A Nova Fronteira Petrolífera do Pré-Sal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Nova Fronteira Petrolífera do Pré-Sal"

Transcrição

1 A Nova Fronteira Petrolífera do Pré-Sal Caracterização Geológica e Desafios Tecnológicos, Logísticos e Econômicos apresentação para o 4o Forum Senado Debate Brasil Marco Regulatório do Petróleo: Pré-Sal Renato T Bertani Dezembro 2008

2 O que é o Pré-Sal? Reconstrução Paleogeográfica Aptiano Inferior (122 m.y.)

3 Formação dos Reservatório do Pré-Sal Gerador Sal Pré-Sal Gerador Embasamento Cristalino

4 Exploração do Pós-Sal Superfície do Mar Fundo do Mar 2.5km Pós-Sal 5.0km Gerador Sal Pré-Sal Gerador 7.5km Embasamento Cristalino 10km

5 Exploração do Pré-Sal Superfície do Mar Fundo do Mar 2.5km Pós-Sal 5.0km Gerador Sal Pré-Sal Gerador Embasamento Cristalino 7.5km 10km

6 Novos Desafios Tecnológicos TECNOLOGIAS PARA O PRÉ-SAL ADAPTAÇÃO INOVAÇÃO

7 Novos Desafios Tecnológicos Riscos Significativos ainda Persistem Desafios Tecnológicos Reservatório Incomum Continuidade Produtividade Perfuração de Poços Poços desviados em zona de sal Presença de CO2 (corrosivo) Altas pressões Unidades Flutuantes de Produção Águas mais profundas Ancoramento Conexões com risers

8 Desafios Logísticos Source: José Formigli, 2008, Petrobras

9 Desafio Econômico Remuneração do Capital e Risco com Justa Repartição do Resultado Quais Quais as as reservas do do Pré-Sal? Reservatório Custos Preço Preço do do Petróleo

10 Desafios Econômicos As reservas do pré-sal, embora ainda longe de estarem delimitadas, podem ser gigantescas; A exploração e desenvolvimento da produção do présal ainda comportam significativos riscos: produtividade do reservatório, preços, custos; A exploração e desenvolvimento da produção do présal vão requerer imensa quantidade de recursos financeiros, humanos e tecnológicos. Retorno justo para os investidores X Máxima geração de riqueza para o Brasil

11 Desafios Econômicos Retorno justo para os investidores X Máxima geração de riqueza para o Brasil Modelo contratual adequado, que alinhe interesses do investidor e da sociedade; Taxação em níveis adequados e progressivos, ajustada para um amplo espectro de reservas, produção e preços.

12 Modelo Contratual Risco Exploratório MODELOS CONTRATUAIS Recuperação dos Investimentos Repartição do Resultado Concessão Contratista Não há provisão Royalties Participações Especiais Imposto de Renda Partilha da Produção Contratista Parte da produção (Cost Oil) é reservada para recuperação dos investimentos Serviços Contratista Investimentos e custos são remunerados a taxas preacordadas Excedente após o Cost Oil (Profit Oil) partilhado entre governo e contratista Royalties e IR podem ou não ser aplicados Imposto de Renda

13 Modelo Contratual Modelo de concessão, adotado no Brasil, utilizado por número crescente de países produtores Alinhamento de interesses Desburocratização Governo estabelece políticas e diretrizes, controla execução Contratista adota solução técnica e economicamente mais eficiente, fica com o ônus da ineficiência Conotação negativa, por isto muitos países adotam outra nomenclatura como arrendamento (USA) ou licenciamento (UK) Questão chave: termos contratuais e fiscais que assegurem partilhamento justo do resultado para qualquer tamanho de reservas e preço do petróleo

14 Repartição do Resultado Atual regime de Participação Especial Alíquota de Participação Especial - 3 Bn bo VALOR MONETÁRIO ESPERADO 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Part Especial Atual Produção Acumulada (Bn bo) MMUS$ Bn bo 3Bn bo 1Bn bo Preço do Petróleo 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% 6Bn bo 3Bn bo 1Bn bo Taxa de Retorno Interna Preço do Petróleo 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Alocação das Receitas - 6 Bn bo Investidor Governo Custos & Inv Preço do Petróleo

15 Repartição do Resultado Participação Especial com Escalador 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Alíquota de Participação Especial Atual Com Escalador Produção Acumulada (Bn bo) MMUS$ VALOR MONETÁRIO ESPERADO PE COM ESCALADOR - FATOR R 6Bn bo 3Bn bo 1Bn bo Preço do Petróleo Taxa de Retorno Interna Alocação das Receitas - 6 Bn bo 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 6Bn bo 3Bn bo 1Bn bo Preço do Petróleo 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Investidor Governo Custos & Inv Preço do Petróleo

16 O Valor do Senso de Urgência GOVERNMENT AND INVESTOR CASHFLOW MMUS$ Inv Cashflow Gov Take Reservas Investimentos $bn Receitas do País (75$b) 10 Bn bo US$Bn 86.5 US$Bn

17 CONCLUSÃO As reservas do pré-sal devem ser exploradas e produzidas por companhias que tenham competência técnica, financeira e gerencial; As riquezas geradas devem reverter para a sociedade brasileira, e as companhias investidoras devem ser compensadas de forma justa; O modelo de concessão adotado no Brasil é o mais apropriado para regular os investimentos no pré-sal; Os termos contratuais do atual modelo precisam de ajustes, relativamente simples, para assegurar que a sociedade brasileira tenha o máximo benefício desta riqueza TIME QUE ESTÁ GANHANDO NÃO SE MUDA MAS SE APERFEIÇOA

Estratégia Tecnológica da Petrobras

Estratégia Tecnológica da Petrobras Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil Rio de Janeiro, 1º de setembro de 2011 Estratégia Tecnológica da Petrobras Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do CENPES Petrobras no mundo

Leia mais

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Reservas Petrolíferas do Pré-Sal Audiência Pública

Leia mais

Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis IV SEMINÁRIO DE PETRÓLEO E GAS NO BRASIL Rio, 14 de Abril de 2008 Perspectivas do Setor Petróleo Pós- Descobertas do Pré- Sal Alvaro Teixeira Secretário

Leia mais

DIREITO SETORIAL E REGULATÓRIO DO PRÉ-SAL

DIREITO SETORIAL E REGULATÓRIO DO PRÉ-SAL DIREITO SETORIAL E REGULATÓRIO DO PRÉ-SAL Adriano Drummond Cançado Trindade Outubro/2016 Manchetes de 6/10/2016 Câmara aprova mudança no présal Câmara acaba com fatia obrigatória da Petrobras no pré-sal

Leia mais

3 REGIMES FISCAIS Tipos de Regimes Fiscais

3 REGIMES FISCAIS Tipos de Regimes Fiscais REGIMES FISCAIS 3 REGIMES FISCAIS 3.1. Tipos de Regimes Fiscais Existem três tipos de regimes que são mais comuns atualmente: sistemas de taxas/royalties, sistemas de contratos e os baseados na taxa de

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS MODELOS FISCAIS DE PARTILHA E CONCESSÃO. Prof. Edmar de Almeida Prof. Luciano Losekann Grupo de Economia de Energia

COMPARAÇÃO DOS MODELOS FISCAIS DE PARTILHA E CONCESSÃO. Prof. Edmar de Almeida Prof. Luciano Losekann Grupo de Economia de Energia COMPARAÇÃO DOS MODELOS FISCAIS DE PARTILHA E CONCESSÃO Prof. Edmar de Almeida Prof. Luciano Losekann Grupo de Economia de Energia Índice 1. Concessão e Partilha de Produção: Aspectos Metodológicos; 2.

Leia mais

Gás Natural. METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DAS PROJEÇÕES DE PRODUÇÃO DE GÁS NATURAL RENEU SILVA

Gás Natural. METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DAS PROJEÇÕES DE PRODUÇÃO DE GÁS NATURAL RENEU SILVA Gás Natural A Lei do Gás e o Planejamento de Expansão da Malha de Transporte METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DAS PROJEÇÕES DE PRODUÇÃO DE GÁS NATURAL RENEU SILVA reneu.silva@epe.gov.br Brasília, 29 de novembro

Leia mais

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Roberto Murilo Carvalho de Souza Gerente de Estratégia Tecnológica CENPES PETROBRAS

Leia mais

Princípios Fundamentais da Legislação Mineral de Sucesso

Princípios Fundamentais da Legislação Mineral de Sucesso Princípios Fundamentais da Legislação Mineral de Sucesso Paulo de Sá Gerente da Divisão Energia e Industrias Extractivas Banco Mundial 18-May-16 1 A legislação mineral deve: Princípios Fundamentais (1)

Leia mais

PARTICIPAÇÕES GOVERNAMENTAIS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

PARTICIPAÇÕES GOVERNAMENTAIS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL PARTICIPAÇÕES GOVERNAMENTAIS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Comissão de Serviços de Infraestrutura e Comissão de Assuntos Econômicos Édison Lobão Ministro de 23/08/2011 1 Principais Participações Governamentais

Leia mais

Análise das Rodadas de Licitação até 2013 e perspectivas para a exploração de petróleo no horizonte 2020

Análise das Rodadas de Licitação até 2013 e perspectivas para a exploração de petróleo no horizonte 2020 Marcelo Mafra Borges de Macedo Superintendente de Segurança Operacional e Maio Ambiente Análise das Rodadas de Licitação até 2013 e perspectivas para a exploração de petróleo no horizonte 2020 O Papel

Leia mais

Perspectivas para Exploração e Desenvolvimento do Pré-Sal

Perspectivas para Exploração e Desenvolvimento do Pré-Sal PRÉ-SAL PETRÓLEO S. A. - PPSA Perspectivas para Exploração e Desenvolvimento do Pré-Sal Oswaldo A. Pedrosa Jr. Fundação Getúlio Vargas (FGV) 25 de março de 2015 Rio de Janeiro, RJ 1 2 3 4 5 6 Assuntos

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de 2015 Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015 1 AVISOS Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas

Leia mais

Fórum. Financeiro. temas em discussão 24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO

Fórum. Financeiro. temas em discussão 24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO Fórum Financeiro temas em discussão 24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO UM DEBATE C-LEVEL SOBRE OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR DE ÓLEO E GÁS NO BRASIL INVESTIDORES, BANCOS E GRANDES

Leia mais

Relatório de Certificação de Reservas de Manati. Referente a 31 de dezembro de Agosto de 2013

Relatório de Certificação de Reservas de Manati. Referente a 31 de dezembro de Agosto de 2013 Agosto de 2013 Relatório de Certificação de Reservas de Manati Referente a 31 de dezembro de 2012 QGEP Av Almirante Barroso, N.52, Sala 1301 Centro Rio de Janeiro - RJ Cep: 20031-918 T 55 21 3509-5800

Leia mais

Concessão versus Contrato de de Partilha: vantagens e desvantagens. Carlos Jacques V. Gomes. Consultor Legislativo do Senado Federal

Concessão versus Contrato de de Partilha: vantagens e desvantagens. Carlos Jacques V. Gomes. Consultor Legislativo do Senado Federal 4º FÓRUM SENADO DEBATE BRASIL: OS DESAFIOS DO PRÉ- SAL Concessão versus Contrato de Produção de Partilha: vantagens e desvantagens Carlos Jacques V. Gomes Consultor Legislativo do Senado Federal 1 Regime

Leia mais

Custos e Competitividade no Setor Petróleo no Brasil. José Roberto Fagundes Netto PETROBRAS/CENPES

Custos e Competitividade no Setor Petróleo no Brasil. José Roberto Fagundes Netto PETROBRAS/CENPES Custos e Competitividade no Setor Petróleo no Brasil José Roberto Fagundes Netto PETROBRAS/CENPES Agenda Direcionamento Tecnológico Petrobras para Produção Offshore Estrutura atual da Carteira de Redução

Leia mais

Potencial do Pré-Sal. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Magda Chambriard

Potencial do Pré-Sal. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Magda Chambriard Potencial do Pré-Sal Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Magda Chambriard O Pré-Sal como o novo paradigma Evoluçã ção o Institucional Constituição de 1934 O Regime de concessões

Leia mais

5.1 1 a Rodada de Licitações Sob o Regime de Partilha de Produção

5.1 1 a Rodada de Licitações Sob o Regime de Partilha de Produção 26ª Reunião Ordinária 25 de junho de 2013 5.1 1 a Rodada de Licitações Sob o Regime de Partilha de Produção Licitação da Área de Libra Regime de Partilha Resolução CNPE n o 4, de 22 de maio de 2013 Prospecto

Leia mais

Arena de. temas em discussão OUT RIOCENTRO - RIO DE JANEIRO

Arena de. temas em discussão OUT RIOCENTRO - RIO DE JANEIRO Arena de temas em discussão 24-27 OUT RIOCENTRO - RIO DE JANEIRO UM ESPAÇO DEDICADO A DESTACAR TECNOLOGIAS QUE ESTÃO MUDANDO OS RUMOS DA INDÚSTRIA DE ÓLEO E GÁS UM NOVO CONCEITO DE ÁREA TEMÁTICA O OBJETIVO

Leia mais

Excedentes da Cessão Onerosa

Excedentes da Cessão Onerosa Excedentes da Cessão Onerosa DESDOBRAMENTOS DA REUNIÃO DO CNPE Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014 Informações preliminares Cessão Onerosa Através da Cessão Onerosa a Petrobras adquiriu os direitos para

Leia mais

A indústria do petróleo: Possibilidades de maior contribuição da iniciativa privada para a exploração e produção de áreas do Pré-Sal

A indústria do petróleo: Possibilidades de maior contribuição da iniciativa privada para a exploração e produção de áreas do Pré-Sal A indústria do petróleo: Possibilidades de maior contribuição da iniciativa privada para a exploração e produção de áreas do Pré-Sal Prof. Edmar de Almeida Grupo de Economia de Energia Instituto de Economia

Leia mais

Liderança tecnológica em petróleo e gás: Chegou a vez do Brasil?

Liderança tecnológica em petróleo e gás: Chegou a vez do Brasil? Liderança tecnológica em petróleo e gás: Chegou a vez do Brasil? Anália Francisca Ferreira ANP O setor de Petróleo no Brasil Ciclos Econômicos no Brasil??????? O setor de Petróleo no Brasil O país precisa

Leia mais

Questões Internas à Indústria. Luís Cláudio (joca) Sousa Costa Gerente de Relacionamento com a Comunidade de C&T Centro de Pesquisas da Petrobras

Questões Internas à Indústria. Luís Cláudio (joca) Sousa Costa Gerente de Relacionamento com a Comunidade de C&T Centro de Pesquisas da Petrobras Questões Internas à Indústria Luís Cláudio (joca) Sousa Costa Gerente de Relacionamento com a Comunidade de C&T Centro de Pesquisas da Petrobras Objetivo do Painel Promover uma ampla discussão sobre temas

Leia mais

Xisto (Petróleo e Gás)

Xisto (Petróleo e Gás) Xisto (Petróleo e Gás) O que é o xisto? Xisto é o nome genérico para vários tipos de rocha que se formam em lâminas (folhelhos). Tem interesse econômico principalmente por causa do gás natural, preso em

Leia mais

Ciclo do Debates sobre Petróleo e Economia

Ciclo do Debates sobre Petróleo e Economia Ciclo do Debates sobre Petróleo e Economia Custos e Competitividade do Setor Petróleo no Brasil Diretor José Gutman (ANP) IBP Rio de Janeiro - 13/05/2016 fase pré-contratação ACESSO À INFORMAÇÃO GERANDO

Leia mais

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E GUERRA FISCAL FEBRAFITE

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E GUERRA FISCAL FEBRAFITE SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E GUERRA FISCAL FEBRAFITE OSVALDO SANTOS DE CARVALHO Secretaria da Fazenda de São Paulo 20 de junho de 2011 ICMS e Federação 1 Agenda RECEITAS E A AUTONOMIA DOS ENTES FEDERATIVOS

Leia mais

ICMS e Federação. Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF. Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011

ICMS e Federação. Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF. Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011 ICMS e Federação Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011 ICMS e Federação 1 Agenda RECEITAS E A AUTONOMIA DOS ENTES

Leia mais

Arbitragem em contratos de petróleo

Arbitragem em contratos de petróleo Arbitragem e Poder Público Arbitragem em contratos de petróleo Ricardo Barretto de Andrade 23.10.2015 1. Antecedentes legislativos do setor Lei nº 2.004/1953: monopólio da União exercido, com exclusividade,

Leia mais

RESULTADOS 2T15 AGOSTO DE 2015

RESULTADOS 2T15 AGOSTO DE 2015 RESULTADOS AGOSTO DE 2015 AVISO LEGAL Esta apresentação contêm declarações acerca de eventos futuros. Todas as declarações exceto aquelas relativas a fatos históricos contidas nesta apresentação são declarações

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL - SGSO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL - SGSO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL - SGSO Silvio Jablonski Chefe de Gabinete Agência Nacional do Petróleo, Gás

Leia mais

S M E Comissão de Energia 28/04/2010

S M E Comissão de Energia 28/04/2010 Oportunidades e Desafios do Pré-Sal S M E Comissão de Energia 28/04/2010 HIDROCARBONETOS Definição Compostos orgânicos constituídos de átomos de carbono e hidrogênio. PETRÓLEO INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

ANP: Desafios no Setor de E&P. John Forman Diretor Agência Nacional do Petróleo

ANP: Desafios no Setor de E&P. John Forman Diretor Agência Nacional do Petróleo ANP: Desafios no Setor de E&P John Forman Diretor Agência Nacional do Petróleo O princípio Criada em 1997, através da Lei 9.478, a ANP conseguiu atender a vários desafios: Organização de recursos e procedimentos,

Leia mais

RESULTADOS 1T16 13 DE MAIO DE 2016

RESULTADOS 1T16 13 DE MAIO DE 2016 RESULTADOS 1T16 13 DE MAIO DE 2016 AVISO LEGAL 2 Esta apresentação contém declarações acerca de eventos futuros. Todas as declarações exceto aquelas relativas a fatos históricos contidas nesta apresentação

Leia mais

26 OUT RIOCENTRO, RIO DE JANEIRO

26 OUT RIOCENTRO, RIO DE JANEIRO 26 OUT RIOCENTRO, RIO DE JANEIRO UM MOMENTO DE TOMAR DECISÕES SOBRE O FUTURO DAS ATIVIDADES EM CAMPOS TERRESTES NO BRASIL NOVOS NEGÓCIOS ONSHORE EM PAUTA, ALÉM DOS DESAFIOS REGULATÓRIOS E LEGAIS DO CENÁRIO

Leia mais

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen Consultoria Conjuntura Econômica e Perspectivas 2017-22 Setembro/2016 Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.br PIB Confiança segue mostrando recuperação na margem, ainda que nível ainda seja baixo Estamos

Leia mais

INCENTIVOS E BARREIRAS DO REGIME TRIBUTÁRIO NO SETOR DE PETRÓLEO

INCENTIVOS E BARREIRAS DO REGIME TRIBUTÁRIO NO SETOR DE PETRÓLEO INCENTIVOS E BARREIRAS DO REGIME TRIBUTÁRIO NO SETOR DE PETRÓLEO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Ciclo de Debates sobre Petróleo e Economia IBP

Leia mais

5ª Conferência de Petróleo, Gás e Indústria Naval do Espirito Santo Painel 1 Petróleo e Gás no Espirito Santo

5ª Conferência de Petróleo, Gás e Indústria Naval do Espirito Santo Painel 1 Petróleo e Gás no Espirito Santo 5ª Conferência de Petróleo, Gás e Indústria Naval do Espirito Santo Sumário A conjuntura global do setor petróleo Mercado Investimento Impacto na cadeia global de fornecedores - O futuro do petróleo Perspectivas

Leia mais

ANEXO I. Princípios de Contratos de Unitização

ANEXO I. Princípios de Contratos de Unitização ANEXO I Princípios de Contratos de Unitização 1. Quando da delimitação dos campos a serem ofertados em processos licitatórios, é comum que não haja informações suficientes acerca da distribuição dos reservatórios

Leia mais

1 Verificar num primeiro momento as ações para cumprimento das Metas/estratégias com prazo definido para 2015;

1 Verificar num primeiro momento as ações para cumprimento das Metas/estratégias com prazo definido para 2015; Subcomissão permanente para Acompanhar, monitorar e avaliar o processo de implementação das estratégias e do cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação PNE sugestões para Plano de Trabalho Consultorias

Leia mais

Análise retrospectiva e crítica das taxas de retorno calculadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para as concessões no setor

Análise retrospectiva e crítica das taxas de retorno calculadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para as concessões no setor Análise retrospectiva e crítica das taxas de retorno calculadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para as concessões no setor Antonio Zoratto Sanvicente Insper Instituto de Ensino e Pesquisa

Leia mais

APRESENTAÇÃO ITEMM Ciência e Tecnologia

APRESENTAÇÃO ITEMM Ciência e Tecnologia APRESENTAÇÃO ITEMM Ciência e Tecnologia ITEMM Instituto de Tecnologia Edson Mororó Moura Pernambucano, Químico industrial/ufpe, Fundador da Baterias Moura um besouro que voa alto. Cultura da Inovação como

Leia mais

Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer

Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer GEE - UFRJ Milhões de Reais Importância do Setor de Petróleo na Economia Brasileira (I) Desde de 2006 os investimentos na indústria

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34. Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34. Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34 Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais (*) exploração, no contexto deste Pronunciamento, se refere à fase entre a obtenção do

Leia mais

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman AEERJ, 27 de julho de 2016 Fonte: Radar PPP Mercado de PPPs no Brasil Principais Conceitos Contratações de

Leia mais

Jogo de Cartas Marcadas na entrega do pré-sal

Jogo de Cartas Marcadas na entrega do pré-sal Jogo de Cartas Marcadas na entrega do pré-sal O governo tem feito tudo certinho para descomplicar a vida das Big Oil, principalmente da ExxonMobil e Chevron, multinacionais petrolíferas dos Estados Unidos

Leia mais

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA Quatro desafios da economia da América Latina em 2015 Crescimento moderado da economia global; Queda do preço das comodities

Leia mais

Perfil Energia gerada

Perfil Energia gerada 1. Perfil A AES Tietê, uma das geradoras do grupo AES Brasil, é uma Companhia de capital aberto com ações listadas na BM&FBovespa e está autorizada a operar como concessionária de uso do bem público, na

Leia mais

Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha. Anália Francisca Ferreira

Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha. Anália Francisca Ferreira Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha Anália Francisca Ferreira Oqueé Incluída nos contratos de concessão desde a Rodada Zero, institui a obrigação do concessionário investir em atividades

Leia mais

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA Regulação dos serviços públicos de saneamento básico e aproveitamento energético do gás metano de aterros sanitários Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento

Leia mais

Três Soluções para o Problema Econômico 26 Tradição 27 Comando 29 O mercado 30

Três Soluções para o Problema Econômico 26 Tradição 27 Comando 29 O mercado 30 SUMÁRIO Capítulo 1 O Problema Econômico 21 O Indivíduo e a Sociedade 22 A divisão do trabalho 23 Economia e escassez 23 As tarefas da sociedade econômica 24 Produção e Distribuição 24 Mobilização de esforços

Leia mais

Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década

Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década Roberto Gonçalves Gerente Executivo da Engenharia da Petrobras 8º Encontro Nacional do Prominp 23 de Novembro-São Luis, MA

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 POLÍTICA NACIONAL DA BIODIVERSIDADE Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 Os princípios estabelecidos na PNBio (20 ao todo) derivam, basicamente, daqueles estabelecidos na Convenção sobre Diversidade Biológica

Leia mais

Estudo inédito do Grupo FarmaBrasil traça o perfil do mercado de medicamentos fitoterápicos

Estudo inédito do Grupo FarmaBrasil traça o perfil do mercado de medicamentos fitoterápicos Três Lagoas - Mato Grosso do Sul Ciência e Tecnologia Publicada em 16/06/2014 às 14:30:53h Estudo inédito do Grupo FarmaBrasil traça o perfil do mercado de medicamentos fitoterápicos Apenas 1,18% dos produtos

Leia mais

A PPSA e os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País

A PPSA e os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País A PPSA e os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País PRÉ-SAL PETRÓLEO S. A. - PPSA Fórum Pensamento Estratégico - Unicamp 4 de Junho de 2014 OSWALDO A. PEDROSA JR ANTONIO CLÁUDIO DE FRANÇA

Leia mais

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil SEMINÁRIO INTERNACIONAL: USO EFICIENTE DO ETANOL Aurélio César Nogueira Amaral Diretor 20.09.2016 Missões da ANP REGULAR Estabelecer as normas

Leia mais

A crise financeira e o. setor de energia

A crise financeira e o. setor de energia A crise financeira e o setor de energia PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos MARÇO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 2009 Câmara dos Deputados.

Leia mais

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Gestão do Espectro Radioelétrico na PETROBRAS & Aplicações Futuras

Gestão do Espectro Radioelétrico na PETROBRAS & Aplicações Futuras Gerência Setorial de Relacionamento com Instituições Regulatórias TIC/CPTC/REG Gestão do Espectro Radioelétrico na PETROBRAS & Aplicações Futuras Eng. Ângelo Canavitsas D. Sc. Coordenador de Administração

Leia mais

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Comissão de Serviços de Infra-Estrutura Desafios para um país emergente Luis Eduardo Duque Dutra Chefe de Gabinete da Diretoria Geral Professor Adjunto EQ/UFRJ

Leia mais

O desafio. energia. Plano Estratégico Plano de Negócios e Gestão Indicadores. 1,2% 1% 1% US$ 220,6 bilhões 0,4% 5% 4% 16% 12% 18% 20%

O desafio. energia. Plano Estratégico Plano de Negócios e Gestão Indicadores. 1,2% 1% 1% US$ 220,6 bilhões 0,4% 5% 4% 16% 12% 18% 20% PANORAMA O desafio é a nossa energia Criada em 1953, a Petrobras atua de forma integrada nas atividades de exploração e produção, refino, comercialização, transporte e petroquímica, distribuição de derivados,

Leia mais

Pré-sal e o futuro da Indústria do Petróleo no Brasil

Pré-sal e o futuro da Indústria do Petróleo no Brasil Pré-sal e o futuro da Indústria do Petróleo no Brasil Professor Helder Queiroz Pinto Jr. Grupo de Economia da Energia Instituto de Economia / UFRJ X CBPE Gramado, 27 de Setembro 2016 Plano de Apresentação

Leia mais

CONTRATO DE CONCESSÃO PARA EXPLORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

CONTRATO DE CONCESSÃO PARA EXPLORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL CONTRATO DE CONCESSÃO PARA EXPLORAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Terezinha Rauta Dias de Morais e Silva Superintendência de Exploração Abril/2013 1 SUMÁRIO I - Base Legal II

Leia mais

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2015 (Em Reais) Ativo 2015 2014 Passivo 2015 2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar Cana-de-açúcar 85 86 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DÉFICIT NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE AÇÚCAR, AUMENTO DA DEMANDA E QUEDA NOS ESTOQUES MANTERÃO TENDÊNCIA DE PREÇOS ALTOS A perspectiva é de

Leia mais

A cessão onerosa, o regime de partilha e o desafio do próximo governo quanto à Libra e outras áreas do Pré-Sal

A cessão onerosa, o regime de partilha e o desafio do próximo governo quanto à Libra e outras áreas do Pré-Sal A cessão onerosa, o regime de partilha e o desafio do próximo governo quanto à Libra e outras áreas do Pré-Sal Paulo César Ribeiro Lima 1 Resumo O Pré-Sal representou e ainda representa importante oportunidade

Leia mais

Perspectivas para o Setor de Óleo e Gás Brasileiro e as Rodadas de Licitações da ANP

Perspectivas para o Setor de Óleo e Gás Brasileiro e as Rodadas de Licitações da ANP Perspectivas para o Setor de Óleo e Gás Brasileiro e as Rodadas de Licitações da ANP Magda Chambriard Diretora-Geral Agosto, 203 Sumário 2 3 4 5 6 Retomada das Rodadas de Licitações da ANP Cenário Atual

Leia mais

Reunião Apimec. Souza Cruz

Reunião Apimec. Souza Cruz Reunião Apimec Souza Cruz 2015 Líder em mais de 60 países 13% de market share 44 fábricas de cigarros (em 39 países) QUEM É A SOUZA CRUZ? A Souza Cruz faz parte da BAT (British American Tobacco) o mais

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

Inovação para o Aumento da Competitividade da Indústria

Inovação para o Aumento da Competitividade da Indústria Inovação para o Aumento da Competitividade da Indústria João Emilio P. Gonçalves Gerente Executivo Política Industrial Diretoria de Desenvolvimento Industrial CNI - Confederação Nacional da Indústria Competitividade

Leia mais

ISS: Fiscalização de Bancos Comerciais II

ISS: Fiscalização de Bancos Comerciais II ISS: Fiscalização de Bancos Comerciais II Uma das maiores dificuldades da Fiscalização Tributária Municipal é a de fiscalizar as instituições financeiras, para fins de homologar os recolhimentos espontâneos

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T16. 6 de maio de Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T16. 6 de maio de Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 6 de maio de 2016 Magazine Luiza Destaques Vendas E-commerce Margem Bruta EBITDA e Lucro Líquido Capital de Giro Endividamento Luizacred Aumento da receita bruta de 3% totalizando

Leia mais

Reativação de Campos Marginais da ANP e Incentivo à Pequena Empresa Petrolífera. Outubro/2004

Reativação de Campos Marginais da ANP e Incentivo à Pequena Empresa Petrolífera. Outubro/2004 Reativação de Campos Marginais da ANP e Incentivo à Pequena Empresa Petrolífera Outubro/2004 Campos Marginais da ANP Sumário Objetivo Histórico Situação atual Conclusões Visão da ANP Objetivo Promover

Leia mais

Ajustando o Balanço de Pagamentos

Ajustando o Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Ajustando o Balanço de Pagamentos Desvalorização cambial Elevação das tarifas de importação Estabelecimento de cotas de importação Concessão de subsídios às exportações Controle de capitais

Leia mais

Sistema Tecnológico da Petrobras: Uma Visão de P&D

Sistema Tecnológico da Petrobras: Uma Visão de P&D Seminário sobre INOVAÇÃO E TECNOLOGIA Rio de Janeiro, 24 de maio de 2016 Sistema Tecnológico da Petrobras: Uma Visão de P&D André Fachetti Gerente Geral de Gestão Tecnológica PETROBRAS / CENPES Agenda

Leia mais

Silvio Jablonski Chefe de Gabinete ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Silvio Jablonski Chefe de Gabinete ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis A Bacia da Foz do Amazonas Oportunidades para o Estado do Amapá Silvio Jablonski Chefe de Gabinete ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Legislação Lei nº 9.478, de 06/08/1997

Leia mais

Os Valores financeiros estão em R$ Milhões, a menos que indicado de outra forma. Dados financeiros refletem a adoção do IFRS.

Os Valores financeiros estão em R$ Milhões, a menos que indicado de outra forma. Dados financeiros refletem a adoção do IFRS. Algumas declarações e estimativas contidas neste material podem representar expectativas sobre eventos ou resultados futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas ambos conhecidos e desconhecidos. Não

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

OGpar e OGX Acordo junto aos credores OSX-3 Leasing B.V., Financiamento DIP e Incremental Facility. 11 de Janeiro de 2017

OGpar e OGX Acordo junto aos credores OSX-3 Leasing B.V., Financiamento DIP e Incremental Facility. 11 de Janeiro de 2017 OGpar e OGX Acordo junto aos credores OSX-3 Leasing B.V., Financiamento DIP e Incremental Facility 11 de Janeiro de 2017 1. Introdução Logo após aprovação do Plano de Recuperação Judicial das Companhias,

Leia mais

Biocombustíveis na Comunidade Européia mercado evolução oportunidades

Biocombustíveis na Comunidade Européia mercado evolução oportunidades In collaboration with: SICS Biocombustíveis na Comunidade Européia mercado evolução oportunidades Workshop on Potential for Development of Biofuels in Mozambique Maputo, 11-12 July 2007 O target da União

Leia mais

A era da informação - Naldo -

A era da informação - Naldo - A era da informação - Naldo - A Era tecnológica " Á medida que os seres humanos se confundem cada vez mais com a tecnologia e uns com os outros através da tecnologia, as velhas distinções entre o que é

Leia mais

Ilton José Rossetto Filho

Ilton José Rossetto Filho Dados Pessoais Ilton José Rossetto Filho NOME COMPLETO: Ilton Jose Rossetto Filho ESTADO CIVIL: Casado NACIONALIDADE: Brasileiro DATA DE NASCIMENTO: 15.10.1964 NATURALIDADE: Salvador IDADE: 50 NOME DO

Leia mais

Proteção de Ativos Intangíveis no Modelo de Inovação Aberta. 23 de setembro de 2011 Bruno Rondani

Proteção de Ativos Intangíveis no Modelo de Inovação Aberta. 23 de setembro de 2011 Bruno Rondani Proteção de Ativos Intangíveis no Modelo de Inovação Aberta 23 de setembro de 2011 Bruno Rondani O que é Open Innovation? É a nova forma como as empresas tem se organizado para inovar em um mundo onde

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T de Novembro de 2016 Relações com Investidores

Teleconferência de Resultados 3T de Novembro de 2016 Relações com Investidores Teleconferência de Resultados 11 de Novembro de 2016 Relações com Investidores 1 Disclaimer Este material constitui uma apresentação de informações gerais sobre a Marfrig Global Foods S.A. e suas controladas

Leia mais

José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores. Julho de 2004

José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores. Julho de 2004 José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores Julho de 2004 As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO Art. 183 Critérios de Avaliação do ATIVO Art. 184 Critérios de Avaliação do PASSIVO Princípio do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL 1º As seguintes bases de mensuração devem ser utilizadas em graus distintos

Leia mais

2 O Equity Risk Premium

2 O Equity Risk Premium 2 O Equity Risk Premium Definição: A diferença entre o retorno proporcionado pelo mercado acionário e o retorno dos títulos soberanos do governo é o que se denomina de Equity Risk Premium. Apesar de, teoricamente,

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTOS PRODUTIVOS COMPETITIVIDADE SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO PRODUTIVIDADE CADEIA DE VALOR APRESENTAÇÃO O

Leia mais

Luiz Augusto de Oliveira Candiota

Luiz Augusto de Oliveira Candiota Luiz Augusto de Oliveira Candiota Por que investir em ações agora?" Lacan Investimentos Índice Contexto Macroeconômico Por quê? Riscos Oportunidades Como? Gestão Ativa x Gestão Passiva [3] Contexto Macroeconômico

Leia mais

mestre Clique para editar o texto Apresentação para Imprensa 29 de Junho de 2015 Clique para editar o texto mestre

mestre Clique para editar o texto Apresentação para Imprensa 29 de Junho de 2015 Clique para editar o texto mestre Clique Plano de para Negócios editar e o Gestão título mestre 2015-2019 Clique para editar o texto mestre Clique para editar o texto mestre Apresentação para Imprensa 29 de Junho de 2015 AVISOS Clique

Leia mais

Introdução à. Macroeconomia

Introdução à. Macroeconomia Introdução à Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez IBMEC-RJ / UCP O que é? É o estudo da economia como um todo, pois analisa a economia através de suas variáveis fortemente agregadas. Abrange o comportamento

Leia mais

Novo Sistema Tributário. Síntese da Proposta

Novo Sistema Tributário. Síntese da Proposta 1 SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS (CAE) SUBCOMISSÃO TEMPORÁRIA DA REFORMA TRIBUTÁRIA (CAERT) Relatório Preliminar - Março de 2008 PRESIDENTE: Senador Tasso Jereissati - PSDB - CE VICE-PRESIDENTE:

Leia mais

Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura Painel 4: Capitalização da Petrobras

Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura Painel 4: Capitalização da Petrobras Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura Painel 4: Capitalização da Petrobras TÓPICOS PROPOSTOS 1 -PETROBRAS MARCOS ESCOLHIDOS 2 - PLANO DE INVESTIMENTO 2009/2013 E FINANCIAMENTO 3 - VALORAÇÃO

Leia mais

Descoberta de petróleo Kangaroo Recursos Preliminares

Descoberta de petróleo Kangaroo Recursos Preliminares 11 de Abril de 2013 (ASX: KAR) Descoberta de petróleo Kangaroo Recursos Preliminares Revisão da Estimativa de Recursos de Kangaroo Estudos detalhados dos dados geotécnicos e de engenharia obtidos em Kangaroo-1

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 5º Encontro - 02/03/2012 18:40 às 20:30h Prof. Adm. Sérgio David Ferreira Cruz CRA-BA N 9813 COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02

Leia mais

Considerações Legais do Marco Regulatório da Lei das Integrações

Considerações Legais do Marco Regulatório da Lei das Integrações Considerações Legais do Marco Regulatório da Lei das Integrações Roberto Xavier Lopes Porto Alegre, 22 de novembro de 2016 Lei 13.288/2016 Tipificação do contrato de integração vertical Lei 13.288/2016

Leia mais

Cenário sobre Governança, Regulação e Internet

Cenário sobre Governança, Regulação e Internet XIX Congresso Internacional de Direito Constitucional Escola de Direito de Brasília do Instituto Brasiliense de Direito Público (EDB/IDP) Cenário sobre Governança, Regulação e Internet Outubro/2016 Aspectos

Leia mais