III. Social: Missões Empresariais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III. Social: Missões Empresariais"

Transcrição

1

2

3

4 III SUSTENTAR a Responsabilidade Social: Missões Empresariais 57

5 58 Responsabilidade Social e a Competitividade Empresarial

6 59 III. SUSTENTAR a Responsabilidade Social: Missões Empresariais Os estudos de casos, enquadrados neste projecto tiveram como principal missão a dinamização da Responsabilidade Social no tecido empresarial da Região Norte e Centro do país, contribuindo assim para o aumento da sensibilização do tecido empresarial para a temática em questão. No âmbito deste estudo foram realizadas quatro missões empresariais, nas quais se reuniram diversos empresários das regiões Norte e Centro. Foram efectuadas visitas a empresas portuguesas reconhecidas como exemplos de boas práticas ao nível da Responsabilidade Social Empresarial e em cada uma das missões participaram aproximadamente 20 colaboradores de empresas distintas com o objectivo de potenciar o conhecimento sobre a Responsabilidade Social através da partilha de experiências dos vários intervenientes.

7 60 Responsabilidade Social e a Competitividade Empresarial Aguas do Noroeste, S.A. F3M Information Systems, S.A. ROCA, S.A. CELBI, S.A. Para reforçar a aplicabilidade destas metodologias, apresenta-se 4 estudos de caso de empresas que implementam acções de Responsabilidade Social. I Águas do Noroeste I.I Apresentação A Águas do Noroeste, S.A. (AdNw), empresa do grupo Águas de Portugal, SGPS, foi constituída pelo Decreto-lei n.º 41/2010, de 29 de Abril, por fusão das sociedades Águas do Ave, S.A. (AdAve), Águas do Cávado, S.A. (AdC) e Águas do Minho e Lima, S.A. (AdML). Em sequência, foi-lhe atribuída, pelo Estado Português, em regime exclusivo, a concessão da exploração e gestão do sistema multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento do Noroeste, pelo prazo de cinquenta anos. Este sistema substitui o sistema multimunicipal de captação, tratamento e abastecimento de água do norte da área do Grande Porto, criado pela alínea d)

8 estudos de caso do n.º 3 do artigo 3.º do Decreto-lei n.º 379/93, de 5 de Novembro, o sistema multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento do Minho-Lima, criado pelo Decreto-lei n.º 158/2000, de 25 de Julho, e o sistema multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento do Vale do Ave, criado pelo Decreto-lei n.º 135/2002, de 14 de Maio. O sistema integra como utilizadores originários os Municípios de Amarante, Amares, Arcos de Valdevez, Barcelos, Cabeceiras de Basto, Caminha, Celorico de Basto, Esposende, Fafe, Felgueiras, Guimarães, Lousada, Maia, Melgaço, Monção, Mondim de Basto, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Póvoa de Lanhoso, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Terras do Bouro, Trofa, Valença, Viana do Castelo, Vieira do Minho, Vila do Conde, Vila Nova de Cerveira, Vila Nova de Famalicão, Vila Verde e Vizela. Área geográfica e infra-estruturas: 61 Abastecimento Saneamento Centro Operacional Captação ETA RR EE Condutas Adutoras ETAR EE Interceptores Minho Lima Cávado Ave Tâmega/Sousa Total Habitantes (aprox) Certificações O Sistema de Responsabilidade Empresarial (SRE) é o Sistema de Gestão da Águas do Noroeste, S.A. que promove e gere a definição, implementação e melhoria contínua dos processos e a manutenção das certificações da empresa: Qualidade (NP EN ISO 9001), Ambiente (NP EN ISO 14001), Segurança (OSHAS 18001) e Responsabilidade Social (SA8000). No contexto da recente fusão, o Sistema de Responsabilidade Empresarial da Águas do Noroeste, S.A. tem a sua origem num

9 trabalho de consolidação, uniformização e adaptação dos Sistemas de Gestão 62 Responsabilidade Social e a Competitividade Empresarial existentes e certificados das empresas extintas. Evolução das certificações das 3 empresas extintas: AdAve AdC AdML Data de Constituição Histórico das Certificações NPENISO > > >2011 NPENISO > > >2011 OHSAS > > >2011 SA > > >2011 NPENISO > >2011 NPENISOIEC > --- Assim, e na sequência deste histórico de desempenho, em Junho de 2010, já no âmbito da empresa Águas do Noroeste, SA, foi realizada uma auditoria de acompanhamento e extensão dos sistemas de gestão pré-existentes, onde foi comprovada a conformidade das práticas existentes e do planeamento do Sistema de Responsabilidade Empresarial, processo que culminou com a certificação da Águas do Noroeste, S.A..

10 estudos de caso 63 Âmbito do SRE Gestão da concepção e da construção de infraestruturas Captação, tratamento e adução de água para consumo humano. Recolha, tratamento e rejeição de águas residuais. As auditorias para além de serem também um dos principais mecanismos para a Melhoria Contínua, permitem obter a demonstração da conformidade do SRE perante as Partes Interessadas da empresa, contudo, para além destes mecanismos, o SRE é também monitorizado com outras ferramentas de gestão, em reuniões trimestrais do Grupo SRE, Revisão do Sistema, indicadores, etc. I.II Missão, Visão e Valores Missão Conceber, construir e explorar as infra-estruturas de abastecimento de água e de saneamento do sistema multimunicipal, num quadro de sustentabilidade económica, social e ambiental, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, do meio ambiente e para o desenvolvimento socioeconómico da região. Visão Ser uma empresa de referência nacional no sector da água, em termos da qualidade do serviço prestado, e um parceiro activo para o desenvolvimento sustentável da região.

11 64 Valores Responsabilidade Social e a Competitividade Empresarial Para o cumprimento da sua visão e missão, a Águas do Noroeste, S.A. considera como essenciais o cumprimento dos objectivos indicados a seguir: Satisfação dos Clientes e das outras Partes Interessadas Satisfazendo as expectativas e necessidades, que deverá ser procurada de uma forma contínua, objectiva e sistemática, com adequada sensibilização para a importância do produto fornecido e dos serviços prestados e do equilíbrio do meio hídrico. Envolvimento dos Colaboradores Assegurando condições de trabalho, formação e actualização adequadas, incentivando e motivando de forma permanente, desenvolvendo as suas actividades com respeito pelo ambiente e pela segurança. Aperfeiçoamento e Inovação Dotando a região de infra-estruturas capazes de garantir a missão da empresa, procurando um constante aperfeiçoamento e inovação em todas as fases e processos, adoptando soluções tecnológicas que assegurem a sustentabilidade económica e ambiental da empresa. Desenvolvimento Sustentável Apostando nas vertentes económica, social e ambiental, cumprindo toda a legislação e requisitos aplicáveis, assim como todas as expectativas das Partes Interessadas, fomentando um modelo de organização que permita o desenvolvimento sem prejudicar as necessidades das gerações futuras. Compromissos Sociais Respeitando a liberdade e promovendo a valorização dos colaboradores e das restantes partes interessadas, recusando o trabalho infantil, valorizando a liberdade na relação de trabalho, a liberdade de associação e representação, a igualdade de

12 estudos de caso oportunidades, promovendo a segurança e a higiene, prevenindo a ocorrência de lesões, ferimentos e danos para a saúde, assegurando o recurso a uma cadeia de fornecimento que partilhe os mesmos valores. Melhoria Contínua Aumentando a eficiência do Sistema Responsabilidade Empresarial, através da revisão periódica e regular da política, dos processos, dos objectivos e das metas, e do desenvolvimento dos recursos humanos, de modo a obter níveis de desempenho cada vez mais elevados e atingir um aperfeiçoamento contínuo e uma inovação constante, assumindo o compromisso de prevenção da poluição, da redução significativa dos riscos, e dos impactes ambientais e sociais inerentes à actividade da empresa, com o envolvimento de todos os colaboradores. Transparência Garantindo a integração e o relacionamento transparente e constante com todas as Partes Interessadas, adoptando estratégias e acções em sintonia com elevados padrões de ética. Comunicação Divulgando, interna e externamente, a política da empresa, comunicando a sua evolução e concretização, a todas as partes interessadas. 65 I.III Boas Práticas Identificadas As práticas aqui apresentadas são um exemplo das actividades desenvolvidas por cada uma das empresas extintas e é dada, sempre que possível, continuidade pela Águas do Noroeste, S.A. numa perspectiva de promoção da sustentabilidade e responsabilidade empresarial. Colaboradores As práticas da AdNw direccionadas para a Parte Interessada Colaboradores têm como suporte vários instrumentos como exemplo: a) certificação em Responsabilidade

13 Social e Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (e também a norma de Gestão 66 Responsabilidade Social e a Competitividade Empresarial de Recursos Humanos, NP4427, em que duas das empresas anteriores eram certificadas), b) em requisitos legais, c) em resultados de questionários de Avaliação de Satisfação de Colaboradores e de Avaliações de Desempenho e d) práticas dirigidas para melhorar a motivação e satisfação dos Colaboradores. A título de exemplo de algumas práticas e iniciativas desenvolvidas são apresentadas de seguida: Seguro de Saúde, extensível aos membros dos respectivos agregados familiares. Confraternizações - Sardinhada de São João, Magusto de São Martinho, jantar/almoço de Natal, festa de Natal para os filhos dos colaboradores, no qual se procedeu à distribuição de um presente de Natal a cada criança e de um cabaz de Natal a cada Colaborador. A componente de animação inerente a todos os eventos de convívio foi exclusivamente assegurada pelos colaboradores da empresa, quer através da dinamização de actividades para os participantes, quer através da representação de peças de teatro de natureza humorística. Apoio às iniciativas organizadas pelo Clube Recreativo, as quais contribuem de forma importante para o ambiente de trabalho existente na empresa. O Clube Recreativo dinamiza ainda uma sala de ocupação de tempos livres, onde os colaboradores, fora do seu horário de trabalho, podem passar algum tempo em convívio, com actividades como karaoke, matraquilhos, puzzles, leitura, etc. Espaço para actividade desportiva: uma sala para a prática de ginástica acompanhada por uma monitora, que decorre duas vezes por semana, ao fim do dia (processo também dinamizado pelo Clube Recreativo). O serviço de cantina é disponibilizado aos colaboradores visando criarlhes condições de comodidade, evitando a pesquisa e deslocação aos

14 estudos de caso estabelecimentos de restauração localizados nas imediações, e possibilitarlhes o usufruto dos espaços abertos do local e a disponibilidade de algum tempo livre adicional. A empresa faculta aos seus colaboradores consultas médicas no âmbito da medicina curativa e promove campanhas de vacinação anti-gripe e, para além dos exames periódicos realizados no âmbito da Medicina no Trabalho, foram realizados espirometrias e audiometrias como exames complementares. No sentido de promover melhores condições de saúde aos colaboradores, o Médico do Trabalho visitou alguns postos de trabalho para verificar os principais riscos a que estes estão expostos e auxiliar na sua avaliação. Consulta periódica aos colaboradores em matéria de Segurança, Higiene e Saúde do Trabalho, sob a forma de um questionário disponibilizado via informática. Avaliação de desempenho e Prémio de Desempenho. Cedência de Colaboradores e atribuição de licenças sem vencimento. Facilidades no âmbito da atribuição de estatuto Trabalhador-estudante. Envolvimento no projecto Novas Oportunidades (9º ano e ensino secundário) - Colaboradores e Comunidade externa. Análise da evolução das Necessidades Básicas dos Colaboradores - salários praticados Vs salário mínimo nacional (cálculo previsto no Guidance Document for Social Accountability SA8000). Código de Conduta e Ética da Águas do Noroeste, S.A. que vincula todos os Colaboradores. A existência de vários meios de comunicação interna que permitem que qualquer colaborador participe activamente no Sistema de Responsabilidade Empresarial intranet, com Espaço Colaborador, suporte para sugestões, 67

15 reuniões/almoços entre Colaboradores e Administração, consulta aos 68 Responsabilidade Social e a Competitividade Empresarial Colaboradores no âmbito da Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho, várias acções de divulgação, sensibilização e formação, entrega de prémios a projectos inovadores, workshops, mostra de talentos, etc.. Ambiente As práticas ambientais da AdNw têm também como suporte vários instrumentos como exemplo: a) a optimização dos próprios processos da empresa já que o seu sector de actividade é ambiental, b) certificação em Gestão Ambiental, c) em requisitos legais, d) resultados de comunicações de outras Partes Interessadas, principalmente Comunidade e Organizações Não Governamentais. Desenvolvimento de acções de Sensibilização e Informação Ambiental na área geográfica de intervenção. Redução de consumos energéticos (empresa tem algumas instalações consumidoras intensivas de energia), tendo já obtido o Prémio GreenLight e redução das emissões de gases com efeito de estufa associadas. Em relação aos aspectos comportamentais foram concretizadas acções de

16 estudos de caso sensibilização de cariz ambiental nomeadamente uma acção direccionada para uma melhor utilização dos equipamentos eléctricos nas instalações e outra acção direccionada para uma condução mais amiga do ambiente nomeadamente (ECO Condução). Redução de consumos de materiais e redução da produção de resíduos - como exemplo, a iniciativa lançada em 2006 com o compromisso de reduzir anualmente o consumo de papel associado ao seu processo produtivo (com plantação das árvores correspondentes ao consumo excedente de cada departamento), a reutilização de materiais laboratoriais, optimização dos processos de desidratação de lamas, etc. Redução de perdas no processo produtivo. Análise das disponibilidades hídricas das fontes de captação de água. Promoção de estudos para delimitação de perímetros de protecção das captações. Protocolos com entidades para promoção da limpeza dos meios hídricos. Apoio à criação do EcoParque. Preservação de sobreiros nas áreas de intervenção da empresa. Optimização dos processos de tratamento de águas residuais. Insonorização de infra-estruturas exploradas pela empresa. Sociedade As práticas da AdNw que envolvem a parte interessada Sociedade, estão imbuídas em todos os aspectos do Sistema de Responsabilidade Empresarial, já que os produtos da empresa água para consumo humano e rejeição de efluentes tratados sendo bens essenciais, implicam directamente com a comunidade, assim como toda a actividade associada à construção das infra-estruturas. Para além disso, quer no âmbito do alargamento do conceito de Responsabilidade 69

17 Social à comunidade como na promoção do conceito do uso sustentável da água, 70 Responsabilidade Social e a Competitividade Empresarial a AdNw tem responsabilidades acrescidas. A relevância regional da empresa, quer pela sua actividade quer pela sua dimensão, fazem com que a sua interacção com instituições de ensino e investigação, como com Organizações Governamentais e Não Governamentais seja também um aspecto dinamizado pela empresa no âmbito da sua Responsabilidade Empresarial. De seguida, apresentam-se algumas actividades relacionadas com a Parte Interessada Sociedade: Abertura da empresa para acolher estagiários nas suas várias áreas de actuação e competência. Diálogo com Autarquias e estabelecimentos de Ensino (Básico, Secundário e Universitário) no desenvolvimento de projectos com mais-valia mútua. Como um dos muitos exemplos pode referir-se o envolvimento da empresa junto com a Comunidade no projecto Novas Oportunidades, desenvolvimento de projectos científicos de optimização tecnológica, acolhimento de visitas de estudo (e outras) guiadas a algumas das instalações da empresa. Envolvimento das autoridades locais em processos internos, como por exemplo simulações de cenários de emergência. RoadShows e promoção institucional para promoção do uso sustentável da água.

18 estudos de caso Mecenato e Voluntariado Para além das actividades promovidas por iniciativa da própria empresa, há várias entidades que solicitam à AdNw apoio no âmbito do mecenato. De modo a haver uma harmonização dos critérios que subsistem à selecção dessas mesmas actividades, a AdNw sujeita cada pedido a um processo de avaliação e ponderação. As actividades da AdNw desenvolvidas no âmbito do voluntariado têm duas vertentes, uma através de apoio mais formal da própria empresa e outra a nível da promoção do voluntariado junto dos Colaboradores, sendo que esta obedece a critérios mais livres de modo a fomentar a espontaneidade dessas mesmas actividades. Como exemplo, apresentam-se as seguintes actividades desenvolvidas pela Águas do Noroeste, S.A.: Promoção do voluntariado junto dos Colaboradores, através de acções de sensibilização onde participaram entidades externas promotoras de alguns projectos. Apoio a instituições culturais e desportivas. Cedência de tempo de trabalho aos Colaboradores para que possam desenvolver actividades de voluntariado e cedência de algum material e/ ou equipamento da empresa para o desenvolvimento das mesmas. Participação activa junto do Banco Alimentar contra a Fome. Participação activa em acções de recolha de sangue e de medula óssea. Entrega de cadeiras de rodas no âmbito do Projecto Tampinhas. Apoio a entidades de Solidariedade Social, como por exemplo para elaboração e distribuição de cabazes ou entrega de prendas e dinamização de actividade com utentes das IPSS. Apoio financeiro no âmbito do projecto internacional KIVA. Substituição da tradicional entrega de prendas de Natal pela apresentação 71

19 72 aos colegas de um projecto realizado no âmbito da solidariedade. Responsabilidade Social e a Competitividade Empresarial Educação A nível da promoção da educação e formação dos Colaboradores, qualquer uma das empresas que deram origem à Águas do Noroeste, S.A. tinha práticas consistente ao abrigo quer do cumprimento dos requisitos legais, quer do cumprimento dos requisitos subjacentes a qualquer uma das normas pelas quais era certificada, princípio mantido no âmbito da Águas do Noroeste, S.A. A realização das acções de formação previstas no Plano de Formação plurianual sempre foi um objectivo cujo acompanhamento é feito regularmente no âmbito do Sistema de Responsabilidade Empresarial. Este planeamento tem como suporte vários instrumentos de gestão desde os resultados da Avaliação de Desempenho dos Colaboradores, resultados da Avaliação da Satisfação dos Colaboradores, necessidades levantadas no âmbito de Oportunidades de Melhoria ou mesmo de alteração de funções. Para além das acções planeadas, a empresa sempre apoiou a participação voluntária dos Colaboradores em diversas acções de formação e sensibilização relevantes para o seu desenvolvimento profissional e pessoal apresentam-se, como exemplo, de algumas das actividades apoiadas ou promovidas pela empresa:

20 estudos de caso Os colaboradores têm a possibilidade de participar em eventos de sensibilização (ex: congressos, colóquios, seminários, workshops) para tomada de conhecimento de boas práticas com eventual aplicabilidade e interesse para a empresa. Atribuição de estatuto de trabalhador-estudante a colaboradores que se traduz numa dispensa de horas de trabalho. Promoção de programas de educação, formação, aconselhamento, prevenção e controlo de risco de doenças graves. Realização de acções de formação sobre o Plano de Emergência, onde foram destacados os procedimentos de actuação face aos diferentes cenários de emergência. Celebração de um protocolo com a AIMINHO Associação Industrial do Minho, para execução de projectos de reconhecimento, validação e certificação de competências ao nível dos ensinos básico (9º ano) e secundário (12º ano) para participação dos colaboradores da empresa bem como para pessoas provenientes das comunidades envolventes. Mercado A Águas do Noroeste, S.A., pelo sector de actividade onde se inclui, está sujeita a regras de monopólio, monopólio este que é regulado pelo estado através da ERSAR (Entidade Reguladora de Águas e Resíduos). A regulação exercida pela ERSAR compreende: regulação Económica, regulação da Qualidade do Serviço e regulação da Qualidade da Água. Não tendo competidores no mercado, a sua actuação assenta na prestação do serviço de captação, tratamento e adução de água para consumo humano e de recolha, tratamento e rejeição de águas residuais em cumprimento com a legislação aplicável e contratos assumidos, de modo garantir um serviço de excelência aos seus clientes. Na perspectiva da melhoria contínua do serviço prestado, além da empresa ter 73

21 um Sistema de Gestão da Qualidade de acordo com a Norma NP EN ISO Responsabilidade Social e a Competitividade Empresarial implementado e certificado, é alvo de auditorias ao seu desempenho pela ERSAR (resultados publicados no site da ERSAR) e auditorias, pela própria holding, a Águas de Portugal, ao grau de cumprimento dos vários contratos que detém. Para além deste controlo em termos de prestação do serviço, existem várias ferramentas de controlo de qualidade do produto entregue, das quais se destacam: Elaboração, implementação e acompanhamento de Planos de Segurança da Água para Consumo Humanos (PSA) (desenvolvidos de acordo com as directrizes internacionais da Organização Mundial de Saúde e da Bonn Charter for Drinking Water), e os Planos de Controlo da Qualidade da Água (PCQA) e de Controlo da Qualidade da Água Residual (PCQAR), que visam o controlo das etapas do processo produtivo de modo a garantir a qualidade do produto final de acordo com os requisitos estipulados. Laboratório acreditado pela norma NP EN ISO/IEC 17025, para a realização de ensaios laboratoriais em águas, para uma série de parâmetros físicoquímicos e microbiológicos e também para a realização da amostragem. Análise da Avaliação da Satisfação de Clientes e um processo de gestão de Reclamações, destacando, neste caso, as de Clientes. Monitorização trimestral de um conjunto de indicadores de desempenho, dos quais se destacam os de cumprimento dos requisitos do produto. Fornecedores Não obstante o envolvimento de fornecedores e a garantia do cumprimento dos requisitos e Política da Águas do Noroeste, S.A. estar subjacente a qualquer uma das normas pelas quais a empresa é certificada, um dos maiores desafios da certificação em Responsabilidade Social pela norma SA8000, é a sua aplicação na cadeia de fornecimento já que pressupõe a existência de evidências efectivas de que os mesmos princípios são efectivamente promovidos pelos fornecedores da empresa e respectiva cadeia de subcontratação.

22 estudos de caso Numa aproximação das práticas já existentes nas empresas anteriores, pode afirmarse que a Águas do Noroeste, S.A., vincula os seus fornecedores à sua Política, onde se incluem requisitos Ambientais, de Segurança e de Responsabilidade Social como exemplo de mecanismos que a empresa usa para acompanhar o desempenho dos seus fornecedores pode referir-se: Existência de um Regulamento para Fornecedores (disponível no site da empresa) com o qual os fornecedores têm de estar vinculados através de assinatura de uma Declaração de Aceitação desse Regulamento (excepto no caso dos contratos onde o cumprimento destes requisitos é estipulado em Cadernos de Encargos). Com este processo, os Fornecedores ficam ainda comprometidos em colaborar em auditorias a que possam ser sujeitos. Para além do acompanhamento técnico das actividades associadas à prestação do serviço, para algumas actividades há acompanhamento próximo no âmbito da Segurança, Ambiente e Responsabilidade Social para verificação do cumprimento dos requisitos associados ao Regulamento para Fornecedores. Realização de auditorias a Fornecedores. Processo de homologação e avaliação anual do desempenho de fornecedores, com destaque para os que obtiveram melhor desempenho nessa avaliação. Neste processo, para além da avaliação da prestação do serviço em termos de execução do mesmo, o Fornecedor é também avaliado quanto ao cumprimento dos requisitos subjacentes ao Regulamento para Fornecedores, havendo também lugar a uma auto-avaliação do fornecedor (por questionário) do fornecedor nesse domínio. Realização de sessões de sensibilização e envolvimento dos Fornecedores com a Política e práticas da empresa. 75

23 76 Conclusão Responsabilidade Social e a Competitividade Empresarial A Águas do Noroeste, S.A., com a integração dos vários referenciais normativos pelos quais é certificada, assume o conceito de Responsabilidade Empresarial para enquadrar todo o seu sistema de gestão. Este conceito é mais amplo do que o conceito de Responsabilidade Social trazido pela norma SA8000 e vai de encontro ao conceito de Responsabilidade Social subjacente à recentemente publicada ISO que, embora não certificável, traz orientações nesta matéria. Assim, a Águas do Noroeste, S.A. assume a Responsabilidade Empresarial, como a responsabilidade que tem pelos impactes das suas decisões, actividades e produtos na Sociedade, no Ambiente e nos que trabalham com a empresa, Colaboradores e Fornecedores, através de um comportamento ético e transparente que: a) seja consistente com o desenvolvimento sustentável e o bem-estar da sociedade; b) tenha em conta as expectativas das partes interessadas; c) esteja em conformidade com a legislação aplicável e seja consistente com normas de conduta internacionais e d) esteja integrada em toda a Águas do Noroeste, S.A. através da disseminação da sua Política. A Águas do Noroeste, S.A. tem consciência que o caminho para ser uma empresa socialmente responsável é longo e não isento de dificuldades, pelo que a perspectiva será sempre de melhoria contínua. Com a recente fusão de onde nasceu a Águas do Noroeste, S.A. temos a oportunidade de procurar construir uma empresa nova, sustentável, mantendo o que de melhor foi feito em cada uma das empresas que estiveram na sua génese.

24 estudos de caso II F3M Information Systems S.A. II.I Apresentação 77 A F3M Engenharia de Sistemas e Informática, Lda., foi fundada em Julho de 1987, por 4 recém-licenciados em Engenharia de Sistemas e Informática. A estrutura societária sofreu diversas alterações ao longo dos anos, tendo-se transformado, em 2007, em sociedade anónima, assumindo a designação F3M Information Systems, SA.. Entre 1987 e 1997, a F3M baseou a sua actividade no desenvolvimento de projectos específicos, numa filosofia one client one project. Entre 1997 e 2001, a F3M especializou-se em nichos de mercado, sem abandonar o desenvolvimento específico. Entre 2002 e 2006, a F3M reforçou a sua aposta na elevada especialização nos nichos de mercado onde opera, tendo-se estruturado em business units. Em 2005, a F3M passa a contar com uma filial na capital portuguesa. A partir de 2006, a F3M deixa de ser exclusivamente uma software-factory para se assumir como uma empresa especializada em soluções TICE para os sectores de Solidariedade Social, Ópticas, Têxtil e Empresarial, num mercado global e não apenas nacional. Em Dezembro de 2007, a F3M alcançou a Certificação da Qualidade, no âmbito da concepção, do desenvolvimento e da comercialização de soluções de software e de componentes. A F3M é hoje uma das sete empresas portuguesas que integra o Guia Europeu sobre a Responsabilidade Social das Empresas resultado das suas boas práticas no âmbito da RSE e que são o culminar de uma consolidada estratégia que tem implementado ao longo dos anos nesta área. Recentemente, a empresa foi também reconhecida pelo IAPMEI como PME Líder,

25 passando a integrar o grupo restrito de empresas que, pelas suas qualidades de 78 Responsabilidade Social e a Competitividade Empresarial desempenho e perfil de risco, são consideradas por esta entidade como motor da economia nacional em diferentes sectores de actividade. Em Março de 2010, a F3M alcançou a Certificação do Sistema de Investigação, Desenvolvimento e Inovação. Em Novembro de 2010, a F3M passou a integrar a Rede PME Inovação COTEC, assumindo assim o estatuto de PME inovadora. II.II Missão, Visão e Valores Movida por desafios colocados por clientes e parceiros de negócio, a F3M acredita que todos os dias é possível evoluir. A vontade de fazer mais e melhor é uma característica intrínseca a toda a equipa. A missão e visão F3M definem o que queremos alcançar e a forma como o pretendemos fazer. Missão Fornecer soluções TICE, especializadas e de qualidade, contribuindo para a melhoria das organizações clientes. Visão Ser a organização de referência, nos mercados em que actua. Valores Orientação para os resultados e para os clientes. Planeamento e gestão por objectivos. Competência. Espírito de equipa. Criatividade e inovação. Dedicação. Integridade e ética.

26 estudos de caso II.III Boas Práticas Identificadas Colaboradores Campanhas internas de prevenção / rastreio (problemas de visão) A F3M, em parceria com alguns dos seus clientes da área de ópticas, realiza rastreios regulares à saúde visual dos seus colaboradores. Por norma esta iniciativa tem lugar uma vez por ano. 79 Campanha de incentivo aos não fumadores A F3M promove, desde 2004, uma política de incentivo aos não fumadores dentro do local de trabalho. Com esta iniciativa pretende-se assegurar aos colaboradores um ambiente sem fumo passivo; aumentar a qualidade de saúde; elevar a motivação dos colaboradores; incentivar os fumadores a abandonar o vício; promover, em geral, uma maior capacidade de produção e criar uma imagem saudável da Empresa. Os colaboradores F3M passaram, desde então, a não fumar no interior das instalações, nem no interior das viaturas da Empresa. A Lei n.º 37/2007, de 14 de Agosto, que aprova normas para a protecção dos cidadãos da exposição involuntária ao fumo do tabaco e medidas de redução da procura relacionadas com a dependência e a cessação do seu consumo, veio apenas formalizar, para a F3M, uma prática perfeitamente instituída e aceite pelos seus colaboradores. Os fumadores continuam a exercer o seu direito, mas no exterior do edifício da empresa (estando sujeitos às diferentes condições climatéricas), desde que esse hábito não quebre a produtividade e as actividades em curso.

O SISTEMA DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO CÁVADO, S.A. Processo de transição para a ISO 9001:2000

O SISTEMA DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO CÁVADO, S.A. Processo de transição para a ISO 9001:2000 O SISTEMA DA QUALIDADE DA ÁGUAS DO CÁVADO, S.A. Processo de transição para a ISO 9001:2000 Filomena PEIXOTO Eng.ª Biológica, Águas do Cávado, S.A., Lugar de Gaído, 4755-045, Areias de Vilar, +351.253.919020,

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima de tudo, Perfeição.

Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima de tudo, Perfeição. COMMUNICATION ON PROGRESS MARCH 2014 MARCH 2015 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

ANEXO PAPRU Resiestrela

ANEXO PAPRU Resiestrela 0 RESIESTRELA, SA Situação Actual 1. Universo de Intervenção O Sistema Multimunicipal de Valorização e Tratamento dos Resíduos Sólidos da Cova da Beira, criado pelo Decreto-Lei n.º 128/2008, de 21 de Julho,

Leia mais

RELATÓRIO RELATIVO À ACTIVIDADE NO ANO 2011

RELATÓRIO RELATIVO À ACTIVIDADE NO ANO 2011 RELATÓRIO RELATIVO À ACTIVIDADE NO ANO 2011 A ENTRAJUDA prosseguiu em 2011 a sua missão estatutária de apoiar as instituições de solidariedade com instrumentos e ferramentas de gestão e organização, para

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA A Sociedade Ponto Verde é uma entidade privada sem fins lucrativos que tem por missão organizar e gerir a retoma e valorização de resíduos de embalagens

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Agenda Quem Somos? O que produzimos Informações Úteis Ideias - chave sobre Responsabilidade Social Empresarial (RSE) Nosso Conceito de RSE, baseado na Missão e Valores

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

O grupo das. empresas da família. Janz resultaram da. Bruno Janz Herdeiros. SA fundada em 1915. pelo Engº Bruno Janz.

O grupo das. empresas da família. Janz resultaram da. Bruno Janz Herdeiros. SA fundada em 1915. pelo Engº Bruno Janz. O grupo das empresas da família Janz resultaram da Bruno Janz Herdeiros SA fundada em 1915 pelo Engº Bruno Janz. Prestação de serviços na área dos Recursos Humanos, da Contabilidade e Gestão Finaceira

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. "Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009 INFRAQUINTA Afirmação de uma Cultura Ambiental "Modelos de Gestão no Sector do Turismo Albufeira, 22 Abril 2009 AGENDA 1. A INFRAQUINTA Génese Estrutura Accionista Organograma Missão Competências 2. O

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio, E. P. E. rege-se pela legislação e demais normativos aplicáveis às Entidades

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE

PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE Enquadramento geral Os Programas de Educação para a Sustentabilidade têm como principal objectivo promover a educação e a sensibilização ambiental de todos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO CONCELHO Aprovado na 3.ª Reunião Ordinária

Leia mais

Página. Plano. de Gestão Sustentável do IFDR. Poupança. Boas Práticas. Energia. Reciclagem. Plano de Gestão Sustentável do IFDR

Página. Plano. de Gestão Sustentável do IFDR. Poupança. Boas Práticas. Energia. Reciclagem. Plano de Gestão Sustentável do IFDR Página Plano de Gestão Sustentável do IFDR 2010 Energia Poupança Boas Práticas Reciclagem Dezembro de 2010 Página 2 Energia Poupança Página Reciclagem Boas Práticas Índice 1. Enquadramento 5 2. Objectivos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA Surge da vontade dos Sistemas Intermunicipais, que até então se representavam

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I Apresentação O BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VIANA DO CASTELO, continuou em 2014 a sua política interna para fazer mais, com menos, prestando um serviço público, contratualizado

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO Entidade Gestora: Nota Justificativa Conscientes da necessidade premente de se dotarem de uma infra-estrutura em conformidade com a legislação vigente, mas também no sentido

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Foi aprovado pela tutela no ano de 2008 o Regulamento Interno do Centro Hospitalar do Porto que passou a reger a

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Homologo. Homologo. Secretária de Estado da Igualdade /alter Lemos Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO

Leia mais

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia)

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia) PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Incentivo às Micro-empresas, adiante designado por PRIME, é gerido pela Câmara Municipal de Vidigueira

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Projecto Eco-condução Portugal

Projecto Eco-condução Portugal Projecto Eco-condução Portugal Apresentação e Principais Actividades Hélder Pedro, ACAP 20 de Maio 2009 Introdução O conceito de Eco-condução tem nos últimos anos sido alvo de muito interesse em toda a

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Soluções para coberturas Telhas e acessórios cerâmicas Fibrocimento Complementos para

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO Dra. Paula Lima Breve apresentação da CERCIMARCO MISSÃO Desenvolver respostas ajustadas às necessidades das pessoas com deficiência ou com problemas de inserção

Leia mais