FATORES DETERMINANTES NAS DECISÕES DE TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS CONTÁBEIS DAS EMPRESAS DA CIDADE DE PALOTINA-PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FATORES DETERMINANTES NAS DECISÕES DE TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS CONTÁBEIS DAS EMPRESAS DA CIDADE DE PALOTINA-PR"

Transcrição

1 FATORES DETERMINANTES NAS DECISÕES DE TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS CONTÁBEIS DAS EMPRESAS DA CIDADE DE PALOTINA-PR Área: Ciências Contábeis Caren Daniele Ricini Universidade Estadual do Oeste do Paraná Campus de Marechal Cândido Rondon Rua Guimarães Rosa, 57 Bairro Jd Santa Mônica CEP Palotina PR. Aládio Zanchet Universidade Estadual do Oeste do Paraná Campus de Marechal Cândido Rondon Av Irio Jacob Welp, 1040 Lot. Gauer CEP Mal. Cândido Rondon PR. Resumo O objetivo deste trabalho é identificar e analisar os fatores determinantes nas decisões de terceirizar ou não os serviços contábeis e o nível de satisfação dos gestores das empresas da cidade de Palotina-Pr., quanto aos serviços contábeis contratados. A coleta de dados foi realizada através de aplicação de questionário e entrevista semi-estruturada em uma amostra composta por vinte empresas localizadas na cidade de Palotina, estado do Paraná, selecionadas através de amostragem Por Acessibilidade ou Conveniência, sendo um grupo de dez empresas que terceirizam os serviços contábeis (Grupo 1) e outro grupo de dez empresas que não terceirizam esses serviços (Grupo 2). Os dados foram analisados através de análise descritiva. Os resultados indicam que os principais fatores que influenciam as decisões de terceirização ou não dos serviços contábeis são: tamanho da empresa, conhecimento dos gestores sobre contabilidade e aspectos legais envolvendo a empresa, possibilidade de dedicação exclusiva do contador às atividades da empresa, possibilidade de acompanhamento do processo contábil pelos gestores das empresas, comprometimento do contador com os objetivos da empresa, qualidade dos serviços, custo de contratação dos serviços e comodidade. Os resultados também indicam que em ambos os grupos de empresas os gestores se mostram satisfeitos com os serviços contábeis contratados. Palavras-chave: Contabilidade. Serviços Contábeis. Terceirização. 1 INTRODUÇÃO De acordo com Iudícibus (2007, p. 43), do ponto de vista puramente financeiro, as perspectivas no mercado de trabalho para contador são excelentes, embora ainda a importância da função da contabilidade não seja totalmente reconhecida dentro das entidades, como também o número de profissionais qualificados com ampla visão de administração

2 financeira seja muito escasso. São esses poucos profissionais que têm condições de assumir as posições de controladores, diretores financeiros, chefes de departamento de contabilidade de custos, auditores internos e externos. Profissionais com essa visão e formação estão sendo reconhecidos e tendo uma remuneração satisfatória. O principal objetivo da Contabilidade, segundo Iudícibus (2007, p. 25), é [...] o fornecimento de informações econômicas para os vários usuários, de forma que propiciem decisões racionais [...]. Conforme explicam Marion e Santos (2007), Um profissional da área contábil é um agente de mudanças, e como tal este profissional deve mostrar suas diversas habilidades [...]. O contador precisa ser um profundo conhecedor da empresa para que possa auxiliar no seu crescimento, não sendo somente um apurador de dados. Também precisa saber interpretar e traduzir aquilo que é transmitido através dos demonstrativos contábeis para que as informações se tornem úteis às decisões dos usuários, especialmente em se tratando de decisões envolvendo a gestão da empresa em seu dia-a-dia. No que diz respeito à terceirização, Araújo (2001) esclarece que terceirizar significa passar a responsabilidade pela execução de determinados serviços a terceiros. Mas, mesmo com essa transferência de responsabilidade pela execução, a empresa que terceiriza o serviço não deixa de ter responsabilidade sobre as funções passadas a terceiros e deve estar sempre supervisionando a execução do serviço que foi terceirizado. Segundo o autor, terceirizando os serviços contábeis a empresa pode obter vantagens de ordem financeira, tecnológica, competitiva e operacional. Embora existam tais vantagens, o autor alerta que esses mesmos fatores podem influenciar negativamente o desempenho da empresa, caso as decisões envolvendo a terceirização desses serviços não tenham sido planejadas e dimensionadas adequadamente. Algumas críticas são dirigidas aos serviços contábeis terceirizados, prestados por escritórios de contabilidade. Segundo os críticos esses serviços não produzem os mesmos efeitos que uma contabilidade não terceirizada produziria. Conforme expõe Barros (2005), os escritórios de contabilidade gastam mais tempo com a contabilidade financeira, aquela voltada mais para as exigências fiscais e legais, em detrimento à contabilidade gerencial, a qual está direcionada para a geração de informações que possam auxiliar na gestão da empresa. Conforme o autor, É rotineiro, nos meios acadêmicos, propagar-se que a Contabilidade sempre foi e continuará sendo o melhor e mais completo sistema de informações para embasamento das decisões gerenciais. Entretanto, é usual, também, ouvir-se que, na prática, o profissional da área contábil direciona 95% de seu tempo de trabalho e de seu esforço para o preenchimento de formulários, cumprimento de formalidades legais e apuração de resultados para pagamento de impostos. Existe, inclusive, a referência de que o contador, remunerado pela empresa que o contrata, atua, predominantemente, como um funcionário público, isto é, sua ação beneficia os órgãos arrecadadores de impostos e taxas. Essas críticas suscitam questões de ordem teórica e prática em relação ao processo de terceirização dos serviços contábeis pelas empresas, pois elas contrastam com os objetivos traçados pela contabilidade e com os cuidados recomendados para as decisões envolvendo a terceirização de serviços. Mesmo assim, sabe-se que a terceirização desses serviços é prática comum entre as empresas.

3 Considerando o exposto, este trabalho busca responder à seguinte questão de pesquisa: Quais os fatores determinantes nas decisões de terceirização dos serviços contábeis das empresas do município de Palotina-Pr., e qual o nível de satisfação dos gestores dessas empresas em relação aos serviços contábeis contratados? Diante desse problema, o objetivo deste trabalho é identificar e analisar os fatores determinantes nas decisões de terceirizar ou não os serviços contábeis e o nível de satisfação dos gestores das empresas da cidade de Palotina-Pr., quanto aos serviços contábeis contratados. 2 QUADRO TEÓRICO DE REFERÊNCIA 2.1 Terceirização Araújo (2001, p. 89) ensina que terceirizar significa: [...] passar adiante (para terceiros e pagando) a responsabilidade pela execução de determinada atividade ou de conjunto de atividades.. De outra forma Ramos (2002), expõe que terceirização é [...] uma técnica administrativa que possibilita o estabelecimento de um processo gerenciado de transferência, a terceiros, das atividades acessórias e de apoio ao escopo das empresas, que são suas atividades-meio, permitindo a estas se concentrarem no seu negócio.. Araújo (2001) salienta também que a terceirização age sobre as funções de apoio da empresa, as quais podem ser delegadas a terceiros, mas mesmo assim a empresa que terceirizar o serviço não deixará de ter responsabilidade sobre as funções passadas a terceiros e deve estar sempre supervisionando a execução do serviço, mesmo porque se não estiver satisfeito com o serviço por falta de qualidade comprovada, poderá rescindir o contrato assinado por ambas as partes. Terceirizar não é deixar de lado as funções de apoio por completo, pois se essas funções não forem desempenhadas corretamente podem influenciar negativamente no desempenho de outras funções. Stein e Lopes (1998) explicam que o objetivo central da terceirização é permitir que os esforços da empresa estejam focalizados nas suas atividades mais importantes. Não se trata apenas de obter uma redução direta dos custos. Essa redução dos custos é um processo natural quando bem sucedido. Nesse sentido Ramos (2002) vê a terceirização como sendo [...] uma alternativa eficaz para as empresas empreendedoras melhorarem as suas operações, tornando-as mais eficientes nos processos e com mais eficácia nos resultados, ganhando competitividade e otimização econômica, flexibilizando as suas atividades no sentido da agilidade, da satisfação do mercado. Stein e Lopes (1998, p. 75) explicam que deve haver uma relação de parceria entre a empresa e seus prestadores de serviços terceirizados. Segundo os autores, [...] a escolha do parceiro de produção é ponto crucial para o bom desempenho do processo de terceirização [...]. Salientam ainda que com a parceria as [...] empresas tornam-se sócias e cooperam entre si, havendo uma postura criativa nas organizações e certeza no fornecimento do bem ou serviço em prazo hábil.. O sucesso dessa relação de parceria, segundo Braga (2003) depende do nível de especialização que o prestador dos serviços tem no processo em que se propõe a executar. Ramos (2002) também salienta que a relação de parceria é um fator importantíssimo

4 na terceirização do serviço e que uma condição fundamental e indispensável para a parceria é a confiança mútua, pois [...] os recursos são despendidos em conjunto e os dados confidenciais são partilhados entre os parceiros. Essa é a palavra mágica de qualquer projeto de terceirização [...], e que [...] a parceria é a essência da terceirização [...]. Araújo (2001) explica que a terceirização dos serviços contábeis de uma empresa pode ser vantajosa por diversas razões. A primeira delas é de ordem financeira, pois lhe pode proporcionar redução de custos. A segunda é de ordem tecnológica, pois na medida em que a empresa terceiriza o serviço à contratada, lhe estarão sendo disponibilizadas todas as inovações tecnológicas existentes no mercado. Isso permitiria à contratante acompanhar essas inovações como maior rapidez do que se o fizesse sozinha. A terceira é de ordem competitiva, pois quando a empresa adere à terceirização ela esta disponibilizando maior tempo para se dedicar às suas questões estratégicas. A quarta razão destacada pelo autor se refere a excelência operacional, porque com a terceirização a contratante não abre mão da qualidade dos serviços contratualmente delegados e ainda espera que a contratada se responsabilize e execute o serviço da melhor forma possível. O autor acrescenta ainda outras vantagens específicas da terceirização, tais como: A liberação de espaço na empresa: dessa forma libera espaço para outras atividades; A criação de ambiente mais propício ao surgimento de inovações: a empresa pode se dedicar a outras funções; A formalização de parcerias: manter um relacionamento profissional com a empresa contratada; A valorização profissional: no caso de uma empresa resolver terceirizar um serviço da empresa, algum funcionário pode ter habilidade no serviço e resolver abrir uma empresa para terceirizar o serviço; O estabelecimento de novas micro, pequenas e médias empresas: quando a empresa terceiriza o serviço, estará disponibilizando mais tempo para se dedicar a outros negócios, como o estabelecimentos de novas empresas; e A redução da dependência da comunidade em relação a empresa: O uso da terceirização viabiliza a independência econômica das regiões em relação a essa grande empresa.. Por outro lado, há também que se destacar as possíveis desvantagens da estratégia de terceirização. Araújo (2001, p. 100), explica que em função da terceirização de determinado serviço a empresa incorra em custos de demissões de pessoal já contratado. Essas ações também podem gerar demissões equivocadas, o que acarretará custos com novas contratações no futuro. Também sob o aspecto tecnológico, há o risco de que se estabelecer uma relação de dependência com a contratada, o que poderá comprometer a atuação da empresa no futuro. 2.2 Contabilidade objetivos, usuários e características qualitativas da informação Diante das características e cuidados a serem tomados nas decisões de terceirização dos serviços pelas empresas, se faz necessário avaliar constantemente se os objetivos

5 definidos pela contabilidade estão sendo alcançados independentemente desses serviços serem terceirizados ou não pelas empresas. Iudícibus (2007, p. 35) expõe que A Contabilidade reflete um dos aspectos mais dominantes no homem hedonístico, isto é, põe ordem nos lugares em que reinava o caos, toma o pulso do empreendimento e compara uma situação inicial com outra mais avançada no tempo.. A Contabilidade consegue reunir as informações de forma ordenada, fazendo com que se possam analisar informações do passado, do presente e ainda visualizando o futuro. Iudícibus e Marion (2002, p. 42) definem a Contabilidade como sendo [...] o grande instrumento que auxilia a administração a tomar decisões. Na verdade, ela coleta todos os dados econômicos, mensurando-os monetariamente, registrandoos e sumarizando-os em forma de relatórios ou de comunicados, que contribuem sobremaneira para a tomada de decisões. De acordo com Iudícibus e Marion (2002, p. 51), O objetivo da contabilidade pode ser estabelecido como sendo o de fornecer informação estruturada de natureza econômica, financeira e, subsidiariamente, física, de produtividade e social, aos usuários internos e externos à entidade objeto da Contabilidade. Hendriksen e Van Breda (1999) salientam que os objetivos das demonstrações contábeis é transmitir informações úteis para os investidores, credores e outros usuários que precisam tomar decisões racionais. A Contabilidade possui usuários externos e internos. Como usuários externos podem ser citados os bancos, o governo, os clientes, os fornecedores, os investidores e a sociedade em geral. Como usuários internos estão os administradores, os funcionários e demais agentes envolvidos com a gestão da empresa. Conforme Iudícibus e Marion (2002, p. 54), para os usuários externos a contabilidade fornece [...] as tradicionais demonstrações contábeis como o Balanço Patrimonial (posição das contas num determinado momento), Demonstração de Resultado do Exercício (uma demonstrações de Fluxos econômicos), Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos ou, mais recentemente, Fluxo de Caixa (demonstrações de fluxos financeiros) e outras. Já os usuários internos têm interesses diferenciados. Além das demonstrações citadas, as quais são utilizadas como ponto de partida para subsidiar os tomadores internos de decisão, eles necessitam de [...] outros tipos de relatórios que aliem conceitos e informações derivantes do sistema de Contabilidade Financeira (geral) que produz os relatórios tradicionais, a outros derivantes da contabilidade de custos, da administração financeira, da administração da produção e outras disciplinas que apresentam conceitos importantes para a tomada de decisões. A Tabela 1 apresenta os principais tipos de usuários e o tipo de informação mais solicitada por esses usuários.

6 Usuário da Informação Contábil Acionista minoritário Acionista majoritário ou com grande participação Acionista preferencial Emprestadores em geral Entidades governamentais Empregados em geral, como assalariados. Média e alta administração Fonte: Iudícibus (2007, p. 23) Tabela 1 - Usuários da informação contábil Meta que Desejaria Maximizar ou Tipo de Informação mais Importante Fluxo regular de dividendos. Fluxo de dividendos, valor de mercado da ação, lucro por ação. Fluxo de dividendos mínimos ou fixos. Geração de fluxos de caixa futuros suficientes para receber de volta o capital mais os juros, com segurança. Valor adicionado, produtividade, lucro tributável. Fluxo de caixa futuro capaz de assegurar bons aumentos ou manutenção de salários, com segurança; liquidez. Retorno sobre o ativo, retorno sobre o patrimônio liquido; situação de liquidez e endividamento confortáveis. A qualidade dos serviços contábeis está associada à utilidade que as informações disponibilizadas pela contabilidade têm para seus usuários. Para conferir utilidade às informações contábeis, busca-se revesti-las de algumas características, denominadas na literatura contábil de Características Qualitativas da Informação Contábil. Hendriksen e Van Breda (1999, p. 95) afirmam: As características qualitativas foram definidas [...] como sendo as propriedades da informação que são necessárias para torná-la útil. Relatam (1999, p. 96) ainda que [...] a informação deve propiciar benefícios superiores a seu custo [...], ou seja, se a informação tiver um custo maior do que seu potencial de geração de benefícios, essa informação não será viável. Mas os mesmos autores (1999) afirmam que fazer uma análise do custo benefício é extremamente difícil e talvez até impossível. Iudícibus e Marion (2002, p. 64) explicam que uma maneira de verificar a qualidade da informação contábil é [...] analisar algumas qualidades ou características que deve possuir, tais como: compreensibilidade, relevância, confiabilidade e comparabilidade [...]. Segundo Iudícibus e Marion (2002, p. 64), A informação contábil precisa ser compreensiva, isto é, completa, e retratar todos os aspectos contábeis de determinada operação ou conjunto de eventos ou operações [...]. Da mesma forma, Iudícibus (2007, p. 85) explica que, A compreensibilidade revela a qualidade da informação contábil, que deve ser exposta de forma mais compreensível possível, para que o usuário possa, efetivamente entendê-la e utiliza-la de forma cabal nas tomadas de decisões.. Também de acordo com Iudícibus e Marion (2002, p. 65), A informação possui a qualidade da relevância quando ela influencia as decisões econômicas dos usuários ajudandoos a avaliar eventos passados, presentes ou futuros ou confirmando ou corrigindo suas avaliações passadas [...]. Santos (1998) salienta que para que uma informação seja relevante ela precisa [...] ser oportuna, possuir valor como feedback e apresentar valor preditivo [...]. Oportuna pois a informação precisa estar disponível ao tomador da decisão na hora certa, antes que a decisão seja tomada. Valor como feedback pois deve possibilitar ao seu usuário

7 avaliar as decisões tomadas no passado e valor preditivo pois deve ter a capacidade de auxiliar nas decisões futuras. Segundo Iudícibus e Marion (2002, p. 66), A informação possui a qualidade da confiabilidade quando ela está livre de erros materiais e vieses e pode ser aceita pelos usuários como representando fielmente o que se propõe a representar, ou que poderia razoavelmente se esperar que representasse [...]. Para Hendriksen e Van Breda (1999, p. 99), para que a informação seja considerada confiável ela precisa ter fidelidade de representação, ser passível de verificação e ser neutra. Conforme os autores, [...] para que alguém confie em informações, é essencial que elas representem fielmente os fenômenos que pretende representar [...], para ser verificável ela precisa ter [...] a capacidade de assegurar, por meio do consenso entre mensuradores, que a informação representa o que se destina a representar, ou que o método de mensuração foi utilizado sem erro ou viés [...], e é neutra quando [...] representa a capacidade do procedimento de mensuração de proporcionar uma descrição precisa do atributo considerado [...]. Para ter comparabilidade, de acordo com Iudícibus e Marion (2002, p. 66), Os usuários precisam ter condições de comparar as demonstrações contábeis de uma entidade através dos anos a fim de identificar tendências em sua situação patrimonial e financeira e em seu desempenho [...]. Da mesma forma Iudícibus (2007, p. 85) diz que [...] deve poder propiciar ao usuário o discernimento da evolução, no tempo, da entidade observada ou comparações entre entidades distintas, não devendo, entretanto, constituir entrave para a evolução qualitativa da informação [...]. E para que os usuários possam fazer comparações, segundo Hendriksen e Van Breda (1999, p. 101), a informação depende de dois aspectos importantes: uniformidade e consistência. Conforme os autores, a uniformidade [...] subentende que eventos iguais são representados de maneira idêntica. e é exigido [...] consistência no uso de procedimentos contábeis ao longo do tempo por causa da dificuldade de predições com base em séries históricas de dados que não sejam medidos e classificados da mesma maneira em datas distintas.. 3 ASPECTOS METODOLÓGICOS A pesquisa empírica foi realizada com uma amostra composta de vinte empresas estabelecidas na cidade de Palotina, estado do Paraná. A amostra envolve dois grupos de empresas. No primeiro grupo foram selecionadas dez empresas que terceirizam os serviços contábeis e no segundo dez empresas que não terceirizam esses serviços. As empresas foram selecionadas através da técnica de amostragem não probabilística Por Acessibilidade ou Conveniência. Como instrumentos de coleta dos dados foram utilizados o Questionário e a Entrevista Semi-estruturada. A pesquisa se classifica, quanto aos objetivos, como pesquisa descritiva, quanto aos procedimentos como levantamento ou survey e como pesquisa bibliográfica e quanto à abordagem do problema, como pesquisa qualitativa. A pesquisa descritiva objetiva descrever características de determinada população ou fenômeno ou estabelecer relações entre as variáveis. Nesse tipo de pesquisa o pesquisador não manipula as variáveis, apenas as estuda, observa, registra, analisa, classifica e as interpreta. No levantamento ou survey os dados

8 podem ser coletados com base em uma amostra retirada de determinada população ou universo que se deseja conhecer. A pesquisa bibliográfica se caracteriza quando o objetivo é obter informações e conhecimentos prévios sobre determinado problema para o qual se procura uma resposta ou acerca de uma hipótese que se quer experimentar. Por meio da pesquisa bibliográfica se toma conhecimento sobre a produção científica existente. A pesquisa qualitativa caracteriza-se pela análise mais profunda em relação ao fenômeno que está sendo estudado e visa identificar características não observadas por meio de um estudo quantitativo. (RAUPP e BEUREN et al., 2006). Quanto a análise dos dados, de acordo com Colauto e Beuren et al. (2006, p. 136), [...] significa trabalhar com todo o material obtido durante o processo de investigação, ou seja, com os relatos de observação, as transcrições de entrevistas, as informações dos documentos e outros dados disponíveis [...]. A forma de análise deste trabalho será a descritiva, pois segundo aqueles autores (2006, p. 139): [...] todos os estudos que envolvem dados quantitativos, independentemente das questões, hipóteses ou pressupostos elaborados para pesquisa, requerem analises descritivas [...]. 4 DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Os dados coletados foram dispostos de forma a revelar: 1. O perfil da empresa pesquisada; 2. O perfil dos gestores; 3. Os fatores determinantes nas decisões de terceirização ou não dos serviços contábeis; 4. Os serviços atribuídos à área contábil pelos entrevistados; 5. O relacionamento entre empresa e contador; 6. As vantagens e desvantagens percebidas pelos gestores nas decisões tomadas, Para fins de denominação dos grupos de empresas pesquisadas, adotou-se a denominação de Grupo 1 para o grupo de dez empresas que terceirizam os serviços contábeis e Grupo 2 para o grupo de dez empresas que não terceirizam esses serviços. 4.1 Perfil das empresas pesquisadas O perfil das empresas pesquisadas foi identificado através da aplicação de questionário, através do qual se apurou o volume de faturamento mensal, o número de funcionário, o enquadramento fiscal, o ramo de atividade e o tipo de sociedade. O questionário continha questões fechadas nas quais os respondentes assinalavam as opções que melhor descreviam o perfil da empresa. O Quadro 1 apresenta a síntese dos resultados obtidos. Para identificação do volume de faturamento mensal da empresa o questionário continha uma escala com 18 (dezoito) faixas. No Quadro 1 foram apresentadas apenas as faixa de faturamento assinaladas pelas empresas. Os dados revelam que existe uma relação direta entre o volume de faturamento e a terceirização dos serviços. Todas as empresas do Grupo 2 apresentam faturamento superior a R$ ,00 mensais, enquanto entre as empresas do Grupo 1 nenhuma atinge esse volume. Em relação ao número de funcionário, dado que também indica o porte da empresa, os dados revelam que também há uma relação entre esse número e a opção de terceirizar os serviços contábeis. Nove das 10 empresas do Grupo 1 apresentam um número de até 20

9 funcionários, enquanto 9 das 10 empresas do Grupo 2 apresentam número superior a 50 funcionários. O enquadramento fiscal ou Regime Tributário das empresas, variável que tem relação direta com o volume de faturamento, também indica que o tamanho da empresa é fator determinante nas decisões de terceirização. Todas as empresas do Grupo 1 estão enquadradas como Microempresa ou Lucro Presumido. Por outro lado, 9 das dez empresas do Grupo 2 estão enquadradas no regime de Lucro Real. Todas as empresas pesquisadas, de ambos os grupos, não se distinguem em relação ao tipo de sociedade, todas estão constituídas sob a forma de Sociedade Limitada. Constata-se também que as empresas do Grupo 1 se concentram, predominantemente, no ramo do comércio, enquanto as do Grupo 2 na área de serviços. Faturamento mensal Grupo 1 Grupo 2 Até R$ 5.000, De R$ 5.001,00 à R$ 7.500, De R$ ,00 à R$ , De R$ ,00 à R$ , De R$ ,00 à R$ , De R$ ,00 à R$ , Acima de R$ ,00-10 Número de Funcionários Grupo 1 Grupo 2 Até 10 funcionários 7 - De 11 a 20 funcionários 2 - De 21 a 30 funcionários 1 1 De 31 a 40 funcionários - - De 41 a 50 funcionários - - Mais de 50 funcionários - 9 Regime Tributário Grupo 1 Grupo 2 Microempresa 8 - Lucro Presumido 2 1 Lucro Real - 9 Ramo de Atividade Grupo 1 Grupo 2 Comércio 6 - Indústria - - Serviço 1 4 Comércio e serviço 2 2 Comércio, indústria e serviço. 1 3 Comércio e indústria - 1 Tipo de Sociedade Grupo 1 Grupo 2 Limitada Fonte: Elaborado pelos autores. Quadro 1 - Perfil da empresa

10 4.2 Perfil dos gestores Para traçar o perfil dos gestores foram apresentadas questões que buscavam identificar a posição, na empresa, do responsável pelas decisões em relação aos serviços contábeis, sobre as noções que o responsável tem sobre contabilidade, escolaridade e área de formação. Os resultados estão expostos no Quadro 2. Entre as empresas do Grupo 1, há predominância do proprietário nas decisões sobre a terceirização dos serviços contábeis. Já entre as empresas do Grupo 2 o poder de decisão é transferida aos profissionais contratados (Administrador/Gerente/Funcionário). Em relação ao nível de conhecimento sobre assuntos contábeis, os dados indicam que entre as empresas do Grupo 2, 50% possui nível grande de conhecimento nessa área. Entre as empresas do Grupo 1 o nível de conhecimento sobre contabilidade é menor, concentrando-se em pouco ou médio nível de conhecimento. Competência sobre decisões em relação aos serviços contábeis Grupo 1 Grupo 2 Proprietário 6 3 Administrador/Gerente/Funcionário 4 7 Noção de Contabilidade Grupo 1 Grupo 2 Nenhum 2 - Pouco 3 3 Médio 3 2 Grande 2 5 Escolaridade Grupo 1 Grupo 2 Ensino Fundamental - - Ensino Médio 5 4 Ensino Superior 5 6 Fonte: Elaborado pelos autores Quadro 2 Competência sobre decisões em relação aos serviços contábeis No que se refere à escolaridade, nas empresas do Grupo 1 cinqüenta por cento cursaram o Ensino Superior e 50% possuem apenas o Ensino Médio. Já entre as empresas do Grupo 2, 60% de quem decide sobre os serviços contábeis cursaram o Ensino Superior, enquanto 40% possuem apenas o Ensino Médio. Em relação às áreas de formação, nas empresas do Grupo 1 quatro cursaram Administração e um possui Pós-Graduação em Matemática. Nas empresas do Grupo 2, quatro cursaram Administração, um cursou Direito e 2 cursaram Ciências Contábeis. Nas empresas que possuem a contabilidade terceirizada quatro cursaram faculdade de administração e um fez Pós Graduação em matemática.

11 4.3 Fatores determinantes nas decisões de terceirização ou não dos serviços contábeis Questionados sobre os motivos que levaram a empresa a terceirizar ou não os serviços contábeis, obteve-se as seguintes respostas, conforme exposto no Quadro 6. Variáveis Grupo 1 Grupo 2 Dedicação exclusiva do contador à empresa - 9 Acompanhamento no Processo Contábil - 7 Conhecimento sobre aspectos legais 7 1 Tamanho da Empresa 6 6 Maior comprometimento com a empresa - 6 Custo de Contratação do Serviço 6 1 Comodidade 6 - Qualidade dos Serviços 2 5 Aproveitamento de Pessoal - 2 Fonte: Elaborado pelos autores. Quadro 3 Fatores determinantes nas decisões de terceirização ou não dos serviços contábeis A variável dedicação exclusiva do contador à empresa foi citada por 9 das 10 empresas do Grupo 2 como determinante na decisão de não terceirizar os serviços contábeis. Além disso, 7 delas mencionaram também a variável possibilidade de acompanhamento do processo contábil como fator relevante. As variáveis tamanho da empresa e comprometimento com os objetivos da empresa foram citadas por 6 das 10 empresas e a variável qualidade dos serviços foi citada por 5 empresas. Entre as empresas do Grupo 1, a variável desconhecimento sobre aspectos legais envolvendo a empresa foi citada por 7 das dez empresa. As variáveis tamanho da empresa, custo da contratação do serviço e comodidade foram citadas por 6 das dez empresas do grupo. Uma análise comparativa revela que as empresas do Grupo 1 têm duas preocupações fundamentais: a primeira está relacionada a possibilidade da empresa não precisar se envolver e não se preocupar com os aspectos legais, por essa razão buscam terceirizar o serviços; a segunda está relacionada à capacidade que a empresa teria de arcar com os custos da contratação de um profissional da contabilidade, pois citam com intensidade o tamanho da empresa e o custo de contratação do serviço. Nessas empresas não se percebe preocupação relacionada com a capacidade que informação contábil teria de agregar valor à empresa. Por outro lado, as empresas do Grupo 2 apresentam preocupações mais voltadas para segurança das informações geradas e para a possibilidade de utilização dessas informações no processo decisório. Além de concordarem que o tamanho da empresa é fator importante, citam a qualidade dos serviços, o maior comprometimento com a empresa, a possibilidade de acompanhamento do processo contábil e a dedicação do contador às atividades da empresa como determinantes para essa decisão. 4.4 Serviços atribuídos à área contábil na percepção dos entrevistados Diante das diferenças constatadas nas perspectivas dos dois grupos de empresas em relação aos fatores motivadores da terceirização, foi apresentada aos entrevistados uma lista contendo os diversos serviços desenvolvidos nas empresas e lhes foi solicitado que

12 indicassem quais dessas atividades eles entendiam ser atribuição da área contábil. Os resultados estão expostos no Quadro 4. De maneira geral percebe-se que as empresas do Grupo 1 esperam que a contabilidade lhes preste um serviço relacionado à solução de problemas de ordem tributária e legal. Atribuem à contabilidade as funções de escrita fiscal, recursos humanos (parte tributária), consultoria fiscal e previdenciária e constituição de empresas e alterações contratuais. Portanto, não há expectativa por parte dessas empresas em relação à geração de informações que lhes auxilie na tomada de decisões de gestão. Atribuição da Contabilidade Grupo 1 Grupo 2 Escrita Fiscal e Contábil 10 9 Recursos Humanos 10 1 Consultoria Fiscal e Previdenciária 7 8 Conciliações Contábeis - 8 Constituição de Empresas e alterações Contratuais 8 6 Contabilidade Financeira 1 6 Contabilidade Gerencial 1 5 Levantamento de Custos - 4 Levantamento de Imobilizado - 4 Controle de Estoque - 2 Controle das Transações Financeiras - 1 Fonte: Elaborado pelos autores. Quadro 4 - Atribuição da contabilidade Por outro lado, nas empresas do Grupo 2 se pode perceber que as atribuições da contabilidade são muito mais amplas e estão relacionadas com o processo de gestão. Os serviços relacionados com os aspectos legais e fiscais também são atribuídos à contabilidade, no entanto fica evidenciado que outras áreas como contabilidade gerencial, custos, conciliações, controles internos, entre outras, também são vistas como relacionadas à área contábil da empresa. 4.5 Análise do relacionamento entre gestores e prestador do serviço contábil Conforme exposto na parte teórica deste trabalho, o relacionamento entre contratante e contratada dos serviços terceirizados é fundamental para o bom desempenho das atividades da empresa. Nesse sentido, foram coletadas informações que permitissem traçar um perfil desse relacionamento, conforme exposto no Quadro 5. Questões Grupo 1 Grupo 2 Sim Não Sim Não 1 Existe relação de confiança, transparência e de parceria entre a empresa e o contador? Os relatórios apresentados pela contabilidade têm a sua atenção e credibilidade? As informações contábeis são consideradas no processo decisório? Há informações que não estão disponíveis e que a contabilidade deveria fornecer? O serviço que recebe atualmente da área contábil atende as suas expectativas? O contador e o administrador se reúnem para discutirem assuntos pertinentes à administração da empresa? Fonte: Elaborado pelos autores. Quadro 5 Análise do relacionamento entre gestores e prestador dos serviços contábeis

13 Os dados indicam que há excelente harmonia entre os gestores o os prestadores dos serviços contábeis. Cem por cento das empresas pesquisadas (ambos os grupos) afirmaram manter uma relação de confiança, transparência e parceria com o prestador dos serviços contábeis. Além disso, indicaram que estão satisfeitas com os serviços contratados, utilizam os relatórios contábeis na gestão da empresa e discutem periodicamente como os prestadores dos serviços contábeis os assuntos pertinentes à administração da empresa. Esses resultados devem ser analisados considerando os resultados obtidos no Quadro 4. Lá se identificou que as expectativas em relação ao tipo de serviço a ser oferecido pela contabilidade diferem entre os dois grupos. Nesse sentido, a satisfação manifestada pelos gestores em relação aos serviços contábeis contratados não significa que ambos os grupos recebem e utilizam informações de mesma natureza. Os serviços contábeis têm atendido ambos os grupos satisfatoriamente, mas os serviços prestados (informações geradas) são diferenciados para cada grupo, de acordo com a expectativa de cada um. 4.6 As vantagens e desvantagens percebidas em terceirizar os serviços contábeis No referencial teórico foram abordadas algumas vantagens e desvantagens da terceirização dos serviços contábeis. Os entrevistados apontaram algumas delas, de acordo com a percepção de cada um. O Quadro 6 apresenta os resultado obtidos. Os dados indicam que as empresas do Grupo 2 não vêem vantagem alguma numa possível terceirização dos serviços contábeis e apontam como possíveis desvantagens o tempo demandado para a obtenção de informações da contabilidade e a inexistência de critérios adequados, por parte do escritório de contabilidade, para gerar informações que seriam úteis às empresas. Vantagens em terceirizar os serviços contábeis Grupo 1 Grupo 2 Liberação de espaço na empresa 3 Valorização profissional 2 Maior disponibilidade de tempo para dedicação à empresa 6 Redução de custos 7 Dispêndio de tempo na busca de informações contábeis 4 Sistema contábil 3 Tamanho da empresa 2 Nenhuma vantagem - 10 Desvantagens em terceirizar os serviços contábeis Grupo 1 Grupo 2 Deslocamento entre empresa e escritório 1 - Rapidez na obtenção das informações contábeis 1 7 Tamanho da empresa 1 1 Ausência de critérios adequados - 2 Sistema contábil - 1 Nenhuma desvantagem 6 - Fonte: elaborado pelos autores Quadro 6 Vantagens da terceirização dos serviços contábeis. De outro lado, as empresas do Grupo 1 percebem diversas vantagens e poucas desvantagens na terceirização dos serviços contábeis. Apontam como vantagens a redução de

14 custos, a maior disponibilidade de tempo para dedicação às atividades fins da empresa e o não envolvimento na busca por informações contábeis. 5 CONCLUSÃO A problemática abordada neste trabalho envolve a identificação e análise dos fatores determinantes nas decisões de terceirização ou não dos serviços contábeis pelas empresas da cidade de Palotina, estado do Paraná, e o nível de satisfação dos gestores dessas empresas em relação aos serviços contábeis contratados. Quanto aos fatores determinantes que levam uma empresa a terceirizar ou não os serviços contábeis, a pesquisa identificou as seguintes variáveis: tamanho da empresa, conhecimento sobre contabilidade e aspectos legais envolvendo a empresa, dedicação exclusiva do contador às atividades da empresa, possibilidade de acompanhamento do processo contábil, comprometimento do contador com os objetivos da empresa, qualidade dos serviços, custo de contratação dos serviços e comodidade. Os resultados da pesquisa revelam que as empresas terceirizam os serviços contábeis (Grupo 1) por serem de porte pequeno, pelo pouco conhecimento que os gestores possuem sobre contabilidade e aspectos legais envolvendo a empresa, pelo custo elevado de contratação dos serviços contábeis e pela comodidade gerada pela terceirização desses serviços. Revelam também que essas empresas esperam que a contabilidade lhes preste um serviço relacionado à solução de problemas de ordem tributária e legal. Atribuem à contabilidade as funções de escrita fiscal, recursos humanos (parte tributária), consultoria fiscal e previdenciária e constituição de empresas e alterações contratuais. Não há expectativa por parte dessas empresas em relação à geração de informações que lhes auxilie na tomada de decisões de gestão. De outro lado, as empresas que não terceirizam os serviços contábeis (Grupo 2) tomaram essa decisão por serem de porte mais elevado, por terem gestores com conhecimento substancial sobre contabilidade e aspectos legais envolvendo a empresa, pela dedicação exclusiva do contador às atividades da empresa e pelo seu comprometimento com os objetivos da empresa, pela possibilidade de acompanhamento do processo contábil e pela qualidade dos serviços contábeis. Diferentemente das empresas do Grupo 1, as empresas do Grupo 2 esperam da contabilidade serviços mais amplos, voltados também para o processo de gestão da empresa. Os serviços relacionados com os aspectos legais e fiscais também são atribuídos à contabilidade, contudo, nesse grupo são atribuídos à área contábil serviços como a contabilidade gerencial, apuração de custos, conciliações contábeis e controles internos. Em relação à satisfação dos gestores quanto aos serviços contratados, conclui-se que ambos os grupos de empresas possuem um bom relacionamento com os prestadores de serviços da área contábil, utilizam os relatórios contábeis para tomar decisões e estão satisfeitas com os serviços que vêm recebendo atualmente do contratado. Nesse aspecto é importante considerar que os objetivos traçados pela contabilidade são comuns para todos os tipos de entidades, no entanto, os resultados da pesquisa indicam que há diferenças nas perspectivas dos usuários em relação aos serviços atribuídos à área contábil. Mesmo assim, todas se mostraram satisfeitas com os serviços contábeis contratados, apesar de haver

15 distinção no conjunto de informações geradas pela contabilidade para os dois grupos de empresas. 6 REFERÊNCIAS ARAUJO, Luis César G. de. Tecnologia de gestão Organizacional. São Paulo: Atlas, ATKINSON, Anthony A. et al. Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas, BARROS, Vaine de Magalhães. O novo velho enfoque da informação contábil. Revista Contabilidade e Finanças USP, São Paulo, n. 38, p , maio/ago Disponível em <http://www.eac.fea.usp.br/cadernos/completos/cad38/dtrabalho_vaine_pg102a112.pdf>. Acesso em 28 de abril de BEUREN, Ilse Maria. Trajetória da Construção de um Trabalho Monográfico em Contabilidade. In: BEUREN, Ilse Maria et al. (org). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. São Paulo, Atlas, COLAUTO, Romualdo Douglas. BEUREN, Ilse Maria. Coleta, Analise e Interpretação dos dados. In: BEUREN, Ilse Maria et al. (org). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática 3. ed. São Paulo, Atlas, CFC Conselho Federal de Contabilidade. Profissionais e escritórios ativos nos Conselhos Regionais de Contabilidade Dezembro de Disponível em: <http://www.cfc.org.br/uparq/ativos_ pdf>. Acesso em 22 de fevereiro de HENDRIKSEN, Edson S; VAN BREDA, Michael F. Van. Teoria da Contabilidade. São Paulo : Atlas, 1999 IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da Contabilidade. 8. ed. São Paulo : Atlas, ; MARION, José Carlos Introdução à Teoria da Contabilidade para o Nível de Graduação. 3. ed. São Paulo : Atlas, ; MARTINS, Eliseu. CARVALHO, L. Nelson. Contabilidade: Aspectos Relevantes da Epopéia de sua Evolução. São Paulo, Revista Contabilidade e Finanças USP, n. 38, p. 7-19, maio/agosto de Disponível em: <http://www.eac.fea.usp.br/cadernos/completos/cad38/sergio_eliseu_ncarvalho_pg7a19.pdf>. Acesso em 28 de abril de LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico. 2. ed. São Paulo: Atlas, LORDELO, Micheli Oliveira; FIGUEIREDO, Antonio Carlos. A Atuação Responsável do Contador frente à Restauração da Confiança, da Transparência da Ética para Fortalecer a Fé Pública. Anais 17º Congresso Brasileiro de Contabilidade. Santos (SP), Disponível em: <http://www.cfc.org.br/livre/26cic/trabalhos_pdf/area6_2_etica_ex_prof/nacional3/trabalho.p df> acesso em: 12 de março de 2007 MARION, José Carlos. SANTOS, Márcia Carvalho dos. Os dois lados de uma profissão. Disponível em: <http://www.fipecafi.com.br/public_artigos/marion/osdoislados.pdf>. Acessado em 06 de maio de 2007.

16 OLIVEIRA, Benedito da Silva, et al. (coord.). Métodos e Técnicas de Pesquisa em Contabilidade. São Paulo : Saraiva, OLIVEIRA, Alex-Sandro Macedo de. Informações A Busca de Evidenciação Ideal. In: Caderno de Estudos, São Paulo, FIPECAFI, v.10, n.19, p.16-22, setembro/dezembro Disponível em: <http://www.eac.fea.usp.br/cadernos/completos/cad19/informacoes.pdf>. Acesso em: 12 de março de RAMOS, Luiz Gustavo Teixeira. A Gestão dos Processos de Terceirização e Sua Implementação na Indústria Automobilística. <http://www.unitau.br/prppg/cursos/ppga/mba/2002/ramos_luiz_gustavo_teixeira.pdf>. Acesso em: 28 de abril de RAUPP, Fabiano Maury; BEUREN, Ilse Maria. Metodologia da Pesquisa Aplicável às Ciências Sociais. In: BEUREN, Ilse Maria et al. (org). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e pratica. 3. ed. São Paulo : Atlas, RAZA, Claudio. Objetivo e finalidade da contabilidade gerencial. <http://www.administradores.com.br/membros.jsp?pagina=membros_espaco_aberto_corpo&i dcoluna=2739&idcolunista=1936>. Acesso em 28 de abril de RUIZ, João Álvaro. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. 5. ed. São Paulo : Atlas, SÁ, Antonio Lopes. Teoria da Contabilidade. 3. ed. São Paulo: Atlas, SANTOS, Edilene Santana. Objetividade X Relevância: o que o modelo contábil deseja espelhar?. Caderno de Estudos, São Paulo, FIPECAFI, v. 10, n.18 maio/agosto Disponível em <http://www.eac.fea.usp.br/cadernos/completos/cad18/objetividade.pdf>. Acesso em 28 de abril de SANTOS, Carlos Werner dos. et al.. Existe de Fato uma Contabilidade Gerencial? Contabilidade Vista & Revista. Belo Horizonte, v. 13. n.2, p abril Disponível em <http://www.sefaz.es.gov.br/publicacoes/arquivos/publicacao_10.pdf>. Acesso em: 28 de abril de SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. A pequena empresa e o novo código civil / SEBRAE. Brasil: SEBRAE Nacional, SELL, Grasiele Kieser. Uma sistemática para inserir a contabilidade gerencial no processo decisório nas pequenas e médias empresas: um estudo de caso. Dissertação de mestrado apresentada à Faculdade de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis (SC), Disponível em: <http://teses.eps.ufsc.br/defesa/pdf/16608.pdf>. Acesso em: 28 de abril de SILVA, Antonio Carlos Ribeiro. Metodologia da pesquisa aplicada a contabilidade: orientações de estudos, projetos, relatórios, monografias, dissertações e teses. São Paulo : Atlas, STEIN, Carlos Alberto. LOPES, Josele Siqueira. Terceirização: uma nova gestão administrativa. In: Revista Opinio. Canoas. n. 1. p , jan/jun. de 1998.

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Marivane Orsolin 1 ; Marlene Fiorentin 2 ; Odir Luiz Fank Palavras-chave: Lei nº 11.638/2007. Balanço patrimonial. Demonstração do resultado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1

LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1 LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1 Joseellen Maciel Sousa2 Introdução O ambiente mundial esta passando por um profundo processo de transformação decorrente do alto grau de competitividade

Leia mais

O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA POR PARTE DOS GRADUANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES

O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA POR PARTE DOS GRADUANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA Marco Antonio Henrique 1, Marlene Ferreira Santiago 2, Monica Franchi Carniello 3, Fábio Ricci 4 1,2,3,4 Universidade de Taubaté/ Pró-reitoria

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE 1 Jackson Auditoria É um conjunto de técnicas que devem ser aplicadas, para permitir ao auditor emitir uma opinião sobre a razoabilidade das demonstrações contábeis

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

AUTOR(ES): ARIANE BUENO DOS SANTOS, ANA PAULA CILOTTI, CLARISSA REIS SILVA

AUTOR(ES): ARIANE BUENO DOS SANTOS, ANA PAULA CILOTTI, CLARISSA REIS SILVA TÍTULO: MODELOS DE QUALIDADE DA INFORMAÇÃO CONTÁBIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): ARIANE BUENO DOS SANTOS, ANA PAULA

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Após traçadas as estratégias através da análise de mercado propiciada pelo plano de negócios - e se mesmo diante das dificuldades

Leia mais

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil IBRACON Instituto dos Auditores do Brasil 6 Regional UCS Universidade de Caxias do Sul -Campus Universitário de Bento Gonçalves Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil Aula Inaugural tema:a

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté Ailton da Silva, Paulo César Ribeiro Quintairos, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

APLICABILIDADE DA CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA TOMADA DE DECISÕES NAS INDÚSTRIAS ASSOCIADAS À ACIP DE PINHALZINHO/SC

APLICABILIDADE DA CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA TOMADA DE DECISÕES NAS INDÚSTRIAS ASSOCIADAS À ACIP DE PINHALZINHO/SC VIII CIAEC 043 APLICABILIDADE DA CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA TOMADA DE DECISÕES NAS INDÚSTRIAS ASSOCIADAS À ACIP DE PINHALZINHO/SC Alex Fabiano Bertollo Santana Centro Universitário

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza.

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza. 7CCSADFCOUT1 CONTROLE FINANCEIRO: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DOS SALÕES DA ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DA BELEZA Jannielly Krystianne Laurentino dos Santos (1) ; Luzivalda Guedes Damascena

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

DEZ QUESTÕES ORGANIZACIONAIS QUE NÃO QUEREM CALAR. (SINTONIA PROJETOS DE MUDANÇA / PREVISIBILIDADE PATRIMONIAL).

DEZ QUESTÕES ORGANIZACIONAIS QUE NÃO QUEREM CALAR. (SINTONIA PROJETOS DE MUDANÇA / PREVISIBILIDADE PATRIMONIAL). MINIARTIGO CONTABILIDADE GERENCIAL E A PREVISIBILIDADE PATRIMONIAL (A CONVERGÊNCIA DA CIÊNCIA CONTÁBIL COM A CIÊNCIA DA GESTÃO) -- ESTIMATIVAS CONTÁBEIS RELACIONADAS Á GESTÃO DO RISCO DE PROJETOS ORGANIZACIONAIS--

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 1. PATRIMONIO LIQUIDO 1.1. INTRODUÇÃO Estaticamente considerado, o patrimônio liquido pode ser simplesmente definido como a diferença, em determinado momento, entre o valor do ativo e do passivo, atribuindo-se

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 4 Demonstrações Financeiras

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 4 Demonstrações Financeiras 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstrações Financeiras Tópicos do Estudo Demonstrações Financeiras ou Relatórios Contábeis Demonstrações Financeiras e a Lei das Sociedades Anônimas Objetivos

Leia mais

Principais dificuldades

Principais dificuldades Principais dificuldades A maior dificuldade apontada pelas organizações contábeis pesquisadas foi receber informações dos clientes com qualidade e prazo. Apenas 16% delas indicaram problemas com a aderência

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

COMO ABRIR SUA EMPRESA

COMO ABRIR SUA EMPRESA COMO ABRIR SUA EMPRESA Hoje, ter o próprio negócio é algo muito comum. Flexibilidade, possibilidade de aumentar a renda e instabilidade como funcionário são os principais motivos para se empreender. É

Leia mais

CONTROLADORIA: A INSTRUMENTALIZAÇÃO DOS CONTROLES GERENCIAIS PARA TOMADA DE DECISÃO. RESUMO

CONTROLADORIA: A INSTRUMENTALIZAÇÃO DOS CONTROLES GERENCIAIS PARA TOMADA DE DECISÃO. RESUMO CONTROLADORIA: A INSTRUMENTALIZAÇÃO DOS CONTROLES GERENCIAIS PARA TOMADA DE DECISÃO. RESUMO Um dos elementos básicos de sustentabilidade de uma empresa no mercado é a solidificação dos instrumentos de

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0690 O RECONHECIMENTO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS COMO PARTE INTEGRANTE

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros 21 de junho de 2013 Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros Fernando Lage Sócio-Diretor KPMG Risk Advisory Services Definição A definição de Control Self Assessment (Auto

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS

USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS VIII CIAEC 046 USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS Luciana Crispim de Souza Universidade Federal da Grande Dourados (Brasil) Antonio Carlos Vaz Lopes Universidade

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Contabilidade. Administração. Economia. Profissão. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Contabilidade. Administração. Economia. Profissão. 1 INTRODUÇÃO ANÁLISE DA UTILIDADE DA CONTABILIDADE NO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO DO ADMINISTRADOR E DO ECONOMISTA: PERCEPÇÃO DOS DISCENTES DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESUMO

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen.

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen. Giselle Mesquita O uso da contabilidade na formação do preço e no planejamento das vendas: um estudo empírico sobre micro e pequenas empresas da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Projeto de pesquisa

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INFORMÁTICA NA PROFISSÃO CONTÁBIL

A IMPORTÂNCIA DA INFORMÁTICA NA PROFISSÃO CONTÁBIL A IMPORTÂNCIA DA INFORMÁTICA NA PROFISSÃO CONTÁBIL Contador da Empresa Menendez Amerino & Cia Ltda Contato: Sumário: I Introdução. II Importância da Informática na Contabilidade. III A Valorização do Profissional

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre as principais características da Contabilidade Gerencial e suas diferenças em relação à Contabilidade Financeira, que é o outro nome da Contabilidade Geral. Trata-se

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS. Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C.

Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS. Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C. Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C. Contábei da FAP Piracanjuba-GO 2014 1 1. APRESENTAÇÃO: Formato: presencial

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 O QUE VEREMOS A SEGUIR: O produto final da Contabilidade; Relatórios Contábeis; A Contabilidade e o Contador. 2 Os Objetivos da Contabilidade

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais