Análise Comparativa dos Custos da Terceirização do Transporte na Universidade Federal de Viçosa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Comparativa dos Custos da Terceirização do Transporte na Universidade Federal de Viçosa"

Transcrição

1 Resumo Análise Comparativa dos Custos da Terceirização do Transporte na O presente artigo pretende analisar o processo de terceirização de uma política pública sob forma de prestação de serviço de transporte na. A fim de se manter focado nas atividades fins, os gestores contratam empresas terceiras para executarem as funções de caráter operacional. Tal processo, originalmente conhecido como outsoucing, iniciou-se primeiramente no setor privado. Nas instituições Federais de Ensino, houve maior fomento nos anos de 1990 com a extinção de cargos de nível operacional, se tornando uma importante ferramenta gerencial. Pouco se conhece sobre os impactos da terceirização dentro dessas Instituições. Com isso, este artigo objetiva fazer análise dos custos de transportes, comparando-os com os valores pagos na terceirização da frota. Desta forma o resultado desta pesquisa apresentará subsídios para a melhor aplicação de recursos públicos. Palavras Chaves: Terceirização, Serviço Público, Transporte. Comparative Analysis of Costs of Outsourcing Transportation at the Abstract This article analyzes the outsourcing process of public policy in the form of provision of service transport at the. In order to stay focused on the final activities, managers hire third parties to perform the functions of operational nature. This process, originally known as outsoucing, began primarily in the private sector. In the Federal Educational Institutions, there was fostering greater in the 1990s due to the demise of senior operational level, becoming an important management tool. Little is known about the impact of outsourcing within these institutions. This, this article has the objective to make the analysis of transport costs, comparing them with the amounts paid in outsourcing fleet. Thus the results of this study will present information for better use of public resources. Key Words: Outsourcing, Public Service, Transport INTRODUÇÃO/INTRODUCTION O mercado de trabalho passou por uma forte reestruturação que teve como pano de fundo a forte volatilidade do mercado, o aumento da competição e o estreitamento das margens de lucro, condições estas que implicaram numa reestruturação das próprias corporações e na formação de uma grande quantidade de mão-de-obra excedente e no consequente enfraquecimento do poder sindical e que permitiu, aos patrões a imposição de contratos e regimes de trabalho mais flexíveis, além de permitir uma, ao menos aparente, redução do emprego regular em virtude do uso cada vez mais acentuado do trabalho em tempo parcial, temporário, subcontratado ou terceirizado (MORAES, 2008). A preocupação pelo bom desenvolvimento das atividades de uma organização, frente às novas dinâmicas do mercado, fez com que alguns processos administrativos mudassem com o tempo. Um desses processos refere-se à gestão de pessoas. A terceirização de parte das atividades e funções surge dentro dessa perspectiva. A fim de focar apenas no

2 desenvolvimento das atividades principais que agregam valor, as instituições começaram a passar para terceiros serviços básicos como os de manutenção, segurança, entre outros. A administração pública brasileira vem sofrendo várias mudanças ao longo da história. Na década de 1930, o então presidente Getúlio Vargas utilizou os padrões da teoria burocrata Weberiana como ferramenta para estruturação do Estado, partindo de um modelo centralizador e autoritário, criando-se então o Departamento de Administração do Setor Público (DASP). Passados três décadas, mais precisamente no ano de 1967, o governo introduziu valores gerenciais. Segundo Matias-Pereira (2008), novas direções para administração pública, pautada na concepção da autonomia de gestão, descentralização administrativa, principalmente com a expansão da administração indireta, principalmente diante da criação de empresas estatais. A década de 1980 foi marcada por fortes mudanças no cenário mundial, pois a grande maioria dos países estava passando por reformas políticas. No Brasil não foi diferente. Em 1995 iniciou-se o processo de reforma gerencial do Estado brasileiro. Conforme Bresser Pereira (1996), terceirização é o processo de transferência para o setor privado dos serviços auxiliares ou de apoio, o que leva a contratação de empresas para realizar o todo ou parte das atividades organizacionais. É a descentralização de serviços mediante a contratação de mão-de-obra teoricamente especializada para a realização de funções específicas, implicando de forma direta na qualidade das atividades-fim. Durante o desenvolvimento das bases ideológicas do socialismo Karl Marx, através do conceito de mais-valia, já apontava e criticava este comportamento capitalista onde a obtenção dos lucros partia da exploração da mão-de-obra e era gradualmente reforçada pela detenção dos meios de produção, que agiam como instrumento de manipulação e controle de trabalhadores (ALVES, 2002). Este afastamento do Estado pode ser considerado como um esforço neoliberal de gestão e estas práticas atualmente são correntes em vários setores da sociedade, inclusive na educação. Esta é uma alternativa legal, porém eticamente questionável, pois para muitos administradores trata-se simplesmente da redução de custos com a mão-de-obra do trabalhador. A despeito de tantos prós e contras, a terceirização vem garantindo seu espaço na política moderna e na economia neoliberal. Tema controverso, a terceirização tem sido cada vez mais discutida não só por aqueles que fazem parte da administração pública, mas também por estudiosos e interessados nas relações entre a administração pública, a empresa contratada e os terceirizados. No entanto, os impactos do processo de terceirização ainda são desconhecidos, principalmente em função de ser um fenômeno recente, existindo poucos estudos a respeito do processo. Seguindo este pressuposto, o presente trabalho teve o propósito de contribuir para a compreensão da terceirização do transporte na, campus Viçosa. Após conhecer as possibilidades da terceirização, busca-se identificar a necessidades da utilização deste processo no órgão público, pois, antes de usar a ferramenta administrativa de terceirização, é imprescindível identificar o custos, além de considerar outras alternativas existentes e definir os objetivos a serem alcançados com a terceirização. Este artigo objetiva conhecer os impactos referentes ao processo de terceirização do transporte na, fazendo uma analise comparativa de custos nesta atividade. Mais especificamente busca-se o levantamento do custo efetivo do km rodado pela frota de veículos de passageiros da e de posse destes dados fazer a comparação de custos com os valores do registro de preço licitados para transporte de passageiros na referida instituição.

3 DESENVOLVIMENTO/DEVELOPMENT A evolução do pensamento organizacional trouxe para a realidade da empresa novos paradigmas de gestão e novas estratégias. A new public management (NPM), também conhecida como a nova gestão pública, é um modelo que está sendo utilizado cada vez mais nas organizações públicas, congregam alguns conhecimentos gerenciais diferentes, dentre eles modelos analíticos, outros de caráter normativo. Slomski (2008), fala que a new public management é uma reforma do Estado que na maioria dos casos, foi concretizada no processo de transição de uma administração burocrática para uma administração gerencial. Este modelo busca ações mais diretamente focadas no aumento da produtividade e na melhoria do desempenho da máquina pública, criando ações inovadoras que envolvem o desenvolvimento da eficiência, da efetividade e da eficácia estatal. Neste contexto destaca-se o processo que surgiu como necessidade de mercado e tornou-se ferramenta para a administração empresarial, seja no setor privado quando no setor público. Este mecanismo é o processo de terceirização ou, em outras palavras: reconcentração, desverticalização, exteriorização do emprego, focalização, parceria, outsourcing, buy out, sub-contracting entre outros. A terceirização no serviço público é uma realidade cada vez mais explorada diante da possibilidade, no âmbito da Lei, estabelecida para redução da participação do Estado em tarefas e atividades que não constituem o objeto principal da organização. A reforma provavelmente significará reduzir o Estado, limitar suas funções como produtor de bens e serviços e, em menor extensão, como regulador, mas implicará também ampliar suas funções no financiamento de atividades que envolvam externalidades ou direitos humanos básicos (...) (BRESSER-PEREIRA 2006, apud BRESSER-PEREIRA; SPINK, 2006, p. 23). A terceirização tem sido utilizada como uma nova forma de operacionalização da ferramenta administrativa, partindo da conjectura do Estado mínimo. Em tese, a terceirização pode trazer vantagens, conforme Ramos apud Sekido (2010) dentre estas vantagens é importante ressaltar a redução nos custos obtidos a partir da economia de escala, substituição de custos fixos, decorrentes da manutenção por vezes ociosa de estruturas internas destinadas a atividades de apoio, por custos variáveis, especialização em determinadas atividades, ou seja, a empresa contratada teoricamente possui a expertise técnica para executar as tarefas com mais qualidade e eficiência. A economia que apresenta ser uma vantagem, pode se tornar uma ameaça quando a contratação da empresa parceira que prestará serviços ao órgão público ocorre somente no critério custo e não com base em fatores, como especialização da mão de obra, treinamento, capacitação dentre outros. Confirmando esta preocupação Sekido (2010) diz que pode não se alcançar os resultados esperados como a redução de custos, e a melhoria na qualidade dos serviços, isto acontece devido a falhas em estudo e planejamento das atividades terceirizadas ocasionando, em algumas vezes, o retrabalho. Neste contexto, a terceirização deve ser percebida como uma extensão da Administração Pública, formando uma relação de parceria, onde a empresa terceirizada cuidará de atividades de apoio enquanto o órgão Estatal se concentrará em sua atividade principal. Procedimentos metodológicos Este artigo utiliza-se do estudo de caso tendo como universo de pesquisa a, instituição de ensino situada no Estado de Minas Gerais mais precisamente no município de Viçosa-MG. Os estudos de caso, embora não tenham a pretensão de constituir conhecimentos generalizados, podem contribuir para a elucidação do problema de outras instituições congêneres que podem se deparar com problemas semelhantes. A abordagem utilizada foi quantitativa utilizando estatística descritiva para levantamento dos custos e comparação do

4 resultado. No presente estudo utilizaram-se dois tipos de dados: os dados secundários obtidos por intermédio de relatórios e documentos fornecidos pelo Chefe da Divisão de Transportes da UFV; e os dados primários resultantes de entrevistas. Assim, a partir da análise dos dados secundários e primários, construíram-se as projeções apresentadas e pode-se efetuar um prognóstico do processo de terceirização da frota na instituição estudada. Conclusões foram elaboradas a partir de inferências das falas dos sujeitos e com suporte do referencial teórico pesquisado. RESULTADOS/RESULTS A primeira etapa da análise de dados consistiu em realizar a classificação e categorização dos custos. Faz-se jus a essa forma de classificação, pois é possível identificar alguns pontos que merecem atenção. A frota da é composta por 180 veículos, dentre eles 80 são categorizados veículos de viagens, pelo Chefe da Divisão de Transportes, a análise deste estudo foi exclusivamente sobre esta categoria. Em relação à apropriação dos gastos com motoristas, segundo o Chefe da Divisão, 60% de todo efetivo é utilizados no transporte de passageiros nos veículos de passeio e utilitários pequenos. A figura 1 mostra a categorização das despesas por seguimento, é importante notar que os gastos com combustível e mão de obra apresentam uma parcela considerável dos custos com transporte. Conforme o Chefe da Divisão de transporte existe registro de preço para transporte de passageiros utilizando veículos e passeio e utilitários pequenos, este transporte é realizado com maior frequência, nos finais de semana reduzindo desta forma os custos com diária e manutenção da frota, o valor pago quando utilizado por este serviço pela UFV é de R$ 0,85 por km rodado, segundo ata de registro de preço, consultado no Portal de Compras do Governo Federal. Figura 01: Distribuição por categorias Fonte: Elaborado pelo autor Conhecendo a divisão de transporte da pela percebese um esforço do departamento para oferecer aos usuários do transporte, serviço de qualidade, considerando também fatores relativos a custos de manutenção. De posse dos dados fornecidos pelo chefe do setor, chega-se aos gastos com transporte da frota própria. Identificase o valor de R$ 0,86 por quilometro rodado. O quadro 1 apresenta a descriminação destes valores.

5 PREÇO POR LITRO R$ 2,70 CONSUMO KM/L 10 COMBUSTÍVEL CUSTO MÉDIO POR KM RODADO R$ 0,27 ÓLEO DO MOTOR R$ 3,75 PERIODICIDADE DA TROCA 5000 PREÇO POR LITRO R$ 12,00 LUBRIFICANTES CUSTO MÉDIO POR KM RODADO R$ 0,01 VALOR ESTIMADO MENSAL R$ 60,00 KM RODADO POR MÊS 6000 LAVAGENS E GRAXAS CUSTO MÉDIO POR KM RODADO R$ 0,01 VALOR UNITARIO R$ 240,00 VALOR DO CONJUNTO R$ 960,00 DURABILIDADE DO CONJUNTO (KM) PNEUS VALOR DO KM RODADO R$ 0,05 VR ESTIMADO DA FROTA R$ ,00 VR MÉDIO DA FROTA PARA LEILÃO=10% R$ ,50 VALOR A DEPRECIAR R$ ,50 PRAZOS (MESES) 120 DEPRECIAÇÃO CUSTO MÉDIO POR KM RODADO R$ 0,05 CUSTO MÉDIO MENSAL R$ 225,00 MANUTENÇÃO E REPAROS CUSTO MÉDIO POR KM RODADO R$ 0,04 SEGURO OBRIGATÓRIO R$ 105,65 SEGURO TOTAL ANUAL R$ 1.400,00 TOTAL MENSAL R$ 125,47 LICENCIAMENTO E SEGUROS CUSTO MÉDIO POR KM RODADO R$ 0,02 CUSTOS INDIRETOS R$ ,60 MOTORISTAS EFETIVOS R$ ,80 OBRIGAÇÕES LEGAIS REFERENTE DOS MOTORISAS EFETIVOS R$ ,44 DIÁRIAS DOS MOTORISTAS EFETIVOS R$ ,75 MOTORISTAS TERCEIRIZADOS R$ ,92 DIÁRIAS DOS MOTORISTAS TERCEIRIZADOS R$ ,30 TOTAL DE CUSTOS COM VEÍCULOS R$ ,33 TOTAL DE CUSTOS COM MÃO DE OBRA R$ ,21 CUSTO EFETIVO DO KM RODADO R$ 0,86 Quadro 01: Descriminação dos valores Fonte: Elaborado pelo autor Segundo um dos proprietários da empresa que presta este tipo de serviços cada carro roda em média 6000 km por mês. O quatro 1 mostra detalhadamente a composição do valor gasto por km rodados nos veículos da UFV, analisando apenas aos aspectos quantitativos, é possível afirmar que os custos com a terceirização de veículos pela Universidade estão pouco mais de 0,6% mais baixo em relação aos gastos com a frota própria. CONCLUSÃO / CONCLUSION Frente aos dados levantados, observa-se um gasto menor com os veículos terceirizados, se consideramos a média de km rodados por mês pela Universidade, os cofres públicos estariam economizando em torno de R$ 18,00 por mês por veículo, ao final de 12 meses a

6 economia seria por volta de R$ ,00. Existem outros fatores que não foram analisados neste estudo, entre eles destaca-se a qualidade dos serviços prestados pelos motoristas, o valor imobilizado destes veículos, que poderiam ser destinados a compra de outros equipamentos, dentre outros, dados estes que subsidiarão futuras pesquisas. Ressalta que o tema terceirização esta cercado de fatores positivos e negativos, todo serviço terceirizado deverá antes de ser contratado passar por estudo detalhado somente assim os gestores públicos, terão condições de decidir analisando a economia, eficiência, eficácia e efetividade. Este estudo embora preliminar fornecerá a administração publica parâmetros de comparação na contratação de serviços terceirizados de transporte, vale ressaltar que a pesquisa analisou dados dos carros de passeio e utilitários pequenos, bem como os gastos da divisão de transportes da. Estes valores não podem ser generalizados, mas contribuem para a elucidação de problema de outras instituições congêneres que podem deparar-se com situações semelhantes. Profundas transformações têm marcado e redefinido o papel do Estado, transformações essas que se expressam através de processos de terceirização objetivando, diminuir a presença do Estado em diversos setores, este esforço é notado no setor de transportes. Esta alternativa exige não só do Governo, mas também da iniciativa privada, esforços conjuntos para a qualidade e economicidade do serviço prestado. REFERÊNCIAS/REFERENCES ALVES, Osvaldo Nunes. (2002). Terceirização de serviços na Administração Pública. Brasília: TCU, BRASIL. (2013). Comprasnet - Portal de Compras do Governo Federal. Brasília: Departamento de Logística e Serviços Gerais, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos, (1996). Administração Pública Gerencial: Estratégia e Estrutura para um Novo Estado. Texto para Discussão ENAP (9). BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. (2006). Gestão do setor público: estratégia e estrutura para um novo Estado. In: PEREIRA, Luiz Carlos Bresser; SPINK, Peter (org.) Reforma do Estado e Administração Pública gerencial. Tradução de Carolina Andrade. 7ª. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. MATIAS-PEREIRA, José. (2010). Curso de Administração Pública. São Paulo: Atlas. MORAES, Paulo Ricardo Silva de. (2008). Terceirização e precarização do trabalho humano. Revista TST (4). RAMOS, Dora Maria de Oliveira. (2001). Terceirização na Administração Pública. São Paulo: LTr. SEKIDO, Amelia Midori Yamane. (2010). Terceirização na Administração Pública a Gestão e a Fiscalização dos Contratos. Brasília, Monografia (Lato-sensu Auditoria Governamental) Universidade Gama Filho. SLOMSKI, Valmor; ET al. (2008). Governança corporativa e governança na gestão pública. São Paulo: Atlas.

Terceirização na administração pública: seus efeitos negativos

Terceirização na administração pública: seus efeitos negativos 1 INTRODUÇÃO Terceirização na administração pública: seus efeitos negativos Bruno Silva Olher Adriel Rodrigues de Oliveira Francimar Natália Silva Cruz Reis Os primórdios da terceirização datam dos séculos

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes E&L Controle de Frotas Perguntas Frequentes 1. Quando ocorre a integração com o patrimônio e no cadastro de veículos na aba patrimônio o veículo não aparece, qual o procedimento a ser feito para que o

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociedade da informação 30 h Módulo II Teoria das organizações 30 h Módulo III Redes sociais

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense.

GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense. GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense. Jefferson Ricardo do Amaral Melo 1 RESUMO A participação popular e a ação coletiva na gestão e

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL E A QUALIDADE DOS GASTOS PÚBLICOS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL E A QUALIDADE DOS GASTOS PÚBLICOS PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL E A QUALIDADE DOS GASTOS PÚBLICOS Ceres Alves Prates II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 31: Qualidade do Gasto Público I PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

GENILDO JOSÉ DA SILVA

GENILDO JOSÉ DA SILVA GENILDO JOSÉ DA SILVA gestão pública por resultado: uma alternativa para o desenvolvimento de Alagoas? Mestrando em Gestão Pública para Desenvolvimento do Nordeste RESUMO Este artigo faz uma análise das

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/17 1 - DOS OBJETIVOS a) Regulamentar procedimentos de controle da frota de veículos leves e pesados da Prefeitura, visando otimizar o uso dos mesmos e reduzir custos de manutenção. 2- DOS ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA NETO, Antonio Rodrigues¹ PORFÍRIO, Anderson Cassiano¹ SILVA, Carlos Eduardo Candido da¹ OLIVEIRA, Dirce Benedita de¹ SARAIVA, Antonio W. Pereira² RESUMO

Leia mais

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD Maringá-PR Maio 2014 Prof. Evandro Paulo Bolsoni Centro Universitário de Maringá NEAD-UniCesumar evandro.bolsoni@unicesumar.edu.br

Leia mais

A reforma do Estado no Brasil : estratégias e resultados

A reforma do Estado no Brasil : estratégias e resultados A reforma do Estado no Brasil : estratégias e resultados Angela Santana O debate sobre a crise do Estado e a necessidade de sua reconstrução teve início nos anos 80 nos países industrializados. No Brasil,

Leia mais

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Carlos Cirilo Marcelino ( FEAMIG ) carlosmarcelino1976@yahoo.com.br

Leia mais

REDUÇÃO DE CUSTO: O ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM TELECOMUNICAÇÃO PARA CONSOLIDAÇÃO DA FROTA COM QUALIDADE E SEGURANÇA

REDUÇÃO DE CUSTO: O ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM TELECOMUNICAÇÃO PARA CONSOLIDAÇÃO DA FROTA COM QUALIDADE E SEGURANÇA REDUÇÃO DE CUSTO: O ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM TELECOMUNICAÇÃO PARA CONSOLIDAÇÃO DA FROTA COM QUALIDADE E SEGURANÇA Wesley Crispim Alves Fatec ZL Faculdade de Tecnologia

Leia mais

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 Tendências de pesquisa acadêmica na área de Gestão Pública e Fontes de Informação para Pesquisa Foco em CASP Prof. Ariel

Leia mais

XIII Coloquio de Gestión Universitaria en Américas

XIII Coloquio de Gestión Universitaria en Américas EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: O MODELO DO OUTSOURCING DE IMPRESSÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC Jair Napoleão Filho UFSC Roberto Carlos Alves UFSC Fernando Lauro Pereira UFSC

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

A EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL E A REFORMA DO ESTADO DE BRESSER PEREIRA

A EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL E A REFORMA DO ESTADO DE BRESSER PEREIRA A EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL E A REFORMA DO ESTADO DE BRESSER PEREIRA KEILHA CORREIA DA SILVEIRA 1 Resumo: A reflexão exposta neste artigo configura uma compreensão inicial sobre algumas conexões indispensáveis

Leia mais

O tipo de gestão pública aplicado no Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Alagoas: Um estudo de caso no Campus Arapiraca.

O tipo de gestão pública aplicado no Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Alagoas: Um estudo de caso no Campus Arapiraca. Relatório Executivo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração O tipo de gestão pública aplicado

Leia mais

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Ambiente Organizacional voltado a inovação As 6 chaves para o Sucesso Foco Flexibilidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 002/2009 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. ITEM Código ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL UN QUANT

TERMO DE REFERÊNCIA. ITEM Código ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL UN QUANT GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO, PLANEJAMENTO E FINANÇAS GERÊNCIA DE APOIO LOGÍSTICO E DE SUPRIMENTOS TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa

Leia mais

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Maurício Pimenta Lima Introdução O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 40 bilhões e movimentar 2/3 do total de carga do país.

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE SERVIÇOS DE TRANSPORTES

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE SERVIÇOS DE TRANSPORTES Pró-Reitoria de Planejamento MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE SERVIÇOS DE TRANSPORTES Aprovado pela Resolução nº 5/009-CAD/UEMA São Luís 009 José Augusto Silva Oliveira Reitor Gustavo Pereira da Costa Vice-Reitor

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Motores Estudo de Viabilidade de Aplicação de Filtros em by-pass no sistema de lubrificação

Motores Estudo de Viabilidade de Aplicação de Filtros em by-pass no sistema de lubrificação home page: São Paulo, 22 de abril de 2009 Motores Estudo de Viabilidade de Aplicação de Filtros em by-pass no sistema de lubrificação Sistema de lubrificação de motores Dados estimados: Frota: 100 Caminhões

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTES FROTA OFICIAL

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTES FROTA OFICIAL 22 PLANO DIRETOR DE TRANSPORTES FROTA OFICIAL Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado do Ceará Secretária do Planejamento e Gestão Desirée Custódio Mota Gondim Secretário Adjunto Reno Ximenes Ponte

Leia mais

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti Contratação de Serviços de TI Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti O antigo modelo de contratação de serviços de TI 2 O Modelo antigo de contratação de serviços de TI Consiste na reunião de todos

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM N.º 003, DE 16 DE AGOSTO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM N.º 003, DE 16 DE AGOSTO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM N.º 003, DE 16 DE AGOSTO DE 2010 Estabelece normas e procedimentos para o Transportes e Frota Municipal. SETORES ENVOLVIDOS: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL DIRETA E INDIRETA. 1

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Gestão e Tecnologia da Informação

Gestão e Tecnologia da Informação Gestão e Tecnologia da Informação Superintendência de Administração Geral - SAD Marcelo Andrade Pimenta Gerência-Geral de Gestão da Informação - ADGI Carlos Bizzotto Gilson Santos Chagas Mairan Thales

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

A POLÍTICA PÚBLICA DE PROTEÇÃO A SAÚDE DO TRABALHADOR NO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS

A POLÍTICA PÚBLICA DE PROTEÇÃO A SAÚDE DO TRABALHADOR NO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS A POLÍTICA PÚBLICA DE PROTEÇÃO A SAÚDE DO TRABALHADOR NO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS Sandra da Silva Guimarães 1 Ana Clara Aguis da Roza 2 Priscilla da Silva Aguis 3 Mônica dos Santos Ferreira 4 RESUMO

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE

SISTEMA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE SISTEMA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE Jean Marlo Pepino de Paula José Matsuo Shimishi Martha Maria Veras Oliveira Cavalcante Rodrigues SISTEMA DE MONITORAMENTO

Leia mais

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL Ricardo de Miranda Deiró Mestrando em Sistemas de Gestão E-mail: ricardo.deiro@light.com.br João Antonio da Silva Cardoso Mestrando em Sistemas de Gestão E-mail:

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

A Realidade Encontrada Imagens do Portal do Cidadão do TCE-PE

A Realidade Encontrada Imagens do Portal do Cidadão do TCE-PE TRANSPORTE ESCOLAR A Realidade Encontrada Imagens do Portal do Cidadão do TCE-PE A Realidade Encontrada Imagens do Portal do Cidadão do TCE-PE A Realidade Encontrada Resumo -Alunos sendo transportados

Leia mais

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Fernanda Hashimoto e Celso Hino O presente trabalho tem como objetivo avaliar a utilização do melhor modelo de distribuição

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO

PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO A BgmRodotec Empresa de tecnologia que desenvolve, implanta e presta consultoria ao Software de gestão Globus. Atuamos exclusivamente no mercado de transportes há 30 anos;

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Bambuí/MG - 2008 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Júlio César Benfenatti FERREIRA (1); Antônio Carlos SANTOS(2)*

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br CÁLCULO DE TARIFA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR AVALIAÇÃO DE LONGO PRAZO Stanislav Feriancic /

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995.

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. Governança Clínica As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. O Modelo de Gestão Atual foi desenvolvido a 100 anos. Repensar o Modelo de Gestão nos serviços

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA A B C D E OBJETO O presente Termo de Referência tem como objeto o fornecimento parcelado de combustíveis à frota dos veículos oficiais do Conselho Regional de Medicina do

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 2,3178 R$/L Passagem Antecipada 3,00 R$/Pass Composição I Pneu - I 686,38 Ud Passagem Embarcada 3,50 R$/Pass Material

Leia mais

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE O diferencial que sua empresa busca para os negócios Índice APRESENTAÇÃO 03 CAPÍTULO 1 MOTIVOS DE SOBRA PARA TERCERIZAR SUA FROTA! 05 CAPÍTULO 2 POR QUE A TRANSMIT?

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Sistemas de informação para a gestão por competências: uma revisão da literatura

Sistemas de informação para a gestão por competências: uma revisão da literatura Sistemas de informação para a gestão por competências: uma revisão da literatura Ítalo Otávio Gonçalves de Oliveira¹; Samuel Pereira Dias². ¹ Estudante de Engenharia de Computação. Instituto Federal de

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA DE CÁLCULO - TARIFA TÉCNICA SISTEMA (LOTE 1 E LOTE 2) Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Base Inicial Ano Vigente - Ano

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 06/06/2014 18:22:39 Endereço IP: 189.9.1.20 1. Liderança da alta administração 1.1. Com relação

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,8982 R$/L Passagem Antecipada 2,05 R$/Pass Composição I Pneu - I 526,74 Ud Passagem Embarcada 2,50 R$/Pass Material

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015 DISPÕE SOBRE AS ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DA FROTA DE VEÍCULOS E NOS EQUIPAMENTOS PESADOS,

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT. Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca

ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT. Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca novembro 2012 Agenda Apresentação do escopo do projeto Metodologia Gestão de Processos Análise

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Ementa da Disciplina Fundamentos da teoria

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS PARA CONSTRUÇÃO DE SUBMARINOS

MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS PARA CONSTRUÇÃO DE SUBMARINOS MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS PARA CONSTRUÇÃO DE SUBMARINOS Sumário Introdução Projeto e gerenciamento de projetos Contexto do gerenciamento de projetos Processos do gerenciamento de projetos Áreas de conhecimento

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Questões de Administração Pública Brasileira I ESAF - 2012 - CGU - Analista de Finanças e Controle 1. O foco das atividades de monitoramento e avaliação na Administração Pública é a) garantir a legalidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais