APRESENTAÇÃO objetivo de controlar, de forma eficaz, o fluxo de resíduos no Condomínio SESC-SENAC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO objetivo de controlar, de forma eficaz, o fluxo de resíduos no Condomínio SESC-SENAC"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO 1

2 2

3 APRESENTAÇÃO Com o objetivo de controlar, de forma eficaz, o fluxo de resíduos no Condomínio SESC-SENAC, a implementação de procedimentos, separados por etapas que contemplam a geração, o transporte, a armazenagem e a disposição final, é fundamental para a criação de um Sistema de Gestão de Resíduos Sólidos organizado e objetivo. Os resíduos sólidos listados nesse guia foram classificados de acordo com os requisitos da Norma NBR 10004:2004 (Perigosos e Não Perigosos), Resolução CONAMA 307/2002 (Resíduos da Construção e Demolição) e Resolução ANVISA 306/2004 (Resíduos de Serviços de Saúde), referenciadas com as demais bases legais. Dessa forma, o Condomínio SESC-SENAC reafirma a preocupação com a preservação da saúde dos empregados e contratados ampliando as ações de responsabilidade corporativa por meio da doação dos resíduos recicláveis para organizações de catadores, previamente cadastradas Baseado na metodologia do CICLO PDCA, o Sistema de Gestão de Resíduos deve ser aperfeiçoado constantemente e gerenciado de forma participativa e descentralizada. 3

4 4

5 ÍNDICE 1 - COLETA NAS FONTES GERADORAS 1.1 COPAS CORREDORES SALAS ÁREAS EXTERNAS OFICINAS MARCENARIA BANHEIROS ÁREAS DE EXPURGO RESTAURANTE SERBEM SETOR PATRIMONIAL - EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS OBRAS ARMAZENAGEM, PESAGEM E QUANTIFICAÇÃO 2.1 PESAGEM QUANTIFICAÇÃO INDICADORES TRANSPORTE EXTERNO E DISPOSIÇÃO FINAL RECICLÁVEIS NÃO RECICLÁVEIS ORGÂNICOS PILHAS E BATERIAS ÓLEO VEGETAL PODAS DE JARDINAGEM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO - Classes A, B e C RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO - Classe D RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - Grupo B RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - Grupos A e E RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - Grupo D RESÍDUOS ELETRÔNICOS LÂMPADAS FLUORESCENTES TONERS E CARTUCHOS DE IMPRESSORA DOCUMENTAÇÃO MANIFESTOS DE RESÍDUOS DADOS DE PESAGEM E QUANTIFICAÇÃO CONTRATOS COM EMPRESAS DE COLETA TERMO DE COMPROMISSO COM COOPERATIVAS CADASTRO DE COOPERATIVAS COMPROVANTE MENSAL DE RECICLÁVEIS COLETADOS CERTIFICADO DE DESCONTAMINAÇÃO DE LÂMPADAS

6 5 - RESPONSABILIDADES LUSO BRASILEIRO SETOR DE MANUTENÇÃO (SESC e SENAC) GRUPO DE ADMINISTRAÇÃO PREDIAL (GAP) PROGRAMA ECOS RESTAURANTE SERBEM SETOR DE PATRIMÔNIO (SESC e SENAC) FUNCIONÁRIOS ORGANOGRAMA - GESTÃO COMPARTILHADA ANEXOS 6.1 TERMO DE REFERÊNCIA - GESTÃO DE RESÍDUOS NOS CANTEIROS DE OBRAS PELAS CONTRATADAS TABELAS DE QUANTIFICAÇÃO DE RESÍDUOS Controle de resíduos recicláveis e não recicláveis Controle do descarte de pilhas e baterias Controle do descarte de lâmpadas Controle do descarte de óleo vegetal Controle de resíduos de saúde MAPA DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS MANIFESTO DE RESÍDUOS Via do gerador Via do transportador Via do receptor Via do gerador (enviada pelo receptor) Instruções INVENTÁRIO DE RESÍDUOS

7 1 - COLETA NAS FONTES GERADORAS A seguir, estão listadas as principais fontes em que há geração de resíduos, bem como os procedimentos adequados de coleta do material no Condomínio SESC-SENAC: COPAS - Tipo de resíduo: reciclável e não reciclável - Procedimento: recolhimento dos recicláveis em sacos transparentes e dos não recicláveis em sacos pretos. Por meio dos carrinhos funcionais, os resíduos são encaminhados para a área de expurgo do bloco correspondente. Posteriormente, os resíduos devem ser encaminhados para seus respectivos contentores na Estação de Tratamento de Resíduos (ETR). - EPI indicado: luva pigmentada, calçados, calças e camisas resistentes - Periodicidade: 4 vezes por dia CORREDORES - Tipo de resíduo: reciclável, não reciclável e baterias - Procedimento: recolhimento do reciclável em saco transparente e do não reciclável em saco preto. Por meio dos carrinhos funcionais, os resíduos são encaminhados para a área de expurgo do bloco correspondente. Posteriormente, os resíduos devem ser encaminhados para seus respectivos contentores na Estação de Tratamento de Resíduos (ETR). As baterias devem ser quantificadas e encaminhadas à ETR. - EPI indicado: luva pigmentada, calçados, calças e camisas resistentes - Periodicidade: 1 vez por dia SALAS - Tipo de resíduo: reciclável, toners e cartuchos de tinta - Procedimento: recolhimento do reciclável em saco transparente. Por meio dos carrinhos funcionais, os resíduos são encaminhados para a área de expurgo do bloco correspondente. Posteriormente, os resíduos devem ser encaminhados para seus respectivos contentores na Estação de Tratamento de Resíduos (ETR). O toners e cartuchos de tinta são devolvidos ao almoxarifado. - EPI indicado: luva pigmentada, calçados, calças e camisas resistentes - Periodicidade: 3 vezes por dia 7

8 1.4 - ÁREAS EXTERNAS - Tipo de resíduo: reciclável e não reciclável - Procedimento: recolhimento do reciclável em saco transparente e do não reciclável em saco preto. Os resíduos devem ser encaminhados diretamente para seus respectivos contentores na Estação de Tratamento de Resíduos (ETR). - EPI indicado: luva pigmentada, calçados, calças e camisas resistentes - Periodicidade: 1 vez por dia OFICINAS - Tipo de resíduo: recicláveis, não recicláveis, tintas, solventes e lâmpadas fluorescentes - Procedimento: recolhimento do reciclável em saco transparente e do não reciclável em saco preto. Por meio dos carrinhos funcionais, esses dois tipos de resíduos são encaminhados paras a áreas de expurgo de cada bloco. As tintas, solventes ou qualquer outro material químico deverá ser encaminhado diretamente para a Estação de Tratamento de Resíduos (ETR) e acondicionados junto com os resíduos perigosos do Serbem. As lâmpadas são encaminhadas para uma área específica, também na ETR. - EPI indicado: luva pigmentada, máscara, calçados, calças e camisas resistentes - Periodicidade: 1 vez por dia (resíduos recicláveis e não recicláveis). Os resíduos perigosos são recolhidos de acordo com a solicitação dos funcionários das oficinas MARCENARIA - Tipo de resíduo: madeira e subprodutos (serragem) - Procedimento: recolhimento da madeira e da serragem em saco preto. Os resíduos devem ser encaminhados diretamente para seus respectivos contentores na Estação de Tratamento de Resíduos (ETR). - EPI indicado: luva pigmentada, calçados, calças e camisas resistentes - Periodicidade: 1 vez por dia BANHEIROS - Tipo de resíduo: não reciclável - Procedimento: recolhimento do não reciclável em saco preto. Por meio dos carrinhos funcionais, os resíduos são encaminhados para a área de expurgo do bloco correspondente. Posteriormente, os resíduos devem ser 8

9 encaminhados para seus respectivos contentores na Estação de Tratamento de Resíduos (ETR). - EPI indicado: luva pigmentada, calças e camisas resistentes - Periodicidade: 3 vezes por dia ÁREAS DE EXPURGO - Tipo de resíduo: recicláveis e não recicláveis - Procedimento: recolhimento dos recicláveis e não recicláveis, por meio de mini trator, para disposição nos respectivos contentores da Estação de Tratamento de Resíduos (ETR). Na ETR, antes de serem dispostos nos contentores, todos os resíduos devem ser pesados e marcados em um planilha. - EPI indicado: óculos, protetor auricular, protetor lombar, luva pigmentada, máscara, calçados, calças e camisas resistentes - Periodicidade: 2 vez por dia RESTAURANTE - Tipo de resíduo: reciclável, não reciclável e óleo vegetal - Procedimento: recolhimento do reciclável em sacos transparentes. O não reciclável será acondicionado em saco preto e encaminhado à câmara fria. O resíduo não reciclável será recolhido diariamente por empresa especializada. O óleo vegetal proveniente do restaurante e do Ponto de Entrega Voluntária são acondicionados em bombonas plásticas ou garrafas PET, para encaminhamento à cooperativa de reciclagem. - EPI indicado: luva pigmentada, calçados, calças e camisas resistentes - Periodicidade: 2 vez por dia (Luso) 1 vez por dia (empresa de coleta) SERBEM - Tipo de resíduo: recicláveis, não recicláveis, substâncias químicas, materiais biológicos, perfurocortantes e infectantes - Procedimento: recolhimento do reciclável em saco transparente e do não reciclável em saco preto. Esses dois tipos de resíduos são encaminhados diretamente para a Estação de Tratamento de Resíduos (ETR). Os Resíduos Sólidos de Saúde (RSS) são acondicionados em sacos brancos, identificados, resistentes e não reaproveitáveis, para encaminhamento ao respectivo local de estocagem temporária, na ETR. - EPI indicado: luva pigmentada, máscara, calçados, calças e camisas resistentes 9

10 - Periodicidade: 3 vezes por dia (recicláveis e não recicláveis) 1 vez por semana (infectante) SETOR PATRIMONIAL - EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS - Tipo de resíduo: materiais com componentes eletrônicos - Procedimento: os equipamentos eletrônicos deverão seguir os trâmites internos de deliberação e baixa de bem patrimonial, pelo Setor de Patrimônio competente das duas instituições. Após baixa do bem, esse será encaminhado o depósito de bens. A lista de bens deve ser encaminhada pelo setor de bem patrimonial ao Programa ECOS. - EPI indicado: luva pigmentada, calçados, calças e camisas resistentes - Periodicidade: quando solicitado OBRAS - Tipo de resíduo: materiais com componentes eletrônicos - Procedimento: os resíduos sólidos provenientes de obras feitas por empresas terceirizadas devem ser gerenciados pela mesma, por meio do Termo de Referência a ser inserido em todos os editais de contratação de obras dos Departamentos Nacionais do SESC e do SENAC, sendo obrigatória a separação e destinação dos resíduos classes A,B, C e D (anexo 6.1). Os produzidos pelas equipes internas de manutenção são encaminhados às caçambas específicas para esse fim. - EPI indicado: luva pigmentada, calçados, calças e camisas resistentes - Periodicidade: quando houver obras 2 - ARMAZENAGEM, PESAGEM E QUANTIFICAÇÃO Todos os resíduos, com exceção dos orgânicos do restaurante (pesados em balança própria e armazenados em câmara fria no restaurante), devem ser encaminhados para a Estação de Tratamento de Resíduos (ETR), para estocagem temporária. Os papelões deverão ser enfardados e prensados. Ao chegarem à ETR todos os resíduos devem ser pesados ou quantificados, conforme abaixo: PESAGEM - Recicláveis (Kg/dia) - Papelões - enfardados (Kg/dia) - Não Recicláveis (Kg/dia) - Não Recicláveis - Restaurante (Kg/dia) 10

11 2.2 - QUANTIFICAÇÃO - Óleo vegetal (litros/dia) - Resíduos de Saúde - Serbem (conteiners de 240 litros/dia) - Eletrônicos (quantidade e tipo/dia) - Lâmpadas (quantidade e tipo/dia) - Pilhas e baterias (quantidade/dia) INDICADORES Os números devem ser repassados, por , mensalmente, ao Programa ECOS, para controle e avaliação dos indicadores. 3 - TRANSPORTE EXTERNO E DISPOSIÇÃO FINAL Os resíduos devem ser transportados e dispostos de forma adequada aos requisitos legais e ambientais. A seguir, a classificação dos resíduos (de acordo com ABNT 10004, ANVISA RDC 306 e CONAMA 307) e as empresas terceirizadas contratadas pelo Condomínio SESC-SENAC para transportar e descartar os resíduos: RECICLÁVEIS (vidro, papel, plástico, metal) - Classificação: Classe II - A (não perigosos - não inertes) - Empresa: Cooperativa Coopama - Sr. Luiz Carlos (tel.: / Rua Miguel Ângelo, Maria da Graça) - Periodicidade de coleta: semanal - Disposição final: reciclagem NÃO RECICLÁVEIS - Classificação: Classe II - A (não perigosos - não inertes) - Empresa: Locanty ( / - Periodicidade de coleta: semanal - Disposição final: aterro sanitário ORGÂNICOS (restaurante) - Classificação: Classe II - A (não perigosos - não inertes) - Empresa: Locanty ( / - Periodicidade de coleta: diária - Disposição final: aterro sanitário PILHAS E BATERIAS - Classificação: Classe I (perigosos) - Empresa: As pilhas e baterias recolhidas no condomínio devem ser depositadas nos coletores específicos do Banco Santander ou do Supermercado Carrefour. Os resíduos são 11

12 encaminhados por meio transporte próprio do SESC e do SENAC para uma das seguintes agências: Carrefour Av. das Américas, 5150, - Barra da Tijuca (6km do DN) Tel.: (21) Agência Santander Freguesia Estrada dos Tres Rios, 200, Freguesia (7km do DN) Tel.: (21) / FAX: (21) Agência Santander Center Shopping Rua Geremario Dantas, 404, Tanque (9km do DN) Tel.: (21) / FAX: (21) Periodicidade de coleta: mensal - Disposição final: reciclagem ÓLEO VEGETAL - Classificação: Classe I (perigosos) - Empresa: Cooperativa Coopama - Sr. Luiz Carlos (tel.: / Rua Miguel Ângelo, Maria da Graça) - Periodicidade de coleta: semanal - Disposição final: reciclagem PODAS DE JARDINAGEM - Classificação: Classe II - A (não perigosos - não inertes) - Empresa: Rodocon Resíduos - Sr. Luiz Cláudio Vaz de Melo ( / - Periodicidade de coleta: semanal - Disposição final: aterro sanitário RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO - Classes A, B e C - Materiais: solos, tijolos, telhas, cerâmicas, isopores, espelhos etc - Empresa: Rodocon Resíduos - Sr. Luiz Cláudio Vaz de Melo ( / - Periodicidade de coleta: semanal - Disposição final: reciclagem (B) ou aterro sanitário (A e C) RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO - Classe D - Materiais: amianto, tintas, colas, solventes - Empresa: Rodocon Resíduos - Sr. Luiz Cláudio Vaz de Melo ( / - Periodicidade de coleta: semanal - Disposição final: aterro industrial 12

13 3.9 - RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - Grupo B - Materiais: substâncias químicas, reveladores, fixadores - Empresa: Ecocare 1000 ( / - Periodicidade de coleta: semanal - Disposição final: Tratamento físico-químico e descarte na rede de esgoto ou aterro industrial RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - Grupos A e E - Materiais: agentes biológicos (A) e perfurocortantes (E) - Empresa: Locanty ( / - Periodicidade de coleta: semanal - Disposição final: aterro sanitário RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - Grupo D - Materiais: resíduos recicláveis e não recicláveis - Empresa: Locanty ( / - Periodicidade de coleta: semanal - Disposição final: reciclagem (recicláveis) ou aterro sanitário (não recicláveis) RESÍDUOS ELETRÔNICOS - Classificação: Classe I (perigosos) - Empresa: CDI - Comitê para Democratização da Informática (tel.: / / Rua Alice 150, Laranjeiras) - Periodicidade de coleta: quando solicitado - Disposição final: reciclagem LÂMPADAS FLUORESCENTES - Classificação: Classe I (perigosos) - Empresa: Idea Cíclica (Tel.: / / - Periodicidade de coleta: mínimo de 300 lâmpadas - Disposição final: reciclagem e aterro industrial (mercúrio) TONERS E CARTUCHOS DE IMPRESSORA - Classificação: Classe I (perigosos) - Empresa: Planeta Lexmark (Tel.: / - Periodicidade de coleta: mínimo de 3 cartuchos - Disposição final: reutilização e reciclagem 13

14 4 - DOCUMENTAÇÃO MANIFESTOS DE RESÍDUOS Importante documento que atesta a destinação final dos resíduos. É obrigatória e imprescindível a entrega desse documento, a cada coleta realizada, pela empresa de contratada de transporte (anexo 6.4). - Responsável: Setor de Manutenção - SESC DADOS DE PESAGEM E QUANTIFICAÇÃO (indicadores) Fundamentais para a o controle da quantidade de resíduos sólidos gerados. As informações (quilos ou quantidade/dia) deverão ser encaminhadas, mensalmente, ao ECOS Programa de Sustentabilidade CNC-SESC-SENAC. - Responsável: Empresa de limpeza e Manutenção - LUSO (envio dos dados) e ECOS (análise e gerenciamento dos dados) CONTRATOS COM EMPRESAS DE COLETA Os contratos de prestação do serviço de coleta ou quaisquer outros serviços referentes a gestão dos resíduos ficarão arquivados no Setor de Contratos do SESC. - Responsável: Setor de Contratos do SESC TERMO DE COMPROMISSO COM COOPERATIVAS Establece todas as cláusulas e condições para o recolhimento dos resíduos sólidos recicláveis gerados no condomínio SESC- SENAC. O material será destinado gratuitamente à cooperativa escolhida de acordo com requisitos criados pelo ECOS Programa de Sustentabilidade CNC-SESC-SENAC. - Responsável: Setor de Contratos do SESC CADASTRO DE COOPERATIVAS Listagem com dados das cooperativas pré-cadastradas num raio de, no máximo, 47 km. - Responsável: ECOS COMPROVANTE MENSAL DE RECICLÁVEIS COLETADOS Comprovante mensal do montante de material reciclável coletado no SESC-SENAC, contendo a quantidade recolhida, e os respectivos valores obtidos, em reais. A cooperativa contratada é obrigada a emitir o comprovante. - Responsável: ECOS 14

15 4.7 CERTIFICADO DE DESCONTAMINAÇÃO DE LÂMPADAS Certificado que comprova o quantitativo de lâmpadas descontaminadas, emitido pela empresa responsável pelo recolhimento no SESC-SENAC. A empresa contratada é obrigada a emitir o certificado. - Responsável: Setor de Manutenção 5 - RESPONSABILIDADES LUSO BRASILEIRO - Operação e transporte interno dos resíduos; - Acompanhamento trabalho das cooperativas (resíduos recicláveis); - Enfardamento dos papelões - Utilização de sacos de lixo com cores diferenciadas: (transparente para recicláveis e pretos para não recicláveis) - Solicitar ao Setor de Manutenção do SESC para contactar empresa especializada no recolhimento e descontaminação de lâmpadas mínimo de 300 unidades; - Informar, ao Setor de Patrimônio, o nível de resíduos eletrônicos no contêiner localizado na Estação de Tratamento de Resíduos ETR; - Envio de indicadores (pesagem e quantificação): Resíduos recicláveis: enviar, mensalmente, o peso (kg/dia) do material reciclável ao Programa ECOS. As planilhas impressas serão disponibilizadas em pranchetas, ao lado das balanças, para que o funcionário faça as marcações de peso (anexo 6.2.1) Papelões: o peso do material deve ser marcado na mesma tabela de resíduos recicláveis. As planilhas impressas serão disponibilizadas em pranchetas, ao lado das balanças, para que o funcionário faça as marcações de peso (anexo 6.2.1) Não recicláveis: enviar, mensalmente, o peso (kg/dia) do material não reciclável ao Programa ECOS. As planilhas impressas serão disponibilizadas em pranchetas, ao lado das balanças, para que o funcionário faça as marcações de peso (anexo 6.2.1) Lâmpadas fluorescentes: enviar, mensalmente, o quantitativo (unidades/dia) ao Programa ECOS. As planilhas impressas serão disponibilizadas em 15

16 pranchetas, no local de armazenamento (anexo 6.2.3) Óleo de cozinha: enviar, mensalmente, o quantitativo (litros/dia) ao Programa ECOS. As planilhas impressas serão disponibilizadas em pranchetas, no local de armazenamento (anexo 6.2.4) Resíduos de saúde: enviar, mensalmente, o quantitativo (conteiners de 240 litros/dia) ao Programa ECOS. As planilhas impressas serão disponibilizadas em pranchetas, no local de armazenamento (anexo 6.2.5) SETOR DE MANUTENÇÃO (SESC e SENAC) - Acompanhamento dos procedimentos (SENAC); - Contato com empresa de descontaminação das lâmpadas fluorescentes e arquivamento do Certificado de Descontaminação (SESC); - Manutenção dos equipamentos de coleta seletiva (SESC); - Transporte e descarte de pilhas e bateriais (SENAC) - Envio de dados quantitativos de pilhas descartadas ao ECOS, conforme modelo padrão de planilha (SENAC) (anexo 6.2.2). - Supervisão da empresa de limpeza (SESC); - Controle do Manifesto de Resíduos (anexo 6.4): - Preencher os campos do Manifesto, para Resíduos Recicláveis e Não Recicláveis; - Datar e assinar o campo 11 em todas as 4 vias; - Arquivar a primeira via, após ter sido datada e assinada pelo transportador; - Entregar as demais vias ao transportador; - Arquivar a quarta via do Manifesto, recebida do receptor. - O receptor deverá enviar a 4 a via ao gerador, nas 48 horas subseqüentes ao recebimento de cada resíduo GRUPO DE ADMINISTRAÇÃO PREDIAL (GAP) - Acompanhamento dos procedimentos; - Gestão dos resíduos de obras e manutenção (anexo 6.1) PROGRAMA ECOS - Comprovante Mensal de Recicláveis Coletados - Apoio à Gestão do Sistema de Gerenciamento de Resíduos; - Campanhas de educomunicação e sensibilização interna; - Atualização dos procedimentos; - Gestão dos indicadores. 16

17 5.5 - RESTAURANTE - Envio dos indicadores de resíduos orgânicos e óleo vegetal (anexo 6.2.4) SERBEM - Envio dos indicadores de resíduos de saúde (anexo 6.2.5); - Integração com o PGRS SESC-SENAC SETOR DE PATRIMÔNIO (SESC e SENAC) - Baixa e deliberação de equipamentos; - Contato com empresa de coleta de resíduos eletrônicos; - Envio de listagem ao Programa ECOS FUNCIONÁRIOS - Separar corretamente os resíduos do SESC-SENAC. 17

18 5.9 - ORGANOGRAMA - GESTÃO COMPARTILHADA 18

19 19

20 6.1 (ANEXO I) TERMO DE REFERÊNCIA - GESTÃO DE RESÍDUOS NOS CANTEIROS DE OBRAS PELAS CONTRATADAS INSTRUÇÕES PARA GESTÃO DE RESÍDUOS NOS CANTEIROS DE OBRAS PELAS CONTRATADAS PREMISSAS TÉCNICAS O primeiro passo para a gestão ambiental de resíduos sólidos no canteiro de obras é dado no momento da escolha dos materiais e sistemas construtivos, pois os resíduos são gerados a partir destes elementos. Os materiais e sistemas construtivos relacionados no Memorial Descritivo da contratada devem considerar a redução máxima na geração de resíduos. Além da seleção de materiais e sistemas construtivos mais limpos, esta Instrução também apresenta recomendações para o controle de perdas e desperdícios, o qual deve ser realizado pela empreiteira e avaliado pela Gerência de Arquitetura e Engenharia (GAE). Dada a prioridade à redução e ao controle na geração de resíduos, evitando-a ao máximo, a gestão dos resíduos nos canteiros de obra no Condomínio deverá seguir as diretrizes do PGGRS com foco na seguinte hierarquia: 1. Não geração de resíduos, 2. Redução, 3. Reutilização, 4. Reciclagem e 5. Destinação final adequada/ descarte em aterros regularizados pelo órgão ambiental. PLANEJAMENTO DOS ESPAÇOS Projetar a montagem do canteiro de obras prevendo os espaços destinados para o acondicionamento dos resíduos com a autorização do GAE e ECOS. TREINAMENTO Deverá ser apresentada aos integrantes da obra a importância do gerenciamento do resíduos e suas implicações no dia-a-dia do canteiro. Para isso, os operários e demais pessoas envolvidas deverão ser treinados de forma que a gestão dos resíduos seja realizada de maneira correta (segregação por tipo, armazenamento etc.). É necessário guardar o registro desses treinamentos para comprovação junto às auditorias, se cabível. MANUSEIO DOS RESÍDUOS Deve-se manter a organização e limpeza do canteiro e efetuar o correto manejo dos resíduos em seu interior. Isto contribui para a não geração dos resíduos, considerando que: 20

21 O canteiro fica mais limpo e organizado Haverá a triagem de resíduos, impedindo sua mistura com matérias-primas e insumos Permite a identificação de materiais reutilizáveis, que geram economia tanto pordispensarem a compra de novos materiais como por evitar sua identificação como resíduo e gerar custo de remoção Facilita a quantificação e qualificação dos resíduos descartados, o que possibilita a identificação de possíveis focos de desperdício de materiais TRIAGEM A triagem deverá ser realizada preferencialmente na obra, respeitando as quatro classes estabelecidas pelas resoluções CONAMA 307/ 2002 e 348/ 2004, a saber: Classe A - são os resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados, tais como: a) de construção, demolição, reformas e reparos de pavimentação e de outras obras de infra-estrutura, inclusive solos provenientes de terraplanagem; b) de construção, demolição, reformas e reparos de edificações: componentes cerâmicos (tijolos, blocos, telhas, placas de revestimento etc.), argamassa e concreto; c) de processo de fabricação e/ou demolição de peças pré-moldadas em concreto (blocos, tubos, meiosfios etc.) produzidas nos canteiros de obras; Classe B - são os resíduos recicláveis para outras destinações, tais como: plásticos, papel/papelão, metais, vidros, madeiras e outros; Classe C - são os resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem/recuperação, tais como os produtos oriundos do gesso; Classe D - são resíduos perigosos oriundos do processo de construção, tais como tintas, solventes, óleos ou aqueles contaminados ou prejudiciais à saúde oriundos de demolições, reformas e reparos de clínicas radiológicas, instalações industriais etc., bem como telhas e demais objetos e materiais que contenham amianto ou outros produtos nocivos à saúde. ESTOCAGEM DOS RESÍDUOS As recomendações para a estocagem dos resíduos são: O acondicionamento de qualquer resíduo deve ser eficiente o bastante para evitar acidentes, impedir a geração de mau cheiro, atração de insetos e animais indesejáveis (ratos) e não deve permitir o acúmulo de água. Os coletores a serem utilizados devem ser feitos de material rígido, impermeáveis, de fácil limpeza e de movimentação simplificada. Os sacos plásticos utilizados no acondicionamento de resíduos também em ser impermeáveis e resistentes a esforços mecânicos durante coleta e movimentação de resíduos. 21

22 TRANSPORTE DOS RESÍDUOS Este transporte deverá ser realizado por empresas credenciadas pelo órgão ambiental para a atividade e o descarte deverá ser feito apenas em locais licenciados. Cabe à construtora contratada monitorar documentos, licenças e autorizações necessárias, elaborando fichas de controle de movimentação de resíduos (Manifesto de Resíduo e Controle de Transporte de Resíduos, por exemplo). Assim, cada coleta dos resíduos deverá implicar na emissão do documento de controle de transporte de resíduos, que registrará a destinação dos resíduos coletados. Uma das vias desse documento deverá ser entregue ao GAE/ECOS. O transporte deverá ser realizado em conformidade com as características do material e com as normas técnicas vigentes para o transporte de resíduos; DESTINAÇÃO DOS RESÍDUOS Os fatores determinantes na designação de soluções para a destinação dos resíduos são os seguintes: Possibilidade de reutilização ou reciclagem dos resíduos nos próprios canteiros Possibilidade de reutilização ou reciclagem dos resíduos externamente à obra Proximidade dos destinatários para minimizar custos de deslocamento Conveniência do uso de áreas especializadas para a concentração de pequenos volumes de resíduos mais problemáticos, visando à maior eficiência na destinação; Os resíduos não devem ser queimados ou enterrados no canteiro. Além disso, não deverão ser lançados na rede de saneamento. DEMOLIÇÃO SELETIVA A demolição deve ser planejada com o objetivo de maximizar o reaproveitamento dos materiais existentes e viabilizar a reciclagem dos resíduos inertes gerados. Seguem algumas diretrizes para possíveis situações: Áreas cimentadas verificar a possibilidade de utilizar estas superfícies de piso existentes para a estocagem de materiais durante a realização da obra. Caso não seja possível, deve-se demolir o local e segregar todo o material para ser reutilizado como: Preenchimento de valas Enchimentos em geral Execução de contrapiso (conforme NBR 15116:2004 Agregados reciclados de resíduos sólidos da construção civil Utilização em pavimentação e preparo de concreto sem função estrutural Requisitos ); Encaminhar os resíduos para aterros de inertes ou usinas de processamento de RCD (Resíduos de Construção e Demolição). Em último caso, encaminhamento para aterro sanitário comum 22

23 licenciado; A demolição seletiva deve passar pelas seguintes etapas: Identificação das cadeias de revalorização existentes próximas ao canteiro para os itens identificados no inventário. Devem ser consideradas as opções: doação e encaminhamento para cooperativas e usinas de reciclagem Desmontagem cuidadosa das peças com potencial de reaproveitamento Demolição cuidadosa para evitar a mistura de classes de resíduos diferentes, riscos de desprendimento de gases, geração de faíscas, lançamentos de fragmentos e emissões excessivas de material particulado Definição dos locais e meios de acondicionamento das peças e resíduos em função de sua classificação, fragilidade, quantidade e momento de coleta Planejamento dos momentos de coleta das peças reaproveitáveis e resíduos gerados AVALIAÇÃO DA GESTÃO DE RESÍDUOS Para comprovação junto ao Condomínio Sesc/Senac da correta gestão dos resíduos, o responsável pela obra deverá preencher o RELATÓRIO DE CONTROLE DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS REGISTRO DA DESTINAÇÃO COMPROMISSADA, sugerido em anexo, ou apresentar os comprovantes de retirada de resíduos da obra com as informações constantes nesta ficha para comprovar a reciclagem ou a correta destinação dos resíduos. O Sesc/Senac recomenda e exige que esses registros sejam executados pela construtora contratada a partir do primeiro dia de obra e apresentadas as informações relacionadas aos tipos de resíduos gerados, a quantidade gerada por tipo, a transportadora utilizada, a destinação dada e a empresa responsável pela destinação ou destino final. A gestão de resíduos deverá ser monitorada pela construtora contratada e avaliada. Adicionalmente, a construtora contratada e seus subcontratados serão avaliados pela em relação ao seu comprometimento com a gestão dos resíduos na obra. Nesta avaliação será verificado o nível de conformidade frente às seguintes questões: Treinamento de pessoal Triagem dos resíduos Acondicionamento e armazenamento dos materiais Organização e operacionalização de canteiro de obras Disposição final dos resíduos Reutilização, reciclagem e destinação final Limpeza geral do canteiro de obras Entrega ao Setor de Manutenção e Grupo de Administração Predial, devidamente preenchido, do Relatório do Controle Geração de Resíduos ou do Registro da Construtora - Registro da Destinação Compromissada. Deverão ser reavaliadas as construtoras contratadas e suas subcontratadas que não se enquadrarem nos quesitos exigidos pelo Sesc/Senac. 23

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

Gestão, Arquitetura e Urbanismo

Gestão, Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) CIVIL JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: CIVIL Gestão, Arquitetura e Urbanismo Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO Produzido por Exatas

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO Problema transformado em oportunidade Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação

Leia mais

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) RESOLUÇÃO CONAMA 307 Art. 3 o Os resíduos da construção civil deverão ser classificados, para efeito desta Resolução, da seguinte forma: I-Classe

Leia mais

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL Nelma Miriam Chagas de Araújo (1); Tânia Maria Gomes Voronkoff Carnaúba (2); (1) Instituto Federal de Educação, Ciências

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA www.apucarana.pr.leg.br - Centro Cívico José de Oliveira Rosa, ~5A - 86800-235 - Fone (43) 3420-7000 ESTADO DO PARANA SÚMULA - Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005.

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. "Estabelece diretrizes para elaboração do Plano Integrado

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA

DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA PALESTRANTES GILSON TADEU AMARAL PIOVEZAN JUNIOR Engenheiro Civil - UFSM Especialista em Gestão de Recursos Hídricos - UFSM

Leia mais

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL Decreto / Norma Emissor Assunto Diretrizes e procedimentos / Resíduos da Construção Civil. Define a tipologia de resíduos da construção civil Artigo2º, tem I: Resíduos da construção civil: São os provenientes

Leia mais

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil do Município de Porto Alegre, estabelece as diretrizes, os critérios e os procedimentos

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 Disciplina a apresentação de Planos de Gerenciamento de Resíduos da Construção

Leia mais

Cartilha de gestão de entulho de obra

Cartilha de gestão de entulho de obra Cartilha de gestão de entulho de obra Introdução O Sinduscon-CE anualmente investe na publicação de manuais de segurança e sustentabilidade para o setor, com forma de incentivar as boas-práticas na construção

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp) do Hospital das Clínicas da FMUSP Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Responsável pelo trabalho: Vânia Rodrigues

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 ESTRUTURA FÍSICA Reestruturação dos locais para o armazenamento interno dos resíduos Definir local para sala de utilidades por andar Evitar o contato dos

Leia mais

ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS.

ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS. ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS. Seção 3a: Cronograma de Requisitos e Especificações Técnicas CONDIÇÕES

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de gerenciamento

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Sumário 1. IDENTIFICAÇÃO... 1 2. INTRODUÇÃO... 2 3. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 2 3.1. DEFINIÇÕES... 2 3.2. Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil PGRCC...

Leia mais

Gerenciamento dos Resíduos da Construção

Gerenciamento dos Resíduos da Construção Gerenciamento dos Resíduos da Construção Resíduos da Construção e Demolição Engenheiro Civil e Doutor em Engenharia Ambiental Joácio Morais Júnior João Pessoa - 2013 Problemática 2 ANÁLISE DO CICLO DE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM Produção: Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall. Apoio Institucional: Sindicato da Indústria

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 Coordenador: Consultor: 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Revisão Ortográfica

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO)

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão e aproveitamento dos resíduos da construção civil e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde. Fls.: 1 de 11 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011 VERSÃO: 01/2011 APROVAÇÃO EM: 20 de julho de 2011 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto nº 20/2011 UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Maria Bernadete Fernandes Vieira de Melo (UFPB) beta@ct.ufpb.br

Leia mais

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente - SEPesq Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente Micheli Gonçalves Zamarchi Arquiteta e Urbanista Centro Universitário Metodista - IPA arquiteta.mz@gmail.com

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR Maria Cristina Rodrigues Halmeman 1 ; Paula Cristina de Souza 2 ; André Nascimento Casarin 3 1 Professora Mestre, Universidade Tecnológica Federal Campo Mourão, Departamento de Engenharia de Produção Civil.

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Sensibilização para o Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil Edvaldo Sabino 04/06/2013 + = TERMO DE PARCERIA 022/2008 Sensibiliz. para

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos nas obras Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos

Leia mais

PROCEDIMENTO Página 1 / 38. Elaboração de Projetos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Histórico

PROCEDIMENTO Página 1 / 38. Elaboração de Projetos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Histórico PROCEDIMENTO Página 1 / 38 Histórico Data Revisão Modificação 05/10/05 0 Emissão inicial 03/08/06 1 Inclusão do item 5.10 31/01/08 2 Revisão geral. 08/09/2010 3 22/03/2011 4 02/05/11 5 Alteração da Identificação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015.

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015. PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015 MEIO AMBIENTE Fevereiro/2015 ESTRUTURA DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE Diretoria de Engenharia e Construção

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

Art. 1 Para efeito do disposto nesta lei, ficam estabelecidas as seguintes definições:

Art. 1 Para efeito do disposto nesta lei, ficam estabelecidas as seguintes definições: Página 1 de 9 Lei Ordinária nº 5159/2004 de 24/12/2004 Ementa Institui o Sistema para a Gestão Sustentável de Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos no Município de Joinville e dá outras providências.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) 1 - DIRETRIZ GERAL O presente Termo de Referência tem o objetivo de orientar os empreendimentos, sujeitos ao

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS 1 JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGIRS. 2 OBJETIVO O objetivo do PGIRS

Leia mais

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Claudiceia Silva Mendes 1 Resumo: A construção civil é reconhecida como uma das mais importantes

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Aplicação de Planos Integrados de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos

RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Aplicação de Planos Integrados de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Aplicação de Planos Integrados de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos Gizelani Muller Guazzelli 18/03/2011 1. APRESENTAÇÃO Uma das procupações relacionadas aos Resíduos

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Conselho Regional de Odontologia de Rondônia Modelo (Cada estabelecimento deve adequar à sua realidade) PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Fonte: http://www.cro-ro.org.br/

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo)

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) Comarca de xxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx / 2013 1. IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Separação dos resíduos recicláveis Coleta seletiva no pátio Separação dos resíduos no laboratório Central de resíduos e estação de tratamento de esgoto Capacitação

Leia mais

DECRETO Nº 18.481, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.481, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.481, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013. Regulamenta a Lei nº 10.847, de 9 de março de 2010, que institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos de Construção Civil do Município de Porto Alegre,

Leia mais

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade Prof. Rogerio Valle Logística Reversa e Sustentabilidade LOGÍSTICA REVERSA, PROCESSO A PROCESSO (ED. ATLAS) Visão sistêmica dos fluxos de recursos e de produtos Evolução na problemática da sustentabilidade

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

Guia para Elaboração de Projeto de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil

Guia para Elaboração de Projeto de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil 1 Série de Publicações Temáticas do CREA-PR Guia para Elaboração de Projeto de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil Rosimeire Suzuki Lima Ruy Reynaldo Rosa Lima Rosimeire Suzuki Lima Ruy Reynaldo

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL A entrada do processo é feita no protocolo da EMSURB localizada na portaria do Parque da Sementeira. Após a análise é fornecida a DECLARAÇÃO DE COMPROMETIMENTO

Leia mais

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO!

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! É crescente a preocupação brasileira com as questões ambientais, principalmente quando constatamos que os níveis de poluição e de produção de

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Guia para Elaboração de Projeto de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil

Guia para Elaboração de Projeto de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil 1 Série de Publicações Temáticas do CREA-PR Guia para Elaboração de Projeto de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil Rosimeire Suzuki Lima Ruy Reynaldo Rosa Lima Rosimeire Suzuki Lima Ruy Reynaldo

Leia mais

I-074 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL ESTUDO DE CASO PROJETO PILOTO REFERENCIAL PARA CASAS SUSTENTÁVEIS

I-074 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL ESTUDO DE CASO PROJETO PILOTO REFERENCIAL PARA CASAS SUSTENTÁVEIS I-074 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL ESTUDO DE CASO PROJETO PILOTO REFERENCIAL PARA CASAS SUSTENTÁVEIS Liane de Moura Fernandes Costa (1) Engenheira Ambiental pela Universidade Federal

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final

Leia mais

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1/11 LEI Nº 3645, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012. (Regulamentada pelo Decreto nº 6101/2015) ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS

Leia mais

SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.2, n.2, 167-180, nov. 2010 ISSN 2177-823X 167 www.fapam.edu.br/revista

SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.2, n.2, 167-180, nov. 2010 ISSN 2177-823X 167 www.fapam.edu.br/revista SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.2, n.2, 167-180, nov. 2010 ISSN 2177-823X 167 www.fapam.edu.br/revista AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.336, DE 22 DE JUNHO DE 2004 PROJETO DE LEI N 030/2004. (nº 019/2004, na origem) INSTITUI O SISTEMA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DE

LEI MUNICIPAL Nº 2.336, DE 22 DE JUNHO DE 2004 PROJETO DE LEI N 030/2004. (nº 019/2004, na origem) INSTITUI O SISTEMA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DE LEI MUNICIPAL Nº 2.336, DE 22 DE JUNHO DE 2004 PROJETO DE LEI N 030/2004. (nº 019/2004, na origem) INSTITUI O SISTEMA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e dá outras providências. JOSÉ DE FILIPPI

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP LEI Nº 11.445/2007 LEI Nº 12.305/2010 1. OBJETIVOS - Realizar diagnósticos; - Elaborar propostas de intervenções; - Definir

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D )

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D ) SESSÃO TÉCNICA GESTÃO DE RESIDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) Fundamentoda Sessão; - Esta iniciativa partiu no âmbito do processo de RVCC Profissional onde o tema foi abordado por uma empresa parceira

Leia mais

Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP. Welson Gonçalves Barbosa Jr.

Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP. Welson Gonçalves Barbosa Jr. RECICLAGEM E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP Welson Gonçalves Barbosa Jr. Dados sobre a Escola Politécnica 8 prédios. Mais de 500 professores Quase 500 funcionários

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

PREFEITURA DA ESTANCIA TURISTICA DE ITU PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

PREFEITURA DA ESTANCIA TURISTICA DE ITU PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) PREFEITURA DA ESTANCIA TURISTICA DE ITU PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) JULHO/2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 1.1 NORMAS TÉCNICAS, LEGISLAÇÃO E RESPONSABILIDADES... 3 2.

Leia mais

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO APRESENTAÇÃO O presente guia visa fornecer aos colaboradores, parceiros e fornecedores da Elektro, informações e instruções básicas sobre os procedimentos para o descarte dos

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA - (17) 3463-9014 TEL. (17) 3463-1495 O CER também comercializa materiais reciclados para obra de ótima qualidade como areia,

Leia mais