RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA DE POLÍTICA PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA DE POLÍTICA PÚBLICA"

Transcrição

1 RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA DE POLÍTICA PÚBLICA Mauro Ribeiro Borges - PARANÁ PREVIDÊNCIA Rosane Maria Fonseca Gurniski - PARANÁ PREVIDÊNCIA Emerson Martins Hilgemberg - UEPG INTRODUÇÃO O Estado é formado de pessoas e para pessoas. Pessoas desmotivadas ou com o sentimento do dever cumprido tendem a recepcionar inadequadamente aqueles que demandam o atendimento público ou a desempenhar tarefas de modo não satisfatório. Empiricamente é possível asseverar que a Administração pública sofre o impacto daquele servidor que se considera em fim de carreira e entra na fase de aguardar a aposentadoria. Nesta fase, ele assume uma postura de passividade, pouca participação, descomprometimento e desmotivação. Isso, de fato, colabora para a sensação de insatisfação do cidadão a quem, direta ou indiretamente, o servidor deve atender, seja por sua postura em face desse cidadão, seja pelo fato de não manter uma interação pró-ativa para com servidores mais novos e que, certamente, seriam beneficiados pelo conhecimento e experiência acumulados. Este problema se avoluma quando se considera que os critérios de aposentação dos servidores públicos têm se tornado mais rígidos, colaborando para a desmotivação daquele que, mesmo não estando na iminência de se aposentar, se vê na contingência de ser compelido a permanecer mais tempo em atividade. Essa expectativa acaba por antecipar a fase de aguardar a aposentadoria e, portanto, provoca a maximização conjuntural de um problema estrutural, que é resultado da idade elevada somada à antecipação da aposentação ainda concedida com precocidade. Além disso, as administrações dos entes federados quando voltam o olhar para esse conjunto de servidores os veem da mesma forma, ou seja, como alguém em fim de carreira e que, em face disso, não é elegível para qualquer política motivacional ou de aproveitamento, sendo alvo, quando muito, de programas de preparação para a aposentadoria, ou seja, são retirados do serviço público. Isso faz com que a administração dispense talentos e oportunidades, colaborando para a insatisfação do cidadão em relação aos serviços que ela presta, além de não fazer uso de um adequado processo de retenção e transferência do conhecimento acumulado. É necessário que se busque a adoção de mecanismos que possam minimizar os fatores negativos desse quadro e, até mesmo, buscar transformá-los em elementos de pró-atividade e solução de outros problemas, notadamente aqueles, relacionados à gestão do conhecimento, de recursos humanos e à própria gestão administrativa. Se no Estado moderno o espaço do servidor é o do parceiro e, mais do que isso, o de verdadeiro indutor da atividade estatal, nada mais lógico e coerente do que a adoção de uma política que o valorize enquanto talento e, mais do que isso, um talento experiente cujo conhecimento deva ser retido pela administração e compartilhado com o conjunto dos demais servidores. É dizer que a idade média elevada dos servidores, se existente, antes de ser um problema pode ser uma solução. Capítulo 7 - Administração e Previdência 765

2 Neste sentido, este trabalho propõe a criação de política de Recursos Humanos e de Previdência Funcional modernas, aderentes ao contexto vigente e que agreguem valor aos servidores públicos e aos serviços que prestam à Sociedade. Em cinco capítulos, efetua-se uma revisão da literatura sobre a gestão - de pessoas, do conhecimento e de talentos ; apresentam-se os dados coletados no órgão previdenciário e na Secretaria de Administração e Previdência do Estado do Paraná, indicando a composição do quadro dos servidores ativos e inativos de todos os Poderes e, em especial, os relativos ao Poder Executivo e formula-se, a partir da realidade dos dados anteriormente indicados, juntamente com o embasamento teórico, uma proposta indicativa para uma Política de Retenção de Talentos dos Servidores de Nível Superior, do Poder Executivo. 1 ALGUNS ASPECTOS DA GESTÃO - DE PESSOAS, DO CONHECIMENTO E DE TALENTOS 1.1 PESSOAS Schwella (2005) indica que governos e serviços públicos, ao redor do mundo, vêm enfrentando muitos desafios resultantes do próprio contexto de governar e de prestar serviços. É necessário, portanto, implantar políticas e processos inovadores a fim de superá-los. Segundo Andrade e Santos, (2008) observa-se um grande esforço no sentido de transpor o antigo modelo burocrático para um modelo de gestão gerencial, o que se vislumbra na adoção de novas técnicas orçamentárias, na descentralização administrativa de alguns setores, na redução dos níveis hierárquicos e na implementação de instrumentos de avaliação de desempenho organizacional. Entretanto, algumas questões permanecem pendentes e precisam ser superadas, o que poderá ser feito pelo aprimoramento da gestão de pessoas, tendo como premissas a valorização do capital intelectual e a modernização do processo produtivo. (ANDRADE E SANTOS, 2008) Conforme Nogueira e Santana, (2008) os reformistas argumentam que a descrição feita da burocracia, por Weber, corresponde a um estilo de administração ultrapassado, que é obsessivamente voltado para o controle dos processos e, portanto, propõem instalar um estilo gerencial, típico das empresas privadas, direcionado para os resultados das ações e para sua relação de custo/benefício, o que exige que, muitas vezes, não sejam realizadas diretamente, mas, sim, por contrato com empresas privadas ou com entidades não governamentais. (NOGUEIRA E SANTANA, 2008) Nogueira e Santana (2008) consideram, entretanto, que esse é um falso contraste que serviu bastante à retórica dos reformistas, mas que não tem uma adequada sustentação teórica. No dizer de Nogueira e Santana, (2008) o próprio Weber explicitou que não existe sociedade moderna sem burocracia e sem um contínuo esforço de mediação política entre o modo de funcionamento da burocracia e os objetivos de equidade, mudança social e participação democrática. Assim, a interpretação proposta por Nogueira e Santana (2008) é a de que a gestão de recursos humanos constitui uma função política de regulação que se volta para dentro e para fora das organizações públicas, pondo-se como mediadora entre a burocracia e os objetivos éticos e políticos contidos numa dada missão institucional. Note-se que o Estado, em muitos lugares, perdeu sua capacidade de regulação e governança devido ao efeito combinado do downsizing 1 e da subestimação da função de 1 Assim considerada a técnica voltada à eliminação da burocracia corporativa desnecessária e focada no centro da pirâmide hierárquica, objetivando a racionalização administrativa. 766 RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA...

3 planejamento de recursos humanos, motivo pelo qual busca-se corrigir esse erro estratégico, o que se denota na tendência de valorizar os processos de gestão dos recursos humanos e numa certa busca de equilíbrio entre os velhos e os novos conceitos. (NOGUEIRA E SANTANA, 2008) Nos anos 80, o Estado era visto como um estorvo para o florescimento do mercado, devendo ser desmantelado e reduzido a sua mínima expressão. Essa concepção emergira em substituição à visão de que a ação do Estado era suficiente para promover o desenvolvimento. Essas acepções opostas fizeram o pêndulo mover-se excessivamente numa direção e noutra. De qualquer modo, há que se reconhecer que o mercado, quando desprovido de dispositivos regulatórios criados pelo Estado, dá lugar a enormes desequilíbrios. Por outro lado, o papel do Estado precisa ser repensado em termos que ultrapassem os dois extremos do debate: o grande Estado desenvolvimentista do passado e o Estado mínimo ou quase mínimo pressuposto pelos reformistas. É necessário deixar para trás os fundamentalismos e criar novas referências teóricas para refletir acerca do papel e do funcionamento do Estado, precondição para reinventar o governo. (NOGUEIRA E SANTANA, 2008) Nos países da América Latina e do Terceiro Mundo, de um modo geral, a combinação entre as forças competitivas de um mercado de trabalho desregulado e a severa restrição de gastos pelos governos continua presente e favorece a precarização do emprego no setor público. Todavia, se vislumbra um processo de resgate de um Estado mais compromissado com o desenvolvimento e com o bem-estar dos cidadãos, objetivando minimizar o espaço entre países desenvolvidos, em desenvolvimento e subdesenvolvidos. Neste processo, seria razoável que as propostas de revalorização do serviço público e que a revitalização dos seus ideais de mérito pudessem ser copiadas a partir do que ocorre, agora, nos países mais desenvolvidos, tal como aconteceu com os modelos de reforma do Estado. No entanto, sua efetividade está na dependência do surgimento de condições de sustentabilidade do desenvolvimento econômico e de adequadas políticas públicas. Nesse contexto, torna-se relevante a gestão de recursos humanos no setor público, ou seja: deve se perseguir uma nova conjuntura das políticas para a administração do setor público que busca alcançar um ponto de equilíbrio nos direitos que competem à burocracia de Estado (ou seja, aos trabalhadores do setor público) e os direitos da cidadania mediante a politização da gestão de recursos humanos. (NOGUEIRA E SANTANA, 2008) Assim, a gestão de recursos humanos deve se constituir numa função política de regulação, a ser exercida pelos dirigentes em conjunto com técnicos especialistas. Trata-se de uma função de mediação política e técnica entre os objetivos de manejo da força de trabalho disponível e os objetivos éticos e políticos contidos na missão institucional. (NOGUEIRA E SANTANA, 2008) Schwella (2005, p. 267) cita Owusuansah et al. os quais afirmam que a organização do setor público hoje enfrenta demandas sem precedentes por parte da sociedade, que se torna dia a dia mais complexa e interdependente. O setor público numa sociedade moderna é cada vez mais afetado pelo ambiente no qual opera, transformando-se em um sistema aberto com contínuas relações de troca, no qual também se testemunham mudanças rápidas nas relações entre funcionários públicos e seus clientes. O ambiente externo das organizações do setor público agora pode ser caracterizado como altamente turbulento, o que implica um conjunto de condições cada vez mais dinâmicas, hostis e complexas. Capítulo 7 - Administração e Previdência 767

4 Pesquisa com profissionais de recursos humanos do setor privado, mostrou que a área está pronta para dar um passo fundamental rumo ao futuro, em um ambiente em constante transição: alinhar as competências humanas às estratégias de negócio das empresas, com o gestor de RH engajado em sua formulação e implantação 2. Segundo os formadores de opinião pesquisados, o modelo de gestão de pessoas deve servir como elo entre as políticas das organizações, suas estruturas, processos e práticas operacionais. Na opinião daqueles entrevistados os princípios que nortearão o modelo de gestão de pessoas nos próximos anos são: a gestão de recursos humanos contribuindo com o negócio da empresa; a gestão por competência; o comprometimento da força de trabalho com os objetivos organizacionais; a gestão do conhecimento, criatividade e inovação contínuos no trabalho; modelo de gestão múltiplo, contemplando diferentes vínculos de trabalho e relacionamento com os funcionários e autodesenvolvimento 3. Observa a pesquisa que tais princípios, de maneira geral, não foram incorporados pelas organizações, haja vista o alto grau de dificuldade para a sua efetivação. Discrepando desse nível de dificuldade aferida, aparece a contribuição, de destacada relevância, a ser prestada pela gestão de recursos humanos, que por apresentar um nível médio de complexidade 4, já vem sendo implementada por 57,8% das organizações consultadas. Segundo os profissionais pesquisados, as tendências que dizem respeito às dimensões- -chave que compõem um modelo de gestão de pessoas são: a gestão estratégica de RH; a Gestão de Remuneração; o Treinamento, Desenvolvimento e Educação e o Formato da Função RH. A velha estrutura formal e departamentalizada do RH tradicional não comporta a flexibilidade exigida por processos integrados e estrategicamente orientados. De modo geral todas as organizações pesquisadas estão se reestruturando e capacitando seu quadro de especialistas para atuar de acordo com esses preceitos. Percebe-se que o sentimento prioritário entre os formadores de opinião é o de que o processo de ajuste às forças externas não é mais um evento circunstancial; não está limitado a um período determinado, a um setor de atividade ou ramo de negócios. Como se vê, elaborar e reavaliar o modelo passou a ser tarefa permanente do gestor estratégico de pessoas nas organizações. Por isso mesmo, nenhuma das empresas 5 se considera totalmente ajustada às tendências projetadas. Todas se veem em transição, ou, em outras palavras, a transição contínua passa a ser uma característica intrínseca ao próprio modelo. Se no campo privado a área de recursos humanos está pronta para dar um passo fundamental rumo ao novo modelo, reconhecendo o ambiente de constante transição e buscando alinhar as competências humanas às estratégias de negócio das empresas, no setor público, onde o processo não deve ser muito diferente, no entanto, o Estado ainda não se encontra suficientemente pronto para tal passo. 2 Pesquisa sobre as tendências em gestão de recursos humanos, realizada entre um público qualificado de profissionais dessa área, conduzida pelo programa de Estudos em Gestão de Pessoas (Progep) da Fundação Instituto de Administração (FIA), conveniada à Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), realizada no 2º semestre de 2003, publicada pela HSM Management n. 44, mai/jun Idem. 4 Idem. 5 Idem. O grupo de entrevistados da referida pesquisa foi selecionado entre ocupantes de cargos de direção e gerência de áreas de recursos humanos ou assemelhadas nas principais empresas brasileiras com base na classificação das Maiores e Melhores publicada pela revista Exame; professores de disciplinas de recursos humanos de cursos de graduação em administração que receberam conceito A na avaliação promovida pelo MEC em 2001; e consultores reconhecidos por sua expertise na área. O cadastro geral foi de profissionais. A pesquisa obteve índice de retorno de 27%. 768 RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA...

5 1.2 CONHECIMENTO Crawford (1994, p. 21) afirma que o conhecimento é a capacidade de aplicar informação a um trabalho ou a um resultado, e Sveiby (1998, p. 29) o define como a capacidade que uma pessoa tem de agir continuamente e que é criada por um processo de saber. Portanto, como conclui Guarnieri (2008, p. 2), o conhecimento é contextual, não podendo ser separado de seu contexto. Por outro lado, a gestão do conhecimento abrange um quadro mais amplo e, no dizer de Guarnieri (2008, p. 2), indica a necessidade de integração das ações relacionadas ao conhecimento nas organizações, para que estas tragam efeitos positivos em seus resultados. Davenport e Prusak (1999, p.196) consideram que a gestão do conhecimento não é algo integralmente novo e que as organizações, de alguma forma, já podem estar contando com recursos que a fundamentam: uma boa gestão de sistemas de informação, uma gestão de mudança organizacional e práticas de gestão de recursos humanos. Para Bukowitz e Williams (2002, p. 17), a gestão do conhecimento é o processo pelo qual a organização gera riqueza, a partir de seu conhecimento ou capital intelectual. De acordo com Batista, (2008) no âmbito das organizações, as práticas de gestão do conhecimento se voltam para a produção, retenção, disseminação, compartilhamento e aplicação do conhecimento sem descurar da relação com o mundo exterior. Exemplos dessas práticas são: aprendizagem organizacional, benchmarking, coaching, comunicação institucional, comunidades de prática, educação corporativa/universidade corporativa, gestão de competências, os fóruns/listas de discussão, narrativas e mentoring. No presente estudo, dá-se ênfase para a do mentoring, por se considerar que ela é a prática que guarda maior aderência à retenção de talentos no serviço público. Nas empresas americanas torna-se cada dia mais frequente a figura do mentor. Ele é geralmente um executivo que, na visão de Costacurta Junqueira (2008), teve reconhecido seu talento profissional, ou seja, adquiriu senioridade e alcançou liderança em seu segmento. Em regra, o mentoring, explicitando uma espécie de padrinho ou tutor, adota um jovem empregado, no qual detectou algum potencial acima da média, servindo-lhe de orientador na sua carreira, de professor na sua especialidade, de conselheiro e até mesmo de protetor em sua progressão dentro da empresa. Pesquisa entre vários bem-sucedidos profissionais de várias áreas indicou que todos enfatizaram a decisiva importância que teve, em determinada fase de suas carreiras, a figura de um mentor. (COSTACURTA JUNQUEIRA, 2008) O processo de mentoring traz impactos não só para os mentorados e para os mentores, como também para a empresa e sociedade. Diversos estudos mostram que os mentorados são beneficiados através do desenvolvimento pessoal, preparação para o futuro, desenvolvimento de habilidades, novas realizações e mudanças de atitude para o aprendizado. (Instituto CEO do FUTURO) 6 Para o mentor o benefício mais relatado é a autorrealização, ou o sentimento de utilidade. Poder impactar positivamente na formação de outras é o principal motivo que leva as pessoas a serem mentores. 6 Manual de Mentoring, v. 1.1., de 2003, do Instituto CEO do FUTURO. Disponível em: org.br/manual%20mentoring.pdf, acesso em Capítulo 7 - Administração e Previdência 769

6 Além dos impactos individuais, o processo pode trazer mudanças na escola, na comunidade ou na empresa onde o programa mentoring é implantado. Permite-se a quebra de barreiras entre grupos étnicos, sociais ou econômicos, passando a existir uma maior integração entre seus membros. 1.3 TALENTOS Para Almeida, (2004, 16) o termo talento refere-se à pessoa que traz em sua bagagem um conjunto privilegiado de competências, isto é, conhecimentos, habilidades e atitudes, que a diferencia de outras. Na concepção de Almeida, (2004) existem diferentes tipos de talentos que requerem diferentes combinações de capacidades, relacionadas com o contexto do trabalho e da organização. Entende a autora que, dessa forma, nem todas as pessoas são talentosas. Stewart apud Almeida (2004, p. 16) afirma que o verdadeiro capital humano são os colaboradores que se diferenciam e que desenvolvem atividades que agregam valor para a organização... são as pessoas que desempenham papéis insubstituíveis na organização e que, como indivíduos, também são praticamente insubstituíveis. Duclos, (2000) ultrapassando os conceitos apresentados até agora, que relacionam essa qualidade com capacidades individuais e com o grau de contribuição que as pessoas dão à organização em função das atividades que desenvolvem apresenta uma visão sistêmica do termo. Sua concepção é a de que O talento é muito mais que conhecimento: para manifestar-se, depende de outros fatores que precisam estar presentes no contexto organizacional. O primeiro tem como componentes as capacidades (saber e saber fazer), o compromisso (querer fazer) e a ação (poder e conseguir fazer). A competência organizacional, entendida como a capacidade da organização de alavancar conhecimentos existentes em seu interior, objetivando o aprimoramento de seus produtos e serviços, depende do gerenciamento de impulsionadores relacionados ao modelo organizacional, cultura corporativa, sistemas de direção, gestão do conhecimento, liderança, clima e retribuição competitiva. Diz Almeida: (2004, p. 17) Quando selecionamos pessoas talentosas, estamos trazendo para a organização competências individuais que, se não forem bem aproveitadas e compartilhadas, não se transformarão em talento organizacional. Muitas organizações possuem em seus quadros verdadeiros talentos que estão ocultos. Ao não criarem oportunidades para a expressão dos mesmos, não agregam valor à missão e aos objetivos institucionais. Com o passar do tempo, essas pessoas, se permanecem na organização, podem tornar-se desmotivadas, descomprometidas e frustradas. Se há uma tendência, cada vez maior, da mobilidade dos profissionais qualificados para empresas com propostas de trabalho mais atrativas, é natural que as estratégias de captação e de seleção de talentos devam ser vistas como uma etapa do processo de gestão de talentos. Assim, as empresas precisam trabalhar sua empregabilidade, isto é, sua capacidade de atrair profissionais, contando com uma política definida e clara de valorização dos talentos e com flexibilidade para poder negociar com essas pessoas, uma vez que os verdadeiros talentos escolhem o local onde desejam trabalhar. (ALMEIDA, 2004) O objetivo dos processos seletivos sempre foi e continua sendo o de buscar as melhores pessoas no mercado de trabalho, porém, no dizer de ALMEIDA, (2004, p. 20) O atual momento histórico da sociedade e da economia é bem diferente, dando a essa prática novos contornos. As empresas estão muito mais exigentes quanto aos perfis profissionais e não focalizam apenas o desempenho, mas também o potencial das pessoas 770 RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA...

7 como forma de agregar mais valor para sua missão e objetivos. Captar e selecionar passaram a ser função essencial para as organizações que querem diferenciar-se. Devem ser ações contínuas, voltadas para fora e para dentro da organização. Observam-se, também, maiores investimentos das organizações na criação de bancos de talentos, como maneira de pontuar as oportunidades de crescimento na organização e ainda propiciar melhor aproveitamento das competências existentes. Contudo, quando se analisa a prática de captação e seleção das organizações, observa-se que algumas, embora reconheçam a importância desses processos e a necessidade de se investir em talentos, limitam-se apenas ao discurso inovador. Continuam mantendo suas formas tradicionais de captar e selecionar pessoas, ou, ainda, estão em fase de transição para uma abordagem mais moderna. Os motivos para a permanência desse quadro são vários, desde falta de apoio da direção, desconhecimento das novas tendências, não saber como colocá-las em prática e limitações legais.(negritou-se) Continua ALMEIDA (2004, p. 21) dizendo que As organizações públicas são as que mais se ressentem, pois têm nos concursos públicos uma exigência legal para admissão de pessoal; esse fato é considerado por muito técnicos da área uma limitação. Restrições que poderão ser compensadas de alguma forma se houver gerenciamento adequado dos talentos recém-admitidos, bem como dos talentos ocultos existentes na organização. (Negritou-se) Logo, selecionar e reter talentos é, em princípio, procedimento que não se coaduna com a realidade da Administração pública brasileira ainda refém de um processo arcaico de seleção mediante concurso público. No entanto, essa limitação pode ser superada se, no dizer de ALMEIDA, (2004, p. 17) o Estado passar a criar oportunidade para a expressão de seus talentos recém-admitidos assim como daqueles, ocultos, evitando que se tornem, com o passar do tempo, pessoas desmotivadas, descomprometidas e frustradas. Desse modo, mais do que processar e ultimar um concurso por meio do estágio probatório, o desafio do Estado é adotar uma política de pessoal que possa identificar, evidenciar e valorizar talentos. Se o processo de seleção não é o mais indicado para selecioná- -los, cumpre criar mecanismos capazes de identificar e aproveitar aqueles que, de algum modo, lograram êxito no concurso público que, por sua competitividade e abrangência tende a angariar, mesmo que de forma indireta, inúmeros talentos. É certo que, a exemplo do Estado, muitas organizações possuem em seus quadros verdadeiros talentos que estão ocultos. Ao não criarem oportunidades para a expressão dos mesmos, as organizações não agregam valor à respectiva missão e objetivos institucionais e, com o passar do tempo, os talentos, mesmo aqueles que permanecem na organização, podem se tornar pessoas desmotivadas, descomprometidas e frustradas. (ALMEIDA, 2004) A captação e seleção na Administração pública, de acordo com ALMEIDA, (2004, p. 17) se feita sem acomodação e com criatividade, pode superar as limitações impostas pela legislação, imprimindo-se uma visão moderna aos processos seletivos, baseada no novo paradigma de captação e seleção e nas novas tendências na área. Segundo ALMEIDA (2004, p. 25), Para a definição de uma política voltada para talentos requer-se que a organização tenha claramente definido quem são seus verdadeiros talentos, tenha seus perfis bem delineados, saiba onde se localizam, dentro e fora da organização, tenha boa tecnologia para o mapeamento de talentos e estabeleça como prioridade da área de RH metas e ações audaciosas para a identificação de profissionais talentosos. Para ALMEIDA, (2004) em nível teórico, pode-se falar de captação e seleção de talentos de maneira geral e ampla, sem necessidade de fazer a separação entre privado e público. Capítulo 7 - Administração e Previdência 771

8 Discorre Almeida: (2004, p. 93) As diferenças encontradas na prática de captação e seleção existem em função das especificidades inerentes a cada contexto e principalmente tendo em vista uma atitude de cautela por parte do administrador público e dos técnicos da área de RH que trabalham em organizações públicas, em resposta a uma legislação específica na área de seleção que os deixam mais vulneráveis a recursos e liminares, característicos de um certame público. Assim é que ALMEIDA (2004) evidencia alguns aspectos relacionados à perspectiva de mudança ou de adaptação no processo de seleção de talentos no âmbito da Administração pública, quais sejam: a) Democratização do Acesso ao Serviço Público A Constituição, em seu Art. 37, I a V e de VIII a IX, define a forma de ingresso no serviço público, que deve acontecer por meio de concurso público. O cuidado do legislador em instituir o concurso público como obrigatório teve como intenção primordial democratizar o processo de seleção, possibilitando, a priori, igualdade de oportunidades a todos os candidatos e transparência no processo, evitando, com isso, a perpetuação de uma história de apadrinhamentos. (ALMEIDA, 2004) Há que se admitir que, ao longo do tempo, alguns resultados foram alcançados, pois o respeito aos princípios da igualdade, da impessoalidade e da transparência aumentaram as chances de ingresso no serviço público ao cidadão e lhe conferiram o poder de questionar a realização do concurso público, não somente no que se refere a sua forma, procedimentos e conteúdo, mas também, no que se refere a sua lisura. São vários os casos de concursos que foram anulados por atentarem contra esses princípios, respondendo os responsáveis por improbidade administrativa. Observa-se, no entanto, que nem mesmo os concursos públicos ficaram imunes aos impactos de um mercado de trabalho competitivo. Hoje, pode-se garantir a igualdade formal de acesso das pessoas aos concursos, mesmo porque a legislação assegura a isenção das taxas de inscrição, para pessoas de baixa renda e estabelece percentuais de vagas para grupos minoritários, porém, a igualdade material está longe de ser alcançada, dada a desigualdade de condições entre os candidatos. Segundo ALMEIDA, (2004) as estatísticas dos concursos públicos mostram: candidatos com qualificação bem acima das exigidas concorrendo a cargos com níveis de exigências menores; mobilidade alta desses funcionários dentro e para fora da organização, fazendo com que áreas que deveriam ter sido supridas de pessoal pelo concurso público voltem a ficar desfalcadas em pouco espaço de tempo. Muitos utilizam o concurso como porta de entrada para a organização ou colocam-se lá em uma situação temporária, enquanto aguardam outras oportunidades melhores. Muitas ações têm sido tomadas para minimizar algumas das limitações dos concursos públicos, em especial, a adoção de novas estratégias de seleção, tipos de provas e conteúdos cobrados, que podem ser mais focados no intuito de selecionar profissional com o perfil que se deseja para o cargo. b) Captação de Talentos na Administração Pública A captação de talentos na Administração pública, por decorrência legal, resulta como externalidade da definição dos critérios inseridos no edital do concurso. 772 RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA...

9 Se o concurso é realizado, apenas, para atendimento de formalidade legal, a tendência é de que se captem poucos talentos. De qualquer modo há um grande espaço para que os editais de concurso possam estabelecer critérios objetivos que, de fato, possam atender à expectativa de recrutamento em face de determinado cargo, ao mesmo tempo em que propicia uma maior captação de talentos. c) Utilização das Novas Tendências e Técnicas de Seleção Tradicionalmente, os concursos públicos utilizam-se de provas de conhecimentos (objetivas, dissertativas e práticas) para selecionar os candidatos; a prova de títulos, um tipo de análise curricular, e, em alguns casos, a aplicação de testes psicológicos, são também adotados com menor frequência. A legislação estabelece que o ingresso no serviço público será feito por provas ou provas e títulos. Especifica também que poderão ser exigidos outros requisitos, desde que especificados em lei. (incisos I e II do Art. 37, da CF) De qualquer modo, há que se chamar a atenção para o fato de que não há uma exata determinação quanto à qualidade das provas a serem realizadas, de modo que é possível que estas possam ser estruturadas qualitativamente, em consonância com a expectativa de seleção e retenção do talento vocacionado para determinado cargo ou função pública. Afirma Almeida: (2004, p. 97) O enfoque quantitativo da avaliação prevalece por se apoiar em testes e provas medidas que permitem uma análise objetiva e quantificável do desempenho. Já as medidas mais qualitativas, que se baseiam na observação e interpretação do avaliador, como as entrevistas e dinâmicas de grupo, são vistas, ainda, por algumas pessoas como mais suscetíveis de erro de julgamento de valor. Essa tem sido a posição de alguns juízes no julgamento de recursos contra processos seletivos que utilizam as técnicas qualitativas. Segundo ele, (2004, p. 97) O que muitas vezes se desconhece é que as técnicas qualitativas têm sido foco de muitas pesquisas com a finalidade de validação e aperfeiçoamento e podem ser também quantificadas por meio da utilização de escalas padronizadas. Conclui Almeida (2004, p. 97) observando que as provas de conhecimentos e os testes, quando não seguem critérios técnicos e científicos de elaboração, são péssimos indicadores de desempenho. d) Elaboração de Provas e de Testes de Conhecimento A construção de provas e testes de conhecimentos é um processo moroso que requer conhecimento, habilidade e técnica. Salienta Almeida (2004) a necessidade de serem observados alguns pontos para que se possa ter uma medida com validade: manter correspondência com o programa divulgado para o candidato; avaliar conteúdos relevantes; estar semanticamente bem elaborados; exigir respostas mais complexas do candidato, nos níveis de aplicação, análise, síntese e avaliação; possuir questões com índices de dificuldade na faixa de 20% a 80%, com um índice médio das questões recaindo na faixa de 40% a 60%; possuir questões com índice de discriminação significativo, que diferencie os candidatos que obtiveram desempenho superior dos candidatos que obtiveram desempenho inferior. Capítulo 7 - Administração e Previdência 773

10 A formação da banca examinadora, responsável pela elaboração das provas, deve pautar- -se em critérios de competência e idoneidade. Seus membros necessitam de orientação técnica, pois o especialista de conteúdo nem sempre detém conhecimentos específicos sobre construção de testes. O ideal é um trabalho conjunto do especialista de conteúdo com o especialista em elaboração de testes, que pode ou não, ser um técnico da área de RH. Vê-se, portanto, a grande dificuldade que tem o Estado no processo de seleção de talentos, o que lhe impõe o grande desafio de buscar alternativas; para tanto a indicação de Jonhson apud Almeida (2004, p. 171), de que as empresas inteligentes não estão captando pessoas nos lugares habituais, passam a buscá-los dentre o capital humano interno. Considerando que o Estado possui um capital humano qualitativamente diversificado e quantitativamente expressivo seria razoável que considerasse a hipótese indicada por Jonhson, apud Almeida (2004, p. 171) buscando em locus próprio os talentos de que necessita, indo ao encontro do que, segundo ALMEIDA, (2004) fazem 85% das organizações que priorizam o recrutamento de candidatos dentro da empresa. 2 COMPOSIÇÃO ETÁRIA DO QUADRO FUNCIONAL DE NÍVEL SUPERIOR DO ESTADO DO PARANÁ Dados cadastrais de servidores do Estado do Paraná indicam que a idade média do servidor ativo, no âmbito dos Poderes Executivo, Judiciário e do Ministério Público, é de 42,9 anos. (PARANAPREVIDÊNCIA, 2008) Isto pode ser visto de modo mais detalhado no quadro 1, em que são indicadas a quantidade e a idade média dos servidores por grupo. QUADRO 1 - Média de Idade por Poder FONTE: PARANAPREVIDÊNCIA Como se vê, a idade média não sofre grandes diferenças mesmo considerando cada um dos segmentos, variando dos 40,5 anos indicados para o Ministério Público até 44 anos do Poder Judiciário. 774 RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA...

11 Considerada a expectativa de sobrevida do paranaense (74,10 anos segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 7 ), seria factível indicar que o servidor público do Estado não deve ser havido como sendo de idade elevada. No entanto, o quadro conjuntural, como se demonstrará mais adiante, leva à conclusão diversa. No Poder Executivo, o quadro funcional de nível superior organiza-se nas seguinte carreiras: Advogados, Procurador, Auditor Fiscal, Instituições de Ensino Superior IEES, Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Quadro Próprio do Poder Executivo QPPE, Polícia Militar do Paraná PMPR, Delegado, Polícia Civil, Quadro Próprio Peritos Oficiais QPPO, Quadro Próprio do Magistério QPM, e a organização desses quadros, em carreiras e cargos e função pode ser verificada no quadro 2. QUADRO 2 Quadro, Carreiras e Cargo/Função de Nível Superior do Poder Executivo FONTE: SEAP/DCSA De modo global, o conjunto de carreiras que compõem o quadro funcional do Poder Executivo, conforme mostra o quadro 3, têm a seguinte distribuição de idades médias: 7 Refere-se a informações fornecidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, disponíveis em Acesso: 04/12/2008. Capítulo 7 - Administração e Previdência 775

12 QUADRO 3 - Distribuição por Idades Médias nas Carreiras do Poder Executivo * Consolida as informações referentes aos Professores de Ensino Médio e Fundamental ** Consolida as informações referentes às carreiras de Advogado, Auditor Fiscal, Delegado de Polícia, Escrivão de Polícia, Perito Oficial, Procurador, Agente Universitário, Professor de Ensino Superior e Oficiais da Polícia Militar. FONTE: PARANAPREVIDÊNCIA Seguindo a tendência mostrada no quadro 1, indicativa da idade média dos servidores de todos os Poderes, excluído o Poder Legislativo, a idade média distribuída nas carreiras que compõem o Quadro Funcional do Poder Executivo, varia de 36,2 anos a 45,1 anos. Essas médias, vistas de modo absoluto, não trazem grandes evidências em face ao objetivo do presente trabalho, todavia, elas precisam ser cotejadas com outros dados indicativos e devem considerar a composição etária das várias categorias que compõem o quadro funcional do Poder Executivo. Partindo desse pressuposto e tomados os dados do Poder Executivo, é possível quantificar, por carreiras, o número de servidores e, feita uma linha de corte para a idade igual ou superior a 50 anos, obter as variações, constantes da tabela RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA...

13 TABELA 1 Quantitativo de Servidores por Carreiras de Nível Superior do Poder Executivo e Distribuição por Idade Igual ou Superior a 50 Anos - Homens e Mulheres FONTE: PARANAPREVIDÊNCIA Observa-se que a linha etária de corte 50 anos adotada em decorrência da constatação de que a idade média de entrada em aposentadorias, segundo a Paranaprevidência, é de 50,9 anos, ou seja, se está a dizer que, em média, ao atingir 50,9 anos, o servidor público paranaense, segundo o órgão previdenciário, requer sua aposentadoria, desligando-se do serviço público. A par desta observação, é importante notar que a leitura dos dados da tabela 1 não pode levar em conta somente o valor absoluto dos percentuais apurados por carreiras. A análise deve considerar o número de servidores que integram as respectivas carreiras e que relativizam a aplicação dos percentuais. Tome-se, por exemplo, o caso dos Agentes Profissionais. Nesta carreira, dos servidores que a compõem, 52,05%, ou seja, apresentam idade igual ou superior a 50 anos. De outro turno, a carreira dos Professores de Ensino Médio e Fundamental, em que dos , apenas 24,40%, contam com idade igual ou superior a 50 anos, no entanto, este percentual acaba por congregar um contingente expressivo de servidores, na ordem de Capítulo 7 - Administração e Previdência 777

14 Por fim, a destacar que, no conjunto total de servidores que compõem o Quadro Funcional do Poder Executivo, mais de 1/4, ou seja, 27,56% contam com idade considerada elevada, assim compreendida aquela, igual ou superior a 50 anos. Não fosse isso, esses resultados deveriam ser sopesados com o comportamento do Quadro da Polícia Militar, em que as idades dos Oficiais é afetada pela peculiaridade do ingresso, progressão na carreira e dos critérios de reformas compulsórias. Considere-se, ainda, que esses números estão fortemente influenciados pelo significativo ingresso de servidores ocorridos nos últimos 10 anos, conforme indicado na tabela 2. TABELA 2 - Variação do Quantitativo de Servidores do Poder Executivo entre Dezembro de 1998 a Dezembro de 2007 FONTE: PARANAPREVIDÊNCIA Cotejando-se a informação da tabela 2, que apresenta o servidor público em atividade com a idade média de 40,5 anos com a idade média de entrada em aposentadoria, que, de acordo com a PARANAPREVIDÊNCIA (2008), é de 50,9 anos, é possível se aferir que, de fato, o servidor público paranaense pode ser havido como de idade elevada. Isso porque um expressivo contingente tornar-se-á elegível a uma aposentadoria voluntária em menos de uma década. Além da média, deve considerar-se, também, a frequência pela qual as idades dos servidores estão distribuídas de modo que, na sequência, são elencados vários gráficos que ilustram tal variável, no conjunto de algumas das carreiras de nível superior do Poder Executivo. É possível concluir que, de fato, a idade média do servidor público paranaense, que compõe o Quadro Funcional do Poder Executivo, pode ser havida como elevada. Este indicativo aponta, em consequência, para a perspectiva de um maior comprometimento com a manutenção do regime previdenciário, em face de que expressivo número de servidores, dada a idade média na aposentação, poderá adimplir, nos próximos anos, condições para a obtenção de aposentadorias voluntárias. Desse modo, justifica-se a adoção, por parte da Administração pública, de uma Política de Recursos Humanos e de Previdência Funcional que objetive a retenção desses talentos e, ao mesmo tempo, permita a transferência dos conhecimentos por eles amealhados. 3 INDICATIVOS PARA A FORMULAÇÃO DE POLÍTICA DE RETENÇÃO DE TALENTOS Conforme indicado por Block, (1995) a permanência no emprego apenas pelo dinheiro aponta para alguém que perdeu a esperança de que algo mais é possível, ou seja: o aspecto financeiro nem sempre é o mais importante. 778 RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA...

15 Ao olhar de forma diversa da usual para os chamados problemas decorrentes da idade elevada do servidor público estadual, do Poder Executivo e da precocidade de sua aposentadoria, surge espaço para que se procure reverter a tendência observada, junto aos entes da Administração pública, de abandono do servidor em fase de aposentadoria ou de mero preparo para a inatividade. Num universo tão grande de servidores, com gama tão variada de formações acadêmicas, em que percentual expressivo deles já se encontra em condições ou está em vias de se aposentar, como o existente no Estado do Paraná, existem outras formas de enfrentar essa realidade, que não o mero abandono ou a simples criação de programas de preparação para a aposentadoria. Se, em face das regras que regulam a concessão de aposentadoria e propiciam a concessão precoce do benefício previdenciário os servidores podem ser considerados como de idade elevada, há que se ter claro que esta percepção de idade elevada está mais aderente à proximidade da inativação, do que propriamente à expectativa de vida do servidor que, conforme já se falou, vem crescendo quantitativa e qualitativamente. Nesse sentido veja-se que a expectativa de vida do paranaense aumentou de 69,4 para 74,1 anos, de acordo com o IBGE 8. Observe-se que a média nacional também aumentou, passando de 67 para 72,57 anos. Entre 1991 e 2007, a população paranaense ganhou 4,67 anos em expectativa de vida ao nascer. Trata-se, pois, do maior crescimento da Região Sul, haja vista que os catarinenses tiveram aumento de 4,46 e os gaúchos de 3,90 9. Logo, percebe-se a aderência dos dados da realidade com a proposição de uma política de retenção de talentos no Poder Executivo do Estado do Paraná, como a formulada no presente trabalho, a qual proporcionará ganhos a todos os envolvidos. Ganha o Estado por conta da economia financeira decorrente do adiamento das aposentadorias de seus servidores, o que o desonera do pagamento do benefício previdenciário concomitantemente ao pagamento do salário para o servidor ativo que substituirá o que se aposentou. Ganham os servidores: o que ensina, por sentir-se valorizado e objeto de uma política que reconhece sua capacidade, seu conhecimento, seu talento e o que aprende, que se vê motivado em aprender os conhecimentos que seu mentor se dispõe a compartilhar. E, por fim, mas não menos importante, ganha a sociedade que, sem dúvida, receberá uma prestação de serviços de melhor qualidade. Quebra-se assim, o sentimento, do cidadão, de que a idade elevada seja um fator de descontentamento em relação à qualidade dos serviços prestados pelo Estado. Esta nova maneira de tratar o servidor apto a se aposentar respeita sua história na atividade pública e a valoriza. Busca a disseminação, o compartilhamento e a aplicação de seus conhecimentos e o utiliza na formação dos novos servidores, opondo-se cabalmente à alternativa do trato dessa questão que vem sendo adotada pelos entes federados e que, de certa forma, incentiva a expulsão do servidor da atividade para a inatividade, desvalorizando o conhecimento amealhado ao longo das carreiras, e, mais que isso, não permitindo que esse conhecimento possa ser compartilhado. 8 Refere-se a informações fornecidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, disponíveis em Acesso: 04/12/ Idem. Capítulo 7 - Administração e Previdência 779

16 Nesta nova acepção o servidor, de fato, deixa de ser mero fator de produção e assume definitivamente o papel de parceiro e, mais do que isso, o de verdadeiro indutor da atividade estatal. De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, (OCDE) entre 70% a 80% do crescimento econômico das organizações privadas resulta da aplicação de novo e melhor conhecimento. Nesse diapasão, a sociedade do conhecimento traz também grandes mudanças para o setor público, uma vez que o talento torna-se elemento decisivo no novo modelo de gestão do capital intelectual de uma instituição. Dessa forma, o Estado deve ser gerido por profissionais com qualidades e competências capazes de substituírem as limitações de hierarquia, do planejamento e das regras, por autonomia, responsabilidade, inovação e capacidade de transmissão/compartilhamento de conhecimentos. Entretanto, não basta apenas ter um número expressivo de pessoas com variadas formações acadêmicas. Ter pessoas não significa necessariamente ter talentos. Também, não basta apenas ter talentos, é preciso saber utilizá-los rumo aos objetivos pretendidos. Cria-se valor pelo processo de seleção e gestão de talentos, e a apropriação desse valor depende mais da liderança estratégica e menos de sistemas rígidos de procedimentalização e controle organizacional. A questão-chave é saber como identificar e se apropriar desse valor. Isso é o que se verá na sequência: Recrutar e selecionar talentos ter clareza do perfil dos cargos a serem preenchidos, usar o concurso público não apenas para a preservação da igualdade formal, mas também como instrumento que adicione novos ingredientes/ novas possibilidades de seleção. Manter os talentos na instituição através de: atualização da Política de Recursos Humanos do Estado, otimizando o processo em que vem, gradativamente, adotando um modelo de gestão de pessoas baseado na Gestão de Conhecimento; gestão do capital intelectual baseado em competências; política clara de ascensão profissional, expressa em Plano de Cargos e Carreiras, que não seja mero reflexo da situação orçamentária/financeira do Estado, mas decorrente de planejamento que não leve em conta somente o viés econômico os recursos humanos do Estado, assim como os de outras empresas com natureza primordial de prestação de serviços, não se constituem em despesa, mas em investimento; valorização da profissionalização e especialização dos servidores; proposição de política de retenção de talentos no serviço público, mediante: identificação dos servidores que detêm funções de nível superior nos quadros do Poder Executivo do Estado do Paraná e que estejam aptos à aposentadoria ou em vias de implementar as condições para tal que se denomina servidores X ; criação de Banco de Talentos capital e interior que se denomina de Banco de Talentos ; incentivo para que os servidores X inscrevam-se no Banco de Talentos ; identificação no âmago da Administração Pública Poder Executivo através do apoio das Secretarias de Estado de servidores que, pela sua especialização, 780 RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA...

17 centrados em atividade técnica e que estejam dispostos a assumir o papel de mentor, participando do projeto de Mentoring, que se denomina servidores Y ; identificação da interseção do conjunto de servidores X, inscritos no Banco de Talentos, com o conjunto de servidores y que se denomina de talentos ; seleção dentre os demais servidores daqueles que, voluntariamente, se disponham a integrar o projeto de Mentoring, na condição de treinando; estabelecimento das regras de funcionamento do programa, avaliando o aproveitamento aferido pelo treinando, o desempenho do mentor e, se for possível, o ganho para a atividade exercida; sistematização da transferência de conhecimento intergerações de servidores, o que, de certa forma, vem sendo feito ainda que de modo assistemático e intuitivo; valorização da atuação do mentor propiciando-lhe o reconhecimento financeiro: com o estabelecimento de alguma espécie de gratificação de valorização profissional: com o estabelecimento de alguma espécie de premiação pelo talento, por meio da: i) flexibilização da jornada laboral para utilização daquele tempo em projetos pessoais; ii) o oferecimento de cursos pela Escola de Governo de temas que sejam de interesse do mentor e/ou o estabelecimento de Convênios entre a referida escola e outros entes públicos ou privados que ofertem cursos de natureza lúdica e com foco na melhora da qualidade de vida. Para a evolução do Estado de uma estrutura predominantemente baseada na hierarquia e em sistemas rígidos de controle, para uma estrutura baseada em portfólios de projetos, em redes colaborativas e em mercados internos de talentos, suportados por sistemas de gestão de conhecimento e de performance, ele deve 10 : a) aprender a gerir os desafios da gestão do conhecimento e da inovação observe-se que a gestão do conhecimento tem uma economia diferente: o conhecimento pode ser partilhado a custos marginais baixos e o seu valor não é gasto/exaurido com a sua aplicação (consumo). Por outro lado, a inovação permanente diminui a durabilidade do conhecimento, que é assim cada vez mais perecível. A inovação contínua, seja revolucionária ou evolucionista, é uma necessidade. Assim, confirma-se a necessidade de uma cultura de aprendizagem permanente e de inovação sustentável, capaz de atrair e libertar das teias burocráticas o talento que gera a inovação. b) buscar a conexão da estratégia utilizada pela instituição para atingir seus objetivos de prestar serviços à Sociedade com a estratégia do talento. Como o talento é um bem escasso, ele deve ser alvo de estratégias de aquisição, que devem se basear nos seguintes aspectos: 1. tornar a gestão do talento uma prioridade; 2. localizar o talento dentro da instituição; 3. desenvolver o talento e 4. reter o talento. c) atentar que as estruturas verticais dificultam a gestão do talento, que precisa de interação, redes, difusão do conhecimento. Assim, torna-se necessário simplificar a instituição eliminar estruturas complexas e substituí-las por orientação para resultados, liderança e 10 Baseia-se em artigo da empresa Leadership Business Consulting: Liderança do Talento é o Centro do Novo Modelo Competitivo, disponível no sítio da empresa e acessado em 15/10/2008. Capítulo 7 - Administração e Previdência 781

18 ferramentas colaborativas (portais etc.); criar redes formais de troca de conhecimento e de partilha de talento ; reduzir o formalismo nas organizações para reduzir as distâncias hierárquicas e promover a interação; basear a organização em equipes de elevado desempenho e em projetos com resultados mensuráveis. Em detrimento de outras atividades de viés mais administrativo, o Departamento de Recursos Humanos do Estado DRH deve buscar a especialização na gestão do talento. Ao invés de focar no custo dos recursos humanos, deverá focar no valor deles, ressaltando seu efeito multiplicador dentro da instituição. Adicionalmente, o DRH deverá desenvolver métricas de gestão de talento de maneira a tornar o seu trabalho mais eficaz e mais crível em toda a organização. Tais métricas devem tornar os profissionais mais orientados para o sucesso coletivo, especialmente aqueles, dedicados a desenvolver talentos ou a disseminar conhecimentos dentro da instituição. Por fim, o DRH deverá desenvolver sensibilidade e conhecimento tecnológico de maneira a poder interagir com as novas e emergentes ferramentas de apoio ao seu trabalho. O DRH não pode ficar alheio às tecnologias que suportam os processos das atividades desenvolvidas pelo Estado. Liderar no novo contexto requer uma nova espécie de liderança orientada para libertar o talento de terceiros, ou seja, um líder como um coach, um facilitador, um energizador, promovendo a cultura de aprendizagem orientada para resultados e adotando princípios éticos e valores que orientem os talentos na ausência de procedimentos de controle. Neste contexto, a modernização da Administração pública que vem sendo realizada, nos últimos anos, pelo Estado do Paraná pode ser visualizada: a) na gestão centralizada de recursos humanos e da folha de pagamento dos servidores; b) na formatação de um órgão único de gestão de previdência; c) no compartilhamento de banco de dados único; d) na reestruturação de carreiras; e) no ingresso de novos servidores; f) na criação de portais; g) na implementação de repositórios de conhecimento; e h) na criação e consolidação da Escola de Governo com a implementação de programas de escolarização, de desenvolvimento e aperfeiçoamento de competências, de formação de técnicos e especialistas em gestão pública e em gestão de pessoas por meio de cursos presenciais e de educação à distância. Vê-se que a estratégia proposta, ao invés de partir de um projeto grandioso, propõe a adoção de um processo difuso, estruturado e organizado no arcabouço de um precioso quebra-cabeças em projetos menores, como o ora proposto, que, concatenados, expressarão o contorno definitivo de uma gestão moderna e flexível focada no conhecimento de pessoas para pessoas. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Confirma-se a tese de que os servidores públicos do Poder Executivo, quantitativamente (em número expressivo) e qualitativamente (com formações acadêmicas multidisciplinares), adimplem condições para se aposentarem precocemente e, sob o ponto de vista previdenciário 782 RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA...

19 podem ser havidos como de idade elevada, vez que, ao mesmo tempo se apurou, conforme dados cadastrais do órgão previdenciário, que a idade média de entrada em aposentadoria é de 50,9 anos. Essa situação parece ser comum aos entes federados (União, Estados e Municípios). Estes, por sua vez, não dispõem de uma política adequada de gestão dos recursos humanos relativa aos servidores que se encontram em situação de se aposentar, ou seja, de serem excluídos do serviço público. Quando muito, colocam à disposição do servidor programas de preparação para a aposentadoria, imbuídos de boas intenções, mas sem eficácia alguma, pois decorrem de uma análise parcial da realidade em que a prerrogativa da aposentação se insere. Dessa forma, tais programas de preparação para a aposentadoria - não levam em conta os efeitos que dela decorrem e que dizem respeito à gestão do conhecimento que se esvai com a retirada do servidor que passa para a inatividade; ao planejamento de recursos humanos que se vê às voltas com a implementação de concursos e com o ônus orçamentário das despesas decorrentes da substituição dos aposentados; e, tampouco, à política de previdência que deve pagar aos benefícios previdenciários concedidos. Logo, seria mais produtivo para todos Estado, Sociedade e Servidores que, ao invés de serem envidados esforços no sentido de preparar o servidor para a aposentadoria, se levasse em conta as tendências modernas de gestão do capital intelectual das instituições, de preservação e compartilhamento do conhecimento e se constituísse um Banco de Talentos integrado por servidores públicos de nível superior do Poder Executivo que, longe de serem incentivados a deixarem o serviço público, nele se mantivessem agregando-lhe valor. Na política de retenção de talentos sugerida se reconhece um potencial transformador de pessoas; um renovador de conhecimentos; uma sistematização de saberes realizada de forma institucional indispensáveis para a prestação de um serviço público de qualidade, que atenda às necessidades da população e que se preocupe com a sua eficiência, eficácia e efetividade. Assim, ao se valorizar os servidores, pela adoção de tal política, melhoram os serviços prestados à sociedade, altera-se o Estado e, por consequência, modifica-se a percepção da população sobre a sua importância, sobre a qualidade dos serviços e sobre os servidores que, ao invés de serem percebidos criticamente como de idade elevada, passam a ser vistos como indutores de transformações e de melhorias. REFERÊNCIAS ALBUQUERQUE, L.G. Gestão estratégica de pessoas. In: FLEURI, M. T. (Org.). As pessoas nas organizações. São Paulo: Gente, 2002, p. 39. ALMEIDA, W. Captação e seleção de talentos: repensando a teoria e a prática. São Paulo: Atlas, p. 16. ANDRADE, M. V. M.; SANTOS, A. R. Gestão de pessoas no serviço público federal: o caso do núcleo de documentação da Universidade Federal Fluminense. Disponível em: <www. ndn.uff.br/sobreondctext_tecnicos.asp>. Acesso em: BALERINI, C. Disseminando conhecimento. Disponível em: <http://www.informal.com. br>. Acesso em: BATISTA, F. F.IV Encontro Arquivos e Bibliotecas da Administração Pública Federal Brasília (DF), Capítulo 7 - Administração e Previdência 783

20 BOXWELL, R. J. JR. Vantagem competitiva através do benchmarking. São Paulo: Makron Books, BRANDÃO, H. P.; GUIMARÃES, T. A. Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo construto? RAE Revista de Administração de Empresas. FAESP/FGV, São Paulo, Brasil. Jan./mar BUKOWITZ, W. R.; WILLIAMS, R. L. Manual de gestão do conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. Porto Alegre: Bookman, BRESSER PEREIRA, L. C; SPINK, P. Reforma do Estado e administração pública gerencial. São Paulo. FGV, Disponível em: <http://books.google.com/books?id=p LWpI86CuvEC&pg=PA98&lpg=PA98&dq=cidad%C3%A3o+consumidor+bresser+ref orma&source=web&ots=yfoawbogux&sig=vsy38f5uf5x8tbcquai12aj2xpw&hl=p t-r&sa=x&oi=book_result&resnum=3&ct=result>. Acesso em: BRUSAMOLIN, V. Narrativas de histórias na aprendizagem organizacional. Universidade de Brasília. Disponível em: <http://www.enancib2008.com.br/cd/6%20-%20trabalhos%20 em%20pdf/gt4/1%20-%20oral/1780%20-20narrativas%20de%20hist%c3%b3rias%20 na%20aprendizagem%20organizacional.pdf>. Acesso em: CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 3. ed. São Paulo: Campus, 1999, p. Prefácio XXVII. COSTACURTA JUNQUEIRA, L. A. Mentoring: você sabe o que é isso? Disponível em: <http:// Acesso em: CRAWFORD, R. Na era do capital humano. São Paulo: Atlas, DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus, DEBERT, G. G. A Invenção da 3ª idade e a rearticulação de formas de consumo e demandas políticas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Disponível em: www. anpocs.org.br. Acesso em: DUCLOS, E. M. Material do Hay Group. Madrid: Hay Management Consultants, DUTRA, J. S. Competências, conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas, 2004, p. 13 FONTES FILHO, J. R. Reter talentos e experiências, mais um papel da previdência. Disponível em: <htpp://www.abrapp.org.br/ppub /pef.dll?pagina=servscript&quals=>. Acesso em: FONTANINI, J. I. Fatores e mecanismos associados à inovação incremental em processos no ambiente industrial: o caso da Café Iguaçu Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UTFPR - Campus Ponta Grossa, Ponta Grossa. GARVIN, D. A. Construindo a organização que aprende In: Gestão do conhecimento: on knowledge management. 2. ed (Harvard Business Review). Rio de Janeiro: Campus p GUARNIERI, P. Gestão do conhecimento. 2008, 26 f. Material didático da disciplina Gestão do Conhecimento. Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, HILLESHEIM, S. W. Coaching e mentoring: igualando as diferenças. Disponível em: <http:// Acesso em: INSTITUTO CEO DO FUTURO. Manual de Mentoring, v. 1.1., de Disponível em: <http://www.icf.org.br/manual%20mentoring.pdf>. Acesso em: RETENÇÃO DE TALENTOS NO SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ: UMA PROPOSTA...

Para onde vai a gestão de pessoas

Para onde vai a gestão de pessoas Para onde vai a gestão de pessoas Pesquisa inédita com profissionais de recursos humanos mostra que a área está pronta para dar um passo fundamental rumo ao futuro, em um ambiente em constante transição:

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Módulo 3 Conceitos e Princípios Sobre Carreira e Remuneração Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

Desenvolvendo competências nos gestores públicos

Desenvolvendo competências nos gestores públicos Desenvolvendo competências nos gestores públicos Walter Sigollo Superintendente de Recursos Humanos e Qualidade 26/maio/2011 Contexto do País - Mercado Estudo Mercer Consulting Outsourcing - abril 2011

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores Coordenação Acadêmica: Prof. Edmarson Bacelar Mota, M. A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355 Position Paper Edição Nº As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos www.ipledu.com +55 64 955 O ipl Institute of Performance and Leadership é uma empresa especializada

Leia mais

1 - Apresentação... 3. 2 - Objetivos... 6. 3 - Público Alvo... 7. 4 - Metas e Resultados Esperados... 7

1 - Apresentação... 3. 2 - Objetivos... 6. 3 - Público Alvo... 7. 4 - Metas e Resultados Esperados... 7 1 Presidente Paulo Marchiori Buss Vice Presidente de Desenvolvimento Institucional e Gestão do Trabalho Paulo Ernani Gadelha Vieira Diretora de Recursos Humanos Leila de Mello Yañez Nogueira Departamento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à gestão, recrutamento e seleção de pessoas, julgue os itens a seguir. 51 A gestão de pessoas recebeu forte influência dos estudos de Hawthrone, especialmente

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Administrativo APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Administrativo APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) Administrativo APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice AULA 1: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO - I... 3 INTRODUÇÃO... 3 RECRUTAMENTO... 5 FONTES DE RECRUTAMENTO... 6 SELEÇÃO...

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Secretaria de Fiscalização de Pessoal Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Fabiano Nijelschi Guercio Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Brasília-DF, 25 de fevereiro de 2013

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL ANEXO 4 R E G U L A M E N T O DE RECURSOS HUMANOS

ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL ANEXO 4 R E G U L A M E N T O DE RECURSOS HUMANOS ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL ANEXO 4 R E G U L A M E N T O DE RECURSOS HUMANOS SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. FINALIDADE 3 2. APLICAÇÃO 3 3. PRINCÍPIOS BÁSICOS 3 4.

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Papel dos Gestores Educacionais num Contexto de Descentralização para a Escola

Papel dos Gestores Educacionais num Contexto de Descentralização para a Escola Papel dos Gestores Educacionais num Contexto de Descentralização para a Escola Ana Luiza Machado, UNESCO Outubro de 2 000 Introdução Este trabalho pretende tecer comentários gerais sobre o tema de descentralização,

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa 1 Introdução Este documento tem como objetivo apresentar um conjunto de reflexões sobre a implementação das disposições

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz A Estácio iniciou sua atividades em 1970 como Faculdade Estácio de Sá oferecendo o curso de Direito e, em

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DOCENTES

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DOCENTES PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DOCENTES DEZEMBRO/2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONSENHOR MESSIAS Presidente : Adélio Araujo de Faria Vice- presidente : Dirceu José Rocha 1ª Secretário : Euza Mércia Araujo Drummond

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Ajuste Fiscal Gaúcho - Fase 2. fazer o que precisa ser feito para um rs sustentável

Ajuste Fiscal Gaúcho - Fase 2. fazer o que precisa ser feito para um rs sustentável FASE 1 Redução de secretarias Contingenciamento de CCs em 35% Reprogramação orçamentária com redução média de 21% do custeio Revisão de contratos com fornecedores Limitação de cedência de servidores Implementação

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula. uma construção negociada e inovadora

Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula. uma construção negociada e inovadora Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula uma construção negociada e inovadora POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS A construção de uma política de gestão de pessoas para o Governo Federal tem por

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) Institui a Lei da Meritocracia, através do Planejamento Estratégico da Administração Pública Brasileira e do Sistema Nacional de Gestão de

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS EM GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS GERÊNCIA DE PROGRAMAS E PROJETOS - GPP COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS TERMO DE ABERTURA PROJETO: Centro de Treinamento e Capacitação

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

A Carreira de Fiscal Tributário Municipal

A Carreira de Fiscal Tributário Municipal A Carreira de Fiscal Tributário Municipal Levando em conta o fato de que os Municípios receberam da Constituição Federal competência para instituir tributos, recebeu, em concomitância, o direito de criar

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

3. PERFIL DOS SERVIDORES

3. PERFIL DOS SERVIDORES 3. PERFIL DOS SERVIDORES A política de pessoal das Carreiras Docente e Técnico-Administrativa em Educação da UFJF segue as regras do Serviço Público Federal, estabelecidas por Atos Normativos e Atos Autorizativos

Leia mais

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP LEGISLAÇÃO DE PESSOAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais Lei nº. 8.112/90 Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão Disciplinas Liderança Organizacional O processo de formação e desenvolvimento de líderes. Experiências com aprendizagem ativa focalizando os conceitos e fundamentos da liderança. Liderança compartilhada.

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE)

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) STE/02 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E POTENCIAL EM 360º NYDIA GUIMARÃES E ROCHA ABB RESUMO

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Art. 5º O Plano de Capacitação dos Servidores compreende as seguintes ações:

Art. 5º O Plano de Capacitação dos Servidores compreende as seguintes ações: PORTARIA Nº 2143, DE 12 DE JUNHO DE 2003. Institui o Plano de Capacitação de Servidores e regulamenta a participação de servidores em eventos de capacitação no âmbito do TRT da 4ª Região. A PRESIDENTE

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências Prof. PEDRO PAULO CARBONE Doutor em economia pela Católica Mestre em Administração Pública pela FGV Especialista em novas tecnologias da educação pela Suny University Graduação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS APRESENTAÇÃO O curso de especialização Gestão de Pessoas tem por meta desenvolver gestores para atuarem em empresas que estejam inseridas no processo de globalização

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE PESSOAS

MBA EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO DE PESSOAS SIGA: TMBAGP*11/02 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua Almirante Protógenes,

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Capítulo 3 Agregando Pessoas -Recrutamento e Seleção de Pessoas Nesse capítulo veremos com as organizações agregam pessoas através do recrutamento e seleção de pessoas.

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais