Auditoria Interna aplicada à Gestão de Pessoas - Buscando a minimização de Riscos. Área: CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Categoria: PESQUISA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Auditoria Interna aplicada à Gestão de Pessoas - Buscando a minimização de Riscos. Área: CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Categoria: PESQUISA"

Transcrição

1 Auditoria Interna aplicada à Gestão de Pessoas - Buscando a minimização de Riscos Área: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Categoria: PESQUISA Ana Claudia Hillesheim Unioeste, Campus Cascavel, Caroline Cislaghi de Oliveira Unioeste, Campus Cascavel, Edineuza Moreira Ribeiro Unioeste, Campus Cascavel, Resumo O presente trabalho teve como objetivo demonstrar o quanto as constantes mudanças exigidas pelo atual mercado globalizado criaram a necessidade nas empresas de redefinir seus mecanismos de funcionamento e analisar como a auditoria interna pode auxiliar a gestão de pessoas, minimizando riscos nesta área. Constatou-se o redirecionamento do capital financeiro para o capital intelectual o foco das atenções organizacionais, dessa forma, a necessidade de uma boa gestão de pessoas, onde se observa quem está por trás de seus processos se tornou essencial, uma vez que conhecimento, informação e criatividade, dentre outros atributos, imperam como recursos de sobrevivência das organizações. Quanto aos objetivos, caracteriza-se como descritiva, e quanto aos procedimentos empregou-se pesquisa bibliográfica. Verificou-se que administrar bem os recursos humanos que são considerados a energia que move as organizações tornou-se imprescindível, visto que relações trabalhistas não se limitam apenas aos relacionamentos interpessoais, mas se somam a uma administração estratégica na condução do seu capital intelectual. É percebido que em organizações empresariais, riscos de pessoas são freqüentes, dificultando a condução das questões pelos profissionais da gestão de pessoas e decisões da gestão empresarial. Porém, se a gestão não for realizada de forma adequada, trará sérios problemas à organização. A auditoria interna, com seus conhecimentos hábeis, através de análises direcionadas poderá auxiliar a gestão a reduzir riscos de pessoas e custos trabalhistas que têm impactos consideráveis no caixa das empresas. Constatou-se que a auditoria interna aliada a gestão de pessoas tende a ser uma maneira eficiente de encontrar soluções confiáveis para minimização, controle e prevenção de riscos e, conseqüentemente, evitar desgastes e prejuízos às organizações. Palavras-chave: Gestão de pessoas, Prevenção, Auditoria interna.

2 Auditoria Interna aplicada à Gestão de Pessoas - Buscando a minimização de Riscos Resumo Área: Ciências Contábeis Categoria: PESQUISA O presente trabalho teve como objetivo demonstrar o quanto as constantes mudanças exigidas pelo atual mercado globalizado criaram a necessidade nas empresas de redefinir seus mecanismos de funcionamento e analisar como a auditoria interna pode auxiliar a gestão de pessoas, minimizando riscos nesta área. Constatou-se o redirecionamento do capital financeiro para o capital intelectual o foco das atenções organizacionais, dessa forma, a necessidade de uma boa gestão de pessoas, onde se observa quem está por trás de seus processos se tornou essencial, uma vez que conhecimento, informação e criatividade, dentre outros atributos, imperam como recursos de sobrevivência das organizações. Quanto aos objetivos, a pesquisa caracteriza-se como descritiva, e quanto aos procedimentos empregou-se pesquisa bibliográfica. Verificou-se que administrar bem os recursos humanos que são considerados a energia que move as organizações tornou-se imprescindível, visto que relações trabalhistas não se limitam apenas aos relacionamentos interpessoais, mas se somam a uma administração estratégica na condução do seu capital intelectual. É percebido que em organizações empresariais, riscos de pessoas são freqüentes, dificultando a condução das questões pelos profissionais da gestão de pessoas e decisões da gestão empresarial. Porém, se a gestão não for realizada de forma adequada, trará sérios problemas à organização. A auditoria interna, com seus conhecimentos hábeis, através de análises direcionadas poderá auxiliar a gestão a reduzir riscos de pessoas e custos trabalhistas que têm impactos consideráveis no caixa das empresas. Constatou-se que a auditoria interna aliada a gestão de pessoas tende a ser uma maneira eficiente de encontrar soluções confiáveis para minimização, controle e prevenção de riscos e, conseqüentemente, evitar desgastes e prejuízos às organizações. Palavras-chave: Gestão de Pessoas; Prevenção; Auditoria interna. 1 INTRODUÇÃO Independentemente do tamanho da empresa, as constantes mudanças de natureza econômica, social e tecnológica geram a necessidade de se investir em capital humano como diferencial para competitividade e fonte para garantir um desenvolvimento com qualidade dos produtos e serviços oferecidos pelas organizações. Através do incremento de uma adequada gestão de pessoas, administrado de forma ampla, é possível obter resultados satisfatórios. O conhecimento é uma nova fonte de riqueza e deve ser muito bem administrada. Torna-se, então, um desafio captar e manter funcionários com conhecimento, visto que a utilização adequada das habilidades permitirá desenvolver serviços e produtos que tenham

3 maior qualidade. Portanto, a empresa que conseguir usar desta ferramenta, terá um diferencial em um mercado tão competitivo como o atual. Neste contexto, o trabalho tem como objetivo demonstrar o quanto as constantes mudanças exigidas pelo atual mercado globalizado criaram a necessidade nas empresas de redefinir seus mecanismos de funcionamento e analisar como a auditoria interna pode auxiliar a gestão de pessoas, minimizando riscos nesta área. A Contabilidade, já utilizada para mensurar esse capital intangível tão valioso e essencial, apresenta uma nova maneira de auxiliar a administração: analisando o risco das pessoas. Através da auditoria interna o gerente obtém um aliado para enfrentar as dificuldades com a seleção e a manutenção de funcionários competentes conseguindo assim, direcionar a empresa para o sucesso. Através da presente pesquisa será verificado como a auditoria interna pode auxiliar a Gestão de Pessoas a: a) Identificar riscos inerentes a pessoas; b) Selecionar profissionais com a qualidade exigida; c) Conservá-los sempre ativos; d) Identificar novas competências no ambiente organizacional; e) Mantê-los na empresa, diminuindo os problemas com giro de funcionários e o risco de perdê-los para a concorrência; e f) Garantir que todos trabalhem a favor da empresa. Quanto aos objetivos, a pesquisa caracteriza-se como descritiva, aos procedimentos empregou-se pesquisa bibliográfica, limitando-se a documentos bibliográficos e eletrônicos. 2 GESTÃO DE PESSOAS As organizações são compostas de pessoas e delas dependerá os resultados que serão alcançados. Seus conhecimentos e habilidades são indispensáveis para que a empresa alcance crescimento e lucratividade. Podem ser o diferencial competitivo que promovem e mantêm o sucesso organizacional. Gestão de Pessoas é a nova denominação ao que antes era conhecido por Administração de Recursos Humanos. Também pode ser conhecido como Capital Humano ou Capital Intelectual. Todas as formas de tratamento direcionado a funcionários de uma empresa, desde a captação, desenvolvimento e atitudes para manter os talentos fazem parte da gestão de pessoas. Chiavenato (2008, p. 09), assim denomina: Gestão de Pessoas é a área que constrói talentos por meio de um conjunto integrado de processos e cuida do capital humano das organizações, o elemento fundamental do seu capital intelectual e a base do seu sucesso. Entende-se dessa forma que as organizações modernas passaram a se preocupar também com quem está por trás de seus processos, com quem desenvolve as atividades. Perceberam que este é o momento em investir em capital humano e não ficar voltado apenas para o lado financeiro, e quem dessa forma o faz, poderá ter um retorno surpreendente. 2.1 Objetivos da Gestão de Pessoas

4 Para atingir os objetivos finais, os gestores das empresas precisam estar atentos sobre quais são as expectativas dos colaboradores. Através de aspectos fundamentais da gestão de pessoas, pode-se conseguir que estes sejam, além de recursos, parceiros da organização, permitindo a colaboração eficaz das pessoas, porque estarão atingindo também seus objetivos individuais, conforme demonstra a Figura 1. Objetivos organizacionais Objetivos individuais Sobrevivência Crescimento sustentado Lucratividade Produtividade Qualidade nos produtos/serviços Redução de custos Participação no mercado Novos mercados Novos clientes Competitividade Imagem no mercado Melhores salários Melhores benefícios Estabilidade no emprego Segurança no trabalho Qualidade de vida no trabalho Satisfação no trabalho Consideração e respeito Oportunidades de crescimento Liberdade para trabalhar Liderança liberal Orgulho da organização Figura 1 - Os objetivos organizacionais e os objetivos individuais das pessoas. Fonte: Chiavenato (2008, p. 6). Observando a tabela, se constata que os objetivos individuais estão interligados aos objetivos organizacionais e vice-versa. A partir do momento em que a gestão de pessoas consegue identificar quais são tais objetivos fica plausível de obter meios eficientes para que sejam atingidos, e, uma vez atingidos, ambas as partes ficarão satisfeitas e a tendência é que continuem colaborando para a contínua obtenção resultados. Segundo Chiavenato (2008), para que os objetivos organizacionais e individuais sejam atingidos, a gestão de pessoas se utiliza de seis processos: a) Processo de agregar pessoas; b) Processo de aplicar pessoas; c) Processo de compensar pessoas; d) Processo de desenvolver pessoas; e) Processo de manter pessoas; e f) Processo de monitorar pessoas. Estes processos precisam estar conectados. Não se pode denominar qual tem maior ou menor importância dentro do gerenciamento, pois isso vai depender da ocasião em que a organização se encontrar. O que é imprescindível é que todos os processos estejam em sintonia, proporcionando assim um bom desempenho geral. Desde o momento em que for aplicar o primeiro processo, deve-se ter a preocupação em incluir pessoas que possam ter talentos em potencial. É importante que quem faça a seleção tenha uma visão à frente do momento. A pessoa a ser contratada precisar ter a capacidade de se sintonizar com os acontecimentos do mercado global, para poder readequar as habilidades no caso de que novas aptidões sejam requeridas.

5 Para atingir os objetivos organizacionais de crescimento sustentado e lucratividade, as empresas precisam observar os objetivos individuais de qualidade de vida e satisfação no trabalho. Para Chiavenato (2008, p. 52), talento são pessoas com as competências: a) Conhecimento (é o saber); b) Habilidade (é o saber fazer); c) Julgamento (é o saber analisar a situação e o contexto); e d) Atitude (é o saber fazer acontecer). Com a utilização dos processos de desenvolver e manter pessoas esses objetivos poderão ser atingidos. Agregar, desenvolver e manter talentos contribui ativamente para o crescimento operacional. O talento humano passou a ser tão importante quanto o próprio negócio, pois é o elemento essencial para a preservação, consolidação, sucesso e sustentabilidade (Chiavenato, 2008). 2.2 Auditoria Interna e Gestão de Pessoas Embora não esteja regulado nas normas brasileiras de contabilidade, no âmbito da auditoria interna, como função do auditor desempenhar o papel de gestor de risco, cabe a organização definir o quanto o auditor interno deverá se envolver nesse processo. Conforme é mencionado pelo Instituto dos Auditores Internos do Brasil - AUDIBRA, (2004, p. 09): Auditoria interna é uma atividade independente e objetiva que presta serviços de avaliação e consultoria com o objetivo de adicionar valor e melhorar as operações de uma organização. A auditoria auxilia a empresa a alcançar seus objetivos através de uma abordagem sistemática e disciplinada para avaliação e melhoria da eficácia dos processos de gerenciamento de riscos, controle e governança corporativa. Sendo assim, o auditor interno pode auxiliar para que os objetivos da gestão de pessoas sejam alcançados, oferecendo condições e recomendações convenientes para um desempenho adequado. Para alguns autores, como Castanheira, a auditoria baseada no risco é considerada mais eficiente porque se avaliam as áreas de maior risco, em vez de uma análise exclusiva da área financeira, que pode não representar um risco elevado. Segundo Castanheira (2007, p. 22), um novo paradigma está sendo direcionado aos auditores internos e acrescenta que no atual paradigma todo o processo se baseia na gestão de risco, o que requer uma evolução técnica dos auditores internos para alternar a orientação, objetivos e resultados dos seus trabalhos. O auditor interno na gestão de risco precisa conhecer a atividade dos vários níveis e saber identificar os riscos que podem ameaçar os objetivos estratégicos empresariais. Sendo que para muitos, os recursos humanos de uma empresa são considerados um de seus bens mais preciosos, o auditor interno, focalizando os riscos na gestão de pessoas, contribui para assegurar que a operação seja realizada eficazmente. 3 RISCO NA GESTÃO DE PESSOAS

6 Tanto as organizações quanto as pessoas variam intensamente. Lidar com capital intelectual gera incertezas, pois não é possível prever como será a reação de cada indivíduo. Nesse momento surge o Risco de Pessoas. Num clima de crescente incerteza que afeta o mundo dos negócios, o crescimento dos riscos impõe uma implementação de medidas adequadas. Como um dos principais objetivos da Gestão de Pessoas é desenvolver e manter talentos, os riscos devem ser constantemente identificados e analisados para que possam ser corrigidos em tempo hábil. É preciso estar preparado para se recuperar das conseqüências, detectando e antecipando riscos futuros e seus efeitos. Destacam-se entre os riscos mais freqüentes e impactantes no caixa das organizações o absenteísmo, rotatividade e fraudes corporativas. Nesse sentido, será ressaltada a importância da atuação da auditoria interna nesses pontos, assim como quais as principais recomendações a serem seguidas pela gestão de pessoas. 3.1 Absenteísmo Administrar ausências (atrasos e faltas) é uma cultura antiga em várias empresas. Prêmios de assiduidade são utilizados com freqüência por organizações que prezam pela pontualidade e comprometimento por parte dos empregados. Absenteísmo é o inverso de assiduidade, se refere ao tempo que o funcionário está indisponível para o trabalho. Pode causar prejuízos consideráveis na produtividade organizacional. Chiavenato (2008, p. 88), assim o define: Absenteísmo ou ausentismo é a freqüência e/ou duração do tempo de trabalho perdido quando os colaboradores não comparecem ao trabalho. Constitui a soma dos períodos em que os colaboradores se encontram ausentes no trabalho, seja por falta, atraso ou algum motivo interveniente. O auditor interno pode verificar as causas do absenteísmo e se utilizar disso como uma maneira de evitar esse risco. Poderão ser recomendados atos para prevenção de barreiras à presença como doenças, acidentes e problemas de transporte. Recompensas por assiduidade, como já foi comentado anteriormente, é um ato antigo e que já teve sua eficácia comprovada. Um ato que acontece freqüentemente e que algumas pessoas têm como hábito, é que quando estão insatisfeitas com o trabalho ou com a empresa, começam a faltar sem justa causa, ou então apresentam falsos atestados médicos na intenção de obter a demissão e ter acesso aos benefícios trabalhistas (como saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e de Seguro Desemprego), que não teriam no caso de um pedido de despensa. Nesse momento o auditor interno precisa utilizar sua experiência para perceber quando determinado colaborador está agindo de má fé para com a empresa. É necessário identificar a ocorrência de tais fatos e duas atitudes podem ser tomadas, sendo elas: a) Dispensar o funcionário que não tem o perfil de comprometimento exigido pela empresa; ou b) Procurar saber o que causa insatisfação ao funcionário e saná-las de forma que seja vantajoso para as duas partes.

7 Depois de tomada a atitude, é preciso encontrar onde se encontra o gargalo de tal situação para que possam ser sanadas as falhas, procurando melhorar o processo de seleção e de desenvolvimento de talentos. Para casos mais extremos, advertências e punições também poderão ser aplicadas, porém, é importante que todas as regras estabelecidas sejam comunicadas aos colaboradores e disponibilizada sempre em local de fácil acesso, para não ocorrer falta de comunicação entre as partes. 3.2 Rotatividade Como já foi visto anteriormente, assim como as organizações, as pessoas tem seus objetivos, e em conseqüência de viver num mundo capitalista, estão sempre buscando algo que lhe favoreça, que lhe traga maior satisfação e o melhor retorno financeiro. Nesse âmbito pode ocorrer de uma oferta de trabalho feita por um concorrente lhe seja atrativa. Surge aí um problema para a empresa. Um dos riscos mais corriqueiros e que deve ser tratado com bastante atenção. Rotatividade de pessoal, também conhecida por turnover, é o resultado da saída de alguns colaboradores e a entrada de outros para substituí-los no trabalho. (CHIAVENATO, 2008). Sendo os funcionários considerados a energia que move a organização, quando se perde energia é preciso que haja substituição. A cada desligamento geralmente corresponde a um substituto para reposição. O problema principal que torna a rotatividade tão prejudicial à empresa é que, há certas particularidades na realização de tarefas que só se adquire com o tempo. É o conhecimento que se tem sobre determinada função e que, quando o funcionário que atuava sai, leva com ele tal conhecimento, e, mesmo havendo a reposição isso não será transmitido. Quando um desligamento acontece por iniciativa do funcionário, aspectos externos devem ser observados pelo auditor interno, como o que foi oferecido pelo concorrente, que atraiu tal funcionário, para que a empresa possa agregar valores que sejam adequados às expectativas dos colaboradores. Como faz parte dos objetivos da gestão de pessoas manter talentos, o auditor interno deve sempre observar e analisar esses aspectos para que seja adequado, de forma a evitar essa perda e minimizar prejuízos que ocorrem quando pessoas-chaves deixam a organização. Pode-se sugerir a utilização de uma entrevista de desligamento como meio para a obtenção de dados que indiquem onde estão as falhas e oferecer meios para ações corretivas ou preventivas no sentido de reduzir esse risco e auxiliar a gestão de pessoas. Quando o desligamento for por iniciativa do empregador, o aspecto da seleção deverá ser revisto. Através de análises, o auditor interno poderá descobrir se não está no processo de contratação o gargalo de tal risco, pois se forem selecionados e contratados pessoas inadequadas para o cargo, certamente não haverá a adaptação necessária e o enquadramento exigido para o perfil da empresa não ocorrerá. Indiscutivelmente rotatividade é um risco inerente que tem um custo elevado, considerando desde os encargos trabalhistas a serem pagos a quem está saindo, até os gastos com recrutamento e seleção. Estratégias de gerenciamento devem ser constantemente adaptadas as novas situações que possam ocorrer e o auditor interno tem papel importante para analisar e auxiliar a gestão de pessoas a tratar as conseqüências e identificar a verdadeira fonte do risco.

8 3.3 Fraudes Corporativas A fraude nas empresas significa perda competitiva. Sendo sempre um fator negativo ao exercício da atividade, a tendência de aumento e a cerrada competitividade em que as empresas estão inseridas, torna a prevenção e detecção à fraude um fator estratégico. Rasmussen (1988, p. 14) explica, Os roubos e fraudes sempre começam em quantidade pequena e aumentam sucessivamente com a confiança do funcionário, pois não existem sistemas de controles internos, auditoria e naturalmente uma justiça severa que puna estes atos. A partir disso, é necessário que se mantenha na empresa, um bom sistema de controle interno, visto que se constitui em um aliado à gestão de pessoas, no ambiente da organização. Porém, é importante salientar, que por si só não oferece garantia absoluta contra a ocorrência de fraudes ou irregularidades, apenas previne e minimiza os riscos. Assim, por exemplo, a segregação de uma operação em fases distintas, confiadas a diversos colaboradores, reduz o risco de irregularidades, todavia, não pode evitar que estas ocorram, se aqueles que intervêm no processo se puserem de acordo para cometer algum ato fraudulento. Em uma situação como essa, o principal responsável pela identificação das fraudes vem a ser o administrador da entidade, que deve verificar e manter a adequacidade dos sistemas de controles internos. Porém, o auditor segundo a Norma Brasileira de Contabilidade (Interpretação Técnica NBC T11 - IT 03 - fraude e erro): Não é responsável nem pode ser responsabilizado pela prevenção de fraudes ou erros. Entretanto, deve planejar seu trabalho avaliando o risco da sua ocorrência, de forma a ter grande probabilidade de detectar aqueles que impliquem efeitos relevantes nas demonstrações contábeis. Em todo caso, o profissional de auditoria, tem o dever de informar à alta administração da organização auditada sobre ocorrências de descobertas envolvendo fraude, mesmo que o efeito potencial sobre as demonstrações contábeis seja insignificante. A variedade de fraudes corporativas é ilimitada. Ocorrem de acordo com a posição do empregado, suas atribuições, o setor de atividades na empresa, sua imaginação, audácia e habilidade. Entretanto, conforme observa Dittenhofer (apud Tribunal de Contas do Estado da Bahia, 1995, p. 68), as estatísticas e os registros parecem indicar que estes crimes podem ser realizados por qualquer empregado, não existe estilo específico de pessoa nem um parâmetro ou perfil característico. Em pesquisa realizada pela KPMG Brasil (2000, p. 12), em março de 2000, em que foram consultadas cerca de mil empresas, sobre fraudes nas empresas, revelou-se o seguinte em relação ao autor da fraude: TABELA 01 Os principais autores de fraudes corporativas AUTORES QUANTIDADE (%) Funcionários 55% Prestadores de serviços 18%

9 Fornecedores 13% Clientes 9% Outros 5% Fonte: Dados da pesquisa. Observou-se que em mais da metade das empresas pesquisadas, os principais responsáveis pela prática das fraudes reportadas foram funcionários e gerência com 55% do total, enquanto 45% o foram por agentes externos, dentre os quais se destacaram os prestadores de serviço (18%), fornecedores (13%) e clientes (9%). De acordo com Attie (1992, p. 215): A fraude assume múltiplas modalidades. Das diversas classificações históricas de fraudes, já efetuadas, reveste-se de interesse a que as dividem em: a) Não encobertas: são aquelas que o autor não considera necessário mascarar, porque o controle interno é muito fraco. Um exemplo seria a retirada de dinheiro do caixa, sem se efetuar nenhuma contabilização. b) Encobertas temporariamente: são feitas sem afetar os registros contábeis; por exemplo, retirar dinheiro proveniente das cobranças, omitindo o registro delas de modo que seu montante possa ser coberto com o registro de cobranças posteriores, e assim sucessivamente. c) Encobertas permanentemente: nesses casos, os autores da irregularidade preocupam-se em alterar a informação contida nos registros e outros arquivos, para assim ocultar a irregularidade. Por exemplo, a retirada indevida de dinheiro recebido de clientes poderia ser encoberta, falsificando-se as somas dos registros de cobranças; porém, isto não bastaria, pois, como o valor a creditar aos clientes não poderia ser alterado sem o risco de futuras reclamações, deve-se procurar outro artifício. Diante dos fatos expostos, observa-se que não existem empresas totalmente seguras ou livres de passarem por situações envolvendo fraudes e roubos. Uma maneira de evitá-las, ou ao menos amenizá-las é através da atuação do auditor interno. Este pode executar suas funções, de modo que possa orientar os demais funcionários para a adequação do sistema de controle interno da empresa, onde poderá verificar as falhas existentes e as informar aos colaboradores, dando ênfase à segregação e rotação de funções, estabelecendo limites físicos de acesso aos ativos e confronto destes com os seus respectivos registros. Assegurar o cumprimento de normas legais e organizacionais é outro fator indispensável à prevenção de fraudes corporativas, haja vista que aquelas companhias que gerenciam pró - ativamente os riscos de fraudes levam vantagem competitiva, minimizando seus riscos e, mesmo quando aqueles ainda ocorrem, existem maiores chances de descoberta antecipada, impedindo que se desviem e percam maiores recursos. 4 GESTÃO DE PESSOAS APLICANDO AS ORIENTAÇÕES DA AUDITORIA INTERNA

10 Diante de tantos riscos que uma organização é exposta, há a necessidade de investir em meios de evitar esses danos. Pode-se dizer que uma boa maneira de se precaver é, além de aplicar processos eficientes de seleção e recrutamento, manter os profissionais com talento na empresa. O auditor interno tem recursos para identificar os riscos. Diante disso, ele pode auxiliar a aperfeiçoar as técnicas da gestão de pessoas, devendo essa seguir as orientações oferecidas, aplicando de forma adequada, visando atingir os objetivos organizacionais e pessoais. Conforme já exposto, a gestão de pessoas atua voltada aos funcionários da empresa, desde a captação, desenvolvimento e atitudes para manter os talentos. Desta forma, o estudo relata os principais métodos de gestão, entre eles, recrutamento e seleção e desenvolver e manter talentos. 4.1 Recrutamento e Seleção Recrutamento é a atração dos candidatos para a vaga. Divide-se em externo busca pessoas do mercado de trabalho e interno - atrai pessoas de dentro da empresa. O recrutamento externo é mais complexo. Por precisar de muita divulgação, a captação tão somente de diversos curriculum vitae não é suficiente. Faz-se necessário à aplicação de diversos métodos para atingir esse objetivo, dentre as quais Chiavenato (2008) destaca: a) Anúncios em meios de comunicação: exige a construção de um anúncio chamativo, que informe e atraia. b) Via Internet: é um meio de recrutar que está cada vez mais sendo utilizado, é rápido e simples e permite a comunicação por ; c) Por indicação: a empresa recebe indicação de candidatos através de seus próprios funcionários. É de baixo custo e de efeito a curto prazo. O recrutamento interno tem por objetivo promover os funcionários com talento para os cargos altos hierarquicamente. Isso serve também, de estímulo aos profissionais que buscam se desenvolver na organização. Em contrapartida, a empresa sente mais confiança em ter um colaborador conhecido em funções mais complexas. O recrutamento diferencia-se de seleção, pois o primeiro trata de atrair candidatos e o segundo é o processo que tem por objetivo escolher o candidato que melhor se aproxima dos critérios para o cargo. Chiavenato (2008, p. 133) define como objetivos da seleção de pessoas: A seleção funciona como uma espécie de filtro que permite que apenas algumas pessoas possam ingressar na organização. [...] busca aqueles que são mais adequados aos cargos existentes na organização ou às competências necessárias, visando a manter ou aumentar a eficiência e desempenho humano, bem como a eficácia da organização. A seleção é o momento de se comparar se as exigências da vaga são supridas pelo candidato, assim como se o escolhido é mais preparado para esse cargo que os demais. Dentre outras técnicas de seleção, segundo Chiavenato (2008), podem-se destacar as seguintes:

11 a) Entrevista: trata-se da primeira parte do processo. Nessa etapa, há um diálogo entre o entrevistador e o candidato, ambos procurando saber das intenções e características do outro. É a técnica mais utilizada. b) Provas de conhecimentos ou capacidades: tem por objetivo medir o grau de capacidade ou habilidade com determinadas atividades, como por exemplo, o conhecimento da informática para operar o computador. c) Testes psicológicos: é, principalmente, um teste de comportamento. Seu objetivo é prever, dentro das possibilidades, atitudes que as pessoas teriam em certas situações dentro do ambiente organizacional. Encontrar profissionais com a devida competência não é algo fácil. Principalmente se tiver a missão de encontrar esse funcionário pronto, com toda a inteligência exigida. O processo de seleção não deve somente medir e selecionar habilidades técnicas, mas sim, encontrar e estimular pessoas com capacidade de se adaptar ao novo. Funcionários com essa característica conseguem atualizar-se, aprender competências novas e adequar-se as contínuas mudanças. Utilizar técnicas apropriadas de recrutamento e seleção é o melhor caminho para encontrar as pessoas corretas para cada cargo da empresa e assim diminuir os riscos. Uma empresa que deseja ser bem-sucedida deve saber escolher funcionários com talento, sabendo identificar suas habilidades. E o auditor interno tem um papel importante na seleção: o auxílio ao gerente a identificar a fonte dos riscos. A Auditoria interna, enquanto ferramenta de Controle Interno pode auxiliar a gestão de pessoas a: a) Verificar e desenvolver maneiras de recrutar, atraindo e identificando pessoas com elevado potencial; b) Revisar as atribuições do cargo, unindo a competência desejada, com o foco na capacidade futura; c) Avaliar o profissional pelo seu potencial, e não somente pela sua capacidade atual. O auditor interno, com base nos tópicos acima, faria uma análise e um relatório recomendando ações gerenciais, sendo executadas pela Administração em união com Recursos Humanos. 4.2 Desenvolver e manter talentos A estabilidade de emprego não é garantida para nenhum dos lados. Há um investimento por ambos. Além de outros gastos, a empresa oferece treinamentos e altos salários. O funcionário oferece seu conhecimento, seu talento que gera um diferencial. Quando um dos colaboradores sai da empresa, com ele se vai todo o investimento no profissional. E quando este mesmo funcionário vai para o concorrente? Ele leva na bagagem todo o conhecimento adquirido e passa a ser um capital intelectual ainda maior para a nova empresa. Este conhecimento é um diferencial para as empresas que o possuem. Handy (1994, p. 27) enfatiza a importância da inteligência como diferencial de uma empresa: A inteligência é o novo tipo de ativo. Não se comporta como os outros tipos de ativos e nisso reside o paradoxo. Ao contrário dos outros bens, a inteligência não pode ser dada de presente e será sempre conservada, mesmo que compartilhada. Também não é possível possuir a inteligência de outra

12 pessoa, por mais que se seja dono da empresa na qual essa pessoa trabalha. Se a pessoa sair da empresa e for para outra, levará consigo a inteligência. De nada adiantará a organização ter os mais eficientes métodos de recrutamento e seleção se não investir e manter seus talentos. O funcionário por ser um investimento apresenta riscos, custos e, obviamente, retorno. Portanto, deve receber a devida cautela. Já se passou o tempo em que o salário era o único fator a ser analisado. Não deixou de ser o mais importante para a maioria dos candidatos, entretanto os benefícios se tornaram mais complexos. Os incentivos são fundamentais para manter o profissional na empresa, sejam eles financeiros ou não financeiros. A figura 2 abaixo apresenta os diversos tipos de recompensas: Diretas Salário Direto Prêmios Comissões Financeiras Recompensas Organizacionais Indiretas DSR (para horistas) Férias Gratificações Gorjetas Horas extras 13º salário Adicionais Decorrências financeiras dos beneficiários concedidos Não-Financeiras Oportunidades de Desenvolvimento Reconhecimento e auto-estima Segurança no emprego Qualidade de vida no trabalho Orgulho da empresa e do trabalho Promoções Liberdade e autonomia no trabalho Figura 2 - Os diversos tipos de recompensas Fonte: Chiavenato (2008, p. 281) Certamente, a organização que conseguir manter sempre ativos os colaboradores, recompensando pelo desempenho, terá um capital intelectual eficiente que consiga retribuir o investimento feito pela empresa. Tendo em vista o risco de perder todo o investimento aplicado e ainda entregá-lo de bandeja para o concorrente, o auditor interno assume mais uma função: fazer uma avaliação através do Controle Interno. Essa avaliação consiste, dentre outros, em aplicar questionamentos aos funcionários. Através disto, será possível verificar a opinião do pessoal sobre a empresa e posteriormente providenciar meios que satisfaçam e estimulem os funcionários.

13 Um dos objetivos do controle interno é o estímulo a eficiência operacional. Nesse sentido, conforme Attie (1992), pode-se apontar os seguintes procedimentos: a) Treinamento: apesar de todo o conhecimento já oriundo do funcionário, ele ainda necessita se atualizar constantemente. A empresa capacitando-o para exercer sua função resultará em menores custos, melhor produtividade e pessoal atento e ativo à sua função; b) Plano de carreira: possibilidade de ascensão e aumento de remuneração incentivam os funcionários; c) Relatórios de desempenho: reconhece os pontos fortes e as dificuldades, proporcionando aperfeiçoamento pessoal e profissional; d) Manuais internos: diminuem a ocorrência de erros e desperdícios, pois normatizam os atos; e) Instruções formais: apresentam formalmente as instruções a serem seguidas pelo pessoal, o que gera menor risco de desentendimentos e evitam atritos entre a empresafuncionário. Esses procedimentos têm por finalidade motivar os funcionários da empresa, ou como um termo muito utilizado no meio profissional: Vestir a camisa. Se o funcionário sente as suas necessidades profissionais saciadas, ele não sai da empresa. 5 CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA As contribuições que esta pesquisa bibliográfica pode gerar são: auxiliar em futura análise da ligação entre auditoria interna e gestão de pessoas e como esse processo influencia em atitudes corretas em relação ao capital intelectual, de forma a minimizar os riscos dentro da organização. Mantendo o foco na pesquisa bibliográfica pode-se enfatizar que para as instituições de ensino servirá de estímulo a novas pesquisas nas áreas de ciências contábeis, administração e psicologia, uma vez que demonstra um novo ramo que tem influência para quaisquer destas áreas. Quanto a contribuição para a comunidade acadêmica, enquanto profissionais que já estão ou serão inseridos no mercado de trabalho, a pesquisa é um pequeno passo nas buscas por informações sobre a nova visão que o mercado exige que as empresas obtenham sobre o capital intelectual. Para as empresas a pesquisa contribui para que seja analisado como melhorar o tratamento dado a gestão de pessoas que, sem dúvida, é hoje um diferencial para as organizações e dessa forma atingir retornos recíprocos. Em relação a sociedade em geral, a pesquisa colabora para estimular a constante procura por novos conhecimentos e a cultura pelo desenvolvimento de talentos com objetivo de atender as variadas exigências do mercado. 6 CONCLUSÃO É visível que o mercado está cada vez mais competitivo e as empresas que quiserem se manter ativas e com lucratividade devem analisar, revisar e atualizar os principais aspectos

14 organizacionais. O capital intelectual é um deles, visto que é tido como um fator primordial de sobrevivência e tende a ser um diferencial para as empresas. Profissionais com talento, desde o momento da inclusão na organização podem ser considerados investimentos, e como todos os investimentos, há riscos. Através da Gestão de Pessoas aliada a Auditoria Interna é possível além de evidenciar, prevenir e diminuir esses riscos, identificar e utilizar o capital intelectual como diferencial competitivo, fazendo com que os objetivos organizacionais e individuais sejam atingidos. Através do estudo foi possível verificar que a auditoria interna, conhecida por um foco mais fiscalizador e burocrático, uma vez aplicada à gestão de pessoas apresenta-se como uma nova ferramenta de otimização das relações entre as organizações e o capital intelectual, auxiliando com eficiência nas tomadas de decisões e minimizando os riscos dessa área. Tendo em vista o não esgotamento do assunto, sugerem-se posteriores estudos que aumentem a visão dos procedimentos de Auditoria Interna que melhor se adéquam ao bom desenvolvimento dos trabalhos da Gestão de Pessoas. REFERÊNCIAS ATTIE, William. Auditoria interna. São Paulo: Atlas, 1992.

15 CASTANHEIRA, Nuno Miguel Caeiro. Auditoria interna baseada no risco. Caso português f. Tese de mestrado em contabilidade e auditoria, Universidade do Minho Escola de Economia e Gestão. CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Princípios fundamentais de contabilidade e normas brasileiras de contabilidade. Brasília: CFC, DITTENHOFER, Mortimer. Aspectos comportamentais das fraudes e desvios dos fundos. In: Seminário Internacional de Controle Externo O Controle Externo da Administração Pública no Horizonte do Ano Tribunal de Contas do Estado da Bahia. Anais. Salvador, Disponível em: Acesso em: 18 maio HANDY, Charles. A Era do Paradoxo: dando um sentido para o futuro. São Paulo Makron Books, INSTITUTO DOS AUDITORES INTERNOS DO BRASIL AUDIBRA. Normas internacionais para o exercício profissional da auditoria interna. Disponível em: Acesso em 09 maio KPMG BRASIL. A fraude no Brasil - Relatório da Pesquisa São Paulo: KPMG, p. RASMUSSEN, U. W. Desvios, desfalques e fraudes nas transações de compras nas empresas: uma análise transacional da aplicação dos controles internos na atividade de administração de materiais. São Paulo: Aduaneiras, 1988.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad A importância do RH estratégico para as empresas familiares Sheila Madrid Saad Anos 30... Pagadoria Registros e controles Enfoque jurídico FOCO NA MANUTENÇÃO DA LEGALIDADE Anos 50... Pagadoria Registros

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

FRAUDES EM CONTABILIDADE

FRAUDES EM CONTABILIDADE AUDITORIA COM ENFOQUE EM FRAUDES. AUDITORIA COM ENFOQUE EM FRAUDES Prof. Cláudio Marcelo R Cordeiro 1 O Auditor não tem responsabilidade profissional por detecção de fraudes A administração e o público

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

ORGANIZATI ONAL AGILITY

ORGANIZATI ONAL AGILITY PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO A VANTAGEM COMPETITIVA DO GERENCIAMENTO EFICAZ DE TALENTOS ORGANIZATI ONAL ORGANIZATI ONAL AGILITY AGILITY MARÇO DE 2013 Estudo Detalhado Pulse of the Profession

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Estudo sobre Rotatividade de Funcionários no Brasil Ano I - 2008

Estudo sobre Rotatividade de Funcionários no Brasil Ano I - 2008 Estudo sobre Rotatividade de Funcionários no Brasil Ano I - 2008 Marco A. Quége* INTRODUÇÃO A rotatividade de funcionários (turnover) é sem dúvida um elemento que demanda atenção constante por parte de

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial.

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. Governança Corporativa A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. A virtualização dos negócios tem impactado diretamente a condição de fazer negócio, conferindo

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

SOBRE A NOSSA EMPRESA

SOBRE A NOSSA EMPRESA SOBRE A NOSSA EMPRESA A Resolve Serviços Empresariais Ltda., fundou-se em 1991, com o propósito de oferecer o serviço de mão de obra temporária fundamentada na Lei 6019/74, destacando-se pela ética, agilidade,

Leia mais

VISÃO. Nossa visão é agregar valor sustentável ao cliente, desenvolvendo controles e estratégias que façam com que o crescimento seja contínuo.

VISÃO. Nossa visão é agregar valor sustentável ao cliente, desenvolvendo controles e estratégias que façam com que o crescimento seja contínuo. QUEM É A OMELTECH? VISÃO Nossa visão é agregar valor sustentável ao cliente, desenvolvendo controles e estratégias que façam com que o crescimento seja contínuo. missão A Omeltech Desenvolvimento atua

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais