ESQUEMA DE ASSISTÊNCIA E DEFESA LEGAL QUE OUTORGA O INSTITUTO PARA A PROTEÇÃO À POUPANÇA BANCÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESQUEMA DE ASSISTÊNCIA E DEFESA LEGAL QUE OUTORGA O INSTITUTO PARA A PROTEÇÃO À POUPANÇA BANCÁRIA"

Transcrição

1 ESQUEMA DE ASSISTÊNCIA E DEFESA LEGAL QUE OUTORGA O INSTITUTO PARA A PROTEÇÃO À POUPANÇA BANCÁRIA I. INTRODUÇÃO. A administração de um sistema de seguro de depósitos, por si mesma um trabalho muito delicado e que demanda absoluta confiança do público poupador, complicase exponencialmente quando vai aparelhada com a obrigação de encontrar soluções àquelas instituições bancárias que entram em problemas. A tomada de decisões por parte das autoridades saneadoras, fator indispensável para garantir a resolução expedita e menos onerosa das instituições com problemas, pode se ver condicionada por elementos externos que alteram os incentivos. Em particular, o risco de se verem afetados em sua pessoa ou seu patrimônio por alguma decisão assumida pode atrasar, indefinidamente, a solução de uma instituição, com tudo o que isto implica sobre a saúde à longo prazo do sistema financeiro. Com isto em mente é que os agentes saneadores têm implementado uma série de medidas que outorgam proteção legal aos seus funcionários para o exercício de sua responsabilidade. Sem dúvida, os diferentes esquemas existentes adaptam-se ao contexto em que cada autoridade exerce suas faculdades e em função de seus mandatos. Desta maneira, o presente documento tem por objeto expor os aspectos mais relevantes do esquema de assistência e defesa legal que outorga o Instituto para a Proteção à Poupança Bancária do México (IPAB) a seus empregados, membros da Comissão do Governo e demais pessoas físicas que no lícito desempenho de suas funções se vêm expostas a processos judiciais ou extrajudiciais que possam resultar na determinação de algum tipo de responsabilidade (civil, penal ou administrativa).

2 Para tais efeitos, considerou-se conveniente dividir o presente trabalho nos seguintes temas: Considerações Prévias. Nesta seção será exposto, de forma breve, o ambiente na qual o IPAB desempenha suas atribuições; particularmente quanto a sua participação dentro da rede de segurança financeira estabelecida no marco legal aplicável, com objeto de evidenciar claramente como o desempenho de certas responsabilidades pode originar desde questionamentos (inclusive de caráter político) até processos judiciais, situação que levou o IPAB a comprometer-se perante certas pessoas a outorgar-lhes a segurança jurídica de contar com uma oportuna assessoria e defesa legal quando se vejam envolvidas em qualquer processo em razão do desempenho de suas responsabilidades. Funcionamento do Esquema de Proteção Legal no IPAB. Partindo do pressuposto de que tanto a função de segurador de depósitos como a de saneador bancário requerer um esquema de proteção legal, nesta seção serão expostos as características mais importantes do compromisso assumido pelo IPAB e seu alcance; as modificações e precisões que, na sua implementação tenham sido desde sua origem realizados, e, de forma específica, as condições que atualmente regem sua outorga. II. CONSIDERACÕES PRÉVIAS. A Lei de Proteção à Poupança Bancária (LPAB) foi promulgada em Janeiro de 1999 e estabeleceu o marco jurídico conforme a qual se criou o IPAB como entidade encarregada da função do seguro de depósitos bancários no México. Até a promulgação da LPAB, não existia no México uma definição explícita na lei sobre as garantias que tinham os poupadores sobre seus depósitos nos bancos,

3 senão que de maneira implícita se protegiam praticamente a totalidade das operações, contando-se com o respaldo do Governo Federal. Com efeito, antes da LPAB, o esquema de proteção aos poupadores bancários encontrava-se desenhado para operar de forma preventiva e para procurar o cumprimento das obrigações bancárias. Entretanto não se contava com um marco legal que de maneira explícita determinasse a forma e os termos em que se desenvolveria a atuação do segurador de depósitos. Assim, atualmente a administração do sistema de proteção à poupança bancária no México fica a cargo do IPAB, um órgão governamental a qual originalmente a LPAB atribuiu um mandato mais amplo tendente a contribuir para a estabilidade do sistema financeiro e apoiar o sistema de pagamentos do país, dotando-o inicialmente de certas faculdades (limitadas) para alcançar duas alternativas de resolução bancária: saneamento e liquidação ou falência. Neste sentido, na exposição de motivos da LPAB destaca-se que também é objeto da Lei regular os apoios financeiros que se outorguem as Instituições, em beneficio dos interesses das pessoas a quem se protege seu investimento, depósito ou poupança, e em salvaguarda do sistema nacional de pagamentos. Da mesma forma e para efeitos do tema que nos ocupa, torna-se relevante destacar que, mesmo que através da LPAB o IPAB converteu-se em parte da rede de seguridade financeira como segurador de depósitos e resolutor bancário, o Congresso da União, mediante o estabelecimento das disposições transitórias da própria Lei, obrigou ao IPAB em quanto sucessor do veículo que em seu momento foi o encarregado de implementar os programas necessários para enfrentar a crises nos finais de 1994 (o FOBAPROA), a conseguir, em termos gerais, a assunção dos direitos e obrigações derivados dos diversos programas de saneamento implementados em razão da crise, assim como a concluir certas operações de saneamento financeiro. O anterior implicou, em alguns casos, que o

4 IPAB adotou medidas tendentes a procurar a viabilidade financeira das instituições, enquanto que em outros casos procedeu a sua liquidação ou falência. Dada a natureza e relevância de suas funções, tanto o IPAB como seus empregados e demais pessoas encarregadas de executar tais atribuições, encontram-se expostas a questionamentos e potenciais reclamações. Como conseqüência, considerou-se necessário e conveniente contar com um esquema de assistência e defesa legal para a atenção das reclamações que se apresentem, procurando com isto não interromper as tarefas que se têm encomendadas e reforçando desta maneira a adequada tomada de decisões de seus funcionários. III. FUNCIONAMIENTO DO ESQUEMA DE PROTEÇÃO LEGAL NO IPAB. A Comissão do Governo do IPAB, seu órgão máximo do governo, praticamente desde sua criação em 1999 tem adotado diversos acordos relativos ao esquema consistente em apoiar aos servidores públicos do próprio IPAB, assim como aos integrantes do mencionado Órgão do Governo, para que contem com uma oportuna defesa em qualquer procedimento que se encontrem envolvidos em virtude do desempenho de suas responsabilidades. O compromisso de proteção legal e algumas de suas características se estabeleceram, originalmente, mediante acordo da Comissão do Governo em maio de Posteriormente, em março de 2000, a própria Comissão aprovou as Condições Gerais do Trabalho do IPAB, cujo artigo 37 incluiu o compromisso estabelecido em maio de Por outro lado, o artigo 9º, inciso XVII, das referidas Condições estabeleceu uma obrigação complementar ao citado compromisso. Em sessões de julho e agosto de 2000, a Comissão do Governo aprovou a constituição da reserva para que o IPAB possa cumprir com o compromisso de proteção legal, assim como o procedimento para autorizar pagamentos utilizando tal reserva.

5 No mesmo teor, mais tarde aprovou a lista de advogados elegíveis no caso de que o compromisso assumido pelo IPAB requeresse a contratação de serviços profissionais alheios ao próprio IPAB. Da mesma forma, acordou-se fazer extensivo o regime aprovado aos integrantes ex oficio da Comissão do Governo, isto é, aos membros do mencionado Órgão do Governo que não são empregados do IPAB, assim como também aos comissários do próprio Instituto. Estas reformas representaram um importante avanço para precisar o alcance do compromisso. Nesta ordem de idéias, abaixo se realizará uma análise pormenorizada da assistência e defesa legal que o IPAB encontra-se obrigado a proporcionar aos seus trabalhadores e outros beneficiários, de conformidade com as últimas modificações as Condições Gerais de Trabalho, os Lineamentos para a Assistência e Defesa Legal que Outorga o IPAB e as reformas a Lei de Instituições de Crédito, publicadas em 6 de julho de Considerações. A) Mediante os acordos de maio de 1999, assim como de julho e agosto de 2000, a Comissão de Governo do IPAB aprovou o seguinte: 1. A obrigação do IPAB de proteger em paz e a salvo aos Vogais de sua Comissão de Governo, aos Comissários, ao Secretário Executivo e aos Servidores Públicos do IPAB, no entendido de que tal obrigação subsistirá mesmo quando as mencionadas pessoas deixarem de prestar seus serviços ao Instituto ou de atuar com o caráter de Vocal ou Comissário.

6 2. Que a obrigação do IPAB de proteger em paz e a salvo é referente a qualquer reclamação, demanda, procedimento ou investigação que em relação com o lícito desempenho de seu encargo se inicie no México ou em qualquer outro país. 3. Que a obrigação do IPAB de proteger em paz e a salvo inclui: a. O pagamento de qualquer dano ou prejuízo que houver causado; b. as quantidades necessárias para chegar, em caso de se considerar oportuno, a uma transação; c. A totalidade dos honorários e gastos dos advogados e outros assessores que se contratem para zelar pelos interesses das pessoas credoras de tal direito perante o IPAB. Para tais efeitos, a Comissão do Governo acordou um procedimento de autorização para os pagamentos em que incorra o IPAB, assim como a constituição da reserva relativa. Nas Condições Gerais de Trabalho se estabelece a obrigação do IPAB de proteger em paz e a salvo a seus trabalhadores, nos seguintes termos: Artigo 9.- São obrigações do Instituto: XVII.- Defender o trabalhador com a maior diligencia, no caso de que este seja arrestado administrativamente ou processado penalmente por atos não intencionais realizados no cumprimento de suas funções. Da mesma forma, se atuou em defesa dos interesses do Instituto durante o desempenho de seu trabalho, deverá cobrir-lhe as despesas judiciais que resultem de sentencia absolutória independentemente do que corresponda a seus salários; Artigo 37.- O Instituto se obriga a proteger em paz e a salvo aos Vogais de sua Comissão de Governo, ao Secretário Executivo e aos trabalhadores, a respeito de qualquer reclamação, demanda, procedimento ou investigação que em relação com o desempenho de seu cargo se inicie no México ou em qualquer outro país, nos quais tais pessoas puderem se ver envolvidas, incluindo o pagamento de qualquer dano ou prejuízo que se

7 tenha causado e as quantidades necessárias para chegar, em caso de se considerar oportuno, a uma transação assim como a totalidade dos honorários e despesas dos advogados e outros assessores que se contratem para estes fins. Como resultado de algumas modificações e inclusões posteriores, precisaramse os termos e condições para materializar a obrigação do IPAB de proteger em paz e a salvo a seus trabalhadores, estabelecendo-se, em termos gerais, o seguinte: 1. Que o IPAB, para proporcionar a assistência legal, defesa e/ou patrocínio deverá utilizar os recursos humanos ou materiais com que conte, salvo se o assunto de que se trate requeira a contratação de serviços profissionais alheios ao IPAB, aprovando-se uma lista de advogados elegíveis. 2. Que o IPAB obriga-se a representar, patrocinar e sufragar a apresentação de queixas, denúncias, conflitos, relacionados com imputações feitas contra os beneficiários desta obrigação. B) Em 7 de julho de 2006, publicou-se no Diário Oficial da Federação o Decreto que reforma, inclui e derroga diversas disposições da Lei de Instituições de Crédito; da Lei para Regular as Concentrações Financeiras, e da LPAB, estabelecendo-se a inclusão de um artigo 122 Bis 34 a Lei de Instituições de Crédito pelo que se estabelece o seguinte: Artigo 122 Bis 34.- A Secretaria da Fazenda e Crédito Público, o Banco de México, a Comissão Nacional Bancária e de Valores e o Instituto para a Proteção à Poupança Bancária prestarão os serviços de assistência e defesa legal as pessoas que tenham atuado como titulares, integrantes de seus órgãos de governo, funcionários e servidores públicos, com relação aos atos que as pessoas antes referidas tenham alcançado no exercício das funções que pela lei lhes tenham sido encomendadas e que guardem relação com o disposto no artigo 50 desta Lei, assim como na seções Segunda, Terceira, Quarta e Quinta do Capítulo I do Título Segundo, no Capítulo II do Título Sexto e no Capítulo II do Título Sétimo desta Lei. Os administradores cautelares das instituições de banco múltiplo, membros do conselho consultivo, diretor geral e membros do conselho de administração das Instituições constituídas e operadas pelo Instituto para a Proteção à Poupança Bancária e os procuradores que sejam designados pelo citado Instituto nos termos do disposto nesta Lei, assim como o pessoal auxiliar a qual os próprios administradores cautelares, liquidantes ou

8 síndicos lhes outorguem poderes porque seja necessário para o desempenho de suas funções, também serão sujeitos de assistência e defesa legal pelos atos que desempenhem no exercício das faculdades que as leis lhes encomendem em razão de suas funções. A assistência e defesa legal se proporcionarão com os recursos com que para estes fins conte a Secretaria da Fazenda e Crédito Público, o Banco do México, a Comissão Nacional Bancária e de Valores e o Instituto para a Proteção à Poupança Bancária, de acordo com os lineamentos de caráter geral que aprove, no primeiro caso, o titular da citada Secretaria, ou, os respectivos órgãos de governo, nos quais deverá prever-se a suposição de que se a autoridade competente dita ao sujeito da assistência legal resolução definitiva que cause executória em seu contra, dito sujeito deverá reembolsar a dependência ou organismo, segundo se trate, os gastos e qualquer outro pagamento em que se tenha incorrido com motivo da assistência e defesa legal. Para efeitos do disposto neste artigo, a Secretaria da Fazenda e Crédito Público, o Banco do México, a Comissão Nacional Bancária e de Valores e o Instituto para a Proteção a Poupança Bancária, no âmbito de suas respectivas competências, estabelecerão os mecanismos necessários para cobrir os gastos e qualquer outra pagamento que derivem da assistência e defesa legal previstos neste artigo. O disposto neste artigo se aplicará sem prejuízo da obrigação que tem os sujeitos de assistência e defesa legal, de apresentar os relatórios que lhes sejam requeridos nos termos das disposições legais aplicáveis como parte do desempenho de suas funções. UM NOVO ESQUEMA O primeiro esquema de assistência e defesa legal aprovado originalmente pela Comissão de Governo, dados os termos em que havia sido autorizado, gerava interpretações sobre a forma em que o IPAB deveria proteger em paz e a salvo a seus trabalhadores. Isto devido ao fato de que poderia interpretar-se não somente como o dever de realizar o pagamento dos serviços legais necessários, senão também como a responsabilidade direta do IPAB de prestar assistência através de seu próprio pessoal. Em conseqüência e considerando que resultava necessário estabelecer com maior clareza a forma e termos em que deveria materializar-se o benefício outorgado, a fim de eliminar na medida do possível a discricionariedade na tomada de decisões e delimitar a responsabilidade do IPAB em sua outorga, no dia 13 de junho de 2006 submeteu-se a consideração da Comissão do Governo a modificação do inciso XVII do artigo 9 e a derrogação do artigo 37 das Condições Gerais de Trabalho, assim como a aprovação dos Lineamentos para a

9 Assistência e Defesa Legal que Outorga o Instituto para a Proteção à Poupança Bancária (Lineamentos). Reforma as Condições Gerais de Trabalho Como resultado das modificações mencionadas, a Comissão do Governo determinou que a obrigação do IPAB com relação à assistência e defesa legal a seus trabalhadores se realizaria nos seguintes termos: Artículo 9.- São obrigações do Instituto: XVII.- Prestar a assistência e defesa legal dos Trabalhadores e Vogais de sua Comissão de Governo a que se refere o artigo 76 da Lei através do pagamento de honorários, despesas judiciais ou qualquer outro pagamento, para enfrentar denúncias, demandas ou qualquer tipo de procedimento iniciado em seu contra, inclusive aqueles de caráter administrativo, ou quando sejam chamados como testemunhas ou com qualquer outro caráter em algum procedimento e até a conclusão e todas as instancias sempre e quando tal situação se de em razão do exercício de suas atribuições, funções ou atividades a serviço do próprio Instituto, ou para interpor demandas, denúncias, queixas ou querelas, até a conclusão de todas as instancias correspondentes, quando se trate de imputações feitas as pessoas mencionadas por meio distinto a um processo ou procedimento perante autoridade, e relacionadas com o exercício de suas funções. Os recursos se proporcionarão mesmo tratando-se de pessoas que tenham deixado de prestar seus serviços ao Instituto ou tenham sido integrantes da Comissão do Governo. Os recursos que o Instituto utilize para o cumprimento desta obrigação serão sempre utilizando as reservas autorizadas pela Comissão do Governo para o caso e sujeito aos procedimentos previstos nos lineamentos que ao efeito aprove a Comissão do Governo, os quais formam parte integrante das Condições Gerais de Trabalho e se agregam as mesmas como Anexo. Nos lineamentos deverá prever-se a constituição de um fideicomisso irrevogável e a contratação de um seguro de responsabilidade e assistência legal, os quais se farão extensivos àquelas pessoas que mesmo não sendo Trabalhadores do Instituto, este se encontra obrigado a prestar-lhes assistência e defesa legal em virtude de qualquer disposição jurídica ou resolução adotada pela Comissão do Governo, sem que ao efeito se lhes possa considerar como Trabalhadores do próprio Instituto. Na suposição de que a autoridade competente lhe dite ao sujeito correspondente resolução definitiva que cause executória em seu contra, tal pessoa deverá reembolsar os recursos que se lhe houverem proporcionado em razão de sua assistência e defesa legal, nas suposições, termos e condições previstos nos lineamentos antes referidos. O Instituto não procederá a proporcionar recursos para a assistência e defesa legais a que se refere esta disposição quando a queixa, querela, denúncia, demanda ou imputações que impliquem responsabilidades de Trabalhadores, Vogais e de aquelas pessoas que não sendo Trabalhadores do Instituto, este se encontra obrigado a prestar-lhes assistência e defesa legal em virtude de qualquer disposição jurídica ou resolução adotada pela Comissão do Governo, tenha sido

10 apresentada pelo Instituto. Em caso de que tais sujeitos obtenham resolução definitiva que cause executória a seu favor, de acordo com o destacado nos lineamentos antes mencionados, poderão solicitar o pagamento dos pagamentos em que tenham incorrido em razão de sua defesa legal. Desta maneira, os termos e condiciones sob os quais o IPAB outorgará o benefício de assistência e defesa legal, de acordo com as citadas Condições e os Lineamentos são os seguintes: a) Definição de assistência e defesa legal: Entende-se como o pagamento de honorários, despesas judiciais ou qualquer outro pagamento, para enfrentar denúncias, demandas ou qualquer tipo de procedimento iniciado contra seus Beneficiários, inclusive aqueles procedimentos de caráter administrativo, ou quando tais pessoas sejam chamadas como testemunhas ou com qualquer outro caráter em algum procedimento e até a conclusão de todas as instâncias, sempre e quando tal situação se de em razão do exercício de suas atribuições, funções ou atividades ao serviço do IPAB; b) A assistência e defesa legal também compreendem: A outorga dos recursos para interpor demandas, denúncias, queixas ou querelas, até a conclusão de todas as instâncias correspondentes, quando se trate de imputações feitas aos beneficiários da assistência e defesa legal por meios informais e relacionadas com o exercício das funções (por exemplo, difamações em meios de comunicação); c) Beneficiários: a) Os Vogais e ex Vogais, proprietários e suplentes, da Comissão de Governo do IPAB; b) Os trabalhadores e ex-trabalhadores do IPAB, incluindo o Titular do Órgão Interno de Controle no próprio IPAB, assim como as demais pessoas designadas para desenvolver funções no Instituto pela Secretaria da Função Pública;

11 c) Os administradores cautelares das instituições de banco múltiplo, membros do conselho consultivo, diretor geral e membros do conselho de administração das Instituições constituídas e operadas pelo IPAB e os procuradores que sejam designados pelo Instituto nos termos do disposto na Lei de Instituições de Crédito, assim como o pessoal auxiliar a qual os próprios administradores cautelares, liquidantes ou síndicos lhes outorguem poderes necessários para o desempenho de suas funções, também serão sujeitos de assistência e defesa legal pelos atos que desempenhem no exercício das faculdades que as leis lhes encomendem em razão de suas funções; d) Os Comissários Públicos e ex-comissários Públicos proprietários e designados pela Secretaria da Função Pública, e; e) Os servidores públicos convidados às sessões da Comissão do Governo que não sejam Trabalhadores do IPAB. d) Constituição da reserva para a assistência e defesa legal: Os recursos que o IPAB utilize para o cumprimento desta obrigação serão sempre utilizando a ou as reservas autorizadas pela Comissão do Governo para o caso e sujeito aos procedimentos previstos nos Lineamentos. Para efeito do anterior, a Comissão de Governo determinou o seguinte: 3.- Aprova que a administração do Instituto disponha dos recursos que custeiem a reserva constituída de conformidade com o acordo IPAB/JG/00/16.9 datado de 30 de agosto de 2000 consistente em 150,000,000 (cento cinqüenta milhões) de Unidades de Investimento a fim de: a) Cobrir no que corresponde ao presente e subseqüente exercício orçamentário as primas derivadas da contratação de um seguro de responsabilidade, perante os termos e condições estabelecidos na colocação da presente nota a Comissão do Governo;

12 b) Manter investido em um contrato de intermediação da bolsa, os recursos necessários para efeito do previsto no segundo parágrafo do artigo Terceiro Transitório dos expressados Lineamentos, e; c) Tomando em conta a disposição de recursos para efeitos dos incisos a) y b) anterior, se instrui a Administração do Instituto para que afete o equivalente a ,000 (cento trinta milhões) de Unidades de Investimento no patrimônio de um fideicomisso irrevogável os recursos necessários para os fins estabelecidos nos Lineamentos para a Assistência e Defesa Legal que Outorga o Instituto para a Proteção à Poupança Bancária. O anterior, (no entendido de que em caso de que os recursos disponíveis não forem suficientes para cumprir com o estabelecido nos incisos a), b) e c) anteriores; aprova-se que com utilização da conta onde se mantêm os recursos provenientes da quarta parte das quotas que as instituições de banco múltiplo pagam ao Instituto para a Proteção à Poupança Bancária, se disponham as quantidades necessárias para cumprir com o estabelecido nos mencionados incisos. Também, se instrui a Administração do Instituto, a cancelar o saldo contábil da reserva paz y a salvo, (conforme se realize o previsto nos incisos a) e c), uma vez resolvidos os assuntos a que se refere o inciso b) deste numeral, para o qual se deverá afetar no fideicomisso o remanescente dos recursos reservados nos termos do anterior inciso b) conforme se vá resolvendo os assuntos a que se refere o Anexo 2 d a presente nota. e) Veículos para sua outorga: Mediante a contratação de um seguro de responsabilidade e assistência legal por parte do IPAB e a constituição de um fideicomisso irrevogável. e.1) Seguro de responsabilidade e assistência legal. As coberturas são: (Seção I) Responsabilidade Patrimonial do IPAB com coberturas de Responsabilidade Profissional e Responsabilidade Corporativa de Gestão.

13 (Seção II) Responsabilidade aos Trabalhadores e Outros Beneficiários com coberturas de Responsabilidade de Gestão frente a terceiros e a Extensão de Responsabilidade perante o Estado, incluindo Despesas de Defesa ou Serviço de Assistência Legal. A Extensão de Responsabilidade perante o Estado será contratada por aqueles Trabalhadores e Outros Beneficiários que estejam interessados em adquirir tal Extensão de Responsabilidade com seus próprios recursos já que a Entidade não participará economicamente no referido pagamento. REQUISITOS PARA O SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA LEGAL: O Serviço de Assistência Legal será proporcionado pela seguradora mediante a contratação de advogados eleitos pela seguradora, a qual deverão integrar para tais efeitos uma rede de serviço legal ( Rede de Serviço de Assistência Legal ). Neste sentido, a rede de advogados é uma opção dos assegurados (exceto o IPAB) a qual podem optar por contratar aos da lista de advogados do Diretório referido mais adiante, seus próprios advogados ou a rede, sujeitos as restrições detalhadas na apólice. Quando o Serviço de Assistência Legal esteja previsto nas coberturas ou nas extensões, os advogados deverão fazer cargo do assunto, reclamação, procedimento ou juízo até sua total conclusão (incluindo todas as instâncias e meios de defesa procedentes), isto é, quando se tenha obtido sentença firme que cause executória ou se tenha concluído via transação judicial sem importar a data em que o assunto, reclamação, procedimento ou juízo termine, sempre que a reclamação

14 tenha sido apresentada por primeira vez durante a vigência da apólice ou durante o período adicional para notificações. DIRETÓRIO DE ADVOGADOS PROPOSTOS PELO IPAB Adicionalmente a Rede de Serviço de Assistência Legal, a asseguradora deverá integrar um Diretório de advogados sugeridos pelo IPAB com os quais deverá negociar honorários preferenciais; entretanto tais advogados não formarão parte do Serviço de Assistência Legal já que com a utilização dos mesmos se afetará o limite disponível para a cobertura. GASTOS DE DEFESA ATRAVÉS DE ADVOGADOS DISTINTOS A REDE E AO DIRETÓRIO PROPOSTO PELO IPAB Na apólice se reconhece a possibilidade de que os Trabalhadores e Outros Beneficiários possam selecionar um advogado de sua confiança distinto a Rede e ao Diretório de Advogados proposto pelo IPAB, no entendido que a assistência e defesa legal nesta modalidade afetará o limite disponível aos Trabalhadores e Outros Beneficiários para a cobertura, assim como gerará o pagamento de um dedutível e coaseguro superior ao que lhe corresponderia por fazer uso da Rede ou selecionar algum prestador de serviços do Diretório de Advogados proposto pelo IPAB. O seguro se outorga unicamente aos seguintes Beneficiários: a) Os Vogais proprietários e suplentes da Comissão do Governo do IPAB;

15 b) Os trabalhadores do IPAB, incluindo ao Titular do Órgão Interno de Controle, assim como às demais pessoas designadas para desempenhar funções no IPAB pela Secretaria da Função Pública; c) Os Comissários Públicos proprietários e designados pela Secretaria da Função Pública, e; d) Os servidores públicos convidados às sessões da Comissão de Governo que não sejam Trabalhadores do IPAB. O anterior com exceção de aqueles Beneficiários que na data de entrada em vigor dos Lineamentos, tenham o caráter de ex-vogais, exservidores públicos convidados às sessões da Comissão de Governo que não foram Trabalhadores do IPAB, ex Trabalhadores, ou, ex Comissários. Também, tampouco cobrirá a aqueles Beneficiários cuja assistência e defesa legal derive de seu caráter como administradores cautelares, membros do conselho consultivo ou de administração, diretor geral das instituições constituídas e operadas pelo IPAB, nem aos procuradores e demais pessoal auxiliar com poderes. No dia 14 de agosto de 2006, contratou-se com Seguros Afirme, S.A. de C.V., Afirme Grupo Financiero, o seguro de assistência e defesa legal, cuja apólice encontra-se vigente desde 15 de agosto de 2006 e até 15 de agosto de Cabe mencionar que a apólice contempla um período adicional para notificações de sessenta meses posteriores a data de vencimento, dentro do qual, embora a vigência da apólice tenha expirado, o assegurado poderá notificar a seguradora qualquer reclamação apresentada por primeira vez e que haja ocorrido durante a vigência da

16 apólice ou o período compreendido entre 1 de junho de 1999 a 14 de agosto do ano em curso (reconhecimento de antiguidade). Com relação aos eventos cobertos pela apólice de que se trata, esta cobre todos os eventos relativos ao desempenho das funções dos Beneficiários. O seguro em nenhum caso cobrirá indenizações ou Assistência e defesa legal derivada de: a) Procedimentos de natureza administrativa e trabalhista em que Estado seja parte ou promova sua instauração, b) Procedimentos de natureza penal cuja denúncia ou querela se apresente em virtude do conhecimento que o Órgão Interno de Controle tiver de algum delito ou bem como resultado da revisão e fiscalização superior da Conta Pública, nos termos da Lei Federal de Responsabilidades Administrativas dos Servidores Públicos e da Lei de Fiscalização Superior da Federação, respectivamente ou, c) Quando a uma pessoa, em seu caráter de administradores cautelares, membros do conselho consultivo ou de administração, diretor geral das instituições constituídas e operadas pelo IPAB, nem aos procuradores e demais pessoa auxiliar com poderes, alguma autoridade competente lhe houver ditado sentença em contra. Não obstante o anterior, o Beneficiário poderá contratar a extensão da apólice para cobrir os eventos previstos nos incisos a) e b). Com relação aos procedimentos destacados no inciso c), a assistência e defesa legal será outorgada através do Fideicomisso.

17 Cabe mencionar que os Beneficiários que se encontram cobertos pelo seguro de responsabilidade, deverão em primeiro lugar fazer efetivo o seguro e, em caso que este resulte insuficiente para cobrir em sua totalidade os gastos de que se trate, poderão requerer o faltante perante o Fideicomisso, seguindo o procedimento descrito no Quadro 1 deste documento. e.2) Fideicomisso irrevogável, Fundo de Apoio aos Beneficiários da assistência e defesa legal do Instituto para a Proteção à Poupança Bancária. Com relação a contratação do fideicomisso irrevogável, a Comissão do Governo determinou o seguinte: 9. Se autoriza a Administração do Instituto, para que realize a negociação com alguma Sociedade Nacional de Crédito com relação aos termos e condições correspondentes ao contrato de fideicomisso irrevogável. Uma vez realizado o anterior, a Administração do Instituto deverá submeter a consideração dos membros da Comissão do Governo a versão preliminar de tal contrato, para que em um prazo de três dias úteis contados a partir do dia seguinte de sua apresentação, apresentem a Administração do Instituto os comentários e observações que, em seu caso, tenham sobre referido documento. Uma vez incorporados os comentários e observações correspondentes, ou no caso de que não se realizem estes, se terão por aprovados os termos e condições do fideicomisso antes referido. Atualmente a administração do IPAB está em negociações com Nacional Financiera, S.N.C., com relação aos termos e condições, assim como com o procedimento operativo correspondente para a celebração de um contrato de fideicomisso com tal instituição, a efeito de que esta intervenha como instituição fiduciária. Patrimônio do Fideicomisso

ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 NIRE nº 413 00 019886 Companhia Aberta Categoria A

ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 NIRE nº 413 00 019886 Companhia Aberta Categoria A ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 NIRE nº 413 00 019886 Companhia Aberta Categoria A Conforme item (1) da ordem do dia da Assembleia Geral Extraordinária da ALL América Latina

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado

Leia mais

SEGURO CARTA VERDE CONDIÇÕES GERAIS. HDI Seguros S/A.

SEGURO CARTA VERDE CONDIÇÕES GERAIS. HDI Seguros S/A. SEGURO CARTA VERDE CONDIÇÕES GERAIS HDI Seguros S/A. CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO PROPIETÁRIO E/OU CONDUTOR DE VEÍCULOS TERRESTRES (AUTOMÓVEL DE PASSEIO PARTICULAR OU DE

Leia mais

HDI SEGUROS S/A CONDIÇÕES GERAIS SEGURO HDI CARTA VERDE

HDI SEGUROS S/A CONDIÇÕES GERAIS SEGURO HDI CARTA VERDE HDI SEGUROS S/A CONDIÇÕES GERAIS SEGURO HDI CARTA VERDE Processo SUSEP Principal nº 15414.000861/2006-05 Sumário CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO PROPRIETÁRIO E/OU CONDUTOR DE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DA CASA CIVIL CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PROTEÇÃO DA ATIVIDADE SEGURO OBRIGATÓRIO CONDIÇÕES GERAIS - 168 DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO 808 29 39 49 fidelidade.pt

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ ANEXO II MODELO DE CARTAS E DECLARAÇÕES CONSULTA PÚBLICA nº 01 18/11/2013 SUMÁRIO Modelo nº 01 CARTA DE CREDENCIAMENTO... 3 Modelo nº 02 CARTA DE APRESENTAÇÃO DA GARANTIA DE PROPOSTA DA CONCORRENTE SOB

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.360/11 Dispõe sobre o Regime de Parcelamento de Débitos de Anuidades e Multas (Redam II) para o Sistema CFC/CRCs O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Objecto do Contrato.03 Artigo 3º Garantias do Contrato.03 Artigo 4º Âmbito Territorial.03 Artigo 5º Exclusões.03 Artigo 6º Início e Duração

Leia mais

EMATER-RIO Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio de Janeiro

EMATER-RIO Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio de Janeiro ANEXO VIII MODELO MINUTA DE CONTRATO CONTRATO Nº 005/2012 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPOD QUE ENTRE SI FAZEM O ESTADO DO RIO DE JANEIRO, POR INTERMÉDIO DA EMPRESA DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO CAPÍTULO - DO FUNDO Artigo 1º O CAXA FUNDO MÚTUO DE PRVATZAÇÃO FGTS VALE DO RO DOCE CAXA FMP FGTS VALE DO RO DOCE, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é uma comunhão de recursos constituída sob

Leia mais

ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E CARTAS. (Modelos sugeridos)

ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E CARTAS. (Modelos sugeridos) ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E CARTAS (Modelos sugeridos) Conteúdo dos envelopes: a) ENVELOPE DE CREDENCIAMENTO (i) Documentos do REPRESENTANTE LEGAL; (ii) Documentos da CORRETORA CREDENCIADA; (iii)

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação Gabinete do Secretário

Secretaria de Estado da Educação Gabinete do Secretário PORTARIA nº 080/2012 - SEED O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando das atribuições que lhe são conferidas pelo Decreto nº 0494/12, de 27 de fevereiro de 2012, com fundamento na Lei nº 1.230 de 29 de

Leia mais

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.949, de 14 de fevereiro de 2014 que estabelece mecanismos de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA Anexo I. Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional dos Profissionais de Investimento

Leia mais

ANEXO III MINUTA DO CONTRATO MINUTA DO CONTRATO

ANEXO III MINUTA DO CONTRATO MINUTA DO CONTRATO ANEXO III MINUTA DO CONTRATO MINUTA DO CONTRATO TERMO DE CONTRATO QUE ENTRE SI O INSTITUTO FELIX GUATTARI, organização não governamental (ONG), declarada de utilidade pública estadual, devidamente inscrita

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2211. Art. 1º Aprovar o estatuto e o regulamento anexos, pertinentes ao Fundo Garantidor de Créditos - FGC.

RESOLUÇÃO Nº 2211. Art. 1º Aprovar o estatuto e o regulamento anexos, pertinentes ao Fundo Garantidor de Créditos - FGC. RESOLUÇÃO Nº 2211 Aprova o estatuto e o regulamento do Fundo Garantidor de Créditos - FGC. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o Presidente do

Leia mais

Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo

Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo Artigo 1º) O Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento

Leia mais

PROPOSTA MERCOSUL DE REGIME DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS PARA OS ACORDOS CELEBRADOS ENTRE O MERCOSUL E OS ESTADOS ASSOCIADOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL

PROPOSTA MERCOSUL DE REGIME DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS PARA OS ACORDOS CELEBRADOS ENTRE O MERCOSUL E OS ESTADOS ASSOCIADOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 49/10 PROPOSTA MERCOSUL DE REGIME DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS PARA OS ACORDOS CELEBRADOS ENTRE O MERCOSUL E OS ESTADOS ASSOCIADOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

ANEXO 10 MODELO DE GARANTIA DE PROPOSTA E DE PERFORMANCE

ANEXO 10 MODELO DE GARANTIA DE PROPOSTA E DE PERFORMANCE EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA CASA CIVIL Nº 03/2013 ANEXO 10 MODELO DE GARANTIA DE PROPOSTA E DE PERFORMANCE Modelo de Garantia de Proposta - Seguro-Garantia (Termos e Condições Mínimas) 1. Tomador:

Leia mais

ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano

ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano A - PRÉVIAS: 1. Apresentação de petição conjunta formulada pelos Interessados e pelo BNDES, com a anuência do Administrador Judicial, protocolizada

Leia mais

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal PREGÃO SESC Nº 15/0018 PG ANEXO IV MINUTA DE CONTRATO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, QUE ENTRE SI FAZEM, DE UM LADO, O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO/SESC ESTÂNCIA ECOLÓGICA SESC PANTANAL, NA QUALIDADE

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPIVARI DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LEI MUNICIPAL Nº 884, DE 19 DE AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal,

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O ALFAPREV RF PRIVATE - Fundo de Investimento

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1.

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1. 1. OBJETO 1.1. Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador perante o Segurado, conforme os termos da apólice e até o valor da garantia fixado nesta, e de acordo

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria Nº 509, de 27

Leia mais

DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº. 001/2011 CONTRATO ADMINISTRATIVO

DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº. 001/2011 CONTRATO ADMINISTRATIVO DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº. 001/2011 CONTRATO ADMINISTRATIVO Termo de Contrato entre a Câmara Municipal de Vereadores de Erechim e a empresa SUPERATIVA PROPAGANDA E MARKETING LTDA. para a publicação dos

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações

Leia mais

ANEXO I MODELO DE CARTAS E DECLARAÇÕES

ANEXO I MODELO DE CARTAS E DECLARAÇÕES ANEXO I MODELO DE CARTAS E DECLARAÇÕES ANEXO I MODELO DE CARTAS E DECLARAÇÕES MODELO 1 CARTA DE APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA ECONÔMICA (ITEM 16.1 DO EDITAL)... 3 MODELO 2 CARTA DE APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CELEBRADO ENTRE BANCO DO BRASIL S.A.

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CELEBRADO ENTRE BANCO DO BRASIL S.A. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CELEBRADO ENTRE BANCO DO BRASIL S.A. E CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS EMPREGADOS DO RAMO FINANCEIRO CONTRAF, PARA INSTITUIÇÃO DE COMISSÕES DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA CCP NO ÂMBITO DAS

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000.

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000. RESOLUÇÃO Nº 1748 01/03/2000. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de Altera e consolida critérios para inscrição de valores nas contas de créditos em liquidação e

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento.

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento. C A P Í T U L O I I I - C O M P E N S A Ç Ã O E L I Q U I D A Ç Ã O 1. A SPECTOS G ERAIS A CBLC é responsável pela Compensação e Liquidação das Operações com Ativos realizadas nos Sistemas de Negociação

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA A República Federativa do Brasil e Os Estados Unidos da América (doravantedenominados, individualmente,

Leia mais

Contrato de Crédito Direto CAIXA - Pessoa Física

Contrato de Crédito Direto CAIXA - Pessoa Física CLÁUSULAS GERAIS CLÁUSULA PRIMEIRA - A CAIXA disponibiliza e o(s) CREDITADO(S) aceita(m) os valores de referência, sujeitos a confirmação até a data da efetivação da operação, observadas as normas operacionais

Leia mais

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO FEDERAL Gabinete do Ministro INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 183, DE 08 DE SETEMBRO DE 1986

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO FEDERAL Gabinete do Ministro INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 183, DE 08 DE SETEMBRO DE 1986 SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO FEDERAL Gabinete do Ministro INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 183, DE 08 DE SETEMBRO DE 1986 O MINISTRO DE ESTADO EXTRAORDINÁRIO PARA ASSUNTOS DE ADMINISTRAÇÃO, tendo em vista a competência

Leia mais

que: (...) IX optar pela transferência a outro plano de benefícios administrado pela Entidade. Seção I Das Regras de Migração

que: (...) IX optar pela transferência a outro plano de benefícios administrado pela Entidade. Seção I Das Regras de Migração Art. 10 Perderá a qualidade de Participante aquele que: (...) CAPÍTULO XIV DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS Art. 10 Perderá a qualidade de Participante aquele que: (...) IX optar pela transferência a outro

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.406/12 Dispõe sobre o Regime de Parcelamento de Débitos de Anuidades e Multas (Redam III) para o Sistema CFC/CRCs. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. C.N.P.J./M.F. N.º 06.164.253/0001-87 N.I.R.E. 35.300.314.441

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. C.N.P.J./M.F. N.º 06.164.253/0001-87 N.I.R.E. 35.300.314.441 GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. C.N.P.J./M.F. N.º 06.164.253/0001-87 N.I.R.E. 35.300.314.441 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES APROVADO PELA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA DOS ACIONISTAS

Leia mais

BIG Alocação Condições Gerais

BIG Alocação Condições Gerais ARTIGO PRELIMINAR Entre a, e o Tomador do Seguro mencionado nas Condições Particulares é estabelecido o contrato de seguro que se regula pelas, Especiais e Particulares da Apólice, de acordo com as declarações

Leia mais

Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999

Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO CORREGEDORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999 Dispõe sobre proteção e defesa do usuário do serviço público do Estado de São Paulo e dá outras

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE REGULAMENTO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO -- FGTS CARTEIRA LIVRE, doravante designado abreviadamente

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128 LEI N.º 10.128 Reproduz em novo texto a Lei 8.339, de 12 de junho de 2002 que trata do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos das Pessoas Com Deficiência de Uberaba COMDEFU. O Povo do Município de Uberaba,

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO ANEXO 2 MODELOS DE CARTAS E DECLARAÇÕES Modelo de Pedido de Esclarecimentos Ref.: Concorrência Pública nº [ ]/2011 Pedido de Esclarecimentos, [qualificação], por seu(s) representante(s) legal(is), apresenta

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 As presentes Condições Especiais Protecção Jurídica articulam-se com o disposto nas Condições

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor)

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor) BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV (Requisição de Pequeno Valor) Hugo Soares Porto Fonseca O caput do art. 100 da Constituição Federal 1 determina que os pagamentos de valores devidos pelas Fazendas Federal,

Leia mais

REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS

REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS Artigo 1º O Diretor Presidente poderá conceder o registro

Leia mais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais 1 von 6 31.05.2010 10:06.: DAI - Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 2.579, DE 6 DE MAIO DE 1998. Promulga o Acordo Básico de Cooperação Técnica, celebrado entre o Governo da República Federativa

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

Parágrafo Único: O Conselho Municipal de Política Habitacional Popular CMPHP é vinculado diretamente ao Gabinete do Prefeito Municipal.

Parágrafo Único: O Conselho Municipal de Política Habitacional Popular CMPHP é vinculado diretamente ao Gabinete do Prefeito Municipal. GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL N.º 1170/2007 DE 19 DE ABRIL DE 2007. CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICA HABITACIONAL POPULAR CMPHP E INTITUI O FUNDO MUNICIPAL HABITACIONAL POPULAR FUNDHAPO, E DÁ

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

CONVÊNIO DO SISTEMA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL ENTRE A REPÚBLICA ARGENTINA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

CONVÊNIO DO SISTEMA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL ENTRE A REPÚBLICA ARGENTINA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONVÊNIO DO SISTEMA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL ENTRE A REPÚBLICA ARGENTINA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Banco Central de la República Argentina e O Banco Central do Brasil, Tendo em vista a Decisão

Leia mais

C O N V Ê N I O Nº 015/2015

C O N V Ê N I O Nº 015/2015 C O N V Ê N I O Nº 015/2015 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrição no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com endereço a Avenida

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ

DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ A administração de justiça é gratuita, expedita e ininterrupta. A gestão e atuação de todo processo terão tramitação simples e não estarão sujeitas

Leia mais

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF 032/2014 - PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 Divulga as informações mínimas que deverão estar contidas na apólice, nas condições gerais e nas condições especiais para os contratos de segurogarantia e dá

Leia mais

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB pelo órgão de Controle Interno no âmbito da União (Controladoria Geral da União

Leia mais

LEI Nº 3604/2015, DE 19 DE MAIO DE 2015.

LEI Nº 3604/2015, DE 19 DE MAIO DE 2015. LEI Nº 3604/2015, DE 19 DE MAIO DE 2015. AUTORIZA O MUNICÍPIO CONCEDER CONTRIBUIÇÃO AO CLUBE DA MAIOR IDADE ALEGRIA DE VIVER, FIRMAR CONVÊNIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPORÉ-RS

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 523/2013

RESOLUÇÃO CFN N 523/2013 Página 1 de 7 RESOLUÇÃO CFN N 523/2013 Institui, no âmbito do Sistema CFN/CRN, o Programa Nacional de Recuperação de Créditos (PNRC), autoriza a redução de encargos sobre dívidas em conciliação judicial

Leia mais

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício de 2015, e dá outras providências. Art. 60 - Sem prejuízo das disposições contidas nos demais artigos,

Leia mais

MINUTA DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

MINUTA DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MINUTA DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO MÉDIO VALE DO ITAJAÍ - CIMVI, associação pública, inscrita no CNPJ nº 03.111.139/0001-09, com sede na Avenida Getúlio Vargas, n 700,

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

MRV LOGISTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES ("PLANO")

MRV LOGISTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES (PLANO) MRV LOGISTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES ("PLANO") DATADO DE 17 DE NOVEMBRO, 2010 2 MRV LOGÍSTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF nº 09.041.168/0001-10 NIRE 31.300.027.261

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

DE IMPORTANTES ASPECTOS SOBRE A RECUPERAÇÃO JUDICIAL

DE IMPORTANTES ASPECTOS SOBRE A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE IMPORTANTES ASPECTOS SOBRE A RECUPERAÇÃO JUDICIAL José da Silva Pacheco SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Da suspensão das ações e execuções contra o devedor. 3. Dos credores que devem habilitar-se no processo

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO DOC IV Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso Fonte: Ministério Público do Rio Grande do Norte Responsável: Dra. Janaína Gomes Claudino Criação do Conselho Municipal do Idoso Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI COMPLEMENTAR Nº 11.977, DE 07 DE OUTUBRO DE 2003. (publicada no DOE nº 195, de 08 de outubro de 2003) Introduz

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork

Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork Este Adendo de Validação de Integração de Aplicativos (este "Adendo") é firmado entre você e a Oracle do Brasil Sistemas Limitada. As definições usadas no

Leia mais

INSUFICIÊNCIA DE CAPITAL. Aumento do capital social da instituição junto do mercado financeiro através de uma oferta pública de subscrição.

INSUFICIÊNCIA DE CAPITAL. Aumento do capital social da instituição junto do mercado financeiro através de uma oferta pública de subscrição. 1 MECANISMOS PARA LIDAR COM INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO COM INSUFICIÊNCIA DE CAPITAL I. CAPITALIZAÇÃO COM RECURSO A FUNDOS PRIVADOS A. Fonte jurídica Código das Sociedades Comerciais; Código dos Valores Mobiliários.

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAUCAIA

MUNICÍPIO DE CAUCAIA LEI N 1765, DE 25 DE AGOSTO 2006. Institui o Programa de Recuperação Fiscal - REFIS no Município de Caucaia, e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE CAUCAIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta. CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta. CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478 PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra

Leia mais

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA RENOVA ENERGIA S.A. 1. Objetivo da Outorga de Opções 1.1. Este Plano

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA LEI Nº 931/2010 Dispõe sobre incentivo fiscal para a realização de projetos culturais no Município de Juranda, Estado do Paraná, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE JURANDA, ESTADO DO PARANÁ,

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER NORMA DE PAGAMENTOS Componente A PRESENTE NORMA DE PAGAMENTOS APLICA-SE AOS PEDIDOS DE PAGAMENTOS A FORMALIZAR (APÓS 18-01-2013) E AINDA AOS QUE SE ENCONTRAM EM ANÁLISE NO IDE- RAM, NO ÂMBITO DO SISTEMAS

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PÓS-EMBARQUE Julho/2002 SUPPLIER CREDIT REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar a comercialização, no exterior, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES e/ou

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS TEXTO 2 PRESTAÇÃO DE CONTAS E SUAS ESPECIFICIDADES INTRODUÇÃO Tomando como base a definição do Tesouro Nacional que designa a Prestação Contas como: Demonstrativo organizado pelo próprio

Leia mais

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS Artigo Preliminar... 03 Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões Artigo 1.º - Definições... 03 Artigo 2.º - Objecto do contrato...

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

Licenciamento Automático - REGULAMENTO SENGE PREVIDÊNCIA - CNPB 2005.0003-29 Anexo 1 ao JM/0916/2015 de 29/04/2015

Licenciamento Automático - REGULAMENTO SENGE PREVIDÊNCIA - CNPB 2005.0003-29 Anexo 1 ao JM/0916/2015 de 29/04/2015 Aprovado pela Portaria nº 836 de 27/10/2010 Alterações DOU 29/10/2010 Justificativa CAPÍTULO I - DO PLANO E SEUS FINS Artigo 1º O presente Regulamento tem por objeto estabelecer as disposições específicas

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL (razão social do devedor), com inscrição no CNPJ nº, devidamente representada por (nome e qualificação do representante), DECLARA, para os fins da RN

Leia mais