UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO DE CARREIRA POR COMPETÊNCIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO DE CARREIRA POR COMPETÊNCIAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO DE CARREIRA POR COMPETÊNCIAS Aluna: Juliana Mary da Silva Sodré Rio de Janeiro 2010

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE GESTÃO DE CARREIRA POR COMPETÊNCIAS OBJETIVOS: Esta publicação tem por objetivos compartilhar o processo de encarreiramento, baseado na gestão por competências. A fim de alcançar profissionais e estudantes da área de recursos humanos.

3 3 AGRADECIMENTOS A todos os professores do curso de Pós Graduação a Vez do mestre pela construção de um conhecimento mais amplo a respeito da área. A professora Adélia Araújo pela revisão do texto e a pessoas que, direta ou indiretamente, contribuíram para as informações contidas neste trabalho acadêmico.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico esse livro aos meus pais Mauro e Eunice, que tanto me incentivaram aos estudos e profissionalmente. Também ao meu namorado Saulo pela compreensão a minha dedicação a profissão. Juliana Sodré

5 5 RESUMO A gestão por competência é uma ferramenta de cunho estratégico e que está sendo bem difundida pelas organizações em específico, as de grande porte. Embora seja uma ferramenta extremamente eficaz, muitas empresas ainda não a utilizam de maneira completa, ou seja, apenas a visualizam em parte, não a tornando visível em todos os subsistemas do recursos humanos, e menos ainda para o seu corpo de colaboradores. A idéia desta pesquisa é possibilitar a visão global do processo de gestão por competências e como torna-lo claro, através de projetos e endomarketing, para os colaboradores de determinada organização, estimulando e adequando o processo de carreira e sucessão. Com a informação difundida para toda a organização é possível gerar a coparticipação do colaborador no seu próprio processo de desenvolvimento e permitir uma avaliação mais embasada pelo corpo de recursos humanos. Sem dúvida, toda ferramenta tem seus prós e contras e que serão desmembrados ao longo da pesquisa, mas o que torna essa ferramenta fantástica é a possibilidade de enxergar claramente os talentos dentro de uma organização, tornando assertivo o processo de encarreiramento.

6 6 METODOLOGIA Metodologia de pesquisa exploratória, utilizando a bibliografia como fonte de coleta de dados e tendo como base para a construção da ferramenta teórica os seguintes autores: Joel de Souza Dutra em seu livro Competências ; Rogério Leme em Modelo de aplicação e prática; e processo de encarreiramento através de Thomaz Wood e Vicente Picarelli em Remuneração e Carreira. Também não poderia faltar Maria Rita Gramigna especialista em gestão de talentos através do modelo de competências.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: CONCEITOS, HISTÓRICO E IMPLANTAÇÃO 11 I.I. COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS E INDIVIDUAIS 13 I.II. ETAPAS DA IMPLANTAÇÃO 18 CAPÍTULO II GESTÃO DE CARREIRAS: CONCEITOS E MODELOS 24 CAPÍTULO III GESTÃO DE CARREIRAS POR COMPETÊNCIAS: O NOVO MODELO DE ENCARREIRAMENTO 29 CONCLUSÃO 36

8 8 INTRODUÇÃO Ao longo dos últimos anos, mas especificamente do final do século XX e início do século XXI, onde vivemos a cada dia um maior avanço da tecnologia, dos princípios de comodidade, os ganhos da economia mundial e também uma perda significativa desse grande avanço nos anos de 2008 e Nossos líderes presidenciais antes economistas, estatísticos, calculista financeiros, agora são democratas, humanistas, quebram paradigmas e retratam um pouco do que é realmente o seu povo. Empresas redescobriram novos valores e estratégias de sobrevivência em um mercado tão competitivo, passaram a enxergar seu papel frente aos seus colaboradores e frente à sociedade, e um dos fatores fundamentais para a manutenção dessas empresas no mercado foi reconhecer o setor de Recursos Humanos como parceiro, integrador e estratégico. É fato que, para o setor de Recursos Humanos, não foi fácil percorrer este caminho. Até que técnicas embasadas e sólidas pudessem mostrar resultados de impacto financeiro, este continuara a ser percebido como operacional e em muitos casos como somente departamento de pessoal. E, é neste contexto de mudanças e evolução do setor de Recursos Humanos que irei falar de Gestão por Competências. Esta prática tem sido difundida e aplicada em todo o mundo, pode se dizer que é o que temos de mais inovador e concreto, não se trata de uma percepção superficial e sim de um conjunto de análises quantitativas e qualitativas sobre o cenário organizacional. Neste momento, o setor de Recursos Humanos, ganha posição estratégica e passa a participar do crescimento e desenvolvimento da organização, agindo profundamente sobre os seus colaboradores e produzindo ferramentas que validem potencial de cada um frente aos objetivos

9 9 estratégicos, e assim, desenhando, promovendo e facilitando um processo de encarreiramento e sucessório. Embora seja uma estratégia extremamente eficaz, muitas empresas ainda não a utilizam de maneira completa, ou seja, apenas aplicando parte do que se propõe cada uma por uma particularidade que desconhecemos, mas o fato é que só conseguem visualizar parte do processo. O ideal seria introduzir a Gestão por competências em todos os subsistemas do setor de Recursos Humanos. A idéia de reunir informações sobre o tema Gestão por competências atrelada ao encarreiramento veio com a possibilidade de promover uma visão global e torná-la clara, para quem aplica (corpo estratégico), mas também para quem recebe (colaboradores). Assim, no primeiro capítulo veremos o conceito da competência e inclusive da gestão por competências na visão de diversos autores, um breve histórico a fim de entender como chegamos a este conceito e estratégia; e principalmente como esta é implementada (etapas). No segundo capítulo pode se conhecer os modelos de carreiras e como estes são significativos no processo de gestão. E por fim, veremos a gestão de carreiras por competências, ou seja, como a gestão por competências pode contribuir para uma estratégia de encarreiramento e que não é um processo isolado, traçado somente pelo setor de Recursos Humanos, este reúne empenho e participação de todos os colaboradores, estimulando e adequando o processo de carreira e sucessão. Com a informação difundida para toda a organização é possível gerar a coparticipação do colaborador no seu próprio processo de desenvolvimento e permitir uma avaliação mais consistente pelo corpo de recursos humanos e pela cúpula estratégica, assim todos ganham com este investimento. Por ser uma estratégia relativamente nova no Brasil, as empresas de grande porte em específico multinacionais já conseguem visualizar o processo como um todo. As demais (pequeno, médio e grande porte nacionais), conforme mencionado acima caminham de forma mais lenta e por isso ainda não conseguiram fechar o ciclo da Gestão por Competências. O processo, realmente, não é rápido. Não acontece do dia para a noite, este exige adesão e

10 10 disciplina para cumprir o cronograma esperado e em principal a não desistência dos envolvidos. Meu objetivo é instigar o seu interesse por um tema que tem revolucionado o mercado, conto com você para explorar o que há de melhor sobre esta ferramenta.

11 11 CAPÍTULO I GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: CONCEITOS, HISTÓRICO E IMPLANTAÇÃO Com base em Joel de Souza Dutra modelos de gestão são construídos por um conjunto de pressupostos, práticas e instrumentos. E é baseado neste contexto de construção que o autor fala sobre o surgimento do Modelo de Gestão por Competências. E assim relata: Os processos de globalização, a turbulência crescente, a complexidade maior das arquiteturas organizacionais e das relações comerciais, a exigência de maior valor agregado dos produtos e serviços levaram as organizações a buscar mais flexibilidade e maior velocidade de resposta na estruturação das ocorrências internas e no enfrentamento de situações inusitadas e de complexidade crescente. (Dutra, 2009 p: 13). E ainda concluí: A partir daí, as organizações passam a necessitar de pessoas mais autônomas e com maior iniciativa, com perfil bem diferente do exigido até então, de obediência e submissão. (Dutra, 2009 p: 13) Assim, nos anos 90 começaram a surgir novas propostas de gestão de pessoas, mas também de busca incessante pela excelência. Com as mudanças decorrentes, as organizações tiveram que definir novas estratégias para sobreviver num mercado cada vez mais exigente. Maria Rita Gramigna descreve em seu livro Modelo de Competências e Gestão de Talentos (2ª Ed. 2007), três movimentos importantes para a construção do modelo de gestão no Brasil: desenvolvimento organizacional, qualidade e reengenharia. Desta forma, pode se constatar a importância da participação das pessoas na definição de missões setoriais, objetivos e metas; melhor e maior compreensão do negócio da empresa por parte dos colaboradores; identificação de

12 12 indicadores de desempenho para mensuração individual e de equipes; e o principal o entendimento de que medidas radicais de enxugamento de quadros como forma de reduzir custos e aumentar produtividade, não fazia alcançar este objetivo. Neste momento, a área de Recursos Humanos vista como centralizadora e responsável somente por processos de pessoal, começa a assumir espaço estratégico, distribuindo responsabilidades pelo desenvolvimento de pessoas aos gerentes diretos, instrumentalizando-se e partindo para visão integrada e focada no negócio. Existem inúmeras definições para competências, assim veremos como este conceito foi construído até chegar ao que é trabalhado atualmente no contexto organizacional. O conceito de competência foi proposto pela primeira vez em 1973, por David Mc Clelland, na busca por uma abordagem mais efetiva que os testes de inteligência nos processos de escolha de pessoas para organizações. Rapidamente o conceito foi ampliado para dar suporte aos processos de avaliação e para orientar ações de desenvolvimento profissional. Boyatzis (1982), também foi um grande incentivador, criando o conceito de caracterização das demandas de determinado cargo na organização, procura fixar ações ou comportamentos efetivos esperados. E assim o autor já demonstra preocupações com questões como a entrega da pessoa para o meio ao qual se insere. Para Durand (1999), competência é um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes interdependentes e necessárias ao desenvolvimento de um objetivo específico. E a partir destas dimensões pressupõe-se que o indivíduo tenha domínio e qualificação técnica para exercê-las e que adote atitudes favoráveis e positivas. Mas foram os autores Le Boterf (1994, 2000, 2001 e 2003) e Zarifan (1996 e 2001) que exploram o conceito de competência associado à idéia de agregação de valor e entrega a determinado contexto de forma independente do cargo, isto é, a partir da própria pessoa. Le Bortef (2003) fala que a competência é constituída de três elementos principais: formação profissional, características pessoais e

13 13 experiência profissional, e dizendo que as competências não residem nos recursos que uma pessoa possui para mobilizar, mas na própria mobilização dos recursos. Já Zarifian (2001) define competências como: 1. o tomar iniciativa e assumir responsabilidade do indivíduo diante de situações profissionais com as quais se depara; 2. um entendimento prático de situações que se apóia em conhecimentos adquiridos e os transforma na medida em que aumenta a diversidade das situações; 3. A faculdade de mobiliar redes de atores em torno das mesmas situações é a faculdade de fazer com que esses atores compartilhem as implicações de suas ações, e fazê-los assumir áreas de co-responsabilidade. No início dos anos 90 com ajuda da técnica de pesquisa-ação em empresas brasileiras foi possível discutir aspectos importantes da gestão de pessoas e para que o conceito de competência fosse visto como instrumento de gestão, assim, foi destacado pelos participantes: entrega exigida pela organização, caracterização da entrega e forma de mensurar a entrega. O termo entrega é citado por Fleury (2001) e refere-se ao fato de o indivíduo saber agir de maneira responsável e ser reconhecido por isso. Quando há a entrega de cada pessoa é fácil perceber o grau de envolvimento desta e quais são realmente as suas competências e a compatibilidade das mesmas em relação às competências organizacionais. A partir desse momento os autores chegam à conclusão da existência de competências organizacionais e competências individuais. I.I. COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS E INDIVIDUAIS È importante notar que existem dois tipos de competências as organizacionais e individuais e que no fim são complementares, pois trata de uma relação de troca entre a empresa e o colaborador. Fleury & Fleury (2000) propõem que o conceito de competência organizacional tem suas raízes na abordagem da organização como um portfólio de recursos (resource based

14 14 view of the firm). Esta abordagem considera que toda empresa tem um portfólio: físico (infraestrutura), financeiro, intangível (marca, imagem, etc.), organizacional (sistemas administrativos, cultura organizacional) e recursos humanos. Para os defensores desta abordagem, é esse portfólio que cria vantagens competitivas e, dessa maneira, a definição das estratégias competitivas deve começar com um entendimento profundo das possibilidades estratégicas dadas por esses recursos (KROGH; ROOS, 1995). A abordagem dos recursos da firma enfatiza a maior importância de se centrar a formulação estratégica em um grupo específico de recursos aqueles que garantem lucratividade a longo prazo. Essa abordagem distingue entre recursos e competências. Um recurso é algo que a organização possui ou tem acesso, mesmo que esse acesso seja temporário [...] uma competência é uma habilidade para fazer alguma coisa [...] uma competência é construída a partir de um conjunto de blocos denominados recursos (Mills et al., 2002, 9-14). Prahalad e Hamel no final dos anos 80 deram uma importante contribuição definindo o conceito de competências essenciais e em 1990 citam: A competitividade de uma organização é determinada pela inter-relação dinâmica entre as competências organizacionais e a estratégia competitiva. Os autores ainda diferenciam competências organizacionais de competências essenciais. As competências essenciais seriam aquelas que obedecem a três critérios: oferecem reais benefícios aos consumidores, são difíceis de imitar e dão acesso a diferentes mercados. Ou seja, são aquelas que a diferenciam e que lhe garantem uma vantagem competitiva sustentável perante as demais organizações. Mills et al (2002) procurando sistematizar os conceitos, propõe um quadro síntese para definir os vários níveis de competências organizacionais: Competências essenciais Competências e atividades mais elevadas, no nível corporativo, que são chave para a sobrevivência da empresa e centrais para sua estratégia Competências e atividades que os

15 15 Competências distintivas Competências organizacionais ou das Unidades de Negócios Competências de suporte Capacidades dinâmicas clientes reconhecem como diferenciadores de seus concorrentes e que provêm vantagens competitivas. Competências e atividades-chave, esperadas de cada unidade de negócios da empresa. Atividade que é valiosa para apoiar um leque de competências. Capacidade de uma empresa de adaptar suas competências pelo tempo. É diretamente relacionada aos recursos importantes para a mudança. Fonte: Mill, Platts, Borne (2002) As competências individuais são vistas como a base para as competências organizacionais, pois advém da aprendizagem do indivíduo, porém ainda não se tem ao certo como isso se configura. De acordo com Zarifian (2000) diversos conteúdos em relação às competências organizacionais que acabam por configurar diferentes áreas de desenvolvimento de competências para as pessoas: competências sobre processos, que são os conhecimentos sobre o processo de trabalho; competências técnicas, que são os conhecimentos específicos sobre o trabalho que deve ser realizado; competências sobre a organização, que diz respeito, a saber, organizar os fluxos de trabalho; competências de serviço, que busca aliar a competência técnica à avaliação do impacto que este produto ou serviço terá sobre o consumidor; e competências sociais, que dizem respeito ao saber ser, incluindo atitudes que sustentam o comportamento das pessoas. Observando todas as áreas de competências identificadas pelo autor verificase que dependem em grande parte da ação das pessoas e nesse sentido pode se afirmar que o desenvolvimento das competências organizacionais está relacionado ao desenvolvimento das competências individuais e das condições dadas pelo contexto.

16 16 A noção de competência individual aparece assim associada a verbos e expressões como: saber agir, mobilizar recursos, integrar, saberes múltiplos e complexos, saber aprender, saber se engajar, assumir responsabilidades, ter visão estratégica. Observa-se que essas competências não são conhecimentos ou habilidades apenas; são, conforme coloca Le Boterf (2003), conhecimentos e habilidades na ação, no contexto organizacional e, nesse sentido, são desenvolvidas dentro de cada organização. As competências individuais serão diferentes conforme a pessoa atua em uma ou noutra organização. Para Ruas (2001) desenvolver competências dos indivíduos é desenvolver seus conhecimentos, habilidades e atributos. Os atributos devem estar associados as suas atitudes e relacionado com as competências essenciais da organização. Maria Tereza Fleury (2000) define competência das pessoas como: saber agir responsável e reconhecido, que implica mobilizar, integrar, transferir conhecimentos, recursos, habilidades, que agreguem valor econômico a organização e valor social aos indivíduos. Dutra (2009) reforça o fato de que ao colocarmos organização e pessoas lado a lado, podemos verificar um processo contínuo de troca de competências. A organização transfere seu patrimônio para as pessoas, enriquecendo-as e preparando-as para enfrentar novas situações profissionais e pessoais, na organização ou fora dela. As pessoas aos desenvolverem sua capacidade individual, transferem para a organização seu aprendizado, capacitando-a a enfrentar novos desafios. Resumindo: A agregação de valor das pessoas é, portanto, sua contribuição efetiva ao patrimônio de conhecimentos da organização, permitindo-lhe manter suas vantagens competitivas no tempo. (Dutra, 2009 p: 24) Por fim, Dutra (2009) fala que com base nas considerações acima, não podemos pensar competências individuais de forma genérica e sim atreladas às competências essenciais da organização. As entregas esperadas das pessoas devem estar forcadas no que é essencial. Assim procedendo, as pessoas estarão melhor orientadas em suas atividades, no seu

17 17 desenvolvimento e nas possibilidades de encarreiramento dentro da organização. É através da estratégia e da análise organizacional que pode se chegar ao modelo de gestão por competências, assim a estratégia estará sempre associada a maneiras que atingir o objetivo esperado. Oliveira (1999) cita estratégia empresarial relacionada com a alocação de recursos da empresa de forma a minimizar problemas. A formulação de estratégias possibilita uma maior interação da empresa com o ambiente externo no qual ela está inserida. As empresas, de uma maneira geral, buscam o crescimento. Chiavenato e Sapiro (2004) apresentam um modelo geral do processo estratégico em cinco partes: 1) Concepção estratégica: declaração da missão, da visão, definição dos públicos de interesse e seu potencial de conflito e construção da ideologia central da organização (princípios e valores); 2) Gestão do conhecimento estratégico: diagnóstico estratégico externo, diagnóstico estratégico interno e construção de cenários (previsões que estimulam a percepção de possíveis problemas para ensaiar possíveis respostas); 3) Formulação estratégica: determinação dos fatores críticos de sucesso, definição dos modelos de apoio à decisão e das políticas de relacionamento; 4) Implementação da estratégia: definição dos objetivos, elaboração das estratégias, gestão do conhecimento, sistemas de informação, desempenho organizacional, definição do sistema de planejamento estratégico (formulação, implementação e controle das estratégias, que compreende as etapas de criação, avaliação e escolha e implementação); 5) Avaliação estratégica: mensuração de desempenho por indicadores, auditoria de resultados e avaliação estratégica. Dentro da visão desenvolvida por Fleury & Fleury (2004), a competitividade de uma organização seria determinada pela inter-relação entre competências organizacionais e estratégia competitiva. Entende-se que para

18 18 conseguir sustentar a vantagem competitiva, uma empresa precisa se desenvolver e aprender competências organizacionais e individuais que estarão continuamente alimentando e retro-alimentando a sua estratégia. I.II. ETAPAS DA IMPLANTAÇÃO Através dos autores já citados e demais estudiosos da área, percebe-se algo em comum, todos falam da dependência sofrida pela gestão por competências, à definição de conceitos básicos para uma organização. Ou seja, para que essa estratégia funcione é necessário que esteja alinhada a missão, visão, valores e estratégia organizacional. As etapas da implantação devem ser seguidas, de modo que toda a organização entenda o sentido da gestão. Embora para alguns autores estas apareçam configuradas de forma diferente, todas atuam com base no mesmo conceito. Seguem duas colocações, pelos autores Rogério Leme e Maria Rita Gramigna: Sensibilização, Definir competências Organizacionais, Definir Competências de cada função, Identificar as competências dos colaboradores, Desenvolver os Colaboradores e Acompanhar Evolução/ Gestão por competências (Leme, 2008). Sensibilização, Definição de Perfis, Avaliação de Potencial, Capacitação e Gestão do Desempenho (Gramigna, 2007). Para melhor entendimento, se faz necessário destrinchar cada etapa. Sensibilização é fundamental para se obter o envolvimento e adesão das pessoas-chave da administração e dos postos de trabalho. (Gramigna, 2007). A autora cita que esta pode acontecer através de reuniões de apresentação e discussão do modelo para prováveis adaptações à cultura da empresa; Convites para palestras ou cursos externos que tratem do tema; Uso de veículos internos de comunicação (jornais, boletins, revistas) para publicar matérias já divulgadas na mídia;

19 19 dentre outras possibilidades. De fato este projeto precisa ter a mesma adesão que a Diretoria teve, e a partir deste momento gerar coparticipação e comprometimento dos envolvidos. Definir competências organizacionais e Definir Competências de cada função e/ou Definição de perfis, ambos tratam da definição das competências de que a empresa precisa e as que o colaborador precisa ter para ocupar determinada função. Por estarem mais diretamente atreladas à missão, visão, valores e estratégia da empresa, lança-se mão de uma consultoria externa e basicamente resumem-se em reuniões com a direção, gerências e consenso das competências definidas. Se esta etapa for realizada por um consultor interno, é necessária habilidade para identificação das vantagens e pontos de insuficiência. O autor e consultor Rogério Leme cita um inventário que criou para melhor mapear as competências e chamou-o de Inventário Comportamental para Mapeamento por Competências e este é composto por uma lista de indicadores compreendidos plenamente por seus colaboradores (Leme, 2008 p: 45). Definir Competências de cada Colaborador ou Avaliação de Potencial, nesta etapa identifica-se quais competências os colaboradores têm para oferecer e quais ainda precisam ser aprimoradas, identificando o gap do colaborador. O colaborador participa de uma avaliação que pode ser através de questionário, entrevista, diagnóstico e seminários de identificação de potenciais. Desenvolver os colaboradores ou Capacitação, após identificar as competências as quais precisa desenvolver é hora de aplicar um treinamento específico, focado na capacitação do colaborador. Gramigna, 2007 cita que os colaboradores podem ser distribuídos em quatro grupos distintos, com base em uma matriz de Potencial x Desempenho e cada grupo receberá uma orientação, intervenção e objetivos diferenciados para seu desenvolvimento, sendo classificados da seguinte forma: Talentos que possuem alto potencial e desempenho correspondente ao esperado; Futuros Talentos com alto potencial e

20 20 desempenho abaixo do esperado; Mantenedores que refletem potencial baixo, porém bom desempenho; e Abaixo da Média para os que têm baixo potencial e baixo desempenho. Acompanhar Evolução ou Gestão por Competências nesta etapa mensurasse a evolução de cada colaborador e de todo o trabalho realizado, ou seja, avaliar os resultados. E é por meio da avaliação de performance (desempenho) das pessoas e da equipe que poderá se visualizar a evolução ou involução de cada colaborador, bem como desdobramento da estratégia nos subsistemas de Recursos Humanos. Conforme já visto, a palavra competência pode ser reconhecida como um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes, mas para que esta possa ser identificada, ou melhor, visualizada como parte do dia-a-dia do colaborador, precisam ser transformadas em indicadores. E são os indicadores que mostrarão o entendimento de cada competência, em cada tipo de organização. Estes são capazes de mostrar os fatos e com base nos fatos se pode fazer um plano de ação. Para cada competência pode-se obter diversos significados, Leme (2008) comenta que a competência comunicação tem um significado extenso para os colaboradores dentro de uma organização, mas para organização só parte do universo de significados que está de acordo. E como definir o que é comunicação de forma que os colaboradores entendam exatamente o significado para a empresa? A resposta está nos comportamentos observáveis. Cada empresa tem seu próprio entendimento dos comportamentos necessários, pois estes têm origem nas atitudes, que por sinal têm origem nos valores. Quando na definição das competências, é importante saber que não existe restrição quanto ao número de escolhidas, mas deve-se usar o bom senso e por isso é necessário a escolha de competências onde se tenha um número de indicadores considerável e que realmente retratem o dia-a-dia dos colaboradores. Um número muito bom de competências para se trabalhar é de 8 a 10 e com 8 a 10 indicadores para cada.

21 Gramigna (2007) traz exemplos de competências e indicadores mensuráveis, e que foram analisados junto aos seus clientes: 21 Exemplo 1 - Adaptação e Flexibilidade Definição: Capacidade para se adaptar oportunamente às diferentes exigências do meio, sendo capaz de rever sua postura diante de novas realidades. Indicadores: - Posiciona-se de acordo com seus princípios e valores, respeitando o outro; - Convive e enfrenta mudanças, mantendo qualidade e produtividade (desempenho); - Disposição para rever e mudar de opinião quando necessário; - Abertura ao novo. Exemplo 2 Comunicação e Interação Definição: Capacidade para interagir com pessoas apresentando facilidade para ouvir, processar e compreender a mensagem. Facilidade para transferir e argumentar com coerência e clareza, promovendo feedback sempre que necessário. Indicadores: - Comunica-se por meio de argumentos. Fatos e dados coerentes; - Quando se comunica, os outros entendem; - Adota postura de escuta e interesse pelo que os outros falam; - Busca informações e pergunta quando tem dúvidas. Gramigna (2007) fala das etapas necessárias a construção desses indicadores. No primeiro momento, é feito o mapeamento das competências e esta etapa exige a participação da direção da empresa, e é decisiva para o desenvolvimento do projeto. Neste momento são feitas discussões sobre o negócio, missão, visão, diretrizes e políticas da organização, bem como definir o perfil de competências da empresa e das pessoas.

22 22 Num segundo momento é feito um realinhamento, revisão e mapeamento de perfis, e são levantados dois tipos de competências: técnicas (que compõe o perfil profissional para ocupar o cargo, requisitos de acesso ao cargo) e de suporte (agregam valor as competências técnicas e fazem a diferença no perfil profissional das pessoas). Após a definição das competências técnicas e de suporte, todas com suas respectivas definições, é determinada uma escala ou nível de proficiência para avaliação de competência. Para a construção dessa escala é necessário que o gestor de cada área preencha um questionário com os indicadores, informando o grau de importância de cada um para cada cargo em sua equipe. Atualmente considera-se a melhor a escala a de 0 a 5, por não ter alternativa central, não ser curta nem longa. Assim podemos afirmar que 100% de uma determinada competência equivalem ao nível 5 da escala. Desta forma, Leme (2008) revela a equação necessária para a obtenção do peso (target) exigido por cada competência. Equação: Peso indicador = Nível máximo da escala Quantidade de indicadores da competência Um exemplo é, se a competência Liderança possui 8 indicadores e obteve 0,625 de peso indicador, ou seja, cada indicador equivale a este valor. E dentre estes indicadores existem 4 que foram marcados como muito importante ou importante, pode se afirmar que a competência Liderança para a função precisa de nível 2,5. Equação: Nível de competência da função = Peso Indicador x Quantidade de indicadores marcados como muito importante ou importante. É através dos indicadores que tornamos a Gestão por Competências reconhecida matematicamente. É neste momento que o Recursos Humanos ganha espaço estratégico.

23 23 Para que se possa avaliar cada colaborador contamos com os seguintes formatos de avaliação: Auto-avaliação, quando o avaliado faz sua própria avaliação; Avaliação superior, quando somente o chefe avalia o subordinado; também é conhecida como avaliação 90 ; Avaliação conjunta, quando o chefe avalia o subordinado e este também faz sua auto-avaliação; também conhecida como avaliação 180 ; Avaliação de múltiplas fontes, quando várias pessoas respondem à avaliação de um mesmo avaliado, como seus superiores, seus pares, clientes e fornecedores internos e inclusive o próprio avaliado, também é conhecida como avaliação 360º. Leme (2008) ressalta que Avaliação de Competências não é Avaliação de Desempenho. Ao falar de Avaliação de Competências estamos falando de competências técnicas e comportamentais apenas. Embora sejam fundamentais, não podemos sustentar um processo de gestão de pessoas apenas com as competências técnicas e comportamentais. É preciso ampliar para o que ele chama de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências, que é composta por quatro perspectivas básicas: técnica, comportamental, resultados e complexidade. Para a construção do formulário da Avaliação por Competências é necessário, apenas transformar o indicador em pergunta, desta forma o colaborador poderá se reconhecer com maior facilidade e assinalar dentro da escala correspondente ao seu comportamento e que pode ser a seguinte: todas as vezes; muitas vezes; com freqüência; poucas vezes; raramente; e nunca. E ser aplicada no formato desejado, conforme citado acima.

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS Autor: Maria Rita Gramigna Como identificar potenciais e competências em um processo seletivo? Como agir com assertividade

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS

Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS Carreira: É uma sucessão de cargos ocupados por uma pessoa ao longo de sua vida profissional. Este desenvolvimento é alcançado

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS

FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS ROGERIO LEME rogerio@lemeconsultoria.com.br /rogeriolemeoficial PUBLICAÇÕES ALGUNS DOS NOSSOS CLIENTES SETOR PÚBLICO SERVIÇOS

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Catálogo de treinamentos

Catálogo de treinamentos Catálogo de treinamentos 11 3892-9572 www.institutonobile.com.br Desenvolvendo seus Talentos O Instituto Nobile desenvolve as mais modernas soluções em treinamento e desenvolvimento. Oferecemos programas

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente.

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. Realização de cursos, treinamento e palestras. 1 ISO 9001:2008 - Interpretação e Implementação

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Negociação Estratégica e Gestão de Conflitos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Negociação Estratégica e Gestão de Conflitos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO Treinamentoéoprocessoeducacional,aplicadode maneira sistemática e organizada, pelo qual as pessoas aprendem conhecimentos, atitudes e habilidades

Leia mais

Ana Cláudia Braga Mendonça

Ana Cláudia Braga Mendonça Plano de Cargos e Salários CSJT OCUPAÇÃO DE FUNÇÃO COMISSIONADA E CARGO EM COMISSÃO I - FUNÇÕES COMISSIONADAS (FC-1 - FC-6) 80% > servidores integrantes das Carreiras do Poder Judiciário da União; (Art.3º)

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos componentes e fatores condicionantes Glaucia Falcone Fonseca Nos dias de hoje, em todas as organizações, seja ela voltada para serviços, ramo industrial

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Gestão de pessoas: revisão de conceitos

Gestão de pessoas: revisão de conceitos Glaucia Falcone Fonseca Chegamos ao final de nosso curso e vale a pena fazer uma retrospectiva sobre os principais aspectos da gestão de pessoas, algo tão importante no atual mundo do trabalho, caracterizado

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você.

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você. Somos uma empresa inovadora, que através de uma metodologia vencedora proporciona a nossos clientes um ambiente favorável ao desenvolvimento de capacidades, para que seus profissionais alcancem o melhor

Leia mais

A Ser Humano Consultoria

A Ser Humano Consultoria A Ser Humano Consultoria é uma empresa especializada na gestão estratégica de pessoas. Utilizando programas de assessoramento individual, baseados na avaliação e desenvolvimento de suas competências, buscamos

Leia mais