Retirada da ISAF do Afeganistão e Implicaçoes para o Paquistão e Região

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Retirada da ISAF do Afeganistão e Implicaçoes para o Paquistão e Região"

Transcrição

1 Maj Inf MUHAMMAD ZIA KHAN Retirada da ISAF do Afeganistão e Implicaçoes para o Paquistão e Região Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Ciências Militares. Orientador: Ten Cel Com Felipe Drumond Moraes Rio de Janeiro 2014

2 Maj Inf MUHAMMAD ZIA KHAN Retirada da ISAF do Afeganistão e Implicaçoes para o Paquistão e Região Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Ciências Militares. Aprovado em / / COMISSÃO AVALIADORA TC FELIPE DRUMOND MORAES - PRESIDENTE Escola de Comando e Estado-Maior do Exército TC FLÁVIO ROBERTO BEZERRA MORGADO - MEMBRO Escola de Comando e Estado-Maior do Exército TC JULIO CESAR TOLEDO SOUSA DE ALMEIDA - MEMBRO Escola de Comando e Estado-Maior do Exército

3 À minha família. A homenagem pelo carinho, compreensão e apoio demonstrados durante a realização deste trabalho.

4 Z64 Zia Khan, Muhammad Retirada da ISAF do Afeganistão e implicações para o Paquistão e região / Muhammad Zia Khan f. : 30 cm. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Ciências Militares) Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro, Bibliografia: f Isaf - Afeganistão. 2. Paquistão. I. Título. CDD

5 AGRADECIMENTOS Ao TC Felipe Drumond meus sinceros agradecimentos por todas as orientações prestadas, que muito contribuíram para a realização desta pesquisa. Ao Brigadeiro Anwaar Ahmad, do Exército do Paquistão, a grata satisfação pelo apoio na transmissão de conhecimentos, imprescindíveis à elaboração deste trabalho. Ao TC Atif Rafique, do Exército do Paquistão, pelo suporte prestado na aplicação dos questionários, os quais colaboraram de maneira positiva para a conclusão deste estudo. A todos os oficiais integrantes da Seção de Pós-graduação da ECEME, que transmitiram importantes conhecimentos que muito contribuíram na realização desta monografia. A meus familiares meus sinceros agradecimentos por tudo.

6 RESUME Pakistan is located in a region of geo-strategic importance. On one side it has neighbours like China, India and Iran, which are regional powers with big economies with two of them nuclear powers and on the other hand it has country like Afghanistan to its West, which is war torn, ridden with conflicts and the play ground of major powers almost through the entire length of its history. On one side the presence of trans-national forces in Afghanistan generates a great conflict in its neighbourhood and on the other hand, various insurgent groups with their strength and base in Afghanistan harnessed by elements hostile to Pakistan are threatening the very existence of Pakistan. The security dilemma of Pakistan has never been that acute. Following the invasion of the Afghanistan by the US and its allies, Pakistan Army for the first time entered in its Tribal Areas (FATA) in 2002, which then turned into a battle field as a result of the skirmishes with the elements of the Talibans withdrawing from Afghanistan. Over a period of time, the elements hostile to Pakistan in Afghanistan turned these skirmishes into a full fledged insurgency by the creation of the TTP (Tehreek-e-Taliban Pakistan) in This insurgency has proven to be a stumbling block to the progress and stability of Pakistan, with the economy loosing to around 96 Billion US Dollars according to conservative estimates, killing of around 60,000 of its citizens in terrorist related incidents (including around 15,000 personnel from Law Enforcement Agencies) and enormous damage to the infra-structure. The prevailing situation in Afghanistan has become a subject of vital importance for the security, stability and well being of Pakistan. US and its allies having stayed in Afghanistan for around 13 years are now tired off the fighting and want to pull out of the región, mainly due to the heavy cost of the fighting, with no end to fighting in sight and adverse public opinion. In the absence of a stable government and reliable security mechanism in Afghanistan, the situation is likely to aggravate creating implications for the region especially Pakistan, which shares longest border with it. It is in this backdrop that this study has been carried out to determine the implications of the withdrawal of the ISAF from Afghanistan for the region in general and Pakistan in specific with a view to draw suitable conclusions and suggest a suitable course of action for the main players especially the United States and Pakistan. The study covers the brief history of the Afghanistan with events leading to the rise of the Talibans and their subsequent overthrow by the United States and its allies, main reasons for the failure of the allies in putting the Afghan Society on the path of progress and order, likely implications from the withdrawal of the ISAF and the recommendations for preventing the country sliding back into anarchy.

7 RESUMO O Paquistão está localizado em uma região de importância geoestratégica. De um lado, tem vizinhos como China, Índia e Irã, que são potências regionais com grandes economias, sendo dois deles potências nucleares e, por outro lado, tem país como o Afeganistão, a oeste, que está devastado pela guerra, dedruçado em conflitos e de recreio das grandes potências durante quase toda a extensão de sua história. De um lado, a presença de forças transnacionais no Afeganistão gera um grande conflito na sua vizinhança e, por outro lado, vários grupos insurgentes, com a sua força e base no Afeganistão, com elementos hostis ao Paquistão, ameaçando a própria existência do Paquistão. O dilema de segurança do Paquistão nunca foi tão agudo. Depois da invasão do Afeganistão pelos os EUA e seus aliados, o Exército do Paquistão pela primeira vez entrou em suas áreas tribais (FATA), em Esta área depois se transformou em um campo de batalha, como resultado das escaramuças com os elementos dos Talibãs, oriundos do Afeganistão. Durante um período de tempo, os elementos hostis ao Paquistão no Afeganistão transformaram essas escaramuças em uma insurgência estruturada através da criação do TTP (Tehreek-e-Talibã Paquistão), em Este insurgência tem provado ser um obstáculo para o progresso e estabilidade do Paquistão, cuja perda econômica foi de cerca de 96 bilhões de dólares até agora, segundo estimativas conservadoras e que matou cerca de 60 mil habitantes, em incidentes relacionados ao terrorismo (incluindo cerca de funcionários das forças de segurança), além de ter causado enormes danos à infraestrutura. A situação no Afeganistão tornou-se num assunto de importância vital para a segurança, a estabilidade e o bem-estar do Paquistão. Os EUA e seus aliados permanecem no Afeganistão há cerca de 13 anos e estão cansados com a luta. Querem sair da região, principalmente devido ao alto custo de conflito, sem previsos de acabar e à opinião pública adversa. Na ausência de um governo estável e de um confiável mecanismo de segurança no Afeganistão, a situação é susceptível de agravar e criar mais implicações para a região, especialmente o Paquistão, que compartilha maior fronteira com ele. É neste contexto que o presente estudo foi realizado, para determinar as implicações da retirada da International Security Assistance Force (ISAF) do Afeganistão para a região, em geral, e o Paquistão, em específico, com vista a tirar conclusões adequadas e sugerir um curso adequado de ação para aos principais envolvidos, especialmente os EUA e o Paquistão. O estudo abrange a breve história do Afeganistão, com eventos que levaram à ascensão dos Talibãs e sua posterior derrubada pelos os EUA e seus aliados, as principais razões para o fracasso dos aliados em colocar a sociedade Afegã no caminho do progresso e da ordem, prováveis implicações da retirada da ISAF e as recomendações para evitar que o país volte para a anarquia.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos HIPÓTESE DELIMITAÇÃO DO ESTUDO RELEVÂNCIA DO ESTUDO METODOLOGIA TIPOS DE PESQUISA COLETA DE DADOS TRATAMENTO DE DADOS LIMITAÇÕES DO MÉTODO PERSPECTIVA HISTÓRICA E OPERAÇÃO ENDURING FREEDOM BREVE HISTÓRIA SÉCULO 19 - THE GREAT GAME REVOLUÇÃO SAUR E A INVASÃO SOVIÉTICA RETIRADA DA UNIÃO SOVIÉTICA E DISPUTAS INTERNAS GOVERNO DOS TALIBÃS LIGAÇÃO ENTRE A AL QAEDA E O TALIBÃ... 7

9 3.1.6 O AMBIENTE LEVANDO À OPERATION ENDURING FREEDOM OPERAÇÃO ENDURING FREEDOM GERAL OBJETIVOS ACORDO DE BONN MISSÃO DA ISAF EXPANSÃO DA ISAF RESURGIMENTO DOS TALIBÃS REORGANIZAÇÃO RESURGIMENTO PASHTUNS DESENCANTADOS RESISTÊNCIA ENCORAJADA MUDANÇA DE FOCO PARA O IRAQUE REVISÃO DOS OBJETIVOS SOB A PRESIDÊNCIA DE OBAMA A RETIRADA LISBON SUMMIT CHICAGO SUMMIT CONFERÊNCIA DO TÓQUIO CALENDÁRIO PARA A TRANSIÇÃO DE SEGURANÇA O ESTADO ATUAL AMBIENTES PÓS RETIRADA NO AFEGANISTÃO GERAL... 14

10 4.2 DINÂMICA INTERNA DO AFEGANISTÃO REALIDADES GEOGRÁFICAS, ÉTNICAS E DEMOGRÁFICAS GOVERNANÇA NO AFEGANISTÃO CONDIÇÕES ECONÔMICAS SEGURANÇA MEIO AMBIENTE INTERESSES DOS ATORES EXTERNOS EUA PAQUISTÃO ÍNDIA IRÃ ARÁBIA SAUDITA CHINA REPÚBLICAS DA ÁSIA CENTRAL RÚSSIA EUROPA CENÁRIOS E IMPLICAÇÕES PRINCIPAIS ATORES MOLDANDO OS CENÁRIOS FUTUROS GERAL AS NEGOCIAÇÕES DE PAZ ELEIÇÕES AFEGÃS LÍDER PÓS-KARZAI GESTÃO ECONÔMICA SISTEMA DE GOVERNANÇA REAÇÃO DOS TALIBÃS... 30

11 5.1.8 ACEITAÇÃO REGIONAL / INTERNACIONAL CAPACIDADE DA ANSF CENÁRIOS PROVÁVEIS E IMPLICAÇÕES CENÁRIO 1 (GOVERNO DE BASE AMPLA - ESTABILIDADE RELATIVA) CENÁRIO 2 (CONTROLE TALIBÃ) CENÁRIO 3 (GUERRA CIVIL) CENÁRIO 4 (DIVISÃO) CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES EUA PAQUISTÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 43

12 1 1. INTRODUÇÃO O Afeganistão tem uma história traiçoeira e seu futuro não é previsível. O País tem uma história de um elevado grau de descentralização e resistência à invasão e ocupação estrangeira. Sua história está repleta de guerras e outros conflitos violentos, inclusive recentemente,com mais de três décadas de ocupação estrangeira, guerra civil, e uma insurgência, desde Mais de 11 anos depois de iniciada, a tragédia da guerra Americana no Afeganistão tem-se revelado extremamente irrelevante para a vida do povo Afegão e para as tropas americanas. Os EUA têm lutado a sua própria guerra, em defesa de uma forma de governo, e de um conjunto de funcionários do governo, há muito desacreditada, que os Afegãos comuns nunca teriam escolhido, por vontade própria e que não têm poder de substituir. A ajuda tem fornecido muito do progresso desde 2001, inclusive em serviços essenciais, infraestrutura e administração do governo, mas também tem sido relacionada com a corrupção, a baixa eficácia da ajuda e uma governança enfraquecida. A incerteza e a insegurança política poderiam minar a transição e o desenvolvimento do Afeganistão. A experiência internacional demonstra que a violência e, especialmente, a insurgência interna prolongada são extremamente prejudiciais para o desenvolvimento, e que a estabilidade política e a consolidação são ingredientes-chave da transição para um desenvolvimento pacífico. Isto destaca a importância de se chegar a uma solução pacífica para a insurgência do Talibã e a necessidade de consolidação política. O sucesso no Afeganistão não está, e não pode ser alcançado, através da derrota militar dos Talibãs. Encontra-se na construção da alternativa positiva viável. A questão não está em quando as tropas desocuparão o Afeganistão, mas em que condições e estado, estão deixando o país, que foi governado pelos EUA por mais de uma década? Qual é o futuro do Afeganistão sitiado e quais são as perspectivas futuras para o país vizinho, o Paquistão? Qual é o papel que o Paquistão pode desempenhar na transição suave de poder dos EUA e seus aliados para o povo Afegão? As últimas três décadas de combates no Afeganistão tiveram um sério efeito sobre o Paquistão, prejudicando sua economia e a situação de lei e da ordem. Se o Afeganistão desestabilizar, o Paquistão vai sofrir e vice-versa. Assim, é de

13 2 maior interesse do Paquistão que haja a paz, o progresso e a estabilidade no Afeganistão. 1.1 PROBLEMA Os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos mudaram a percepção de segurança no mundo. A primeira região afetada pelo resultado destes ataques foi o Afeganistão, que enfrentou a ataque dos Estados Unidos e seus aliados, tendo falhado em extraditar Osama Bin Laden para os EUA (responsável pelas ataques de 11/9 nos EUA). Os pensadores e os planejadores da invasão do Afeganistão em 2001 não pensaram nas repercussões futuras de sua ação, expulsando o governo Talibã no Afeganistão. Em uma série de erros que a coalizão cometeu nos anos seguintes, implantou o governo mais corrupto que já existia no país, mantendo-o apoiado durante os últimos 13 anos. Isto resultou em aumento no ódio entre a população para o governo afegão em geral, e para os EUA e seus aliados em particular, resultando em refortalecimento dos Talibãs e de outros grupos. A região localizada no entorno do Afeganistão sofreu como um todo, devido à deterioração da situação de segurança naquele país. Compartilhando a mais longa fronteira com o Afeganistão, o Paquistão recebeu a maior parte do problema. As suas áreas tribais, entre a fronteira com o Afeganistão, tornaram-se o centro de combates entre o Exército do Paquistão e os Talibãs e outros elementos, oriundos do Afeganistão. A situação se agravou ainda mais com a criação do TTP(Tehreek-e- Talibã) em suas áreas tribais, financiados e treinados principalmente, pelos elementos hostis ao Paquistão no Afeganistão. A insurgência que se seguiu resultou na morte de milhares de cidadãos e sérios danos à economia e à infraestrutura. Cansados com a guerra no Afeganistão, os EUA e seus aliados estão se preparando para deixar o país nas mãos de órgãos da administração e forças de segurança altamente impopulares e corruptas, cuja capacidade real está a ser determinada ainda. Qualquer situação futura no Afeganistão afetaria toda a região. É neste cenário que há uma necessidade de se estudar as implicações da retirada da ISAF do Afeganistão e as várias medidas para evitar o resultado negativo.

14 3 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral Analisar a retirada da ISAF e das forças dos EUA do Afeganistão, as suas implicações para o Paquistão e para a estabilidade regional mais ampla, com vista a recomendar medidas adequadas para o Paquistão e para os EUA Objetivos Específicos - Analisar perspectiva histórica e a Operação Enduring Freedom. - Analisar os ambientes pós retirada da ISAF do Afeganistão. - Analisar os cenários e implicações. - Apresentar recomendações de medidas adequadas para solucionar o problema. 1.3 HIPÓTESE A situação no Afeganistão é volátil e tem o potencial de afetar toda a região, como já o fez no passado. Todos os países vizinhos têm as suas apostas sobre o possível resultado da retirada da ISAF. A partir do Oriente, a China tem o problema da militância islâmica em suas áreas adjacentes ao Afeganistão, que ganhariam impulso se o Afeganistão desestabilizasse. Da mesma forma, os Estados da Ásia Central, no Norte, que também têm problemas de militância islâmica. O Irã a oeste do Afeganistão, não é uma exceção, pois tem problema da militância islâmica sunita, em áreas de fronteira, que tem seus refúgios no Afeganistão. O Paquistão, a sudeste do Afeganistão, compartilha a mais longa fronteira desse país. Nessa fronteira, há pashtuns que vivem em ambos os lados. Nessas áreas, em território paquistanês, comumente conhecidas como Áreas Tribais sob Administração Federal (FATA), têm o problema da insurgência Talibã, que está tentando expandir para outras áreas habitadas e tem o potencial de ameaçar a existência do país. Estes elementos do Talibã têm uma fonte constante de reforço no Afeganistão. Se a situação pós ISAF no Afeganistão continuar caótica, a insurgência nas FATA provávelmente, ganharia mais força. Mantendo estes aspectos em mente, o estudo baseia-se na hipótese de que a estabilidade pós ISAF no Afeganistão é do interesse de todo o mundo em geral e dos seus vizinhos em particular, e todos os esforços possíveis devem ser

15 4 assegurados por todos os stakeholders para estabilizar o Afeganistão e evita a volta da guerra civil da década passada. 1.4 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO Esta pesquisa concentra-se principalmente sobre a história do Afeganistão e as várias razões geoestratégicas e étnicas que levaram ao atual estado de coisas no país. Além disso, um esforço foi feito no estudo para identificar os erros cometidos pelas forças de coalizão no país, o que resultou no estado atual, apesar dos gastos de centenas de bilhões de dólares. O estudo das consequências tem sido geralmente limitada à região, embora a instabilidade continuada tenha o potencial de afetar o mundo inteiro, caso o foco da Al-Qaeda volte para a região e se o comércio de ópio continuar a florescer. No entanto, devido à limitação de espaço, este aspecto não foi coberto em detalhe e é dado apenas um toque superficial no estudo. As recomendações do estudo também são mantidas restritas aos principais atores no país, especialmente o Paquistão e os EUA. 1.5 RELEVÂNCIA DO ESTUDO No norte do Afeganistão estão localizadas as ricas repúblicas da Ásia Central e no oeste, está localizado o rico, mas conflituoso, Oriente Médio. A China, localizada no oriente, e o Paquistão e a Índia, para o sudeste, também são países de importância geoestratégica. A sua localização central nesta área de importância geoestratégica faz com que seja relevante, para o mundo inteiro, e sua estabilidade também tem resultado global. Estando localizado em tal região, o mundo inteiro tem os olhos sobre o Afeganistão. É neste contexto que considera-se que este estudo é muito importante para saber as formas e os meios para trazer o Afeganistão no caminho da paz e a estabilidade e, finalmente, para o caminho da prosperidade; onde o Afeganistão desempenha o seu papel positivo como um ator regional responsável, negando sanctuários a Al-Qaeda e conter a produção de ópio, que hoje em dia contribui com cerca de oitenta por cento da produção mundial de ópio. 2. METODOLOGIA De acordo com o previsto em Neves, Domingues (2007, p. 64), a presente pesquisa utilizou o Método Dedutivo. Haja vista que o estudo partiu de premissas

16 5 gerais para se chegar a uma particular, com o objetivo de se comprovar a hipótese apresentada. 2.1 TIPOS DE PESQUISA O tipo de pesquisa realizada foi descritiva. Além do uso extensivo da internet como fonte de informação, vários livros de autores bem conhecidos, com profundo conhecimento do assunto, foram consultados durante a pesquisa, para formar a base do argumento para a resolução do problema. Artigos escritos por vários conhecidos analistas mundiais sobre o assunto e comandantes militares também foram consultados. 2.2 COLETA DE DADOS Esta pesquisa teve início com uma pesquisa bibliográfica em livros e publicações diversas, cuja objetivo era descobrir o contexto histórico da situação no Afeganistão. Posteriormente, uma extensa pesquisa na internet foi feita para estudar as condições que existiam lá e a experiência de vários analistas e os comandantes militares, que tinham grande visão sobre a questão. 2.3 TRATAMENTO DOS DADOS As técnicas de tratamento de dados foram a de Análise de Conteúdo, a qual foi aplicada para os dados da pesquisa bibliográfica e documental. 2.4 LIMITAÇÕES DO MÉTODO O método Dedutivo, utilizado na presente pesquisa, de acordo com Marconi, Lakatos (2000, p. 71), tem como críticas ser limitado, tendo em vista que parte de premissas gerais para se deduzir um acontecimento, ou seja, a conclusão.

17 6 3. PERSPECTIVA HISTÓRICA E OPERAÇÃO ENDURING FREEDOM 3.1 Breve História Século 19 - The Great Game Durante o século 19, o Afeganistão foi pego na luta pelo poder anglo-russa conhecida como "The Great Game. A Grã-Bretanha tentou trazer o Afeganistão sob o domínio direto, mas sofreu uma derrota retumbante na primeira Guerra Anglo- Afegã ( ). O poder imperial tentou novamente em ; desta vez o Afeganistão perdeu muito território e controle de seus assuntos externos à Grã-Bretanha. Em 1893 a Linha de Durand foi fixada como uma fronteira com a Índia Britânica, mas áreas tribais foram divididos, deixando metade no que é hoje o Paquistão. O Afeganistão permaneceu um protetorado Britânico até Em seguida, após a Revolução Bolchevique de 1917 e a onda de rebeliões populares que varreu a Ásia, posteriormente, o então rei do Afeganistão, Amanullah Khan, declarou a independência plena de seu país ao assinar um tratado de ajuda e amizade com Lenin, e declarar guerra à Grã-Bretanha. Depois de um breve período de escaramuças de fronteira, e o bombardeio de Cabul pela Royal Air Force, a Grã-Bretanha concedeu a independência do Afeganistão. No entanto, a eclosão de uma revolta e guerra civil forçou Amanullah a abdicar em Os diferentes lideres disputavam o poder até que um novo rei, Muhammad Nadir Shah assumiu o poder. Ele foi assassinado quatro anos depois pelo filho de uma vítima de execução do Estado, e foi sucedido por Muhammad Zahir Shah, que seria o último rei do Afeganistão, e que governaria os próximos 40 anos A Revolução Saur e Invasão Soviética Zahir Shah foi deposto em um golpe palaciano por seu primo, Mohammad Daoud, que declarou o Afeganistão uma república, com ele como presidente. No golpe comunista em abril de 1978, conhecido como a Saur, ou Revolucão de abril, o presidente Daoud e sua família foram mortos a tiros, e Nur Mohammad Taraki assumiu o poder como chefe do primeiro governo marxista do país. Hafizullah Amin, que se tornou primeiro-ministro, se opôs a Taraki, e em outubro de 1979, Taraki foi secretamente executado, com Amin se tornando o novo presidente. Em uma cadeia rápida de eventos em dezembro de 1979, Amin foi assassinado e o Exército Vermelho Soviético invadiu o Afeganistão. Babrak Karmal foi levado da Tchecoslováquia para ser o novo presidente.

18 Retirada da União Soviética e Disputas Internas Grupos de combatentes islâmicos Afegãos - ou os Mujahedines - lutaram incessantemente para tentar forçar a retirada soviética, com muito apoio secreto dos EUA e o apoio declarado do Paquistão. Após quase 10 anos, a União Soviética acabou de retirar, deixando no poder o presidente Najibullah, que havia substituído Babrak Karmal como líder. Ele pendurou por três anos após a partida do Exército Vermelho, mas caiu em 1992, quando a Organização das Nações Unidas estava tentando organizar uma transferência pacífica do poder. A guerra deixou o Afeganistão com problemas políticos, econômicos e ecológicos graves; mais de um milhão de Afegãos morreram na guerra, cinco milhões tornaram-se refugiados nos países vizinhos, enquanto do lado Soviético, soldados foram mortos e 37 mil feridos. Os Mujahedines entraram vitoriosamente em Cabul, mas estavam longe de estarem unidos no governo do presidente eleito do Burhannaudin Rabbani e uma luta amarga pelo poder se seguiu. Quatro grupos principais, cada um com seus próprios patrocinadores estrangeiros, lutaram pelo controle de Cabul Governo dos Talibãs Os Talibãs surgiram como uma força para a ordem social, em 1994, na província Afegã de Kandahar. Ao final de 1996, com o apoio popular ao Talibã, entre o grupo étnico Pashtun do sul do Afeganistão, bem como com a assistência dos elementos conservadores islâmicos no exterior, permitiu-se a facção tomar a capital, Cabul. Em 2001, os Talibãs controlavam toda o que mais uma pequena parte do norte do Afeganistão. A opinião mundial, no entanto, em grande parte, desaprovou as políticas, como a exclusão quase total das mulheres da vida pública (incluindo o emprego e a educação), a destruição de relíquias artísticas não-islâmicas, e da implementação de punições criminais severas. Só o Paquistão, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos reconheceram o regime A Ligação Entre a Al Qaeda e o Talibã Em 1996, o dissidente saudita Osama Bin Laden foi para o Afeganistão, a convite do líder da Aliança do Norte Abdur Rabb ur Rasool Sayyaf. Quando os Talibãs chegaram ao poder, Bin Laden foi capaz de forjar uma aliança entre os

19 8 Talibãs e a Al-Qaeda. Exerceu influência cada vez maior sobre o mulá Omar (o lider dos Talibãs), ajudando a financiar ofensivas dos Talibãs contra outros lideres no norte do país O Ambiente Levando à Operacão Enduring Freedom Política de Envolvimento dos EUA com os Talibãs Os EUA não reconheram os Talibãs como o governo legítimo do Afeganistão, nem reconheram formalmente nenhuma facção como o governo. Antes dos ataques de 11 de setembro, a política do governo Bush foi aplicar pressão econômica e política sobre os Talibãs, mantendo um diálogo com eles, e de se recusar a ajudar militarmente os adversários do Talibã Polarização Interna As políticas dos Talibãs impeliram diferentes facções Afegãs a se aliaram com o núcleo Tajik da oposição anti-talibã e do presidente deposto Rabbani, Ahmad Shah Masoud, e seu aliado na área de Herat, Ismail Khan. No final de seu governo, o Talibã controlou pelo menos 75% do país, incluindo quase todas as capitais provinciais Ataques de 11 de Setembro de 2001 Depois dos ataques de 11 de Setembro de 2001, a administração do presidente Bush decidiu derrubar militarmente os Talibãs, quando esse governo recusou a demanda final dos EUA para extraditar Osama Bin Laden, a fim de evitar uma ação militar. Os EUA acreditavam que era necessário um regime amigável em Cabul para auxiliar as suas forças busca dos integrantes da Al Qaeda, no Afeganistão.

20 Operação Enduring Freedom Geral A Operação Enduring Freedom, que foi uma operação conjunta dos EUA e de seus aliados no Afeganistão. Difere-se da ISAF, que trata-se de uma operação de OTAN, incluindo os EUA e Reino Unido Objetivos Os objetivos militares iniciais da Operação Enduring Freedom, articulados pelo ex-presidente George W. Bush, incluiram "a destruição de campos de treinamento de terroristas e de infraestrutura dentro do Afeganistão, a captura de líderes da Al-Qaeda, e a cessação de atividades terroristas no Afeganistão ". Em 27 de outubro de 2001 os EUA, apoiados pela Grã-Bretanha, lançaram a Operação Enduring Freedom. A luta em terra foi conduzida por forças Afegãs da Aliança do Norte com o apoio das Forças Especiais de Coalização. Em 13 de novembro, os Talibãs abandonaram Cabul e a Aliança do Norte entrou na cidade Acordo de Bonn Em dezembro de 2001, no Acordo de Bonn, líderes da oposição Afegã que participaram da conferência concordaram com a Autoridade de Transição Afegã. O conceito de uma força internacional mandatada pela ONU para ajudar a Autoridade Transitória Afegã recém-criada também foi lançada nesta ocasião para criar um ambiente seguro e apoiar a reconstrução do Afeganistão. Estes acordos abriram o caminho para a criação de uma parceria tripartida entre a Autoridade Transitória Afegã, Missão das Nações Unidas de Assistência no Afeganistão (UNAMA) e a ISAF. Uma autoridade interina foi criada. A Loya Jirga (ou grande assembleia) foi convocada em 2002, liderada por Hamid Karzai. Em 2004, uma nova constituição Afegã foi ratificada e Hamid Karzai foi eleito presidente. As eleições legislativas e provinciais foram realizadas no ano seguinte, trazendo uma maior proporção de mulheres deputadas. A ISAF, criada de acordo com a Conferência de Bonn, começou em dezembro de 2001 nos termos da Resolução do Conselho de Segurança da ONU A Aliança tornou-se responsável pelo comando,

21 10 coordenação e planejamento da força, incluindo a prestação de um comandante da força no Afeganistão. A OTAN assumiu o comando da operação em agosto de 2003 e seu mandato foi sucessivamente prorrogado pelo Conselho de Segurança da ONU Missão da ISAF - Realização de operações de segurança e estabilidade em todo o país em conjunto com a Força de Segurança Nacional Afegã. - Monitar, treinar e equipar as forças de segurança nacionais afegãs. - Apoio à reconstrução e ao desenvolvimento do Afeganistão através das suas Equipes de Reconstrução Provincial Expansão da ISAF A resolução 1510 do CSNU, em outubro de 2003 ampliou o mandato da ISAF para cobrir todo o território do Afeganistão e, assim, estabelecer as bases para os comandantes da ISAF para expandir as operações para além de Cabul Ressurgimento dos Talibãs Reorganização Durante o final de 2002 os Talibãs começaram a mover armas, munições e suprimentos para o Afeganistão, acrescentando aos estoques que tinham armazenados durante sua retirada. O Paquistão tinha retirado suas tropas da FATA para enfrentar a ameaça da Índia e al-qaeda e os Talibãs estavam livres para se movimentar à vontade Ressurgimento Os Talibãs iniciaram sua campanha militar na primavera de 2003, quando a invasão americana do Iraque era iminente, lançando ataques de guerrilha nas províncias de Helmand e Zabul, onde não havia quase nenhuma presença das tropas dos EUA e seus aliados.

22 Pashtuns Desencantados Durante este mesmo período, muitos Pashtuns se desencantaram com a Administração Transitória Afegã (ATA), devido à sua corrupção e incapacidade de proteger os Pashtuns. Táticas dos EUA, especialmente nas áreas dominadas pelos Pashtuns, também adicionaram combustível para o fogo Resistência Encorajada No início de setembro de 2003, as forças dos EUA lançaram a Operação Mountain Viper, para limpar cerca de 500 Talibãs que lutaram sob comando do Dadullah. Pela primeira vez os Talibãs se levantaram e lutaram por nove dias, causando pesadas baixas, que animava as resistências Mudança de Foco para o Iraque A mudança de foco americana do Afeganistão ao Iraque, em 2003, também foi um fator, o que resultou no fortalecimento da resistência Revisão dos Objetivos sob a Presidência de Obama Assumindo o cargo em 2009, em 1 de dezembro de 2009, Obama anunciou uma versão revista do "Caminho Adiante no Afeganistão e no Paquistão" em West Point. Ele também anunciou a implantação de umas tropas adicionais de norte-americanos. Conforme estratégia do Presidente anunciada em West Point, o envio de tropas adicionais dos EUA começaram no início de 2010, com dos planejados, antes do final de março e outras em junho, com as tropas dos EUA no Afeganistão Retirada Lisbon Summit 2010 Em uma reunião de Ministros dos Negócios Estrangeiros da OTAN, no final de abril de 2010, foi alcançado um acordo sobre um roteiro comum para a transição progressiva de segurança para as autoridades afegãs, começando no final de 2010.

AFEGANISTÃO. Ficha Técnica. (estimativas em Julho de 2006) 2. Aspectos Históricos. Mapa Geográfico do Afeganistão 5 :

AFEGANISTÃO. Ficha Técnica. (estimativas em Julho de 2006) 2. Aspectos Históricos. Mapa Geográfico do Afeganistão 5 : CONFLITO EUA- AFEGANISTÃO Ficha Técnica Do Afeganistão: População 1 : 31,056,997 hab. (estimativas em Julho de 2006) Área 2 : 647,500 km 2 Capital: Kabul Idioma 3 : Pashtu e Dari (persa) Religião 4 : 99%

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Violência aumenta no Afeganistão. Resenha Segurança / Desenvolvimento

Violência aumenta no Afeganistão. Resenha Segurança / Desenvolvimento Violência aumenta no Afeganistão Resenha Segurança / Desenvolvimento Tiago Cerqueira Lazier 26 de maio de 2006 Violência aumenta no Afeganistão Resenha Segurança / Desenvolvimento Tiago Cerqueira Lazier

Leia mais

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A.

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A. FÓRUM PARLAMENTAR SOBRE ARMAS LIGEIRAS E DE PEQUENO PORTE Declaração da política sobre a gestão de estoque de munições convencionais O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito.

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Século XXI Oficialmente, o século XXI, inicia-se cronologicamente no final do ano 2000. Historicamente podemos destacar que os eventos que aconteceram um ano após a entrada do novo milênio marcam a chegada

Leia mais

A CASA BRANCA Gabinete do Porta-Voz FICHA INFORMATIVA: O CAMINHO FUTURO NO AFEGANISTÃO E PAQUISTÃO

A CASA BRANCA Gabinete do Porta-Voz FICHA INFORMATIVA: O CAMINHO FUTURO NO AFEGANISTÃO E PAQUISTÃO A CASA BRANCA Gabinete do Porta-Voz PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 1º de Dezembro de 2009 FICHA INFORMATIVA: O CAMINHO FUTURO NO AFEGANISTÃO E PAQUISTÃO A NOSSA MISSÃO O discurso do Sr. Presidente reafirma o

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar?

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? Wenjie Chen e Roger Nord 21 de dezembro de 2015 A promessa recente de apoio financeiro no valor de USD 60 mil milhões ao longo dos próximos três anos

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Geografia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Geografia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Geografia Questão 1 Em 1967, por ocasião da Guerra dos Seis Dias, Israel ocupou de seus vizinhos árabes uma série de territórios, entre eles a Península do

Leia mais

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE.

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE. FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE Nova Odessa SP Maio / 2014 1 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA FELIPE CARCELIANO

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá)

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) Sugere ao Poder Executivo, a imediata retirada das tropas brasileiras do Haiti, e indica a necessidade de revogar o Decreto Legislativo nº 207, de 19 de maio de 2004,

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Data: 16/11/2009 Roma, 16/11/2009 Bem... Lugo, tudo bem? Cumprimentar a

Leia mais

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil Sumário executivo Mais de um bilhão de pessoas sofre com as consequências da inanição é mais que a população dos Estados Unidos, Canadá e União Européia juntas. Em julho desse ano, a reunião de cúpula

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso no encerramento do Fórum

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

China e Japão e a Segurança no Leste Asiático

China e Japão e a Segurança no Leste Asiático China e Japão e a Segurança no Leste Asiático Geraldo Lesbat Cavagnari Filho Texto disponível em www.iea.usp.br/artigos As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade do autor, não refletindo

Leia mais

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015 Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo II Cimeira de Presidentes de Parlamentos Lisboa, 11 de maio de 2015 Senhora Presidente da Assembleia da República, Senhores Presidentes, Senhores Embaixadores,

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos. A Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais

Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos. A Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais TRADUÇÃO (Fornecida pela DIGAN-MRECIC) Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos convidados, senhoras e senhores: É para mim uma grande honra dirigir-me, hoje, aos senhores.

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org O Movimento Social Palestino rumo ao FME O Fórum Mundial da Educação na Palestina será realizado

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Documento Conceitual Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Genebra, 9-10 de dezembro de 2009 I. Introdução O terceiro

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

Conselho de Segurança

Conselho de Segurança Nações Unidas S Conselho de Segurança Distribuição: Geral S/RES/1267 (1999) 15 de Outubro de 1999 RESOLUÇÃO 1267 (1999) Adoptada pelo Conselho de Segurança na sua 4051ª sessão, em 15 de Outubro de 1999

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe.

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe. 1 iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, decretada no ano de 1948 após uma decisão da assembléia geral da onu de 1947, presidida pelo brasileiro osvaldo

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais Arielli Xavier de Lima 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida

Leia mais

Desafio 100 Cidades Resilientes

Desafio 100 Cidades Resilientes Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até 24 de novembro de 2015 www.100resilientcities.org/challenge O Desafio 100 Cidades Resilientes quer identificar 100 cidades que estejam preparadas para construir

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Banco Mundial 24 maio 2012 O exército da Macedônia era brilhante enquanto liderado por Alexandre......mas o exército romano era

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional sumário executivo PREVENcÃo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional 2012 O Relatório Internacional sobre Prevenção da Criminalidade e Segurança Cidadã 2012 do Centro Internacional para

Leia mais

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE A corrupção gera um sério impacto sobre o meio ambiente. Uma série de setores são particularmente vulneráveis à corrupção, incluindo a silvicultura, a proteção de espécies ameaçadas

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA Os Governadores e Governadoras, Intendentas e Intendentes, Prefeitas e Prefeitos do MERCOSUL reunidos no dia 16 de julho de 2015, na cidade de Brasília DF, por meio do Foro Consultivo

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Especial: Os desafios legais para acolher e proteger os migrantes afetados pelas mudanças climáticas

Especial: Os desafios legais para acolher e proteger os migrantes afetados pelas mudanças climáticas 16/07/2014 Especial: Os desafios legais para acolher e proteger os migrantes afetados pelas mudanças climáticas Crianças na vila de Tebikenikora, localizada em um dos principais atóis de Kiribati. Será

Leia mais

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 1) (UFV) Das alternativas, aquela que corresponde à causa do acordo entre Israel e a Organização para Libertação da Palestina (OLP) é: a) o fortalecimento do grupo liderado por

Leia mais

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * *

Leia mais

E.E. Dr. João Thienne Geografia

E.E. Dr. João Thienne Geografia E.E. Dr. João Thienne Geografia INTRODUÇÃO O presente trabalho é sobre conflitos no Cáucaso, mais concretamente o caso da Chechênia. São objetivos deste trabalho adquirir conhecimentos sobre o assunto,

Leia mais

AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5

AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5 AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5 Índice 1. A globalização: variáveis relacionadas ao sucesso e ao fracasso do modelo...3 1.1 Obstáculos à globalização... 3 2 1. A GLOBALIZAÇÃO: VARIÁVEIS RELACIONADAS

Leia mais

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 A produção de commodities e a transformação econômica do Brasil João

Leia mais

Estados Unidos apóiam ataque em território somali

Estados Unidos apóiam ataque em território somali Estados Unidos apóiam ataque em território somali Resenha Segurança Lígia Franco Prados Mello 06 de março de 2007 Estados Unidos apóiam ataque em território somali Resenha Segurança Lígia Franco Prados

Leia mais

Uma Primavera dos Povos Árabes?

Uma Primavera dos Povos Árabes? Uma Primavera dos Povos Árabes? Documento de Trabalho Oriente Médio e Magreb Danny Zahreddine 18 de Junho de 2011 Uma Primavera dos Povos Árabes? Documento de Trabalho Oriente Médio e Magreb Danny Zahreddine

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais