A TERCEIRIZAÇÃO DA FROTA DE VEÍCULOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TERCEIRIZAÇÃO DA FROTA DE VEÍCULOS"

Transcrição

1 Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 25, 26 e 27 de março de 2014 A TERCEIRIZAÇÃO DA FROTA DE VEÍCULOS OFICIAIS: A EXPERIÊNCIA MINEIRA COM A LOCAÇÃO DE VEÍCULOS ADMINISTRATIVOS, OPERACIONAIS E DE REPRESENTAÇÃO FERNANDO SILVESTRE DE BRITO JEAN MATTOS DUARTE MARCOS EDUARDO SILVA SOARES

2 2 Painel 32/096 As inovações na gestão da frota de veículos oficiais em Minas Gerais, a partir da aplicação da metodologia Strategic Sourcing A TERCEIRIZAÇÃO DA FROTA DE VEÍCULOS OFICIAIS: A EXPERIÊNCIA MINEIRA COM A LOCAÇÃO DE VEÍCULOS ADMINISTRATIVOS, OPERACIONAIS E DE REPRESENTAÇÃO Fernando Silvestre de Brito Jean Mattos Duarte Marcos Eduardo Silva Soares RESUMO Em 2009, o Governo de Minas Gerais realizou estudo a fim de levantar a viabilidade econômica da locação em relação à aquisição de veículos oficiais. Para isso desenvolveu ferramenta de análise de investimentos que compara os custos totais de cada modelo de compra, considerando o contexto do setor público e, além disso, variáveis geralmente deixadas de lado como os custos de oportunidade e de ociosidade. Na ferramenta são inseridos o tipo e a quantidade de veículos que se pretende obter via compra ou locação, a quilometragem mensal a ser percorrida e o tempo de uso, bem como outros itens de custo, chegando-se ao custo total final. O estudo indicou que a locação de longo prazo (por período superior a 12 meses), também conhecida como terceirização de frota, era a modelo de compra mais econômico para veículos administrativos e de representação e embasou o processo licitatório realizado no ano seguinte. Com a experiência obtida neste processo, foi possível ampliar a análise realizada, incorporando aos processos seguintes outros modelos de veículos, inclusive operacionais. As ações realizadas em Minas Gerais garantiram contratações econômicas, que devem ser compartilhadas. Palavras-chave: StrategicSourcing, Processo de Compras; Locação de veículos; Terceirização de frota; Análise de investimentos; Projeto GES.

3 3 1 INTRODUÇÃO A reforma do Estado, segundo Bresser-Pereira (2006), em seus artigos A reforma do Estado nos anos 90 e Da Administração Pública burocrática à Gerencial visa contribuir para a formação no Brasil de um aparelho de Estado mais forte e eficiente. A reforma do Estado tornou-se necessária, principalmente depois da grande crise da década de 80, que veio a ficar conhecida como Década Perdida. Mais que uma crise financeira, tratou-se de uma crise do conceito de Estado. Para cumprir sua missão em um mundo globalizado seria necessário (e ainda o é) rever sua missão, suas funções e sua capacidade de efetivo cumprimento de suas obrigações com os recursos disponíveis. Faz parte do novo papel do Estado apontar metas compatíveis com os anseios sociais além de prestar os serviços básicos à população. Para atender às demandas da sociedade, fazendo-se cumprir seu papel, a Administração deve se reorganizar, adotando critérios de gestão capazes de reduzir custos, articulando-se com os cidadãos, estabelecendo prioridades e cobrando os resultados (CARDOSO apud BRESSER-PEREIRA, 2006). Com relação à dimensão legal da Reforma do Estado, Abrúcio (2007), afirma que, sob esse aspecto, a reforma se deveu muito a reestruturação constitucional de 1988 que proporcionou a construção de um cenário legal sólido e coerente para que a mesma pudesse ser realizada. Sendo assim, a Constituição de 1988, além de propiciar as condições para reforma, ao mesmo tempo, significou o rompimento com os governos militares, onde o modelo burocrático de gestão era a regra. Entre as medidas tomadas pelo governo, Abrúcio (2007) enfatiza as: Medidas que implicaram tetos para o gasto com funcionalismo, alterações no caráter rígido e equivocado do Regime Jurídico Único e a introdução do princípio da eficiência entre os pilares do direito administrativo. Tais mudanças constituíram peças essenciais na criação de uma ordem jurídica que estabeleceu parâmetros de restrição orçamentária e otimização das políticas (ABRUCIO, 2007, p.5).

4 4 Com relação aos benefícios da reforma gerencial do Estado, um dos principais focos se voltou para o aperfeiçoamento da estrutura das organizações públicas, bem como dos inúmeros processos que se dão no âmbito do Estado. Tal aperfeiçoamento visa a realização dos serviços públicos de forma mais eficiente possível, trazendo o benefício esperado pela sociedade, ao realizar a entrega do valor real proporcionado pelas políticas públicas. (KETL, 2006) Reduzir o tamanho do Estado e modernizar a administração pública tornaram-se pontos importantes de uma nova agenda política. Ao contrário das experiências anteriores, essa modernização se inspirou fortemente nos modelos de gestão privada, considerados superiores e mais eficazes. Assim, as principais mudanças seriam transferir funções estatais para a área privada e as restantes seriam administradas com formas o mais próximo possível das praticadas nas empresas privadas. (MOTTA, 2007, p.92) Nesse momento da administração pública gerencial, torna-se cada vez mais evidente a necessidade de respeitar os princípios da administração pública, sobretudo o princípio da eficiência descrito pelo art. 37 da Constituição de 1988: A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Assim, esclarecese que o princípio da eficiência administrativa deve ser interpretado de forma a balizar a melhor utilização dos inputs administrativos (recursos, meios e esforços) bem como os seus outputs (resultados). Segundo Alexandre de Morais apud Celso Antônio Bandeira de Mello: Princípio da eficiência é o que impõe à administração pública direta e indireta e a seus agentes a persecução do bem comum, por meio do exercício de suas competências de forma imparcial, neutra, transparente, participativa, eficaz, sem burocracia e sempre em busca da qualidade, rimando pela adoção dos critérios legais e morais necessários para melhor utilização possível dos recursos públicos, de maneira a evitarem-se desperdícios e garantir-se maior rentabilidade social. (MORAIS apud MELLO, 2010, p. 327) Leal (2003) também faz considerações a respeito do principio da eficiência ao afirmar que:

5 5 O principal fundamento do princípio da eficiência é o rendimento maximizado dos recursos, enquanto o desperdício representa o antiprincípio da eficiência. No setor empresarial, o desperdício do processo produtivo aumenta o custo final dos produtos e transforma-se em fator restritivo de competitividade, razão pela qual os métodos de gestão estratégica de custos estão sendo aperfeiçoados diariamente. No setor público, a eficiência dos meios com significativa redução dos desperdícios deverá contribuir para ampliar os benefícios sociais com a mesma parcela de recursos, sem aumentar a carga tributária. (LEAL, 2003, p. 11) Segundo Aragão (2006): A eficiência não pode ser entendida apenas como maximização do lucro, mas sim como um melhor exercício das missões de interesse coletivo que incumbe ao Estado, que deve obter a maior realização prática possível das finalidades do ordenamento jurídico, com os menores ônus possíveis, tanto para o próprio Estado, especialmente de índole financeira, como para as liberdades dos cidadãos. (ARAGÃO, 2006, p.1) Conforme mencionado até aqui, torna-se evidente que desenvolver e implementar sistemas de controle de custos é condição sine qua non para gestão responsável dos recursos públicos. No escopo do Estado, as decisões a serem tomadas, deveriam focar nas alternativas que demandassem o menor volume de recursos e gerasse o maior beneficio social. No âmbito estadual, o governo de Minas Gerais definiu, a partir de 2003, através do Choque de Gestão (Vilhena et.al, 2006), um conjunto de medidas dirigidas para deter a tendência crescente das despesas através de um controle rígido das despesas com pessoal, custos operacionais e a inevitável redução das despesas de investimento. O controle de gastos em todas as esferas do serviço público estadual deixou de ser bônus de produtividade e passou a ser meta em todas as unidades públicas. Esforços produzidos pelo Estado propiciaram a retomada do equilíbrio das contas públicas. O Choque de Gestão, de acordo com Vilhena et al (2006), se insere no contexto da reforma gerencial do Estado, bem como no cenário da constante busca do cumprimento do princípio da eficiência, pois além da contenção de gastos e enxugamento da máquina burocrática, propõe a reorganização e modernização do aparato estatal através da busca de novos modelos de gestão governamental.

6 6 Segundo Quirino (2010), durante o Governo Aécio Neves, que abrangeu o período de 2003 a 2010, foi implementado o Choque de Gestão no Governo do Estado de Minas Gerais que estabeleceu uma série de metas de médio prazo e projetos estruturadores, de caráter estratégico. Além disso, o Choque de Gestão contém os desafios e prioridades do governo que serão tratadas com o estabelecimento de áreas de resultados, bem como metas para serem atingidas em cada uma das áreas. O Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI), um instrumento de planejamento de longo prazo, que, em sua terceira versão, possui a vigência de 2011 a 2030, tem como grande preocupação a questão fiscal. O ajuste fiscal é tido como elemento chave para o desenvolvimento de longo prazo do Estado. Dessa maneira várias metas foram acordadas e estabelecidas visando racionamento e corte de gastos em prol de uma qualidade fiscal que gere uma maior estabilidade e sustentabilidade nas contas públicas ao longo do tempo. (MINAS GERAIS/BDMG, 2013) Nos últimos anos o governo de Minas Gerais tem orientado sua gestão pública para os resultados, desenvolvendo sua estratégia sob dois pilares fundamentais: a qualidade fiscal e a inovação na gestão pública. O PPAG (Plano Plurianual de Ação Governamental), responsável pelo planejamento de médio prazo no âmbito do Estado, tem duração de quatro anos e consta de projetos estruturadores, que são os de maior importância e de caráter estratégico no cenário do Estado, sendo assim, considerados prioritários. Com vistas a melhorar o processo de compras do Estado de Minas Gerais, o Projeto Gestão Estratégica de Suprimentos (GES) se encontra na Área de Resultados de Qualidade Fiscal do PPAG O objetivo do presente projeto está ligado a melhorias no modelo das diversas famílias de compras do Estado, visando à redução dos gastos públicos, melhorando a qualidade do gasto setorial, de acordo com o princípio da economicidade e, sobretudo, da eficiência (QUIRINO, 2010).

7 7 O projeto GES, em 2014, continua vigente, e, quando criado estabeleceuse que o mesmo seria operacionalizado em suas duas ondas (fases) abordando várias categorias (famílias) de compras que eram consideradas de alto impacto na despesa do Governo de Minas Gerais, a saber: 1ª onda: Passagens Aéreas, Material de Escritório, Softwares Prontos, Refeições Coletivas, Betuminosos, Medicamentos e Equipamentos de Informática; 2ª onda: Diárias e Hospedagem, Serviços da PRODEMGE, Materiais Médico-Hospitalares, Equipamentos Médico-Hospitalares, Frota e Combustíveis. Nesse sentido, ao abordar locação de veículos, estamos inseridos no contexto da 2º onda do supracitado projeto ao objetivar a melhoria dos processos de compras dos itens referentes à frota de veículos. Ao pensar no panorama da Reforma gerencial do Estado, que propõe novos mecanismos de gestão, revestidos do princípio da eficiência, visa-se gerar melhores resultados à sociedade, verificando que o governo de Minas se preocupa em gerar novos modelos de gestão e novas roupagens aos processos, tornando-os mais eficientes. Ao contratar, visando o suprimento da demanda de bens e serviços, a Administração deve sempre prezar para o cumprimento do principio da economicidade em seus processos de compra. A preocupação com o corte de gastos e a eficiência obtida no processo de compras é fundamental, principalmente num cenário onde a escassez de recursos faz com que haja, cada vez mais, uma necessidade de planejamento acerca da maneira como o setor público realiza seus gastos. Com o advento do choque de gestão, a alocação mais eficiente de recursos, evitando desperdícios, está ligada diretamente ao ajuste fiscal da máquina pública, sobretudo quando os recursos são destinados à área meio, uma vez que essa, embora indispensável, não beneficia diretamente o cidadão. Pensar o processo de compras visando a economicidade e eficiência vai além da utilização dos mecanismos licitatórios previstos na legislação como o pregão e o registro de preços. Essas são, por força da lei, ferramentas essenciais e indispensáveis para obtenção da economicidade em um processo de compras.

8 8 Porém a eficiência é atingida de fato, e maximizada, quando se pensa em um modelo de compra para determinado bem e serviço. Ao pensar num modelo para um item de compra, é essencial buscar as necessidades e demandas internas dos órgãos e entidades bem como avaliar como o item em questão é ofertado no mercado. Cabe aqui, ao gestor, analisar a aplicabilidade do que é ofertado para aquilo que é demandado e procurar coadunar demanda com oferta, buscando o modelo ótimo a ser aplicado, tendo sempre como premissa a qualidade do gasto, ou seja, onerar pouco o Estado e obter bons níveis de serviço. Dessa forma, quando se busca um modelo de compras, a economia trazida pelo processo licitatório ao se levantar a demandar de diversos órgãos/entidades para determinado item de compra através de um registro de preços obtendo-se ganhos de escala, bem como aquela obtida através da disputa entre os licitantes ao diminuírem o valor de seus lances em um pregão, são insuficientes. Essa economia, inerente ao certame, pode ser otimizada, quando se pensa num modelo eficiente de compra para o item em questão. Para se obter o melhor modelo, é importante se pensar na fase anterior ao processo licitatório em si, definindo-se, o que se irá comprar. 2 OBJETIVO O objetivo principal desse trabalho é mostrar o porquê da adoção do modelo de locação de veículos no âmbito do governo do Estado de Minas Gerais entre os demais modelos de suprimento de frota de veículos disponíveis no mercado. Abordar-se-á detalhes de sua concepção e desenvolvimento relatando o caso da aplicação bem sucedida deste modelo nos órgãos/ entidades do Estado de Minas Gerais bem como as modificações que o mesmo sofreu do momento de sua adoção, em 2010, até o presente.

9 9 3 METODOLOGIA 3.1 O projeto Gestão Estratégica de Suprimentos GES Na 2ª. Onda do Projeto GES, foram selecionadas as seguintes famílias de compras, que seria alvo de estudo por parte da consultoria contratada da empresa PricewaterhouseCoopers - PwC: Materiais Médico-Hospitalares, Odontológicos e Laboratoriais Equipamentos Médico-Hospitalares, Odontológicos e Laboratoriais Frota de Veículos (aquisição de veículos, abastecimento e manutenção) Diárias e Hospedagem (com foco em hospedagem de grupos de servidores) Serviços Prodemge (empresa de tecnologia da informação do Governo de Minas). Segundo Moura (2011), o contrato com a PwC alocou aproximadamente 13 pessoas no Projeto GES e teve duração de 15 meses nos anos de 2009/10. O projeto teve como objetivo principal a elaboração de novos modelos de suprimentos para famílias de compras públicas estratégicas, observando as leis e normas gerais de licitações e contratos, execução orçamentária e financeira, assim como o conjunto de regulamentos relativos aos processos de suprimentos do setor público. Faz parte desse objetivo: a definição e implantação de metodologias e modelos de gestão de suprimentos, com base nas melhores práticas nacionais e internacionais; o aprimoramento dos mecanismos de relacionamento com o mercado fornecedor em seus diversos segmentos; a capacitação de servidores estaduais para atuarem como agentes multiplicadores do modelo (MOURA et al, 2011) O projeto foi desenvolvido em três etapas, a saber: diagnóstico, desenvolvimento e implantação. Foram selecionadas quais famílias de compras seriam estudadas, através da análise da situação atual acerca das aquisições no Estado, bem como a apresentação das melhores práticas da gestão de suprimentos junto ao mercado privado em relação aos praticados pelo Estado. Após isso, foram selecionados os melhores modelos para cada item das famílias e desenvolvido editais para contratação dos itens visando a implantação de cada novo modelo de aquisição.

10 10 Verificou-se, no diagnóstico, que a frota de veículos do Governo do Estado de Minas Gerais despendia muito em gestão da frota, sobretudo com manutenção corretiva. Além disso, observou-se falta de sintonia e coplanejamento entre órgãos e entidades, que por muitas vezes realizavam processos de compras em separado para itens semelhantes, num curto espaço de tempo, perdendo em ganhos de escala, que poderiam ser obtidos caso a comunicação entre os órgãos fosse otimizada. Observou-se também uma falta de padronização de fornecedores e veículos. Bem como não foi raro identificar diferentes tipos de veículos para desempenhar uma função, ou seja, não há diretrizes que orientam que tipo de veículo deve ser destinado a que tipo de atividade. Outro apontamento da consultoria refere-se no que tange a falta de uma política de renovação da frota, que contava com grande quantidade de veículos velhos, gerando altos gastos com manutenção bem como altos índices de indisponibilidade de frota. Por fim, de uma maneira geral, a Administração aloca muita força de trabalho e recursos financeiros em serviços de gerenciamento da frota. Vale a pena ressaltar que o advento da Cidade Administrativa, reunindo grande parte dos órgãos e entidades do Poder Executivo do Governo mineiro, é uma importante janela de entrada para padronização de processos e um grande facilitador para comunicação entre os órgãos / entidades a fim de escolherem os modelos mais eficientes, como no caso da frota de veículos. 3.2 A frente Aquisição na Família Frota de Veículos da 2ª onda do Projeto GES No tocante à aquisição de veículos para a frota de veículos oficiais do Governo do Estado de Minas Gerais, observou-se a existência de três principais possibilidades oferecidas pelo mercado: aquisição, locação ou serviço de táxi. Com relação à locação observou-se que o mercado oferecia esse serviço de diferentes maneiras, sendo as mais relevantes: Locação + manutenção + combustível + motorista Locação + manutenção + combustível Locação + manutenção

11 11 Pelo fato da terceira opção ser mais utilizada por grandes empresas e por ser bastante difundida no mercado por haver grande concorrência entre os fornecedores, deu-se por entender que essa seria a mais adequada para ser aplicada ao Governo de Minas Gerais. Segundo análise mercadológica da consultora PwC, as locações se dividem em locação de curto e longo prazos: O segmento de terceirização de veículos oferece basicamente dois produtos: Locação de veículos: apresenta características de um negócio de varejo, atendendo pessoas físicas e jurídicas, mediante contratos de curto prazo; Terceirização da frota (ou locação da frota), com características de um negócio de atacado, operando principalmente com empresa em contratações de longo prazo (acima de 12 meses). (PwC, 2010) Dessa forma, devido à continuidade do serviço e ao alto grau de investimento (desembolso inicial) do fornecedor para fornecer os veículos ao Estado, estabeleceu-se que os contratos de locação deveriam ser de longo prazo (acima de um ano). Por fim, caso a locação fosse adotada como modelo de suprimento da frota de veículos do Governo de Minas, estabeleceu-se que seria no molde Locação+manutenção de longo prazo (2 ou 3 anos). 3.3 A análise de investimentos Comparação dos custos totais Para se estabelecer se esse tipo de locação predefinido seria utilizado em detrimento da aquisição de veículos utilizou-se de análise de viabilidade econômica, que foi desenvolvida à quatro mãos entre a SEPLAG/MG e a PwC, através de uma ferramenta no formato Excel que compararia a viabilidade entre locar versus adquirir veículos. Para decidir entre as duas opções tal ferramenta consiste em uma análise de investimentos. Isso nada mais é do que a comparação da viabilidade econômica de se adotar um modelo em detrimento do outro. A avaliação de alternativas de investimento (adquirir ou locar) é feita a partir da análise dos fluxos de caixa de cada um, mediante a aplicação de alguma técnica de análise de investimento. As técnicas de análise preferidas são as que consideram o valor do dinheiro no tempo, que é, grosso modo, a constatação de que

12 12 uma unidade monetária vale mais hoje do que amanhã devido à elevação generalizada do nível de preços da economia, isto é, devido à inflação. As mais utilizadas são a Taxa Interna de Retorno (TIR) e o Valor Presente Líquido (VPL); sendo esta, a técnica escolhida para as análises deste caso. (SOARES, 2005) Segundo Soares (2005), o Valor Presente Líquido (VPL) é uma técnica matemática, onde todos os componentes de gasto e receita são referenciados ao período inicial (tempo zero), por meio de taxas de desconto. O que se busca saber é quanto os pagamentos ou recebimentos em períodos futuros valem hoje. Dessa forma, cada variável de gasto dos modelos de locação e aquisição que existissem ao longo da vida útil do veículo seriam trazidos ao Valor Presente Líquido, através da aplicação do índice de inflação (utilizaremos o IPCA) a fim de analisar o custo total de cada um dos modelos. Ao descontar todos os fluxos de entradas e saídas de caixa por uma faixa de desconto mínima aceitável, o NPV [ou VPL] denota, em última análise, o resultado econômico da alternativa financeira expressa em moeda atualizada. (FARIA, 2002, p.284). Para um comparativo honesto, é importante ressaltar que, em cada análise de investimento, deve-se ter como base para fins de comparação entre o modelo de locação e aquisição: o mesmo tipo de veículo (Ex: Hatch 1.0); a mesma intensidade de uso (Km rodado/mês) e o mesmo tempo de uso (Ex: 2 anos). variáveis de custos: Para o modelo de aquisição de veículos utilizaremos as seguintes Valor da aquisição: valor de compra do veículo, obtido através de cotação de mercado. Valor da oportunidade: é o valor equivalente ao montante financeiro que o Governo receberia do mercado financeiro caso aplicasse o valor desembolsado na aquisição dos veículos. Utiliza-se como índice de retorno do investimento a Taxa Selic. Custo de indisponibilidade: refere-se ao custo gerado devido a ausência do veículo quando este se encontra indisponível (por estar em manutenção, por exemplo). Tal custo foi estimado em 10% do valor total da aquisição.

13 13 Custo do seguro DPVAT: referente ao desembolso do pagamento do seguro que possui valor unificado para veículos de passeio. Custo administrativo: refere-se aos gastos administrativos, de rotina, dos veículos, estimado por um valor simbólico de R$ 50,00/mês. Custo de manutenção: custo das manutenções preventivas e corretivas do veículo estimada em R$0,08/Km para veículos de passeio devido a inexistência de dados confiáveis de histórico de manutenções na central de dados do Governo (SIAD e BO). Esse valor aumenta com o avançar da idade do veículo. Valor da venda: é a receita da venda do veículo nos leilões administrativos. Tal valor é obtido através da tabela FIPE (referente à marca/modelo e ano do veículo) descontado o Deságio do leilão que é uma taxa estimada pela SEPLAG (equivalente a 25% sobre o valor da FIPE). Dessa forma, o valor total de venda a ser considerado equivale a 75% do valor FIPE para o veículo a ser alienado. Para a locação, há uma única variável de custo, a saber, o valor da locação no período considerado. É importante ressaltar que os valores referentes à abastecimento e ao gasto com motorista foram desconsiderados pelo motivo de que seriam variáveis equivalentes. Ambos modelos contemplariam esses gastos, de forma que se anulariam no cálculo do custo total de cada um. Observação: Foi desconsiderada a variável seguro devido ao fato da legislação mineira verdar a aquisição desse serviço para a frota de veículos do Governo do Estado de Minas Gerais, embora essa variável conste no modelo de locação.

14 Os índices inseridos e o imput de dados na Ferramenta de VPL De acordo com a Ferramenta acima, para fim de análise do modelo mais vantajoso, deverão ser preenchidos os campos relativos à variáveis fixas (que não dependem da utilização do veículo), a saber: "Modelo do veículo", "Quantidade de veículos", "Valor do veículo (aquisição)", "Valor de venda do veículo (mercado)", "DPVAT (ano)", "Custo de gestão (mês)", "Valor mensal da locação". O Campo "Quantidade final de veículos próprios" é resultante da "Quantidade de veículos" acrescida do índice de indisponibilidade, no caso, estimado em 10%. Isso significa que, ao se contratar o serviço de locação haverá sempre a reposição de veículo em casos de manutenção, acidente ou perda total. Porém, quando se adquire veículos, é necessário adquirir, em média, 10% a mais a fim de suprir essa indisponibilidade nos casos supracitados, mantendo o mesmo padrão se comparado com a utilização da locação. Deverá também proceder com o preenchimento das variáveis relacionadas à utilização do veículo, na porção superior esquerda da ferramenta.

15 15 Nela, deverão ser preenchido os campos: "Distância percorrida (por mês)", "Tempo de posse (em meses)", "Tipo de combustível" e "Média de consumo do veículo (km/ l)". Os campos "Preço do combustível (R$/ l)", "Custo do combustível por km (R$/ km)" e "Custo do motorista (mês) - MGS (salário + encargos)" não foram preenchidos (ou preenchidos com valor zero), devido ao modelo desconsiderar as variáveis de abastecimento e serviços de motorista, cujo porquê já foi relatado. Por fim, deverá se estabelecer os índices/taxas, que serão utilizados na ferramenta no quadro localizado na porção inferior esquerda. São eles: "Taxa de juros p/ oportunidade (anual)" representado pela taxa SELIC, "Inflação (anual)" representada pelo IPCA, "Indisponibilidade (%) - frota reserva" estimada em 10%, "Preço Venda - Deságio do Gov. x Mercado" estimado em 25%, "Custo de venda (% sobre valor de venda)" estimado em 5% sobre o valor da venda, "Seguro - Prêmio", "Seguro Franquia", "Manut. - Fator" e "Manut. - Taxa Cresc. Exp anual". Os campos relativos ao seguro foram desconsiderados pelo fato que é vedado a contratação do serviço de seguro veicular para toda frota da Administração Pública Estadual. O quadro localizado na porção inferior direita da ferramenta indica valores estimados de manutenção por quilômetro rodado, considerando a idade do veículo. Ao se inserir todos os dados na ferramenta, o calculo do valor presente é feito, e ao se exibir o resultado, o gestor pode observar qual modelo é o mais econômico e eficiente para cada tipo de veículo analisado:

16 A evolução do modelo: de 2010 a 2013 Para o primeiro registro de preços realizado pela SEPLAG, em 2010, o estudo da viabilidade econômica se deu através da ferramenta aqui relatada, sendo considerada apenas a locação de dois tipos de veículos administrativos, veículo de serviço e de representação. O período de locação considerado para este RP foi de 36 meses (3 anos) e houve significativa demanda para os itens considerados devido ao advento da Cidade Administrativa- CA que concentrou a atividade administrativa do Poder Executivo do Governo de Minas Gerais em um mesmo local. Dessa forma procurouse padronizar a frota de serviço que iria atender à CA a fim de realizar o deslocamento dos servidores. A descrição dos itens, quantidades registradas e o valor registrado de cada (locação de uma unidade pelo período de 36 meses com manutenção incluída) pode ser verificada conforme dados da tabela a seguir:

17 17 Código Descrição do Item Quantidade Registrada Preço Pesquisado (Unitário) LOCAÇÃO DE AUTOMÓVEIS PARA TRANSPORTE DE PASSAGEIROS: VEÍCULO SERVICO, TIPO HATCH, VERSAO STANDARD; COM MOTOR DE 1000CC, 04 PORTAS, 05 LUGARES. COM MANUTENÇÃO. COR DA LINHA DE PRODUÇÃO, MOVIDO A ÁLCOOL/GASOLINA (BICOMBUSTÍVEL) R$ , LOCAÇÃO DE AUTOMÓVEIS PARA TRANSPORTE DE PASSAGEIROS: VEÍCULO DE REPRESENTACAO; PRETO; SEDAN; 4 PORTAS; MOTOR MIN. DE1790CC; POTÊNCIA MIN.DE 120CV.; BICOMBUSTÍVEL(ÁLCOOL/GASOLINA) EQUIPADO COM AR CONDICIONADO; TRIO ELÉTRICO; DIREÇÃO HIDRÁULICA; AIR BAG DUPLO, COM CAPACIDADE PARA 05 (CINCO) LUGARES;COM MANUTENÇÃO. 109 R$ ,00 Após o sucesso do modelo incipiente, em sua primeira edição, foi ampliado o escopo do segundo e terceiro RP ocorrido em 2012 e 2013, respectivamente, sendo acrescentados itens de veículos operacionais àqueles de representação e administrativos utilizados inicialmente. As principais mudanças e adaptações se deram, principalmente, em três frentes: a) No tocante ao período de locação, reduzido de 36 para 24 meses (2 anos) por se considerar tal período mais razoável e atrativo para os órgãos e entidade participantes. b) Em relação à quantidade de itens de veículos, ampliando a utilização do serviço de locação não apenas abrangendo o transporte de representação e de servidores na região metropolitana de Belo Horizonte, mas aumentando o escopo da contratação para diferentes tipos de utilização da frota como em viagens, transporte de maior número de passageiros, e veículos destinados às regiões rurais (estradas não pavimentadas). Vale ressaltar que, embora tenha havido o levantamento de demanda entre os órgãos/ entidades, a caminhonete 4x4 (item código 43680) se mostrou economicamente inviável no modelo de locação no processo de 2012, não sendo levada como lote do pregão. Porém o referido item foi reinserido no processo de 2013 e levado à sessão do pregão.

18 18 c) A partir do RP de 2012 tomou-se a decisão de que o registro de preços para locação de veículos se consolidaria e ocorreria anualmente, embora a vigência dos contratos continuassem a ser de 24 meses (2 anos). Tal iniciativa deve-se ao fato de que, o Decreto Estadual nº , de 16 de setembro de que regulamenta o Sistema de Registro de Preços disciplinado no art. 15 da Lei federal nº , de 21 de junho de 1993, estabeleceu, em seu art. 14: Art. 14. O prazo de validade da ARP será contado a partir da publicação e não poderá ser superior a doze meses, incluídas eventuais prorrogações, nos termos do inciso III do art. 15 da Lei Federal nº 8.666, de Dessa forma, um órgão interessado no serviço de locação que não aderiu ao RP vigente e não foi possibilitado de aderi-lo como carona, não teria de esperar 24 meses para contratar, uma vez que a Administração terá uma ata de RP para o serviço de locação de veículos anualmente. Com base nos dados do Sistema de Registro de Preços SIRP, do Portal de Compras do Governo de Minas Gerais (www.compras.mg.gov.br), segue abaixo a descrição dos itens, quantidades registradas e o valor registrado de cada (locação de uma unidade pelo período de 24 meses com manutenção incluída) para os RPs de 2012 e 2013: Código Descrição do Item Quantidade Solicitada Preço Pesquisado (Unitário) VEÍCULO SERVIÇO,TIPO HATCH,VERSÃO STANDARD;COM MOTOR DE 1000CC, 04 PORTAS, 05 LUGARES. COM MANUTENÇÃO COR DA LINHA DE PRODUÇÃO, MOVIDO A ÁLCOOL/GASOLINA (BICOMBUSTÍVEL) R$ ,07 R$25.368, VEICULO REPRESENTAÇÃO; PRETO;SEDAN;4 PORTAS; MIN.1790CC; POTÊNCIA MIN.120CV, COM MANUTENÇÃO; TRIO ELÉTRICO; AR CONDICIONADO DIREÇÃO HIDRÁULICA, AIR BAG DUPLO, ÁLCOOL/GASOLINA (BICOMBUSTÍVEL), CAPACIDADE PARA 05 (CINCO) LUGARES R$ ,62 R$51.524,40

19 VEÍCULO SERVIÇO,TIPO SEDAN, VERSÃO STANDARD; COM MOTOR DE NO MÍNIMO 1300CC, 04 PORTAS, 05 LUGARES. COM MANUTENÇÃO COR DA LINHA DE PRODUÇÃO, MOVIDO A ÁLCOOL/GASOLINA (BICOMBUSTÍVEL) R$ ,13 R$32.044, CAMIONETA, CARROCERIA ABERTA, STANDARD, TRAÇÃO 4X4, CAPACIDADE ACIMA 0,8TONELADAS, COR LINHA DE PRODUÇÃO,CABINE DUPLA, 4 PORTAS LATERAIS., MÍNIMO DE 2000CC, ÁLCOOL/ GASOLINA/ DÍESEL, COM MANUTENÇÃO R$ ,00 R$ , VEÍCULO SERVIÇO, TIPO MONOVOLUME, VERSÃO STANDARD; COM MOTORNO MÍNIMO DE 1800CC, 04 PORTAS, 07 LUGARES. COM MANUTENÇÃO, COR LINHA PRODUÇÃO, MOVIDO A ÁLCOOL/GASOLINA (BICOMBUSTÍVEL) R$ ,45 R$56.449, VEICULO SERVIÇO, TIPO HATCH,VERSAO STANDARD; MOTOR NO MÍNIMO1300CC, 04PORTAS,05 LUGARES, COM MANUTENÇÃO, COR DA LINHA DE PRODUÇÃO, MOVIDO A ÁLCOOL/GASOLINA (BICOMBUSTÍVEL) FURGÃO,CARROCERIA FECHADA, MOTOR MÍNIMO 1300CC, STANDARD, CARGA ATÉ 0,8TON., COM MANUTENÇÃO, BICOMBUSTÍVEL (ÁLCOOL/GASOLINA) PINTURA NA COR DA LINHA DE PRODUÇÃO VEÍCULO SERVIÇO, VAN, 3P LATERAIS, COM MOTORNO MÍNIMO DE 2000CC, MÍNIMO 15 LUGARES, COM MANUTENÇÃO, COMBUSTÍVEL DÍESEL, COM AR CONDICIONADO, PINTURA NA COR DA LINHA DE PRODUÇÃO R$ ,50 R$30.747, R$ ,68 R$37.913, R$ ,78 R$ , Principais características do modelo Após a pesquisa de mercado (para locação e aquisição), a consolidação da demanda interna e a análise do custo total comparativo de cada modelo é elaborado edital de licitação na modalidade Pregão Eletrônico para Registro de Preços, do tipo Menor Preço apresentando o seguinte objeto: a locação de veículos automotores para transporte de pessoas e pequenas cargas em atendimento aos órgãos e entidades do Poder Executivo do Estado de Minas Gerais e suas unidades, em todo território estadual.

20 20 A locação de veículos destinou-se ao atendimento da demanda de transporte contínua dos órgãos/ entidades para a prestação de serviços públicos permanentes ou de longa duração. Dessa forma o período de locação de cada veículo será de 24 (vinte e quatro) meses após a verificação de que tal prazo é o mais viável de ser adotado, podendo ser acordado prazos inferiores entre contratantes e contratada, desde que não acarrete ônus aos contratantes. Estes firmarão contratos individuais com a contratada com vigência igual ao período de locação, embora a gestão do RP seja centralizada na SEPLAG. O período de locação inicia-se a partir da data de entrega dos veículos pela contratada e aceite formal da contratante, sendo que a contratada possui prazo de até 60 dias para a entrega (que poderá ser total ou parcelada dependendo da necessidade do contratante) dos veículos após a assinatura do contrato. Devido a esse prazo, a vigência dos contratos celebrados poderá ser revista a fim de garantir o cumprimento do período de locação, respeitando-se o limite estabelecido pelo art. 57, II da Lei n /93. Os editais previam que os veículos pertencentes ao mesmo item deverão ser da mesma marca/ modelo. Tal medida visa a padronização da frota, sendo que os veículos deverão ser zero quilômetro (com até cinqüenta quilômetros rodados até o local das entregas feitas em Belo Horizonte) e corresponder à marca/ modelo e ano indicados na proposta comercial, na data de assinatura do contrato. Foi prevista a utilização do regime de quilometragem livre por veículo locado, sendo que a contratada deverá autorizar a instalação de dispositivos que permitem o controle do abastecimento nos veículos locados, bem como arcará com as despesas relativas ao emplacamento e licenciamento dos veículos durante o período de locação e deverá manter atualizada a respectiva documentação. Caberá à contratada entregar o veículo caracterizado conforme modelos adotados pelos órgãos e entidades do Estado de Minas Gerais, sem ônus ao contratante. Todos os veículos locados deverão possuir seguro com cobertura total, para os casos de furto, roubo, incêndio e colisão, sem limite de indenização, porém terceiros e motoristas não serão cobertos pelo seguro.

www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011

www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011 www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011 Agenda Projeto Gestão Estratégica de Suprimentos no Governo de MG 1. Introdução 2. Diagnóstico 3. Desenvolvimento/implantação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. ITEM Código ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL UN QUANT

TERMO DE REFERÊNCIA. ITEM Código ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL UN QUANT GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO, PLANEJAMENTO E FINANÇAS GERÊNCIA DE APOIO LOGÍSTICO E DE SUPRIMENTOS TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa

Leia mais

MINUTA DE TERMO DE REFERÊNCIA DE EDITAL DE LICITAÇÃO

MINUTA DE TERMO DE REFERÊNCIA DE EDITAL DE LICITAÇÃO MINUTA DE TERMO DE REFERÊNCIA DE EDITAL DE LICITAÇÃO 1 OBJETO Constitui objeto do presente Pregão para Registro de s a prestação de serviços, sob demanda, de fretamento eventual para transporte rodoviário

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETIVO: o presente projeto visa a contratação de seguro para os veículos, especificados no Anexo a este termo: Relação e Dados dos Veículos para Contratação do Seguro,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a seguir indicadas, nas condições

Leia mais

CONSIDENRANDO o frequente deslocamento dos gerentes e demais coordenadores entre os dois parques;

CONSIDENRANDO o frequente deslocamento dos gerentes e demais coordenadores entre os dois parques; TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA LOCAÇÃO DE VEÍCULO TIPO PASSEIO PARA OS EQUIPAMENTOS PARQUE SANTANA E PARQUE URBANO DA MACAXEIRA. JUSTIFICATIVA CONSIDENRANDO

Leia mais

MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR

MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR 1. OBJETIVO Este manual contém informações acerca dos procedimentos que deverão ser tomados na ocorrência de qualquer fato que acarrete na utilização

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO RELATÓRIO DE AUDITORIA 1 de 6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO TIPO DE AUDITORIA : ESPECIAL UNIDADE AUDITADA : HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO CÓDIGO : 250042 CIDADE : Rio de Janeiro/RJ RELATÓRIO Nº : 201204188

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA A B C D E OBJETO O presente Termo de Referência tem como objeto o fornecimento parcelado de combustíveis à frota dos veículos oficiais do Conselho Regional de Medicina do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO PLANEJAMENTO E GESTÃO TERMO DE REFERÊNCIA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO PLANEJAMENTO E GESTÃO TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO: TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 - Licitação para Registro de Preços visando à contratação de Serviços de Locação de Veículos, para atender às necessidades dos Órgãos e Entidades da Administração Estadual

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A LOCAÇÃO DE VEÍCULOS BLINDADOS NÍVEL III A

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A LOCAÇÃO DE VEÍCULOS BLINDADOS NÍVEL III A TERMO DE REFERÊNCIA PARA A LOCAÇÃO DE VEÍCULOS BLINDADOS NÍVEL III A JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por objetivo, estabelecer as especificações técnicas para a contratação de empresa

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DECRETO Nº 45.463, de 30 de agosto de 2010 Dispõe sobre a política de aquisição e locação de bens e contratação de serviços da Família Frota de Veículos, cria o Comitê Executivo de Gestão Estratégica de

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso QUESTIONAMENTO 01 BRUNA APARECIDA SOUZA AO SR. PREGOEIRO RESPONSÁVEL PELO CERTAME DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO, PREGÃO ELETRÔNICO Nº 100/2015 - SRP, MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS. Prezados, bom dia! A

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e Adequação integral do PO 02 Adequação dos Registros e Padrões Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/17 1 - DOS OBJETIVOS a) Regulamentar procedimentos de controle da frota de veículos leves e pesados da Prefeitura, visando otimizar o uso dos mesmos e reduzir custos de manutenção. 2- DOS ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Lote LOTE 01 Estimativa anual Até 3500 diárias livres (CARRO S/ MOTORISTA) Especificações Locação de veículos sem motorista com abrangência em toda região Sul e Centro-Oeste

Leia mais

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537.

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537. Assist24h_AutoPasseio_jul 6/13/07 4:32 PM Page 1 CARO SEGURADO Para você que adquiriu o Real Automóvel e contratou os serviços de Assistência 24 horas, este é o seu guia de serviços da Real Assistência.

Leia mais

Objetivos do Compromisso Bahia

Objetivos do Compromisso Bahia Objetivos do Compromisso Bahia Geral Conferir qualidade ao gasto público estadual Específicos Desenvolver uma cultura de responsabilização dos servidores em relação à gestão pública Dotar o governo de

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

IMPUGNAÇÃO AO EDITAL

IMPUGNAÇÃO AO EDITAL IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Pregão Eletrônico n. 327/2012 Superintendência Regional do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Estado do Tocantins SR- TO/DNIT. Impugnante: Vivo S/A A (o) Sr.(a)

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL, ABASTECIMENTO E PESCA TERMO DE REFERÊNCIA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL, ABASTECIMENTO E PESCA TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO: 1.1 - Registro de Preços visando à contratação de Serviços de Locação de Veículos Automotores, para atender às necessidades desta Secretaria, bem como de seus Órgãos vinculados

Leia mais

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços.

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. FRANCISCO JOSÉ COELHO BEZERRA Gestor de Registro de Preços Fortaleza 26 a 28/11/2014 SORAYA QUIXADÁ BEZERRA Gestora

Leia mais

ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº 036/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº 036/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº 036/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO 1. DO OBJETO 1.1. Constitui objeto deste Pregão a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de manutenção e recuperação

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 04/2013

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 04/2013 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n Edifício Gerais - Bairro Serra Verde CEP: 31630-901 - Belo Horizonte - MG COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 04/2013

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

1.PLANO AUTO STANDARD

1.PLANO AUTO STANDARD 1.PLANO AUTO STANDARD 1.1.Definições ACIDENTE/SINISTRO Colisão, abalroamento ou capotagem envolvendo direta ou indiretamente o veículo e que impeça o mesmo de se locomover por seus próprios meios. COBERTURA

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015)

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Instituto de Medicina Social Rua São Francisco Xavier, 524 / 7º andar / Bloco D - Maracanã CEP: 20550-013 - Rio de Janeiro - BRASIL TEL: 55-021- 2334-0235 FAX:

Leia mais

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL REGULAMENTO DE COMPRAS A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL ADES, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede na Av. Dom Luís, 685, sala 101 Bairro Meireles CEP 60.160-230

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

CIDADE ADMINISTRATIVA DE MINAS GERAIS:

CIDADE ADMINISTRATIVA DE MINAS GERAIS: III Congresso Consad de Gestão Pública CIDADE ADMINISTRATIVA DE MINAS GERAIS: MAIOR EFICIÊNCIA E ECONOMIA PARA A GESTÃO PÚBLICA E SUAS CONTRATAÇÕES Renata Maria Paes de Vilhena Emilia Guimarães Painel

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055

REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055 REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055 Somente quando estiver com documento do veículo em mãos, para fornecer ao atendente a placa e o chassi do veículo.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66 LEI N.º 809/2014 SÚMULA: Disciplina procedimentos de controle da frota e transporte municipal e da outras providências. aprovou, e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte A Câmara Municipal de Guaraniaçu,,

Leia mais

Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos sobre a licitação, conforme segue:

Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos sobre a licitação, conforme segue: Quanto aos questionamentos apresentados pela empresa LORENO, passamos a responder o seguinte: Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos

Leia mais

ESTADO DO PARÁ M I N I S T É R I O P Ú B L I C O TERMO DE REFERÊNCIA - ANEXO I DO PREGÃO PRESENCIAL 011/2010-MP/PA.

ESTADO DO PARÁ M I N I S T É R I O P Ú B L I C O TERMO DE REFERÊNCIA - ANEXO I DO PREGÃO PRESENCIAL 011/2010-MP/PA. 1 TERMO DE REFERÊNCIA - ANEXO I DO PREGÃO PRESENCIAL 011/2010-MP/PA. 1. OBJETO Contratação de Empresa para Locação (MENSAL) de Veículos (Item 01) e Registro de Preços para Locação Eventual (DIÁRIAS) de

Leia mais

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e RESOLUÇÃO N.o 83, de 10 de junho de 2009. Dispõe sobre a aquisição, locação e uso de veículos no âmbito do Poder Judiciário brasileiro e dá outras providências. o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA,

Leia mais

Instruções para Habilitação aos Auxílios e Apoios do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA-UFU PROEX-PPG-EM-UFU

Instruções para Habilitação aos Auxílios e Apoios do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA-UFU PROEX-PPG-EM-UFU Instruções para Habilitação aos Auxílios e Apoios do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA-UFU PROEX-PPG-EM-UFU Documento Básico de Orientações do Programa de Excelência Acadêmica PROEX PROGRAMA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STR 001/2009

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STR 001/2009 1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STR 001/2009 Versão: 01 Aprovação em: 09/11/2009 Unidade Responsável: Coordenadoria de Administração - CAD STR: Sistema de Transportes

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUBI CNPJ Nº 11.040.896/0001-59 COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

ESTADO DE PERNAMBUCO PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUBI CNPJ Nº 11.040.896/0001-59 COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CONTRATO Nº 003/2012 Contrato Processo Administrativo nº 004/2012, Tomada de Preços nº 003/2012, com amparo no Artigo 40, 2º, inciso III da Lei 8.666/93, destinado a Locação de 01 (um) veículo automotor,

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Regulamenta o compartilhamento, entre o CAU/BR e os CAU/UF, da gestão, manutenção, evolução e despesas relativas ao Centro de Serviços Compartilhados do Conselho

Leia mais

Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições

Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições A. GERAL Anexo 8: Arranjos de Implementação das Aquisições Esta operação é um empréstimo de US$ 240 milhões, voltado a diversos setores. Ela contém um componente SWAP de US$ 237 milhões e um componente

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária AEROPORTO INTERNACIONAL DE RECIFE/GUARARAPES-GILBERTO FREYRE TERMO DE REFERÊNCIA

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária AEROPORTO INTERNACIONAL DE RECIFE/GUARARAPES-GILBERTO FREYRE TERMO DE REFERÊNCIA AEROPORTO INTERNACIONAL DE RECIFE/GUARARAPES-GILBERTO FREYRE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE PLATAFORMAS ELEVATÓRIAS ARTICULADAS PARA USO NO AEROPORTO

Leia mais

Às EMPRESAS CADASTRADAS E INTERESSADAS NO PREGÃO ELETRÔNICO 006/2010 ATT: Sr. Representante legal.

Às EMPRESAS CADASTRADAS E INTERESSADAS NO PREGÃO ELETRÔNICO 006/2010 ATT: Sr. Representante legal. Em Fortaleza, aos 30 de março de 2010. Ofício 056/2010/CPL/PGJ Às EMPRESAS CADASTRADAS E INTERESSADAS NO PREGÃO ELETRÔNICO 006/2010 ATT: Sr. Representante legal. ASSUNTO: RESPOSTA IMPUGNAÇÃO TELEMAR NORTE

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

DECRETO Nº 596/2009 D E C R E T A

DECRETO Nº 596/2009 D E C R E T A Alterado pelo Decreto nº 1724/11 DECRETO Nº 596/2009 Regulamenta a Lei nº 989/2009, que dispõe sobre a forma de pagamento de despesas de viagens através da liberação de diárias. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 1. O que é Registro de Preços? PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 O Sistema de Registro de Preços é "o conjunto de procedimentos para seleção de proposta

Leia mais

CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS

CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS Maria Leila Casagrande Angeliki Natsoulis Cestari Ana Paula P. Delfino Motta II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 32: Qualidade do gasto público

Leia mais

Cartilha do Gestor de Frota do Órgão / Entidade

Cartilha do Gestor de Frota do Órgão / Entidade Cartilha do Gestor de Frota do Órgão / Entidade SGTA Sistema de Gestão Total de Abastecimento do Governo do Estado de Minas Gerais REV DATA ALTERAÇÃO CRIAÇÃO REVISÃO APROVAÇÃO 01 13/01/14 Versão inicial

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 068/24 TERMO DE REFERÊNCIA 1 - Objeto da contratação 1.1 Contratação de empresa especializada para a prestação de serviços de manutenção preventiva e corretiva nos veículos

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças Código de Classificação: 13.02.02.39 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para a prestação de serviço de locação de veículos, com rastreador de frota, pelo prazo de 12 (doze)

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 Prezados Senhores, Brasília, 28 de novembro de 2012. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD, no âmbito do Projeto BRA/04/044 - Implementação de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE LOCAÇÃO DE VEÍCULOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE LOCAÇÃO DE VEÍCULOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE LOCAÇÃO DE VEÍCULOS MODALIDADE: CONCORRÊNCIA ESPECIAL CRITÉRIO DE JULGAMENTO: MAIS VANTAJOSO DATA LIMITE PARA ENTREGA DE ORÇAMENTO: 17/06/2016 1. INTRODUÇÃO 1.1

Leia mais

Em qualquer lugar do país, e a qualquer hora do dia ou da noite, você estará sempre seguro.

Em qualquer lugar do país, e a qualquer hora do dia ou da noite, você estará sempre seguro. O SulAmérica Auto é o seguro completo que você precisa para seu veículo. Com ele, além das coberturas e garantias, você também tem descontos exclusivos em peças e serviços tanto para você quanto para o

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ decretou e eu PREFEITO MUNICIPAL sanciono a presente LEI: SEÇÃO I.

A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ decretou e eu PREFEITO MUNICIPAL sanciono a presente LEI: SEÇÃO I. LEI Nº 2927/2014 Estabelece o Regime de Diárias e Adiantamentos do Poder Legislativo, normas para o pagamento de despesas e revoga a Lei nº. 2.887/2014. A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ decretou

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

IMPUGNAÇÃO AO EDITAL

IMPUGNAÇÃO AO EDITAL IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Pregão Eletrônico n. 028/2014 Conselho Federal de Enfermagem de São Paulo/SP. Impugnante: Telefônica Brasil S/A. A (o) Sr.(a) Pregoeiro (a) do Conselho Federal de Enfermagem de São

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS.

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. O Governador do Estado de Minas Gerais, no uso de atribuição que lhe confere o artigo 90, inciso VII, da Constituição do Estado,

Leia mais

NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM. Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011

NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM. Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011 NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011 Belo Horizonte, agosto de 2011 Agenda Diretrizes da Alteração Organização da Norma Alterações Principais Outras Alterações O

Leia mais

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes E&L Controle de Frotas Perguntas Frequentes 1. Quando ocorre a integração com o patrimônio e no cadastro de veículos na aba patrimônio o veículo não aparece, qual o procedimento a ser feito para que o

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015 DISPÕE SOBRE AS ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DA FROTA DE VEÍCULOS E NOS EQUIPAMENTOS PESADOS,

Leia mais

Apresentação. E&L ERP Frotas. PostgreSQL 8.2/ 8.3. Domingos Martins ES. v. 1.0

Apresentação. E&L ERP Frotas. PostgreSQL 8.2/ 8.3. Domingos Martins ES. v. 1.0 Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: O permite efetuar o controle sobre o consumo de combustível de cada veículo ou máquina permitindo o seu total monitoramento no

Leia mais

REGULAMENTO DE VIAGENS, CONCESSÃO DE DIÁRIAS E DESPESAS

REGULAMENTO DE VIAGENS, CONCESSÃO DE DIÁRIAS E DESPESAS REGULAMENTO DE VIAGENS, CONCESSÃO DE DIÁRIAS E DESPESAS Dispõe sobre a concessão de diárias e despesas pagas aos funcionários, colaboradores, consultores, prestadores de serviços e Diretores da Associação

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA 1- Objeto da Licitação: Prestação de serviço para contratação de seguro de vida em grupo para os empregados da Empresa Municipal de Informática S.A - IplanRio, visando

Leia mais

IMPUGNAÇÃO AO EDITAL

IMPUGNAÇÃO AO EDITAL IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Pregão Eletrônico nº 0154/2013-21 Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT) Superintendência Regional no Estado de Sergipe. Impugnante: Vivo S/A A (o) Sr.(a) Pregoeiro

Leia mais

CONGRESSO CONSAD DE GESTÃO PÚBLICA

CONGRESSO CONSAD DE GESTÃO PÚBLICA CONGRESSO CONSAD DE GESTÃO PÚBLICA O processo de contratação centralizada utilizado pelo Governo do Estado de Sergipe: a experiência de gestão do abastecimento da frota de veículos Autores: Jorge Alberto

Leia mais

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 12/2014. RESPOSTA 01: Ver o item 5 do Termo de Referência Anexo I do Edital.

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 12/2014. RESPOSTA 01: Ver o item 5 do Termo de Referência Anexo I do Edital. 3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 12/2014 PERGUNTA 01: Para que possamos estimar despesas com manutenção e desgaste dos veículos e consequentemente dimensionar melhor nossa proposta,

Leia mais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais 1 von 6 31.05.2010 10:06.: DAI - Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 2.579, DE 6 DE MAIO DE 1998. Promulga o Acordo Básico de Cooperação Técnica, celebrado entre o Governo da República Federativa

Leia mais

QUESTIONAMENTO 01 SUL AMÉRICA

QUESTIONAMENTO 01 SUL AMÉRICA Fls. QUESTIONAMENTO 01 SUL AMÉRICA Em relação aos Questionamentos efetuados pela empresa Sul América Serviços LTDA, informo que foram analisados pelo Diretor da área solicitante, Sr. Charles, e com base

Leia mais

ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 07 /2009

ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 07 /2009 1 - DO OBJETO ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 07 /2009 Contratação de empresa para fornecimento de seguro veicular de 03 (três) veículos pertencentes à Superintendência de Seguros Privados - SUSEP.

Leia mais

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE Salvador, 21 e 22 de julho de 2010 CONVÊNIOS EQUIPE: Alessandro Chaves de Jesus Ana Lucia Alcântara Tanajura Cristiane Neves de Oliveira

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL PREGÃO PRESENCIAL: 063/2015 JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL OBJETO: Aquisição de equipamentos, sistemas, serviços e outros itens necessários à implantação do gerenciamento eletrônico da freqüência dos

Leia mais

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 Dispõe sobre concessão de diária aos Vereadores e servidores que menciona e dá outras providências. A Câmara Municipal de Piranguinho aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

MANUAL DE POLITICAS E NORMAS ADMINISTRATIVAS NORMA ADMINISTRATIVA NA 003 CONCESSÃO E UTILIZAÇÃO DE VEICULOS

MANUAL DE POLITICAS E NORMAS ADMINISTRATIVAS NORMA ADMINISTRATIVA NA 003 CONCESSÃO E UTILIZAÇÃO DE VEICULOS 1. OBJETIVO O presente instrumento define critérios para concessão, controle e utilização de veículos leves para transporte de passageiros, sejam estes de propriedade das empresas do grupo BEVAP ou locados

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.338/2015 PE 0652/2015

EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.338/2015 PE 0652/2015 EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.338/2015 PE 0652/2015 1 - Para a realização da vistoria técnica do processo acima citado se

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS PRÓPRIOS DA FATEC. Veículos adquiridos em projetos podem ser utilizados obedecendo as seguintes normativas:

UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS PRÓPRIOS DA FATEC. Veículos adquiridos em projetos podem ser utilizados obedecendo as seguintes normativas: UTILIZAÇÃO D VÍCULOS PRÓPRIOS DA FATC USO D VÍCULOS Veículos adquiridos em projetos podem ser utilizados obedecendo as seguintes normativas:.. Uso Os veículos somente podem ser utilizados para a execução

Leia mais