UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATEUS DE OLIVEIRA PALA IDEIAS E POLÍTICAS ECONÔMICAS DE SOUZA FRANCO ( ) VARGINHA/MG 2014

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS IDEIAS E POLÍTICAS ECONÔMICAS DE SOUZA FRANCO ( ) Trabalho de Conclusão do Curso apresentado ao Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal de Alfenas - campus Varginha, como parte dos requisitos para obtenção do título de Bacharel em Ciências Econômicas com Ênfase em Controladoria. Orientador: Thiago Fontelas Rosado Gambi. VARGINHA/MG 2014 MATEUS DE OLIVEIRA PALA

3 IDEIAS E POLÍTICAS ECONÔMICAS DE SOUZA FRANCO ( ) A banca examinadora abaixo-assinada aprova o Trabalho de Conclusão do Curso apresentado como parte dos requisitos para obtenção do título de Bacharel em Ciências Econômicas com Ênfase em Controladoria pelo Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal de Alfenas - campus Varginha. Aprovado em: Varginha, 18 de dezembro de Prof. Thiago Fontelas Rosado Gambi Prof. Bruno Aidar Costa Prof. Michel Deliberali Marson

4 Resumo O presente trabalho analisa as ideias econômicas e financeiras de Souza Franco no período em que ocupou o Ministério da Fazenda entre 1857 e Partindo desse ponto, será apresentada uma análise de sua proposta bancária liberal; sua política econômica e as críticas que recebeu durante seu ministério. Para isso, utilizamos como fonte os escritos de Souza Franco, a literatura sobre o período e os debates na câmara e no senado que ocorreram no período. Serão destacados os pontos fundamentais que separam as ideias liberais de Souza Franco do pensamento conservador da época em relação a bancos, moeda, câmbio e emissão no contexto da crise internacional de Procuramos mostrar nas considerações finais que a política econômica implementada por Souza Franco foi prejudicada pela crise e que essa conjuntura também pode atrapalhar a análise de suas ideias econômicas. Palavras-Chave: Souza Franco, bancos, moeda, crédito.

5 Sumário Introdução Sobre bancos, moeda e crédito: as ideias econômicas de Souza Franco A política econômica do ministro Souza Franco ( ) As críticas às ideias e à política econômica de Souza Franco Considerações finais Fontes primárias Referências Bibliográficas... 26

6 1 Introdução O presente trabalho tem como intuito apresentar as ideias econômicas de Souza Franco assim como sua política econômica, nesse sentido destaca sua importância no senário em que passava o Império, visto que mediante a implantação de sua politica econômica frente ao Ministério da Fazenda, o país passou por uma grave crise econômica colocando em prova seu gabinete. Nesse sentido é importante analisar as consequências e os impactos sofridos em seu Ministério. Bernardo de Souza Franco, ou Visconde de Souza Franco, nascido em Belém do Pará em 28 de junho de 1805, faleceu no Rio de Janeiro em 8 de maio de 1875, filho do negociante matriculado da província do Pará, Manuel João Franco, e de D. Catarina de Souza Franco.(SISSION, 1999, p.98) Autor e pensador publicou um livro em 1848: Os bancos do Brasil: sua história, defeitos da organização atual e reforma do sistema bancário; e um artigo em 1863: A situação econômica e financeira do Brasil. Além disso, como foi político e ocupou cargos no poder executivo, assinou diversos relatórios administrativos, como a Proposta e relatório apresentados à Assembleia Geral Legislativa e o relatório do Ministério da Fazenda de Aos 18 anos foi preso e deportado para Lisboa, por conspirar contra o domínio português, voltou em 1831 para Olinda, onde se formou em direito quatro anos depois. Em 1839, foi declarado presidente da Província do Pará; em 1844, presidente da Província de Alagoas; em 1864, presidente da Província do Rio de Janeiro. Além disso, foi duas vezes ministro da Fazenda; ministro das Relações Exteriores; deputado geral; conselheiro de Estado; senador, jornalista 1 e magistrado. Em 1848, passou pelo Ministro da Fazenda e, em 1857, ocupou pela segunda vez a pasta da Fazenda e realizou uma gestão marcada por um grande desgaste devido à mudança nos rumos da política econômica e ao enfrentamento de uma crise econômica internacional (SAEZ, 2013, p.186). Souza Franco considerava que o Brasil tinha possibilidades de aumentar suas atividades produtivas e que as instituições de crédito eram os principais condutores para a industrialização e acumulação de capital. Para ele, os bancos eram a chave de progresso (SCHULZ, 2013). Entre 1857 e 1858, o império experimentou uma reviravolta em sua 1 Souza Franco publicava artigos no Correio Mercantil.

7 2 estrutura politica, comprometendo o projeto financeiro saquarema 2 e rompendo com a política do padrão-ouro, que já vinha demonstrando uma fragilidade por meio da queda do fundo disponível do Banco do Brasil. Em meados de 1857, a expansão comercial e o aumento geral do nível de preços fizeram aumentar a pressão sobre o banco e à politica saquarema: Em linhas gerais, o projeto de Bernardo de Souza Franco objetivava a formação de uma grande malha de bancos que regularizassem o numerário de acordo com as necessidades dos mercados conferindo elasticidade ao meio circulante. Lidava, portanto, com a ideia da formação de um sistema bancário privado e autônomo que empregaria os capitais ociosos nas localidades para que eles fornecessem o combustível da expansão econômica. Este era o grande argumento dos que apoiavam a expansão do crédito, o crescimento da economia. Não foi à toa que, quando deputado Souza Franco tendeu a atacar o projeto de melhoria do meio circulante defendido pelo Visconde de Itaboraí, alegando que este plano apresentava prejuízos à ampliação do crédito ( SÁEZ, 2008, p.74). Diante da pressão econômica, houve uma troca de gabinetes. Souza Franco foi nomeado, então, Ministro da Fazenda. Para compreender sua atuação na pasta, será preciso considerar antes suas ideias sobre os bancos, a moeda e o crédito, e a conjuntura econômica pela qual passou a economia brasileira. 1. Sobre bancos, moeda e crédito: as ideias econômicas de Souza Franco Segundo Souza Franco, as instituições que emitem bilhetes circulantes tomam um caráter público, porque influenciam o mercado e fazem aumentar os riscos e os abusos. Por isso, segundo ele, devem ser acompanhadas pelo governo. Uma regra geral defendida por ele era que tais entidades de emissão, ou sociedades anônimas, tivessem que obter a aprovação do governo para que pudessem integralizar seu capita e começar a funcionar. Porém, em todos os países em que estas instituições se estabeleceram sem autorização, havia a formalização da responsabilidade de seus membros e a solidariedade dos acionistas em caso de pagamento de dívidas do estabelecimento. Contudo, mesmo em países em que há liberdade de constituição de novos bancos emissores, medidas no sentido de impor limites e regras a estas instituições vão sendo tomadas, a fim de prevenir os abusos e coibir a irregular emissão de notas que pudessem alterar o mercado e suas transações. Foi o que aconteceu nos Estados Unidos e na Grã- Bretanha, países em que o livre estabelecimento de bancos era adotado e, a fim de evitar os 2 O projeto financeiro saquarema pode ser representado sucintamente na ideia de centralização do poder de emissão de moeda na Corte.

8 3 graves abusos dessa situação, os governos impuseram restrições à atividade bancária. Julgava Souza Franco que seria uma imprudência do Brasil se não aproveitasse dessa experiência e já iniciasse uma legislação para regular essas transações. Portanto, Souza Franco não defendia uma liberdade total para os bancos, pelo contrário, dizia ser necessária uma regulação estatal para evitar riscos e abusos. Surge assim a necessidade de uma regulação antecedente para organizar sociedades anônimas, ou companhias, precisa-se ainda lei especial, que marque os princípios gerais pelos quais se regule o governo na autorização destas companhias (FRANCO, 1984, p.69). Assim Souza Franco deixa clara a necessidade de programar uma lei capaz de regular as companhias bancárias já existentes no Brasil, como o Banco Comercial do Rio de Janeiro, o Banco da Bahia e o do Maranhão, 3 todos eles bancos emissores que funcionavam sem a aprovação do governo. O meio de incentivar essas instituições que deveriam ter o caráter de promover o bem público seria declarar uma lei orgânica dos estabelecimentos de crédito: É uma necessidade pública da maior urgência, e a importância que eles podem obter especialmente o sistema, que não adoto, de banco central com filiais nas províncias, e influência que adquirem pela emissão de notas, e com que podem prejudicar gravemente não só os seus fregueses voluntários, porém o público em geral, é base fundada para a intervenção do Governo. (FRANCO, 1984, p.70). Fica evidente a preocupação de Souza Franco em relação aos bancos de emissão baseada na análise de casos anteriores constatados nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha. A constituição de estabelecimentos de emissão sem controle governamental geraria um princípio de abuso por parte dos bancos emissores privados - vistos por Souza Franco, todavia, como estabelecimentos públicos -, visando o bom regulamento da moeda e do crédito para a expansão da economia mercantil. No entanto, segundo Souza Franco, o poder legislativo provincial não deveria interferir na autorização de funcionamento de bancos e sociedades anônimas. A atribuição de autorizar a criação de bancos devia ser exclusivamente da Assembleia Legislativa e do Governo Geral do Império. Em meio à discussão da possibilidade de se criar vários bancos de emissão, surge neste ponto uma questão relevante sobre constituir um banco central na Corte com filiais em todas as províncias ou estabelecimentos independentes? Basicamente, as 3 Foram criados diversos bancos provinciais privados na década de 1840.

9 4 posições defendidas, respectivamente, por Joaquim José Rodrigues Torres, um dos líderes saquaremas, e Souza Franco. 4 Criticava a criação de um banco centralizado porque julgava que a centralização da emissão aumentaria o problema das grandes distâncias como fazer o dinheiro chegar a todas as províncias do império? -, pois havia grandes dificuldades nos caminhos e nas comunicações. Além disso, com emissão centralizada, haveria uma espécie de sujeição das províncias em relação ao centro. Por fim, a hipótese de adoção de organizações dinâmicas para que o banco central chegasse aos extremos do Império com um sistema de caixas filiais aumentaria a possibilidade de abusos financeiros e políticos, que poderiam acontecer sem que o governo tomasse consciência. Esses eram os principais motivos que Souza Franco alegava para evitar esse tipo de organização bancária. Assim, defende a pluralidade de emissão bancária, mas, como vimos, defende que o governo tenha atribuições mais amplas sobre esses estabelecimentos, colocando o interesse público e industrial em primeiro lugar na avaliação da criação e do funcionamento desses bancos. A organização preferida de Souza Franco seria a dos bancos provinciais emissores ou, pelo menos, a formação de círculos de duas ou mais províncias conforme seus mercados (FRANCO, 1984, p.84). A questão da conversibilidade era tão importante quanto à da pluralidade de emissão. O debate sobre a preferência de bancos com base metálica ou papel fiduciário ganhou grande importância em meados do século XIX não só no Brasil. Na Inglaterra, ficou o famoso o debate entre a escola monetária e bancária. No Brasil, o debate foi realizado por dois grupos chamados metalistas e papelistas. A princípio, Souza Franco diz que a circulação metálica, ou sob base metálica, e papel bancário é preferível a notas do Tesouro não realizável, e esta é a principal razão pela qual os metais preciosos devem ser usados, pois não dependeriam do crédito de estabelecimentos públicos ou particulares, evitando oscilações de valores ou futuras perdas; o mesmo caso acontece com notas de bancos bem estruturados, pois haveria sempre em reserva a soma suficiente de metais e títulos de dívidas para converter em metais as notas bancárias. Assim, no ponto de vista exclusivo de segurança moeda metálica e preferível a todas, mas não é esta condição única da bondade do meio circulante (FRANCO, 1984, p.87). Souza Franco defende, portanto, a emissão lastreada em metal ou títulos de dívida. Nota-se 4 A centralização da emissão será concretizada em 1853 com a criação do Banco do Brasil.

10 5 que não se trata de um papelista puro, como Mauá, mas de alguém que sustenta uma emissão mais ampla, lastreada em metal ou papel, mas sempre conversível (VILLELA, 1999). Para Souza Franco, a moeda metálica atrapalharia o equilíbrio dos estabelecimentos de crédito, pois complicaria as transações, o transporte e a contagem de dinheiro. Outro ponto é que não há lucro decorrente dos metais utilizados como reserva que ficam parados nos bancos, elevando o custo da conversibilidade para os bancos e para a economia como um todo. Esse ponto fica evidente nos casos de países de grande comércio, como Grã-Bretanha, que reconhece a necessidade de um meio circulante menos difícil que os metais. Na época de Souza Franco, os depósitos sozinhos não eram capazes de garantir o funcionamento dos bancos. Portanto, a organização bancária tinha uma ligação ainda mais estreita com o sistema monetário, pois sem emissão de papéis de crédito dificilmente os bancos conseguiriam sobreviver. Porém, com pluralidade de emissão, seria necessário coordenar a política bancária com a política de emissão de notas do Tesouro. Assim, qualquer proposta de reforma do meio circulante e organização dos bancos estavam entrelaçadas e deveriam ser tratadas conjuntamente. A reforma do meio circulante foi um dos principais problemas da economia do império até o início da década de As notas do Tesouro no ano de 1849 segundo Souza Franco totalizavam cerca de :000$000, que giravam nos mercados do Império, as dívidas totalizavam cerca de :000$000, com estes dados segundo os partidistas do meio circulante convertível em metais os encargos das notas do Tesouro eram inferiores aos países da Europa, que a operação de uma moeda mais fixa e estável traria vantagens ao país. Souza Franco pronuncia sua opinião, apontando que a dificuldade do melhoramento do meio circulante vem antes de conflitos e de posições individuais, provém da rejeição de planos, e que não é novo ouvir planos financeiros, e que o futuro do Império não é tão desanimador como parece a alguns. Visto que não havia muito a opor contra as notas do Tesouro: É principio incontestável, que o valor da moeda vem do uso que ele presta, mais que da matéria que é formada, e é essa a razão porque na atualidade se prefere 16$, em notas do Tesouro a uma peça de 4 oitavas de ouro, a que se deu este valor, e como tal é recebida nas estações publicas (FRANCO, 1984, p.91) 5 Até 1853, foram feitas duas importantes reformas do meio circulante, uma em 1833 e outra em 1846.

11 6 Nestas palavras Souza Franco transmite que o importante é saber se a nota do Tesouro poderá ser passada facilmente pelo mesmo valor. Em outras palavras, se a moeda consegue conservar seu valor nominal ela é preferível ao metal, não havendo objeção irrespondível a opor a esta espécie de moeda, ou pelo menos a que seja conservada quando já em uso (FRANCO, 1984, p.91). Contudo, Souza Franco condena a emissão exagerada de novas notas no momento em que se devia retirar algumas de circulação, pois a elevação da emissão traz consigo baixa de valor, provocando perturbações e destruição de fortunas. Assim provém a opinião negativa a esta moeda, pelo fato de governos terem abusado nas emissões e não dado a devida atenção ao mercado. Numa eventual reforma do meio circulante, Souza Franco não seria contra conservar as notas do Tesouro em circulação, evitando encargos ao Tesouro e ao contribuinte. Contudo, na época, um dos problemas sérios do meio circulante era a falsificação e a ineficácia da repressão por parte do Estado. Para resolver isso, Souza Franco propunha, então, a conversão do papel do Tesouro em notas de bancos, realizáveis em metais a vista (FRANCO, 1984, p.93). A conversão de notas do Tesouro em papéis bancários traria algumas despesas, mas seria preferível, pois evitaria falsificações e daria uma maior fixação ao meio circulante, ao envolver os bancos com garantias e não os permitindo emitir à vontade seus bilhetes. A incorporação de bancos no Império, segundo Souza Franco, devia ocorrer sobre a conformidade de alguns artigos indispensáveis para sua constituição, caracterizando as instituições como bancos emissores orientados. Em seu projeto, para funcionar, esses novos bancos que fossem estabelecidos na Corte e províncias do Império deveriam obter uma carta de incorporação por 30 anos concedida pelo governo e ficariam sujeitos às seguintes condições: -Entregar ao Tesouro valores não inferiores a 2/3 do capital realizado, recebendo quantias iguais na troca dos títulos de dívida pública com juro de 3 por cento, os mesmos títulos serão intransferíveis durante a permissão dos bancos. -Trocar notas em metais seguindo a lei de 11 de setembro de 1846, com letras, bilhetes, ou vales ao emissário a vista. -Publicar no início de cada mês na imprensa um balanço geral sobre suas operações do mês anterior, e estudo de caixa contendo toda sua circulação, conforme modelos impostos pelo Governo.

12 7 -Ter em sua comissão um membro escolhido pelo Governo, atribuído a verificar a efetividade de suas publicações. -Dar preferência a empréstimos ao Governo, com igualdade nas condições que ofereçam a qualquer outra companhia, ou indivíduos. -Ter o direito de estabelecer filiais, ou caixas de desconto na província, concorrendo com o mesmo numero de ações que os estatutos do banco determinarem. -A emissão de nota autorizada não poderá exceder o valor nominal dos títulos de 3 por cento que os bancos possuem, juntamente com toda a soma de metais nos caixas. Toda emissão excessiva é proibida e todos os lucros serão revertidos para o Tesouro. - No caso de escassez do meio circulante, o Governo poderá permitir a emissão de 1/3 a mais da quantia autorizada, revertendo 50% dos lucros ao Tesouro. - Ficará autorizada a emissão de notas aos bancos nos valores de 5 a 50$, ficando estritamente proibido a emissão de notas de valores inferiores. -As notas do Tesouro que forem substituídas, devem ser remetidas às Caixas de Amortização, para serem incineradas. - O Tesouro fica proibido de emitir mais notas na circulação. - O Governo fica comprometido a organizar o banco principal, e o seu círculo pertencente, para que não se estabeleça bancos com capital insuficientes. - Constituídos todos os bancos, permitirá o Governo criar uma caixa econômica, com capitais tomem por empréstimos a juro anual e fixo, ficando hipotecados ao pagamento de 3 por cento dos bancos, e o Governo nomeará uma comissão para fiscalizar os empréstimos desse fundo e a conveniência dos juros fixados. Souza Franco com esse projeto procura combinar em uma lei a satisfação de três necessidades do Império: reunir os capitais para desenvolver a indústria nacional, fortalecer os bancos e reformar o meio circulante, fixando de uma vez o valor desses capitais em todo o Império. Fica evidente sua preocupação como bom funcionamento do mercado na província. Assim procurou estabelecer um projeto que oferecesse apoio tanto aos bancos quanto ao governo, adotando e oferecendo um valor de 3 por cento nos títulos do Tesouro, empregando capitais seguros nos bancos, e autorizando caixas econômicas a cargo dos mesmos e, como se

13 8 não bastasse, autorizava o governo a entrar como acionistas dos bancos. Com todos estes meios parece não dever restar dúvidas sobre as vantagens e solidez destes estabelecimentos (FRANCO, 1984, p.108). Como defensor dos bancos e do crédito, Souza Franco chegou a ser considerado um precursor das ideias desenvolvimentistas (FONSECA, 2008). Além de contribuir para como devem ser constituídos os bancos emissores, Souza Franco tentou explicar por que esses estabelecimentos eram vistos com maus olhos pelos mercados. Segundo ele, a causa desses embaraços era que muitas vezes os bancos realizavam emissões acima das forças de mercado e de seu fundo de reserva, perturbando o valor da moeda e trazendo instabilidade para as transações mercantis. Embora os bancos emissores fossem a principal preocupação de Souza Franco por estarem ligados à moeda, ao crédito e, no limite, à expansão da economia imperial, os bancos hipotecários também foram objeto de sua análise. Era contraditório que num país essencialmente agrícola como o Brasil, a indústria agrícola fosse a que mais encontrava dificuldades no fornecimento de capitais necessários ao seu financiamento. Em primeiro lugar é a agricultura que mais emprega capitis fixos, e é a que mais demora no seu processo de produção, e como os capitais são mais escassos, os juros cobrados são exageradamente mais altos e as condições onerosas altas. No caso do Brasil, as exageradas cobranças sobre o sistema agrícola devem-se ao fato de que a agricultura envolve uma grande soma de capitais para a compra de escravos e oferece garantias menos seguras e esses capitais em razão dos baixos preços dos estabelecimentos agrícolas, dos lucros menores produzidos e das dificuldades de liquidação das dívidas rurais. Essas circunstâncias eram desfavoráveis aos produtores agrícolas e umas das principais causas da escassez dos meios de crédito para os agricultores que necessitavam de capitais de terceiros para investir em sua lavoura. Segundo Souza Franco, os capitais comprometidos com a agricultura encontram nela menos garantias, pois os terrenos e indústrias rurais tem um menor valor em razão de sua abundância. Era tão fácil obter terras no Brasil que não se dava grande valor aos estabelecimentos rurais. O lucro desses estabelecimentos também era baixo, acompanhado da baixa educação dos profissionais da agricultura, do atraso dos processos de produção, da dificuldade do transporte para os grandes mercados e das despesas altas dos senhores de engenho e grandes fazendeiros.

14 9 Outro grave impasse no desenvolvimento do crédito agrícola, ainda na visão de Souza Franco, eram as dificuldades das execuções judiciárias, criadas peculiaridades e erros da legislação. Em suas palavras, os primeiros legisladores desprezavam as verdadeiras necessidades da justiça em prol do desenvolvimento do trabalho nacional e da riqueza individual e pública. A agricultura e todas as indústrias que não possuíssem garantias dos empréstimos, a não ser o estabelecimento rural, continuariam a sentir falta de capitais e crédito enquanto não houvesse uma reforma na legislação hipotecária. Somente assim os capitais a ela emprestados teriam garantia segura, caso contrário, o banqueiro ou capitalista a que se ofereçam os contratos da espécie descrita, precisa cautelas dobradas para não correr o risco de perda inevitável (FRANCO, 1984, p.114). Embora fosse necessária uma grande reforma hipotecária para resolver o problema de crédito da lavoura, Souza Franco diz que os estabelecimentos bancários do Império como o da Bahia, do Maranhão e do Pará, com o intuito de auxiliar a indústria agrícola, estenderam os prazos de seus descontos e concederam condições especiais para amortização dos capitais, o que já é um melhoramento importante, que pode dar algum alívio e meios de crédito à agricultura, porém ainda muito limitados (FRANCO, 1984, p.115). Porém, a agricultura só poderia ser eficazmente auxiliada pela adoção de diversas medidas em conjunto: O estabelecimento de numerosos bancos que reúnam os capitais disponíveis, e os ponham a sua disposição assim como a das outras indústrias, a reunião de associações de lavradores, que tomando capitais a crédito sob garantia da propriedade rural, os distribuam aos sócios que a hipotecaram, e fiscalizem o exato pagamento dos juros e anuidades, a reforma simultânea da legislação hipotecária, e de todas as outras leis, que afetam o crédito da propriedade territorial, a modificação sucessiva dos outros embaraços apontados ao progresso da agricultura (FRANCO, 1984, p.116). Esta medida em favor aos bancos poderia auxiliar a agricultura em alguns capitais, reintegrando o estado de sua propriedade, terrenos e frutos vinculados, auxiliando para prestarem como garantia segura aos seus credores. Em suma, vimos que Souza Franco, tido comumente como modelo do pensamento papelista, na verdade, defende a pluralidade de emissão bancária, mas conversível em metais ou títulos da dívida. Ele prezava a estabilidade do valor da moeda e condenava um sistema bancário emissor sem controle. Para ele, esse sistema, mesmo que privado, deveria ser acompanhado pelo governo, pois a moeda e o crédito eram assuntos de interesse público e afetavam concretamente as condições do mercado. Coerente com a defesa da pluralidade de

15 10 emissão, Souza Franco era um defensor de maior autonomia provincial diante da política centralizadora levada a cabo pelo partido conservador em meados do século XIX. Finalmente, quanto ao crédito agrícola, o senador paraense compartilhava a posição de muitos políticos do império que defendiam que só uma ampla reforma hipotecária poderia resolver o problema. Essas são as ideias que Souza Franco levará para o Ministério da Fazenda em maio de Com a morte de Honório Hermeto Carneiro Leão, marquês de Paraná, o senador conservador Pedro de Araújo Lima, Marquês de Olinda, assumiu a chefia do gabinete e nomeou o liberal Bernardo de Souza Franco para dirigir a Fazenda. O próximo capítulo trata de sua política econômica.

16 11 2. A política econômica do ministro Souza Franco ( ) Antes da chegada de Souza Franco ao Ministério da Fazenda vigorava a política de centralização da emissão levada a cabo pelo partido conservador. Quando subiu ao ministério, Souza Franco tratou de promover uma nova reforma bancária e monetária, defendendo a pluralidade bancária e o fim do monopólio de emissão do Banco do Brasil. 6 A reforma bancária e monetária de Souza Franco previa organizar o crédito no império por meio da criação de estabelecimentos bancários, a fim de promover a indústria, o comércio e a agricultura. Ele considerava essencial a criação de novos bancos para o desenvolvimento da economia e avaliava que, para ampliar o crédito, eram necessários novos bancos emissores, cujo funcionamento deveria ser autorizado e acompanhado pelo governo. E foi justamente isso que fez no ministério. Além de ser um grande defensor dos bancos emissores, era também um defensor do crédito em primeiro lugar, sustentava a conversão de notas do tesouro em notas bancárias conversíveis em metais, assim como previa o projeto do segundo Banco do Brasil, porem suas principais diferenças eram o privilegio ao crédito e à pluralidade de emissão. Segundo Gambi (2010, p.213): Se tivéssemos que resumir as ideias de Souza Franco sobre a nova politica econômica em poucas palavras, elas seriam, nesta ordem, aumento da oferta de crédito, pluralidade de emissão e conversibilidade do meio circulante. Coerente com suas ideias econômicas, Souza Franco desde sempre se apresentou contra a política saquarema de centralização da emissão e sua política econômica significou uma reviravolta na política vigente: era a ideia de uma emissão plural e controlada, entre os extremos do monopólio puro e da liberdade ilimitada (GAMBI, 2010, p.213). No dia 4 de maio de 1857, Souza Franco foi nomeado ministro da fazenda, a economia escravista mercantil continuava a pressionar a política saquarema, juntamente com negociantes da praça que queriam a quebra do monopólio de emissão do Banco do Brasil, visando uma oportunidade para abrirem os próprios bancos de emissão. A escolha de Souza Franco como Ministro da Fazenda, estava ligada à pressão política que vinha sofrendo o Banco do Brasil e, consequentemente, o partido conservador. A atuação parlamentar de Souza Franco sempre fora coerente com as ideias expostas em seu livro e desde o inicio foi contra a política econômica saquarema. Ele era, então, o nome certo num momento de crítica à política 6 Criado em 1853 por Joaquim José Rodrigues Torres, visconde de Itaboraí.

17 12 vigente. E, de fato, sua politica econômica se caracterizou como uma reviravolta em relação a atual política, rompendo com poder financeiro do projeto saquarema, Souza Franco era visto como o novo em meio aos velhos conservadores (GAMBI, 2010, p.212). Acreditava que os bancos eram instituições capazes de reunir acionistas em busca de valorização para seus capitais por meio de crédito, assim a instituição bancária concedia a investidores créditos em busca de retorno e, ao mesmo tempo, poderiam contribuir para o desenvolvimento do país: Ao intermediar poupadores e investidores, os bancos poderiam ajudar ou contrariar governos no desenvolvimento da riqueza pública e na administração do meio circulante, fornecendo-o na medida da necessidade dos mercados e conservando-o, ao mesmo tempo, o mais fixo e invariável possível (FRANCO. 1984, p.47-48). Porém de maneira prudente Souza Franco não chegou ao ministério propondo imediatamente a pluralidade emissora, antes disso apresentou ao senado uma medida que autorizaria o governo a depositar os recursos disponíveis em contas correntes remuneradas do Banco do Brasil e de suas filiais. Segundo ele não fazia sentido manter recurso parados nos cofres do tesouro. Essa medida lançou dúvidas aos saquaremas sobre o futuro do banco, se o mesmo seria um banco do governo ou mais um banco emissor em meio a outros. As ideias de Souza Franco sobre assuntos financeiros já eram conhecidas nos círculos políticos do império e isso indicava que o campo econômico entrava em uma nova fase liberal. Uma vez conhecidas suas ideias econômicas, os parlamentares começaram a exigir o posicionamento do ministro. No senado, o visconde de Jequitinhonha cobrava do ministro uma posição quanto ao Banco do Brasil e, nesse sentido, Souza Franco reconhecia que o Banco do Brasil tinha prestado serviços ao Brasil e poderia continuar a fazê-los, porém afirmava que o governo deveria auxiliar o banco, a fim de facilitar o comércio com uma taxa de desconto mais baixa. Diante das cobranças sofridas Souza Franco passou a ter uma posição mais efetiva sobre sua politica econômica. A pluralidade de emissão veio num discurso pronunciado na câmara dos deputados em meio à discussão da resposta à fala do trono de Nesse sentido, o ministro levantou os problemas enfrentados pela economia do império, que segundo ele eram três: juros altos, curto prazo dos empréstimos e escassez do meio circulante, Souza Franco explicava que os juros altos estavam ligados a um excesso de demanda por capital em relação à oferta, e que se essa oferta aumentasse os juros poderiam baixar, e que essa escassez de oferta não era ausência de recurso, e sim devido à má organização das instituições de crédito no país, para Souza Franco o crédito comercial era insuficiente para

18 13 atender a vasta demanda, e que o crédito para as indústrias e manufatureiras não podiam ser esquecidas, isto porque as indústrias necessitavam de empréstimos com prazos mais longos, sendo assim não eram atendidas pelo crédito comercial, assim era necessário que o país criasse instituições financeiras para oferta crédito a essas indústrias. A reforma bancária e monetária de Souza Franco tinha os seguintes objetivos: organizar os estabelecimentos de crédito na província, sob a forma de bancos, para que tornasse mais fácil o acesso dos meios circulantes, para a indústria, agricultura e comércio; substituir notas do tesouro por notas de emissão bancária, convertível em metais e, por fim, regular o suprimento de moeda nos mercados regionais. A pluralidade de emissão concretizou o discurso pronunciado na câmara dos deputados em Nesse discurso, Souza Franco fez seu diagnóstico dos problemas enfrentados pelo império, que eram: juros altos, curto prazos de empréstimos e escassez do meio circulante (GAMBI, 2010, p.217). O ministro expunha que os juros altos poderiam estar ligados a um excesso de demanda por capital e que se essa oferta aumentasse os juros poderiam baixar. Já a escassez de capital estava ligada à deficiência de instituições de crédito no país. Assim dizia que: São princípios que cumpre examinar se são aplicáveis ao estado presente das coisas e ao estado atual da procura e oferta dos capitais. Estará por ventura a procura nas condições normais? Há completa liberdade de procura, é exato; mas haverá também completa liberdade de oferta? Haverá os estabelecimentos suficientes para tornar efetiva a oferta? Para reunir e oferecer à procura os capitais todos, ou a grande massa dos capitais disponíveis? Nesses pontos pelo menos não há perfeita liberdade. (...) digo simplesmente: a procura é perfeitamente livre, mas a oferta sendo limitada a certos e determinados meios, a certos e determinados estabelecimentos, não está nas condições de satisfazer as exigências daquela (Sessão de 13 de junho de Anais da Câmara. pp ). Independente do que aconteceria com o Banco do Brasil, o Ministro da Fazenda em seu discurso, expõe com certa audácia os motivos pelo qual o mesmo vem tentando incorporar mais alguns bancos de emissão no império. Por esse motivo diz: Não entro na questão da singularidade ou da pluralidade de um só ou de muitos bancos; para mim o que é verdade é que os atuais não satisfazem a todas as exigências da situação, e que muitos são desnecessários, se tornariam antes mais um embaraço do que verdadeiro auxílio (Sessão de 13 de junho de Anais da Câmara. pp ). Assim chamava a atenção para a escassez do meio circulante e do crédito, e ficava clara sua ideia de pluralidade de emissão, não se caracterizando como uma completa liberdade emissora de oferta, como indicado no capítulo anterior. E disse ainda que era chegada a hora de preencher a lacuna de crédito no país, aprovando a criação de mais alguns bancos na Corte

19 14 e nas províncias, defendendo a conversibilidade e a estabilidade cambial, representando uma mudança na politica econômica, e acabando com o monopólio de emissão do Banco do Brasil. Para advertir sobre sua posição, afastando o risco de ser mal compreendido Souza Franco completa dizendo: Ninguém tire dos meus princípios a conclusão de que quero a completa liberdade de oferta; não está isto em meus princípios; e apresento estas considerações para tirar depois conclusões que não serão nunca assustadoras, não serão nunca dessas conclusões que podem levar o nobre deputado pelo Rio de Janeiro que ontem falou[torres Homem] a ter receio das medidas do ministério da fazenda (Sessão de 13 de junho de Anais da Câmara. pp ). Com isso a marcha do projeto saquarema era interrompida e junto com ela o monopólio de emissão. No intervalo em que Souza Franco ocupou a Fazenda, o crédito passou a prevalecer sobre a moeda. No entanto, o novo ministro da fazenda também se preocupava com a estabilidade da moeda e sustentava que a circulação metálica ou conversível seria preferível ao papel não realizável (FRANCO, 1984, p.85). Porém Souza Franco se deparou com uma resistência do governo saquarema, que temia que seus interesses e de seus acionistas fossem privados, com a concorrência de emissão, por um lado o banco pretendia aumentar suas operações, mas por outro não queria abrir mão do monopólio. Segundo o ministro para suprir as necessidades do meio circulante, ou o governo o fornecia por meio de emissão de notas do tesouro, ou os mercados o supriam por meio de bancos emissores particulares, seus ataques eram mais voltados à política saquarema do que para o próprio Banco do Brasil ou suas filiais, pois segundo ele a politica vigente era limitada por descontos de curto prazo, e não lançavam notas na circulação apenas às emprestavam em forma de títulos, sendo assim sua emissão nunca excedia a soma de deus descontos, pois era restringida por seus limites, por isso tal necessidade de criar novos estabelecimentos para suprir não somente a demanda comercial, mas também a industrial. Assim dizia: Limitados portanto aos descontos a curtos prazos, e não tendo ocasião de lançar notas na circulação senão emprestando-as sob títulos que se lhes apresentam, não pode sua emissão exceder nunca à soma dos seus descontos, e esta restringida pelos seus limites. Os mercados que possam admitir as condições dos bancos e servir-se do seu crédito hão de ter a emissão precisa; os que não se servirem do crédito comercial senão em pequena escala hão de sentir falta de notas para as transações de todas as outras indústrias, e será evidente a necessidade de outros estabelecimentos, que não tão somente os comerciais, para o duplo fim de fornecer capitais às indústrias e meio circulante aos mercados (Sessão de 13 de junho de Anais da Câmara. pp ).

20 15 Segundo (CAVALCANTI, 1893, p.222) ficou comprovado que não houve êxito nem excelência no sistema do Banco do Brasil, e que esse defeito está pelo fato que o mesmo não se adaptou às circunstancias, ou práticas não se adaptaram aos critérios. Baseado que suas leis o Banco do Brasil tinha o direito de fornecer moeda aos mercados, substituindo notas do Tesouro por suas moedas, e importando metais que sustentassem o seu fundo, mas suas filiais ficaram desprovidas de moeda, e foram obrigadas a procurar no Rio de Janeiro notas do Tesouro, assim o Banco do Brasil que era o principal deposito das notas do Tesouro, começou a repassar essas notas às províncias do Norte e do Sul do Império, este ato trouxe consequências e provocou desequilíbrios nos fundos disponíveis e da emissão. Uma análise posterior em 1859, feita por Sales Tôrres Homem, disse que esta estrutura de sistema para combater a falta de capitais a partir de banco de emissões serviria como um instrumento para melhorar a distribuição do crédito criador de capitais, em outras palavras era um caos financeiro. Nesta situação o Ministro da Fazenda Souza Franco impôs que a medida necessária para tal arranjo seria a criação de alguns bancos de emissão, principalmente nos lugares onde situavam as filiais do Banco do Brasil, com o intuito de fornecer fundos ao comercio e meio circulante aos mercados. (CAVALCANTI, 1893, p.223). Ficava evidente que o ministro não estava criticando em si o Banco do Brasil, mas sim a forma com que vinha sendo orientado, e afirmava que o governo tinha interesse em sustentá-lo e apoiá-lo para atingir seus objetivos, porém de acordo com a nova política econômica vigente. Com esse discurso o governo colocaria uma ameaça o monopólio do banco, porém o ministro tentava evitar um conflito entre pluralidade e monopólio de emissão, procurando justificar a necessidade de implantação de alguns bancos de emissão no império. Esse jogo político era visto por Souza Franco como um meio de retirar o monopólio do Banco e promover algumas medidas que compensariam essa perda. Para tentar minimizar as perdas do Banco do Brasil, o ministro da fazenda introduziu a lei 906, aprovada em agosto de 1857, lei essa que autorizava o Tesouro e as tesourarias depositarem seus recursos em contas correntes remuneradas do Banco do Brasil, apresentando três justificativas para tal ato: a diminuição da carga de responsabilidade das tesourarias; pagamentos de juros sobre as parcelas desses recursos; e retornar com esses grandes recursos que estavam guardados nos cofres para a circulação. Nessa visão de Souza Franco, tanto o banco quanto o governo sairiam ganhando, o banco sairia ganhando um aumento no seu recurso disponível para realizar transações, e obter maiores lucros, e o governo receberia juros sobre os recursos depositados no banco.

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

A retomada empreendedora do Banco do Brasil

A retomada empreendedora do Banco do Brasil Banco do Brasil 200 anos A retomada empreendedora do Banco do Brasil D Por Rodrigo Bittar epois de arruinado em 1829 pelos gastos exorbitantes de uma Corte perdulária e parasitária, o Banco do Brasil ressurge

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Luis Ramalho VI Encontro de História da Contabilidade da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas 6 de

Leia mais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Excertos do Código Comercial Carta de Lei de 28 de junho de 1888 Livro Segundo Dos Contratos Especiais de Comércio TÍTULO I Disposições gerais Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Os

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003.

ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003. O Estado Imperial Brasileiro e a centralização financeira/bancária: o caso do Banco do Brasil do Barão de Mauá, 1851-1853. Prof. Dr. Carlos Gabriel Guimarães O presente trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

GABARITO ECONOMIA - PEN

GABARITO ECONOMIA - PEN GABARITO ECONOMIA - PEN CAPITULO 1 A ESSENCIA DO PROBLEMA ECONOMICO Ciência econômica é o estudo da alocação dos recursos produtivos escassos para organizar da melhor maneira as condições de vida em uma

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

institucional e operacional de implementação das políticas monetária, fiscal e do café, para que o país tivesse condições de amortizar a dívida

institucional e operacional de implementação das políticas monetária, fiscal e do café, para que o país tivesse condições de amortizar a dívida MISSÃO MONTAGU Missão financeira inglesa chefiada por Edwin Samuel Montagu que chegou ao Rio de Janeiro em 30 de dezembro de 1923, durante o governo de Artur Bernardes (1922-1926). O objetivo era avaliar

Leia mais

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública.

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, História recente da economia brasileira A economia

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO Indicadores de fragilidade da era da prosperidade nos Estados Unidos da América Endividamento e falência de muitos agricultores. Estes tinham contraído empréstimos para

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito

A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito (Abril 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista I Introdução O Grupo de Estudos de Seguro Depósito identificou algumas

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

CONCEITO DE DINHEIRO FORMAS DE MOEDA FUNÇÕES DO DINHEIRO CRIAÇÃO E ENTRADA NA ECONOMIA FNC-IE-UNICAMP

CONCEITO DE DINHEIRO FORMAS DE MOEDA FUNÇÕES DO DINHEIRO CRIAÇÃO E ENTRADA NA ECONOMIA FNC-IE-UNICAMP CONCEITO DE DINHEIRO FORMAS DE MOEDA FUNÇÕES DO DINHEIRO CRIAÇÃO E ENTRADA NA ECONOMIA FNC-IE-UNICAMP Moeda não cresce em árvore Não se pode empregar mão de obra para plantar (produzir) moeda. Desde que

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca A reorganização financeira dos Estados

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta. CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta. CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478 PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra

Leia mais

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O MERCADO DE CÂMBIO E SEUS AGENTES C.M.N BACEN BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA CAMBIAL VIGENTE NO BRASIL. O regime cambial brasileiro é um regime controlado

Leia mais

Demanda por Moeda. 1. Introdução

Demanda por Moeda. 1. Introdução 1. Introdução Demanda por Moeda 2. Breve Histórico de um Longo Debate 2.1 A Controvérsia Bullionista: 1797-1821 2.2 A Controvérsia Continua: 1821 em diante 3. A Teoria Quantitativa da Moeda: a herdeira

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

DÍVIDA EXTERNA: ADIAR OU RESOLVER?

DÍVIDA EXTERNA: ADIAR OU RESOLVER? DÍVIDA EXTERNA: ADIAR OU RESOLVER? Luiz Carlos Bresser-Pereira Capítulo 9 de Bresser-Pereira, org. (1989) Dívida Pública Crise e Soluções. São Paulo: Editora Brasiliense: 241-246. Trabalho apresentado

Leia mais

O privilégio exorbitante dos EUA

O privilégio exorbitante dos EUA O privilégio exorbitante dos EUA Michael Pettis Valor Econômico, 15.9.2011. O status dominante de uma moeda levou a desequilíbrios que criaram um sério risco para o sistema financeiro global. Alguns países

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Renda Fixa. Letra de Crédito do Agronegócio

Renda Fixa. Letra de Crédito do Agronegócio Renda Fixa Letra de Crédito do Agronegócio Letra de Crédito do Agronegócio Diversifique sua carteira de investimentos e obtenha mais rentabilidade O produto Letra de Crédito do Agronegócio () é um título

Leia mais

As causas da crise monetária na Europa*

As causas da crise monetária na Europa* As causas da crise monetária na Europa* Karl Marx Londres, 14 de outubro de 1856 A crise monetária na Alemanha, que começou por volta de setembro passado, atingiu seu clímax no dia 26 daquele mês, quando

Leia mais

Reforming the Global Financial Architecture

Reforming the Global Financial Architecture Comunicações Reforming the Global Financial Architecture Data e local: 20-24 de junho de 2011, London School of Economics, Londres, Reino Unido Evento: Reforming the Global Financial Architecture Representante

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

O fundador do PP reassume o comando do Banco Itaú preocupado com as incertezas que rondam a economia do país neste ano.

O fundador do PP reassume o comando do Banco Itaú preocupado com as incertezas que rondam a economia do país neste ano. O ESSENCIAL É SOBREVIVER O fundador do PP reassume o comando do Banco Itaú preocupado com as incertezas que rondam a economia do país neste ano. Há exatamente um ano, quando presidia a sessão paulista

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal.

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal. «BANCO DE BARCELOS» O ano de 1919, foi um ano caraterizado por um grande alargamento da rede de agências do Banco Nacional Ultramarino. O aumento de redes operou-se por todo o continente português, incluindo

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas DIREITO SOCIETÁRIO As sociedades são classificadas como simples ou empresárias (art. 982, CC). As sociedades empresárias têm por objeto o exercício da empresa: as sociedades simples exercem uma atividade

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA NOVEMBRO/2008 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO Constituição de subsidiárias integrais ou controladas para o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal...4 Aquisição

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5).

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS Alexandre César Cunha Leite 1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). INTRODUÇÃO O estudo

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, abril de 2007 Superávit na balança comercial e juros altos sustentam valorização do real No primeiro bimestre de 2007, o dólar foi negociado a R$ 2,10, na média

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Pergunta: Qual é a necessidade de um sistema regulatório do sistema financeiro?

Pergunta: Qual é a necessidade de um sistema regulatório do sistema financeiro? PALESTRA Nº 5-11/09/2015 MONITORA RESPONSÁVEL: CAROLINE PAGLIARINI BALEST TURMA B Aluno: Hugo Mesquita Póvoa Matricula: 130142638 Pergunta: Qual é a necessidade de um sistema regulatório do sistema financeiro?

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa Objetivo A demonstração dos fluxos de caixa identifica (a) as fontes de geração dos fluxos de entrada de caixa, (b) os itens de utilização de caixa durante

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 1201. Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.173, de 28/02/2005.

CARTA-CIRCULAR N 1201. Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.173, de 28/02/2005. CARTA-CIRCULAR N 1201 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.173, de 28/02/2005. Comunicamos que, visando ao aperfeiçoamento das normas que regem o Serviço de Compensação de Cheques e Outros

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL. 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL. 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista TERMO DE ADESÃO AO REGULAMENTO E CIÊNCIA DE RISCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista 3 - Agência N 4 - Conta

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

Julho/2008. O Que São Debêntures

Julho/2008. O Que São Debêntures Julho/2008 O Que São Debêntures As debêntures são títulos que se ajustam perfeitamente às necessidades de captação das empresas. Graças a sua flexibilidade, transformaram-se no mais importante instrumento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO OS NOVOS INSTRUMENTOS C D C A L C A C R A MOTIVOS DA CRIAÇÃO Essencialmente 3: 1º Falta de recursos 2º Insuficiência de credibilidade

Leia mais

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar Quando os mercados financeiros globais enfrentam dificuldades, os bancos centrais coordenam swaps de moedas para aliviar a tensão. Devido ao importante

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VIII Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos de Divida

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VIII Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos de Divida Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte VIII Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos de Divida Titulos de Divida Debentures 2 O que são Debêntures? Debêntures são títulos emitidos por sociedades

Leia mais

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * *

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Escola Profissional de Agentes de Serviço e Apoio Social Curso de Animador Social/Assistente Familiar Área Científica - ECONOMIA * * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Módulo 4: MOEDA E MERCADO FINANCEIRO

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais