FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS LEONARDO DE RESENDE DUTRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS LEONARDO DE RESENDE DUTRA"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS LEONARDO DE RESENDE DUTRA ANÁLISE DA CONCESSÃO DO MICROCRÉDITO E SUA RELAÇÃO COM A INADIMPLÊNCIA: um estudo no Banestes e Bandes VITÓRIA 2010

2 LEONARDO DE RESENDE DUTRA ANÁLISE DA CONCESSÃO DO MICROCRÉDITO E SUA RELAÇÃO COM A INADIMPLÊNCIA: um estudo no Banestes e Bandes Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Ciências Contábeis da Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Ciências Contábeis - Nível profissionalizante na área de concentração Contabilidade Gerencial. Orientador: Prof. Dr. Aridelmo José Campanharo Teixeira VITÓRIA 2010

3 FICHA CATALOGRÁFICA Elaborada pelo Setor de Processamento Técnico da Biblioteca da FUCAPE Dutra, Leonardo de Resende. Análise da concessão do microcrédito e sua relação com a inadimplência: um estudo no Banestes e Bandes. / Leonardo de Resende Dutra. Vitória: FUCAPE, p. Dissertação Mestrado. Inclui bibliografia. 1.Risco de crédito 2.Microcrédito 3.Regressão logística I.Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças II.Título. CDD 657

4 LEONARDO DE RESENDE DUTRA ANÁLISE DA CONCESSÃO DO MICROCRÉDITO E SUA RELAÇÃO COM A INADIMPLÊNCIA: um estudo no Banestes e Bandes Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Ciências Contábeis na área de concentração Contabilidade Gerencial. Aprovada em de de COMISSÃO EXAMINADORA Prof Dr. Aridelmo José Campanharo Teixeira FUCAPE Business School Prof Dr. Alfredo Sarlo Neto UFES Universidade Federal do Espírito Santo Prof Dr. Adriano Rodrigues UFES Universidade Federal do Espírito Santo

5 Dedico este trabalho a minha esposa Marília e minhas filhas, Caroline e Luma.

6 AGRADECIMENTOS As contribuições recebidas no transcorrer deste trabalho foram essenciais para a sua concretização e para o enriquecimento de minha formação. Apesar da característica solitária que é o processo da escrita, sempre existiram pessoas que com suas orientações e estímulos influenciaram o desenvolvimento deste trabalho. Aos pesquisadores referenciados, que deixaram seu legado de construções teóricas, que me serviu de alicerce para subsidiar e desenvolver o trabalho. E aos colegas, amigos e professores do departamento do Curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Espírito Santo por suas contribuições, sugestões e discussões, mostrando-me a grandeza desse campo do conhecimento, seus percalços e limitações. Ao Banco do Estado do Espírito Santo S.A (BANESTES) e ao Banco de Desenvolvimento do Estado do Espírito Santo S.A (BANDES) por disponibilizar os dados, sem os quais não seria possível a realização da pesquisa. Contribuições relevantes neste trabalho são, principalmente, atribuídas ao professor Alfredo Sarlo Neto por sua colaboração na construção da ideia e os passos iniciais, ao professor Luiz Cláudio Louzada por sua disponibilidade e contribuições que muito ajudaram na concretização do trabalho, ao estatístico Jean Pierre que sem sua contribuição não seria possível a realização da pesquisa e, em especial, ao amigo e orientador prof. Dr. Aridelmo José Campanharo Teixeira.

7 RESUMO O volume de empréstimos e financiamentos para pessoas físicas vem apresentando um crescimento consistente ao longo dos últimos anos, e praticamente todas as instituições financeiras utilizam-se de modelos de score para avaliar o risco de inadimplência dos potenciais tomadores de crédito. O avanço no estudo das variáveis utilizadas nos modelos de avaliação de riscos de créditos, que resultem em uma melhor precisão, acarreta ganhos financeiros para a instituição. Esta dissertação estuda a concessão do microcrédito e sua relação com a inadimplência a partir de uma amostra de dados de operações de microcrédito, deferidas por instituições financeiras públicas no Estado do Espírito Santo. Com a utilização de dados cadastrais de clientes, procurou-se identificar as variáveis significativas que pudessem explicar a probabilidade de inadimplência de uma operação de microcrédito. Para tanto, utilizou-se de uma técnica de estatística multivariada, denominada Regressão Logística. Os resultados obtidos não foram satisfatórios para explicar a probabilidade de inadimplência com as variáveis utilizadas. Palavras-chave: Crédito. Risco de crédito. Microcrédito. Credit scoring. Regressão logística.

8 ABSTRACT The volume of loans and financing for natural persons has shown consistent growth over recent years, and almost all financial institutions use score models to assess the default risk of potential credit users. Any progress in the study of the variables used in the models, resulting in better accuracy, brings financial gain for the institution. This paper studies the microcredit concession and it s relation winth default, from a sample of customer data, microcredit borrowers of public financial institutions in the state of Espírito Santo, it was, based on the entries of financial institutions, analyzed the variables representing the personal characteristics of clients with credit defaults. To evaluate the variables that explain the default in the account of microcredit, it was used a multivariate statistical technique called Logistic Regression. The model results were not satisfactory to explain the default based on the variables used by financial institutions. Keywords: Credit. Credit risk. Small loans. Credit scoring. Logistics regression.

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Determinação da classificação de crédito Tabela 2 - Pontuação de crédito Tabela 3 - Microcrédito recursos direcionados consumo Tabela 4 - Evolução do nossocrédito Tabela 5 - Distribuição da amostra Tabela 6 - Estatística descritiva - dados do Banestes Tabela 7 - Operações de crédito quanto ao gênero Tabela 8 - Matriz de correlação - dados do Banestes Tabela 9 - Análise de variáveis (1) Tabela 10 - Avaliação de Score (1) Tabela 11 - Análise de variáveis (2) Tabela 12 - Resumo do modelo Tabela 13 - Teste de Hosmer And Lemeshow (1) Tabela 14 - Estatística descritiva - dados de Viana Tabela 15 - Gênero Tabela 16 - Grau de escolaridade * estado civil * sexo Tabela 17 - Classificação de operações Tabela 18 - Finalidade do crédito Tabela 19 - Matriz de correlação Tabela 20 - Avaliação de score (2) Tabela 21 - Análise de correlação Tabela 22 - Avaliação de score a (3) Tabela 23 Teste de Hosmer and Lemeshow (2) Tabela 24 Status de operações de crédito deferidas pelo Banestes a tomadores do sexo feminino... 63

10 Tabela 25 - Status de operações de crédito deferidas pelo Banestes a tomadores do sexo masculino Tabela 26 - Status por gênero feminino... 63

11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Evolução do crédito total, saldos em final de período (R$ bilhões) Gráfico 2 Evolução da relação crédito/pib no Brasil (em %)... 22

12 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Técnicas multivariadas mais comuns... 44

13 LISTA DE GUADROS Guadro 1 Abreviações das variáveis (1) Guadro 2 Abreviações das variáveis (2)... 55

14 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS Objetivos específicos Justificativa Delimitação do trabalho Metodologia Organização do estudo REVISÃO DE LITERATURA CRÉDITO Risco de Crédito Avaliação do Risco de Crédito MODELOS DE AVALIAÇÃO DE RISCO DE CRÉDITO CRÉDITO OPERAÇÃO DE CRÉDITO MICROCRÉDITO EVOLUÇÃO DO MICROCRÉDITO PROGRAMA ESTADUAL DE MICROCRÉDITO NOSSOCRÉDITO Características do Programa Nossocrédito Evolução do Programa Nossocrédito Caracterização de Default TÉCNICAS ESTATÍSTICAS UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE ANALISE MULTIVARIADA PARA AVALIAÇÃO DO RISCO DE CRÉDITO MODELO REGRESSÃO LOGÍSTICA - LOGIT PREPARAÇÃO DOS DADOS ANÁLISE DE DADOS... 50

15 5.1. DEMONSTRAÇÃO DO NÍVEL DE ACERTO DO MODELO DE REGRESSÃO LOGÍSTICA ANÁLISE DA INADIMPLÊNCIA POR GÊNERO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO 1 - RESULTADOS DA REGRESSÃO LOGÍSTICA PELO MÉTODO DE STEPWISE ANEXO 2 - RESULTADOS DA REGRESSÃO LOGÍSTICA PELO MÉTODO DE STEPWISE... 74

16 12 1. INTRODUÇÃO Com a estabilização da economia desde a implantação do Plano Real, em julho de 1994, restringiram-se os ganhos das instituições financeiras com as receitas inflacionárias e a receita de empréstimo ao setor público com taxa de risco próximo a zero. Isso exigiu das instituições de crédito a busca por novas alternativas para aplicação dos recursos, com vistas a compensar a diminuição dos ganhos provocados pela redução da inflação. O que provocou um redirecionamento dos recursos para as carteiras de crédito como estratégia de competição e rentabilização do seu capital. Dessa forma, o crescimento da economia com reduzidos níveis inflacionários, queda das taxas de juros e o alongamento dos prazos das operações de crédito têm contribuído para a evolução do volume de operações de crédito no mercado financeiro. Porém, os empréstimos não podem ser ofertados indiscriminadamente a todos aqueles clientes que o solicitam, pois o grande problema em períodos de expansão rápida dos créditos é o aumento da vulnerabilidade das instituições financeiras (BARROS; ALMEIDA JÚNIOR, 1997). O volume de créditos problemáticos afeta a liquidez dos bancos e aumenta as possibilidades de perdas que resultam na diminuição do capital próprio, reduzindo assim a capacidade de servirem a seus clientes e contribuírem para o crescimento econômico da sociedade. Segundo Ruth (1991), todos os empréstimos problemáticos acarretam custos para os bancos; os mais óbvios ocorrem quando em última instância resulta em prejuízo e o banco perde o principal e os juros a receber, além de acarretarem outros custos menos aparentes que, a longo prazo, podem prejudicar a lucratividade das instituições..

17 13 De acordo com Blatt (1999), em passado recente, para se obter um empréstimo o cliente preenchia uma proposta que, em seguida, seria avaliada por um analista de crédito ou enviada aos comitês de crédito que apresentavam um parecer em relação ao pedido de acordo com a política definida pela instituição. Apesar de eficaz, tal processo demonstrava-se lento por não permitir a análise de muitas propostas de solicitação de empréstimos obstando a maximização da carteira. De acordo com Gonçalves (2005), a utilização de modelos estatísticos na análise para a concessão de crédito começaram a ser adotados nas instituições financeiras com o objetivo de acelerar a avaliação das propostas. Atualmente, existe um crescente número de estudos que reconhecem a utilização desses modelos como instrumento de decisão de crédito, tais como Silva (1988) e Blatt (1999), que os avaliam como uma importante ferramenta na administração do risco de inadimplência existente nas concessões de crédito. Nas operações de valores relevantes a análise do crédito demanda tempo e custo, pois se efetua uma análise retrospectiva da situação econômica e financeira do cliente, por meio de um conjunto de informações qualitativas e quantitativas, bem como, da projeção da capacidade de geração de caixa, para posteriormente definir e estruturar uma operação de crédito com características específicas e peculiares à necessidade do cliente. De acordo com Blatt (1999, p. 157): O motivo que leva um cliente a solicitar um crédito nem sempre é o mesmo que o alegado. As vezes, a causa do crédito não é aparente e nem fácil de ser entendida ou compreendida. É fundamental, entretanto, que o analista entenda exatamente o que está causando a necessidade de recursos adicionais às atividades operacionais do cliente. Este entendimento permite uma análise mais exata da solicitação do crédito, uma melhor estruturação do crédito e antecipação a futuras necessidades de crédito.

18 14 Nos bancos de varejo com carteiras de crédito composta de muitas operações tradicionais e padronizadas, de valores pequeno-médios destinadas a uma clientela específica: pessoas físicas e empresas de pequeno e médio porte, as informações quantitativas tendem a ser deficientes e precisam ser compensadas por informações qualitativas. Conforme Silva (1988), os modelos estatísticos vêm sendo utilizados como forma de massificação das operações de crédito. Eles utilizam-se de dados históricos e relativos às características pessoais do cliente para se calcular a probabilidade de inadimplência em operações de crédito. No entanto, não sendo a análise de crédito uma ciência exata esses modelos não devem ser entendidos como uma receita milagrosa capaz de resolver todos os problemas do risco de crédito. Nesse contexto, este trabalho tem por objetivo, a partir de um conjunto de dados qualitativos e quantitativos, estimar a probabilidade de clientes que contrataram operações de microcrédito no estado do Espírito Santo, nas instituições financeiras públicas: Banco do Estado do Espírito Santo (Banestes) e Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes), assumirem o status de adimplente ou inadimplente a partir das variáveis disponibilizadas na ficha cadastral de cada cliente. Procurar-se-á ao longo do trabalho responder a seguinte questão de pesquisa: Os dados dos clientes de microcrédito disponibilizados no cadastro do Banestes e do Bandes conseguem estimar a probabilidade de inadimplência?

19 OBJETIVO GERAL Este trabalho tem como objetivo a análise da inadimplência das operações de microcrédito por meio das variáveis cadastrais dos tomadores de empréstimos, obtidas no cadastro do Banestes e Bandes, de forma a estimar a probabilidade de um cliente assumir o status de adimplente ou inadimplente em função desse conjunto de variáveis OBJETIVOS ESPECÍFICOS Para o alcance do objetivo geral, são definidos especificamente os seguintes objetivos: descrever as principais técnicas de análise multivariada; utilizar a técnica de regressão logística; analisar a importância das variáveis na explicação da inadimplência e testar a capacidade preditiva das variáveis JUSTIFICATIVA Com a estabilização econômica observada no país desde a adoção do Plano Real, em junho de 1994, que propiciou redução das taxas de juros e flexibilização dos prazos, houve um aumento significativo no volume de operações de crédito das instituições financeiras direcionados, principalmente, à pessoas físicas e empresas de pequeno e médio porte. Apesar de a inadimplência existir em diversos segmentos da economia, é no setor bancário que o problema se manifesta de forma mais evidente e, de acordo com Barros e Almeida Júnior (1997), o grande problema em períodos de expansão rápida dos créditos é o aumento da vulnerabilidade das instituições financeiras.

20 16 Com o aumento da competitividade no mercado financeiro, redução dos spreads e a necessidade de rentabilizar o capital por meio da massificação do crédito, as instituições financeiras, utilizando-se do desenvolvimento tecnológico, desenvolveram meios menos dispendiosos de medir e gerir o risco de crédito. Substituindo, principalmente, nas operações de crédito direcionadas ao varejo, as análises tradicionais por modelos estatísticos que possibilitam mensurar a probabilidade de inadimplência de uma operação de crédito. No entanto, os modelos de previsão de inadimplência não devem ser entendidos como uma receita milagrosa, ou seja, acertar totalmente suas previsões e resolver todos os problemas de análise de crédito. Qualquer melhora na previsão gera ganhos financeiros para a instituição, daí o interesse no estudo das variáveis que possam explicar o fator inadimplência em operações de microcrédito LIMITAÇÃO DO TRABALHO Para aferir o risco de inadimplência, respaldar as decisões dos gestores de crédito, bem como, avaliar sua exposição ao risco, as instituições financeiras necessitam conhecer as variáveis que afetem as condições de pagamento de seus clientes de modo a reduzir os percentuais de inadimplência e o seu reflexo no resultado. O índice de inadimplência alto pode comprometer o resultado da empresa. Este trabalho tem como limitação do estudo somente as variáveis cadastrais de clientes de operações de microcrédito que possam ser relevantes para estimar a probabilidade de inadimplência nas operações deferidas pelo Banestes e Bandes. As variáveis utilizadas foram: valor do crédito, número de parcelas, valor das parcelas, renda mensal, gênero, número de empregos a serem gerados, e percentual do comprometimento da renda mensal com as parcelas.

21 17 Neste estudo, o universo da pesquisa é composto pelas operações de microcrédito deferidas pelo Banestes a clientes de todos os municípios do Estado do Espírito Santo e pelo Bandes, exclusivamente, a clientes cadastrados na agência do Banestes, localizada no município de Viana (ES). Operações essas, realizadas no período de janeiro a outubro de 2007 de modo a capturar operações efetuadas, inclusive, em outubro, que apresentarem 30 dias ou mais de vencidas em 31 de dezembro de As variáveis qualitativas e quantitativas da operação e do tomador do crédito foram obtidas por meio do sistema de acompanhamento das operações de crédito dos bancos. A referência utilizada para a classificação de cliente como adimplente ou inadimplente foi o final do mês de dezembro de Clientes que possivelmente apresentaram operações de crédito em atraso durante todo o ano, mas as liquidaram em até 31 de dezembro de 2007 não foram incluídos na amostra como inadimplentes. Somente foram considerados como inadimplentes os clientes com operação de crédito vencida a mais de 30 dias, no dia 31 do mês de dezembro de METODOLOGIA A pesquisa científica é o resultado de um inquérito ou exame minucioso, realizado com o objetivo de resolver um problema, recorrendo a procedimentos científicos. Vergara (2000) refere-se à pesquisa como sendo a inquisição, o procedimento sistemático e intensivo, que tem por objetivo descobrir e interpretar os fatos que estão inseridos em uma determinada realidade.

22 18 De acordo com Matos e Lerche (2001), no desenvolvimento de uma pesquisa poderão ser utilizados vários métodos. Com base nos conceitos dos autores citados, neste trabalho utilizou-se: a) pesquisa bibliográfica, feita a partir do levantamento de referências teóricas já analisadas, e publicadas por meios escritos e eletrônicos, como livros, artigos científicos e sites sobre o tema estudado; b) pesquisa documental, que difere-se da estatística por aceitar fontes mais diversas e dispersas, sem tratamento analítico tais como: tabelas estatísticas, jornais, revistas, fotografias etc.; c) pesquisa descritiva, que procura observar, registrar, analisar, classificar e interpretar os fatos ou fenômenos (variáveis), sem que o pesquisador interfira neles ou os manipule. Este tipo de pesquisa tem como objetivo fundamental a descrição das características de determinada população ou fenômeno. De acordo com Vergara (2000), a pesquisa descritiva estabelece as relações entre variáveis, isto é, aquelas que visam estudar as características de um grupo: sua distribuição por idade, sexo, procedência, nível de escolaridade, estado de saúde física e mental e outros. Procura descobrir, com a precisão possível, a frequência com que um fenômeno ocorre, sua relação e conexão com os outros, sua natureza e características. Para a definição da amostra estudada foram selecionadas do Banestes todas as operações de microcréditos deferidas, já do Bandes somente as operações repassadas para clientes cadastrados na agência do Banestes, localizada no município de Viana (ES). Vale lembrar que, por ser um banco de fomento, o Bandes

23 19 utiliza-se de agências do Banestes para disponibilizar os recursos de suas operações de crédito. O Banestes, de janeiro de 2007, até o mês de outubro de 2007, havia aprovado operações de microcrédito no valor total de R$ ,03. O Bandes no mesmo período deferiu por meio da agência do Banestes, em Viana (ES), 81 operações de microcrédito totalizando R$ ,00. Assim, a base do estudo ficou constituída de clientes do Banestes, sendo classificados como adimplentes e como inadimplentes. Do Bandes, 81 clientes, sendo 65 adimplentes e 16 inadimplentes, totalizando operações de microcrédito analisadas. Após análise dos clientes classificados como adimplentes e inadimplentes, efetuou-se uma segregação dos dados por gênero para também avaliar o comportamento da inadimplência sob esse aspecto, fazendo um comparativo do percentual de inadimplência entre gêneros ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO Este estudo foi estruturado em sete partes. Após a parte introdutória, na qual foi feita descrição dos objetivos e do problema de pesquisa estudado, a parte 2 apresenta a fundamentação teórica, contendo os conceitos de crédito, avaliação de crédito e os modelos avaliação do risco de crédito. A parte 3 descreve sobre a evolução do microcrédito, o programa estadual de microcrédito, e a caracterização do defaut. Na sequência, a parte 4 discorre sobre as técnicas de análise multivariada para avaliação do risco de crédito e sobre a técnica utilizada na elaboração do estudo. A parte 5 aborda a análise dos dados e os resultados obtidos, a parte 6, a

24 20 análise da inadimplência por gênero e, finalmente, a parte 7 apresenta as conclusões advindas deste estudo.

25 21 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1. CRÉDITO A palavra crédito, conforme Ruth (1991), tem sua origem no vocábulo latino credere, que significa crer, confiar, acreditar. Como o crédito é uma relação baseada na confiança entre o credor e seu cliente, na expectativa de um recebimento futuro, todo crédito está associado a um determinado grau de risco. Segundo Schrickel (apud GONÇALVES, 2005, p. 9), o crédito é definido como sendo: [...] todo ato de vontade ou disposição de alguém destacar ou ceder, temporariamente, parte do seu patrimônio a um terceiro, com a expectativa de que esta parcela volte a sua posse integralmente depois de decorrido o tempo estipulado. O crédito é uma grande indústria propulsora do desenvolvimento econômico, pois governos tomam créditos para o financiamento de suas necessidades de investimentos; empresas para financiar a expansão de suas plantas industriais e aumentar sua capacidade produtiva, ou mesmo suprir necessidade de capital de giro; e as pessoas físicas tomam empréstimos para financiar consumo ou investimentos, como para aquisição veículos, casas, etc. (CAOVETTE; ALTMAN; NARAYANAN, 2000).

26 22 GRÁFICO 1 - Evolução do crédito total, saldos em final de período (R$ bilhões) Fonte: Banco Central do Brasil (20 07). De acordo com os dados fornecidos pelo Banco Central do Brasil (Bacen), o volume de crédito na economia chegou ao recorde de R$ 1,110 trilhão de reais, ou 37,5% do Produto Interno Bruto (PIB) no mês de agosto de GRÁFICO 2 - Evolução da relação crédito/pib no Brasil (em %) Fonte: Banco Central do Brasil (2007).

27 23 Conforme Silva (2004), o volume de crédito bancário apesar de vir apresentando crescimento em relação ao PIB, ainda é baixo se comparado a outros países como os Estados Unidos e Japão, onde o crédito supera os 180% do PIB. Na Europa, chega a 160% em países como Grã-Bretanha e Suíça e aos 90% em Itália e França. Na América do Sul, o Chile chega perto dos 80% Risco de Crédito O risco de crédito, segundo Caovette, Altman e Narayanan (2000), é tão antigo como a própria história da humanidade, pois consiste na entrega de um bem ou de um valor presente mediante promessa de pagamento em data futura, ou seja, é a chance de que esta perspectiva não se cumpra no prazo pactuado. O risco de crédito surge sempre que uma pessoa adquire um produto ou serviço sem pagar imediatamente. As empresas que vendem a prazo aceitam o risco de crédito de seus clientes; emissoras de cartão de crédito assumem o risco de crédito com todos os portadores de seus cartões; e os bancos que fazem financiamentos imobiliários aceitam o risco dos mutuários. O risco de crédito pode ser assumido por algumas horas ou séculos. Um exemplo de risco de crédito secular, conforme os autores Caovette, Altman e Narayanan (2000), refere-se a uma emissão de títulos efetuada pela IBM em dezembro de 1996, no valor de U$$ 850 milhões, com vencimento em 100 anos. A gestão do risco de crédito é função fundamental da atividade de intermediação financeira desenvolvida pelos bancos. Segundo Alan Greenspan (presidente do Federal Reserve System), [...] houve uma aplicação irreversível de tecnologia de gerenciamento de risco, sem a qual os bancos não seriam capazes de

28 24 precificar e gerir muito dos seus produtos financeiros (apud CAOVETTE; ALTMAN; NARAYANAN, 2000, p.11). Segundo Saunders (2000), a mensuração do risco das operações de crédito é crucial para que uma instituição financeira possa: precificar um empréstimo ou avaliar uma obrigação corretamente; fixar limites apropriados ao volume de crédito a ser concedido a qualquer tomador ou a exposição aceitável a perdas com qualquer cliente. O risco de crédito pode apresentar-se de diversas formas e conhecê-las conceitualmente ajuda a direcionar o gerencialmente e a mitigação. Segundo Figueiredo (apud GONÇALVES, 2005), os principais tipos de risco são: a) risco de inadimplência: risco do não pagamento por parte do tomador, de uma operação de crédito ou o emissor de um título não honrar seu crédito; b) risco de degradação de garantia: risco de perdas em função das garantias oferecidas por um tomador deixarem de cobrir o valor de suas obrigações junto à instituição em função da desvalorização do bem no mercado, dilapidação do patrimônio empenhado pelo tomador; c) risco de concentração de crédito: possibilidade de perdas em função da concentração de empréstimos e financiamentos em poucos setores da economia, classes de ativos, ou empréstimos elevados para um único cliente ou grupo econômico; d) risco de degradação de crédito: perda pela queda na qualidade crediticia do tomador de crédito, emissor de um título ou contraparte de uma transação, ocasionando uma diminuição no valor de suas obrigações. Este risco pode

29 25 acontecer em uma transação do tipo de aquisição de ações ou de títulos soberanos que podem perder valor; e) risco soberano: risco de perda envolvendo transações internacionais aquisição de títulos, operações de câmbio quando o tomador de um empréstimo ou emissor de um título não pode honrar seu compromisso por restrições do país sede. Segundo Ruth (1991), embora o risco de crédito seja um dos fatores determinantes da taxa de retorno, os bancos só aceitam o risco depois de uma análise cuidadosa dos fatores que influenciam a capacidade de pagamento do tomador Avaliação do Risco de Crédito Para Blatt (1999), aferir o risco de crédito e respaldar suas decisões, assim como, avaliar sua exposição ao risco, as instituições financeiras utilizam-se do cadastro que possui um conjunto de variáveis qualitativas e quantitativas sobre o tomador de crédito. O ponto principal na concessão do crédito é a avaliação do risco que, segundo Securato (2002, p. 216), pode ser entendida como [...] uma forma de medir quanto podemos perder em uma operação, em relação a um ganho médio estabelecido, e, se mal avaliado, a instituição poderá perder dinheiro. A avaliação do risco de crédito de um potencial cliente pode ser feita de duas maneiras: a) por meio de julgamentos pessoais, de forma mais subjetiva que envolve uma análise mais qualitativa; b) por meio da classificação do tomador de crédito via modelos de avaliação, envolvendo uma análise mais quantitativa.

30 26 De acordo com Blatt (1999), os principais erros na concessão do crédito são: a) conceder créditos que não atendam aos princípios da seletividade, garantias, liquidez e diversificação do risco; b) renovar créditos a credores problemáticos; c) admitir crédito além dos limites definidos pela análise de crédito; d) conceder créditos a clientes que possuam restrições cadastrais; e) conceder crédito a clientes que tenham se manifestados problemático em transações comerciais, ainda que com outros credores; f) conceder crédito sem a constituição de um documento ou título de crédito adequado, representativo de dívida. Na avaliação do risco de crédito, por meio de julgamento pessoal, o analista avalia a solicitação de empréstimo mediante análise da ficha cadastral e/ou entrevista. Nesse tipo de avaliação ele se orienta, conforme Securato (2002), pelos chamados 5 C s do crédito, ou seja: a) caráter: indica a intenção do devedor em cumprir as obrigações assumidas. É identificado pelo credor por meio de informações cadastrais obtidas junto a outros credores, ou por empresas especializadas como Serasa, Serviço de Proteção ao Credito (SPC) dentre outras; b) condições: são apresentados como fatores externos e macroeconômicos em que o tomador está inserido; c) capacidade: refere-se à capacidade de pagamento, conceito vinculado a geração de caixa suficiente para fazer face aos compromissos assumidos;

31 27 d) capital: refere-se ao conjunto de bens e recursos possuídos pelo devedor para saldar seu compromisso; e) colateral: refere-se a garantias que o devedor pode apresentar para viabilizar a operação de crédito. O Bacen, na Resolução nº (BANCO CENTRAL DO BRASIL, acesso em 18 jan. 2010), estabeleceu nove graus de severidade para classificação das operações em ordem crescente de risco de crédito e definindo, de acordo com o nível de classificação da operação, os percentuais mínimos para a constituição da provisão para créditos de liquidação duvidosa, conforme a seguir: I - Nível AA (0% de provisão) II - Nível A (0,5% de provisão) III - Nível B (1,0% de provisão) IV - Nível C (3,0% de provisão) V - Nível D (10,0% de provisão) VI - Nível E (30,0% de provisão) VII - Nível F (50,0% de provisão) VIII- Nível G (70,0% de provisão) IX - Nível H (100,0% de provisão) A classificação da operação do cliente em determinado nível deve ser efetuada com base em critérios consistentes e verificáveis, amparada por informações externas e internas, contemplando pelo menos os seguintes aspectos: a) situação econômico-financeira;

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO A análise de crédito é o momento no qual o agente cedente irá avaliar o potencial de retorno do tomador do crédito, bem como, os riscos inerentes à concessão. Tal procedimento

Leia mais

Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito

Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito Análise de Crédito: um estudo empírico em uma Cooperativa de Crédito Lousanne Cavalcanti Barros (Faculdade Novos Horizontes) lousanne@unihorizontes.br Silvana Pereira Silva (NOSSACOOP) sil.fla@bol.com.br

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO 1 MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO Ângela de Souza Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Suzelene de Melo Rossi Santos (Discente do 4º

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Amilca Ferreira Santos (UFPB) adm.amilka@gmail.com

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Estimando Risco e Retorno em Operações de Empréstimo: Estudo de Caso Em Uma Cooperativa de Crédito

Estimando Risco e Retorno em Operações de Empréstimo: Estudo de Caso Em Uma Cooperativa de Crédito Estimando Risco e Retorno em Operações de Empréstimo: Estudo de Caso Em Uma Cooperativa de Crédito RESUMO Autoria: Rudson Franz Rudio Neste trabalho estimou-se os determinantes do lucro (retorno) e da

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança. José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale

Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança. José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale CRÉDITO Crédito diz respeito à troca de bens presentes por bens futuros. Função crédito não é exclusividade

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Prof. :Dalton Dutra Objetivo Estimular a participação de graduados em cursos de

Leia mais

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado O Caso CREDIAMIGO Conceitos Microfinanças: todos os serviços financeiros para populações de baixa renda, inclusive financiamento ao

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Comunicação Carlos Alberto

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito

Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito CREDIAMIGO - A experiência de Microfinanças do Banco do Nordeste II Encontro Internacional sobre regulação e supervisão em Microfinanças

Leia mais

Palavras-chave: provisão para créditos de liquidação duvidosa; nível de risco; classificação de devedores; apropriação de receita.

Palavras-chave: provisão para créditos de liquidação duvidosa; nível de risco; classificação de devedores; apropriação de receita. Constituição da provisão para créditos de liquidação duvidosa de bancos e demais instituições financeiras principais alterações introduzidas pelo Conselho Monetário Nacional e o efeito nas demonstrações

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Cálculo da duration como ferramenta auxiliar aos modelos de previsão de insolvência

Cálculo da duration como ferramenta auxiliar aos modelos de previsão de insolvência Cálculo da duration como ferramenta auxiliar aos modelos de previsão de insolvência Prof.Dr.Alexandre Assaf Neto Professor do Departamento de Contabilidade da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.

Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress. Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com Estrutura da apresentação Problemas de Acesso ao Crédito Evolução

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

como instrumento de desenvolvimento

como instrumento de desenvolvimento OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e social Rita Valente* 1. Introdução A experiência do Banco do Nordeste com o programa de crédito popular CrediAmigo, implementado

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nova estrutura de dados de crédito Nota Metodológica 1. Introdução Esta Nota tem por objetivo descrever os principais aprimoramentos incorporados

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE 1ºTRI2015 1 Introdução... 4 2 Gestão de Riscos... 5 2.1 Principais

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A 2009 DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A [ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS] O presente documento apresenta a Estrutura de Gestão de Riscos da DREBES

Leia mais

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES Os aplicativos financeiros da MPS - Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa - são utilizados por diversos clientes e possuem todas as funcionalidades operacionais necessárias, além de opções

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PRGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Júlio César de Almeida Lopes

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PRGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Júlio César de Almeida Lopes UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PRGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Júlio César de Almeida Lopes ANÁLISE DE EMPRESAS INADIMPLENTES Curitiba 2007 Júlio César de Almeida

Leia mais

DESVENDANDO O TERMÔMETRO DE INSOLVÊNCIA DE KANITZ. Autores: José Roberto Kassai e Silvia Kassai RESUMO

DESVENDANDO O TERMÔMETRO DE INSOLVÊNCIA DE KANITZ. Autores: José Roberto Kassai e Silvia Kassai RESUMO 1 DESVENDANDO O TERMÔMETRO DE INSOLVÊNCIA DE KANITZ Autores: José Roberto Kassai e Silvia Kassai RESUMO A análise de balanço através de indicadores contábeis é enriquecida pela existência de modelos preditivos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE COMO FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE COMO FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA CREDIT SCORE

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

A questão do financiamento nas MPEs do Estado de São Paulo

A questão do financiamento nas MPEs do Estado de São Paulo SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS A questão do financiamento nas MPEs do Estado de São Paulo (Relatório de Pesquisa) Realização: Setembro de 1999

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Risco de Crédito: Desenvolvimento de modelo Credit Scoring para a gestão da inadimplência de uma instituição de microcrédito.

Risco de Crédito: Desenvolvimento de modelo Credit Scoring para a gestão da inadimplência de uma instituição de microcrédito. Título Risco de Crédito: Desenvolvimento de modelo Credit Scoring para a gestão da inadimplência de uma instituição de microcrédito. Tema 3: Sistema Financeiro e Desenvolvimento Econômico 1. Introdução

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Ano 2011 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Estrutura de Gerenciamento do Risco de Crédito... 4 2. Estrutura Organizacional e suas Competências... 4 2.1 Diretoria...

Leia mais