a arena, com exceção da última sala. 1. Introdução Nome da Modalidade: Resgate Número de Robôs por Partida: Um Duração da Partida: 7 minutos 2. O piso das salas será uma superfície branca lisa. 2.1. Este piso representa a área de desastre.

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo.

Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo. Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo. 2 Habilidades: Aula 1: Diferenciar as formas de relevo da

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DOS TORNEIOS ESCOLARES DE CORFEBOL

REGULAMENTO ESPECIFICO DOS TORNEIOS ESCOLARES DE CORFEBOL REGULAMENTO ESPECIFICO DOS TORNEIOS ESCOLARES DE CORFEBOL ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. ESCALÕES ETÁRIOS, BOLA, DURAÇÃO DO JOGO E VARIANTES DA MODALIDADE 2. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA 3. ARBITRAGEM 4. CLASSIFICAÇÃO,

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Lohan Tao Modalidade/Disciplina: Lohan Tao Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau 1 Componente Prática: 10 horas Componente Teórica: 20 horas Total de

Leia mais

ENSINANDO HISTÓRIA E GEOGRAFIA. A Geografia Levada a Sério

ENSINANDO HISTÓRIA E GEOGRAFIA.  A Geografia Levada a Sério ENSINANDO HISTÓRIA E GEOGRAFIA 1 Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina 2 Aquarela Toquinho Vinícius de Moraes M. Fabrízio G. Moura - 1983 3 Tempo e espaço Deve-se

Leia mais

COLÉGIO GURI SÊNIOR 45 anos de Aprendizagem e Ensinamento

COLÉGIO GURI SÊNIOR 45 anos de Aprendizagem e Ensinamento COLÉGIO GURI SÊNIOR 45 anos de Aprendizagem e Ensinamento CALENDÁRIO DAS AVALIAÇÕES GLOBAIS 2016 5º ANO B e C/MANHÃ / TARDE 1ª E T A P A CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA 1ª ETAPA 5º ANO Dia 01/04/2015 - (Sexta-feira)

Leia mais

Professor Thiago Espindula - Geografia. Cartografia

Professor Thiago Espindula - Geografia. Cartografia Cartografia A Cartografia é a ciência que se presta à análise ou à criação de representações da Terra. A origem da palavra vem do fato das grandes representações do planeta serem feitas por cartas (mapas).

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO

REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO 2014-2017 Índice 1. Introdução 2 2. Participação 2 3. Escalões Etários 2 4. Competições Encontros/Escolares 2 5. Regulamento Técnico 5 6. Casos Omissos 5 Regulamento Específico

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Informação - Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei nº139 /12, de 5 de junho, alterado pelo Despacho Normativo n.º1-g/16 Prova 28 (16) Duração da Prova:

Leia mais

Prática de Orientação no respeito pelos Valores Naturais

Prática de Orientação no respeito pelos Valores Naturais Seminário Reserva Natural do Estuário do Tejo e região envolvente - potencialidades para o desenvolvimento local sustentável Alcochete - 15 de maio de 2014 - Prática de Orientação no respeito pelos Valores

Leia mais

Aulas Previstas 1º período - 2º período 3º período - O (a) professor (a) em /09/2008

Aulas Previstas 1º período - 2º período 3º período - O (a) professor (a) em /09/2008 1 Programa de História e Geografia de Portugal - 5º ANO Tema A A Península Ibérica lugar de passagem e fixação Subtema 1 Ambiente natural e primeiros povos Subtema 2 Os romanos na PI resistência e romanização

Leia mais

REGULAMENTOS 2012 Junho 2012

REGULAMENTOS 2012 Junho 2012 REGULAMENTOS 2012 1. O Maratona Clube de Portugal, com sede no Bairro Francisco Sá Carneiro, Av. João de Freitas Branco, 10, 2760-073 Caxias, com o apoio da Lusoponte e da Área Metropolitana de Lisboa,

Leia mais

Runner Trail Cross IronSport`s Local: Pousada Águas do Vale Atibaia Estrada do Clube de Montanha, S/Nº

Runner Trail Cross IronSport`s Local: Pousada Águas do Vale Atibaia Estrada do Clube de Montanha, S/Nº Runner Trail Cross IronSport`s 2015 Local: Pousada Águas do Vale Atibaia Estrada do Clube de Montanha, S/Nº Distâncias: 16 km / 11 km / 8 km Run Trail Cross Programação Data Sábado Atividade Das 06h15

Leia mais

GEOGRAFIA 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Cidadania e movimento. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 14.1 Conteúdo As formas do relevo.

Leia mais

Regulamento: Pag.1. Estádio (ext.banc.nasc) 20/09/ h35 Chegada prevista da Mini-Maratona

Regulamento: Pag.1. Estádio (ext.banc.nasc) 20/09/ h35 Chegada prevista da Mini-Maratona A APCG - Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães, em colaboração com a Câmara Municipal de Guimarães e o Rotário Clube de Guimarães vai organizar a IX Mini- Maratona Pessoas Diferentes, Direitos

Leia mais

1º TRAIL RUNNING Quinta do Pinhão

1º TRAIL RUNNING Quinta do Pinhão 1º TRAIL RUNNING Quinta do Pinhão ALTO DA VERDIZELA AMORA REGULAMENTO GERAL DA PROVA 1 - ORGANIZAÇÃO; O Clube Desportivo e Recreativo Aguias Unidas, com sede nos Foros de Amora, cidade de Amora, Concelho

Leia mais

BOLETIM 01 - I Etapa 06 a 09 Abril 2017

BOLETIM 01 - I Etapa 06 a 09 Abril 2017 BOLETIM 01 - I Etapa 06 a 09 Abril 2017 CONVITE A Confederação Brasileira de Orientação (CBO), a Federação Mineira de Orientação (FMO) e o Clube de Orientação Serra do Lenheiro (COSELE), convidam toda

Leia mais

Regulamento. 2. Organização

Regulamento. 2. Organização Regulamento 1. Definição O Ciclo-BTT de Grândola é uma competição de ciclismo constituída por dois percursos distintos, um setor de Estrada e um setor de BTT. Os dois percursos serão percorridos numa única

Leia mais