Processo de gerenciamento de capacidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de gerenciamento de capacidade"

Transcrição

1 Processo de gerenciamento de capacidade O fornecimento da capacidade exigida para processamento e armazenamento de dados é tarefa do gerenciamento de capacidade. Isso é feito para que o provimento desta capacidade não venha de uma definição tomada às pressas, sem planejamento, fazendo com que seja compensador quanto ao custo. Quando se leva em consideração que muitos data centers, com elevado número de servidores, operam, por exemplo, com 20% ou menos da capacidade, pode-se afirmar que muito dinheiro está sendo desperdiçado na provisão de serviço. Segundo o Office of Government Commerce (OGC) (2006), o gerenciamento de capacidade trata das seguintes questões: O valor de compra da capacidade de processamento pode ser justificado levando-se em conta as exigências do negócio? A capacidade de processamento é utilizada de modo eficiente (custo x capacidade)? A capacidade atual de processamento atende as demandas presentes e futuras do cliente (oferta x demanda)? A capacidade de processamento disponível está funcionando ao máximo com eficiência (ajuste do desempenho)? Quando a capacidade adicional deverá ser disponibilizada exatamente? Há conhecimento de que capacidade de TI será necessária futuramente e quando? Importante: Para que o objetivo do gerenciamento de capacidade possa ser desenvolvido, é necessário um relacionamento próximo

2 ao negócio, aos processos de negócio e à estratégia de TI. Por este motivo, processo de gerenciamento de capacidade pode ser visto como reativo, que visa a medir e melhorar, e proativo, que visa a analisar e prever. Alguns conceitos do gerenciamento de capacidade merecem um destaque, tais como: a. gerenciamento do desempenho: aperfeiçoa o desempenho da infraestrutura de TI através de ajustes, mensuração e monitoração dos componentes de infraestrutura; b. modelagem: determina melhores soluções e estabelece exigências de capacidade através de tendências, simulações ou modelos analíticos; c. dimensionamento da aplicação: determinação da carga de trabalho futura prevista, além da definição da capacidade de hardware (neste caso considera-se rede) necessário para suportar novos serviços ou serviços modificados; d. planejamento da capacidade: criação de um plano de capacidade, através da utilização de cenários, para atender a demanda esperada pelos serviços de TI. Esse plano deve estar baseado em uma avaliação da situação atual, bem como de uma previsão de utilização da infraestrutura de TI. Objetivos O gerenciamento de capacidade tem por objetivo fazer o provimento de capacidade de recursos de TI, adequadas às necessidades atuais e futuras do negócio, com custo justificável (preço razoável) e de acordo com os prazos. Esse processo tem papel fundamental na determinação das defesas do custo e dos retornos de investimentos. O gerenciamento de capacidade deve produzir, e manter, um plano de capacidade que reflita as necessidades atuais e futuras do negócio, garantindo com isso que as metas para

3 níveis de desempenho sejam atingidas, ou, se possível, superadas. O apoio a diagnósticos e resolução de incidentes e problemas, relacionados com capacidade, deve ser fornecido. Além disso, deve ser feito um levantamento dos impactos que as mudanças no plano de capacidade possam causar, bem como desempenho e capacidade de recursos e serviços. Com todos esses aspectos sendo tratados, pode-se afirmar que haverá uma redução de riscos associados aos serviços existentes, pois há uma administração eficiente. A redução dos custos é visível, pois todo investimento é feito sem pressa, ou seja, na hora certa, sem pressionar o processo de compras e com compras refletindo a realidade que se precisa, não indo além da necessidade e sem equipamentos com capacidade exagerada. Com relação aos serviços novos e/ou modificados, o processo possibilita um conhecimento do impacto dos mesmos sobre os serviços existentes. Isso tudo só vem a melhorar o relacionamento da organização com clientes e fornecedores, pois prevê as exigências do usuário e organiza os acordos com os fornecedores, tais como compra, entrega, manutenção, etc. O processo Com o passar do tempo, a facilidade de aquisição de hardware, devido ao preço mais acessível, fez com que algumas organizações, sem levar em consideração o gerenciamento de capacidade, comprassem um hardware com excesso de capacidade. Este tipo de comportamento é responsável pelo alto grau de risco e custo, fazendo com que a gestão de um data center se torne mais problemático que o próprio hardware existente nele.

4 Com auxílio do gerenciamento de capacidade, a organização evitará investimentos desnecessários, impedindo surpresas e compras precipitadas. Assim, os recursos são utilizados de forma mais equilibrada. Além disso, esse processo ajuda a coordenar as capacidades, garantindo que os elevados investimentos que forem realizados sejam utilizados de modo eficiente. Como a infraestrutura de TI é muito complexa, a dependência da capacidade com relação aos componentes de TI só tende a aumentar, exigindo cada vez mais da infraestrutura para que os níveis de serviços acordados com o cliente sejam atendidos. Atividades do gerenciamento de capacidade A figura a seguir ilustra as principais atividades do gerenciamento de capacidade: O gerenciamento de capacidade possui três subprocessos, nos quais se pode considerar a capacidade:

5 a. gestão da capacidade do negócio: garante que as necessidades futuras do negócio sejam consideradas, planejadas e atendidas em tempo apropriado. Isso pode ser feito através de análise de tendências, previsões e modelagens. O foco está nas necessidades atuais e futuras do negócio; b. gestão da capacidade de serviços: gerencia o desempenho dos serviços de TI em operação. São suas responsabilidades garantir, monitorar e reportar os níveis de desempenho definidos nos acordos de nível de serviço (SLA) e nos requisitos de nível de serviço (SLR). Seu foco está nos serviços atuais suportados pelo negócio; c. gestão da capacidade de recursos: monitora e reporta os níveis de desempenho, individuais, dos recursos (componentes) de infraestrutura de TI. Seu foco está na tecnologia responsável por sustentar toda a provisão de serviços. Dados de saída Plano de capacidade Banco de dados de capacidade Referências e perfis Limiares e alarmes Relatórios de capacidade Recomendações sobre nível de serviço Recomendações sobre custeamento e cobrança Mudanças proativas Aperfeiçoamentos no serviço Programações operacionais revistas Revisões de eficiência Relatórios de auditoria Como visto nesta leitura, o processo de gerenciamento de capacidade deve assegurar que a capacidade da infraestrutura de TI esteja alinhada com as necessidades de negócio. Esse processo deve não só desenvolver e manter um plano de capacidade que reflita as necessidades atuais e futuras do negócio, como também garantir medidas proativas para melhorar o desempenho, quando justificável financeiramente. Referência OFFICE OF GOVERNMENT COMMERCE (OGC). Introdução ao ITIL.

6 Norwich: OGC, Autores: Miguel Garcia Junior e Rodrigo Santana

Processo de gerenciamento do catálogo de serviço

Processo de gerenciamento do catálogo de serviço Processo de gerenciamento do catálogo de serviço O provedor de serviço tem o catálogo de serviços como o repositório central de informações sobre os serviços de TI entregues. É nele que as áreas de negócio

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios Módulo 4 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios 5.4 - Planejamento 5.4.1 - Objetivos da qualidade Os objetivos da qualidade devem

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Organograma... 3 3. Vigência... 4 4. Abrangência... 4 5. Conceito... 5 5.1 Risco de liquidez do fluxo

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Introdução à Gestão de Projetos; Gestão de Escopo; Gestão de Prazos; Gestão de Custos; Gestão de Pessoas; Gestão de Comunicação; Gestão

Leia mais

Apresentação QoS ATM Arquitetura Elementos Funcionais Conclusão

Apresentação QoS ATM Arquitetura Elementos Funcionais Conclusão Qualidade Redes de Alta de Serviço Velocidade (QoS) Redes de Alta Velocidade Qualidade de Serviço (QoS) Qualidade de Serviço (QoS) Gerenciamento do nível de serviço: Negociar, definir, medir, administrar

Leia mais

Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção)

Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção) Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Administração Geral e Aplicada Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção) Eduardo Alves Portela Santos

Leia mais

ISO/IEC Processo de ciclo de vida

ISO/IEC Processo de ciclo de vida ISO/IEC 12207 Processo de ciclo de vida O que é...? ISO/IEC 12207 (introdução) - O que é ISO/IEC 12207? - Qual a finalidade da ISO/IEC 12207? Diferença entre ISO/IEC 12207 e CMMI 2 Emendas ISO/IEC 12207

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Aula 2 16/08 Objetivo: relembrar o que foi dado, tirar possíveis dúvidas

Leia mais

TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS

TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS MÓDULO 4 Os Diferentes Tipos e Padrões de Fluxogramas Há muitos tipos diferentes de fluxograma, cada um com sua aplicação específica. A seguir apresentaremos os

Leia mais

Estudo sobre o efeito da Crise Econômica nos Investimentos em Tecnologia de Informação

Estudo sobre o efeito da Crise Econômica nos Investimentos em Tecnologia de Informação A Tecnologia de Informação (TI) é recurso organizacional e como tal recebe investimentos, que são afetados pela situação econômica e da própria organização. O momento atual da economia brasileira afeta

Leia mais

Aula 01. Administração de Sistemas de Informação. Sistemas de Informação

Aula 01. Administração de Sistemas de Informação. Sistemas de Informação Administração de Aula 01 Decisões eficazes são baseadas na análise de dados e informações. (NBR ISO 9000 29/01/2001). Sistema de Informações pode ser considerado como centro de inteligência ou o cérebro

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Aula Revisão 06/09 Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Questões 1 Como pode ser definida a 1ª fase da qualidade?

Leia mais

ITIL v3 Transição de Serviço Parte 1

ITIL v3 Transição de Serviço Parte 1 ITIL v3 Transição de Serviço Parte 1 A Transição de Serviço é composto por um conjunto de processos e atividades para a transição de serviços no ambiente de produção. Aqui, deve-se encarar como um projeto

Leia mais

(Reunião de Avaliação da Estratégia)

(Reunião de Avaliação da Estratégia) Universidade Federal do Pará Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional III Encontro sobre Relatório de Gestão da UFPA RAE (Reunião de Avaliação da Estratégia) Palestrante: Carlos Max

Leia mais

Gerenciamento de Projetos com foco em Resultados

Gerenciamento de Projetos com foco em Resultados PALESTRA 2 Gerenciamento de Projetos com foco em Resultados PALESTRANTE: Prof. Flávio Feitosa Costa - IBGP Trilha 1 O Contexto da Gerência de Projetos 2 3 O Foco em Resultados Métodos 4 Conclusões O Contexto

Leia mais

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1 Sumário PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos Capítulo 1 Cadeias de suprimentos no século xxi... 2 A revolução da cadeia de suprimentos... 4 Integração gera valor... 6 Modelo geral de cadeia

Leia mais

O Sentido do Planejamento

O Sentido do Planejamento O Sentido do Planejamento O planejamento é essencial para todos os fatores que afetam a organização FIGUEREDO, Sandra (2004) Existem duas escolas de pensamento conflitantes com referência à profundidade

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Visão Geral dos O é fundamental para o gerenciamento de um ambiente de TI, uma vez que a eficácia é seriamente comprometida se uma organização não souber quais ativos de software ela possui, onde estão

Leia mais

Conheça a NBR ISO/IEC 27002

Conheça a NBR ISO/IEC 27002 Conheça a NBR ISO/IEC 27002 A norma NBR ISO/IEC 27002 Código de Prática para a Gestão de Segurança da Informação, que tem como objetivo estabelecer diretrizes e princípios gerais para iniciar, implementar,

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A.

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A. RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI BASEADO EM ITIL *

GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI BASEADO EM ITIL * GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI BASEADO EM ITIL * Alex SILVA 1 ; Marcelo Stehling de CASTRO 2 1 Dicente do curso de pós-graduação lato sensu EMC/UFG alexf16@hotmail.com; 2 Docente do curso de Especialização

Leia mais

Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016

Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016 Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016 Fernando Nicolau Freitas Ferreira, MSc, CISM, CRISC, CGEIT,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO COMPETÊNCIA DEZEMBRO/2015 Existe o risco que você não pode jamais correr, e existe o risco que você não pode deixar de correr. Peter Drucker I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

PROJETOS. Reduza seus Custos com TI sem perder a qualidade.

PROJETOS. Reduza seus Custos com TI sem perder a qualidade. PROJETOS Reduza seus Custos com TI sem perder a qualidade. Conheça a FNC IT A FNC é uma empresa especializada em oferecer soluções completas e dinâmicas em tecnologia da informação para o mercado corporativo,

Leia mais

SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi

SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

Administração Logística

Administração Logística INTRODUÇÃO A LOGÍSTICA AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2010 2 Administração Logística Processo de planejar, implementar e controlar o fluxo e armazenamento eficiente e eficaz em termos

Leia mais

Gerenciamento e Administração de Redes

Gerenciamento e Administração de Redes Gerenciamento e Administração de Redes ITIL 1 O que é ITIL? Information Technology Infrastructure Library (ITIL) é uma biblioteca de boas práticas (do inglês best practices), de domínio público, desenvolvida

Leia mais

Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear

Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear Introdução à Pesquisa Operacional Origens militares Segunda guerra mundial Aplicada na alocação de

Leia mais

Gestão de Projetos. Aula 1. Organização da Disciplina. Organização da Aula 1. Contextualização. Fatos sobre Projetos. O Projeto

Gestão de Projetos. Aula 1. Organização da Disciplina. Organização da Aula 1. Contextualização. Fatos sobre Projetos. O Projeto Gestão de Projetos Organização da Disciplina Planejamento, projeto e Aula 1 viabilidades Estrutura do projeto Profa. Dra. Viviane M. P. Garbelini Dimensionamento e riscos do projeto Organização da Aula

Leia mais

Conjunto de elementos interdependentes, ou um todo organizado, ou partes que interagem, formando um todo unitário e complexo

Conjunto de elementos interdependentes, ou um todo organizado, ou partes que interagem, formando um todo unitário e complexo Sistemas de Informações Gerenciais A Empresa e os Sistemas de Informação Conceito de Sistemas Conjunto de elementos interdependentes, ou um todo organizado, ou partes que interagem, formando um todo unitário

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco de Liquidez -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco de Liquidez - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2011 - Risco de Liquidez - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Responsabilidades:... 4 4.1. Conselho de Administração:...

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Sistemas de Informação Gerenciais Seção 2.2 Sistemas Empresariais: ERP SCM 1 Sistema empresarial Constitui uma estrutura centralizada para uma organização e garante que as informações possam ser compartilhadas

Leia mais

Tendências em Sistemas de Informação

Tendências em Sistemas de Informação Prof. Glauco Ruiz Tendências em Sistemas de Informação Os papéis atribuídos à função dos SI têm sido significativamente ampliados no curso dos anos. De 1950 a 1960 Processamento de Dados Sistemas de processamento

Leia mais

ISO/IEC 12207: Manutenção

ISO/IEC 12207: Manutenção ISO/IEC 12207: Manutenção O desenvolvimento de um sistema termina quando o produto é liberado para o cliente e o software é instalado para uso operacional Daí em diante, deve-se garantir que esse sistema

Leia mais

Otimizar a água nos centros comerciais

Otimizar a água nos centros comerciais Otimizar a água nos centros comerciais Otimizar a água nos centros comerciais A Sonae Sierra necessita de energia, de água e de matéria-prima não renovável para que seja possível construir e operar os

Leia mais

WEBINAR. Tema: GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS. Pós-graduação Gestão de Serviços em TI. Prof.

WEBINAR. Tema: GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS. Pós-graduação Gestão de Serviços em TI. Prof. WEBINAR Pós-graduação Gestão de Serviços em TI Tema: GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS Prof. Ademar Albertin Ademar Luccio Albertin Mais de 10 anos de experiência em Governança

Leia mais

Sistemas de informação aula 03

Sistemas de informação aula 03 Sistemas de informação aula 03 Sistemas? Informação ou conhecimento Informação Conjunto de procedimentos organizados que quando executados provem informação de suporte a organização [amaral-1994] Conhecimento

Leia mais

Benefícios da Solução de Gerenciamento Dell KACE. Sales Engineer

Benefícios da Solução de Gerenciamento Dell KACE. Sales Engineer Benefícios da Solução de Gerenciamento Dell KACE Airton_Leal@Dell.com Sales Engineer Gerenciamento de sistemas continua sendo uma terefa bastante complexa Gerenciamento de Sistemas Ambientes mistos Inventário

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

WORKSHOP SOBRE CONTROLOS INTERNOS Abril/2016

WORKSHOP SOBRE CONTROLOS INTERNOS Abril/2016 WORKSHOP SOBRE CONTROLOS INTERNOS Abril/2016 Organizações de todos os tipos e tamanhos enfrentam influências e fatores internos e externos que tornam incerto se e quando elas atingirão seus objetivos.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de SP v1

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de SP v1 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. Rio de Janeiro, Junho de 2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1. Introdução O objetivo desta política é descrever as normas e os procedimentos

Leia mais

Sistemas Embarcados (embutidos) Paulo C. Masiero

Sistemas Embarcados (embutidos) Paulo C. Masiero Sistemas Embarcados (embutidos) Paulo C. Masiero Caracterização São usados para controlar sistemas de diferentes tipos: máquinas domésticas, fábricas, carros, jogos etc. O software é embutido no hardware

Leia mais

S4LG1. Processos Inovadores de Logística no SAP S/4HANA Enterprise Management ESTRUTURA DO CURSO. Versão do curso: 03 Duração do curso: 2 Dias

S4LG1. Processos Inovadores de Logística no SAP S/4HANA Enterprise Management ESTRUTURA DO CURSO. Versão do curso: 03 Duração do curso: 2 Dias S4LG1 Processos Inovadores de Logística no SAP S/4HANA Enterprise Management. ESTRUTURA DO CURSO Versão do curso: 03 Duração do curso: 2 Dias Direitos autorais e marcas da SAP 2016 SAP SE ou empresa afiliada

Leia mais

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo.

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Moreira, 2008 Por que os estoques são necessários? Disponibilizar

Leia mais

Cadeia de Suprimentos. Aula 1. Contextualização. O que é Supply Chain Management? Prof. Luciano José Pires

Cadeia de Suprimentos. Aula 1. Contextualização. O que é Supply Chain Management? Prof. Luciano José Pires Cadeia de Suprimentos Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires O que é Supply Chain Management? Atual e futuro A Logística é uma das atividades econômicas mais antigas e também um dos conceitos

Leia mais

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 03 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

ALINHAMENTO ESTRATÉGICO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ALINHAMENTO ESTRATÉGICO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Referência Tecnologia da Informação para Gestão : Transformando os negócios na Economia Digital. Bookman, sexta edição, 2010. Conhecimento em TI: O que

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr.

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr. Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Planejamento e operação por categoria de produto Fabricante> Distribuidor> Cliente Fazer os produtos e serviços chegarem

Leia mais

PROCESSO GESTÃO DE ATIVOS DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROCESSO GESTÃO DE ATIVOS DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROCESSO GESTÃO DE ATIVOS DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MACROPROCESSO... 4 3. DIAGRAMA DE ESCOPO DO PROCESSO GESTÃO DE ATIVOS DE TI... 5

Leia mais

Sra. Rosely Padilha de Sousa Castilho Secretaria de TI CIO. Sr. Renê Alves Farias Diretor de TI - Datacenter REDEFINDO A TI

Sra. Rosely Padilha de Sousa Castilho Secretaria de TI CIO. Sr. Renê Alves Farias Diretor de TI - Datacenter REDEFINDO A TI Sra. Rosely Padilha de Sousa Castilho Secretaria de TI CIO Sr. Renê Alves Farias Diretor de TI - Datacenter REDEFINDO A TI PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Missão: Distribuir Justiça Visão: Ser reconhecido pela

Leia mais

Ricardo Augusto Bordin Guimarães Auditoria Administrativa Hospitalar ricardo@rgauditoria.com.br (51) 9841.7580 www.rgauditoria.com.br www.twitter.com/ricardorgaud Qualidade e Gestão em Saúde através da

Leia mais

CARTA CONVITE N.º 003/2012 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE /2012 ANEXO I

CARTA CONVITE N.º 003/2012 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE /2012 ANEXO I CARTA CONVITE N.º 003/2012 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE.01.03.0044/2012 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAL PÉTREO PARA INFRAESTRUTURA DOS LAGOS 01 E 02 DA FASE ZERO DO SAPIENS

Leia mais

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE 1. CONCEITO Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços Praticar a responsabilidade social defendendo a sociedade e assumindo compromisso com o meio ambiente SGI CREF13 BA/SE Desenvolver

Leia mais

Unidade III. A primeira publicação foi no final dos anos 1990; a segunda versão ocorreu em 2000/2001, e a atual versão (3) foi lançada em 2007.

Unidade III. A primeira publicação foi no final dos anos 1990; a segunda versão ocorreu em 2000/2001, e a atual versão (3) foi lançada em 2007. Unidade III 3 INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY (ITIL) O ITIL (The IT Infrastructure Library) foi criado pela Agência de Telecomunicações e Computação do governo do Reino Unido (CCTA UK Government

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Governança em TI

Gerenciamento de Projetos de Governança em TI Gerenciamento de Projetos de Governança em TI Universidade Veiga de Almeida Luiz Antônio Vivacqua Corrêa Meyer Luiz.vcm@gmail.com http://vivacquabd.webnode.com.br Cobit X ITIL CobiT representa um consenso

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 ISO 14001:2004 ISO 14001:2015 Introdução Introdução 1.Escopo 1.Escopo 2.Referências normativas 2.Refências normativas 3.Termos e definições 3.Termos

Leia mais

IBM Managed Security Services para Reimplementação e Reativação do Agente

IBM Managed Security Services para Reimplementação e Reativação do Agente Descrição dos Serviços IBM Managed Security Services para Reimplementação e Reativação do Agente 1. Escopo dos Serviços O IBM Managed Security Services para Reimplementação e Reativação do Agente (denominado

Leia mais

Processos Mapeamento, Análise e Normatização. Métricas de mensuração dos processos. Métricas de Mensuração. Aula 03. Prof.

Processos Mapeamento, Análise e Normatização. Métricas de mensuração dos processos. Métricas de Mensuração. Aula 03. Prof. Processos Mapeamento, Análise e Normatização Métricas de mensuração dos processos Aula 03 Prof. Frank Pizo Métricas de Mensuração Mensurar: 1. Determinar a medida de; medir. 2. Determinar a extensão ou

Leia mais

Política de Partes Relacionadas

Política de Partes Relacionadas Política de Partes Relacionadas SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 A QUEM SE APLICA... 3 3 DEFINIÇÃO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS... 3 4 DEFINIÇÃO DE PARTES RELACIONADAS... 4 5 DEFINIÇÃO DE SITUAÇÕES

Leia mais

COMO AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA SUA EMPRESA E A QUALIDADE DOS SEUS PRODUTOS POR MEIO DO CONTROLE DOS PROCESSOS DE NEGÓCIOS. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc.

COMO AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA SUA EMPRESA E A QUALIDADE DOS SEUS PRODUTOS POR MEIO DO CONTROLE DOS PROCESSOS DE NEGÓCIOS. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. COMO AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA SUA EMPRESA E A QUALIDADE DOS SEUS PRODUTOS POR MEIO DO CONTROLE DOS PROCESSOS DE NEGÓCIOS Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução

Leia mais

SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS. Proposta Técnica. Norma de Desempenho Adequação de Processos. Construção Civil ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR

SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS. Proposta Técnica. Norma de Desempenho Adequação de Processos. Construção Civil ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS Proposta Técnica Norma de Desempenho Adequação de Processos ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR Construção Civil 1 OBJETIVO Este documento tem por finalidade apresentar os

Leia mais

TS04. Teste de Software PLANOS DE TESTE. COTI Informática Escola de Nerds

TS04. Teste de Software PLANOS DE TESTE. COTI Informática Escola de Nerds TS04 Teste de Software PLANOS DE TESTE COTI Informática Escola de Nerds 1. PLANOS DE TESTE. Tipos de Testes de Software Teste Funcional Uma especificação funcional é uma descrição do comportamento esperado

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO. Profª Drª Melissa Rodrigues de Lara

CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO. Profª Drª Melissa Rodrigues de Lara CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO É a probabilidade de uma ocorrência afetar positiva ou negativamente a capacidade de uma organização de atingir seus objetivos. É mensurada pela combinação das consequências

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João NÚMERO DO DOCUMENTO : VERSÃO : 1.1 ORIGEM STATUS : c:\projetos : Acesso Livre DATA DO DOCUMENTO : 22 novembro 2007 NÚMERO DE PÁGINAS : 13 ALTERADO POR : Manoel INICIAIS:

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Dezembro 2015 2015 Delta Economics & Finance Índice 1 Introdução 1 2 Visão, Missão e Valores 1 3 Conduta Esperada dos Funcionários 2 4 Conflito de Interesse 2 5 Informações Sigilosas

Leia mais

Terceirização de ATMs: uma realidade

Terceirização de ATMs: uma realidade Terceirização de ATMs: uma realidade Laerte H Fagundes Jr 2002 IBM Corporation Redes de Auto-Atendimento nos Estados Unidos 1969-1996 I Pré Tarifas 1996-1998 II Tarifas 1998-2000 III Transição 2001 IV

Leia mais

Divisão de Controles Internos e Compliance 19/08/2016

Divisão de Controles Internos e Compliance 19/08/2016 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Diretoria de Governança, Risco e Compliance. 2 Abrangência 2.1 Esta Política aplica-se à BB Seguridade Participações S.A. ( BB Seguridade ou Companhia ) e suas subsidiárias

Leia mais

UMA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI RESUMO

UMA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI RESUMO UMA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI Maurício Rocha Lyra Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) Cláudio Gottschalg Duque RESUMO A Information

Leia mais

Passo a passo de como montar sua matriz estratégica de categorias de compras. Febracorp University

Passo a passo de como montar sua matriz estratégica de categorias de compras. Febracorp University Passo a passo de como montar sua matriz estratégica de categorias de compras Matriz Kraljic - Definição A matriz de Kraljic, desenvolvida por Peter Kraljic, proporciona uma visão estratégica de compras,

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2 Segundo Módulo: Parte 2 As visões de Negócio 1 Quais são visões de Negócio? Para conhecer o negócio o Analista de precisa ter: - Visão da Estratégia - Visão de Processos (Operação) - Visão de Valor da

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas. Prof.: Mauricio Pitangueira Instituto Federal da Bahia

Auditoria e Segurança de Sistemas. Prof.: Mauricio Pitangueira Instituto Federal da Bahia Auditoria e Segurança de Sistemas Prof.: Mauricio Pitangueira Instituto Federal da Bahia 1 Motivação Violação do Painel do Senado Federal Alterando e registrava votos de senadores ausentes, por exemplo,

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação Avaliação de Desempenho Introdução Aula 1 Marcos José Santana Regina Helena Carlucci Santana

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral. SSC 121-Engenharia de Software 1 Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa

Qualidade de Software: Visão Geral. SSC 121-Engenharia de Software 1 Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa Qualidade de : Visão Geral SSC 121-Engenharia de 1 Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2012 Qualidade de Qualidade é um termo que pode ter diferentes interpretações Existem muitas definições

Leia mais

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Unidade II SISTEMA DE QUALIDADE Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Sistemas e Ferramentas de Gestão da Qualidade Estudaremos neste módulo técnicas e metodologias trabalhadas na área da administração

Leia mais

GERENCIAMENTO DE OPERAÇÕES: A OTIMIZAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE MARKETING

GERENCIAMENTO DE OPERAÇÕES: A OTIMIZAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE MARKETING GERENCIAMENTO DE OPERAÇÕES: A OTIMIZAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE MARKETING Objetivos Entender a importância do gerenciamento de operações no sucesso de qualquer estratégia de marketing proposta. Apresentar o

Leia mais

Como modelar o comportamento de um sistema? MAB-515

Como modelar o comportamento de um sistema? MAB-515 Como modelar o comportamento de um sistema? MAB-515 Possibilidades de modelagem PARAMETRIZA modelo matemático experimento real AJUDA A COMPREENDER SIMULAÇÃO SOLUÇÃO ANALÍTICA MEDIDAS EXPERIMENTAIS NO MODELO

Leia mais

POLÍTICA POL TI 002 GOVERNANÇA TI REV.3 PG 1/11. Data: 26/01/2015. Data: 26/01/2015. Data: 26/01/2015. Data: 26/01/2015.

POLÍTICA POL TI 002 GOVERNANÇA TI REV.3 PG 1/11. Data: 26/01/2015. Data: 26/01/2015. Data: 26/01/2015. Data: 26/01/2015. GOVERNANÇA TI REV.3 PG 1/11 Homologado por: Renato Martins Oliva Presidente Data: 26/01/2015 Visto: Homologado por: Cyril Desire Alberis Andre Diretor de Risco de Crédito Data: 26/01/2015 Visto: Homologado

Leia mais

Tema 01 Conceitos sobre gerenciamento de tempo e projeto

Tema 01 Conceitos sobre gerenciamento de tempo e projeto Tema 01 Conceitos sobre gerenciamento de tempo e projeto Objetivos da Aula Compreender a importância do tempo nos projetos. Revisar conceitos. Compreender o que deve ser considerado na elaboração de um

Leia mais

HEWLETT PACKARD ENTERPRISE Datacenter Care

HEWLETT PACKARD ENTERPRISE Datacenter Care Datacenter Care Principais motores de uma pontuação de NPS excepcional O que eu mais gosto no Datacenter Care é a natureza a la carte da oferta. O contrato é realmente flexível, e os serviços fornecidos

Leia mais

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 WORKSHOPS CH DATA HORÁRIO INVESTIMENTO CONTEÚDO 1. Mudança nas relações com clientes em vendas. 2. Vendedor consultor: Gestor de negócio. 3. Planejamento em vendas.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 06 Recebimento de materiais Conceito de qualidade Padrões de qualidade Inspeção de qualidade Recebimento quantitativo Procedimentos operacionais

Leia mais

G E S T Ã O D E I N V E S T I M E N T O S E C U S T O S D E C A P I T A L H U M A N O E M T E M P O S D E C R I S E

G E S T Ã O D E I N V E S T I M E N T O S E C U S T O S D E C A P I T A L H U M A N O E M T E M P O S D E C R I S E H E A L T H W E A L T H C A R E E R G E S T Ã O D E I N V E S T I M E N T O S E C U S T O S D E C A P I T A L H U M A N O E M T E M P O S D E C R I S E 0 1 D E O U T U B R O D E 2015 C E O C H A L L E

Leia mais

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive 1 O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive DEFINIÇÃO DE AUDITORIA INTERNA "A auditoria interna é uma atividade independente, de garantia objetiva e consultiva,

Leia mais

TYR GESTÃO DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS

TYR GESTÃO DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS TYR GESTÃO DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS AGOSTO 2016 1 O presente Plano de Contingência e Continuidade de Negócios ( Plano ) tem como objetivo definir os procedimentos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Visão Geral Profa.Paulo C. Masiero masiero@icmc.usp.br ICMC/USP Algumas Dúvidas... Como são desenvolvidos os softwares? Estamos sendo bem sucedidos nos softwares que construímos?

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

Projeto em administração da produção.

Projeto em administração da produção. MKT-MDL-06 Versão 00 Projeto em administração da produção. Aula 04 Projeto da rede de operações produtivas. Rede de operações para um fabricante de artigos domésticos de plástico Definição Os produtos

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e- Learning Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e- Learning Sistema de Curso e- Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

AULA 6 MODELAGEM DE PROCESSOS

AULA 6 MODELAGEM DE PROCESSOS AULA 6 MODELAGEM DE PROCESSOS Decompondo processos Para podermos modelar processos, é necessário que entendamos como se aplicam alguns conceitos importantes. Por definição, cada processo possui entradas,

Leia mais