A TERCEIRIZAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TERCEIRIZAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA"

Transcrição

1 Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A TERCEIRIZAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Fernando Antonio Barreto Dantas

2 Painel 36/132 Novas abordagens na gestão de RH A TERCEIRIZAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Fernando Antonio Barreto Dantas RESUMO Nas últimas décadas, o mecanismo da Terceirização de Serviços tem sido ampla e progressivamente disseminado no Brasil como valiosa ferramenta de gestão, mormente na Administração Pública, contemplando atividades que não precisariam, necessariamente, ser executadas por colaboradores do próprio quadro, cuja força de trabalho seria canalizada para as funções vitais de cada organização, diretamente vinculadas aos chamados objetivos-fins. Os editais e termos de referência que permeiam os contratos de Terceirização devem ser adequadamente elaborados e submetidos à apreciação das áreas jurídicas de cada entidade, de modo a tornar caracterizada a contratação de serviços e não de pessoas, minimizando-se os riscos de eventuais demandas trabalhistas e responsabilidades solidárias para o ente contratante. Nesse sentido, a Terceirização deve ser entendida como uma opção gerencial que se insere no esforço de racionalização que perpassa todos os segmentos estatais e produtivos, precisando, porém, ser disciplinada no âmbito do Serviço Público, evitando-se que injunções casuísticas e competições predatórias, com a utilização política do mecanismo para priorizar empregos, em detrimento da qualificação técnica estatal pela via do concurso público, comprometam os objetivos de um modelo concebido para auxiliar as ações administrativas. O trabalho da lavra dos gestores de recursos humanos do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará tem a pretensão de fomentar a discussão dos aspectos legais e operacionais inerentes ao fenômeno da Terceirização.

3 2 PERFIL DO AUTOR O presente memorial técnico, a ser apresentado na 5 a (quinta) edição do CONSAD, a realizar-se em Brasília, no período de 04 a 06 de junho de 2012, tem como autor, Fernando Antonio Barreto Dantas, Engenheiro Mecânico e Analista de Controle Externo do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará, onde exerce as funções de Coordenador de Gestão de Pessoas, vinculando-se à Diretoria de Administração e Finanças. Anteriormente, o articulista trabalhou na Telecomunicações do Ceará S/A (TELECEARÁ), ocupando cargos técnicos e gerenciais nas áreas de Transporte, Infraestrutura, Serviços Gerais e Recursos Humanos, inclusive participando de grupos corporativos de trabalho, sob a coordenação da TELEBRÁS - Telecomunicações Brasileiras S/A. Prestou serviços, igualmente, à Secretaria de Administração do Município de Fortaleza, como Consultor Técnico para as áreas de Transporte, Recursos Humanos e Terceirização, sendo responsável pelo desenvolvimento e implantação do SGRH - Sistema de Gestão de Recursos Humanos e do SIMOT - Sistema de Controle de Mão-de-Obra de Terceiros. ESTRATIFICAÇÃO DO TRABALHO O trabalho foi elaborado com fulcro nas diretrizes estabelecidas para a composição da agenda técnica do CONSAD, logrando a deferência de ser selecionado pelo Comitê Gestor, a partir da avaliação prévia da sinopse, também parte integrante deste compêndio a título de anexo, como fonte básica que contextualiza o desenvolvimento do produto final ora enviado, que se consubstancia em 4 (quatro) capítulos, compreendendo a seguinte estratificação: Considerações Iniciais Ambiência Institucional Vantagens, Desvantagens e Riscos da Terceirização Perspectivas e Conclusões

4 3 REFERÊNCIAS O autor desenvolveu o tema com base em suas próprias vivências na TELECEARÁ, na Secretaria Municipal de Administração e no TCM, como profissional de Recursos Humanos, gestor de licitações e contratos de serviços de terceiros, instrutor interno e externo de módulos de treinamento sobre Terceirização e elaboração de monografia, com o mesmo escopo, para o Curso de Pós- Graduação em Auditoria da Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, 9 de maio de 2012.

5 4 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Nas últimas décadas, o mecanismo da Terceirização de Serviços tem sido ampla e progressivamente disseminado no Brasil como poderosa ferramenta de gestão, quer nos entes da Administração Pública, quer no âmbito da iniciativa privada. Em termos conceituais, a Terceirização poderia ser definida como um processo de natureza administrativa, pelo qual a direção superior de uma empresa toma a decisão de contratar serviços de terceiros para a realização de atividades que, em princípio, não precisariam ser executadas por servidores da própria entidade, cuja força de trabalho mais especializada seria prioritariamente disponibilizada para os cargos de gerência superior e intermediária e para os segmentos operacionais e produtivos. O fenômeno da Terceirização teve seu início efetivo no final dos anos 60 em alguns órgãos estatais da Administração Indireta, contemplando os serviços classificados como auxiliares, ou seja, não diretamente vinculados ao objeto social de cada organização. Nesse contexto, nichos menos qualificados como Conservação e Limpeza, Portaria e Vigilância passaram a ser contratados em escala crescente, de início, como alternativa para conter a expansão do efetivo próprio, então condicionado ao controle do Executivo em todas as instâncias federativas, com maior impacto nas empresas da União, que necessitavam ajustar-se aos limites orçamentários fixados para a rubrica de Pessoal. Em termos práticos, a Terceirização consistia em uma forma sutil de transferência da alocação de recursos nos orçamentos públicos, na medida em que, se não oneravam as Folhas de Pagamento, geravam incrementos na rubrica de Despesas de Custeio, cujos controles eram menos rigorosos, e ainda porque, embora dimensionado e orçado, o Fator Custo não representava o parâmetro determinante para a diretriz gerencial de canalizar a contratação de serviços de terceiros para as atividades periféricas.

6 5 2 AMBIÊNCIA INSTITUCIONAL O uso da ferramenta Terceirização como modal para a execução de serviços, tivessem ou não natureza auxiliar, deveria restringir-se aos ditames da política a ser observada pelas empresas governamentais, e não como injunção peremptória de normas com o condão de regulamentar os procedimentos administrativos emergentes. Ao longo do tempo, os dispositivos reguladores do mecanismo decorreram de portarias oficiais, normativos internos, súmulas e julgados dos tribunais superiores em casos concretos, embora não fossem consolidados em uma legislação unificada do instituto no âmbito do Serviço Público, suscitando-se inúmeros debates sobre sua adoção com segurança jurídica, mormente em face dos conflitos de entendimento. Subsistem, na prática, sob o pano de fundo da Terceirização, profundas divergências e indefinições quanto ao seu espectro de utilização ou campo de conformidade na esfera da Administração, cujas empresas, não raro, têm sido autuadas por irregularidades decorrentes de responsabilidades solidárias identificadas no processo de terceirização como um todo, ou, particularmente, pela alocação de mão de obra para atividades que, em tese, poderiam ser associadas aos chamados objetivos fins. Nesse contexto, urge que a Terceirização seja regulamentada para contrapor-se aos problemas que impactam negativamente seu relevante perfil social de fonte geradora de empregos, economia de divisas e profissionalização de mão de obra. 3 VANTAGENS, DESVANTAGENS E RISCOS DA TERCEIRIZAÇÃO O principal diferencial competitivo da Terceirização, como fundamento maior para a qual foi concebida, é, sem dúvida, a possibilidade de direcionamento do foco da gestão para o objetivo-fim de cada empresa, na medida em que a força de trabalho de maior know-how é mobilizada para suprir a satisfação dos clientes, consubstanciando-se na qualidade do portfólio de produtos e serviços para

7 6 inserção em ambiente competitivo, se inerente ao setor privado, ou na excelência, desburocratização e impessoalidade de atendimento, no caso peculiar das instituições públicas. Outra vantagem competitiva da Terceirização diz respeito à inexistência de vínculo empregatício entre a Contratante e os prepostos, cuja relação de trabalho é pactuada com a provedora ou agenciadora dos serviços, a quem cabe arcar com os salários e respectivos encargos fiscais, previdenciários e trabalhistas previstos na CLT e demais mecanismos legais, ainda que os custos pertinentes devam ser repassados à empresa que utilizará os terceiros para os fins colimados no objeto contratual. Acrescente-se a redução de gastos de custeio que, presumivelmente, será obtida pela Contratante, que pode exercitar a faculdade de inserir cláusulas unilaterais visando ao dimensionamento quantitativo e qualitativo dos serviços, compatibilizando-se os custos com as disponibilidades orçamentárias para inversões dessa natureza. Quanto aos aspectos negativos, tipificados nas eventuais ingerências discricionárias e pressões sociais que podem afetar o mecanismo da Terceirização, depreende-se que assiste aos gestores a prerrogativa de mitigar-lhes os efeitos, de forma que os serviços venham a ser benéficos à organização, e não óbices conjunturais para a utilização do contingente da mão-de-obra de terceiros, cuja escalada tem ensejado a necessidade de estruturação progressiva de núcleos locais de supervisão e controle. Outra variável que faz por merecer a adoção de salvaguardas contratuais é o risco de origem trabalhista, em cujo fermento os prepostos ajuízam ações judiciais advogando um possível reconhecimento dos vínculos laborais junto à Contratante, sob o argumento de que, ao longo da execução das avenças, prevaleceriam relações de dependência e pessoalidade, quiçá indicadoras de cogestão ou subordinação administrativa. Nesse sentido, os editais e termos de referência que impulsionam os contratos de terceirização devem ser rigorosamente submetidos à apreciação dos Departamentos Jurídicos, primando pela contratação de serviços e não de pessoas, minimizando-se as lides potenciais com viés trabalhista e previdenciário.

8 7 Na perspectiva do movimento sindical, à parte as exortações de setores politizados e dotados de maior força reivindicatória junto aos organismos estatais, bandeiras de combate à terceirização têm sido içadas contra as supostas distorções do modelo, entre as quais, a extensão do instrumento para a atividade-fim e o congelamento de vagas, cuja reposição, em tese, deveria ser provida através de concursos públicos. 4 PERSPECTIVAS E CONCLUSÕES Diante desse cenário, o articulista considera a Terceirização uma ferramenta gerencial que deve ser privilegiada como um vetor que se insere na busca de competitividade por parte de todos os segmentos produtivos e estatais, ficando claro que não se trata de um programa intocável, mas uma opção a ser aperfeiçoada, cumprindo avaliá-la caso a caso, a partir das políticas públicas e instrumentos de gestão aplicáveis. Assim, impõe-se a exigência de ratificar o mecanismo como peça componente do planejamento de qualquer empresa, pública ou privada, inibindo-se práticas deletérias e alavancando sua compreensibilidade junto à massa crítica de formadores de opinião que têm a augusta missão de guindar o Brasil ao panteão das nações desenvolvidas. E no encerramento do presente memorial descritivo, externamos nossa convicção de que o instituto da Terceirização não representa um dragão a ser domado, mas apenas um gigante que precisa encontrar o seu caminho. Muito obrigado aos organizadores do CONSAD pela honrosa deferência! Fortaleza, 9 de maio de AUTORIA Fernando Antonio Barreto Dantas Coordenador de Gestão de Pessoas do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará. Endereço eletrônico:

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Dra. Élida Graziane Pinto Procuradora do Ministério Público de Contas do Estado de São Paulo Pós-doutora em Administração pela EBAPE-FGV Doutora em Direito Administrativo pela UFMG Esforço de aproximação

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

PLANO DE FUNÇÕES Dezembro de 2013

PLANO DE FUNÇÕES Dezembro de 2013 PLANO DE FUNÇÕES Dezembro de 2013 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 CONCEITOS BÁSICOS... 4 3 OBJETIVOS... 6 4 REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS PARA FORMULAÇÃO DO PLANO DE FUNÇÕES... 7 5 ESTRUTURA DAS FUNÇÕES... 10

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS ANER SEDE ANER SHIS QI 23 Conjunto 13 casa 19 Lago Sul Brasília - DF Entidade sem fins lucrativos,

Leia mais

Módulo 2: Monitoramento da execução contratual

Módulo 2: Monitoramento da execução contratual Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação (GCTI) Conteúdo para impressão Módulo 2: Monitoramento da execução contratual

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988

CONSTITUIÇÃO DE 1988 CONSTITUIÇÃO DE 1988 Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade,

Leia mais

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti Contratação de Serviços de TI Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti O antigo modelo de contratação de serviços de TI 2 O Modelo antigo de contratação de serviços de TI Consiste na reunião de todos

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Relatório de Auditoria Exercício de 2013

Relatório de Auditoria Exercício de 2013 Relatório de Auditoria Exercício de 2013 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Controladoria-Geral da União Banco Intern. para Reconstrução e Desenvolvimento BIRD Projeto TF97156 Brasília/DF, 2014 PRESIDÊNCIA

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA DA GESTÃO MUNICIPAL

PROGRAMA DE MELHORIA DA GESTÃO MUNICIPAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 PROGRAMA DE MELHORIA DA GESTÃO MUNICIPAL Maria Luiza dos Santos Vellozo Rosangela Maria Luchi Flavia Cardoso Garcia Chaves Julio

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Projeto Básico da Contratação de Serviços: Constitui objeto do presente Projeto Básico a contratação de empresa especializada em serviços de comunicação

Leia mais

MC Coutinho Advocacia e Assessoria - QND 14 Lote 11 Sala 104 - Taguatinga Norte / DF Fone: (61) 3354-1575 (61) 3263-5362 Web Site:

MC Coutinho Advocacia e Assessoria - QND 14 Lote 11 Sala 104 - Taguatinga Norte / DF Fone: (61) 3354-1575 (61) 3263-5362 Web Site: APRESENTAÇÃO O Escritório MC Marins Coutinho é hoje referência em Direito Trabalhista e Sindical. A especialização em tais áreas do direito social faz parte de sua estratégia de diferenciação e excelência

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

"Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social"

Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social "Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social" 1 Gestão por processos 2 Previdência Social: em números e histórico Estrutura: Administração Direta, 2 Autarquias e 1 Empresa

Leia mais

CURSO TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA, VIGILÂNCIA, CONSERVAÇÃO E PORTARIA: MELHORES PRÁTICAS PARA CONTRATAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

CURSO TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA, VIGILÂNCIA, CONSERVAÇÃO E PORTARIA: MELHORES PRÁTICAS PARA CONTRATAÇÃO E FISCALIZAÇÃO CURSO TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA, VIGILÂNCIA, CONSERVAÇÃO E PORTARIA: MELHORES PRÁTICAS PARA CONTRATAÇÃO E FISCALIZAÇÃO Atualizado pelas IN5/2014 e IN6/2013 do MPOG Destaques Avaliação e Planejamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

DIAGNÓSTICO NACIONAL SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL

DIAGNÓSTICO NACIONAL SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL DIAGNÓSTICO NACIONAL SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL O Questionário sobre Maturidade da Gestão Contábil, elaborado pela Secretaria do Tesouro Nacional, tem como objetivo avaliar o estágio atual das

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

CURSO 100% ATUALIZADO CONFORME AS RECENTES LEGISLAÇÕES

CURSO 100% ATUALIZADO CONFORME AS RECENTES LEGISLAÇÕES OUTUBRO DE 2015 Curso Completo de Licitações e Contratos para Obras e Serviços de Engenharia Dias 19, 20, 21 e 22 de OUTUBRO de 2015 Carga Horária: 24 horas/aula a maior carga horária do mercado! CURSO

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Projeto Básico da Contratação de Serviços: Constitui objeto do presente Projeto Básico a contratação de empresa especializada em serviços de comunicação

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Consultor/a Local Mulheres no mercado de trabalho e os impactos da crise econômica

Consultor/a Local Mulheres no mercado de trabalho e os impactos da crise econômica PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Novembro/2009 Secretaria de Orçamento Federal Novembro/2009 Instituição Ministério do Planejamento, Secretaria de Orçamento Federal DEPT. PROGR. INFRAESTRUT.

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação 1 Agenda Contexto SISP Planejamento de TI PDTI 2 SISP Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática Decreto nº 1.048, de 21 de janeiro

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

PLANO DE TRABALHO (Art. 2º, Decreto nº 2.271/97)

PLANO DE TRABALHO (Art. 2º, Decreto nº 2.271/97) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICMBio UNIDADE AVANÇADA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PLANO DE TRABALHO (Art. 2º, Decreto nº 2.271/97) LICITAÇÃO/MODALIDADE

Leia mais

Terceirização. Ivan Luís Bertevello

Terceirização. Ivan Luís Bertevello Terceirização Ivan Luís Bertevello INTRODUÇÃO Terceirizar os serviços é delegar para outras empresas serviços e atividades não essenciais (atividades-meio) da sua empresa, a fim de que possa se concentrar

Leia mais

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa 1 Introdução Este documento tem como objetivo apresentar um conjunto de reflexões sobre a implementação das disposições

Leia mais

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM Fevereiro DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM 2 ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO... 3 Apresentação... 3 Missão... 4 Visão de Futuro... 4 Valores... 4 PERSPECTIVAS...

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL DE AÇÃO EDUCACIONAL E PROPOSTA FINANCEIRA

PLANO INSTRUCIONAL DE AÇÃO EDUCACIONAL E PROPOSTA FINANCEIRA PLANO INSTRUCIONAL DE AÇÃO EDUCACIONAL E PROPOSTA FINANCEIRA AÇÃO EDUCACIONAL: Gestão Orçamentária e Financeira Carga horária total: 20 horas aula Carga horária diária sugerida: 04 horas aula 1 Carga horária

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

Auditoria em Finanças. Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes

Auditoria em Finanças. Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes Auditoria em Finanças Rosilene Berton Paschoalin Marcia Cristina Feltes Atribuições (Lei Municipal nº 10.130/2000) Art. 8º -Ficam acrescidas às competências da Secretaria Municipal de Finanças, descritas

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL

QUESTIONÁRIO SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL QUESTIONÁRIO SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL Você está contribuindo para a elaboração de um diagnóstico nacional sobre o estágio em que se encontram as práticas contábeis. Isso é importante para o

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-03/2003

RESOLUÇÃO N. TC-03/2003 RESOLUÇÃO N. TC-03/2003 Reorganiza o Sistema de Controle Interno do Tribunal de Contas do Estado e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA, usando das atribuições que lhe

Leia mais

Um novo. modismo gerencial?

Um novo. modismo gerencial? Um novo modismo gerencial? por Cesar Gomes de Mello A imprensa vem divulgando várias notícias sobre empresas e projetos de quarteirização. Afinal, o que é isto? Um novo modismo que aparece no mundo dos

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG CONCURSO: APO/MPOG/2010 66. (ESAF APO/MPOG/2010) Assinale a opção verdadeira a respeito do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

BRASÍLIA - DF ENCONTRO NACIONAL DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS APRESENTAÇÃO. www.connectoncursos.com.br/encontrolicitacao

BRASÍLIA - DF ENCONTRO NACIONAL DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS APRESENTAÇÃO. www.connectoncursos.com.br/encontrolicitacao QUESTÕES FUNDAMENTAIS E CONTROVERTIDAS Coordenador Científico: Fabrício Motta ENCONTRO NACIONAL DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS 24 HORAS DE TREINAMENTO - Planejamento das Contratações e Licitações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

ANEXO IV MINUTA DE CONTRATO

ANEXO IV MINUTA DE CONTRATO ANEXO IV MINUTA DE CONTRATO CONTRATO Nº -2011, DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE ENGENHARIA PARA *********, QUE CELEBRAM ENTRE SI, O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ E A EMPRESA. O CONSELHO REGIONAL

Leia mais

CLM Consultoria Atuarial Ltda.

CLM Consultoria Atuarial Ltda. 1 GOVERNO E FUNDOS DE PENSÃO O DESESTÍMULO À POUPANÇA PREVIDENCIÁRIA Eis que o Governo Lula convoca os fundos de pensão das estatais para se tornarem parceiros no desenvolvimento. A idéia de utilização

Leia mais

LEI Nº 2.512, DE 21 DE MAIO DE 2009. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 2.512, DE 21 DE MAIO DE 2009. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 2.512, DE 21 DE MAIO DE 2009. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia / / Autoriza o Município de Morrinhos a celebrar convênio com o SEBRAE/GO. JANE

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO SEMINÁRIO ESPECIAL PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO A ELABORAÇÃO DA PLANILHA PASSO A PASSO: ESTUDO DA LEGISLAÇÃO, JURISPRUDÊNCIA E MEMÓRIA DE CÁLCULO DE CADA RUBRICA

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE)

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) [Segunda versão, 11.08.2009, a partir de construção evolutiva trabalhada com a Comissão de Autonomia da Andifes, sujeita à apreciação do

Leia mais

A Importância de uma boa gestão, funcionamento dos Fundos e Conselhos dos Direitos do Idoso e da Criança e do Adolescente pelo Governo e a Sociedade

A Importância de uma boa gestão, funcionamento dos Fundos e Conselhos dos Direitos do Idoso e da Criança e do Adolescente pelo Governo e a Sociedade A Importância de uma boa gestão, funcionamento dos Fundos e Conselhos dos Direitos do Idoso e da Criança e do Adolescente pelo Governo e a Sociedade Civil Constituição Federal Art. 203 - A assistência

Leia mais

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP Fortaleza, 25 de novembro de 2015 combate à corrupção na gestão dos serviços

Leia mais

REEQUILÍBRIO ECONÔMICO- FINANCEIRO DOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS: REVISÃO, REAJUSTE E REPACTUAÇÃO

REEQUILÍBRIO ECONÔMICO- FINANCEIRO DOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS: REVISÃO, REAJUSTE E REPACTUAÇÃO OFICINA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO REEQUILÍBRIO ECONÔMICO- FINANCEIRO DOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS: REVISÃO, REAJUSTE E REPACTUAÇÃO 2ª Edição 2015 NORMAS APLICÁVEIS, JURISPRUDÊNCIA E ASPECTOS PROCESSUAIS

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA Luciano Rocha Mariano 1 Limita-se o presente tema acerca da terceirização perante o Direito do Trabalho, focado no âmbito empresarial privado. De plano,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011

PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011 PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011 Institui mecanismo de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões de encargos trabalhistas a serem pagos às empresas contratadas para prestar

Leia mais

No nosso encontro de hoje abordaremos um assunto que tem visitado bastante os editais de concursos, a Conta Única do Tesouro Nacional.

No nosso encontro de hoje abordaremos um assunto que tem visitado bastante os editais de concursos, a Conta Única do Tesouro Nacional. Conta Única do Tesouro Nacional Caro amigo estudante! No nosso encontro de hoje abordaremos um assunto que tem visitado bastante os editais de concursos, a Conta Única do Tesouro Nacional. Esse tema é

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO PEGUNTAS E RESPOSTAS

TERCEIRIZAÇÃO PEGUNTAS E RESPOSTAS TERCEIRIZAÇÃO PEGUNTAS E RESPOSTAS 1 - Quem é o responsável pelo ateste das faturas de serviços continuados? O fiscal do contrato ou o gestor do contrato? R - Quem atesta as faturas é o gestor do contrato,

Leia mais

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Prefeitura Municipal de Rio Branco RBPREV Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Equipe do RBPREV Raquel de Araújo Nogueira Diretora-Presidente Maria Gecilda Araújo Ribeiro Diretora de Previdência

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL E A QUALIDADE DOS GASTOS PÚBLICOS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL E A QUALIDADE DOS GASTOS PÚBLICOS PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL E A QUALIDADE DOS GASTOS PÚBLICOS Ceres Alves Prates II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 31: Qualidade do Gasto Público I PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

Ofício Andifes N.º 033/2015 Brasília, 30 de março de 2015.

Ofício Andifes N.º 033/2015 Brasília, 30 de março de 2015. Ofício Andifes N.º 033/2015 Brasília, 30 de março de 2015. Senhor Ministro, A relevância das Universidades Federais no seu conjunto - Andifes, e em cada estado da federação e na condição de servidores

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

ATO Nº 61/2015. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 61/2015. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 61/2015 Aprova alteração no Plano de Auditoria de Longo Prazo PALP Quadriênio 2014/2017, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS: UM INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA UMA NOVA UNIVERSIDADE NO INTERIOR DA AMAZÔNIA

ESCRITÓRIO DE PROJETOS: UM INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA UMA NOVA UNIVERSIDADE NO INTERIOR DA AMAZÔNIA Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013 ESCRITÓRIO DE : UM INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA UMA NOVA UNIVERSIDADE NO INTERIOR DA AMAZÔNIA Amanda Monteiro Sizo

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

Carreira de Planejamento e Orçamento: Analista de Planejamento e Orçamento (APO)

Carreira de Planejamento e Orçamento: Analista de Planejamento e Orçamento (APO) Carreira de Planejamento e Orçamento: Analista de Planejamento e Orçamento (APO) Olá amigos! Como é bom estar aqui! Hoje venho falar de uma carreira reconhecida como uma das principais do serviço público

Leia mais

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo e de cargos em comissão no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

SISTEMA CONTÁBIL DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL

SISTEMA CONTÁBIL DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO E APROPRIAÇÃO DA DESPESA NO SISTEMA CONTÁBIL DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A Administração Pública, cada vez mais, tem se utilizado da contratação de estagiários para execução

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO A ELABORAÇÃO DA PLANILHA PASSO A PASSO: ESTUDO DA LEGISLAÇÃO, JURISPRUDÊNCIA E MEMÓRIA DE

Leia mais

APLICAÇÃO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NA LICITAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS CURSO NOVO

APLICAÇÃO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NA LICITAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS CURSO NOVO CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO APLICAÇÃO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NA LICITAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS Carga Horária: 16 horas/atividade Horário: 8h30 às 18h (com intervalo para almoço) CURSO

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO 2 CARTA DE APRESENTAÇÃO Todos nós idealizamos planos, projetos, mudanças e perspectivas de novas realizações. Para atingirmos esses objetivos precisamos constituir nossas ações com persistência, entusiasmo

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E SUAS DIFICULDADES Jeferson Alves dos Santos Auditor Chefe da UNIFAL-MG OBJETIVO * Abordar as principais dificuldades inerentes à execução dos processos de terceirização. *

Leia mais

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.621, DE 2007 (Apenso o PL nº 6.832, de 2010) Dispõe sobre as relações de trabalho em atos de terceirização e na prestação

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Igor Vilas Boas de Freitas

Igor Vilas Boas de Freitas 18ª Reunião Extraordinária da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. 26 de maio de 2010 Igor Vilas Boas de Freitas Consultor Legislativo do Senado Federal 1. Quais são os

Leia mais