Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades"

Transcrição

1 Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades REGULAMENTO 1. Introdução O Banco Santander Totta, em parceria com as Instituições de Ensino Superior ( IES ), criou um programa para atribuição de 1500 de bolsas de estágio (PROGRAMA), através do qual os alunos finalistas podem usufruir de uma bolsa de três meses para estagiarem numa empresa. O Banco assume os custos das Bolsas a atribuir a alunos finalistas e, por intermédio dos contactos que tem com as empresas decorrente da sua atividade, propõe às empresas receberem estes estagiários, beneficiando estas dos conhecimentos e contributos do estagiário sem qualquer custo durante 3 meses. Objetivos do Programa: 1. Promover a ligação Universidade Empresa 2. Facilitar o complemento da formação académica superior através de estágios em empresas 3. Facilitar o encontro do 1º emprego para finalistas do ensino superior 4. Permitir às empresas terem acesso a um estagiário com formação superior sem qualquer custo durante 3 meses 5. Reforçar o compromisso do Banco com as Instituições de Ensino Superior e com o desenvolvimento da sociedade portuguesa 2. Intervenientes no Programa de Bolsas: Estagiários ou Alunos Finalistas: Alunos devidamente matriculados, a frequentar o último ano, ou diplomados há menos de 2 anos, em curso de licenciatura, mestrado ou mestrado integrado, numa Instituição de Ensino Superior Aderente e que se propõem fazer um estágio de 3 meses numa das empresas promotoras e receber uma bolsa de estágio, no valor de 550 por mês. Instituições de Ensino Superior ( IES ) aderentes: Entidades que aderiram ao convénio de criação do PROGRAMA e que têm, por isso, a possibilidade de ter alunos candidatos às bolsas de estágio suportadas pelo Banco. Empresas Promotoras: Entidades que, a convite do Banco, estejam dispostas a acolher um estagiário por três meses.

2 3. Direitos e Obrigações dos Intervenientes Cabe aos estagiários: Receber uma bolsa de estágio no valor de 550 euros mensais, nos termos previstos no contrato de estágio e na Lei Candidatar-se através dos sites indicados no ponto 5. Processo Prestar informação verdadeira e exata sobre o seu percurso académico e competências pessoais Disponibilizar-se para um processo de seleção a ser realizado pela Empresa Aderente Comprometer-se a realizar o estágio com os mais elevados padrões de empenho e profissionalismo Assegurar a confidencialidade da informação de técnica e de negócio da empresa aderente que tiverem acesso durante o seu período de estágio Conduzir com ética todas as relações humanas e institucionais Até dia 30 dias após o final do estágio, entregar na IES um relatório de estágio com evidência de conhecimento por parte da empresa aderente. Cabe à empresa promotora: Acolher um estagiário por um prazo de 3 meses Conduzir e responsabilizar-se por um processo de seleção do estagiário que será, no final, validado pela Instituição de Ensino Superior Assinar um Contrato de Estágio (ver minuta Anexo VII do Programa), em conformidade com o regime previsto no Decreto-Lei n.º 66/2011, de 1 de Junho Processar pontualmente o pagamento da bolsa de estágio com o valor previsto neste Programa, nos termos previstos no DL anterior e no Contrato de Estágio Receber os meios financeiros das IES aderentes Nomear um orientador para o estágio e definir, em conjunto, com o estagiário, um Plano Individual de Estágio Assegurar um seguro de acidentes de trabalho, idêntico ao dos seus trabalhadores, nos termos do referido Contrato de Estágio. Não discriminar os candidatos por qualquer natureza, designadamente questões de raça, religião ou género Ser ética na condução das relações humanas e institucionais Assumir para todos os efeitos os deveres e obrigações atribuídos à entidade promotora pelo Decreto-Lei n.º 66/2011, de 1 de Junho. Cumprir com o presente regulamento e espírito do Programa Devolver às Instituições de Ensino Superior todos os valores não pagos aos estagiários Emitir um certificado de frequência do estágio ao aluno finalista

3 Cabe à Instituição de Ensino Superior Aderente: Divulgar o programa junto da sua comunidade académica Validar as condições de acesso do candidato, verificando se cumpre todos os requisitos e que não tem informação comportamental do aluno que invalide a idoneidade do mesmo Não discriminar os candidatos por qualquer natureza, designadamente questões de raça, religião ou género Atribuir, à empresa aderente, o valor da Bolsa de Estágio no montante de 550 euros por mês durante 3 meses Por cada donativo concedido pelo Banco, a instituição de ensino superior obriga-se a emitir e a entregar ao Banco, documento comprovativo do montante recebido, com todas as menções exigidas pelo Artº 66º EBF, no qual identificará a pessoa do mecenas e especificará designadamente o valor do donativo, a inexistência de quaisquer contrapartidas, o preceito do Artº 62º, nº1, al. a) e nº 2 do EBF ou nº 6, al. g) e nº7 e nº10, conforme o caso, como normativo ao abrigo do qual se processa a liberalidade, bem como a qualidade ou natureza jurídica da entidade beneficiária. Fixar os critérios de validação dos candidatos nos termos deste regulamento e da lei. Cabe ao Banco Santander Totta: Conceder um donativo às IES aderentes, correspondente às Bolsas de Estágio efetivamente atribuídas e contratadas junto de empresas promotoras aos seus alunos, no valor de 550 euros por bolsa Assegurar um processo informático e um centro de atendimento para organizar e facilitar todo o processo de seleção e contratação dos estagiários. 4. Ferramenta informática de Suporte ao Programa Todo o programa será gerido através do site acessível diretamente ou através de links divulgados nos sites dasies, redes sociais, etc. O tratamento da informação fica a cargo do Banco Santander Totta e deverá respeitar a legislação de proteção de dados aplicável. 5. Processo As empresas inserem a proposta de estágio no site, preenchendo os campos solicitados. Os candidatos inserem o seu curriculum vitae no site, pesquisam as oportunidades de estágios disponíveis e concorrem através do processo eletrónico disponibilizado no site.

4 As empresas visualizam os candidatos que expressaram interesse no(s) seu(s) estágio(s) e podem contactar os estudantes através dos contactos por estes disponibilizados, desenvolvendo um processo de recrutamento que entendam adequado podendo incluir, designadamente, entrevistas. Após a seleção do candidato no site (através de função própria), a empresa contacta o Centro de Atendimento ao Utilizador (CAU) através dos contactos indicados no site, o qual informa a empresa, o candidato e a IES da disponibilidade de bolsa da sua IES. Em caso afirmativo, reserva uma bolsa. A IES valida as condições de acesso do candidato, verificando se cumpre todos os requisitos e que não tem informação comportamental do aluno que invalide a idoneidade do mesmo. Nesta sequência aies emite uma declaração de aprovação da bolsa nos termos do Anexo IV. A empresa e o estagiário celebram o contrato de estágio que deverá ser encaminhado para o CAU e encerra o processo de seleção. No final de cada mês a IES emite uma fatura ao Banco, nos termos do anexo VI, acompanhada de uma listagem com todos os estágios que se iniciaram nesse mês, sendo que o Banco procederá no prazo máximo de 15 dias ao pagamento do valor total de cada bolsa indicada. Todos os valores que não tenham sido efetivamente pagos aos candidatos, deverão ser reembolsados ao Banco pelas Instituições de Ensino Superior. Uma vez recebidos os fundos do Banco, as instituições devem proceder ao pagamento integral das mesmas às empresas promotoras num prazo máximo de 15 dias. As empresas deverão proceder ao pagamento pontual da bolsa de estágio aos estagiários, nos termos do contrato de estágio celebrado. Até 30 dias após a conclusão do estágio, a empresa promotora deverá enviar para a IES os recibos de quitação dos pagamentos da bolsa ao estagiário. Deverá, ainda, devolver à IES, o eventual diferencial entre os montantes recebidos desta e aqueles efetivamente pagos aos Estagiários e espelhados nos recibos de pagamentos da bolsa. No final do estágio, e até 30 dias após a conclusão do mesmo, o candidato deberá apresentar relatório do mesmo, junto da IES. O relatório deverá vir acompanhado de uma nota do responsável do estágio da empresa atestando a conformidade do mesmo face à experiência e trabalho desenvolvido na empresa. As Instituições de Ensino Superior devem, dentro do mesmo princípio, devolver ao Banco os montantes das bolsas que não foram efetivamente pagas aos estagiários.

5 6. Prazos e Número de Bolsas O Banco anunciará publicamente a abertura do prazo para submissão de estágios por parte das empresas que coincidirá com o prazo de candidatura por parte dos finalistas. As bolsas serão atribuídas por ciclos e o Banco anunciará, igualmente, o número de bolsas de estágio a atribuir em cada ciclo deste Programa. Uma vez concluído um ciclo de atribuição de bolsas o Banco pode iniciar um novo ciclo reabrindo ou prorrogando o prazo de submissão de estágios e de candidaturas. O Banco anunciará quando as bolsas de estágio estiverem totalmente atribuídas.

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução REGULAMENTO Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades Introdução O Banco Santander Totta, S.A., em parceria com as Instituições de Ensino Superior aderentes (doravante «IES»), e através da

Leia mais

SANTANDER ADVANCE ESTÁGIOS - CANDIDATURA CANDIDATURA

SANTANDER ADVANCE ESTÁGIOS - CANDIDATURA CANDIDATURA CANDIDATURA SANTANDER ADVANCE [IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA], representada legalmente por [IDENTIFICAÇÃO de representante(s) legal], vem pelo presente apresentar uma candidatura ao Programa de Bolsas de Estágio

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2015

Regulamento PAPSummer 2015 Regulamento PAPSummer 2015 Artigo 1º Objectivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses (Estudante) de desenvolver um

Leia mais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN REGULAMENTO DE BOLSAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO PARA ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E DE TIMOR-LESTE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o objetivo de estimular a Investigação

Leia mais

Programa de Bolsas Ibero-américa Santander Normas do Programa ISCTE-IUL 2016

Programa de Bolsas Ibero-américa Santander Normas do Programa ISCTE-IUL 2016 Programa de Bolsas Ibero-américa Santander Normas do Programa ISCTE-IUL 2016 Introdução O Banco Santander, através da sua divisão Santander Universidades, promove o Programa de Bolsas Ibero-américa, um

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 Este concurso visa reforçar a cooperação existente entre a Universidade de Coimbra (UC) e as instituições suas parceiras,

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº. 1º. 1. Com o fim principal

Leia mais

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social O Conselho de Ação Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, atento à

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 O Programa Bolsas Ibero-américa. Estudantes de Licenciatura e

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 É do interesse das Instituições de Ensino Superior promover a excelência do ensino, propiciando aos seus estudantes

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT e Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONTRATO CONSÓRCIO EXTERNO Aplicável a projectos de I&DT

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA - FAMEMA FÓRMULA SANTANDER 2014 2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA - FAMEMA FÓRMULA SANTANDER 2014 2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL FÓRMULA SANTANDER 2014 2015 O Diretor Geral da Faculdade de Medicina de Marília (Famema), Professor Doutor Paulo Roberto Michelone, no uso de suas atribuições, torna público este Edital de seleção de estudantes

Leia mais

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais)

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais) Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES Regulamento Artigo 1º (Disposições Gerais) O Programa de Bolsas de Mobilidade para Estudantes da Universidade de Lisboa tem por objectivo proporcionar

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

ANÚNCIO. 2 - O prazo para apresentação de candidaturas ao procedimento concursal inicia-se no dia 02.01.2014 e termina no dia 16.01.2014.

ANÚNCIO. 2 - O prazo para apresentação de candidaturas ao procedimento concursal inicia-se no dia 02.01.2014 e termina no dia 16.01.2014. ANÚNCIO Por Despacho do Diretor do Centro de Estudos Judiciários, Professor Doutor António Pedro Barbas Homem, de 13 de dezembro de 2013, é aberto o procedimento concursal extraordinário e urgente de formação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CRITÉRIOS E NORMAS A Coordenadora Institucional do Programa Institucional de

Leia mais

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Guia do Estudante Normas Gerais A mobilidade de estudantes, uma das acções mais frequentes do Programa, inclui duas vertentes de actividade: realização

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Artigo 1º Âmbito

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Artigo 1º Âmbito ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Artigo 1º Âmbito A Ordem dos Farmacêuticos (OF) tem vindo a estabelecer diversas parcerias, com o objectivo de facilitar o acesso à

Leia mais

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa FAQ S 1. Quais os requisitos necessários para ingressar num Mestrado? O candidato deverá ser titular do grau de licenciatura ou de mestre sendo as áreas de formação definidas aquando da publicação do edital

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2016

Regulamento PAPSummer 2016 Regulamento PAPSummer 2016 Artigo 1º Objetivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses ( Estudante ) de desenvolver um

Leia mais

Bolsas Universitárias Casa da América Latina/Santander Totta

Bolsas Universitárias Casa da América Latina/Santander Totta Bolsas Universitárias Casa da América Latina/Santander Totta REGULAMENTO 1. Natureza das Bolsas 1.1. O Banco Santander Totta e a Casa da América Latina decidiram atribuir duas Bolsas Universitárias, cujo

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO. Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO. Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge NOVAS MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO Programa ESTAGIAR L, T e U (Resolução do Conselho de Governo nº 100/2015 de 15/07/2015) OBJETO O plano de estágios ESTAGIAR desenvolve-se em três programas: a) O ESTAGIAR

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar Crianças

Leia mais

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014 Regulamento Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014 A. Enquadramento 1. O presente regulamento define e estabelece o regime de submissão e validação de candidaturas, e o processo

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

Fundo Universitário AMI

Fundo Universitário AMI Fundo Universitário AMI Regulamento Geral Preâmbulo Desde 1994, ano em que se inaugurou o primeiro centro social da AMI (Olaias) e até 2014, os Serviços Sociais da AMI apoiaram 64.317 pessoas em situação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências Sociais Aplicadas Pró Reitoria de Extensão e Cultura

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências Sociais Aplicadas Pró Reitoria de Extensão e Cultura EDITAL 005/2014- Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior SETI Modalidade Recém- Formados e Graduandos. PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS SETI-USF Subprograma APOIO AO EMPREENDEDORISMO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 202, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 202, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 202, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. O CONSELHO DE FACULDADE DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais e considerando a

Leia mais

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos:

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: REGULAMENTO I DO PROGRAMA Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: I incentivar a aderência ao Programa de indivíduos que atendam aos requisitos exigidos neste

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO 5ª EDIÇÃO, 2015-16

REGULAMENTO DO CONCURSO 5ª EDIÇÃO, 2015-16 REGULAMENTO DO CONCURSO ESTÁGIOS DE CURTA DURAÇÃO EM PORTUGAL PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE PROVENIENTES DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E TIMOR-LESTE 5ª EDIÇÃO, 2015-16 Artigo 1º Âmbito O presente

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento

Leia mais

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO Na sequência dos trabalhos desenvolvidos pelo Fórum para a Cooperação, implementado em 2008, e reconhecendo o papel que

Leia mais

Licenciatura em Biologia

Licenciatura em Biologia Licenciatura em Biologia Regulamento de Estágio Profissionalizante Para dar cumprimento ao estipulado no Despacho n.º 22 420/2001 da Reitoria da Universidade de Aveiro, publicado no Diário da República

Leia mais

Regulamento da Bolsa de Emprego online da FEP. Serviço de Relações Externas e Integração Académica

Regulamento da Bolsa de Emprego online da FEP. Serviço de Relações Externas e Integração Académica Regulamento da Bolsa de Emprego online da FEP Serviço de Relações Externas e Integração Académica Regulamento Bolsa de Emprego da FEP Candidatos & Entidades Empregadoras Artigo 1 Objeto O presente regulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências Sociais Aplicadas Pró Reitoria de Extensão e Cultura

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências Sociais Aplicadas Pró Reitoria de Extensão e Cultura EDITAL 06/2015- Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior SETI Modalidade Recém- Formados e Graduandos. PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS SETI-USF Subprograma APOIO AO EMPREENDEDORISMO

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL 1. INTRODUÇÃO Este regulamento: Descreve os requisitos referentes à Certificação de Pessoas da SGS ICS; Complementa o documento PTD6850 - Processo de Certificação

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

Regulamento de Estágio

Regulamento de Estágio Regulamento de Estágio Capitulo I - Do Estágio e suas Finalidades Capitulo II - Da Forma de Realização Capitulo III - Da Inscrição, Duração e Encerramento do Estágio Capitulo IV - Do Acompanhamento e Avaliação

Leia mais

Fundação Cidade Lisboa

Fundação Cidade Lisboa Fundação Cidade Lisboa COLÉGIO UNIVERSITÁRIO DA COOPERAÇÃO - NUNO KRUS ABECASIS REGULAMENTO DE BOLSAS 2015/2016 I - DISPOSIÇÕES GERAIS 1 - O Colégio Universitário da Cooperação Nuno Krus Abecasis da Fundação

Leia mais

Solicitação de aprovação de cursos de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Solicitação de aprovação de cursos de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização Solicitação de aprovação de cursos de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização Objetivo Avaliar propostas de curso de pós-graduação lato sensu especialização. Objetivo Avaliar propostas de curso de pós-graduação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 Considerando os objetivos do Governo dos Açores em promover, na Região, um conhecimento especializado de temáticas

Leia mais

Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores

Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores Artigo 1.º Objeto e âmbito 1 O presente regulamento estabelece o regime de recrutamento,

Leia mais

PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores

PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores A pretende impulsionar as actividades de Responsabilidade Social em Angola, contribuindo para o seu desenvolvimento.

Leia mais

AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR. 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência

AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR. 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência RECURSOS HUMANOS Recrutamento e evolução de carreira AVISO DE VAGA DE LUGAR ECA/2015/JUR 2 lugares de jurista - Graus AD 8 - AD 9 Unidade Assuntos Jurídicos - Presidência SOMOS O Tribunal de Contas Europeu

Leia mais

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos O crescimento do Sistema Científico e Tecnológico Nacional nas últimas duas décadas foi

Leia mais

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL PREÂMBULO Tendo como objetivo incentivar a investigação centrada sobre o Homem, tanto sob os aspetos físicos como sob o ponto de vista

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

Regulamento Erasmus 2011/2012

Regulamento Erasmus 2011/2012 1. Preâmbulo O Programa Erasmus tem como objetivo geral apoiar a criação de um Espaço Europeu de Ensino Superior e reforçar o contributo do ensino superior para, entre outros, o processo de inovação a

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL . Considerando I. II. III. IV. Primeira

CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL . Considerando I. II. III. IV. Primeira CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL, instituição de utilidade pública, com o número de identificação de pessoa colectiva 503 323 055, com sede na Avenida da Siderurgia Nacional, S. Mamede do Coronado,

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 44, DE 20 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 44, DE 20 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 44, DE 20 DE MARÇO DE 2015. O CONSELHO DE FACULDADE DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais e considerando a Resolução

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

Art. 18º. Cabe ao Aluno Beneficiado:

Art. 18º. Cabe ao Aluno Beneficiado: SISTEMA DE INCLUSÃO EDUCACIONAL ESTUDE JÁ BRASIL REGULAMENTO I DO SISTEMA Art. 1. - O ESTUDE JÁ BRASIL é um sistema de INCLUSÃO EDUCACIONAL e tem por objetivos: I incentivar o cadastramento de cidadãos

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL 04 / 2010

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL 04 / 2010 CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL 04 / 2010 A Companhia de Desenvolvimento de Vitória CDV torna público o presente Edital e comunica que receberá solicitações de financiamento de bolsas

Leia mais

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento Preâmbulo O Programa Escolhas, tutelado pela Presidência do Conselho de Ministros e integrado no Alto Comissariado para as Migrações, I.P., tem como um

Leia mais

INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE A Direção Geral da Faculdade Independente do Nordeste, com vistas à chamada para seleção de alunos para o Programa Ciência

Leia mais

Regulamento de Acesso e Ingresso

Regulamento de Acesso e Ingresso Página 1 de 7 Preâmbulo O presente regulamento define as regras de acesso e ingresso nos cursos técnicos superiores profissionais do ISVOUGA e institui os critérios pelos quais se pautam as provas de avaliação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, segue o modelo aprovado pela

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da FERLAGOS orientam-se pelas normas

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISVOUGA

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISVOUGA Página 1 de 6 Preâmbulo O presente regulamento define as regras de acesso e ingresso nos cursos técnicos superiores profissionais do e institui os critérios pelos quais se pautam as provas de avaliação

Leia mais

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Tendo por base o n.º 8 do artigo 112.º e o artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa, o Município de Nordeste

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos

Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos O Decreto-Lei nº64/2006, de 21 de Março, regulamenta as provas especialmente adequadas destinadas a avaliar

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS GABINETE DO REITOR FÓRMULA SANTANDER PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS GABINETE DO REITOR FÓRMULA SANTANDER PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL O Gabinete do Reitor da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás), no uso de suas atribuições, torna público este Edital de seleção de estudantes de graduação da PUC Goiás para a realização

Leia mais

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Termos de referência para as condições mínimas de acesso ao Fundo de Contragarantia Mútua,

Leia mais

RETIFICAÇÃO - E D I T A L A R I I - 011/2013 PROGRAMA FÓRMULA SANTANDER DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL 2013

RETIFICAÇÃO - E D I T A L A R I I - 011/2013 PROGRAMA FÓRMULA SANTANDER DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL 2013 RETIFICAÇÃO - E D I T A L A R I I - 011/2013 PROGRAMA FÓRMULA SANTANDER DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL 2013 Estão abertas as inscrições para seleção de 3 (três) estudantes de graduação (licenciatura/bacharelado)

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO INDICE 1. OBJETIVO 2. DESTINATÁRIOS 3. REQUISITOS GERAIS DE ACESSO À TIPOLOGIA MICROINVEST 4. MODELO ESPECÍFICO DE APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO. Educação Especial. Enquadramento

PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO. Educação Especial. Enquadramento PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO Educação Especial 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo, desde há vários anos, a prestar particular atenção

Leia mais

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho.

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho. Perguntas Frequentes: CANDIDATURAS E PRAZOS 1. Quais os prazos para apresentar candidatura ao Programa Retomar? O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE PERCEÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS DO PROGRAMA IMPULSO JOVEM. CAPÍTULO I Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DA REDE DE PERCEÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS DO PROGRAMA IMPULSO JOVEM. CAPÍTULO I Âmbito de aplicação REGULAMENTO DA REDE DE PERCEÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS DO PROGRAMA IMPULSO JOVEM CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo

Leia mais

É celebrado o presente Protocolo de Cooperação para a realização de Estágio(s), nos termos das cláusulas seguintes : Cláusula 1ª (Âmbito e Objeto)

É celebrado o presente Protocolo de Cooperação para a realização de Estágio(s), nos termos das cláusulas seguintes : Cláusula 1ª (Âmbito e Objeto) MINUTA DE PROTOCOLO DE ESTÁGIO A Marinha, neste ato representada pelo (cargo da entidade), (posto e nome), por designação do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, adiante designada por Entidade de

Leia mais

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI Programa CAPES- Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES, Fundação Pública, criada pela Lei nº. 8.405, de 09 de janeiro de

Leia mais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais 5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais Como se pode constatar na regra 3, a filosofia de imputação de despesas com deslocações e subsistência, está directamente relacionada

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015. Artigo 1º Âmbito e definição

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015. Artigo 1º Âmbito e definição PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015 Artigo 1º Âmbito e definição 1. As presentes normas instituem e regulam o Programa de Voluntariado Jovem para operacionalização da Equipa

Leia mais

II celebração de termo de compromisso entre o educando, a parte concedente do estágio e a instituição de ensino;

II celebração de termo de compromisso entre o educando, a parte concedente do estágio e a instituição de ensino; REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS TÉCNICO E TECNOLÓGICO NO ÂMBITO DA EAD / IFPR ADAPTADO EM CONFORMIDADE COM A LEI 11.788/08 E RESOLUÇÃO DO CONSUP 02/03/ 2013. CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E

Leia mais

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 I DESTINATÁRIOS O Programa de Ocupação de Jovens, promovido pela Câmara Municipal de Cascais, através da Divisão de Promoção de Emprego (DPRE), destina-se a jovens

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º 1. Com o fim de estimular a valorização profissional e a especialização nos diversos domínios da Música, a Fundação

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014 Medidas Ativas de Emprego Leiria 19.09.2014 Formação em TÉCNICAS DE PROCURA DE EMPREGO Formação VIDA ATIVA GARANTIA JOVEM MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO: Apoios à contratação Estágios Emprego Emprego Jovem

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示.

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示. 956 澳 門 特 別 行 政 區 公 報 第 一 組 第 40 期 2005 年 10 月 3 日 獨 一 條 許 可 透 過 三 月 二 十 二 日 第 89/99/M 號 訓 令 而 獲 授 許 可 於 澳 門 設 立 分 支 公 司 以 經 營 一 般 保 險 業 務 的 Companhia de Seguros Fidelidade S.A., 中 文 名 稱 為 忠 誠 保 險 公 司,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1 - As normas que seguem visam orientar pesquisadores e bolsistas vinculados a projetos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2015 Coordenador: Prof. Dr. Antônio Corrêa de Lacerda Vice-Coordenadora: Profa. Dra. Regina Maria d Aquino Fonseca Gadelha Estarão abertas, no período de 01/04/2015 a

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA Aprovado em Câmara Municipal a 26 de fevereiro de 2015 Aprovado em Assembleia Municipal a 30 de abril 2015 Projeto de Regulamento

Leia mais