IDENTIFICAÇÃO FORENSE DE RESTOS MORTAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDENTIFICAÇÃO FORENSE DE RESTOS MORTAIS"

Transcrição

1 IDENTIFICAÇÃO FORENSE DE RESTOS MORTAIS FOLHETO

2 Ed Ou/CICV INTRODUÇÃO A identificação de restos mortais é importante por motivos humanitários e de ordem jurídica. A presente publicação propicia aos leigos uma breve análise do processo científico de identificação. Não apresenta diretrizes nem procedimentos operacionais padrões para a realização de investigações forenses, não devendo ser interpretada com essa finalidade. O CICV recomenda a utilização de políticas e procedimentos padrões, em todos os contextos, que deverão ser elaborados pelas respectivas autoridades (tribunais, investigadores, institutos médico-legais, etc.). Em geral, a identificação forense de restos mortais compreende três etapas principais de investigação: pesquisa prévia; recuperação dos restos; análise laboratorial e reconciliação. Quando uma pessoa desaparecida é dada como morta, devem-se seguir duas linhas complementares de investigação: Rastreamento do paradeiro da pessoa uma vez que o seu desaparecimento tenha sido informado pela família ou outras fontes confiáveis; Identificação forense dos restos mortais. A identificação forense dos restos mortais trata-se de uma determinação legal (selada pela assinatura da autoridade jurisdicional no atestado de óbito) com base na comparação científica de informações sobre as pessoas desaparecidas com os restos mortais não identificados. O processo requer um enfoque holístico que leva em consideração todas as evidências científicas e circunstanciais. Cada linha de evidência deve ser ponderada e tratada pelos seus próprios méritos. A magnitude do projeto de identificação deve ser considerada e a estratégia, ajustada neste sentido. 2

3 Ed Ou/CICV PESQUISA PRÉVIA É necessária uma investigação preliminar para localizar, avaliar, reunir e organizar todas as informações disponíveis sobre as pessoas desaparecidas e a localização dos restos mortais. Esses dados podem ajudar no processo de identificação de inúmeras maneiras como, por exemplo: Na corroboração dos depoimentos de testemunhas sobre o lugar e a época em que a pessoa desaparecida foi vista pela última vez; No fornecimento de dados específicos para comparação com as características observadas nos restos mortais; Na colaboração com os investigadores para localizar onde a pessoa desaparecida possivelmente foi sepultada. É importante coletar as informações sobre a pessoa antes do seu desaparecimento. Os chamados dados ante mortem (AM) 1 podem ser obtidos com os parentes e, algumas vezes, com os amigos íntimos e colegas. Em geral, os dados AM sobre um desaparecido incluem as seguintes informações: 1 O CICV, em consulta com especialistas de todo o mundo, elaborou um formulário de coleta de dados ante mortem (AM), que se encontra disponível com os Serviços Forenses do CICV em A pesquisa prévia pode ser feita a partir de várias fontes, como entrevistas ou registros escritos. Todas as informações devem ser documentadas meticulosamente e armazenadas em um registro central. Fontes orais (entrevistas) Parentes Testemunhas Amigos Ativistas Dentistas Médicos Perpetradores Outros Registros escritos Relatórios jurídicos Boletins e arquivos policiais e militares Laudos de autópsia Impressões digitais Fotografias Atestados de óbito Registros do cemitério Fotografias por satélite Artigos da imprensa Relatórios de ONGs Outros 3

4 As testemunhas também podem ser fontes de informações sobre as pessoas desaparecidas, com dados como: Circunstâncias do desaparecimento; Informações sobre o sepultamento dos restos mortais; Dados relativos ao descobrimento de restos mortais por atividades de desminagem; construção ou agricultura; outras descobertas por acidente; Informações provenientes de terceiros ou boatos sobre a localização de túmulos. Ed Ou/CICV Informações gerais de cunho pessoal e social (nome, idade, endereço residencial, local de trabalho, estado civil, etc.); Aparência física (altura, peso, cor de olhos, cor de cabelo, etc.); Histórico médico e dental (fraturas, doenças, dentes faltantes, coroas dentárias, obturações, etc.); Características distintivas (hábitos [p.ex. fumante de cachimbo], características singulares como cicatrizes, marcas de nascença ou tatuagens); Roupas e outros objetos de uso pessoal que a pessoa desaparecida vestia ou portava quando foi vista pela última vez; Quaisquer circunstâncias relacionadas com o desaparecimento. Além disso, as amostras biológicas dos parentes da pessoa desaparecida (e/ou amostras da pessoa adquirida antes do desaparecimento) podem ser coletadas para utilização no processo de identificação (ver abaixo). As pessoas que não sejam peritos forenses podem coletar dados AM e amostras biológicas, mas devem ser capacitadas previamente e devem seguir os procedimentos padrões para assegurar que os dados sejam completos, de alta qualidade e confiáveis. Os erros na coleta de dados podem gerar problemas no processo de identificação. As famílias e os amigos das pessoas desaparecidas são, com frequência, as fontes mais valiosas de informações prévias ao desaparecimento. Normalmente, os parentes realizam um grande trabalho de investigação por conta própria para descobrir o máximo possível de dados sobre a pessoa, em particular se muitos anos se passaram desde o desaparecimento. Ao fazerem isso, eles se deparam com informações sobre outras pessoas desaparecidas (com as quais não têm parentesco), sobre a localização de túmulos, etc. Qualquer indivíduo que esteve em contato com uma pessoa desaparecida é uma fonte em potencial de informações importantes. Embora seja considerada como o primeiro passo da investigação forense, a pesquisa prévia pode ser iniciada em qualquer momento (sendo que quanto 4

5 Boris Heger/CICV antes melhor) e deve continuar até que a pessoa desaparecida seja encontrada ou até que os seus restos sejam identificados e entregues à família. RECUPERAÇÃO DE RESTOS MORTAIS A recuperação e a gestão adequadas dos restos mortais e das provas associadas (p.ex., roupas, objetos pessoais e outros) têm importância crucial na identificação forense, auxiliando no esclarecimento da sorte da pessoa em questão. De modo ideal, são os arqueólogos forenses que devem realizar o processo, em particular quando as circunstâncias de recuperação são complexas (túmulos clandestinos, valas comuns, restos espalhados em áreas extensas como quando há acidentes aéreos, etc.). A capacidade e o conhecimento desses especialistas ajudam a garantir uma recuperação adequada dos restos e a coleta do máximo possível de informação para a identificação e outras atividades relacionadas. A recuperação incorreta e a gestão desrespeitosa podem provocar a perda de dados importantes e podem ser extremamente traumáticos para as famílias, prejudicando seriamente, portanto, os objetivos humanitários das investigações forenses. A recuperação adequada possibilita, entre outras coisas: A recuperação de todas as provas biológicas e físicas associadas que ajudem na identificação; Menos chance de misturar os restos mortais de vários indivíduos encontrados juntos, no mesmo túmulo ( entremescla ); Identificação de túmulos profanados e diferenciação entre túmulos primários e secundários 2 ; Menos danos aos restos mortais; Documentação adequada das descobertas. Obs.: Os métodos arqueológicos são destrutivos e irreversíveis. Uma vez que o processo de recuperação é finalizado, o túmulo deixa de existir. É crucial, portanto, que os restos sejam recuperados de modo correto e os procedimentos e as provas, documentados minuciosamente. 2 Um túmulo primário é o primeiro lugar onde os restos mortais foram enterrados. Um túmulo secundário indica que os restos foram exumados de pelo menos um túmulo anterior. 5

6 Boris Heger/CICV De um modo geral, a recuperação de restos mortais compreende três fases: Localizar os restos; Mapear os restos e todo o local e documentar todas as informações relevantes; Recuperar os restos corretamente, etiquetando-os e protegendo-os para o traslado, o que pode ser particularmente difícil se os restos forem provenientes de diferentes indivíduos. Os restos mortais podem ser encontrados em qualquer lugar, tanto em lugares fechados (p.ex., em prédios ou entre os escombros de estruturas colapsadas), como abertos (p.ex., túmulos, no solo, em áreas inundadas, poços ou cavernas). Existem vários métodos e ferramentas para encontrá-los. Contudo, ainda não existe um detector de ossos. Normalmente, as melhores informações sobre a localização dos restos provêm de depoimentos de testemunhas. O mapeamento e a documentação adequados possibilitam recriar o local de sepultamento caso seja necessário retornar por qualquer motivo e elaborar um mapa no papel (e/ou eletrônico) para fins de coleta de provas, arquivamento e análise. O mapeamento e a documentação de dados, assim como a garantia de gestão e tratamento corretos, são essenciais no processo de recuperação, devendo ser executados por indivíduos capacitados. 6

7 Boris Heger/CICV ANÁLISE LABORATORIAL E RECONCILIAÇÃO Após a recuperação adequada dos restos, eles devem ser enviados para a análise laboratorial e reconciliação, que consiste em responder a cinco perguntas principais: Esses restos são humanos ou não? Estão relacionados com o conflito/desastre/ situação em questão? A quantos indivíduos correspondem? 3 Quem são? Quais são as suas IDENTIDADES? Qual foi a causa da morte? 4 O primeiro passo para a análise em laboratório e a reconciliação é a preparação e o exame dos restos. Isto deve ser feito por peritos especificamente capacitados (patologistas, antropólogos, odontólogos, etc. do ramo forense) que reúnem informações dados post mortem (PM) sobre os próprios restos e todas as provas circunstanciais. Os dados PM podem incluir as seguintes informações: Informações gerais sobre os restos (faixa etária, gênero, altura, etc.); Fatos médicos e dentários incluindo as características singulares dos restos (sinais de fraturas antigas ou marcas de cirurgia, condições dos dentes e presença de tratamento dentário como obturações, etc.); Trauma e danos post mortem aos restos (intencional ou acidental); Impressões digitais Dados de DNA Roupas e objetos pessoais encontrados com os restos; Informações circunstanciais sobre os restos (onde foram encontrados e como foram parar nesse lugar, incluindo depoimentos de testemunhas, etc.). 3 A resposta a essa questão é de particular importância caso tenham sido encontrados juntos os restos de vários indivíduos. 4 O exame para estabelecer a causa da morte é procedimento padrão para os peritos forenses que trabalham em laboratório e é um componente crucial da investigação legal, incluindo o processo de identificação. 7

8 Christoph von Toggenburg/CICV Os dados PM devem ser comparados com os dados AM de uma pessoa desaparecida (comparação AM-PM), o que deve também ser efetuado por peritos qualificados. Por exemplo: Os parentes de um homem desaparecido informam que ele: Tinha 21 anos quando desapareceu, media 1,75 cm, possuía uma coroa de ouro no dente médio superior, quebrou o braço esquerdo quando tinha 12 anos; Vestia uma camisa listrada azul e branca, calça preta com botões dourados e um relógio de ouro quando desapareceu. Foi visto pela última vez em dezembro de Os peritos e investigadores forenses sabem que: Os restos pertencem a um homem com idade entre anos e altura entre 1,72 e 1,78 cm quando morreu, tinha uma coroa de ouro no dente incisivo esquerdo central superior e que há marcas de que tenha quebrado o úmero esquerdo (osso da parte superior do braço) vários anos antes de ter morrido. Uma testemunha relata que viu o corpo do desaparecido enterrado no povoado XX em fevereiro de Os restos foram achados com uma camisa listrada azul e branca, calça negra com botões dourados e um relógio de metal amarelo, em um túmulo no povoado XX que os moradores dizem que foi cavado em fevereiro de

9 Dados AM Masculino 21 anos 175 cm Coroa de ouro no dente superior central Quebrou o braço esquerdo aos 12 anos Vestia uma camisa listrada azul e branca, calça preta com botões dourados e um relógio de ouro quando desapareceu Visto pela última vez em dezembro de 1992 Dados PM Masculino anos cm Coroa de ouro no incisivo esquerdo central superior Fratura antiga, calcificada no úmero esquerdo Encontrado com uma camisa listrada azul e branca, calça negra com botões dourados e um relógio de metal amarelo Uma testemunha relata que viu o corpo do desaparecido enterrado no povoado XX em fevereiro de 1993/ restos encontrados em um túmulo no povoado XX que, segundo os moradores, foi cavado em fevereiro de

10 Ed Ou/CICV COMPARAÇÃO DE DADOS ANTE MORTEM E POST MORTEM Quanto maior o número de características coincidentes entre os dados AM e PM, maior a possibilidade de que os restos pertençam a quem se supõe. Por exemplo, se a única característica que é coincidente entre os dados AM com os dados PM diz respeito às informações gerais, como as que estão listadas acima em negrito, então é muito provável que muitas pessoas desaparecidas se encaixarão no perfil dos restos mortais não identificados. Obviamente, porém, somente uma das comparações será a correta. As comparações coincidentes podem ser muito comuns e problemáticas se muitos dos desaparecidos forem soldados desaparecidos em ação ou uma grande quantidade de pessoas está desaparecida. Os bancos de dados digitais com comparação automática e outras ferramentas de aplicação, como a Base de Dados Ante Mortem/Post Mortem (AMPM) do CICV 5, podem auxiliar na formulação 5 Mais informações sobre a Base de Dados AMPM em: de identidades hipotéticas, em especial em investigações de grandes proporções de pessoas desaparecidas e restos não identificados. Em geral, ocorre uma identificação quando a comparação entre os dados AM e PM coincidem em suficientes detalhes para se concluir que sejam do mesmo indivíduo, excluindo todas as outras possibilidades razoáveis. Meios científicos de alta precisão, que fazem parte do processo de comparação de dados AM-PM, podem ser conclusivos ao ponto de serem considerados indubitáveis na maioria dos contextos jurídicos. Podem incluir: Comparação dos dados dentários ante mortem e post mortem; Comparação da impressão digital ante mortem e post mortem; Comparação de outros identificadores, como características físicas e médicas únicas, incluindo radiografias ósseas e implantes cirúrgicos ou próteses numeradas; Comparação de amostras de DNA dos restos mortais com amostras de referência. O último passo da etapa de análise em 10

11 laboratório e reconciliação da identificação forense envolve a consolidação de todos os dados disponíveis (dados do terreno, dados de comparação de dados AM-PM, etc.) para conseguir uma identificação positiva pela qual os restos mortais coincidam conclusivamente com uma pessoa desaparecida 6. Deve-se fornecer uma explicação razoável para todas as inconsistências entre os dados AM e PM. A identificação forense de restos mortais deve adotar um enfoque holístico: devem-se 6 Em algumas situações, a reconciliação (consolidação dos dados e identificação final) é uma etapa separada da investigação, conduzida por um painel externo autorizado, chamado, às vezes, de comissão de identificação. ANEXO Algumas palavras sobre DNA considerar todas as informações que podem servir para identificar um corpo ou restos mortais. Como regra geral, quanto mais confiáveis (ou seja, corretos), completos, detalhados e específicos forem os dados, maiores serão as chances de se identificarem corretamente os restos. Os profissionais forenses têm o dever de informar as respectivas partes sobre os avanços no processo de identificação; as conclusões das análises devem ser comunicadas de modo claro e inteligível. As pessoas herdam o seu DNA diretamente dos pais, nenhuma pessoa possui um DNA exatamente igual a outra (exceto os gêmeos monozigóticos ou idênticos) 7. A singularidade do DNA de cada pessoa faz com que a sua análise seja uma ferramenta poderosa para identificar restos mortais. Na identificação forense, os dados de DNA podem ser utilizados para: Fornecer prova científica para confirmar uma comparação coincidente de dados AM-PM ou Propiciar identificação científica, em programas com base em DNA, que por sua vez é confirmada com a comparação de dados AM-PM (quando uma grande quantidade de pessoas está desaparecida, é crucial confirmar uma equivalência de DNA com a garantia de que os dados AM e PM também coincidam, não se baseando apenas nos perfis de DNA devido à possibilidade de coincidência na comparação de DNA ou erro humano). A análise de DNA de referência direta envolve a comparação das informações relativas ao DNA dos restos de uma pessoa desaparecida com as amostras deixadas pela pessoa antes de morrer, como cabelo (p.ex., de um pente ou escova), fluídos corporais (p.ex., os guardados por um médico), dentes (p.ex. dentes de leite), etc. A análise de DNA de referência por parentesco o tipo mais comum, em especial quando as pessoas desapareceram como consequência de conflitos armados ou outras situações de violência, ou durante um desastre natural envolve a comparação das informações relativas ao DNA dos restos de uma pessoa desaparecida com as amostras (p.ex., sangue, saliva) fornecidas pelos parentes biológicos da pessoa desaparecida. O DNA nuclear somente poderá ser utilizado para a comparação com os parentes próximos da vítima. De modo ideal, seriam usados pais e filhos para a comparação. As amostras de referência de parentes não sanguíneos não servem para fornecer informações sobre a identidade genética da pessoa desaparecida. As amostras de DNA de referência podem ser coletadas de parentes ao mesmo tempo que outros dados AM. Pessoas que não tenham capacitação forense podem coletar as mostras de referência, devendo, porém, ser treinadas previamente para seguir os procedimentos padrões. Depois que o DNA dos restos mortais da pessoa desaparecida e as amostras de referência forem processados, os peritos em DNA podem comparar e avaliar a relevância da coincidência entre o DNA e a(s) amostra(s) 8. 7 Refere-se somente ao DNA nuclear autossômico. 8 Para mais informações sobre o uso de DNA na identificação dos restos mortais de pessoas desaparecidas, veja Pessoas Desaparecidas, Análise de DNA e Identificação de Restos Mortais: um guia para as melhores práticas em conflitos armados e outras situações de violência. 2ª ed., CICV. https://www.icrc.org/por/resources/documents/publication/p4010.htm 11

12 Comitê Internacional da Cruz Vermelha 19, avenue de la Paix 1202 Genebra, Suíça T F CICV, abril de / Foto de capa: Véronique de Viguerie/Getty Images/CICV

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

FORENSIC Training Seminars

FORENSIC Training Seminars FORENSIC Training Seminars FORENSIC Training Seminars Temos o prazer de apresentar a nossa proposta comercial para um programa de treinamento abaixo discriminado, que julgamos pó ser útil à sua organização:

Leia mais

A Experiência do IML de São Paulo em ACIDENTE DE MASSA

A Experiência do IML de São Paulo em ACIDENTE DE MASSA A Experiência do IML de São Paulo em ACIDENTE DE MASSA Shopping Center Osasco 11 de junho de 1996 Shopping Center Osasco VÍTIMAS Lesão Corporal 380 Óbitos Local Hospital 36 5 Shopping Center Osasco Reconhecimento

Leia mais

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS Em conformidade com o Direito Internacional Humanitário, os jornalistas que estiverem em missão em áreas de conflitos armados devem ser respeitados

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE POLÍCIA TÉCNICO-CIENTÍFICA SETOR DE CRIMES CONTRA A VIDA

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE POLÍCIA TÉCNICO-CIENTÍFICA SETOR DE CRIMES CONTRA A VIDA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE POLÍCIA TÉCNICO-CIENTÍFICA SETOR DE CRIMES CONTRA A VIDA FORMULÁRIO DE LOCAL DE CRIME CONTRA A VIDA / ENCONTRO DE CADÁVER DATA: / /

Leia mais

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade HOME O laboratório Sabin, desde 2002, emprega a biologia molecular no estudo do DNA. Essa tecnologia é conhecida pela alta qualidade nos procedimentos adotados que asseguram os resultados dos exames oferecidos.

Leia mais

Guia para um. Sorriso Saudável

Guia para um. Sorriso Saudável Guia para um Sorriso Saudável Fotos meramente ilustrativas. Seja bem-vindo ao serviço odontológico do Sesc Rio! 3 Serviços Nosso serviço está disponível em diversas Unidades Operacionais, exclusivamente

Leia mais

DESASTRE EM MASSA. Prof. Ugo Osvaldo Frugoli. ufrugoli@terra.com.br

DESASTRE EM MASSA. Prof. Ugo Osvaldo Frugoli. ufrugoli@terra.com.br DESASTRE EM MASSA Prof. Ugo Osvaldo Frugoli ufrugoli@terra.com.br Histórico Até o século s XIX em regra, a morte apresentava-se como f fato unitário. Conflitos BélicosB Envolvimento de centenas ou milhares

Leia mais

EDITAL 011/2014 TERMO DE REFERÊNCIA PRODUTO INTERNACIONAL

EDITAL 011/2014 TERMO DE REFERÊNCIA PRODUTO INTERNACIONAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS COORDENAÇÃO-GERAL DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL PROJETO BRA 07/019 - Direitos Humanos para Todos: Reestruturando a SEDH para Trabalhar com Novos Temas

Leia mais

RESTABELECIMENTO DE LAÇOS FAMILIARES

RESTABELECIMENTO DE LAÇOS FAMILIARES RESTABELECIMENTO DE LAÇOS FAMILIARES APRESENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA PARA UMA REDE MUNDIAL RESTABELECIMENTO DE LAÇOS FAMILIARES FOLHETO Yoshi Shimizu/Federação Internacional Restabelecimento de Laços Familiares

Leia mais

Ciências Forenses Uma Introdução às Principais Áreas da Criminalística Moderna Jesus Antonio Velho Gustavo Caminoto Geiser Alberi Espindula

Ciências Forenses Uma Introdução às Principais Áreas da Criminalística Moderna Jesus Antonio Velho Gustavo Caminoto Geiser Alberi Espindula 78 Ciências Forenses Uma Introdução às Principais Áreas da Criminalística Moderna Jesus Antonio Velho Gustavo Caminoto Geiser Alberi Espindula A literatura relata que os recursos e técnicas oriundas da

Leia mais

PESSOAS DESAPARECIDAS, ANÁLISE DE DNA E IDENTIFICAÇÃO DE RESTOS MORTAIS

PESSOAS DESAPARECIDAS, ANÁLISE DE DNA E IDENTIFICAÇÃO DE RESTOS MORTAIS PESSOAS DESAPARECIDAS, ANÁLISE DE DNA E IDENTIFICAÇÃO DE RESTOS MORTAIS Um guia para as melhores práticas em conflitos armados e outras situações de violência armada Segunda edição, 2009 R E F E R Ê N

Leia mais

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 LOCALÍSTICA FORENSE Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 PERÍCIA CRIMINAL INVESTIGAÇÃO DO CRIME Chegada do perito investigador ao local do crime e certificação da preservação; Reconhecimento inicial da

Leia mais

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA IDENTIFICAÇÃO HUMANA Identificação pelo DNA - Identificação Médico-Legal - Perícias Odontológicas VOLUME II Editora Millennium CAMPINAS/SP

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Cemitério de Areia Branca Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 854 Areia Branca, Santos, SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

DA SEGURANÇA. A infringência aos artigos 1º e 2º implicará nas seguintes sanções: a) Comunicação por escrito solicitando a regularização.

DA SEGURANÇA. A infringência aos artigos 1º e 2º implicará nas seguintes sanções: a) Comunicação por escrito solicitando a regularização. Aprovação das alterações das cláusulas do Regulamento Interno (trechos destacados em amarelo e azul são trechos que foram feitas mudanças e/ou alterações) DA SEGURANÇA Art. 1º - Cada novo morador receberá

Leia mais

Autor (s) Andrea Lessa. Título da Pesquisa

Autor (s) Andrea Lessa. Título da Pesquisa Autor (s) Andrea Lessa Título da Pesquisa Avaliação da demanda de peritos em Antropologia Forense para aprimoramento e modernização das instituições periciais Ministério de Justiça Secretaria Nacional

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 7331/2014 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO PERITO E DO AUXILIAR DE NECROPSIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO JOSÉ AJAX NOGUEIRA QUEIROZ

Leia mais

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA?

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? A análise em DNA é o meio mais preciso disponível atualmente para a determinação de paternidades ou maternidades duvidosas. É a extrema sensibilidade

Leia mais

10/7/2012. Parecer médico legal

10/7/2012. Parecer médico legal Parecer médico legal São pareceres emitidos por médicos de reconhecido renome na área médica ou médico forense, mediante consulta, que serão utilizados para dirimir dúvidas Relatório médico legal É o documento

Leia mais

Serviço odontológico. normas e orientações

Serviço odontológico. normas e orientações 1 Serviço odontológico normas e orientações 2 3 Seja bem-vindo ao Serviço Odontológico do Sesc! 4 Normas e Orientações do Serviço Odontológico As normas e orientações a seguir garantem um tratamento mais

Leia mais

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester.

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START 1- ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. Sistema de triagem inicial

Leia mais

REGULAMENTO PARA CANDIDATAS 2015

REGULAMENTO PARA CANDIDATAS 2015 REGULAMENTO PARA CANDIDATAS 2015 Este regulamento contém as regras que deverão ser observadas e seguidas pelos Coordenadores Municipais Licenciados, bem como as respectivas candidatas municipais eleitas,

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

Assistência Funeral Individual. Condições Gerais. Capítulo I OBJETIVO

Assistência Funeral Individual. Condições Gerais. Capítulo I OBJETIVO Assistência Funeral Individual Condições Gerais Capítulo I OBJETIVO Cláusula 1ª. O Serviço de Assistência Funeral tem como objetivo, a prestação do Serviço de Funeral do Segurado bem como o custeio das

Leia mais

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos.

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos. PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE IMPLANTES DENTÁRIOS. O que são implantes osseointegrados? É uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 60, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade

Leia mais

Manual de utilização do selo

Manual de utilização do selo Manual de utilização do selo Introdução O manual do selo Empresa Parceira da Saúde tem a função de ordenar e padronizar o signo que distingue e diferencia a parceira, compreendendo padrões e regras de

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição IV agosto de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA

IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA Antônio Alberto Machado, professor livre docente da Unesp/Franca-SP As técnicas de investigação e de prova criminal experimentaram uma verdadeira revolução com o desenvolvimento

Leia mais

ARM Sul Americana Unibrás Corretora de Seguros. Seguro para Projeto CALEBE

ARM Sul Americana Unibrás Corretora de Seguros. Seguro para Projeto CALEBE ARM Sul Americana Unibrás Corretora de Seguros Seguro para Projeto CALEBE Brasília, 12 de Dezembro de 2012 Sumário 1. DESCRIÇÃO... 3 2. VIGÊNCIA... 3 3. MODALIDADE DE SEGURO... 3 4. GRUPO SEGURÁVEL...

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL POP nº 2.1 - GENÉTICA FORENSE Publicado em SET/2013 COLETA DE MATERIAL BIOLÓGICO REFERÊNCIA

Leia mais

Roteiro Médico-legal para Atendimento de Vítimas Fatais em Acidentes de Massa

Roteiro Médico-legal para Atendimento de Vítimas Fatais em Acidentes de Massa Roteiro Médico-legal para Atendimento de Vítimas Fatais em Acidentes de Massa Autores: Francisco Silveira Benfica 1 Márcia Vaz 2 Colaboradores: Eniara Pimenta Mocellin 3 Mônica Stunwoll 4 1 Mestre em Medicina

Leia mais

1 Registro de Óbito. 1.1 Prazo: 24h; 15 dias se houver motivo razoável. Após, somente se faz o registro mediante autorização judicial.

1 Registro de Óbito. 1.1 Prazo: 24h; 15 dias se houver motivo razoável. Após, somente se faz o registro mediante autorização judicial. 1 Registro de Óbito 1.1 Prazo: 24h; 15 dias se houver motivo razoável. Após, somente se faz o registro mediante autorização judicial. 1.2 Legitimidade para declaração: a) pelo homem, pela mulher, filhos,

Leia mais

TÍTULO: POSSIBILIDADE DE DOAÇÃO DE SANGUE POR HOMOSSEXUAIS - QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA OU PRECONCEITO INSTITUCIONALIZADO

TÍTULO: POSSIBILIDADE DE DOAÇÃO DE SANGUE POR HOMOSSEXUAIS - QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA OU PRECONCEITO INSTITUCIONALIZADO TÍTULO: POSSIBILIDADE DE DOAÇÃO DE SANGUE POR HOMOSSEXUAIS - QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA OU PRECONCEITO INSTITUCIONALIZADO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

CONEXÃO SISTEMAS DE PRÓTESE AGÊNCIA USP DE NOTÍCIAS

CONEXÃO SISTEMAS DE PRÓTESE AGÊNCIA USP DE NOTÍCIAS CONEXÃO SISTEMAS DE PRÓTESE 18/08/2005-22:14 Construindo Sorrisos O objetivo do projeto Construindo Sorrisos é conscientizar a população sobre os cuidados necessários para evitar cáries. Todos os profissionais

Leia mais

GUIA DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA 24 HORAS SIMPLES VIDA EMPRESA

GUIA DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA 24 HORAS SIMPLES VIDA EMPRESA GUIA DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA 24 HORAS SIMPLES VIDA EMPRESA CARO SEGURADO Para você que adquiriu o Simples Vida Empresa, este é o seu Guia de Serviços da Assistência Funeral. Utilize-o em caso de sinistro.

Leia mais

Amazonas, 13 de Fevereiro de 2013 Diário Oficial dos Municípios do Estado do Amazonas ANO IV Nº 0781 RESOLVE

Amazonas, 13 de Fevereiro de 2013 Diário Oficial dos Municípios do Estado do Amazonas ANO IV Nº 0781 RESOLVE CONSIDERANDO a necessidade de reorganização do Quadro de Pessoal Comissionado para a próxima Gestão Administrativa do Município de Urucurituba, Exercício 2013/2016; RESOLVE Art. 1.º - NOMEAR, na forma

Leia mais

O ouro está presente em quase tudo. O nome grego do ouro. Mais resistente e mais poderoso. Belas e valiosas cores.

O ouro está presente em quase tudo. O nome grego do ouro. Mais resistente e mais poderoso. Belas e valiosas cores. Olá, galera! Preparem-se para conhecer um pouco mais sobre a história do ouro, sua importância e diversos usos nos dias atuais. Nesta cartilha, vocês encontrarão jogos, curiosidades e divertidas brincadeiras

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Núcleo de Pastoral da Universidade Fone: (41) 3271-1397 E-mail: pastoral.ctba@pucpr.br

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Núcleo de Pastoral da Universidade Fone: (41) 3271-1397 E-mail: pastoral.ctba@pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná Núcleo de Pastoral da Universidade Fone: (41) 3271-1397 E-mail: pastoral.ctba@pucpr.br REGULAMENTO DO TROTE SOLIDÁRIO DA REALIZAÇÃO Art. 1º. O Trote Solidário

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR - POLÍCIA CIVIL - POLÍCIA MILITAR REDS 2015-016263096-001 ORIGEM DA COMUNICAÇÃO DADOS DA OCORRÊNCIA

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR - POLÍCIA CIVIL - POLÍCIA MILITAR REDS 2015-016263096-001 ORIGEM DA COMUNICAÇÃO DADOS DA OCORRÊNCIA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR - POLÍCIA CIVIL - POLÍCIA MILITAR REDS 205-06263096-00 RESPONSÁVEL PELO REGISTRO MUNICÍPIO SGP/ GP/2 PEL PM/2 CIA PM/50 BPM DE ÀREA RESPONSÁVEL MILITAR: POLICIAL: 2 PEL PM/2

Leia mais

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS 1. Introdução Pela Organização Mundial de Saúde, catástrofe é um fenômeno ecológico súbito de magnitude suficiente para necessitar de ajuda externa.

Leia mais

MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL

MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL 2010 TURMA DO BEM A Turma do Bem é uma OSCIP Organização da Sociedade Civil de Interesse Público fundada em 2002

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Declaração

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral. Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS

Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral. Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS Página propositalmente em branco Este foi o melhor investimento que fiz em toda

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.760, DE 2010 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.760, DE 2010 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.760, DE 2010 Altera a Lei nº 9.782, de 26 de janeiro de 1999, que define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional

Leia mais

Exame hospitalar post mortem de um bebé. Informação para os pais

Exame hospitalar post mortem de um bebé. Informação para os pais Exame hospitalar post mortem de um bebé Informação para os pais Conteúdo Página Introdução 3 O que é um exame PM? 3 Porquê realizar um exame PM hospitalar? 4 Quem pode autorizar um exame PM hospitalar?

Leia mais

Manual do Prevencionista

Manual do Prevencionista Manual do Prevencionista Sumário 1- Introdução 2- Instruções de atendimento 2.1- Identificação do beneficiário 2.2- Quanto ao tratamento 2.2.1- Etapas do atendimento 2.2.1.1- Situação atual 2.2.1.2- Fichas

Leia mais

pesquisadores submetam seus projetos na Plataforma Brasil.

pesquisadores submetam seus projetos na Plataforma Brasil. Como submeter meu projeto pela Plataforma Brasil? Este documento tem como principal objetivo oferecer orientações básicas para que os pesquisadores submetam seus projetos na Plataforma Brasil. O sistema

Leia mais

Estudo aponta que cão domesticado surgiu no Oriente Médio

Estudo aponta que cão domesticado surgiu no Oriente Médio Estudo aponta que cão domesticado surgiu no Oriente Médio Pesquisadores analisaram DNA de cachorros e lobos para desmistificar origem asiática 18 de março de 2010 15h 47 Reuters Os ancestrais dos cachorros

Leia mais

EDITAL DE CONVÊNIO N. 1/2008

EDITAL DE CONVÊNIO N. 1/2008 EDITAL DE CONVÊNIO N. 1/2008 O PRESIDENTE do FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FAS, no uso de suas atribuições estatutárias, torna público que estará efetuando o convênio de profissionais (pessoa

Leia mais

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso?

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? Aluno: nº Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? OBJETIVOS Compreender a importância prática da Engenharia Genética na identificação das pessoas. Conhecer os princípios básicos da manipulação

Leia mais

ASSISTÊNCIA FUNERAL INDIVIDUAL

ASSISTÊNCIA FUNERAL INDIVIDUAL ASSISTÊNCIA FUNERAL INDIVIDUAL 1. SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL 1.1. DEFINIÇÕES 1.1.1. Usuário: Pessoa física, devidamente cadastrada junto à Central de Assistência, com no máximo 69 (sessenta e nove)

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL COMANDO GERAL CENTRO DE INTELIGÊNCIA

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL COMANDO GERAL CENTRO DE INTELIGÊNCIA GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL COMANDO GERAL CENTRO DE INTELIGÊNCIA END: BAIRRO: CEP: PAI: MÃE: NACIONALIDADE: UF: DATA DE NASC: / / SPC: ESCOLA: UPM: SSP: FFAA: PF: SERASA:

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

OBJETIVO CAPITAL SEGURADO

OBJETIVO CAPITAL SEGURADO OBJETIVO Assegurar aos participantes da SIAS, que aderiram ao seguro, uma indenização aos próprios ou ao(s) seu(s) beneficiário(s), em caso de falecimento ou invalidez, bem como propiciar a utilização

Leia mais

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana A Declaração de Óbito Consa. Maria Madalena de Santana APRESENTAÇÃO CAMPO I IDENTIFICAÇÃO INDISPENSÁVEL! CAMPO II RESIDÊNCIA CAMPO III OCORRÊNCIA CAMPO IV FETAL OU MENOR QUE 1 ANO CAMPO V CONDIÇÕES E

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014. Dispõe sobre a instituição da Comissão da Qualidade, e os requisitos técnicos para a realização de auditorias nos laboratórios e bancos que compõem a Rede Integrada

Leia mais

Recursos detalhados GKM- SISTEMA ADMINISTRATIVO

Recursos detalhados GKM- SISTEMA ADMINISTRATIVO Recursos detalhados GKM- SISTEMA ADMINISTRATIVO Agenda de Consultas: - Agenda para marcação de consultas e compromissos - Cores indicativas de faltas, encaixes e pacientes e clientes inadimplentes a partir

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA PREÂMBULO 1 Nossos termos e condições de venda são aplicáveis de forma exclusiva; nós não admitimos termos e condições de clientes que sejam conflitantes nem termos e condições

Leia mais

ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública

ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública 1. MATERIAL ESCOLAR BÁSICO - Caneta esferográfica azul, preta e vermelha; - lápis preto,

Leia mais

II - PÓS-GRADUAÇÃO E FORMAÇÃO CONTÍNUA

II - PÓS-GRADUAÇÃO E FORMAÇÃO CONTÍNUA Faculdade de Medicina da Universidade do Porto MEDICINA LEGAL - 2003/2004 II - PÓS-GRADUAÇÃO E FORMAÇÃO CONTÍNUA 1. MESTRADO EM CIÊNCIAS FORENSES 2. CURSO SUPERIOR DE MEDICINA LEGAL 3. CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Aula Au 3 la 7 Windows-Internet

Aula Au 3 la 7 Windows-Internet Aula 37 Aula Ferramenta de Captura 2 Você pode usar a Ferramenta de Captura para obter um recorte de qualquer objeto na tela e, em seguida, anotar, salvar ou compartilhar a imagem. 3 Vamos fazer o seguinte:

Leia mais

MANUAL PARA A APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO NO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL

MANUAL PARA A APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO NO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL MANUAL PARA A APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO NO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Comissão de Estágio do Curso de Engenharia Florestal 2ª versão CURITIBA Fevereiro 2015 Este Manual foi desenvolvido

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE TRAUMATISMO DENTO-ALVEOLAR EM ESPORTISTAS DE RIBEIRÃO PRETO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE TRAUMATISMO DENTO-ALVEOLAR EM ESPORTISTAS DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO: AVALIAÇÃO DE TRAUMATISMO DENTO-ALVEOLAR EM ESPORTISTAS DE RIBEIRÃO PRETO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ODONTOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

ORIGEM Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

ORIGEM Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 07/IN01/DSIC/GSIPR 01 15/JUL/14 1/9 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DE CONTROLES DE ACESSO

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

INSTITUCIONALIZA O UNIFORME

INSTITUCIONALIZA O UNIFORME DECRETO Nº29.482, de 03 de outubro de 2008. INSTITUCIONALIZA O UNIFORME DO PROGRAMA RONDA DO QUARTEIRÃO E MODIFICA O DECRETO Nº18.063, DE 06 DE AGOSTO DE 1986 (REGULAMENTODE UNIFORMES DA POLÍCIA MILITAR

Leia mais

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência EBOLA Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência FEBRE HEMORRÁGICA DO EBOLA O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976, no Zaire (atual República

Leia mais

Implantes Dentários. Qualquer paciente pode receber implantes?

Implantes Dentários. Qualquer paciente pode receber implantes? Implantes Dentários O que são implantes ósseos integrados? São uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 6O, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade pela comunidade científica

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO PARA SER ENTREGUE À FAMÍLIA - SVO nº:

TERMO DE ESCLARECIMENTO PARA SER ENTREGUE À FAMÍLIA - SVO nº: TERMO DE ESCLARECIMENTO PARA SER ENTREGUE À FAMÍLIA - SVO nº: O SVO - Serviço de Verificação de Óbito da Faculdade de Medicina de Marília tem como finalidade executar necropsias nos casos de morte natural

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CEMITÉRIO MUNICIPAL DE AREIA BRANCA Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 768, Areia Branca, Santos,SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS. Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU

AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS. Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU Senado Federal, 16 de maio de 2013 PNAISH - Primórdios. 1988 Criação do SUS Constituição Federal - Art.

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

VESTIBULAR 2015 2º SEMESTRE

VESTIBULAR 2015 2º SEMESTRE 1 VESTIBULAR 2015 2º SEMESTRE Cursos Habilitações Câmpus Turnos Duração Ciências Biológicas Biomedicina Bacharelado Belo Horizonte Noturno 8 semestres Enfermagem Bacharelado Alfenas Noturno 9 semestres

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ODONTÓLOGO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ODONTÓLOGO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ODONTÓLOGO Dra. Thaissa Taques A responsabilidade civil tem o seu nascimento sempre que houver violação de um dever jurídico preexistente, e dessa violação resultar um certo dano

Leia mais

MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS*

MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS* MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS* Segundo Carlos Estrela (2001), o painel científico constitui uma discussão informal de um grupo de pessoas conhecedoras de um assunto em análise, apresentando

Leia mais

Momento ético Prontuário Médico

Momento ético Prontuário Médico Momento ético Prontuário Médico Luiz Antonio da Costa Sardinha Conselheiro Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo PRONTUÁRIO MÉDICO Tem um morto no plantão. Por onde iniciar História Tudo

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

2º CONGRESSO INTERDISCIPLINAR EM SAÚDE E EDUCAÇÃO: MEIO AMBIENTE, CIÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA

2º CONGRESSO INTERDISCIPLINAR EM SAÚDE E EDUCAÇÃO: MEIO AMBIENTE, CIÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA 2º CONGRESSO INTERDISCIPLINAR EM SAÚDE E EDUCAÇÃO: MEIO AMBIENTE, CIÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA ISSN 2358-2995 Normas para submissão de trabalhos Cronograma: 31/03/15 início das inscrições dos trabalhos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

Da Prancheta ao Computador...

Da Prancheta ao Computador... Da Prancheta ao Computador... Introdução Como necessidade básica de se localizar ou mesmo para detalhar projetos de quaisquer obras, ao longo do tempo inúmeras formas de representar paisagens e idéias

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL

I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL ENCONTRO DA PÓS-GRADUAÇÃO NORMAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS As apresentações poderão ser realizadas na forma de PÔSTER

Leia mais

O que acontece num Laboratório de Genética?

O que acontece num Laboratório de Genética? 12 a sua amostra seja usada para esse fim. Tal com todas as amostras clínicas armazenadas, o ADN é parte do processo clínico do paciente, e está sujeito ao sigilo médico. Isto significa que o acesso é

Leia mais

AssistênciA à saúde em perigo

AssistênciA à saúde em perigo INCIDENTES VIOLENTOS QUE AFETAM A PRESTAÇÃO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE AssistênciA à saúde em perigo JANEIRO DE 2012 A DEZEMBRO DE 2013 FIM À VIOLÊNCIA CONTRA A ASSISTÊNCIA À SAÚDE RELATÓRIOS Comitê Internacional

Leia mais

O Sistema de Currículos Lattes está dividido em seis módulos, vistos abaixo.

O Sistema de Currículos Lattes está dividido em seis módulos, vistos abaixo. Preenchendo o Currículo Lattes Estrutura do Sistema de Currículos Lattes As informações do currículo estão estruturadas de forma hierárquica. Cada módulo contém inúmeras áreas e dentro de cada uma delas

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS

MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS Padrão TISS Atendendo à exigência da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a partir do dia 31 de Agosto do corrente ano, a Unimed Sobral se adequará ao padrão

Leia mais

Exploremos o Direito Humanitário

Exploremos o Direito Humanitário Exploremos o Direito Humanitário Guia de execução www.cicr.org Objetivo O guia de execução dirige-se aos funcionários dos ministérios de educação, administradores, aos responsáveis pelo planejamento escolar,

Leia mais