UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS CAMILA SIMETTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS CAMILA SIMETTE"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS CAMILA SIMETTE DESENVOLVIMENTO DE UM PROCEDIMENTO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA UMA EMPRESA DE MANUFATURA DE CONTROLES ELETRÔNICOS JOINVILLE SC BRASIL 2011

2 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS CAMILA SIMETTE DESENVOLVIMENTO DE UM PROCEDIMENTO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA UMA EMPRESA DE MANUFATURA DE CONTROLES ELETRÔNICOS Trabalho de Graduação apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Engenheira de Produção e Sistemas. Orientador: Dr. José Oliveira da Silva JOINVILLE SC BRASIL 2011

3 3 CAMILA SIMETTE DESENVOLVIMENTO DE UM PROCEDIMENTO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA UMA EMPRESA DE MANUFATURA DE CONTROLES ELETRÔNICOS Trabalho de Graduação aprovado como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheira do curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora: Orientador: Professor José Oliveira da Silva, Dr. Membro: Professor Lírio Nesi Filho, Dr. Membro: Professor Nilson Campos, Msc. Joinville, data (19/10/2011)

4 4 Os verdadeiros vencedores na vida são pessoas que olham para cada situação com a esperança de poder resolvê-la ou melhorá-la. (Barbara Pletcher)

5 5 AGRADECIMENTOS A Deus, pelo ânimo e coragem durante toda a minha caminhada universitária, podendo, então, desfrutar deste momento muito esperado para finalizar mais uma etapa na busca de minha carreira profissional. A minha família que sempre fez parte de minha vida com muito apoio e confiança durante o tempo em que permanecemos distantes. Foi, sem dúvida, minha maior motivação em alcançar mais esta conquista. Ao Joel, meu namorado, por sempre estar ao meu lado, compreendendo-me nos momentos de ausência e me respeitando. Além de me estimular a prosseguir e vencer o cansaço e as preocupações decorrentes da caminhada. Aos professores que contribuíram para a minha formação, com conhecimentos e experiências. Em especial ao professor Oliveira, orientador que me auxiliou com seus sábios conselhos e acreditando no meu potencial. Enfim, agradeço a todos os que estiveram ao meu lado durante toda essa etapa e espero que continuem ao meu lado em busca de novas conquistas.

6 6 CAMILA SIMETTE DESENVOLVIMENTO DE UM PROCEDIMENTO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA UMA EMPRESA DE MANUFATURA DE CONTROLES ELETRÔNICOS RESUMO O mundo é um ambiente em constantes transformações, consequentemente, tudo nele é mutável. Portanto, as organizações inseridas neste contexto precisam acompanhar essa dinâmica adequando-se às exigências do mercado local e mundial. Tais mudanças são vitais para a sobrevivência de qualquer empreendimento. Desse modo, as empresas passaram a repensar, a partir de análises do ambiente externo e interno, em uma nova postura estratégica para dar sustentação à sua continuidade. Partindo desta premissa, buscaram-se alternativas que as tornassem ágeis e competitivas. Nesse cenário, introduz-se a Terceirização como ferramenta de gestão empresarial. O objetivo deste trabalho foi elaborar um procedimento para terceirização. A metodologia utilizada para este estudo foi baseado em um uma pesquisa exploratória, na forma de uma pesquisa ação a partir de uma pesquisa bibliográfica. O trabalho foi realizado em uma indústria de manufatura de controles eletrônicos, situada na região norte do Estado de Santa Catarina. O trabalho constituiu-se de uma análise da situação atual da empresa, seguido da apresentação do procedimento, incluindo todas as etapas necessárias a ser analisado antes de implantar o projeto, como também, o desenvolvimento de um projeto de terceirização. A elaboração do procedimento foi baseada no referencial teórico e nas sugestões expostas em reuniões com a participação de integrantes de diversas áreas da organização. Para uma análise mais geral do procedimento, o mesmo foi apresentado por meio de um fluxo de processo, no qual foi possível identificar de forma resumida todas as fases e respectivas etapas a serem desenvolvidas. Além de identificar algumas melhorias que poderão ser adaptadas ao procedimento, a fim de realizar uma análise mais detalhada nos próximos projetos de terceirização a serem implantados. Como resultado, obteve-se o desenvolvimento de um projeto de terceirização, referente à empresa em estudo, baseando-se no procedimento elaborado. PALAVRAS-CHAVE: Terceirização, gestão empresarial, procedimento.

7 7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Fatores condicionantes da terceirização Figura 2 Quatro razões para terceirizar Figura 3 O Processo de terceirização Figura 4 Procedimento para terceirização Figura 5 Demanda X Capacidade Produtiva... 38

8 8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Vantagens e desvantagens da terceirização Tabela 2 Requisitos para definição dos produtos a serem terceirizados Tabela 3 Projeção de vendas para 2011 a Tabela 4 Riscos e benefícios da terceirização Tabela 5 Análise de riscos Tabela 6 Custo da terceirização nas possíveis empresas parceiras Tabela 7 Custo da terceirização nas possíveis empresas parceiras após- negociação Tabela 8 Resultado da auditoria... 43

9 9 LISTA DE ABREVIATURAS BOM FVT S&GA SKU SMT ICT PTH Bill of Materials (Lista de Materiais) Functional Verification Test (Teste de Verificação Funcional) Sales and General Administration (Vendas e Administração Geral) Stock Keeping Units (Itens em Estoque) Surface Mount Technology (Superfície de Tecnologia Elevada) In Circuit Test (Teste de Circuito) Pin Through Hole (Montagem através de Pino Metálico)

10 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA CONTEXTO DA TERCEIRIZAÇÃO EVOLUÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A VISÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NO MEIO EMPRESARIAL A VISÃO DA TERCEIRIZAÇÃO PELO TOMADOR E PELO PRESTADOR DE SERVIÇOS FATORES CONDICIONANTES DA TERCEIRIZAÇÃO A Terceirização e o Ambiente Estratégico A Terceirização e o Ambiente Organizacional A Terceirização e o Ambiente Econômico A Terceirização e o Ambiente Tecnológico RAZÕES PARA TERCEIRIZAR VANTAGENS E DESVANTAGENS DA TERCEIRIZAÇÃO A QUALIDADE NA TERCEIRIZAÇÃO FORMAS DE APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERCEIRIZAÇÃO CONDIÇÕES BÁSICAS PARA TERCEIRIZAR O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E AS ATIVIDADES QUE PODEM SER TERCEIRIZADAS SELEÇÃO DAS ÁREAS A SEREM TERCEIRIZADAS MODALIDADES BÁSICAS DA TERCEIRIZAÇÃO METODOLOGIA MÉTODO DE PESQUISA ESTUDO DE CASO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 29

11 SITUAÇÃO ATUAL DA EMPRESA DIANTE DA TERCEIRIZAÇÃO ELABORAÇÃO DO PROCEDIMENTO DE TERCEIRIZAÇÃO Fase I Análise Futura da Empresa Fase II Análise de Aspectos da Terceirização Fase III Definição de Parceiro Fase IV Análise de Logística e Demanda Fase V Execução e Controle da Terceirização FLUXO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO VALIDAÇÃO DO PROCEDIMENTO DE TERCEIRIZAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE MELHORIAS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES... 50

12 12 1 INTRODUÇÃO Levar a empresa a adotar posturas inovadoras é hoje, no Brasil, um grande desafio. Os países desenvolvidos trazem à tona esta vantagem que os posicionam com realce no mercado global. Propor, implantar conceitos e modelos de modernização às empresas é, portanto, questão de sobrevivência, aprimorando a gestão e a obtenção de bons resultados no negócio. Para que a modernização realmente ocorra nas empresas é necessário que diretores, gestores, líderes e funcionários em geral estejam conscientes da necessidade da modernização, sendo essa geradora de benefícios fundamentais ao desenvolvimento da empresa, de forma que todos poderão ir à busca de um bem comum para a organização. A modernização pode ser entendida como a combinação de diversos fatores: Tecnologia, Conhecimento da Aplicação, Criatividade, Valorização dos Talentos Humanos e Uso de Técnicas Administrativas Inovadoras (GIOSA, 1997). Neste contexto, o uso da tecnologia, bem como sua exata aplicação, é fundamental para a sobrevivência, pois a empresa estará aprimorando cada vez mais o seu produto, sendo este o diferencial diante do mercado competitivo. Além de que o desenvolvimento e o treinamento das pessoas também são fatores primordiais, os quais proporcionarão condições de maior motivação e qualidade nos serviços. A criatividade deve ser muito bem estimulada, pois servirá de alavanca nos tempos em que a empresa enfrentará com a adequação da modernidade. Finalmente, o uso de técnicas administrativas inovadoras atrairá as inteligências internas, somando eficiência às organizações. Dentro das técnicas administrativas inovadoras se encaixam os conceitos de qualidade, melhoria da produtividade, qualidade total e excelência. Sob esse enfoque surge também como técnica inovadora a terceirização, tratada como prisma estratégico, a qual visa acima de tudo, propor um novo paradigma para a concretização da empresa moderna com excelência (GIOSA, 1997). Na administração de empresas, a terceirização constitui-se em importante fonte de estratégia, de organização e de métodos da atividade empresarial, tratando-se, pois de um processo de gestão e uma técnica de organização. As empresas que se utilizam corretamente da terceirização poderão obter diversos benefícios (MARTINS, 2003). A terceirização urge ser muito bem planejado, caso contrário importará em fracasso. O planejamento deve envolver objetivos definidos, visando à melhoria da qualidade do produto, ao aumento da produtividade e também à redução dos custos.

13 13 Diante do contexto exposto, encontra-se o principal tema deste trabalho, elaboração de um procedimento de terceirização, com a finalidade de mapear todas as etapas necessárias a serem analisadas, visando a facilitar o desenvolvimento do processo de implantação da terceirização, visto que é um projeto de modernização para a empresa e que também poderá ser implantado em outras situações. Neste sentido, encontra-se o fluxo do processo de implantação da terceirização como ferramenta utilizada para identificar todas as etapas necessárias do processo, assim como o conhecimento da sequência e encadeamento das atividades, além de preparar para o aperfeiçoamento do processo. Assim, o objetivo geral do trabalho teve como finalidade elaborar uma proposta de procedimento de terceirização para uma empresa de manufatura de controles eletrônicos. Para alcançar o objetivo geral do trabalho, foram formulados os seguintes objetivos específicos: a) Analisar os fundamentos da terceirização que possam contribuir para realização do procedimento; b) Propor as etapas necessárias para o procedimento, bem como definir as atividades que devem ser realizadas em cada etapa; c) Elaborar um fluxo do processo de implantação da terceirização, identificando todas as etapas, de forma sequenciada, conforme descritas no procedimento; d) Identificar melhorias no processo proposto. Atualmente, observa-se que as empresas não possuem um procedimento adequado para implantar a terceirização, o que consequentemente conduz ao insucesso na parceria, pelo simples fato de não disponibilizarem de informações de apoio à tomada de decisões. Sendo assim, essas companhias realizam projetos de terceirização de acordo com o que acreditam ser o mais correto, sem que ocorra padronização do método. Dessa forma, leva as empresas a repetir erros de projetos passados, que através de um procedimento planejado já poderiam ter sido identificados e eliminados. A importância deste trabalho justifica-se pela dificuldade das empresas em conhecer todas as etapas que deverão ser analisadas, antes de implantar um projeto de terceirização. Neste contexto, será possível observar que além de algumas etapas não serem analisadas, as que são evidenciadas precisam de um longo tempo de execução, pois a empresa não conhece de fato quais dados serão necessários e onde encontrá-los. Dessa maneira, ocorre atraso no tempo de implantação dessa estratégia, afetando todo o desenvolvimento da empresa, mas principalmente em termos de entrega de pedidos aos clientes.

14 14 Este trabalho de conclusão de curso delimitou-se em identificar e definir todas as etapas fundamentais para implantar um projeto de terceirização, bem como mapeá-las de forma sequenciada, elaborando assim um procedimento, com vistas a ser aplicado em uma empresa do setor eletrônico. Assim, formulou-se a questão pertinente deste trabalho: como elaborar um procedimento de terceirização para uma empresa de manufatura de controles eletrônicos a fim de facilitar o desenvolvimento do processo de implantação da terceirização? A hipótese formulada foi: a percepção das etapas necessárias para o procedimento pôde ser obtida por meio do referencial teórico, o qual evidenciará a importância e a necessidade de analisar cada etapa, bem como, por meio de reuniões realizadas junto a integrantes de diversas áreas da empresa em estudo. Esse procedimento será validado com o projeto de terceirização a ser implantado pela mesma empresa. Não faz parte deste estudo a implantação sistemática das melhorias propostas. Para melhor compreensão do estudo realizado, este trabalho foi composto por cinco capítulos que foram apresentados da seguinte forma: O primeiro capítulo foi composto pela introdução, onde foram descritos o tema, a definição do problema, o objetivo geral e específico, a justificativa, a delimitação do trabalho, a pergunta de pesquisa e a hipótese; O segundo capítulo apresentou a fundamentação teórica, a qual foi utilizada para relacionar os conceitos pertinentes ao tema em estudo, também servir de base para compreender e solucionar o problema proposto; O terceiro capítulo contemplou a metodologia aplicada a este trabalho; O quarto capítulo abrangeu a apresentação da empresa, a descrição da situação atual da empresa diante da terceirização, a proposta do procedimento e o desenvolvimento de um projeto de terceirização, seguindo o procedimento elaborado; O quinto e último capítulo tratou das considerações finais do autor perante o tema em estudo.

15 15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 CONTEXTO DA TERCEIRIZAÇÃO Terceirizar é transferir para outras empresas, mediante contrato, atividades não essenciais da empresa. A essência da terceirização consiste no fato de que uma empresa não executa atividades com seus empregados, mas com empregados das empresas contratadas para esse fim (LACOMBE 2003, p.509). Pagnoncelli (1993) define a terceirização como sendo um processo planejado de transferência de atividades a serem realizadas por terceiros. Segundo Queiroz (1998) a terceirização é um processo de busca de parcerias, determinado pela visão empresarial moderna e pelas imposições do mercado. Dessa forma, faz com que os empresários se preocupem com a qualidade, competitividade, agilidade de decisão, eficiência e eficácia que acabam resultando na manutenção dos clientes e consumidores. Moreira (1993) define a terceirização de forma mais simples, repassar gradativamente para terceiros as atividades-meio, concentrando cada vez mais nas atividades-fim da empresa. Afinal, nenhuma empresa é capaz de ser especialista em tudo. Conforme o mesmo autor é necessário que a empresa seja muito boa naquilo que é sua vocação principal, para que possa continuar competitiva no mundo dos negócios. De acordo com Giosa (1997, p.11), a terceirização é um processo de gestão pelo qual se repassam algumas atividades para terceiros, estabelecendo assim, uma relação de parceria, ficando a empresa concentrada apenas em uma tarefa essencialmente ligada ao negócio da empresa em que atua. Neste contexto, surge o processo de gestão e parceria, sendo que o processo de gestão é entendido como uma ação sistêmica, processual, que tem critérios de aplicação (início, meio e fim), uma visão temporal (curto, médio e longo prazo) e uma ótica estratégica dimensionada para alcançar objetivos determinados e reconhecidos pela organização. Já o conceito de parceria é entendido como uma nova visão de relacionamento comercial, cujo fornecedor migra de sua posição tradicional, passando a ser o verdadeiro sócio do negócio, num regime de confiança pleno junto ao cliente, refletindo a sua verdadeira e nova função de parceiro (GIOSA, 1997).

16 16 No que tange à gestão, Alvarez (1996, p. 16) explica que, a terceirização só é possível se acompanhada de ampla mudança no estilo de gestão, o que transcende as mudanças de cunho estrutural. Dessa forma, conforme Schlindwein, Freitas e Barth (2010), após a formalização da terceirização, é preciso que os administradores saibam acompanhar adequadamente todos os aspectos envolvidos com a prática desta negociação, através da gestão do processo, visando alcançar valor ao negócio principal da empresa. 2.2 EVOLUÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO O método de contratar terceiros, de acordo com Leiria e Saratt (1995), surgiu nos Estados Unidos, antes da Segunda Guerra Mundial, e consolidou-se como técnica administrativa a partir da década de 1950, devido ao desenvolvimento acelerado da indústria. Já no Brasil, a terceirização foi gradativamente implantada com a vinda das primeiras multinacionais, principalmente as automobilísticas, na década de 80. O processo de terceirização começa a avançar rapidamente, em parte devido à distorção de encargos trabalhistas excessivamente elevados, mas também devido à saudável conscientização sobre a importância de a empresa se concentrar em sua especialidade específica, comprando de terceiros o restante (KUEHNE, 2000). De acordo com Queiroz (1998), a terceirização surgiu com a finalidade de melhorar a qualidade nas atividades das organizações, ou seja, as empresas contratam um prestador de serviço que fica conhecido como empresa terceirizada, passando a assumir as responsabilidades das atividades de meios da empresa contratante, assim as organizações contratantes poderão desempenhar melhor o papel em suas atividades- fim obtendo qualidade dos produtos e menores custos. Atualmente, conforme Kardec e Carvalho (2002), a terceirização se tornou tendência global, pois o objetivo é concentrar-se cada vez mais nas atividadades-fim e naquelas atividades-meio mais próximas do seu negócio, além de optar pela redução no tamanho e redução de fornecedores através da formação de parcerias, com o objetivo de buscar maior qualidade, melhor atendimento aos clientes e menor custos nos produtos ou serviços. Dessa forma, observa-se que a tendência mundial e, por consequência no Brasil, é o avanço da terceirização como opção estratégica.

17 A VISÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NO MEIO EMPRESARIAL É possível notar que em algumas oportunidades a terceirização tem sido evitada em empresas, em outras ocasiões observa-se que os empresários e seus executivos veem na terceirização uma alternativa interessante, sendo uma nova conotação da antiga prestação de serviços. De acordo com Queiroz (1998), a maior parte dos empresários, diretores, gerentes, supervisores e chefes buscam a terceirização como uma eficiente e eficaz alternativa que gera a flexibilidade empresarial com qualidade, proporcionando agilidade, simplicidade e competitividade nas empresas. Nesta situação, as empresas entendem que a implantação de projetos de terceirização trará inúmeras vantagens e benefícios, tornando-as mais flexíveis e adaptando-as mais facilmente às rápidas mudanças do mercado e com isso passam a ser líderes no seu segmento, com ganhos consideráveis. Em face da nova realidade econômica e financeira e da competitividade do mercado brasileiro, o desenvolvimento de projetos de terceirização é uma importante meta a ser atingida, pois conforme Kuehne (2000), as empresas estão optando por terceirizar para ter acesso a outras especializações e tecnologias. Portanto, observa-se que a implantação da técnica da terceirização é fundamental para que as empresas possam responder com agilidade e descobrir as oportunidades de negócios num ambiente de forte concorrência interna e externa. 2.4 A VISÃO DA TERCEIRIZAÇÃO PELO TOMADOR E PELO PRESTADOR DE SERVIÇOS O grande avanço da técnica de terceirização está gradativamente mostrando que o comportamento dos tomadores e dos prestadores vem mudando conscientemente para uma relação de parceria, na qual a autonomia e a independência de ambos estão cada vez mais acessíveis.

18 18 Segundo Queiroz (1998), o tomador preocupa-se com as eventuais ocorrências fiscais e trabalhistas; com a necessidade de investir no treinamento do terceiro; com as resistências internas para as mudanças; com a prestação de serviço com qualidade e também com a transferência da tecnologia, a qual poderá cair em tentação do concorrente, ou o prestador pode tonar-se um competidor. Já no enfoque do prestador, os anseios estão voltados para a intenção do tomador em apenas reduzir seus custos com mão-de-obra, sem se interessar pela qualidade, especialidade e competência do parceiro; manter a sua atividade no tomador sem se submeter aos interesses econômicos deste; que o tomador acompanhe o desenvolvimento das atividades do prestador, avaliando sempre a qualidade dos resultados e informando adequadamente os pontos positivos e negativos, para neste último caso proceder às correções necessárias. Neste contexto, constata-se que ambos estão motivados para juntos progredirem no desenvolvimento da parceria, conscientes de que as duas partes atingirão bons resultados. 2.5 FATORES CONDICIONANTES DA TERCEIRIZAÇÃO Giosa (1997, p. 21) considera de uma forma ampla, uma série de fatores que condicionam, de maneira efetiva e determinante do sucesso, a implantação de processos de terceirização nas empresas, conforme mostra a figura 1. Ambiente Político Ambiente Estratégico Ambiente Organizacional Ambiente Tecnológico Ambiente Jurídico/Legal TERCEIRIZAÇ Ambiente Social Ambiente Econômico Figura 1 Fatores Condicionantes da Terceirização Fonte: Giosa, 1997

19 19 Assim, este trabalho abordou alguns fatores como sendo chaves para a elaboração do procedimento de terceirização proposto nesse estudo: Ambiente Estratégico, Ambiente Organizacional, Ambiente Econômico e Ambiente Tecnológico A Terceirização e o Ambiente Estratégico O ambiente estratégico da companhia, necessariamente, deve se reportar ao processo de planejamento que precisa abordar os motivos da existência da empresa, conhecendo e focalizando a sua verdadeira missão, os objetivos e as diretrizes, as políticas gerais e setoriais, além de um conhecimento amplo do mercado e formas de comercialização. Dessa forma, conhecendo tais aspectos, o processo de terceirização será bem estruturado e alinhado ao plano estratégico da organização. Após optar pela estratégia de terceirização, faz-se necessário informar aos funcionários sobre o novo sistema de gestão que será implantado, em função das possíveis alterações em suas atividades, visando ao comprometimento dos mesmos com o novo processo. Neste contexto, a organização necessita de um bom planejamento para além de manter, também aumentar a abrangência de mercado e sempre focar na qualidade de seus produtos, com isso não haverá meios da concorrência se destacar A Terceirização e o Ambiente Organizacional Nestes fatores, o ambiente organizacional da empresa será impactado pela terceirização nos seguintes aspectos: Espaço físico de ocupação da empresa; Estrutura funcional, com alterações nos níveis hierárquicos; Quadro de pessoal; Controles internos e sistemas de informações gerenciais. Giosa (1997) comenta diversos aspectos, porém destaca aqueles que mais se relacionam com o tema em estudo.

20 A Terceirização e o Ambiente Econômico O ambiente econômico da empresa, com a implantação da terceirização, sofrerá impacto na estrutura de custos internos, pois deverá ser adaptada à nova sistemática, assim como no nível de investimentos que poderá haver variações de planejamento, de acordo com a agilidade de implantação da terceirização, O impacto também ocorrerá nos preços e tarifas praticadas, considerando a participação dos serviços que têm influência, direta ou indireta, na determinação do cálculo final e ainda nos custos dos processos de produção, dos processos de distribuição, comercialização e das atividades administrativas de apoio, pois refletem diretamente na máquina administrativo-operacional da empresa A Terceirização e o Ambiente Tecnológico O ambiente tecnológico da companhia será impactado pela disponibilidade do uso da tecnologia pelas empresas prestadoras de serviço; pela adequação da tecnologia, na adaptação dos equipamentos ao nível de exigência do cliente, e; pela necessidade de transferência do conhecimento da utilização da tecnologia para a empresa contratada. Diante do exposto, há a possibilidade de desenvolver um plano de melhoria tecnológica e propor ao contratante, o que consequentemente obterá melhores resultados operacionais e o cliente terá melhor satisfação com seus produtos. 2.6 RAZÕES PARA TERCEIRIZAR Giosa (1997) justifica quatro motivos pelos quais levam as empresas a optar pela terceirização, conforme demonstra a figura 2. Desenvolver o processo de terceirização é saudável porque a empresa se organiza, revisando a sua saúde interna, através de mudanças estruturais, culturais e sistêmicas, garantindo resultados e motivando o corpo funcional; é mais negócio porque, com a terceirização a empresa irá voltar-se totalmente para sua atividade principal; a terceirização agiliza porque a empresa estará presente em todas as operações que a levem a se adequar ao novo modelo organizacional, e; é estratégico porque toda uma nova filosofia organizacional é

21 21 implantada na empresa, é realizada uma revisão da sua missão e valores, todo o corpo funcional se conscientiza para os novos tempos que a empresa irá perseguir, além de ocorrer uma reestruturação interna com a redistribuição de atividade e de funções. Porque é saudável Porque é estratégico Porque é negócio Porque agiliza Figura 2 Quatro razões para terceirizar Fonte: Giosa, 1997 Kuehne (2000) identifica oito razões para terceirizar, conforme seguem: 1. Poder focalizar as operações essenciais; 2. Reduzir os custos operacionais; 3. Melhorar operações adjuntas, tais como o serviço de atendimento ao consumidor; 4. Ter acesso a especializações e recursos que não se tem em casa; 5. Poupar os recursos disponíveis para o negócio principal; 6. Aumentar o capital; 7. Livrar-se das operações que são difíceis de administrar; 8. Reduzir os riscos, tais como investimento em novas tecnologias. Consoante com o apresentado verificou-se que esses contribuem efetivamente com o empresário, para entender os processos de mudanças decorrentes da introdução da terceirização nas companhias. 2.7 VANTAGENS E DESVANTAGENS DA TERCEIRIZAÇÃO A terceirização, como qualquer modelo de gestão, apresenta vantagens e desvantagens para a empresa e devem ser levadas em consideração e muito bem analisadas.

22 22 Existem inúmeras vantagens e desvantagens da terceirização, citadas pelos autores: Queiroz (1998), Kardec e Carvalho (2002), Giosa (1997). Moreira (1993), com possibilidade de classificá-las em Estratégicas e Econômicas, conforme a tabela 1. Tabela 1 - Vantagens e Desvantagens da Terceirização Vantagens Estratégicas - Melhoria na qualidade - Aumento de produtividade - Ganhos de espaços físicos - Especialização na atividade-fim - Aumento da competitividade - Agilidade das decisões Desvantagens Estratégicas - Risco de desemprego - Aumento da dependência de terceiros - Perda de poder sobre o terceiro - Dificuldade em encontrar parceiros - Resistências sobre técnicas modernas Vantagens Econômicas - Redução de custos/despesas - Crescimento econômico - Redução de estoques - Diminuição de desperdícios Desvantagens Econômicas - Falta de parâmetros de custos internos para comparar com os preços dos terceiros - Custos das demissões Fonte: Adaptado de Kardec e Carvalho (2002) e Queiroz (1998) Dentro deste parâmetro, levando em consideração as vantagens e desvantagens da terceirização, as empresas devem chegar a um equilíbrio decisório, sempre com a visão estratégica para a implantação da terceirização. 2.8 A QUALIDADE NA TERCEIRIZAÇÃO As atividades terceirizadas podem conduzir a um maior controle da qualidade, há redução dos desperdícios e retrabalho, tornando a empresa mais competitiva para enfrentar os desafios cada vez maiores, advindos da era contemporânea, em meio à globalização econômica. Para administrar a qualidade deve-se buscar continuamente à satisfação do cliente, todavia as necessidades das pessoas mudam continuamente e os concorrentes estão sempre tentando se enquadrar a estas mudanças, segundo Campos (2004, p. 109), dentro desta ótica a inovação contínua tem como referência os clientes e os concorrentes.

23 23 De acordo com Moraes e Mortari (2005), aquele que pretende terceirizar uma atividade de sua empresa deve acima de tudo buscar qualidade, para que a relação dê certa, deve-se ter confiança no parceiro, tendo em vista à necessidade de se fazer a escolha correta na hora de terceirizar. Conforme Queiroz (1998), o mercado tomador de serviços vai exigir das empresas mais qualidade na oferta de seus serviços, porque estará em jogo a sobrevivência empresarial. Os resultados da execução das atividades, da melhor forma possível, são os ganhos de produtividade com a otimização econômica e financeira. O mesmo autor comenta que da parte do tomador deverá existir uma preocupação constante em auditar a qualidade do parceiro, sempre a comparando com os parâmetros préestabelecidos e que são esperados. Nesse enfoque, observa-se que a qualidade é a principal preocupação, considerando-se que é dela que vai depender da empresa parceira. Desse modo, o parceiro deve por ética prover as mesmas garantias da qualidade da empresa contratante. 2.9 FORMAS DE APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERCEIRIZAÇÃO Para melhor entendimento, Moreira (1993) classifica as diferentes formas de aplicação da técnica de terceirização: A desverticalização consiste em passar para o fornecedor externo, especializado, que atuando nas suas próprias instalações, manufatura partes e componentes especializados pelo tomador; A prestação de serviços é a forma mais utilizada. É quando o terceiro intervém na atividade-meio do tomador, executando o seu trabalho nas instalações destes, ou onde for determinado; Compra de serviços é quando as empresas estão com a sua capacidade produtiva saturada e necessitam aumentar as suas atividades. Buscam parceiros especializados, para mediante especificações técnicas complementam a sua capacidade produtiva; A locação de mão-de-obra esta forma poderá ser desenvolvida de três maneiras diferentes: trabalho temporário, trabalho sindicalizado e trabalho cooperado.

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS Aline Cachadare BROGGIO 1 - RGM 072128 Gabriela de Cassia BRAGA¹ - RGM 073270 Jaqueline Macedo PERIN¹ - RGM 073967 Natali de Fatima SILVA¹ - RGM 069900 Renato Francisco

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Relato da experiência de remodelagem de um processo de controle de operações seguradas em um banco de fomento

Relato da experiência de remodelagem de um processo de controle de operações seguradas em um banco de fomento Gestão de Processos / BPM Relato da experiência de remodelagem de um processo de controle de operações seguradas em um banco de fomento Aline Vieira Malanovicz 06/abril/2009 Visão Estratégica / de Processo

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

SOBRE A NOSSA EMPRESA

SOBRE A NOSSA EMPRESA SOBRE A NOSSA EMPRESA A Resolve Serviços Empresariais Ltda., fundou-se em 1991, com o propósito de oferecer o serviço de mão de obra temporária fundamentada na Lei 6019/74, destacando-se pela ética, agilidade,

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A essência da terceirização visa trazer às empresas contratantes desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, busca de qualidade, controles

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Um novo. modismo gerencial?

Um novo. modismo gerencial? Um novo modismo gerencial? por Cesar Gomes de Mello A imprensa vem divulgando várias notícias sobre empresas e projetos de quarteirização. Afinal, o que é isto? Um novo modismo que aparece no mundo dos

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais