Banco de talentos como ferramenta de apoio à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Banco de talentos como ferramenta de apoio à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense"

Transcrição

1 Banco de talentos como ferramenta de apoio à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense 1 Introdução Marlow Forte de Souza Marcos Baptista Lopez Dalmau Em um mundo caracterizado pela velocidade, nas transformações culturais, políticas e sociais, constantes mudanças também ocorrem no ambiente das organizações e na maneira como elas funcionam, nos papéis desempenhados pelos funcionários e nas sociedades em que vivem. Em uma conjuntura em que a tecnologia é altamente disponibilizada, transformando dados em informação pronta a ser utilizada na tomada de decisão, a gestão de pessoas, de forma estratégica, representa uma oportunidade fundamental no desenvolvimento de competências organizacionais que visem ao atendimento das diferentes exigências da sociedade e dos públicos onde a organização está inserida. Nesse contexto, a gestão por competências torna-se fator decisivo para a alocação das pessoas nos setores certos. O tema ainda é considerado novo, mas é um mecanismo elementar ao bom funcionamento da organização e corresponde a uma necessidade básica, pois sendo um referencial para os indivíduos que a compõem, promove a melhoria das estruturas e a dinamização dos resultados, tornando-se cada vez mais um recurso de interferência sobre o cenário em que atua. Estudos Especializados sobre a Gestão do Judiciário Catarinense Volume 4 195

2 Banco de talentos como ferramenta de apoio, à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense Os avanços tecnológicos e a globalização vêm exigindo cada vez mais novas respostas das instituições públicas, no que se refere à melhoria dos serviços prestados para a sociedade. O ambiente atual contém necessidades que o ambiente burocrático de organização já não atende inteiramente. O modelo organizacional em que o Tribunal de Justiça se constituiu, foi estabelecido num ritmo mais lento, onde o trabalho era muito mais braçal do que intelectual; e somente as pessoas em postos hierarquicamente superiores dispunham de informações suficientes para a tomada de decisão. Durante muito tempo esse modelo burocrático funcionou, porque resolvia problemas fundamentais como segurança e estabilidade, criação de empregos e fornecimento de serviços elementares. Entretanto, esse panorama mudou e as administrações públicas estão sendo cada vez mais exigidas a prestarem serviços de qualidade e a tornarem os processos de trabalho constituídos de significado para os servidores que respondem às necessidades do público. Desse modo, a alocação interna de servidores assume papel de fundamental importância, tornando o ato de administrar não apenas uma relação robotizada observando a hierarquia do organograma funcional, mas, uma relação social construtiva, positiva, uma vez que são pessoas interagindo, trabalhando, coordenando e executando tarefas. A pesquisa foi realizada no Tribunal de Justiça de Santa Catarina, especificamente na Diretoria de Tecnologia da Informação. Considerando que sua estrutura, foi ampliada em fevereiro de 2010, à qual vêm agregando servidores em todas as suas divisões, a questão que orientou a execução desse trabalho foi: como gerenciar de forma eficaz as competências individuais e organizacionais da Diretoria de TI? 1.1 Justificativa A Diretoria de Tecnologia da Informação exerce papel de extrema importância no âmbito do Poder Judiciário Catarinense, desempenhando funções que proporcionam ganho de tempo na realização das atividades e melhor apresentação dos resultados. Contudo, a se- 196 Coleção Gestão Organizacional e Tecnologia em Recursos Humanos

3 Marlow Forte de Souza e Marcos Baptista Lopez Dalmau leção e recrutamento de pessoas, para o quadro de servidores, são feitas mediante concurso público de provas e de títulos, onde os aprovados são alocados de acordo com a necessidade de pessoal e área de formação. O presente estudo pretende demonstrar à organização que a Gestão por Competências é um instrumento que precisa ser priorizado, para envolver não só as lideranças que estão em posições mais altas na hierarquia, mas também os seus colaboradores, por meio de um melhor conhecimento dos talentos internos, principalmente, para lhes atribuir uma parcela de responsabilidade pelo sucesso das ações estratégicas, visando o alcance de maior produtividade com qualidade para todos os públicos relacionados. Elaborar este trabalho com a escolha do tema Gestão por Competências representa uma oportunidade de colocar em prática a experiência teórica obtida na especialização em Gestão Organizacional e Tecnologia em Recursos Humanos, assim como o amadurecimento das atividades realizadas na assessoria administrativa da Diretoria de Tecnologia da Informação do TJSC. 2 Referencial teórico No cenário atual, o sucesso das organizações está cada vez mais vinculado ao desenvolvimento de processos que atendam com maior agilidade a demanda por produtos e serviços de qualidade. Nesse contexto, as pessoas também passam a ser responsáveis pelos resultados da organização, através da melhoria contínua dos processos, da diminuição dos custos e da implementação de estratégias inovadoras. 2.1 Gestão de pessoas Os recursos humanos de uma organização, que compõem seus diversos setores ou departamentos, devem estar sintonizados acerca dos objetivos e estratégias propostos, para assim atingir as metas da empresa na qual estão inseridos. Conforme Dutra (2008, p. 11), a Estudos Especializados sobre a Gestão do Judiciário Catarinense Volume 4 197

4 Banco de talentos como ferramenta de apoio, à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense forma como as organizações efetuam a gestão de pessoas passa por grandes transformações em todo o mundo, [...] motivadas pela inadequação dos modelos tradicionais de gestão de pessoas no atendimento às necessidades e expectativas das empresas e das pessoas. Falhas na alocação dos profissionais têm demonstrado vários problemas, como erros operacionais, conflitos interpessoais, gestão ineficiente, entre outros. Cada vez mais, o sucesso das organizações está ligado ao conhecimento das competências e deficiências de seus funcionários, o que possibilita o planejamento de ações que desenvolvam e estimulem o crescimento profissional. A Gestão Estratégica de Pessoas está fortemente relacionada à Estratégia da organização. Essas se influenciam mutuamente, em várias dimensões. A Estratégia da organização é determinada pela forma como a organização deseja atuar no ambiente e pelo seu patrimônio de conhecimento. [...] Como parceira na formação de Estratégias Organizacionais, a Gestão Estratégica de Pessoas constitui-se em função que busca agregar valor ao Capital Humano, gerindo competências, conhecimento e efetuando os seus processos de modo a valorizar as pessoas e promover o desenvolvimento individual e organizacional. Os focos são as pessoas como ativos centrais da eficácia organizacional. (GIRARDI, 2008, p. 82). Tendo em vista a era digital, é fato que as transformações ocorridas nas sociedades, atingiram também as Organizações da Administração Pública. Nos dias de hoje, gerenciar instituições públicas implica investimentos em novas tecnologias, mas também é imprescindível investir no capital humano, uma vez que o que se valoriza é o potencial humano, que as desenvolvem inovando suas atividades cotidianas, e não mais as máquinas. Um trabalhador do conhecimento é aquele que sabe selecionar, absorver informação e conhecimento onde quer que ele se encontre e com capacidade para aplicar esse conhecimento em ações concretas (HBR, 2000 apud SANTOS NICO- LAU, 2004, p. 3). 198 Coleção Gestão Organizacional e Tecnologia em Recursos Humanos

5 Marlow Forte de Souza e Marcos Baptista Lopez Dalmau A organização pública deve proporcionar condições para que o conhecimento individual seja agregado ao conhecimento coletivo e dessa forma possibilite a criação de valores tangíveis, bem como intangíveis. Quando esse ambiente não acontece, a deficiência institucional se reflete na amplitude do atendimento às demandas sociais, bem como, na qualidade da prestação de serviços públicos. O Novo Modelo, denominado GRP Government Resource Planning ou Sistema Integrado de Gestão Pública tem como foco o gestor público, o elemento chave para a mudança. O GRP fornece ao gestor público um Painel de Controle, fortemente baseado em fatos e dados, permitindo tomar decisões com respostas rápidas e eficazes, mesmo com recursos humanos e financeiros escassos. (WOLYNEC, 2005, p. 2). De acordo com Meirelles (1997), esse novo conceito tem como objetivo: a) revisão e automação de processos; b) estratégias de redimensionamento, realocação, capacitação e valorização do serviço público; c) redução de custos; d) otimização da arrecadação; e e) melhoria da qualidade dos serviços prestados. Sendo assim, atualmente, quem exerce um papel fundamental são os gestores, devendo priorizar pontos estratégicos da Administração Pública, tais como: planejamento estratégico; padronização de processos; gestão do capital intelectual; ambiente de inovação; e gestão de competências individuais e organizacionais. 2.2 Processos de recursos humanos Segundo Chiavenato (1999), as organizações são compostas de pessoas e dependem delas para atingir seus objetivos e cumprir suas Estudos Especializados sobre a Gestão do Judiciário Catarinense Volume 4 199

6 Banco de talentos como ferramenta de apoio, à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense missões. Para as pessoas, as organizações representam o meio pelo qual elas podem alcançar vários objetivos pessoais com um mínimo de tempo, esforço e conflito. Portanto, é de fundamental importância que as estratégias organizacionais sejam claras, objetivas e fáceis de compreender para que tenham sentido para os seus colaboradores. Ulrich (2000) alerta que visões estratégicas podem ser tão amplas, que transmitem pouco significado e orientação às pessoas da organização. O estabelecimento de estratégias não garante, necessariamente, o sucesso, mas pessoas comprometidas e competentes é que farão as estratégias evoluírem. O modelo de gestão estratégica de pessoas é aquele em que a área de RH busca fazer uma ligação entre as pessoas e a estratégia da organização. É o alinhamento do planejamento do RH com o planejamento estratégico da organização. Conforme Girardi (2008) um planejamento estratégico adequado conduz a organização à eficiência operacional e à eficácia dos seus negócios. Recursos humanos, quando tratados de forma estratégica, revelam o poder das táticas de RH em influenciar não apenas o desempenho individual, mas também o da empresa, possibilitando a produção de resultados palpáveis desde a produção até a alta gerência. Os profissionais de RH da atualidade devem: estimular a construção de relacionamentos confiáveis; conhecer os negócios o bastante para se engajar nas discussões; certificar-se de que os sistemas operacionais básicos de sua área estão desenhados corretamente; participar dos processos tanto de elaboração como de execução das estratégias; conhecer a teoria e as ferramentas necessárias para identificar e administrar um talento; possibilitar que, nas empresas, as coisas aconteçam de maneira certa, no momento correto (ULRICH, 2000). Conforme Chiavenato (1999), a área de RH envolve os seguintes processos: 1. Provisão recrutamento e seleção: deve ter critérios (valores e crenças) bem definidos, identificados com o negócio da 200 Coleção Gestão Organizacional e Tecnologia em Recursos Humanos

7 Marlow Forte de Souza e Marcos Baptista Lopez Dalmau organização, pois uma seleção mal realizada ocasiona impactos diretos em seu desempenho; 2. Aplicação orientação, modelagem de cargos, avaliação de desempenho: verifica se as pessoas estão evoluindo nos cargos, se há necessidade de ajustes, alterações ou movimentações, buscando o melhor desempenho dos funcionários e da organização; 3. Remuneração remuneração, programas de incentivos, benefícios: envolve a valorização do funcionário, não apenas com o pagamento de salários e prêmios, mas também com o reconhecimento pelo trabalho bem feito; 4. Desenvolvimento treinamento e desenvolvimento: investimento em formação e educação, qualificando os funcionários para que a organização seja mais competitiva. 5. Manutenção relações trabalhistas, higiene, segurança, qualidade de vida no trabalho: são atividades preventivas destinadas ao bem-estar do funcionário; 6. Monitoração banco de dados e sistemas de informações de RH: referem-se aos controles de frequência, produtividade, balanço social e auditoria, e servem de subsídios para a tomada de decisão. Por meio de monitoramento definem-se os critérios de avaliação e adequação permanentes das políticas, normas e procedimentos de RH. 2.3 Gestão por competências Os novos modelos de gestão abrem espaço para a formação de uma cultura empresarial baseada em resultados obtidos pelo desenvolvimento de competências, Dutra (2001, p. 99) explica que este modelo supõe modificações profundas não só na estrutura, nos sistemas, nas políticas e nas práticas, mas também e, principalmente, na mentalidade organizacional e individual. A noção de competência aparece associada a verbos como: saber agir, mobilizar recursos, integrar saberes múl- Estudos Especializados sobre a Gestão do Judiciário Catarinense Volume 4 201

8 Banco de talentos como ferramenta de apoio, à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense tiplos e complexos, saber aprender, saber engajar-se, assumir responsabilidades, ter visão estratégica. Do lado da organização, as competências devem agregar valor econômico para a organização e valor social para o indivíduo. (FLEURY; FLEURY, 2000). Assim, a relação das competências individuais e organizacionais, estabelece uma influência mútua. Nesse sentido, Dutra (2008, p. 24) argumenta que ao colocarmos organização e pessoas lado a lado, podemos verificar um processo contínuo de troca de competências, ou seja, a organização transmite seu conhecimento para as pessoas, preparando-as para enfrentar novas situações profissionais e pessoais; em compensação, as pessoas transferem à organização seu aprendizado, tornando-a, cada vez mais, capacitada a transformar os imprevistos em atividades do cotidiano. Desse modo, competência tornou-se o diferencial competitivo da organização, e pode ser percebida como um produto impossível de imitar, Embora utilizado de forma ampla para traduzir diferentes conceitos e perspectivas de análise, o termo competências guarda em sua essência a idéia de que as capacidades humanas, tanto coletivas quanto individuais, tornaram-se um dos elementos mais importantes para se estabelecer vantagens competitivas sustentáveis na realidade de hoje. (CARVALHO; BARBOSA, 2005, p. 2). A gestão por competência está relacionada com a competência e o desempenho dos profissionais na organização. Disponibilizados estes de forma específica às necessidades da organização, a gestão possibilita o espírito de colaboração e a troca de ideias e experiências, assim como um consenso sobre os objetivos e as metas. Para Zafiriam (2001, p. 14), três aspectos alimentam a definição multidimensional: 202 Coleção Gestão Organizacional e Tecnologia em Recursos Humanos

9 Marlow Forte de Souza e Marcos Baptista Lopez Dalmau A tomada de iniciativa e de responsabilidade do indivíduo; a inteligência prática das situações, que se apóia sobre os conhecimentos adquiridos e os transforma; a faculdade de mobilizar redes de atores em torno das mesmas situações, co-responsabilidade e partilha do que está em jogo em cada situação. 2.4 Competências individuais e organizacionais Segundo Dutra (2001, p. 28), competência é compreendida como um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes (CHA), necessários para que as pessoas desenvolvam suas atribuições e responsabilidades na organização. Considerando que as organizações buscam maior competitividade e distinção no mercado, o foco tem sido cada vez mais voltado para as pessoas e suas competências. Ser competente está relacionado com um bom desempenho numa determinada tarefa, o que não garante que este desempenho será bom sempre. Foi competente por causalidade. Ter competências significa ter conhecimentos, habilidades e atitudes compatíveis, com o desempenho de uma atividade e ser capaz de colocar esse potencial em prática sempre que for necessário. (RABAGLIO, 2001, p. 2). Nesse sentido, Girardi (2008, p. 52), argumenta que o desafio atual das organizações é agregar valor às suas atividades e transformar as pessoas no seu diferencial competitivo. Por isso, os gestores, responsáveis pelo setor ou departamento da organização, não só necessitam de competências compatíveis com sua área de atuação (alinhadas às competências organizacionais) como, também, possuem a incumbência de estimular o desenvolvimento de competências de seus subordinados. Competências organizacionais é, segundo Hamel e Prahalad (apud BRANDÃO; GUIMARÃES, 2001), um conjunto de habilidades e tecnologias que permite a uma empresa oferecer um determina- Estudos Especializados sobre a Gestão do Judiciário Catarinense Volume 4 203

10 Banco de talentos como ferramenta de apoio, à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense do benefício a seus clientes, aspecto fundamental para a competitividade e, consequentemente, para a sobrevivência da organização. Fleury e Fleury (2001) afirmam que a definição das competências essenciais de uma organização, está intimamente relacionada com a estratégia de negócio que a empresa adota, além do levantamento dos recursos que a empresa dispõe (capitais do conhecimento). 2.5 Banco de talentos O atual ambiente corporativo exige cada vez mais o aumento da capacidade de obtenção de melhores resultados através das pessoas. Assim, o grande desafio para os gestores passa a ser o desenvolvimento da capacidade de previsão dos caminhos futuros, para o melhor aproveitamento das oportunidades. Para tanto, é fundamental a criação de um banco de dados que configure as competências e deficiências existentes na organização, possibilitando a criação de um banco de talentos internos. A adequada escolha dos participantes de uma equipe de trabalho constitui-se em uma das ferramentas vitais para o sucesso da gestão. A troca de conhecimentos e informações entre os membros da equipe e o trabalho em conjunto formam a sinergia necessária para a eficiência e a eficácia dos resultados. Pode-se afirmar então, que o talento é um elemento de alto valor estratégico e como tal deve ter seu valor agregado, atualizado e protegido. Numa organização centrada em administrar seus talentos, não há espaço para a convivência com a tradicional área de RH. A Gestão de Talentos é um passo crucial para as organizações que trabalham sua visão estratégica, na busca da transformação para alavancar vantagem competitiva. Afinal, a gestão de talentos visa à maximização do desempenho humano, através de um modelo participativo de gestão estratégica de pessoas. (COLARES, 2005, p. 305). 204 Coleção Gestão Organizacional e Tecnologia em Recursos Humanos

11 Marlow Forte de Souza e Marcos Baptista Lopez Dalmau Contudo, pouco adiantam estratégias inovadoras, metodologias diferenciadas de trabalho e investimentos em tecnologias de última geração se o principal as pessoas não estiverem preparadas para exercer suas funções com qualidade e produtividade. Nesse contexto, Nazar (2007) argumenta que através de um mapeamento das competências individuais e organizacionais será possível formar profissionais altamente capacitados. A ideia de criar uma cultura de aprendizagem permanente no ambiente de trabalho, que combine o esforço produtivo ao desenvolvimento da inteligência e da comunicação entre os grupos, favorece a condução das carreiras dentro da organização. Tecnologias como Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados, Internet, Sistemas de Informação em geral, entre outros, são consideradas na atualidade alguns exemplos de recursos que têm viabilizado a proliferação e o crescimento de inúmeras bases de dados de natureza comercial, administrativa, governamental e científica (BEZERRA; GOLDSCHMIDT, 2010, p. 1). No atual contexto, fala-se cada vez mais da necessidade de valorização do potencial humano, ou seja, as organizações estão buscando no mercado pessoas dinâmicas, criativas e com espírito empreendedor, que mediante seu potencial façam o diferencial no ambiente organizacional. Em resumo, as organizações inovadoras estão procurando por talentos, cujo propósito é utilizar e desenvolver ao máximo suas capacidades. Sendo assim, o grande desafio das organizações empresariais constitui-se em encontrar e reter seus talentos humanos, visto que as empresas possuem conhecimentos disseminados e compartilhados por todos, entretanto, existem também diversos estoques ou conjuntos de conhecimentos pertencentes a indivíduos, pequenos grupos ou áreas funcionais (OLIVEIRA JÚNIOR, 2001, p. 221). Desse modo, acredita-se que um Banco de Talentos possa contribuir para a Gestão de Competências. O estudo específico da articulação entre Banco de Talentos e a Gestão de Competências demanda Estudos Especializados sobre a Gestão do Judiciário Catarinense Volume 4 205

12 Banco de talentos como ferramenta de apoio, à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense um processo na dinâmica organizacional, isto é, visa à compreensão de diferentes elementos na recompensa da contribuição das pessoas em função de suas competências. Corroborando com essa linha de raciocínio, Rodrigues (2006 p. 24) afirma que a gestão de pessoas assume papel preponderante nesse processo, somente o ser humano consegue mobilizar, criar e transferir conhecimentos e competências que agreguem valor econômico à organização ; por isso é fundamental a identificação, o desenvolvimento e a avaliação de seus talentos para o gerenciamento de pessoas em função das competências. A qualificação e a capacitação das pessoas representam variáveis importantes nas estratégias organizacionais. É a partir da especificidade de cada organização e de acordo com as habilidades desenvolvidas pelos indivíduos que a instituição não se limita ao processo de trabalho. Hoje os profissionais precisam possuir as competências necessárias para garantir a competitividade corporativa, como também a sua empregabilidade. Para atender tais necessidades as empresas precisam dispor de pessoas competentes e motivadas para produzir, compete às empresas, agirem como facilitadoras do desenvolvimento dos seus talentos (LACOMBE, 2005). 3 Metodologia Para alcançar os objetivos deste trabalho, o tema foi desenvolvido com a utilização da técnica de documentação indireta, envolvendo a pesquisa temática bibliográfica e documental e a observação assistemática junto às Divisões da Diretoria de Tecnologia da Informação do Tribunal de Justiça de Santa Catarina. 3.1 Caracterização da pesquisa A investigação qualitativa, segundo Rauen (2002), trabalha com valores, crenças, representações, hábitos, atitudes e opiniões. Este tipo de investigação é indutivo e descritivo, na medida em que o investigador desenvolve conceitos, ideias e entendimentos a partir de padrões encontrados nos dados, em vez de recolher dados 206 Coleção Gestão Organizacional e Tecnologia em Recursos Humanos

13 Marlow Forte de Souza e Marcos Baptista Lopez Dalmau para comprovar modelos, teorias ou verificar hipóteses. Este tipo de investigação contempla uma visão holística, na medida em que as situações e os indivíduos são vistos como um todo e estudados numa base histórica. Os métodos qualitativos empregam, na sua generalidade, procedimentos interpretativos, não experimentais, com valorização dos pressupostos relativistas e a representação verbal dos dados (privilegia a análise de caso ou conteúdo). Quanto aos fins o estudo presente é classificado como uma pesquisa exploratória e descritiva. É uma pesquisa exploratória, visto que este tipo de estudo busca maiores informações sobre o assunto a ser estudado. Não elabora hipóteses, porém esclarece os objetivos a serem atendidos, com o intuito de obter uma nova percepção e definição do problema. Mattar (2001, p. 18) enfatiza que é apropriada para os primeiros estágios da investigação quando a familiaridade, o conhecimento e a compreensão do fenômeno por parte do pesquisador são geralmente poucos ou inexistentes. Portanto, pode-se dizer que a pesquisa exploratória tem como principal objetivo o aprimoramento de ideias ou a descoberta da definição de um problema. Apresenta-se como uma pesquisa descritiva, pois conforme esclarecem Samara e Barros (2002, p. 30), procura[m] descrever situações de mercado a partir de dados primários, obtidos originalmente por meio de entrevistas pessoais, ou discussões em grupo, relacionando ou confirmando as hipóteses levantadas na definição do problema. Ou seja, visa descrever as características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre os dados coletados. A classificação quanto aos meios de investigação, atende como pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, pesquisa de campo, observação assistemática. Trata-se, por fim, de um Estudo de Caso. A pesquisa bibliográfica caracteriza-se pela elaboração de textos a partir de material já publicado, constituído principalmente de li- Estudos Especializados sobre a Gestão do Judiciário Catarinense Volume 4 207

14 Banco de talentos como ferramenta de apoio, à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense vros, artigos de periódicos e atualmente com material disponibilizado na Internet (VERGARA, 2000). A pesquisa documental é elaborada a partir de materiais que não receberam tratamento analítico, mas que depois de interpretados possam vir a fortalecer a pesquisa, e que geralmente são conservados no interior de órgãos públicos e privados (VERGARA, 2000). A pesquisa de campo procede à observação de fatos e fenômenos exatamente como ocorrem no real, à coleta de dados referentes aos mesmos e, finalmente, à análise e interpretação desses dados, com base numa fundamentação teórica consistente, objetivando compreender e explicar o problema pesquisado (VERGARA, 2000). A observação assistemática ajuda o pesquisador a reconhecer e adquirir a comprovação dos objetivos sobre os quais os indivíduos não têm noção, mas que norteiam seu comportamento; também obriga o pesquisador a ter um contato mais direto com a realidade: o pesquisador procura recolher e registrar os fatos da realidade sem a utilização de meios técnicos especiais, ou seja, sem planejamento ou controle (LAKATOS; MARCONI, 1996). O método utilizado foi o Estudo de Caso, que, segundo Mattar (2001), ajuda a aprofundar o conhecimento de problemas sobre os quais ainda se dispõe de poucos elementos. Visa à profundidade e o detalhamento de uma instituição, de um grupo de pessoas ou até mesmo de uma situação (VERGARA, 2000). Os estudos de caso oferecem a vantagem de manter juntas as múltiplas características do objeto a ser estudado, o que favorece a compreensão da organização a ser estudada em sua totalidade. 3.2 Universo da pesquisa e coleta dos dados Visitas periódicas foram efetuadas nas Divisões de Sistemas Administrativos, de Gestão do Conhecimento, Redes de Comunicação, por serem as que têm maior número de analistas de sistemas lotados. Os métodos de coleta de dados foram a observação assistemática e a análise documental, aplicados da seguinte forma: 208 Coleção Gestão Organizacional e Tecnologia em Recursos Humanos

15 Marlow Forte de Souza e Marcos Baptista Lopez Dalmau a) As Divisões foram pesquisadas por meio da observação assistemática, realizada em horários previamente combinados para que se determinasse a organização dos trabalhos, bem como por informações e opiniões sobre a distribuição dos analistas de sistemas, considerando suas competências. b) A documentação interna foi analisada para se obter uma visão mais clara e objetiva do funcionamento das atividades de cada Divisão. Os documentos internos foram examinados quando disponibilizados ao pesquisador. Esses documentos são procedentes dos arquivos da organização. 4 Apresentação dos resultado 4.1 Caracterização da organização em estudo O Poder Judiciário estadual comporta, hoje, um universo de 111 comarcas e 2 foros distritais, pertencentes à comarca da Capital, agrupadas em 40 circunscrições judiciárias distribuídas no território constituído de 293 municípios para a administração da justiça. Divide-se em entrâncias inicial, intermediária, final e especial, onde operam 367 Juízes de Direito e Juízes Substitutos. Essa realidade é bem diversa da existente há pouco mais de um século, quando a estrutura judiciária organizada na recém-instalada República era composta de apenas quatorze comarcas e aproximadamente duas dezenas de magistrados e uns poucos servidores. A partir da promulgação da Constituição Federativa do Brasil, em 1988, e da Constituição Estadual de Santa Catarina, em 1989, o Poder Judiciário passou a ter autonomia financeira e administrativa, o que lhe possibilitou estruturar-se de forma que permitisse a administração dos recursos financeiros, materiais, humanos e tecnológicos buscando atender com coerência aos desejos da sociedade. Sua missão maior é a de humanizar a justiça, garantindo que todos tenham acesso com a efetivação dos direitos. Estudos Especializados sobre a Gestão do Judiciário Catarinense Volume 4 209

16 Banco de talentos como ferramenta de apoio, à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense Em 1992, com a criação do Fundo de Reaparelhamento da Justiça FRJ, o então Presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Ayres Gama Ferreira de Mello, elegeu como uma das prioridades de sua administração a ampliação da informática, criando, em consequência, as condições indispensáveis para o seu efetivo desenvolvimento. Essa iniciativa foi mantida ao longo dos anos, a tal ponto que em 1997 as comarcas do Estado e o Tribunal foram ligados em rede remota e lógica. O Tribunal de Justiça de SC, desde o ano 2000, passou a demonstrar preocupação com a informatização da justiça no que se refere à constituição de um setor específico para gestão de assuntos relacionados à informática no 1º e 2º Graus de Jurisdição. Então, em fevereiro de 2002 foi instituída a Comissão de Gestão de Informatização CGInfo e, no início de 2008, foi elevada à categoria de Conselho Gestor de Tecnologia da Informação, promovendo, junto com a, então, Diretoria de Informática, grandes avanços tecnológicos no Judiciário Catarinense. Em fevereiro de 2010, buscando atender a demandas reprimidas por falta de efetivo funcional, a Diretoria foi reestruturada passando a contar com 4 assessorias (administrativa, projetos, segurança e metodologia), 8 divisões (desenvolvimento de sistemas, gestão do conhecimento, administração de dados, redes de comunicação, equipamentos de informática, suporte ao usuário e sistemas judiciais do 1º e do 2º graus) e 2 secretarias específicas (administrativa e projetos), sendo sua nomenclatura alterada para Diretoria de Tecnologia da Informação. Atualmente, conta com 150 colaboradores entre servidores, terceirizados e estagiários. A maioria dos servidores tem formação superior nas áreas de Ciências da Computação, Análise de Sistemas, Direito e Administração de Empresas. Os colaboradores estão distribuídos entre o 5º e o 10º andares no prédio da Unidade Administrativa do Tribunal de Justiça, situado à Rua Presidente Coutinho, no Centro de Florianópolis. Compete à esta Diretoria executar os planos e projetos referentes à informatização do Poder Judiciário, definidos pelo Comitê Gestor da Tecnologia da Informação CGINFO, bem 210 Coleção Gestão Organizacional e Tecnologia em Recursos Humanos

17 Marlow Forte de Souza e Marcos Baptista Lopez Dalmau como pesquisar, desenvolver e aplicar novas tecnologias de informação, manter sistemas, equipamentos e canais de teleprocessamento, orientar sobre investimentos em bens de informática, disseminar conhecimento sobre a utilização da informática e prestar suporte a todas as unidades organizacionais do Poder Judiciário estadual. 4.2 Análise dos resultados Neste capítulo são apresentados os dados da pesquisa documental e observação assistemática realizadas nas Divisões da Diretoria de Tecnologia da Informação. O objetivo da pesquisa foi reunir informações acerca da distribuição dos servidores ocupantes do cargo de Analista de Sistemas, bem como observar assistematicamente as atividades que envolvem os serviços oferecidos por meio da Diretoria de TI aos públicos interno e externo do Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Sobre a captação e distribuição dos novos servidores para a Diretoria em estudo, verificou-se que nos termos do art. 37, inciso II da Constituição Federal, a investidura em cargo ou emprego público é condicionada à prévia aprovação em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego. O princípio do concurso público, que complementa o da ampla acessibilidade dos cargos, empregos e funções públicas, tem por fim assegurar a todos iguais oportunidades para disputar cargos ou empregos na administração direta ou indireta. Quando o servidor já faz parte do quadro funcional do Poder Judiciário, há a possibilidade de remoção, a qual se caracteriza pela movimentação de servidor, pelas Unidades da Justiça de Primeiro e Segundo Graus, neste caso podendo ocorrer mudança de cidade dentro do Estado de Santa Catarina. Do mesmo modo, também pode ocorrer a relotação, com a diferença de que a movimentação do servidor será internamente na unidade jurisdicional em que estiver lotado. A Diretoria de Recursos Humanos é a responsável pelo gerenciamento e supervisão do quadro de pessoal do Poder Judiciário, tanto da Justiça de Primeiro Grau quanto da Secretaria do Tribunal de Estudos Especializados sobre a Gestão do Judiciário Catarinense Volume 4 211

18 Banco de talentos como ferramenta de apoio, à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense Justiça, envolvendo os servidores efetivos, os comissionados, os inativos, os juízes de paz, os extrajudiciais, os estagiários, os voluntários e os terceirizados. Esse trabalho envolve o controle do ingresso na carreira, com o acompanhamento dos processos de nomeação dos servidores, de contratação de estagiários e terceirizados, e de adesão dos voluntários. A Diretoria é responsável, ainda, pelo controle da movimentação na carreira dos servidores (remoção, disposição, relotação etc.) e pelo registro de todos os incidentes ocorridos durante a vida funcional dos colaboradores do Poder Judiciário. Após a posse, o novo servidor é encaminhado à respectiva área que demandou o provimento do respectivo cargo, para a alocação que esta entender ser a mais adequada e necessária. Considerando a ampliação da estrutura organizacional da, então, Diretoria de Informática, em virtude da crescente demanda por novos sistemas de suporte administrativo e jurisdicional, foi realizado concurso para o cargo de Analista de Sistemas e autorizadas 44 novas vagas, as quais já foram providas entre 2010 e Entretanto, verificou-se que não há um processo e/ou sistema que permita um melhor conhecimento das competências individuais, aos quais evidenciem as habilidades e atitudes. Os novos servidores mesmo com alto grau de conhecimento, geralmente são distribuídos de forma empírica, sem critérios claros, tomando como base somente a experiência passada, em virtude da área de recursos humanos, bem como da área de TI, não dispor de ferramentas adequadas para uma análise mais abrangente do perfil de cada servidor a tomar posse. Nas Divisões de Sistemas Administrativos e Gestão do Conhecimento, os analistas têm sido alocados em equipes com projetos voltados para o desenvolvimento de sistemas. Entretanto nas Divisões de Redes de Comunicação e de Administração de Dados a alocação dos novos analistas, em alguns casos, tem sido equivocada, uma vez que, em virtude da falta de pessoal, alguns servidores estão realizando atividades condizentes com o cargo de nível médio, Técnico Judiciário Auxiliar (TJA), ocasionando subutilização de mão de obra altamente especializada, desmotivação para as atividades diárias e, ainda, a 212 Coleção Gestão Organizacional e Tecnologia em Recursos Humanos

19 Marlow Forte de Souza e Marcos Baptista Lopez Dalmau continuidade da falta de analista nas áreas-fim da Diretoria, quais sejam: de desenvolvimento de sistemas e gestão do conhecimento. 5 Considerações finais As frequentes transformações impostas às organizações, decorrentes da globalização e do avanço tecnológico, têm exigido novas formas de gestão no tocante ao gerenciamento dos recursos humanos. A gestão estratégica de pessoas passa a ser de vital importância, visto que, sem ela não há condições de planejar, criar ou executar qualquer mudança que se queira programar, visando o adequado uso e manutenção do quadro funcional. De acordo com o estudo realizado, pode-se dizer que a Gestão por Competências pode ser um poderoso meio de identificação dos potenciais dos servidores, pois se trata de um sistema gerencial que possibilita melhoria da competência profissional, somando capacidades e ampliando as já existentes, assim como estimula os colaboradores a assumirem a responsabilidade pela otimização dos resultados pessoais e organizacionais, o que proporcionaria o desempenho da equipe e a qualidade das relações entre servidores e chefias. Conclui-se, então, que as competências individuais dos servidores, quando mapeadas e tratadas com ferramentas adequadas, favorecem a criação de um ambiente voltado para a maximização dos resultados. A formação de um banco de dados, reunindo informações acerca das qualificações (CHA) dos servidores, obtendo registros de um conjunto de dados inter-relacionados e organizados, possibilitaria ao gestor melhor visão para a tomada de decisão quanto à distribuição dos servidores, avaliação de desempenho, necessidades de treinamento, reciclagem de pessoal, formação de equipes. Contudo, na Administração Pública, a aplicação dos conceitos de Gestão por competências depende da legalidade, visto que esses critérios são menos flexíveis do que em empresas privadas. Assim, os aspectos ligados à contratação e demissão são estabelecidos por leis específicas. Estudos Especializados sobre a Gestão do Judiciário Catarinense Volume 4 213

20 Banco de talentos como ferramenta de apoio, à gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso no Tribunal de Justiça Catarinense Atividades como seleção, remuneração e benefícios, baseados em competências, não estão contempladas na legislação para servidores públicos; os princípios de isonomia e livre acesso para todos, criaram mecanismos que nivelam pelo desempenho do conhecimento em concursos públicos e não levam em consideração elementos relacionados a habilidades e atitudes. Portanto, para que os conceitos da gestão por competências possam ser aplicados na gestão de pessoas, há a necessidade de uma mudança de paradigma, a qual conscientize a Administração do Poder Judiciário, como um todo, de que captar e reter talentos, objetivando a excelência dos resultados, depende de uma nova ordem nos processos organizacionais. Referências BEZERRA, Eduardo; GOLDSCHMIDT, Ronaldo. A Tarefa de Classificação em Text Mining. Revista de sistemas de informação da FSMA, n. 5, BRANDÃO, Hugo Pena; GUIMARÃES, Tomás de Aquino. Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo construto? RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 8-15, jan/ mar Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rae/v41n1/ v41n1a02.pdf>. Acesso em: 10 jan CARVALHO, S.; BARBOSA, A. C. Q. O desenvolvimento de competências organizacionais: um estudo aplicado ao ensino a distância via internet. In: ENANPAD. Brasília: ANPAD, CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, COLARES, Thelma L. V. Banco de talentos: um instrumento para a gestão estratégica na Universidade Federal do Pará Disponível em: <http://www.aedb.br/seget/artigos05/317_artigo%20 cientifico%20thelma.pdf>. Acesso em: 16 nov Coleção Gestão Organizacional e Tecnologia em Recursos Humanos

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A gestão por competências como instrumento para administração estratégica de recursos humanos

A gestão por competências como instrumento para administração estratégica de recursos humanos SUZANO ANO 2 Nº 2 OUT. 2010 71 A gestão por como instrumento para administração estratégica de recursos humanos Meire Almeida de SOUZA Faculdade Unida de Suzano (malmsouza@yahoo.com.br) João de Andrade

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

A relação da gestão de recursos humanos com o estágio de direito não obrigatório nos cartórios de vara única do Poder Judiciário de Santa Catarina

A relação da gestão de recursos humanos com o estágio de direito não obrigatório nos cartórios de vara única do Poder Judiciário de Santa Catarina A relação da gestão de recursos humanos com o estágio de direito não obrigatório nos cartórios de vara única do Poder Judiciário de Santa Catarina 1 Introdução Marilaine Eni Hebert Gilberto de Oliveira

Leia mais

Ana Cláudia Braga Mendonça

Ana Cláudia Braga Mendonça Plano de Cargos e Salários CSJT OCUPAÇÃO DE FUNÇÃO COMISSIONADA E CARGO EM COMISSÃO I - FUNÇÕES COMISSIONADAS (FC-1 - FC-6) 80% > servidores integrantes das Carreiras do Poder Judiciário da União; (Art.3º)

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Apresentação. A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo.

Apresentação. A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo. Apresentação A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo. Nossa missão é promover o encontro entre pessoas e

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira nas Organizações Públicas Brasileiras A estruturação ou revisão de um PCCR se insere em um contexto de crescente demanda por efetividade das ações

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Prof.ª Giselle Reis Brandão IEC - PUC Minas ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES: ADM. DE RECURSOS HUMANOS: As pessoas vistas como recursos, no sentido de instrumentos, meios para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Viviane Maravieski Pereira (UTFPR) vivimaravieski@hotmail.com Isaura Alberton de Lima (UTFPR) alberton@cefetpr.br Resumo: Este artigo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Dispõe sobre o Plano Nacional de Capacitação Judicial de magistrados e servidores do Poder Judiciário (Publicada no DJ-e nº

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL E COACHING

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL E COACHING MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL E COACHING FESPSP - SLAC Curso de Especialização lato sensu: Gestão Pública Elio Jaradanovski Silvia Ferreira Mac Dowell Discipl: Gestão de Pessoas Profa. Silvia Ferreira Mac

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS RESUMO Priscila Alves Moreira Robésio Teixeira Gomes Partindo do pressuposto de que o coaching

Leia mais

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores.

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Período: Março 2010 a junho 2011 Categoria: Adesão dos Colaboradores Sumário: O trabalho relata

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. Alessandra Cristina Rubio¹ Regina Aparecida de Alcântara Gonzaga 1 Thiago Silva Guimarães³ RESUMO É notória e cada vez mais

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 ÁREAS DE NEGÓCIOS E ENGENHARIA O Programa Pós-Flex da Universidade Positivo possui 15 cursos voltados para

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos componentes e fatores condicionantes Glaucia Falcone Fonseca Nos dias de hoje, em todas as organizações, seja ela voltada para serviços, ramo industrial

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

White Paper A NBR ISO 9001:2008 e a Gestão de Pessoas

White Paper A NBR ISO 9001:2008 e a Gestão de Pessoas Sérgio Goes, Ph.D., Sócio Diretor da Executive. White Paper A NBR ISO 9001:2008 e a Gestão de Pessoas 1. Introdução A decisão de implantar um sistema de gestão da qualidade (SGQ) em uma organização é muitas

Leia mais

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Módulo 3 Conceitos e Princípios Sobre Carreira e Remuneração Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Escola de Engenharia

Escola de Engenharia Unidade Universitária: Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Gestão em Recursos Humanos Professor(es): Roberto Pallesi Carga horária: 4hs/aula por semana Escola de Engenharia DRT: 1140127 Código da

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas ESTRATEGICA 1985 a hoje Aumentar o envolvimento dos colaboradores e integrar sistemas de suporte ADMINISTRATIVA 1965 a 1985 Foco: indivíduos

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Revisão Organizações focalizadas na estratégia: Traduzir a estratégia em termos operacionais;

Leia mais

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management Profº Walter Lerner lernerwl@terra.com.br Filme 7 CONTEXTUALIZAÇÃO da ADM e do Administrador

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O A D M I N I S T R A Ç Ã O G E R A L UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP Autores: Antonio Carlos Gola Vieira Aluno da Faculdade

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo e de cargos em comissão no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS 2011 Paola Lucena dos Santos Bolsista de Iniciação Científica, CNPq Acadêmica de Psicologia pela PUC/RS, Brasil Laura Traub Acadêmica de

Leia mais

GUIA DE GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO GESCOM. Gestão por. Competências. Capacitação e Desenvolvimento

GUIA DE GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO GESCOM. Gestão por. Competências. Capacitação e Desenvolvimento GUIA DE GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO GESCOM Porto Velho - RO - 2014 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO Rondônia / Acre IDENTIDADE ORGANIZACIONAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Coordenador do Projeto: Endereços para contato: Setor: Data: Gestão de suprimento em instituições

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais