INP Experiência do ensino com a Indústria Petrolífera (Os Desafios do Pré-Sal)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INP Experiência do ensino com a Indústria Petrolífera (Os Desafios do Pré-Sal)"

Transcrição

1 INP Experiência do ensino com a Indústria Petrolífera (Os Desafios do Pré-Sal) Luanda 15 de Novembro de 2012

2 Agenda 2 Considerações Gerais Missão do INP Ensino Médio Formação Profissional Formação Personalizada Infraestruturas Laboratórios Simulador de Produção Centro de Formação de Combate a Incêndios Indicadores Relação com a Indústria Perspectivas Conclusões

3 Considerações Gerais 3 O Instituto Nacional de Petróleos (INP) surgiu através do Decreto Executivo Conjunto nº 84/83, de 15 de Setembro do Ministério da Educação e do Ministério dos Petróleos. O INP fica situado a 13 KM da Cidade do Sumbe.

4 Missão do INP 4 Formar Técnicos Médios de Petróleos qualificados do I e II ciclos de formação. Especializar em ramos profissionais dos petróleos os trabalhadores ligados ao sector, bem como promover a sua actualização técnica, reconversão e aperfeiçoamento. Proporcionar cursos de instrução e treinamento e promover a investigação no domínio da tecnologia dos petróleos. Organizar conferências, seminários, grupos de estudo e outras iniciativas que permitam complementar os cursos e as especializações por objectivo.

5 Ensino Médio 5 Os cursos ministrados no INP, de acordo com a reforma Curricular respondem globalmente à totalidade dos requisitos da Indústria Petrolífera e cobrem as necessidades de técnicos médios desde a Prospecção à Refinação. Prospecção Perfuração Produção Processamento de Gás Refinação Manutenção Instrumentação,Electricidade, Mecânica

6 Ensino Médio 6 Instrument Industrial Geologia Petrolífera Perf. & Produção Minas Geologia e Minas < Cursos Após Cursos Perfuração e Produção Mec. Manut. Industrial Mecânica Manut. Industrial Proces. Gás Operador Refinaria

7 Formação Profissional 7 A Formação Profissional constitui o segundo segmento de formação ao nível do INP. Instrumentação Electricidade Industrial Operadores de Produção Caldeiraria,Maquinação Segurança Industrial Processamento de Gas Mecânica e Manutenção Industrial Soldadura Máquinas C N C Mecatrónica Para responder às necessidades de formação de todas as companhias públicas e privadas, O INP dispõe de algumas áreas da Formação Profissional adaptáveis em função das necessidades específicas do sector.

8 Formação Personalizada 8 Cada empresa tem a sua própria identidade e necessidades, por isso em conjunto com as empresas elaboramos planos de formação específicos. Diagnóstico Centrado nos perfis profissionais Avaliação Saberes e Contínua Concepção Orientado para formação Modular Formação Pedagogia Exigência. Prática Planeamento Orientado para necessidades Flexível

9 Infraestruturas 9 Item Rate Salas de Aula % Laboratórios % Oficinas Didácticas % Simulador de Produção/DCS/Delta V 1 1 0% Centro de Combate a Incêndios % ALOJAMENTOS Item Rate Acomodação Ensino Médio % Acomodação Formação Profissional %

10 Infraestruturas 10 Educação Cívica Saúde Desporto Alojamentos

11 Infraestruturas 11 Wi-Fi TV Cabo Auditório Biblioteca Segurança Energia e Água Salas de Aulas

12 Laboratórios 12 Máquinas eléctricas, Electrónica, Pneumática, Hidráulica, Quimica, Física, Instrumentação e Informática

13 Simulador de Produção 13 Permite recriar a realidade de uma instalação petrolífera operada manualmente ou por uma sala de controle equipada com um controlador Analógico e um Digital (Delta V versus DCS).

14 Centro de Formação de Combate a Incêndios 14 O trabalho na Indústria petrolífera requer que a segurança, a higiene e o meio ambiente estejam no topo das responsabilidades institucionais. Esta área tem como objectivo, para além do combate a incêndios, ministrar formação em outras disciplinas igualmente importantes: Vigilante do Fogo, Entrada em Espaços Confinados, Bloqueio e Etiquetagem, Análise de Riscos, etc.

15 Corpo Docente 15 Corpo Docente Multidisciplinar consnstituido por aproximadamente 60 professores maioritariamante Angolanos formados em várias áreas da Ciência e Engenharia. O INP leva a cabo regularmente acções de formação e superação dos seus docentes nas áreas técnica, pedagógica e língua Inglesa dentro e fora do País.

16 Indicadores 16 TÉCNICOS MÉDIOS JÁ FORMADOS Curso Número de Técnicos Perfuração e Produção 949 Mecânica de Manutenção Industrial 584 Geologia e Minas 552 Geologia de Prospecção 33 Tecnologia Submarina 100 Total 2218

17 Indicadores 17 ENSINO MÉDIO Projecção do Nº Finalistas

18 Indicadores 18 Formação Profissional Nº Formandos/Área

19 Relação com a Indústria 19 Formação específica Formação de técnicos em Tecnologia Submarina para grupo de empresas ligadas a tecnologia de águas profundas (FMC, AKER Solutions ) Formação em Movimentação e Controlo de Hidrocarbonetos para os técnicos das Alfândegas e Polícia Fiscal Operadores de ROV (Veículos submarinos teleguiados) para a Oceaneering Formação de Técnicos Médios para a Indústria da SADC e PALOPS

20 Relação com a Indústria 20 Acções Visitas de Estudo Estágios Profissionais Participação em Conferências e Palestras Sessões de Selecção e Recrutamento Vistas e reuniões de trabalho no INP Reuniões de Trabalho nas companhias Acções de Formação para companhias Troca de conhecimento técnico Semana Científica do INP Protocolo de Cooperação

21 Perspectivas 21 Projectos Futuros e sinergias com o INP Exploração e Produção de Petróleo do Pre-Sal Trabalhar com especialistas da Indústria e Tecnologia Projecto LNG Refinaria do Lobito Estaleiros Navais Caminhos de Ferro Projectos Industriais no Kuanza-Sul Projectos Metalomecânicos Actualização e adequação dos conteúdos Programáticos Oficinas e laboratórios equipados Novo Centro Tecnológico - 36 Cabines Soldadura - Caldeiraria - Maquinação - Máquinas CNC - Laboratório Proc. Gas - Ensaios Destrutivos e não Destrutivos - Mecatrónica Simulador de Produção Simulador de Perfuração e Completação

22 Perspectivas relacionadas com a Exploração e Produção de Petróleo do Pre-Sal 22 Curso / Formação Geologia Petrolífera (Geociências) Perfuração Produção Actualização / Adequação - Sísmica do Pré Sal - Estudo das bacias sedimentares relacionadas com Pré Sal na costa Africana e Americana - Programas de avaliação da formação e caracterização dos reservatórios carbonáticos - Perfuração em águas ultra profundas - Solução de Problemas na Perfuração do Sal -Perfuração em HPHT -Sistemas de Produção Submarinos - Separação submarina de fluídos e impulsão - Manuseamento de CO 2 - Tubagens submarinas e instalações flutuantes

23 Perspectivas relacionadas com a Exploração e Produção de Petróleo do Pre-Sal 23 Curso / Formação Manutenção Actualização / Adequação - Automação e Sistemas remotos de controle Segurança - CO 2 (Procedimentos de segurança) Formação Profissional -Soldadura -Tubagens - Estruturas metálicas - ROV - Controlo e movimento de Hidrocarbonetos

24 Conclusão 24 Com sinergias desenvolvidas com a Indústria Com parcerias e protocolos de cooperação e com Instituições de vários Países Com trabalho árduo para ter no INP o que de melhor existe no caminho do Sucesso e da Excelência para a Indústria, Pretendemos continuar a ser uma escola de Referência para o Sector na Região.

25 OBRIGADO THANK YOU INSTITUTO NACIONAL DE PETRÓLEOS Km 13, Estrada Sumbe/Porto Amboim Caixa Postal 240 Sumbe, Kwanza-Sul, Angola Telef./ Fax: Telef.: Website:

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Área de Especialização em Energias Renováveis e Sistemas de Potência Edição 2007/2008 Enquadramento Especialização de Energias Renováveis e Sistemas

Leia mais

O Instituto Hidrográfico (IH): Ciência e Tecnologia do Mar ao serviço dos Países da Lusofonia

O Instituto Hidrográfico (IH): Ciência e Tecnologia do Mar ao serviço dos Países da Lusofonia O Instituto Hidrográfico (IH): Ciência e Tecnologia do Mar ao serviço dos Países da Lusofonia Carlos Ventura Soares Capitão-de-mar-e-guerra Engenheiro Hidrógrafo DIRECTOR TÉCNICO Encontro sobre Produtos

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Discurso de abertura de sua excelência, ministra do ensino superior e da ciência e tecnologia, profª doutora maria cândida pereira

Leia mais

Sistema Educativo Português 2011/2012

Sistema Educativo Português 2011/2012 Sistema Educativo Português 011/01 Objectivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades e valores profissionais) Auto Conhecimento; Explorar o Mundo das Profissões; Explorar as oportunidades

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE SETEMBRO-2007 SETEMBRO/06 AGOSTO/07 SETEMBRO/07 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 7946

Leia mais

Mapa de testes finais e exames ano letivo 2013/2014

Mapa de testes finais e exames ano letivo 2013/2014 disc Unidade curricular Sala 1 contabilidade 35 2 1129 contabilidade geral I 15-01-2014 qua 04-02-2014 ter 07-07-2014 seg 01-09-2014 seg 1 contabilidade 35 2 1130 economia 22-01-2014 qua 08-02-2014 sáb

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Engenharia Civil Cabo Frio SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólidos conhecimentos tecnológicos

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luis da Silva

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luis da Silva UFV Catálogo de Graduação 2013 141 ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Charles Luis da Silva charles.silva@ufv.br 142 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da

Leia mais

CRIAÇÃO DO GRUPO TÉCNICO DE ESTUDO PARA A EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO CONJUNTAS DE HIDROCARBONETOS NO ESPAÇO DA CPLP

CRIAÇÃO DO GRUPO TÉCNICO DE ESTUDO PARA A EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO CONJUNTAS DE HIDROCARBONETOS NO ESPAÇO DA CPLP CRIAÇÃO DO GRUPO TÉCNICO DE ESTUDO PARA A EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO CONJUNTAS DE HIDROCARBONETOS NO ESPAÇO DA CPLP Índice 1. Contexto..3 2. Criação do Grupo Técnico de Estudo para a Exploração e Produção de

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luís da Silva

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luís da Silva UFV Catálogo de Graduação 2014 271 ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Charles Luís da Silva charles.silva@ufv.br 272 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica

Leia mais

Listagem de UC por curso

Listagem de UC por curso Listagem de UC por curso Semestre * 2015-16 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Administração Pública Direito Administrativo Contabilidade Financeira Introdução aos Estudos das Organizações Fundamentos

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Estratégia Tecnológica da Petrobras

Estratégia Tecnológica da Petrobras Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil Rio de Janeiro, 1º de setembro de 2011 Estratégia Tecnológica da Petrobras Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do CENPES Petrobras no mundo

Leia mais

MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO ou

MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO ou DADOS PESSOAIS NOME Data de Nascimento Nacionalidade Contacto Residência MARIA JULIETA DE MENEZES OCTÁVIO 21de Maio de 1953 Angolana 912215832 ou 92372767 julietaoctavio21@hotmail.com julietaoctavio@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO CERIMÓNIA DE INÍCIO DAS ACTIVIDADES LECTIVAS ANO ACADÉMICO 2014 BALANÇO ACADÉMICO

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO CERIMÓNIA DE INÍCIO DAS ACTIVIDADES LECTIVAS ANO ACADÉMICO 2014 BALANÇO ACADÉMICO UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO CERIMÓNIA DE INÍCIO DAS ACTIVIDADES LECTIVAS ANO ACADÉMICO 2014 BALANÇO ACADÉMICO ESTRUTURA ACTUAL DA UAN A UAN encontra-se estruturada em Unidades Orgânicas: 1. FACULDADES

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE JANEIRO/07 DEZEMBRO/07 JANEIRO/08 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 8895 100,0 8773

Leia mais

Parque Tecnológico Itaipu

Parque Tecnológico Itaipu Parque Tecnológico Itaipu Parque Tecnológico Itaipu Missão do PTI Compreender e transformar a realidade da Região Trinacional do Iguassu, articulando e fomentando ações voltadas ao desenvolvimento econômico,

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. O Conhecimento como Paixão. A Engenharia como Profissão!

Instituto Politécnico de Setúbal. O Conhecimento como Paixão. A Engenharia como Profissão! O Conhecimento como Paixão A Engenharia como Profissão! Cursos de Engenharia Cursos de Tecnologia Engenharia do Ambiente Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Possíveis Saídas Profissionais: As engenheiras e os engenheiros electrotécnicos podem exercer a sua actividade profissional em: a) projecto de instalações eléctricas,

Leia mais

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Timothy Mulholland O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 Universidade de Brasília

Leia mais

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Reservas Petrolíferas do Pré-Sal Audiência Pública

Leia mais

Captura e Transporte de CO 2 Introdução às tecnologias e os seus desafios Dulce Boavida LNEG

Captura e Transporte de CO 2 Introdução às tecnologias e os seus desafios Dulce Boavida LNEG ARMAZENAMENTO DE CO 2 NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO OPORTUNIDADES NA CPLP Lisboa 19.Setembro.2013 Captura e Transporte de CO 2 Introdução às tecnologias e os seus desafios Dulce Boavida LNEG Laboratório

Leia mais

Cursos Profissionais

Cursos Profissionais Ensino Secundário - Cursos Científico-Humanísticos Artes Visuais Línguas e Humanidades Ciências Socioeconómicas Ciências e Tecnologias Agrupamento de Escola de Anadia Cursos Profissionais Condições de

Leia mais

Momento CPLP em Guiné-Bissau Conferência: Ensino Superior no espaço CPLP: Que oportunidades?

Momento CPLP em Guiné-Bissau Conferência: Ensino Superior no espaço CPLP: Que oportunidades? Roberto Bedrikow Fundação de Rotarianos de São Paulo FRSP Momento CPLP em Guiné-Bissau Conferência: Ensino Superior no espaço CPLP: Que oportunidades? Sobre a Fundação Em 1946, num cenário mundial de profundas

Leia mais

RELAÇÃO DE CURSOS SUPERIORES DA ÁREA TECNOLÓGICA DO SISTEMA CONFEA-CREA

RELAÇÃO DE CURSOS SUPERIORES DA ÁREA TECNOLÓGICA DO SISTEMA CONFEA-CREA APÊNDICE I RELAÇÃO DE CURSOS SUPERIORES DA ÁREA TECNOLÓGICA DO SISTEMA CONFEA-CREA Agrimensor Engenheiro Aeronáutico Engenheiro Agrícola Engenheiro Agrimensor Engenheiro Agrônomo Engenheiro Ambiental Engenheiro

Leia mais

Apresentação ao Comitê de Negócios 01/07/2004

Apresentação ao Comitê de Negócios 01/07/2004 Fórum Regional do PROMINP - PE Apresentação ao Comitê de Negócios Pré Workshop 18/01/2006 01/07/2004 Fórum Regional do PROMINP MG Estabelecimento da REDE PETRO-MG, como rede inicial da Rede Brasil de Tecnologia

Leia mais

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Roberto Murilo Carvalho de Souza Gerente de Estratégia Tecnológica CENPES PETROBRAS

Leia mais

Formação e Consultoria Especializada

Formação e Consultoria Especializada Formação e Consultoria Especializada em prol de uma Angola cada vez mais segura e próspera Elite de Instrutores internacionalmente reconhecidos ao serviço das forças especiais e profissionais de segurança

Leia mais

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico Do Porto A.1.a.

Leia mais

Tabela das correspondências dos cursos de engenharia professados em escolas nacionais e as especialidades estruturadas na Ordem

Tabela das correspondências dos cursos de engenharia professados em escolas nacionais e as especialidades estruturadas na Ordem Tabela das correspondências dos cursos de engenharia professados em escolas nacionais e as especialidades estruturadas na Ordem [de acordo com a alínea h) do artigo 147º do Estatuto da Ordem dos Engenheiros,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro IFRJ Campus Paracambi MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICA EM INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS INDUSTRIAIS 2º SEMESTRE 2015 UMA ÓTIMA OPORTUNIDADE PARA VOCÊ AMPLIAR SEU CONHECIMENTO E IMPULSIONAR SUA CARREIRA. A Especialização Técnica

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO Licenciatura em Engenharia Ambiental e de Gestão de Desastres ( LEBA-GD ) 1 A UNIVERSIDADE

Leia mais

PORTFOLIO. Cursos a Distância 157 programas

PORTFOLIO. Cursos a Distância 157 programas PORTFOLIO Cursos a Distância 157 programas Iniciação Profissional - Competência Transversal: 13 cursos Consumo Consciente de Energia - 14h Desenho Arquitetônico - 14h Educação Ambiental - 14h Empreendedorismo

Leia mais

TRABALHOS ACEITOS PARA APRESENTAÇÃO ORAL

TRABALHOS ACEITOS PARA APRESENTAÇÃO ORAL TRABALHOS ACEITOS PARA APRESENTAÇÃO ORAL ÁREAS TRABALHOS LOCAL SOCIOLOGIA LÍNGUA INGLESA A VIDA DE JOÃO DE SANTO CRISTO INCORPORADA NA REALIDADE DOS JOVENS BRASILEIROS. SOLUÇÃO PARA A MIGRAÇÃO E O ENVOLVIMENTO

Leia mais

Resolução nº 037, de 22 de junho de 2011.

Resolução nº 037, de 22 de junho de 2011. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

SOLID SOLUTIONS FULL CONTROL

SOLID SOLUTIONS FULL CONTROL SOLID SOLUTIONS FULL CONTROL SOLUÇÃO CLIENTE MISSÃO, VISÃO E OBJETIVOS MISSÃO: trabalhar com as industrias Alimentar & Bebidas, Farmacêutica & Cosmética, Química e Vinícola, no desenvolvimento e implementação

Leia mais

ANGOLA. Como Melhorar o Acesso à Informação em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, de Junho de 2007

ANGOLA. Como Melhorar o Acesso à Informação em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, de Junho de 2007 SEMINÁRIO e-portuguese Como Melhorar o Acesso à Informação Científica e Técnica T em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, 11-15 15 de Junho de 2007 ANGOLA Participantes: Edna Nascimento (Psicóloga)

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO DE LICENCIATURA NO EXTERIOR DO PAÍS EDITAL ARTIGO I Princípios

PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO DE LICENCIATURA NO EXTERIOR DO PAÍS EDITAL ARTIGO I Princípios PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO DE LICENCIATURA NO EXTERIOR DO PAÍS EDITAL 2013 ARTIGO I Princípios A Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (SONANGOL E.P.) torna público os critérios e as etapas necessárias

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 0 ETEC Paulino Botelho Ensino Técnico Código: 09 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica Qualificação:

Leia mais

Fórum do Setor Metalúrgico e Metalomecânico Amarante, 6 de março de 2012 A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NO SETOR E NA REGIÃO

Fórum do Setor Metalúrgico e Metalomecânico Amarante, 6 de março de 2012 A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NO SETOR E NA REGIÃO Fórum do Setor Metalúrgico e Metalomecânico Amarante, 6 de março de 2012 A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NO SETOR E NA REGIÃO 1 ÍNDICE 1. A Formação Profissional no Setor Metalúrgico e Metalomecânico O CENFIM

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação

Leia mais

GABARITOS DEFINITIVOS EDITAL 32/2015

GABARITOS DEFINITIVOS EDITAL 32/2015 GABARITOS DEFINITIVOS EDITAL 32/2015 PROFESSOR ADMINISTRAÇÃO C D A B C E D B A E D A B D * A E C B D C A * E C B A C E B D E * C B * C A E B PROFESSOR AQUICULTURA PROFESSOR AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL C D A B

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA MECÂNICA. Primeiro Semestre (manhã)

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA MECÂNICA. Primeiro Semestre (manhã) MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA MECÂNICA Primeiro Semestre (manhã) Introdução a Mecânica 36 h - Cálculo I 90 h Básico - Desenho Técnico I 72 h Básico - Química Geral 72 h Básico - Introdução à Programação

Leia mais

Mestrado Segurança e Higiene no Trabalho Edição 2007/2008

Mestrado Segurança e Higiene no Trabalho Edição 2007/2008 Mestrado Segurança e Higiene no Trabalho Edição 2007/2008 Enquadramento e Objectivos O Mestrado em Segurança e Higiene no Trabalho é uma realização conjunta da Escola Superior de Tecnologia de Setúbal

Leia mais

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002.

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002. RESOLUÇÃO CONSEPE 44/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, DO CÂMPUS ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que

Leia mais

COUTINHO, Márcio André da Rocha RUA ARTUR FÃO LUGAR DO VISO Nº CAMINHA

COUTINHO, Márcio André da Rocha RUA ARTUR FÃO LUGAR DO VISO Nº CAMINHA DADOS PESSOAIS Nome Morada Telefone E-mail Página Pessoal COUTINHO, Márcio André da Rocha RUA ARTUR FÃO LUGAR DO VISO Nº 101 4910-465 CAMINHA 91 38 77 221 coutinho.rocha@gmail.com andrercoutinho@outlook.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais SETEMBRO 2016 O SUCH hoje O SUCH - Serviço de Utilização Comum dos Hospitais, é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja Missão visa promover a redução

Leia mais

Engenharia de Inovação. Matriz curricular

Engenharia de Inovação. Matriz curricular Engenharia Inovação Matriz curricular O que é o ISITEC? O Instituto Superior Inovação e Tecnologia ISITEC - é uma instituição ensino superior que implementou no ano 2015 a primeira graduação em Engenharia

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Física

Mestrado Integrado em Engenharia Física DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 1 Mestrado Integrado em Engenharia Física Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 1 DGES

Leia mais

DISCIPLINA Turmas DIA TURNO Períodos SALA ÁLGEBRA II LM11 2 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EC11 EP11 6 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

DISCIPLINA Turmas DIA TURNO Períodos SALA ÁLGEBRA II LM11 2 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EC11 EP11 6 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO ÁLGEBRA II LM11 2 N 1234 1202 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EC11 EP11 6 N 1234 1202 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EQ11 2 T 1234 2209 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EE11 EP12 LF11 2 M 45 1203 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EE11

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo. Peter Drucker A escola é uma âncora de identidades e temperamentos, modelando-se numa diversidade de expectativas, desígnios e projetos. A ESEN acolhe estas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E GESTÃO DO EQUIPAMENTO Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E GESTÃO DO EQUIPAMENTO Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular PLANEAMENTO E GESTÃO DO EQUIPAMENTO Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Turismo 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SOLDAGEM

CURSO TÉCNICO EM SOLDAGEM CURSO TÉCNICO EM SOLDAGEM O Curso Técnico de Nível Médio em Soldagem, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas de estágio

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET Descrição do Curso: Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET - Curso de Engenharia Industrial - - Habilitação em Química e Habilitação

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2009.1 CORPO DOCENTE 2009.1 Auto-avaliação docente - 2009.1 Pontualidade no início e término das aulas 14,29% 28,57% Compatibilidade

Leia mais

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha 20-03-2014 1 O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos Maria José Cunha 20-03-2014 2 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MISSÃO Formar profissionais

Leia mais

5 dezembro 2014 (sexta-feira) Sessões de palestras 3 e 4 dezembro 2014 (quarta e quinta-feira) Cursos de formação PROGRAMA

5 dezembro 2014 (sexta-feira) Sessões de palestras 3 e 4 dezembro 2014 (quarta e quinta-feira) Cursos de formação PROGRAMA 5 dezembro 2014 (sexta-feira) Sessões de palestras 3 e 4 dezembro 2014 (quarta e quinta-feira) Cursos de formação PROGRAMA Abertura Sessão 1: O conhecimento geológico de base Sessão 2: Georrecursos e atração

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET. - Curso de Engenharia Mecânica

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET. - Curso de Engenharia Mecânica Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET - Curso de Engenharia Mecânica Currículo 2013/01 Descrição do Curso: O Curso de graduação em Engenharia

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

CALENDÁRIO DE EXAMES ÉPOCA ESPECIAL TRABALHADOR-ESTUDANTE/FINALISTAS 2013/2014 GESTÃO E INFORMÁTICA

CALENDÁRIO DE EXAMES ÉPOCA ESPECIAL TRABALHADOR-ESTUDANTE/FINALISTAS 2013/2014 GESTÃO E INFORMÁTICA GESTÃO E INFORMÁTICA Introdução à Contabilidade 15-Set. 18h00 1 - Ed.1 10-Set. 18h00 1 - Ed.1 Sistemas de Exploração e Aplicações Informáticas 11-Set. 18h00 CI 1 Métodos Matemáticos Gestão e Organização

Leia mais

S M E Comissão de Energia 28/04/2010

S M E Comissão de Energia 28/04/2010 Oportunidades e Desafios do Pré-Sal S M E Comissão de Energia 28/04/2010 HIDROCARBONETOS Definição Compostos orgânicos constituídos de átomos de carbono e hidrogênio. PETRÓLEO INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E DESEMPENHO DA PESQUISA CIENTÍFICA NO BRASIL. Simon Schwartzman. Quadros do capítulo II

ORGANIZAÇÃO E DESEMPENHO DA PESQUISA CIENTÍFICA NO BRASIL. Simon Schwartzman. Quadros do capítulo II ORGANIZAÇÃO E DESEMPENHO DA PESQUISA CIENTÍFICA NO BRASIL Simon Schwartzman Quadros do capítulo II Quadro II.1 - Campos de especialização das unidades de pesquisa a) Unidades de pesquisa em ciências biológicas

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE: Engenharia Civil, Educação Física, Gastronomia, Estética e Cosmética e Arquitetura ra e Urbanismo

COORDENAÇÃO DO CURSO DE: Engenharia Civil, Educação Física, Gastronomia, Estética e Cosmética e Arquitetura ra e Urbanismo COORDENAÇÃO DO CURSO DE: Engenharia Civil, Educação Física, Gastronomia, Estética e Cosmética e Arquitetura ra e Urbanismo UNIDADE: Parnaíba A Faculdade FAP/ MAURÍCIO DE NASSAU, sediada na BR 343, Km 7,5,

Leia mais

A- INSTITUIÇÃO DE ENSINO

A- INSTITUIÇÃO DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE FISIOTERAPIA FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Elevadas Taxas de Mortalidade FONTE: MTE - ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA RAIS MPS - ANUÁRIO ESTATÍSTICO

CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Elevadas Taxas de Mortalidade FONTE: MTE - ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA RAIS MPS - ANUÁRIO ESTATÍSTICO CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Elevadas Taxas de Mortalidade FONTE: MTE - ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA RAIS MPS - ANUÁRIO ESTATÍSTICO CENÁRIO ATUAL DE SSO NA MINERAÇÃO Carência de informações sobre riscos

Leia mais

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L Mapa de Pessoal para o Ano de 0 - artigos 4.º e 5.º da Lei n.º -A/008 Unidades s/subunidades s Cargo/carreira /categoria Chefe de divisão - Dirigente intermédio

Leia mais

INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO

INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO ANO LECTIVO 2008/2009 (2º SEMESTRE) APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA PROFª ANA AMBRÓSIO DE SOUSA LISBOA, MARÇO DE 2009 INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO ANO LECTIVO 2008/2009 2º SEMESTRE APRESENTAÇÃO

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A MISSÃO DO REGULADOR FERROVIÁRIO HOJE E NUM CONTEXTO DE UMA REDE ONDE PODERÃO CIRCULAR MÚLTIPLOS OPERADORES FERROVIÁRIOS DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Curso: ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA Curriculo: 0002-B DISCIPLINAS EM OFERTA 2º Semestre de NOT

Curso: ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA Curriculo: 0002-B DISCIPLINAS EM OFERTA 2º Semestre de NOT GR02149 GR02152 GR02161 GR02173 GR02177 SEMESTRE 1 Carga Horária Docentes Algoritmos Computacionais 72.00 Não ofertada no 2º semestre de 2016 Cálculo Fundamental 72.00 Não ofertada no 2º semestre de 2016

Leia mais

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MESTRADO EM ENGENHARIA ALIMENTAR SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Sistema de controlo simples e lógico COMO FAZER O FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore Ana Santos,

Leia mais

É a produção de bens materiais, além dos agrícolas, por empresas não artesanais. Este termo começou a ser utilizado a partir da 1ª Revolução

É a produção de bens materiais, além dos agrícolas, por empresas não artesanais. Este termo começou a ser utilizado a partir da 1ª Revolução É a produção de bens materiais, além dos agrícolas, por empresas não artesanais. Este termo começou a ser utilizado a partir da 1ª Revolução Industrial, que se iniciou em Inglaterra no século XVIII. Indústria

Leia mais

Engenharia de Petróleo e Gás/ CST em Petróleo e Gás/ Engenharia Química

Engenharia de Petróleo e Gás/ CST em Petróleo e Gás/ Engenharia Química Engenharia de Petróleo e Gás/ CST em Petróleo e Gás/ Engenharia Química Curso de Engenharia de Petróleo e Gás - Objetivo do curso O objetivo geral do Curso de Engenharia de Petróleo é formar engenheiros

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) A Didática e os fundamentos educacionais

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

Catálogo de Formação

Catálogo de Formação Cérebro Centro de Formação, Lda. Sede: Av. José Afonso, nº. 92, cv Cavaquinhas, Arrentela, 2840-735 Seixal Tel./Fax: 212 225 028 Telem.: 912 583 546 info@cerebro-online.com Direcção: Engª. Manuela Partidário

Leia mais

Plano de Normalização 2016 (Previsão de edição em 2016/2017)

Plano de Normalização 2016 (Previsão de edição em 2016/2017) ONS/OGCT: APEE - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ÉTICA EMPRESARIAL Ética e responsabilidade socials CT 179 - ORGANIZAÇÕES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Projeto prnp 4552:2016 Sistema de gestão da conciliação entre

Leia mais

Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de São Roque Cursos de Educação e Formação de Jovens Tipo 2 Oferta formativa 2008/2009. Curso: Cozinheiro/a

Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de São Roque Cursos de Educação e Formação de Jovens Tipo 2 Oferta formativa 2008/2009. Curso: Cozinheiro/a Curso: Cozinheiro/a Condições de admissão: Idade igual ou superior a 15 anos Certificado do 6º ano de escolaridade / Frequência do 7º ou 8º anos de escolaridade Competência Geral: O/A Cozinheiro/a é o/a

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

C URRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL EXPERIÊNCIA GUIMARÃES PORTUGAL. Solteira.

C URRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL EXPERIÊNCIA GUIMARÃES PORTUGAL. Solteira. C URRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome ANDREIA SOFIA MIRANDA SOARES. Morada RUA DOS MÁRTIRES, Nº 742, 2º DIREITO AZURÉM, 4810-054 GUIMARÃES PORTUGAL. Telefone 253513750 / 965619858. Bilhete de Identidade

Leia mais

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA Seminário sobre o Trem de Alta Velocidade Federaçã ção o das Indústrias do Estado de São S o Paulo FIESP Agência Nacional de Transportes terrestres

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS Os recursos humanos que atuarão no Curso de Licenciatura

Leia mais

DISCIPLINAS MÓDULO 01

DISCIPLINAS MÓDULO 01 Matriz Curricular do Curso Subsequente Técnico em Edificações Educação Profissional Técnica de Nível Médio IFBA - Campus Ilhéus Período de Vigência: 2012.2 ao atual S MÓDULO 01 1º MÓDULO: FUNDAMENTOS Pré-requisito:

Leia mais

- Sobre o Curso: - Missão da FAESA

- Sobre o Curso: - Missão da FAESA - Sobre o Curso: Descrição: O Curso de Engenharia Sanitária e Ambiental foi criado a partir do curso de Engenharia Sanitária, com o objetivo de incrementar o mercado profissional brasileiro com mão-de-obra

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

A cidade do Lobito A nível nacional A nível do município Considerações finais Referências bibliográficas

A cidade do Lobito A nível nacional A nível do município Considerações finais Referências bibliográficas - - - - - - Uma reflexão sobre a Integração Curricular das TIC 1 em Angola. Um caso particular: as escolas do ensino secundário do município do Lobito Por: Afonso Santos. Docente Assistente do ISCED 2

Leia mais

Considerando o disposto no Estatuto e Regimento Geral da UFCG;

Considerando o disposto no Estatuto e Regimento Geral da UFCG; RESOLUÇÃO Nº 05/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Estabelece a estrutura curricular do Curso de Graduação em de Petróleo,

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E

Leia mais

Art. 1º Aprovar, em extrato, o Instrumento de Avaliação para Reconhecimento de Cursos Superiores de Tecnologia, anexo a esta Portaria.

Art. 1º Aprovar, em extrato, o Instrumento de Avaliação para Reconhecimento de Cursos Superiores de Tecnologia, anexo a esta Portaria. SIC 01/09 Belo Horizonte, 06 de janeiro de 2009. RECONHECIMENTO. CURSOS DE TECNOLOGIA, BACHARE- LADO E LICENCIATURA, E DIREITO. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PORTARIAS Nºs 1, 2 E 3, PUBLICADAS DIA 06/01/09

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Estrutura Modular por Disciplina Candidatura 2010 / DISCIPLINA: Português

CURSO TÉCNICO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Estrutura Modular por Disciplina Candidatura 2010 / DISCIPLINA: Português CURSO TÉCNICO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Estrutura Modular por Disciplina Candidatura 2010 / 2013 DISCIPLINA: Português 1 10 Textos de Carácter Autobiográfico 28.0 28 2 10 Textos Expressivos e Criativos e

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

RELATÓRIO QUARTO WORKSHOP SOBRE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO 11 E 12 DE SETEMBRO DE 2013

RELATÓRIO QUARTO WORKSHOP SOBRE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO 11 E 12 DE SETEMBRO DE 2013 RELATÓRIO QUARTO WORKSHOP SOBRE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO 11 E 12 DE SETEMBRO DE 2013 RELATÓRIO Foi realizado nos dias 11 e 12 de Setembro

Leia mais

Curso de Formação de. Curso de Formação de. Actualização de Instalador ITED 2 (75h)

Curso de Formação de. Curso de Formação de. Actualização de Instalador ITED 2 (75h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico instalador

Leia mais

ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS

ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome: Telefone: e-mail: 1. Sexo: a.( ) Masculino b. ( ) Feminino 2. Idade: a. ( ) 21 30 anos b. ( ) 31 40 anos c. ( ) 41 50 anos d. ( ) Mais de 50 anos FORMAÇÃO. Obs.: Caso

Leia mais

ÁREA - PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS

ÁREA - PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS PLANO DE MELHORIA A avaliação externa à Escola Portuguesa de Macau (EPM), levada a cabo em dezembro de 2012 pela Inspeção Geral da Educação e Ciência, incidiu em três grandes domínios: resultados, prestação

Leia mais