Use a Arquitetura Empresarial para Orientar a Terceirização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Use a Arquitetura Empresarial para Orientar a Terceirização"

Transcrição

1 7 Use a Arquitetura Empresarial para Orientar a Terceirização No INÍCIO DA DÉCADA DE 70, a Mazda e a Isuzu entraram no mercado americano de pequenas picapes. Todavia, em vez de fabricarem os veículos por conta própria, elas terceirizaram para a Ford e a GM a montagem final. Por quê? Por causa do preço dos frangos na Alemanha. 1 Dez anos antes, uma guerra comercial havia eclodido entre os Estados Unidos e a Alemanha Ocidental envolvendo a venda de aves domésticas americanas no mercado alemão. Preocupada com a saúde de sua indústria interna, a Comunidade Econômica Européia, liderada pela Alemanha Ocidental e pela França, declarou que as aves domésticas eram uma importante indústria em crescimento e triplicou as tarifas incidentes sobre as aves americanas. As exportações de frangos dos EUA para a Europa caíram de mais de US$ 30 milhões para menos de US$ 600 mil. Como retaliação, os Estados Unidos aplicaram uma tarifa de 25% sobre "caminhonetas", visando a importação de vans e picapes da VW. As vendas de caminhonetas VW nos Estados Unidos despencaram em um terço no ano seguinte e tiveram um fim pouco depois. Quando os japoneses entraram no mercado americano dez anos depois, a "tarifa do frango" encontrou um novo alvo. Os japoneses perceberam que para evitar a tarifa teriam de fazer a montagem final de seus veículos nos Estados Unidos. O custo de construir montadoras era proibitivo, por isso eles encontraram parceiros americanos para ajudá-los. Até hoje, mais de 99% das caminhonetas nas estradas americanas são montadas nos Estados Unidos. Como as montadoras japonesas, muitas empresas descobrem que, por razão de custo, regulamentos ou outras coisas, precisam terceirizar atividades críticas. Os processos de TI e de negócios por ela habilitados são candidatos à terceirização, mas a importância do alicerce de execução da empresa recomenda cautela. A terceirização pode ser uma abordagem valiosa para ajudar a amadurecer a arquitetura, mas a empresa pode perder terreno se ela for aplicada indevidamente. Neste capítulo nós discutiremos como a arquitetura pode servir de guia para decisões sobre terceirização. 114

2 Use a Arquitetura Empresarial para Orientar a Terceirização 115 Três Tipos de Relacionamento de Terceirização As empresas terceirizam os processos de TI e de negócios por ela habilitados por uma séria de razões, incluindo a redução do custo, a capacidade variável, a mitigação de riscos, a reengenharia de projetos e a oportunidade de se concentrar em capacidades centrais. Em conformidade com outros estudos, nosso estudo de 80 esforços de terceirização descobriu que os executivos citam com mais freqüência a capacidade variável (quase 90% dos entrevistados) e as economias de custo (mais de 70%) como principais objetivos da terceirização (figura 7-1)2. Menos de um terço dos executivos cita objetivos relacionados mais especificamente com o suporte de iniciativas arquitetônicas, como a reengenharia de processos ou a disciplina dos processos de negócio. Para compreender as implicações arquitetônicas da terceirização, é útil reconhecer as diferenças entre três tipos de relacionamento de terceirização: (1) uma parceria estratégica, em que o terceiro assume a responsabilidade por um conjunto integrado de operações do cliente; (2) a aliança de co-sourcing, em que o cliente e o fornecedor compartilham a responsabilidade administrativa pelo sucesso do projeto; e (3) o relacionamento transacional, em que um terceiro executa para o cliente um processo repetível e bem definido de TI ou de negócios por ela habilitados. Esses três tipos de relacionamento de terceirização têm diferentes perfis de risco/ benefício (figura 7-2). Cada um tem também diferentes implicações para a arquitetura empresarial. Parcerias Estratégicas Em uma parceria estratégica, os fornecedores oferecem um conjunto integrado de serviços operacionais. Por exemplo, um único acordo de parceria estratégica pode incluir operações de mainframe, gestão de WAN e LAN, telefonia, hospedagem da Web e serviços de help desk. Similarmente, a terceirização de um setor com TI intensiva, como a administração de recursos humanos, pode incluir processos como recompensa e reconhecimento, aprendizado e desenvolvimento, documentação dos funcionários e serviços consultivos. 3 Ao integrar as ofertas de serviços, o fornecedor agrega valor além do valor dos serviços individuais. Como as parcerias estratégicas constroem um alicerce de execução As parcerias estratégicas devem permitir que as empresas se concentrem em capacidades centrais enquanto o terceiro se incumbe das grandes responsabilidades operacionais. 4 Elas proporcionam com freqüência economias de custo (ao menos

3 116 Arquitetura de TI como Estratégia Empresarial inicialmente) ao introduzirem processos mais disciplinados e proporcionarem uma capacidade variável para limitar a necessidade da empresa de construir capacidades excedentes. Os fornecedores lucram com parcerias estratégicas tirando proveito de economias de escala e do escopo, de sua perícia exclusiva e de práticas disciplinadas de administração. Apesar do potencial de benefício mútuo, esses acordos são arriscados. Em nosso estudo, apenas 50% das parcerias estratégicas foram vistas como bem-sucedidas pela empresa contratante.

4 Use a Arquitetura Empresarial para Orientar a Terceirização 117 Os indicadores são uma parte do problema. Ao passo que os fornecedores esperam obter uma margem no conjunto integrado de serviços, os clientes muitas vezes avaliam seus parceiros com base no preço e no desempenho de cada acordo de nível de serviço. Se as práticas administrativas do cliente forem malfeitas, o fornecedor pode introduzir eficiências, e ambas as partes podem ganhar com o relacionamento. Todavia, algumas das eficiências só se configuram se os clientes abrirem mão de atitudes arraigadas. Em parcerias de TI muitas empresas têm dificuldades com mudanças comportamentais que exigem a adesão a padrões tecnológicos ou a limitação do número de mudanças distintas nos sistemas ou nos cronogramas dos sistemas. Sem mudanças comportamentais,

5 118 Arquitetura de TI como Estratégia Empresarial pode não haver economias reais suficientes para que tanto o cliente como o fornecedor atinjam suas metas de lucratividade. As mudanças comportamentais necessárias para o sucesso na terceirização são também necessárias na construção de um alicerce de execução. Parcerias estratégicas que envolvem setores de TI ou setores intensivos em TI (como recursos humanos e contabilidade) ocupam peritos externos no processo de definir e implementar tecnologias e práticas administrativas padronizadas. Em empresas no estágio dos Silos de Negócios ou no princípio do estágio de Tecnologia Padronizada, as melhores práticas dos fornecedores levam inevitavelmente à consolidação de plataformas técnicas existentes e à redução da variedade de tecnologias em uso. Uma parceria estratégica impõe uma mentalidade de serviços compartilhados, exigindo que os líderes de negócios cheguem a um acordo quanto a quais serviços serão prestados centralmente e quais localmente. Claro, as empresas podem introduzir serviços compartilhados sem a assistência externa, mas precisam de perícia e de um compromisso com a melhoria contínua de seus setores administrativos. Uma parceria estratégica é particularmente valiosa no início do estágio 2 (a Tecnologia Padronizada), pois ajuda a levar a empresa a uma maior padronização. Em uma parceria efetiva, o cliente beneficia-se de operações de classe mundial sem precisar investir no desenvolvimento de habilidades desse tipo de classe. A Campbell Soup Co. proporciona um exemplo de como tais parcerias podem ajudar uma empresa a desenvolver seu alicerce de execução. Estudo de caso de parceria estratégica: Campbell Soup Co. A Campbell Soup Co., uma companhia de alimentos de US$ 7 bilhões, vende mais do que sopa. 5 Suas marcas nos Estados Unidos incluem a Pepperidge Farm, a Godiva, a V8, a Pace e a Prego, bem como a Campbell's. No ano fiscal de 2004, a Campbell tinha aproximadamente 24 mil funcionários em 22 países, e ganhou US$ 647 milhões (um aumento de 8,7% em relação ao ano fiscal de 2003). Na virada do século passado, a Campbell, assim como outras empresas na indústria de alimentos enlatados, vinha sofrendo pressões competitivas de muitos lados. Os clientes estavam de olho tanto no preço como na saúde. A considerável consolidação da indústria significou que a Campbell, uma firma de porte médio, concorria numa indústria dominada por gigantes como a Kraft, a Unilever e a Nestlé. Além disso, os parceiros da Campbell no agronegócio, corrente acima, e na revenda, corrente abaixo, estavam se consolidando e, como resultado, tornando-se cada vez mais poderosos em suas negociações com ela e com seus pares. Ao mesmo tempo, os revendedores vinham aumentando suas ofertas de alimentos com selo próprio.

6 Use a Arquitetura Empresarial para Orientar a Terceirização 119 Em 2002, o CEO Doug Conant comprometeu-se a levar a Campbell de um modelo operacional de Diversificação (baixa padronização e baixa integração) para um modelo de Unificação (alta padronização e alta integração). A transformação por ele planejada tinha imensas implicações para a TI, e ele incumbiu Doreen Wright, como vice-presidente sênior e como a primeira CEO corporativa da empresa, de enfrentar o desafio da TI. De acordo com Wright: Contemplar o setor de TI é como fazer com que a empresa se olhe no espelho: qualquer coisa que houver de errado com ela aparecerá no setor de TI. Claramente, a Campbell fora dirigida como um portfolio de negócios independentes - demasiado independentes. (... ) Éramos uma misturada de plataformas de computação e protocolos de rede diferentes, sem nenhuma [arquitetura] empresarial. Tínhamos todas as tecnologias concebíveis funcionando em alguma parte. [Éramos] uma confederação de grupos globais de TI, com pouca ou nenhuma governança e uma infra-estrutura de TI inflexível, que custava caro sustentar. Para transformar a empresa, a administração da Campbell seguiu uma estratégia que distinguia atividades comerciais centrais e não centrais. A Campbell administra as atividades centrais - vendas, marketing, P&D, execução de varejo, gestão de comércio e administração do ciclo de vida dos produtos - tendo em vista a diferenciação e crescimento. Em contraste, ela administra as atividades não centrais tendo em vista baixo custo. A terceirização é uma abordagem para administrar essas atividades não centrais. Wright diz: Como estamos tentando nos transformar, e não apenas do ponto de vista da tecnologia, mas, muito mais importante, do ponto de vista dos negócios, o que preciso, acima de tudo, é de capacidade administrativa. Preciso que meu pessoal seja capaz de introduzir o novo, de compreendê-lo e de mantê-lo. Tenho gente de negócios reivindicando a sincronização de dados e o planejamento colaborativo com nossos clientes, a introdução de novas capacidades de P&D, novas capacidades promocionais e coisas do tipo. A última coisa que eu quero que ocupe a cabeça de nossos líderes é o controle dos computadores em si. Preciso que todos se concentrem em introduzir o novo. Assim, eu terceirizo a infra-estrutura completamente. O controle da infra-estrutura é todo feito pela IBM. A manutenção das aplicações legadas é provavelmente terceirizada em 75%. Em quase todos os casos, eu contrato um terceiro como meu integrador. Isso não significa que não tenhamos um alto nível de envolvimento, mas eu tenho a perícia de um parceiro que sabe como integrar. Em consistência com sua estratégia de negócios, a unidade de TI da Campbell adotou um modelo organizacional "IS Lite".6 Em um modelo IS Lite, muitos serviços

7 120 Arquitetura de TI como Estratégia Empresarial tradicionais de TI (o desenvolvimento de aplicações, a manutenção e as operações dos computadores) são terceirizados. A governança técnica, a estratégia (ou seja, a arquitetura) e a infra-estrutura compartilhada são centralizadas em prol da coerência e do custo-eficiência. A gestão de relacionamentos, a análise dos processos de negócios e a oferta de soluções ficam no âmbito dos negócios, para garantir o alinhamento comercial e a rapidez na comercialização. Entre 2002 e 2004, a Campbelllevou sua arquitetura do estágio 1 (Silos de Negócios) para o fim do estágio 2 (Tecnologia Padronizada). Com a ajuda da IBM, sua parceira estratégica, ela alcançou praticamente 100% de partilha global no que diz respeito a padrões, redes e . Exceto no caso de algumas estruturas internacionais, a empresa utiliza sistemas operacionais, plataformas e middleware comuns. Essa padronização reduziu os custos unitários da TI; melhorou a qualidade, a confiabilidade e a segurança dos serviços de TI; aprimorou o alinhamento e o relacionamento da TI com os negócios; e fortaleceu as relações com os fornecedores. De 2002 a 2004, a TI alcançou economias de US$ 5 milhões em um único golpe e de US$ 8 milhões anualmente. A CIO Wright atribui mais da metade das economias anuais a vários ajustes nos arranjos de sourcing da Campbell, incluindo os melhores níveis de atendimento sem nenhum custo adicional e várias atualizações, migrações e substituições que reduziram despesas. Apesar das economias, Wright acredita que o real valor da terceirização está em outra coisa: "Há coisas que você faz como empresa que são críticas. Não há como dirigir a empresa sem elas, mas elas não devem diferenciá-lo. Devem ser o mais padronizadas possível. E se você encontrar alguém capaz de fazê-las igualmente bem ou melhor com um custo igualou inferior, por que não? O que você ganha com isso é a capacidade da administração de se concentrar em coisas essenciais que diferenciam sua empresa. A Campbell está levando sua arquitetura agora para o estágio 3 (o Núcleo Otimizado). Para efetuar essa transição, ela contratou a IBM para dirigir a implementação de seu sistema de ERP. Tendo uma infra-estrutura segura e confiável como base, os gerentes da Campbell assumirão a responsabilidade pelo design de processos de negócios e pela alteração de comportamentos organizacionais. Os gerentes de projeto da IBM comandarão o lado técnico da implementação. Para que esse arranjo funcione, ambas as partes firmaram um compromisso de longo prazo para melhorar as capacidades de TI da Campbell. Diz Wright: Veja, se eu estivesse prestando meus próprios serviços de central de dados, cometeria deslizes de quando em quando. Tomaria decisões ruins. Isso não é diferente quando se tem um terceiro. O importante é que ambos os lados tenham benefícios, que confiem um no outro e que cada um tanto dê como receba. Uma boa parte de nosso pessoal da IBM, inclusive o gerente, fica conosco em Camden [NovaJersey].

8 Use a Arquitetura Empresarial para Orientar a Terceirização 121 o gerente reporta-se ao CTO da Campbell e comparece a todas as reuniões de pessoal. Eles obviamente assinaram acordos de sigilo. Têm acesso a nossos negócios e a nossos planos estratégicos de TI, e o parceiro sênior na IBM tem um forte relacionamento com muitos de nossos líderes de negócios, inclusive comigo. Eles têm um grande interesse investido nesta empresa. Desejam que vençamos assim como nós desejamos vencer, e existe um nível muito, muito alto de confiança. Uma parceria estratégica efetiva envolve a constante negociação de mudanças inevitáveis em negócios e tecnologia. Os clientes precisam que os fornecedores adaptem suas ofertas e processos a condições de negócios mutantes; os fornecedores precisam que os clientes ajustem seu comportamento para possibilitar inovações processuais e mudanças de serviço apropriadas. As parcerias bem-sucedidas, como a da Campbell e da IBM, aplicam muitas vezes o princípio do provedor preferencial, que significa que o parceiro estratégico é favorecido (embora nem sempre escolhido) quando novas atividades precisam ser terceirizadas. Isso reduz os custos de compras para o cliente e os custos de vendas para o fornecedor - e estimula ambos os parceiros a se concentrar no valor estratégico, e não na redução dos custos, do arranjo de terceirização. Como mostra o caso da Campbell, uma parceria estratégica pode continuar a colher benefícios para além do estágio 2, com os gerentes na empresa cliente concentrando-se em lidar com novas oportunidades estratégicas, e não com operações correntes. Mas um relacionamento no estágio 3 pode se beneficiar ainda mais de uma aliança de co-sourcing. Alianças de Co-Sourcing Em uma aliança estratégica, as responsabilidades são atribuídas claramente a um dos parceiros. O cliente e o fornecedor definem fronteiras que distinguem as responsabilidades de cada um. Em alianças de co-sourcing, clientes e fornecedores compartilham responsabilidades, usualmente em um ambiente concentrado nos projetos. Os membros das equipes, tanto do cliente como do fornecedor, convergem e formam uma equipe para cumprir objetivos de negócios. O co-sourcing é um modelo em crescimento para desenvolver novos sistemas e processos que exijam perícia tanto comercial como tecnológica. Por exemplo, uma grande companhia de serviços financeiros contratou uma empresa estrangeira para administrar grande parte de seu desenvolvimento. O fornecedor instalou profissionais de gestão de projetos na empresa cliente, para que as equipes contivessem tanto pessoal do cliente como pessoal local e externo do fornecedor. Como é típico nas alianças de co-sourcing, esse relacionamento aproveita tanto o profundo conhecimento comercial do cliente como as habilidades especializadas do fornecedor em tecnologia e gestão de projetos. 7

9 122 Arquitetura de TI como Estratégia Empresarial Como as alianças de co-sourcing criam um alicerce de execução O interesse do cliente no co-sourcing decorre do desejo de ter acesso à perícia técnica e de gestão de projetos sempre que necessário. Além disso, os clientes vêem oportunidades de economia de custo em suas alianças. Os fornecedores atendem a essa demanda desenvolvendo perícia industrial, técnica e em gestão de projetos para, então, utilizar essa perícia em vários projetos de vários clientes. Eles satisfazem a demanda dos clientes por economias de custo acrescentando recursos estrangeiros a seu acervo de talentos. Uma aliança de co-sourcing permite que a firma cliente conte com um conjunto central de membros da equipe de projetos - alguns internos, outros externos. Em resposta a mudanças na carga de projetos, os clientes contam com os fornecedores para proporcionar recursos suplementares. Os fornecedores instalam proteções contra variações extremas e inesperadas, mas normalmente conseguem transferir talentos entre os clientes. Alianças de co-sourcing não são tão arriscadas como parcerias estratégicas. Em nosso estudo, 63% dos clientes sentiram que sua aliança era bem-sucedida e 75% que o fornecedor estava ganhando dinheiro com o relacionamento (figura 7-2). Os riscos do co-sourcing podem ser administrados por meio da negociação de responsabilidades. Como no caso das parcerias estratégicas, contudo, os indicadores podem ser um desafio. Em uma aliança eficaz, tanto o fornecedor como o cliente integram as equipes de projeto. Embora o líder do projeto - freqüentemente oriundo do fornecedor - seja, em última instância, responsável pelo resultado, é a equipe que produz (ou não produz). Com isso, em uma aliança de co-sourcing é difícil isolar a contribuição do terceiro da contribuição dos funcionários do cliente. A Dow Chemical, que mobiliza equipes de projeto com, em média, quatro funcionários dos fornecedores, tem um conjunto de indicadores para avaliar a produtividade das equipes em fatores como os pontos de função. Mas em última análise, observa o CIO, a medida do sucesso do arranjo de terceirização é o resultado do projeto. Ele considera essa aliança um sucesso, porque as equipes proporcionam consistentemente alta funcionalidade dentro do prazo e do orçamento. O co-sourcing mostra-se particularmente valioso em empresas no terceiro estágio da maturidade arquitetônica (o Núcleo Otimizado). As empresas que tentam integrar seus dados e padronizar seus processos têm freqüentemente de remover sistemas legados e substituí-los por outros novos, com os quais têm pouca experiência (como sistemas de ERP, serviços da Web, sistemas de gestão do relacionamento com o cliente e programas de integração das aplicações empresariais). Em vez de desenvolver perícia interna nessas novas tecnologias, as empresas podem contar com terceiros experientes. 8 Os fornecedores podem ajudar a implementá-las, mantê-las, atualizá-las e, quando necessário, vinculá-las a outras tecnologias. Também podem ajudar nos esforços de reengenharia de processos. Com esse tipo de ajuda do fornecedor, o cliente pode

10 Use a Arquitetura Empresarial para Orientar a Terceirização 123 concentrar a atenção administrativa nas mudanças organizacionais necessárias para implementar ambientes mais padronizados e integrados. Alianças de co-sourcing podem assumir uma variedade de formas. A Liverpool Direct Ltd. (LDL) é uma aliança de co-sourcing estabelecida como joint venture entre o Conselho da Cidade de Liverpool e a BT. O caso exemplifica como uma aliança de co-sourcing permitiu que uma organização (neste caso um governo local) obtivesse processos melhores, custos mais baixos e maturidade arquitetônica. Estudo de caso de uma aliança de co-sourcing: A Liverpool Direct Ltd. Liverpool, a sexta maior cidade do Reino Unido, é famosa como lar dos Beatles e pelo Liverpool Footbal1 Club. 9 Outrora um dominante centro comercial, Liverpool enfrentou tempos difíceis durante a segunda metade do século XX. A indústria de transporte fluvial, em que ela tivera suas raízes, estava em declínio. A população da cidade, de 468 mil, estava caindo. A emigração de jovens habilidosos resultou em uma alta proporção de pessoas dependentes. Em 1998,33% da população estava desempregada, aposentada ou incapacitada para o trabalho. David Henshaw, que se tornou executivo chefe do Conselho da Cidade de Liverpool (LCC) em outubro de 1999, herdou uma organização em colapso. De 426 autoridades locais, o LCC era a antepenúltima em termos de qualidade dos serviços, e tinha os mais altos impostos locais do Reino Unido. A prestação de serviços sociais como habitação, saúde, apoio à educação e benefícios financeiros era lenta, propensa a erros e ineficiente. Henshaw foi incumbido de atingir a meta do conselho municipal de "fazer de Liverpool uma das principais cidades européias uma vez mais". Ele queria reengenhar os serviços do conselho com base nas necessidades de seus clientes, reduzindo a burocracia e concentrando-se na prestação de serviços de linha de frente. A TI era uma parte integral dessa visão de melhorar serviços, qualidade e custos. Em 2001, para oferecer novos processos e dar apoio à tecnologia de base, o LCC formou sua joint venture com a BT. A LDL assumiu a responsabilidade por cinco serviços, em co-sourcing com o LCC: (1) receita e benefícios, (2) RH, (3) folha de pagamento, (4) tecnologia da informação e (5) centrais de atendimento. A LDL era administrada por meio de um conselho de joint venture composto pelo CEO, quatro diretores da BT e dois representantes do LCC. Os funcionários (30 da BT e 880 do LCC) que integraram a LDL se reportavam à administração desta última, mas, em parte para satisfazer a requisitos sindicais, continuaram sendo empregados de suas respectivas empresas, com os salários e benefícios existentes. Segundo o acordo entre a joint venture e os acionistas, o LCC pagaria à joint venture 30 milhões de libras por ano durante os dez anos seguintes do contrato.

11 124 Arquitetura de TI como Estratégia Empresarial Esse pagamento anual representava a estimativa do LCC de quanto custaria ao conselho administrar os cinco serviços prestados em co-sourcing com a LDL. O pagamento anual de 30 milhões de libras cobria os salários dos funcionários do LCC e os juros de um arrendamento operacional, um arranjo financeiro que permitia à BT distribuir o investimento previsto em TI ao longo da duração do contrato. A BT tem direito ao saldo do pagamento anual, para cobrir seus próprios custos e gerar lucros. A primeira jogada da LDL foi racionalizar e padronizar a infra-estrutura de TI. Padrões de hardware foram definidos para todos os novos PCs e periféricos. O pessoal começou a consolidar os 500 bancos de dados diferentes do conselho em um banco único. Os padrões de software asseguraram a compatibilidade entre os serviços e facilitaram a transferência de informações. Mais importante, a LDL melhorou a prestação de serviços municipais aos habitantes. No departamento de receita e benefício, ela reengenhou os processos comerciais e introduziu um sistema de administração de documentos. Essas mudanças reduziram o backlog do departamento de 60 mil para 4 mil requisições - redução correspondente a um ano de trabalho. A coleta da receita também melhorou, resultando em um ganho estimativo de 1,5 milhão de libras de devedores de alta renda que tinham litígios com o conselho. A LDL implementou um novo sistema de gestão do relacionamento com o cliente, para redirecionar para a central de atendimento a maioria das consultas dos habitantes. Em junho de 2002, a central abordou e solucionou 90% das consultas já no primeiro ponto de contato. As ligações abandonadas caíram de 25% para 12%. Paralelamente, o serviço cresceu de 80 terminais, atendendo a 40 mil chamadas por mês durante o horário comercial, para uma operação 24/7, com 225 terminais atendendo a 160 mil chamadas. A LDL também implementou um sistema de ERP para substituir os antigos processos em papel do RH e da folha de pagamento. O novo sistema permitiu a autoadministração das transações mediante uma intranet e reduziu o número dos funcionários em 50%. Os benefícios dessa parceria foram óbvios para o conselho. O número dos funcionários do conselho foi reduzido de para , enquanto a qualidade dos serviços melhorou notavelmente; 75% dos principais indicadores de desempenho do conselho subiram do fundo do poço para o quartil superior de desempenho do governo local. Além disso, o LCC pôde anunciar uma redução de 3% nos impostos do conselho. A melhoria do moral resultou em uma redução de 6 dias no nível de absenteísmo anual, de 16 dias para a média nacional de 10 dias por pessoa. O conselho espera que esses benefícios cresçam com o tempo. Embora a maioria das alianças de co-sourcing não tenha um arranjo formal de joint venture, todas essas alianças dependem dos esforços de equipes que combinam fornecedor e cliente. O co-sourcing pode ajudar as empresas a padronizar tecnologias no segundo estágio da maturidade econômica (como no caso do Conselho da Cidade de Liverpool), mas as alianças de co-sourcing são especialmente valiosas para ajudar

12 Use a Arquitetura Empresarial para Orientar a Terceirização 125 empresas do estágio 3 (Núcleo Otimizado). É neste estágio que o fornecedor pode oferecer perícia em TI, design de processos comerciais e apoio à gestão de projetos para auxiliar na transição para processos de negócios mais integrados e padronizados. Todavia, conforme as empresas transitam para o quarto estágio (Modularidade dos Negócios) e passam a contar com um número maior de processos externos para seus ambientes de plug-and-play, o co-sourcing pode ceder a vez a relacionamentos mais transacionais. Relacionamentos transacionais Os relacionamentos transacionais - chamados por vezes de out-tasking - terceirizam serviços específicos, como o processamento de contas a pagar, o relatório de despesas, a provisão de computadores de mesa, o hackup e a recuperação de desastres. A exemplo das parcerias estratégicas, os relacionamentos transacionais atribuem aos fornecedores clara responsabilidade pela execução dos processos terceirizados, mas constituem relações distanciadas e de definição muito mais estrita. Os relacionamentos transacionais terceirizam não apenas os processos de negócios e o suporte de TI, mas também a propriedade do software e o design dos processos. Eles são apropriados para atividades regidas por regras comerciais claras e de vigência geral em várias organizações. Benefícios e riscos dos relacionamentos transacionais Estatisticamente, os relacionamentos transacionais apresentam uma satisfação consideravelmente maior do que os outros tipos de relacionamento. Os entrevistados de nosso estudo consideraram a terceirização da transação um sucesso tanto para o cliente como para o fornecedor em 90% dos casos. Os clientes têm três objetivos principais em seus relacionamentos transacionais: o acesso a melhores práticas, a capacidade variável e a habilidade de redirecionar a atenção da administração para capacidades centrais. Os fornecedores atendem a essas necessidades desenvolvendo melhores práticas, implementando e dando suporte a plataformas padronizadas e implementando economias de escala. Quando factível, os fornecedores também desenvolvem ativos ou perícia exclusivos. Essas capacidades permitem a eles melhorar os serviços e reduzir os custos. Por exemplo, a efunds Corp., que presta toda uma gama de serviços de terceirização a instituições financeiras, companhias de telecomunicações e organizações de varejo, construiu um grande banco de dados de informações de crédito, que constitui a chave de seu processo de verificação de crédito. Esse ativo distintivo - que os clientes não podem ou não desejam replicar - ajuda a proteger as margens do fornecedor e, ao mesmo tempo, presta um valioso serviço aos clientes.

13 126 Arquitetura de TI como Estratégia Empresarial Relacionamentos transacionais bem-sucedidos têm baixos custos administrativos indiretos. Customizações, negociações prolongadas de contratos ou interferências do cliente no modo como o fornecedor executa o processo aumentam os custos e reduzem os benefícios para ambas as partes. Por outro lado, um relacionamento transacional desimpedido pode proporcionar serviços descomplicados e de alta qualidade aos clientes e margens razoáveis aos fornecedores. Desde que o processo seja isolável de outras atividades, as empresas podem implementar relacionamentos de terceirização transacional em qualquer estágio arquitetônico. Por exemplo, processos como a configuração pessoal de computadores, arranjos de viagens comerciais e processamento de benefícios aos empregados são bons candidatos à terceirização nos primeiros estágios da maturidade arquitetônica. A terceirização transacional não pode se tornar estrategicamente importante nem ser amplamente adotada antes do estágio de Modularidade dos Negócios. É nesse estágio que as empresas já desenvolveram perícia suficiente nos processos comerciais para poderem extrair e terceirizar aquelas atividades a que podem e devem aplicar padrões da indústria, ao mesmo tempo que preservam aquelas que são necessariamente únicas. De resto, a adoção prematura da terceirização transacional envolve a criação de novas interfaces para conectar-se a cada fornecedor, ao passo que empresas com arquiteturas maduras adotarão interfaces cada vez mais padronizadas e de pouca manutenção para seus dados e sistemas. Uma arquitetura mais madura também permitirá o acesso seguro a dados; de outro modo, os riscos se multiplicarão conforme o número de interfaces crescer. A terceirização transacional, conforme aplicada no estágio 4, permite que uma empresa conecte processos externos a um sólido alicerce de execução. A Dow Chemical é um exemplo de empresa que vem projetando seu alicerce de execução para implementar rapidamente relacionamentos de terceirização transacional. Estudo de caso de relacionamentos transacionais: A Dow Chemical No capítulo 2, nós discutimos o modelo operacional altamente integrado e padronizado da Dow Chemica1. 10 Esse modelo operacional proporciona à empresa processos de negócios globais altamente confiáveis e eficientes em custo. A Dow construiu esse alicerce de execução com uma ajuda extensiva dos fornecedores. Uma aliança de co-sourcing com a Accenture tem suplementado, desde 1996, as capacidades da própria Dow no desenvolvimento e suporte de aplicações. Desde 2000, a Dow vem se valendo de uma parceria estratégica para administrar suas operações computadorizadas. A administração atribui à IBM o crédito por haver gerado benefícios de custo mediante economias de escala e proporcionado à Dow as vantagens de uma gestão infra-estrutural de classe mundial sem a necessidade de desenvolver internamente uma capacidade que não se mostraria nem rara nem distintiva.

14 Use a Arquitetura Empresarial para Orientar a Terceirização 127 O alicerce de execução da Dow tem sido menos valioso, entretanto, no sustento do desenvolvimento. A administração da Dow espera que grande parte do futuro crescimento da empresa advenha dejoint ventures (JVs). O presidente e CEO Andrew Liveris enumera os benefícios das joint ventures como "a menor intensidade de capital; o acesso à perícia e a vantajosos insumos regionais; a capacidade de tirar proveito de nossa tecnologia e know-how; e a penetração acelerada em mercados de alto crescimento".u Em 2004, as cerca de 100 JVs da Dow responderam por 25% dos ganhos da empresa. Mas as JVs não têm como utilizar um ambiente de processos de negócios e TI tão padronizado e integrado. A Dow precisa de módulos que possam ser montados na medida do necessário e que protejam ao mesmo tempo as fronteiras entre ela própria e a Jv. Frank Luijckx, diretor sênior de arquitetura e estratégia para sistemas de informação, explica: A arquitetura de TI de hoje [na Dow], que é uma arquitetura monolítica, é por vezes designada como "o castelo". Dentro do castelo, tudo está muito bem. Ele é bastante seguro, as pessoas trabalham bem juntas, há fartura de alimento e estamos gerando muito valor. Mas se houver alguém com quem desejemos trabalhar, precisamos trazê-lo para dentro do castelo, certo? Isso porque a defesa perimetral fica fora dele. Não me refiro apenas à segurança - trata-se dos relatórios, trata-se de tudo. E dentro do castelo não temos nenhuma sala com portas. Por isso, se nós acolhermos umajoint venture com a qual queiramos trabalhar intimamente, precisaremos trazê-la para dentro e confiar nela. E isso não pode ser feito. É uma mera questão de tempo até que você acolha alguém e a coisa não dê certo, ou até que um outro alguém diga: "Sim, sei que você confia neles, mas nós não, e não achamos que esse seja um bom relacionamento".12 Para apoiar suas JVs e avançar rumo a um ambiente mais modular, a Dow está gradualmente implementando um conceito que chama de "Modelo do Corretor Federativo" (MCF). Dentro desse modelo, a Dow adquire serviços dos fornecedores, que oferecem processos comerciais comuns a partir de seus próprios sistemas. Por exemplo, a Dow vem planejando a aquisição de serviços de ERP, em vez de manter sistemas de ERP Esses serviços proporcionarão a integração entre empresas, em vez de apenas dentro delas, permitindo à empresa integrar seletivamente processos com suas JVs e outros parceiros e clientes. Como explica Michael J. Costa, diretor corporativo de six sigma e de perícia em processos do trabalho na Dow: ''A visão do Modelo do Corretor Federativo é que transfiramos o fluxo de trabalho para a área de BSP [provedor de serviços comerciais], ASP [provisão de serviços a aplicações] e BPO [terceirização de processos de negócios] que vem emergindo. Você passa a ter um ambiente de apreçamento muito mais competitivo, pois agora não são apenas as SAPs e as PeopleSofts e as Oracles que controlam o modo como as empresas funcionam. Trata-se antes de uma batalha entre provedores em plataformas abertas".

15 128 Arquitetura de TI como Estratégia Empresarial No estado ideal da visão do MCF, a Dow preservará sua valiosa integração horizontal e vertical, mas já não comprará, construirá nem controlará aplicações. Tampouco ela adquirirá componentes individuais de provedores individuais - um cenário que envolve significantes custos administrativos indiretos. Em vez disso, os gerentes da Dow cogitam adquirir a funcionalidade das aplicações a partir de uma aliança estratégica que combinará hardware, redes, computadores, software e capacidade processual (combinações de provedores ASP e BPO) em um modelo de serviços integrados, conferindo à Dow - e a qualquer outra empresa - um único ponto de contato em todo o conjunto. Essa aliança, e não a Dow, escolherá a tecnologia e fará os investimentos em TI. Quando necessário, a Dow pagará por funcionalidades que habilitem processos. A administração da Dow reconhece que os fornecedores ainda não são capazes de atender aos requisitos do MCF. De acordo com Dave Kepler, CIO e vice-presidente corporativo de serviços compartilhados da Dow: Uma das realidades é reconhecer o mercado e aquilo que se pode aproveitar, e determinar que coisas você realmente precisará projetar sozinho e utilizar. Temos de ser muito práticos quanto ao fato de que os provedores de serviços terão um grau considerável de volatilidade. Por isso, o Modelo do Corretor Federativo é menos um estado final do que o reconhecimento de que - rapaz! - nós não temos como desenvolver todo o software e vamos tentar aproveitar aqueles serviços variáveis de que necessitamos. Isso significa que precisaremos de um monte de interfaces e teremos de ser muito flexíveis no que estamos tentando fazer. Enquanto espera que esse mercado emerja, a Dow já implementou algumas capacidades que refletem a promessa do Modelo do Corretor Federativo, incluindo a terceirização dos relatórios de despesas para o Bank of America, a terceirização das opções de ações e do 401(k) para a Fidelity e a Smith Barney e a terceirização de funções, como a folha de pagamentos e elementos da logística de transporte. Os gerentes da Dow acreditam que o Modelo do Corretor Federativo ganhará adeptos no mesmo ritmo em que os fornecedores conseguirem produzir módulos processuais úteis e acessíveis. A Dow vem passando do estágio 3 (Núcleo Otimizado) para o estágio 4 (Modularidade dos Negócios), e a terceirização é uma grande parte dessa transformação. Poucas empresas estão prontas para embarcar em relacionamentos de processamento transacional na escala que a Dow Chemical vem atualmente buscando. A perícia da Dow em administrar a integração e padronização de processos globais - seu desenvolvimento de um alicerce de execução de estágio 3 - a deixou preparada para aproveitar serviços de processo comercial conforme eles vão surgindo no mercado. Outras empresas terceirizarão o pequeno conjunto de processos que se podem extrair facilmente do núcleo de negócios (como benefícios trabalhistas e serviços de viagem), conforme amadurecerem sua arquitetura e construírem seus alicerces de execução.

16 Use a Arquitetura Empresarial para Orientar a Terceirização 129 Alinhando as Relações de Terceirização com os Estágios Arquitetônicos A Dow Chemical demonstra que uma empresa pode tornar-se competente nos três tipos de relações de terceirização. Mas é importante ajustar os objetivos e serviços terceirizados ao tipo apropriado de relação. Clientes e fornecedores em parcerias estratégicas que se recusam a se adaptar às necessidades estratégicas de seus parceiros se enredarão em amargas batalhas contratuais. Empresas que administram relacionamentos transacionais como se fossem parcerias estratégicas incorrem em altos e desnecessários custos indiretos. E o co-sourcing que não for tratado como um ambiente de equipe certamente trará resultados abaixo do ideal. A habilidade da empresa de capitalizar sobre os benefícios potenciais da terceirização de um alicerce de execução depende, ao menos em parte, da consciência de como a terceirização contribuirá para a arquitetura empresarial ou fará uso dela. Cada um dos três tipos de relação de terceirização pode ajudar as empresas a construir seu alicerce de execução. Mas cada um contribui para a maturidade arquitetônica de uma forma diferente. A figura 7-3 identifica como a terceirização contribui para a maturidade estratégica.

17 130 Arquitetura de TI como Estratégia Empresarial A Terceirização pela Maturidade Arquitetônica Embora a terceirização possa facilitar o amadurecimento de uma arquitetura empresarial, ela não pode transformar radicalmente a empresa conforme a arquitetura amadurece. Os desafios técnicos da arquitetura podem ser transferidos, pelo menos em parte, para um fornecedor. Mas esses desafios técnicos darão lugar a desafios de gestão de relacionamentos. E os desafios da mudança organizacional de forma alguma diminuem. A moral é esta: você pode terceirizar para dar suporte à construção de seu alicerce de execução, mas não deve terceirizar sua arquitetura. As práticas administrativas listadas no capítulo 5 permanecem como responsabilidade de toda empresa que procura desenvolver sua arquitetura. Observamos no início do capítulo que empresas modulares, do tipo plug-and-play, tendem a se tornar a norma. Entretanto, esse modelo está apenas começando a emergir e, com isso, não será ainda por um bom tempo a norma na maioria das indústrias. Essa é uma boa notícia, pois significa que as empresas terão tempo para aprender a mudar, a avançar incrementalmente pelos estágios arquitetônicos e a implementar a terceirização conforme os fornecedores disponibilizarem serviços apropriados.

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? EM ASSOCIAÇÃO COM Empresas com funcionários envolvidos superam

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI UM RESUMO EXECUTIVO Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI Ao longo da última década, a TI da EMC tem passado por uma transformação para se tornar uma parceira estrategicamente

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Terceirização de RH e o líder financeiro SUMÁRIO EXECUTIVO. Você e o RH estão falando a mesma língua? EM ASSOCIAÇÃO COM

Terceirização de RH e o líder financeiro SUMÁRIO EXECUTIVO. Você e o RH estão falando a mesma língua? EM ASSOCIAÇÃO COM SUMÁRIO EXECUTIVO Você e o RH estão falando a mesma língua? EM ASSOCIAÇÃO COM Os serviços de terceirização de RH economizam tempo e dinheiro para as empresas. Investimentos em engajamento dos funcionários

Leia mais

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI?

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? SUMÁRIO EXECUTIVO Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? EM ASSOCIAÇÃO COM A TERCEIRIZAÇÃO DE RH LIBERA AS EQUIPES DE TI Nove em cada 10 CIOs se preocupam em reter os melhores

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 10 Fato Real A batalha pelos dados Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI Referência Conhecimento em TI : O que executivos precisam saber para conduzirem com sucesso TI em suas empresas. Peter Weill & Jeanne W. Ross Tradução M.Books, 2010. 2 O

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Insight completo sobre IDG/Oracle Relatório de pesquisa de SOA Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Alinhamento

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

ArcelorMittal Brasil: Preparando o cenário para Transformação de Negócios com uma Força de Vendas Integrada

ArcelorMittal Brasil: Preparando o cenário para Transformação de Negócios com uma Força de Vendas Integrada SAP Business Transformation Study Produtos de Usina ArcelorMittal Brasil ArcelorMittal Brasil: Preparando o cenário para Transformação de Negócios com uma Força de Vendas Integrada A ArcelorMittal Brasil

Leia mais

Faça mais com menos. Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix

Faça mais com menos. Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix Faça mais com menos Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix Índice 2 Descomplicado Concentre seus recursos no crescimento, e não na administração. 1 Ágil Amplie seus negócios

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL 2011 Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL ÍNDICE Evolução de TI... 4 Metodologia... 6 Foco... 8 Conclusão 1: As diferenças entre expectativas e realidade revelam a evolução

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager

FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager CUSTOMER SUCCESS STORY Julho 2013 FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager PERFIL DO CLIENTE Indústria: Bebidas Companhia: FEMSA Funcionários: +177

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro.

Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro. Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro. www.accenture.com.br/carreiras www.facebook.com/accenturecarreiras www.twitter.com/accenture_vagas Quem somos A Accenture é uma

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma?

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma? Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: Agenda para gestão da Informação Página Conteúdo 2 Introdução 3 A necessidade de informações confiáveis 5 Uma nova abordagem a agenda para gestão

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios

Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios IBM Global Technology Services White Paper Novembro de 2010 Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios Ajudando os negócios a permanecerem competitivos 2 Serviços IBM de Resiliência e Continuidade

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

NOVAS HABILIDADES PARA O DEPARTAMENTO DE TI ORIENTADO A SERVIÇOS

NOVAS HABILIDADES PARA O DEPARTAMENTO DE TI ORIENTADO A SERVIÇOS NOVAS HABILIDADES PARA O DEPARTAMENTO DE TI ORIENTADO A SERVIÇOS Ser o líder de TI de uma empresa pode ser uma situação bem parecida com estar em uma plataforma de petróleo em chamas. O departamento de

Leia mais

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas?

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? RESUMO DA SOLUÇÃO Pacote CA Clarity PPM on Demand Essentials for 50 Users qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? agility made possible Agora a CA Technologies oferece

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Um futuro híbrido: A combinação transformadora entre consumo e prestação de serviços de TI. Sponsored by

Um futuro híbrido: A combinação transformadora entre consumo e prestação de serviços de TI. Sponsored by Um futuro híbrido: A combinação transformadora entre consumo e prestação de serviços de TI Sponsored by Um futuro híbrido: a combinação transformadora entre consumo e prestação de serviços de TI Uma nova

Leia mais

Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final

Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final Para muitas organizações, a rápida proliferação das tecnologias para o usuário final tem demonstrado uma ambigüidade em seus

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 1 OBJETIVOS 1. Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação? Quais modelos deveríamos usar para

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

.Desenvolvimento de Sistemas

.Desenvolvimento de Sistemas .Quem Somos A BS é uma empresa brasileira e referência em soluções inovadoras, flexíveis e customizadas em tecnologia da informação, consultoria e outsourcing. A BS oferece soluções inteligentes proporcionando

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem White paper Para provedores de nuvem Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem Introdução: os novos desafios dos clientes estimulam a adoção da nuvem Em um ambiente de negócios dinâmico,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Modelo de caso de negócios para um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI) com base nas normas da série ISO 27000 / IEC (ISO27k)

Modelo de caso de negócios para um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI) com base nas normas da série ISO 27000 / IEC (ISO27k) Modelo de caso de negócios para um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI) com base nas normas da série ISO 27000 / IEC (ISO27k) por Gary Hinson - Versão 2, 2012 Resumo executivo Benefícios

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

Sourcing de TI. Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Sourcing de TI. Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Sourcing de TI Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? 2010 Bridge Consulting Apresentação Apesar de ser um movimento de grandes dimensões,

Leia mais

Dê uma força à sua inovação: coloque a EIS Suite no centro do seu negócio

Dê uma força à sua inovação: coloque a EIS Suite no centro do seu negócio VISÃO GERAL DA SOLUÇÃO: BENS E DANOS Dê uma força à sua inovação: coloque a EIS Suite no centro do seu negócio Esse é um fato inquestionável as seguradoras de bens e danos devem concentrar toda a sua capacidade

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas APROVEITE AS TECNOLOGIAS DE HOJE PARA MAXIMIZAR A ADOÇÃO POR PARTE DOS USUÁRIOS Para os profissionais de venda, o tempo nunca havia

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

Uma Oportunidade Única de Negócio

Uma Oportunidade Única de Negócio Uma Oportunidade Única de Negócio no Setor de Ensino de Língua Ingles Por ser um empresário bem-sucedido, você certamente está em busca de novas oportunidades de ampliar seu negócio atual e maximizar o

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios fornecendo valor com inovações de serviços de negócios A TI é grande. Tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual?

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? RESUMO DO PARCEIRO: CA VIRTUAL FOUNDATION SUITE Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? O CA Virtual Foundation Suite permite

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

MIZUNO, TOPPER, RAINHA, HAVAIANAS, TIMBERLAND, DUPÉ E SETE LÉGUAS.

MIZUNO, TOPPER, RAINHA, HAVAIANAS, TIMBERLAND, DUPÉ E SETE LÉGUAS. SOBRE A ALPARGATAS Quem nunca usou um Bamba? Ou uma calça US Top, um tênis Rainha, uma sandália Havaianas, ou jogou com uma bola Topper? A Alpargatas e suas marcas estiveram e estarão sempre presentes

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

NCR CONNECTIONS. CxBanking

NCR CONNECTIONS. CxBanking CxBanking NCR CONNECTIONS Nossa soluc a o multicanal permite aos bancos implementar rapidamente servic os empresariais personalizados em canais fi sicos e digitais. Um guia de soluções da NCR Visão geral

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

13 erros comuns de ERP e como evitá-los

13 erros comuns de ERP e como evitá-los 13 erros comuns de ERP e como evitá-los A intenção é ajudá-lo a garantir que a sua implementação de ERP seja um sucesso, ou que você, ao menos, possa minimizar os problemas potenciais. Jennifer Lonoff

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA Capítulo 13 COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 13.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação?

Leia mais

Cada empresa é uma empresa de informação. Não

Cada empresa é uma empresa de informação. Não Gestão da Informação Corporativa OpenText Desligue o seu celular e o seu computador. Desligue os seus servidores. E agora você consegue fazer negócios? Cada empresa é uma empresa de informação. Não importa

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais