Perfil da População Idosa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perfil da População Idosa"

Transcrição

1 Perfil da População Idosa 1

2 Perfil da População Idosa 2 REALIZAÇÃO APOIO SECRETARIA MUNICIPAL DO IDOSO

3 Perfil da População Idosa 3 Ser ativo e participativo após os 60 anos, de acordo com as próprias limitações e potencialidades, não pode ser considerado como um privilégio conquistado pelo indivíduo, mas um direito que o Estado deve garantir a seus cidadãos. A sociedade tem o dever de promover um ambiente no qual seus idosos possam desfrutar direitos e oportunidades, após uma vida dedicada à construção dessa sociedade (Maria Elaine Catunda de Siqueira)

4 Perfil da População Idosa 7 As questões sociais são complexas e o ato de administrar um município é tarefa difícil, que exige o conhecimento da realidade municipal, a produção de informações estratégicas que orientem as decisões políticas e contribuam para o desenvolvimento econômico, para a promoção humana e o bem-estar social, tanto no meio urbano quanto no rural. Londrina é uma das poucas cidades brasileiras privilegiadas com um Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano. O IPPUL foi criado em julho de 1993, através da Lei Municipal nº 5.495, para organizar o crescimento do município de forma integrada, preparando Londrina para o futuro. É responsável pelo gerenciamento do desenvolvimento urbano. Nesse sentido, é um órgão-chave na definição de inúmeras diretrizes que têm influência direta na qualidade de vida da população. Seu trabalho técnico e reflexivo exige sempre muito estudo para definição das suas ações. Por isso está sempre aberto para receber sugestões, consultas e contribuições. O crescimento da população idosa londrinense vem seguindo os parâmetros nacionais e mundiais, sendo necessárias políticas públicas específicas para este grupo de pessoas, que merece todo nosso respeito e dedicação. Colaborar com a Secretaria Municipal do Idoso na elaboração deste Perfil da População Idosa de Londrina, através da disponibilização e mapeamento dos dados levantados pela sua Gerência de Pesquisas, relativos à distribuição espacial desse público, representou para o IPPUL uma grata satisfação, uma oportunidade de contribuir para o conhecimento necessário à formulação de políticas públicas apropriadas para os nossos idosos. Elisabeth Aparecida Alves Gerente de Pesquisa IPPUL

5 Perfil da População Idosa 8 PREFEITO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Homero Barbosa Neto SECRETÁRIA MUNICIPAL DO IDOSO Liz Clara Ribeiro de Campos PRESIDENTE DO IPPUL Carlos Alberto Hirata EQUIPE DE ELABORAÇÃO Secretaria Municipal do Idoso - SMI Clarice Junges Socióloga Adriano Soares Santos Estagiário de Ciências Sociais Nicole Ribeiro Estagiária de Serviço Social Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano - IPPUL Elisabeth Aparecida Alves IPPUL - Geógrafa Jóyce Oliveira Leitão IPPUL - Estagiária de Geografia Leonardo Pereira Formigoni IPPUL - Estagiário de Geografia COLABORADORES Alexandre Alberto Trannin - SEPLAN Ivete Augusta da Silva - SEPLAN Silvia Lucia Gouvêa SEPLAN CAPA Geomar Sanches Secretaria de Planejamento FOTOS Luiz Jacobs Núcleo de Comunicação da Prefeitura Municipal de Londrina Acervo da Secretaria Municipal do Idoso Imagens de domínio público REVISÃO Olinda Rosa Ribas Secretaria Municipal de Educação.

6 Perfil da População Idosa 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO ASPECTOS DEMOGRÁFICOS O crescimento do número de idosos a partir da década de Tabela 01 - Evolução da população idosa do Município de Londrina 1970 a agosto de Gráfico 01 - Evolução da população idosa do Município de Londrina 1970 a agosto de Faixas etárias e sexo...24 Tabela 02 - População idosa de Londrina por faixas etárias e sexo Agosto de Gráfico 02 - População idosa por sexo Tabela 03 - População idosa de Londrina por faixas etárias e sexo (2000 e 2008)...25 Gráfico 03 - População idosa de Londrina por faixas etárias e Distribuição espacial da população idosa de londrina...27 Tabela 04 - População residente, de 60 anos ou mais de idade, por sexo e situação do domicílio - Londrina a População idosa urbana do distrito sede de Londrina...29

7 Perfil da População Idosa 10 Tabela 05 - População idosa por regiões da área urbana do Distrito sede Gráfico 04 - Percentual de idosos por região, em relação à população total de idosos do Município...30 Figura 01 - População idosa por região de Londrina (2000)...31 Gráfico 05 - População idosa por região da área urbana do Distrito sede Gráfico 06 - Projeção da população idosa por região (2020)...32 Gráfico 07 - Distribuição da população por faixas etárias - Centro...33 Gráfico 08 - Distribuição da população por faixas etárias - Leste...33 Gráfico 09 - Distribuição da população por faixas etárias - Norte...34 Gráfico 10 - Distribuição da população por faixas etárias - Oeste...34 Gráfico 11 - Distribuição da população por faixas etárias - Sul...34 Tabela 06 - Idosos por bairro - Centro...35 Tabela 07 - Idosos por bairro - Leste...36 Tabela 08 - Idosos por bairro - Norte...37 Tabela 09 - Idosos por bairro - Oeste...38 Tabela 10 - Idosos por bairro - Sul...39 Figura 02 - População idosa de Londrina por bairros População idosa dos distritos rurais...40 Tabela 11 - Distribuição da população idosa nos distritos rurais de Londrina Figura 03 - População idosa de Londrina na zona rural...42

8 Perfil da População Idosa EDUCAÇÃO...43 Tabela 12 - Pessoas de 60 anos ou mais de idade por cor ou raça, situação do domicílio, alfabetização e grupos de idade Londrina Raça e alfabetização...46 Gráfico 12 - População idosa de Londrina por raça/cor Alfabetização por grupos de idade Alfabetização por situação do domicílio (urbana/rural) Alfabetização na zona rural...47 Tabela 13 - População residente de 60 anos ou mais de idade por situação do domicilio, alfabetização e grupos de idade Alfabetização por regiões e sexo...49 Tabela 14 - pessoas residentes de 60 anos ou mais de idade, por alfabetização e sexo - Município de Londrina Gráfico 13 - Idosos alfabetizados por sexo Gráfico 14 - Idosos não alfabetizados por sexo Alfabetização por sexo e região do distrito sede...51 Tabela 15 - Pessoas de 60 anos ou mais de idade por sexo e índice de alfabetização - Londrina RENDA...52

9 Perfil da População Idosa 12 Tabela 16 - Pessoas de 60 anos ou mais de idade por cor ou raça, sexo, classe de rendimento nominal mensal e grupos de idade - Londrina Renda por sexo...57 Gráfico 15 - Idosos por rendimento e sexo ( até 1 salário - mínimo) Gráfico 16 - Idosos por rendimento e sexo ( mais de 5 salários - mínimos) Renda por cor/raça...58 Gráfico 17 - população idosa por rendimento e raça/cor Renda por faixas etárias...59 Gráfico 18 - Renda por grupos de idade Programas Assistenciais para idosos de baixa renda SAÚDE...61 Figura 04 - Unidade Básicas de Saúde - Distrito Sede...62 Figura 05 - Unidade Básicas de Saúde - Área Rural...62 Tabela 17 - Internações por faixa etária, segundo capítulo CID, residentes em Londrina Tabela 18 - Óbitos segundo grupos de causas (Capítulo CID10), ocorrência e residência em Londrina Tabela 19 - Total de óbitos, freqüência por idade e grupos de causas (Capítulo CID10), residentes em Londrina

10 Perfil da População Idosa VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA...67 Tabela 20 - Grupos de convivência atendidos pela SMI por regiões e Bairros Tipos de violência Atendimentos realizados pela Secretaria Municipal do Idoso...71 Tabela 21 - Número de Atendimentos por ano e motivos (2001 a Jul.2009) - Região Norte...71 Gráfico 19 - Atendimentos realizados pela SMI por motivos (2001 a Jul.2009) - Região Norte...72 Tabela 22 - Número de Atendimentos por ano e origem das denúncias (2001 a Jul. 2009) - Região Norte...73 Gráfico 20 - Atendimentos realizados pela SMI por denúncias (2001a Jul. 2009) - Região Norte...73 Tabela 23 - Número de atendimentos por ano e motivos (2001 a Jul. 2009) - Região Sul...74 Gráfico 21 - Atendimentos realizados pela SMI por motivos (2001 a Jul. 2009) - Região Sul...74 Tabela 24 - Número de atendimentos por ano e origem das denúncias (2001 a Jul.2009) - Região Sul...75 Gráfico 22 - Atendimentos realizados pela SMI por denúncias (2001 a Jul. 2009) - Região Sul...75 Tabela 25 - Número de atendimentos por ano e motivos (2001 a Jul. 2009) - Região Leste...76 Gráfico 23 - Atendimentos realizados pela SMI por motivos (2001 a Jul. 2009) - Região Leste...76

11 Perfil da População Idosa 14 Tabela 26 - Número de atendimentos por ano e origem das denúncias (2001 a Jul.2009) - Região Leste...77 Gráfico 24 - Atendimentos realizados pela SMI por denúncias (2001 a Jul. 2009) - Região Leste...77 Tabela 27 - Número de atendimentos por ano e motivos (2001 a Jul.2009) - Região Oeste...78 Gráfico 25 - Atendimentos realizados pela SMI por motivos (2001 a Jul.2009) - Região Oeste...78 Tabela 28 - Número de atendimentos por ano e origem das denúncias (2001 a Jul.2009) - Região Oeste...79 Gráfico 26 - Atendimentos realizados pela SMI por denúncias (2001 a Jul ) - Região Oeste...79 Tabela 29 - Número de atendimentos por ano e motivos (2001 a Jul. 2009) - Região Central...80 Gráfico 27 - Atendimentos realizados pela SMI por motivos (2001 a Jul. 2009) - Região Central...80 Tabela 30 - Número de atendimentos por ano e origem das denúncias (2001 a Jul.2009) - Região Central...81 Gráfico 28 - Atendimentos realizados pela SMI por denúncias (2001 a Jul. 2009) - Região Central...81 Tabela 31 - Número de atendimentos por ano e motivos (2001 a Jul. 2009) - zona Rural...82 Gráfico 29 - Atendimentos realizados pela SMI por motivos (2001 a JUL. 2009) - zona Rural...82 Tabela 32 - Número de atendimentos por ano e origem das denúncias (2001 a Jul.2009) - zona Rural...83 Gráfico 30 - Atendimentos realizados pela SMI por denúncias

12 Perfil da População Idosa 15 (2001 a Jul. 2009) - zona Rural...83 Tabela 33 - Número de atendimentos por ano e motivos (2001 a Jul. 2009) - Sinal Verde...84 Gráfico 31 - Atendimentos realizados pela SMI por motivos (2001 a Jul. 2009) - Sinal Verde...84 Tabela 34 - Número de atendimentos por ano e origem das denúncias (2001 a Jul.2009) - Sinal Verde...85 Gráfico 32 - Atendimentos realizados pela SMI por denúncias (2001 a Jul. 2009) - Sinal Verde...85 Tabela 35 - Número de atendimentos por ano e motivos (2001 a Jul. 2009) - Cidade circunvizinhas...86 Gráfico 33 - Atendimentos realizados pela SMI por motivos (2001 a Jul. 2009) - Cidade circunvizinhas...86 Tabela 36 - Número de atendimentos por ano e origem das denúncias (2001 a Jul.2009) - Cidades circunvizinhas...87 Gráfico 34 - Atendimentos realizados pela SMI por denúncias (2001 a Jul. 2009) - Cidades circunvizinhas Quadro geral da violência...88 Tabela 37 - Total de atendimentos realizados pela S.M.I (2001 a julho de 2009)...88 Gráfico 35 - Total de atendimentos realizados pela (2001 a julho de 2009)...88 CONSIDERAÇÕES FINAIS...90 REFERÊNCIAS...91

13 Perfil da População Idosa 16 INTRODUÇÃO Envelhecer é fato, não dá pra fugir. (Zélia Duncan Intimidade) No mundo todo as pessoas estão vivendo cada vez mais tempo, ficando cada vez mais velhas, ou longevas 1, ou idosas. Nesse sentido, envelhecer é mesmo fato; de meados do século passado para cá houve um intenso envelhecimento da população mundial, ainda que se considerem todas as variações decorrentes das diferenças socioeconômicas e ambientais entre as nações, e as diferenças regionais dentro delas. E o envelhecimento, ou longevidade, é uma das maiores conquistas sociais alcançadas pela humanidade no século XX (CAMAR, 2009, entre outros). No Brasil, segundo a Síntese de Indicadores Sociais de 2008, divulgada pelo IBGE em 09/10/2009, viviam (em 2008) aproximadamente 21 milhões de pessoas com mais de 60 anos, contingente de idosos maior do que o de países europeus como França, Itália e Inglaterra. Entre 1998 e 2008 a proporção desse grupo em relação à população total do Brasil passou de 8,8% para 11,1%. Estudos produzidos por diversos institutos de pesquisa brasileiros (IBGE, IPEA, Fundação Perseu Abramo) indicam que a pirâmide social brasileira está engordando, ficando parecida com o desenho característico de países europeus. A base, formada por crianças e jovens, diminui e o topo, representativo dos adultos e idosos, cresce. Nos últimos dez anos o número de crianças com menos de 1 ano de idade caiu 27,8% e o de crianças e adolescentes com até 14 anos diminuiu 17,7%. No outro extremo, o número de pessoas com 60 anos ou mais 1 Segundo o Dicionário Aurélio, longevidade = 1) qualidade de longevo; 2) vida longa, dilatada. Longevo = que tem muita idade, idoso.

14 Perfil da População Idosa 17 anos (idosas) subiu de 8,8% para 11,1%. A taxa de fecundidade caiu de 2,43 para 1,89 filho em média por mulher. Aqui em Londrina também podemos constatar esse envelhecimento colocando lado a lado uma pirâmide etária de algumas décadas atrás com uma mais recente. PIRÂMIDE ETÁRIA DA POPULAÇÃO TOTAL DO MUNICÍPIO DE LONDRINA PIRÂMIDE ETÁRIA DA POPULAÇÃO TOTAL DO MUNICÍPIO DE LONDRINA FAIXA ETÁRIA 70 anos ou mais 60 a 69 anos 50 a 59 anos 40 a 49 anos 30 a 39 anos 20 a 29 anos MASCULINO FEMININO FAIXA ETÁRIA 70 anos e mais 60 a 69 anos 50 a 59 anos 40 a 49 anos 30 a 39 anos 20 a 29 anos MASCULINO FEMININO 10 a 19 anos 10 a 19 anos 0 a 9 anos 0 a 9 anos (%) Fonte: Censo Demográfico. (%) IBGE Organizado por Secretaria Municipal de Planejamento - PML Esse fenômeno acontece em função do aumento do tempo (ou esperança) de vida e em função da queda da natalidade em todas as camadas sociais, ou seja, está morrendo menos gente, e nascendo menos gente também 2. A esperança média de vida ao nascer no País era, em 2008, de 73 anos de idade. Entre 1998 e 2008 esse indicador cresceu 3,3 anos, com as mulheres em situação bem mais favorável que a dos homens (aumento de 73,6 anos para 76,8 anos, no caso das mulheres, e 65,9 para 69,3 anos, para os homens). Contudo, não basta viver mais, é preciso viver bem, adicionar qualidade de vida aos anos de vida que já foram adicionados, como sugeriu um dos 2 Há várias razões para a redução das taxas de natalidade e de mortalidade, entre elas o aumento dos índices de desenvolvimento, que por sua vez possui uma forte relação com o aumento do grau de instrução, em especial o das mulheres, e com os avanços científicos no campo da saúde, que resultaram na produção de medicamentos e equipamentos cada vez mais capazes de prolongar a vida humana. Tomando o nosso município como exemplo, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Londrina (que vai de 0 a 1) era de 0, 551 em 1970, tendo subido para 0,824 em A esperança de vida ao nascer, um dos indicadores desse desenvolvimento, cresceu de 59,99 para 71,37 nesse mesmo período. Também o progressivo crescimento da urbanização possui relação com o aumento da esperança de vida da população, uma vez que no meio urbano há maior facilidade de acesso aos equipamentos sociais públicos.

15 Perfil da População Idosa 18 princípios da Organização das Nações Unidas (ONU) para o Ano Internacional do Idoso (1999) 3. E este é o grande desafio atual, em especial para as políticas públicas incumbidas de garantir a equidade entre os grupos etários na partilha dos recursos, direitos e responsabilidades sociais. E uma vez que cabe à Secretaria Municipal do Idoso de Londrina a importante missão de promover as ações e articulações necessárias à efetiva garantia dos direitos de cidadania da população idosa do município, este estudo tem o objetivo de reunir informações que contribuam para a orientação dos trabalhos da Secretaria, para o seu planejamento e sua avaliação. Pretende ao mesmo tempo contribuir com o debate acerca do envelhecimento, suas características e especificidades, e pensar sobre as políticas sociais voltadas para a atenção das necessidades dos idosos. Boa parte das informações aqui reunidas são provenientes do último Censo Demográfico do IBGE, realizado em Alguns dados, mais recentes, provêm de estimativas realizadas pelo Instituto e pelo DATASUS e baseadas nas pesquisas do IBGE. Embora já estejam para completar 10 anos, os dados do Censo de 2000 sobre a população idosa de Londrina não tinham sido reunidos até então, analisados e disponibilizados, motivo pelo qual este Perfil, mesmo sendo apenas um esboço inicial de um estudo que muito pode ser melhorado, representa um importante avanço na produção de conhecimento nesta área. Ele permite saber não apenas o número de idosos e o percentual em relação à população total, única informação imediatamente disponível, mas ao mesmo tempo a distribuição por sexo, grupos de idade, raça, escolaridade e renda. Ainda, graças à 3 O ano de 1999 foi consagrado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como Ano Internacional do Idoso. Os princípios da ONU visam assegurar que seja dada atenção prioritária às pessoas idosas. Os pontos básicos considerados são: dignidade, participação, independência, cuidados e autorealização (CAMAR, 1999).

16 Perfil da População Idosa 19 colaboração do IPPUL, foi possível reunir informações sobre a distribuição dos idosos pelas regiões e bairros da cidade, assim como saber do grau de alfabetização por região, dados que o IBGE levanta nos Censos, mas que precisam ser trabalhados para que possam ser apresentados desta forma, já que o Instituto colhe as informações por setores censitários, cujos limites geográficos não coincidem com os de regiões e/ou bairros. Além disso fazem parte do Perfil alguns dados relacionados à política de assistência social, como o número de idosos que recebem o BPC Benefício de Prestação Continuada e outros relacionados à política municipal de saúde do idoso: principais doenças que o atingem, causas de morte, etc. Por último, são apresentadas informações e algumas reflexões sobre a violência contra as pessoas idosas no nosso município, revelando-se os números dos atendimentos realizados pela Secretaria do Idoso nessa área, desde a sua criação até julho deste ano, bem como os motivos dos atendimentos e a origem das denúncias que chegaram à Secretaria. Além dos idosos de Londrina foram atendidos ainda, entre 2001 e julho de 2009, 152 casos de violência contra idosos de cidades circunvizinhas. Resta, então, convidá-lo (ou convidá-la) a olhar para os nossos idosos e nossas idosas...

17 Perfil da População Idosa 20 Olha estas velhas árvores, mais belas Do que as árvores moças, mais amigas, Tanto mais belas quanto mais antigas, Vencedoras da idade e das procelas... O homem, a fera e o inseto, à sombra delas Vivem, livres da fome e de fadigas E em seus galhos abrigam-se as cantigas Não choremos, amigo, a mocidade! Envelheçamos rindo. Envelheçamos Como as árvores fortes envelhecem Na glória de alegria e da bondade, Agasalhando os pássaros nos ramos, Dando sombra e consolo aos que padecem! (Olavo Bilac Velhas Árvores)

18 Perfil da População Idosa de Londrina ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 21

19 22 1 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 4 Vivem atualmente em Londrina pessoas com 60 ou mais anos de idade, consideradas idosas 5. Este número representa 12,1% da população total do município, estimada em habitantes 6. Estamos 1 ponto percentual acima da média nacional, estimada em 11,1% na última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD), divulgada em setembro/2009 pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Esta informação já nos dá uma ideia da importância que tem o grupo de idosos no nosso município, uma vez que a nossa população idosa é maior do que a população inteira de muitos municípios brasileiros 7. É importante compreender como foi crescendo esse grupo ao longo das últimas décadas, para depois passarmos a olhá-lo com mais detalhes nas suas características internas. 1.1 O crescimento do número de idosos a partir da década de 70 A tabela da página seguinte reúne dados que permitem uma visão sobre o crescimento da população idosa no município. Em 1970 eram idosos, número que subiu para em 2009, o que representou um crescimento numérico de pessoas. Em 1970 a população idosa representava 4,4% da 4 Relativo à demografia: Estudo estatístico das populações, no qual se descrevem as características de uma coletividade (Dicionário Aurélio). 5 Em 1982, na 1ª Assembléia Mundial sobre o Envelhecimento, promovida pela ONU - Organização das Nações Unidas - definiu-se que pessoas idosas, nos países desenvolvidos, são aquelas que já atingiram 65 anos. Nos chamados países em desenvolvimento (caso do Brasil) foram classificadas como idosas as pessoas com 60 anos ou mais. 6 Estimativa realizada pelo DATASUS - Departamento de Informática do SUS. Disponível em: <http://w3.datasus.gov.br/datasus/index.php?area=0206&vobj=http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftoh tm.exe?ibge/cnv/pop> 7 Entre os municípios que compõem a Região Metropolitana de Londrina Bela Vista do Paraíso, Cambé, Ibiporã, Jataizinho, Rolândia, Sertanópolis e Tamarana apenas Cambé possui uma população total maior do que o número de idosos de Londrina.

20 23 população total, tendo subido para 12,1% em 2009, um aumento de 7,7 pontos percentuais. O crescimento em números absolutos foi maior nas décadas de 70 e 80, período em que a população total também sofreu aumentos expressivos 8. TABELA 1 EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO IDOSA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA 1970 A AGOSTO DE 2009 POPULAÇÃO Nº DE CRESCIMENTO CRESCIMENTO % TOTAL IDOSOS VALOR REAL % , , , , , , , , , , ,6 FONTE: 1970, 1980, 1991, 2000 IBGE: Censos Demográficos; 2008 IBGE: Estimativa Detalhada da População; 2009 DATASUS: Projeção Intercensitária da População. Organização dos dados: PML/SMI - Secretaria Municipal do Idoso. GRÁFICO 1 FONTE: 1970, 1980, 1991, 2000 IBGE: Censos Demográficos; 2008 IBGE: Estimativa Detalhada da População; 2009 DATASUS: Projeção Intercensitária da População. Elaboração:: PML/SMI - Secretaria Municipal do Idoso. Munidos dessas noções sobre o crescimento da população idosa de Londrina, aproximemos o olhar a fim de enxergar por dentro esse universo, 8 Cf. Perfil de Londrina 2008, p. 13. Disponível em: <www.londrina.pr.gov.br>

21 24 buscando compreendê-lo na sua diversidade interna e nas suas características específicas em relação ao conjunto da população. 1.2 Faixas Etárias e Sexo Na tabela abaixo temos a distribuição atual por faixas etárias e sexo, com os respectivos percentuais. TABELA 2 - POPULAÇÃO IDOSA DE LONDRINA POR FAIXAS ETÁRIAS E SEXO - AGOSTO DE 2009 FAIXA ETÁRIA HOMENS % MULHERES % TOTAL % , , , , , ,85 80 ou mais anos , , ,15 TOTAL , , ,00 FONTE: 2009 DATASUS: Projeção Intercensitária da População. Organização dos dados: PML/SMI - Secretaria Municipal do Idoso GRÁFCO 2 O número de mulheres idosas é significativamente maior do que o de homens: São mulheres (56,2%) para homens (43,7%), uma diferença de pessoas, ou 12,4 pontos percentuais. FONTE:2009- DATASUS: Projeção Intercensitária da população. Organização:PML/SMI -Secretaria Municipal do Idoso.

22 25 Em relação à distribuição por faixas etárias, nota-se uma maior concentração na faixa dos 60 aos 69 anos, seguida das demais. Contudo, o grupo que mais vem crescendo é aquele com 80 anos ou mais, como veremos na tabela e gráfico abaixo, que comparam as informações do Censo Demográfico de 2000 com os dados da última estimativa detalhada da população de Londrina feita pelo IBGE, de TABELA 3 POPULAÇÃO IDOSA DE LONDRINA POR FAIXAS ETÁRIAS E SEXO (2000 E 2008) FAIXAS ETÁRIAS HOMENS % MULHERES % TOTAL % 60 a a a a anos ou mais TOTAL a a a a anos ou mais TOTAL FONTE: 2000: IBGE Censo Demográfico; 2008: IBGE Estimativa Detalhada da População. Organização dos dados: PML/SMI Secretaria Municipal do Idoso. A comparação confirma que houve uma leve diminuição nas faixas etárias iniciais e o aumento do número de idosos maiores de 75 anos de idade, em especial do grupo de 80 ou mais anos. O gráfico da página seguinte facilita a visualização das transformações ocorridas.

23 26 GRÁFICO 3 FONTE: 2000 IBGE: Censo Demográfico. Elaboração: PML/SMI Secretaria Municipal do Idoso. A seguir veremos como está distribuída a população idosa no município (ainda por sexo e faixas etárias) nas zonas urbana e rural, com base no último Censo Demográfico do IBGE, de A separação por bairros e regiões foi realizada pela Gerência de Pesquisas do IPPUL, uma vez que o IBGE faz o levantamento apenas por Setores Censitários e cada um desses Setores abarca vários bairros. Em função dessas diferenças de demarcação, ocorrem pequenas diferenças numéricas entre os dados do IBGE e do IPPUL, que de modo algum tiram o mérito do trabalho, o qual proporciona um conhecimento essencial (ainda que não exato) sobre a localização geográfica dos idosos, informação de grande importância para a implementação de políticas de atendimento às necessidades (e direitos) dessa população. 9 No próximo ano haverá novo Censo. Tão logo sejam divulgados, os resultados os dados aqui apresentados poderão ser atualizados.

24 Distribuição espacial da população idosa de Londrina Conforme mostra a tabela abaixo, do total de pessoas idosas vivendo em Londrina em 2000, (97%) moravam na zona urbana, e (3%) na zona rural. Retrocedendo no tempo até a década de 1970, verifica-se que das pessoas idosas existentes então (77%) viviam na zona urbana e (23%) no meio rural. Ocorreu, portanto, um aumento expressivo da população idosa urbana e, em contrapartida, a redução da população idosa rural. TABELA 4 POPULAÇÃO RESIDENTE DE 60 S OU MAIS DE IDADE, POR SEXO E SITUAÇÃO DO DOMICÍLIO LONDRINA 1970 A 2000 SEXO TOTAL GRUPO DE IDADE SITUAÇÃO DO DOMICÍLIO X Total Urbana Rural Total a 64 anos 65 a 69 anos 70 a 74 anos 75 a 79 anos 80 anos ou mais 80 a 84 anos 85 a 89 anos 90 a 94 anos a 99 anos anos ou mais Idade ignorada

25 28 Total HOMENS 60 a 64 anos 65 a 69 anos 70 a 74 anos 75 a 79 anos 80 anos ou mais 80 a 84 anos 85 a 89 anos 90 a 94 anos 95 a 99 anos 100 anos ou mais Idade ignorada MULHERES Total a 64 anos a 69 anos a 74 anos a 79 anos anos ou mais a 84 anos a 89 anos a 94 anos a 99 anos anos ou mais Idade ignorada FONTE: IBGE Censo Demográfico 2000 (Dados da Amostra)

26 29 Outra constatação interessante refere-se ao aumento do número de mulheres idosas e à redução na quantidade de homens idosos ao longo dessas quatro décadas. Na década de 70 os homens eram maioria homens (53%) e mulheres (46%), tendo esse quadro se invertido na década de 1990, passando as mulheres a compor a maioria (47% de homens e 53% de mulheres). Em 2000, como já foi dito, as mulheres representavam 55% e os homens 45%. Nas estimativas de 2008 e 2009 as mulheres passaram para 56%, tendo os homens abaixado para 44%. Observa-se, contudo, que esse fenômeno é característico do meio urbano, uma vez que na zona rural o sexo masculino manteve-se majoritário ao longo das quatro décadas consideradas, tendo sido sutil o crescimento do número de mulheres proporcionalmente ao de homens: em 1970 os idosos representavam 59% e as idosas 41%. Em 2000 eles eram 58% da população idosa total do meio rural e elas, 42%. A tabela acima é bastante rica em dados; cautelosamente analisada, pode revelar outras informações relevantes a respeito do grupo que estamos estudando. Nesta primeira edição deste Perfil não será possível aprofundar a análise. Ficará, portanto, para as próximas edições População idosa urbana do distrito sede de Londrina A tabela, o gráfico e o mapa das páginas seguintes indicam a quantidade de pessoas idosas que vivem no perímetro urbano das regiões do distrito sede de Londrina.

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2 INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I Epidemiologia 2 Fórmulas, conceitos notícias de EPI2 Acesse do seu celular, tablet ou computador Indicadores de saúde São medidas que descrevem as características

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia Secretaria da Saúde do Estado da Bahia- SESAB Diretoria de Vigilância Epidemiológica- DIVEP Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis- DANT A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 57 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO-ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 58 Anuário Estatístico do Município de Belém 2010 Anuário Estatístico do

Leia mais

Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM

Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Consolidação da base de dados de 11 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica - CGIAE Este documento é um breve resumo de caraterísticas do

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 2 DEMOGRAFIA Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 Anuário

Leia mais

SEMANA DO IDOSO 2013

SEMANA DO IDOSO 2013 SEMANA DO IDOSO 2013 Itens para reflexão Experiências anteriores A mobilização em 2013 O envelhecimento nos tempos atuais Idoso sem autonomia Excluído do mercado de trabalho Gera dependência Exclusão das

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém -2012 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO

Anuário Estatístico do Município de Belém -2012 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO Anuário Estatístico do Município de Belém -2012 DEMOGRAFIA 1 C A P Í T U L O 02 CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SÓCIO ECONÔMICAS DA POPULAÇÃO 2 DEMOGRAFIA Anuário Estatístico do Município de Belém- 2012

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo

Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo R E V I S T A LATINOAMERICANA DE PSICOPATOLOGIA F U N D A M E N T A L Mortalidade por transtornos mentais e comportamentais e a reforma psiquiátrica no Brasil contemporâneo Fernando Portela Câmara 278

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Água Azul do Norte DEMOGRAFIA População Total 25.057 População por Gênero Masculino 13.618 Participação % 54,35 Feminino

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

Introdução. Métodos Resultados

Introdução. Métodos Resultados GASTO MÉDIO PER CAPITA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE COM MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS Cristina Mariano Ruas Brandão Iola Gurgel Andrade, Mariângela Leal Cherchiglia, Grazielle Dias da Silva, Augusto Afonso Guerra

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública

Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública Ricardo de Lima Santos Aluno do Curso de Graduação em Enfermagem. Hogla Cardozo Murai Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico ISSN 1806-0463 Secretaria da Saúde v. 14 Suplemento 1 12 Boletim Epidemiológico Análise da Mortalidade por Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Rio Grande Luciana Sehn 1 1 Estatística do Centro Estadual

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Censo Demográfico 2010 Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Rio de Janeiro, 29 de junho de 2012 A presente publicação dá continuidade à divulgação dos resultados do Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo

Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo Marco Referencial Considero o tema Violência Contra Idosos como o avesso dos direitos consagrados do Estatuto da Pessoa

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

4 Indicadores Sociais

4 Indicadores Sociais 4 Indicadores Sociais 4.1 Indicadores de Saúde 4.1.1 Taxa mortalidade infantil (por mil nascidos vivos) e mortalidade por ano (por mil habitantes) - 1997 a 2013 Ano Mortalidade infantil Mortalidade por

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DAS LICENÇAS DE SAÚDE 2012

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DAS LICENÇAS DE SAÚDE 2012 PODER JUDICIÁRIO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ NADH/SEMOD Av. Anita Garibaldi, nº 888. CEP 80.540-180. Curitiba-PR Tel.: (41) 3313-4460 semod@jfpr.gov.br Curitiba, 21 de dezembro de 2012. LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO

Leia mais

Comentários. Programa saúde da família

Comentários. Programa saúde da família Comentários levantamento suplementar de saúde da Pesquisa Nacional por O Amostra de Domicílios PNAD 2008 trouxe informações detalhadas sobre a saúde da população residente em domicílios particulares no

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

SEGREDOS DE FAMÍLIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CASOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA

SEGREDOS DE FAMÍLIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CASOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA SEGREDOS DE FAMÍLIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CASOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA Alice Gonçala Ferreira de Azevedo Alves 1 INTRODUÇÃO O Brasil apresenta atualmente acelerado crescimento da população

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

Tipos de violência contra o idoso

Tipos de violência contra o idoso VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: FREQUÊNCIA E PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE VÍTIMAS E ACUSADOS EM PROCEDIMENTOS NO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Alba Apolinario 1, Juliana Rosas 3, Valeska Marinho

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2007 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: Conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as

projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES 2013-2015 1 A construção deste plano teve o assessoramento técnico realizado pela Secretaria de Estado da Mulher, através do projeto fortalecendo as políticas

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra Comunicação Social 02 de dezembro de 2003 Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Em 2000, 5,8 milhões de brasileiros de 25 anos ou mais de idade tinham o curso superior concluído e proporção

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

Mortalidade adulta no Estado de São Paulo

Mortalidade adulta no Estado de São Paulo Mortalidade adulta no Estado de São Paulo Mortalidade adulta no Estado de São Paulo Luis Eduardo Batista Estudos apontam que, no Brasil, os negros vivem, historicamente, situações sociais desfavoráveis,

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

No Brasil, principalmente até a década de 1970 investiu-se em hospitais onde, os olhos do poder público, enfatizavam somente o curativo.

No Brasil, principalmente até a década de 1970 investiu-se em hospitais onde, os olhos do poder público, enfatizavam somente o curativo. 7 DIMENSÃO SAÚDE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 7.1 Câmara Técnica de Saúde do Codep Desde os primórdios da história da civilização, a saúde era tratada somente como cura de doença. Com o passar dos tempos foi-se

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária Erradicação do Trabalho Infantil Brasília, 2 de fevereiro de 21 Introdução Esta nota apresenta um quadro do trabalho infantil no período de 26 a 28, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013

HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 INSTITUTO AVANTE BRASIL Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho VIOLÊNCIA GLOBAL CONTRA DAS MULHERES - (ONU) De acordo com

Leia mais