ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO GER-AÇÕES. Capítulo I Da Denominação, Sede e Fins

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO GER-AÇÕES. Capítulo I Da Denominação, Sede e Fins"

Transcrição

1 ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO GER-AÇÕES Capítulo I Da Denominação, Sede e Fins Cláusula 1ª A ASSOCIAÇÃO GER-AÇÕES, doravante denominada GER-AÇÕES, é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos e com fins não econômicos, regida pelo presente Estatuto Social e pelas demais disposições legais vigentes. Cláusula 2ª A GER-AÇÕES tem sede e foro na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua José de Almeida, 613 Vila Medeiros CEP: São Paulo Cláusula 3ª - O prazo de duração da GER-AÇÕES é indeterminado. Cláusula 4ª A GER-AÇÕES tem por finalidades: I. Promover a qualidade de vida e saúde da população idosa e sua família através de ações e intervenções diretamente a eles dirigidas e/ou por meio de capacitação de profissionais na área de gerontologia; II. Constituir-se como um Centro Inovador de Pesquisas, Capacitação, Assessoria e Ações em Gerontologia para oferecer soluções adequadas às iniciativas públicas e privadas em ações sem fins lucrativos; III. Realizar estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos sobre a Gerontologia; IV. Promover a educação continuada da população idosa e dos profissionais atuantes na área da Gerontologia; V. Promover o voluntariado; VI. Promover a ética, a paz, a cidadania, os direitos humanos, a democracia e outros valores universais, a partir da diversidade oferecida pelos mais novos conceitos sobre longevidade e envelhecimento. Cláusula 5ª Para atingir suas finalidades, a GER-AÇÕES poderá desenvolver, dentre outras, as seguintes atividades: I. Realizar atividades, projetos e estudos relacionados aos direitos, ao exercício da cidadania, inclusão social, educação continuada e promoção da saúde; II. Realizar a capacitação de técnicos e profissionais que trabalhem com idosos; III. Promover, desenvolver e oferecer serviços e atividades de lazer e cultura aos idosos; IV. Realizar parcerias e campanhas pró-direitos dos idosos; V. Desenvolver parcerias com instituições públicas e privadas para mútua colaboração em atividades de interesse comum; VI. Promover e/ ou desenvolver mecanismos e formas de difusão das experiências dos que atuam junto à população idosa, visando ao livre exercício de seus direitos e deveres de cidadania, melhoria da qualidade de vida e inclusão social; VII. Prestar assessoria aos Conselhos de Direitos, Fóruns, entidades nacionais e estrangeiras, públicas ou particulares; VIII. Realizar publicações, seminários, cursos e ciclos de debates; IX. Celebrar acordos, contratos, parcerias, convênios e termos de cooperação técnica com

2 entidades públicas ou privadas, nacionais ou estrangeiras; X. Instituir Corpo de Voluntários, com qualificações, pré-requisitos a atribuições definidas em regimento próprio; XI Promover e manter núcleo de estudos e pesquisas referentes ao idoso e às demais finalidades da GER-AÇÕES; XII. Firmar parcerias, convênios, contratos e acordos de cooperação com Instituições de Ensino; XIII. Prestar consultorias, assessorias e serviços relacionados às finalidades da GER-AÇÕES; XIV. Promover Ação Civil Pública e impetrar Mandado de Segurança, bem como demais ações judiciais pertinentes a sua respectiva área de atuação. Parágrafo Único Toda e qualquer receita obtida em função das atividades realizadas pela GER-AÇÕES, bem como todo resultado decorrente de captação de recursos serão necessária e integralmente revertidos para a consecução de suas finalidades estatutárias. Cláusula 6º Para cumprir seu propósito, a GER-AÇÕES atuará por meio da execução direta de projetos, programas ou planos de ações, da doação de recursos físicos, humanos e financeiros, ou prestação de serviços intermediários de apoio a outras organizações sem fins lucrativos e a órgãos do setor público que atuam em áreas afins. Cláusula 7ª A GER-AÇÕES adotará práticas de gestão administrativa, necessárias e suficientes para coibir a obtenção, de forma individual ou coletiva, de benefícios e vantagens pessoais pelos seus dirigentes e associados. Parágrafo único: A GER-AÇÕES não distribui, entre seus associados, conselheiros, diretores, empregados ou doadores, eventuais excedentes operacionais, brutos ou líquidos, dividendos, bonificações, participações ou parcelas do seu patrimônio e os aplica integralmente na consecução do seu objetivo social. Cláusula 8ª A GER-AÇÕES poderá adotar um Regimento Interno, que, aprovado em Assembléia Geral, disciplinará seu funcionamento. Cláusula 9ª - No desenvolvimento de suas atividades, a GER-AÇÕES observará os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade e eficiência, sem qualquer discriminação de raça, cor, gênero ou religião. Cláusula 10ª A GER-AÇÕES poderá aceitar doações, auxílios ou contribuições, bem como firmar convênios, contratos, promover iniciativas conjuntas com organismos nacionais e internacionais, entidades públicas ou privadas, receber financiamentos e participar de licitações. Parágrafo 1º As pessoas físicas ou jurídicas que destinarem contribuições, doações ou auxílios de ordem econômica a GER-AÇÕES poderão receber a qualificação de mantenedor voluntário. Parágrafo 2º - o mantenedor voluntário não é associado da GER-AÇÕES, tampouco detém os direitos e deveres inerentes aos associados. 2

3 Capítulo II Da Constituição Social Cláusula 11 O quadro social da GER-AÇÕES será composto por número ilimitado de associados, pessoas físicas ou jurídicas, distinguidos nas seguintes categorias: a) Fundadores qualificação reservada aos signatários da Ata de Fundação da GER-AÇÕES, que participaram regularmente das reuniões para sua formação e manifestaram o desejo de ser associados; b) Efetivos pessoas admitidas no quadro social da GER-AÇÕES posteriormente à data de fundação da entidade, conforme os critérios de admissão estabelecidos neste Estatuto. Cláusula 12 O ingresso de novos associados (associados efetivos) no quadro social da GER- AÇÕES está vinculado a: I. Indicação de outro associado, ou manifestação própria de interesse, e concordância expressa com os princípios e idéias da associação; II. Aprovação pela Diretoria Executiva; III. Homologação em Assembléia Geral. Cláusula 13 Os associados não respondem solidária ou subsidiariamente pelas obrigações da GER-AÇÕES. Cláusula 14 Os associados poderão destinar voluntariamente contribuições de ordem financeira ao GER-AÇÕES a fim de auxiliar a consecução de suas finalidades estatutárias. Parágrafo Único O valor das contribuições não será estipulado por nenhum órgão de administração ou de deliberação da GER-AÇÕES, ficando a cargo de cada associado decidir o valor de sua contribuição. Cláusula 15 São direitos de todos os associados: I. Participar de todas as atividades da GER-AÇÕES; II. Tomar parte nas Assembléias Gerais; III. Votar e ser votado; IV. Indicar novos associados; V. Convocar a Assembléia Geral da GER-AÇÕES mediante requerimento assinado por, no mínimo, 1/5 (um quinto) dos associados em pleno gozo de seus direitos estatutários. Parágrafo Único Os associados eleitos para cargos de administração terão o direito de voto suspenso enquanto seu mandato estiver em vigor. Cláusula 16 São deveres dos associados: I. Respeitar e cumprir as decisões das Assembléias e dos órgãos dirigentes da GER- AÇÕES; II. Cumprir e fazer cumprir as disposições do presente Estatuto; III. Cooperar com todas as iniciativas e atividades da GER-AÇÕES; IV. Conhecer o Regimento Interno da GER-AÇÕES; V. Participar das reuniões para as quais forem convocados; VI. Desempenhar, responsavelmente, as atribuições que lhe forem confiadas; VII. Zelar pelo nome da GER-AÇÕES. Cláusula 17 - Os associados perdem seus direitos: I. Se deixarem de cumprir quaisquer de seus deveres; 3

4 II. Se deixarem de participar das atividades da GER-AÇÕES, pelo período de 01 (um) ano; III. Se infringirem qualquer disposição estatutária, regimento ou qualquer decisão dos órgãos sociais; IV. Se praticarem atos nocivos ao interesse da GER-AÇÕES; V. Se praticarem qualquer ato que implique em desabono ou descrédito da GER-AÇÕES ou de seus membros; VI. Se praticarem atos ou valerem-se do nome da GER-AÇÕES para tirar proveito patrimonial ou pessoal, para si ou para terceiros. Cláusula 18 - Em qualquer das hipóteses previstas na cláusula 17, além de perderem seus direitos, os associados poderão ser excluídos da GER-AÇÕES por justa causa, em decisão da Diretoria Executiva, assegurados os direitos de defesa e de recurso perante a Assembléia Geral, que decidirá pela exclusão ou não do associado em reunião especialmente convocada para este fim. Cláusula 19 Qualquer associado poderá, por iniciativa própria, desligar-se do quadro social da GER-AÇÕES, sem a necessidade de declinar qualquer justificativa ou motivação específica, a qualquer tempo, bastando para isso, manifestação expressa e por escrito endereçada à entidade. Capítulo III Dos Órgãos e da Administração Cláusula 20 A GER-AÇÕES será composta pelos seguintes órgãos: I. Assembléia Geral; II. Diretoria Executiva; e III. Conselho Fiscal. Parágrafo Único - A administração social será feita pela Diretoria Executiva. Da Assembléia Geral Cláusula 21 - Assembléia Geral, órgão deliberativo soberano da GER-AÇÕES, é formada por todos os associados em pleno gozo de seus direitos estatutários. Cláusula 22 A Assembléia Geral se reunirá ordinariamente anualmente e, extraordinariamente, sempre que necessário, mediante a convocação expedida pelo Diretor Presidente, pelo Conselho Fiscal, ou pela soma de 1/5 (um quinto) de seus associados no pleno gozo dos direitos estatutários. Cláusula 23 São competências da Assembléia Geral: I. Examinar e aprovar a proposta de programação anual da GER-AÇÕES submetida pela Diretoria Executiva; II. Examinar e aprovar relatório anual de gestão submetido pela Diretoria Executiva; III. Discutir e homologar as contas e o balanço aprovados pelo Conselho Fiscal referente ao exercício anual findo; IV. Eleger e destituir a cada 03 (três) anos os membros da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal, em assembléia que conte com a anuência da maioria simples dos associados presentes em Assembléia. V. Homologar o ingresso de novos associados já aprovados pela Diretoria Executiva, com anuência de, no mínimo, 1/3 (um terço) dos associados fundadores e efetivos quites com as obrigações da GER-AÇÕES; 4

5 VI. Deliberar sobre recurso, nos termos da cláusula 18, apresentado por associado em vias de exclusão, em Assembléia que conte com anuência da maioria simples dos associados presentes à assembléia especialmente convocada para este fim; VII. Decidir sobre reformas do Estatuto, em Assembléia especialmente convocada para este fim; VIII. Decidir sobre a extinção da GER-AÇÕES, nos termos da cláusula 50; IX. Decidir sobre a conveniência de alienar, transigir, hipotecar ou permutar bens patrimoniais imóveis da GER-AÇÕES; X. Decidir sobre todos os demais assuntos que não tenham sido atribuídos especificamente a outro órgão da GER-AÇÕES e que se relacionem a seus fins. Cláusula 24 A Assembléia Geral se reunirá ordinariamente para deliberar sobre: I. Examinar e aprovar a proposta de programação anual da GER-AÇÕES submetida pela Diretoria Executiva; II. Examinar e aprovar relatório anual de gestão submetido pela Diretoria Executiva; III. Discutir e homologar as contas e o balanço aprovados pelo Conselho Fiscal referentes ao exercício anual findo. Cláusula 25 - As decisões da Assembléia Geral serão tomadas com maioria simples dos associados presentes, observadas as exceções previstas neste Estatuto. Cláusula 26 - A Assembléia Geral deverá ser convocada com antecedência mínima de 08 (oito) dias, por meio de edital fixado na sede da GER-AÇÕES, carta ou por correio eletrônico mediante confirmação de recebimento. A Assembléia que contar com a totalidade dos membros da GER- AÇÕES poderá considerar sanada a falta de convocação prévia. Parágrafo 1º A Assembléia Geral instalar-se-á em primeira convocação com quorum mínimo de 51% (cinqüenta e um por cento) dos associados e, em segunda convocação, decorridos trinta minutos, com qualquer número, sendo que as deliberações serão tomadas por maioria simples dos associados presentes. Parágrafo 2º - Instalada a Assembléia Geral, os associados escolherão um Presidente de Mesa e este escolherá um Secretário de Mesa para auxiliá-lo nos trabalhos. Da Diretoria Executiva Cláusula 27 - A Diretoria Executiva da GER-AÇÕES é formada por 01 (um) Diretor Presidente e 02 (dois) Diretores Adjuntos, com mandato de 03 (três) anos, sendo permitida a recondução. Parágrafo 1º - Os Diretores da GER-AÇÕES não receberão remuneração por suas funções estatutárias. Parágrafo 2º - Os Diretores que eventualmente prestem serviços para a GER-AÇÕES, ficarão impedidos de atuar na gestão da associação durante o período que perdurar a prestação dos serviços. Cláusula 28 Compete à Diretoria Executiva: a) Elaborar, anualmente, o programa de trabalho e o orçamento da GER-AÇÕES e submetê-los à Assembléia Geral; b) Elaborar e submeter à Assembléia Geral proposta de programação anual de atividades da GER- AÇÕES; c) Elaborar relatório anual de atividades e apresentá-lo à Assembléia Geral; d) Praticar os atos de gestão administrativa; e) Propor estrutura organizacional compatível com a missão e programas da GER-AÇÕES; f) Propor assuntos à pauta da Assembléia Geral, bem como convocá-la, se necessário; 5

6 g) Apresentar as prestações de contas anuais ao Conselho Fiscal e à Assembléia Geral para aprovação; h) Decidir sobre os casos de ausência e afastamento de seus membros; i) Estabelecer diretrizes sobre as atividades do pessoal da GER-AÇÕES; j) Reunir-se com instituições públicas e privadas para mútua colaboração em atividades de interesse comum. Cláusula 29 Compete ao Diretor Presidente: a) Representar a GER-AÇÕES, ativa e passivamente, em juízo ou fora dele, podendo outorgar procuração para um dos Diretores Adjuntos, em casos de ausência, impedimento e faltas; b) Definir as competências dos Diretores Adjuntos, bem como supervisionar a realização dos serviços e tarefas a eles atribuídos; c) Convocar, ordinária e extraordinariamente, a Diretoria Executiva, presidindo seus trabalhos; d) Definir as atribuições dos Diretores Adjuntos e supervisionar os seus trabalhos; e) Convocar a Assembléia Geral; f) Dirigir e supervisionar todas as atividades da GER-AÇÕES, organizando seus serviços, e, para tanto, admitindo e dispensando funcionários regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho, bem como contratando a locação de serviços de trabalhadores eventuais e sem vínculo empregatício, quando for o caso; g) Abrir, movimentar e encerrar contas bancárias, bem como assinar cheques, sempre em conjunto com um dos Diretores Adjuntos da GER-AÇÕES, podendo outorgar procuração a terceiros. h) Assinar convênios e contratos e saldar compromissos e obrigações contraídos em nome da GER-AÇÕES; i) Outorgar procurações com poderes específicos a terceiros. Parágrafo Único - É vedada a utilização da denominação social da GER-AÇÕES para a prestação de avais ou fianças de favor. Cláusula 30 - A Diretoria Executiva reunir-se-á sempre que necessário. Parágrafo Único- As deliberações da Diretoria Executiva deverão ser registradas nas atas de suas reuniões. Da Eleição da Diretoria Executiva Cláusula 31 Os Diretores da GER-AÇÕES serão eleitos por maioria simples, em Assembléia Geral Ordinária, por meio de votação nominal e secreta. Da Renovação da Diretoria Executiva Cláusula 32 Como regra, a Diretoria Executiva da GER-AÇÕES deverá ser renovada apenas quando do cumprimento de seu mandato, conforme as disposições estatutárias. Cláusula 33 A Diretoria Executiva poderá ser previamente dissolvida, parcial ou totalmente, em decorrência de apresentação de Pedido de Dissolução, argüida pelo Conselho Fiscal ou por requerimento assinado pela soma de 3/5 (três quintos) dos associados em pleno gozo de seus direitos estatutários, caso sejam atendidas as prerrogativas deste Estatuto. Cláusula 34 São prerrogativas para a dissolução prévia da Diretoria Executiva: I. Rejeição da contabilidade apresentada ao Conselho Fiscal ou à Assembléia Ordinária; II. Irregularidades encontradas pelo Conselho Fiscal no exercício de suas prerrogativas investigativas; 6

7 III. IV. Comprovado desvio de finalidade na gestão da GER-AÇÕES; Quaisquer outras que constituam atos ilícitos. Cláusula 35 As prerrogativas acima colocadas poderão ser argüidas pelo Conselho Fiscal ou por requerimento assinado pela soma de 3/5 (três quintos) dos associados para convocar Assembléia Geral Extraordinária, desde que os proponentes apresentem fundamentação e provas que suportem o Pedido de Dissolução da Diretoria Executiva. Parágrafo 1 º O Pedido de Dissolução, total ou parcial, da Diretoria Executiva deverá ser instruído por documentos que o fundamentem, bem como acompanhado de provas, que serão examinados em Assembléia Geral exclusivamente convocada para este fim. Parágrafo 2 º - A Assembléia Geral Extraordinária deverá ser instalada num prazo de 24h (vinte e quatro horas), com pauta única, e 48h (quarenta e oito horas) para disponibilizar na sede do GER-AÇÕES cópias dos documentos apresentados pelos proponentes do Pedido de Dissolução. Parágrafo 3 º - Em caso de descumprimento dos prazos, em especial o da convocação, a reunião de associados deverá encaminhar seu Pedido ao Conselho Fiscal que dará provimento ao pedido e seguirá os prazos do parágrafo 2 º supra. Se o promotor do Pedido for o próprio Conselho Fiscal, este iniciará o procedimento de ofício. Cláusula 36 São garantidos os direitos de ampla defesa e do contraditório. A Diretoria Executiva poderá apresentar sua defesa após expedição do Edital de Convocação da Assembléia Geral ou a qualquer momento até a instalação da Assembléia Geral Extraordinária, quando os documentos, provas e eventual recurso apresentados serão objeto de análise e decisão. Cláusula 37 Será presidida e secretariada a Assembléia Geral Extraordinária que tenha por objeto Pedido de Dissolução de Diretoria Executiva, por 02 (dois) membros do Conselho Fiscal. Em caso de ser o Conselho o promotor do Pedido, escolher-se-ão dois associados dentre os presentes na Assembléia para assumirem as funções de Presidente e Secretário da Mesa. Parágrafo Único - Requer-se 4/5 (quatro quintos) dos votos, dentre os presentes na Assembléia, para aprovação do Pedido de Dissolução da Diretoria Executiva. Cláusula 38 Em caso de aprovação do Pedido de Dissolução, parcial ou total, da Diretoria Executiva, o Presidente da Assembléia Geral deverá convocar novas eleições no prazo de 10 (dez) dias subseqüentes à Assembléia Geral, para o preenchimento dos cargos destituídos e o cumprimento de seu respectivo mandato. Do Conselho Fiscal Cláusula 39 O Conselho Fiscal será composto por até 04 (quatro) membros, eleitos pela Assembléia Geral, com mandato de 03 (três) anos, coincidente ao da Diretoria Executiva, admitida mais de uma reeleição consecutiva. Parágrafo Único Os membros do Conselho Fiscal que porventura também sejam associados da GER-AÇÕES terão seu direito a voto suspenso enquanto estiverem cumprindo o mandato para o qual foram eleitos. Cláusula 40 Compete ao Conselho Fiscal: a) Examinar, a qualquer tempo, os livros e demais papéis da GER-AÇÕES, especialmente da Administração, devendo a Diretoria Executiva prestar todas as informações solicitadas; b) Examinar as contas da Diretoria Executiva ao final de cada exercício, submetendo-as à aprovação da Assembléia Geral; 7

8 c) Convocar a Assembléia Geral sempre que necessário; d) Examinar e emitir parecer sobre as demonstrações financeiras da GER-AÇÕES, bem como sobre os demais dados concernentes à prestação de contas e aos relatórios anuais, incluindo, mas não se limitando ao relatório, ao balanço e a contas anuais apresentadas pela Diretoria Executiva; e) Examinar e emitir parecer sobre as operações patrimoniais a serem realizadas; f) Auxiliar a Diretoria Executiva, sempre que solicitado; g) Sugerir a contratação e acompanhar o trabalho de eventuais auditores externos independentes. Parágrafo 1º - O Conselho Fiscal reunir-se-á ordinariamente 01 (uma) vez por ano e, extraordinariamente, sempre que necessário, ou quando convocado pela Diretoria Executiva. Parágrafo 2º - As deliberações do Conselho Fiscal deverão ser registradas nas atas de suas reuniões. Capítulo IV Do Patrimônio, Sua Constituição e Utilização Cláusula 41 O patrimônio da GER-AÇÕES será constituído pela dotação inicial dos associados e pelos bens móveis e imóveis e direitos que venham a ser acrescentados por meio de doações de pessoas físicas, de pessoas jurídicas de direito privado e de pessoas jurídicas de direito público, legados, aplicações de receitas e outras fontes, desde que não incompatíveis com o livre desenvolvimento das atividades do GER-AÇÕES. Cláusula 42 - Constituem receita ordinária da GER-AÇÕES: a) Contribuição dos associados; b) Doações recebidas por pessoas físicas ou jurídicas mantenedores voluntários ; b) Verbas encaminhadas a GER-AÇÕES por instituições financiadoras de projetos; c) Receitas oriundas de prestações de serviços, realização de assessorias, cursos, consultorias e venda de produtos, cujo resultado integral será, necessariamente, revertido a GER-AÇÕES para ser aplicado nas suas finalidades; d) Recebimento de direitos autorais; e) Termos de Parceria, Convênios e Contratos firmados com o Poder Público para o financiamento de projetos na área de atuação; f) Rendimentos de aplicações de seus ativos financeiros e outros pertinentes ao patrimônio sob sua administração. Parágrafo 1º - Todos os bens, receitas, rendimento, rendas, recursos e eventual resultado operacional serão aplicados integralmente no território nacional e na manutenção e no desenvolvimento de seus objetivos institucionais. Parágrafo 2º - As subvenções e doações recebidas serão integralmente aplicadas nas finalidades a que estejam vinculadas. Cláusula 43 Na hipótese de extinção da GER-AÇÕES, o patrimônio será necessariamente destinado à entidade ou a entidades sem fins lucrativos, com propósitos semelhantes, qualificada nos termos da Lei nº 9.790/99. Cláusula 44 Na hipótese de a GER-AÇÕES obter e perder a qualificação instituída pela Lei nº 9.790/99, o respectivo acervo patrimonial disponível, adquirido por recursos públicos durante o período em que perdurou a qualificação, será transferido a outra pessoa jurídica qualificada nos termos da Lei nº 9.790/99, preferencialmente que tenha o mesmo objeto social. 8

9 Capítulo V Da Prestação de Contas Cláusula 45 A prestação de contas da GER-AÇÕES observará, no mínimo: a) Os princípios fundamentais de contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade; b) Publicidade por qualquer meio eficaz, no encerramento do exercício fiscal, ao relatório de atividades e das demonstrações financeiras da GER-AÇÕES, incluindo-se as certidões negativas de débito junto ao INSS e ao FGTS, colocando-se à disposição para exame de qualquer cidadão; c) Realização de auditoria, inclusive por auditores externos independentes, se for o caso, da aplicação dos eventuais recursos objeto do termo de parceria conforme previsto no regulamento; d) Prestação de contas, de todos os recursos e bens de origem pública recebidos, feita conforme determina o parágrafo único do artigo 70 da Constituição Federal. Capítulo VI Das Disposições Gerais Cláusula 46 - O exercício social da GER-AÇÕES coincidirá com o período de um ano, encerrando-se em 30 de abril de cada ano. No final de cada exercício, será levantado pela Diretoria Executiva o balanço geral das atividades para ser apreciado pela Assembléia Geral. Cláusula 47 - Os bens patrimoniais imóveis da GER-AÇÕES não poderão ser onerados, permutados ou alienados sem prévia autorização da Assembléia Geral, convocada especialmente para esse fim. Cláusula 48 A Assembléia Geral poderá rejeitar doações e legados que contenham encargos ou gravames de qualquer espécie, ou, ainda, que sejam contrários aos objetivos da GER-AÇÕES, à sua natureza ou à lei. Cláusula 49 O presente Estatuto poderá ser reformado no todo ou em parte, a qualquer tempo, pela decisão de 2/3 (dois terços) dos associados presentes em Assembléia Geral especialmente convocada para este fim. Cláusula 50 A extinção da GER-AÇÕES só será possível por decisão de Assembléia Geral Extraordinária, especialmente convocada para este fim, que conte com a anuência de 2/3 (dois terços) da soma dos associados, quando se tornar impossível a continuação de suas atividades. Parágrafo Único A Assembléia Geral de que trata esta cláusula será instalada com a presença da soma de 2/3 (dois terços) dos associados fundadores e efetivos da GER-AÇÕES. Cláusula 51 Os casos omissos neste Estatuto serão resolvidos pela Diretoria Executiva e referendados pela Assembléia Geral. Diretor Presidente Ana Carolina Bittencourt Morais OAB/SP nº

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º O PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE

Leia mais

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região é uma associação civil, de direito privado,

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - Da Denominação, da Sede, do Foro e do Prazo de Duração Art. 1º - A Brigada 1, também designada pela sigla B1, constituída aos vinte e três dias de março de dois mil e três,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO ESTRE DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL CNPJ/MF N.º 08.483.074/0001-38 CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO ESTRE DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL CNPJ/MF N.º 08.483.074/0001-38 CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO ESTRE DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL CNPJ/MF N.º 08.483.074/0001-38 CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - O Instituto Estre de Responsabilidade Sócio-Ambiental,

Leia mais

SEGUNDA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS USUÁRIOS DE MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE À PROPULSÃO HUMANA

SEGUNDA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS USUÁRIOS DE MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE À PROPULSÃO HUMANA SEGUNDA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS USUÁRIOS DE MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE À PROPULSÃO HUMANA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Artigo 1º: A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social

ESTATUTO SOCIAL. MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social 1 ESTATUTO SOCIAL MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A organização não-governamental Moinhos da Cidadania - Projetos de Desenvolvimento

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1 - O Instituto do Carste, também designado pela sigla IC, constituído em 15 de dezembro de 2007, é uma pessoa jurídica

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA Capitulo Primeiro Nome e Natureza Jurídica Art. 1 - Sob a denominação de INSTITUTO RODA D ÁGUA, ou pela forma abreviada RODA D ÁGUA fica instituída esta associação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL Agência de Promoção Eco Sustentável APECO

ESTATUTO SOCIAL Agência de Promoção Eco Sustentável APECO ESTATUTO SOCIAL Agência de Promoção Eco Sustentável APECO CAPÍTULO PRIMEIRO Nome e Natureza Jurídica Art. 1º - Sob a denominação de Agência de Promoção Eco Sustentável, ou pela forma abreviada APECO, neste

Leia mais

INSTITUTO COMPARTILHAR ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO COMPARTILHAR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FUNDAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO E REGÊNCIA

INSTITUTO COMPARTILHAR ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO COMPARTILHAR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FUNDAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO E REGÊNCIA INSTITUTO COMPARTILHAR ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO COMPARTILHAR CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FUNDAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO E REGÊNCIA ARTIGO 1 - O INSTITUTO COMPARTILHAR é uma associação, sem fins econômicos,

Leia mais

DA ASSOCIAÇÃO CIDADÃO PRÓ-MUNDO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

DA ASSOCIAÇÃO CIDADÃO PRÓ-MUNDO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO CIDADÃO PRÓ-MUNDO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º - A associação tem a denominação de Associação Cidadão Pró-Mundo, sendo também designada pelo nome fantasia

Leia mais

ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA - ABO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E FINS

ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA - ABO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E FINS ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA - ABO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E FINS Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA, doravante designada pela sigla ABO, é uma pessoa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO INSTITUTO CRESCER LEGAL

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO INSTITUTO CRESCER LEGAL ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO INSTITUTO CRESCER LEGAL CAPÍTULO I - DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Associação Instituto Crescer Legal, doravante denominado simplesmente Instituto, é

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ,

Leia mais

Estatuto Social Artemisia Negócios Sociais CNPJ nº 07.835.977/0001-78. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DA DURAÇÃO E DO OBJETO SOCIAL

Estatuto Social Artemisia Negócios Sociais CNPJ nº 07.835.977/0001-78. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DA DURAÇÃO E DO OBJETO SOCIAL Estatuto Social Artemisia Negócios Sociais CNPJ nº 07.835.977/0001-78 Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DA DURAÇÃO E DO OBJETO SOCIAL Artigo 1º - A Artemisia Negócios Sociais é uma associação civil,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO PARA O PATRONATO CONTEMPORÂNEO - APC. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO PARA O PATRONATO CONTEMPORÂNEO - APC. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO PARA O PATRONATO CONTEMPORÂNEO - APC. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - Constitui- se sob a denominação de Contemporâneo pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

Estatuto. 2ª Alteração no Estatuto Social. Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Objeto

Estatuto. 2ª Alteração no Estatuto Social. Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Objeto Estatuto 2ª Alteração no Estatuto Social Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Objeto ART. 1º O Instituto de Homeopatia James Tyler Kent, inscrito no CNPJ-MF sob o nº 29.417.581/0001-43, é uma pessoa

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMÔNIO HISTÓRICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMÔNIO HISTÓRICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMONIO HISTORICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO APRECED - TITULO I DA ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO E FINALIDADES Art.

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

ESTATUTO PREMATURIDADE.COM CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES

ESTATUTO PREMATURIDADE.COM CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES ESTATUTO PREMATURIDADE.COM CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Artigo 1º A Associação Brasileira de Pais, Familiares, Amigos e Cuidadores de Bebês Prematuros, desde já também designado pela

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

ESTATUTO AMARRIBO BRASIL

ESTATUTO AMARRIBO BRASIL ESTATUTO AMARRIBO BRASIL Aprovado em Assembleia Geral de 02/08/2014 Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Artigo 1º - Os Amigos Associados de Ribeirão Bonito AMARRIBO- doravante designada por entidade,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

Associação Pelotas Pró Turismo

Associação Pelotas Pró Turismo Associação Pelotas Pró Turismo ESTATUTO SOCIAL Capítulo I: Da Denominação, Regime, Sede, Foro e Duração. Artigo 1º: Artigo 2º: Artigo 3º: A Associação Pelotas Pró-Turismo, que para efeitos promocionais

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE FANFARRAS E BANDAS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE FANFARRAS E BANDAS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE FANFARRAS E BANDAS Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. A Associação Paulista de Fanfarras e Bandas, também designada pelas siglas, OCIFABAN (Organização Cultural

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO.

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÂO E DOSIMETRIA, ASSIRD, é uma sociedade civil, sem

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO SEM FINS LUCRATIVOS, DENOMINADO INSTITUTO DE POLÍTICAS RELACIONAIS PSICODRAMA DA CIDADE CAPÍTULO I

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO SEM FINS LUCRATIVOS, DENOMINADO INSTITUTO DE POLÍTICAS RELACIONAIS PSICODRAMA DA CIDADE CAPÍTULO I ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO SEM FINS LUCRATIVOS, DENOMINADO INSTITUTO DE POLÍTICAS RELACIONAIS PSICODRAMA DA CIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA, OBJETIVOS, DENOMINAÇÃO, SEDE e PRAZO Do nome e da natureza jurídica

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES DE MICROCRÉDITO DE SANTA CATARINA AMCRED-SC

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES DE MICROCRÉDITO DE SANTA CATARINA AMCRED-SC ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES DE MICROCRÉDITO DE SANTA CATARINA AMCRED-SC Estatuto Social. Aprovado pela Assembléia Geral em 25 de março de 2006. SUMÁRIO CAPÍTULO I Da Denominação, Sede,

Leia mais

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura.

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura. Estatuto Social Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Associação Distrito Vivo (ADV) é uma associação civil, de pessoas jurídicas instaladas no Distrito Industrial de duração indeterminada, apartidária,

Leia mais

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVOS e DURAÇÃO Art. 1º. A Associação Brasileira de Redistribuição de Excedente, também designada pela sigla

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. O Instituto de Solidariedade Educacional e Cultural também

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF - ADAPTSURF, doravante designado por entidade, constituído em 30/12/2007,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS NOVA PETRÓPOLIS RS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Art. 1º - Sob a denominação de "Casa Cooperativa de Nova Petrópolis" é constituída

Leia mais

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas (IQUANTA) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1º - O Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas,

Leia mais

REDE DE SEMENTES DO CERRADO ESTATUTO SOCIAL

REDE DE SEMENTES DO CERRADO ESTATUTO SOCIAL REDE DE SEMENTES DO CERRADO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. A REDE DE SEMENTES DO CERRADO, também designada neste Estatuto por REDE, é uma associação civil, pessoa jurídica

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SECRETARIADO - SBSEC

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SECRETARIADO - SBSEC ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SECRETARIADO - SBSEC CAPÍTULO I Da Natureza e Objetivos Art. 1º - A Sociedade Brasileira de Secretariado, doravante denominada SBSEC, constituída em 21 de Outubro

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO OSCIP Capítulo I Da Denominação, Sede e Fins Art. 1º - O Instituto CicloBR de Fomento à Mobilidade Sustentável, neste estatuto designada

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE TECNOLOGIA DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA CTGRAPHICS. Capítulo I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS GERAIS

ESTATUTO DO CENTRO DE TECNOLOGIA DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA CTGRAPHICS. Capítulo I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS GERAIS ESTATUTO DO CENTRO DE TECNOLOGIA DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA CTGRAPHICS Capítulo I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS GERAIS Art. 1º - O Centro de Tecnologia de Computação Gráfico, também designado pela sigla CTGRAPHICS,

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Casa do Cuidar é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos e duração por tempo

Leia mais

ABRIGO DO JELLO - PROTEÇÃO A ANIMAIS DE RUA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E OBJETIVO SOCIAL

ABRIGO DO JELLO - PROTEÇÃO A ANIMAIS DE RUA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E OBJETIVO SOCIAL ABRIGO DO JELLO - PROTEÇÃO A ANIMAIS DE RUA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E OBJETIVO SOCIAL Art. 1 - Aos 24 dias do mês de maio de 2011, fica constituída, através deste instrumento

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS -

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL

COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS também designado pela sigla,

Leia mais

Capítulo I. Da Denominação, Sede, Fins e Duração

Capítulo I. Da Denominação, Sede, Fins e Duração Capítulo I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Artigo 1º Constitui-se, sob a denominação de Associação Brasileira pelo Conhecimento Livre, pessoa jurídica de direito privado, sob forma de associação civil

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o O URUBUZÃO CLUBE DE AMIGOS, fundado em 01 de Agosto de 2007 é uma Associação, sem fins econômicos, que terá duração por tempo indeterminado, sede no Município

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES AMIGOS DE ILHA SOLTEIRA - AMAIS.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES AMIGOS DE ILHA SOLTEIRA - AMAIS. 1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES AMIGOS DE ILHA SOLTEIRA - AMAIS. CAPÍTULO I - Da denominação, da sede, duração e finalidade. Art. 1º - A Associação dos Moradores Amigos de Ilha Solteira AMAIS, é

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA BH EM CICLO ASSOCIAÇÃO DOS CICLISTAS URBANOS DE BELO HORIZONTE

ESTATUTO SOCIAL DA BH EM CICLO ASSOCIAÇÃO DOS CICLISTAS URBANOS DE BELO HORIZONTE ESTATUTO SOCIAL DA BH EM CICLO ASSOCIAÇÃO DOS CICLISTAS URBANOS DE BELO HORIZONTE Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1º - A BH em Ciclo - ASSOCIAÇÃO DOS CICLISTAS URBANOS DE BELO HORIZONTE,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP REGIMENTO INTERNO Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP CAPÍTULO I Da caracterização (Denominação, Sede, Foro e Responsabilidade Objetivos) Art. 1º - A Sociedade Brasileira

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art.

ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art. 1 ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art. 19 ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA art. 18 ASSOCIADOS art. 6º COMPETÊNCIA

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

INSTITUTO CONSTRUINDO A PAZ NA ESCOLA ESTATUTO SOCIAL

INSTITUTO CONSTRUINDO A PAZ NA ESCOLA ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO CONSTRUINDO A PAZ NA ESCOLA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1 - A ASSOCIAÇÃO CONSTRUINDO A PAZ NA ESCOLA também designada pela sigla INSTITUTO APAZ, constituída

Leia mais

ESTATUTO INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS NA AMÉRICA LATINA PREÂMBULO

ESTATUTO INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS NA AMÉRICA LATINA PREÂMBULO ESTATUTO INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS NA AMÉRICA LATINA PREÂMBULO O grande desafio deste século é o de descobrirmos quais as fontes de energia que irão mover a humanidade no

Leia mais

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1º. O IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE, denominado IDBRASIL, é uma associação de direito privado,

Leia mais

INSTITUTO PREVENIR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE, FORO E DURAÇÃO

INSTITUTO PREVENIR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE, FORO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL (Alteração aprovada pela 2ª Assembléia Geral Extraordinária, realizada em 29 de agosto de 2008) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE, FORO E DURAÇÃO Artigo Primeiro O INSTITUTO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO Artigo 1º - Sob a denominação de "ABEL - Associação Brasileira

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS LIGA ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS Art. 1- A Liga constituída em de de, é uma entidade civil, beneficente, sem fins lucrativos de assistência social e orientação, de pessoa jurídica de

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO DE ARTES ANIMA BRASIL IAAB

ESTATUTO DO INSTITUTO DE ARTES ANIMA BRASIL IAAB 1 ESTATUTO DO INSTITUTO DE ARTES ANIMA BRASIL IAAB CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADE. Art. 1º - O INSTITUTO DE ARTES ANIMA BRASIL - também designado pela sigla IAAB - constituído em 02 de

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

Estatuto Social do Instituto LIFE

Estatuto Social do Instituto LIFE Estatuto Social do Instituto LIFE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E AFINS Art 1º O Instituto LIFE, com número ilimitado de associados e duração por tempo indeterminado, é uma associação sem fins econômicos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO VIVER BEM. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ASSOCIAÇÃO VIVER BEM. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ASSOCIAÇÃO VIVER BEM Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1. ASSOCIAÇÃO VIVER BEM, neste ato designada simplesmente como Associação, é uma associação civil sem fins econômicos, de duração por tempo

Leia mais

TERCEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO DE ARTESANATO ABEXA SETEMBRO DE 2014 CAPÍTULO I

TERCEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO DE ARTESANATO ABEXA SETEMBRO DE 2014 CAPÍTULO I TERCEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO DE ARTESANATO ABEXA SETEMBRO DE 2014 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E SEUS FINS Artigo 1 : A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Movimento de Alfabetização Regional

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

Associação do Software Livre do Maranhão ASL/MA

Associação do Software Livre do Maranhão ASL/MA 1 Associação Software Livre do Estado do Maranhão ASL/MA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art.1º - A Associação Software Livre do Estado do Maranhão, doravante designada pela

Leia mais

COMITÊ PARA DEMOCRATIZAÇÃO DA INFORMÁTICA DE GOIÁS CDI-GO. ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I - Da Denominação, Sede e Finalidades

COMITÊ PARA DEMOCRATIZAÇÃO DA INFORMÁTICA DE GOIÁS CDI-GO. ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I - Da Denominação, Sede e Finalidades COMITÊ PARA DEMOCRATIZAÇÃO DA INFORMÁTICA DE GOIÁS CDI-GO ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I - Da Denominação, Sede e Finalidades Artigo 1º - O Comitê para Democratização da Informática de Goiás (CDI-GO) é uma

Leia mais

CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO. Da Denominação, Natureza, Sede e Duração

CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO. Da Denominação, Natureza, Sede e Duração CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ESTATUTO CAPÍTULO PRIMEIRO Da Denominação, Natureza, Sede e Duração Artigo 1º: O CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL doravante denominado CBCS, fundado

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros Ensinar, aprender e inspirar Rua Zero, 1222 Centro Brasília DF CEP 10.122-000 www.abibombeiros.com.

Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros Ensinar, aprender e inspirar Rua Zero, 1222 Centro Brasília DF CEP 10.122-000 www.abibombeiros.com. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INSTRUTORES BOMBEIROS CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1º A Associação Brasileira de Instrutores Bombeiros, também designada pela sigla ABIB, fundada em

Leia mais

FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO

FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede, Duração e Finalidades. ARTIGO 1º O Fundo de Saúde dos Servidores do Poder Judiciário

Leia mais

Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária

Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária Integração também designado IACI. Aos 18 dias do mês de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro Artigo 1º A Associação dos Gestores de Tecnologia da Informação do Estado de Sergipe, denominada também pela sigla CIO-SE,

Leia mais

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Capítulo 1. Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO POR UMA PERDÕES MELHOR. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO POR UMA PERDÕES MELHOR. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO POR UMA PERDÕES MELHOR Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Por Uma Perdões Melhor APM é pessoa jurídica de direito privado, constituída

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DOS ANIMAIS ABANDONADOS A4 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DOS ANIMAIS ABANDONADOS A4 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DOS ANIMAIS ABANDONADOS A4 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1. A ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DOS ANIMAIS- A4, associação de direito privado, sem fins

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA AMBIENTAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA AMBIENTAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA AMBIENTAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. O DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA AMBIENTAL,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PROPRIETÁRIOS DE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL DE SANTA CATARINA - RPPN CATARINENSE

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PROPRIETÁRIOS DE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL DE SANTA CATARINA - RPPN CATARINENSE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PROPRIETÁRIOS DE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL DE SANTA CATARINA - RPPN CATARINENSE CAPÍTULO I Da denominação, sede, definição e prazo Artigo 1º - Pela aprovação

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação, doravante denominada FINEDUCA, é uma associação civil de direito privado,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - Da Denominação, Sede e finalidades

ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - Da Denominação, Sede e finalidades ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - Da Denominação, Sede e finalidades Artigo 1º: O Instituto Terrazul de Cultura, Comunicação e Meio Ambiente é uma associação da sociedade civil, sem fins lucrativos, que tem

Leia mais

ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art.

ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º - O ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL,

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS.

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS. ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º - A Fundação Desenvolvimento Ambiental - Fundamental é pessoa jurídica de direito

Leia mais

Proposta de estatuto Movimento Roessler para Defesa Ambiental. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

Proposta de estatuto Movimento Roessler para Defesa Ambiental. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Proposta de estatuto Movimento Roessler para Defesa Ambiental Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Movimento Roessler para Defesa Ambiental também designado Movimento Roessler, constituído

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE, EDU

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE, EDU 'I r/"- /,,_\, - _ ~J" ~, ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE, EDU E ASSISTENCIAL "GENTE AMIGA". Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1 - A Associação Beneficente, Educacional e Assistencial Gente

Leia mais

1ª Alteração do Estatuto Social INSTITUTO MAR ADENTRO. Capítulo I - Da Denominação, Sede e Fins

1ª Alteração do Estatuto Social INSTITUTO MAR ADENTRO. Capítulo I - Da Denominação, Sede e Fins Capítulo I - Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - O Instituto MAR ADENTRO: Promoção e gestão do conhecimento de ecossistemas aquáticos, a seguir denominado pela sigla MAR ADENTRO, é uma associação civil,

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETIVO Art.1º- A Associação dos Artesãos e Produtores Caseiros de Fortaleza

Leia mais