Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta"

Transcrição

1 Questão 1 Em matéria recentemente publicada no Caderno Sinapse da Folha de S. Paulo, é apresentada uma definição de media training: ensinar profissionais a lidarem com a imprensa e se saírem bem nas entrevistas. Na parte final da reportagem, o jornalista faz a seguinte ressalva: O media training não se restringe a corporações. A Universidade X distribui para seus profissionais uma cartilha com dicas para que professores e médicos possam ter um bom relacionamento com a imprensa. Ironicamente intitulado de Corra que a Imprensa vem aí, o manual aponta gafes cometidas e dá dicas sobre a melhor forma de atender um repórter. (Adaptado de Vinícius Queiroz Galvão, Treinamento antigafe, Caderno Sinapse, 30/09/2003, p. 32). a) No trecho acima, as aspas são utilizadas em dois momentos diferentes. Transcreva as passagens entre aspas e explique seu uso em cada uma delas. b) Podemos relacionar o título da cartilha com o título em português da conhecida comédia norte-americana Corra que a polícia vem aí, que trata de um inspetor de polícia atrapalhado. Explicite os sentidos da palavra correr nos títulos do filme e do manual. a) "media training": as aspas são usadas pois trata-se de um estrangeirismo; "Corra que a Imprensa vem aí": trata-se do título da cartilha distribuída pela Universidade X. b) Em "Corra que a polícia vem aí" o verbo correr assume o sentido de fugir, escapar, retirar-se. Já em "Corra que a Imprensa vem aí", correr corresponde a preparar-se, cuidar-se. Questão 2 Em sua coluna na Folha Ilustrada, Mônica Bergamo comenta sobre o curta-metragem previsto para ser lançado em novembro de 2003 Um Caffé com o Miécio. Transcrevemos parte da coluna a seguir: (...) Quando ouvia a trilha sonora do curta Um Caffé com o Miécio, que Carlos Adriano finaliza sobre o caricaturista, colecionador de discos e estudioso Miécio Caffé ( ), Caetano Veloso se encantou por uma música específica. Era a desconhecida marchinha A Voz do Povo, de Malfitano e Frazão, que Orlando Silva gravou em 1940, cuja letra diz que raiva danada que eu tenho do povo, que não me deixa ser original. É um manifesto, como sua obra, disse o músico baiano ao cineasta paulistano. (Adaptado de Mônica Bergamo, Folha de S. Paulo, 11/10/2003, p. E2). a) Explique o título do curta-metragem. b) Identifique pelo menos duas possibilidades de leitura de sua obra e justifique cada uma delas. c) As três ocorrências da partícula que destacadas em negrito estabelecem relações de natureza lingüística diversa. Explicite-as. d) Os dois trechos sublinhados retomam elementos anteriormente apresentados no texto de maneira diferente dos recursos analisados nos itens b e c. Como funciona esse processo de retomada? a) O título do curta-metragem é um trocadilho com o nome próprio Caffé e o substantivo comum café, sugerindo o encontro e um bate-papo com o artista. b) O trecho "sua obra" gera ambigüidade: pode referir-se tanto à obra de Malfitano e Frazão autores da marchinha gravada por Caetano quanto à obra do cineasta paulista Carlos Adriano. c) "que raiva danada": que é pronome indefinido adjetivo, dando entonação exclamativa à frase. "que eu tenho do povo": que é termo expletivo (de realce), usado apenas para dar ênfase ao enunciado. "que não me deixa ser original": que é pronome relativo, referindo-se ao termo antecedente "povo". d) Os dois trechos retomam elementos anteriores por meio da citação da profissão, ao mesmo tempo em que identificam a origem de cada um: músico baiano, para Caetano Veloso, e cineasta paulistano, para Carlos Adriano.

2 português 2 Questão 3 Questão 4 Em setembro de 2003, uma universidade brasileira veiculou um convite-propaganda para a palestra Desenvolvimento da saúde e seus principais problemas, que seria proferida por José Serra, ex-ministro da saúde. Do convite-propaganda fazia parte uma foto de José Serra sobre a qual foi colocada uma tarja branca com o seguinte enunciado: A Universidade X ADVERTE: ESSA PALESTRA FAZ BEM À SAÚDE a) Esse enunciado faz alusão a um outro. Qual? b) Compare os dois enunciados. c) O convite-propaganda situa a Universidade X em um lugar de autoridade. Explique como isso acontece. Folha de S. Paulo, 8/10/2003, p. F8. Jogos de imagens e palavras são característicos da linguagem de história em quadrinhos. Alguns desses jogos podem remeter a domínios específicos da linguagem a que temos acesso em nosso cotidiano, tais como a linguagem dos médicos, a linguagem dos economistas, a linguagem dos locutores de futebol, a linguagem dos surfistas, dentre outras. É o que ocorre na tira de Laerte, acima apresentada. a) Transcreva as passagens da tira que remetem a domínios específicos e explicite que domínios são esses. b) Levando em consideração as relações entre imagens e palavras, identifique um momento de humor na tira e explique como é produzido. a) As passagens da tira e os respectivos domínios específicos são: "sofrido perda total" linguagem das seguradoras de automóvel; "reconstruíram meu corpo a partir do DNA" da engenharia genética; e "um molar cariado" da odontologia. b) O corpo da personagem Hugo apresenta-se escavado, esburacado, semelhante à forma como poderia estar um molar cariado. a) "O Ministério da Saúde adverte: fumar é prejudicial à saúde." b) Há uma relação de intertextualidade entre o textodadoeotextosubentendido; o texto da universidade parodia o slogan do Ministério da Saúde, criando uma relação de oposição: o fumo é prejudicial, ao passo que a palestra faz bem. c) No enunciado, é a "Universidade X" que adverte, portanto ela se reveste de autoridade. Questão 5 Em 28/11/2003, quando muito se noticiava sobre a reforma ministerial, a Folha de S. Paulo publicou uma matéria intitulada Lula sugere que Walfrido e Agnelo ficam.. Considerando as relações entre as palavras que compõem o título da matéria, justifique o uso do verbo ficar no presente do indicativo. O verbo "ficar", no presente do indicativo, pode indicar uma constatação: Lula já tem opinião definida, que já se constitui um fato real, embora ainda não revelado publicamente. Não se trata de uma sugestão do presidente, de uma hipótese ou possibilidade, o que levaria o verbo para o presente do subjuntivo (fiquem).

3 português 3 Questão 6 Por ocasião da comemoração do dia dos professores, no mês de outubro de 2003, foi veiculada a seguinte propaganda, assinada por uma grande corporação de ensino: Parabéns [Pl. de parabém] S. m. pl. 1. Felicitações, congratulações. 2. Oxítona terminada em ens, sempre acentuada. Acentuam-se também as terminadas em a, as, e, es, o, os, e em. Para a homenagem ao Dia do Professor ser completa, a gente precisava ensinar alguma coisa. a) Observe os itens 1 e 2 do verbete Parabéns no interior do quadro. Há diferenças entre eles. Aponte-as. b) Levando em conta o enunciado que está abaixo do quadro, a quem se dirige essa propaganda? c) Diferentes imagens da educação escolar sustentam essa propaganda. Indique pelo menos duas dessas imagens. a) A primeira definição é de caráter semântico, ou seja, explicita o significado da palavra. Já a segunda definição é gramatical e apresenta regras de acentuação. b) Aos professores. c) A propaganda relaciona a atividade docente a algo prazeroso (definição 1) e, ao mesmo tempo, à transmissão do conhecimento (definição 2). Questão 7 LeiaaseguintepassagemdapeçaO demônio familiar (ato II, cena IV), que estreou em EDUARDO E que lucras tu com isto! Sou tão pobre que te falte aquilo de que precisas? Não te trato mais como amigo do que como escravo? PEDRO Oh! Trata muito bem, mas Pedro queria que senhor tivesse muito dinheiro e comprasse carro bem bonito para... EDUARDO Para... Dize! PEDRO Para Pedro ser cocheiro de senhor! EDUARDO Então a razão única de tudo isto é o desejo que tens de ser cocheiro? PEDRO Sim, senhor. (José de Alencar, Obras Completas. v. IV, Rio de Janeiro: Aguilar, 1960, p. 100). a) A que acontecimentos se refere Eduardo com a expressão tudo isto? b) Qual a relação entre esses acontecimentos e o título da peça? c) Na passagem citada acima, Eduardo pergunta a Pedro: Não te trato mais como amigo do que como escravo? No final da peça lhe diz: Toma: é a tua carta de liberdade, ela será a tua punição de hoje em diante (...). Que contradições as falas de Eduardo revelam a respeito da abolição? a) O moleque Pedro inferniza a vida de uma pacata e tradicional família carioca do século XIX: troca cartas de amor, causando confusões entre casais, porque separa os pares realmente enamorados (Eduardo/Henriqueta; Alfredo/Carlotinha), movido por interesses escusos, ou seja, juntar o ricaço e afetado Azevedo com Henriqueta e uma viúva rica com seu senhor. Tudo isso para se tornar cocheiro, realizando assim seu grande sonho de ascensão. b) Alencar explica que as casas eram habitadas por uma espécie de "demônio familiar", alguém que convive no seio da família, mas que, por ignorância ou malícia, perturba a paz doméstica. Faz do amor, da amizade, da boa reputação e de tudo o mais que a família preza um jogo de interesses. No caso da peça, Pedro, o moleque escravo, desestrutura a ordem de uma família em função de suas aspirações. c) Para Eduardo, representante da elite escravocrata da época, a escravidão de Pedro era abençoada, porque ele desfrutava das regalias de "amigo", vivendo no seio de uma família digna. A carta de alforria que o moleque recebe no final vem como um castigo por seus atos. Assim, a liberdade não é um direito que cabe ao escravo, mas uma concessão e um castigo de seu senhor. Questão 8 Considereaseguintepassagem,queseencontra em um dos últimos capítulos do romance A Brasileira de Prazins:

4 português 4 São impenetráveis os segredos revelados no tribunal da penitência por Marta ao seu diretor espiritual. O padre Osório, não obstante, suspeitava que a penitente revelasse, com escrupulosa consciência, solicitada por miúdas averiguações do missionário, saudades, reminiscências sensualistas, carnalidades que se lhe formalizavam no espírito dementado, enfim, visões e sonhos com José Dias. (Camilo Castelo Branco, A Brasileira de Prazins. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995). a) Por que Marta fica conhecida como a senhora Brasileira de Prazins? b) Qual a relação entre Marta e José Dias quando ela se confessa ao missionário? c) Padre Osório e Frei João, o missionário confessor, tinham explicações diferentes para o fato de Marta ter um espírito dementado. Quais são elas e o que indicam sobre o pensamento da época? a) Por ter casado com Feliciano, o Brasileiro de Prazins. Em Portugal, eram conhecidos como "brasileiros" os portugueses que enriqueceram no Brasil e voltavam a Portugal para desfrutar dessa riqueza, como é o caso de Feliciano. b) José Dias fora o seu grande amor, despertado na juventude e que continuou ao longo de sua vida. José Dias morreu tuberculoso e Marta foi impelida a casar-se com seu tio Feliciano, em virtude da riqueza deste. Mas continuou, em espírito, "fiel" ao seu amor. Quando Marta enlouqueceu, tinha visões de José; achava que a alma do seu "Josezinho" vinha vê-la, e ela "conversava" com ele... Guardou para sempre as lembranças daquele amor e, aos 53 anos, quando o romance se encerra, ela ainda se lembra de José Dias e ainda chora por ele. Desse modo, quando ela se confessa com o Frei João e revela essas "aparições" da alma de José Dias, a sua relação com este é a de um amor que sobrevive apesar da morte de Dias, das pressões familiares contrárias ao relacionamento e união dos jovens amantes, do casamento ao qual foi impelida e até mesmo da demência que dela se apossou. É o tema do amor impossível e eterno do romântico Camilo Castelo Branco. c) Para Frei João, a loucura de Marta era uma prova de que o demônio se apossara de sua alma e, para curá-la, submetia-a a terríveis sessões de exorcismo, ignorando sistemática e absurdamente as alegações médicas. Para Padre Osório, a demência de Marta era devida à hereditariedade: ela tinha um "cérebro lesionado" tal como o de sua mãe, que também fora louca. Portanto, tratava-se de uma doença que devia ser tratada com métodos naturais e não com água-benta e rezas. Desse modo, estão em cena duas concepções: uma ligada à religião, obscurantista em seu descaso pelos avanços da ciência; outra, reveladora do cientificismo que impregnava, de um modo geral, as pessoas mais esclarecidas da época. Questão 9 O poema abaixo pertence ao Cancioneiro de Fernando Pessoa. 1 Ah, quanta vez, na hora suave 2 Em que me esqueço, 3 Vejo passar um vôo de ave 4 E me entristeço! 5 Por que é ligeiro, leve, certo 6 No ar de amavio? 7 Por que vai sob o céu aberto 8 um desvio? 9 Por que ter asas simboliza 10 A liberdade 11 Que a vida nega e a alma precisa? 12 Sei que me invade 13 Um horror de me ter que cobre 14 Como uma cheia 15 Meu coração, e entorna sobre 16 Minh alma alheia 17 Um desejo, não de ser ave, 18 Mas de poder 19 Ter não sei quê do vôo suave 20 Dentro em meu ser. Amavio: feitiço, encanto (Fernando Pessoa, Obra Poética. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995, p.138). a) Identifique o recurso lingüístico que representa a ave tanto no plano sonoro quanto no imagético. b) Que relação o eu lírico estabelece entre a tristeza e a liberdade? c) Interprete o fato de que as três interrogações (do verso 5 ao 11) são respondidas, a partir do verso 12, em uma única e longa frase.

5 a) Pilar, o narrador-protagonista, consegue a pratinha numa transação com o colega de classe Raimundo. Este, filho do professor Policarpo, tenta se livrar do castigo do pai, por não conseguir fazer a lição, comprando, assim, o serviço de Pilar, que aceita a proposta para ganhar a moedinha. b) Um colega denuncia a transação entre Raimundo e Pilar para o professor que, furioso, castiga os dois alunos, atirando longe a moeda, que cai em um lugar de impossível acesso. c) O "Conto de Escola" se caracteriza por um conjunto de oposições e contradições. A oposição que sustenta o conto se dá entre o espaço da escola, que simboliza a educação através da ordem e da autoridade, e o espaço da rua, que representa a liberdade própria da infância. Mas, ao mesmo tempo, cada um desses espaços apresenta sua contradição. Na escola, Pilar aprende, diante da distração do professor e do olhar atento do colega mais velho Curvelo, sua primeira lição sobre corportuguês 5 a) Trata-se do recurso da musicalidade assonâncias e aliterações, sobretudo do v: como fonema, pode sugerir o canto ou o ruflar das asas; como letra, sugere a forma das asas. b) Pode-se interpretar a relação como contraste/ conflito entre realidade e sonho: a alma anseia pela liberdade, mas esta é negada pela vida real. Ver o vôo da ave faz ressurgir no eu-lírico a tristeza pelos anseios não cumpridos. c) A estrutura sintática pode sugerir a extensão e a densidade do seu anseio e do horror que o invade: "... que cobre / Como uma cheia / Meu coração, e entorna sobre / Minh alma alheia...". Questão 10 Considera-se a estréia da peça Vestido de noiva (1943), de Nelson Rodrigues, um marco na renovação do teatro brasileiro. a) Cite a principal novidade estrutural da peça e comente. b) Por que no encerramento da peça uma rubrica indica que a Marcha Nupcial e a Marcha Fúnebre devem ser executadas simultaneamente? a) A peça tem o palco dividido em três planos, abarcando o plano da realidade, emqueaprotagonista Alaíde sofre um acidente, é hospitalizada, sofre uma intervenção cirúrgica e vem a falecer; o plano da memória, em que a mulher rememora os conflitos de um passado recente, que vai do namoro ao casamento; e o plano da alucinação, em que Alaíde se projeta como "prostituta" no seu alter-ego Mme. Clessi. Os planos confundem-se e há um jogo cênico ora iluminando um plano, ora outros, conforme requer o texto. b) A finalização da peça faz coincidirem as duas marchas. Mesmo após a morte de Alaíde, que teoricamente deveria encerrar o drama, a peça continua como uma espécie de projeção do subconsciente e do inconsciente da protagonista, que anuncia o casamento da irmã (Lúcia) com o marido (Pedro) (a marcha nupcial), e as mortes de Alaíde/Clessi (marcha fúnebre). Questão 11 Leia a seguinte passagem do Conto de escola, de Machado de Assis. (...) E lá fora, no céu azul, por cima do morro, o mesmo eterno papagaio, guinando a um lado e outro, como se me chamasse a ir ter com ele. Imaginei-me ali, com os livros e a pedra embaixo da mangueira, e a pratinha no bolso das calças, que eu não daria a ninguém, nem que me serrassem; guardá-la-ia em casa, dizendo a mamãe que a tinha achado na rua. Para que me não fugisse, ia-a apalpando, roçando-lhe os dedos pelo cunho, quase lendo pelo tacto a inscrição, com uma grande vontade de espiá-la. (Machado de Assis, Várias histórias. Obra completa, v. II. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1979, p ). a) Como o narrador personagem conseguiu a pratinha que estava em seu bolso? b) Qual o destino final da pratinha? c) Nessa passagem, há uma oposição entre o espaço da rua ( Lá fora, no céu azul ) e o espaço em que acontece a ação, oposição que também comparece no início e no final do conto. Em que medida tal oposição contribui para caracterizar a personagem que narra?

6 português 6 rupção e sedução pelo dinheiro. No final do conto, na rua, Pilar se divide entre pensar na "pratinha" e o som concreto do "tambor", ambos símbolos de mecanismos de obtenção de poder: o dinheiro e a força militar, respectivamente. Questão 12 Considere o seguinte poema de Hilda Hilst: Passará Tem passado Passa com a sua fina faca. Tem nome de ninguém. Não faz ruído. Não fala. Mas passa com a sua fina faca. Fecha feridas, é ungüento. Mas pode abrir a tua mágoa Com a sua fina faca. Estanca ventura e voz Silêncio e desventura. Imóvel Garrote Algoz No corpo da tua água passará Tem passado Passa com a sua fina faca. (Hilda Hilst, Da morte. Odes mínimas. São Paulo: Globo, 2003, p. 72). a) Tendo em vista que esse poema faz parte de uma série intitulada Tempo-morte, indique de que maneira a primeira estrofe exprime certo sentido de absoluto associado ao título. b) Nesse poema há pronomes de segunda e terceira pessoas. Transcreva uma estrofe em que constem ambas as pessoas pronominais e diga a que se referem. a) O tempo e a morte são absolutos: deles não se consegue escapar. Não se detém o tempo ("Passará / Tem passado"), o qual conduz inexoravelmente para o fim, a tudo destruindo ("Passa com a sua fina faca."). b) Em "Mas pode abrir a tua mágoa / Com a sua fina faca (...) No corpo da tua água passará (...)", tua (2ª p.) refere-se ao leitor e sua (3ª p.), ao tempo.

UNICAMP 2004. Você na elite das universidades! PORTUGUÊS ELITE SEGUNDA FASE

UNICAMP 2004. Você na elite das universidades! PORTUGUÊS ELITE SEGUNDA FASE www.elitecampinas.com.br Fone: (19) 3232-2713 O ELITE RESOLVE IME 2004 PORTUGUÊS/INGLÊS Você na elite das universidades! UNICAMP 2004 SEGUNDA FASE PORTUGUÊS LÍNGUA PORTUGUESA 1. Em matéria recentemente

Leia mais

Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa. 2ª Fase

Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa. 2ª Fase 2ª Fase Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa INTRODUÇÃO Este material apresenta a prova de Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa do Vestibular Unicamp 2004, comentada pela

Leia mais

UNICAMP - 2004. 2ª Fase PORTUGUÊS BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UNICAMP - 2004. 2ª Fase PORTUGUÊS BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UNICAMP - 2004 2ª Fase PORTUGUÊS BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Português Questão 01 Em matéria recentemente publicada no Caderno Sinapse da Folha de S. Paulo, é apresentada uma definição de media

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Músicos, Ministros de Cura e Libertação

Músicos, Ministros de Cura e Libertação Músicos, Ministros de Cura e Libertação João Paulo Rodrigues Ferreira Introdução Caros irmãos e irmãs; escrevo para vocês não somente para passar instruções, mas também partilhar um pouco da minha experiência

Leia mais

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003

FUVEST 2003. Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 FUVEST 2003 Língua Portuguesa Segunda Fase 05/01/2003 Q.01 BR. Contribuindo para o cinema brasileiro rodar cada vez melhor. A Petrobras Distribuidora sempre investiu na cultura do País e acreditou no potencial

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

PORTUGUÊS CIDA BISPO

PORTUGUÊS CIDA BISPO TIPO 1 PORTUGUÊS CIDA BISPO 7º UNIDADE IV Orientações: Não será aceita a utilização de corretivo; não será permitido o empréstimo de material durante a avaliação; use somente caneta esferográfica azul

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem.

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Origem do Arco-Íris O ARCO-ÍRIS Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Quando eu era criança, e via um arco-íris,

Leia mais

Sobre esta obra, você tem a liberdade de:

Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Sob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

COISAS QUE APRENDI COM MEU PAI SOBRE TRABALHO E EMPREGO COISAS QUE APRENDI PAI TRABALHO E EMPREGO. CITYRH www.cityrh.com.

COISAS QUE APRENDI COM MEU PAI SOBRE TRABALHO E EMPREGO COISAS QUE APRENDI PAI TRABALHO E EMPREGO. CITYRH www.cityrh.com. COISAS QUE APRENDI PAI COM MEU SOBRE TRABALHO E EMPREGO TALENTO Qual é o seu talento? Como descobri-lo? Pense nas coisas que você faz bem e que as pessoas reconhecem e comentam: como você é bom nisto!

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Roteiro 3 João Batista, o precursor

Roteiro 3 João Batista, o precursor FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro 1 Cristianismo e Espiritismo Módulo II O Cristianismo Roteiro 3 João Batista, o precursor Objetivo Identificar a missão de João

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

PORTUGUÊS. UNICAMP 2004 2 a FASE PORTUGUÊS/BIOLOGIA

PORTUGUÊS. UNICAMP 2004 2 a FASE PORTUGUÊS/BIOLOGIA PORTUGUÊS 1. Em matéria recentemente publicada no Caderno Sinapse da Folha de S. Paulo, é apresentada uma definição de media training: ensinar profissionais a lidarem com a imprensa e se saírem bem nas

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros ???????? Apoio: Rica Eu quero ser... Um guia para encontrar a rota da prosperidade por Mara Luquet 81 Era uma vez... Era uma vez uma princesa, dessas que passeiam pelos campos e bosques e são muito bonitas

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 30.2 Conteúdo: Intertextualidade no texto literário. Habilidade: Estabelecer, em textos de diferentes gêneros, relações entre recursos verbais e não

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Português 5º ano Ens. Fund. I. 1. Observe a imagem e assinale a alternativa correta.

Português 5º ano Ens. Fund. I. 1. Observe a imagem e assinale a alternativa correta. Português 5º ano Ens. Fund. I 1. Observe a imagem e assinale a alternativa correta. a) A paisagem mostra uma zona urbana. b) A paisagem representa uma zona rural. c) Essa tela não representa um texto.

Leia mais

MONTEIRO, Eduardo...[et al.]. Ensino Religioso Ensino Médio. A Vida é Mais educação e valores. Belo Horizonte: PAX Editora, 2010. p. 158.

MONTEIRO, Eduardo...[et al.]. Ensino Religioso Ensino Médio. A Vida é Mais educação e valores. Belo Horizonte: PAX Editora, 2010. p. 158. SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA.º ANO/EM PROFESSOR(A): VALOR: MÉDIA: RESULTADO: %

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por:

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por: COLÉGIO DE APLICAÇÃO DOM HÉLDER CÂMARA AVALIAÇÃO: EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES I DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR(A): ANA PAULA DA VEIGA CALDAS ALUNO(A) DATA: / / TURMA: M SÉRIE: 9º ANO DATA PARA ENTREGA:

Leia mais

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares CADERNO DE PROVA 2.ª FASE Nome do candidato Nome do curso / Turno Local de oferta do curso N.º de inscrição Assinatura do candidato Coordenação de Exames Vestibulares I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM ATENÇÃO

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 8 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou às Unidades 1 e 2 do Livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

A parábola das dez virgens: Amanhã eu vou. (Mt 25.1-13)

A parábola das dez virgens: Amanhã eu vou. (Mt 25.1-13) 1 A parábola das dez virgens: Amanhã eu vou. (Mt 25.1-13) Na cultura judaica, as meninas eram entregues em casamento entre 13 e 14 anos de idade. Muitos casamentos já eram arranjados quando do nascimento

Leia mais

5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a)

5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a) 5º Ano Roteiro Semanal de Atividades de Casa (13 a 17 de Maio 2013) NA TEIA DA ARANHA Resolva as operações, pinte a trilha que o resultado seja 67 e descubra o inseto que caiu na teia da aranha. O inseto

Leia mais

1) Observe a fala do peru, no último quadrinho. a) Quantos verbos foram empregados nessa fala? Dois. b) Logo, quantas orações há nesse período? Duas.

1) Observe a fala do peru, no último quadrinho. a) Quantos verbos foram empregados nessa fala? Dois. b) Logo, quantas orações há nesse período? Duas. Pág. 41 1 e 2 1) Observe a fala do peru, no último quadrinho. a) Quantos verbos foram empregados nessa fala? Dois. b) Logo, quantas orações há nesse período? Duas. c) Delimite as orações. Foi o presente

Leia mais

O Livro de informática do Menino Maluquinho

O Livro de informática do Menino Maluquinho Coleção ABCD - Lição 1 Lição 1 O Livro de informática do Menino Maluquinho 1 2 3 4 5 6 7 8 Algumas dicas para escrever e-mails: 1. Aprender português. Não adianta fi car orgulhoso por mandar um e-mail

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LINGUA PORTUGUESA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LINGUA PORTUGUESA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LINGUA PORTUGUESA Nome: Nº 7º ano / /2015 Professora: Nota: (valor: 1,0) 3º e 4º bimestres A - Introdução Você estudou vários conteúdos gramaticais e realizou atividades para

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! SÉRIE: QUEM É JESUS? Jesus é o Cordeiro de Deus Data: / 09 / 2010 - Semana 4. No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! 1 / 7 1)

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 1. Um músico muito importante do nosso país é Milton Nascimento, cantor e compositor brasileiro, reconhecido, mundialmente, como um dos mais influentes e talentosos cantores

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 7 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Sotaque mineiro: é ilegal, imoral ou engorda? Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse

Leia mais

Revista Veja 18 de Fevereiro de 2009 Efésios 6. 1-4! Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, pois isso é justo. Honra teu pai e tua mãe este é o primeiro mandamento com promessa para que tudo te corra

Leia mais

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo]

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] [Visionamento das fotos] [Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] E- Então o que é que achaste das fotos? E7- Boas. Tá fixe. E- Faz-te lembrar coisas boas ou más? E7-

Leia mais

VERSÍCULO BÍBLICO Todo o que ama a repreensão ama a sabedoria, mas aquele que odeia a repreensão é tolo Provérbios 12:1

VERSÍCULO BÍBLICO Todo o que ama a repreensão ama a sabedoria, mas aquele que odeia a repreensão é tolo Provérbios 12:1 VERSÍCULO BÍBLICO Todo o que ama a repreensão ama a sabedoria, mas aquele que odeia a repreensão é tolo Provérbios 12:1 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças participarão de um programa de auditório chamado

Leia mais

Brasileiros esperam ganhar salário três vezes maior após fazer MBA

Brasileiros esperam ganhar salário três vezes maior após fazer MBA COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 6º Ano Profª: Margareth Rodrigues Dutra Disciplina: Língua Portuguesa Aluno(a): TRABALHO DE RECUPERAÇÃO Data de entrega: 18/12/14 Questão 1- Leia o texto a seguir. Brasileiros

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

CURIOSIDADES GRÁFICAS

CURIOSIDADES GRÁFICAS CURIOSIDADES GRÁFICAS 1. USO DOS PORQUÊS POR QUE: usado em frases interrogativas diretas e indiretas; quando equivale a pelo qual e flexões e quando depois dessa expressão vier escrita ou subentendida

Leia mais

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 1 Sumário Prefácio...3 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera Ministério de Grupos Pequenos Março

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Na Internet Gramática: atividades

Na Internet Gramática: atividades Na Internet Gramática: atividades Dica: Antes de fazer as atividades abaixo, leia os documentos Modo subjuntivo geral e Presente do subjuntivo, no Banco de Gramática. 1. No trecho a seguir, extraído da

Leia mais

UNIDADE 1: A ARMADURA DE DEUS O CAPACETE DA SALVAÇÃO (MENSAGEM DA SALVAÇÃO)

UNIDADE 1: A ARMADURA DE DEUS O CAPACETE DA SALVAÇÃO (MENSAGEM DA SALVAÇÃO) Frutos-3 Impact0 LIÇÃO 1 VIVENDO A VIDA COM DEUS UNIDADE 1: A ARMADURA DE DEUS O CAPACETE DA SALVAÇÃO (MENSAGEM DA SALVAÇÃO) 9-11 Anos CONCEITO CHAVE O primeiro passo para se ganhar a batalha é escolher

Leia mais

Conteúdos: Pronomes possessivos e demonstrativos

Conteúdos: Pronomes possessivos e demonstrativos Conteúdos: Pronomes possessivos e demonstrativos Habilidades: Reconhecer os pronomes demonstrativos como marca em relação à posição, ao espaço e ao tempo no texto; Habilidades: Compreender os pronomes

Leia mais

sm. Ação própria de quem desenvolve um negócio, inovador ou não, que, sentido que o Boa Chance apreende do uso corrente).

sm. Ação própria de quem desenvolve um negócio, inovador ou não, que, sentido que o Boa Chance apreende do uso corrente). 1 Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Disciplina: i Inovação e Empreendedorismo Jornal O Globo Caderno Boa Chance Domingo, 23 de março

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

Dia_Logos. café teatral

Dia_Logos. café teatral café Café Teatral Para esta seção do Caderno de Registro Macu, a coordenadora do Café Teatral, Marcia Azevedo fala sobre as motivações filosóficas que marcam esses encontros. Partindo da etimologia da

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA Aluno (a): Turma: 2º Ano Professora: Data de entrega: Valor: 20 pontos CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Leitura e interpretação de textos

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional Sequencia Didática destinada aos Anos Finais do Ensino

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO 1 AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO O Sr. Asdrúbal Matrimônio, proprietário da gráfica Casamentos & Casórios Ltda., especializada em convites de casamento com dobras e cortes especiais, oferecia um

Leia mais

TIPO DE AVALIAÇÃO: Lista de Exercícios - Recuperação

TIPO DE AVALIAÇÃO: Lista de Exercícios - Recuperação TIPO DE AVALIAÇÃO: Lista de Exercícios - Recuperação Nome: Nº 8º ano / Ensino Fundamental Turma: Disciplina(s): Português Data: Professor(a): Érica Beatriz Nota: Leia o texto de Clarice Lispector e veja

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO. Candidato (a):

PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO. Candidato (a): PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO Data: 12/01/2015 Candidato (a): Valor: 10 Obtido: Analise o cartaz da propaganda. QUESTÃO 1 (1 PONTO) - Observe o texto principal da propaganda. Que estratégia

Leia mais

I Tessalonicensses 4:13~18; a descrição do encontro

I Tessalonicensses 4:13~18; a descrição do encontro Arrebatamento (continuação) #70 Vamos agora, ver em detalhes a descrição do encontro de Jesus com a Igreja e a transformação dos nossos corpos para corpos gloriosos, iguais ao de Jesus. I Tessalonicensses

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. Trabalho Avaliativo Valor: 30 % Nota: Minhas Férias Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

Leia a letra da música "Fico Assim Sem Você", de Claudinho e Buchecha:

Leia a letra da música Fico Assim Sem Você, de Claudinho e Buchecha: Leia a letra da música "Fico Assim Sem Você", de Claudinho e Buchecha: Avião sem asa, Fogueira sem brasa, Sou eu assim, sem você Futebol sem bola, Piu-piu sem Frajola, Sou eu assim, sem você... Porque

Leia mais