U N I V E R S I D AD E F E D E R AL D E S Ã O C AR L O S

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "U N I V E R S I D AD E F E D E R AL D E S Ã O C AR L O S"

Transcrição

1 U N I V E R S I D AD E F E D E R AL D E S Ã O C AR L O S S E C R E T A R I A G E R A L D E R E C U R S O S H U M A N O S C u r s o d e E s p e c i a l i z a ç ã o e m G e s t ã o P ú b l i c a Pós-Graduação Lato Sensu A terceirização na UFSCar: avaliação da qualidade nos serviços de limpeza Waldir Baffa São Carlos 2010

2 U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E S Ã O C A R L O S S E C R E T A R I A G E R A L D E R E C U R S O S H U M A N O S C u r s o d e E s p e c i a l i z a ç ã o e m G e s t ã o P ú b l i c a Pós-Graduação Lato Sensu A terceirização na UFSCar: avaliação da qualidade nos serviços de limpeza Waldir Baffa Monografia apresentada como requisito para a Integralização do Curso de Especialização em Gestão Pública da Secretaria Geral de Recursos Humanos e do Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos. Orientador: Prof. Dr. Glauco Henrique de Sousa Mendes São Carlos 2010

3 Baffa, Waldir. A terceirização na UFSCar: avaliação da qualidade nos serviços de limpeza / Waldir Baffa -- São Carlos: UFSCar, p. Monografia - Secretaria Geral de Recursos Humanos e do Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos Curso de Especialização em Gestão Pública (Lato Sensu) A terceirização na UFSCar: avaliação da qualidade nos serviços de limpeza -- Universidade Federal de São Carlos, Terceirização. 2. Implantação da Terceirização na UFSCar. 3. Serviço de Limpeza Terceirizado. I. Título.

4 À Rosana, minha esposa, que apesar do seu trabalho, assumiu a responsabilidade e o compromisso maior de nossas vidas, que é cuidar de nossas filhas, com muito amor e carinho. À minhas filhas Vanessa, Giovana e Gabriela, que representam a razão da minha vida. Aos meus pais, que sempre me apoiaram e incentivaram ao longo da vida e me mostraram a importância da busca do saber. À minha sogra Olga (minha segunda mãe) e meu sogro que sempre me trataram como filho e me ajudam na educação de minhas filhas.

5 A felicidade aparece para aqueles que choram. Para aqueles que se machucam. Para aqueles que buscam e tentam sempre. E para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passam por suas vidas. O futuro mais brilhante, é baseado num passado intensamente vivido. Você só terá sucesso na vida quando perdoar os erros e as decepções do passado. A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar, duram uma eternidade. Clarice Lispector Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida é MUITO pra ser insignificante. Charles Chaplin

6 AGRADECIMENTOS À DEUS, por estar sempre presente em minha vida e me dar forças para seguir em frente, me protegendo e mostrando o melhor caminho a seguir. A UFSCar, pela oportunidade, oferecendo de forma justa esse curso a todos os funcionários. Muitas pessoas foram importantes e contribuíram para que eu pudesse realizar e concluir este trabalho. Não poderia mencionar todos, mas me sinto na obrigação de citar aqueles que considero fundamentais: Professor Dr. Glauco, meu orientador, é o maior responsável. Com sua sabedoria, e dedicação transformou este que me parecia complicado e quase impossível, em simples e sem complicação. Aos meus amigos Argeu, Roque, Anna, Ivan, Roseli, Paola e a todos os colegas de classe que me ajudaram nas tarefas em grupo, sempre com uma palavra de apoio e incentivo nos momentos difíceis, e fizeram com que eu não desistisse nunca. À minha sobrinha Kelly, que muito me ajudou nas pesquisas e minha irmã Vanda, que assumiu de forma carinhosa a missão de cuidar de nossos pais.

7 RESUMO Essa pesquisa tem origem nas reflexões sobre a terceirização de serviços no setor público, especialmente na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), tendo como objetivo geral apontar as vantagens e desvantagens de tal prática, investigando a qualidade do serviço de limpeza terceirizada que é realizado na instituição. Como objetivos específicos buscar verificar os motivos que levaram a UFSCar a implantar a terceirização de serviços como o setor da limpeza no campus da cidade de São Carlos; mensurar a satisfação dos usuários em relação aos serviços de limpeza pela empresa contratada pela Universidade, analisar as vantagens e desvantagens da prestação de serviço pela firma terceirizada e os benefícios e prejuízos decorrente desse processo e propor sugestões de melhoria a partir dos resultados obtidos por essa pesquisa. Optou-se pela avaliação dos serviços de limpeza, já que é um serviço que envolve toda a universidade e é de fundamental importância para o funcionamento da instituição devido a sua própria especificidade. O estudo foi desenvolvido de acordo com uma abordagem qualitativa e quantitativa. Das 110 secretarias subdivididas em departamentos, administrativos e de pós-graduação que fazem parte da UFSCar, foram selecionadas 50, considerando se os espaços onde se situam o maior número de secretarias e departamentos alocados dentro do mesmo espaço físico e para estas, foi aplicado um questionário de pesquisa para os responsáveis pela fiscalização da limpeza nos espaços. Os resultados sugerem que os serviços prestados pela empresa contratada para executar o serviço de limpeza tem sido amplamente aprovado pelos funcionários da instituição, apesar dos déficits apresentados algumas vezes. Palavras-chave: 1) Terceirização; 3) Serviço de Limpeza Terceirizado 2) Implantação da Terceirização na UFSCar;

8 BCo: CCBS: CCMus: CCPed: CCPsi: CCS: CCET: CECH: DAC: DB: DC: DCI: DCSo: DeAlmox: DEBE: DECiv: DEd: DeEsp: DeFisio: DEFMH: DEMa: DeMed: DEnf: DEP: DePG: DEQ: DeRD: DEs: DF: DFMC: DiCA: DM: LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS Biblioteca Comunitária Centro de Ciências Biológicas e Saúde Coordenação do Curso de Música Coordenação do Curso de Pedagogia Coordenação do Curso de Psicologia Coordenadoria de Comunicação Social Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Centro de Educação e Ciências Humanas Departamento de Artes e Comunicação Departamento de Botânica Departamento de Computação Departamento de Ciências da Informação Departamento de Ciências Sociais Departamento de Almoxarifado Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva Departamento de Engenharia Civil Departamento de Educação Departamento de Esportes Departamento de Fisioterapia Departamento de Educação Física em Motricidade Humana Departamento de Engenharia de Materiais Departamento de Medicina Departamento de Enfermagem Departamento de Engenharia de Produção Departamento de Produção Gráfica Departamento de Engenharia Química Departamento de Registro de Diplomas Departamento de Estatística Departamento de Física Departamento de Filosofia e Metodologia das Ciências Divisão de Controle Acadêmico Departamento de Matemática

9 DMP: Departamento de Morfologia e Patologia DPsi: Departamento de Psicologia DQ: Departamento de Química DTO: Departamento de Terapia Ocupacional. EdUFSCar: Editora da Universidade Federal de São Carlos MEC: Ministério da Educação NAE: Núcleo de Apoio à Eventos PPGERN: Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais ProAC: Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários ProAd: Pró-Reitoria de Administração ProGrad: Pró-Reitoria de Graduação PU: Prefeitura Universitária RU: Restaurante Universitário SIn: Secretaria Geral de Informática SPDI: Secretaria Geral de Planejamento e Desenvolvimentos Institucionais SGRH: Secretaria Geral de Recursos Humanos UAC: Unidade de Atendimento à Criança UFSCar: Universidade Federal de São Carlos UGR: Unidade de Gestão de Resíduos USE: Unidade de Saúde Escola

10 LISTA DE LEIS, DECRETOS, RESOLUÇÕES E INSTRUÇÕES Artigo 37º Inciso XXI, da Constituição Federal de 1988: Título III Da Organização do Estado; Capítulo VII; Da Administração Pública; Seção I - Disposições Gerais Lei nº 8.666/93, de 21 de junho de 1993: Lei das Licitações Resolução 96/2000 TST, de 11 de setembro de 2000 Lei nº /02, de 17 de julho de 2002 Decreto nº 5.450/05, de 31 de maio de 2005 Lei Complementar nº 123/06, de 14 de dezembro de 2006 Decreto nº 6.204/07, de 05 de setembro de 2007 Instrução Normativa nº 02/2008, de 30 de abril de 2008

11 L I S T A D E Q U A D R O S E G R Á F I C O S Quadro 1: Número Total de Pessoas na UFSCar até o Ano de Quadro 2: Expansão da Universidade Federal de São Carlos Gráfico 1: Avaliação do Serviço de Limpeza Gráfico 2: Problemas com a Limpeza Gráfico 3: Correção de Irregularidades na Limpeza Gráfico 4: Equipamentos para a Limpeza Gráfico 5: Produtos Utilizados para a Limpeza Gráfico 6a: Freqüência na Limpeza do Piso Gráfico 6b: Freqüência da Limpeza dos Vidros Gráfico 6c: Freqüência da Limpeza dos Mobiliários Gráfico 6d: Freqüência da Limpeza dos Sanitários Gráfico 6e: Freqüência da Limpeza da Circulação Interna Gráfico 6f: Freqüência da Limpeza da Circulação Externa Gráfico 7: Quanto a Execução dos Serviços de Limpeza Gráfico 8: Avaliação dos Profissionais da Área de Limpeza Gráfico 9: O Comportamento dos Profissionais Gráfico 10: Fiscalização dos Serviços Executados... 44

12 S U M Á R I O 1 INTRODUÇÃO Problema de Pesquisa Objetivo Objetivos Específicos REFERENCIAL TEÓRICO Terceirização As Vantagens e Desvantagens da Terceirização Terceirização no Setor Público Legislação Processo Licitatório MÉTODO DE PESQUISA Procedimentos Metodológicos Sujeitos da Pesquisa RESULTADOS A Instituição O Processo de Terceirização de Serviços na UFSCar Avaliação da Qualidade do Serviço de Limpeza Os Profissionais da Empresa Contratada Sugestões de Melhoria CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE... 50

13 13 1 INTRODUÇÃO As instituições públicas recorrem à prática da terceirização de serviços como forma de impedir o enorme crescimento da máquina administrativa e para garantir a redução de custos e a garantia da qualidade dos serviços por meio da contratação de empresas especializadas. A terceirização se caracteriza quando uma atividade da empresa deixa de ser desenvolvida pelos seus funcionários e é transferida para outra empresa, a terceira. É importante ressaltar que as empresas devem terceirizar suas atividades-meio, devendo concentrar seus esforços nas atividades-fim, que são o objetivo principal da empresa (GIOSA, 1997). Deve-se observar a importância da terceirização de serviços nas instituições públicas, uma vez que, a crescente demanda e a necessidade de mãode-obra especializada em determinadas áreas, tornam-se necessária a adoção desta prática, principalmente nas atividades-meio. O Governo Federal desde a década de noventa extinguiu diversos cargos de carreira do serviço público, (exemplo: vigilantes, porteiros, serventes de limpeza, pedreiros, jardineiros, salva-vidas, motoristas, serviços gerais, etc.). Com isso, tornou-se imprescindível à terceirização desses serviços para substituir os funcionários de carreira e garantir o funcionamento das instituições. A melhora ou não da qualidade dos serviços executados por empresa especializada contratada através de processo licitatório poderá ser observada no Capítulo 6, onde essa questão é analisada. A justificativa para a realização deste trabalho se fundamenta na ampliação dos conhecimentos sobre o tema abordado e na reflexão sobre as vantagens e desvantagens que a terceirização de serviços traz para o serviço público, em especial, para a Universidade Federal de São Carlos. 1.1 Problema de Pesquisa Para a definição do problema, levou-se em consideração a possibilidade do desenvolvimento de um trabalho de pesquisa que investigasse a qualidade dos serviços de limpeza na UFSCar.

14 14 A implantação dos serviços de terceirização traz consigo a necessidade de se avaliar os serviços prestados, a fim de se verificar se os níveis de qualidade praticados pelas empresas terceirizadas são adequados. 1.2 Objetivo A partir do problema de pesquisa apresentado anteriormente, este trabalho tem por objetivo verificar o grau de satisfação dos diversos segmentos acadêmicos com os serviços de limpeza no campus da UFSCar, na cidade de São Carlos. 1.3 Objetivos Específicos Com base no objetivo geral, podem ser apresentados os seguintes objetivos específicos dessa pesquisa: Verificar os motivos que levaram a UFSCar a implantar a terceirização de serviços como o setor da limpeza no campus da cidade de São Carlos. Mensurar a satisfação dos usuários em relação aos serviços de limpeza pela empresa contratada pela Universidade. Analisar as vantagens e desvantagens da prestação de serviço pela firma terceirizada e os benefícios e prejuízos decorrente desse processo. Propor sugestões de melhoria a partir dos resultados obtidos por essa pesquisa. De acordo com os objetivos citados, a partir do próximo capítulo está descrito a metodologia utilizada na realização dessa pesquisa.

15 15 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Terceirização A terceirização é um fenômeno que nasceu na Ciência da Administração (MORAES, 2003). Dessa forma, inúmeras são as definições apresentadas pelos estudiosos da área para identificação dos elementos básicos e constitutivos da terceirização. Ela é um processo que, gradativamente, foi incorporado às instituições públicas. Leiria (1992) foi um dos primeiros autores a abordar o tema da terceirização. Para ele a terceirização serve como um instrumento administrativo capaz de oferecer formas e meios para uma administração ágil, eficaz e de poucos custos. Fontanella et al (1994) concorda que a prática da terceirização está vinculada à redução de custos, contudo, ela está vinculada também ao aumento da competitividade, servindo-se de melhores tecnologias e buscando aumentar a eficiência organizacional. Sendo assim, Na terceirização, o diferencial está na maneira como esta relação se estabelece e se desenvolve no dia-a-dia. Pode-se afirmar, sem qualquer dúvida, que o sucesso deste programa depende enormemente da capacidade de criarem-se e manterem-se as parcerias entre contratante e contratado. No momento em que o terceiro passa a assumir funções que antes eram realizadas internamente, deve haver harmonia e até certa cumplicidade entre as duas empresas. (FONTANELLA et al, 1994, p. 40) Para Giosa (1997), o conceito de terceirização é definido como um processo de gestão pelo qual se repassam algumas atividades para terceiros, ficando a empresa concentrada apenas em tarefas essencialmente ligadas ao negócio em que atua. Segundo esse autor, a terceirização é também uma técnica moderna de administração que provoca mudanças estruturais na empresa, na cultura, nos procedimentos e nos sistemas de controles, capitalizando toda a malha organizacional com um único objeto quando adotada: atingir melhores resultados, concentrando todos os esforços e energia da empresa para sua atividade principal. Contudo, apesar de estar vinculada à delegação de atividades-meio para terceiros, como visto anteriormente, o escopo da terceirização vem sendo cada

16 16 vez mais ampliado. Com isso, segundo Kauling (2005), a aplicação da terceirização nas empresas, nas mais diversas atividades de atuação, pode ser descrita da seguinte forma: Processos ligados à atividade-fim da empresa, que estão relacionados à produção, distribuição, operação, vendas, entre outros. Processos não ligados à atividade-fim da empresa, como; publicidade, limpeza, vigilância, manutenção, contabilidade, jurídica, etc. Processos de suporte à empresa, como; treinamento e seleção de pessoal para os mais diversos trabalhos. Processos de substituição de mão de obra direta, por mão de obra indireta ou temporária. De acordo com Oliveira (1994), terceirizar é buscar racionalmente os melhores resultados em escala de produção. Busca-se também maior flexibilidade operacional e uma adequada redução de custos administrativos, juntamente com a concentração e a maximização de oportunidades para enfrentar o mercado. Nesse aspecto, a terceirização fará com que a empresa aumente seu grau de especialização, pois ela traz consigo uma nova filosofia administrativa, ao enxugar as estruturas de pessoal e funcional. (MARTINS, 1994) Como pôde ser visto, a palavra terceirização foi incorporada gradual e definitivamente ao processo econômico, indicando a existência de um terceiro que, com competência, especialização e qualidade, em condição de parceria, presta serviços ou produz bens para a empresa contratante. (ROBORTELLA, 1994) Na concepção de Cavalcante Júnior (1996), a terceirização passou por um processo de aprimoramento, no qual deixou de ser uma simples forma de diminuição de custos, modificando-se para uma técnica que visa à qualidade, eficiência, especialização e produtividade. A terceirização promoveu mudanças na vida dos trabalhadores e está relacionada à melhoria da produtividade, à manutenção da qualidade, à redução dos custos e às expectativas na melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores. (ROMANOSCHI,1994)

17 17 Dessa forma, entende-se que a terceirização é um processo que permite a contratação de um terceiro para realizar as atividades que não são o objeto principal das empresas e visa o fim específico a eficácia empresarial, ou seja, fazer com que a organização atinja seus fins da maneira mais econômica possível. 2.2 As Vantagens e as Desvantagens do Processo de Terceirização Quando aplicada, a terceirização como qualquer outra técnica de gestão administrativa apresenta vantagens e desvantagens. Segundo Leiria (1992), Romanoschi (1994), Oliveira (1994), Robortela (1994), Cavalcante Junior (1996), Giosa (1997) e Martins (2001), é possível destacar as seguintes vantagens no processo de terceirização numa empresa: concentração da empresa na sua principal área de atuação (atividade-fim): desta maneira uma empresa repassa a terceiros aquelas atividades que não fazem parte de seu negócio principal; aumento na especialização dos serviços realizados: os serviços realizados por terceiros são executados por profissionais e/ou pessoas treinadas para desenvolver essas atividades; maior agilidade nas decisões da empresa: as empresas ficam focadas em suas atividades principais, isto é, atividades-fim, enquanto que a firma terceirizada se atém das atividades-meio; diminuição de custos: economia na contratação de serviços terceirizados em relação aos custos praticados na contratação de funcionários diretos pela empresa; aumento da qualidade e competitividade: as empresas terceirizadas estão a cada dia melhorando a qualidade de seus serviços, devido a grande disputa no mercado de trabalho por empresas especializadas; favorecimento da ampliação do mercado para as pequenas e médias empresas: o governo por meio da criação da Lei Complementar nº 123/06 voltada para as Micro-empresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP) prevê vantagens fiscais

18 18 significativas para esse tipo de empresa, favorecendo a ampliação do mercado a empresas voltadas para a área de serviços; substituição de pessoal (mão-de-obra): facilita a troca de funcionários da empresa contratada de maneira rápida, evitando-se problemas administrativos e trabalhistas para a empresa contratante; diminuição do desperdício: evitando-se prejuízos para a empresa contratada (ex: desperdício de materiais) e também para a contratante, uma vez que em diversos contratos, as empresas terceirizadas entram apenas com a mão-de-obra, onde os materiais utilizados são fornecidos pela empresa contratante; valorização dos recursos humanos: com a terceirização de serviços considerados atividade-meio, os funcionários da empresa podem ser valorizados e capacitados para desenvolverem outras atividades na empresa. As possíveis desvantagens apontadas no processo de terceirização por Leiria (1992), Romanoschi (1994), Oliveira (1994), Robortela (1994), Cavalcante Junior (1996), Giosa (1997) e Martins (2001) são: necessidade de controle sobre as empresas contratadas: a terceirização pode trazer prejuízos para os órgãos contratantes devido à sonegação de impostos e ações judiciais trabalhistas que são movidas pelos funcionários das empresas terceirizadas. Nestes casos, a contratante é obrigada a arcar com os prejuízos causados por empresas que abrem falência ou não cumprem a legislação vigente; aumento na dependência de contratação de serviços a serem executados por terceiros: com o passar dos anos e com a necessidade de novos serviços especializados e ainda pela falta de contratação de servidores para a realização de determinadas atividades-meio, aumenta muito a dependência da contratação de terceiros nas empresas e principalmente no setor público;

19 19 resistências e conservadorismos: grande parte dos servidores, principalmente os mais antigos possuem grande resistência na convivência com os funcionários terceirizados; custos trabalhistas em quebras de contratos: quando ocorre uma quebra de contrato na maioria das vezes é devido a empresas que decretam falência e deixam de cumprir clausulas do contrato, deixando para a instituição muitas dividas trabalhista, que por sua vez a instituição por ser subsidiária ao contrato é obrigada a arcar com essas despesas; conflito com os sindicatos: os sindicatos de classes que representam os funcionários das empresas contratadas sempre estão atentos na fiscalização e cobrança dos direitos trabalhistas de seus filiados, recorrendo e acionando a justiça trabalhista para resolver pendências. Portanto, é de suma importância que o poder público esteja ciente das vantagens e principalmente das desvantagens que o processo de terceirização carrega em seu cerne para que ao aderir a ele, possa atenuar seus agravantes da melhor maneira possível. 2.3 Terceirização no Setor Público A introdução da terceirização no cenário público tornou-se inevitável devido a política do governo federal de contenção de gastos públicos e redução de pessoal, principalmente aqueles que pertencem ao nível de apoio e médio. Dessa forma na esfera pública seja em nível municipal, estadual ou federal, há muito vem se utilizando dessa estratégia de terceirização, seja no transporte público, construção de estradas, coleta de lixo, recebimento de taxas, dentre outros (LEIRIA, 1992). Leiria (1992) aponta as dificuldades que a máquina pública possui na prestação de serviços sociais básicos para o exercício da cidadania, indicando a terceirização como uma alternativa de recuperação da eficácia organizacional do Estado; sendo que a terceirização é um dos instrumentos administrativos que pode

20 20 ser proposto ao Estado, capaz de oferecer formas e meios de administração ágil, eficaz e pouco custosa. Dessa forma, segundo Giosa (1994), muitas mudanças poderão ser propostas, seja em nível organizacional, quanto no nível das normas, procedimentos e controles internos. Há que se objetivar o aprimoramento da máquina administrativa, com revisão de uma série de atividades, onde invariavelmente há uma queda de produtividade, lentidão de atendimento e gastos demasiados. Por isso, a terceirização nos órgãos públicos deve ocasionar mudanças de postura, com um processo de gestão que conduzirá a rever os princípios dos Órgãos Públicos, condições otimizadas de gerenciamento, modernização da máquina administrativa, redução de custos, estimulo à criatividade e melhoria dos serviços públicos refletindo um melhor atendimento à sociedade. Por meio dos órgãos de administração indireta e direta, o Estado é o maior comprador de serviços. Nesse aspecto, as estratégias para terceirização no setor público possibilitam oportunidades para as empresas de médio e pequeno porte participar e atender as novas demandas de serviço, bem como fortalecer a participação delas na execução de grandes contratos, por exemplo: a contratação de serviço especializado de limpeza na UFSCar. Isso representará crescimento econômico, com possibilidades de surgimento de novas empresas, com aumento do oferecimento de mão de obra, propiciando ao Estado maior receita. Ao invés do Estado dissipar energias com a burocracia dos seus recursos, ele deve focar a geração de políticas públicas. Segundo Martins (2001), a autorização da terceirização para o serviço público poderia gerar num primeiro momento, casos de corrupção, principalmente pelo fato de inexistir concurso público. Por isso, é imprescindível o processo licitatório público para a contratação de serviços, possibilitando a todos os interessados a igualdade de condições na participação. Portanto, é essencial ao Poder Público ter conhecimento das leis para saber como agir juridicamente na contratação de serviços de terceiros, ao invés de fazê-los, seja na aquisição de bens ou na prestação de serviços. A prática da terceirização surgiu nos Estados Unidos, antes da segunda Guerra Mundial, sendo a maneira encontrada pelas indústrias produtoras de armas para atender a forte demanda naquele período. Constatou-se que elas

21 21 poderiam delegar serviços a terceiros contratados para dar suporte para o aumento da produção de armas (GIOSA, 1997). Inspirado nos exemplos do Primeiro Mundo e baseado no sucesso da terceirização das empresas privadas, o setor público passou também a adotar essa alternativa, buscando por meio dessa estratégia uma forma de aproveitamento das vantagens da tecnologia de ponta com fornecedores especializados (LEIRIA, 1992). Segundo Martins (2001), a terceirização é um fenômeno que se apresenta com maior ou menor intensidade em quase todos os países. Num mundo que tende para a especialização em todas as áreas, a terceirização gera novos empregos e novas empresas para atender necessidades específicas. Segundo Oliveira (2009), os primeiros contratos de terceirização no Brasil para a execução de serviços de limpeza são observáveis desde a época do império. Entretanto, foi a partir da década de cinqüenta que esta prática vem se consolidando no país por meio das montadoras de automóveis. Segundo Faria (2001, p. 18), a terceirização, entendida como a contratação de empresas especializadas para a execução de atividades que não constituem o objeto principal da entidade contratante, constitui prática cada vez mais observável nas economias capitalistas, como o Brasil. Ela consiste também numa técnica que deve ser tratada sob o ponto de vista estratégico, pois visa propor um novo paradigma para a concretização da empresa moderna com excelência, ou seja, permitindo que as empresas se dediquem em suas atividades ou processos de negócios mais importantes. A terceirização pode abranger todas as formas de realização de atividades e serviços, sejam essas atividades internas, externas, serviços assistenciais, meio ambiente e sociais do Estado, inclusive as atividades afetas à administração pública (FARIA, 2001). No serviço público, tem-se notado uma forte tendência em se terceirizar como forma de intercambiar os conhecimentos da área privada para a esfera pública e acelerar os processos de execução que ficam comprometidos no âmbito público em função da burocracia. Nesse aspecto Giosa (1997, p. 24) diz que: Iniciativas como a tentativa da diminuição da máquina pública e busca de menos interferência na economia, com a participação da iniciativa privada em parceria com o Governo, dão o destaque ideal que consagram a Terceirização como o processo gerador da reflexão sobre o papel do Estado e a necessidade de redução de custos, melhoria na qualidade dos serviços

22 22 prestados à população, uso da tecnologia e transferência de conhecimentos entre as empresas. A terceirização no serviço público surgiu na década de 1990, onde se inclui a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), que iniciou o processo de terceirização de algumas de suas atividades como: serviços de vigilância e limpeza, motivada pelo Governo Federal, após a definição de sua política pública de enxugamento da máquina administrativa e a extinção de vagas para os serviços considerados de apoio Legislação As leis que fundamentam e norteiam juridicamente os contratos de prestação serviços ou aquisição de bens para o serviço público basicamente são: da Constituição Federal de 1988: o Título III Da Organização do Estado; Capítulo VII; Da Administração Pública; Seção I - Disposições Gerais, Artigo 37º - Inciso XXI: ressalvados os casos especificados na legislação, as obras, serviços, compras e alienações serão contratados mediante processo de licitação pública que assegure igualdade de condições a todos os concorrentes, com cláusulas que estabeleçam obrigações de pagamento, mantidas as condições efetivas da proposta, nos termos da lei, o qual somente permitirá as exigências de qualificação técnica e econômica indispensáveis à garantia do cumprimento das obrigações. Esta lei, através da implementação da terceirização no serviço público, visa otimizar a gestão de recursos, contribuindo em favor da qualidade, produtividade e redução de custos da máquina estatal, sendo que para ser adotada deve obedecer a determinados critérios, quais sejam: verificação da oportunidade/conveniência da contratação, sua qualidade, escolha de entidades de interesse público, adotados no processo seletivo a licitação. Lei nº 8.666/93: institui os regramentos sobre licitações e contratos administrativos referentes à obras, serviços (inclusive os de publicidade), compras, alienações e locações no âmbito dos

23 23 Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Resolução 96/2000 TST: determina como subsidiária a responsabilidade do tomador do serviço (ente público-contratante) pelo inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador (contratado). Lei nº /02 - Artigo 1º: estabelece a modalidade de pregão para aquisição de bens e serviços comuns nas licitações no serviço público. Decreto nº 5.450/05: regulamenta o pregão, na forma eletrônica, para aquisição de bens e serviços comuns nas licitações públicas. Lei Complementar nº 123/06 - Artigo 1º: estabelece normas gerais relativo ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às microempresas e empresas de pequeno porte (...). Decreto nº 6.204/07 - Artigo 1º: regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte, nas contratações públicas de bens, serviços e obras, no âmbito da administração pública federal. Instrução Normativa nº 02/2008: dispõe sobre as regras e diretrizes para a contratação de serviços, continuados ou não. No Artigo 6º desta lei, está explicitado que terceirização é: Os serviços continuados que podem ser contratados de terceiros pela Administração são aqueles que apóiam a realização das atividades essenciais ao cumprimento da missão Institucional do órgão ou entidade (...). Também está definido em seu Parágrafo Único que: A prestação de serviços de que trata a Instrução Normativa não gera vínculo empregatício entre os empregados da contratada e a Administração, vedando-se qualquer relação entre estes que caracterize pessoalidade e subordinação direta.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa 1 Introdução Este documento tem como objetivo apresentar um conjunto de reflexões sobre a implementação das disposições

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. Institui a lei geral municipal da microempresa, empresa de pequeno porte e microempreendedor individual, e dá outras providências. ORCELEI DALLA BARBA, Prefeito

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti Contratação de Serviços de TI Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti O antigo modelo de contratação de serviços de TI 2 O Modelo antigo de contratação de serviços de TI Consiste na reunião de todos

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Módulo 2: Monitoramento da execução contratual

Módulo 2: Monitoramento da execução contratual Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação (GCTI) Conteúdo para impressão Módulo 2: Monitoramento da execução contratual

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2010-2015 - EIXO X EIXO X

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2010-2015 - EIXO X EIXO X UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO X CONSIDERAÇÕES E ASPECTOS PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO X - CONSIDERAÇÕES E ASPECTOS PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 10. Considerações e Aspectos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a relação entre a UFPA e as Fundações de Apoio ao Ensino, Pesquisa,

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

PLANO DE TRABALHO (Art. 2º, Decreto nº 2.271/97)

PLANO DE TRABALHO (Art. 2º, Decreto nº 2.271/97) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICMBio UNIDADE AVANÇADA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PLANO DE TRABALHO (Art. 2º, Decreto nº 2.271/97) LICITAÇÃO/MODALIDADE

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

I Efetivação do compromisso social da UFAL com o Estado de Alagoas;

I Efetivação do compromisso social da UFAL com o Estado de Alagoas; PROGRAMA DE APOIO À UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES INTEGRADAS PARA O ESTADO DE ALAGOAS PROUFAL 1. OBJETIVO Apoiar a Universidade Federal de Alagoas UFAL nas atividades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES (EBSERH)

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES (EBSERH) PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES (EBSERH) DEFINIÇÃO Pergunta: O que é a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares? Resposta: A Empresa Brasileira de Serviços

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO MINISTÉRIO SUPERVISOR: Ministério da Educação ÓRGÃO/ENTIDADE: Universidade Federal de Santa Maria/RS DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Campus Centro de Educação da UFSM RESPONSÁVEL:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso 9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso Mesa de debate: O papel das instituições de ensino superior do ABC no desenvolvimento regional. Centro Universitário Fundação Santo André

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) NORMAS PARTICULARES PARA GESTÃO ESCOLAR NO ÂMBITO DA DIRETORIA

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial.

Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial. 1 Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial Serra, 05/2009 Isaura Alcina Martins Nobre, MSc Ifes isaura@ifes.edu.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO. Resolução nº. 063, de 17 de março de 2014.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO. Resolução nº. 063, de 17 de março de 2014. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO Resolução nº. 063, de 17 de março de 2014. Dispõe sobre o Regulamento de Transferências de matrículas de estudantes procedentes de cursos da UFSCar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 022/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 09 DE OUTUBRO DE 2015 Dispõe sobre o

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015.

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. Atualiza o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações, instituído no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da

Leia mais

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JANDAIA

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que:

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que: ORDEM DE SERVIÇO N o 003/2014 Em 16 de janeiro de 2014, o Reitor em exercício da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ, usando de suas atribuições, tendo em vista a ampliação da eficácia e da eficiência

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA Flávia Regina Graciano; Lucimara Araújo; Priscila Siqueira Campos; Sabrina Eduarda Mendes Magalhães; Tathiane Mendes Barbosa;

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ

CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA (NIT) CAPÍTULO 1 Das Disposições Preliminares Art. 1 - As normas e diretrizes para a gestão da política de inovação, bem como de proteção à propriedade industrial

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de Afastamentos de Curta Duração, Licença para Capacitação, Afastamentos para Pós- Graduação Stricto Sensu e Pós-Doutorado

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar.

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Art. 1 o Para os efeitos desta Lei, entende-se por alimentação escolar todo alimento oferecido no ambiente escolar, independentemente de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA XAVIER, Débora LORAINE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Prof. Dr. Targino de Araújo Filho Reitor

Prof. Dr. Targino de Araújo Filho Reitor UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Gabinete do Reitor Via Washington Luís, km 235 Caixa Postal 676 13565-905 São Carlos SP - Brasil Fones: (16) 3351-8101/3351-8102 Fax: (16) 3361-4846/3361-2081 E-mail:

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 110/10. Fixa as normas para os cursos de especialização e aperfeiçoamento do IFPR. O CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, e,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO R E S O L U Ç Ã O :

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO R E S O L U Ç Ã O : SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 662, DE 31 DE MARÇO DE 2009 Aprova o Regimento dos Órgãos Executivos da Administração Superior. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09.

LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09. LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09. INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DIVISÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DIVISÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DIVISÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS NOVEMBRO, 2015 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. ASPECTOS GERAIS... 3 2.1 TERCEIRIZAÇÃO... 3 2.1.1 CONCEITO... 3 2.1.2 A TERCEIRIZAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 01/2012 Regulamenta a relação entre a UFCG e sua fundação de apoio e define critérios

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Lista de Quadros. Fundação Uniplac

Lista de Quadros. Fundação Uniplac Lista de Quadros Quadro 1 Dirigente dafundaçãouniplac... 22 Quadro 2 Matérias apreciadas no Conselho Curador... 23 Quadro 3 Nominata do Conselho Curador... 23 Quadro 4 Matérias apreciadas no Conselho de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense)

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense) A Pesquisa com Egressos como Fonte de Informação Sobre a Qualidade dos Cursos de Graduação e a Responsabilidade Social da Instituição Universidade Federal Fluminense (UFF) Eixo II Indicadores e instrumentos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS PROCESSO 001858/2011 ORIGEM Prefeitura Municipal de Umbaúba NATUREZA Consulta INTERESSADO Anderson Fontes Farias RELATOR Conselheiro REINALDO MOURA FERREIRA AUDITOR Parecer nº 204/2011 Alexandre Lessa

Leia mais

A Secretaria de Tecnologias da Informação e da Comunicação (STI) foi criada a partir da Resolução do Conselho Diretor nº 44, de 31 de outubro de 2008.

A Secretaria de Tecnologias da Informação e da Comunicação (STI) foi criada a partir da Resolução do Conselho Diretor nº 44, de 31 de outubro de 2008. 1 PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 001/2009 1.0 Introdução A Secretaria de Tecnologias da Informação e da Comunicação (STI) foi criada a partir da Resolução do Conselho Diretor nº 44, de 31

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS TEXTO 2 PRESTAÇÃO DE CONTAS E SUAS ESPECIFICIDADES INTRODUÇÃO Tomando como base a definição do Tesouro Nacional que designa a Prestação Contas como: Demonstrativo organizado pelo próprio

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/14 I-DOS CONCEITOS 1- Para os fins desta Instrução Normativa, considera-se: 1.1 - Fiscalização: a observação sistemática e periódica da execução do contrato; 1.2 - Contrato Administrativo: o ajuste que

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA PLANO ANUAL DE ATDADES DE EXERCÍCO DE 2011 1 Í N D C E : NTRODUÇÃO DA FATORES CONSDERADOS NA ELABORAÇÃO DO PANT DO PLANO ANUAL DE ATDADES DE CONSDERAÇÕES GERAS ANUAL 2 N T R O D U Ç Ã O Ministério da Educação

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Logística Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Logística. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015 Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Ciclo Avaliativo 2013 2015 Cascavel 2014 CPA Comissão Própria de Avaliação Presidente Prof. Gelson Luiz Uecker Representante Corpo Docente Profa. Anália

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING

CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/01 CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais