A TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA EM UMA EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA; UM ESTUDO DE CASO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA EM UMA EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA; UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 A TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA EM UMA EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA; UM ESTUDO DE CASO Renata Albergaria de Mello Bandeira (IME) Luiz Carlos Brasil de Brito Mello (UFF) Antonio Carlos Gastaud Macada (UFRGS) São inúmeros os casos de insucesso nos acordos de terceirização logística, sendo a maioria atribuída a deficiências no processo decisório. Desta forma, ficam evidentes a complexidade deste processo e a dificuldade enfrentada pelos executivoos em identificar os fatores de decisão. Assim, esta pesquisa objetivou identificar os principais fatores de decisão de terceirização logística, desenvolvendo um estudo de caso em uma montadora automobilística contratante de operadores logísticos. Concluiu-se que a Decisão de Terceirização Logística se dá a partir da análise de cinco fatores - Estratégia, Custos, características do Ambiente, Características do Processo Logístico e dos Operadores Logísticos disponíveis. Palavras-chaves: Processo Decisório. Operadores Logísticos (3PL),Logística. Terceirização, Indústria Automobilística

2 1. INTRODUÇÃO É crescente o número de empresas que adotam a terceirização logística devido à acirrada concorrência entre as organizações (SCHOENHERR, 2010). Empresas líderes de mercado, como Cisco Systems, Ford e Fiat, terceirizam seus processos logísticos (EXAME, 2008) com intuito de focar em suas competências centrais, tornar sua cadeia de suprimentos mais ágil, eficiente em custos e competitiva (BOER et al., 2006, GUNASEKARAN; IRANI, 2010). A indústria de operadores logísticos cresceu, globalmente, a taxas de 10% ao ano entre 1995 e 2007 (BOT; NEUMANN, 2007) e, em 2008, apesar da crise, teve um aumento de 6,5% em seu faturamento (DIBENEDETTO, 2009). No Brasil, o setor também apresenta crescimento expressivo, com taxa de 20% em 2008 (CEL/COPPEAD, 2008). Entretanto, algumas empresas decidem não terceirizar sua operação logística devido a: (i) descrença na redução dos custos e no aumento do nível de serviço; (ii) crença de que o serviço será melhor executado internamente; (iii) ameaça da perda de know-how; e (iv) perda do controle sobre as atividades logísticas (SHARIF et al., 2007). Outro elemento que influencia a decisão de terceirização logística são as experiências mal sucedidas. Entre 20% e 25% desses acordos falham em até dois anos e 50% deixam de ter êxito em cinco anos (CRAIG; WILLMOTT, 2005). Tais insucessos têm sido atribuídos, principalmente, a deficiências no processo decisório (IAÑEZ; CUNHA, 2006; ISIKLAR et al., 2007). Trata-se de uma decisão complexa que envolve diversos atributos interdependentes entre si (WATER; PEET, 2006). Desta forma, é importante o desenvolvimento de pesquisas sobre este processo decisório. A pesquisa bibliográfica realizada revelou que os principais tópicos estudados sobre o tema referem-se: (i) à classificação de operadores logísticos; (ii) aos benefícios esperados com a terceirização; (iii) aos contratos de terceirização; (iv) aos resultados do processo de terceirização; (v) às análises do mercado de operadores logísticos e suas tendências; (vi) ao relacionamento entre operadores logístico e às contratantes; (vii) à análise da eficiência de operadores logísticos; e (viii) à seleção de operadores logísticos. Verificou-se que a maioria dos estudos se refere à seleção dos operadores logísticos, sendo dada pouca atenção à decisão de terceirização logística. Neste trabalho, analisa-se, por meio de um estudo de caso em uma empresa automobilística brasileira, a decisão de terceirização para operadores logísticos (3PL), sob o enfoque da organização contratante. Optou-se por analisar o processo de terceirização para operadores 3PL porque esta ainda é a tendência do mercado nacional (NEVES, 2008). O objetivo principal da pesquisa consiste em explicitar os principais fatores a serem avaliados pelos executivos do setor envolvidos na decisão de terceirização logística. Os gerentes de logística e tomadores de decisão poderão recorrer a este conjunto de fatores para estruturar o processo decisório de terceirização logística em suas organizações e, assim, reduzir o risco de decisões errôneas. 2. DECISÃO DE TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA A decisão de terceirização logística pode ser considerada uma variante da decisão clássica de fazer ou comprar (MONCZKA, 2005), podendo ser feita, principalmente, através de dois tipos de análise (DISERIO; SAMPAIO, 2001), a saber: a) Análise do custo de transação: tem sua base teórica na Economia dos Custos de Transação (ECT), que considera a racionalidade limitada e o oportunismo como pressupostos essenciais 2

3 sobre os atores econômicos engajados em transações (BARNEY; HANSEN, 1994). Aborda os limites das firmas e apresenta mercados e hierarquias como alternativas para mecanismos de governança. Assim, a decisão sobre a governança e, nesta pesquisa, sobre a terceirização logística visa reduzir a um menor custo os problemas transacionais criados pela racionalidade limitada e pelo oportunismo (WILLIAMSON, 1995). b) Análise estratégica: composta por modelos da escola estratégica. O modelo neoclássico, desenvolvido por Porter (1985), focaliza a seleção de posições estratégicas no negócio visando à conquista de vantagens competitivas, que dependem basicamente da posição no mercado e dos produtos. Ao contrário, os modelos alicerçados na Visão Baseada em Recursos (Resource Based View RBV) consideram que a vantagem competitiva deriva de capacidades e recursos (RODRIGUEZ; ROBAINA, 2006). Essa abordagem focaliza os esforços e investimentos da organização em suas competências essenciais. Eric (2000) compara as teorias da ECT e da RBV em relação à terceirização. Para o autor, a ECT considera a decisão de terceirização como tática, adotando a minimização de custos de produção e transação como o principal critério decisório. Assim, os benefícios esperados pela terceirização são maior eficiência e economia, e o maior risco é a dependência. Segundo a RBV, a decisão de terceirização é considerada estratégica, sendo a criação de valor o principal critério de decisão. Os benefícios esperados são maior vantagem competitiva e desenvolvimento de capacidades, e os riscos envolvem perdas de capacidade essenciais. Em alguns pontos a RBV e da ECT são contraditórias, pois têm focos distintos (MARSHALL et al., 2007). Porém, em relação à decisão sobre terceirização, é crescente o número de autores (ARNOLD, 2000; MADHOK, 2002) que defendem a complementaridade das duas visões, pois a utilização apenas de critérios econômicos limita a qualidade da tomada de decisão. As empresas também devem utilizar aspectos inerentes à sua própria competência para a decisão de terceirização. É importante ressaltar que autores como Barney e Arikan (2001), Priem e Butler (2001) criticam a perspectiva da RBV, dado que a simples posse de recursos valiosos, raros inimitáveis e de difícil substituição não garante vantagens competitivas e a criação de valor. Sirmon et al. (2007) enfatizam a importância da integração da RBV com as teorias do ambiente competitivo, tais como a Teoria Institucional e a Teoria da Contingência. Portanto, apesar de ter sua sustentação teórica estruturada, principalmente, na abordagem da RBV e da ECT, a presente pesquisa também se apoiou nos conceitos da Teoria da Contingência e da Teoria Institucional para propor um conjunto de fatores de decisão de terceirização logística. 3. FATORES DE DECISÃO DE TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA Considera-se, com base na proposta de Kremic et al. (2006), que o processo decisório de terceirização logística se estrutura a partir da análise de cinco fatores: (i) Estratégia; (ii) Custo; (iii) Característica do processo; (iv) Ambiente; e (v) Operadores Logísticos. Nesta seção, são apresentados os fatores e elementos de decisão propostos pela pesquisa para serem analisados no processo de terceirização logística. a) Estratégia Proposição 1: O processo decisório de terceirização logística se apóia no fator estratégia. O processo decisório se apóia na análise de fatores de decisão cunho estratégico (KREMIC et al., 2006), sendo avaliado a partir da: (a) competência central; (b) disponibilidade de recursos do processo logístico; e (c) riscos estratégicos envolvidos no processo logístico. A competência central é um conceito teórico da RBV, sendo que os processos geradores de 3

4 competências centrais não devem ser terceirizados (QUINN, 1999). Ainda, segundo a RBV, as empresas buscam, a partir da terceirização, recursos e capacidades externas para melhorar o seu desempenho. A crescente demanda por tecnologias sofisticadas e por serviços logísticos especializados estimulam a terceirização dos processos logísticos para operadores que dispõem de maior habilidade técnica e recursos (PERSSON; VIRRUM, 2001). Destaca-se também que os riscos de operação logística, a partir da decisão de terceirização, são compartilhados entre a empresa e o operador, mas a terceirização resulta em riscos estratégicos para a contratante (SINK; LANGLEY, 1997). Kremic et al. (2006) enumeram os principais riscos estratégicos envolvidos na decisão de terceirização logística: (i) risco de aumento dos custos logísticos; (ii) risco da redução de flexibilidade; (iii) risco da perda do controle das atividades terceirizadas; (iv) risco de dependência dos operadores; (v) risco de perda da imagem da organização devido ao baixo desempenho do operador; (vi) risco de perda de clientes devido ao baixo desempenho do operador; (vii) risco da redução da moral dos funcionários; e (viii) risco de perda de informações chave do mercado obtidas a partir do contato direto com os funcionários. b) Custos Proposição 2: O processo decisório de terceirização logística se apóia no fator custos. A decisão de terceirização logística, segundo a ECT, visa reduzir, a um menor custo, problemas transacionais criados pela racionalidade limitada e oportunismo (WILLIAMSON, 1995). Logo, o processo decisório de terceirização logística deve englobar a análise deste fator por meio da avaliação de: (a) necessidade de investimentos em ativos para desempenho do processo; e (b) custo logístico do processo terceirizado. A terceirização visa à redução de custos logísticos e a liberação de recursos para outras atividades. Assim, processos com alto custo e que requerem altos investimentos têm maior propensão à terceirização (SCHOENHERR, 2010). c) Características do processo Proposição 3: O processo decisório de terceirização logística se apóia no fator características do processo logístico. As diferentes características do processo podem interferir no resultado do processo decisório de terceirização logística. As características do processo devem ser consideradas na tomada de decisão a partir da análise da: (a) especificidade; (b) capacidade de geração de valor; (c) desempenho; (d) qualidade; (e) flexibilidade do processo; (f) dificuldade de substituir e de imitar o processo logístico; (g) complexidade; e (h) risco operacional do processo logístico. De acordo com a perspectiva da RBV, os conceitos de valor, especificidade, dificuldade de imitação e dificuldade de substituição são importantes para a classificação dos processos segundo a geração de competências centrais. Logo, tais conceitos influenciam a decisão de terceirização. A abordagem da ECT também considera que a especificidade dos ativos é uma das principais causas para o aumento do custo de transação (HOLCOMB; HITT, 2006). A terceirização logística, para a RBV, é uma oportunidade de melhoria para processos com baixo desempenho e padrão de qualidade, além de um esforço para aumentar a flexibilidade (PERSSON; VIRRUM, 2001). Para Razzaque e Sheng (1998) e Fleury (1999), a crescente complexidade da cadeia de suprimentos colabora para a tendência de terceirização logística. As operações logísticas tornaram-se mais complexas, de modo que algumas empresas têm dificuldade de gerenciá-las e, por isto, buscam a terceirização (SOHAIL; SOHAL, 2003). Assim, as empresas reduzem a complexidade de suas operações e passam a focar em suas competências centrais. Ainda, no caso da terceirização, os riscos operacionais do processo 4

5 logístico passam a ser compartilhados entre o operador e a empresa contratante, havendo assim a mitigação do risco operacional (PERSSON; VIRRUM, 2001). d) Ambiente Proposição 4: O processo decisório de terceirização logística se apóia no fator ambiente. O fator Ambiente tem sua base conceitual na Teoria da Contingência. O processo decisório de terceirização logística deve envolver a análise do fator Ambiente a partir do: (a) ambiente político interno da organização; (b) sucesso das organizações que terceirizaram o processo logístico (isomorfismo); e (c) incerteza do ambiente. O ambiente político interno da organização é representado pelo comprometimento da alta administração e demais colaboradores, sendo este fundamental para o sucesso da terceirização (IAÑES; CUNHA, 2006). Porém, muitas vezes, a terceirização não recebe apoio suficiente devido à falta de confiança em empresas externas e ao sentimento de ameaça ao emprego. No caso da terceirização logística, considera-se o isomorfismo mimético, pois as organizações optam pela terceirização pelo simples fato de que outras firmas obtiveram sucesso ao repassar o processo logístico a operadores (JHARKHARIA; SHANKAR, 2007). Por sua vez, a incerteza, no que se refere à logística, está associada à dificuldade da empresa estimar suas necessidades futuras ou as incertezas externas (IVANAJ; FRANZIL, 2006). O grau de incerteza também influencia a decisão de terceirização, especialmente em casos de contratos de longo prazo (KREMIC et al, 2006). e) Operadores logísticos Proposição 5: O processo decisório de terceirização logística se apóia na disponibilidade de operadores logísticos. Este fator tem sua base conceitual na Teoria da Contingência, dado que as características do mercado de operadores é uma dimensão do ambiente externo, e na ECT, pois se relaciona à disponibilidade de operadores. A baixa disponibilidade de terceiros especializados permite o comportamento oportunista dos terceirizados, aumentando o custo de transação (HOLCOMB; HITT, 2006). McGinnis et al. (1997) consideram a disponibilidade de um operador logístico que atenda às necessidades da organização como o principal motivador para a terceirização. Entretanto, é necessário que os operadores atendam a critérios de exigência dos contratantes. Logo, o processo decisório de terceirização logística deve englobar a análise do mercado de operadores logísticos, sendo verificada a disponibilidade de prestadores que ofereçam os serviços demandados, recursos oferecidos, possuam cobertura geográfica, tenham experiência dos operadores no mercado e boa imagem (reputação). 4. MÉTODO DE PESQUISA Os métodos de pesquisa utilizados foram de cunho qualitativo. Inicialmente, foram realizadas entrevistas exploratórias e, em seguida, foi utilizado um estudo de caso. As entrevistas exploratórias foram estruturadas segundo um roteiro e tiveram duração média de uma hora. Foram entrevistados quatro executivos que: (i) atuam em empresa de grande porte que realizou a terceirização logística; e (ii) participaram da decisão de terceirização logística. Os executivos atuam, em média, há 10 anos nos departamentos de logística de empresas líderes de mercado. O objetivo desta etapa foi de entender a estrutura do processo de terceirização logística e se as dimensões identificadas na literatura eram aderentes a pesquisa. Posteriormente realizou-se um estudo de caso para analisar as proposições de pesquisa e gerar hipóteses (YIN, 2001). A unidade de análise é uma empresa de grande porte da indústria automobilística que terceiriza seu processo logístico para operadores 3PL. A escolha pelo 5

6 mercado automobilístico de se justifica pelo papel estratégico que a logística tem para a competitividade e desempenho desta indústria. A cadeia de suprimento automobilística é extremamente complexa devido à sua amplitude, ao nível de competição, aos números de setores produtivos envolvidos e penetração mundial (GEIGER, 2005). A seleção dos entrevistados foi feita pela empresa, atendendo à exigência de que trabalhassem com logística e que tivessem participado do processo decisório de terceirização. Foram entrevistados três executivos que, em média, trabalham na organização há 15 anos e há 10 anos com logística. A validação de face e conteúdo do roteiro de entrevista foi realizada por três especialistas em logística. A validade externa da pesquisa foi evidenciada pela: (i) seleção de empresa líder de mercado consolidada; (ii) escolha de entrevistados experientes e envolvidos na decisão de terceirização logística; (iii) realização da etapa de entrevistas exploratórias; e (iv) realização de estudos de caso. A triangulação de dados foi feita pela pesquisa documental, observação direta do pesquisador na empresas e entrevistas, determinando a validade do construto. 5. ANÁLISE DAS ENTREVISTAS O modelo de pesquisa foi discutido e analisado pelos entrevistados, que concordaram com os fatores e elementos de decisão propostos pela pesquisa. Um importante fato revelado nesta fase foi que a empresa analisada, ao terceirizar, não está preocupada em reduzir problemas vinculados a questões trabalhistas, ao contrário do que aponta a literatura (BOYSON, 1999; PERSSON; VIRUM, 2001). Devido às particularidades da legislação brasileira, a terceirização pode implicar em questões trabalhistas complexas. Ressalta-se que o conjunto de fatores selecionado na literatura não foi alterado o que revela a sua representatividade. Enfim, foi destacado pelos executivos que o processo de decisão de terceirização logística compreende multidimensões e que os fatores propostos refletem esta característica de forma apropriada. 6. ANÁLISE DO ESTUDO DE CASO Nesta seção, são apresentadas as características da empresa analisada e como ocorreu o processo decisório de terceirização. Também é realizada a análise dos fatores e itens de decisão de terceirização logística na organização. 6.1 DESCRIÇÃO DA EMPRESA ESTUDO DE CASO A organização pesquisada é uma das maiores montadoras da indústria automotiva, empregando funcionários e fabricando carros e veículos comerciais em 35 países. A subsidiária brasileira é a maior operação da corporação na América do Sul e a segunda maior operação fora dos Estados Unidos. A empresa conta, no país, com três complexos industriais e um centro distribuidor. A unidade pesquisada, inaugurada em 2000, emprega funcionários diretos e indiretos, além de 18 sistemistas. O complexo forma um condomínio fechado entre a montadora e seus sistemistas, onde as partes envolvidas mantêm suas identidades e dividem os custos e despesas. Os entrevistados reforçam o papel estratégico da logística para a empresa, cuja linha de produção é compacta e enxuta. Trabalhando com o sistema de produção enxuta (do inglês, lean), a fábrica tenta minimizar o volume de estoque. Deste modo, qualquer falha no processo logístico pode ocasionar interrupções na linha de produção. Portanto, o sucesso da gestão da cadeia de suprimentos é fundamental, uma vez que qualquer erro na cadeia implica em grandes prejuízos para a organização. Contudo, os executivos destacaram que a logística não é considerada uma competência central da organização. 6

7 As atividades logísticas da unidade são desempenhadas por operadores, cabendo à equipe de logística a gestão da cadeia, monitoramento e acompanhamento das atividades terceirizadas. A equipe de logística é composta por apenas sete funcionários. O nível hierárquico do principal executivo de logística é de alta gerência. A unidade terceirizava, até 2002, suas atividades logísticas para um único operador, porém a organização optou por consolidar as atividades de suas três plantas em grupos, segundo suas semelhanças técnicas, a serem terceirizados para operadores especializados. Assim, a empresa buscava maior qualidade e desempenho dos serviços prestados, além da redução de custos. Atualmente, a planta conta com os serviços de cinco operadores, que desempenham: (i) abastecimento e distribuição milk run dos componentes de fornecedores não sistemistas; (ii) transporte de carga cheia; (iii) carga expressa e transporte aéreo e logística de contingência; (iv) logística internacional no MERCOSUL; (v) demais atividades de logística internacional. O Quadro 1 descreve como foi o processo de terceirização logística na empresa, relatando: como a atividade era realizada anteriormente à terceirização; quem são os tomadores de decisão; como foi realizado o processo decisório; os principais riscos e benefícios considerados no processo decisório. Estes elementos foram importantes para a elaboração do diagnóstico do processo de tomada de decisão de terceirização, apresentado na seção 6.2. Processo logístico previamente à terceirizção Tomadores de decisão Processo decisório de terceirização logística Riscos envolvidos no processo de terceirização logística Benefícios esperados da terceirização logística Desde a inauguração da unidade, as atividades logísticas são terceirizadas. A decisão seguiu as práticas organizacionais, dado que as outras plantas da empresa também terceirizam as operações logísticas. O departamento de logística da organização é responsável pelo acompanhamento e monitoramento das atividades terceirizadas. A terceirização é tendência na indústria automobilística. As montadoras focam em seu core-business, exercendo atividades referentes à montagem final do veículo, marketing e venda. Com isto, as atividades que não são competências centrais, mesmo que estratégicas, são terceirizadas ou transferidas para fornecedores de 1 e 2 níveis. Os entrevistados revelaram que a perda de controle das atividades logísticas e o baixo desempenho do operador são os principais riscos gerados pela terceirização logística. Porém, a empresa tenta minimizá-los por meio de um rigoroso acompanhamento e monitoramento das atividades terceirizadas, além do planejamento e organização da cadeia de suprimentos. Os três executivos entrevistados apontaram: foco no core business; redução de custos logísticos; redução de investimentos em ativos; disponibilização de recursos para outras atividades; substituição de custos fixos por variáveis; maior desempenho das operações logísticas; e maior qualidade dos serviços logísticos. Tabela1- Características da decisão de terceirização logística na empresa automobilística 6.2 FATORES DE DECISÃO DE TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA: ANÁLISE DO CASO Esta seção apresenta a análise do estudo de caso para cada fator proposto, evidenciando os aspectos que emergiram da análise de conteúdo. 7

8 Estratégia XXXI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO O fluxo de materiais e de informações da cadeia de suprimentos da empresa analisada é muito intenso: apenas o abastecimento programado (milk run) da planta analisada engloba 50 rotas diárias e requer 30 veículos com sistemas de rastreabilidade. Segundo o gerente de logística enfatiza, a missão da organização é fabricar veículos automotivos, e não possuí-los. Assim, a internalização das operações logísticas implicaria em uma grande concentração de competências e recursos, o que não se justifica porque a logística não é uma competência central da organização. Os entrevistados destacam que a organização pretende focar recursos em suas competências centrais e repassar o processo logístico para operadores especializados, buscando ganho de qualidade e eficiência nos serviços terceirizados. Portanto, a empresa segue uma tendência de terceirizar as atividades que não são competências centrais. Através da terceirização, a organização objetiva ter acesso a recursos específicos para a logística sem altos investimentos e com custos variáveis. A análise de conteúdo revela que, dependendo da atividade logística terceirizada, diferentes recursos têm maior ou menor importância para o processo. Os recursos mais relevantes para o a terceirização que surgiram da análise são: equipamentos específicos para atividades logísticas e recursos de tecnologia de informação. Para os executivos entrevistados, a decisão de terceirização envolve riscos estratégicos. A perda do controle das atividades deixa a empresa dependente do desempenho do operador. O gerente de supply chain reforça que os riscos seriam menores se as operações fossem desempenhadas internamente, mas a organização deixaria de ter acesso a diversas outras vantagens como a redução de custos e o ganho de eficiência. Desta forma, a organização não considera tais riscos impeditivos e tenta gerenciar por meio de um rígido acompanhamento e controle das atividades terceirizadas Custo Todos os objetivos que envolvem aspectos financeiros - reduzir os custos logísticos e investimentos em ativos, disponibilizar recursos para outras atividades e substituir custos fixos por custos variáveis - foram apontados como benefícios esperados pela organização com o processo de terceirização, reforçando a proposta da ECT de que a terceirização logística visa à redução de custos e a liberação de recursos. A transformação de custos fixos em custos variáveis é um aspecto financeiro relevante para a decisão de terceirização, conforme apontado pelos entrevistados. Através da terceirização, os custos logísticos passam a ser proporcionais ao volume de vendas. Isto é fundamental para a redução dos custos logísticos. Características do processo A decisão de terceirização pode ser influenciada pelas seguintes características do processo logístico da organização: (a) especificidade; (b) desempenho; (c) qualidade; (d) flexibilidade; (e) dificuldade de substituir e de imitar; (f) complexidade; e (g) risco operacional. Os executivos entrevistados, sem exceção, consideram que as principais variáveis que compõem o fator Características do Processo e influenciam a decisão da empresa pela terceirização logística são: Qualidade, Desempenho, Flexibilidade. A empresa terceiriza a operação de suas atividades logísticas para ter serviços com alto padrão de qualidade, desempenho e flexibilidade sem desenvolver as competências necessárias. A manutenção de tais características do processo é fundamental para o sucesso do processo de terceirização. 8

9 Foi destacado, nas entrevistas realizadas, que a variável complexidade contribui para a decisão de terceirização. Os executivos consideram a cadeia de suprimentos da organização é extremamente complexa, sendo inviável desempenhar internamente os processos logísticos devido à concentração de recursos e competências que tal decisão implicaria. Para o gerente de Supply Chain, a Divisão de Logística passaria a concentrar tantos recursos e competências que seria mais viável montar um novo braço da empresa voltado para serviços logísticos. Este novo grupo concorreria no mercado de operadores, oferecendo serviços logísticos para outras empresas, tal como ocorre com a Caterpillar e com a mineradora brasileira Vale do Rio Doce. Entretanto, a empresa analisada não mostra interesse em retomar a operação dos processos logísticos devido aos altos investimentos e à concentração de recursos e competências que seriam necessários. A complexidade da cadeia de suprimentos da organização estudada implica em riscos operacionais para o desempenho dos processos logísticos. Assim, o compartilhamento destes riscos entre o operador e a empresa contratante é considerado um benefício da terceirização. No entanto, é importante ressaltar que, com a terceirização, a empresa passa a ser suscetível a outros riscos de caráter estratégico. Ainda, os entrevistados não consideram que há dificuldades para substituir ou imitar as atividades terceirizadas. O supervisor de Supply Chain afirma que existe no mercado disponibilidade de operadores logísticos com experiência na indústria automobilística capazes de desempenhar tais atividades. Observou-se que alguns contratos mantidos pela organização requerem, por parte do operador logístico, altos investimentos em ativos físicos e recursos que não poderão ser usados em aplicações para outros clientes. A terceirização do processo de armazenagem da planta de analisada possui alta especificidade, tendo sido investidos R$ 15 milhões, pelo operador logístico, para a construção de um armazém e em meios de movimentação, estruturas de armazenagem e tecnologia de informação. Portanto, ao contrário do proposto pela ECT, o estudo de caso não reforça a hipótese de que a propensão à terceirização é inversamente proporcional ao grau de especificidade do processo terceirizado. Ambiente A decisão de terceirização logística é influenciada pelas seguintes variáveis relacionadas ao fator ambiente: (a) ambiente político interno da organização; (b) sucesso das organizações que terceirizaram o processo logístico (isomorfismo); e (c) incerteza do ambiente. Verificou-se que a terceirização logística é uma prática comum e disseminada na empresa automobilística, sendo aceita em todos os níveis. Portanto, o ambiente político interno e o sucesso das demais montadoras com a terceirização logística (variáveis Ambiente político interno e Isomorfismo) influenciam a decisão da organização em manter o desempenho de suas atividades logísticas por prestadores de serviços. Os executivos entrevistados consideram que o mercado automotivo é fortemente influenciado pelo ambiente econômico, sujeitando-se às incertezas do ambiente externo. Tais resultados são contrários ao recomendado na literatura. Kremic et al. (2006) e Ivanaj e Franzil (2006) argumentam que a propensão à terceirização é menor nos casos que envolvem um alto grau de incerteza, especialmente em contratos de longo prazo, como os contratos de terceirização logística. Operadores logísticos Bandeira, em trabalho desenvolvido em 2009, enuncia que a decisão de terceirização logística é influenciada pela disponibilidade de operadores logísticos que ofereçam: (a) serviços 9

10 requeridos; (b) recursos demandados; (c) atendam a cobertura geográfica requerida; (d) experiência na indústria do contratante; e (e) boa reputação (imagem) no mercado. A disponibilidade de operadores logísticos capazes de realizar de modo eficiente as atividades terceirizadas foi considerada, pelos executivos entrevistados, um dos fatores essenciais para a decisão de terceirização logística. Este processo seria inviável sem a disponibilidade de operadores que ofereçam os serviços e recursos demandados, atendam o mercado desejado, tenham boa reputação (imagem) e experiência no mercado. Assim, a organização seria obrigada a desenvolver as competências para realizar internamente sua operação logística. 7. CONCLUSÕES O presente artigo analisa os fatores considerados por organizações contratantes no processo decisório de terceirização logística. Esta pesquisa se justifica pelo número de casos mal sucedidos de terceirização logística e pelo fato de grande parte deste insucesso ser atribuído a deficiências no processo decisório (IAÑEZ ; CUNHA, 2006; KHAN :SCHRODER, 2009). Identificou-se, a partir da pesquisa bibliográfica, que uma falha na decisão de terceirização pode ser crucial para a empresa devido à possibilidade de elevação do custo logístico e falhas no processo (desempenho e qualidade), afetando a competitividade e a imagem organizacional (JIANG, 2005; IVANAJ; FRANZIL, 2006; KREMIC et al., 2006). Os erros se devem à complexidade da decisão que envolve uma grande quantidade e variedade de fatores interdependentes entre si (WATER; PEET, 2006). Foi analisado, por meio da estratégia de estudo de caso, o processo de terceirização logística de uma organização contratante da indústria automobilística, enfatizando: como as atividades eram realizadas previamente à terceirização; quem são os tomadores de decisão; como foi realizado o processo decisório; os principais riscos e benefícios considerados no processo decisório. Os principais riscos considerados pela organização se relacionam à dependência da organização com os serviços prestados pelo operador e a possibilidade de baixo desempenho pelo contratado. Os benefícios esperados com a terceirização logística são: foco nas competências centrais, redução dos custos logísticos, redução da necessidade de investimento em ativos, substituição de custos fixos por variáveis desempenho e qualidade. Foi observado, também, que os entrevistados têm dificuldade em definir os elementos que realmente devem ser analisados na tomada de decisão de terceirização logística. O estudo de caso revelou pontos importantes que direcionam as decisões de terceirização logística: (a) dependendo da atividade logística terceirizada, diferentes recursos podem ter maior ou menor importância para o processo decisório de terceirização logística; (b) os recursos mais relevantes para a decisão de terceirização são os equipamentos específicos para atividades logísticas e os recursos de tecnologia de informação. A pesquisa qualitativa reforçou que a terceirização gera a perda do controle das atividades logísticas, causando dependência com relação ao desempenho do operador. Identificou-se que os principais elementos relacionados ao risco estão relacionados ao risco de dependência e à possibilidade do baixo desempenho do operador logístico. O estudo de caso também apontou a importância de se analisar os custos logísticos em suas diferentes parcelas. Para Bowersox e Closs (2007), os custos de armazenagem, de estoque e de transporte são as parcelas mais importantes do custo logístico, sendo que 90% dos custos logísticos de uma empresa padrão correspondem a estes processos. Outros pontos importantes, revelados a partir do estudo de caso, são: (a) o apoio da alta administração é fundamental para o processo decisório de terceirização logística; (b) o ambiente interno se torna mais favorável à medida que a terceirização se transforma em uma 10

11 prática disseminada, tal como ocorre na organização analisada. A análise do estudo de caso também apontou que o sucesso obtido por empresas líderes de mercados, a partir da prática de terceirização logística, incentiva a decisão de terceirizar por organizações do setor e fora do setor (concorrentes ou líderes de mercado). Enfim, o estudo de caso permitiu identificar um conjunto de cinco fatores Estratégia, Custos, Ambiente, Operadores Logísticos e Características do Processo a partir do qual as organizações decidem sobre a terceirização logística. A análise possibilitou propor mudanças ao modelo teórico inicial. Tais mudanças não agregam novos conceitos ao modelo, mas trazem um maior nível de detalhamento para a análise. Os resultados obtidos são úteis a pesquisadores e profissionais de logística, contribuindo no sentido de entender melhor a decisão de terceirização logística e estruturar este processo decisório. Este tipo de estudo é relevante não só para as firmas contratantes como também para os operadores logísticos. A partir da análise dos fatores de decisão, os operadores podem entender como as contratantes estruturam seu processo decisório e, com isto, atender previamente às necessidades de seus clientes. Entretanto, deve ser considerado que a pesquisa desenvolvida foi focada em uma empresa do setor no setor automobilístico, sendo necessário a replicação da pesquisa em outros segmentos. Referências ARNOLD, U. New dimensions of outsourcing: a combination of transaction cost economics and the core competencies concept. European Journal of Purchasing and Supply Management, v. 6, p , BANDEIRA, R. A.M. Modelo de Auxílio para tomada de decisão de terceirização logística, Tese de Doutorado. PPGA/UFRGS. Rio Grande do Sul, 2009 BARNEY, J.; ARIKAN, A. The resource-based view: Origins and implications. In: M. A. Hitt, R. E. Freeman, & J. S. Harrison (Eds.), Handbook of strategic management: Oxford: Blackwell, BARNEY, Jay B.; HANSEN, Mark H. Trustworthiness as a source of competitive advantage. Strategic Management Journal, v. 15, , BOER, L, GAYATAN; J.; ARROYO, P. A satisfying model of outsourcing. Supply Chain Management: an International Journal, v. 11, n. 5, , BOT, B.; NEUMANN, C. Growing pains for logistics outsourcers. The McKinsey Quarterly, n. 2, Disponível em: Acesso em 20/02/2007. BOWERSOX, D.J.; CLOSS, D. ; COOPER, M.B. Gestão da cadeia de suprimentos e logística. Rio de Janeiro: Elsevier, BOYSON, S. Managing effective third party logistics relationships: what does it take?. Journal of Business Logistics. v.20, n.1, p.73, CEL/COOPEAD. Indicadores sobre Prestadores de Serviços Logísticos, Disponível em Acesso em 16/01/2010. CRAIG, D.; WILLMOTT, P. (2005). Outsourcing grows up. The McKinsey Quarterly, 1, DIBENEDETTO, B. Global 3PLs grew 6.5%. The Journal of Commerce, January 2009a. Disponível em Acesso em 20/02/2010. DISERIO, L.; SAMPAIO, M. Projeto da Cadeia de Suprimento: uma visão dinâmica da decisão fazer versus comprar. Revista de Administração de Empresas, v. 41, n. 1. p , ERIC, W. Transaction cost and resource-based explanations of joint ventures: a comparison and synthesis. Organization Studies, v. 21, p , EXAME. Matriz da GM nos EUA recebe ajuda brasileira, 20/05/2008. Disponível em portalexame.abril.com.br/ae/economia/m html. Acesso em 12/10/

12 FLEURY, P. Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios de Implementação, Disponível em <http://www.cel.coppead.ufrj.br>. Acesso em GEIGER, A. Análise de estrutura de governança da cadeia produtiva automotiva no Rio Grande do Sul e a sua influência nas estratégias de desenvolvimento. In: Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais - SIMPOI 2005, São Paulo CD-ROOM. GUNASEKARAN, A.; IRANI, Z. Modelling and analysis of outsourcing decisions in global supply chains. International Journal of Production Research, v. 48, n. 2, p , HOLCOMB, T.; HITT, M. Toward a model of strategic outsourcing. Journal of Operations Management, IAÑES, M.; CUNHA, C. Uma metodologia para a seleção de um provedor de serviços logísticos. Produção, v. 16, n.3, p , IAÑES, M.; CUNHA, C. Uma metodologia para a seleção de um provedor de serviços logísticos. Produção, v. 16, n.3, p , ISIKLAR, G.; ALPTEKIN, E.; BÜYÜKÖZKAN, G. Application of hybrid intelligent decision support model in logistics outsourcing. Computers & Operations Research, v. 34, p , IVANAJ, V.; FRANZIL, Y.Outsourcing logistics activities : a transaction cost economics perspective. In: XVème Conférence Internationale de Management Stratégique, Annecy (AIMS). Anais. Genebra, JHARKHARIA, S. e SHANKAR, R. Selection of logistic service provider: an analytic network process (ANP) approach. Omega: The international Journal of Management Science, v. 35, p , KHAN, S; SCHRODER, B. Use of rules in decision-making in government outsourcing. Industrial Marketing Management, v. 38, nº 4, pp , KREMIC, T.; TUKEL, O.; ROM, W. Outsourcing decision support: a survey of benefits, risks, and decision factors. Supply Chain Management : an international journal. Emerald Group Publishing Limited, v. 11, n. 6, p , MADHOK, A. Reassessing the fundamentals and beyond Ronald Coase, the transaction cost and resource-based theories of the firm and institutional structure of production. Strategic Management Journal, v. 23, p , MALONI, M.; CARTER, C. Opportunities for research in third-party logistics. Transportation Journal, v. 45, n. 2, pp , MARSHALL, D.; MCIVOR, R.; LAMMING, R. Influences and outcomes of outsourcing: Insights from the telecommunications industry. Journal of Purchasing and Supply Management, p. 1-16, MCGINNIS, M.; KOCHUNNY, C.; ACKERMAN, K. Third party logistics choice. The International Journal of Logistics Management, v.6, n.2, p , MONCZKA, R. Outsourcing strategically for sustainable competitive advantage. CAPS Research Report, NEVES, M. Terceirização logística: vale a pena? Mundo Logística, v. 1, n. 5, julho/agosto PERSSON, G.; VIRUM, H. Growth Strategies for Logistics Service Providers: a Case Study. The International Journal of Logistics Management, vol.12, n.1, p PERSSON, G.; VIRUM, H. Growth Strategies for Logistics Service Providers: a Case Study.The International Journal of Logistics Management, vol.12, n.1, p PORTER, M. Competitive advantage: creating and sustaining superior performance. New York: The Free Press, PRIEM, R.; BUTLER, J. Is the resource-based view a useful perspective for strategic management research? Academy of Management Review, v.26, p , QUINN, J. Strategic outsourcing: leveraging knowledge capabilities. Sloan Management Review, v. 68, Summer, p. 9-21, RAZZAQUE, M., SHENG, Chang C. Outsourcing of Logistics functions: a literature survey. International Journal of Physical Distribution ; Logistics Management, vol.28, n.2, p

13 RODRIGUEZ, T.; ROBAINA, V. A resource-based view of outsourcing and its implications for organizational performance in the hotel sector. Tourism Management, v. 26, p , SCHOENHERR, T. Outsourcing decisions in global supply chains: an exploratory multi-country survey. International Journal of Production Research v. 48, n.2, p , SHARIF, A.; IRANI, Z.; LLOYD, D. Information technology and performance management for build-to-order supply chains. International Journal of Production & Operations Management, v. 27, n. 11, p , SINK, H. e LANGLEY, C. A managerial framework for the acquisition of third party logistics services. Journal of Business Logistics, v. 18, n. 2, p , SIRMON, D.; HITT, M.; IRELAND, R. Managing firm resources in dynamic environments to create value: looking inside the black box. Academy of Management Review, v. 32, n.1, pp , SOHAIL, M.; SOHAL, A. The use of third party logistics services: a Malaysian perspective. Technovation, v. 25, p , SOHAIL, M.; SOHAL, A. The use of third party logistics services: a Malaysian perspective. Technovation, v. 25, p , WATER, H.; PEET, H. A decision support model based on the Analytic Hierarchy Process for the Make or Buy decision in manufacturing. Journal of Purchasing and Supply Chain Management, v. 12, p , WILLIAMSON, O. Hierarchies, markets and power in the economy: an economic perspective. Industrial and Corporate Change, v.4, n.1, YAN, J.; CHAUDHRY, P.; CHAUDHRY, S. A model of a decision support system based on case-based reasoning for third-party logistics evaluation. Expert Systems, v. 20, n.4, p , YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman,

ANAIS DECISÃO DE TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA FABRICANTE DE MOTORES

ANAIS DECISÃO DE TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA FABRICANTE DE MOTORES DECISÃO DE TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA FABRICANTE DE MOTORES RESUMO RENATA ALBERGARIA DE MELLO BANDEIRA ( re.albergaria@gmail.com ) INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA LUIZ CARLOS

Leia mais

Palavras-Chave: Logística. Terceirização. Processo Decisório. Operadores Logísticos (3PL).

Palavras-Chave: Logística. Terceirização. Processo Decisório. Operadores Logísticos (3PL). Terceirização Logística: Fatores de Decisão sob a Perspectiva do Contratante Autoria: Renata Albergaria de Mello Bandeira, Antonio Carlos Gastaud Maçada, Luiz Carlos Brasil de Brito Mello RESUMO A terceirização

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

FATORES DE DECISÃO DE TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA: ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DE GASES INDUSTRIAIS

FATORES DE DECISÃO DE TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA: ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DE GASES INDUSTRIAIS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Análise interna. Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br. Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com. Gisele Mazon gisele.mazon@unisul.

Análise interna. Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br. Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com. Gisele Mazon gisele.mazon@unisul. Análise interna Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com Gisele Mazon gisele.mazon@unisul.br Roberto de Medeiros Junior roberto.medeiros.junior@hotmail.com Fernando

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

2 ESTRUTURA DE PESQUISA

2 ESTRUTURA DE PESQUISA 2 ESTRUTURA DE PESQUISA A revisão sistemática da literatura tem por objetivo a sumarização do estado da arte de uma área de conhecimento especifica (Rowley e Slack, 2004). Para esta finalidade, de acordo

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia?

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? www.pwc.com.br Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? Alinhamento de Performance Alinhamento do desempenho organizacional Conectando a estratégia à execução A necessidade de alinhar pessoas,

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos 1 1. Supply Chain Structure 3. Componentes gerenciais 4. Supply Chain Performance Measurement (SCPM) 5. Hot topics in Supply Chain (SC) 6. Dell Case

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 1 Empresas de Construção: Seleção de Projetos, Gestão e Controles para Atingir as Metas de Desempenho Patricia Atallah Gestão e Planejamento Estratégico são Cruciais para uma

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

FATORES DE DECISÃO NA TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS: UM ESTUDO DE CASO SOB A ÓTICA DO OPERADOR LOGÍSTICO

FATORES DE DECISÃO NA TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS: UM ESTUDO DE CASO SOB A ÓTICA DO OPERADOR LOGÍSTICO FATORES DE DECISÃO NA TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS: UM ESTUDO DE CASO SOB A ÓTICA DO OPERADOR LOGÍSTICO Geraldo Cardoso de Oliveira Neto geraldo.prod@ig.com.br UNINOVE Fábio Y. Shibao fabio.shibao@gmail.com

Leia mais

Escolhendo a melhor opção para sua empresa

Escolhendo a melhor opção para sua empresa www.pwc.com.br Escolhendo a melhor opção para sua empresa Auditoria Interna Auditoria Interna - Co-sourcing atende/supera as expectativas da alta administração? A função de Auditoria Interna compreende

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e Demanda NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Paulo Viola paulo.viola@neogrid.com Introdução Tema: Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO Estratégia e Planejamento Corporativo AULA 2 Abril 2015 Diagnóstico da Empresa O que somos, onde estamos, e onde queremos chegar. Alguns definem diagnóstico como etapa que antecede um projeto. Em questões

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

Principais dificuldades

Principais dificuldades Principais dificuldades A maior dificuldade apontada pelas organizações contábeis pesquisadas foi receber informações dos clientes com qualidade e prazo. Apenas 16% delas indicaram problemas com a aderência

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas AAKER, D. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas, 2001. ABBAS, K. Gestão de Custos em Organizações Hospitalares. 2001. In COUTO, Renato e PEDROSA, Tânia. Hospital: Acreditação

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Objetivos da Aula: 1. Conceituar gestão de recursos humanos 2. Diferenciar gestão de RH em Educação Física e Esporte 3. Discutir gestão de RH na

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex 177 6 CONCLUSÃO A presente investigação das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex, atingiu seu objetivo de evidenciar

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais