O SERVIÇO TERCEIRIZADO NA SOCIEDADE CAPITALISTA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SERVIÇO TERCEIRIZADO NA SOCIEDADE CAPITALISTA 1"

Transcrição

1 1 O SERVIÇO TERCEIRIZADO NA SOCIEDADE CAPITALISTA 1 Berenice Romão Ferreira Giovana Maria Tossige Quaresma Soares Doutor André Mayer 2 RESUMO Esta pesquisa faz uma abordagem ao tema terceirização do trabalho em que a Prefeitura de Ouro Preto no Complexo Municipal de Saúde (UPA), aderiu como forma de redução de gastos serviços e melhor aproveitamento da mão-de-obra ao prestar seus serviços, se beneficiando disto. No Brasil a partir da década de 70 já se praticava a terceirização do trabalho, mas no fim dos anos 90 e inicio do século XXI é que o termo terceirização ganha ênfase, pois foi a salvação para o capital superar sua crise. A solução para as empresas em reduzirem os seus custos e continuar obtendo lucros e aprimorar o uso da força de trabalho. Na busca de desenvolvimento, países como o Brasil, incentivados pela política do neoliberalismo, levados pela ideologia de globalização em nome do desenvolvimento mais rápido. Uma das estratégias do capital é a terceirização do trabalho, onde para conter gastos o Estado permite que as empresas tenham liberdade de terceirizarem seus serviços, reduzindo os gastos tributários nos quais seriam gastos se os trabalhadores fossem efetivos, não há uma fiscalização do Estado mais rígida com relação a isto, pois este atende ao mercado. Para o desenvolvimento econômico o capital encontrou na terceirização do trabalho uma forma de superar mais uma vez as suas crises, colocando sob o trabalhador todo o jugo e responsabilidade deste processo de reequilíbrio e recuperação de seus prejuízos. 1 1-Este trabalho foi realizado na Disciplina de Pesquisa I e II da Universidade Federal de Ouro Preto. O trabalho foi realizado por estudantes de graduação do curso de Serviço Social da Universidade Federal de Ouro Preto- MG, tendo como estudo a metodologia marxista. 2 O orientador foi o professor Doutor em Serviço Social da Universidade Federal de Ouro Preto. Integrante do grupo de estudos do Rosa Luxemburgo e Centro de Difusão do Comunismo. Coordenador dos cursos de extensão Relações Sociais na Ordem do Capital e Mineração e exploração dos trabalhadores na região dos Inconfidentes.

2 2 A classe trabalhadora é a que sofre com este desejo desenfreado do capital de permanecer em desenvolvimento e continuação do movimento de acumulação capitalista. Através desta pesquisa propõe-se uma análise do tema O trabalho terceirizado na sociedade capitalista. Onde pretende entender a dinâmica da terceirização no atual estágio de Acumulação Capitalista, onde o homem perde a sua condição de cidadão para o vil metal. Palavras-chave: Terceirização, capitalismo, trabalho. INTRODUÇÃO A elaboração da pesquisa propõe um estudo sobre o serviço terceirizado desde seu início no século XVIII até os dias atuais. Passando pelos moldes fordista em que Ford priorizava a divisão do trabalho para uma maior produtividade), keynesiano reestruturou o trabalho de forma mais flexível, supervalorização através das máquinas e barateando a mão-de obra. Atingindo assim a exigência do modo de produção capitalista internacional. O conjunto deste sistema capitalista internacional vem sofrendo algumas crises desde os anos 70, que irá refletir mais tarde no Brasil. A partir deste momento mudanças atingem diretamente a classe trabalhadora, e o Estado adere a política do neoliberalismo que consiste a ideologia da vingança do capital sobre o trabalhador. Assim a pequena minoria dotada dos aparelhos hegemônicos de poder (Estado, empresários estrangeiros e nacional, decidem que é preciso modernizar a economia. Ocorre nesse processo uma redefinição de práticas sócio- políticas junto com as forças sociais em conflito a classe dominante e a classe trabalhadora. Ocorrendo um enfraquecimento dos sindicatos e dos movimentos do operariado. Neste processo de flexibilização o capital sendo apoiado pelo Estado passa a ganhar autonomia para controlar as ações do mercado. Com esse novo processo a classe trabalhadora sente os seus direitos sendo retardados, a sua pauperização se manifestando.

3 3 1) Capitulo I. A ordem do capital. 1.1) O trabalho e as transformações na vida social. O trabalho é onde homem/mulher intervém na natureza em que vivem para atenderem as suas necessidades básicas. Para que o trabalho seja realizado precisa-se de instrumentos, objetos em que o homem projeta conforme a sua necessidade. [...]O trabalho é um processo entre homem e a natureza um processo em que o homem, por sua própria ação, media, regula e controla seu metabolismo com a natureza.[...]pressupomos o trabalho numa forma em que pertence exclusivamente ao homem. Uma aranha executa operações semelhantes às do tecelão e a abelha envergonha mais de um arquiteto humano com a construção dos favos de suas colmeias. Mas o que distingue,de antemão,o pior arquiteto da melhor abelha é que ele construiu o favo em sua cabeça,antes de construí-lo em cera.(marx,1983: ,153). O homem por ter a capacidade teleológica se difere dos animais. Pois o indivíduo projeta em sua consciência os meios e a finalidade do trabalho para depois levá-lo em cena. O homem se difere dos animais, pois, estes agem por instinto, sobrevivência,são seres irracionais que não conseguem construir meios, fins, apenas saciar o imediatismo. O trabalho é o fundante deste ser social, quando este ser se desenvolve através de novas projeções e estas são supridas o ambiente já não é o mesmo, têm-se a transformação não só da realidade, mas do ser social fundado no trabalho. Através dessas transformações sócio-históricas o homem passa por várias etapas adquirindo objetivações cada vez mais complexas. Após anos, décadas, séculos a moldura histórica sofreu transformações, onde se instaurou uma nova malha organizacional, onde é se rompido com o velho regime feudal. Durante a Baixa Idade Média nos séculos XI a XV aconteceu o declínio do sistema feudal. Devido ao fato de com o crescimento populacional não se podia atender as necessidades de subsistência da população que crescia continuamente. Esses indivíduos famintos abandonavam os feudos que era a unidade de produção feudal, era onde se tinha as terras para o cultivo. Após abandoná-las, pois já não se

4 4 possuía espaço para todos, se formavam os crescentes bandos de miseráveis que para manterem-se vivos utilizavam-se do roubo, saques. Devida à violência que surgia na época os senhores feudais chegaram à conclusão que para a paz voltar a reinar dever-se-ia desviar esse grande contingente de infratores para longe da Europa. Durante os séculos XI a XIII a nobreza e o clero mediante a crise da Europa organizou expedições para combater os mulçumanos que eram de religião fundada na Arábia por Maomé. Com as derrotas ocasionadas e para combatê-las, ocorrem-se lutas, onde terras são conquistadas e passa a se colocar aqueles excedentes europeus infratores para esta,esse movimento recebeu o nome de cruzadas. As cruzadas trouxe como consequência a ligação da Europa com o Oriente sob o mar mediterrâneo. Têm-se o renascimento comercial que ajudou a efetivar o urbano e o surgimento de uma cidade que havia ficado para trás. Como o sistema feudal não estava mais dando conta de saciar as necessidades dos Europeus devido à abertura comercial que trouxe como consequência a cidade, por fim o ressurgimento do dinheiro com isso o feudalismo vai se desfazendo ate perder o espaço. Uma nova ordem política, econômica, social então surgiu denominada capitalismo. Libertando-se das amarras feudais o capitalismo ganha espaço e traz consigo uma camada de artesãos, pequenos comerciantes que passam a receber o nome de burguesia. 1.2)Acumulação Capitalista e precarização na vida do trabalhador A nova dinâmica trouxe mudanças onde o modo de produção capitalista passou a não possuir nada de natural e teve a sua especificidade na exploração da força de trabalho ou trabalho assalariado. Onde o capitalista precisou cada vez mais obter a mais-valia e a partir desta extrair cada vez mais a obtenção de lucro, que é o seu objetivo primordial. O trabalhador não produz apenas a mercadoria e gera a mais-valia. O trabalhador produz e reproduz as relações sociais. Onde de um lado está o capitalista que possui a propriedade privada e o dinheiro para comprar a força de trabalho. E do outro está o trabalhador livre que para se manter vivo nesse processo capitalista, precisa vender o seu

5 5 único bem a s Qualquer que seja a forma social do processo de produção, este tem de ser contínuo ou percorrer, periodicamente, sempre de novo, as mesmas fases. Uma sociedade não pode parar de consumir, tampouco deixar de produzir. Considerando em sua permanente conexão e constante fluxo de sua renovação, todo processo social de produção é, portanto, ao mesmo tempo, processo de reprodução. (Marx, 1984, I,2:153). No atual contexto histórico a cada dez trabalhadores brasileiros quatro são terceirizados, o que não é de se causar espanto devido a atual situação, em que o capitalismo precisa driblar as suas sucessivas crises que acontecem. Ouvimos algumas vezes durante o emaranhar da pesquisa a fala desses terceirizados ou você aceita ou fica sem. O capitalismo os obriga a aceitar o mínimo para ter a quem vender a sua força de trabalho. Podemos hoje ter em mente que o capital quer a cada dia retirar o trabalho estável dos trabalhadores, deixando-os a cada dia sem escolha restando apenas as diversificadas formas de trabalho que é visto ou conhecido como terceirizados. Por volta de 1990 aconteceu no Brasil o chamado reorganização sócio- técnica da produção, da redução do número de trabalhadores que antes eram empregados para passagem de trabalhadores mais flexíveis que ora estão no mercado ora estão a sua espera, retirando assim a ampliação dos direitos e conquistas,passando agora a refletir a precarização e a sujeição do terceirizado frente aos ditames do capital. Têm-se nesse contexto histórico o surgimento dos CCQ s que obtiveram o nome de Círculos de Controle de qualidade que foram resultado do modelo do toyotismo, ou visto como modelo flexível. A necessidade de elevação da produtividade dos capitais em nosso país deu-se desde fundamentalmente o início dos anos de 1990, através da reorganização sócio técnica da produção, da redução do número de trabalhadores, da intensificação da jornada de trabalho dos empregados, do surgimento dos CCQ s(círculos de Controle de Qualidade) e dos sistemas de produção just in time e Kanban, dentre outros elementos da lógica simbiótica do toyotismo flexibilizado. Nesse período, o fordismo aqui vigente sofreu os primeiros influxos do toyotismo e da reestruturação produtiva de amplitude global. E essa processual idade deslanchou através da implantação dos receituários oriundos da acumulação flexível e o

6 6 ideário japonês e assemelhados, da intensificação da lean production, das formas de subcontratação e de terceirização da força de trabalho, da transferência de plantas e unidades produtivas, em que empresas tradicionais, como a indústria têxtil, calçados, sob imposição da concorrência internacional, passaram a buscar, além de isenções fiscais, níveis mais rebaixados de remuneração da força de trabalho, combinados com uma força de trabalho sobrante, sem experiência sindical e política, pouco ou nada taylorizada e fordizada e carente de qualquer trabalho.(antunes, 2009,pág:105) Como podemos perceber hoje existe um grande exército industrial de reserva, uma grande massa que vive a disposição do capital, esperando por emprego. Na atual situação este exército industrial de reserva é onde se encontra estes trabalhadores terceirizados que estão em situações alarmantes precisando de emprego. Como todos nós estamos dependentes dessa ordem capitalista, estes mais ainda. A terceirização é vista como algo benevolente para a retirada do indivíduo desse exército industrial de reserva, e dá-lo um lugar para que venda sua força de trabalho, mesmo que este estabelecimento não lhe dê o retorno esperado. Pois estes trabalhadores na maioria das vezes possuem apenas a carteira assinada, ou seja ganham apenas o salário mínimo para sustentarem a sua casa, família, remédio,vestuário, e muitas vezes ainda vivem da filantropia, do amor do próximo, da caridade das pessoas para conseguirem se manterem vivos. Podemos considerar os terceirizados como uma superpopulação absoluta na qual falta aos trabalhadores os meios necessários para garantirem a sua sobrevivência,pois,poucos ainda recebem bolsa família,vale gás, pois o Estado hoje garanti o mínimo, ou seja, só recebi esses direitos quem é realmente miserável, sendo que um salário mínimo é visto como muito coisa, mas na realidade não supri o desejado. Uma grande desvantagem que possuem esses terceirizados é a falta de sindicalização, união de ambos para reivindicarem melhores condições de vida e salário. O que é visto de forma muito satisfatória pelos empregadores,pois ficam a vontade para ditarem os salários, tornando assim possível somente o que é de interesse privado e benéfico para a sua empresa de serviços.

7 7 Infelizmente, assistimos a todo o momento essa barbárie sofrida pelos trabalhadores terceirizados, a vontade de recorrer, exigir melhores condições, mas não terem ninguém para lutarem a seu favor. Os próprios trabalhadores não se reconhecem como sujeitos históricos,como os que podem tentar melhorar a sua situação, pois os empregos são flexíveis e não estáveis. A maioria teme cair de volta no abismo e prefere ficar perto somente. Escutei uma frase alarmante de uma senhora de alguns poucos anos que me disse:-enquanto Deus me der forças eu vou continuar. A situação é preocupante pois vemos nos olhos desses terceirizados um grito de socorro, ou um fatalismo é assim e vai ser assim. A sociedade da meritocracia hoje nos assombra,pois a maioria da sociedade pensa ser merecido o que tem, seja na profissão, seja pelo status, não se lembrando que por trás de toda essa situação exige uma ordem chamada capitalista que trás consigo de um lado um polo de riqueza e do outro um grande contingente de necessitados. Não existe capitalismo sem existir estes polos. O que era desenvolvimento desigual e combinado no âmbito de cada sociedade nacional e no de cada sistema imperialista, sob o capitalismo mundial universaliza-se. As desigualdade, tensões e contradições generalizam se em âmbito regional, nacional, continental e mundial, compreendendo classes sociais, grupos étnicos, minorias, culturas, religiões e outras expressões do caleidoscópico global. As mais diferentes manifestações de diversidade são transformadas em desigualdade, marcas, estigmas, formas de alienação,condições de protesto, base das lutas pela emancipação[...]assim, a questão social, que alguns setores de países dominantes imaginavam superada, ressurgi com outros dados, outras cores, novos significados. (Ianni, 1992: ). Podemos ter em mente que essas contradições geradas pelo capitalismo universaliza-se não somente no Brasil, mas em ambos.têm-se uma expansão não só de riquezas globais mas um grande alastramento pelo mundo das questões geradas pelo capitalismo. Devido às suas sucessivas crises do capital e para a sua manutenção ouve-se a redução de mão de obra qualificada pela opção de um grande número de setor de serviços conhecidos como terceirizados.

8 8 Hoje os terceirizados ocupam uma grande parte dos empregos no Brasil.e também no Mundo, devido ao alastramento da globalização do capital, que faz com que países afastados a milhas e milhas de distância estejam bem próximos quanto o assunto é a sua reprodução. 2.1) O processo de Terceirização na Prefeitura de Ouro Preto. A Prefeitura de Ouro Preto possui algumas modalidades de Licitações, são elas: credenciamento, concorrência pública, convite, pregão eletrônico,pregão presencial, tomada de preços. As empresas que prestam serviços terceirizados se inscrevem neste processo de licitação, no qual terá que atender aos pré-requisitos exigidos, se adequando as condições de serviços impostas pela mesma. É no setor de planejamento que esta parte burocrática é realizada. A parte financeira deste processo de licitação funciona da seguinte forma, a prefeitura neste pregão dispõe de um valor montante, a empresa tem que usar este saldo que é divido pelo tempo de vigência do contrato para pagamento e manutenção destes funcionários e fundo da empresa. Após análises dessas empresas ganha o processo de licitação as que apresentam o menor preço. Então é feito o contrato entre as partes, com validade de cinco de anos, sendo anulado em caso de não comprimento do regimento, pode então haver anulação do contrato. A Prefeitura fiscaliza estas empresas se elas estão cumprindo com o que foi exposto no contrato, fazem este acompanhamento e quando há alguma denúncia, entra em processo jurídico para que a empresa seja desclassificada e/ou não mais preste serviços se a denúncia for verdadeira. O nosso objeto de pesquisa é o setor de serviços terceirizados do Complexo Alberto Caram, que hoje possui um bom número de terceirizados ocupando alguns cargos. No setor de serviços gerais nos deparamos com um bom número de trabalhadores, que algumas vezes não exercem somente o seu serviço mas acabam por planejar, elaborar, fazer vários trabalhos,tendo flexibilidade a entender não somente o lado da limpeza, mas a patologia, recebimento de exames entre demais.

9 9 O terceirizado é visto como um setor simples, informal, mas são cargos importantíssimos dentro da Instituição. Pois sem o setor terceirizado não teria quem limpasse, lavasse, ajudasse em outras funções que vão para além das suas. O difícil para estes trabalhadores é que sendo pela licitação, menor preço, o seu trabalho se torna flexível a mercê do patronato. Ora se tem o emprego, ora lhe falta. Os trabalhadores vivem em situações difíceis, pois ganham o mínimo para sobreviverem, não possuem vale- transporte, ticket alimentação, cesta básica,apenas recebem o salário mínimo e a carteira assinada colocando-os em certa formalidade. Dentro do Complexo Alberto Caram se possui um grande número desses setores de serviços, mas não se é maior que dos efetivos. Os trabalhadores terceirizados ganham de acordo com a área que atuam, ou que consta em sua carteira, independente se façam papel de segurança, vigia, acabando por fazer outros serviços. O trabalhador terceirizado sofre com as mudanças que vem ocorrendo pela ofensiva neoliberal e a contra reforma do Estado perdendo os seus mínimos direitos conquistados ao longo dos anos. Passam a assistir a barbárie do capital frente à cidade de Ouro Preto e veem os direitos se perdendo ao longo do desenvolvimento do vil metal. 2.2) A Instituição da Pesquisa. A Instituição foi inaugurada como Hospital Municipal em 1982, a segunda inauguração ocorreu em 29 de Dezembro de 1993 recebendo o nome de Complexo Municipal de Saúde mais conhecido como Unidade de Pronto Atendimento (UPA). O Complexo é formado por um conjunto de atividades, na qual,prestam atendimento de Urgência e Emergência, de Apoio ao diagnóstico técnico e de administração. A Unidade atende ao Hospital Santa Casa de Misericórdia de Ouro Preto, as unidades básicas de saúde entre postos, PSF localizados nos Bairros, Distritos e demais povoados e possui fortes laços com o SAMU. O espaço físico da Instituição é composto por: uma ampla sala de recepção, uma sala de emergência equipada para atender casos de alta e média complexidade, uma sala de inalação, duas salas de repouso-observação sendo uma masculina e outra

10 10 feminina, possui três consultórios médicos, um posto de serviços, um posto de lavanderia, uma sala de ortopedia, uma sala de Serviço Social entre demais. Em frente à UPA, situa-se o Laboratório de Análises Clínicas, Farmácia de Atenção Básica e possui uma Central de Lavanderia Industrial com capacidade para atendimento da demanda de toda a Rede Pública Municipal, onde é um dos locais de trabalho do terceirizado. Anexas ao complexo, edificações como o necrotério, instalações sanitárias externas e casa de máquinas. 3) Conclusão Concluímos através desta pesquisa como o Capitalismo tem dominado o mundo do trabalho contemporâneo. A classe burguesa com a ajuda do Estado passa a ter uma hegemonia sobre os assuntos relacionados á economia, política e vida social de um país. Este Estado como garantidor dos direitos da sociedade civil, demonstra nitidamente seu empenho em atender aos interesses do mercado,cortando gastos dos investimentos destinados as políticas públicas e que visam atender aos interesses da população, passa agora a atender ao capital para manter o mercado. Para garantir que não haja prejuízos aos cofres públicos, a classe trabalhadora tem carregado este peso sobre suas costas. Nossa pesquisa teve como fundamento o trabalho terceirizado no setor público, no Complexo Municipal de Saúde Alberto Caram (UPA), onde a atividade fim diz respeito aos setores de limpeza, vigilância e portaria. O arcabouço teórico- metodológico desta pesquisa tem como referencial os estudos baseados na teoria Marxista. Onde planejamos uma análise crítica da realidade do trabalho informal nos dias de hoje. O serviço terceirizado surgiu a partir da necessidade do Capital em superar suas crises, tendo como objetivo reduzir gastos. Quando se contrata uma firma que presta serviços terceirizados, o contratador abstém de suas responsabilidades trabalhistas, ocorrendo uma lucratividade maior e melhor rendimento dos trabalhadores. A firma prestadora de serviços também ganha com isso, pois o valor do contrato é acima dos gastos já incluídos com o trabalhador.

11 11 Percebemos ao longo da pesquisa que esses terceirizados são uma força de trabalho com poucos gastos, onde possuem na maioria das vezes desvantagens em relação aos efetivos, pois se tem ausência de cesta básica, transporte, alimentação entre demais. O trabalhador terceirizado se expandiu pelo País por volta de 1990 e vem se alastrando em pleno século XXI, através da expansão do capital não só nacionalmente, mas mundialmente, pois nos deparamos com este mundo em processo de globalização. Entendemos em nossa pesquisa que o trabalhador terceirizado vive a mercê do grande capital, pois estes acabam perdendo com isso os seus direitos conquistados ao longo dos anos, frente agora ao neoliberalismo que faz com que tenha um retrocesso, uma desregulamentação das condições na vida dos trabalhadores. Os trabalhadores terceirizados do Complexo Municipal de Saúde (UPA), foram além das nossas expectativas,para nós a princípio, a visão deles seria limitada, pois estariam conformados com as condições de trabalho em que se encontram, mas ao contrário disso conseguem entender a dimensão e a atual situação do trabalhador nos dias de hoje. O trabalhador terceirizado ainda se sente fragilizado, porque não há uma organização sindical que os ampare em seus direitos, uma voz ativa que faça a diferença. Eles estão a mercê de empresas contratantes e ora estão no mercado e ora fora dele.

12 12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? São Paulo: Cortez, ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo, BEHRING, E. R.;BOSCHETTI, I Política social : fundamentos e história. São Paulo : Cortez, LAURELL, Ana Cristina (org). Estado e políticas sociais no neoliberalismo. São Paulo: Cortez, 1995 LESSA, SÉRGIO. Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo. São Paulo :Cortez, MARX, K. A jornada de Trabalho. In : O Capital : crítica da economia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, MARX, Karl. O CAPITAL VOL 1/1.Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, MOTA, Ana Elisabete. Os fios (in)visíveis da produção capitalista. São Paulo : Cortez, NETTO, José Paulol. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE N. 52 Mundo do Trabalho. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE N. 62 Processo de trabalho e assistência social. REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE N. 97 SERVIÇO SOCIAL, HISTÓRIA E TRABALHO. WEBER, M. Metodologia das Ciências Sociais. São Paulo : Cortez, V.1.2.

13 13 ANEXOS GRÁFICO 01 Trabalhadores do Complexo Municipal de Saúde Alberto Caram (UPA) 20 Terceirizados 36 Efetivos 21 Contrados 2 Comissionados 2% 27% 25% 46% Figura 1 Este gráfico mostra a quantidade de trabalhadores no Complexo Alberto Caram (UPA), podemos observar que a maioria dos trabalhadores é efetivos, o que nos surpreende, mas se explica pelo fato de a atividade-fim necessitar de trabalhadores cujas funções diferem das disponíveis dos setores terceirizados. O total de funcionários contratos quase se iguala ao dos terceirizados, tendo uma mínima diferença, somando-se os dois supera ao número de efetivos, isto indica maior quantidade de funcionários flutuantes; devido ao fluxo destes ser rotativos, geralmente quando se vence o contrato muitas vezes os funcionários são substituídos por outros, transferidos para outra unidade ou mu são mandados embora, não se renovam estes contratados. Já o s cargos comissionados apenas dois por centos, são cargos ocupados por pessoas bem próximas e de confiança da administração, geralmente são os que coordenam a Unidade.

14 14 GRÁFICO 02 Setores da Prefeitura que são Terceirizados Merenda Escolar 16% Jardinagem 4% Limpeza 54% Vigilância e Portaria 26% O setor da limpeza é o mais abrangente, pois, há uma grande necessidade dos departamentos em terem trabalhadores prestando este tipo de serviços, devido ao espaço físico destes locais. Mediante as observações feitas durante a pesquisa entendemos que não só no Complexo Municipal de Saúde Alberto Caram (UPA), mas também em outros departamentos deveriam ter mais trabalhadores na área de vigilância e portaria, pois estes exercem além de suas funções, outras atividades que surgem no decorrer do dia, contratam apenas um trabalhador por turno para cada instituição. Os setores de merenda escolar e jardinagem têm um porcentual menor, são mais específicos das áreas de educação e preservação do ecossistema respectivamente e o número de funcionários necessários é reduzido por haver poucas unidades para este atendimento. TABELA 01 Perguntas Aplicadas e Respostas dos Trabalhadores Terceirizados Perguntas Respostas Função Limpeza: 07 Portaria: 03 Recepção: 03 Renda 1 Salário Mínimo: 10 1 a 11\2 Salário Mínimo:03 Carga Horária 44 Horas:12

15 15 40 Horas:01 Faixa Etária 20 a 35 anos:04 36 a 50 anos: 08 Acima de 51 anos: 01 Grau de Escolaridade Ensino Fundamental Completo: 03 Ensino Fundamental Incompleto:04 Ensino Médio Completo: 04 Ensino Superior Incompleto: 01 Curso Técnico Completo: 01 Nº de Filhos 1 a 4 Filhos: 08 5 a 7 Filhos:01 Não tem Filhos:04 Benefícios que recebem Salubridade: 07 Ticket Alimentação:07 Direitos Vale Transporte: 08 Carteira Assinada:13 Folga:13 Férias: 13 INSS: 13 Desejam ser efetivos da PMOP Relacionamento com a Supervisão da Empresa e a Coordenação da UPA Atividades Extras e/ou Complementares Sim: 09 Não: 03 Tem Dúvida: 01 Excelente: 03 Bom: 10 Ruim:00 Respostas apenas para a Coordenação da UPA OS: Com a Empresa tem contato uma vez por ano, formal e burocrático. Atividade Extra: 06 Curso de Aperfeiçoamento: 00 Faculdade: 01 Emprego anterior a este Autônomo: 02 Empresa: 05 Doméstica: 03 Desempregado: 01 Não Tinham Emprego: 02 Ao responderem o questionário os trabalhadores terceirizados tiveram a oportunidade de expressarem as suas inquietações, sugestões sobre o tema proposto na pesquisa. Percebemos que muitos sentem a necessidade de voltarem a estudar, para enfim almejar um amanhã mais risonho, um dia mais leve para si e sua família. Eles reconhecem o descaso tanto das empresas, quanto da própria Instituição com

16 16 eles, mas infelizmente a barbárie do capital continua e vem se alastrando, por isso é necessário a luta política, e o mais importante a consciência dos direitos, uma visão mais crítica que vá além.

O PROCESSO DE PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO NA MINERAÇÃO E A ATUAÇÃO DO SINDICATO METABASE DOS INCONFIDENTES NO MUNICIPIO DE MARIANA-MG

O PROCESSO DE PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO NA MINERAÇÃO E A ATUAÇÃO DO SINDICATO METABASE DOS INCONFIDENTES NO MUNICIPIO DE MARIANA-MG 1 O PROCESSO DE PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO NA MINERAÇÃO E A ATUAÇÃO DO SINDICATO METABASE DOS INCONFIDENTES NO MUNICIPIO DE MARIANA-MG Emília da Silva Godoy 1 Luciano Nascimento de Jesus 2 Suely do Pilar

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1.

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1. 1 A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1. 1. INTRODUÇÃO Laudicéia Lourenço de Araújo 2 Universidade Federal de Goiás Campus Catalão laudiceia.geografia@gmail.com

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje?

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Estudos do Trabalho Ano II. Nº 3-2008. Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Ricardo Antunes Professor da Universidade Estadual

Leia mais

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade.

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade. O TRABALHO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DO SETOR PRODUTIVO PRIVADO: REFLEXÕES SOBRE OS NOVOS DISPOSITIVOS DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA MIRANDA, Aline Barbosa UFU alinebarbosas@yahoo.com.br SILVA, Maria Vieira UFU

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO Watfa Abou Chami Pereira PPGTE-Universidade Tecnológica Federal do Paraná Nilson Marcos Dias Garcia PPGTE/DAFIS-Universidade

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

DIMENSÕES DO DESEMPREGO E DA POBREZA NO BRASIL

DIMENSÕES DO DESEMPREGO E DA POBREZA NO BRASIL http:///br/traducoes.asp?ed=8&cod_artigo=140 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista As determinações do trabalho no modo de produção capitalista Amanda Larissa Magalhães Ferreira 1 Luciene de Barros correia Teotonio 2 Sanney Karoliny Calixto Barbosa 3 Resumo: O presente artigo tem como

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 La crisi globale e il feticcio della regolamentazione nell esperienza europea e in quella del Sud America. Flávio Bezerra

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

O TRABALHO EM TEMPOS DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA

O TRABALHO EM TEMPOS DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA O TRABALHO EM TEMPOS DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA Caroline Maria Leal 1 Larissa Vieira Rêgo 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar a real situação do trabalho na sociedade brasileira, buscando sinalizar

Leia mais

Mudanças na forma de organização do trabalho

Mudanças na forma de organização do trabalho Mudanças na forma de organização do trabalho Jaqueline Lopes 1 Resumo: A importância de falar sobre as mudanças que vem ocorrendo ao longo dos séculos no mundo do trabalho, é que essas mudanças têm como

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com.

Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com. Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com.br Modalidad de trabajo: Eje temático: Palabras claves:

Leia mais

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE II Semana de Economia Política GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE Resumo Inaê Soares Oliveira 1 Lohana Lemos

Leia mais

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança 03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança Render 5 Vezes Mais por Leandro Sierra Índice Apresentação...03 Introdução... 04 Passo 1...05 Passo 2... 08 Educação Financeira para a Segurança do seu Investimento...

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos 2 QUESTÃO 01 (1,0) Durante a constituição do capitalismo industrial, no século XVIII, firmou-se o trabalho assalariado, reservado aos indivíduos que não dispunham

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

Trabalho na contemporaneidade, questão social e Serviço Social. Reestruturação produtiva; precarização do trabalho; trabalho em domicílio.

Trabalho na contemporaneidade, questão social e Serviço Social. Reestruturação produtiva; precarização do trabalho; trabalho em domicílio. As transformações contemporâneas no mundo do trabalho e seu rebatimento na pequena produção familiar em Toritama- Brasil 1 Amanda Roberta Souza da Silva 2 amanda_roberta84@yahoo.com.br Modalidade de trabalho:

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

Seminário realizado pela DS Campinas/Jundiaí debate as mudanças tecnológicas e relações de trabalho na RFB

Seminário realizado pela DS Campinas/Jundiaí debate as mudanças tecnológicas e relações de trabalho na RFB Seminário realizado pela DS Campinas/Jundiaí debate as mudanças tecnológicas e relações de trabalho na RFB As mudanças na rotina de trabalho provocadas pelo avanço da tecnologia e seus impactos nas relações

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital

Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital Mais de um terço dos intercambistas do Programa Mais Médicos ou 35,7% deles - nunca teve contato com seu tutor,

Leia mais

Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1

Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1 Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1 Vinicius Correia Santos 2 Introdução Como conseqüência da reestruturação

Leia mais

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A essência da terceirização visa trazer às empresas contratantes desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, busca de qualidade, controles

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013: o significado do reajuste económico

Orçamento do Estado para 2013: o significado do reajuste económico Orçamento do Estado para 2013: o significado do reajuste económico Renato Guedes CADPP - Comité para a Anulação da Dívida Pública Portuguesa www.cadpp.org 25 de Outubro de 2012 Existe uma regra empírica

Leia mais

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil.

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A FORMAÇÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA NO BRASIL Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A sociedade brasileira

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Trabalho e exploração Educação - Cortadores de cana.

PALAVRAS-CHAVE: Trabalho e exploração Educação - Cortadores de cana. ISSN: 1981-3031 O MODO DE PRODUCÃO CAPITALISTA E A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO NA AGROINDUSTRIA CANAVIEIRA E SUA RELAÇÃO NAS CONDIÇÕES DE EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR DO CORTE DA CANA ¹ Rosangela de Araujo RESUMO

Leia mais

TÍTULO: A TERCEIRIZAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ - MG

TÍTULO: A TERCEIRIZAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ - MG Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A TERCEIRIZAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ - MG CATEGORIA:

Leia mais

Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura - CONTAG RELAÇÃO CAPITAL/TRABALHO NO ASSALARIAMENTO RURAL

Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura - CONTAG RELAÇÃO CAPITAL/TRABALHO NO ASSALARIAMENTO RURAL Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura - CONTAG RELAÇÃO CAPITAL/TRABALHO NO ASSALARIAMENTO RURAL Marleide Barbosa de Sousa 1 dada a inseparabilidade das três dimensões do sistema do capital,

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA DO OPERÁRIO FRANCANO/SP

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA DO OPERÁRIO FRANCANO/SP O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA DO OPERÁRIO FRANCANO/SP Andresa Alves de Carvalho 1 Helen Barbosa Raiz Engler No referido artigo pretende-se discutir o processo de reestruturação

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo

Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo Thiago Leibante * Introdução O trabalho informal é um fenômeno social que se encontra em praticamente todo o mundo capitalista.

Leia mais

PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO

PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO Christiani Cassoli Bortoloto Lopes Marilia Borges Claudia Debora Picolli Claudimara

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

DIVULGAÇÃO E PROPAGANDA: EXPRESSÃO DO TRABALHO INFORMAL NA CIDADE DE IGUATU - CE RESUMO

DIVULGAÇÃO E PROPAGANDA: EXPRESSÃO DO TRABALHO INFORMAL NA CIDADE DE IGUATU - CE RESUMO DIVULGAÇÃO E PROPAGANDA: EXPRESSÃO DO TRABALHO INFORMAL NA CIDADE DE IGUATU - CE Ana Samilly Alexandre Moreira 1 Michele Ribeiro de Oliveira 2 RESUMO O presente artigo discute os impactos nas relações

Leia mais

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência No dia 21 de julho, o RH do Banco Bradesco e diretores do Bradesco Previdência expuseram, a cerca de 50 dirigentes sindicais, as mudanças no plano de

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

O estágio atual da crise do capitalismo

O estágio atual da crise do capitalismo O estágio atual da crise do capitalismo II Seminário de Estudos Avançados PC do B Prof. Dr. Paulo Balanco Faculdade de Economia Programa de Pós-Graduação em Economia Universidade Federal da Bahia São Paulo,

Leia mais

UNIDADE I HISTÓRIA DA CIDADE. 1.1 Urbanização e Classes Sociais. 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3 Cidade Industrial (Liberal) 1.4 Cidade Pós-Liberal

UNIDADE I HISTÓRIA DA CIDADE. 1.1 Urbanização e Classes Sociais. 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3 Cidade Industrial (Liberal) 1.4 Cidade Pós-Liberal Como originaram as primeiras cidades? O que veio antes? campo ou cidade? 1.1 Urbanização e Classes Sociais HISTÓRIA DA CIDADE UNIDADE I 1.1 Urbanização e Classes Sociais 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO QUADROS RESUMOS SÃO PAULO Total de profissionais: 453.665 Enfermeiros: 105.438 Auxiliares e Técnicos de Enfermagem: 348.227 QUADRO RESUMO PERFIL SÓCIO ECONOMICO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SÃO PAULO BLOCO

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Novo Negócio 12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Vinícius Gonçalves Equipe Novo Negócio Espero sinceramente que você leia este PDF até o final, pois aqui tem informações muito importantes e que

Leia mais

TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE

TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE Poliana Beordo 1 1. INTRODUÇÃO: Para Plácido e Silva (2002) Súmula: é o que explica o teor, ou o conteúdo integral de alguma coisa,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado 20 Anos de SINDEEPRES Anos de Terceirização no Brasil Seminário 20 Anos de Terceirização no Brasil SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado Marcio Pochmann www.sindeepres.org.br Relações do trabalho

Leia mais

Consultoria empresarial: o Serviço Social posto à prova

Consultoria empresarial: o Serviço Social posto à prova Consultoria empresarial: o Serviço Social posto à prova Resultado de investigación finalizada GT18 Reestructuración productiva, trabajo y dominación social Fernanda Caldas de Azevedo RESUMO: Este trabalho

Leia mais

Unidade I. Sociologia e Educação. Profª. Renata Viana de Barros Thomé

Unidade I. Sociologia e Educação. Profª. Renata Viana de Barros Thomé Unidade I Sociologia e Educação Profª. Renata Viana de Barros Thomé Revisão do pensamento sociológico, matrizes básicas da Sociologia aplicadas às questões educacionais Para estudar Sociologia da Educação

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

O debate sobre classes sociais

O debate sobre classes sociais 1 VII Colóquio Internacional Marx e Engels Reconfigurações do trabalho do dentista: da autonomia ao assalariamento disfarçado. Lana Bleicher Professora da UFBA GT 5 - Relações de classe no capitalismo

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ-MG

A TERCEIRIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ-MG A TERCEIRIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ-MG RAFAEL GUEDES DOS REIS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas - FACESM faelguedes_91@hotmail.com HECTOR GUSTAVO ARANGO Faculdade

Leia mais

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR Capítulo I Da definição Artigo 1º - O Conceito Empresa Júnior é a definição utilizada para determinar as organizações que se caracterizam ou não como Empresa Júnior.

Leia mais

- Samuelson: Acredita que somente as organizações monopolistas, podem desenvolver programas sociais, mantendo seu lucro no mesmo patamar.

- Samuelson: Acredita que somente as organizações monopolistas, podem desenvolver programas sociais, mantendo seu lucro no mesmo patamar. Responsabilidade Social Corporativa Esse tema hoje em dia é utilizado tanto nos meios acadêmicos quanto empresarial, mostrando assim, seus importantes conceitos sobre Responsabilidade Social e sobre ética.

Leia mais

A DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO E A DESVALORIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO

A DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO E A DESVALORIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO A DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO E A DESVALORIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO Janaina Bezerra de Queiroz Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Resumo No contexto histórico, a divisão sexual do trabalho é um fenômeno,

Leia mais

Fundamentos Ontológicos do trabalho em Marx: trabalho útil - concreto e trabalho abstrato

Fundamentos Ontológicos do trabalho em Marx: trabalho útil - concreto e trabalho abstrato Fundamentos Ontológicos do trabalho em Marx: trabalho útil - concreto e trabalho abstrato MARIANA CORREIA SILVA SABINO Universidade Federal de Alagoas UFAL RESUMO O presente artigo discorre sobre os Fundamentos

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG)

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) Igor Silva Figueiredo 1 Igor.figueiredo@gmail.com Este trabalho consiste numa pesquisa

Leia mais

AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO

AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO Nesta unidade, estudaremos o pensamento sociológico clássico, que consiste na compreensão dos três princípios explicativos da realidade social.

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO A partir do século XI Expansão das áreas de cultivo, as inovações técnicas.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA

A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA Zedequias Vieira Cavalcante¹, Mauro Luis Siqueira da Silva² RESUMO: A Revolução Industrial

Leia mais

Metade da humanidade não come...

Metade da humanidade não come... Metade da humanidade não come... ...e a outra metade não dorme com medo da que não come. Josué de Castro DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM Art. 1º Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade

Leia mais

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 Ana Mercês Bahia Bock 2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo São Paulo/Brasil O tema proposto para a reflexão

Leia mais

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX ROSA, Aline Azevedo 1 DELGADO, Valéria 2 MARTINS, Eduardo 3 RESUMO Este artigo abordará a temática acerca da disciplina sociologia da educação. Esta disciplina

Leia mais

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já!

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! 1 São Paulo, 11 de fevereiro de 2010 NOTA À IMPRENSA Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! O debate sobre a redução da jornada de trabalho no Congresso Nacional Nesta semana, a campanha pela

Leia mais

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES 1) Já completei 25 anos como professora em sala de aula, tenho hoje 45 anos de idade, com esta idade vou aposentar

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES Luiz Carlos Bresser-Pereira Senhor, nº 24, março de 1980 Estou passando pelos corredores e ouço: Quando as empresas brasileiras forem dirigidas por administradores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º Professor(es) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO Ano Semestre Letivo 2015 2º 1. IDENTIFICAÇÃO: Código: 1.1. Disciplina:

Leia mais

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia Atividade extra Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer

Leia mais

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra, integra o conjunto das "Revoluções Burguesas" do século XVIII, responsáveis

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker O presente artigo busca destacar as principais contribuições teóricas que definiram a linha evolutiva da Administração que se desenvolveu desde

Leia mais

Mulher e trabalho: um debate necessário no contexto das políticas neoliberais

Mulher e trabalho: um debate necessário no contexto das políticas neoliberais Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010 GT 7. Gênero e Trabalho Coord. Anne Grace Gomes Mulher e trabalho:

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Palavras chaves: Superexploração, opressão de gênero, economia brasileira.

Palavras chaves: Superexploração, opressão de gênero, economia brasileira. A SUPEREXPLORAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO FEMININA NO BRASIL TAMARA SIEMANN LOPES (autora) 1 CINTHIA DE SOUZA(coautora) 2 Resumo: A inserção da mulher nas atividades econômicas passou a ser uma variável relevante

Leia mais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais Bárbara Duarte de Arruda Universidade Federal Fluminense barbara.dda@gmail.com A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já!

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! 1 Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! O debate da redução da jornada de trabalho no Congresso Nacional Nesta semana, a campanha pela redução da jornada de trabalho sem redução de salários

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais