1) Materiais de laboratório

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1) Materiais de laboratório"

Transcrição

1 1) Materiais de laboratório MATERIAIS DE LABORATÓRIO Erlenmeyer Pipetas Tubo de ensaio É usado para efetuar reações com pequenas quantidades de reagentes. Pode ser aquecido diretamente na chama do bico de Bunsen, com cuidado. Empregado na dissolução de substâncias, nas reações químicas, no aquecimento de líquidos e nas titulações. Sua capacidade é variável. As pipetas são utilizadas para transferências precisas de volumes de líquidos. Existem dois tipos de pipetas: 1) As pipetas graduadas (mais finas) permitem medir volumes variáveis de líquidos. 2) As pipetas volumétricas( com bulbos), não são graduadas e só permitem medir um volume único de líquido. Cristalizador Proveta Copo de Béquer Recipiente usado em reações, dissolução de substâncias, aquecimentos de líquidos, etc. Para leválo ao fogo, use tripé com a proteção da tela de amianto. São de vidro, possuem grande superfície que faz com que o solvente evapore com maior rapidez. São empregados na cristalização em geral. É empregada nas medições aproximadas de volumes de líquidos. Há provetas cuja capacidade varia de 5 ml a ml. Nunca deve ser aquecida. Bureta Consiste de um tubo cilíndrico graduado e apresenta na parte inferior uma torneira de vidro controladora da vazão. É empregada especificamente nas titulações. Kitassato É utilizado para efetuar filtrações a vácuo.

2 Balão volumétrico Possui um traço de aferição no gargalo que é longo e é usado no preparo de soluções que precisam ter concentrações definidas. Existem balões cuja capacidade varia de 50 ml a ml. Balão com saída lateral É mais utilizado para efetuar destilações simples. A saída lateral por onde passa o vapor destilado, é ligada ao condensador. Na parte superior coloca-se uma rolha furada, com termômetro. Balão de fundo chato Balão de vidro de volume variável, utilizado em aquecimentos, refluxos, destilação e para a conservação de materiais. Balão de fundo redondo É mais usado para o aquecimento de líquidos e reações com desprendimento de gases. Funil de vidro Tubos em U Condensador Usado em transferências de líquidos e em filtrações de laboratório, isto é na separação das fases de misturas heterogêneas. Tubo recurvado em forma de U, quando preenchido com uma solução especial funciona como ponte salina permitindo a passagem de íons na montagem de uma pilha de Daniell. É empregado nos processos de destilação. Sua finalidade é condensar os vapores do líquido. É refrigerado a água. Vidro de relógio Frascos para reativos Permite a pesagem de reagentes ou é utilizado para cristalizar substâncias. Também, pode ser usado para cobrir o copo de Béquer em evaporações. Permitem guardar as soluções para armazenamento.nos frascos de cor âmbar são colocadas as substâncias que se decompõem em presença da luz. Nos frascos brancos são colocadas as soluções que não se decompõem em presença da luz. Funil de separação ou decantação Recipiente de vidro em forma de pêra, que possui uma torneira. É Utilizado para separar líquidos imiscíveis. Deixa-se decantar a mistura; a seguir abre-se a torneira deixando escoar a fase mais densa. Almorafiz de porcelana com pistilo São utilizados para triturar e pulverizar sólidos. Funil de büchner São recipientes de porcelana de diferentes diâmetros, na sua parte interna se coloca um disco de papel de filtro. Assim, é utilizado para realizar filtrações a vácuo.

3 Cápsula de porcelana Usada em evaporações, dissoluções a quente, calcinação, secagem e aquecimentos. Cadinho de porcelana Usado para o aquecimento a seco (calcinação), na eliminação de substâncias orgânicas, secagem e fusões, no bico de Bunsen ou mufla. Desecador É usado para guardar substâncias em ambiente com pouco teor de umidade. Bastão de vidro O bastão de vidro é utilizado para agitar substâncias facilitando a homogeneização. Auxilia também na transferência de um líquido de um recipiente para outro. Suporte Universal É um suporte de ferro que permite sustentar vários outros utensílio como argolas, garras, etc. Mufa É um adaptador do suporte universal e de outros utensílios. Garra metálica Estas garras permitem sustentar outros objetos nos suportes. Pinça metálica ou Tenaz Pinças metálicas são usadas para segurar, cadinhos, cápsulas, etc., quando aquecidos. Pinça de Mohr Esta pinça é muito utilizada para obstruir a passagem de um líquido ou gás que passa através de tubos flexíveis. Anel metálico ou argola É um anel metálico que se adapta ao suporte universal. Serve como suporte para a tela de amianto, funil de separação, funil simples, etc. Triângulo de porcelana Usado para sustentar cadinhos de porcelana em aquecimentos diretamente no bico de Bunsen durante uma calcinação. Fica sobre a argola ou tripé Tripé de ferro Usado para sustentar a tela de amianto ou o triângulo de porcelana. Tela de amianto Usado para sustentar frascos de vidro que vão ao aquecimento, pois distribuí uniformemente o calor proveniente das chamas do Colher de deflagração

4 bico de Bunsen, evitando assim,que se quebrem Se utiliza para realizar pequenas combustões de substâncias ou observar o tipo de chama, reação, etc. Bico de Bunsen É a fonte de aquecimento mais empregada em laboratório. Apresenta uma base, um tubo cilíndrico, um anel móvel e uma válvula. Para se fazer um bom aquecimento deve-se regular a entrada de ar através do anel móvel. A chama do bico deve ser a azul (oxidante) pois não deixa resíduos nos materiais. Frasco lavador ou pisseta É empregada na lavagem de recipientes por meio de jatos de água ou de outros solventes. O mais utilizado é o de plástico pois é prático e seguro. Estante para tubos de ensaio Suporte de madeira ou metal, de vários tamanhos.é utilizada como suporte para tubos de ensaio. Espátula Permite retirar substâncias sólidas de frascos. É confeccionada em osso, porcelana ou metal. Banho Maria É um dispositivo que permite aquecer substâncias de forma indireta(banho-maria), ou seja, que não podem ser expostas a fogo direto. Furador de rolhas É um utensílio que permite produzir orifícios de diferentes diâmetros em rolhas de cortiça ou de borracha. Trompa d água Equipamento que, ligado a uma torneira, faz sucção nas filtrações a vácuo. Pinça ou Garra de madeira Usada para segurar tubos de ensaio durante o aquecimento direto no bico de Bunsen. Evitando queimaduras nos dedos. Escova para tubo de ensaio Mufla

5 Permite lavar tubos de ensaio. É um tipo de estufa que permite calcinar materiais. Balança comum É um instrumento que permite aferir massas de substâncias, sua sensibilidade pode chegar até 0,1 grama. Balança analítica É um instrumento que tem uma grande sensibilidade de pesagem algumas chegam a 0,0001 grama. Termômetro É um instrumento que permite observar a temperatura que vão alcançando algumas substâncias que estão sendo aquecidas. Centrífuga É um aparelho que acelera o processo de decantação. Devido ao movimento de rotação, as partículas de maior densidade, por inércia, são arremessadas para o fundo do tubo. Papel de filtro Papel poroso, que retém as partículas sólidas, deixando passar apenas a fase líquida. Capela Local fechado, dotado de um exaustor onde se realizam as reações que liberam gases tóxicos num laboratório. Estufa Aparelho elétrico utilizado para dessecação ou secagem de substâncias sólidas, evaporações lentas de líquidos, etc.

6 REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA Selecionamos oito regras gerais de segurança que deverás considerar quando realizares atividades experimentais ou quando trabalhares num laboratório: 1 Não correr nem fazer movimentos bruscos.

7 2 3 Conhecer a localização das saídas de emergência e dos meios de extinção de incêndios. Não comer, beber, fumar, colocar cosméticos ou mascar pastilhas elásticas. 4 Utilizar bata e óculos de proteção. 5 Prender os cabelos compridos e não usar anéis ou pulseiras. 6 Estudar todas as instruções do trabalho a realizar. 7 Lavar as mãos durante e no final do trabalho. 8 Conservar o local de trabalho limpo e arrumado. SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA Para dar uma informação de segurança rápida utiliza-se sinalização de segurança. Os sinais de segurança podem ser: SINAIS DE OBRIGAÇÃO Forma circular, fundo azul e pictograma a branco SINAIS DE AVISO E PERIGO SINAIS DE PROIBIÇÃO Forma triangular, o contorno e pictograma a preto e o fundo amarelo. Forma circular, o contorno vermelho, pictograma a preto e o fundo branco. SINAIS DE EMERGÊNCIA Forma retangular, fundo verde e pictograma a branco. SINAIS DE OBRIGAÇÃO Os sinais de obrigação indicam comportamentos ou ações específicas e a obrigação de utilizar equipamento de proteção individual. São utilizados em instalações, acessos, aparelhos, instruções e procedimentos, etc.

8 1 Proteção obrigatória dos olhos e vias respiratórias. 2 Proteção obrigatória do corpo. 3 Obrigatório lavar as mãos. 4 Proteção obrigatória dos olhos. SINAIS DE AVISO E PERIGO Os sinais de aviso e perigo indicam situações de atenção, precaução ou verificação. São utilizados em instalações, acessos, aparelhos, instruções e procedimentos, etc. 1 Perigo de eletrocussão. 2 Perigo de incêndio. 3 Perigo - altas temperaturas. 4 Perigo de intoxicação. 5 Perigo - raios Laser. 6 Risco biológico. Outros símbolos Nocivo Explosivo Comburente

9 Inflamável Corrosivo Radioativo SINAIS DE PROIBIÇÃO Os sinais de proibição indicam atitudes perigosas. São utilizados em instalações, acessos, aparelhos, instruções, procedimentos, etc. 1 Proibido comer ou beber. 2 Proibido beber água. 3 Proibido fazer fogo. 4 Proibido apagar com água. SINAIS DE EMERGÊNCIA Os SINAIS DE EMERGÊNCIA indicam direções de fuga, saídas de emergência ou localização de equipamento de segurança. São utilizados em instalações, acessos e junto de equipamento de segurança. 1 Lava-Olhos de Emergência. 2 Saída de Emergência à esquerda. 3 Posto de Primeiros Socorros. 4 Direção de evacuação. ATIVIDADES PROPOSTAS MATERIAIS DE LABORATÓRIO 01. (Mackenzie) A aparelhagem mais apropriada para separar dois líquidos imiscíveis é:

10 02. (FATEC) Em um tubo de ensaio, uma pequena mecha de palha de aço foi suavemente comprimida. Em seguida, inverteu-se esse tubo em um béquer contendo água, conforme mostra a figura. Após alguns dias, deve-se afirmar que a massa do material sólido no interior do tubo a) diminui, e o nível da água dentro do tubo de ensaio subiu. b) diminui, e o nível da água dentro do tubo de ensaio baixou. c) aumentou, e o nível da água dentro do tubo de ensaio baixou. d) aumentou, e o nível da água dentro do tubo de ensaio subiu. e) aumentou, e o nível da água dentro do tubo de ensaio permaneceu o mesmo. 03. Deseja-se preparar e recolher os gases metano, amônia e cloro. As figuras I, II e III mostram dispositivos de recolhimento de gases em tubos de ensaio. Escolha, dentre os dispositivos apresentados, os mais adequados para recolher, nas condições ambiente, metano, amônia e cloro. Esses dispositivos são, respectivamente, a) II, II e III. b) III, I e II. c) II, III e I. d) II, I e III. e) III, III e I. 04. Em uma feira de ciências, dois alunos propuseram um método para dessalinizar a água do mar a fim de torná-la potável, ou seja, própria para o consumo humano, conforme a foto do evento mostrada a seguir:

11 a) Cite e explique a função de quatro instrumentos de laboratório essenciais para a construção e o funcionamento do aparelho utilizado no processo de dessalinização da água, mostrado na foto. b) Cite dois motivos técnicos que justifiquem ser preferível preservar a água potável do que produzi-la a partir da imensa quantidade de água que existe no mar. 05. (FUVEST) Em condições ambientes de pressão e temperatura (1 atm, 25 C) qual dos seguintes procedimentos é correto? a) Preparar uma solução de ácido sulfúrico, adicionando água ao ácido concentrado. b) Descartar sobras de sódio, jogando-as na pia. c) Aquecer béquer contendo etanol com bico de Bunsen. d) Empregar banho-maria (banho de água) para destilar tolueno (Ponto de Ebulição=111 C, 1 atm). e) Utilizar banho de glicerina (Ponto de ebulição=290 C, 1 atm) para fundir ácido benzóico (Ponto de Fusão=122 C). 06. (FUVEST) Para realizar um experimento, em que é produzido CO pela reação de um carbonato com ácido clorídrico, foi sugerida a aparelhagem da figura a seguir. Com essa aparelhagem, I. não será adequado usar carbonatos solúveis em água. II. o experimento não funcionará porque o ácido clorídrico deve ser adicionado diretamente sobre o carbonato. III. parte do CO desprendido ficará dissolvido na água. IV. o gás recolhido conterá vapor d'água. Dessas afirmações, são corretas, apenas: a) I, II e III b) I, III e IV c) II e IV d) II e III e) III e IV

12 07. (UFPR) Pede-se a um estudante que identifique alguns materiais (A, B, C, D, E, F). São todos sólidos brancos, e cada um deles é constituído de uma das substâncias relacionadas a seguir, não necessariamente na mesma ordem. {A, B, C, D, E, F} bicarbonato de sódio amido sulfato de cálcio cloreto de sódio sacarose carbonato de cálcio Para efetuar a identificação desses materiais, o estudante deve utilizar os procedimentos I, II e III, descritos a seguir. I - Coletar uma amostra numa espátula metálica e levá-la ao bico de Bunsen para verificar se o material é inflamável, com produção de um sólido preto. II - Testar a solubilidade em água: dentre os sais relacionados acima, apenas os de sódio são solúveis; dentre os glicídios, apenas a sacarose é solúvel. III - Verificar se a adição de algumas gotas de solução de ácido clorídrico produz efervescência. Aplicando os procedimentos acima, o estudante organiza o esquema a seguir. Com base nas informações acima e considerando a identificação final dos produtos, é correto afirmar: (01) O conjunto {A, C, E} pode ser desdobrado nos subconjuntos {C, E} e {A} pelo procedimento I ou pelo procedimento III. (02) O conjunto {B, D, F} é desdobrado nos subconjuntos {B, D} e {F} pelo procedimento III. (04) O procedimento I desdobra o conjunto {B, D} nos dois subconjuntos indicados no esquema. (08) O material A é o amido. (16) O material F é o cloreto de sódio. (32) O material C é NaHCO 3. Soma ( ) 08. Qual das opções a seguir contém um material melhor indicado para constituir recipientes utilizados na armazenagem de soluções concentradas de hidróxido de sódio? a) Vidro. b) Alumínio. c) Zinco. d) Ferro. e) Poliéster. 09. Em relação aos equipamentos básicos de laboratório faça a associação adequada da coluna I (equipamentos) com a coluna II, em que são listadas as situações mais freqüentes em que eles são usados:

13 Coluna I 1. almofariz e pistilo 2. bureta 3. funil de Büchner 4. pipeta volumétrica 5. proveta Coluna II I. medidas precisas de volumes fixos de líquidos II. medidas aproximadas de volumes de líquidos III. filtração a pressão reduzida IV. medidas volumétricas precisas de líquidos V. trituração de sólidos e homogeneização de materiais sólidos por trituração a) 1 - V; 2 - IV; 3 - III; 4 - I; 5 - II b) 1 - V; 2 - I; 3 - III; 4 - II; 5 - IV c) 1 - V; 2 - II; 3 - III; 4 - IV; 5 - I d) 1 - III; 2 - I; 3 - V; 4 - IV; 5 II 10. Sobre os materiais utilizados no Laboratório de Química, é(são) correta(s) a(s) alternativa(s) seguinte(s): ( ) O almofariz (graal) e o pistilo são usados para trituração ou maceração de sólidos. ( ) O cadinho é usado para medir volumes de líquidos. ( ) O erlenmeyer é usado em titulometria. ( ) O funil de decantação é usado para separar líquidos imiscíveis. ( ) O funil de Büchner e o Kitassato são usados para destilação. ( ) O condensador é usado para filtração. ( ) O béquer pode ser usado para dissolução de sólidos em líquidos e para aquecimento de material líquido. 11. O estudante no laboratório deve conhecer o material que vai usar, bem como o seu emprego; é muito importante a maneira certa de usá-lo. Assinale a opção que corresponde à descrição das aparelhagens de acordo com a sequência descrita. 1º usa-se no preparo de soluções. 2º tem uso para medir volumes fixos e precisos. 3º usa-se nas transferências de líquidos em filtrações. a) proveta, pipeta graduada, funil de decantação. b) balão volumétrico, pipeta volumétrica, funil de vidro. c) balão de destilação, erlenmeyer, becker. d) bureta, erlenmeyer, condensador. e) tubo de ensaio, proveta, kitasato. 12. Para evitar-se qualquer tipo de acidente em um laboratório de química, existem normas de segurança que devem ser seguidas e obedecidas com muito rigor. De acordo com essas normas, assinale a alternativa incorreta. a) Ao introduzir tubos de vidros em rolhas, molhe ligeiramente a peça e proteja a sua mão com uma toalha. b) O Manuseio de substâncias muito voláteis e gases deve ser feito em ambientes apropriados que são as capelas. c) ao manusear compostos voláteis (NH 4 OH, HC ), faça-o em um local com pouca ventilação. d) Se algum ácido diluído for derramado, lave o local imediatamente com bastante água. 13. (IX-MQ) Nos laboratórios de Química existem equipamentos, aparelhos e vidrarias. Assinale a alternativa incorreta, levando em consideração a utilização de vidrarias no laboratório. a) As pipetas graduada e volumétrica são utilizadas para medir e transferir volumes variáveis e fixo, respectivamente. b) A bureta é usada para medir volume de líquidos ou soluções por escoamento.

14 c) Com o uso de béqueres é possível preparar soluções de volume preciso. d) O balão volumétrico é utilizado para preparar soluções, que posteriormente devem ser guardadas em recipientes. 14. (IX-MQ) Com relação as noções básicas que se deve ter para fazer uma experiência em um laboratório de Química, faça a correlação da 1a coluna com a 2a coluna e assinale a alternativa que indica a ordem correta de cima para baixo. I. Para preparar soluções de reagentes contaminantes deve-se usar... II. Para uma vidraria ser considerada limpa em uso no laboratório.... III. Cuidados pessoais ao sair de um laboratório, sendo necessário... IV. Para preparar soluções de reagentes voláteis... ( ) a água de enxágue deve escorrer de forma contínua, sem deixar bolhas. ( ) luvas, bata, máscara e óculos de proteção. ( ) usa-se a capela com um sistema de exaustão. ( ) lavar as mãos e logo que possível trocar a roupa etomar banho. a) I, II, III, IV. b) II, I, IV, III. c) II, I, III, IV. d) I, III, II, IV. 15. (IX-MQ) Uma cápsula de porcelana com um funil invertido sobre ela, forma um conjunto mais adequado para purificar substâncias sólidas por: a) Destilação. b) Cristalização. c) Sublimação. d) Evaporação. 16. (IX-MQ) Seguindo as normas de segurança em Laboratórios de Química, preencha as lacunas adequadamente,assinalando a alternativa correta. I. Ao diluir um ácido muito forte, adicione-o sobre a água, agitando continuamente. II. Não nenhuma solução com a. III. Os experimentos que liberam devem ser manipulados na. I II III a) lentamente / o ácido pipete / boca vapores / capela b) lentamente / a solução pipete / boca gases tóxicos / capela c) rapidamente / a solução agite / mão vapores / bancada d) rapidamente / o ácido agite / mão gases tóxicos / pia 17. (IX-MQ) Os laboratórios de Química dispõem de muitas vidrarias que são utilizadas para testar reações, preparar e guardar soluções, medir volumes de líquidos, pesar pequenas quantidades de substâncias, etc. Faça a correlação entre as vidrarias e sua utilização, assinalando a alternativa que indica a ordem correta de cima para baixo. I. Balão de fundo redondo II. Vidro de relógio III. Pipeta graduada IV. Bureta ( ) medir volumes de líquidos ou soluções por escoamento. ( ) medir e transferir volumes variáveis de líquidos ou soluções. ( ) pesar pequenas quantidades de substâncias e evaporar pequenas quantidades de soluções. ( ) aquecer e também realizar reações com desprendimento de gases

15 a) IV, III, II, I. b) IV, II, III, I. c) III, IV, II, I. d) III, IV, I, II. 18. (IX-MQ) A tela de amianto tem grande utilidade em um laboratório de Química e é utilizada fundamentalmente para: a) Absorver os gases tóxicos provenientes dos aquecimentos, evitando dessa forma sua inalação. b) Concentrar a chama, aumentando sua eficiência. c) Evitar explosão no recipiente que está sendo aquecido. d) Distribuir uniformemente o calor da chama em aquecimentos. 19. (XI-MQ) Em laboratórios de Química deve-se trabalhar com os devidos cuidados para que se possa efetuar as atividades com tranqüilidade, eficiência e segurança. Assinale alternativa em que os três acessórios ou equipamentos são de segurança. a) Extintor de incêndio, espátula e luvas de amianto. b) Chuveiros de emergência, lavador de olhos e avental de amianto. c) Máscaras contra gases, cobertor de segurança e tela de amianto. d) Kitassato, avental de PVC e óculos de segurança. 20. (VIII-MQ) A realização de experimentos em laboratórios de química passa pela concepção de que é necessário o exercício de uma série de precauções, as quais visam não só garantir o processo de experimento, como também a segurança pessoal do indivíduo. Dentre as afirmativas apontadas abaixo, diga qual são relativas a cuidados pessoais (CP), cuidados em relação ao laboratório (CRL) e cuidados em relação ao procedimento (CRP): Ler os rótulos cuidadosamente verificando as especificações. Lavar as mãos ao finalizar seu trabalho no laboratório. Manter a bancada de trabalho limpa e organizada para evitar acidentes ou conclusões erradas devido à contaminação dos produtos. Localizar os extintores de incêndio e familiarizar-se com seu uso. Assinale a alternativa que contém a seqüência correta, de cima para baixo. a) CRL, CRP, CP, CRP b) CRP, CP, CRP, CRL c) CP, CRL, CRP, CRL d) CRL, CP, CRL, CRP 21. (X-MQ) A figura abaixo apresenta diversos procedimentos inseguros para trabalho de laboratório. As afirmativas a seguir podem conter informações que tornem corretos os procedimentos numerados na figura citada.

16 I) Em 3, o frasco utilizado deveria ser menor para que o procedimento fosse mais seguro. II) O reagente derramado sobre a bancada, em 7, só deve ser limpo após terminar o experimento para que não haja interrupções. Proteja-se, caso necessário, para realizar esta atividade. III) As bolsas e mochilas no 6, estão em local adequado, ou seja, próximas às bancadas. IV) Em 4, deve haver mais alunos em torno de um único aparelho para garantir rapidez e sucesso no experimento. V) Em 5, Não devem ser colocados frascos grandes e pesados em prateleiras altas. Pode haver perigos combinados: um suporte cai e derruba outros suportes num efeito dominó. VI) Em 1, qualquer produto químico não deve ser pipetado pela boca de um vasilhame em que a extremidade da pipeta esteja pouco abaixo da superfície. VII) Em 2, o aluno deveria aquecer líquidos inflamáveis utilizando uma manta aquecedora. A alternativa que apresenta a seqüência de procedimentos seguros é: a) II, III, IV, V. b) I, V, VI, VII. c) I, IV, V, VI. d) IV, II, III, VII. 22. (X- MQ) A Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT, dentre outras, elabora e atualiza as normas e certificações ambientais. Com relação à conservação do meio ambiente, assinale a alternativa INCORRETA. a) A Química tem proporcionado qualidade de vida, porém ainda ocorrem problemas sociais decorrentes do seu mau uso. b) Algumas indústrias buscam alternativas para prevenir a poluição ambiental com o objetivo de reduzir ou eliminar substâncias nocivas ao ser humano. c) Desenvolvimento sustentável atende as necessidades do presente, mas compromete o futuro. d) A elevada capacidade produtiva de um país tem ligação direta com a industrialização. 23. (X-MQ) Um estudante no laboratório deparou-se com duas soluções aquosas, onde através do papel indicador foi possível determinar o ph das soluções, que foram: solução X, ph = 7 e solução Y, ph = 9. Sejam as afirmativas relacionadas com essas soluções:

17 I) X é mais básica do que Y II) X tem [H + ] menor do que a de Y III) Y tem [OH ] maior do que a de X IV) Y tem [OH ] igual a de X A alternativa que apresenta a(s) afirmativa(a) correta(s) é: a) I e II. b) III e IV. c) III. d) II. 24. (X- MQ) Para minimizar a ocorrência de acidentes e preservar a integridade das pessoas e do meio ambiente, foram estabelecidas algumas normas de segurança que abrangem cuidados desde a segurança pessoal, até o manuseio correto de equipamentos e extintores de incêndio. Com relação aos extintores de incêndio, assinale a alternativa ERRADA. a) O extintor de espuma deve ser utilizado para incêndios envolvendo papeis, tecidos e madeiras (classe A). b) O extintor de gás carbônico é indicado para incêndios das classes B e C (B envolve líquidos inflamáveis e C envolve equipamentos elétricos). c) O extintor de água pressurizada é indicado para incêndios da classe C. d) Extintor de pó químico é indicado para incêndios da classe B. LIGAS METÁLICAS Para produção de objetos, ornamentos, utensílios domésticos muitas vezes é necessário separar os componentes de um mistura para obtenção das substâncias puras, mas outras vezes é necessário fazermos misturas de substâncias para obtermos alguns materiais. Quando nessas misturas um dos componentes é um metal forma-se um liga metálica. As ligas metálicas apresentam características diferentes dos metais puros e por isso podem ser utilizadas com maior vantagem em relação ao metal puro. As ligas de cobre e cromo são usadas em resistências elétricas como a de chuveiro porque ocorre a diminuição da condutividade elétrica, em outras ligas ocorre o aumento da resistência mecânica, a resistência a corrosão, a ductibilidade etc. Liga metálica Componentes Característica Uso Latão Cobre e Zinco resistente à corrosão navios, tubos Bronze Cobre e Estanho resistente à corrosão moedas, sinos Aço Ferro e carbono resistente à corrosão navios, utensílios domésticos Aço inoxidável Aço e Cromo resistente à corrosão Aço -Níquel Aço e Níquel resistência mecânica talheres, utensílios domésticos canhões, material de blindagem Aço-Tungstênio Aço e Tungstênio alta dureza brocas, pontas de caneta Alnico Aço, alumínio, níquel e cobalto propriedades magnéticas fabricação de imãs Amálgama Mercúrio, prata e estanho restauração de dentes Ouro 18 quilates Ouro e cobre alta ductibilidade e maleabilidade Prata de lei Prata e cobre aumento da dureza Elétron Liga de magnésio Mg, alumínio, manganês, zinco jóias utensílios domésticos, ornamentos resistência mecânica e térmica peças muito leves RECICLAGEM

18 A maioria dos materiais utilizados na produção de objetos e que após o uso são jogados no lixo, podem ser reaproveitados, e esse processo é conhecido como reciclagem. A reciclagem é importante porque alguns materiais não são biodegradáveis, isto é, não são decompostos por microorganismos, causando grande poluição ambiental. Além disso, a grande maioria desses materiais é retirada de reservas minerais não renováveis, diminuindo assim os recursos naturais da Terra.. Grande parte do lixo doméstico pode ser reciclado. Quase todo lixo produzido pelos seres vivos, exceto o homem, sofre um reciclagem natural, são decompostos por microorganismos. Muitos materiais utilizados na produção de objetos, embalagem para produtos alimentícios e de consumo como: embalagem plástica, vidro, latas de óleo, cerveja, refrigerantes não se decompõe naturalmente ou levam muitos anos para que isso aconteça e nesses casos podem e devem ser reciclados. O maior problema da reciclagem é a separação dos materiais reaproveitáveis como papel, vidro, plástico e metais. As indústrias também são responsáveis pela poluição ambiental e produtoras de lixo. Algumas indústrias estão desenvolvendo técnicas para reaproveitamento do seu lixo Os plásticos não se decompõem facilmente, mas é difícil sua separação para reciclagem e a maior parte é queimada ou enterrada com o resto do lixo. Garrafas plásticas de bebidas derretem facilmente ao serem aquecidas e podem ser remodeladas produzindo outros produtos. O papel é facilmente reciclável e esta deve ser estimulada porque para a produção de papel consome-se milhões de árvores, e, além disso, extensas áreas de mata nativa são desmatadas para o plantio de árvores usadas na fabricação do papel. As embalagem usadas para leite longa vida, creme de leite, leite condensado, extratos de tomate e outras, não podem ser recicladas, porque além de papelão, internamente existe uma película bem fina de alumínio e plástico, consequentemente, quando há uma mistura não é possível a reciclagem. Alguns desses materiais não recicláveis podem ser reutilizados. O problema do lixo só será minimizado quando houver um redução na produção de lixo, através de campanhas educativas; reaproveitamento de materiais e reciclagem. O que se descarta sem maior preocupação, todos os dias, em qualquer lugar, só não deixa a Terra soterrada de dejetos, graças as bactérias, fungos, leveduras e outros microorganismos. Esses se alimentam da matéria orgânica do lixo, transformando os compostos mais complexos em compostos mais simples que são devolvidos ao meio ambiente. O tempo de decomposição depende do tipo de lixo e de outros fatores, como o calor e a umidade do solo que tornam a decomposição mais rápida, por outro lado, terrenos ácidos e águas limitam a capacidade de desenvolvimento dos microorganismos, tornando a biodegradação muito lenta. Os ácidos, as substâncias tóxicas e os metais pesados, como por exemplo, o chumbo, prejudicam os micoorganismos, podendo até matá-los. TEMPO DE DECOMPOSIÇÃO DE ALGUNS MATERIAIS Papel Palito Filtro de cigarro Chiclete Metais Plásticos Vidro 3 meses em lugar úmido, jornais podem permanecer por décadas sem sofrer decomposição. 6 meses em lugar úmido. de 1 a 2 anos, quando jogado no campo a decomposição é mais rápida, em torno de 4 meses; no asfalto é muito mais lenta. 5 anos em princípio, não são biodegradáveis. Uma lata de aço demora 10 anos se oxidar, já a lata de alumínio não se corrói nunca. mais de 100 anos, como o plástico existe apenas a um século, não é possível determinar seu grau de biodegradação. não sofrerá biodegradação nunca. Por ser formado de areia, carbonato de sódio, cal e outras substâncias inorgânicas, os microorganismos não conseguem comê-lo. Um objeto de vidro demoraria anos para se decompor pela erosão e ação de agentes químicos. EXTINTOR DE INCÊNDIO-TIPOS DE EXTINTORES DE INCÊNDIO Extintores de Incêndio

19 Os extintores de incêndio são normalmente a melhor ferramenta para combater pequenos fogos, principalmente na sua fase inicial. O preço de um extintor de incêndio não é comparável ao valor que a qualquer momento você pode ter que proteger. A classe de incêndios - Classificação de Incêndios Incêndios de Classe A Abrange todos os incêndios que para além de queimarem deixam resíduos (madeiras, papel, borrachas, etc) Para estes incêndios são indicados os extintores com carga e recarga de água ou espuma. Incêndios de Classe B Os incêndios de classe B abrangem incêndios que ardem em superfícies, no entanto não deixam resíduos (álcool, gasolina, etc) Para estes incêndios a carga do extintor é feita de dióxido de carbono, espuma ou pó (Pó BC), a recarga de extintor é feita com o mesmo produto. Incêndios de Classe C Na classe C são englobados todos os incêndios onde a eletricidade é um elemento presente, o composto químico do extintor de incêndio não pode ser condutor de energia. Nestes incêndios o extintor tem uma carga de pó e gás carbônico. Incêndios de Classe D Este tipo de incêndios exige extintores com agentes especialmente produzidos para os combater pois é um incêndio onde os metais peróficos estão presentes, como o alumínio ou o zinco. Os extintores são colocados a 15 metros de pessoas no caso de locais de alto risco e a 25 metros no caso de locais de baixo risco, em muito municípios não é permitida a sua colocação no chão, onde não existam leis para a sua colocação, a mesma deve ser feita numa altura em que não ofereça dificuldades para o utilizador. O local onde o extintor é instalado necessita de ser referenciado com sinalética própria. Regras básicas a ter em conta para o uso de extintor de incêndios *Esta é provavelmente uma das mais importantes, não deixe o seu extintor ficar parado na parede, leia as instruções e tente perceber o seu correto funcionamento para que perante um incêndio o consiga utilizar em condições. *Ao detectar o surgimento de um incêndio telefone para os bombeiros e retire todas as pessoas da habitação. *Se puder usar um extintor deve ter sempre em conta que deve estar sempre com caminho livre atrás das suas

20 costas para poder sair da zona. *Tenha a recarga de extintores dentro do prazo para que no caso de um incêndio os possa usar com sucesso.

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO Objetivo: Explicação das normas básicas de segurança no laboratório. Aula teórica com retroprojetor, transparências e demonstração de algumas

Leia mais

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O Prof. Agamenon Roberto Prof. Agamenon Roberto MATERIAS DE LABORATÓRIO 2 TUBO DE ENSAIO: Tubo de vidro fechado em uma das extremidades, empregado para fazer reações

Leia mais

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO Lembre-se que o microscópio utilizado em nosso laboratório possui uma entrada especial para uma câmera de vídeo. Parte Mecânica: Base ou Pé: Placa de apoio do microscópio

Leia mais

Normas de segurança em laboratório. 15) Em caso de acidente, avise imediatamente seu professor.

Normas de segurança em laboratório. 15) Em caso de acidente, avise imediatamente seu professor. Normas de segurança em laboratório Com a intenção de evitar acidentes e/ou danos físicos ou funcionais, durante as aulas, é importante que você tome as seguintes medidas: 15) Em caso de acidente, avise

Leia mais

MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO BALÃO DE FUNDO REDONDO BALÃO VOLUMÉTRICO BECKER BURETA CADINHO CÁPSULA DE PORCELANA CONDENSADOR DESSECADOR

Leia mais

Autor: Carlos Disciplina/matéria: química experimental/orgânica Assunto: Materiais de laboratório. Página : 1

Autor: Carlos Disciplina/matéria: química experimental/orgânica Assunto: Materiais de laboratório. Página : 1 Página : 1 Página : 2 Página : 3 Página : 4 Almofariz e Pistilo: Aparelho usado na trituração e pulverização de sólidos. Anel ou Argola: Empregado como suporte do funil de filtração simples ou do funil

Leia mais

Principal material de laboratório e a sua função Balão de Erlenmeyer/matrás Gobelé/copo Balão de fundo plano Proveta Balão volumétrico Caixa de Petri Kitasato Balão de destilação Vidro de relógio Tubos

Leia mais

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias.

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias. VIDRARIAS E MATERIAIS DIVERSOS DE LABORATÓRIO Professora: Juliana Rovere 1) Béquer É usado para dissolver substâncias, efetuar reações e aquecer líquidos sobre tela de amianto, pois é feito de vidro pyrex,

Leia mais

VIDRARIAS VIDRARIAS OUTROS EQUIPAMENTOS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO. Usado na trituração e pulverização de sólidos.

VIDRARIAS VIDRARIAS OUTROS EQUIPAMENTOS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO. Usado na trituração e pulverização de sólidos. VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO BALÃO DE FUNDO REDONDO BALÃO VOLUMÉTRICO BECKER BURETA CADINHO CÁPSULA DE PORCELANA CONDENSADOR DESSECADOR ERLENMEYER FUNIL DE BUCHNER FUNIL DE DECANTAÇÃO

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO (principais vidrarias) ALMOFARIZ COM PISTILO Usado na trituração e pulverização de sólidos. BALÃO DE FUNDO CHATO Fundo Chato Utilizado como recipiente para conter líquidos ou

Leia mais

MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO

MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR (UCSAL) MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO Usado na trituração e pulverização de sólidos. BALÃO DE FUNDO CHATO Utilizado como recipiente

Leia mais

Professora Sonia Exercícios Sobre SeparaÇão de misturas (Análise imediata)

Professora Sonia Exercícios Sobre SeparaÇão de misturas (Análise imediata) Exercícios Sobre SeparaÇão de misturas (Análise imediata) 01. Preencha os quadros a seguir com a descrição da utilização de cada equipamento de laboratório: 1 02. (Cesgranrio) Numa das etapas do tratamento

Leia mais

GRUPO TCHÊ QUÍMICA MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

GRUPO TCHÊ QUÍMICA MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO GRUPO TCHÊ QUÍMICA MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO Porto Alegre RS www.tchequimica.com Versão 3.0 Prezados usuários: O Grupo Tchê Química tem grande interesse em saber qual a sua opinião a respeito

Leia mais

Química para vestibular Equipamentos e vidrarias de laboratório SIMBOLOS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

Química para vestibular Equipamentos e vidrarias de laboratório SIMBOLOS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO SIMBOLOS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO Os símbolos de risco são pictogramas representadas em forma quadrada, impressos em preto e fundo laranja-amarelo, utilizados em rótulos ou informações de produtos químicos.

Leia mais

EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS I. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO 1. É aconselhável o uso da bata e de sapatos fechados. 2. Mantenha o laboratório e sua bancada sempre limpa e livre

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp.

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Para um trabalho com segurança e com menores

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

PROF. ROSSONI QUÍMICA

PROF. ROSSONI QUÍMICA 01 - (UECE) Às vezes, a filtração simples é muito lenta, como no caso da mistura água e farinha. Para acelerá-lo, utiliza-se o método de filtração a vácuo, conforme a figura a seguir. Assinale a opção

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO DE QUÍMICA

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO DE QUÍMICA www.fabianoraco.oi.com.br Equipamentos de Laboratório de Química 1 EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO DE QUÍMICA Prof. Fabiano Ramos Costa Química Não se Decora, Compreende! Equipamentos de Laboratório de Química

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS. 1- quais os métodos mais indicados para separa os componentes das misturas abaixo:

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS. 1- quais os métodos mais indicados para separa os componentes das misturas abaixo: EXERCÍCIOS DE REVISÃO PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS 1- quais os métodos mais indicados para separa os componentes das misturas abaixo: a) areia e ferro na forma de lâmina separação magnética b) água

Leia mais

Colégio João Paulo I

Colégio João Paulo I Colégio João Paulo I Laboratório de Química Roteiros de aulas práticas I Prof.: Cristiano Alfredo Rupp 1 Índice: NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Pág. 3 EQUIPAMENTOS E VIDRARIAS MAIS UTILIZADOS

Leia mais

LABORATÓRIO: FISIOLOGIA HUMANAI

LABORATÓRIO: FISIOLOGIA HUMANAI NOTA: PRÁTICA N O : NOME: GRUPO: CURSO: MEDICINA TURMA: PERÍODO: 1º DATA: / / Antes de iniciar a aula prática, confira sua bancada observando se há pichações ou falta de materiais necessários à atividade.

Leia mais

Tipo de Material QOI - 02/03 1. Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica. Material de Vidro. Material de Metal

Tipo de Material QOI - 02/03 1. Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica. Material de Vidro. Material de Metal Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica MATERIAL DE LABORATÓRIO E EQUIPAMENTO Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Material de Vidro O material de vidro é um dos elementos fundamentais do laboratório.

Leia mais

Noções básicas de Segurança em Laboratório. Professora Mirian Maya Sakuno

Noções básicas de Segurança em Laboratório. Professora Mirian Maya Sakuno Noções básicas de Segurança em Laboratório Professora Mirian Maya Sakuno Laboratório labor = trabalho + oratorium = lugar de concentração Uso inadequado do laboratório PERIGO!!! Regras básicas Não... não

Leia mais

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciência e Tecnologia Laboratório de Ciências Químicas Química Geral I Experimento 3 Tendências Periódicas 1 - OBJETIVOS Relacionar a reatividade química

Leia mais

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE Protocolo experimental 1. REAGENTES Reagentes estequiométricos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios SEI Ensina - MILITAR Química SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios 1.A água potável é um recurso natural considerado escasso em diversas regiões do nosso planeta. Mesmo em locais onde a água é relativamente

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP)

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP) Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP) Rio Paranaíba Novembro 2012 1 Apresentação O Laboratório

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

1. Usar o equipamento de segurança recomendado para cada prática. Algumas podem exigir uso de luvas, máscaras, óculos de segurança etc.

1. Usar o equipamento de segurança recomendado para cada prática. Algumas podem exigir uso de luvas, máscaras, óculos de segurança etc. AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 2 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 3º ANO DO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO Como vimos na parte 1, é importante

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 23502.000008.2014-24

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

A Diretora da Faculdade de Jaraguá, no âmbito de suas atribuições conferidas pela portaria de sua nomeação, resolve:

A Diretora da Faculdade de Jaraguá, no âmbito de suas atribuições conferidas pela portaria de sua nomeação, resolve: Portaria n. 041/2011 Esta portaria estabelece o REGULAMENTO E NORMAS ESPECÍFICAS DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Faculdade de Jaraguá. A Diretora da Faculdade de Jaraguá, no âmbito de suas atribuições conferidas

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5 Código do produto: CF700A Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CF700A Telefone de emergência: (19) 3864-6000 FOSFATO ÁCIDO DE

Leia mais

PROF. ROSSONI QUÍMICA

PROF. ROSSONI QUÍMICA 01 - (UECE) Às vezes, a filtração simples é muito lenta, como no caso da mistura água e farinha Para acelerá-lo, utiliza-se o método de filtração a vácuo, conforme a figura a seguir adequados a suas separações,

Leia mais

Matéria e Estados da Matéria

Matéria e Estados da Matéria Matéria e Estados da Matéria A matéria é o material físico do universo. Matéria é tudo que tem massa e ocupa certo lugar no espaço. Na antiguidade, o homem chegou a acreditar que toda matéria existente

Leia mais

Decantação sólido - líquido

Decantação sólido - líquido Processos de separação Decantação sólido - líquido Possível devido à diferença de densidades dos componentes da mistura. Permite a separação de líquidos imiscíveis (que não se misturam) ou um sólido precipitado

Leia mais

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00 Nome do Produto: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml/200g Página 1 de 7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Nome Comercial: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml / 200g 1.2 Código de

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 FISPQ NRº. 005 1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Bicarbonato de Sódio Nome Comercial : Estabilizador de ph Sinônimo: Bicarbonato Ácido de Sódio N CAS: 144-55-8 Nome da Empresa:

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido

SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS. (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido SEPARAÇÃO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS (Processos mecânicos de separação) Sistema sólido - sólido Separação magnética: Separa misturas do tipo sólido-sólido nas quais um dos componentes tem propriedades magnéticas

Leia mais

Indústria e Comércio de Produtos Químicos

Indústria e Comércio de Produtos Químicos FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: Nome do Produto: Ácido Fosfórico Nome Químico: Ácido Fosfórico ou Ácido Ortofosfórico Sinônimo: Hidrogeno Fosfato Fórmula Química: H

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico AMINA TERCIÁRIA C12 FISPQ 014 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: AMINA TERCIÁRIA C12 Fornecedor: Multichemie Indústria e Comércio de Produtos Químicos Ltda. R. Howard Archibald

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii)

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 09 Síntese do cloreto

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

ROBERT BOSCH LIMITADA

ROBERT BOSCH LIMITADA F0LHA...: 1 de 5 1 _ Identificação do Produto e Fabricante Nome do Produto: Acumulador elétrico de energia Nome do Fabricante sob licença da Robert Bosch Ltda.: Enertec do Brasil Ltda. Endereço: Av. Independência,

Leia mais

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental deseja-se que o aluno seja capaz de: - Elaborar processos para a transformação de materiais,

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPA INOX MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPA INOX MALTEX Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) 01/05 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Limpa inox Maltex. Aplicação: O remove manchas e amarelados de utensílios de

Leia mais

Laboratório de Química

Laboratório de Química Roteiros de aula prática Laboratório de Química 2º ano E.M Professor: Emanoel Costa Disciblina: Laboratório de Química Disponível em: www.santoinacio.com.br Colégio Santo Inácio Av. Desembargador Moreira,

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de bases voláteis totais em pescados, indicando o seu grau de conservação. 2 Fundamentos As bases voláteis totais (N-BVT) compreendem

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE AMÔNIO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE AMÔNIO Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/fornecedor: Endereço: Resimapi Produtos Químicos Ltda Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Química descritiva. www.sotaodaquimica.com.br Contato: sotaodaquimica@gmail.com 1

Química descritiva. www.sotaodaquimica.com.br Contato: sotaodaquimica@gmail.com 1 Química descritiva 01. (Ita) Um copo contém uma mistura de água, acetona, cloreto de sódio e cloreto de prata. A água, a acetona e o cloreto de sódio estão numa mesma fase líquida, enquanto que o cloreto

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Aditivo Solvente Código do produto: SO-228 Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Aditivo Solvente Código do produto: SO-228 Página 1 de 5 Código do produto: SO-228 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: SO-228 Telefone de emergência: (19) 3864-6000 Utilizado diluído

Leia mais

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS IGREDIENTES: CONCENTRAÇÃO %

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS IGREDIENTES: CONCENTRAÇÃO % 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRELATÉX Tinta acrílica base d agua. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos

Leia mais

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR 0 Índice 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 4 3. Material/Equipamento... 5 3.1. Preparação das amostras... 5 3.2. Teste

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI URETANO AR ENDURECEDOR Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere,

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO: 09/08/2013 1/7 FISPQ NRº. 022 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. - Nome do Produto: Ortotolidina - Solução - Nome Comercial: Solução

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: AROMA UVA PERMASEAL 013.277 Página: (1 of 7) ATENÇÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ)

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Resimapi Produtos Químicos Ltda. Endereço: Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto : NO-RUST D - Data da Atualização: 22/01/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: R. Pref. Eurípedes de Siqueira, n.º 36 Distrito

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/10 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial: ITA Anti Espumante. Nome químico do principal componente: Cola Coqueiro Granulada. Código interno de identificação do produto: ITA1228.

Leia mais

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este MET tem como objetivo determinar os procedimentos para o ensaio Determinação do resíduo mineral fixo em amostras de leite e derivados lácteos. É aplicável para

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Código do produto: PSL97 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código do produto: Aplicação: Fornecedor: PSL97 Telefone de emergência: (19) 2103-6000 REMOVEDOR DE TINTA CURADA PPG INDUSTRIAL

Leia mais

Aula 4 MATERIAIS REAGENTES. Maria de Lara Palmeira de Macedo Arguelho Beatriz

Aula 4 MATERIAIS REAGENTES. Maria de Lara Palmeira de Macedo Arguelho Beatriz Aula 4 MATERIAIS REAGENTES META Apresentar as principais vidrarias e utensílios em um laboratório químico e conhecer suas aplicações. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: identifi car as principais

Leia mais

LISTA DE PREÇOS - PROMOCIONAL 2011 PLATAFORMA TIPO JACK MODELO

LISTA DE PREÇOS - PROMOCIONAL 2011 PLATAFORMA TIPO JACK MODELO Página 1 PLATAFORMA TIPO JACK PLATAFORMA TIPO JACK LATÃO E COM PINTURA EPÓXI LARGURA ELEVAÇÃO 069-1 10 cm 10 cm 17 cm 069-2 15 cm 12 cm 25 cm 069-3 15 cm 15 cm 25 cm 069-4 20 cm 16 cm 35 cm 069-5 20 cm

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5 Código do produto: CK611L Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CK611L Telefone de emergência: (19) 2103-6000 DESENGRAXANTE ALCALINO

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ N 004/2006 Página 1de 6 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Massas Corrida PVA Nome Comercial: Massa Corrida PVA Empresa: Resicolor Tintas e Vernizes Ltda Endereço: Rodovia

Leia mais

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Microbiologia

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Microbiologia Regulamento para a utilização do Laboratório de Microbiologia 1 REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA 1. Auxiliar o aluno na introdução

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Botatop HD 150 FISPQ nº: 721 Data da última revisão: 02/04/2007 Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Botatop HD 150 - Código interno do produto: 721 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Av.

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO

NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO O trabalho desenvolvido num laboratório químico envolve o manuseamento de materiais, que pelas suas características, podem vir a constituir um risco para os que

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br Produto: TILDREN Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: Nome do Distribuidor: Endereço: TILDREN La Ballastiere BP 126-33501 Libourne. Ceva Saúde Animal

Leia mais

2 IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 2.1 Principais Riscos: Pode causar irritação à pele, aos olhos e ao trato respiratório.

2 IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 2.1 Principais Riscos: Pode causar irritação à pele, aos olhos e ao trato respiratório. Nome do Produto: Silicone Pérola 300ml/200g Página 1 de 7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Nome Comercial: Silicone Pérola 300ml/200g 1.2 Código de Venda: 261.0002 1.3 Nome do Fabricante: BASTON

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) NITROL AL

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) NITROL AL NITROL AL 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: NITROL AL Identificação da Empresa: Nippon Chemical Ind. e Com. de San. e Det. Prof. Ltda Rua Platina, nº 259 Recreio Campestre

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPA INOX NÁUTICO MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPA INOX NÁUTICO MALTEX 01/05 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DO DISTRIBUIDOR Nome do produto:. Aplicação: indicado para uso em acessórios e peças em aço inoxidável, como amarradores, guardamancebo, escadas e equipamentos de cozinha,

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Zentrifix KMH - Código interno do produto: 051 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA Parte I Produção do óxido de cobre Ponto de Partida 1- Preparar uma amostra de 300 mg de cobre a partir de um fio de cobre ou de uma folha de cobre. 2- Colocar a

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) ENGINE

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) ENGINE ENGINE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: ENGINE Identificação da Empresa: Nippon Chemical Ind. e Com. de San. e Det. Prof. Ltda Rua Platina, nº 259 Recreio Campestre Jóia

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Biocomposto BLF - Código interno de identificação do produto: 020 - Nome da empresa: Biotecma Biotecnologia

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02 ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 02 23 INTRODUÇÃO AO TRABALHO NO LABORATÓRIO QUÍMICO 1 OBJETIVOS Apresentar ao aluno os princípios de segurança e bom funcionamento do laboratório de Química, bem como, a elaboração

Leia mais