A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO. Lawrence Carlos Estevam Pimenta. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO. Lawrence Carlos Estevam Pimenta. Introdução"

Transcrição

1 A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO Lawrence Carlos Estevam Pimenta Introdução O presente estudo trata dos efeitos da terceirização na atividade bancária. A atividade terceirizada resume-se na delegação de parte do trabalho desenvolvido pela empresa, trabalho este não ligado à atividade principal da empresa, a um terceiro (empresa prestadora de serviços), para a realização de atividade coligada, porém, sem a gestão ou confusão nas atividades desenvolvidas pela empresa principal, nos termos da previsão legal. Aos poucos foram surgindo dispositivos esparsos, que sozinhos tornaram-se insuficientes para regular a nova forma de contratação, tendo em vista o vasto e acelerado crescimento do processo de terceirização, que hoje atinge praticamente todas as áreas de trabalho. Embora tratar-se de contrato de prestação de serviço com caráter civilista, entre empresas ou ainda entre empresa e pessoa física, passou a exercer, face a ausência de regulamentação, grandes celeumas na seara trabalhista. Diante da ausência de legislação específica sobre o modelo de terceirização, o Tribunal Superior do Trabalho passou a uniformizar as decisões, declinando sobre as possibilidades e licitudes na terceirização da mão-de-obra, de modo que não afetasse negativamente o trabalhador. Neste esteio, editada a Súmula 331, pelo do Colendo Tribunal na tentativa de regular os serviços terceirizados, lastreado no disposto na legislação pátria, em uma nova forma de abordar a contratação interposta. Vale ressaltar, que a Súmula supracitada, atual responsável por regulamentar a terceirização, não é lei, tratando-se apenas de uma interpretação jurisprudencial, na tentativa de ordenar a nova forma de contrato de trabalho no tocante às relações empregatícias buscando a ordem jurídica. Adentrando ao mérito propriamente dito da terceirização, serão enfatizadas as questões, atividade-meio e atividade-fim, especificamente no que diz respeito à área bancária, bem como o fato de serem tidas como lícitas ou ilícitas as contratações efetuadas com o trabalhador e a empresa tomadora de serviços.

2 O Surgimento da Terceirização No início das atividades industriais, prevaleceram dois importantes modos de produção: fordista e toyotista. Faz-se importante conhecer esses conceitos, para melhor compreender a evolução dos meios de produção e das relações de trabalho, em busca do lucro, que é o maior objetivo das atividades industriais. O primeiro modo se fundava em um padrão verticalizado de produção, ou seja, a maioria das atividades necessárias para se alcançar o produto final era realizada dentro da própria empresa. Já o modo de produção toyotista, ao contrário, adotou padrão horizontal de produção, ou seja, as empresas não mais precisavam se preocupar tanto com os detalhes de produção de suas matérias-primas ou itens utilizados nas suas linhas de produção, pois essa preocupação seria transferida aos seus fornecedores. Criava-se, dessa maneira, uma rede de produtores e fornecedores, iniciando-se, nas indústrias, a delegação a terceiros da responsabilidade pela produção de um ou mais itens necessários ao seu funcionamento. (http://www.webartigos.com/articles/1743/1/terceirizacao/pagina1.html) É incontroverso que a terceirização surgiu durante a Segunda Guerra Mundial, quando os Estados Unidos da América se aliaram aos países Europeus para combater as forças nazistas e o Japão. Tal aliança trouxe à tona a necessidade de aprimoramento, pelas indústrias, dos produtos e de suas técnicas de produção, devido ao excessivo aumento da demanda no setor bélico. Essa necessidade demonstrou que a concentração industrial deveria voltar-se para a produção, e as atividades de suporte deveriam ser transferidas para terceiros, o que, sem dúvida, gerou um maior número de empregos na época. Esta modificação no sistema de produção nos retoma ao modelo toyotista de produção. (http://www.webartigos.com/articles/1743/1/terceirizacao/pagina1.html). O surgimento da terceirização no Brasil ocorreu pela inserção deste modelo de organização e gestão de trabalho, que vem se estendendo pelo país desde a década de 1970, trazido pelas multinacionais e pelas empresas que tem por atividade limpeza e conservação. Tal modelo busca, cada vez mais, uma empresa enxuta que descentraliza as atividades não essenciais do empreendimento, como forma de diminuir custos e aumentar a produtividade e a eficiência. O objetivo dessas empresas era conseguir mão-de-obra com menores custos, sem se furtar às disposições tutelares da legislação trabalhista, a qual visa proteger o hipossuficiente da relação de trabalho. Este novo modelo empregatício, distinto do habitual no qual a relação é estritamente bilateral, vem crescendo no Brasil desde a década de 1980, em praticamente todos os ramos de

3 trabalho (na indústria, no comércio e nos serviços), ocorre que até os dias de hoje a legislação que regulariza este tipo de atividade é carente de leis que a regulamentem. Daí se infere o maior problema da terceirização trabalhista no Brasil: a ausência de normas jurídicas capazes de viabilizá-la. Este tema é relativamente novo, tratando-se segundo doutrina e jurisprudência, como uma exceção de modalidade de contratação de força de trabalho, conforme cita o Ilustre Maurício Godinho: Por se chocar com a estrutura teórica e normativa original do Direito do Trabalho esse novo modelo sofre restrições da doutrina e jurisprudência justrabalhistas, que nele tendem a enxergar uma modalidade excetiva de contratação de força de trabalho. (DELGADO, 2008, p. 431). A terceirização não é, contudo, uma estratégia importante somente para os capitalistas de países de economia dependente. De acordo com a posição de cada país na divisão internacional do trabalho, define-se o nível de sua inserção na reestruturação produtiva. No Brasil, a adoção do sistema neoliberal aliado a liberdade de mercado de trabalho, privatizações e abertura comercial, é seu alicerce. Conceito Vários são os nomes utilizados pela doutrina e pela jurisprudência para designar o fenômeno da terceirização. Não obstante já se encontrar incorporada ao vocabulário jurídico, até há bem pouco tempo, a expressão terceirização não era encontrada nos dicionários da língua portuguesa, o que permitiu que o termo recebesse diversas denominações. Falava-se em subcontratação, terciarização, filiação, recontratação, desverticalização, descentralização, desverticalização, exteriorização do emprego, focalização, parceria etc. O nome Terceirização adveio da palavra terceiro através de um neologismo compreendido como intermediário. Este terceiro não é o mesmo no sentido jurídico, que é estranho a certa relação jurídica entre duas ou mais partes. Neste caso a palavra se originou da área de administração de empresas, visando a descentralização de atividades de uma determinada empresa para outra, em regra, não relacionadas diretamente a sua atividade produtiva principal. Muitos autores gostam de usar a expressão terciário, pois acham que é o setor terciário, na atividade produtiva, seria o setor de serviços, já que o setor primário corresponde à agricultura, e o secundário à indústria. Para o Autor Sérgio Pinto Martins: Terceirização deriva do latim tertius, que seria o estranho a uma relação entre duas pessoas. Terceiro é o intermediário, o interveniente. No caso, a relação entre duas pessoas poderia ser entendida como a

4 realização entre o terceirizante e o seu cliente, sendo que o terceirizado ficaria fora dessa relação, daí, portanto, ser terceiro. A terceirização, entretanto, não fica restrita a serviços, podendo ser feita também em relação a bens ou produtos. (MARTINS, 2005, p. 19) Gabriela Neves Delgado, não concorda com a utilização da expressão terciarização e rebate da seguinte forma: Data venia, não carece de fundamento a justificativa explanada pelo autor, uma vez que a terceirização não se confunde com a terciarização. Enquanto a primeira refere-se a um modo de gestão empresarial e de contratação da força de trabalho, inclusive com respaldo justrabalhista, a segunda designa, apenas, um segmento da economia o setor terciário -, onde se destacam, inclusive, os trabalhos terceirizados. (DELGADO, 2003, p. 138). A questão etimológica da palavra é tão importante para o estudo deste instituto jurídico, por conta das várias conotações que ele pode ter, inclusive afetando a relação de trabalho. O embate é tão evidente, que o autor José Augusto Rodrigues Pinto não concorda com o posicionamento da autora acima mencionada, observe: [...] o neologismo, embora tenha sido aceito com foros de irreversível, não expressa por via nenhuma das derivações a idéia do que pretende passar, ou porque a empresa prestadora não é terceiro e sim parceiro, no sentido de contratante direto com a tomadora, nem os empregados de cada uma são terceiros perante elas, ou porque a atividade de apoio não é até mesmo primária. O que se está tratando, sob essa nova denominação, é apenas de um contrato de prestação de serviços de apoio empresarial, que examinará, decerto, com mais eloqüência e precisão, seu conteúdo e sua finalidade com o batismo de contrato de apoio empresarial ou, igualmente, contrato de atividade de apoio. (RODRIGUES, 1997, p.144/145). Apesar de toda essa incerteza quanto à etimologia que se dá a este modo de produção, o certo é que os Tribunais trabalhistas passaram a usar a expressão terceirização, de modo que este represente a contratação de terceiros para a realização de atividades que não se inserem no objeto principal do ente tomador de serviço. Apesar de ser um modelo de produção relativamente novo no processo produtivo e nas relações de emprego, seu conceito encontra-se definido nos dicionários da seguinte forma: Assim está definido por Aurélio Buarque (1999, p. 1946): Terceirização: Ato ou efeito de terceirizar. Terceirizar: Transferir a terceiros (atividade ou departamento que não faz parte de sua linha principal de atuação). Assim está descrito no Dicionário Houaiss : [...] forma de organização estrutural que permite a uma empresa transferir a outra suas atividadesmeio, proporcionando maior disponibilidade de recursos para sua atividade-fim, reduzindo a estrutura operacional, diminuindo custos, economizando recursos e desburocratizando a administração. (HOUAISS, 2001, p ). Este novo modelo de produção nos remete a quebra do modelo clássico de relação bilateral empregatícia, onde o empregado presta serviços diretamente ao empregador, com o qual possui vínculo empregatício, e nos leva a relação trilateral que possibilita à empresa tomadora de serviços descentralizar e intermediar suas atividades acessórias para empresas terceirizadas que assumem a posição de empregadora do trabalhador. Relação Trilateral Empresa de Terceirização Empregado Tomador de Serviços

5 São vários os conceitos extraídos da doutrina a respeito dessa técnica, sendo conceituado por Gabriela Neves Delgado: Relação trilateral que possibilita à empresa tomadora de serviços (a empresa cliente) descentralizar e intermediar suas atividades acessórias (atividades-meio) para terceirizantes (empresa fornecedora), pela utilização de mão-de-obra terceirizada (empregado terceirizado), o que, do ponto de vista administrativo, é tido como instrumento facilitador para viabilização da produção global, vinculada ao paradigma da eficiência nas empresas. (DELGADO, 2003, p. 142). Agora temos na relação trabalhista três sujeitos e dois contratos de trabalho. O primeiro, entre a empresa tomadora de serviço e a empresa terceirizada, o segundo entre a empresa terceirizada e o trabalhador. Esta relação de emprego transfere à execução de certas atividades para outras empresas, buscando ganhar da concorrência pelo aumento da produtividade, que poderá possibilitar a redução de custos e o aumento da produtividade. A terceirização possibilita, dessa forma, maior agilidade, flexibilidade e transformação do sistema produtivo, permitindo a desverticalização das empresas, já que colabora para a especialização das atividades. Importante também demonstrar, o conceito de Terceirização pelas linhas do Jurisconsulto Mauricio Godinho, observe: Para o Direito do Trabalho terceirização é o fenômeno pelo qual se dissocia a relação econômica de trabalho da relação justrabalhista que lhe seria correspondente. Por tal fenômeno insere-se o trabalhador no processo produtivo do tomador de serviços sem que se estendam a este os laços justrabalhistas, que se preservam fixados com uma entidade interveniente. A terceirização provoca uma relação trilateral em face da contratação de força de trabalho no mercado capitalista: o obreiro, prestador de serviços, que realiza suas atividades materiais e intelectuais junto à empresa tomadora de serviços; a empresa terceirizante, que contrata este obreiro, firmando com ele os vínculos jurídicos trabalhistas pertinentes; a empresa tomadora de serviços, que recebe a prestação de labor, mas não assume a posição clássica de empregadora desse trabalhador envolvido. (DELGADO, 2008, p. 430). Pelos conceitos trazidos, observa-se com clareza hialina a diferença existente entre a relação jurídica empregatícia e a relação econômica de trabalho, sendo aquela estabelecida com a empresa terceirizante, e esta firmada com a empresa tomadora de serviços, caracterizando o novo modelo trilateral.

6 As naturezas jurídicas das duas relações formadas com a terceirização são distintas. A relação estabelecida entre a empresa tomadora de serviços e a terceirizada é de natureza civil, enquanto que a relação existente entre o trabalhador e a fornecedora de mão de obra é de natureza trabalhista. Neste aspecto observa Délio Maranhão, a luz de Renato Corrado: O fornecedor, através de um contrato de trabalho, adquire o direito às prestações que o trabalhador deverá realizar em favor de terceiros. Pelo contrato de fornecimento, obriga-se a que tais prestações sejam efetuadas por trabalhadores que escolhe. Conserva o poder disciplinar e delega o poder de comando. Evidente que o contrato de trabalho somente poderá configurar-se entre a empresa fornecedora e os empregados que contrata. Relação jurídica, ou seja, no caso, relação de emprego, haverá, apenas, entre os sujeitos do contrato de trabalho: a fornecedora e os trabalhadores contratados. Acontece, que estes, porém, diferentemente do que ocorre nos contratos comuns de trabalho, aceitam que a prestação deles exigível por quem os contratou se realize, de fato, por um terceiro. Entre a empresa cliente e o trabalhador fornecido, não há, nem pode haver, relação jurídica de trabalho. O poder de comando delegado não decorre tão-somente dessa delegação (análise jurídica), mas do fato do trabalho vir a ser prestado numa empresa que pressupõe estrutura hierárquica da qual resulta, para quem quer que nela e para ela trabalhe, seja em que condição for, a sujeição a um certo poder diretivo, como sublinha Corrado. A este poder sujeitam-se, em diferentes graus, o avulso e o próprio autônomo. (MARANHÃO, 1993, vol. I, p ). Com o passar dos dias, este novo modelo trilateral tem ganhado mais força na busca pela racionalização do modelo produtivo, com o intuito de proteger uma realidade social e com o objetivo de propiciar uma convivência pacífica, em um mundo globalizado entre os contratos de terceirização e o contrato de trabalho. Nesses novos tempos, as empresas buscam novos mercados, necessitando adaptar-se às regras mundiais de competitividade, por isso, a questão da redução dos custos da produção revela-se primordial. É a tendência natural transportar as tarefas consideradas secundárias de uma empresa tomadora, sendo fundamental que a empresa cedente fixe seus esforços apenas na atividade principal da sua produção, atividade esta que se torna especializada. Assim, o cerce da terceirização é a transferência de serviços ou atividades especializadas para empresas que detenham melhores condições técnicas para realizá-las, tratando-se, pois, de técnica de administração, e não de gestão de pessoal. Tal forma de organização empresarial está intimamente relacionada às idéias de especialização e concentração. Isto porque a empresa conserva as atividades que considera ínsitas à sua existência, concentrando nelas seus esforços e repassando a empresas tecnicamente especializadas atividades acessórias e periféricas, o que resultaria na melhora de seu produto. Encerrando a conceituação nos apegamos aos ensinamentos de José Martins Catharino, 1997, p. 72:...terceirização é meio da empresa obter trabalho de quem não é seu empregado, mas do fornecedor com quem contrata. Ter quem trabalhe para si, sem ser empregado, é a razão básica da terceirização. Espécies de Terceirização

7 A terceirização pode ser adotada por uma empresa não apenas quanto aos serviços, mas também quanto a bens ou produtos. Assim, podem ser estabelecidos contratos de natureza civil empreitada, subempreitada, prestação autônoma de serviços e parceria ou contratos de natureza mercantil engineering, franchising, contrato de fornecimento, concessão mercantil, consórcio, assistência técnica e representação comercial autônoma. O que nos estamos tratando neste estudo é a terceirização dos serviços de uma empresa (tomadora) mediante a contratação de outra empresa (prestadora) para o fornecimento de serviços. O contrato entre as empresas é de natureza civil e a prestadora contrata trabalhadores nos moldes da relação de emprego. Legislação As relações empregatícias são regidas especialmente pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), entre outros dispositivos esparsos, a exemplo das CCT s (Convenções Coletivas de Trabalho) da categoria, bem como as orientações dos Tribunais. No caso da terceirização, que nos dias atuais representa um fenômeno cada vez mais presente nas relações de trabalho, o legislador não cuidou de normatizar seus princípios deixando o fenômeno na margem da estrutura normativa, parecendo mais como uma legislação informal. Não há uma legislação específica para a regulamentação da mesma, contudo, conforme demonstrado no histórico narrado, algumas leis esparsas justificaram o entendimento consubstanciado pelo Tribunal Superior do Trabalho, que depois de reiterados julgamentos, formulou a Súmula nº As primeiras referências foram criadas com o início da descentralização administrativa, tendo em vista as inovadas contratações por empresa interposta para a realização de atividades meramente burocráticas, serviços de apoio, etc. O Decreto-Lei nº. 200/67, de 1967, dispunha em seu artigo 10, caput: (...) execução das atividades da Administração Federal deverá ser amplamente descentralizada. Complementado pelo 7º do referido artigo tem-se que: Para melhor desincumbir-se das tarefas de planejamento, coordenação, supervisão e controle com o objetivo de impedir o crescimento desmesurado da máquina administrativa, a Administração procurará desobrigar-se da realização material de tarefas executivas, recorrendo, sempre que possível, a execução indireta, mediante contrato, desde que exista, na área, iniciativa privada suficientemente desenvolvida e capacitada a desempenhar os encargos de execução (art. 10, 7º, Dec.-Lei n. 200/67). Posteriormente, com o advindo da Lei n.5.645, de 1970, os encargos citados no dispositivo anterior foram especificados, vislumbrando-se mais uma tentativa de regularizar a nova situação terceirizante :

8 As atividades relacionadas com transporte, conservação, custódia, operação de elevadores, limpeza e outras assemelhadas, serão de preferência, objeto de execução mediante contrato, de acordo com o art. 10, 7º, do Decreto-Lei n (Lei n /70, art. 3º, parágrafo único). Enfim, a legislação alcançou o mercado privado no que tange à terceirização, através da possibilidade de contratação de trabalho temporário, regulamentada pela Lei n , de 1964 e a questão atinente à vigilância bancária, descrita na Lei n , de 1983, sendo esta última referente aos serviços de vigilância, em 1994, estendida a outros setores pela Lei n A própria Consolidação das Leis do Trabalho, em seu art. 455, já dispunha sobre a responsabilidade do empreiteiro principal pelas obrigações trabalhistas do subempreiteiro que não as cumpra. Diante tal situação, verificou-se a importante necessidade de compreensão por parte dos Tribunais, no que tange à terceirização, para que assim fossem especificadas nas relações trabalhistas, as atividades passíveis de serem terceirizadas. Nesta tentativa, o Tribunal Superior do Trabalho, em 1986, editou a Súmula 256: Contrato de prestação de Serviços. Legalidade. Salvo os casos de trabalho temporário e de serviço de vigilância, previstos nas Leis nºs 6.019, de , e 7.102, de , é ilegal a contratação de trabalhadores por empresa interposta, formando-se o vínculo empregatício diretamente com o tomador dos serviços. (Súmula ) Posteriormente, devido a críticas pesadas sobre tal entendimento sumulado, o TST, diante grande pressão, revisou-o em 1993, e editou a Súmula 331, ora transcrita, ferramenta jurídica mais importante a ser utilizada nesta área, entretanto insuficiente por não tratar-se de lei: I A contratação de trabalhadores por empresa de terceira interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário (Lei n , de 03/01/1974); II A contratação irregular de trabalhador, através de empresa interposta, não gera vínculo de emprego com os órgãos da Administração Pública Direta, Indireta ou Funcional (art. 37, II, da Constituição da República); III Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de serviços de vigilância (Lei n. 7102, de 20/6/83), de conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistentes a pessoalidade e a subordinação direta; IV- O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica na responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços, quanto àquelas obrigações, inclusive quanto aos órgãos da administração direta, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista, desde que hajam participado da relação processual e constem também do título executivo judicial (artigo 71 da Lei n. 8666/93). A orientação supracitada, criada pelo Tribunal Superior do Trabalho trouxe algumas respostas aos críticos da Súmula que vigorava anteriormente (Súmula 256), trazendo em si, as hipóteses de terceirização de atividades como conservação e limpeza e atividades meio. Dentre as mudanças trazidas pela revisão da Súmula 256 do C. TST, a mais significativa e ao meu entender a mais importante, foi a diferenciação entre atividade meio e atividade fim do ente tomador de

9 serviço, esta distinção traz consigo os critérios do que seria terceirização licita e terceirização ilícita, motivo pelo qual, será decretado o vinculo, ou não, empregatício com o tomador de serviço. Recentemente, está em tramite no Congresso Nacional, um Projeto de Lei de criação do deputado federal Sandro Mabel, do PL de Goiás (PL 4.330/2004), que dispõe sobre os contratos de prestação de serviços a terceiros e as relações de trabalho deles decorrentes. O presente projeto de lei teve origem em outro projeto, que após algum tempo em tramitação, sofreu as reformas que eram solicitas pelo poder Executivo. Neste novo projeto de lei, reformado, começa a regular a terceirização de forma a permitir a terceirização de atividade-meio e de atividade-fim da contratante, permitindo sucessivas contratações do trabalhador por diferentes empresas prestadoras de serviços, que prestem serviços à mesma contratante de forma consecutiva. O projeto compõe os interesses de todas as partes envolvidas no projeto de terceirização, inserindo no ordenamento jurídico uma regulamentação que já se fazia necessária desde o começo das relações trabalhistas. Caso seja aprovado tal projeto, se colocará fim ao medo das empresas de contratarem empresas terceirizadas, pois a incerteza quanto à possibilidade ou não de terceirizar serviços, inibe o empregador e consequentemente gera desemprego e afeta diretamente a economia do país. A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio CDEIC aprimorou o texto inicialmente proposto, na medida em que permite o contrato de prestação de serviços também para atividade-fim da contratante. Atualmente, o projeto de lei encontra-se na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados, aguardando o parecer do Relator. Atividade-meio x Atividade-fim Para dar prosseguimento ao estudo da terceirização, cabe neste momento, diferenciar atividade meio e atividade fim do ente tomador de serviço, uma vez que se faz necessário uma aproximação do real significado jurídico destas atividades. É fato incontroverso no direito trabalhista, que não há parâmetros sólidos o suficiente para definir com segurança e distinguir uma atividade da outra, o que se pretende, é chegar o mais perto de uma definição lógica e justa. A atividade-fim de uma empresa é a razão de existir dessa empresa, são funções e tarefas empresariais e laborais que se ajustam ao núcleo da dinâmica empresarial do tomador de serviços. A atividade-fim é a essência da atividade por ele desenvolvida e a que vai determinar, de modo geral, a categoria de seus empregados, sendo essenciais à consecução do objeto social do

10 empreendimento. O princípio básico é que não se terceirize a atividade-fim. Sendo assim, uma organização que desconhece a si mesma, em um processo de terceirização, corre sério risco de perder sua identidade e principalmente o seu diferencial competitivo. Quanto às atividades-meio, tanto a doutrina como a jurisprudência definem como aquela que não é inerente ao objeto principal da empresa, trata-se de serviço necessário, mas que não tem relação direta com a atividade principal da empresa, ou seja, é um serviço não essencial. São aquelas que não se ajustam ao núcleo das atividades principais do tomador de serviços, se demonstram como atividades periféricas ou meramente instrumentais ou de apoio logístico ao empreendimento. Alguns doutrinadores colocam a atividade-meio como um serviço adicional, que no seu exercer, não comprometa a qualidade do exercício das funções componentes da atividade-fim. No tocante à terceirização na área de serviços, especificamente na área bancária, objeto deste estudo, deve-se observar os preceitos que regulam a atividade bancária nos ditames da lei, para que, por simples ato de eliminação, vez que ausente legislação específica ao caso, se encontre aquelas atividades passíveis de serem transferidas a empresas outras. Não se vislumbra, portanto, uma definição clara e objetiva da atividade a ser considerada como final ou aquela chamada de atividade meio. Urge a regulamentação para a formação do instituto, evitando assim injustiças e aplicações errôneas de forma a causar prejuízo ao trabalhador. No direito do trabalho moderno, a tendência não é mais criar critérios absolutos para a definição da atividade. Percebendo o magistrado, de acordo com toda a instrução processual e usando do Princípio da Primazia da Realidade, que a intenção da empresa tomadora de serviços não é fraudar os direitos do trabalhador, a subcontratação de atividade fim vai sendo admitida, mesmo que lentamente, tal hipótese já está sendo aceita pelos Tribunais Regionais. Inexistindo, em nossa legislação, qualquer proibição à utilização de mão-de-obra de terceiros, há que se proclamar a licitude de tal prática, eis que destituída de qualquer eiva de burla à legislação obreira, complementando-se a relação jurídica de forma plena e límpida. (FURTADO, 1993, p ). Neste mesmo sentindo, Sérgio Pinto Martins é enfático: Não se pode afirmar, entretanto, que a terceirização deva restringir-se à atividade-meio da empresa, ficando a cargo do administrador decidir tal questão, desde que a terceirização seja lícita, sob pena de ser desvirtuado o princípio da livre iniciativa contido no art. 170 da constituição. A indústria automobilística é exemplo típico de delegação de serviços de atividade-fim, decorrente, em certos casos, das novas técnicas de produção e até da tecnologia, pois uma atividade que antigamente era considerada principal pode ser hoje acessória. Contudo, ninguém acoimou-a de ilegal. As costureiras que prestam serviços em sua própria residência para as empresas de confecção, de maneira autônoma, não são consideradas empregadas, a menos que exista o requisito de subordinação, podendo aí serem consideradas empregadas em domicílio (art. 6º da clt), o que também mostra a possibilidade de terceirização da atividade-fim. MARTINS, p. 95).

11 O que prevalece nos dias atuais, com muito pesar, é o livre convencimento motivado do magistrado, que muitas vezes deixa o empregador à mercê de suas vontades e seus caprichos, e não se tem um parâmetro lógico formal a ser seguido, pois se usa, para qualquer que seja a situação, o instituto de proteção ao trabalhador previsto no artigo 7º da CR/88. E muitas vezes, deixa de lado a CLT, que é a lei que rege as relações trabalhistas, ou até mesmo o Princípio da Primazia da Realidade. Considerações Finais Ao término do trabalho se fazem necessárias algumas considerações acerca do tema, com a aplicação da Súmula 331, do Colendo TST, a qual se ressalta, não é lei, nem ao menos tem fora de lei, na medida em que não foi elaborada pelo órgão competente, qual seja, o Poder legislativo. A referida Súmula, como toda e qualquer orientação jurisprudencial, objetiva nortear os magistrados em suas decisões, entretanto, às vezes realiza papel contrário, confundindo o judiciário, o que se verifica diante das diversas decisões dos tribunais, em particular no tocante à terceirização bancária, dependendo única e exclusivamente do caso concreto. Existem leis esparsas regulamentando a terceirização de serviços, conforme citadas no decorrer do presente trabalho, entretanto, ausente uma legislação contundente no sentido de definir quais as atividades na área bancária podem ser terceirizadas, sem que haja prejuízo ao trabalhador, bem como não afete o empregador deste. A partir desta análise, a existência ou não de vínculo empregatício e consequente responsabilidade da empresa tomadora de serviços, no caso o banco, será determinada de uma forma precisa, menos passível de erros e injustiças. Portanto, para melhor solução dos conflitos de caráter trabalhista, ante a ausência de regulamentação específica, em especial na área bancária, resta a interpretação calcada nas reais atividades do banco que requisitante e a especialização da empresa tomadora, o que não deve mais prosperar. Verifica-se claramente a necessidade de se regulamentar o processo de terceirização na área bancária, de uma forma específica, uma vez que não se sabe ao certo quais atividades podem ser consideradas como atividades-meio, para que assim se caracterize a licitude ou ilicitude da terceirização havida. A questão atividade-meio x atividade-fim, não se encontra conceituada pela legislação, principalmente dentro do ambiente bancário, no qual muitas vezes o julgador esquece qual é o real objetivo da instituição financeira, a movimentação de crédito! Com isto, atividades meramente burocráticas, que não geram o produto final do estabelecimento bancário, são tidas erroneamente como atividades-fim, gerando vínculo empregatício entre o obreiro e a empresa, e muitas vezes um enriquecimento sem causa, tendo em

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Terceirização Lívia Maria Silva Meireles* Um breve histórico desse fenômeno em busca de seu conceito. 1 A TERCEIRIZAÇÃO 1.1 HISTÓRICO 1.1.1 Da evolução das relações de trabalho Qualquer

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA Luciano Rocha Mariano 1 Limita-se o presente tema acerca da terceirização perante o Direito do Trabalho, focado no âmbito empresarial privado. De plano,

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções.

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. TERCEIRIZAÇÃO Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. INTRODUÇÃO Para que haja uma perfeita compreensão sobre

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO. Guilherme Brandão Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO. Guilherme Brandão Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO Guilherme Brandão Advogado As principais referências legais sobre a terceirização tiveram início na década de 60, no âmbito das

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA

A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA Manuel Martín Pino Estrada SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Conceito de Terceirização. 3 A Súmula nº 331 do TST e a Terceirização nas Esferas Pública

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS Projeto de Lei 4330 de 2004 (Autor Dep. Sandro Mabel) Aprovado na CDEIC e CTASP COMISSÃO ESPECIAL Relator Dep. Roberto Santiago CCJC Relator Dep. Arthur Maia Comissão

Leia mais

Contratos de prestação de serviços - Terceirização

Contratos de prestação de serviços - Terceirização Contratos de prestação de serviços - Terceirização Inicialmente há que se esclarecer quais os pontos básicos que podem definir a licitude ou ilicitude da terceirização de serviços, tendo como base as permissões

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006)

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006) TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006) O MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, representado, neste ato, pelo Procurador Regional

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1

TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1 1 TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1 Michel Olivier Giraudeau 1. O conceito de terceirização Sabe-se que a expressão terceirização

Leia mais

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.621, DE 2007 (Apenso o PL nº 6.832, de 2010) Dispõe sobre as relações de trabalho em atos de terceirização e na prestação

Leia mais

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil Terceirização A precarização das relações trabalhistas No Brasil RELAÇÃO DE EMPREGO (ARTIGO 3º DA CLT) Pessoalidade Subordinação Trabalho não eventual remuneração O QUE É TERCEIRIZAÇÃO? É uma prática administrativa

Leia mais

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB art. 7 CRFB São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: art. 7 CLT Os

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO TRABALHISTA

TERCEIRIZAÇÃO TRABALHISTA TERCEIRIZAÇÃO TRABALHISTA JULPIANO CHAVES CORTEZ Advogado TERCEIRIZAÇÃO TRABALHISTA EDITORA LTDA. Todos os direitos reservados Rua Jaguaribe, 571 CEP 01224-001 São Paulo, SP Brasil Fone (11) 2167-1101

Leia mais

DIREITO TRABALHO. Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES

DIREITO TRABALHO. Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES DIREITO TRABALHO Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) O artigo de hoje é

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO TERCEIRIZAÇÃO LÍCITA E ILÍCITA Autor: Marco Felipe de Paula Alencar da Silva Orientador: Prof. Dr. Jair Aparecido Cardoso RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Membro Oficiante: Dr. Fabiano Holz Beserra Interessado 1: TRT 4ª Região Interessado 2: Prefeitura Municipal de Porto Alegre Assunto: Fraudes Trabalhistas 03.01.09 - Trabalho na Administração

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização.

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. O Direito do Trabalho não se preocupa apenas e tão somente com as relações entre empregado e empregador. Sua abrangência

Leia mais

MARLOS ROBERTO LANCELLOTTI OS LIMITES DA TERCEIRIZAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MARLOS ROBERTO LANCELLOTTI OS LIMITES DA TERCEIRIZAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MARLOS ROBERTO LANCELLOTTI OS LIMITES DA TERCEIRIZAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Monografia apresentada como requisito para conclusão do curso de bacharelado em Direito do Centro

Leia mais

distinguir a terceirização das demais formas de sub-contratação de serviços;

distinguir a terceirização das demais formas de sub-contratação de serviços; Terceirização 1. Introdução O objeto de estudo da presente aula será o fenômeno moderno representado pela terceirização de determinadas atividades pelas empresas, seja como forma de aumentar sua produtividade

Leia mais

Terceirização. Ivan Luís Bertevello

Terceirização. Ivan Luís Bertevello Terceirização Ivan Luís Bertevello INTRODUÇÃO Terceirizar os serviços é delegar para outras empresas serviços e atividades não essenciais (atividades-meio) da sua empresa, a fim de que possa se concentrar

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Câmara de Coordenação e Revisão Origem: PRT 3ª Região. Interessados: Assunto: - Temas Gerais 09.10. 1. CETUS HOSPITAL DIA ONCOLOGIA LTDA 2. TERRA NOVA SERVIÇOS LTDA ME 3. SOMA TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Recorridos LTK PROCESSAMENTO DE DADOS EMPRESARIAIS LTDA., CASAGRANDE & RAIMUNDO COMÉRCIO DE CELULARES LTDA. e TELEFÔNICA BRASIL S.A..

Recorridos LTK PROCESSAMENTO DE DADOS EMPRESARIAIS LTDA., CASAGRANDE & RAIMUNDO COMÉRCIO DE CELULARES LTDA. e TELEFÔNICA BRASIL S.A.. EMENTA RECURSO ORDINÁRIO, provenientes da VÍNCULO DE EMPREGO COM EMPRESA DE TELEFONIA - VENDA DE PRODUTOS E SERVIÇOS EXCLUSIVOS - SUBORDINAÇÃO ESTRUTURAL - CARACTERIZAÇÃO - Restou demonstrado nos autos

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO E SUAS CONSEQÜÊNCIAS NO DIREITO DO TRABALHO Cássio Ricardo de Freitas Faeddo

A TERCEIRIZAÇÃO E SUAS CONSEQÜÊNCIAS NO DIREITO DO TRABALHO Cássio Ricardo de Freitas Faeddo 1 A TERCEIRIZAÇÃO E SUAS CONSEQÜÊNCIAS NO DIREITO DO TRABALHO Cássio Ricardo de Freitas Faeddo Introdução A terceirização é fenômeno jurídico e econômico. Sendo uma realidade, seu crescimento constante

Leia mais

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal 8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal FUP Federação Única dos Petroleiros Secretaria de Relações Internacionais e Setor Privado Anselmo Ernesto Ruoso Jr. Porto Alegre, 10 de maio de

Leia mais

A base de cálculo do ISS das empresas fornecedoras de mão-de-obra temporária

A base de cálculo do ISS das empresas fornecedoras de mão-de-obra temporária A base de cálculo do ISS das empresas fornecedoras de mão-de-obra temporária Autores (Servidores Públicos da Prefeitura de Aracaju): Fernando Ribeiro de Almeida Aribaldo Pereira da Silva Regiclecio Azevedo

Leia mais

IMPLICAÇÕES JURÍDICAS DA TERCEIRIZAÇÃO NO B R A S I L S I T U A Ç Ã O ATUAL E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO. São Paulo, 14 de abril de 2015.

IMPLICAÇÕES JURÍDICAS DA TERCEIRIZAÇÃO NO B R A S I L S I T U A Ç Ã O ATUAL E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO. São Paulo, 14 de abril de 2015. IMPLICAÇÕES JURÍDICAS DA TERCEIRIZAÇÃO NO B R A S I L S I T U A Ç Ã O ATUAL E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO São Paulo, 14 de abril de 2015. ÍNDICE Cenário Por que as empresas terceirizam? Regramento legal

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS.

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. Márcia Moraes Imhoff 1 Aline Perico Mortari 2 RESUMO A realização das atividades organizacionais por pessoas jurídicas distintas da organização

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA TRABALHISTA DA PARAÍBA - ESMAT WAGNER SANTOS DE MELLO ESTUDO CRÍTICO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO

ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA TRABALHISTA DA PARAÍBA - ESMAT WAGNER SANTOS DE MELLO ESTUDO CRÍTICO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA TRABALHISTA DA PARAÍBA - ESMAT WAGNER SANTOS DE MELLO ESTUDO CRÍTICO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO JOÃO PESSOA 2009 WAGNER SANTOS DE MELLO ESTUDO CRÍTICO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO DEPARTAMENTO DE DIREITO ECONÔMICO E DO TRABALHO. Fernanda Manfio

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO DEPARTAMENTO DE DIREITO ECONÔMICO E DO TRABALHO. Fernanda Manfio UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO DEPARTAMENTO DE DIREITO ECONÔMICO E DO TRABALHO Fernanda Manfio O ENQUADRAMENTO SINDICAL DOS EMPREGADOS TERCEIRIZADOS PORTO ALEGRE 2014 FERNANDA

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU A TERCEIRIZAÇÃO DA MÃO DE OBRA NO BRASIL AUTOR JORGE MARCOS PACÍFICO ORIENTADOR PROF. CARLOS AFONSO LEITE LEOCADIO RIO DE

Leia mais

ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.

ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Autores: SANDRA CRISTINA FLORIANO PEREIRA DE OLIVEIRA SANCHES, bacharel em direito pela

Leia mais

www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório.

www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório. www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório. APRESENTAÇÃO Fundado em 2001 Mais de 130 advogados e 360 colaboradores

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997 Dispõe sobre a fiscalização do trabalho nas empresas de prestação de serviços a terceiros e empresas de trabalho temporário. O MINISTRO DE ESTADO DE

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

Parecer nº 001/2015 SINFITO RJ Rio de Janeiro, 18 de Junho de 2015

Parecer nº 001/2015 SINFITO RJ Rio de Janeiro, 18 de Junho de 2015 Reconhecido em 10/08/1988 Código: 012.350.49525-9 Parecer nº 001/2015 SINFITO RJ Rio de Janeiro, 18 de Junho de 2015 Consultoria Jurídica Consulente: Sindicato dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais

Leia mais

Terceirização de serviços na construção civil em Goiânia

Terceirização de serviços na construção civil em Goiânia 1 Roberto Éder Machado robertoeder@gmail.com MBA em Gestão de Projetos para Engenharias e Arquitetura Instituto de Pós-Graduação - IPOG Goiânia, GO, 08 de janeiro de 2014. Resumo Com o propósito de ressaltar

Leia mais

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Tocantins Advogados TERCEIRIZAÇÃO * * * * PROJETO DE LEI - 4.330/04 CENÁRIO ATUAL Não existe lei de terceirização, mas sim, lei de trabalho temporário (Lei 6.019/74)

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS IEC - PUC THIAGO HENRIQUE MARTINS PINTO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS IEC - PUC THIAGO HENRIQUE MARTINS PINTO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS IEC - PUC THIAGO HENRIQUE MARTINS PINTO TERCEIRIZAÇÃO TRABALHISTA E O ATUAL POSICIONAMENTO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO: um estudo sobre a terceirização

Leia mais

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC.

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. QUESTÕES TRABALHISTAS EM CONDOMÍNIOS Palestrante: Carlos Alexandre Cabral 2/30 1 -ESCALA 6 POR 1 Antonio (auxiliar ou servente)

Leia mais

AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO!

AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO! AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO! Jorge Luiz Souto Maior (*) Tenho percebido que a discussão em torno das cooperativas de trabalho possui dois momentos: o primeiro, pelo qual o intérprete se posiciona

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 885/97 - Plenário - Ata 53/97 Processo nº TC 017.843/93-6 Interessado: Adyr da Silva, Presidente. Entidade: Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL

PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL 1.1 FORMAÇÃO DE LITISCONSÓRCIO PASSIVO FACULTATIVO

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA NO AMBIENTE BANCÁRIO

A TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA NO AMBIENTE BANCÁRIO A TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA NO AMBIENTE BANCÁRIO Veruska Rodrigues CARDOSO 1 RESUMO: O presente artigo trata da terceirização ilícita no ambiente bancário que ocorre desvirtuando tal pratica, bem como, das

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO córdão 1a Turma ENQUADRAMENTO SINDICAL - No caso dos autos restou demonstrado que a segunda reclamada efetivamente se apresenta aos seus clientes como empresa que atua no ramo financeiro e é reconhecida

Leia mais

TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE

TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE Poliana Beordo 1 1. INTRODUÇÃO: Para Plácido e Silva (2002) Súmula: é o que explica o teor, ou o conteúdo integral de alguma coisa,

Leia mais

Diversas são as formas utilizadas para a classificação dos contratos individuais de trabalho. Dentre as classificações existentes encontramos:

Diversas são as formas utilizadas para a classificação dos contratos individuais de trabalho. Dentre as classificações existentes encontramos: 1 INTRODUÇÃO Diversas são as formas utilizadas para a classificação dos contratos individuais de trabalho. Dentre as classificações existentes encontramos: a) contratos verbais ou tácitos b) contratos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TERCEIRIZAÇÃO DO TRABALHO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TERCEIRIZAÇÃO DO TRABALHO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1 TERCEIRIZAÇÃO DO TRABALHO AUTOR ALESSANDRA CÔRTES MARINS ORIENTADOR PROF. CARLOS AFONSO LEITE LEOCADIO RIO DE JANEIRO 2011

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul ROSSANA ANZOLIN TERCEIRIZAÇÃO E A RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Universidade Federal do Rio Grande do Sul ROSSANA ANZOLIN TERCEIRIZAÇÃO E A RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Universidade Federal do Rio Grande do Sul ROSSANA ANZOLIN TERCEIRIZAÇÃO E A RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Porto Alegre 2012 1 ROSSANA ANZOLIN TERCEIRIZAÇÃO E A RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010. DIREITO DO TRABALHO APLICADO À ADMINISTRAÇÃO SABER DIREITO Prof Rogerio Neiva

Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010. DIREITO DO TRABALHO APLICADO À ADMINISTRAÇÃO SABER DIREITO Prof Rogerio Neiva Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Regime do Emprego Público Professor: Rogerio Neiva DIREITO DO TRABALHO APLICADO À ADMINISTRAÇÃO SABER DIREITO Prof Rogerio Neiva = ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

% terceiros x empregados

% terceiros x empregados Cenário: crescimento da terceirização em três aspectos Volume de contratos e recursos terceirizados Volume de atividades terceirizadas Importância estratégica das áreas terceirizadas Fonte: CNI % terceiros

Leia mais

A SUBORDINAÇÃO ESTRUTURAL E A TERCEIRIZAÇÃO TRABALHISTA

A SUBORDINAÇÃO ESTRUTURAL E A TERCEIRIZAÇÃO TRABALHISTA A SUBORDINAÇÃO ESTRUTURAL E A TERCEIRIZAÇÃO TRABALHISTA DAVIDSON MALACCO FERREIRA 1 MARIA CECÍLIA DE MOURA LIMA JEHA 2 RESUMO: Recentemente, o surgimento da terceirização e a sua legalização possibilitaram

Leia mais

LATINOAMÉRICA O REGIME DA SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS NO DIREITO DO TRABALHO BRASILEIRO. Conceito

LATINOAMÉRICA O REGIME DA SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS NO DIREITO DO TRABALHO BRASILEIRO. Conceito 156 Actualidad Jurídica Uría Menéndez / 29-2011 LATINOAMÉRICA O REGIME DA SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS NO DIREITO DO TRABALHO BRASILEIRO O regime da subcontratação de serviços no Direito do Trabalho brasileiro

Leia mais

A VISÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO SOBRE A TERCEIRIZAÇÃO E O TRATAMENTO DO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

A VISÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO SOBRE A TERCEIRIZAÇÃO E O TRATAMENTO DO TRABALHADOR TERCEIRIZADO A VISÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO SOBRE A TERCEIRIZAÇÃO E O TRATAMENTO DO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Dra. Adriana Calvo Mestre em Direito do Trabalho, Professora Acadêmica e Consultora Trabalhista INTRODUÇÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR

NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas NOTA TÉCNICA Nº 23/2008/DENOR/SGCN/SECOM-PR Referências: Processo SECOM nº 00170.001719/2008-71.

Leia mais

O contrato de trabalho

O contrato de trabalho Resumo Examinaremos o contrato de trabalho, seus agentes e características, e as condições em que pode validamente ser estabelecido, bem como os diferentes tipos de contratação laboral. Definição legal

Leia mais

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO Análise acerca das últimas discussões sobre o Projeto de Lei 4330, que regula o contrato de prestação de serviços terceirizados e as relações de trabalho

Leia mais

Aula 01. 1 Princípios 1.1 Conceito. 1.2 Funções. 1.3 Princípios em espécie 1.3.1 Princípio da proteção. 1.3.1.1 Princípio do in dubio pro operarium

Aula 01. 1 Princípios 1.1 Conceito. 1.2 Funções. 1.3 Princípios em espécie 1.3.1 Princípio da proteção. 1.3.1.1 Princípio do in dubio pro operarium 1 Aula 01 1 Princípios 1.1 Conceito Segundo palavras de Maurício Godinho Delgado os princípios correspondem à noção de proposições ideais, fundamentais, construídas a partir de uma certa realidade e que

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Direito do Trabalho; terceirização; súmula 331 TST.

PALAVRAS-CHAVE: Direito do Trabalho; terceirização; súmula 331 TST. 1 A CARACTERIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO E O DIREITO DO TRABALHO: SÚMULA 331 TST. Luciana Silva Ceolin Wolfe 1 RESUMO O presente artigo é escrito sob o âmbito das ciências jurídicas, com enfoque específico

Leia mais

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A essência da terceirização visa trazer às empresas contratantes desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, busca de qualidade, controles

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO É. precarização. Não ao PL 4330

TERCEIRIZAÇÃO É. precarização. Não ao PL 4330 TERCEIRIZAÇÃO É precarização Não ao PL 4330 CNTC TERCEIRIZAÇÃO É PRECARIZAÇÃO NÃO AO PL 4330 TRATAMENTO JUSTO E IGUALITÁRIO para todos os trabalhadores A CNTC é contrária ao modelo de terceirização que

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

SUMÁRIO. Travessa Francisco de Leonardo Truda, n 40 10 andar Centro Histórico Porto Alegre, RS CEP 90010-050 Fone/Fax: 3301-1600 www.garrastazu.com.

SUMÁRIO. Travessa Francisco de Leonardo Truda, n 40 10 andar Centro Histórico Porto Alegre, RS CEP 90010-050 Fone/Fax: 3301-1600 www.garrastazu.com. TERCEIRIZAÇÃO SUMÁRIO 1. Conceitos Precisos de Terceirização... 03 2. Aplicabilidade, Legalidade e Ilegalidade da Terceirização Súmula 331... 03 3. Como Evitar Riscos no Contrato de Terceirização... 07

Leia mais

Prof. Ms. Jouberto de Quadros Pessoa Cavalcante

Prof. Ms. Jouberto de Quadros Pessoa Cavalcante Tema: Relações Trilaterais. Trabalho temporário. privada. Cooperativas de trabalho. Terceirização na iniciativa Prof. Ms. Jouberto de Quadros Pessoa Cavalcante Advogado. Professor da Faculdade de Direito

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

CONCEITO DE EMPREGADOR

CONCEITO DE EMPREGADOR Art. 1º e 2º b) estabelece normas gerais a respeito das relações de trabalho, individuais ou coletivas, observado o interesse público. c) institui as normas que regulam as relações individuais e coletivas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011

PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011 PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011 Institui mecanismo de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões de encargos trabalhistas a serem pagos às empresas contratadas para prestar

Leia mais

Seminário Trabalha RH - ABRH

Seminário Trabalha RH - ABRH Seminário Trabalha RH - ABRH Fenômeno necessário à sociedade moderna, exaltada pela Ciência da Administração como eficiente instrumento a imprimir maior competitividade às empresas. Contudo, não podemos

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA JUSTIÇA DO TRABALHO

TERCEIRIZAÇÃO NA JUSTIÇA DO TRABALHO NA JUSTIÇA DO TRABALHO 1. INTRODUÇÃO Partindo do princípio de que o Direito existe porque regras de conduta existem, entendemos que toda sociedade, independente da era histórica em que se situa, possui

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 Regulamenta o inciso IX do art. 114 da Constituição Federal, para dispor sobre competências da Justiça do Trabalho referentes

Leia mais

Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. REF.: LEI N.º 8.955, DE 15.12.94. PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO ART. 9º. ENTIDADE

Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. REF.: LEI N.º 8.955, DE 15.12.94. PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO ART. 9º. ENTIDADE Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. À FEDERAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES-FISCAIS DA PREVIDENCIÁRIA SOCIAL - FENAFISP, A/C do Ilustríssimo Dr. LUÍS RONALDO MARTINS ANGOTI, Digníssimo DIRETOR JURÍDICO. REF.:

Leia mais

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA Resumo JOÃO BATISTA DE ALVARENGA 1 O objetivo do trabalho proposto é analisar as origens das relações comerciais, sua evolução até o momento

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-8040-64.2002.5.12.0026. A C Ó R D Ã O (Ac. 6ª Turma) GMMGD/rmc/ef

PROCESSO Nº TST-RR-8040-64.2002.5.12.0026. A C Ó R D Ã O (Ac. 6ª Turma) GMMGD/rmc/ef A C Ó R D Ã O (Ac. 6ª Turma) GMMGD/rmc/ef AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. SERVIÇOS DE CALL CENTER. ATIVIDADE-FIM. IMPOSSIBILIDADE DE TERCEIRIZAÇÃO. SÚMULA 331, I/TST. Demonstrado

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. Dados Iniciais. www.smaka.adv.br -> DOCÊNCIA empresarial@smaka.adv.br FUNDAMENTOS DO DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO

Leia mais

No momento em que o Governo e o Congresso Nacional cogitam mais

No momento em que o Governo e o Congresso Nacional cogitam mais TERCEIRIZAÇÃO NA ATIVIDADE-FIM. EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES E OUTRAS CONCESSIONÁRIAS DO SERVIÇO PÚBLICO. NOVOS PROJETOS DE LEI E INOVAÇÕES DE LIMINAR CONCEDIDA NO STF José Alberto Couto Maciel * I INTRODUÇÃO

Leia mais

PARECER Nº 002/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTO: LICITAÇÃO DE GESTÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO E ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA

PARECER Nº 002/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTO: LICITAÇÃO DE GESTÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO E ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA PARECER Nº 002/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTO: LICITAÇÃO DE GESTÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO E ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA DA CONSULTA: Trata-se de consulta formulada por diversos

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho

DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho ROTEIRO DE AULAS - PARTE 4 DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho Relação de Trabalho Autônomo: - Trabalhador autônomo é pessoa física que exerce por conta própria uma atividade

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N 0 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes. Autor: Deputado

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL:

TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL: TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL: Qual trabalho para o desenvolvimento sustentável Painel: A Evolução da Terceirização no Brasil e no Mundo Seminário Terceirização, Evolução e Marco Legal Valor Econômico Artur

Leia mais

As implicações do sistema denominado CLT flex

As implicações do sistema denominado CLT flex As implicações do sistema denominado CLT flex Tatiana Guimarães Ferraz Andrade 1 Renata de Souza Barroso 2 1) Do surgimento do sistema de cotas O sistema de cotas ou CLT flex surgiu após o insucesso das

Leia mais

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho.

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho. 1. CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO O Contrato por prazo indeterminado é firmado quando o empregado for contratado para trabalhar em atividades normais da empresa, sem tempo de duração (Princípio da Continuidade

Leia mais

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA Matheus Corredato Rossi 1 Publicado originalmente em Fundos de Pensão Revista da ABRAPP / SINDAPP / ICSS. n. 316. São Paulo: mai/06. A importância

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA RELAÇÃO DE EMPREGO A partir do momento em que o trabalho começou a existir, surgiram também as relações de emprego. Sob o ponto de vista do direito, a relação de emprego é um regramento jurídico que envolve

Leia mais

ANEXO VI ACORDO ENTRE MPT E AGU IMPEDE UNIÃO DE CONTRATAR TRABALHADORES POR MEIO DE COOPERATIVAS DE MÃO-DE-OBRA

ANEXO VI ACORDO ENTRE MPT E AGU IMPEDE UNIÃO DE CONTRATAR TRABALHADORES POR MEIO DE COOPERATIVAS DE MÃO-DE-OBRA ANEXO VI ACORDO ENTRE MPT E AGU IMPEDE UNIÃO DE CONTRATAR TRABALHADORES POR MEIO DE COOPERATIVAS DE MÃO-DE-OBRA Termo de Conciliação Judicial O MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO, neste ato representado pelo

Leia mais

A QUESTÃO DA RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NOS CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO ADC Nº. 16/STF

A QUESTÃO DA RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NOS CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO ADC Nº. 16/STF A QUESTÃO DA RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NOS CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO ADC Nº. 16/STF RESUMO: O presente estudo trata da responsabilidade da Administração Pública nos contratos de terceirização

Leia mais

UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL GIL GUSTAVO MENEGOL STACK

UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL GIL GUSTAVO MENEGOL STACK UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL GIL GUSTAVO MENEGOL STACK A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO A RESPONSABILIDADE DAS EMPRESAS TERCEIRIZADORAS E DAS EMPRESAS

Leia mais

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM ENDEREÇAMENTO E QUALIFICAÇÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA... VARA DO TRABALHO DE... A, estado civil..., profissão..., portador do RG nº..., inscrito no CPF nº..., portador da CTPS..., série...,

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO 71 ANOS DA CLT - Cenário quando da edição Importante instrumento para reger as relações do trabalho no início da década de 40 Industrialização incipiente (Brasil Rural)

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-1189-64.2011.5.01.0037. A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/amf/ad/drs

PROCESSO Nº TST-RR-1189-64.2011.5.01.0037. A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/amf/ad/drs A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/amf/ad/drs RECURSO DE REVISTA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL FATO GERADOR CUMULAÇÃO DE REQUISITOS AUSÊNCIA DE EMPREGADOS ARTS. 109 E 114 DO CTN INTERPRETAÇÃO SISTEMÁTICA DA LEGISLAÇÃO

Leia mais