Media Training: Estudo dos Efeitos dos Discursos das Organizações na Perspectiva da Teoria do Meio 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Media Training: Estudo dos Efeitos dos Discursos das Organizações na Perspectiva da Teoria do Meio 1"

Transcrição

1 Media Training: Estudo dos Efeitos dos Discursos das Organizações na Perspectiva da Teoria do Meio 1 Homero Leoni Bazanini 2 Arquimedes Pessoni 3 Roberto Bazanini 4 Resumo Em nossa contemporaneidade, o avanço da tecnologia dos meios de comunicação e particularmente, as mídias sociais alteraram profundamente as práticas comunicativas tradicionais das organizações, surgindo a necessidade de preparar suas lideranças para o relacionamento cotidiano com a mídia. Por meio de pesquisa exploratória, de natureza qualitativa, o objetivo da pesquisa está em identificar as novas formas de comunicação utilizadas pelo profissional de media training na perspectiva da Teoria do Meio que contribuem para o estabelecimento de uma comunicação eficaz perante os stakeholders da organização. Os resultados da pesquisa apontam que, na percepção dos entrevistados, a principal habilidade requerida do media training reside na capacidade de ensinar e desenvolver nas sessões de treinamento para os executivos a capacidade de saber expressar-se adequadamente numa atitude próativa, numa clara referência às diferentes interatividades propiciadas pelas especificidades de cada mídia. Palavras-chave: Comunicação; Discurso Organizacional; Media Training; Teoria do Meio Introdução Marshall McLuhan (1969) criou o conceito de aldeia global ao afirmar que o progresso tecnológico estava reduzindo todo o planeta à mesma situação de uma aldeia, ou seja, a possibilidade de intercomunicação direta com qualquer pessoa independente do tempo e do espaço. O avanço tecnológico nos meios de comunicação ocorridos nas últimas duas décadas, particularmente, o avanço e disseminação das mídias sociais, provocaram inúmeras mudanças nas práticas comunicativas tradicionais das organizações, surgindo a necessidade dos executivos não apenas desempenharem suas funções técnicas, mas também, estar preparado para o relacionamento cotidiano com a mídia, visto que, os discursos organizacionais eficazes de décadas passadas já não atendem às condições e contextos nos quais as empresas evoluem cada vez mais e, 1 Trabalho apresentado no Grupo de Trabalho GT 10: COMUNICAÇÃO, CONSUMO, PODER E DISCURSOS ORGANIZACIONAIS do 2º Encontro de GTs - Comunicon, realizado nos dias 15 e 16 de outubro de Bacharel em jornalismo e mestrando em comunicação social pela USCS. 3 Doutor em Comunicação pela UMESP e professor titular do mestrado em comunicação da USCS. 4 Doutor em Comunicação pela PUC/SP e professor titular do mestrado em administração da UNIP.

2 conseqüentemente, tornam as capacitações e competências obsoletas em pouco pelo advento das novas formas de recepção das mensagens.em decorrência, o modelo tradicional de comunicação representado pelo esquema clássico que contempla: Emissor Mensagem Receptor, em que está pressuposto um processo simétrico entre as instâncias de produção e recepção da mensagem, se tornou anacrônico. Para atingir seus objetivos estratégicos, as organizações hoje se utilizam de vários veículos de comunicação (TV, jornal, revistas, Internet, Facebook, intranet, etc.).ultrapassando a comunicação unidirecional dos antigos retóricos, a comunicação de duas mãos ou bilateral, nas redes sociais é obtida por meio dos comentários dos usuários ou leitores que participam, o que permite a oportunidade de resposta e interação entre os emissores e receptores de uma mensagem. No século XX, conforme descrito por Mourão (2000), a mídia torna-se, cada vez mais, um espaço que possibilita motivar comportamentos sugeridos, nos quais, as mensagens persuasivas criadas devem seguir um planejamento que tenha por finalidade atingir uma meta. Desse modo, a postura unidirecional característica até então, intrínseca dos discursos institucionais e mercadológicos das organizações, baseados nas motivações e desejos de um determinado publico a ser atingido, diante da possibilidade real da inversão de papéis, ou seja, diante da constatação de um sujeito receptor, também emissor e corresponsável pela exposição das empresas e suas marcas no ciberespaço, conduz a uma nova relação entre a empresa e seus diferentes públicos, fazendo surgir o profissional de media training. O profissional de media training propicia treinamento que opera na cultura global, cuja atuação pode ser concebida em dois aspectos: o primeiro, voltado para relacionamento com a imprensa; o segundo, fornecendo práticas para se comportar diante da imprensa, denominado também de Media Coaching. O problema central da pesquisa está em responder: quais as técnicas utilizadas pelos media training para fazer do agente persona grata perante os diferentes stakeholders que deseja alcançar? Entendendo-se stakeholders como os diferentes agentes de pessoas que possuem um elo com a organização, tais como: consumidores, clientes, competidores, a mídia, empregados, grupos especiais de interesse, fornecedores, governo e organizações da comunidade local (HUNT e GRUNIG, 1990). 2

3 O objetivo geral deste estudo está em identificar a visão que os profissionais de media training atuantes na cidade de São Paulo, manifestam em relação às atividades desenvolvidas junto aos diferentes stakeholders do universo corporativo. Decorrente do objetivo geral, três objetivos específicos foram propostos: 1. Descrever as qualidades que o media training deve possuir; 2. Indicar os erros mais comuns cometidos pelos executivos na comunicação corporativa; 3. Extrair exemplos práticos de erros cometidos na comunicação corporativa. Inicialmente, a revisão bibliográfica objetivou discutir as diferenças entre a unidirecionalidade passada e a bidirecionalidade da comunicação contemporânea, para se chegar aos impactos provocados na imagem e, conseqüentemente, na reputação das organizações em decorrência da interatividade bilateral no universo corporativo. Por meio de pesquisa exploratória, de natureza qualitativa, foram realizadas entrevistas com três media training atuantes na cidade de São Paulo, todos com formação em jornalismo. A escolha desses profissionais caracteriza a amostra por conveniência, visto que, esses, foram solícitos em responder as questões propostas. O instrumento de coleta de dados esteve voltado para a técnica da entrevista não estruturada na perspectiva da Teoria do Meio. A contribuição da pesquisa está em propiciar um melhor entendimento dos efeitos dos discursos das organizações na perspectiva da Teoria do Meio ao discutir a importancia da percepção das organizações em preparar suas lideranças para o relacionamento cotidiano com as novas midias para o alcance de vantagem competitiva. Revisão Bibliográfica Desde as duas últimas décadas do século passado, dentre outros fatores, a arte de persuadir sofreu inúmeras modificações em virtude das novas tecnologias da comunicação provocar a passagem da comunicação unidirecional para a comunicação bidirecional e, consequentemente, a compressão dos conceitos de tempo e espaço. O mundo está ligado às comunicações como nunca esteve antes. Com isso, nossos conceitos de tempo e espaço estão sendo redefinidos. Agora, o mundo inteiro sabe de um acontecimento logo depois (ou mesmo, enquanto) ele acontece. E, como as más notícias imigram tão depressa quanto às boas, as empresas e organizações precisam planejar a maneira de lidar com a mídia nas situações difíceis. Não usufruem mais da antiga defasagem do tempo de informação (CAHEN: 1990, p. 34). A Comunicação Corporativa é considerada ferramenta fundamental para o 3

4 desenvolvimento e o crescimento de qualquer organização, funcionando como um elo entre a comunidade e o mercado. Quando uma empresa faz um plano de Comunicação ela se dispõe a olhar para ela mesma, os concorrentes e o contexto em que atua. Com o tempo, sob a pressão dos concorrentes e as exigências do público, ela se torna outra empresa para si mesma. Isso é que irá determinar sua renovação ou envelhecimento (VIANA 2001, 59). Essa renovação ou envelhecimento do alcance de vantagem competitiva pelo uso eficaz da persuasão pertence à esfera dos comunicadores que desde a mais remota antiguidade que, se observados numa perspectiva histórica, sempre estiveram presentes nos mais diferentes empreendimentos, ora denominados retóricos, conselheiros, ora assessores, consultores e atualmente, referenciados também como profissionais de media training. A atuação do media training pode ser concebida em sentido lato ou em sentido estrito. Em ambos os sentidos dizem respeito à arte de persuadir por intermédio do discurso.em seu sentido lato significa a arte de persuadir especificamente por meio da palavra escrita e falada. Em seu sentido estrito diz respeito ao profissional que prepara pessoas e/ou grupos para se relacionar persuasivamente com as diferentes tecnologias dos meios de comunicação. As publicações referentes ao media training em seu sentido lato são extensas, desde as lições de persuasão dada pelos antigos sofistas para os filhos dos cidadãos atenienses que almejavam o poder político (Cassin, 1990), passando pelos conselhos da arte de conquistar e manter o poder ofertado por Maquiavel (1982) para os Medicis, até os cursos de comunicação corporativa oferecidos pelo Instituto Carnegie para treinamento da comunicação dos executivos propiciados por profissionais orientados pelo seu líder (Carnegie, 1967), formato esse, que inspirou inúmeras consultorias em termos de comunicação empresarial pelos cinco continentes. Na ótica da pesquisa acadêmica, Halliday (1987) analisou as técnicas de comunicação empregadas em mais de cem corporações multinacionais para construção da imagem organizacional por meio por discurso que propicia a empresa alcançar imagem favorável em relação aos seus diferentes públicos. A autora ressalta que, embora a imagem tenha uma única face, a imagem é uma conjunção de imagens indissociáveis e entremeadas por cinco dimensões: 1. imagem espacial, 2. imagem temporal, 3. Imagem relacional, 4. imagem personificada, 5. imagem valorativa (HALLIDAY, s/d). 4

5 A imagem espacial - onde a empresa se situa (instalações físicas, sucursais, como ocupam o espaço - físico, econômico, político, social). A imagem temporal - refere-se à história da empresa, sua inserção no andamento da história que a circunda. A imagem relacional - resulta da questão: onde é que a empresa entra no meu universo e no macro-sistema social? Como vejo a empresa em relação à minha vida e à vida da cidade, estado, país? A imagem personificada - advém dos papéis desempenhados por membros da organização com os quais interagimos. A imagem valorativa - reúne todos os componentes racionais e emocionais das imagens, os quais determinam a maneira pela qual eu julgo a empresa. A junção dessas dimensões e imagens junto aos seus públicos relevantes confere legitimidade à empresa que, com essa credencial, exerce seu poder de empresa na comunidade na qual está inserida. Logo, a imagem é um fator estratégico, que deve ser trabalhado de forma a dar ensejo à construção de uma reputação forte e positiva, sendo imprescindível a harmonia entre as ações e os discursos da empresa, bem como o alinhamento entre a imagem e a identidade. Apesar da repercussão dessas obras no âmbito da comunicação corporativa, os limites de seus conceitos estão relacionados à aplicabilidade no universo da comunicação bidirecional de conceitos próprios da comunicação unidirecional. Dentre as publicações sobre a atuação do media training em seu sentido estrito, Ferraz (2008) afirma que as atividades dos profissionais de media training consistem em treinamentos realizados em empresas para seus colaboradores (jornalistas, assessores, imprensa em geral), que ensina como se comportar diante do público; Barbeiro (2008) ressalta que, no Brasil, há exemplos notáveis de dirigentes de empresas que sabem usar a comunicação em decorrência das contínuas mudanças no ambiente e, com isso contribuem decisivamente para melhorar o resultado de suas empresas. Em função dessas mudanças, surgem novos espaços a serem descobertos, inclusive no ambiente do perfil do novo profissional. Esse novo profissional precisa se adaptar ao novo contexto no qual a atividade de media training interage com as novas plataformas tecnológicas, por isso, a principal função do media training contemporâneo está em preparar o agente para persuadir o seu público, seja através de anúncios na TV, seja em campanhas políticas, seja em um sermão na igreja ou em uma aula na universidade, seja na brevidade dos textos no Twitter, Facebook, etc., por isso, o media training corresponde ao treinamento de um porta-voz para falar com jornalistas e outros públicos de interesse, ao utilizar os mais diferentes meios com suas respectivas 5

6 especificidades. Comumente, os executivos confundem a linguagem de uma entrevista para um grande meio de comunicação, como a TV, com palestras para especialistas, seminários para parceiros de negócios, discursos para PHDs em economês ou com abuso de anglicismos. Nesse caso, o executivo não leva em consideração que a maioria das pessoas que assiste à TV não faz parte de grupos empresariais, portanto, não é parte da linguagem que está sendo empregada (THIELMANN, 2007, p.141). Por esse despreparo dos executivos, o aprendizado é realizado por meio de técnicas que incluem uso de câmera, simulações de entrevistas para rádio, TV, mídia impressa e redes sociais. A comunicação digital no ciberespaço tende a encorajar uma troca recíproca e comunitária, enquanto as mídias clássicas praticam uma comunicação unidirecional, na qual os receptores estão isolados uns dos outros (LÉVY, 1999). Comumente, a idéia de conteúdo gerado pelo usuário, associada às redes sociais virtuais, costuma deixar as empresas incomodadas devido à tradição da comunicação unidirecional, visto que a criação e o consumo de conteúdos nas redes sociais virtuais, a criação e o consumo de conteúdos se transformam em um processo unipessoal e coletivo, onde todos os participantes alimentam esta cadeia como um círculo virtuoso que potencializa o social com o tecnológico, e vice-versa (ROMANÍ; KUKLINSKY, 2007, p. 66). No século XX, conforme descrito por Mourão (2000), a mídia torna-se, cada vez mais, um espaço que possibilita motivar comportamentos sugeridos, nos quais, as mensagens persuasivas criadas devem seguir um planejamento que tenha por finalidade atingir uma meta. Um fator importante a ser considerado nessa estrutura é que o estímulo para a mudança é o significado suscitado no receptor. Os efeitos que o significado pode acarretar são: afetivos (nível do sentimento), cognitivos (conhecimento, crenças, opiniões) e os efeitos comportamentais (conativos) pela comunicação corporativa. Em nossa contemporaneidade, o media training proporciona o treinamento de um porta- voz para falar com jornalistas e outros públicos de interesse. Comumente, o aprendizado é realizado por meio de técnicas que incluem uso de câmera, simulações de entrevistas para rádio, TV e mídia impressa. Além dos aspectos não verbais da comunicação são avaliados o conteúdo das mensagens e a sua eficácia. Geralmente, é realizado em oficinas individuais ou em grupos de 4 a 12 pessoas ( VERÇOSA, 2011). Desse modo, o treinamento dos media training constitui instrumento que habilita os participantes a desempenharem com excelência o papel de representantes institucionais 6

7 perante a opinião pública, especialmente com referência ao relacionamento com a imprensa, que ocupa o posto de mediadora entre a Instituição e a sociedade. Contrariamente, a comunicação unidirecional dos antigos retóricos, a comunicação de duas mãos ou bilateral, nas redes sociais é obtida por meio dos comentários dos usuários ou leitores que participam, o que permite a oportunidade de resposta e interação entre os emissores e receptores de uma mensagem. Embora com objetivo bastante próximo ao media training em sentido lato, ou seja, a busca da persuasão, o media training em seu sentido estrito corresponde ao treinamento para operar na cultura global, nos quais, o domínio da linguagem presente no canal empregado constitui competência essencial para o relacionamento com os diferentes públicos como propõe a Teoria do Meio. As teses da Teoria do Meio que podem ser classificadas como estruturalismo tecnológico, relacionadas ao conjunto meio e mensagem, adquiriram novas características com os avanços da tecnologia dos meios de comunicação. No âmbito das teorias da comunicação, a Teoria do Meio nasceu na década de 50, com Innis (1952), ao iniciar a discussão sobre os efeitos dos meios de comunicação nas civilizações antigas. Nas décadas de 60 e 70, McLuhan (1964; 1969) aprimorou e deu continuidade a Teoria do Meio, propondo dois conceitos básicos : os meios de comunicação como extensões dos órgãos do corpo humano e o meio como mensagem. Na década de 80, Meyrowitz (1980, 1985; 1993; 1994; 1998); reuniu o trabalho desses autores e ligou ao Interacionismo Simbólico de Goffman (1995) numa tentativa de voltar aos estudos da Teoria do Meio às mudanças que os meios de comunicação provocam no cotidiano das pessoas. No final dos anos 90, Kerckhove (1997) se dedica a análise do impacto dos meios de comunicação eletrônicos no sistema nervoso, no corpo e na psicologia humana, também, na perspectiva de McLuhan realizou estudos de caso de vários meios de comunicação como a televisão, computador e as tecnologias das redes sociais. No início do século XXI, Lemos (2008) ao discorrer sobre a cibercultura adverte que os meios não podem ser concebidos deterministas em relação aos outros fatores que provocam mudanças, tais como: a cultura, as estruturas de poder, etc. Portanto, a Teoria do Meio deve ser 7

8 interpretada numa relação dialética e não simplesmente numa relação determinista com a tecnologia. Metodologia Por meio de pesquisa exploratória, de natureza qualitativa foram realizadas entrevistas com três media training atuantes na cidade de São Paulo, todos com formação em jornalismo. A escolha desses profissionais caracteriza a amostra por conveniência, visto que, esses, foram solícitos em responder as questões propostas. O instrumento de coleta de dados estará voltado para a técnica da entrevista não estruturada junto aos profissionais de media training. As questões propostas no roteiro de perguntas para os media training foram elaboradas em consonância com os objetivos específicos, conforme quadro 1. Quadro 1. Roteiro de Questões Questões 1. Quem pode se tornar apto a ser um profissional de media training? Objetivos específicos Em consonância com o objetivo a. 2. Quais as capacidades que o media training deve possuir? Em consonância com o objetivo a. 3. Quais as técnicas utilizadas pelos media training para fazer do agente persona grata perante a audiência que deseja alcançar? Em consonância com o objetivo a. 4. Que tipo de procedimento se torna determinante na relação com a imprensa? 5. Quais os erros mais freqüentes que os executivos cometem em termos de comunicação? 6. Cite um exemplo de efeitos do discurso organizacional negativo e um positivo. Em consonância com os objetivos a e b Em consonância com o objetivo b. Em consonância com o objetivo c. 7. Quais são os impactos mais específicos das mídias sociais em relação à reputação das organizações? Em consonância com os objetivos a e b 8

9 8. Como você imagina o futuro da profissão em relação à demanda de mão de obra e, também, a questão das contínuas mudanças por novas plataformas? Fonte: elaborado pelo autor. Em consonância com os objetivos a e c. Resultados da Pesquisa Os resultados da pesquisa apontam que, na percepção dos entrevistados, a principal habilidade requerida do media training reside na capacidade de ensinar e desenvolver nas sessões de treinamento o saber expressar-se adequadamente numa atitude próativa, numa clara referência às diferentes interatividades propiciadas pelas especificidades de cada mídia. Em relação ao problema central da pesquisa: - quais as técnicas utilizadas pelos media training para fazer do agente persona grata perante a audiência que deseja alcançar? As respostas dos entrevistados indicam que, não existem técnicas genéricas definidas, mas sim, técnicas que são apropriadas para cada caso. no quadro 2. Em relação às questões relacionadas aos objetivos específicos, as respostas estão dispostas Quadro 2. Sete Aspectos relevantes das percepções do media training 1.Profissionais aptos para atuar como media training: Jornalistas Relações Públicas Atores. 2.Conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias: Conhecimentos: sobre redação dos jornais e edição de material jornalístico. Habilidades: saber se expressar, entender como se constrói a imagem de uma pessoa pública e possuir uma boa comunicação com a mídia Atitude: postura próativa. 3. Técnicas utilizadas pelos media training para fazer do agente persona grata: Treinamento personalizado, pois, não existe técnicas para todos os casos; cada situação é uma situação. 4. Procedimento determinante na relação com a imprensa: Ensinar aos executivos as especificidades e funcionamento de cada mídia. 5. Erros mais comuns de comunicação dos executivos: O silêncio perante a mídia, O medo de falar em público O desconhecimento das especificidades das mídias. 6. Exemplos práticos de erros cometidos na comunicação corporativa Caso Zélia Cardoso de Melo 9

10 Caso da moto Dafra 7. Impactos específicos das mídias sociais em relação à reputação das organizações: O principal deles: mesmo se a rede social for efêmera, o impacto causado permanece, pois, os jornalistas recorrem ao histórico das empresas para se referirem ao presente dela. 8. Futuro da profissão e as novas plataformas: Bastante promissora. A convergência das mídias tornou a profissão de media training bastante requisitada, com a tendência de crescer cada vez mais, todavia, é preciso não permitir a banalização da profissão. Fonte: elaborado pelo autor com base nas respostas dos entrevistados. Análise Dos Resultados Na percepção dos entrevistados, a principal habilidade requerida o media training reside na capacidade de ensinar e desenvolver nas sessões de treinamento para os executivos a capacidade de saber expressar-se adequadamente numa atitude próativa, numa clara referência às atividades do comunicador em relação às especificidades de cada mídia. Por isso, treinamentos para os executivos devem conscientizá-los do modo de agir perante a mídia, atitude essa, de primordial importância para o alcance de resultados minimamente satisfatórios, uma vez que, essa ação deve compreender aspectos como o tempo disponível, linha editorial do veiculo, público alvo e o formato do programa (THIELMANN, 2007). Ressaltam que as diferentes mídias possuem características próprias. Por exemplo, o meio rádio permite um tipo de linguagem, a televisão, outra, as redes sociais (Orkut, Facebook, Linkedin, etc.). Ou seja, diferentes linguagens se fazem presentes na comunicação dependendo a mídia utilizada. Na comunicação bidirecional, o silêncio perante a opinião pública constitui o erro mais grave cometido pelos executivos, porque atualmente a mídia possui o atributo da urgência. Se até nos anos 80, no predomínio da comunicação unidirecional as empresas e as pessoas públicas podiam silenciar diante dos boatos presentes na opinião pública sem maiores conseqüências, o mesmo não ocorre em nossos dias (CAHEN, 1990). Concebem que, no universo midiático torna-se imprescindível ajuda profissional para os executivos atuarem nas diferentes mídias. Ajuda essa que o jornalista está apto oferecer em decorrência de seu conhecimento da rotina dos meios de comunicação, Como foi enfatizado, dentre os erros mais graves que se pode cometer em relação à imprensa é calar-se. O silencio, principalmente, nas mídias sociais reforçam a visão colocada pelos demais participantes, mormente, porque as mensagens digitais são armazenadas por tempo indeterminado dentro das próprias redes. 10

11 Dentre os exemplos práticos de erros cometidos na comunicação corporativa dois aspectos foram ressaltados: o desconhecimento do meio (caso Zélia de Melo) e o silêncio diante das mídias sociais (Caso das motos Drafa). Para um melhor entendimento desses exemplos, a síntese desses erros será descrita no quadro 3, quadro 4 e quadro 5, respectivamente. Quadro 3. O Caso Zélia Cardoso de Melo Episódio. No dia 16 de março de 1990 (sexta-feira) que a economista Zélia Cardoso de Mello, que comandava o Ministério da Fazenda, anunciou o Plano Brasil Novo, que passou a ser chamado de Plano Collor. A idéia foi bloquear, por 18 meses, os saldos superiores a NCz$ 50 mil nas contas correntes, de poupança e demais investimentos. Forma de comunicação: entrevista coletiva para a televisão. Conteúdo do discurso: Zélia simplesmente disse que não haveria nenhuma penalização para os 60 milhões de brasileiros que ganhavam menos de cinco salários mínimos ou aos pequenos poupadores. Afirmou, ainda, que somente perderia quem ganhou com a inflação nos últimos anos. E que o país teria mais justiça fiscal e social com o confisco da poupança. Transcrição da fala da ministra: Não há nesse conjunto de medidas, não há nenhuma penalização, ehh! aos milhões de brasileiros qui.., qui...qui, eh.. ganham menos eh do que cinco salários mínimos, e que ganham menos de três salários mínimos, ou sessenta milhões de brasileiros que ganham menos do que cinco salários mínimos, não há nenhuma penalização à classe trabalhadora e não há nenhuma PE penalização aos pequenos há...poupadores, i,i,i, então ganha a sociedade brasileira que a gente vai ter um pais com mais justiça, com mais justiça fiscal, com mais justiça social. Fonte:http://www.conjur.com.br/2010-mar-16/justube-confisco-poupanca-governo-collor-completa- 20-anos. Acesso em: 04/09/2011 Fonte: elaborado pelo autor Evidentemente, a fala da ministra não convenceu. O nervosismo da ministra e sua inabilidade diante das câmeras fizeram com que a ministra titubeasse nas palavras eh ; qui.., qui,, qui, pe penalização; i,..i.., i... Também, passou informação dúbia: aos milhões de brasileiros que ganham menos do que cinco salários mínimos e que ganham menos do que três salários mínimos. Evidentemente, quem ganha menos de cinco salários mínimos, ganha menos de três salários mínimos. Diante desses erros de comunicação, a mensagem seria novamente apresentada ao público pelo governo federal por intermédio de outro porta-voz. O porta-voz escolhido foi o apresentador Silvio Santos, conforme quadro 4. Quadro 4. Os reparos do porta-voz Silvio Santos 11

12 Episódio. No dia 18 de março (domingo), no quadro show de calouros do Programa Silvio Santos, comparceram a ministra Zélia e o presidente do Banco Central, Ibrahim Éris, presidente do Banco Central. Devido às dificuldades de expressão da ministra, Silvio Santos, tomou a frente e começou a explicar no seu linguajar eminentemente popular e de maneira simples e completa, o que seria o tal confisco da poupança, convencendo boa parte da população brasileira da pertinência do Plano Collor. Forma de comunicação: Dialogo coloquial Conteúdo do Discurso: retenção do dinheiro da população por um prazo determinado Transcrição da fala do apresentador:... outra pergunta que me fazem, pergunte a ministra Zélia, pergunte a ela se o nosso dinheiro que está bloqueado, o dinheiro que está rendendo correção monetária, que está rendendo juros, esse dinheiro ministra Zélia, olha, que a senhora está se comprometendo diante de milhões de brasileiros, esse dinheiro vai ser devolvido mesmo? Zélia Cardoso de Melo: Vai ser devolvido... Silvio Santos: Vai ser devolvido o dinheiro nosso e o seu também? Silvio Santos: A senhora me parece que tem dinheiro na poupança? Zélia Cardoso de Melo: Tenho dinheiro retido. Silvio Santos: Agora, Ministra Zélia, vocês querem bater palmas, podem bater palmas, sem dúvida. Fonte: Acesso em 04/09/2011 Fonte: elaborado pelo autor. Diferentemente da fala da ministra, o apresentador Silvio Santos transforma o diálogo em espetáculo, com jogos de palavras, perguntas de fácil compreensão, aplausos intermediários, linguagem popular, reforça as respostas: Esse dinheiro vai ser devolvido mesmo?, olha que a senhora está se comprometendo diante de milhões de brasileiros. Finaliza: podem bater palmas, sem dúvida, manifestando subliminarmente, sua aprovação às respostas da ministra. O caso Zélia constitui um instrutivo exemplo da aplicabilidade da Teoria do Meio no universo empresarial. No caso Zélia, o erro da comunicação esteve relacionado ao desconhecimento das especificidades do canal utilizado na comunicação. Um outro caso bastante instrutivo diz respeito ao caso das motos Drafa, caso esse, relacionado ao silêncio diante da mídia em situação de ataques verbais, conforme quadro 5. Quadro 5. Caso das motocicletas Dafra Descrição. O conteúdo do comercial foi alterado. No primeiro semestre de 2009, uma propaganda da empresa com o ator Wagner Moura, na qual postulava que, com a Dafra, o público não dependeria mais dos outros, não teria que pegar carona e nem andar de ônibus, poderia estar em vários lugares ao mesmo tempo, além de poder pegar a estrada. Abaixo, está reproduzido o discurso que o ator enunciava: Eu tive um sonho em que cada brasileiro poderia ir e vir quando quisesse, esse sonho é 12

13 de todos vocês e de todas elas também. A Dafra foi feita pra você Paulo que quer tecnologia, design, preço justo. O Rafa não quer pagar a mesma coisa e continuar pegando ônibus. Daniela, você que queria estar em três lugares ao mesmo tempo, a Dafra está em mais de 250 pontos espalhados pelo Brasil. E você Aldo que sempre quis pegar a estrada, a hora é essa. Chega de depender dos outros! Dafra, você por cima. Inversão do sentido: Essa contrapropaganda enfatizava a inverdade insinuando que os consumidores compraram aquelas motos ruins enquanto a empresa ganhava mais dinheiro. Como na versão original, dizia que o Rafa continuou a andar de ônibus, diz ao Paulo que o design da moto foi mal feito e à Daniela que ela não teria como carregar suas compras. Acrescida as essas distorções, produziu-se ainda a dublagem de uma música, cantada no comercial substituindo a letra em inglês por trechos como: Eu comprei a Dafra faz um ano, ela nunca está ao meu lado e a oficina nunca tem peças. Ação de comunicação da empresa: A empresa ficou sabendo do ocorrido e agiu rápido; solicitou que o vídeo fosse retirado do ar rapidamente, mas mesmo assim inúmeros comentários sobre o caso repercutiram em toda a Internet. Repercussão A empresa não chegou a entrar em crise por ter agido rápido, mas, estranhamente, não fez nenhuma declaração sobre o assunto; decorridos dois anos comentários negativos sobre a empresa ainda continuam repercutindo na Internet. 9JHlos. Acesso em 12/07/2012. Fonte: elaborado pelo autor O caso das motos Drafa mostra que no relacionamento com as redes sociais, não se deve somente esclarecer dúvidas, mas, também, estar aberto ao diálogo. Se o cliente reclama por meio das redes sociais, a empresa também deve usá-las para esclarecer dúvidas, responder questionamentos e, principalmente, provar que está aberta para o diálogo, ou seja, mostrar para o cliente que a reclamação dele será levada à sério. O fato de a Dafra não comentar o assunto, prejudicou ainda mais a imagem e a credibilidade da marca. Repete-se, nesse caso, a recomendação dos media training que o silêncio sobre determinado assunto, por mais irrelevante que possa parecer à primeira vista, é sempre contraproducente. Portanto, não se pode negligenciar qualquer mensagem sobre a empresa, mesmo aquelas que parecem possuir pouca possibilidade de repercutir, pois inúmeras surpresas desagradáveis podem surgir. A reputação se desenvolve ao longo do tempo e é o resultado de interações repetidas e de experiências acumuladas nos relacionamentos com a organização e seus diferentes públicos e, assim, na era da compressão do tempo e do espaço, sua repercussão se torna cada vez mais imediata 13

14 e impactante, por isso, é preciso proteger a imagem da organização; prevenir crises disparadas por entrevistas mal sucedidas e oferecer treinamento especializado com vistas ao aprimoramento da comunicação corporativa. Diante desse cenário, a profissão do media training se mostra bastante promissora, cuja tendência é crescer cada vez mais, pois, no universo globalizado, caracterizado pela convergência das novas mídias, que usam tecnologias cada vez mais sofisticadas e instrumentos para compressão do tempo e espaço, a comunicação corporativa se torna cada vez mais rápida e flexível ao propiciar a ligação entre identidade e imagem e, também, entre imagem, reputação e estratégia (THOMAZ e BRITO, 2010). Considerações Finais Os profissionais de media training concebem que na comunicação corporativa, diferentemente dos professores de retórica tradicionais que restringiam seus ensinamentos para o agente comunicar-se com um determinado auditório, é preciso o acompanhamento de profissionais de comunicação para preparar os executivos para atuar junto à imprensa. Concebem que enganos, distorções e omissões tendem a ocorrer pelo não domínio das especificidades de cada mídia. Contemporaneamente, os recursos tecnológicos faz com que cada receptor, potencialmente, também seja emissor e corresponsável pela exposição das empresas e suas marcas no ciberespaço, o que, necessariamente, conduz a uma nova relação entre a empresa e a comunidade, ou seja, emerge esse novo conceito de gestão de marca, de posicionamento e de relacionamento junto aos diferentes públicos. Enfim, na percepção dos entrevistados, os principais erros do executivo ao se relacionar com a imprensa estão em calar-se diante das mensagens que afetam a empresa, medo de falar em público e não saber utilizar os diferentes meios de comunicação, por isso, o estudo dos efeitos dos discursos organizacionais passa necessariamente pela orientação de um profissional de media training. Para futuros trabalhos sugerem-se pesquisas direcionadas para estudar a atuação dos media training nos diversos segmentos econômicos com o intuito de encontrarem-se regularidades e, talvez, extrair princípios que, talvez, expliquem a comunicação eficaz com o mercado nos diversos setores da atividade econômica. Referências 14

15 BARBEIRO, Heródoto Media Training: como usar a imprensa ao seu favor. São Paulo: Saraiva, CAHEN, Roger. Tudo o que seus gurus não lhe contaram sobre comunicação empresarial. São Paulo: Best Seller, CARNEGIE, Dale. Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, CASSIN, Bárbara. Ensaios Sofísticos. São Paulo: Siciliano, FERRAZ, Gabriela O Papel do Media Training dentro de uma Empresa. Portal do Marketing, 21/ Disponível em: Acesso em 28/03/2012. GOFFMAN, Erwin. A. Representação do Eu na Vida Cotidiana. Petrópolis: Vozes, HALLIDAY, Tereza Lúcia. A construção da Imagem empresarial Quem fala, quem ouve? Sala de Imprensa, s/d. Disponível em codigomenu=5253&codigonoticia=6730&codigoret=5257&bread=3. Acesso em 18/07/ A Retórica das Multinacionais: a legitimação das organizações pela palavra. São Paulo: Summus, HUNT, Todd; GRUNIG, James E. Public Relations Techniques. Londres: Sílabo, INNIS, Harold A. Empire and Communications. Toronto: Press Porcépic Victoria, KERCKHOVE, Derrick de. A Pele da Cultura. Lisboa: Relógio D agua Editores, LEMOS, André. Cibercultura, Tecnologia e Vida Social na Cultura Contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 4ª ed LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. Rio de Janeiro: Ediouro, MCLUHAN, Marshall; A Galáxia de Gutenberg: a formação do homem tipográfico. São Paulo: Editora Nacional; São Paulo; SP; Brasil, Os Meios são Massa-gens. Rio de Janeiro: GB, MEYROWITZ, Joshua. Analyzing Media. Metaphors and Methodologies. Paper presented at New England Conference. Amherst, Ma, November, 1980, p Images of Media: Hidden Ferment and Harmony and Field. Journal of Communication. New York: 1993, p Medium Theory. In the Crowley&D.Mitchel (org). Communication Theory 15

16 Today. Cambridge, England: Politic Press, 1994, p Multiple Media Literacies Journal of Communication 43 (3). New York: Summer, 1998, p Non Sense Place: The Impact of Electronic Media in Social Behavior. New York: Oxford University Press, Taking McLuhan and Medium Theory seriously: technological change and the evolution and education. In Stephen the Kerr (ed) Technology and the future of schooling. University of Chicago Press, 1996, p MOURÃO, Antonio Eduardo. A Busca do Fator Persuasivo na Publicidade Impressa. Tese (Doutorado em Comunicação). Escola de Comunicação e Artes (ECA). São Paulo: Universidade de São Paulo, ROMANÍ, Cristóbal Cobo; KUKLINSKI, Hugo. Pardo. Planeta Web 2.0: Inteligencia colectiva o medios fast food. Mexico, Uvic y Flaxo, Disponível em: <http://www.planetaweb2.net/>. Acesso em: 19 set THIELMANN, Beatriz. A Presença do Executivo no Vídeo: o que a tela da TV conta e você não vê. São Paulo: Summus, THOMAZ, José Carlos e BRITO, Eliane Pereira Zamith. Reputação corporativa: construtos formativos e implicações para a gestão. Rev. adm. contemp. [online] VERÇOSA, Rômulo Abreu. Treinamento de Mídia. Treinamento de Consultoria. 12/03/2011. Disponivel em Acesso em 12 de outubro de VIANA, Francisco. De cara com a mídia/ Comunicação corporativa, relacionamento e cidadania. São Paulo: Negócio Editora,

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

XVI SEMEAD Seminários em Administração

XVI SEMEAD Seminários em Administração XVI SEMEAD Seminários em Administração outubro de 2013 ISSN 2177-3866 RELEVÂNCIA DAS ATIVIDADES DO PROFISSIONAL DE MEDIA TRAINING NA PERSPECTIVA DA TEORIA DOS STAKEHOLDERS ROBERTO BAZANINI UNIVERSIDADE

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu A diferença entre marketing, propaganda e publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu Communication and social media specialist, passionate tech journalism and Noah's Dad A comunicação

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Manual com normas para solicitação de produção e publicação de material informativo jornalístico no site, lista de

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa.

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. A Fran Press está de cara nova, mantendo a sua reconhecida identidade estratégica. Nos tempos atuais

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente.

A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente. .a agência A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente. Nosso compromisso é auxiliar empresas e organizações

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS O Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o Consumo Consciente. PERFIL DA VAGA: PERFIL GERAL DA FUNÇÃO

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

Definição dos. Stakeholders * Planejamento de Marketing. Plano de ações. danielchicote.wordpress.com *STAKEHOLDERS

Definição dos. Stakeholders * Planejamento de Marketing. Plano de ações. danielchicote.wordpress.com *STAKEHOLDERS Definição dos Plano de ações Stakeholders * Há uma tendência cada vez maior das empresas descobrirem, como atuar com eficiência e eficácia junto a seus diversos stakeholder, ator ou públicos de interesse.

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa]

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] 1 Sumário O Surgimento do Analista de Redes Sociais... 2 O que é um Analista de Redes Sociais?... 5 Qual é o Perfil do Analista

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA A IMPORTÂNCIA DAS REDES SOCIAIS PARA A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Ediane Barbosa Oliveira 2 ECOS/UCPel Resumo: O trabalho busca um estudo sobre uma ferramenta estratégica do ciberespaço no meio da comunicação

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

TOPE [EA]². Assessoria de imprensa voltada à divulgação da ciência

TOPE [EA]². Assessoria de imprensa voltada à divulgação da ciência Assessoria de imprensa voltada à divulgação da ciência Camila Delmondes Assessoria de Relações Públicas e Imprensa Faculdade de Ciências Médicas Unicamp Divulgação Cientifica e Cultural Laboratório de

Leia mais

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br MEDIA TRANNING Giovana Cunha COMO AGIR DIANTE DA IMPRENSA É muito comum o entrevistado se queixar que o jornalista não reproduziu corretamente as informações fornecidas na entrevista. O jornalista normalmente

Leia mais

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida.

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida. A Dehlicom Soluções em Comunicação é a agência de comunicação integrada que busca divulgar a importância da comunicação empresarial perante as empresas e todos os seus públicos, com atendimento personalizado

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material elaborado por Taís Vieira e Marley Rodrigues

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material elaborado por Taís Vieira e Marley Rodrigues Faccat Faculdades Integradas de Taquara Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Disciplina: Planejamento e Assessoria em Comunicação Profª Me. Taís Vieira ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material

Leia mais

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas 1 Sumário I II V Porque monitorar? O que monitorar? Onde monitorar? Como engajar? 2 Por que Monitorar? 3 I II V Nas mídias sociais

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO CORPORATIVA DE IES

IMAGEM E REPUTAÇÃO CORPORATIVA DE IES IMAGEM E REPUTAÇÃO CORPORATIVA DE IES III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Camilo Catto, Claudia P. Moura (orientador) Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social,Faculdade de Comunicação

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL ATENDIMENTO AO PÚBLICO MEDIA TRAINING COMUNICAÇÃO EFETIVA PARA LÍDERES

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL ATENDIMENTO AO PÚBLICO MEDIA TRAINING COMUNICAÇÃO EFETIVA PARA LÍDERES COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL ATENDIMENTO AO PÚBLICO MEDIA TRAINING COMUNICAÇÃO EFETIVA PARA LÍDERES COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL é ferramenta indispensável para o sucesso das organizações.

Leia mais

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 1 Graduada em Comunicação Social - UFV, Gerente de Marketing da Lifesys Informática Ltda.

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria?

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria? Custom Publishing O mercado das publicações próprias e suas (excelentes) oportunidades de negócios para as empresas antenadas de qualquer setor, com qualquer público Um guia de consulta rápida sobre a

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida

Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida Análise do contexto da organização A Pirelli é a quinta maior empresa do mundo no mercado de

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

O que as empresas e o marketing não podem perder de vista em 2016

O que as empresas e o marketing não podem perder de vista em 2016 O que as empresas e o marketing não podem perder de vista em 2016 ARTIGO DE OPINIÃO COM: LUÍS RASQUILHA CEO INOVA CONSULTING E INOVA BUSINESS SCHOOL http://www.buzzmedia.pt/2015/12/15/o-que-as-empresas-e-o-marketing-nao-podem-perder-de-vistaem-2016/?eg_sub=24bc6d7c65&eg_cam=34536c4d593d0e914fa739d7ee75abb6&eg_list=30

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO Termo de referência - Treinamento de mídia (media training) para membros e assessores dos gabinetes do Conselho Nacional do Ministério Público 1. Do objeto 1.1 Contratação de

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente MÍDIA KIT 2014 Índice 03 A Empresa 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente A empresa Fundada em 2007, a empresa possui uma grade anual com diversos

Leia mais

Especialização em Marketing Digital - NOVO

Especialização em Marketing Digital - NOVO Especialização em Marketing Digital - NOVO Apresentação Previsão de Início Agosto/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O ambiente de negócios tem sido modificado pelas Novas Tecnologias da

Leia mais

INTRODUÇÃO. Conheça agora o que pensam os profissionais de comunicação brasileiros e compare os resultados deste estudo às suas impressões e opiniões.

INTRODUÇÃO. Conheça agora o que pensam os profissionais de comunicação brasileiros e compare os resultados deste estudo às suas impressões e opiniões. INTRODUÇÃO Interpretações, previsões, comparações, sentenças: tudo isso faz parte do cotidiano de qualquer setor. Na comunicação, não poderia ser diferente. Especialmente neste momento de mudanças constantes

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 19-CEPE/UNICENTRO, DE 6 DE MARÇO DE 2009. Aprova o Curso de Especialização em Mercados Emergentes em Comunicação, modalidade modular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

Você deseja ter habilidade para dar entrevistas a jornalistas?

Você deseja ter habilidade para dar entrevistas a jornalistas? Você deseja ter habilidade para dar entrevistas a jornalistas? Aprimore sua capacidade de dar entrevistas para a imprensa Garanta a imagem pessoal/profissional positiva e a boa reputação O Treinamento

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Media Training

Assessoria de Imprensa e Media Training Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social Habilitação: Relações Públicas Disciplina: Assessoria de Comunicação Profª. Nadege Lomando Assessoria de Imprensa e

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Março e Abril de 2014 Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Planejamento Estratégico

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da 1 SUGESTÕES PARA UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO COMITÊ DE POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO (CPCOM), REUNIÃO DE 30 DE MARÇO DE 2011 Redesenhado a partir da Constituição

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

Por que ouvir é fundamental.

Por que ouvir é fundamental. Por que ouvir é fundamental. Apresentação GRUPO ATTITUDE SA Líder na América Latina em comunicação de negócios e construção de relacionamentos para incremento da reputação Atuação no âmbito estratégico

Leia mais

Prof. Ms. Anchieta Silveira

Prof. Ms. Anchieta Silveira Prof. Ms. Anchieta Silveira Aula 2 Comunicação com a sociedade O Judiciário e os MCM Assessorias e monografias Resumo da aula 1 Comunicação como processo Cultura organizacional Redes, fluxos, tipos de

Leia mais

COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL

COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Módulo IV Curso de Capacitação para Museus COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Maria do Carmo Silva Esteves Relações Públicas REALIZAÇÃO 1) A COMUNICAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE Ruptura Interconexão Transposição 1.1)

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL

Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL CAPÍTULO 3 PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO

Leia mais

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries MEDIA KIT http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries 2 CONTEÚDO BREVE HISTÓRICO...03 MINICURRÍCULO DA EQUIPE...04 SOBRE O SITE...05 EDITORIAS...06 SOBRE O PODCAST...06 ESTATÍSTICAS

Leia mais

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais.

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais. The New Conversation: Taking Social Media from Talk to Action A Nova Conversação: Levando a Mídia Social da Conversa para a Ação By: Harvard Business Review A sabedoria convencional do marketing por muito

Leia mais

Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO

Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta 9h às 20h45 Sábado 9h às

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES

PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 Institui a Política Nacional de Comunicação Social do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE RÁDIO EM MEIOS DIGITAIS APLICADOS NA EDUCAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO.

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE RÁDIO EM MEIOS DIGITAIS APLICADOS NA EDUCAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO. 986 ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE RÁDIO EM MEIOS DIGITAIS APLICADOS NA EDUCAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO. Ricardo Fadul Domingues - Regional Uni-FACEF Silvio Carvalho Neto - Uni-FACEF INTRODUÇÃO O

Leia mais