ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO CURITIBA 2012

2 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES Relatório técnico do seminário de Boas Práticas da Gestão Pública apresentado durante a disciplina de Tópicos Especiais Aplicados ao Setor Público, do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Governança Pública, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, em 25 de outubro de 2012, na sala A302, do Câmpus Curitiba, como requisito parcial para aprovação na disciplina. Orientador: Prof. Dr. Moisés Francisco Farah Júnior CURITIBA 2012

3 CURRICULUM VITAE DO PALESTRANTE Rodrigo Sais Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil desde Coordenador do workshop Media Training da Receita Federal, ministrado para gestores de todo o país, e responsável pelas ações de comunicação interna da Superintendência Regional da RFB da 9.ª Região Fiscal Paraná e Santa Catarina. Atuou como repórter da Sucursal de Curitiba do jornal Folha de Londrina entre 2001 e Graduado em Comunicação Social Habilitação Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

4 1) INTRODUÇÃO A Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda, é responsável pela gestão dos tributos de competência da União, dentre os quais se destacam o imposto de renda da pessoa física e jurídica e aqueles incidentes sobre o comércio exterior. A RFB, na forma como atua hoje, foi instituída pelo Decreto n.º /68, dentro das reformas administrativas feitas na década de Mas a atuação do órgão máximo tributário no Brasil remonta à época colonial, em 1534m quando as primeiras explorações das riquezas da terra eram registradas pelas Provedorias da Fazenda Real. Ao longo do tempo, a administração tributária do país mudou de nome várias vezes, e sua atuação foi se ampliando e especializando-se, sendo a RFB atualmente um dos órgãos mais eficientes e respeitados do Brasil. Entre as competências atuais da RFB estão: 1) Administração dos tributos internos e do comércio exterior; 2) Gestão e execução das atividades de arrecadação, lançamento, cobrança administrativa, fiscalização, pesquisa e investigação fiscal e controle da arrecadação administrada; 3) Repressão ao contrabando e descaminho, no limite da sua alçada; 4) Interpretação, aplicação e elaboração de propostas para o aperfeiçoamento da legislação tributária e aduaneira federal; 5) Subsídio à formulação da política tributária e aduaneira; 6) Educação fiscal para o exercício da cidadania; 7) Atuação na cooperação internacional e na negociação e implementação de acordos internacionais em matéria tributária e aduaneira. 2) DESCRIÇÃO DO PROBLEMA Após ingressar na RFB e iniciar as atividades de comunicação interna, o auditor fiscal Rodrigo Sais concluiu que os gestores do órgão tinham uma dificuldade muito grande em prestar contas do trabalho realizado para a sociedade. Isso decorria, em parte, do despreparo para lidar com a imprensa, dificultando a divulgação de fatos e dados interessantes para o desenvolvimento do país.

5 Dentro da RFB há um departamento de imprensa, que fica estabelecido na sede, em Brasília, concentrando as informações oficiais do órgão. Mas as superintendências regionais têm autonomia para divulgar suas ações de fiscalização e arrecadação, estratégia que, entretanto, não vinha sendo executada de maneira satisfatória. Com a experiência acumulada durante os anos em que atuou como repórter, o auditor fiscal Rodrigo Sais propôs à RFB uma reformulação da política de comunicação social do órgão. Em 2008, após avaliar as ações realizadas, concluiu-se que a comunicação não estava integrada ao planejamento estratégico da instituição. Dentre os problemas levantados, estava desde a falta de verba para investimento em publicidade, a inexistência de uma estrutura hierárquica da comunicação nas superintendências regionais e a cultura de sigilo sobre a maioria das ações, bastante difundida entre os gestores por conta do sigilo fiscal que a operação arrecadatória exige. Ainda assim, o contato com a imprensa era realizado, geralmente por iniciativa desta. Foram detectadas a existência de cerca de 500 gestores da RFB em todo o Brasil que atuavam como portavozes da instituição, mas nenhum deles nunca havia passado por um treinamento específico. 3) RESOLUÇÃO DO PROBLEMA Em 2008, após levantados os problemas de comunicação dentro da RFB, foi instituída uma Política de Comunicação Social, executada por um Grupo de Trabalho (GT). Entre as ações realizadas estão a produção de um informativo interno, um manual de relacionamento com a imprensa, a produção de uma revista interna, Fato Gerador, a criação de um blog, Fronteira Blindada o qual é aberto ao público, disponível no link -- e a ação de Media Training. O Media Training consiste em um treinamento que busca capacitar fontes e porta-vozes ao relacionamento com a imprensa, de maneira estratégica, através de aconselhamento teórico e prático. O início do treinamento encontrou algumas barreiras, dentre os quais o mais grave era a falta de recursos orçamentários para a capacitação dos gestores. O GT responsável fez levantamentos iniciais para contratação de serviços terceirizados, os quais tinham preço bastante elevado. Entretanto, ainda que tivesse recursos para usar

6 nesta ação, o órgão precisava lançar uma licitação, na qual o vencedor era incerto. Feita a proposta de utilizar os próprios auditores fiscais do GT para o treinamento, as autoridades da RFB acataram. Internamente, a avaliação foi positiva, pois dúvidas sobre possíveis informações sigilosas não poderiam ser bem explicadas por profissionais de fora dos quadros da RFB. 4) METODOLOGIA Entre os objetivos do Media Training da RFB estão: 1) possibilitar ao gestor a reflexão sobre as atividades do órgão; 2) unificar o discurso da instituição; e 3) preparar o gestor para situações de crise. São realizados dois tipos de oficina: direcionado aos gestores e direcionado aos assessores desses gestores. Para os gestores, a metodologia empregada é a de aplicação prévia de um questionário. Depois são feitas simulações de entrevistas, as quais são gravadas para posterior avaliação da turma em treinamento. Também são exibidos vídeos com entrevistas de gestores de outras instituições e palestras com conteúdo sobre a ação da RFB e o método de trabalho da imprensa. Finalmente é feita uma análise individual de desempenho, e o feedback do trabalho realizado pelos instrutores. As oficinas feitas com os assessores têm outra metodologia e foco. Neste caso, os objetivos são: 1) capacitar o assessor para orientar o porta-voz; 2) capacitar o assessor para a produção de textos e para o relacionamento com a imprensa; e 3) familiarizar o assessor com o dia-a-dia da imprensa. A metodologia consiste em oficinas de texto; simulação de entrevistas coletivas com gravação e posterior análise; exibição e análise de vídeos externos, além de palestras. 5) CONCLUSÃO Desde 2008, o Media Training da RFB já capacitou cerca de 600 gestores e assessores, em mais de 50 edições do workshop. A iniciativa rendeu frutos significativos, como o aumento de inserções na mídia a respeito da instituição. Além disso, os gestores assimilaram um nova cultura comunicacional. Todas essas ações contribuíram para que a estratégia fosse reconhecida pelo governo federal e despertasse o interesse de outros órgãos em replicar as ações de Media Training.

7 Internamente, a RFB avalia de forma muito positiva a implantação das oficinas, e sobretudo a opção por instrutores do quadro próprio da instituição. Conforme os feedbacks e avaliações, essa estratégia permitiu o treinamento de forma mais ágil, a economia de recursos em torno de R$ 3 milhões, conhecimento da realidade da instituição; menor possibilidade de vazamento de informações estratégicas e menor resistência para a realização do curso. Além disso, a ação de Media Training está inserida dentro das missões e dos valores da RFB, conforme o Mapa Estratégico , disponível no site da instituição: a) Missão: "Exercer a administração tributária e aduaneira com justiça fiscal e respeito ao cidadão, em benefício da sociedade." b) Visão: "Ser uma instituição de excelência em administração tributária e aduaneira, referência nacional e internacional." Entre os resultados esperados estão: aproximar a arrecadação efetiva da potencial; elevar o cumprimento espontâneo das obrigações tributárias e aduaneiras; contribuir para o fortalecimento do comércio exterior e para a proteção da sociedade; aumentar a percepção de equidade na atuação da instituição; e fortalecer a imagem da instituição perante a sociedade. Conforme apresentado, a oficina de Media Training contribui para o fortalecimento da imagem da instituição.

8 ANEXO A Slides da apresentação Receita Federal Assessoria de comunicação Social 1 Comunicação Social da Receita Federal Media training da Receita Federal do Brasil 2

9 Comunicação Social da Receita Federal O que é Media Training Treinamento que busca capacitar fontes e porta-vozes ao relacionamento com a imprensa, de maneira estratégica, através de aconselhamento teórico e prático. 3 Comunicação Social da Receita Federal Resultados Realização de mais de 50 edições em menos de três anos Capacitação de cerca de 600 porta-vozes e gestores Economia estimada em R$ 3 milhões Aumento de inserções na mídia Iniciativa reconhecida pelo Governo Federal Nova visão de comunicação por parte dos gestores 4

10 Comunicação Social da Receita Federal Competências da Receita Administração dos tributos internos e do comércio exterior Arrecadação, lançamento, cobrança e fiscalização dos tributos Repressão ao contrabando e descaminho Subsídio à elaboração do Orçamento de receitas Subsídio à formulação da política tributária e aduaneira 5 Comunicação Social da Receita Federal Receita em números Mais de 27 mil servidores em cerca de 570 unidades 15,1 milhões de empresas registradas no CNPJ 25,2 milhões de contribuintes do IRPF 156 milhões de inscritos no CPF Receitas administradas em 2011: R$ 939 bilhões Lançamentos superiores a R$ 115 bilhões 6

11 Comunicação Social da Receita Federal 7 Comunicação Social da Receita Federal Leitura do ambiente (2008) Comunicação não integrada ao nível estratégico Falta de estrutura hierárquica da Comunicação nas unidades Cerca de 500 fontes sem media training Cultura do sigilo fiscal Ausência de verbas para investimento em publicidade 8

12 Comunicação Social da Receita Federal Plano de Comunicação Social Política de Comunicação Social Grupo de Trabalho Informativo interno Manual de Relacionamento com a Imprensa Revista Fato Gerador Blog Fronteira Blindada Media Training 9 Comunicação Social da Receita Federal Início do Media Training Recursos de capacitação limitados Burocracia dos processos licitatórios Gestores sensíveis à necessidade de reforçar a Comunicação Possibilidade de utilizar instrutores da própria Receita 10

13 Comunicação Social da Receita Federal Decisão corajosa Autoridades da Receita Equipe de instrutores Treinandos Quando você vê um negócio bem-sucedido é porque alguém, algum dia, tomou uma decisão corajosa ( Peter Drucker). 11 Comunicação Social da Receita Federal Vantagens do MT caseiro Velocidade (livre das amarras da burocracia) Economia de recursos Conhecimento da realidade da instituição Menor possibilidade de vazamento de informações estratégicas Menor resistência dos treinandos 12

14 Comunicação Social da Receita Federal Objetivos MT gestores Demonstrar a importância do porta-voz Dar dicas práticas em relações a comportamentos verbais e não verbais Familiarizar o gestor com o dia-a-dia da Imprensa Reforçar a importância das mensagens institucionais 13 Comunicação Social da Receita Federal Metodologia MT Gestores Aplicação prévia de um questionário Simulação de entrevistas com gravaçãoexibição e análise de vídeos externos Palestras conversativas Análise individual de desempenho com auxílio de formulário de avaliação Feedback dos instrutores 14

15 Comunicação Social da Receita Federal Objetivos MT Mensagens Institucionais Possibilitar ao gestor a reflexão sobre as atividades da Receita Unificar o discurso da instituição Preparar o gestor para situações de crise 15 Comunicação Social da Receita Federal Metodologia MT Mensagens Institucionais Palestras Exibição e análise de vídeos externos Discussões sobre temas críticos da Receita Federal Preparação de Mensagens Institucionais Simulação de entrevistas coletivas com gravação Feedback dos instrutores 16

16 Comunicação Social da Receita Federal Objetivos MT Assessores Capacitar o assessor para orientar o porta-voz Capacitar o assessor para a produção de textos e para o relacionamento com a imprensa Familiarizar o assessor com o dia-a-dia da imprensa 17 Comunicação Social da Receita Federal Metodologia MT Assessores Oficinas de texto Simulação de entrevistas coletivas com gravação Exibição e análise de vídeos externos Palestras conversativas 18

17 Rodrigo Sais 19

18 ANEXO B Lista de presença

Secretaria da Receita Federal do Brasil. Missão. Valores

Secretaria da Receita Federal do Brasil. Missão. Valores Secretaria da Receita Federal do Brasil Missão Exercer a administração tributária e o controle aduaneiro, com justiça fiscal e respeito ao cidadão, em benefício da sociedade. Respeito ao cidadão Integridade

Leia mais

Você deseja ter habilidade para dar entrevistas a jornalistas?

Você deseja ter habilidade para dar entrevistas a jornalistas? Você deseja ter habilidade para dar entrevistas a jornalistas? Aprimore sua capacidade de dar entrevistas para a imprensa Garanta a imagem pessoal/profissional positiva e a boa reputação O Treinamento

Leia mais

PLANEJAMENTO CEAF 2008

PLANEJAMENTO CEAF 2008 PLANEJAMENTO CEAF 2008 O Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional- CEAF é o órgão responsável pela educação no Ministério Público. Através de projetos educacionais, o CEAF aperfeiçoa a atuação de

Leia mais

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Perfil A Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB desempenha funções essenciais para que o Estado

Leia mais

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO Termo de referência - Treinamento de mídia (media training) para membros e assessores dos gabinetes do Conselho Nacional do Ministério Público 1. Do objeto 1.1 Contratação de

Leia mais

II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Palestrante: Luisa Rocha Cabral

II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Palestrante: Luisa Rocha Cabral 1 II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL Palestrante: Luisa Rocha Cabral Graduada em Administração Pública pela Escola de Governo Professor Paulo Neves

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 19, XX, da Lei Complementar nº 85, de 27 de dezembro de 1999, Considerando

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 0706/12

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 0706/12 RESOLUÇÃO Nº 0706/12 Institui e regulamenta o pagamento pelo exercício de atividade de professor, instrutor ou palestrante de cursos e demais eventos de capacitação promovidos ou apoiados pelo CEAF. O

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE FAZENDA ESCOLA FAZENDÁRIA RELATÓRIO/2009

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE FAZENDA ESCOLA FAZENDÁRIA RELATÓRIO/2009 GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE FAZENDA ESCOLA FAZENDÁRIA RELATÓRIO/2009 O Relatório apresentado consta o resultado do questionário aplicado em todas as Gerências Regionais, Coordenadorias e

Leia mais

MISSÃO VALORES VISÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

MISSÃO VALORES VISÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS MISSÃO Representar, defender, integrar e dignificar a categoria, assegurando direitos e prerrogativas, garantindo a sua atuação e fortalecendo a importância do tributo na construção de uma sociedade justa,

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO . TREINAMENTOS . PROGRAMAS . PALESTRAS PARANAÍBA MS

PLANO DE AÇÃO . TREINAMENTOS . PROGRAMAS . PALESTRAS PARANAÍBA MS PLANO DE AÇÃO. TREINAMENTOS. PROGRAMAS. PALESTRAS PARANAÍBA MS 2015 TREINAMENTO - Ciclo de Palestras - Auxiliar o empresário, ou potencial empreendedor, desde a tomada de decisão de abrir um novo negócio

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014 EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA Abril / 2014 Reflexão Inicial Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (Paulo Freire) Mundo em Crise 30 mil crianças morrem

Leia mais

Construindo a Nova Receita Federal do Brasil. Encontro de Ideias e Inovações na Administração Pública 03 de julho de 2012

Construindo a Nova Receita Federal do Brasil. Encontro de Ideias e Inovações na Administração Pública 03 de julho de 2012 + Construindo a Nova Receita Federal do Brasil Encontro de Ideias e Inovações na Administração Pública 03 de julho de 2012 + MARCOS INSTITUCIONAIS Missão Exercer a administração tributária e aduaneira

Leia mais

Integrar disciplinas de gestão: Um desafio. XXIV Convenção Nacional da ANFIP Manaus, 26 de maio de 2013

Integrar disciplinas de gestão: Um desafio. XXIV Convenção Nacional da ANFIP Manaus, 26 de maio de 2013 Integrar disciplinas de gestão: Um desafio XXIV Convenção Nacional da ANFIP Manaus, 26 de maio de 2013 Equador Colômbia Venezuela Guiana Administração Tributária Suriname Ambiente de Atuação Guiana Francesa

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Serviços e Cidadania

Mostra de Projetos 2011. Serviços e Cidadania Mostra de Projetos 2011 Serviços e Cidadania Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Instituto GRPCOM Cidade: Londrina.

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL CERTIFICAÇÃO DIGITAL LADO BOM Conecta milhões de pessoas pelo mundo Uso diversificado Conforto e agilidade Internet LADO RUIM Risco aos usuários Ataque de hackers Falsificação de documentos Incerteza quanto

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Competências A Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão integrante do Conselho de Governo, tem por objetivo

Leia mais

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE Projeto Corporativo Relacionamento Externo // 1 Apresentação RIALIDE 25 de novembro de 2014 1 Agenda // 2 Contextualização e Objetivos do Projeto Abordagem Metodológica Etapas do Projeto Benchmarking Segmentação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

TMS 2014 Gestão do ISS CCR SSR - SGE

TMS 2014 Gestão do ISS CCR SSR - SGE CCR SSR - SGE TMS de 2014 Objetivo Verificar as condições de organização e funcionamento do controle do ISS TMS de 2014 Razões da escolha 74% dos municípios não realizaram ações fiscais em 2012 (Del. 247/08)

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

Calendário reuniões ENCCLA

Calendário reuniões ENCCLA Nº 11 Fevereiro/2015 Há dez anos, teve início o modelo do hoje reconhecido Programa Nacional de Capacitação e Treinamento para o Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (PNLD). A percepção dos membros

Leia mais

ção Pública. Professor da PUC Minas Virtual leciona nos cursos de pós-graduação em Direito Público. Lecionou como Professor Assistente a Disciplina

ção Pública. Professor da PUC Minas Virtual leciona nos cursos de pós-graduação em Direito Público. Lecionou como Professor Assistente a Disciplina Jair Eduardo Santana Mestre em Direito do Estado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Advogado, parecerista e professor. Presta consultoria e assessoramento técnico para entidades

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 André Luiz Furtado Pacheco, CISA Graduado em Processamento de

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR SÊNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Auditoria Interna na Área de Tecnologia da Informação

Auditoria Interna na Área de Tecnologia da Informação Auditoria Interna na Área de Tecnologia da Informação André Luiz Furtado Pacheco, CISA 4º Workshop de Auditoria de TI da Caixa Brasília, agosto de 2011 Agenda Introdução Exemplos de Deliberações pelo TCU

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho IMPRENSA IT. 36 07 1 / 8 1. OBJETIVO Administrar o fluxo de informações e executar ações de comunicação junto aos públicos interno e externo do Crea GO de forma transparente, ágil, primando pela veracidade

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Programa de Capacitação e Apoio aos Municípios na Ação Fiscal em Tributação Imobiliária

Programa de Capacitação e Apoio aos Municípios na Ação Fiscal em Tributação Imobiliária Programa de Capacitação e Apoio aos Municípios na Ação Fiscal em Tributação Imobiliária Objetivo Apoiar à ação fiscal dos Municípios em tributação imobiliária no Brasil, absorvendo a preocupação com a

Leia mais

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública ZMBAPOG*09/01

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública ZMBAPOG*09/01 MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública ZMBAPOG*09/01 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública Coordenação Acadêmica: Prof. Luiz Antonio

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014 PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014 Abertura de prazo para solicitação de serviços pelas entidades cadastradas no Projeto Serviços e Cidadania e sediadas em Curitiba e Região Metropolitana O

Leia mais

PROFISCO. Brasilia, 29 de setembro de 2014

PROFISCO. Brasilia, 29 de setembro de 2014 PROFISCO Avaliação Intermediária II Brasilia, 9 de setembro de 04 Estrutura da Apresentação Visão Geral Avaliação de Desempenho do PROGRAMA Impactos Avaliação de Desempenho dos PROJETOS Contexto Fiscal

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário)

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Integra o Programa de Unificação do Crédito Previdenciário) PUC 1 (Fazendário e Iniciativa

Leia mais

Plano de Trabalho Anual

Plano de Trabalho Anual Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Fazenda Plano de Trabalho Anual Resultados de Gestão e Progresso das Medidas e Metas do Plano de Trabalho da Receita Pública 2º Bimestre/09 Secretaria

Leia mais

Ação Medida Meta Física Orçamento - 11/2013

Ação Medida Meta Física Orçamento - 11/2013 U n id a d e 0 0 0 9 Ação Medida Meta Física Orçamento - 11/2013 Cod Título Prioritária Unidade Sigla Planejada Executada Orç. Inicial Alterações Autorizado Empenhado Liquidado Pago Saldo E/A L/A L/P 2

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Como o TCU vem implantando a governança de TI

Como o TCU vem implantando a governança de TI Como o TCU vem implantando a governança de TI Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI - Assig - Marisa Alho Chefe de Assessoria Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME APRESENTAÇÃO Este projeto trata do Planejamento de Comunicação da Estratégia da Justiça Militar do Estado do

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE FUNDO E ORÇAMENTO NA EFETIVAÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Eugênia Aparecida Cesconeto 1 Política Social e Serviço Social INTRODUÇÃO O presente artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

PROJETO EXPORTAR BRASIL

PROJETO EXPORTAR BRASIL CNPJ: 10692.348/0001-40 PROJETO EXPORTAR BRASIL Apresentação da GS Educacional A GS Educacional faz parte de um grupo que trabalha há vários anos com cursos e serviços na área de comércio exterior e vem

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO 2 CARTA DE APRESENTAÇÃO Todos nós idealizamos planos, projetos, mudanças e perspectivas de novas realizações. Para atingirmos esses objetivos precisamos constituir nossas ações com persistência, entusiasmo

Leia mais

TNT Cargas e Encomendas Expressas

TNT Cargas e Encomendas Expressas TNT Cargas e Encomendas Expressas Introdução Ação: Programa Road Safety Período: outubro de 2011 - atual Responsável pela ação: Setor de Treinamento de Motoristas E-mail: emerson.lima@tntbrasil.com.br

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Ensino e Aprendizado. www.esaf.fazenda.gov.br

Ensino e Aprendizado. www.esaf.fazenda.gov.br ESAF 40 anos de História, Ensino e Aprendizado www.esaf.fazenda.gov.br Marco Legal Constituição Federal Art.39 2º-EscolasdeGov.paraformaçãodeservidorespúblicos; A União, os Estados e o Distrito Federal

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz Avanços do trabalho desenvolvido no âmbito do Ciclo de Debates sobre Relações Público-Privadas e Compras Públicas Estaduais 13 de novembro de 2014 Relações

Leia mais

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 A relevância e credibilidade dos resultados da pesquisa UPP: O que pensam os policiais foram, sem dúvida, pontos de partida

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais

ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais

ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais O que fazer para: ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais 1 - Acessar o Portal ITR Municípios Conveniados. 1.1 O Portal ITR está disponível exclusivamente para Municípios Conveniados, no e-cac,

Leia mais

Nº OE Objetivos Estratégicos (OE) que se relacionam ao plano de capacitação 3

Nº OE Objetivos Estratégicos (OE) que se relacionam ao plano de capacitação 3 Nº OE Objetivos Estratégicos (OE) que se relacionam ao plano de capacitação 3 3 Investir no recrutamento, capacitação e desenvolvimento de seus profissionais. 7 7 Implementar ações de modernização administrativa

Leia mais

Aeconômica que nosso país

Aeconômica que nosso país 2 Informativo Sescon - Ano V - n 9 - Setembro 2015 A palavra do Presidente Caro leitor, instabilidade política e Aeconômica que nosso país atravessa neste ano, tem c a u s a d o p r e o c u p a ç õ e s,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Receita Federal do Brasil. 20 a 22 de maio de 2015

Receita Federal do Brasil. 20 a 22 de maio de 2015 FOCCO-PB 20 a 22 de maio de 2015. DEFINIÇÃO É um órgão subordinado ao Ministério da Fazenda que exerce funções essenciais para que o Estado possa cumprir seus objetivos. É responsável pela administração

Leia mais

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS 1 Lei Complementar nº 147/2014 SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS Redução drástica dos impostos e burocracia com inclusão no CNPJ 3 APRESENTAÇÃO Simples é uma lei viva, ela

Leia mais

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia.

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. William Edwards Deming Organograma do Ministério da Fazenda

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 Brasília, 09 de maio de 2013. ÁREA: Finanças TÍTULO: Certificado Digital e a Importância para os Municípios. REFERÊNCIA(S): Cartilha SIOPS; Comunicado CGSN/SE nº 3, de 10 de março

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22 ÍNDICE Introdução 2 Missão 4 Visão de Futuro 5 Objetivos Estratégicos 6 Mapa Estratégico 7 Metas, Indicadores e Ações 8 Considerações Finais 22 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do Supremo Tribunal de Federal,

Leia mais

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética Comissão de Ética Introdução As ações desenvolvidas pela Comissão de Ética em 2014 foram pautadas nos parâmetros do Questionário de Avaliação da Ética elaborado pela Comissão de Ética Pública (CEP) que

Leia mais

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Boletim Informativo Edição 01 19 de Março de 2012 ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Controladoria-Geral da União Implementação da Lei de Acesso a Informação A Lei de Acesso à Informação (LAI) representa mais

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Secretaria da Fazenda. Receita Federal do Brasil. Secretaria de Educação do Estado do Ceará CENTRESAF. Secretaria Municipal de Educação de Fortaleza

Secretaria da Fazenda. Receita Federal do Brasil. Secretaria de Educação do Estado do Ceará CENTRESAF. Secretaria Municipal de Educação de Fortaleza PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FISCAL PEF - CEARÁ Programa de Educação Fiscal PEF PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FISCAL PEF - CEARÁ PARCEIROS Secretaria da Fazenda Receita Federal do Brasil Secretaria de Educação do Estado

Leia mais

EDITAL ESAF/CEEAD Nº 01/2013 CURSO SOBRE O IMPOSTO TERRITORIAL RURAL PARA MUNICÍPIOS CONVENIADOS

EDITAL ESAF/CEEAD Nº 01/2013 CURSO SOBRE O IMPOSTO TERRITORIAL RURAL PARA MUNICÍPIOS CONVENIADOS EDITAL ESAF/CEEAD Nº 01/2013 CURSO SOBRE O IMPOSTO TERRITORIAL RURAL PARA MUNICÍPIOS CONVENIADOS A Escola de Administração Fazendária - ESAF torna público que estão abertas as inscrições para o Curso sobre

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional.

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. Sistema de Gerenciamento da Informação Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. O tempo sumiu-1 8 horas dormir; 8 horas trabalhar; 1,5 hora no trânsito;

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Manual de conduta em mídias sociais: o caso da Embrapa

Manual de conduta em mídias sociais: o caso da Embrapa 2º Seminário Nacional de REDES SOCIAIS e E-GOV para Administração Pública Manual de conduta em mídias sociais: o caso da Embrapa Daniel Medeiros daniel.medeiros@embrapa.br @dnmedeiros fb.com/dnmedeiros

Leia mais

PROJETO: REDUÇÃO DA INFORMALIDADE DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS POR MEIO DO DIÁLOGO SOCIAL

PROJETO: REDUÇÃO DA INFORMALIDADE DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS POR MEIO DO DIÁLOGO SOCIAL PROJETO: REDUÇÃO DA INFORMALIDADE DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS POR MEIO DO DIÁLOGO SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORAMENTO II OFICINA DO PILOTO CONSTRUÇÃO CIVIL EM CURITIBA/PR Convênio ATN/ME 11684-BR

Leia mais

Credenciamento para Emissão de NF-e

Credenciamento para Emissão de NF-e S SEFAZ-Se Secretaria de Estado da Fazenda de Sergipe Credenciamento para Emissão de NF-e Manual Versão 1.2 Aracaju (Se), 17/12/2007 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 2. PROCESSSO DE CREDENCIAMENTO PARA EMISSÃO

Leia mais

Gildo Freire de Araújo

Gildo Freire de Araújo A Contabilidade das empresas diante das novas medidas Contador: Gildo Freire de Araújo Cenário atual Os empregadores são obrigados a registrar os eventos trabalhistas de várias maneiras diferentes e a

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX)

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO A determinação do preço de exportação é um dos aspectos mais importantes e decisivos para a conquista e

Leia mais

Administração tributária: as novas tecnologias e os direitos de garantia dos contribuintes

Administração tributária: as novas tecnologias e os direitos de garantia dos contribuintes Administração tributária: as novas tecnologias e os direitos de garantia dos contribuintes Mestre e doutor em direito do Estado pela PUC-SP Professor de Direito Tributário da PUC-SP e do IBET Advogado

Leia mais

TRANSPARÊNCIA NO ATENDIMENTO

TRANSPARÊNCIA NO ATENDIMENTO TRANSPARÊNCIA NO ATENDIMENTO DADOS SOBRE O ATENDIMENTO AO CONTRIBUINTE NA RECEITA FEDERAL RELATÓRIO DE JUNHO DE 2012 Brasília, agosto de 2012 1 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 APRESENTAÇÃO...3 VISÃO GERAL DO ATENDIMENTO

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

Resultados da fiscalização do TCU na área de tecnologia da informação

Resultados da fiscalização do TCU na área de tecnologia da informação Resultados da fiscalização do TCU na área de tecnologia da informação Apresentação para a Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Secretaria de Fiscalização de TI Sefti

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Prestação de Serviços de Treinamento para Atendimento a Usuários de TIC

TERMO DE REFERENCIA. Prestação de Serviços de Treinamento para Atendimento a Usuários de TIC TERMO DE REFERENCIA Prestação de Serviços de Treinamento para Atendimento a Usuários de TIC 1. OBJETO Contratação de empresa para prestação de serviço(s) de treinamento para os servidores da área de atendimento

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados Mauro Ricardo Machado Costa Dezembro/2008 1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados PLANEJAMENTO

Leia mais

Experiência: Mudança de Paradigma na Prestação de Serviços pela Receita Federal do Brasil

Experiência: Mudança de Paradigma na Prestação de Serviços pela Receita Federal do Brasil Experiência: Mudança de Paradigma na Prestação de Serviços pela Receita Federal do Brasil Receita Federal do Brasil - Coordenação-Geral de Tecnologia e Segurança da Informação COTEC Ministério da Fazenda

Leia mais

Objetivos, ações e resultados do projeto Governança Cooperativa Elvira Cruvinel Ferreira Ventura

Objetivos, ações e resultados do projeto Governança Cooperativa Elvira Cruvinel Ferreira Ventura Objetivos, ações e resultados do projeto Governança Cooperativa Elvira Cruvinel Ferreira Ventura Brasília, 25 de abril de 2008 http://www.bcb.gov.br/?govcoop 1 O Projeto Governança Cooperativa Diretrizes

Leia mais

1. As Propostas da UGT para a Reforma Fiscal (tanto do lado da despesa quando do lado da receita)

1. As Propostas da UGT para a Reforma Fiscal (tanto do lado da despesa quando do lado da receita) 1. As Propostas da UGT para a Reforma Fiscal (tanto do lado da despesa quando do lado da receita) CORTE DE DESPESA 1. Redução do Número de Ministérios, que hoje são 39 (os Estados Unidos possuem 15 ministérios

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 Curso de Bacharelado em administração COMÉRCIO EXTERIOR t COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: DISCENTES: Desempenho

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA THASIANA MARIA KUKOLJ DA LUZ

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA THASIANA MARIA KUKOLJ DA LUZ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA THASIANA MARIA KUKOLJ DA LUZ O CONCURSO PÚBLICO NA GESTÃO PÚBLICA RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE

Leia mais

Prêmio Ouvidorias Brasil. Edição 2015

Prêmio Ouvidorias Brasil. Edição 2015 Prêmio Ouvidorias Brasil Edição 2015 1. Inscrições a) Quem poderá participar do Prêmio Ouvidorias Brasil edição 2015? Poderá se inscrever e participar do Prêmio Ouvidorias Brasil edição 2015 organizações

Leia mais