II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos"

Transcrição

1 II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012

2 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção causa um impacte ambiental significativo. Lida com milhares de toneladas dos mais diversos materiais. Grande são considerados Resíduos de Construção e Demolição (RCD); Sector da Construção é responsável pela geração 35 % dos resíduos; Em Portugal a produção de resíduos da construção é da ordem de 6 a 10 Milhões toneladas/ano. (sendo que em Portugal não há estatísticas fiáveis). Fonte: J. Brito - Reciclagem de resíduos da construção e demolição Março 2006; Esta industria consome cerca de 50% de todos os materiais extraídos do planeta (Fortunato Roque, 2009), sendo a terceira maior emissora de CO 2, cerca de 10% das emissões totais (Habert et al., 2009). O desafio do Sector será aproveitar os novos padrões de exigência ambiental de forma a seguir um modelo de desenvolvimento Sustentável.

3 REQUISITOS LEGAIS INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO (RESUMO) -Decreto-Lei 73/2011 de 17 de Junho procede à terceira alteração ao decreto-lei 178/2006 de 5 de Setembro e altera outros diplomas, nomeadamente o Decreto-Lei 46/2008 de 12 de Março; Estabelece metas de reciclagem de RCD bastante ambiciosas: em 2020, 70% dos RCD produzidos na EU terão de ser encaminhados para a reciclagem. - Portaria 417/2008 de 11 de Junho de 2008 Define as guias específicas de acompanhamento do transporte de RCD; - Decreto-Lei 266/2007 de 24 Julho Proteção sanitária dos trabalhadores contra os riscos de exposição ao amianto durante o trabalho; -Lei 2/2011 de 9 de Fevereiro Remoção de amianto em edifícios, instalações e equipamentos públicos; - Despacho n.º4015/2007 de 2 de Março de 2007 Estabelece a utilização de borrachas provenientes da reciclagem de pneus em fim de vida em pavimentos; -Especificações LNEC E ; E ; E ; E

4 ORIGEM DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD S) Demolição de edifícios; Construção, Reparação e Conservação de Infraestruturas Rodoviárias; Reabilitação de edifícios A Esperança do Futuro da Construção; Construção de edifícios; Composição dos RCD s muito dependente da origem, práticas locais de construção (materiais de construção) da época da infra-estrutura demolida. Tipo Percentagem (%) Resíduos de Construção 10 a 20 Resíduos de Remodelação, Reabilitação Renovação 30 a 40 Resíduos de Demolição 40 a 50 Tipos de RCD e sua percentagem no espaço comunitário

5 Evolução dos Processos Construtivos Correntes do Edificado Edifícios com estrutura de alvenaria (< 1755); Terramoto de Lisboa em 1755 necessidade de construção anti-sismica; Edifícios com estrutura de alvenaria da época pombalina e similares (1755 a 1880); Edifícios com estrutura de alvenaria tipo gaioleiro (1880 a 1930); Edifícios com estrutura mista de alvenaria e betão (1930 a 1940); Edifícios com estrutura mista de betão e alvenaria (1940 a 1960); Edifícios recentes de betão armado (> 1960) Evidenciamos uma constante evolução no número, tipos e natureza dos materiais aplicados na construção.

6

7 No Futuro a demolição dos novos edifícios originará um maior número de tipos de resíduos e novas técnicas de demolição para seleção, separação dos resíduos A Complexidade dos projetos exige novos materiais

8 Identificação e Classificação dos Resíduos de Construção e Demolição Portaria n.º 209/2004 de 3 de Março

9 Materiais Constituintes do núcleo dos RCD (% em peso) Adaptado, Gestão dos Resíduos de Construção e Demolição, L. pereira, S. Jalali e B. Aguiar DEC, UM, Guimarães

10 Acondicionamento Adequado dos Resíduos em Obra Zona do Estaleiro Contentor (10 m3) Mistura de resíduos de construção e demolição, inertes. Utilizado para resíduos em grande quantidade e dimensão. Identificação dos Resíduos e acondicionamento adequado ao tipo de resíduos e quantidades Tambor de 200 litros para resíduos sólidos ou líquidos perigosos ou não perigosos. Ex. Solos contaminados por substâncias perigosas (derrames de combustíveis).

11 DEMOLIÇÕES CUIDADOS PRÉVIOS PLANEAMENTO - Estudo Estrutural do Edifício, processos construtivos da época da construção do Edifício; -Avaliar a Natureza dos Materiais do Edifícios a Demolir; - Quantificar os resíduos e o tipo de Resíduos; - Proceder ao desfardamento do Edifício (Retirar todos os elementos frágeis, como envidraçados, revestimentos e assegurar o corte dos serviços (água, gás, eletricidade); - Escolha do Método de Demolição, respeitando as medidas de segurança; - Planear os meios para recolha, separação e reutilização de resíduos em obra

12 Requisitos a cumprir em Trabalhos com amianto (DL 266/2007 de 24 Julho); -Plano de trabalho a aprovar pelo ACT; (inclui a identificação dos trabalhadores e sua documentação (ficha Médica) sequência de trabalhos, quantidade de resíduos a remover (previsto), datas de intervenção, registo de pausas, identificação da câmara de descontaminação, caminhos de acesso, importância da vedação da zona de operação e acesso até a câmara de descontaminação).

13 Requisitos a cumprir em Trabalhos com amianto (DL 266/2007 de 24 Julho); -Palatização e transporte com filme plásticos dos materiais e resíduos contaminados com amianto; -Empresa tem de ser certificada pelo ACT para remoção do amianto; - Trabalhadores com formação especifica para a realização dos Trabalho -Medição das fibras em suspensão de amianto medida de monitorização; - Identificação dos aterros licenciados para receber amianto - Aterro de Resíduos não perigosos.

14 Ciclo de Vida dos Resíduos Recicláveis na Construção

15 Remoção de Betuminoso em Infraestruturas Rodoviárias Resíduo não perigoso (sem alcatrão) Britagem para reincorporação em obra em camadas de leito de pavimento ou fundação, Sub-base e Base

16 1- Separação (triagem, transporte e armazenamento); 2- Tratamento (selecção, britagem e crivagem); 3- Processamento (separação magnética, química, etc.) 4 Transporte para os locais de aplicação; 5 Reutilização. FASES DA PRODUÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS

17 Como podemos utilizar RCD em Obra Obra de Origem Cumprimento das Especificações do LNEC Aplicação de Resíduos de Construção e Demolição Outras Obras Marcação CE dos Agregados

18 -Especificação LNEC E Guia para utilização de agregados reciclados grossos em betões de ligantes hidráulicos; - Especificação LNEC E Guia para a reciclagem de misturas betuminosas a quente em central; - Especificação LNEC E Guia para a utilização de agregados reciclados em camadas não ligadas de pavimentos; - Especificação LNEC E Guia para a utilização de materiais reciclados provenientes de resíduos de construção e demolição em aterro e camada de leito de infraestruturas de transporte.

19 A Borracha Reciclada de Pneus Incorporada no Betume para Utilização em Misturas Betuminosas Despacho n.º4015/2007 de 2 de Março de 2007 Estabelece a utilização de borrachas provenientes da reciclagem de pneus em fim de vida em pavimentos) CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS: 48% do uso total de Reciclados de Betão nos E.U.A.

20 Ponte Manises Paterna (Espanha) -Estrutura de Betão de 145,90 metros; - Construção de ponte atirantada de vãos assimétricos (55 90 m); - Incorporação de 400 m 3 de betão reciclado Fonte: CEDEX

21 TAXAS DE RECICLAGEM E DE DEPOSIÇÃO EM ATERROS DE RCD S Taxa de reciclagem e de deposição em aterro de RCD, em alguns países da União Europeia (adaptado de Gonçalves, 2007; waste Centre Denmark, 2010; weisleder e Nasseri, 2006

22 Exemplos de aplicação de Reciclagem na Industria da Construção 65% Madeira reciclada pré consumo 35% cimento portland virgem

23 Exemplos de aplicação de Reciclagem na Industria da Construção

24 Correta Gestão de RCD Vantagens Vantagens Económicas -Redução dos custos de transporte e deposição em Aterros; - Redução da dependência de matérias-primas; -Melhoria da situação económica da industria da reciclagem; - Criação de mais empregos; - Melhoria da qualidade dos materiais reciclados estimulada por melhores preços; - Redução dos custos das novas construções. Vantagens Ambientais - Menor extração de recursos naturais; - Redução de emissões CO2; - Eliminação de despejos ilegais e não autorizados; - Melhoria da qualidade do ar; Vantagens Sociais - Redução dos riscos de saúde pelos depósitos ilegais; - Redução dos riscos de saúde pela incineração; - Melhor utilização do espaço público. Adaptado de Spies, 2009

25 SUSTENTABILIDADE Regime capaz de permitir a existência continuada do ser humano, possibilitando uma vida segura, saudável e produtiva às sucessivas gerações, em harmonia com a natureza e com os valores culturais e espirituais locais. (Chrisna du Plessis, Agenda 21 para os países em desenvolvimento) FIM

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D )

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D ) SESSÃO TÉCNICA GESTÃO DE RESIDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) Fundamentoda Sessão; - Esta iniciativa partiu no âmbito do processo de RVCC Profissional onde o tema foi abordado por uma empresa parceira

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ENQUADRAMENTO LEGAL Face à necessidade da criação de condições legais para a correta gestão dos Resíduos de Construção e Demolição (RCD), foi publicado

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

PROJECTO REAGIR RECICLAGEM DE ENTULHO NO ÂMBITO DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS LIFE 03 ENV/P/000506

PROJECTO REAGIR RECICLAGEM DE ENTULHO NO ÂMBITO DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS LIFE 03 ENV/P/000506 PROJECTO REAGIR RECICLAGEM DE ENTULHO NO ÂMBITO DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS LIFE 03 ENV/P/000506 Câmara Municipal de Montemor-o-Novo Divisão de Ambiente e Serviços Urbanos O PROJECTO PROJECTO REAGIR

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 258 PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Dono da Obra: CÂMARA MUNICIPAL DE COIMBRA Empreitada: Repavimentação da Rua da Alegria incluindo remodelação de infra-estruturas Localização:

Leia mais

Perguntas Frequentes Resíduos da Construção e Demolição

Perguntas Frequentes Resíduos da Construção e Demolição Perguntas Frequentes Resíduos da Construção e Demolição 1. Qual o estatuto dos RCD que saem de uma instalação/operador após processamento de acordo com as Especificações Técnicas do Laboratório Nacional

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

6AJD14_ES ESCOLA SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO REPARAÇÃO DE ILUMINAÇÃO EXTERIOR. Peças do procedimento aprovadas por despacho de 8/04/2014 do DREP

6AJD14_ES ESCOLA SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO REPARAÇÃO DE ILUMINAÇÃO EXTERIOR. Peças do procedimento aprovadas por despacho de 8/04/2014 do DREP 6AJD14_ES ESCOLA SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO REPARAÇÃO DE ILUMINAÇÃO EXTERIOR Peças do procedimento aprovadas por despacho de 8/04/2014 do DREP ESCOLA SECUNDÁRIA GONÇALVES ZARCO REPARAÇÃO DE ILUMINAÇÃO

Leia mais

VALORIZAÇÃO DE RCD. Contribuição da Indústria Cimenteira

VALORIZAÇÃO DE RCD. Contribuição da Indústria Cimenteira VALORIZAÇÃO DE RCD Contribuição da Indústria Cimenteira 1. APRESENTAÇÃO DA ATIC ATIC - Associação Técnica da Indústria de Cimento Assegura os aspectos institucionais e de representação da indústria cimenteira

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

João Caixinhas caixinhas@ceifa-ambiente.pt www.ceifa-ambiente.net

João Caixinhas caixinhas@ceifa-ambiente.pt www.ceifa-ambiente.net João Caixinhas caixinhas@ceifa-ambiente.pt www.ceifa-ambiente.net Os resíduos nascem na fase de planeamento de um produto ou empreendimento Os resíduos são indicadores de desperdício e de uma gestão ineficiente

Leia mais

Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC. 23 de Outubro 2009

Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC. 23 de Outubro 2009 Especificação de materiais de construção no âmbito do ProNIC 23 de Outubro 2009 INDÍCE Apresentação geral do projecto ProNIC Objectivos, conteúdos, funcionalidades Contributos do ProNIC para a correcta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Resíduos da Construção e Demolição 1. O que são Resíduos de Construção e Demolição (RCD)? 2. Os resíduos provenientes do escritório localizado na obra são considerados RCD? 3. Quando

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL Decreto / Norma Emissor Assunto Diretrizes e procedimentos / Resíduos da Construção Civil. Define a tipologia de resíduos da construção civil Artigo2º, tem I: Resíduos da construção civil: São os provenientes

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 13 de Dezembro 2011 Sabóia Estoril Hotel Adquira os conhecimentos fundamentais para uma construção mais sustentável Este curso permite a obtenção de

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

PROJETO DE ALTERAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E REPARAÇÕES DO CENTRO EMPRESARIAL DA MARINHA GRANDE EMBRA MARINHA GRANDE PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE

PROJETO DE ALTERAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E REPARAÇÕES DO CENTRO EMPRESARIAL DA MARINHA GRANDE EMBRA MARINHA GRANDE PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE PROJETO DE ALTERAÇÃO DA REDE ELÉTRICA E REPARAÇÕES DO CENTRO EMPRESARIAL DA MARINHA GRANDE EMBRA MARINHA GRANDE PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS 1. INTRODUÇÃO O Decreto-Lei n.º 46/2008, de 12 de

Leia mais

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil do Município de Porto Alegre, estabelece as diretrizes, os critérios e os procedimentos

Leia mais

Gestão de Resíduos, Produtos para a Construção, Demolição & Reciclagem

Gestão de Resíduos, Produtos para a Construção, Demolição & Reciclagem 1. GESTÃO DE RESÍDUOS (Alvarás n.º 43/2010/CCDRC e n.º 52/2010/CCDRC) 1.1 Resíduos admissíveis nas Unidades de Gestão de Resíduos Resíduos não perigosos (estado sólido ou pastoso) Betão, Argamassas, Telhas,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES SOARES DA COSTA, SA MONTE ADRIANO ENGENAHRIA E CONSTRUÇÃO, SA

GESTÃO AMBIENTAL SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES SOARES DA COSTA, SA MONTE ADRIANO ENGENAHRIA E CONSTRUÇÃO, SA GESTÃO AMBIENTAL SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES SOARES DA COSTA, SA MONTE ADRIANO ENGENAHRIA E CONSTRUÇÃO, SA Celina Mareco Gestor Qualidade e Ambiente Nov.11 Construção dos Acessos Rodoviários à Plataforma

Leia mais

Constituição e Estrutura Accionista

Constituição e Estrutura Accionista Constituição e Estrutura Accionista DECRETO-LEI Nº 11/2001 DE 23 de Janeiro 8 Criação do Sistema Multimunicipal de Triagem, Recolha, Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos do Norte Alentejano

Leia mais

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Workshop Ciclo de Vida dos Edifícios 31 de janeiro de 2012 ENQUADRAMENTO A nível mundial, há uma

Leia mais

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 PROBLEMATIZAÇÃO Coleta do RCD: um problema logístico Uma empresa de coleta

Leia mais

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO Problema transformado em oportunidade Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação

Leia mais

A Integração do Método LCA na Avaliação e Certificação da Construção Sustentável

A Integração do Método LCA na Avaliação e Certificação da Construção Sustentável Agir Verificar Definir prioridades ambientais Planear Executar Integração de preocupações ambientais na concepção e desenvolvimento Comunicação do desempenho ambiental Monitorização do desempenho ambiental

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Índice A RECUPERAÇÃO EM PORTUGAL DE PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR... 3 DADOS GLOBAIS 2011... 4 PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR...

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE FERREL AMPLIAÇÃO E REMODELAÇÃO DA REDE DE ESGOTOS DOMÉSTICOS E PLUVIAIS LIGAÇÃO ÀS ÁGUAS DO OESTE 2ª FASE E REFORÇO DO ABASTECIMENTO

Leia mais

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

Lista Classificativa de Projectos de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental)

Lista Classificativa de Projectos de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental) Lista Classificativa de de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental) 1. Objectivo Para acelerar as acções referente ao estabelecimento do regime da avaliação

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Resíduos da Construção e Demolição com Amianto (Versão de Abril de 2014) 1. Quais as atividades que se encontram abrangidas pela Portaria n.º 40/2014, de 17 de fevereiro? Com referência

Leia mais

Viabilidade Económica de uma Central de Tratamento de Resíduos de Construção e Demolição. Luís H. Pereira, Said Jalali, J.

Viabilidade Económica de uma Central de Tratamento de Resíduos de Construção e Demolição. Luís H. Pereira, Said Jalali, J. Viabilidade Económica de uma Central de Tratamento de Resíduos de Construção e Demolição Luís H. Pereira, Said Jalali, J. Barroso Aguiar Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém,

Leia mais

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS RESÍDUOS 2 RESÍDUOS 3 RESÍDUOS IMPACTOS AMBIENTAIS RESÍDUOS: Quantidade Natureza POLUIÇÃO E POLUENTES: Natureza Consequências 4 RESÍDUOS: Quantidade Produção: 2000-17

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS Ana Duarte Conceição 1, Rosa Luzia 2 e Dinis Gardete 2 1 Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Seminários 2015 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Francisco Valente OBJETIVOS Informação sobre as obrigações legais dos

Leia mais

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.Antecedentes--------------------------------------------------------------------------------------3 1.1. Objecto do estudo... 3 1.2. Descrição da obra... 3 1.3. Autor do estudo... 4 2.Tipos de

Leia mais

Plano de Prevenção e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição

Plano de Prevenção e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição BALC O ÚNICO Ã V ILA DO B ISPO IRN - INSTITUTO DOS R EGISTOS E DO N OTARIADO Construção e Demolição o UTUBRO 2009 ÍNDICE 1. DADOS GERAIS DA ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA OBRA... 2 2. DADOS GERAIS DA OBRA...

Leia mais

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO PAINEL: MATERIAIS ALTERNATIVOS AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO ROSÂNGELA MOTTA Laboratório de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Engenharia de Transportes

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO

2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO 2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugal é o 5º país da Europa dos 27+6 (Turquia, Noruega, Suíça, Croácia, Macedónia e Islândia) com mais km de AEs por milhão

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

Estabelece medidas de incentivo à reciclagem de pneus usados

Estabelece medidas de incentivo à reciclagem de pneus usados Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº /X Estabelece medidas de incentivo à reciclagem de pneus usados Exposição de motivos: O Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de Abril, posteriormente alterado pelo Decreto-Lei

Leia mais

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Rosa do Carmo de Oliveira Lima¹ (Orientadora) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 LISTA DE OPERADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS LICENCIADOS EM SÃO JORGE ATUALIZADA A 31.07.2012 Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 - Armazenagem dos seguintes resíduos: LER Alvará n.º 5/DRA/2012 (validade:

Leia mais

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente Seminários 2013 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares Francisco Valente OBJECTIVOS Informação sobre as obrigações legais dos produtores de resíduos hospitalares;

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Diário da República, 1.ª série N.º 51 12 de Março de 2008 1567 de Junho, com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 1416-A/2006, de 19 de Dezembro, passam a ter a seguinte redacção: «Artigo 8.º [

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) 1 7 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) Nos termos do artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei

Leia mais

PneuGreen Na natureza nada se perde, Tudo se transforma. Engº Carlos Prino

PneuGreen Na natureza nada se perde, Tudo se transforma. Engº Carlos Prino PneuGreen Na natureza nada se perde, Tudo se transforma. Reciclagem de Pneus Usados Soluções: - Recauchutagem - Reutilização - Valorização Energética - Reciclagem Grupo Nascimento e Mota Iniciou a sua

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. L. PEREIRA, S. JALALI e B. AGUIAR Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho, Guimarães

GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. L. PEREIRA, S. JALALI e B. AGUIAR Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho, Guimarães GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO L. PEREIRA, S. JALALI e B. AGUIAR Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho, Guimarães RESUMO Esta comunicação apresenta um estudo de gestão

Leia mais

Legislação sobre Resíduos

Legislação sobre Resíduos Legislação sobre Resíduos Eng. Cristina Marcelo Correia (APEA - Associação Portuguesa dos Engenheiros do Ambiente) 03 de Março 2004 Tipos de Resíduos Resíduos urbanos Resíduos industriais Resíduos hospitalares

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais

Pedro Sobral. Gestão de Resíduos de Construção e Demolição CCDR-Alentejo/CM Montemor-o-Novo 26 de Julho, Évora

Pedro Sobral. Gestão de Resíduos de Construção e Demolição CCDR-Alentejo/CM Montemor-o-Novo 26 de Julho, Évora Pedro Sobral Gestão de Resíduos de Construção e Demolição CCDR-Alentejo/CM Montemor-o-Novo 26 de Julho, Évora A RESIALENTEJO em númerosn Área territorial: 8 Municípios População abrangida: 101.658 hab

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM 1 VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM POLÍTICA DOS 3 R S: consiste na aplicação dos seguintes princípios, por ordem de prioridade: REDUÇÃO da quantidade de resíduos produzidos e

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS. Prof. C. Dinis da Gama I. S. T.

ORDEM DOS ENGENHEIROS. Prof. C. Dinis da Gama I. S. T. ORDEM DOS ENGENHEIROS Prof. C. Dinis da Gama I. S. T. 10 de Julho de 2006 - Lisboa Agregados Naturais : partículas de rochas industriais, extraídas de jazidas naturais, tais como pedreiras, saibreiras

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL 5º ENCONTRO TÉCNICO-CIENTÍFICO DOS LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA DA CPLP REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CONSTRUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ORGANIZAÇÃO ANA MARIA SANTOS

Leia mais

Gestão, Arquitetura e Urbanismo

Gestão, Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) CIVIL JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: CIVIL Gestão, Arquitetura e Urbanismo Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO Produzido por Exatas

Leia mais

A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da construção civil (RCD)

A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da construção civil (RCD) ESTAÇÃO RESGATE RECICLAGEM CC Sistema único de Reciclagem de Resíduos da Construção e Demolição e aproveitamento dos resíduos para fabricação A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da

Leia mais

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA - (17) 3463-9014 TEL. (17) 3463-1495 O CER também comercializa materiais reciclados para obra de ótima qualidade como areia,

Leia mais

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR Maria Cristina Rodrigues Halmeman 1 ; Paula Cristina de Souza 2 ; André Nascimento Casarin 3 1 Professora Mestre, Universidade Tecnológica Federal Campo Mourão, Departamento de Engenharia de Produção Civil.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Gil Fernandes 1, Silvino Capitão 2 e Luís Picado-Santos 3 1 IPC Instituto Superior de Engenharia de Coimbra, Departamento de Engenharia

Leia mais

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da a) OBRAS COM FINALIDADE AGRÍCOLA, QUANDO INTEGRADAS NA GESTÃO DAS EXPLORAÇÕES LIGADAS À ATIVIDADE AGRÍCOLA, NOMEADAMENTE, OBRAS DE EDIFICAÇÃO, OBRAS HIDRÁULICAS, VIAS DE ACESSO, ATERROS E ESCAVAÇÕES, E

Leia mais

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro A Portaria n.º 313/96, de 29 de Julho, regulamentou o Decreto-Lei n.º 322/95, de 28 de Novembro, que estabelecia os princípios e as normas aplicáveis à gestão de embalagens

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 03DM.11.- -.--. Entende-se a demolição como um todo, elegendo-se a unidade (Un).

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 03DM.11.- -.--. Entende-se a demolição como um todo, elegendo-se a unidade (Un). 03DM.11.- TÍTULO03DM.--. DEMOLIÇÕES CAPÍTULO.1-. DEMOLIÇÕES TOTAIS SUB.CAPº.11. SIMPLES I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Entende-se a demolição como um todo, elegendo-se a unidade (Un). II. DESCRIÇÃO DO

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES PTR 2388 TRANSPORTE E MEIO AMBIENTE SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO 14/ABR/2016 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES RECICLAGEM

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS Passado, Presente e Futuro da Gestão de Resíduos Hospitalares em Portugal Missão Técnica a Portugal Logística Reversa 20 a 24 de Outubro de 2014 1 AGENDA 1 2 3

Leia mais

Total de páginas: 8 1

Total de páginas: 8 1 1/24 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T6 Pavimentos 2/24 Sumário da aula Pavimentos rodoviários: Tipos de pavimentos Funções das camadas do pavimento Materiais de pavimentação:

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Embalagens e Resíduos de Embalagens 1. Qual o enquadramento legal para embalagens e resíduos de embalagens? 2. Na adesão à entidade gestora do sistema integrado de embalagens e resíduos

Leia mais

reaproveitamento de Inertes para o Fabrico de um Novo Betão -

reaproveitamento de Inertes para o Fabrico de um Novo Betão - reaproveitamento de Inertes para o Fabrico de um Novo Betão - Uma Abordagem RESUMO A reciclagem de inertes para o fabrico de novos betões é um processo de reaproveitamento que vem sendo utilizado em vários

Leia mais

REQUISITOS DE MARCAÇÃO PARA OS DIFERENTES TIPOS DE SACOS DE PLÁSTICO LEVES

REQUISITOS DE MARCAÇÃO PARA OS DIFERENTES TIPOS DE SACOS DE PLÁSTICO LEVES NOTA TÉCNICA- REQUISITOS DE MARCAÇÃO DOS SACOS DE PLÁSTICO LEVES ENQUADRAMENTO De acordo com o artigo 13.º da Portaria n.º 286-B/2014, de 31 de dezembro, relativo à marcação dos sacos de plástico leves,

Leia mais

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Sensibilização para o Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil Edvaldo Sabino 04/06/2013 + = TERMO DE PARCERIA 022/2008 Sensibiliz. para

Leia mais

Brochura Institucional

Brochura Institucional Brochura Institucional INTERFILEIRAS A INTERFILEIRAS representa as organizações - Fileiras de material - criadas ao abrigo de legislação específica com a missão de assegurar a retoma e reciclagem de resíduos

Leia mais

Transporte e eliminação dos Resíduos de Construção e Demolição contendo Amianto. Seminário sobre Amianto

Transporte e eliminação dos Resíduos de Construção e Demolição contendo Amianto. Seminário sobre Amianto Transporte e eliminação dos Resíduos de Construção e Demolição contendo Amianto Seminário sobre Amianto Maia, 26 de novembro de 2015 Portaria n.º 40/2014, de 17 de fevereiro RESÍDUOS DL n.º 46/2008, 12

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

Congresso LiderA 2010 - Produtos com conteúdo reciclado e sua aplicabilidade na construção - Prof. Jorge de Brito

Congresso LiderA 2010 - Produtos com conteúdo reciclado e sua aplicabilidade na construção - Prof. Jorge de Brito PRODUTOS COM CONTEÚDO RECICLADO E SUA APLICABILIDADE NA CONSTRUÇÃO Jorge de Brito (IST) 1/24 Estrutura da apresentação Objectivo: Apresentação de produtos com conteúdo reciclado e de exemplos práticos

Leia mais

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA ÍNDICE ENGENHARIA CIVIL 05 Regime Regulamentar dos Betões de Ligantes Hidráulicos, das Armaduras e da Execução de Estruturas de Betão Armado

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional:

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional: MODELO A Modelo a preencher pelos embaladores regionais e/ou responsáveis pela colocação de produtos no mercado regional (nº 1 do Artigo 3º da Portaria nº 4/2002, de 31 de Janeiro) Dados estatísticos relativos

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) RESOLUÇÃO CONAMA 307 Art. 3 o Os resíduos da construção civil deverão ser classificados, para efeito desta Resolução, da seguinte forma: I-Classe

Leia mais