UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP ÍNDIOS ONLINE: O USO DA INTERNET EM TRIBOS INDÍGENAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP ÍNDIOS ONLINE: O USO DA INTERNET EM TRIBOS INDÍGENAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP ÍNDIOS ONLINE: O USO DA INTERNET EM TRIBOS INDÍGENAS Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Comunicação da Universidade Paulista UNIP para a obtenção do título de Mestre em Comunicação. SIDNEI MARCIANO PEREIRA SÃO PAULO 2010

2 SIDNEI MARCIANO PEREIRA ÍNDIOS ONLINE: O USO DA INTERNET EM TRIBOS INDÍGENAS Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Comunicação da Universidade Paulista UNIP para a obtenção do título de Mestre em Comunicação, área de concentração Comunicação e Midiática, sob orientação da Profa. Dra. Bárbara Heller. SÃO PAULO SP 2010

3 Pereira, Sidnei Marciano Índios Online: o uso da internet em tribos indígenas / Sidnei Marciano Pereira São Paulo, f.: il. Dissertação (mestrado) Apresentada ao Instituto de Ciências Sociais e Comunicação da Universidade Paulista, São Paulo, Área de Concentração: Comunicação e Midiática Orientação: Profa. Dra. Barbara Heller 1. Índio. 2. Representação indígena. 3. Mídia cinematográfica. 4. Ciberespaço. I. Título.

4 SIDNEI MARCIANO PEREIRA ÍNDIOS ONLINE: O USO DA INTERNET EM TRIBOS INDÍGENAS Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Comunicação da Universidade Paulista UNIP para a obtenção do título de Mestre em Comunicação, área de concentração Comunicação e Midiática. Data de Aprovação: BANCA EXAMINADORA: Profa. Dra. Bárbara Heller (Orientadora) Universidade Paulista UNIP Prof. Dr. Milton Pelegrini Universidade Paulista UNIP Prof. Dr. Sérgio Amadeu da Silveira Faculdade Cásper Líbero

5 DEDICATÓRIA À minha mãe Josepha Pereira pelo apoio em todos os momentos e incentivo para nunca desistir.

6 AGRADECIMENTOS À minha orientadora Barbara Heller por todo o apoio e palavras de alento nos momentos difíceis. À minha família em geral, principalmente a Jô, Milton e Tiago que me acolheram em sua casa na cidade de Campinas/SP. Às minhas irmãs Suzana, Sandra e meu irmão Saulo pela compreensão neste período no qual me dediquei mais aos estudos do que a família. Um agradecimento muitíssimo especial à minha irmã Solange e minhas sobrinhas Phâmela e Phaola por me receberem em sua casa sempre que precisei ficar mais tempo em São Paulo. A todos que direta e indiretamente contribuíram para que eu dedicasse total atenção à pesquisa e foram solidários nos momentos de sufoco e cansaço, nesses 24 meses de luta e perseverança.

7 RESUMO Nossa pesquisa traz breve histórico da gênese da Comunicação Mediada por Computador (CMC) com o advento do computador e da Internet, além de relatos sobre a utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) por povos indígenas no território brasileiro, como ponto de partida para chegarmos à análise do nosso objeto de pesquisa, o site Índios Online. Também traçamos um pequeno panorama sobre a gradativa representação do indígena na mídia cinematográfica brasileira, para depois analisar a utilização pelos índios da tecnologia do vídeo e da internet nas aldeias. Por fim, analisamos a representação virtual dos índios na rede mundial de computadores, a Internet, por meio do site Índios Online, além de um breve estudo sobre a temática das reportagens publicadas no site e entrevistas para identificarmos a internet na visão do índio, buscando compreender o uso e o significado da Internet na vida dos indígenas e colhermos informações sobre a opinião dos mesmos a respeito dessa novidade nas aldeias. Nas considerações finais apresentamos algumas reflexões sobre a utilização da Comunicação Mediada por Computador, comentando suas vantagens e possíveis desvantagens na utilização desses recursos tecnológicos por tribos indígenas brasileiras. Palavraschave: índio, representação indígena, mídia cinematográfica e Internet.

8 ABSTRACT Our research provides a brief history of the genesis of ComputerMediated Communication (CMC) with the advent of computers and the internet, and reports on the use of Information and Communication Technologies (ICTs) by indigenous peoples in the brazilian territory, as a starting point to get to the analysis of our research object, the Indian Online site. Also draw a small picture on the gradual representation of indigenous media in brazilian cinema, in order to examine the use by indians of video technology and the internet in the villages. Finally, we analyze the virtual representation of indians in the World Wide Web, the internet, through the Indian Online site, beyond a brief study on the subject of news reports and interviews on the site to identify the internet in view of the indians, seeking understand the use and meaning of the internet in the lives of indigenous people and to glean information about the views of the same about this news in the villages. The closing remarks present some reflections on the use of ComputerMediated Communication, commenting on its advantages and possible disadvantages in their use of technology for brazilian indian tribes. Keywords: indian, indigenous representation, media cinema and Internet.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Imagem reproduzida da página inicial do blog AJI em 10 de dezembro de Figura 2: Imagem reproduzida da página inicial do CIR, 10 de dezembro de Figura 3: Imagem reproduzida da página inicial do site COIAB em 10 de dezembro de Figura 4: Imagem reproduzida da página inicial Associação em 10 de dezembro de Figura 5: Imagem reproduzida do blog Estudante Indígena em 10 de dezembro de Figura 5: Imagem reproduzida do blog Estudante Indígena em 10 de dezembro de Figura 7: Imagem reproduzida da página inicial do IDETI em 10 de dezembro de Figura 8: Imagem reproduzida da página inicial do Inbrapi em 10 de dezembro de

10 Figura 9: Imagem reproduzida da página não localizada em 10 de dezembro de Figura 10: Imagem reproduzida da página de busca em 10 de dezembro de Figura 11: Imagem reproduzida da página inicial Nhandeva em 10 de dezembro de Figura 12: Imagem reproduzida da página Como ajudar em 10 de dezembro de Figura 13: Imagem reproduzida da página inicial da APIO em 10 de dezembro de Figura 14: Imagem reproduzida do blog SITOAKORE em 10 de dezembro de Figura 15: Imagem reproduzida da página inicial Warã em 10 de dezembro de Figura 16: pesquisa sobre o índio em site de busca em 5 de março de Figura 17: imagem do índio na internet em 5 de março de 2009 Figura 18: Imagem reproduzida da página inicial do site 72

11 Índios Online, 28 de março de Figura 19: Imagem reproduzida a partir do item Oca, site Índios Online, 28 de março de Figura 20: Imagem reproduzida a partir do item Oca, site Índios Online em 7 de agosto de Figura 21: Imagem reproduzida da página inicial do chat em 28 de março de Figura 22: Imagem reproduzida da página inicial do chat fora do ar em 7 de agosto de Figura 23: Página principal com o novo local de acesso ao chat em 10 de outubro de Figura 24: Ao clicar no anúncio do chat abrese esta página para acesso, 10 de outubro de Figura 25: Imagem da sala de batepapo vazia em 10 de outubro de 2009, depois da modificação 85 Figura 26: Imagem reproduzida da página Nações, 28 de março de Figura 27: Imagem reproduzida da nova página Mapa, 10 de agosto de

12 Figura 28: Imagem reproduzida da página inicial do Arco Digital em 28 de março de 2009, antes da reformulação do site 91 Figura 29: Imagem reproduzida da página inicial do item Diários, 28 de março de Figura 30: Imagem reproduzida da parte inferior da nova página Arquivos, 10 de agosto de Figura 31: Imagem reproduzida da nova página Arquivos, 10 de agosto de

13 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Análise reportagens de abril/ Gráfico 2 Estatísticas das atividades 101 Gráfico 3 Análise dos temas abordados 102 Gráfico 4 Análise reportagens de maio/ Gráfico 5 Estatísticas das atividades 110 Gráfico 6 Análise dos temas abordados 111 Gráfico 7 Análise reportagens de junho/ Gráfico 8 Estatísticas das atividades 119 Gráfico 9 Análise dos temas abordados 120 Gráfico 10 Análise do segundo trimestre 121 Gráfico 11 Análise reportagens de julho/ Gráfico 12 Estatísticas das atividades 125 Gráfico 13 Análise dos temas abordados 126 Gráfico 14 Análise reportagens de agosto/ Gráfico 15 Estatísticas das atividades 131 Gráfico 16 Análise dos temas abordados 132 Gráfico 17 Análise reportagens de setembro/

14 Gráfico 18 Estatísticas das atividades 139 Gráfico 19 Análise dos temas abordados 140 Gráfico 20 Análise do terceiro trimestre 141

15 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AAIDF Associação dos Acadêmicos Indígenas do Distrito Federal AEIP Associação dos Estudantes Indígenas Pankararu AJI Ação dos Jovens Indígenas AIESA Adolescentes Indígenas Educadores em Saúde APIB Articulação dos Povos Indígenas do Brasil APIO Associação dos Povos Indígenas do Oiapoque Apoinme Articulação dos Povos Indígenas do Nordeste Minas Gerais e Espírito Santo CEF Caixa Econômica Federal CINEP Centro Indígena de Estudos e Pesquisa CIPI Comissão Indígena da Propriedade Intelectual CIR Conselho Indígena de Roraima CMC Comunicação Mediada por Computador Conapir Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial CNPI Comissão Nacional de Política Indigenista COEPP Central de Organização das Escolas Públicas de Pankararu COIAB Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira

16 CONEG Conselho Nacional de Entidades Gerais CTI Centro de Trabalho Indigenista DIREC Diretoria Regional de Educação ETA Estação de Tratamento de Água ENIAC Electronic Numerical Integrator And Calculator EUA Estados Unidos da América Funasa Fundação Nacional de Saúde Funai Fundação Nacional do Índio Gesac Governo Eletrônico Serviço de Atendimento ao Cidadão GMI Grupo de Mulheres Indígenas HTML Hypertext Markup Language HTTP Hypertext Transfer Protocol HPG Home Page Grátis ICB Instituto do Cacau da Bahia IDETI Instituto das Tradições Indígenas INBRAPI Instituto Indígena Brasileiro para a Propriedade Intelectual ISA Instituto Socioambiental OSCIP Organização da Sociedade Civil de Interesse Público MC Ministério da Comunicação

17 MCT Ministério da Ciência e Tecnologia MEC Ministério da Educação MinC Ministério da MTE Ministério do Trabalho e Emprego ONG Organização nãogovernamental PAC Programa de Aceleração do Crescimento PUC Pontifícia Universidade Católica TI Terra Indígena TIC Tecnologia da Informação e Comunicação UBES União Brasileira dos Estudantes Secundaristas UESC Universidade Estadual de Santa Cruz UFBA Universidade Federal da Bahia UFRR Universidade Federal de Roraima UNB Universidade de Brasília Unesco Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e WWW Word Wide Web

18 18 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I Tecendo a Rede Gênese da Comunicação Mediada por Computador Espaço cibernético: a arte do controle Ciberespaço Espaço de euforia e disforia 1.4 Novas possibilidades para índios e não índios 2. CAPÍTULO II Rede verde e amarela 2.1 Índios na rede digital Ação dos Jovens Indígenas (AJI) Conselho Indígena de Roraima (CIR) Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB) Associação Guarani Nhe ê Porã Estudante Indígena Instituto das Tradições Indígenas (IDETI) Instituto Indígena Brasileiro para a Propriedade Intelectual (Inbrapi) 52

19 Warã Instituto Indígena do Brasil Posto Indígena Kambiwá Associação Artísticol Nhandeva Associação dos Povos Indígenas do Oiapoque (APIO) Organização de Mulheres Indígenas do Acre Associação Warã CAPÍTULO III Arcos e flechas digitais Da tela do cinema à tela dos computadores Caminho das Índias na Internet Índios Online: como tudo começou Análise do site Índios Online Análise das reportagens publicadas no Índios Online Análise das entrevistas 142 CONSIDERAÇÕES FINAIS 151 REFERÊNCIAS 154 SITES VISITADOS 158 APÊNDICES 160

20 20 INTRODUÇÃO A sociedade pósmoderna, como pensam Stuart Hall (1998), Anthony Giddens (2002) e outros, é caracterizada pela velocidade das mudanças, pelo excesso de informações, pelas novas tecnologias. Sociedade acelerada, complexa, que parece não ter mais fronteiras. Chamada sociedade de informação, em rede, do conhecimento. O desenvolvimento da informática possibilitou a disseminação de outra forma de comunicação: mediada por computadores, que está sendo utilizada até por índios. Ao completar 15 anos de existência no Brasil, a internet ainda é um veículo que tem muito a ser estudado e explorado, principalmente no que se refere à Comunicação Mediada por Computador (CMC). No quadro brasileiro, o perfil das pessoas que participam das conversações na Web já foi bastante alterado, a partir da popularização da internet. A mudança no perfil de usuários acompanha o desenvolvimento de novas possibilidades tecnológicas de base digital: Estamos vivenciando um processo de informatização dos espaços urbanos, marcada pelo surgimento das redes telemáticas, da internet móvel e pelo desenvolvimento da computação portátil... (LEMOS e VALENTIM, 2007, p. 49). No Brasil, os índios do século XXI procuram, aos poucos, se adaptar e utilizar a Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Apesar das sucessivas perseguições ocorridas desde a colonização portuguesa, a população indígena do Brasil vem se mobilizando a fim de se organizar, reivindicando sua identidade étnica e seus direitos, utilizandose para isso até de recursos tecnológicos sofisticados, como a internet.

21 21 Então, nos perguntamos: quais os benefícios e os problemas a que estão expostos os índios brasileiros ao desbravarem a floresta virtual, imensa e sem fronteiras, que é a rede mundial de computadores? Tratase, efetivamente, de processo de inclusão, ou apenas ilusão da participação das comunidades indígenas na comunidade ciberespacial? São questões relevantes que justificam o estudo, a ser desenvolvido na linha de pesquisa Contribuições da Mídia para a Interação entre Grupos Sociais, que congrega pesquisas sobre os processos de mediação das linguagens que dinamizam modalidades comunicativas em grupos sociais. A dissertação é de caráter exploratório, permeada por questões teóricas e filosóficas propostas por pesquisadores das novas transformações comunicativas, como CASTELLS, 1999; GIDDENS, 2005; HALL, 1998; KOZINETS, 2002; SANTAELLA, 2003; SODRÉ, 2002; do ciberespaço, CAZELOTO, 2007; LEMOS e VALENTIM, 2007; LÉVY, 1998 e 1999; SILVEIRA, 2003; e do conhecimento científico, GEPHART, 2004; GODOY, 1995; VERGARA, 2005; TRAVANCAS, 2006; YIN, 2001; MOREIRA, 2004; BARDIN, 1988; AYROSA e SAUERBRONN, 2004, os quais compõem o quadro do nosso referencial teórico. O problema de pesquisa visa estudar e compreender se e como a influência da CMC fortalece a autonomia e emancipação indígena, no Brasil, na luta por seus direitos. Dada a enorme variedade de atividades realizadas na internet para se comunicar e defender direitos, como, por exemplo, protestar por e blogs, criar comunidades em sites de relacionamentos, fóruns, chats etc., é imprescindível delimitar a pesquisa para não nos perdermos no emaranhado de tramas da rede mundial de computadores. Por isso, selecionamos o site a fim de analisar seu conteúdo e estratégias utilizadas para a luta e defesa dos direitos indígenas.

22 22 Escolhemos o site pelo fato de ele ter a participação inicial de sete povos indígenas: kiriri, tupinambá, pataxóhãhãhãe e tumbalalá, na Bahia; xucurukariri e karirixocó, em Alagoas, e pankararu em Pernambuco e, posteriormente, a inclusão de mais seis tribos: truká, em Pernambuco; tupiniquim e guarani, no Espírito Santo; potiguara, na 1 Paraíba; terena, em Mato Grosso do Sul; e pankararu, em São Paulo. A análise de seu conteúdo abarcou as páginas disponíveis no menu do site e as reportagens publicadas. Delimitamos a pesquisa das reportagens nos últimos seis meses de publicação: de abril a setembro de 2009, com início no mês em que se comemora o Dia do Índio, e final em setembro, mês que antecedeu a apresentação do prérelatório para a qualificação da dissertação. Nas transcrições dos enunciados dos índios manteremos a maneira pela qual escrevem, sem corrigir erros de sintaxe e concordância, tampouco sem assinalálos com a sigla sic, para manter o texto o mais próximo possível do original. Este trabalho tem por objetivo geral conhecer e analisar como os índios utilizam a internet para reivindicar direitos políticos, entendidos aqui como civis e territoriais, a fim de entender o potencial dessa ferramenta na autonomia e emancipação indígena. E, por objetivos específicos, identificar quais os aparatos necessários para a utilização da internet pelos índios, equipamentos, programas e recursos. Por fim, compreender o potencial da CMC utilizada por tribos indígenas brasileiras. A priori, não partiremos de hipóteses preestabelecidas, pois estamos preocupados com o processo e não simplesmente com os resultados ou produto. O interesse do pesquisador qualitativo está em verificar como determinado fenômeno se manifesta nas atividades, procedimentos e interações diárias. 1 Os pankararu, originários da Aldeia Brejo dos Padres, em Pernambuco, começaram a migrar para São Paulo a partir de 1950, fugindo da seca, da fome e do conflito com posseiros.

23 23 Os pesquisadores qualitativos não partem de hipóteses estabelecidas a priori, não se preocupam em buscar dados ou evidências que corroborem ou neguem tais suposições. Partem de questões ou focos de interesse amplos, que vão se tornando mais diretos e específicos no transcorrer da investigação (GODOY, 1995, p. 63). A metodologia inclui pesquisa bibliográfica e revisão da literatura pertinente ao problema de investigação e a cibercultura, para embasar as orientações teóricas que darão suporte ao estudo. Será analisado o site Índios Online, escolhido a partir dos motivos já justificados, delimitando o objeto de pesquisa e as reportagens nele divulgadas. Segue abaixo breve relato dos métodos e estratégias de análises que foram adotados. Dentro das várias áreas do conhecimento científico, há dois tipos de estudos principais que podem ser seguidos: pesquisa quantitativa e pesquisa qualitativa. As duas vertentes são chamadas de natureza da pesquisa. A pesquisa de natureza quantitativa procura mensurar, enumerar, medir, quantificar, provar estatisticamente hipótese anteriormente estabelecida. Já a pesquisa de natureza qualitativa define suas proposições à medida que o estudo é aprofundado. Os focos se definem aos poucos, conforme a pesquisa se desenvolve. Na pesquisa qualitativa sobre a qual este trabalho assenta suas bases, é de suma importância à descrição dos fenômenos. Para Gephart (2004, p. 455), um importante valor da pesquisa qualitativa é a descrição e o entendimento das atuais interações humanas, os significados e os processos que constituem a organização da vida real. Desta forma, este trabalho será de natureza qualitativa, por ser pesquisa que estudará as relações humanas, históricas

24 24 e sociais, para entender significados. Segundo Godoy (1995, p. 58), a natureza da pesquisa qualitativa não procura enumerar ou medir os eventos estudados, nem emprega instrumental estatístico na análise dos dados. Parte de questões ou focos de interesses amplos, que se definem à medida que o estudo se desenvolve. Envolve a obtenção de dados descritivos sobre pessoas, lugares e processos interativos pelo contato do pesquisador com a situação estudada, procurando compreender os fenômenos segundo a perspectiva dos sujeitos, ou seja, dos participantes da situação em estudo. O ambiente e as pessoas nele inseridas devem ser olhados holisticamente: não são reduzidos a variáveis, mas observados integralmente. Quando um pesquisador de orientação qualitativa planeja desenvolver algum tipo de teoria sobre o que está estudando, constrói o quadro teórico aos poucos, à medida que coleta os dados e os examina. Os dois principais paradigmas de pesquisa, dentro das ciências sociais, são o positivista e o interpretativista. O primeiro busca descobrir a verdade sobre determinado assunto e estuda a realidade objetiva, controlando variáveis e hipóteses (Gephart, 2004). É mais indicado para pesquisas quantitativas. Por sua vez, a pesquisa interpretativista, ainda para Gephart (2004, p. 456), descreve significados e conhecimentos; produz a descrição do propósito dos membros e define uma situação: entende a construção da realidade. O paradigma de suporte da nossa pesquisa será interpretativista, pois focalizaremos a interpretação, em vez da quantificação, e daremos ênfase à interpretação que os próprios participantes têm do fenômeno da CMC, que está sob análise. Durante o desenvolvimento deste trabalho, também será usado o estudo do tipo

25 25 exploratório, pois a elaboração de páginas na internet por índios brasileiros é atividade inovadora, contemporânea e carente de referenciais teóricos. O estudo de caráter exploratório, segundo Travancas (2006), tem por objetivo organizar dados relevantes sobre o tema para serem, posteriormente, fontes de pesquisa, as quais suscitarão novos questionamentos e investigações. Métodos tradicionais, como a etnografia, têmse aberto para novas possibilidades. Uma delas é a netnografia. Tratase de abrir as portas para o estudo de outras tribos e outras culturas: as comunidades virtuais e a cibercultura, como será estudado neste trabalho. Se historicamente os estudos sobre os povos indígenas estavam condicionados aos deslocamentos do pesquisador até as comunidades, para permanecer in loco, a partir da utilização da rede mundial de computadores o contexto do encontro entre observador e observado transformouse consideravelmente. Para o estudo das comunidades virtuais e da cibercultura, Kozinets (2002) menciona que diversos antropólogos têm sinalizado para a necessidade de adaptação das técnicas próprias do método etnográfico. Nesse sentido, a netnografia é considerada uma nova metodologia de pesquisa qualitativa que incorpora as técnicas da etnografia tradicional ao estudo de comunidades e culturas emergentes a partir da Comunicação Mediada por Computadores. Assim, como lembram Ayrosa e Sauerbronn (2004), os relatos têm o valor de uma observação etnográfica, embora ninguém esteja fisicamente junto (VERGARA, 2005, p. 197). Por isso escolhemos o método netnográfico para as entrevistas, pois não estaremos fisicamente juntos. Adotamos o estudo de caso para análise do site Índios Online. O estudo de caso representa a estratégia ideal quando o pesquisador tem pouco controle sobre os eventos e quando o foco se encontra em fenômenos

26 26 contemporâneos inseridos em algum contexto da vida real, como orienta Robert Yin (2001, p. 19). Iniciamos o estudo por meio da apresentação, via internet, da proposta de pesquisa aos membros do site Índios Online. Procedemos ao acompanhamento online das reportagens publicadas no site, selecionando as matérias publicadas em período determinado, e classificamos as reportagens em categorias, facilitando o estudo do objeto analisado. A construção dos dados se deu a partir de entrevistas online semiestruturadas. Elaboramos questões em ordem predeterminada, mas dentro de cada questão foi relativamente grande a liberdade, permitindo que outras questões fossem levantadas, dependendo das respostas dos entrevistados, segundo orienta Moreira (2004, p. 55). Foram entrevistados online um usuário da internet na tribo indígena pankararu, em Pernambuco, um dos gestores do site Índios Online e o coordenador da ONG Twydêwá, Sebastian Gerlic, idealizador da Rede Índios Online. Os critérios de seleção dos entrevistados não foram rígidos: escolhemos usuário, gestor e coordenador para colher informações sobre opiniões a respeito do uso da internet em aldeias indígenas brasileiras. Além das entrevistas online, também houve análise de conteúdo do site Índios Online, na tentativa de verificar quais as posturas políticas, ideológicas e sociais presentes. A análise de conteúdo, segundo Bardin (1988), definese como conjunto de técnicas de análises das comunicações visando obter, por procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens, indicadores que permitam a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção dessas mensagens.

27 27 Concluímos a análise do site e das informações coletadas utilizando as três fases cronológicas delimitadas por Bardin (1988): Préanálise: fase de organização do trabalho em que se deve escolher os documentos que serão submetidos a análise, formular hipóteses e objetivos e elaborar indicadores que fundamentem a interpretação final. Exploração do material: a análise propriamente dita. Se a préanálise for feita de maneira cuidadosa e convenientemente concluída, esta fase representa a administração sistemática das decisões tomadas anteriormente, envolvendo operações de codificação em função das regras previamente formuladas. Tratamento dos resultados obtidos e interpretação: os resultados brutos são tratados de maneira a serem significativos e válidos. A partir deles, o analista pode fazer inferências. A pesquisa bibliográfica e revisão da literatura foram desenvolvidas no período de agosto a dezembro de A análise do site Índios Online iniciouse no mês de março de 2009, e as entrevistas no segundo semestre do ano corrente. Concluímos uma préanálise dos dados da pesquisa nos meses de agosto e setembro de Como a internet é dinâmica e de fácil atualização, em agosto de 2009, o Índios Online alterou o visual do site. Como já estávamos com a análise completa, utilizamos essa mudança para traçar paralelo do antes e depois do Índios Online. Estabelecidas nossas estratégias e objetivos, dividimos esta dissertação em três capítulos. No primeiro há breve histórico da gênese da CMC, com o advento do computador e da internet, tecnologias que possibilitaram o desenvolvimento de novo mercado da informação e do conhecimento, o ciberespaço, descrevendo seus pontos positivos e negativos. Nesta pesquisa não interessa a técnica em si. Contudo, é essencial expor as grandes tendências da evolução tecnológica para abordar as

28 28 mutações sociais e culturais que as acompanham. Iniciamos o segundo capítulo com breve relato da apropriação das TIC por povos indígenas no território brasileiro, como ponto de partida para chegar à análise do objeto de pesquisa, o site Índios Online. No terceiro capítulo, há breve panorama sobre a gradativa representação do indígena na mídia cinematográfica brasileira, tomando como ponto de partida os termos 2 índio primitivo, índio documentado, índio patriótico e índio tecnizado, de Robert Stam, para depois analisar a utilização pelos índios da tecnologia do vídeo e da internet nas aldeias. Apresentamos à análise da representação virtual dos índios na rede mundial de computadores, a internet, por meio do site Índios Online, mantido pela organização não 3 governamental (ONG) Thydêwá, composta por índios e não índios, além de breve estudo sobre a temática das reportagens publicadas no site. Elaboramos questões para identificar a internet na visão do índio. Por exemplo: para você, o que significa a internet? A tecnologia pode descaracterizar o índio e a sua cultura? As respostas para essas e outras perguntas que aplicaremos na entrevista ajudarão a entender o uso e o significado da internet na vida dos indígenas, além de saber a opinião a respeito dessa novidade na aldeia. Nas considerações finais há algumas reflexões sobre a utilização da CMC, comentando vantagens e possíveis desvantagens na utilização dos recursos tecnológicos por tribos indígenas brasileiras. 2 3 Índio documentado, índio patriótico e índio tecnizado são categorias utilizadas por Robert Stam, em seu texto Imagens cinematográficas dos índios brasileiros, publicado na obra de Lauerhass, Ludwig e Nava, Carmen. Brasil uma identidade em construção, e foram aplicados neste artigo graças à clareza que oferecem aos estudiosos da imagem do índio na mídia audiovisual. Na língua pankararu thydêwá significa esperança da terra.

29 29 1. CAPÍTULO I TECENDO A REDE 1.1 GÊNESE DA COMUNICAÇÃO MEDIADA POR COMPUTADOR Para se conhecer mais sobre a CMC, é preciso compreender o que é o ambiente digital e sua abrangência, a partir de breve ensaio sobre o desenvolvimento da tecnologia e infraestrutura. Os computadores modernos tiveram como precursoras as primeiras calculadoras capazes de armazenar programas. O primeiro computador eletrônico foi construído em 1945 para cálculos balísticos. Chamavase Electronic Numerical 2 Integrator And Calculator (ENIAC), ocupava por volta de 100m, consumia 140 quilowatts, pesava 30 toneladas e ficava isolado em ambiente refrigerado, onde cientistas em uniforme branco o alimentavam com cartões perfurados, e que de tempos em tempos emitiam listagem de dados em formulários contínuos. Outro passo decisivo foi a invenção do microprocessador, em 1971, por Ted Hoff, permitindo multiplicar inúmeras vezes a capacidade de processamento das primeiras máquinas. Isso viabilizou a redução do tamanho dos computadores e permitiu o surgimento dos microcomputadores. No final dos anos 70, o computador diminuiu de tamanho, aumentou a

30 30 capacidade de processar informações e foi sendo absorvido em várias atividades econômicas. Esse desenvolvimento tecnológico deu início a nova fase na automação da produção industrial: robótica, linhas de produção flexíveis, máquinas industriais com controles digitais etc. A busca constante de produtividade por várias formas de tecnologia (aparelhos eletrônicos, computadores e redes de comunicação de dados) foi tomando corpo e assumindo grande valor nas atividades econômicas. Segundo relata Lévy (1999, p. 32), a informática perdeu aos poucos a postura de técnica, deixando de ser utilizada apenas no setor industrial para fundirse às telecomunicações, à editoração, ao cinema e à televisão. A fusão facilitou a difusão da internet a ponto de, hoje, permear a vida em todos os momentos. A internet começou em 1958, para evitar que as comunicações fossem interrompidas em ataque com armas nucleares. A ideia era construir uma rede que evitasse a existência de um centro e de única rota de comunicação. A comunicação seria feita por pacotes de informações enviadas de forma redundante por várias rotas, em uma rede em que todos os pontos se comunicariam. Assim, se uma bomba destruísse alguns pontos da rede, as informações continuariam a ser enviadas pela malha de comunicação intacta. Pouco mais de duas décadas depois, a ideia havia se tornado imensa rede, que só conectava instituições educacionais e de pesquisa. Diferentemente de hoje, quando milhões de pessoas têm acesso à internet a partir da residência, do trabalho ou de sua biblioteca na escola ou na universidade, pública ou privada. Em suma, atualmente as ferramentas de criação de sites na web permitem que, praticamente qualquer pessoa, com um pouco de conhecimento em informática, com acesso ao computador e à internet, coloque uma página na web e contribua para a definição desse meio e do que ele pode fazer.

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA.

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. 1 MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. Profa. Arlete Embacher MiniWeb Educação S/C Ltda webmaster@miniweb.com.br Resumo Este relato descreve como surgiu

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 Isabela LOURENÇO 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Francisco José Paoliello PIMENTA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Documento Final do Seminário

Documento Final do Seminário Documento Final do Seminário Gestão de Acervos Culturais em Centros de Formação, de Documentação, de Cultura e Museus Indígenas no Brasil Entre os dias 17 e 20 de setembro de 2013, um grupo de 30 pessoas,

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Centro Digital Aula 1

Centro Digital Aula 1 Centro Digital Aula 1 A oficina de Criação de website visa capacitar o aluno a criar e hospedar uma página simples na internet, com moldes predeterminados para divulgação de seu negócio. A internet surgiu

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTOS DOS CONSELHOS ESCOLARES PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20 ÍNDICE Sinopse... 2 Saudação... 3 Internet... 6 a 11 Usenet... 12 a 13 Protocolo... 14 a 15 Navegador... 16 a 19 Web... 20 Internet explorer... 21 a 27 Download.... 28 a 32 E-mail... 33 a 38 Exercícios...

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

RNP2: Política de Uso Comitê Gestor RNP

RNP2: Política de Uso Comitê Gestor RNP ANEXO 1 À RESOLUÇÃO Nº 04/2001, DO COMITÊ GESTOR RNP RNP2: Política de Uso Comitê Gestor RNP Novembro de 2000 Este documento apresenta as condições e políticas de uso aceitável do backbone RNP2, incluindo

Leia mais

Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai

Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai Fundação Nacional do Índio Diretoria de Proteção Territorial Coordenação Geral de Monitoramento Territorial Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai Mudanças

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 O Diretor Geral do Câmpus Juiz de Fora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), no uso de suas atribuições

Leia mais

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos...

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos... Dicas para se inscrever no Prêmio Vivaleitura e outros projetos... 2011 Vaga Lume R. Aspicuelta, 678 Vila Madalena São Paulo SP 05433-011 (11) 3032-6032 www.vagalume.org.br falecom@vagalume.org.br 1) Apresentação

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Tecnologias da Comunicação e Informação na Educação Professora:

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância

DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância 128-TC-B5 Maio/2005 Marcio Vieira de Souza, Dr. Universidade do Vale do Itajai-UNIVALI-SC e-mail: mvsouza@univali.br Fernando Spanhol,

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO e INFORMÁTICA Audiência Pública sobre Conteúdo Audiovisual

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) para atuação na área de suporte técnico e avaliação das políticas de fortalecimento da agricultura familiar, com enfoque nos princípios da

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com atuação nacional, sem fins lucrativos ou econômicos,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais