TERCEIRIZAÇÃO E QUARTEIRIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA APLICÁVEL AS ORGANIZAÇÕES INDUSTRIAIS 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERCEIRIZAÇÃO E QUARTEIRIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA APLICÁVEL AS ORGANIZAÇÕES INDUSTRIAIS 1"

Transcrição

1 TERCEIRIZAÇÃO E QUARTEIRIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA APLICÁVEL AS ORGANIZAÇÕES INDUSTRIAIS 1 CEMBRANEL, Priscila 1 ; FABRICIO, Ana Maria 2 ; FABRICIO, Adriane 3 ; SANTOR, Cilione 4 ; LOPES, Luis Felipe Dias 5 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM. 2 Mestrado em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil. 3 Mestrado em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil. 4 Mestrado em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil. 5 Doutor em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil. RESUMO A terceirização e a quarteirização são importantes ferramentas de gestão para as organizações atuais. O presente trabalho foi desenvolvido através de uma abordagem qualitativa e método de procedimento bibliográfico possibilitou-se uma pesquisa básica exploratória através de uma revisão da literatura acerca dos conceitos de terceirização e quarteirização nas indústrias com o objetivo de diferenciar cada uma dessas práticas orientando-as para sua utilização como prática competitiva estratégica nas indústrias. Através do estudo observaram-se diversas vantagens na adoção da terceirização das atividades-meio e em alguns casos também das atividades-fins, sendo essa uma ferramenta para a contenção de gastos e diminuição da defasada hierarquia de algumas indústrias. O processo de quarteirização, mesmo não sendo um processo evolutivo da terceirização vem como ferramenta auxiliar desta, colaborando na gestão de contratos, na melhoria da qualidade das relações interpessoais e corroborando a redução de custos, objetivo da terceirização. Palavras-chave: Terceirização; Quarteirização; Estratégias competitivas. 1. INTRODUÇÃO A implantação da terceirização no mundo capitalista iniciou-se logo após a eclosão da II Guerra Mundial. No Brasil, a terceirização surgiu com a vinda das primeiras multinacionais, principalmente as automobilísticas. Para Drucker (1992) até o final do 1

2 século, as organizações serão reestruturadas onde seus tamanhos serão uma decisão estratégica e por esse motivo as atividades e funções que não representarem a essência da missão tornar-se-ão passíveis de subcontratação. Para Sá, Bomtempo e Quental (1998, p. 87), assim, a terceirização passa a ser um caminho natural a ser seguido pelas empresas, na busca de um modelo de eficiência baseado em estruturas menores e mais ágeis. Atualmente, o mundo globalizado e as decisões gerenciais cada vez mais baseadas na diminuição de custos fazem com que as organizações estejam cada dia mais preparadas para enfrentar constantes mudanças frente a esse novo cenário empresarial. Para Paulillo (1999) as perspectivas da realidade trabalhista em relação aos movimentos de terceirização devem considerar a heterogeneidade das economias revelando assim, as especificidades dos mais diversos setores onde o processo estiver ocorrendo. Para Faria (1994) a terceirização está ligada aos aspectos de produtividade, competitividade e qualidade no mundo dos negócios devido a responsabilização de uma terceira organização frente as atividades não essenciais de determinada empresa. Acredita-se que a diminuição de custos, sejam eles diretos ou indiretos, a elevação do nível de eficiência de determinada atividade e a manutenção de níveis mínimos aceitáveis de lealdade à empresa, em relação aos executores das atividades, sejam os três propósitos básicos na mente de que decide terceirizar. (VALENÇA e BARBOSA, 2002). O processo de terceirizar exige bastante cuidado na contratação, é importante ter informações da qualidade dos serviços executados pelas prestadoras. Acredita-se que essa parceria somente obterá sucesso se as prestadoras de serviços estiverem integradas às necessidades empresariais de racionalização de recursos colaborando na redefinição das operações para tornar as estruturas mais flexíveis e enxutas. (VALENÇA E BARBOSA, 2002). As relações de trabalho, atualmente, por serem horizontalizadas acabam fazendo com as organizações compartilhem responsabilidade com outras empresas independentes, atuando em regime de parceria. 2. TERCEIRIZAÇÃO E QUARTEIRIZAÇÃO NAS INDÚSTRIAS Durante a Segunda Guerra Mundial, as principais empresas americanas, de armamentos bélicos e suprimentos não estavam conseguindo suprir a demanda das forças armadas, então os Estados Unidos da América estabeleceu alianças industriais com países 2

3 europeus, com o objetivo de combater o nazismo. Estas empresas adotaram a estratégia de repassar para as pequenas empresas de serviços as atividades de suporte para a produção de armamentos, dando origem à terceirização. (LEIRA e SARATT, 1995). Para Pagnoncelli (1993, p. 8): Esta é uma realidade que, cada vez mais, obriga as companhias a se tornarem mais ágeis e enxutas, trabalhando com menor esforço de capital e trabalho. Existem diferentes pontos de vista em relação à terceirização, apesar da várias opiniões pode-se resumir em três pontos principais: parceria, qualidade e mudança. Podemos então conceituar a terceirização como uma nova tecnologia de administração da produtividade e melhorias da qualidade. (QUEIROZ, 1998) Para Belcourt (2006), a terceirização é uma das mais poderosas ferramentas na administração de recursos e vem criando mudanças em diferentes setores da economia permitindo a simplificação de sua estrutura e colaborando para o aumento da competitividade no mercado. Para Queiroz (1998) a terceirização consiste na compra de bens e serviços especializados, de forma sistêmica e intensiva interligam-se na condição de atividade-meio à atividade fim a uma empresa compradora, permitindo a esta a concentração de energia em sua real vocação, com intuito de potencializar ganhos em qualidade e competitividade. Desse modo, as empresas contratantes otimizam esforços e ganham parcerias na transferência de determinadas atividades a prestadores de serviços especializados, ganhando competência técnica e melhorando seu desempenho no mercado. A visualização da condição da parceria ocorre quando, além de atender exatamente o que foi determinado pela contratante, exista a aceitabilidade cultural da contratada em relação ao sistema de trabalho. Segundo Valença e Barbosa (2002, p. 164) para se trabalhar com outra cultura, uma das empresas, ou ambas, têm que efetuar ajustes, baseados nos entendimentos a respeito das suas diferenças culturais. Para desenvolver parcerias adaptáveis as mudanças é preciso estabelecer cuidados importantes entre ambas às partes. Alguns pré-requisitos são necessários e permitem optar pela melhor empresa terceirizadora de acordo com as necessidades, como capacidade de absorver as atividades a serem terceirizados; capacidade empreendedora, desenvolvimento de pessoal, metodologia de trabalho, agilidade em adaptarem-se as condições do cliente, responsabilidade no cumprimento de prazos, flexibilidade na negociação com o cliente, condições de faturamento de serviços prestados, uso de tecnologia e busca de aprimoramento. (FONTANELA, 1995). A união entre a empresa contratadora do serviço e a empresa que a contrata, só irá acontecer se as parcerias forem completamente autônomas e saudáveis uma das outras. 3

4 Daí a importância de escolher bem com quem trabalhar. Deve existir honestidade da parte da empresa contratante para com a possível contratada, no fornecimento preciso das informações a fim de que esta possa avaliar o trabalho desenvolvendo-o com qualidade e exatidão. (FONTANELLA, 1995). Considera-se o processo de quarteirização uma evolução da terceirização, onde o gerenciamento dos terceiros passa a ser realizado por uma quarta organização que utiliza além da própria equipe e informações, os parceiros adequados para atuarem em cada setor das organizações. Apesar de muitas vezes ser entendida como uma extensão do processo de terceirização, a quarteirização é uma técnica complementar de gestão. (DIAS, 1998). Para Saratt (2000), a quarteirização é a delegação a um terceiro profissional das relações com os demais terceiros na organização. Já Viegas (2003), considera quarteirização o processo de contratação de um profissional diferenciado para coordenar os contratos de terceirizados formados pelas organizações. Acredita-se que devido a ausência do administrador interino na maioria dos processos decisórios o desgaste entre contratantes e terceiros torna-se pequeno facilitando as relações de trabalho e pessoais. O surgimento da quarteirização, segundo Dias (1998), dá-se no mau uso dos processos de terceirização, ou seja, nas situações em que as empresas contratam terceiras para desempenharem atividades essenciais para o negócio, sendo que estas não possuem colaboradores treinados adequadamente para o desempenho de tais atividades. Surge então a necessidade de contratar terceiros para coordenar as atividades dos terceirizados. Sabe-se também que devido a essa contratação surge a necessidade de desenvolver uma hierarquia organizacional, uma estrutura que possa sustentar os processos seletivos e administrativos decorrentes dessa parceria onde os custos podem ser, em muitos casos, maiores que os ganhos obtidos com a contratação de serviços especializados (terceirizados).o surgimento da quarteirização emerge como uma formar de eliminar as estruturas desnecessárias nas organizações trazendo agilidade e antecipando a solução dos possíveis conflitos entre os envolvidos nos processos. Sabe-se que a quarteirização não é um processo evolutivo da terceirização. Entretanto, seu crescimento está diretamente ligado ao crescimento da terceirização. Calvosa (2006), salienta que devido ao excesso de descentralização torna-se necessária a contratação de um profissional ou empresa exclusivamente para a organização desses contratos. Esse fenômeno é chamado de quarteirização. 4

5 3. A INDÚSTRIA E A ESTRATÉGIA COMPETITIVA DA TERCEIRIZAÇÃO E QUARTEIRIZAÇÃO Para Valois e Almeida (2009, p. 250) a crescente elevação no nível de competitividade que as empresas enfrentam atualmente exige uma busca constante por alternativas de gestão nos negócios que proporcione a manutenção e a expansão do mercado que disputam. Nas organizações industriais não basta fazer somente o que foi contratado, o diferencial competitivo da terceirização encontra-se na implementação de políticas de capacitação e desenvolvimento dos terceiros de maneira preventiva e pró-ativa compatíveis com as exigências de mercado. O papel das empresas ou profissionais gestores de contratos reside na busca de soluções para as divergências nas relações humanas provendo uma avaliação do terceiro e passando os aspectos pertinentes para as vias contratuais. (MACHADO, CALVOSA e OLIVARES, 2006). Cita-se como exemplo os casos onde a produção atinge sua capacidade máxima e a contratação de pessoal torna-se necessária. A quarteirização torna-se essencial para permitir avaliar e tomar as atitudes que satisfaçam a busca de maior equilíbrio e eficiência na prestação de serviços. (MACHADO, CALVOSA e OLIVARES, 2006, p.7-8). Como com qualquer outra ferramenta de gestão, as indústrias devem ter muito cuidado ao implementar o processo de quarteirização. A aceitabilidade por parte dos terceirizados deve ser considerada na avaliação de riscos e oportunidades. Planejamento, cautela e profissionalismo são elementos indispensáveis para o sucesso do projeto (SARATT et. al., 2003). O planejamento detalhado é fundamental. A escolha do parceiro ideal para administrar contratos de terceiros requer confiança e clareza dos resultados desejados no processo. A forma de viabilizar esses resultados é o desenvolvimento de um projeto que corrobore seleção, avaliação e desenvolvimento de uma cultura preventiva para as relações interpessoais. Acredita-se que a empresa ou profissional que administre as relações de terceiros em uma organização deva ser especialista, ou seja, deva conhecer os processos de avaliação e controle da qualidade em relação aos serviços contratados proporcionando a almejada redução de custos. Lopes e Silva (2009) salienta que para as empresas, a melhor compreensão da condição dos profissionais terceirizados pode contribuir para suas formas de gestão, pois, apesar de se encontrarem na condição de subcontratados, as atitudes e 5

6 ações desses indivíduos têm impacto direto no ambiente organizacional. O sucesso desses aspectos depende da eficácia do processo de quarteirização e da eficiência de seu planejamento. A terceirização objetiva a redução de custos através da transferência de serviços para uma empresa que possua competência para produzir ou fornecer serviços. (NASCIMENTO FILHO, 2001). Do mesmo modo, a quarteirização objetiva através da escolha de um profissional que administre os contratos de terceiros, a redução de custos e a qualificação dos serviços prestados. A terceirização se intensificou diante das necessidades de melhorias propondo mudanças na forma de execução do trabalho e tornando-o mais ágil e eficaz possibilitando a administração inteligente dos custos e buscando melhorias nos processos de qualidade e produtividade. (NASCIMENTO FILHO, 2001). Diante do mercado cada vez mais competitivo as empresas, dentro desta nova realidade viram-se obrigadas a cortar custos, buscou-se, métodos para subtrair tudo o que fosse supérfluo ou passível de ser cortado. Reduzir custos tornou-se tão importante quanto produzir e vender. Porém, o maior desafio é fazê-lo sem comprometer a qualidade e com isso concretizar custos mais atrativos utilizando os serviços da contratada (ou terceirizada), para fazer melhor e com menos recursos (FONTANELLA, 1995). Ao se tratar de uma indústria, a formalização do relacionamento com uma empresa ou profissional quarteirizado deve contar com uma contratação formal clara e documentada a fim de evitar insatisfações e conflitos. Também devem estar presentes profissionais da área técnica devido aos seus conhecimentos relativos aos aspectos diários da organização. São esses profissionais que irão reconhecer a possibilidade de atingimento dos objetivos propostos contratualmente. (MACHADO, CALVOSA e OLIVARES, 2006) O principal objetivo para a realização de um contrato de quarteirização é a redução de custos e a melhoria da qualidade dos serviços prestados pelos terceiros. Por esse motivo o acompanhamento da contratante em relação a quarteirizada também pode (e deve) ser realizado. Machado, Calvosa e Olivares (2006) salienta que as atividades de acompanhamento devem ter um fluxo definido, reuniões periódicas e um canal permanente para contato entre os representantes da empresa gestora de contratos e a empresa tomadora. A flexibilidade organizacional permite a terceirização de atividades não essenciais aos objetivos de negócio e a transferência de responsabilidade da gestão de contratos a um gestor especializado. A quarteirização beneficia a relação entre cliente e fornecedor nos 6

7 processos de gestão para a contratação de serviços e no desenvolvimento de relações mais sólidas com os fornecedores de clientes, esse processo é denominado parceria. As organizações sofrem a pressão do mercado para tornarem-se a cada dia mais enxutas em relação aos seus processos e custos. Além da responsabilidade dos líderes é imprescindível que as organizações estejam aptas para a adoção de instrumentos de gestão capazes de agilizar as mudanças e impulsionar os resultados frente a necessidade de redução de custos e hierarquias. Acredita-se que a quarteirização possam ser um desses instrumentos de gestão. (MACHADO, CALVOSA e OLIVARES, 2006) 4. CONCLUSÃO A terceirização é um processo de grande evolução, gerando mudanças profundas na economia, desde os seus primórdios até os dias de hoje. Frente a isto, práticas de terceirização tem possibilitado resultados positivos para as empresas. Para Sá, Bomtempo e Quental, 1998, p. 87) a economia dos custos de transação se vem tornando um fértil campo de avanço do conhecimento econômico, por causa da crescente importância da questão fazer ou comprar, considerada a essência da terceirização. Trata-se de uma filosofia de gestão, onde as atenções e o conhecimento da empresa devem focar o seu produto, o seu negócio, terceirizando tudo aquilo que não contribua diretamente com a razão de ser das organizações. A terceirização precisa estar em conformidade com os objetivos estratégicos da empresa, de modo a alcançar a sustentabilidade nas decisões, com a concentração no seu negócio principal, a organização poderá buscar profissionais qualificados o para suportar desafios. (FONTANELLA, 2001). Com a terceirização introduzem-se novos modelos de organização e gerenciamento de mão-de-obra, o espaço físico da empresa poderá ser alterado em função da extinção e criação de novos cargos e conseqüentemente na mudança do quadro pessoal. Uma das estratégias que a maioria da empresas está acolhendo é a terceirização do ex-funcionário, já que esses têm conhecimento da empresa, conhecem a cultura e a filosofia da organização. Do mesmo modo ocorre com o processo de quarteirização, quando os próprios colaboradores podem ser responsáveis pela gestão de contratos com terceirizados. Pode-se afirmar que a terceirização dos processos produtivos é uma alternativa eficiente na desverticalização das estruturas organizacionais, pois além de melhorarem a qualidade dos serviços, auxiliam na flexibilização da produção tornando-a mais funcional com menos colaboradores. A idéia inicial era terceirizar somente as atividades não 7

8 essenciais da empresa como, por exemplo, alimentação, limpeza, manutenção, atualmente até atividades-fins são subcontratadas. Os benefícios da terceirização requerem uma gestão eficiente em relação aos contratos de trabalho possibilitando assim, a utilização da ferramenta de gestão entendida como quarteirização. Sabe-se que apesar de a quarteirização não ser uma evolução dos processos de terceirização existe a possibilidade de delegação dessa atividade para um colaborador da própria organização, um autônomo ou empresa especializada. O principal objetivo é a constância do crescimento organizacional e o aumento da competitividade através da economicidade e da melhoria da qualidade e dos processos produtivos. Em relação as indústrias, a relação com os fornecedores e clientes podem se tornar um meio de desenvolvimento de redes cooperativas, ou seja, uma rede de troca de informações relativas ao desempenho, acompanhamento e qualidade em relação ao desenvolvimento de um número reduzido, mas definitivo de fornecedores. O controle desses fornecedores pode ser realizado através do processo de quarteirização onde o desenvolvimento de parcerias torna-se cada dia mais importante para a sobrevivência e a competitividade organizacional. REFERÊNCIAS BELCOURT, M. Outsourcing: The benefits and the risks. Human Resource Management Review, 16, p , CALVOSA, Marcello Vinicius Dória. Um Modelo Atual de Liderança entre os Estudantes de Administração da UFRRJ: estudo exploratório sobre a posição credora / devedora da relação líder-seguidor. Dissertação de Mestrado. Curso de Pós-graduação em Administração, Gestão e Estratégia em Negócios. Rio de Janeiro: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, DIAS, Reinaldo. Tópicos Atuais em Administração: Quarteirização. São Paulo: Alínea, DRUCKER, P. F. Managing for the future : the 1990s and beyond. New York : Truman Talley Books/Dutton, FARIA, A. Terceirização : um desafio para o movimento sindical. In:. Terceirização : diversidade e negociação no mundo do trabalho. São Paulo : Hucitec,

9 FONTANELLA, Denise; TAVARES, Eveline; SOUTO Leiria. O Lado (des) Humano da Terceirização: O Impacto da Terceirização nas Empresas, nas Pessoas e como Administrá-lo. Salvador, BA: Casa da Qualidade, LEIRA, Jerônimo Souto, SARATT, Newton Dornelles, Terceirização: uma alternativa de flexibilidade empresarial. 8. ed. São Paulo: Gente, MACHADO, Carina Couto; CALVOSA, Marcello Vinicius; OLIVARES, Gustavo Lopes. Quarteirização vs Terceirização: uma vantagem competitiva na gestão de contratos In II SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnología, MARTINS, Heloisa H; RAMALHO, José Ricardo. Terceirização: Diversidade e Negociação no mundo do trabalho. São Paulo: Hucitec, NASCIMENTO FILHO. Terceirização: Aspectos Práticos e Teóricos. São Paulo: Atlas, PAGNONCELLI, Dernizo. Terceirização e parceirização: estratégias para o sucesso empresarial. Rio de Janeiro: D. Pagnoncelli, PAULILLO, Luiz Fernando. Terceirização e reestruturação agroindustrial: avaliando o caso citrícola brasileiro. Rev. adm. contemp. [online]. 1999, vol.3, n.1, pp ISSN QUEIROZ, Carlos Alberto Ramos Soares de. Manual e terceirização. 9. ed. São Paulo: STS, SA, Melissa Peron e; BOMTEMPO, José Vitor and QUENTAL, Cristiane. Terceirização no processamento final da indústria farmacêutica e veterinária. Rev. adm. contemp. [online]. 1998, vol.2, n.2, pp ISSN SARATT, Newton, SILVEIRA, Adriano Dutra da, MORAES, Rogério Pires. Empresabilidade na Gestão de Serviços. Porto Alegre: Badejo Editorial, SARATT, Newton, SILVEIRA, Adriano Dutra da, DAIBERT NETO, Arlindo e MORAES, Rogério Pires. Quarteirização: Redefinindo a Terceirização. Porto Alegre: Badejo Editorial, VALENCA, Myrian Constantino de Almeida and BARBOSA, Allan Claudius Queiroz. A terceirização e seus impactos: um estudo em grandes organizações de Minas Gerais. Rev. adm. contemp. [online]. 2002, vol.6, n.1, pp ISSN

10 VALOIS, Último de and ALMEIDA, Adiel Teixeira de. Modelo de apoio à decisão multicritério para terceirização de atividades produtivas baseado no método SMARTS. Prod. [online]. 2009, vol.19, n.2, pp ISSN VIEGAS, Sérgio (2003). Terceirização: Ferramentas de Gestão. Grupo Novva. Disponible <http://www.novva.com.br/noticia.asp?area=artigos&titulo=ferramentas%20de%20gestão>. Acesso em 03 mai

EVENTOS E TERCEIRIZAÇÃO: CONFRONTANDO REALIDADES PARA ENTENDER OS PROBLEMAS NO RELACIONAMENTO COMUNICATIVO

EVENTOS E TERCEIRIZAÇÃO: CONFRONTANDO REALIDADES PARA ENTENDER OS PROBLEMAS NO RELACIONAMENTO COMUNICATIVO EVENTOS E TERCEIRIZAÇÃO: CONFRONTANDO REALIDADES PARA ENTENDER OS PROBLEMAS NO RELACIONAMENTO COMUNICATIVO Introdução Autor(a): Adrijane Alves de Amorim Coautor(es): Betânia Cunha de Cerpa Brandão Email:

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS Aline Cachadare BROGGIO 1 - RGM 072128 Gabriela de Cassia BRAGA¹ - RGM 073270 Jaqueline Macedo PERIN¹ - RGM 073967 Natali de Fatima SILVA¹ - RGM 069900 Renato Francisco

Leia mais

Quarteirização vs Terceirização: uma vantagem competitiva na gestão de contratos

Quarteirização vs Terceirização: uma vantagem competitiva na gestão de contratos 1 Carina Couto Machado 1 Marcello Vinicius Calvosa 2 Gustavo Lopes Olivares 3 renatinha.sol@oi.com.br mvcalvosa@yahoo.com.br olivares@rdc.puc-rio.br 1. Graduanda / UFRRJ 2. Mestre / UFRRJ 3. Doutorando

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES Por: Jomerson da Silva Almeida Orientador Prof. Mario Luiz Niterói

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO NO APOIO A GESTÃO DE SERVIÇOS

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO NO APOIO A GESTÃO DE SERVIÇOS INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO NO APOIO A GESTÃO DE SERVIÇOS Eng. Esp. Elias G. Teixeira Prof. Antônio F. Neto, PhD engelias.teixeira@gmail.com antfarianeto@gmail.com Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade

Leia mais

Eleine de Oliveira Salustiano 1, Alfran Lima Oliveira 2, Roberta Manfron de Paula 3,

Eleine de Oliveira Salustiano 1, Alfran Lima Oliveira 2, Roberta Manfron de Paula 3, TERCEIRIZAÇÃO: O CAMINHO PARA UMA ORGANIZAÇÃO FLEXÍVEL Eleine de Oliveira Salustiano 1, Alfran Lima Oliveira 2, Roberta Manfron de Paula 3, 1 Graduanda em Administração de Empresas Universidade do Vale

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Bambuí/MG - 2008 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Júlio César Benfenatti FERREIRA (1); Antônio Carlos SANTOS(2)*

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS.

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. Márcia Moraes Imhoff 1 Aline Perico Mortari 2 RESUMO A realização das atividades organizacionais por pessoas jurídicas distintas da organização

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A essência da terceirização visa trazer às empresas contratantes desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, busca de qualidade, controles

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA?

MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA? MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA POR CONTRATAÇÃO DE RESULTADOS: UMA REALIDADE BRASILEIRA? João Luiz Kovaleski (2) Rui Francisco Martins Marçal (3) Luiz Alexandre Barbosa Pinto (1) Resumo A área de manutenção de

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

TÍTULO: A TERCEIRIZAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ - MG

TÍTULO: A TERCEIRIZAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ - MG Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A TERCEIRIZAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ - MG CATEGORIA:

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL

DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE TERCEIRIZAÇÃO: OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS PARA A ORGANIZAÇÃO Por: Elisângela Martins Fontenele Ribeiro Orientador Prof. Adélia

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA TERCEIRIZAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA TERCEIRIZAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES A IMPORTÂNCIA DA TERCEIRIZAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Dante Girardi* RESUMO A preocupação principal deste artigo consiste em abordar o impacto da terceirização nas organizações, em face da descentralização e

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Daniela Ramos Teixeira Para vencer a guerra diária num cenário co-opetivo (competitivo e cooperativo), as empresas

Leia mais

EDI, uma necessidade da indústria automobilística na logística de suprimentos de materiais

EDI, uma necessidade da indústria automobilística na logística de suprimentos de materiais EDI, uma necessidade da indústria automobilística na logística de suprimentos de materiais Gustavo de Souza Lima Pablo Yugo Yoshiura Kubo Ruthberg dos Santos gustlima@ufrrj.br 1 pyykubo@ufrrj.br 1 berg@ufrrj.br

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Hercio M. Ferraro Neto Pós-Graduando em Adm. De Sistemas de Informação Neste artigo iremos tratar de uma ferramenta da administração de sistemas de

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

GESTÃO DE TERCEIROS: ANÁLISE DO RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES DE UMA MULTINACIONAL

GESTÃO DE TERCEIROS: ANÁLISE DO RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES DE UMA MULTINACIONAL ISSN 1984-9354 GESTÃO DE TERCEIROS: ANÁLISE DO RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES DE UMA MULTINACIONAL Monica Succi e Silva (DADM/UFES) HELIO ZANQUETTO FILHO (PPGADM/UFES) Resumo O objetivo deste trabalho

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO BUSINESS PROCESS OUTSOURCING (BPO) DE FRANCESCHINI EM UMA EMPRESA DO SETOR DE REFLORESTAMENTO

APLICAÇÃO DO MODELO BUSINESS PROCESS OUTSOURCING (BPO) DE FRANCESCHINI EM UMA EMPRESA DO SETOR DE REFLORESTAMENTO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICAÇÃO DO MODELO BUSINESS PROCESS OUTSOURCING

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br abraman Congresso de Manutenção - 2001 EFEITOS DA TERCEIRIZAÇÃO SOBRE A MANUTENÇÃO Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br Terceirização é a transferência para terceiros de atividades que

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOPU DE 09/07/01 PLANO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOPU DE 09/07/01 PLANO DE CURSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOPU DE 09/07/01 Componente Curricular: TECNOLOGIA DE GESTÃO EM ADMINISTRAÇÃO Código: ADM-151 CH Total: 60 HRS. Pré-requisito: --- Período

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Prof.ª Giselle Reis Brandão IEC - PUC Minas ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES: ADM. DE RECURSOS HUMANOS: As pessoas vistas como recursos, no sentido de instrumentos, meios para

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO

Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Ingresso agosto de 2016 Informações: (51) 3218-1355 ernani.neto@espm.br O Curso tem por objetivo capacitar os participantes na utilização de práticas contemporâneas

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ-MG

A TERCEIRIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ-MG A TERCEIRIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ-MG RAFAEL GUEDES DOS REIS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas - FACESM faelguedes_91@hotmail.com HECTOR GUSTAVO ARANGO Faculdade

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: TECNOLOGIA DE GESTÃO EM ADMINISTRAÇÃO Código: ADM-151 Pré-requisito: Teoria da Administração

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA

ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA LUCIMARA APARECIDA DA SILVA BORGES Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas FACESM lucimara.borges@live.com MILENE

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD Maringá-PR Maio 2014 Prof. Evandro Paulo Bolsoni Centro Universitário de Maringá NEAD-UniCesumar evandro.bolsoni@unicesumar.edu.br

Leia mais

Treinamento Presencial: Contratos de Serviços e Gestão de Risco na Terceirização

Treinamento Presencial: Contratos de Serviços e Gestão de Risco na Terceirização Treinamento Presencial: Contratos de Serviços e Gestão de Risco na Terceirização Data: 8 de Outubro de 2014 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas ESTRATEGICA 1985 a hoje Aumentar o envolvimento dos colaboradores e integrar sistemas de suporte ADMINISTRATIVA 1965 a 1985 Foco: indivíduos

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Novo Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo e as empresas

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS COMO FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA COIMBRA & FILHOS LTDA. Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

AGENDA. Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing. 02 de Julho. Hotel Intercontinental São Paulo/SP 5ª EDIÇÃO.

AGENDA. Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing. 02 de Julho. Hotel Intercontinental São Paulo/SP 5ª EDIÇÃO. AGENDA Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing 5ª EDIÇÃO D 02 de Julho? Hotel Intercontinental São Paulo/SP Realização: www.corpbusiness.com.br Patrocínio Bronze Apoio Realização:

Leia mais

Contratos de Serviços e Gestão de Risco na Terceirização

Contratos de Serviços e Gestão de Risco na Terceirização Treinamento Presencial: Contratos de Serviços e Gestão de Risco na Terceirização Data: 10 de Março de 2016 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais