GESTÃO SUCESSÓRIA: IDENTIFICANDO E CONSTRUINDO OS TALENTOS DO FUTURO O CASO CEMIG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO SUCESSÓRIA: IDENTIFICANDO E CONSTRUINDO OS TALENTOS DO FUTURO O CASO CEMIG"

Transcrição

1 Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 GESTÃO SUCESSÓRIA: IDENTIFICANDO E CONSTRUINDO OS TALENTOS DO FUTURO O CASO CEMIG Eduardo Faro Ricardo Diniz

2 Painel 19/068 Gerenciando o futuro das organizações GESTÃO SUCESSÓRIA: IDENTIFICANDO E CONSTRUINDO OS TALENTOS DO FUTURO O CASO CEMIG Eduardo Faro Ricardo Diniz RESUMO O artigo aborda o tema da sucessão de lideranças como uma prática de gestão que visa a contribuir para o desempenho organizacional. Em um cenário de aumento pressão crescente por eficiência e de escassez de mão de obra qualificada no mercado brasileiro, especialmente no que se refere à disponibilidade de lideranças, a gestão sucessória se insere nas organizações, públicas ou privadas, como uma prática fundamental para que elas identifiquem e preparem os talentos do futuro que irão assegurar a sustentabilidade dos resultados organizacionais. Esta temática é discutida a partir de um caso real, no qual a Companhia Energética de Minas Gerais, empresa de economia mista de destacada atuação no setor de energia elétrica brasileiro, em parceria com a PwC, implementou seu modelo de gestão sucessória com foco na preparação de lideranças futuras há cerca de cinco anos. Ao longo desse período, foi possível acompanhar a evolução do modelo e identificar uma série de benefícios e desafios para a gestão da Cemig. O artigo explora motivações que levaram a Cemig a implantar a gestão sucessória, bem como as características do modelo. Por fim, com base na experiência construída ao longo dos anos em que o modelo vem sendo utilizado, serão compartilhados os principais fatores críticos para o sucesso da implantação e os resultados alcançados.

3 2 1 POR QUE FAZER GESTÃO SUCESSÓRIA Ao fim do ano de 2005 a Cemig estava concluindo um de seus mais importantes projetos, do ponto de vista estratégico. Depois de cerca de um ano de trabalho, muitas horas investidas em discussões e reuniões, finalmente apresentavase ao grupo de diretores os resultados e as recomendações oriundas de duas frentes de trabalho: a de alinhamento estratégico da área de recursos humanos e a de desenvolvimento das lideranças 1. A primeira frente de trabalho tinha o objetivo de prover um conjunto de recomendações práticas para que o RH se posicionasse de maneira mais estratégica na organização, suportando as áreas de negócios, seus gestores e empregados. A segunda frente de trabalho visava à identificação das competências requeridas às lideranças vis-à-vis os desafios estratégicos da Cemig, o diagnóstico do nível de prontidão (avaliação do perfil) dos gerentes e superintendentes e o desenho de planos de desenvolvimento destas lideranças, visando à eliminação de lacunas identificadas no diagnóstico. Este projeto iniciou uma profunda transformação no que se refere à gestão do capital humano na Cemig, provendo a organização de uma maior capacidade para enfrentar os desafios em seu ambiente de negócios. Durante a apresentação dos resultados da frente de trabalho de desenvolvimento da liderança para os diretores, foi compartilhado um gráfico que demonstrava o risco de perda de capital humano ao longo de seis anos. Como o nível de competência de todos os líderes havia sido mapeado durante o projeto, foi possível demonstrar não apenas quantos daqueles líderes deixariam a organização nos anos que se seguiriam, mas quais as competências que a organização perderia. O critério adotado para a construção deste gráfico foi relativamente simples: o tempo para que estes líderes adquirissem o direito de se aposentar. Com um perfil etário médio na época de 47 anos e um tempo de contribuição médio para o INSS de 28 anos, a maioria deles encontrava-se aproximadamente a um período de três a cinco anos para se aposentar. A estes dados somavam-se ainda duas importantes variáveis: o principal direcionador estratégico da Cemig na época era a expansão do negócio, e o mercado de trabalho já apresentava sinais de aquecimento, o que possibilitou identificar algo até então bastante incomum: suas lideranças deixando a 1 São consideradas lideranças na Cemig os superintendentes, gerentes e executivos (estes últimos atuam em empresas coligadas ou controladas).

4 3 organização para ocupar posições executivas em outras organizações do setor. A iminência das aposentadorias, o acelerado crescimento projetado pela estratégia e a novidade do turnover no nível das lideranças foram os fatores essenciais para motivar a Cemig a desenvolver um projeto, em parceria com a PwC, para a criação de um modelo de gestão sucessória com foco na reposição futura de lideranças. Outro fator importante é o fato de a Cemig ser uma empresa de economia mista, um regime societário de empresas que têm o Estado como acionista majoritário. Esta condição subordina a empresa a legislações específicas, como a Lei das Licitações (Lei 8666), que muito se aproximam das regulamentações das empresas estatais. O regime de trabalho dos empregados das empresas de economia mista é a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), diferentemente do regime estatutário dos servidores do Estado. Porém o entendimento trabalhista é que algumas práticas de gestão de pessoas das empresas dessa categoria devem seguir o regime de servidores do Estado. E uma dessas práticas é o provimento de pessoal. A empresa, por exemplo, é obrigada a realizar concursos públicos para contratar profissionais e todo o processo respeita os princípios que norteiam este tipo de contratação: universalidade de acesso e uso de critérios abrangentes e impessoais. Técnicas de seleção que são comuns no setor privado, como testes psicométricos, entrevistas ou dinâmicas de grupo não são utilizadas ou o são, mas com restrições. Diante deste cenário, a prática da Cemig tem sido abrir vagas de concurso público para as posições de início de carreira, procurando realizar concursos que atraiam talentos pela boa oferta de remuneração, vantagens e benefícios, e ainda pela aplicação de provas com o grau de dificuldade necessário para uma seleção efetiva. Mas não há nenhuma garantia de que o aprovado adaptar-se-á à cultura da organização e nem de que apresente exatamente as características desejadas para a vaga. Se não há como buscar o profissional formado e pronto no mercado, a alternativa é a formação de pessoal próprio, tanto nos aspectos técnicos quanto nos aspectos gerenciais. Neste contexto, a gestão sucessória possui um papel fundamental para a melhoria da efetividade do processo de seleção de profissionais qualificados e com potencial 2 para assumir posições de liderança na organização. 2 Potencial se refere à capacidade do indivíduo em se desenvolver para desempenhar atividades no futuro.

5 4 Este projeto iniciou-se em meados de agosto de 2006 e o novo modelo de gestão sucessória foi implantado um ano depois de iniciado o projeto. O modelo foi estruturado em ciclos de dois anos, portanto o primeiro ciclo ocorreu em 2007 e o segundo, em Ao longo destes anos, desde 2007, a PwC vem acompanhando a evolução do modelo junto à Cemig, o que permitiu que este fosse aprimorado e adequado às necessidades da organização. Em 2009, quando a PwC novamente travou uma parceria com a Cemig para ajudá-la a conduzir o segundo ciclo, ficou claro o quanto foi relevante para a organização implantar este programa em 2007 e, mais ainda, como o programa passou a fazer ainda mais sentido frente aos novos direcionadores estratégicos da organização, que agora apontavam para a ambição de posicioná-la como um dos dois maiores grupos de energia do Brasil até Nos últimos sete anos a Cemig, antes uma empresa única, transformouse em um grupo com mais de 60 empresas, considerando subsidiárias, controladas e coligadas. Foram aquisições, novos empreendimentos, sociedades com presença majoritária ou minoritária e outras soluções que mudaram e têm mudado rapidamente a gestão da empresa. E a tendência se mantém. Nesse contexto de mudança e transformação aceleradas em uma companhia de origem estatal e de mercado cativo, além das novas regras do setor elétrico brasileiro, a negociação das ações da empresa nas bolsas de valores de São Paulo, Madri e Nova Iorque, a competição com empresas privadas, o aumento da competitividade no setor, a abertura do mercado para grandes clientes e outras novas condições, têm exigido uma resposta rápida da organização, uma transformação cultural e uma grande capacidade de adaptação, sem perder a excelência técnica sempre praticada e reconhecida. A gestão sucessória nunca fez tanto sentido quanto neste momento e tem o desafio de ajudar a organização a preparar líderes acostumados desde cedo a este novo ambiente empresarial, com as mudanças rápidas dos cenários e de alta competitividade.

6 5 2 OBJETIVOS E PREMISSAS DO MODELO O principal objetivo para a implantação da gestão sucessória na Cemig foi o de apoiar o crescimento e garantir a sustentabilidade de seus negócios, por meio de um planejamento estruturado de reposição de posições-chave, evitando-se a ruptura na continuidade da gestão do negócio. Essa ruptura potencialmente poderia se dar de diversas formas. A mais básica, porque previsível, seria a perda de um líder em razão de sua aposentadoria. Este tipo de descontinuidade é relativamente fácil de se resolver e não seria necessário um modelo muito sofisticado de gestão sucessória, bastando que cada líder identificasse um sucessor alguns anos antes de sua aposentadoria. Mesmo neste tipo de ruptura ainda residem alguns desafios, como: Será que de fato o líder a se aposentar é a melhor pessoa para escolher o sucessor? Até que ponto este líder tem as habilidades necessárias para fazer a passagem do bastão e desenvolver seu sucessor? Existem interesses não meritórios na escolha do sucessor? As rupturas menos previsíveis são as mais desafiadoras, pois não se sabe exatamente quando e em que proporção elas ocorrerão. São exemplos: pedido de demissão por parte do líder, necessidade de demissão por parte da organização, mobilidade do líder (transferência para outra área ou outra empresa do grupo) e crescimento orgânico do negócio. O foco da gestão sucessória na Cemig é a identificação dos potenciais sucessores para que, uma vez identificados, possam ser desenvolvidos pela organização. Isso significa que não é foco da gestão sucessória cuidar do desenvolvimento destes futuros líderes e tão pouco das políticas de remuneração e carreira. A gestão sucessória somente provê recomendações de como estes potenciais líderes devem ser desenvolvidos e de como aplicar reconhecimentos e recompensas que os mantenham motivados e os retenham para que estejam na organização quando requeridos para ocupar uma vaga. Além disso, a gestão sucessória busca o alinhamento entre as necessidades do indivíduo e as oportunidades de carreira que a Cemig oferece. Assim, é uma preocupação do modelo deixar claro para o empregado que a liderança é uma alternativa de carreira e que não é obrigatória ou natural para todos.

7 6 Os empregados que participam do processo seletivo, por exemplo, em diversos momentos são desafiados em relação a ser a liderança exatamente o que eles querem para suas carreiras e vidas. Este alinhamento de expectativas entre o que a Cemig precisa e o que o empregado quer para si é fundamental para que as pessoas se engajem em seus papéis e, portando, o desempenhem bem e de maneira sustentável no futuro. O alvo do modelo foi realizar a gestão sucessória das denominadas posições-chave, isto é, de acordo com a metodologia PwC, todas as funções na estrutura organizacional que têm alto nível de importância na cadeia de valor do negócio e na execução de objetivos e estratégias. Esta importância deve ser analisada em uma perspectiva atual e futura, ou seja, deve-se responder não só quais são as posições-chave hoje na organização, como as que serão requeridas em alguns anos. A identificação de uma posição-chave envolve o mapeamento de todas as funções na organização que apresentem elevada intensidade ou a combinação das seguintes características: Podem criar um diferencial frente aos competidores de mercado. Geram impacto significativo no processo decisório, nos resultados empresariais e/ou na cultura organizacional. Representam a organização frente a stakeholders de elevada relevância (acionistas, empregados, governo, clientes, fornecedores etc.). Possuem influência na estratégia da organização. Agregam valor aos negócios do cliente (interno e externo). Requerem ou gerenciam competências raras e de alto valor para o negócio. A Cemig, no momento em que tomou a decisão de investir no desenvolvimento de um modelo deste tipo, resolveu focalizar na sucessão de lideranças, pois este se configurava na época como o público mais crítico para o planejamento da sucessão. O exercício de projeção das posições-chave pode ser considerado um desafio e será tão bem-sucedido quanto for a interlocução entre o modelo de gestão sucessória e o planejamento estratégico da organização. Esta projeção deve,

8 7 também, passar por uma análise que combine aspectos quantitativos e qualitativos, considerando as mudanças nos ambientes econômico, social, demográfico, tecnológico e de negócios. Basicamente dois grandes conjuntos de variáveis devem ser equacionados: a) Variáveis do negócio, envolvendo a resposta a perguntas como: Qual será nosso volume de operações? Qual modelo de crescimento adotaremos: orgânico e/ou por fusões e aquisições? Qual nível de intervenção em empresas adquiridas ou controladas? Qual o nível de diversidade de negócios teremos? Qual o será nosso grau internacionalização? Que ajustes tecnológicos previstos para os próximos anos mudarão as regras do setor e a forma como operamos? b) Variáveis de capital humano, envolvendo a resposta a perguntas como: De que tipo de profissional precisaremos no futuro? Quais os perfis emergentes requeridos para atuar futuramente no contexto de negócios? Qual o turnover previsto e desejado (desligamentos voluntários, involuntários e aposentadorias)? Quais as lacunas existentes entre o perfil requerido para o profissional do futuro e o nosso pessoal? Em quanto tempo conseguimos desenvolvê-los? Qual o nível de competição no mercado de trabalho? Faltarão profissionais com os perfis que queremos? Qual o headcount 3 e o span of control 4 ideais projetados? Uma das premissas essenciais da gestão sucessória na Cemig foi a integração do modelo às políticas de RH já implantadas na organização, buscandose com isso a valorização dos instrumentos já utilizados para se fazer gestão de pessoas. Exemplos desta integração foram a adoção dos resultados da avaliação de desempenho anual dos empregados como um dos critérios para a identificação de 3 Quantidade de empregados. 4 Quantidade de subordinados por líder.

9 8 potenciais sucessores, bem como a adaptação do programa de desenvolvimento de lideranças (Celig Cemig Liderança e Gestão), mantendo-se inclusive o mesmo parceiro, para o público de potenciais sucessores. Outra premissa relevante a ser mencionada, é a da transparência. A Cemig como uma empresa de economia mista é obrigada a conduzir seus processos seletivos externos com total publicidade, além de ter restrições na adoção de determinados métodos de seleção comuns no setor privado. No caso da identificação interna de lideranças, existe maior flexibilidade para que a organização adote métodos mais sofisticados e efetivos de seleção. A publicidade do processo nível de divulgação do programa e dos resultados da aplicação de testes ou entrevistas não é um requerimento, e sim uma escolha da Cemig. Apesar disso, ao definir as premissas que norteariam o modelo, decidiu-se adotar um elevado grau de transparência, de maneira que os empregados o enxergassem como justo e meritório. Naturalmente, foram estabelecidos alguns limites para a transparência, principalmente aqueles que expunham os participantes do programa a algum possível constrangimento. Todos os empregados tiveram acesso a regras e critérios do programa e a seus resultados individuais no processo seletivo: se foi selecionado como um potencial sucessor ou não; por que; qual seu posicionamento em relação aos demais candidatos; e quais seus pontos fortes e oportunidades de melhorias de desenvolvimento. Outras informações foram tratadas com reserva, somente acessíveis ao RH, aos diretores e integrantes de comitês de sucessão, como: a classificação geral de todos os empregados no processo, a lista dos selecionados como potenciais sucessores e pontos fortes e oportunidades de melhorias do grupo como um todo. 3 CARACTERÍSTICAS DO MODELO DE GESTÃO SUCESSÓRIA CEMIG 3.1 Governança A gestão sucessória na Cemig parte da premissa de que é necessária a estruturação de uma efetiva governança para que de fato o programa seja bemsucedido. Isso significa que múltiplos atores devem ser envolvidos no processo e que cada um terá papel relevante. Um dos erros fundamentais deste tipo de modelo

10 9 é vinculá-lo a um programa do RH. O papel da área de RH deve ser de coordenação do processo, suporte e análise, garantia da acuracidade dos métodos, monitoramento da execução das ações, reporte de eventos críticos e proposição de melhorias nas políticas e procedimentos. As políticas e procedimentos são a base deste modelo de governança, pois têm o papel de definir as regras e normas, uniformizar práticas e garantir a estabilidade dos critérios em diferentes áreas e grupos da organização; elas tiram a pressão do RH e da liderança de ter de negociar a todo o momento o como as coisas funcionam. A liderança, por sua vez, deve se comprometer com a preparação dos sucessores e engajar-se no seu próprio desenvolvimento, atuando como um role-model 5. Mais do que tomar a decisão final de quem será o sucessor, a liderança deve vender o processo, legitimando-o na organização. Como a decisão final de quem é o sucessor caberá à liderança (neste caso, à diretoria da Cemig), é fundamental que ela esteja engajada no programa para que este seja reconhecido como valioso para a organização. Finalmente, o outro ator fundamental neste modelo são os comitês de sucessão, formados por superintendentes, com o papel de validar e ajustar as análises de potencial dos candidatos oriundas dos métodos utilizados, decidir quais os potenciais sucessores e sugerir ações para a preparação destes. Na figura 1 estão resumidos os atores e seus respectivos papéis no modelo de gestão sucessória da Cemig: Valida e Ajusta as Análises de Potencial Decide Potenciais Sucessores Sugerir ações para preparação de Sucessores Garante acuracidade dos instrumentos/ ferramentas Coordena processo de Sucessão Monitora execução de ações Reporta eventos críticos Propõe políticas e procedimentos RH COMITÊS DE SUCESSÃO POLÍTICAS E PROCEDIMENTOS LIDERANÇA Compromete-se na preparação de sucessores Engaja-se no seu próprio desenvolvimento Vende o processo Seleciona Sucessor Define as regras, normas Uniformiza as práticas Garante estabilidade dos critérios Figura 1: Governança da gestão sucessória 5 Exemplo de referência positiva na organização.

11 10 Os comitês de sucessão foram criados para prover uma perspectiva mais próxima da realidade ao se selecionarem os potenciais sucessores. A premissa ao se adotar estes comitês foi a de que ninguém conhece melhor o perfil destes potenciais do que quem está em contato direto com eles. Além disso, reconhece-se que as técnicas de avaliação de perfis e de seleção dos potenciais sucessores não devem se restringir a métodos frios, ou seja, é importante que haja espaço para uma análise mais qualitativa, de quem está mais próximo à atuação destes profissionais no dia a dia. Foram criados dois tipos de comitês: um comitê único composto por superintendentes, que representam as diversas diretorias da Cemig e a área de RH, cujo objetivo é a discussão da sucessão de superintendentes; e quatro diferentes comitês organizados por áreas de competências para a discussão da sucessão de gerentes. Vale destacar que não fez parte deste modelo a sucessão de diretores, pois estes seguem outros critérios de nomeação, sendo alguns inclusive designados pelos acionistas da organização. Os quatro comitês que discutem a sucessão de gerentes são, também, formados por superintendentes representando as diversas diretorias. Além disso, cada um dos quatro comitês apresentam pelo menos um superintendente integrante do comitê único, que discute a sucessão de superintendentes, de forma a ter alguém com uma perspectiva da formação de longo prazo dos potenciais sucessores de gerentes e potencialmente futuros superintendentes da organização. A decisão de compor os comitês por áreas de competências foi tomada para que se estimulasse uma visão menos compartimentada da Cemig em termos de possibilidade de desenvolvimento de carreira. Queria-se evitar com isso que os potenciais sucessores fossem identificados somente em áreas funcionais (gerências, superintendências ou diretorias) e que se estimulasse, assim, a rotatividade dos profissionais pela organização. Os comitês, portanto, foram definidos de maneira ampla e cada um abrangendo um conjunto de cargos e funções cuidadosamente analisados e agrupados por requererem competências e enfrentarem desafios similares.

12 Etapas da gestão sucessória Estando clara a governança do modelo, estabeleceu-se que ele seria composto por cinco etapas, conforme ilustrado na figura 2: Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Definir Posiçõeschave Identificar Criticidade das Posições Mapear Potencial Ações de Desenvolvimento Identificar Sucessores Governança Comunicação Figura 2: Etapas da gestão sucessória A primeira etapa do modelo visa à identificação das posições-chave em função da estratégia. Como exposto, o modelo adotado pela Cemig considerou posições-chaves os cargos de liderança: gerentes, superintendentes e executivos. A segunda etapa contempla a identificação da criticidade das posições-chave, ou seja, o mapeamento do risco de descontinuidade ou, em outras palavras, de que aquela posição fique vaga (em virtude de aposentadorias, crescimento do negócio etc.). Identificadas as posições-chave críticas, na terceira etapa é previsto o mapeamento do potencial dos profissionais que demonstram interesse em se desenvolver na carreira gerencial, os denominados potenciais sucessores. Em seguida, na quarta etapa, são planejadas e executadas ações para que estes sejam preparados para o futuro, ou seja, que quando surja a necessidade de reposição, estejam prontos para sentar nas cadeiras vagas. A quinta e última etapa envolve a decisão de quem será de fato o sucessor. Vale ainda destacar a importância da comunicação na gestão sucessória. Como estabelecido pela premissa de transparência, é fundamental que os empregados e líderes estejam bem informados sobre o modelo, de forma que este não seja visto como uma caixa preta na qual as regras não são claras ou justas. Foi fundamental, ao longo dos dois ciclos de gestão sucessória (2007 e 2009), uma comunicação intensiva e, sempre que possível, em tempo real para que o programa adquirisse confiabilidade. A seguir, são detalhadas algumas das etapas da gestão sucessória.

13 Identificação da criticidade das posições Esta etapa da gestão sucessória envolve a projeção das necessidades de reposição de vagas nas diferentes áreas de competências em função das aposentadorias, estimativa de desligamentos (voluntários e involuntários), crescimento da organização e mobilidade interna. O critério mais objetivo nesta análise, no caso da Cemig, são as aposentadorias, por serem facilmente mapeadas. Os demais critérios foram tratados de maneira qualitativa e ponderados quando do estabelecimento das vagas por áreas de competências. Uma vez identificado o número de posições que ficarão vagas em um horizonte de três anos, a próxima etapa prevê a seleção de três potenciais sucessores para cada uma delas. Estas vagas são divididas pelas áreas de competências, portanto, se, por exemplo, na área de relacionamento comercial, mercado e merviços houver previsão de cinco vagas nos três anos seguintes, deverão ser selecionados 15 potenciais sucessores pelo respectivo comitê. 3.4 Mapeamento do potencial A participação na gestão sucessória parte sempre do empregado, ou seja, ele decide se deseja ou não fazer parte do processo. Existe, contudo, alguns critérios de elegibilidade para que a Cemig focalize seus investimentos. Para que o empregado participe do processo, ele deve ocupar um cargo de nível universitário (denominado PNU 6 ), pois este é um requisito para se ocupar a posição de gerente, superintendente ou executivo. Ademais, podem participar PNUs que estejam no mínimo no nível de carreira Profissional 7, ou seja, empregados no nível Júnior, que na prática ainda possuem um trajeto de desenvolvimento a ser percorrido antes de focar o seu desenvolvimento na carreira gerencial, não podem se candidatar. Evidentemente, não podem participar profissionais que tenham assinado programas de desligamento voluntário ou que estejam há três anos ou menos para se aposentar. 6 Plano de Nível Universitário. 7 Os níveis de carreira PNU dividem-se em: Júnior, Profissional, Proficiente e Sênior.

14 13 O último critério de elegibilidade é se, de fato, o profissional quer fazer uma carreira gerencial. Alguns empregados que cumprem os demais critérios participam do processo seletivo por outras motivações que não necessariamente a de ser um futuro líder da Cemig, portanto, sentiu-se a necessidade de se verificar a real motivação em aderir ao programa. O primeiro filtro, os critérios de elegibilidade, faz com que do total de PNUs da Cemig 61% permaneçam no processo. O segundo filtro é a própria adesão dos empregados ao programa, que em 2009 foi em torno de 70%. Com este nível de adesão, 42% dos PNUs ainda permanecem no processo. Estabelecidos os participantes, inicia-se o mapeamento do potencial dos candidatos de forma que ao fim sejam escolhidos os potenciais sucessores, em quantidade equivalente a três vezes a necessidade de reposição. A primeira fase do mapeamento do potencial envolve o preenchimento de uma ferramenta de avaliação de perfil psicométrico, baseada na teoria dos traços, denominada OPQ (Occupational profile questionnaire) 8. Por meio da autopercepção do indivíduo, são mapeadas 32 propensões comportamentais (também denominadas de características pessoais), identificadas por meio das respostas assinaladas em uma combinação de 104 questões de múltipla escolha. Cada questão é composta por um conjunto de quatro comportamentos, entre os quais o indivíduo deve selecionar dois: aquele com o qual mais se identifica e com o qual menos se identifica. As características pessoais são classificadas individualmente de acordo com uma escala de 10 pontos que inicia no ponto 1, ou seja, um comportamento extremamente improvável de ser adotado; e termina no ponto 10, expressando um comportamento extremamente provável de ser adotado. Com base neste instrumento, a Cemig estabeleceu algumas características pessoais que considera essenciais para seus líderes e, com base na aderência do candidato e este perfil ideal do líder Cemig, é realizada uma análise de lacunas. Os candidatos que possuem menos lacunas em relação ao perfil desejado pontuam mais que os demais. 8 Ver mais detalhes sobre o instrumento OPQ no sítio da SHL, disponível em:

15 14 Além deste instrumento, os candidatos preenchem um currículo com dados sobre sua experiência profissional pregressa, cursos, formações e qualificações. A proficiência em línguas estrangeiras e pós-graduações, também, proporcionam pontos adicionais para os candidatos. O último critério nesta fase é o histórico de avaliação de desempenho do empregado nos dois anos anteriores. Aqueles que tiveram melhores avaliações têm direito a maiores pontuações nesta fase. A metodologia de pontuação privilegia as avaliações de desempenho, (40%) a do último ano vale 25% e a do ano anterior 15% e as características pessoais (40%). Critérios de qualificação somam 20% 15% para pós-graduação e 5% para idiomas. Com base nestes critérios objetivos é elaborado um ranking dos empregados. Como ao preencherem seus currículos, os empregados declaram as áreas em que tiveram experiência, é possível relacionar cada candidato a pelo menos uma área de competência. Esta relação de candidatos será analisada pelo comitê único de sucessão que deverá recomendar um número equivalente a até seis vezes a necessidade de reposição, ou seja, o dobro do que cada um dos quatro comitês de sucessão deverá recomendar para suas respectivas áreas de competências. Em 2009 a quantidade de seis vezes a necessidade de reposição representou cerca de 12% da população total de PNUs. O comitê único tem o poder de excluir quantos candidatos julgar necessário e neste caso, deve substituir as vagas com os próximos candidatos na ordem do ranking estabelecido com base nos critérios objetivos. Além disso, pode recomendar a inclusão de candidatos sem que estes sejam necessariamente os seguintes no ranking, até o limite de até 10% de seis vezes a necessidade de reposição. Este precedente possibilitou certo grau autonomia ao comitê Único para a identificação de potenciais sucessores que realmente estejam alinhados ao perfil desejado pela Cemig. Ademais, como o ranking inicial é elaborado com base em critérios objetivos, sempre existe a possibilidade de que uma ou outra distorção aconteça, pois os critérios não são perfeitos e inquestionáveis. O crivo inicial do comitê único visa a assegurar que na próxima fase do processo seletivo participem somente candidatos que realmente apresentem condições para ser potenciais sucessores, eliminando-se aqueles que não atendam o perfil requerido a um líder Cemig.

16 15 Depois de selecionados pelo comitê único, todos os candidatos são encaminhados para entrevistas individuais, conduzidas por profissionais externos e independentes, formados em psicologia e que avaliam qualitativamente o perfil dos candidatos, tendo como referência os dados coletados nos currículos, os resultados do preenchimento da ferramenta OPQ e o histórico das avaliações de desempenho. O objetivo das entrevistas é diagnosticar o grau de aderência do perfil do candidato às competências de liderança Cemig, verificar se as expectativas pessoais dos candidatos estão alinhadas a expectativas e desafios de um líder Cemig, identificar comportamentos que se repetem e estão incorporados, avaliar a possibilidade de mudanças e transformações pessoais e o esforço necessário para tal. Cada candidato tem, assim, seu potencial mapeado e classificado de acordo com a recomendação do entrevistador: fortemente recomendado, recomendado, recomendado com ressalvas e não recomendado. Além disso, é analisado o nível de prontidão do candidato à sucessão, ou seja, em quanto tempo aproximadamente o entrevistador acredita que o candidato estará ponto para assumir uma posição gerencial: no curto prazo (em até 1 ano), médio prazo (entre 1 e 2 anos) ou longo prazo (após 3 anos). Estas classificações de recomendação e prontidão servem como referências para a análise dos comitês de sucessão, portanto, não possuem caráter eliminatório ou classificatório. As etapas do processo seletivo e as técnicas utilizadas buscam uma análise sistêmica do perfil dos candidatos, levando-se em consideração diferentes dimensões para a identificação do potencial para assumir uma posição de liderança no futuro. A figura 3 representa as diferentes dimensões de análise dos perfis dos candidatos: Desempenho: qual o histórico do desempenho do indivíduo ao longo se sua carreira? Que desafios enfrentou e como os solucionou? Quais as evidências registradas em avaliações de desempenho anteriores? Características pessoais (identificadas pelo instrumento OPQ): quais os comportamentos com os quais cada um se identifica no ambiente de trabalho? Estão estes comportamentos aderentes esperados de um líder Cemig?

17 16 Qualificação: qual o histórico de empregos, cargos e funções assumidos nos últimos anos? Qual sua formação acadêmica formal (cursos, especialização, mestrado)? Qual a proficiência do indivíduo em diferentes línguas? Que outras iniciativas formais o indivíduos tomou para se qualificar? Expectativas pessoais: o que o indivíduo deseja de sua carreira? Quais suas expectativas e necessidades? A liderança proverá ao indivíduo condições para satisfazer essas necessidades? Esta questão é considerada como central na análise do perfil dos candidatos, pois influencia todas as demais. Perfis Perfis Desempenho Expectativas Pessoais Características Qualificação Pessoais Perfis Figura 3: Dimensões de análise dos perfis para mapeamento do potencial Com base nas informações geradas: posicionamento no ranking, avaliações de desempenho dos dois anos anteriores, características pessoais, formação, domínio de língua estrangeira, recomendação e prontidão mapeadas pelo entrevistador, são consolidados bancos de dados por área de competência com até seis vezes a necessidade de candidatos (+10%) para que os respectivos comitês selecionem três vezes a necessidade de vagas a ser preenchidas nos próximos três anos, o que no ciclo de 2009 representou 6% do total de PNUs da Cemig. 3.5 Ações de desenvolvimento Selecionados os potenciais sucessores, estes passam por um conjunto de ações que visam a seu desenvolvimento. A ação mais estruturada e formal trata-se de um treinamento em sala de aula compondo 206 horas e que replica de maneira

18 17 simplificada o treinamento realizado com gerentes, superintendentes e executivos da Cemig no programa de desenvolvimento da liderança (Celig). Além disso, é recomendada uma série de ações menos formais para o desenvolvimento deste público, como: Preparação dos superiores dos potenciais sucessores: o RH deve estimular o acompanhamento dos superiores na preparação de cada candidato à posição gerencial futura. Alocação em projetos de relevância estratégica: priorizar a participação dos potenciais sucessores em projetos de relevância estratégica na Cemig, para que sejam expostos a contextos desafiadores e que requeiram visão estratégica e sistêmica da organização. Definição de acordos de desenvolvimento individuais (ADIs), vinculados ao processo de gestão do desempenho anual: o RH deverá acompanhar os ADIs dos potenciais sucessores para assegurar que estes sejam elaborados com foco na formação como futura liderança Cemig, e não somente com foco na atuação em sua área funcional específica. Programa de acompanhamento e orientação (mentoring): criação de um programa voltado à discussão da carreira do potencial sucessor, no qual ele interage com um mentor que lhe fornece conselhos de carreira e desenvolvimento e que preferencialmente não seja sua chefia. Mobilidade interna: programa voltado à mobilidade dos potenciais sucessores, inclusive para outras empresas do Grupo Cemig, com o objetivo de prover experiências enriquecedoras on the job 9. Ações de autodesenvolvimento: leituras e experiências que contribuam para a formação do potencial sucessor, partindo-se do princípio de que o seu desenvolvimento é uma corresponsabilidade: entre ele e a Cemig. 9 No ambiente de trabalho.

19 Identificação dos sucessores Formou-se, portanto, um banco de potenciais sucessores, composto pelos participantes que passaram pelas ações de desenvolvimento e que foram selecionados no ciclo corrente e aqueles do ciclo anterior que se mantiveram no banco. Isso significa que finalizado um ciclo de gestão sucessória, não é assegurado que o potencial sucessor permaneça no banco, caso ele não tenha tido uma boa classificação no novo ciclo ou não tenha sido selecionado pelo comitê único. Esta regra evita que o indivíduo identificado como um potencial sucessor se acomode e pare de investir em seu desenvolvimento. Ser identificado como um potencial sucessor não o coloca em uma posição de conforto, pelo contrário. Existe um desafio adicional de corresponder às expectativas de ser um potencial sucessor, o que deve ser refletido nos acordos de desempenho individuais (ADIs) estabelecidos com estes profissionais. Cabe à área de RH monitorar proativamente as posições-chave que ficarão vagas no curto prazo, comunicar à diretoria e identificar, pelo menos, três potenciais sucessores mais adequados à vaga. O processo de identificação dos sucessores é iniciado, no mínimo, seis meses antes da efetiva reposição e deve, idealmente e quando aplicável, envolver uma transição na qual o futuro sucessor possa acompanhar o sucedido em suas atividades durante, pelo menos, três meses. Vale destacar que a reposição nem sempre segue uma lógica funcional, ou seja, o potencial sucessor poderá ser um indivíduo alocado em outra área funcional da Cemig, portanto, é importante que esta transição seja planejada e pensada com cuidado tanto para a área que receberá o indivíduo, como para a que o cederá. O RH deve comunicar ao diretor responsável e solicitar, com base no banco de potenciais sucessores, sua decisão em relação a qual profissional irá ocupar a vaga em aberto ou que se abrirá. O diretor poderá consultar os integrantes do respectivo comitê responsável pela seleção do potencial sucessor àquela vaga, mas a decisão final será sempre dele.

20 Comunicação e feedback A comunicação, assim como a governança do processo, foi um dos pilares essenciais para o sucesso da gestão sucessória na Cemig. O papel da comunicação adquiriu um sentido mais amplo do que somente prover os atores de informações gerais sobre etapas e critérios do modelo, houve uma preocupação em se identificar os diversos interessados no processo e a abordagem de comunicação que fosse mais adequada a cada um deles. Portanto, a forma e o conteúdo da comunicação dirigida a um candidato eliminado do processo seletivo durante as suas primeiras etapas diferem da dirigida a um candidato eliminado por decisão de um dos comitês de sucessão, para citar um exemplo. Além disso, a premissa essencial do modelo foi de que todos os participantes, independentemente de terem sido selecionados ou não como potenciais sucessores, teriam direito a um feedback em relação a seu resultado no processo de mapeamento de potencial, inclusive com a identificação das possíveis lacunas de desenvolvimento e recomendações para a eliminação ou minimização destas. Para cada participante foi elaborado um relatório individual contendo todas as informações mapeadas e que serviram de base para a seleção dos potenciais sucessores. Os candidatos não tiveram acesso a seu posicionamento no ranking e não foi divulgada a lista completa dos empregados para evitar comparações inconsistentes. A mensagem reforçada junto aos empregados foi que o ranking era uma referência para a tomada de decisão dos comitês de sucessão e não uma lista classificatória, como ocorre nos concursos públicos. A regra geral adotada foi que quanto mais avançado no processo seletivo o candidato estivesse, mais personalizado seria o feedback em relação à análise do seu potencial. Portanto, candidatos que tenham sido eliminados nas primeiras etapas do processo, ou seja, aqueles que não fazem parte da lista definida pelo comitê único, composta por até seis vezes a necessidade de reposição mais 10%, receberam feedbacks em grupos. Candidatos desta lista e que fizeram parte da discussão dos comitês de sucessão tiveram feedbacks individuais, de forma que um espaço personalizado foi proporcionado para estes empregados discutirem seus perfis. Naturalmente seria desejável que todos pudessem obter um feedback individual, contudo, a decisão da Cemig em tornar o processo seletivo abrangente e

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355 Position Paper Edição Nº As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos www.ipledu.com +55 64 955 O ipl Institute of Performance and Leadership é uma empresa especializada

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Desenvolvendo competências nos gestores públicos

Desenvolvendo competências nos gestores públicos Desenvolvendo competências nos gestores públicos Walter Sigollo Superintendente de Recursos Humanos e Qualidade 26/maio/2011 Contexto do País - Mercado Estudo Mercer Consulting Outsourcing - abril 2011

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Secretaria de Fiscalização de Pessoal Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Fabiano Nijelschi Guercio Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Brasília-DF, 25 de fevereiro de 2013

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção.

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção. Processo Seletivo O que é? O Processo Seletivo é um conjunto de técnicas e instrumentos, empregados para avaliação de materiais, técnicas ou candidatos visando identificar as habilidades, tendências e

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK.

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK. PMBOK NA GESTÃO DE RH EM STARTUPS AUTORES Elaine Cristhina Castela Oyamada Henrique Spyra Gubert Juliana da Costa e Silva Juliana Theodoro de Carvalho Leitão Ricardo Takeshita ORIENTADOR Fábio Judice CURSO

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

inovadoras recrutamento

inovadoras recrutamento Avaliações inovadoras para recrutamento em grande volume Encontre agulhas no palheiro Nos processos de recrutamento em grande volume, você pode perder as pessoas certas por haver tantos candidatos menos

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Apresentação. A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo.

Apresentação. A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo. Apresentação A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo. Nossa missão é promover o encontro entre pessoas e

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Engajamento: desafio central da gestão e da liderança ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Build everithing VIMEO LEGO Benodigheden 2 3 Aon Hewitt SATISFAÇÃO Contentamento, prazer que resulta da

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Conceitos de Gestão por Competências = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 21Ago2015 1 Tópicos abordados Principais processos 4 Vantagens 5 Avaliação de

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC DEZEMBRO DE 2013 1 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 CONCEITOS BÁSICOS... 4 3 OBJETIVO DO PCRC... 6 4 REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS PARA FORMULAÇÃO DO PCRC... 7 5

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1 Sistema RH1000 Gestão de Pessoas por Competências Foco em Resultados Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987 Atualizado em 01Set2015 1 Implantação do RH de Resultados (RHR ) Solução Completa Metodologia

Leia mais

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças

Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Equipe com mais de 17 anos de experiência em Avaliação de Executivos, Coaching e Desenvolvimento de Lideranças Responsável pela elaboração e realização de projetos em empresas de porte que foram reconhecidos

Leia mais

Gestão de carreiras nas organizações

Gestão de carreiras nas organizações Gestão de carreiras nas organizações A expressão "Plano de carreira", nas organizações, sempre corre o risco de ser interpretada como algo antiquado, retrógrado, que interessa aos funcionários e, principalmente,

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br www.grupovalure.com.br Estes são alguns dos grandes desafios da atualidade no mundo profissional e o nosso objetivo é contribuir

Leia mais

Executive MBA. em Liderança e Gestão de RH

Executive MBA. em Liderança e Gestão de RH Executive MBA em Liderança e Gestão de RH B.I. INTERNATIONAL O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único de Educação. Nossa premissa é desenvolver em cada aluno,

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354.

Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354. PLANEJAMENTO DE CARREIRA Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354. CARREIRA Conceito: Podemos dizer que a carreira

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS Autor: Maria Rita Gramigna Como identificar potenciais e competências em um processo seletivo? Como agir com assertividade

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal DESAFIOS E CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Isabella Bueno Sócia- Fundadora da Martins & Bueno Assessoria em Recursos Humanos. Possui

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência. Instituto Crer & Ser. A excelência honra a Deus!

Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência. Instituto Crer & Ser. A excelência honra a Deus! Palestras, Treinamentos e Consultoria para Gestão Ministerial Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência Instituto Crer & Ser A excelência honra a Deus! Quem somos O Instituto Crer & Ser nasceu

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais