O ESPÍRITA E A TERCEIRIZAÇÃO DAS ESCOLHAS EXISTENCIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ESPÍRITA E A TERCEIRIZAÇÃO DAS ESCOLHAS EXISTENCIAIS"

Transcrição

1 O ESPÍRITA E A TERCEIRIZAÇÃO DAS ESCOLHAS EXISTENCIAIS Por Zuenir de Oliveira Neves Introdução Agora, que se percebe não haver nem alto nem baixo no Espaço, que se vê que o céu não está nem acima das nuvens nem limitado pelas estrelas, diz-se que ele está em todo lugar. Segundo o codificador, trazemos em nós mesmos o nosso inferno e o nosso paraíso e encontramos o nosso purgatório em nossa encarnação, em nossas vidas corpóreas ou físicas. A existência da felicidade, Kardec vai dizer, é possível, não em razão da localização material do indivíduo, mas das qualidades que ele desenvolve, tanto quando encarnado como quando desencarnado. Uma vez encarnado, pode sentir a felicidade ou a infelicidade já no mundo corpóreo, dependendo do bem ou do mal que nele faz, levando-se em conta, sobretudo, seu projeto reencarnatório. Desencarnado, sente essa felicidade na proporção do bem que realizou no mundo físico. Assim, quanto maior for o bem realizado pelo Espírito na sua existência corporal, maior será a felicidade por ele sentida no mundo espiritual. O contrário também vale. De qualquer forma, o desenvolvimento das qualidades possibilitadoras da felicidade se dá pela relação entre o mundo corporal e o espiritual. O mundo corporal, representado pelos globos físicos, dentre os quais a Terra, é formado por espíritos encarnados. O espiritual, conforme Kardec, ostenta-se por toda parte, em redor de nós como no Espaço, sem limite algum designado, e é formado por espíritos desencarnados, invisíveis aos nossos sentidos, mas cuja vista deslumbra de alegria e admiração as almas libertas da matéria. Um e outro mundo comportam seus habitantes, tendo vista a analogia. As inteligências espirituais dos dois mundos levam-nos a estabelecer relações de solidariedade no projeto divino de felicidade. Elas se instruem e se ajudam reciprocamente, no âmbito de suas capacidades, para o alcance do bem maior: uma felicidade que não é pessoal, tanto é que, nos dizeres de Kardec, também a encontramos na comunhão de idéias que une os seres simpáticos. Em ambos os mundos, o indivíduo progride moral e intelectualmente pelo trabalho. Uns mais, outros menos, é verdade; uns, mais em moralidade, outros, mais em intelectualidade. E esse desnível evolutivo os espíritos revelam a todo o momento, pela individualidade ostentada:

2 suas qualidades inatas, suas inteligências precoces, seus bons e maus instintos, suas desarmonias com o meio, apesar da educação recebida. Nos dois mundos, o espírito vale-se da aptidão que lhe é inata para conhecer tudo o que Deus lhe permite e, assim, avança. Mas é no plano espiritual que, segundo Kardec, ele aure conhecimentos especiais que não poderia obter na Terra e se prepara para novas lutas e toma as resoluções que há de pôr em prática na sua volta à Humanidade. Feito homem, é ser social dependente dos outros, é consciência que tende à autossuficiência racional e à liberdade pela razão, malgrado suas constantes quedas, muitas das quais - para citar Kardec - tendo por móvel, por alvo e por estímulo suas relações com os seus semelhantes, no geral, a ele comparáveis em adiantamento, dada a origem comum. Trata-se de unidade funcional entre a razão e a sua expressão corpórea, uma totalidade entre consciência e vida dos impulsos. Suas funções, inclusive as espirituais, necessitam de se manifestar por condições existenciais e meios físicos, que, entretanto, apreende inconscientemente como limites e como fatores conflitantes com os seus propósitos de emancipação racional e de busca da perfeição da razão. Por isso, quer dominar suas tendências naturais, embora muitas vezes falhe. Por tal motivo, não raro opõe-se aos próprios desejos, partindo de processos vitais inconscientes que são movidos pelos impulsos e orientando-se na direção da consciência de si e de suas ações. Nessa tensão, determinada por uma razão ávida de clareza e autossuficiência, sobressai o seu intento de discordar de si mesmo e de separar, enfim, o pensamento racional dos impulsos. Como assevera Schiller, a sua vez, citado por Inwood: O [homem] não permanece no que a natureza fez dele; ele tem capacidade para reconstruir pela RAZÃO os passos que ela deu em seu benefício, a fim de transformar a obra de compulsão numa obra de sua livre escolha e elevar a NECESSIDADE física ao nível de necessidade moral. (SCHILLER apud INWOOD, 1997, p. 302). Até que, após driblar suas imperfeições e cumprir com os compromissos a que se propôs, alcance - com o auxílio da espiritualidade - a consciência e a liberdade pela razão e restabeleça a sua unidade, experimentando a felicidade relativa ao seu grau de progresso; distanciando-se ainda mais do seu estado inicial de ignorância e adquirindo condições morais e intelectuais de alcançar planos superiores e de, assim, amealhar novos desafios rumo à felicidade plena.

3 Enquanto encarna para adquirir qualidades necessárias à felicidade, é espírito inferior que precisa, pois, do revestimento material temporário do corpo para cumprir sua missão e adiantar-se. A destruição desse envoltório, diga-se de passagem, não induz à sua própria, posto que é o espírito, e não o corpo, que é vida e inteligência. Quando o espírito encarnante é superior, sua encarnação se dá por missão destinada a ajudar encarnados, levando-lhes consolo, ideias novas, etc. Recorde-se da lei natural da solidariedade, a ser observada nos dois mundos, em prol da efetivação do projeto divino de felicidade. O espírito inferior sobe na escala dos mundos na medida em que vai se desligando da matéria, depurando-se a partir dos vícios da carne pelas várias existências, nas quais vai adquirindo aptidões, conhecimentos intuitivos, inteligência e moralidade. Uma vez transposta a necessidade da reencarnação diante da sua transmigração para mundos superiores, ele pode se desenvolver em dependência da matéria destes que é diversa da terrestre - ou mesmo em estado puramente espiritual. Todos, porém, evoluem dentro do seu livre-arbítrio, mais ou menos devagar, até o alcance do equilíbrio entre as duas asas: a da inteligência e a da moralidade. O homem vão dizer os espíritos - se tem liberdade para pensar, tem-na para obrar, desde que possua vontade. Do contrário, seria máquina. Nem mesmo a tendência ao arrastamento pelas predisposições instintivas é capaz de detê-lo, se sua vontade for determinada pelo pensamento. Nem mesmo ao selvagem, predominantemente instintivo, e à criança a liberdade de pensar é interditada, embora se saiba que ela acompanha a inteligência. O fato é que quanto mais esclarecido se é, mais responsável se torna. E, se o constrangimento dos homens a procederem em desacordo com sua liberdade de consciência torna a hipocrisia um dos maiores embaraços impostos à sua existência, não é menos verdade que aquele que, por covardia, abre mão da sua liberdade de ser e de pensar ou seja, das suas possibilidades de se tornar autônomo é igualmente responsável. A liberdade de consciência advertem os espíritos é um dos caracteres da verdadeira civilização e do progresso. Sentido do termo e contextualização: por que a terceirização é inaceitável na atualidade? O termo terceirização das escolhas existenciais trata-se de processo de exaltação e sacralização da dependência, submissão e menoridade humanas (Marcelo da Luz) em relação aos assim chamados funcionários do sagrado (sacerdotes, pastores, sheiks, rabinos, gurus e

4 médiuns) - e aqui se incluem os espíritos desencarnados. Sua não aceitação na atualidade se deve aos motivos que logo se expõem. Até o advento da Modernidade, o homem contentou-se, no estudo de sua condição, com razões hoje consideradas as mais estapafúrdias, engendradas como ensina o espírito Joanna de Ângelis citado por Divaldo Franco (2013) - por doutrinas religiosas que estabeleceram o período do terror da fé, gerador de crimes hediondos. Essas doutrinas só começaram a ser abandonadas por intermédio, sobretudo, do esforço de pensadores sérios e, conforme o espírito Joanna de Ângelis citado por Divaldo Franco (2013), cientistas sinceros e investigadores comprometidos com a consciência livre de dogmatismos e preconceitos, os quais, ainda, penetraram nos arcanos da Natureza e foram interpretando as leis que a constituem, ultrapassando os mitos e estabelecendo novos paradigmas de segurança para o avanço cultural e o progresso em geral. Um esforço filosófico dessa proporção somente foi possível com o ingresso na Idade Moderna, fase da humanidade que teve o grande mérito de possibilitar o deslocamento do fundamento da vida ética, o qual passaria, a partir dali, a ser o próprio sujeito histórico, autoconsciente, racional, autônomo e crítico, e não mais algo e/ou alguém a ele externos, não mais uma ordem político-religiosa capaz de lhe ditar o sentido das ações. (NEVES, 2012, p. 36). A Modernidade traz consigo a autonomia humana em seu mais alto grau, o indivíduo enquanto ser não estritamente dependente do seu grupo, livre, por sua vez em todos os aspectos, econômicos, políticos e, acima de tudo, religiosos. A liberdade religiosa, especificamente, envolveria a liberdade e a capacidade para racionalizar a fé e para criticar os dogmas religiosos. Poder-se-ia dizer, portanto, que a aquisição da capacidade para racionalizar a fé está ligada a um esforço científico e filosófico moderno para consecução da autonomia enquanto liberdade e capacidade individual para o exercício de direitos. Está ela inserida num contexto de deslocamento da vida ética, agora centrada na autoconsciência, na racionalidade e no espírito crítico do sujeito histórico e não mais na externalidade institucional, que se autointitulava mediadora entre a divindade e os seres. Nesse sentido, o mencionado processo de exaltação e sacralização da dependência, submissão e menoridade humanas em relação aos funcionários do sagrado atenta contra o processo moderno de busca por autonomia, pois quer afastar a capacidade de raciocínio e atitude crítica dos homens em relação aos desmandos das instituições de até então. Na arena do sagrado, a autonomia pressupõe o indivíduo universal dotado de uma perfectibilidade moral

5 cuja concretização dependeria da remoção dos obstáculos impostos à liberdade, dentre os quais a dominação religiosa. O Espiritismo, atento ao contexto, resgatou, no campo religioso, a ideia de individualidade, trazendo à tona noções como as conquistas evolutivas do Espírito enquanto individualização do princípio inteligente, seu livre-arbítrio; suas escolhas, que são instrumentos de aperfeiçoamento; sua consciência, onde estão inscritos os fragmentos das vidas passadas; e instaurando o Deus deísta, que respeita a estabilidade do universo, garantida por leis inderrogáveis com as quais não se confunde; um Deus que não proíbe, e sim fornece princípios de bem viver, sem fazer dos erros pecados, porque sabe que é da lei natural que cada ser esteja no seu grau apropriado. Por que o Espiritismo é contrário à terceirização das escolhas existenciais? a) Porque, sem negar a influência oculta dos espíritos em nossos pensamentos e atos, exortanos ao exercício do livre arbítrio, através do raciocínio lógico e do bom senso. b) Porque nos alerta sobre a existência de verdadeiros e falsos profetas, tanto encarnados quanto desencarnados. Os primeiros são expressão do amor de Deus. Os segundos são sedutores e divulgadores dos fenômenos de causa desconhecida como prodígios e milagres, aqui considerados como excepcionais contrários às leis da Natureza. Os verdadeiros profetas não troçam dos males da Humanidade, que remediam com medidas conformes à razão, geralmente segundo a racionalidade científica. Os falsos são ávidos do prestígio de um pseudopoder sobre-humano, ou de uma pretendida missão divina. Por isso, em sua grande parte, utilizam-se de seus conhecimentos para explorarem e dominarem os outros. c) Porque nos orienta à verificação sobre se os espíritos com os quais temos contato são de Deus: Os espíritos de Deus são reconhecidos pelos seus caracteres morais, e não materiais, e, por isso, são brandos, humildes, caridosos, amorosos, indulgentes, bondosos, conciliadores e, sobretudo, fortes o suficiente para suportarem os pesados fardos que as missões de conduzir a Humanidade moral e intelectualmente exigem. Missões estas, em sua maioria, não premeditadas e mesmo ignoradas por eles, que, não obstante, vão sendo ocultamente

6 inspirados e dirigidos. Tratam-se de espíritos adiantados, experimentados em encarnações prévias, e, por tal razão, sábios. Os que não são de Deus, alerta o Espiritismo, são enganadores, hipócritas, orgulhosos e pseudossábios, que passaram da Terra para a erraticidade e tomam nomes venerados para, sob a máscara de que se cobrem, facilitarem a aceitação das mais singulares e absurdas ideias. Geralmente, querem deter o monopólio da verdade absoluta; arvoram-se na condição de reformadores e messias. Mas não sabem, sequer, imitar a qualidade dos messias, dadas a baixeza de caráter e a escassez de virtudes e inteligência. Por isso, desesperam-se com a possibilidade do descrédito de si perante os outros. d) Porque nos adverte que, no concernente aos desencarnados, há também orgulho, rancor, impiedade, ilusões, vaidade, mediocridade e o pior, a semeadura de discórdia. Motivo pelo qual aconselha que nos distanciemos dos conselheiros de plantão, espíritos que, no geral, procuram impor-se a homens fracos e crédulos, prodigalizando-lhes exagerados louvores, a fim de os fascinar e de tê-los dominados. O Espiritismo nos mostra que eles são, geralmente, Espíritos sequiosos de poder e que, déspotas públicos ou nos lares, quando vivos, ainda querem vítimas para tiranizar depois de terem morrido. e) Porque nos dá pistas sobre a apreciação das verdades, a ser realizada mediante o critério da universalidade espontânea dos ensinamentos. A universalidade espontânea é qualificada pela razoabilidade e garante a impessoalidade das informações (o que afasta os equívocos e autoenganos), a anulação de teorias sectárias 1 e contraditórias 2 e a própria divulgação da doutrina espírita. Como pressagia Erasto, discípulo de Paulo, pode um médium ser fascinado, e iludido um grupo; mas a verificação severa a que procedam os outros grupos, a ciência adquirida, a alta autoridade moral dos diretores de grupos, as comunicações que os principais médiuns recebam, com um cunho de lógica e de autenticidade dos melhores Espíritos, justiçarão rapidamente esses ditados mentirosos e astuciosos, emanados de uma turba de Espíritos mistificadores ou maus. Por que certos espíritas terceirizam suas escolhas existenciais? 1 O Espiritismo é incompatível com o sectarismo (do latim secta, que origina a palavra seita, significativa de facção ). Ele precisa ser universal, embora avesso à pretensão de divulgar uma verdade absoluta. 2 Segundo Kardec os espíritos levianos, pouco se preocupando com a verdade, respondem a tudo; é por essa razão que, sobre todas as questões prematuras, sempre há respostas contraditórias.

7 a) Institucionalização histórica da dependência por parte das igrejas cristãs: distorção da metáfora do pastor de ovelhas, aberração possibilitada pela retórica e pela força presencial e motivada pela necessidade de manutenção do rebanho, a qual se entende ameaçada pelo crescente questionamento e esclarecimento dos religiosos. A distorção, muitas vezes inconscientemente reforçada, coloca, de um lado, os líderes, e, de outro, os liderados. Os primeiros (exemplificados pelos sacerdotes, pastores, sheiks, rabinos, gurus, médiuns e, ainda, espíritos desencarnados), alçados ao papel de protetores, santos, divinos, intermediários entre Deus e os homens. A imagem que deles se tem é a de seres compassivos, pacientes, bondosos, dispostos a compreender e mesmo a perdoar. Os segundos (tidos como fiéis ), dóceis, obedientes e submissos como as ovelhas e, por isso, domesticáveis, dependentes, e vulneráveis. As ovelhas, sequiosas do conforto espiritual, exigem dos funcionários do sagrado (incluindo-se desencarnados) a sua própria condução, o que fazer e o que não fazer. Como afirma Marcelo da Luz, saem à procura do guia perfeito, da voz mais melíflua, de maiores estímulos à emoção, de milagres mais convincentes, de consoladores mais dedicados. O que querem é não sofrer, não visam a mudar, mas a rolar a dívida. Conforme entende: A consciência religiosa é bastante seletiva: vai à procura do discurso já conhecido, da confirmação do já sabido e da manutenção do comportamento dependente. Ao procurar a orientação pastoral, busca alívio, não solução; pede consolo, não intervenção cirúrgica; ajeita a superfície, mantendo a raiz intocada. Seu mundo de significados reserva espaços apenas às muletas psicológicas, as quais reforçam as zonas de conforto já instaladas. (LUZ, 2011, p. 71). b) Influência das doutrinas do paraíso: há ovelhas que, pelo mesmo medo de sofrer no futuro, necessitam de um juiz, alguém que as faça sentir culpa pelos infortúnios próprios e alheios e lhes indique o caminho da expiação para a remissão dos pecados. Trata-se de resquício da relação entre céu e felicidade, de um lado, e entre inferno/purgatório e infelicidade, do outro. As expressões céu, inferno e purgatório sempre foram utilizadas para tratar da sorte dos espíritos após a sua passagem. Sempre foram concebidas como lugares circunscritos ou fechados destinados às penas e aos gozos dos Espíritos, de acordo com os seus méritos. O Inferno seria o lugar das provas extremamente penosas, do qual a saída é incerta. O purgatório, a sua vez, também seria local de provações, mas sobre o espírito pairava a consciência de um

8 futuro melhor. O Céu, por fim, associar-se-ia à ideia do paraíso, da felicidade. Embora tenha Kardec nos ensinado que trazemos em nós mesmos o nosso inferno e o nosso paraíso e encontramos o nosso purgatório em nossa encarnação, em nossas vidas corpóreas ou físicas, há espíritas que ainda dependem de quem lhes patrulhe os pensamentos, sentimentos e ações e os leve a sentir culpa e medo para fazerem o bem. Por isso, não raro servem-se das misérias dos outros para se livrarem de suas próprias e crêem estar fazendo caridade. c) Equívoco da proposta conversionista: aqui, converter-se é fazer-se substituir acriticamente por uma visão específica de mundo. É obedecê-la por causa de uma convenção sobre a sua superioridade, e não porque se está racionalmente preparado para aceitá-la. Por isso, a diluição das sombras internas torna-se menos importante do que o livramento da subserviência, da puerilidade das formas, dos discursos de temor às autoridades. A subserviência, a puerilidade e o temor são formas de disfarce das sombras. d) O vazio da palavra Deus : atribuição a Deus do malogro ou sucesso das realizações humanas em função da incapacidade de discernimento entre o quanto existe de condicionamento externo e o quanto existe de autonomia nos comportamentos assumidos. Tal atitude não procede, pois, se, por um lado, é verdade que não cai uma folha da árvore que Deus não permita, por outro, aos seres humanos é possível tudo o que esteja nos limites das leis naturais que ele nos franqueou. Sendo assim, é impróprio atribuir exclusivamente a Deus o que está ao nosso alcance fazer ou não fazer conforme a ideia de livre arbítrio. A incapacidade de discernimento entre o quanto existe de condicionamento externo e o quanto existe de autonomia nos comportamentos assumidos é causa da chamada oração de petição, que nada mais expressa do que um desconhecimento em relação às possibilidades da natureza. Há espíritas que se desesperam em face de milagres pedidos e não atendidos, muitos deles ligados à doença e à morte de entes queridos. O fato é que ainda não compreendem que podemos até não ter o que precisamos, mas sempre temos o que merecemos conforme as circunstâncias, ou seja, temos o que nos é lícito de acordo com possibilidades concretas regidas por leis naturais. Muitas destas leis são desconhecidas pela Ciência convencional, diga-se de passagem. Em função disso, fazem confusão entre os atos de rezar e pedir. e) O fundamentalismo religioso e o liberalismo religioso: o primeiro conduz à interpretação literal dos mitos, sendo avesso a interpretações. Por isso, o fundamentalista se apega às

9 palavras e aos mandamentos do líder, ao qual inevitavelmente delega as decisões mais importantes. O liberalismo religioso, ao contrário, amplia sobremaneira a capacidade imaginativa, de forma que os líderes apenas sugerem caminhos, mas sem, contudo, deixarem de ser referências importantes de decisão. Em ambos os casos, o desenvolvimento da espiritualidade (conforme Marcelo da Luz, senso universalista, incorruptibilidade moral, capacidade assistencial, amor puro, etc.) é tolhido, não é buscado, mas somente pedido. O que o Espiritismo espera de nós? Sem ignorar a influência oculta dos espíritos em nossos pensamentos e mesmo dizendo ser útil a não distinção entre o que é pensamento próprio e o que é autêntico (questão 461 do L.E.), a doutrina espírita espera que sejamos LIVRES. Mesmo nos dizendo que, não raro, os homens inteligentes e de gênio nem sempre retiram suas ideias de dentro de si mesmos, mas de espíritos que os julgam capazes de compreendê-las (questão 462 do L.E); que estamos vulneráveis a espíritos imperfeitos que nos induzem ao mal, porque querem nos impingir sofrimentos (questão 465 do L.E.), ela nos mostra que renunciar a liberdade de consciência é algo grave e arriscado, dada a possibilidade de estacionamento no mal. Que a renúncia à capacidade de ser e de pensar, não raro, realizada em favor de outrem, a quem se delegam as atribuições espirituais mais pessoais, trata-se de terceirização indevida das escolhas capaz de travar a evolução do renunciante. Quem assim age abraça a heteronomia, rejeita a sua capacidade de autodeterminação e permanece indefinidamente em estado de menoridade intelectual, moral e espiritual, tornandose presa fácil de espíritos obsessores. É preciso tomar as rédeas do próprio destino e servir-se do próprio entendimento, o que não significa insular-se, isolar-se e tomar decisões sem consulta, mas dar-se conta de que sempre é possível se fazerem escolhas melhores e que a felicidade é reflexo de um processo coletivo sim, mas, sobretudo, pessoal - que envolve o desenvolvimento de qualidades mediante o próprio esforço. O Espiritismo vem ensinar que tal processo se dá nos dois mundos - o corpóreo e o extracorpóreo mediante relações de solidariedade e trabalho no bem, malgrado eventuais quedas e fracassos. Jamais através do orgulho. Uma dinâmica de driblagem AUTÊNTICA de imperfeições e cumprimento de compromissos PESSOAIS quiçá milenarmente assumidos, tudo para que se adquiram condições morais, intelectuais e espirituais necessárias ao alcance de novos vôos e, claro, de inéditos desafios.

10 Mensagem de André Luiz (Agenda Cristã, psicografia de Chico Xavier): Lembranças Úteis Não viva pedindo orientação espiritual, indefinidamente. Se você já possui duas semanas de conhecimento cristão, sabe, à saciedade, o que fazer. * Não gaste suas energias, tentando consertar os outros de qualquer modo. Quando consertamos a nós mesmos, reconhecemos que o mundo está administrado pela Sabedoria Divina e que a obrigação de cooperar invariavelmente para o bem é nosso dever primordial. * Não acuse os Espíritos desencarnados sofredores, pelos seus fracassos na luta. Repare o ritmo da própria vida, examine a receita e a despesa, suas ações e reações, seus modos e atitudes, seus compromissos e determinações, e reconhecerá que você tem a situação que procura e colhe exatamente o que semeia. * Não recorra sistematicamente aos amigos espirituais, quanto a comezinhos deveres que lhe competem no caminho comum. Eles são igualmente ocupados, enfrentam problemas maiores que os seus, detêm responsabilidades mais graves e imediatas e você, nas lutas vulgares da Terra, não teria coragem de pedir ao professor generoso e benevolente que desempenhasse funções de ama-seca. * Não espere a morte para solucionar as questões da vida, nem alegue enfermidade ou velhice para desistir de aprender, porque estamos excessivamente distantes do Céu. A sepultura não é uma cigana, cheia de promessas miraculosas, e sim uma porta mais larga de acesso à nossa própria consciência. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

11 FRANCO, Divaldo. Pelo espírito Joana de Ângelis. Deus Disponível em: Acesso em: 05 jan INWOOD, Michael. Dicionário Hegel. Tradução: Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. KARDEC, Allan. O livro dos espíritos ed. Araras: IDE, p. Tradução Salvador Gentile. LUZ, Marcelo da. Onde a Religião Termina. 1. ed. Foz do Iguaçu: Editares, p. NEVES, Zuenir de Oliveira. Justiça e Reconhecimento: das relações de dominação institucionalizada e das possibilidades de sua superação. 1. ed. Belo Horizonte: Arraes Editores, p. XAVIER, Francisco Cândido. Agenda cristã. Pelo Espírito André Luiz. 42. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005.

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO José Aparecido 18.03.2015 CURSO DOUTRINARIO OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 Aulas Curso Doutrinário OAM Turma 6

Leia mais

A DOUTRINA ESPÍRITA, À LUZ DA FÉ RACIOCINADA,

A DOUTRINA ESPÍRITA, À LUZ DA FÉ RACIOCINADA, Matéria Ufologiade capa A DOUTRINA ESPÍRITA, À LUZ DA FÉ RACIOCINADA, EXPLICA QUEM SÃO OS SERES ANGELICAIS Entrevista realizada pelo site www.irc-espiritismo.org.br Eles existem? Aorigem da idéia de que

Leia mais

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 10 OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS 558 Os Espíritos fazem outra coisa além de se aperfeiçoar individualmente? Eles concorrem para a harmonia do universo ao executar os

Leia mais

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Durante os meus estudos, fiquei me perguntando, o que trazer de muito especial para compartilhar com os irmãos,

Leia mais

Religião e Espiritualidade

Religião e Espiritualidade Religião e Espiritualidade Há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha vossa vã filosofia. Shakespeare A Mudança de Modelos Mentais O que é Religião? O que é espiritualidade? O que é Meditação? Como

Leia mais

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE CAPÍTULO 11 LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE Justiça e direitos naturais Direito de propriedade. Roubo Caridade e amor ao próximo Amor maternal e filial JUSTIÇA E DIREITOS NATURAIS 873 O sentimento de justiça

Leia mais

Salvador Dali - Geopoliticus Child Watching the Birth Of A New Man - 1940

Salvador Dali - Geopoliticus Child Watching the Birth Of A New Man - 1940 Autor: André Martinez REFLEXÕES ESPÍRITAS: O Homem no Mundo. Salvador Dali - Geopoliticus Child Watching the Birth Of A New Man - 1940 Capítulo 17 de "O Evangelho Segundo o Espiritismo" de Allan Kardec

Leia mais

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Habitados Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Jesus referiu-se em algum momento de suas pregações à existência de outros mundos habitados? Qualquer pessoa que pensa, ao

Leia mais

CONVERSANDO COM OS ESPÍRITOS

CONVERSANDO COM OS ESPÍRITOS THEREZINHA OLIVEIRA CONVERSANDO COM OS ESPÍRITOS NA REUNIÃO MEDIÚNICA CAMPINAS SP 2009 SUMÁRIO Apresentação...1 PRIMEIRA PARTE CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 1. O diálogo com os espíritos...5 2. Como Kardec

Leia mais

A Liderança do Espírito

A Liderança do Espírito A Liderança do Espírito Autor : Andrew Murray Para muitos Cristãos a liderança do Espírito é considerada como uma sugestão de pensamentos para nossa orientação. Eles almejam e pedem por ela em vão. Quando

Leia mais

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Caracteres do homem de bem Questão: 918 O homem de bem tira boas coisas do bom tesouro do seu coração e o mau tira as más do mau tesouro do seu coração; porquanto,

Leia mais

ESDE. Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita

ESDE. Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita Unidade 2 Sub-unidade 3 ESDE Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita O Livro dos Espíritos trata da imortalidade da alma, da natureza dos Espíritos e de suas relações com os homens, das leis morais,

Leia mais

Máximas de André Luiz

Máximas de André Luiz Máximas de André Luiz 1 Máximas de André Luiz 3 MÁXIMAS DE ANDRÉ LUIZ Capa: Rogério Mota Projeto gráfico: Equipe O Clarim Revisão: Teresa Cunha e Cássio Leonardo Carrara Todos os direitos reservados Casa

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: A Vontade Palestrante: Dulce Alcione Rio de Janeiro 29/09/2000 Organizadores da palestra: Moderador: "Luno" (nick: [Moderador]) "Médium

Leia mais

ESPIRITA FELIZ - COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA - ESPIRITA FELIZ COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA ESPIRITISMO BENEFÍCIOS

ESPIRITA FELIZ - COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA - ESPIRITA FELIZ COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA ESPIRITISMO BENEFÍCIOS ESPIRITA FELIZ - COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA - ESPIRITA FELIZ COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA ESPIRITISMO BENEFÍCIOS MENSAGENS ESPIRITAS E-BOOK C.E.S. JOVEM ESPIRITA FELIZ COMO

Leia mais

O QUE É SER ESPÍRITA?

O QUE É SER ESPÍRITA? Suzane Câmara O QUE É SER ESPÍRITA? pessoa vinculada ao Espiritismo. os espíritas "mexem" com os mortos outros temem, outros permanecem indiferentes ir ao Centro, tomar passe, ouvir ou fazer palestras,

Leia mais

MEDIUNIDADE COM JESUS CRÔNICAS DO ALÉM TÚMULO DE HUMBERTO DE CAMPOS- PSICOGRAFIA DE CHICO XAVIER

MEDIUNIDADE COM JESUS CRÔNICAS DO ALÉM TÚMULO DE HUMBERTO DE CAMPOS- PSICOGRAFIA DE CHICO XAVIER MEDIUNIDADE COM JESUS CRÔNICAS DO ALÉM TÚMULO DE HUMBERTO DE CAMPOS- PSICOGRAFIA DE CHICO XAVIER 1 REUNIDO ESTAVA O REINO DAS SOMBRAS. E O PODEROSO CHEFE DAS TREVAS. ESTAVA PREOCUPADO COM O ESPIRITISMO

Leia mais

Espírito, Perispírito e Corpo 1 / 9

Espírito, Perispírito e Corpo 1 / 9 CURSO: NOÇÕES BÁSICAS DOUTRINA ESPÍRITA e Corpo EDITORA 1 / 9 Elementos Gerais do Universo Perg. 27 - Há então dois elementos gerais do Universo: a matéria e o Espírito? Sim e acima de tudo Deus, o criador,

Leia mais

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Claudio C. Conti www.ccconti.com Congresso Espiritismo 150 de O Evangelho Segundo o Espiritismo ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Como funcionamos A mente é a ferramenta para compreender questões que transcendem

Leia mais

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 31 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Explicar a abrangência da Teoria dos valores e sua evolução histórica Analisar

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

As três revelações divinas: Moisés, Jesus e Kardec

As três revelações divinas: Moisés, Jesus e Kardec FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro II Ensinos e Parábolas de Jesus Módulo I Metodologia para o estudo do Evangelho à luz da Doutrina Espírita As três revelações

Leia mais

Reencarnação e os laços de família. Escola de Evangelização de Pacientes Grupo Espírita Guillon Ribeiro

Reencarnação e os laços de família. Escola de Evangelização de Pacientes Grupo Espírita Guillon Ribeiro + Reencarnação e os laços de família Escola de Evangelização de Pacientes Grupo Espírita Guillon Ribeiro + A Melhor Escola n Qual a melhor escola de preparação das almas reencarnadas, na Terra? n A melhor

Leia mais

O QUE É ESPIRITISMO (DOUTRINA ESPÍRITA)

O QUE É ESPIRITISMO (DOUTRINA ESPÍRITA) O QUE É ESPIRITISMO (DOUTRINA ESPÍRITA) Os fatos que o espiritismo nos trouxe a partir de 1857 existem faz tempo e tempo; mas somente a partir de 1857, com a publicação de O Livro dos Espíritos, eles vieram

Leia mais

CULTURA ECLÉTICA ENSINAMENTOS ESOTEROESPIRITUALISTAS

CULTURA ECLÉTICA ENSINAMENTOS ESOTEROESPIRITUALISTAS CULTURA ECLÉTICA ENSINAMENTOS ESOTEROESPIRITUALISTAS AULA nº 2 A mente humana possui muitos canais de comunicação, com os quais se relaciona com o mundo exterior e interior. Esses canais, quando são ativados,

Leia mais

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 166 Como a alma, que não alcançou a perfeição durante a vida corporal,

Leia mais

SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO VOLUNTÁRIO. www.espiritizar.com.br

SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO VOLUNTÁRIO. www.espiritizar.com.br SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO A PROGRAMAÇÃO DA REENCARNAÇÃO Meditando sobre o significado das Leis Divinas em nossas vidas: Feche os olhos e entre em contato com você mesmo(a) em

Leia mais

Objetivos. ü Compreender o verdadeiro sentido da felicidade na Terra. ü Explicar o processo de aquisição da felicidade atual e futura.

Objetivos. ü Compreender o verdadeiro sentido da felicidade na Terra. ü Explicar o processo de aquisição da felicidade atual e futura. Objetivos ü Compreender o verdadeiro sentido da felicidade na Terra. ü Explicar o processo de aquisição da felicidade atual e futura. Felicidade, segundo o dicionário ü Concurso de circunstâncias que causam

Leia mais

Código penal da vida futura

Código penal da vida futura Código penal da vida futura André Villas-Boas GECC 2 1 Doutrina das penas eternas A doutrina das penas eternas teve sua razão de ser, como a do inferno material enquanto o temor podia constituir um freio

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

O Centro Espírita e seus Trabalhadores

O Centro Espírita e seus Trabalhadores FidelidadESPÍRITA Abril 2007 O Centro Espírita e seus Trabalhadores por Therezinha Oliveira 42 Uma publicação do Centro de Estudos Espíritas Nosso Lar Campinas/SP Abril 2007 FidelidadESPÍRITA Toda religião

Leia mais

O CONSOLADOR PROMETIDO. Cleto Brutes Apresentação disponível em www.searadomestre.com.br

O CONSOLADOR PROMETIDO. Cleto Brutes Apresentação disponível em www.searadomestre.com.br O CONSOLADOR PROMETIDO Cleto Brutes Apresentação disponível em www.searadomestre.com.br O Consolador Prometido... Se me amais, guardai os meus mandamentos; e Eu rogarei a meu Pai e Ele vos enviará outro

Leia mais

A continuidade da vida Roteiro 3

A continuidade da vida Roteiro 3 A continuidade da vida Roteiro 3 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo II A Morte e seus Mistérios Objetivos

Leia mais

III. Seminário Atualidade de O Livro dos Médiuns III 1

III. Seminário Atualidade de O Livro dos Médiuns III 1 III 1 ATIVIDADE INTEGRATIVA Dissemos que o Espiritismo é toda uma ciência, toda uma filosofia. Quem, pois, seriamente queira conhecê-lo, (...) não pode, como nenhuma outra ciência, ser aprendido a brincar.(...)

Leia mais

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas.

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas. Roteiro 1 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo III Os vícios e as virtudes Conceituar bem e mal Explicar o

Leia mais

A Casa e a Causa Espírita, com Allan Kardec.

A Casa e a Causa Espírita, com Allan Kardec. A Casa e a Causa Espírita, com Allan Kardec. Agradecimentos: Aos meus pais, Maria da Conceição e Heitor, que me deram mais uma oportunidade de evolução nesta vida, às minhas três irmãs - tão diferentes

Leia mais

O temor da morte. Roteiro 1

O temor da morte. Roteiro 1 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo II A Morte e seus Mistérios Roteiro 1 O temor da morte Objetivo Explicar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A.

Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A. A Voz da Revelação Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A. Hoje nós falaremos sobre a Voz da Revelação. A Voz que você está

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Estas palavras ainda tocam profundamente almas sensíveis, especialmente aquelas que vivenciam momentos de aflição ou cansaço emocional.

Estas palavras ainda tocam profundamente almas sensíveis, especialmente aquelas que vivenciam momentos de aflição ou cansaço emocional. Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei comigo que sou brando e humilde de coração e achareis repouso para vossas almas,

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

C RS R O S NO N ÇÕ Ç ES

C RS R O S NO N ÇÕ Ç ES CURSO NOÇÕES BÁSICAS DOUTRINA ESPÍRITA de Si Mesmo EDITORA 1 / 9 Iluminação Interior Como iniciar o trabalho de iluminação de nossa própria alma? Deve-se começar com o autodomínio. Disciplina de sentimentos

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Espiritismo e Espiritualismo. Palestrante: Altivo Pamphiro. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Espiritismo e Espiritualismo. Palestrante: Altivo Pamphiro. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Espiritismo e Espiritualismo Palestrante: Altivo Pamphiro Rio de Janeiro 01/08/2003 Organizadores da Palestra: Moderador:

Leia mais

Prisões mentais. Escrito por Mário Moreno Dom, 05 de Junho de 2011 15:37. Prisões mentais

Prisões mentais. Escrito por Mário Moreno Dom, 05 de Junho de 2011 15:37. Prisões mentais Prisões mentais Hoje podemos afirmar que há satan o adversário conseguiu algo muito grande quando fez o homem pecar além de fazer dele um peregrino fora do Gan Éden e de tirar-lhe a imortalidade. O adversário

Leia mais

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 01/12/2003 POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 2 Índice Geral I POR QUE NÃO ORAMOS COM FREQUÊNCIA?... 4 II QUANDO NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS... 5 III

Leia mais

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009.

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. 13 Marco Antonio Gonçalves * Num ensaio sobre nossa temporalidade qualificada como

Leia mais

Ação dos Espíritos na Natureza

Ação dos Espíritos na Natureza Ação dos Espíritos na Natureza Roteiro 27 FEDERAÇÃO EPÍRITA BRAILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Relacionar as principais tradições culturais

Leia mais

Reunião Pública - 07/05/2015 Tema: Espiritualidade no Brasil Palestrante: Maria Stela de Barros Guimarães ESPIRITUALIDADE NO BRASIL

Reunião Pública - 07/05/2015 Tema: Espiritualidade no Brasil Palestrante: Maria Stela de Barros Guimarães ESPIRITUALIDADE NO BRASIL Reunião Pública - 07/05/2015 Tema: Espiritualidade no Brasil Palestrante: Maria Stela de Barros Guimarães ESPIRITUALIDADE NO BRASIL Espiritualidade prática da crença, viver de acordo com a fé. Espiritualista

Leia mais

Esferas Espirituais da Terra e dos Mundos Transitórios. Ocupação e Missão dos Espíritos. Palestrante - Zezo 16.04.2015

Esferas Espirituais da Terra e dos Mundos Transitórios. Ocupação e Missão dos Espíritos. Palestrante - Zezo 16.04.2015 Esferas Espirituais da Terra e dos Mundos Transitórios Ocupação e Missão dos Espíritos Palestrante - Lei do Progresso Tudo que existe no universo está em constante evolução, DEUS nos concede por meio das

Leia mais

ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS

ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS OBJETIVO GERAL: Com base em O Livro dos Espíritos, também eixo gerador das demais quatro obras básicas da Codificação Espírita, estudar a Doutrina Espírita, estudar ALLAN

Leia mais

Jan/2009. Cartografia Humana Claudio C. Conti www.ccconti.com

Jan/2009. Cartografia Humana Claudio C. Conti www.ccconti.com Cartografia Humana Claudio C. Conti www.ccconti.com Jan/2009 Joanna de Ângelis afirma que os questionamentos e desafios da humanidade terrena somente poderão ser resolvidos quando o ser humano for considerado

Leia mais

Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo. Marco Milani

Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo. Marco Milani Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo Marco Milani 2013 Dados Gerais Título: A confessionalidade espírita em Instituições de Ensino

Leia mais

Esperança e Consolação

Esperança e Consolação Esperança e Consolação MARCELO ANDRÉ CLETO 29.04.2015 Esperança Definições (dicionário Aurélio) 1 Disposição do espírito que induz a esperar que uma coisa se há de realizar ou suceder. 2 Expectativa. 3

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Deixai que Venham a Mim as Criancinhas Palestrante: Oswaldo Cruz Rio de Janeiro 17/12/1999 Organizadores da palestra: Moderador:

Leia mais

A Lei de Trabalho Elaboração: www.searadomestre.com.br João 5:17 Meu Pai trabalha até agora e eu também. LE 677. Por que provê a Natureza, por si mesma, a todas as necessidades dos animais? Tudo em a Natureza

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro.

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro. A importância do estudo bíblico para a vida cristã 2 Pedro 1.12-2121 Pr. Fernando Fernandes Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL Vocês sabem ouvir e realizar um Aconselhamento Pastoral (AP) eficaz e eficiente? Sabem as técnicas que podem ser utilizadas no Gabinete

Leia mais

OS ANIMAIS E OS HOMENS E SUAS RELAÇÕES EVOLUTIVAS.

OS ANIMAIS E OS HOMENS E SUAS RELAÇÕES EVOLUTIVAS. 1 OS ANIMAIS E OS HOMENS E SUAS RELAÇÕES EVOLUTIVAS. 591 Nos mundos superiores as plantas são, como os outros seres, de natureza mais perfeita? --Tudo é mais perfeito: mas as plantas são sempre plantas,

Leia mais

Bilhões de estrelas no Universo. Imensidão de mundos.

Bilhões de estrelas no Universo. Imensidão de mundos. ROGER BOTTINI PARANHOS Bilhões de estrelas no Universo. Imensidão de mundos. "Há muitas moradas na casa de meu Pai" Jesus. www.ramatislajeado.org.br 1 Ciclos de evolução planetária. Nós, espíritos imortais,

Leia mais

Não estrague o seu dia

Não estrague o seu dia você é o humor que você tem Não estrague o seu dia Poucas são as mensagens que encontrei e que tratam sobre a problemática do humor, desta forma, não podem ser desperdiçadas neste trabalho. Iniciamos nosso

Leia mais

OBSESSORES - UMA BATALHA DE LUZ E TREVAS. Revista espiritismo e Ciência - Nº 5 http://www.mythoseditora.com.br

OBSESSORES - UMA BATALHA DE LUZ E TREVAS. Revista espiritismo e Ciência - Nº 5 http://www.mythoseditora.com.br OBSESSORES - UMA BATALHA DE LUZ E TREVAS Revista espiritismo e Ciência - Nº 5 http://www.mythoseditora.com.br Extraído do site : http://www.ippb.org.br Existe uma intensa atividade permeando o universo

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

All rights reserved by Self-Realization Fellowship ÍNDICE. Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2

All rights reserved by Self-Realization Fellowship ÍNDICE. Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2 ÍNDICE Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2 1. A Universalidade, Necessidade e Unidade da Religião...8 O objetivo comum da vida...8 Definição universal de religião...12 O que significa ser religioso...13

Leia mais

Para viver melhor! Apresentação disponível em www.searadomestre.com.br

Para viver melhor! Apresentação disponível em www.searadomestre.com.br Para viver melhor! Apresentação disponível em www.searadomestre.com.br Adriana Pizzutti dos Santos Acontecimentos desastrosos e desvarios do comportamento constituem a paisagem momentânea do planeta terrestre.

Leia mais

Você foi criado para fazer parte da família de Deus.

Você foi criado para fazer parte da família de Deus. 3ª Semana Você foi criado para fazer parte da família de Deus. I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Descreva

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

EVANGELIZAÇÃO É AMOR E LUZ É JESUS NO CORAÇÃO

EVANGELIZAÇÃO É AMOR E LUZ É JESUS NO CORAÇÃO EVANGELIZAÇÃO É AMOR E LUZ É JESUS NO CORAÇÃO Lenildo Solano EVANGELIZAÇÃO EM MÚSICA - Sequência Musical: 01- Aula de Evangelização 02- Deus 03- Jesus 04- Anjos da Guarda 05- Oração 06- Espiritismo 07-

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

AUTA DE SOUZA CURS R O S : O : NO N Ç O ÕE Õ S E

AUTA DE SOUZA CURS R O S : O : NO N Ç O ÕE Õ S E CURSO: NOÇÕES BÁSICAS DOUTRINA ESPÍRITA EDITORA 1 / 9 Conceitos Jesus: Em verdade, em verdade, te digo que ninguém pode entrar no reino de Deus se não nascer de novo Jesus (João, 3:3) Kardec:... é a volta

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Francisco Cândido Xavier PALAVRAS DE EMMANUEL. pelo Espírito Emmanuel

Francisco Cândido Xavier PALAVRAS DE EMMANUEL. pelo Espírito Emmanuel Francisco Cândido Xavier PALAVRAS DE EMMANUEL pelo Espírito Emmanuel SUMÁRIO Caro leitor... 9 Indicador... 11 1. Às almas enfraquecidas... 13 2. A Ciência do tempo... 15 3. Advertências proveitosas...

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

LIÇÃO 3 O aspecto tríplice do Espiritismo

LIÇÃO 3 O aspecto tríplice do Espiritismo Religião Ciência Filosofia LIÇÃO 3 O aspecto tríplice do Espiritismo 2009 United States Spiritist Council O Espiritismo é ao mesmo tempo filosofia e um campo de estudo científico. Como ciência ele estuda

Leia mais

THEREZINHA OLIVEIRA ANTE OS QUE PARTIRAM. 8 a edição

THEREZINHA OLIVEIRA ANTE OS QUE PARTIRAM. 8 a edição THEREZINHA OLIVEIRA ANTE OS QUE PARTIRAM 8 a edição Campinas SP 2009 ANTE OS QUE PARTIRAM Morrer é mudar continuando em essência o mesmo O que a morte parece ser C ostuma-se simbolizar a morte por um esqueleto

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

CURSO FLUIDOTERAPIA ESPÍRITA: PASSES E ÁGUA FLUIDIFICADA

CURSO FLUIDOTERAPIA ESPÍRITA: PASSES E ÁGUA FLUIDIFICADA CURSO FLUIDOTERAPIA ESPÍRITA: PASSES E ÁGUA FLUIDIFICADA A APLICAÇÃO DE PASSES O MÉDIUM APLICADOR DE PASSES O MÉDIUM APLICADOR DE PASSES Vimos em nossa 4ª. vídeo-aula sobre fluidoterapia espírita que

Leia mais

LEIS DA JUSTIÇA, AMOR e CARIDADE 1. O obje6vo deste tema, será o de possibilitar o entendimento das leis de jus6ça, amor e caridade.

LEIS DA JUSTIÇA, AMOR e CARIDADE 1. O obje6vo deste tema, será o de possibilitar o entendimento das leis de jus6ça, amor e caridade. LEIS DA JUSTIÇA, AMOR e CARIDADE 1 O obje6vo deste tema, será o de possibilitar o entendimento das leis de jus6ça, amor e caridade. DIREITOS NATURAIS 2 Direitos Naturais: São os mesmos para todos os indivíduos,

Leia mais

EDUCAÇÃO, CAPACITAÇÃO, PREPARO E CUIDADO DO TRABALHADOR DA REUNIÃO MEDIUNICA. Amanda e Denise

EDUCAÇÃO, CAPACITAÇÃO, PREPARO E CUIDADO DO TRABALHADOR DA REUNIÃO MEDIUNICA. Amanda e Denise EDUCAÇÃO, CAPACITAÇÃO, PREPARO E CUIDADO DO TRABALHADOR DA REUNIÃO MEDIUNICA OBJETIVOS: Explicar como se realiza a educação do médium; Destacar a importância da capacitação contínua do trabalho do grupo

Leia mais

(Manoel P. de Miranda, Temas da vida e da morte, 4.ed., p. 135). Escola de Evangelização Mediunidade. de Pacientes. Aula 03 1 / 8

(Manoel P. de Miranda, Temas da vida e da morte, 4.ed., p. 135). Escola de Evangelização Mediunidade. de Pacientes. Aula 03 1 / 8 JESUS E A MEDIUNIDADE LOUCURA, DIFICULDADES FINANCEIRAS ESTÃO ASSOCIADAS À PRÁTICA MEDIÚNICA? As disposições pessoais para os desequilíbrios são inatas no homem, que neles estão em gérmem. Desse modo,

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO JEJUM DO AVIVAMENTO 1 Dia do Jejum do Avivamento Leitura: Romanos 13:10 à 14 Introdução: Avivamento ou avivar é tornar mais vivo, mais desperto e renovado. O avivamento está ligado a disposição de reformar,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I MISSÃO Art. 1º - Em consonância com o Regimento Interno da AECX, e sob a premissa de que a mediunidade é coisa

Leia mais