#13 julho agosto setembro 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "#13 julho agosto setembro 2014"

Transcrição

1 Ano IV Série I Distribuição Gratuita Trimestral #13 julho agosto setembro º ANIVERSÁRIO DO CEO Para assinalar o 2º ano de atividade do Centro de Empresas de (CEO) realizou-se uma visita institucional às empresas aí instaladas. O Centro de Empresas de é uma estrutura local de acolhimento e apoio ao desenvolvimento de novas empresas que, desde o seu início em 31 de maio de 2012, contribuiu já para o nascimento de 17 novas empresas no Concelho de. Uma boa ideia de negócio e espírito empreendedor são os ingredientes necessários para realização da candidatura. Contacte-nos! ACISO E AHP ESTABELECEM PROTOCOLO EXPOURÉM 2014 Nos dias 20, 21 e 22 de junho e integrado nas Festas de, o Centro de Negócios recebeu a Expourém A organização e gestão da componente empresarial coube à ACISO, tendo-se contado com a presença de 32 empresas representando 23 diferentes atividades, desde indústria de móveis, organização de eventos, serviços médicos, serviços gráficos, materiais de construção, decoração e setor automóvel. Contou-se ainda com 12 empresários de artesanato e 2 instituições de Solidariedade Social. Este espaço de promoção da atividade das empresas da região foi uma oportunidade para estas apresentarem os seus produtos e serviços ao público em geral, para renovarem contactos e estabelecerem novas parcerias. A ACISO manifesta o seu agradecimento a todos os empresários que, acedendo ao nosso convite, decidiram participar neste evento. Reconhecendo o valor acrescentado de uma intervenção conjunta no território de, a ACISO e a AHP - Associação da Hotelaria de Portugal acordaram trabalhar em conjunto, fortalecendo a sua capacidade de intervenção e representatividade, próxima dos centros de decisão mas também próxima das empresas associadas. O principal objetivo é a melhoria da capacidade de resposta às necessidades das empresas associadas do setor da Hotelaria das duas Associações. ALOJAMENTO LOCAL Foi aprovado em Conselho de Ministros, o regime jurídico de exploração dos estabelecimentos de alojamento local, aguardando-se publicação do mesmo. A figura do alojamento local é devidamente autonomizada da dos empreendimentos turísticos. Mantêm-se as três tipologias de alojamento local, o apartamento, a moradia e os estabelecimentos de hospedagem. No caso dos estabelecimentos de hospedagem, cujo regime é atualizado, prevêem-se ainda requisitos particulares para os «hostels».

2 02 BREVE APONTA MENTO FRANCISCO VIEIRA Escrevo nesta edição sobre a recentemente apresentada Agenda para a Competitividade do Comércio, Serviços e Restauração , que tem por objetivo dinamizar estes setores que e segundo os dados anunciados, representam 59,2% das empresas em Portugal, um volume de negócios de 161,1 mil milhões de euros, um valor acrescentado bruto de 32,3 mil milhões de euros (36,5% do peso total da economia) e empregam 1,77 milhões de pessoas (50,4% dos postos de trabalho). São números impressionantes, particularmente quando constatamos tratarem-se de setores essenciais da economia portuguesa que foram quase sempre tratados de forma marginal por parte dos diferentes decisores políticos. Tivemos que atingir este tempo de graves dificuldades para lançar mão destes setores e através deles tentarmos criar um enquadramento favorável a um maior conhecimento dos setores, uma redução dos custos de contexto, um aumento da competitividade e o acesso ao financiamento e à diversificação de mercados para as empresas. É tarde, mas como muito bem diz o nosso Povo, mais vale tarde que nunca. A Agenda apresenta 5 eixos estratégicos que integram 36 medidas. Não apresenta nenhuma medida de carater fiscal, particularmente no referente ao setor da restauração, é uma forte limitação, desviando-se daquela que era a principal reivindicação deste setor, a redução da taxa do IVA. Considerando que algumas das medidas apresentadas já estão em curso ou em fase de implementação, destaco aquelas que me parecem mais impactantes: processos de contratação e valorização técnica; resolução alternativa de litígios de consumo; programa para a competitividade das pme s; promover o financiamento colaborativo; implementar um regime simplificado de prestação de cuidados de saúde ocupacional; estudar a criação de uma linha de financiamento para capitalizar a restauração e similares; regulação das entidades de gestão coletiva do direito de autor e dos direitos conexos. Agora resta-nos acreditar que todas as medidas serão implementadas e que ainda teremos tempo útil para que possam produzir algum efeito. INICIATIVAS E ATIVIDADES WORKSHOP EM GETTING THINGS DONE No próximo dia 25 de julho, a ACISO realizará um workshop de um dia, baseado no método Getting Things Done (GTD). LIZETE MORAIS, a dinamizadora do workshop, é empresária fundadora da empresa Authentic Pro, com sede na Holanda. Detém a certificação de formadora no método GTD, atribuida pela empresa David Allen, bem como a certificação em Lean Six Sigma e em coaching. Trata-se de um método, uma ferramenta de gestão de tempo que permite melhorar o desempenho e a capacidade de inovar, ajudando o participante a focalizar-se no que precisa de ser feito, com clareza, motivação e confiança para seguir em frente. O GTD é um método de produtividade pessoal criado pelo americano David Allen que conquistou milhões de adeptos pelo seu alto grau de eficiência. Inscrição gratuita para Associados da ACISO, através do ou telef SESSÃO ESCLARECIMENTO MARCAÇÃO CE ACISO realiza no próximo dia 19 de setembro, pelas 18h00, na sua sede, uma sessão de esclarecimento sobre o tema Marcação CE. A sessão será dinamizada por Carla Sofia Pereira, licenciada em Gestão de Empresas, com pós-graduação em sistemas integrados de qualidade, ambiente, segurança e energia. A Marcação CE indica a conformidade de um produto com os requisitos estabelecidos em diretivas comunitárias. Saiba quais os produtos abrangidos por essas diretivas que para serem comercializados nos países da Comunidade Europeia deverão ter a marcação CE. Saiba ainda quais as responsabilidades do fabricante, do distribuidor e do importador. Inscrição gratuita para Associados da ACISO, através do aciso.pt ou telef CARTÃO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Foi apresentado publicamente, no passado dia 19 de junho, o Cartão Municipal da Juventude. Este cartão foi criado no âmbito das políticas de apoio à juventude do Município de, contando com a ACISO e com a empresa municipal Viva, como entidades parceiras. O cartão destinase aos jovens residentes no concelho de, com idades compreendidas entre os 12 e os 30 anos e pretende promover o acesso a iniciativas e a bens em condições vantajosas. Simultaneamente, pretende contribuir para o estímulo da economia local por via do incentivo ao acesso de equipamentos culturais, desportivos, comerciais e outros, que se revistam de interesse para a comunidade jovem. As empresas do concelho de que pretendam aderir a este cartão deverão contactar a ACISO que orientará todo o processo de inscrição.

3 03 EM DESTAQUE Saúde no Trabalho nos Centros de Saúde A partir do dia 22 de junho, a promoção e vigilância da saúde dos trabalhadores das microempresas, para determinação da sua aptidão ou inaptidão para o trabalho, passaram a poder ser assegurados pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS), através dos Agrupamentos dos Centros de Saúde (ACES). De acordo com o disposto no art 76º, da Lei nº 102/2009, de 10 de setembro e suas alterações, a promoção e vigilância da saúde passou a ser assegurada pelo Serviço Nacional de Saúde, através dos Agrupamentos de Centros de Saúde, aos seguintes grupos de trabalhadores: a) trabalhador independente; b) trabalhador agrícola sazonal e a termo; c) aprendiz ao serviço de um artesão; d) trabalhador do serviço doméstico; e) trabalhador da atividade de pesca em embarcação com comprimento inferior a 15 m cujo armador não explore mais do que duas embarcações de pesca até esse comprimento; f) trabalhadores de microempresas (menos de 10 trabalhadores) que não exerçam atividade de risco elevado. A prestação de cuidados de saúde primários do trabalho através dos ACES é regulada pela Portaria nº 112/2014, de 23 de maio. O empregador ou trabalhador independente, deve requer a prestação de cuidados de saúde primários do trabalho ao ACES da área de residência do respetivo trabalhador, ou, em alternativa, ao ACES onde o trabalhador esteja inscrito, através do modelo de requerimento constante do anexo I da Portaria nº 112/2014, a apresentar via internet ou em papel junto do ACES. No prazo de 48 horas a contar da entrega do requerimento o ACES deve informar sobre a data de realização do exame de admissão do trabalhador ou do trabalhador independente. Em resultado do exame de saúde ao trabalhador e da análise das condições de trabalho, o médico preenche a ficha de aptidão para o trabalho ou, na situação de inaptidão para o trabalho, o certificado de incapacidade temporária para o trabalho, e classifica o motivo da incapacidade, designadamente por doença natural, doença profissional, acidente de trabalho ou outro. São da responsabilidade do empregador ou do trabalhador independente o pagamento das taxas moderadoras legais e em vigor relativas às consultas e exames complementares de diagnóstico no âmbito dos cuidados de saúde primários do trabalho. Quando o empregador ou trabalhador independente não requeira a prestação de cuidados de saúde primários ao ACES, deve organizar o serviço de saúde do trabalho de acordo com as seguintes modalidades: serviço interno; serviço comum; serviço externo, conforme disposto no artigo 74º da Lei nº 102/2009, de 10 de setembro e suas alterações. São várias as entidades que têm reclamado a revogação desta portaria, alegando que os médicos de família não têm formação específica e que estão já sobrecarregados com trabalho. Poderá ainda pôr em risco postos de trabalho nas empresas prestadoras destes serviços.

4 04 SETORES DE ATIVIDADE Período de saldos de 15 de julho a 15 de setembro // COMÉRCIO E SERVIÇOS Entrou em vigor a 13 de junho, o Decreto-Lei nº 24/2014, de 14 de fevereiro, que veio reformular as regras aplicáveis aos contratos celebrados à distância e aos contratos celebrados fora do estabelecimento. Dentro das alterações introduzidas destaca-se o reforço dos deveres de informação pré-contratual aos consumidores, designadamente, componentes do preço e outros encargos; indicação no respetivo website, até ao início do processo de encomenda, da eventual aplicação de restrições à entrega e aos meios de pagamento aceites; informação sobre a existência de depósitos ou outras garantias financeiras. Nos contratos celebrados por telefone, o consumidor só fica vinculado depois de assinar a oferta ou enviar o seu consentimento por escrito. Estabelece-se que o fornecedor ou prestador de serviços deve confirmar a celebração do contrato no prazo de 5 dias contados dessa celebração. O prazo para o exercício de livre resolução mantém-se nos 14 dias, sendo o fornecedor ou prestador de serviços obrigado a anexar ao contrato um formulário específico para o consumidor, caso assim entenda, exercer o direito de livre resolução. HOTELARIA O Turismo de Portugal considera muito positivos os resultados obtidos com a alteração da estratégia de promoção internacional do destino Portugal. Desde 2013 que a estratégia de promoção internacional se centrou no marketing digital e não institucional, por se considerar mais eficaz na promoção de um destino turístico do que as tradicionais campanhas institucionais offline. Segundo o TP, esta estratégia de comunicação permite acompanhar os consumidores nas várias fases do ciclo de decisão; na fase do sonho em que o objetivo é estimular a vinda a Portugal através de conteúdo motivacional; na fase do planeamento, canalizando o visitante para o portal VisitPortugal e nas fases de experiência em que se incentiva a recolha e partilha de testemunhos sobre o destino. A campanha internacional abrange 13 mercados e 11 idiomas Alemanha, Brasil, Dinamarca, Espanha, França, Holanda, Irlanda, Itália, Polónia, Reino Unido, Rússia, Suécia, EUA e está centrada nos meios Google (Google AdWords e Google Display), Youtube, Facebook e em sites específicos de alguns mercados, conduzindo depois o tráfego gerado nestes canais para o portal VisitPortugal e para as suas redes sociais. Considera o TP que a aposta em meios online não só permitiu melhores resultados como um menor investimento. RESTAURAÇÃO E BEBIDAS A ACISO relembra que, conforme disposto no art 8º da Portaria n.º 215/2011, de 31 de maio, os estabelecimentos de restauração ou de bebidas devem dispor de instalações sanitárias destinadas ao uso do pessoal, separadas das zonas de manuseamento de alimentos, dotadas de lavatórios com sistema de acionamento de água não manual e, sempre que possível, com sanitários separados por sexos. A existência de instalações sanitárias destinadas ao uso do pessoal não é obrigatória nos estabelecimentos integrados em área comercial, empreendimento turístico ou habitacional que disponha de instalações reservadas, equipadas e adequadas ao uso do pessoal do estabelecimento e nos estabelecimentos com área total igual ou inferior a 100 m², desde que as instalações sanitárias destinadas ao público observem os requisitos exigidos para as instalações do pessoal, já mencionados. Na área de serviço devem existir armários ou locais reservados para guarda de roupa e bens dos trabalhadores. CONSTRUÇÃO E INDÚSTRIA Foi aprovado pelo Conselho de Ministros, de 29 de maio, a alteração do regime jurídico da urbanização e edificação, que virá simplificar os processos de construção e edificação urbana. Esta alteração visa obter o equilíbrio entre a diminuição do controlo prévio e o aumento da responsabilidade do particular. É adotado um novo padrão de controlo prévio assente no princípio da confiança nos intervenientes. Quando as condições de realização da operação urbanística se encontrem adequadamente definidas, a apresentação de comunicação prévia permite ao interessado proceder imediatamente à sua realização após o pagamento das taxas devidas. A câmara municipal passa ser o único interlocutor e gestor do procedimento, cabendo-lhe igualmente promover as conferências destinadas a concertar as posições das entidades externas, sendo estas conferências abertas à participação do interessado no processo. Será definido um novo conceito de reconstrução, reduzindo-se os formalismos de controlo prévio e incentivando a reabilitação e a regeneração. Aguarda-se publicação em Diário da República do referido diploma, do qual daremos informação.

5 05 PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA Foi prorrogada até 31 de dezembro de 2015, a Linha de Apoio à Qualificação da Oferta, criada numa parceria entre o Turismo de Portugal e as principais instituições de crédito que operam em Portugal. Com esta linha pretende-se possibilitar às empresas do setor do turismo condições de financiamento mais favoráveis quer em termos de prazos de reembolso quer em termos de prazo de carência de capital. Este apoio destina-se a projetos de criação ou requalificação de empreendimentos turísticos existentes, a projetos de criação ou requalificação de empreendimentos ou atividades de animação e de estabelecimentos de restauração com interesse para o turismo. Para aceder a esta linha, as empresas devem cumprir as condições legais necessárias ao exercício da respetiva atividade, possuir uma situação económica-financeira equilibrada e possuir a situação regularizada perante a Administração Fiscal, a Segurança Social e o Turismo de Portugal. O montante máximo de financiamento por empresa é de 75% do valor do investimento elegível. No caso de PME, o montante do financiamento provém em 50% do Turismo de Portugal e 50% do banco. No caso de não PME, o financiamento provém em 40% do Turismo de Portugal e 60% do banco. Caso se trate da criação de novos empreendimentos turísticos a parcela de financiamento do Turismo de Portugal é reduzida em 10 p.p. A taxa de juro a suportar pela empresa relativa ao valor financiado pelo Turismo de Portugal é Euribor a 6 meses, sendo aumentada em 2 p.p. no caso de projetos de criação de empreendimentos turísticos. Relativamente à parte financiada pelo banco a taxa de juro é aquela que resultar da análise concreta da operação. O prazo de reembolso vai até 12 ou 10 anos, consoante se trate de criação ou requalificação de empreendimentos, com 4 ou 3 anos de período de carência, respetivamente. ASPETOS Com a Portaria nº 115/2014, publicada a 29 de maio, deixa de ser possível a apresentação de declaração emitida pelo IAPMEI, como prova de que o arrendatário é uma microentidade para efeitos de aplicação do novo regime jurídico do arrendamento urbano (NRAU), revogando-se assim a alínea b) do nº 2 do artigo 4º da Portaria nº 226/2013, de 12 de julho. Esta revogação não afeta a validade das declarações emitidas pelo IAPMEI até 29 de maio de Continuam a ser validos com prova de que o arrendatário é uma microentidade os seguintes documentos: cópia do comprovativo da declaração anual da Informação Empresarial Simplificada (IES) ou cópia do comprovativo da declaração de rendimentos modelo 3 para efeito de IRS, acompanhada de cópia do rosto do Relatório Único respeitante à Informação sobre Emprego e Condições de Trabalho (ECT). ASPETOS ATIVIDADE EMPRESARIAL COMPROVATIVO DE MICROENTIDADE PARA EFEITOS DO NRAU ATIVIDADE EMPRESARIAL VALOR DA TAXA ALIMENTAR MAIS PARA O ANO DE 2014 O valor da Taxa de Segurança Alimentar Mais (TSA+), para o ano 2014, é de 7 por metro quadrado de área de venda do estabelecimento comercial, conforme fixado pela Portaria n.º 87/2014, de 17 de abril. A liquidação da taxa é notificada ao sujeito passivo por via eletrónica para a caixa postal eletrónica ou por carta registada, com a indicação do montante a pagar. Criada pelo Decreto-Lei n.º 119/2012, de 15 de junho e regulamentada pela Portaria n.º 215/2012, de 17 de julho, a Taxa de Segurança Alimentar Mais, aplica-se aos estabelecimentos de comércio alimentar de produtos de origem animal e vegetal, frescos ou congelados, transformados ou crus, a granel ou pré-embalados, de acordo com a área de venda do estabelecimento. Estão isentos de pagamento, entre outros, os estabelecimentos com uma área de venda inferior a 2000 m² ou pertencentes a microempresas.

6 06 APOIO À CONTRATAÇÃO A Medida Estímulo 2013, ainda em vigor, consiste num apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho a tempo completo ou a tempo parcial por um prazo igual ou superior a 6 meses, com desempregados inscritos nos serviços de emprego numa das seguintes situações: -há pelo menos 6 meses consecutivos; -há pelo menos 3 meses consecutivos, (desde que não tenham concluído o ensino básico ou que tenham 45 anos ou mais ou, ainda, que sejam responsáveis por família monoparental ou cujo cônjuge se encontre desempregado) ou outros inscritos, desde que não tenham registos na segurança social como trabalhadores por conta de outrem ou como trabalhadores independentes nos últimos 12 meses que precedam a data da candidatura, nem tenham estado a estudar durante esse mesmo período. O apoio financeiro a conceder corresponde a 50% da retribuição mensal do trabalhador por um período de 6 meses, no caso de celebração de contrato a termo certo ou de 18 meses, no caso de celebração de contrato de trabalho sem termo. Poderá ser de 60% da retribuição mensal do trabalhador, quando o mesmo se encontre nas seguintes situações: inscrito no serviço de emprego há pelo menos 12 meses consecutivos; idade igual ou inferior a 25 anos; idade igual ou superior a 50 anos; beneficiário do rendimento social de inserção; pessoa com deficiência e incapacidade ou mulher detentora de um nível de habilitações inferior ao 3º ciclo do ensino básico. A entidade empregadora fica obrigada a proporcionar ao trabalhador formação profissional no mínimo de 50 horas a realizar preferencialmente durante o período normal de trabalho. As candidaturas a esta medida são efetuadas pela entidade empregadora através do portal NETEMPREGO. ASPETOS JURÍDICO-LEGAIS Sexta alteração ao Código do Trabalho - Lei n.º 27/2014 Entrou em vigor a 1 de junho, a Lei nº 27/2014, de 8 de maio, que estabelece os novos critérios para o despedimento por extinção do posto de trabalho. Esta lei surge na sequência do Acórdão do Tribunal Constitucional nº 602/2013, de 20 de setembro, que considerou inconstitucionais algumas alterações operadas pela Lei nº 23/2012, de 25 de junho. Foram consideradas inconstitucionais as redações introduzidas aos nºs 2 e 4 do artigo 368º, que estabeleciam os requisitos de despedimento por extinção do posto de trabalho e ao nº 1 do artigo 375º, que estabeleciam os requisitos de despedimento por inadaptação. O nº 2 do artigo 368º dispunha que havendo, na seção ou estrutura equivalente, uma pluralidade de postos de trabalho de conteúdo funcional idêntico, para determinação do posto de trabalho a extinguir, cabe ao empregador definir, por referência aos respetivos titulares, critérios relevantes e não discriminatórios face aos objetivos subjacentes à extinção do posto de trabalho, deixando assim ao empregador a definição dos critérios de escolha do trabalhador a despedir. Com a recente alteração, após a decisão de inconstitucionalidade, a decisão do empregador deve observar uma série de critérios relevantes. Dispõe a nova redação dada pela Lei n.º 27/2014, de 8 de maio que havendo na seção ou estrutura equivalente uma pluralidade de postos de trabalho de conteúdo funcional idêntico, para a determinação do posto de trabalho a extinguir, a decisão do empregador deve observar, por referência aos respetivos titulares, a seguinte ordem de critérios relevantes e não discriminatórios: a) pior avaliação de desempenho, com parâmetros previamente conhecidos pelo trabalhador; b) menores habilitações académicas e profissionais; c) maior onerosidade pela manutenção do vínculo laboral do trabalhador para a empresa; d) menor experiência na função; e) menor antiguidade na empresa. Mantêm-se como causa da impossibilidade de subsistência da relação de trabalho o facto de não existir outro posto de trabalho compatível com a categoria profissional do trabalhador, requisito que havia sido eliminado com a Lei nº 23/2012, de 25 de junho. No que concerne à cessação por inadaptação reintroduziu-se, como um dos requisitos do despedimento por inadaptação, a não existência na empresa de outro posto de trabalho disponível e compatível com a categoria profissional do trabalhador, requisito que também havia sido eliminado pela Lei nº 23/2012, de 25 de junho.

7 07 OFERTA/ ATIVIDADES FORMAÇÃO PROFISSIONAL FORMAÇÃO FINANCIADA CÓDIGO UFCD NÍVEL HORAS INÍCIO PREVISTO FIM PREVISTO HORÁRIO DIAS LOCAL INFORMÁTICA Folha de cálculo (Excel) Comunicação visual - fotografia e vídeo COMÉRCIO E MARKETING Técnicas de atendimento SECRETARIADO E RECURSOS HUMANOS Gestão de stress e gestão de conflitos Organização pessoal e gestão do tempo DIREITO LÍNGUAS Legislação laboral - contrato de trabalho/ direitos individuais Língua espanhola - documentação administrativa e técnicas de escrita Língua inglesa - vendas SAÚDE, HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Técnicas de socorrismo - príncipios básicos Ambiente, segurança, higiene e saúde no trabalho - conceitos básicos HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR Higiene e segurança alimentar e sistema HACCP :00 APOIOS A CRIANÇAS Técnicas de animação As datas e os horários são indicativos, podendo sofrer alterações no decorrer da execução do Plano de Formação. A pedido, poderão ser realizadas ações noutros locais e noutros horários, bem como outras ações. 3ª e 5ª 3ª e 5ª 3ª e 5ª 3ª e 5ª 3ª e 5ª Comparticipação a Projetos / Ações de Formação cofinanciado(a)s:

8 08 CICLO DE CONFERÊNCIAS Decorridas já quatro Conferências do Ciclo de Conferências da ACISO Revitalize a sua Empresa, divulgamos mais duas que integram este ciclo, para as quais endereçamos o convite a que marque a sua presença. // 10 de setembro 18h00 ACISO O posicionamento das empresas nos novos formatos digitais por Filipe Almeida e Silva Licenciado em Matemática Aplicada pela UAL, Master in Business Administration pelo AESE/IESE. Foi diretor do Departamento de Organização e Estudos e do Departamento de Património Imobiliário do IGFSS, IP. Participou na equipa de projeto do Organismo Nacional de Informática, como consultor especializado. Fundador de diversas empresas na área das TIC s, sendo consultor neste domínio e gestor. A internet é hoje utilizada pela maioria das pessoas e empresas. Ter uma presença na rede é determinante para o sucesso de qualquer entidade. No contexto atual em que as empresas concorrem entre si não só no mundo real, começa a ser crítico reconhecer e antecipar como será o crescimento e a concorrência entre as empresas que se irá verificar no futuro ao nível dos novos formatos digitais. O site tradicional está a ser substituído pela presença nas redes sociais, estas por sua vez retiram o conforto do formato mais estático e tradicional, exigindo uma dinâmica própria de produção de conteúdos e alocação de meios mais sofisticados. Valerá a pena? 01 de outubro 18h00 ACISO Valores, Felicidade e Trabalho: entre uma vida boa e a boa vida por Rui Brites Investigador do CIES e professor universitário. É doutorado em Sociologia pelo ISCTE (Tese: Valores e felicidade no Século XXI: um retrato sociológico dos portugueses em comparação europeia ). Docente do ensino superior desde 1993 leciona disciplinas de Métodos e Técnicas de Investigação e Análise de Dados Quantitativa e Qualitativa. O que se precisa para ser feliz? Trabalho e amor (Sigmund Freud). Esta frase de Freud resume o essencial da vida humana. A felicidade, enquanto expressão do bem-estar subjetivo, é tradutora da nossa forma de estar no mundo, das nossas vivências, crenças, valores e práticas. É do domínio do ser é-se mais ou menos feliz não do ter. Na aceção de Aristóteles, ser feliz é ter uma vida, Boa. A família, o trabalho e os amigos são os pilares da vida boa. Tendo como base dados provenientes do Inquérito Social Europeu, discutirse-á o impacto dos valores e do trabalho no bem estar subjetivo do portugueses, em comparação europeia. Toda a informação contida e disponibilizada neste Boletim Informativo poderá vir a ser livremente utilizada, mediante a obrigação de menção à respetiva fonte e/ou autor. Os artigos assinados e que venham a constar deste Boletim Informativo não pretendem traduzir aquela que é a posição oficial da ACISO, sendo unicamente da exclusiva responsabilidade dos seus autores. A ACISO rejeita qualquer responsabilidade que lhe possa vir a ser apontada por eventuais danos diretos e/ou indiretos, consequentes do uso ou da inabilidade de uso da informação contida no presente Boletim Informativo. A referência neste Boletim Informativo a eventuais disposições que possam resultar da mera apreciação e/ou interpretação efetuada em relação a determinados normativos e/ou dispositivos legais, não dispensa a consulta, pelos seus interessados, dos respetivos originais e/ou o consequente e desejável aconselhamento técnico-jurídico, declinando a ACISO qualquer responsabilidade sobre eventuais atos e/ou decisões que venham a ser tomado(a)s baseado(a)s, apenas, no entendimento que venha (ou possa vir) a ser realizado sobre o teor e/ ou sentido da informação disponibilizada. Propriedade: ACISO - Associação Empresarial - Fátima NIPC: Travessa 10 de Junho, n.º Tel.: Fax: Web: Diretor: Francisco Vieira Coordenação e Edição: Área de Apoio a Associados, Informação, Estudos e Eventos Design: Ricardo Lopes Publicação: Trimestral N.º: 13 Série: I Ano: IV Data: julho agosto setembro 2014 Tiragem: exemplares ISSN: / Depósito Legal: /11 Impressão Gráfica: Indugráfica - Indústria Gráfica, Lda Edição Digital:

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014

Medidas Ativas de Emprego. Leiria 19.09.2014 Medidas Ativas de Emprego Leiria 19.09.2014 Formação em TÉCNICAS DE PROCURA DE EMPREGO Formação VIDA ATIVA GARANTIA JOVEM MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO: Apoios à contratação Estágios Emprego Emprego Jovem

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Conteúdo do Guia Enquadramento Estágios Emprego Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Apoio à Contratação

Leia mais

Incentivos à contratação 2013

Incentivos à contratação 2013 Incentivos à contratação 2013 Conheça os principais apoios à contratação em vigor em 2013 Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem consistir em apoios

Leia mais

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA FIGUEIRA DA FOZ, 9 DE JULHO DE 2014 LUÍS COITO LINHAS DE APOIO FINANCEIRO Longo Prazo Curto / Médio Prazo Curto Prazo LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA LINHA

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 207/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 207/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 207/XII Exposição de Motivos 1 - O Programa do XIX Governo Constitucional assenta num novo paradigma de políticas que através da adoção de um conjunto extenso de reformas estruturais,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) -

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - PREÂMBULO A definição e implementação de uma política local promotora da dinamização da atividade

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa O Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento entrou em vigor a 15/01/2015, após aprovação pela Câmara Municipal

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Qualificação das PME Vale Inovação Intene Consultoria de Gestão, Lda. Maio 2015 Rua Dr. Augusto Martins, n.º 90, 1.º andar Sala 4 4470-145 Maia

Leia mais

CHEQUE FORMAÇÂO. Como Funciona?

CHEQUE FORMAÇÂO. Como Funciona? CHEQUE FORMAÇÂO Como Funciona? A medida Cheque- Formação é um incentivo à qualificação e formação profissional dos trabalhadores, sendo um apoio direto do estado ao candidato, através do IEFP. Após a aprovação

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+);

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+); MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS Sabugal, 9 de Abril de 2013 Medidas de Emprego Contrato Emprego Inserção (CEI); Contrato Emprego Inserção + (CEI+); CEI Património; Medida Estímulo 2013; Estágios

Leia mais

APOIOS ÀS PME S. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS ÀS PME S. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS ÀS PME S Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada PROGRAMA DE APOIO À RESTAURAÇÃO E HOTELARIA PARA A AQUISIÇÃO DE PRODUTOS REGIONAIS LINHA DE APOIO À REABILITAÇÃO URBANA DOS AÇORES

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO Medida Estímulo 2013 CONTACTOS: Porto Gold Finance, Lda. Tel/Fax: 22 986 24 00 e-mail: comercial@pgf.pt MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO Se pretende dinamizar o seu negócio não perca esta oportunidade. Sem

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e ao EMPREENDEDORISMO NO TURISMO VALORIZAR E DIVERSIFICAR O PRODUTO TURÍSTICO

Leia mais

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca www.pwc.pt/tax Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca Enquadramento da Lei nº. 70/2013 no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Remunerações no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Benefícios aos

Leia mais

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação.

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Exmos. Associados e parceiros, Chamamos a vossa atenção para o convite abaixo. Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Inscrevam-se! Convite No seguimento dos contactos mantidos

Leia mais

Regulamento Projeto Gouveia Empreende

Regulamento Projeto Gouveia Empreende Regulamento Projeto Gouveia Empreende Aprovado em reunião de Câmara de 27 de fevereiro de 2014 Aprovado em reunião de Assembleia de Municipal de 30 de abril de 2014 Projeto Gouveia Empreende Índice Preâmbulo

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 3962-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 147 31 de julho de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Portaria n.º 225-A/2012 de 31 de julho As importantes reformas que estão a ser implementadas na economia

Leia mais

LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA

LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA ORÇAMENTO: 120 milhões de euros, dos quais 60 milhões de euros alocados pelo Turismo de Portugal. ENTIDADES PARCEIRAS: - Banco Bilbao Vizcaya Argentaria - Banco

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego 2014

Volta de Apoio ao Emprego 2014 Volta de Apoio ao Emprego 2014 Apoios ao Empreendedorismo 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3.O Ninho de Empresas de Loulé 2014-10-23

Leia mais

PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS

PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALBUFEIRA 2014 PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS Uma consultadoria eficaz e rentável vocacionada para fornecer às empresas serviços integrais de formação e recrutamento.

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

Oportunidades de Financiamento Turismo. Matosinhos, 27 > Março > 2014 Miguel Mendes

Oportunidades de Financiamento Turismo. Matosinhos, 27 > Março > 2014 Miguel Mendes Oportunidades de Financiamento Turismo Matosinhos, 27 > Março > 2014 Miguel Mendes INCENTIVAMOS O EMPREENDEDORISMO E A INOVAÇÃO ESTRUTURA DE APOIO AO EMPREENDEDOR O Turismo de Portugal, I.P. está mais

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e EMPREENDEDORISMO NO TURISMO

LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e EMPREENDEDORISMO NO TURISMO LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e EMPREENDEDORISMO NO TURISMO VALORIZAR E DIVERSIFICAR O PRODUTO TURÍSTICO MADEIRA PORTO SANTO DESERTAS E SELVAGENS Miguel Mendes LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER TURISMO

PORTUGAL A CRESCER TURISMO PORTUGAL A CRESCER TURISMO Turismo Um setor estratégico Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas exportações Turismo 13% Serviços (excluindo Turismo) 18% Bens 69% Unid. Milhões Euros Turismo Um setor estratégico

Leia mais

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS INFORMAÇÃO SINTETIZADA CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS ÍNDICE NOVAS LINHAS DE APOIO FINANCEIRO

Leia mais

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à Criação do Próprio Emprego e de Empresas 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO DOSSIER INFORMATIVO 4 INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO EMPRESAS 2015 ÍNDICE 1 - Medida Estágio Emprego...4 2 - Medida Estímulo Emprego...10 3 - Medida REATIVAR...16 4 - Dispensa de pagamento de contribuições

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR O presente regulamento, tem como objetivo principal ocupar o tempo livre das crianças com idades compreendidas entre os 6 e os is anos,

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO INDICE 1. OBJETIVO 2. DESTINATÁRIOS 3. REQUISITOS GERAIS DE ACESSO À TIPOLOGIA MICROINVEST 4. MODELO ESPECÍFICO DE APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. Descrição... Erro! Marcador não definido. 2. Entidade Gestora...

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014 Medidas Ativas de Emprego Junho 2014 Intervenção do SPE A intervenção prioritária deve ser o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o SPE quer acima de tudo um emprego. Quando

Leia mais

A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014;

A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014; 7 de Agosto 2014 Direito do Trabalho Em 24 e 30 de Julho de 2014 foram publicadas quatro Portarias com o objectivo de combater o desemprego, e sobretudo o desemprego jovem, a saber: A Portaria 149-A/2014,

Leia mais

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento VISEU TERCEIRO Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade 2015 Normas de Acesso e Apoio Enquadramento A atividade de criação e programação exercida por entidades, grupos e pessoas singulares no

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

ILinhas de apoio financeiro

ILinhas de apoio financeiro ILinhas de apoio financeiro Lisboa 03 junho 2012 Direção de Investimento Carlos Abade INSTRUMENTOS DE APOIO À ATIVIDADE PRODUTIVA TURISMO Carlos Abade Faro, 2 de agosto de 2012 Turismo Um setor estratégico

Leia mais

MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO. SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011

MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO. SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011 MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011 1 CONTRATO EMPREGO INSERÇÃO E CONTRATO EMPREGO INSERÇÃO + 2 Contrato Emprego Inserção OBJECTIVO: Promover a empregabilidade dos desempregados

Leia mais

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento PREÂMBULO Perante a crescente dificuldade das famílias Portuguesas no acesso ao mercado da habitação, determinada pela actual conjuntura económico-financeira,

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto DATA: Quarta-feira, 30 de julho de 2014 NÚMERO: 145 SÉRIE I EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DIPLOMA: Portaria n.º 151/2014 SUMÁRIO: Cria o Programa Investe Jovem Artigo

Leia mais

de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO

de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO Incentivo à aceitação de Ofertas de Emprego Regulamento Específico Página 1 de 20 Incentivo à aceitação de Ofertas de Emprego Regulamento

Leia mais

Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7

Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7 Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7 Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de ALMADA Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objetivo) Pretende-se

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MORTÁGUA JOVEM NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CARTÃO MORTÁGUA JOVEM NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DO CARTÃO MORTÁGUA JOVEM NOTA JUSTIFICATIVA Um dos desígnios da Câmara Municipal de Mortágua é o de, através das suas competências, responder a necessidades reais sentidas pela camada mais

Leia mais

Agências de Viagens e Turismo. guia para empresários e empreendedores

Agências de Viagens e Turismo. guia para empresários e empreendedores Agências de Viagens e Turismo guia para empresários e empreendedores Agências de Viagens e Turismo guia para empresários e empreendedores Índice pág. 1. Viagens Turísticas 5 2. Agências de Viagens e Turismo

Leia mais

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES A Microsoft deu a conhecer a Plataforma LinkCities propriedade da Link Think. Esta Plataforma liga as cidades e autarquias locais, através das suas

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar Crianças

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento para o exercício de 2014 Preâmbulo O Plano de Atividades do ano de 2014 foi elaborado de acordo com as expetativas dos

Leia mais

Anexo 3. Considerando que:

Anexo 3. Considerando que: CONTRATO - MINUTA ACOMPANHAMENTO SOCIAL NA ÁREA DA HABITAÇÃO (CARÊNCIAS HABITACIONAIS), GESTÃO DOS PROCESSOS DO SUBSÍDIO MUNICIPAL AO ARRENDAMENTO, MERCADO SOCIAL DE ARRENDAMENTO E TRATAMENTO, MANUTENÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Fevereiro 2014

Medidas Ativas de Emprego. Fevereiro 2014 Medidas Ativas de Emprego Fevereiro 2014 Medidas ativas de emprego Medidas 1. Estágios Emprego 2. Estímulo 2013 3. Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Estágios Emprego Portaria n.º 204-B/2013, de

Leia mais

DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL

DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL O ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL (TC), COM DATA DE 20 DE SETEMBRO RESPONDE A UM PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO ABSTRACTA

Leia mais

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas.

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 79110 AGÊNCIAS DE VIAGENS ÂMBITO: São agências

Leia mais

#14 outubro novembro dezembro 2014

#14 outubro novembro dezembro 2014 Ano IV Série I Distribuição Gratuita Trimestral #14 outubro novembro dezembro 2014 BALCÃO DO EMPREENDEDOR A ACISO presta agora aos seus associados vários serviços ao nível do licenciamento zero. A ACISO

Leia mais

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Em que consiste, razões para a existência do programa e benefício principal Quem pode beneficiar do programa Como beneficiar do programa

Leia mais

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Março de 2014 2 Fundos de Compensação e de Garantia do Trabalho 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Assembleia da República

Leia mais

Registo da prestação de contas

Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas têm simplesmente de entregar a

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

#10 outubro/novembro/dezembro 2013

#10 outubro/novembro/dezembro 2013 Ano III Série I Distribuição Gratuita Trimestral #10 outubro/novembro/dezembro 2013 INFOACISO PASSA A EDIÇÃO TRIMESTRAL A INFOACISO, boletim informativo desta Associação, passará a ser editada com a periodicidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 Considerando a persistente instabilidade dos mercados financeiros nacionais e internacionais e as dificuldades

Leia mais

A. ENQUADRAMENTO B. CANDIDATURA. Portal Mercado Social de Arrendamento http://www.mercadosocialarrendamento.msss.pt

A. ENQUADRAMENTO B. CANDIDATURA. Portal Mercado Social de Arrendamento http://www.mercadosocialarrendamento.msss.pt A. ENQUADRAMENTO 1. O que é o Mercado Social de Arrendamento? 2. A iniciativa Mercado Social de Arrendamento enquadra-se no chamado Arrendamento Social? 3. Qual o objectivo do Mercado Social de Arrendamento?

Leia mais

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Sector da Construção Brasil 21 a 25 de Outubro de 2013 Enquadramento Com uma extensão territorial de aproximadamente 8,5 milhões km 2, vastos recursos

Leia mais

#09 julho agosto 2013

#09 julho agosto 2013 Ano III Série I Distribuição Gratuita Bimestral #09 julho agosto 2013 ACISO LANÇA LIVRO FÁTIMA, CIDADE DA PAZ Decorreu no passado dia 12 de julho a apresentação do Livro Fátima Cidade da Paz. Trata-se

Leia mais

reconversão de empreendimentos turísticos

reconversão de empreendimentos turísticos reconversão de empreendimentos turísticos 01. Reconversão de Empreendimentos Turísticos Com o objectivo de requalificar a oferta turística nacional, foi aprovado um novo regime jurídico dos empreendimentos

Leia mais

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES?

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

São suscetíveis de apoio os projetos individuais de Empreendedorismo Qualificado e Criativo nas seguintes tipologias:

São suscetíveis de apoio os projetos individuais de Empreendedorismo Qualificado e Criativo nas seguintes tipologias: Sistema de Incentivos Empreendedorismo qualificado e criativo Objetivos e prioridades: Conceder apoios financeiros a projetos de Empreendedorismo Qualificado e Criativo que contribuam para a promoção do

Leia mais

I.Estágios/Passaporte Emprego Portaria n.º 225-A/2012, de 31 de julho.

I.Estágios/Passaporte Emprego Portaria n.º 225-A/2012, de 31 de julho. A Resolução do Conselho de Ministros n.º 51-A/2012, de 14 de junho, veio criar o Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção de Empregabilidade Jovem e Apoio às PME s («Impulso Jovem»), que assenta em

Leia mais

AGENDA. Portugal 2020 Enquadramento Geral. Sistema de Incentivos às Empresas. Concursos

AGENDA. Portugal 2020 Enquadramento Geral. Sistema de Incentivos às Empresas. Concursos Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Guimarães, 10 de abril de 2015 AGENDA 1 Portugal 2020 Enquadramento Geral 2 Sistema de Incentivos às Empresas 3 Concursos 1 2020 Enquadramento Geral PORTUGAL 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013 Raquel Franco 08.03.2013 Benefícios à reabilitação urbana Artigo 45.º EBF prédios urbanos objeto de reabilitação Artigo 46.º EBF - prédios urbanos construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título

Leia mais

Estímulo Emprego. Promotores

Estímulo Emprego. Promotores Estímulo Emprego Apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho a termo certo por prazo igual ou superior a 6 meses ou contratos de trabalho sem termo, a tempo completo ou a tempo

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors

Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Licenciamento e Legislação... 3 3. Nível

Leia mais

FICHA NEGÓCIOS Vendas OnLine

FICHA NEGÓCIOS Vendas OnLine Vendas OnLine Nesta Ficha Negócios pretende-se reunir um conjunto de informação útil e pertinente para apoio do desenvolvimento desta atividade. GDEE Setembro 2015 Área de Negócio: Vendas On-line Índice

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em TURISMO Crédito ao Investimento no Turismo Protocolo Bancário Luís Coito 27 de Setembro de 2010 TURISMO INCENTIVOS FINANCEIROS AO SECTOR Intensidade de Auxílio Abrangência Empresarial Crédito ao Investimento

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Vale Inovação PSZ CONSULTING Maio 2015 Índice 1 O que é?... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Objetivos Específicos... 2 1.3 Âmbito Setorial... 2 1.4

Leia mais

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Regula a concessão de apoios a projectos que dêm lugar à criação de novas entidades que originam a criação liquida de postos de trabalho Na apresentação do respectivo

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais