CRÍTICAS À TERCEIRIZAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRÍTICAS À TERCEIRIZAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA"

Transcrição

1 CRÍTICAS À TERCEIRIZAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Fernando José Vazzola De Migueli Advogado da União Sumário: 1. Introdução. 2. Art. 71, 1º da Lei nº 8.666/93 3. Implicações Processuais. 4. Da aplicabilidade do enunciado 331 do TST. 5. Conclusão. 1. Introdução A terceirização é modelo de produção que foi desenvolvido com o objetivo de aperfeiçoar a produção e prestação de serviços em geral, mediante a delegação de atividades acessórias à iniciativa privada, e que proporciona ao ente tomador do serviço executar com maior presteza, eficiência e com um alto grau de especialidade, a atividade para o qual foi criado. No âmbito da Administração Pública, um dos grandes méritos da terceirização é a redução das dimensões da máquina administrativa, e com ele a diminuição dos encargos gerados pela prestação de serviços. De acordo com o art. 175 da Constituição Federal, é incumbência do Estado a prestação de serviços públicos em geral. Todavia, não se pode olvidar que quanto maior a estrutura, mais difícil se torna gerenciá-la e, por conseqüência, fiscalizá-la. Para evitar tais problemas e aumentar a qualidade na prestação de serviços públicos, o Ordenamento Jurídico passou a admitir a delegação da execução de determinadas atividades à iniciativa privada, a qual, livre das amarras impostas à Administração Pública, conseguiu obter melhores resultados no tocante à qualidade e lucratividade. 67

2 Note-se que nem todos os serviços são delegáveis, seja por influírem na segurança e na soberania nacional, seja por concernirem à matéria política. Tomando-se em consideração os serviços passíveis de delegação, percebe-se que essa cooperação é proveitosa para ambos os lados, posto que os Administrados são beneficiados com o oferecimento de um serviço de melhor qualidade a menor preço, ao passo que o Estado é beneficiado com a redução de seu quadro, podendo dedicar-se com mais atenção à execução das atividades que lhe são próprias. O fenômeno da terceirização acompanha essa sistemática, prestigiando o exercício pelos Órgãos Públicos das suas atividades institucionais, também denominadas atividadesfim, na medida em que delega a execução das tarefas subalternas, acessórias, a empresas especializadas no ramo. Logo, e tendo em vista que a terceirização objetiva diminuir as atribuições do órgão tomador dos serviços, com o intuito de concentrar seus esforços na realização de sua atividade institucional, não se pode admitir que estas sejam terceirizadas. Desde o início, esta técnica de produção enfrentou dificuldades, em especial pelo fato da Justiça do Trabalho ter entendimento consolidado no sentido de rejeitar a intermediação de mão-de-obra, conforme o já superado Enunciado 256 do TST. Vale, assim, frisar, que o instituto terceirização não se confunde com a mera intermediação de mão-de-obra. Para ser lícita, pressupõe a existência de uma empresa gerenciadora, que possua uma atividade empresarial própria e assuma o risco da atividade econômica, à qual se subordinarão os empregados. Significa dizer que a empresa selecionada há de ter patrimônio suficiente para honrar suas obrigações legais, bem como deve ser centrada na realização de uma atividade especializada, dominando a técnica de sua realização. A intermediação sempre foi rejeitada no plano do direito do trabalho por representar uma ameaça à observância dos direitos do trabalhador, um artifício para se fraudar a legislação trabalhista, e baratear a prestação de um serviço em prejuízo do trabalhador. Pois bem. A divisão das atividades em meio e fim superou a crítica feita pela jurisprudência. Ate então, o entendimento dos tribunais estava baseado na clara burla à legislação trabalhista que a intermediação de mão de obra representava, pois dava causa à 68

3 redução de salários, ao mesmo tempo em que suprimia o poder de barganha dos empregados. A idéia principal, com a Terceirização, como já foi dito, e sempre vale ressaltar, foi a de atingir um alto nível de especialização na atividade a ser desenvolvida, com o intuito de reduzir a dimensão do Estado, permitindo a este concentrar suas forcas na prestação de um serviço de melhor qualidade, já que a transferência da atividade a terceiros o desonerava de uma série de encargos. A especialização das atividades é algo salutar ao desempenho da atividade administrativa, mas para tanto, é imprescindível que a empresa prestadora de serviço responsável pelo seu gerenciamento, tenha estrutura. Significa dizer que a empresa prestadora de serviços há de ter composição adequada à execução da atividade delegada, seja possuindo patrimônio suficiente para honrar as obrigações oriundas de determinação legal, garantindo o pagamento de eventuais dívidas, seja na existência de material e pessoal capacitado para realizar o treinamento dos trabalhadores a ela subordinados. Uma empresa que não possua tal estrutura corre o risco de causar prejuízos à tomadora de serviços, ao invés de proporcionar o incremento de sua atividade-fim. Caso a tomadora seja a Administração Pública, a questão é ainda mais crítica, na medida em que muitos de seus serviços são essenciais à população, e devem ser prestados de forma continua. É importante sublinhar que os empregados terceirizados devem ser subordinados jurídica-hierárquica e economicamente à empresa contratada, e não ao tomador dos serviços, cabendo, portanto, à primeira gerenciar a prestação de serviço, se incumbir do treinamento dos empregados, bem como se responsabilizar pelo cumprimento das obrigações legais que surgirem com o contrato de trabalho. Contudo, o que se vê na prática é a dificuldade em se observar todos esses requisitos para uma terceirização lícita. Primeiro, porque a referida divisão de atividades em meio e fim nem sempre é muito clara. Dependendo da atividade institucional, a atividade meio pode ser considerada integrante e imprescindível ao desempenho da atividade fim. O exemplo que melhor ilustra a dificuldade, e é constantemente utilizado pelos doutrinadores, é o serviço de limpeza em hospitais públicos. Ora, não há que se negar que higiene e assepsia desempenham um papel de capital importância quando se trata da prestação do serviço público de saúde, não se podendo dizer 69

4 o mesmo quando estivermos diante do serviço público de transporte, por exemplo, e assim por diante. Segundo, porque freqüentemente as empresas que se candidatam a participar do processo licitatório não possuem experiência na prestação de serviços, ou são constituídas às pressas, para poderem participar do certame. Como conseqüência, os empregados encarregados da prestação de serviços não são treinados adequadamente, e não raras vezes, as empresas terceirizadas não honram suas obrigações legais, atrasando o pagamento dos seus funcionários e causando prejuízo aos trabalhadores e à Administração Publica. Outro problema identificado é que a contratação de empresa terceirizada acaba por reduzir o contato do trabalhador com o efetivo patrão, no caso, a empresa tomadora do serviço, implicando em prejuízo ao empregado. Prejuízo, na medida em que os salários são reduzidos, ou então porque passam a ser tratados como empregados de outra empresa, aumentando-se as diferenças entre os trabalhadores contratados pela tomadora dos serviços e os trabalhadores subordinados à empresa prestadora. 2. Art. 71, 1º da Lei nº 8.666/93 Responsabilidade Subsidiária da União Tendo em vista as dificuldades que acompanham a terceirização um ponto que vale ser abordado é a questão, muito controversa ainda na doutrina, vale dizer, da validade do art.71, 1º da Lei nº 8.666/1993, que dispõe acerca da responsabilidade da Administração Pública na seara trabalhista em casos de inadimplemento da empresa contratada, a seguir transcrito: A inadimplência do contratado com referência aos encargos trabalhistas, fiscais e comerciais não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento, nem poderá onerar o objeto do contrato ou restringir a regularização e o uso das obras e edificações, inclusive perante o Registro de Imóveis. (gn) A idéia de se transferir a execução de uma determinada atividade a uma empresa teve por finalidade a delegação por completo da responsabilidade pela prestação do serviço. Ou seja, não somente a realização, mas também a fiscalização pela manutenção da qualidade do serviço, bem como eventual responsabilidade pelo cumprimento dos encargos decorrentes da prestação de serviços. 70

5 Se por um lado esta técnica não pode significar a supressão dos direitos trabalhistas, não se pode olvidar que a Lei existe para ser cumprida, e enquanto não for revogada, é dotada de eficácia, sendo sua observância compulsória. Contudo, a jurisprudência dos tribunais trabalhistas houve por bem consolidar o Enunciado 331 do TST, abaixo transcrito, revelando sua posição contrária ao dispositivo contido na Lei de licitações, e que exime a Administração Pública do pagamento dos encargos trabalhistas não honrados pela empresa terceirizada. I - A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 6.019, de ). II - A contratação irregular de trabalhador, mediante empresa interposta, não gera vínculo de emprego com os órgãos da administração pública direta, indireta ou fundacional (art. 37, II, da CF/1988). (Revisão do Enunciado nº TST) III - Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de serviços de vigilância (Lei nº 7.102, de ), de conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a pessoalidade e a subordinação direta. IV - O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços, quanto àquelas obrigações, inclusive quanto aos órgãos da administração direta, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista, desde que hajam participado da relação processual e constem também do título executivo judicial (art. 71 da Lei nº 8.666, de ). (Alterado pela Res. 96/2000, DJ ) Este Enunciado traduz de forma inequívoca incorporação do princípio protecionista pela Justiça do Trabalho, e que se revela na concessão de tratamento diferenciado ao empregado, dada sua posição historicamente hipossuficiente na relação de emprego. Não podemos olvidar, contudo, que referido princípio não é absoluto, devendo ser mitigado quando a situação assim o exigir. Em se tratando de uma relação de emprego comum, o princípio se justifica por si só, dado que nos pólos da relação jurídica de direito do trabalho estão o empregado e o empregador. Aquele, na defesa de seus direitos trabalhistas, e que tem natureza alimentar, contra este, defendendo interesse puramente pecuniário. 71

6 Entretanto, quando a Administração Pública figura em um dos pólos da relação jurídica, a necessidade de diferenciação no tratamento das partes subsiste, porém, deve ser analisada sob outra perspectiva, com muito mais cautela. Neste caso, a justificativa se dá pelo fato de que a eventual decisão condenatória repercutirá negativamente no patrimônio do Estado trazendo implicações as mais diversas, não sendo possível prestigiar o direito de um indivíduo isolado em detrimento de toda a sociedade. Ressalte-se que o patrimônio do Estado é bem indisponível e de propriedade da sociedade como um todo, e frente a um direito individual de trabalhador, é evidente que deve prevalecer. Do modo como previsto, o enunciado representa nítida transgressão ao Princípio da Legalidade, base legitimadora do Estado Democrático de Direito, classificação em que nosso Estado se insere. Trata-se de patente afronta a comando legal válido e legítimo, proveniente do Congresso Nacional, representante do povo conforme a letra da Constituição. Pode-se falar, ainda, em ingerência não-autorizada do Poder Judiciário nos atos do Poder Legislativo, tendo em vista ser a elaboração de atos normativos atribuição típica deste Poder. Tal entendimento, além de ir contra a previsão expressa em Lei, descaracteriza por completo o instituto da terceirização. Esta técnica, como já foi dito, fundamenta-se na delegação total do exercício de uma atividade a determinada empresa especializada, a ela cabendo arcar com todos os ônus referentes à execução do serviço terceirizado, inclusive eventual responsabilização por seus atos ou omissões. Ora, atribuir-se tão somente a execução da atividade à empresa, determinando a responsabilização do ente público contratante no caso de inadimplemento pela primeira, é algo absolutamente incoerente e prejudicial à sociedade. De certo que a Justiça do Trabalho atua em favor do trabalhador, em função da já referida hipossuficiência frente ao empregador, na tentativa de reduzir o grande abismo de desigualdade existente entre eles. O ideal seria, ao invés de se fixar a responsabilização subsidiária, intensificar os critérios para seleção da empresa a ser contratada, acentuando a fiscalização sobre a mesma. 72

7 Percebe-se que muitas empresas constituem-se da noite para o dia, sem deter estrutura razoável para prestar uma determinada atividade, seja pela ausência de patrimônio que possa assegurar eventual condenação, seja também pela inexistência de equipamentos de treinamento e suporte para o desempenho das atividades pelos empregados. Como resultado, uma série de empresas apresenta propostas de prestação de serviços a baixo-custo, concorrendo com deslealdade nos certames, prevendo um fim já tido como certo: prejuízo aos cofres públicos. A figura do empregador há de ser associada ao risco da atividade econômica. A doutrina ensina que Empregador é quem assume o risco econômico da atividade empresarial, que organiza os meios de produção e gerencia a atividade com vistas à obtenção de lucro. Não pode, desta forma, simplesmente desconsiderar tal realidade e tentar consertar os problemas advindos da terceirização mediante a imputação da responsabilidade dos infortúnios à Administração. Para corrigir tal incoerência, a jurisprudência deveria evoluir no sentido de somente aceitar a terceirização quando a empresa prestadora de serviços possuir uma atividade empresarial própria, assumindo o aspecto econômico da atividade por sua própria conta e risco, o que aliás é característico da atividade empresarial, e ainda quando a contratação se destina à realização de serviços especializados. O não atendimento de um dos requisitos seria suficiente para não se admitir a participação da empresa no certame. Vale dizer, conveniente seria também que o requisito idoneidade permanecesse intacto do início ao fim da prestação de serviços. A intensificação da fiscalização entraria, então, para verificar também tal requisito, permitindo que no mesmo instante que se constatassem indícios de possíveis problemas financeiros, e que pudessem culminar com a quebra da empresa, fosse o contrato rescindido de plano. Assim, os direitos trabalhistas seriam resguardados, bem como o patrimônio da União, e o mais importante, a prestação do serviço público seria garantido. 3. Implicações Processuais Não bastasse o problema financeiro que a terceirização tem trazido para o erário público, tal técnica tem também contribuído para o aumento de demandas junto ao Poder Judiciário. 73

8 Freqüentemente, a empresa prestadora de serviço, após deixar de honrar suas obrigações, simplesmente desaparece. Os trabalhadores, na seqüência, ajuízam reclamações trabalhistas, e na hora de serem citadas, as empresas não são encontradas. Torna-se necessário então realizar nova citação, desta vez por edital. No que pertine às atividades das Procuradorias, encarregadas da defesa jurídica do Estado, é sabido que contam com um quadro de profissionais muito inferior à demanda existente. No momento em que a empresa terceirizada deixa de efetuar o pagamento de seus funcionários, cada um destes ajuíza demanda individual. Considerando-se que na maioria das hipóteses o número de funcionários é elevado, as procuradorias se vêem diante da necessidade de reestruturar suas atividades simplesmente para atender a demanda, sabendo-se de antemão o resultado. Dado o alto número de demandas, o reflexo é sentido de imediato. A sobrecarga de atividade culmina, de fato, na diminuição da qualidade do serviço. Além disso, muitos empregados se aproveitam da situação para incluir em suas demandas pedidos que são difíceis de serem ilididos pela Administração, pois quem conhecia a realidade fática da prestação do serviço era a empresa a qual se subordinavam, e que não mais conseguem ser localizadas. Some-se, ainda, o grande custo social que tal problema gera para a Administração Pública, a qual poderia destinar as verbas economizadas para áreas reconhecidamente deficitárias, como saúde e educação. O Estado, inegavelmente perde ao ter de destinar profissionais capacitados ao cumprimento de regras burocráticas e desprovidas de razoabilidade, seja porque estes deixam de atuar em causas de maior relevância econômica, seja porque para estes acaba não restando tempo suficiente para atuar na defesa da Administração em sua plenitude. Outro problema que agrava a situação decorre da própria letra da Lei nº /2002, que trouxe ao mundo jurídico uma nova modalidade de licitação, qual seja o pregão, aplicável nas hipóteses de contratação de bens e serviços comuns. Referida modalidade, frise-se, foi logo acolhida pela Administração Pública, revelando-se um hábil instrumento de redução do gasto público. 74

9 Em seu art. 1º, 1º, contudo, a citada Lei previu a possibilidade do pregão ser realizado por meio da utilização de recursos de tecnologia da informação. Daí ter aparecido o denominado pregão eletrônico. O resultado prático disso é a contratação pela Administração Pública de uma série de empresas com sede em locais distantes da localidade onde o serviço será prestado, o que dificulta sua fiscalização. Como conseqüência, verifica-se a grande incidência de casos de inadimplemento e o constante crescimento de condenações da União no pagamento das dívidas trabalhistas não honradas pelas prestadoras de serviço. O mais razoável, seria, por intermédio de alteração legislativa, restringir-se a abrangência dos participantes do pregão à região da localidade onde será prestado o serviço, de modo a permitir a contratação de empresas de reconhecida idoneidade, com experiência no ramo, evitando-se futuro prejuízo para a Administração. 4. Da aplicabilidade do Enunciado 331 do TST No tocante aos efeitos das decisões proferidas pelos Tribunais Superiores em nosso Ordenamento Jurídico, não se pode deixar de observar que o assunto foi regulamentado recentemente, com a edição da Lei nº /2007, e em atenção ao art. 103-A da Constituição Federal, incluído pela Emenda Constitucional nº 45/2004, cujo trecho se transcreve a seguir: Art. 103-A O Supremo Tribunal Federal poderá, de ofício ou por provocação, mediante decisão de dois terços de seus membros, após reiteradas decisões sobre matéria constitucional, aprovar súmula que, a partir de sua publicação na imprensa oficial, terá efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à Administração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal, bem como proceder à sua revisão ou cancelamento, na forma da lei. Como se pode ver, o texto constitucional expressamente condicionou a concessão de efeitos vinculantes às Súmulas proferidas pelo Supremo Tribunal Federal e desde que aprovada por dois-terços de seus membros. Numa rápida análise, constata-se que o Enunciado 331 do TST, o qual fundamenta a responsabilidade subsidiária da União nos casos sob comento, não atende a nenhum dos 75

10 requisitos acima, posto que não provém do STF, nem muito menos foi aprovada conforme o quorum especial exigido para tanto. Portanto, qualquer voz que chame atenção para a necessidade de observância do enunciado referido, em detrimento da Lei de Licitações, não se sustenta. Diante deste quadro, não resta outra alternativa que não considerar a prevalência do art. 71 da Lei de Licitações em face do Enunciado 331 do TST, dado que o nosso Ordenamento Jurídico tem como um de seus corolários o princípio da legalidade. Se a Lei existe, é para ser cumprida, e enquanto não foi revogada, expressa ou tacitamente, ela é válida, não havendo escusa para sua inobservância. Assim, as decisões judiciais que decidem sob o respaldo do enunciado 331 do TST representam afronta literal a dispositivo de Lei, merecendo ser anuladas. 5. Conclusão Logo, e diante do quadro traçado por este estudo, conclui-se que embora a Terceirização tenha se desenvolvido com o ideal de se proporcionar o aumento da produtividade e qualidade dos serviços, a especialização da prestação de serviços trouxe consigo uma série de problemas cuja solução ainda não foi encontrada. A falta de critérios adequados pra se selecionar uma empresa prestadora de serviços, aliadas a uma fiscalização deficiente, acabam por contribuir para o desrespeito aos direitos de seus empregados, reflexamente atingindo o Estado em seus cofres. Na tentativa de se mitigar as distorções geradas pela aplicação prática do instituto, a Jurisprudência passou a atribuir a responsabilidade pelo cumprimento das normas trabalhistas ao Estado, fazendo do art. 1º, 1º da Lei 8.666/93 letra morta. Em síntese, a solução adotada pela jurisprudência apenas transferiu a titularidade do problema, não o resolveu. De certo que ao impor ao Estado a obrigação de solver as dívidas trabalhistas das empresas terceirizadas, os trabalhadores teriam seus direitos atendidos. Contudo, tal imposição revela afronta e perigoso precedente contra nosso Ordenamento Jurídico, dado que mostra claramente o Poder Judiciário questionando a força executória e eficá- 76

11 cia de uma Lei, o que aliás vem se tornando cada vez mais freqüente em nosso Ordenamento. Reflete, ainda, prejuízo incalculável ao erário público e, obviamente, à Sociedade como um todo, eis que as condenações em série impostas pela aplicação do Enunciado 331 do TST são pagas com verbas que poderiam ser destinadas a outras áreas sociais reconhecidamente deficitárias. Ainda, contribuem para o acúmulo de atividade do Poder Judiciário, deixando a Justiça ainda mais morosa, ao mesmo tempo em que prejudica a atuação das procuradorias encarregadas da defesa jurídica do Estado. Vale frisar que o nosso Direito Pátrio tem o princípio da Legalidade como uma de suas bases fundantes, cujo desrespeito implicará inevitavelmente na ruína de toda a estrutura do Estado. A Lei, como é sabido, representa a vontade legítima do povo, o qual se manifesta por intermédio de seus representantes eleitos dentro de um sistema democrático. Não pode, simplesmente, ser desconsiderada, quaisquer que sejam os argumentos. Em regra, quando dois bens jurídicos se contrapõem, a doutrina ensina que o ideal é preservar aquele que traduz um maior valor, que trará mais benefícios à Sociedade. Nesses casos, portanto, não pode o Poder Judiciário fazer prevalecer o direito isolado de um único empregado em detrimento do direito de toda a Sociedade à correta observância e aplicação da Lei e dos demais princípios que norteiam o nosso Estado Democrático de Direito. 77

12

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções.

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. TERCEIRIZAÇÃO Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. INTRODUÇÃO Para que haja uma perfeita compreensão sobre

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA Luciano Rocha Mariano 1 Limita-se o presente tema acerca da terceirização perante o Direito do Trabalho, focado no âmbito empresarial privado. De plano,

Leia mais

DIREITO TRABALHO. Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES

DIREITO TRABALHO. Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES DIREITO TRABALHO Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) O artigo de hoje é

Leia mais

ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.

ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Autores: SANDRA CRISTINA FLORIANO PEREIRA DE OLIVEIRA SANCHES, bacharel em direito pela

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Membro Oficiante: Dr. Fabiano Holz Beserra Interessado 1: TRT 4ª Região Interessado 2: Prefeitura Municipal de Porto Alegre Assunto: Fraudes Trabalhistas 03.01.09 - Trabalho na Administração

Leia mais

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil Terceirização A precarização das relações trabalhistas No Brasil RELAÇÃO DE EMPREGO (ARTIGO 3º DA CLT) Pessoalidade Subordinação Trabalho não eventual remuneração O QUE É TERCEIRIZAÇÃO? É uma prática administrativa

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 885/97 - Plenário - Ata 53/97 Processo nº TC 017.843/93-6 Interessado: Adyr da Silva, Presidente. Entidade: Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária

Leia mais

Contrato de Facção não é Terceirização

Contrato de Facção não é Terceirização Contrato de Facção não é Terceirização A jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho tem distinguindo com bastante clareza o contrato de facção (que fragmenta a produção delegando a sua execução a

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS Projeto de Lei 4330 de 2004 (Autor Dep. Sandro Mabel) Aprovado na CDEIC e CTASP COMISSÃO ESPECIAL Relator Dep. Roberto Santiago CCJC Relator Dep. Arthur Maia Comissão

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO. Guilherme Brandão Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO. Guilherme Brandão Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO Guilherme Brandão Advogado As principais referências legais sobre a terceirização tiveram início na década de 60, no âmbito das

Leia mais

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.621, DE 2007 (Apenso o PL nº 6.832, de 2010) Dispõe sobre as relações de trabalho em atos de terceirização e na prestação

Leia mais

distinguir a terceirização das demais formas de sub-contratação de serviços;

distinguir a terceirização das demais formas de sub-contratação de serviços; Terceirização 1. Introdução O objeto de estudo da presente aula será o fenômeno moderno representado pela terceirização de determinadas atividades pelas empresas, seja como forma de aumentar sua produtividade

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006)

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006) TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006) O MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, representado, neste ato, pelo Procurador Regional

Leia mais

Terceirização. Ivan Luís Bertevello

Terceirização. Ivan Luís Bertevello Terceirização Ivan Luís Bertevello INTRODUÇÃO Terceirizar os serviços é delegar para outras empresas serviços e atividades não essenciais (atividades-meio) da sua empresa, a fim de que possa se concentrar

Leia mais

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EMPREGADOS. BREVES COMENTÁRIOS Gisela de Castro Chamoun * Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação judicial e seus reflexos nos créditos trabalhistas

Leia mais

Auditoria em Finanças. Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes

Auditoria em Finanças. Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes Auditoria em Finanças Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes Atribuições (Lei Municipal nº 10.130/2000) Art. 8º -Ficam acrescidas às competências da Secretaria Municipal de Finanças, descritas

Leia mais

Contratos de prestação de serviços - Terceirização

Contratos de prestação de serviços - Terceirização Contratos de prestação de serviços - Terceirização Inicialmente há que se esclarecer quais os pontos básicos que podem definir a licitude ou ilicitude da terceirização de serviços, tendo como base as permissões

Leia mais

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento Legislação Fiscal Lei nº 8.666/1993 Art. 67. A execução do contrato deverá ser acompanhada e fiscalizada por um representante da Administração especialmente designado, permitida a contratação de terceiros

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Câmara de Coordenação e Revisão Origem: PRT 3ª Região. Interessados: Assunto: - Temas Gerais 09.10. 1. CETUS HOSPITAL DIA ONCOLOGIA LTDA 2. TERRA NOVA SERVIÇOS LTDA ME 3. SOMA TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

Parecer nº 001/2015 SINFITO RJ Rio de Janeiro, 18 de Junho de 2015

Parecer nº 001/2015 SINFITO RJ Rio de Janeiro, 18 de Junho de 2015 Reconhecido em 10/08/1988 Código: 012.350.49525-9 Parecer nº 001/2015 SINFITO RJ Rio de Janeiro, 18 de Junho de 2015 Consultoria Jurídica Consulente: Sindicato dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011

PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011 PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011 Institui mecanismo de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões de encargos trabalhistas a serem pagos às empresas contratadas para prestar

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Após regular certame licitatório, vencido pelo consórcio Mundo Melhor, o Estado X celebrou contrato de obra pública, tendo por objeto a construção de uma rodovia

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL

PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL 1.1 FORMAÇÃO DE LITISCONSÓRCIO PASSIVO FACULTATIVO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.266/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.266/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.266/2014 Referência : Ofício nº 056/2014-AJC-PRT/8ª. Protocolo AUDIN-MPU 1306/2014. Assunto

Leia mais

EMENDA AO PROJETO DE QUALIDADE/AGILIDADE DO CONTROLE EXTERNO

EMENDA AO PROJETO DE QUALIDADE/AGILIDADE DO CONTROLE EXTERNO EMENDA AO PROJETO DE QUALIDADE/AGILIDADE DO CONTROLE EXTERNO Referência - Of. Circular nº 21-SSA/2014/ATRICON, de 16/06/2014 - Of. nº 325-SSA/2014/ATRICON, de 02/07/2014 Em atenção aos oficios em referência,

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA

A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA Manuel Martín Pino Estrada SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Conceito de Terceirização. 3 A Súmula nº 331 do TST e a Terceirização nas Esferas Pública

Leia mais

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta 1 DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta O Estado, enquanto

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo Maratona Fiscal ISS Direito administrativo 1. É adequada a invocação do poder de polícia para justificar que um agente administrativo (A) prenda em flagrante um criminoso. (B) aplique uma sanção disciplinar

Leia mais

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC.

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. QUESTÕES TRABALHISTAS EM CONDOMÍNIOS Palestrante: Carlos Alexandre Cabral 2/30 1 -ESCALA 6 POR 1 Antonio (auxiliar ou servente)

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Dra. Élida Graziane Pinto Procuradora do Ministério Público de Contas do Estado de São Paulo Pós-doutora em Administração pela EBAPE-FGV Doutora em Direito Administrativo pela UFMG Esforço de aproximação

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

AULA 21. Art. 79. A rescisão do contrato poderá ser:

AULA 21. Art. 79. A rescisão do contrato poderá ser: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 21 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 21 CONTEÚDO DA AULA: Rescisão do Contrato

Leia mais

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO Análise acerca das últimas discussões sobre o Projeto de Lei 4330, que regula o contrato de prestação de serviços terceirizados e as relações de trabalho

Leia mais

IMPLICAÇÕES JURÍDICAS DA TERCEIRIZAÇÃO NO B R A S I L S I T U A Ç Ã O ATUAL E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO. São Paulo, 14 de abril de 2015.

IMPLICAÇÕES JURÍDICAS DA TERCEIRIZAÇÃO NO B R A S I L S I T U A Ç Ã O ATUAL E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO. São Paulo, 14 de abril de 2015. IMPLICAÇÕES JURÍDICAS DA TERCEIRIZAÇÃO NO B R A S I L S I T U A Ç Ã O ATUAL E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO São Paulo, 14 de abril de 2015. ÍNDICE Cenário Por que as empresas terceirizam? Regramento legal

Leia mais

www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório.

www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório. www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório. APRESENTAÇÃO Fundado em 2001 Mais de 130 advogados e 360 colaboradores

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal,

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, A SRA. JANAÍNA BARBIER GONÇALVES (PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Gilmar Mendes, na pessoa de quem cumprimento as demais autoridades

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Atualizado em 27/10/2015 ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DESCENTRALIZAÇÃO E DESCONCENTRAÇÃO A administração pública exerce as suas competências

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997 Dispõe sobre a fiscalização do trabalho nas empresas de prestação de serviços a terceiros e empresas de trabalho temporário. O MINISTRO DE ESTADO DE

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS

TERCEIRIZAÇÃO ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS 39 TERCEIRIZAÇÃO OS ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452,

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS Para incluir no site da ABRAP A Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro -, com sede própria localizada na Travessa do Ouvidor n 8, 3 andar,

Leia mais

Como estudar jurisprudência visando à preparação para concursos públicos

Como estudar jurisprudência visando à preparação para concursos públicos Como estudar jurisprudência visando à preparação para concursos públicos Uma grande dúvida dos candidatos acerca da sistematização da preparação para concursos públicos diz respeito a como estudar jurisprudência

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS IEC - PUC THIAGO HENRIQUE MARTINS PINTO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS IEC - PUC THIAGO HENRIQUE MARTINS PINTO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS IEC - PUC THIAGO HENRIQUE MARTINS PINTO TERCEIRIZAÇÃO TRABALHISTA E O ATUAL POSICIONAMENTO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO: um estudo sobre a terceirização

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU A TERCEIRIZAÇÃO DA MÃO DE OBRA NO BRASIL AUTOR JORGE MARCOS PACÍFICO ORIENTADOR PROF. CARLOS AFONSO LEITE LEOCADIO RIO DE

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1

TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1 1 TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1 Michel Olivier Giraudeau 1. O conceito de terceirização Sabe-se que a expressão terceirização

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização.

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. O Direito do Trabalho não se preocupa apenas e tão somente com as relações entre empregado e empregador. Sua abrangência

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO TRIBUTÁRIO

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO TRIBUTÁRIO DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL Trata-se de ação de consignação em pagamento, com previsão no art. 164, I, do CTN, tendo em vista que a Fazenda Municipal se recusa a receber a prestação tributária

Leia mais

IMPUGNAÇÃO - EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO Nº 03/2014/TCE-RO

IMPUGNAÇÃO - EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO Nº 03/2014/TCE-RO Zimbra pregoeiro@tce.ro.gov.br IMPUGNAÇÃO - EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO Nº 03/2014/TCE-RO De : Contato Aviagem Assunto : IMPUGNAÇÃO - EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO Nº 03/2014/TCE-RO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007

Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007 Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007 COMBRAS ENGENHARIA LTDA. apresentou Impugnação ao Edital do Pregão Eletrônico AA nº 37/2007, que tem por objeto a contratação de empresa

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes.

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes. COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROMOVER ESTUDOS E PROPOSIÇÕES VOLTADAS À REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO TERCEIRIZADO NO BRASIL SUGESTÃO DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 Regulamenta o inciso IX do art. 114 da Constituição Federal, para dispor sobre competências da Justiça do Trabalho referentes

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO.

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO. CURSO INTENSIVO I DE TRABALHO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Otavio Calvet Data: 01.04.10 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Tema INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO. Atualizado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA Processo n.º 170/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA Referência: Pregão n.º 009/2015 Assunto: Impugnação aos Termos do Edital DECISÃO Trata-se de IMPUGNAÇÃO AO EDITAL interposta pela empresa PLUS

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB art. 7 CRFB São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: art. 7 CLT Os

Leia mais

Por despacho fundamentado, o juiz indeferiu o pedido de tutela antecipada.

Por despacho fundamentado, o juiz indeferiu o pedido de tutela antecipada. TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO. 10ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL. PROCESSO Nº. 0001576-96.2010.5.19.0010. No dia 10 de agosto de 2011, às 17h11min, na 10ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL.,

Leia mais

1 (FCC/TRE-AC/Analista/2010) A respeito das entidades políticas e administrativas, considere:

1 (FCC/TRE-AC/Analista/2010) A respeito das entidades políticas e administrativas, considere: 1 (FCC/TRE-AC/Analista/2010) A respeito das entidades políticas e administrativas, considere: I. Pessoas jurídicas de Direito Público que integram a estrutura constitucional do Estado e têm poderes políticos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa NOTA TÉCNICA Projeto de Lei da Câmara nº 33/2013 Justiça do Trabalho Necessária presença de advogado e condenação em honorários sucumbenciais Entendimento favorável. O advogado é indispensável à administração

Leia mais

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA DISPENSA DE LICITAÇÃO ARTIGO 24, INCISO VIII, DA LEI Nº 8.666/93 NÃO INCIDÊNCIA EM RELAÇÃO A ÓRGÃO OU ENTIDADE INTEGRANTE DA

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho

DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho ROTEIRO DE AULAS - PARTE 4 DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho Relação de Trabalho Autônomo: - Trabalhador autônomo é pessoa física que exerce por conta própria uma atividade

Leia mais

Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010. DIREITO DO TRABALHO APLICADO À ADMINISTRAÇÃO SABER DIREITO Prof Rogerio Neiva

Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010. DIREITO DO TRABALHO APLICADO À ADMINISTRAÇÃO SABER DIREITO Prof Rogerio Neiva Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Regime do Emprego Público Professor: Rogerio Neiva DIREITO DO TRABALHO APLICADO À ADMINISTRAÇÃO SABER DIREITO Prof Rogerio Neiva = ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 762/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 762/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 762/2014 Referência : E-mail de 17/2/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 341/2014. Assunto : Contábil.

Leia mais

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação Gustavo Justino de Oliveira* Considerações iniciais acerca do convênio Nos termos do artigo 1.º, 1.º, inciso I, do Decreto 6.170/2007, considera- -se

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ - 2010

QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ - 2010 QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ - 2010 01 A respeito da validade dos atos administrativos, assinale a alternativa correta. a) A Administração Pública do Estado do Rio de Janeiro pode convalidar

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Dr.Januário Montone D.D. Diretor Presidente da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar

Dr.Januário Montone D.D. Diretor Presidente da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar São Paulo, 06 outubro de 2003 Aos Ilmos. Srs. Dr.Fausto Pereira dos Santos DD. Diretor do Departamento de Controle e Avaliação de Sistemas do Ministério da Saúde e Coordenador Geral do Fórum de Saúde Suplementar

Leia mais

Professor Gustavo Henrique Justino de Oliveira TERCEIRIZAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Professor Gustavo Henrique Justino de Oliveira TERCEIRIZAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Gustavo Henrique Justino de Oliveira TERCEIRIZAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Sumário: 1. Noções introdutórias; 2. Terceirização e direitos trabalhistas; 2.1. Responsabilidade da Administração

Leia mais

O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA

O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA Gina Copola (abril de 2.013) I - A doutrina pátria tem se debruçado com afinco nos últimos anos sobre o controvertido tema relativo

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

Responsabilidades Trabalhistas do Franqueador.

Responsabilidades Trabalhistas do Franqueador. Responsabilidades Trabalhistas do Franqueador. Nas relações de franquia, o Franqueador não pode ser incluído no pólo passivo da Reclamação trabalhista ajuizada pelo empregado contratado pelo franqueado,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Escola de Contas Públicas Slide nº 1

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Escola de Contas Públicas Slide nº 1 Escola de Contas Públicas Slide nº 1 1) A SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA / TERCEIRO SETOR 2) ETAPAS (pelo Poder Público) 3) FORMAS DE REPASSE 3.1) precedidos de ajustes: Contrato de Gestão, Termo de Parceria

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL Ana Victoria de Paula Souza Souza, Ana Victoria de Paula. O tribunal de justiça do Estado de São Paulo e o julgamento por e-mail.

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 14 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 823.347 MARANHÃO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES RECTE.(S)

Leia mais

..., respeitosamente, à presença do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPQ, por seu representante legal, inconformada, data vênia, com a especificação contida nos Itens 1.0

Leia mais

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50 CONHEÇA A VERDADE SOBRE A Porque os interesses de Goiás e do povo goiano estão acima de interesses pessoais e corporativistas. O que é a /2014? É uma Emenda Constitucional, que disciplina a representação

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DESPACHO. Processo: 00190.026783/2008-27 Assunto: Solução para telefonia VOIP Edifício Wagner - SBN.

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DESPACHO. Processo: 00190.026783/2008-27 Assunto: Solução para telefonia VOIP Edifício Wagner - SBN. CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DESPACHO Processo: 00190.026783/2008-27 Assunto: Solução para telefonia VOIP Edifício Wagner - SBN. Sra. Coordenadora-Geral de Recursos Logísticos- Substituta, Tendo em vista

Leia mais