ACREDITAÇÃO EM FARMÁCIA ONCOLÓGICA. Graziela Escobar Gerente de Qualidade e Projetos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACREDITAÇÃO EM FARMÁCIA ONCOLÓGICA. Graziela Escobar Gerente de Qualidade e Projetos"

Transcrição

1 ACREDITAÇÃO EM FARMÁCIA ONCOLÓGICA Graziela Escobar Gerente de Qualidade e Projetos

2 ACREDITAÇÃO EM FARMÁCIA ONCOLÓGICA Conteúdo Programático: Conceitos em Qualidade e Segurança. Gestão por Processos. Indicadores de Qualidade e Produtividade. Ferramentas da Qualidade. Processos Seguros. Acreditação Nacional e Internacional: ONA, Accreditation Canada e Joint Comission. Programa Nacional de Segurança do Paciente. Farmácia Assistencial: Avaliação da Prescrição, Farmacovigilância, Atenção Farmacêutica, Reconciliação Medicamentosa.

3 GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9000:2005 Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização, no que diz respeito à qualidade Sistema para estabelecer política e objetivos, e para alcançar esses objetivos

4 PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem factual para tomada de decisões

5 PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE Relações mutuamente benéficas entre fornecedores e clientes Abordagem de processo Abordagem sistêmica Melhoria contínua

6 QUALIDADE EM SAÚDE Qualidade é a obtenção dos maiores benefícios, com os menores riscos (e custos) para os pacientes; benefícios estes que, por sua vez, se definem em função do alcançável de acordo com os recursos disponíveis e os valores sociais existentes. Avedis Donabedian

7 CONCEITO DE RISCO É o resultado da combinação entre a probabilidade de ocorrência de um determinado evento e o impacto resultante. R = P x I

8 CONCEITO DE PROCESSO É a transformação de entradas conhecidas em saídas desejadas.

9 CONCEITO DE PROCESSO

10 Exercício 1 Apresentar exemplos de processos (produtos ou serviços) justificando entradas e saídas. 10 minutos

11 GESTÃO POR PROCESSOS

12 GESTÃO POR PROCESSOS A gestão por processos une as pessoas da organização em torno de objetivos comuns, criando um ambiente agradável, cooperativo e produtivo, o qual assegura os resultados da organização (FNQ, 2008)

13 GESTÃO POR PROCESSOS RELAÇÃO CLIENTE - FORNECEDOR

14 GESTÃO POR PROCESSOS MAPA DE PROCESSO Todo trabalho executado numa empresa pode ser enxergado como sendo um processo, que está, basicamente, constituído dos 5 componentes: Fornecedores, Entradas, Processo, Saídas e Clientes. É uma representação gráfica dos processos de uma organização, evidenciando as interações entre fornecedores, clientes e as respectivas entradas e saídas de cada atividade.

15 APOIO PRIMÁRIOS ESTRATÉGICOS GESTÃO POR PROCESSOS MAPA DE PROCESSO GRUPO COI MAPA DE PROCESSOS 09/11/2011 Gestão de contratos com fontes pagadoras Gerenciamento de ações de marketing Relacionamento médico Gestão de Pessoas - Desenvolvimento Ensino Pesquisa Gestão da informação Desenvolvimento de Novos Negócios Gestão Financeira Gerenciamento da Saúde Planejamento Estratégico Gestão da Qualidade Início Fim Tratamento Radioterápico Recepção Paciente cadastrado Consulta Médica Consentimento informado; Prescrição; Diagnóstico hematológico; Encaminhamento. Atendimento Paciente agendado; Paciente liberado. Acompanhamento Multiprofissional Paciente acompanhado Terapia Antineoplásica Paciente tratado Seguimento Clínico Paciente curado; Evasão; Óbito. Fechamento de contas médicas Conta encerrada Arquivo de prontuários Auditoria Clínica Autorização Gestão de Equipamentos Aquisição e armazenamento de medicamentos e materiais Manipulação e distribuição de medicamentos Contas a receber Recurso de Glosa Contas a pagar Registro contábil e fiscal Prevenção e controle de infecção hospitalar Gestão de resíduos Higiene Administração de RH Estrutura Predial Suporte técnico a sistemas Infraestrutura TI

16 PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS Padrões servem para reduzir as variações das operações e assegurar a estabilidade dos processos. A padronização permite previsibilidade nas operações. À medida que a área inova seus processos, os padrões são alterados para garantir a melhoria contínua. INSTRUÇÕES NORMATIVAS - Normas - Políticas - Manuais INSTRUÇÕES OPERACIONAIS - Instruções de trabalho - Procedimentos Operacionais Padrão (POPs)

17 EXERCÍCIO 2 Descreva o procedimento de avaliação farmacêutica da prescrição. 10 minutos

18 MELHORIA CONTÍNUA - PDCA Planejar: Coordenar a definição de processos chave e suas interações. Definir necessidades de documentação e definição de métricas. Apoiar atividades de planejamento das áreas. Fazer: Assegurar que os processos sejam controlados. Apoiar as funções de gestão em linha. Comparar dados de monitoramento e medição.

19 MELHORIA CONTÍNUA - PDCA Checar : Todas as áreas estão gerenciando seus processos? Estamos alcançando nossos objetivos? Como podemos melhorar? Agir: Assegurar que as ações corretivas foram tomadas e que foram eficazes. Coordenar ações preventivas. Estimular/ coordenar ações interfuncionais. Manter a Alta Direção informada.

20 MELHORIA CONTÍNUA PLANO DE AÇÃO O ciclo PDCA deve ser formalmente monitorado por um plano de ação. Um Plano de Ação deverá conter as ações prioritárias e suficientes para atingir uma meta. Plano de Ação 5W2H: What o que fazer, descrição da ação. Who quem fará, responsável pela ação. When quando, prazo estabelecido. Where onde, em que área ou processo. Why por que, motivo da ação proposta. How como, forma de execução. How much quanto custa.

21 MELHORIA CONTÍNUA PLANO DE AÇÃO GRUPO COI 21

22 MELHORIA CONTÍNUA EXEMPLOS Revisão do Atendimento: Implantação de central de tele-atendimento, Implantação de totem para chamada, Revisão comportamental do grupo de atendimento. Revisão da Enfermagem: Escala de enfermagem por criticidade. Revisão da Farmácia: Reestruturação do processo Compras MAT/ MED. Implementação da Assistência Farmacêutica com foco no paciente: Atenção Farmacêutica, Reconciliação Medicamentosa, Farmacovigilância por busca ativa.

23 EXERCÍCIO 3 - PLANO DE AÇÃO Elabore um plano de ação para implementação de um programa de farmacovigilância. 15 minutos Plano de Ação 5W2H: What o que fazer, descrição da ação. Who quem fará, responsável pela ação. When quando, prazo estabelecido. Where onde, em que área ou processo. Why por que, motivo da ação proposta. How como, forma de execução. How much quanto custa.

24

25 FERRAMENTAS DA QUALIDADE

26 FERRAMENTAS DA QUALIDADE Estratificação: agrupamento de dados seguindo características específicas. Ex.: estratificação de reações adversas por tipo de reação ou por grupo de medicamentos.

27 FERRAMENTAS DA QUALIDADE Folha de verificação (Checklist): planilha para coleta de dados. Ex: verificação da conformidade de recebimento de medicamentos.

28 Lista de Verificação (Check List)

29 EXERCÍCIO 4 CHECK LIST Elabore um check list para preparação da área de manipulação no início do dia. 15 minutos

30 FERRAMENTAS DA QUALIDADE Gráfico de Pareto: diagrama de barras que ordena as ocorrências, da maior para a menor.

31 FERRAMENTAS DA QUALIDADE Diagrama de Correlação: gráfico cartesiano que representa a relação entre duas variáveis. Ex.: correlação entre número de medicamentos em uso e doenças concomitantes.

32 FERRAMENTAS DA QUALIDADE Histograma: diagrama de barras que representa a distribuição de frequências de uma população.

33 FERRAMENTAS DA QUALIDADE Gráficos de controle: gráfico com limites de controle que permitem o monitoramento dos processos.

34 FERRAMENTAS DA QUALIDADE Seis Sigma: melhoria de processos, que visa obter o aprimoramento da qualidade e ganhos de produtividade substanciais, com consequente redução de custos. Foi, originalmente, desenvolvida pela Motorola e, depois, aperfeiçoada por diversas empresas, tal como General Electric, Allied Signal etc. Principal ferramenta: DMAIC (definição, medição, análise, melhoria, controle); Suporte estatístico: software Minitab. Lean Thinking (Pensamento Enxuto): é uma metodologia para obter rapidez nos processos mediante a eliminação de diversos tipos de desperdícios: produção em excesso, movimentação desnecessária e subutilização de recursos. Foi originalmente concebida pela Toyota e vem sendo aplicada por um número cada vez maior de empresas, inclusive na área de serviços: bancos, hospitais, varejo, seguros etc. Principal ferramenta: mapa de fluxo de valor para o cliente (tempo de oportunidade e tempo de desperdício).

35 FERRAMENTAS DA QUALIDADE Características de um bom projeto Lean Seis Sigma: Estar relacionado com as estratégias da empresa; Ter foco nos clientes estratégicos; Lidar com um problema crônico; Ter alta probabilidade de sucesso; Ser concluído num prazo adequado (4 a 6 meses); Ser de tamanho e escopo adequado; Gerar resultado financeiro tangível; Estar ligado a um processo da empresa ou área; Ter dados históricos disponíveis, confiáveis e recuperáveis.

36 INDICADORES

37 PADRÃO DE QUALIDADE 99% de acerto é um bom indicador?

38 PADRÃO DE QUALIDADE Serviço de terapia antineoplásica com 100 pacientes/ dia tratamentos/mês tratamentos/ano. Para 1% de falha: 264 erros/ano.

39 INDICADORES Conceitos: Os indicadores são características numéricas sobre as quais é necessário exercer controle. Vicente Falconi Quem não mede não gerencia. O gerenciamento começa pelos indicadores. Ishikawa

40 INDICADORES Formas de expressão: Indicador em valor absoluto. Ex: número de clientes atendidos, número de procedimentos realizados. Indicador parametrizado: expresso pela relação entre um valor e o parâmetro escolhido para ser mensurado. Ex: taxa de infecção.

41 INDICADORES Meta: é um objetivo a ser alcançado, com prazo e valor estabelecidos. Deve ser: Desafiadora: demanda por conhecimento novo. Viável: estabelecida para ser atingida. Alinhada com o orçamento e a estratégia da instituição. Sustentável: analisada com base em fatos e dados.

42 INDICADORES Como estabelecer a meta: Avaliar o comportamento histórico do indicador: comportamento dos dados no ultimo ano, melhor valor histórico alcançado, tendência crescente ou decrescente, distribuição sazonal ou uniforme. Realizar comparações com outras instituições (Benchmark): posição relative da empresa em relação a referenciais externos.

43 INDICADORES Exemplos de metas: Reduzir em 90% os erros de cadastro de pacientes até dezembro de 20 Aumentar 20% no Índice de Satisfação dos empregados na pesquisa de clima de 20 Atingir o volume de produção de 9000 bolsas/mês até março de 20

44 INDICADORES Pense numa meta pessoal para 2016

45 INDICADORES Medem o desempenho do processo, que pode ser avaliado de acordo com a qualidade de sua execução, produtividade e a satisfação do cliente.

46 INDICADOR DE PRODUTIVIDADE A produtividade é a relação entre a produção e o recurso consumido. O indicador de produtividade é uma relação matemática entre essas variáveis e pode ser utilizado para evidenciar a eficiência de um processo. PRODUÇÃO PRODUTIVIDADE = RECURSO CONSUMIDO

47 INDICADOR DE PRODUTIVIDADE EXEMPLOS: N de pacientes atendidos a) N de enfermeiros N de guias recebidas b) N de colaboradores em operação

48 INDICADOR DE QUALIDADE O indicador de qualidade é uma relação matemática entre a produção e o erro, que busca evidenciar a eficácia do processo. ERRO QUALIDADE = X 100 PRODUÇÃO

49 INDICADOR DE QUALIDADE EXEMPLOS: N de pacientes com extravasamento a) N de pacientes atendidos N de guias devolvidas com erro b) N de guias enviadas às operadoras

50 INDICADOR DE SATISFAÇÃO Evidencia o nível de satisfação de clientes com relação ao cumprimento dos requisitos estabelecidos/ percebidos. Interna: avalia satisfação na cadeia cliente-fornecedor interna. Ex.: satisfação da área de administração de QT em relação à farmácia. Externa: avalia grupos de clientes. Ex.: pacientes, fontes pagadoras, médicos encaminhadores.

51 BALANCED SCORE CARD Metodologia proposta por Kaplan e Norton. Indicadores Estratégicos para as dimensões:

52 PESQUISA DE SATISFAÇÃO Pesquisa de Satisfação do Cliente Externo Realizada semestralmente em uma amostra de 10% dos pacientes em tratamento nas três Unidades de atendimento Formulário estruturado em 7 blocos: Questões gerais Atendimento/ Recepção Assistência médica Assistência de enfermagem Consulta de nutrição Acompanhamento psicológico Equipe multiprofissional

53

54 ACREDITAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

55 ACREDITAÇÃO Método de avaliação dos recursos institucionais, voluntário, periódico e reservado, que busca garantir a qualidade da assistência por meio de padrões previamente definidos. Constitui, essencialmente, um programa de educação continuada e, jamais, uma forma de fiscalização. (ONA, 2006)

56 ACREDITAÇÃO METODOLOGIA ONA NÍVEL 1 SEGURANÇA PADRÃO Atende aos requisitos formais, técnicos e de estrutura para a sua atividade conforme legislação correspondente; identifica riscos específicos e os gerencia com foco na segurança.

57 ACREDITAÇÃO METODOLOGIA ONA NÍVEL 2 GESTÃO INTEGRADA PADRÃO Gerencia os processos e suas interações sistematicamente; estabelece sistemática de medição do processo avaliando sua efetividade; promove ações de melhoria e aprendizado.

58 ACREDITAÇÃO METODOLOGIA ONA NÍVEL 3 EXCELÊNCIA PADRÃO Desempenho dos processos alinhados e correlacionados às estratégias da organização; os resultados apresentam evolução de desempenho e tendência favorável; evidências de melhorias e inovações, decorrentes do processo de análise crítica, assegurando o comprometimento com a excelência.

59 ACREDITAÇÃO INTERNACIONAL

60 Por que optar por uma metodologia internacional? Conduzir uma análise aberta e rigorosa dos serviços prestados, com foco na qualidade e na segurança. Identificar processos que têm bons resultados e que necessitam melhorias. Reconhecer os serviços por sua conformidade com padrões internacionais de excelência. Assegurar o uso mais efetivo e eficiente de recursos.

61 ACCREDITATION CANADA CICLO COMPLETO DA ACREDITAÇÃO

62 ACCREDITATION CANADA PRÁTICAS OBRIGATÓRIAS COMUNICAÇÃO Método de identificação do paciente em todo o fluxo Fluxo de informação entre profissionais assistenciais Reconciliação medicamentosa Segurança nos procedimentos cirúrgicos Mecanismos de transferência de informação

63 ACCREDITATION CANADA PRÁTICAS OBRIGATÓRIAS USO DE MEDICAMENTOS Controle de eletrólitos concentrados (KCl) Controle no uso de narcóticos opióides

64 ACCREDITATION CANADA PRÁTICAS OBRIGATÓRIAS AMBIENTE DE TRABALHO Capacitação em segurança do paciente Definição de responsabilidades em segurança do paciente Análise prospectiva da cultura de segurança

65 ACCREDITATION CANADA PRÁTICAS OBRIGATÓRIAS CONTROLE E PREVENÇÃO DE INFECÇÃO Higienização das mãos Práticas de segurança na administração de medicamentos Antibiótico terapia profilática durante cirurgia (Não aplicável)

66 ACCREDITATION CANADA TIMES Times de Trabalho: Buscam resultado sistêmico, conhecendo todas as etapas e informações necessárias; esforço temporário para obter o resultado desejado. Líder: Integra o grupo, buscando motivar, empreender e desenvolver o senso de responsabilidade de cada indivíduo no trabalho. Papel do líder: organizar e facilitar o desenvolvimento do time, programar reuniões e coordenar a logística, promover participação de todos os membros.

67 JOINT COMISSION INTERNATIONAL Histórico: 1951 Joint Comission on Accreditation of Hospitals 1987 Joint Comission on Accreditation of HealthCare Organizations JCAHO Criação da Joint Comission International. Mais de 450 instituições acreditadas pelo mundo. Acreditado pela ISQUA International Society for Quality in Health Care. Metodologia baseada nos atributos Sistematização e Consistência.

68 JOINT COMISSION INTERNATIONAL Manual Internacional: 14 capítulos com padrões estabelecidos. Padrão: expectativa de excelência no desenvolvimento de um processo ou atividade. Para cada padrão são estabelecidos propósitos e elementos de mensuração. Propósitos: explicação do padrão, apresentando exemplos ou descrevendo características. Elementos de mensuração: requisitos do padrão que serão verificados. Foco essencial do cuidado ao paciente.

69 JOINT COMISSION INTERNATIONAL Capítulos: 1. Acesso e continuidade do cuidado. 2. Direitos do paciente e familiares. 3. Avaliação do paciente. 4. Cuidado ao paciente. 5. Anestesia e cirurgia. 6. Gerenciamento e uso de medicamentos. 7. Educação de pacientes e familiares. 8. Melhoria da qualidade e segurança do paciente. 9. Prevenção e controle de infecções. 10.Governo, liderança e direção. 11.Gerenciamento e segurança das instalações. 12.Educação e qualificação de profissionais. 13.Gerenciamento da comunicação e informação. 14.Metas internacionais.

70 METAS INTERNACIONAIS DE SEGURANÇA 1 Identificar os pacientes corretamente. 4 Melhorar a comunicação efetiva. 2 Melhorar a segurança dos medicamentos de alta vigilância. 5 Assegurar cirurgias em local de intervenção correto, procedimento correto e paciente correto. 3 Reduzir o risco de infecções associadas aos cuidados de saúde. 6 Reduzir o risco de lesões ao paciente decorrente de quedas.

71 PROCESSOS SEGUROS

72 PROCESSOS SEGUROS Nossos sistemas são muito complexos para acreditar que pessoas extraordinárias tenham desempenho perfeito 100% do tempo. Os líderes tem a responsabilidade de desenvolver sistemas que suportem a prática segura. Anônimo

73 Canadá Estados Unidos 1 em 10 adultos contrai infecção no hospital; 1 em 10 pacientes recebe o medicamento errado ou a dose errada; Mais mortes após eventos adversos em hospitais do que a combinação de mortes por câncer de mama, acidente automobilístico e HIV. 37 milhões internações /ano; 40 a 50 pacientes por 100 internações sofrem algum tipo de injúria a mortes/ano como resultado de erro médico. Fonte: The AHA National Hospital Survey, 2005 Fonte: Canadian Institute for Health Information

74 ESTADOS UNIDOS

75 BRASIL

76 BRASIL Vídeo

77 PROCESSOS SEGUROS ATÉ QUANDO?

78 PALAVRAS DE E. DEMING Elimine o medo, para que todos possam trabalhar de forma eficaz. Quebre as barreiras interfuncionais e estimule trabalhos em equipe. Elimine slogans e exortações do tipo Nossa meta é Zero defeitos! Elimine metas numéricas substitua com boa liderança. Elimine as barreiras que roubam os colaboradores do seu direito de ter orgulho daquilo que fazem.

79 PROCESSOS SEGUROS Diagrama de Causa e Efeito (Ishikawa)

80 EXERCÍCIO 5 - PROCESSOS SEGUROS Vídeo Administração Vincristina Intratecal

81 EXERCÍCIO 5 - PROCESSOS SEGUROS

82 PROCESSOS SEGUROS Failure Mode and Effects Analysis (FMEA): Método sistemático de identificação e prevenção de problemas de produtos e processos antes que eles ocorram. Foco na identificação e remoção de falhas.

83 PROCESSOS SEGUROS Failure Mode and Effects Analysis (FMEA): Fatores críticos de sucesso: Compor um time multidisciplinar (médico, enfermeiro, farmacêutico, gestor de risco e administrador, analista de TI). A experiência de um facilitador treinado na ferramenta ajuda a conduzir o processo. Garantir a participação do corpo clínico no processo: muitas vezes, a aderência a uma mudança não acontece por falta de informação dos médicos.

84 PROCESSOS SEGUROS

85 PROCESSOS SEGUROS MATRIZ GUT

86 PROCESSOS SEGUROS TIMES DE ALTA PERFORMANCE - IHI Formando o time: incluir as pessoas certas no time de melhoria de processo é crítico para o sucesso do projeto. Times variam em tamanho e composição e cada instituição deve identificar suas próprias necessidades. Definindo objetivos: objetivos devem ser tempo-específicos e mensuráveis; também deve definir a população específica de pacientes e sistemas que serão afetados. Estabelecendo medidas: medidas quantitativas determinam se uma mudança específica realmente leva a uma melhoria.

87 PROCESSOS SEGUROS TIMES DE ALTA PERFORMANCE - IHI Selecionando mudanças: idéias podem vir de sugestões daqueles que trabalham no sistema, de mudanças conceituais ou desenvolvimento de novas técnicas, ou pela experiência daqueles que já conseguiram melhorias. Testando mudanças: o ciclo PDSA planejar/ fazer/ estudar/ agir é um modelo para testar uma mudança real, planejando, observando os resultados, e agindo naquilo que é aprendido. É um método científico adaptado ao aprendizado orientado pela ação. O ciclo PDCA foi desenvolvido por Walter A. Shewhart e posteriormente modificado por W. Edwards Deming, substituindo "Check" por "Study."

88 PROCESSOS SEGUROS TIMES DE ALTA PERFORMANCE - IHI Implementando mudanças: após testar a mudança em pequena escala, aprendendo de cada teste, refinando a mudança em vários ciclos PDSA, o time poderá implementar a mudança em larga escala. Disseminando a mudança: após implementação bem sucedida de um conjunto do mudanças, o time poderá disseminar as mudanças para outras áreas da instituição.

89 PROCESSOS SEGUROS TIMES DE ALTA PERFORMANCE - IHI Estabelecendo objetivos: A melhoria exige que os objetivos estejam definidos. Objetivos devem ser mensuráveis e tempoespecíficos, com grupo definido de pacientes ou áreas específicas que serão afetadas. Definindo medidas: Os times devem utilizar medidas quantitativas, para determinar se uma mudança específica realmente levará a uma melhoria. Selecionando mudanças: Idéias para mudanças podem vir daqueles que trabalham no sistema, de mudanças de conceito ou outras técnicas criativas. P Planejar: defina responsáveis, local, método e informações a serem coletadas. D Fazer: realize o teste em pequena escala, documente as observações, analise as informações coletadas. S Estudar: complete a análise de informações e defina ajustes. A Agir: implemente os ajustes.

90 PROCESSOS SEGUROS TIMES DE ALTA PERFORMANCE - IHI Estabelecendo objetivos: Assegurar a implementação de Boas Práticas Clínicas até o mês de setembro para monitoramento dos pacientes até o mês de dezembro/ 12, para pacientes com câncer de pulmão avançado. Definindo medidas: - Grau de aderência do corpo clínico e da equipe multiprofissional às práticas definidas. - Qualidade de vida dos pacientes nas linhas de cuidado. Selecionando mudanças: - Aprovação das condutas pelo Board de especialistas. - Definição de metodologia de divulgação.

91 PROCESSOS SEGUROS TIMES DE ALTA PERFORMANCE - IHI P Planejar: defina responsáveis, local, método e informações a serem coletadas. D Fazer: realize o teste em pequena escala, documente as observações, analise as informações coletadas. S Estudar: complete a análise de informações e defina ajustes. A Agir: implemente os ajustes.

92 PROCESSOS SEGUROS Walkarounds e Gemba: Genba: do japonês o verdadeiro lugar; local onde ocorrem as ações. Estratégias para acompanhar o processo na ponta, na linha de produção... Promover o comprometimento através do exemplo. Avaliar se os esforços estão gerando melhorias.

93 SEGURANÇA DO PACIENTE: PROGRAMA NACIONAL

94 SEGURANÇA DO PACIENTE: PROGRAMA NACIONAL

95 SEGURANÇA DO PACIENTE: PROGRAMA NACIONAL

96 SEGURANÇA DO PACIENTE Segurança do paciente: programa que objetiva evitar, prevenir e melhorar os resultados adversos ou prejuízos decorrentes do processo de cuidado.

97 SEGURANÇA DO PACIENTE CATEGORIAS NCC MERP A Circunstâncias ou eventos que têm a capacidade de causar erro. B Erro que não atinge o paciente. C Erro que atinge o paciente mas não causa dano. D Erro que atinge o paciente e requer monitoramento ou intervenção para garantir que não resulte em dano. E Dano temporário ao paciente e requer intervenção. F Dano temporário, requer hospitalização inicial ou prorrogação da hospitalização. G Dano permanente. H Intervenção requerida para manter a vida. I Morte. National Coordinating Council for Medication Error Reporting and Prevention (NCC MERP) Index for Categorizing Errors.

98 SEGURANÇA DO PACIENTE Nem todos os resultados negativos são eventos adversos. Nem todos os eventos adversos são incidentes críticos. Incidentes críticos são aqueles eventos adversos mais sérios e que poderiam ser prevenidos.

99 QUASE-ERRO - NEAR MISS Notificação de ocorrências: processo formal para documentar ocorrências que não são consistentes com a rotina assistencial. Análise da causa-raiz: processo para identificar os fatores básicos que geram variações no resultado.

100 BARREIRAS DE SEGURANÇA

101 BARREIRAS DE SEGURANÇA Revista Isto É Junho/2011

102 CULTURA DE SEGURANÇA TODOS OS COLABORADORES SÃO RESPONSÁVEIS PELA SEGURANÇA E PELA QUALIDADE!

103 PROCESSOS SEGUROS NA FARMÁCIA

104 PROCESSOS SEGUROS Elementos chave do Sistema de Utilização de Medicamentos ISMP I II III IV V VI VII VIII IX X Informação do Paciente Informação do medicamento Comunicação entre profissionais sobre prescrição de medicamentos Rotulagem, embalagem e nomenclatura Padronização, armazenamento e distribuição Aquisição, uso e monitoramento de dispositivos de medicação Fatores ambientais, escala de trabalho e equipe Competências e educação da equipe Educação do paciente Qualidade dos processos e gerenciamento de riscos Improving Medication Safety in Community Pharmacy: Assessing risk and opportunities for change. ISMP, 2009.

105 PROCESSOS SEGUROS Informação do Paciente: Aspectos demográficos: identificação, idade, peso. Aspectos clínicos: diagnóstico, alergias. Monitoramento: resultados laboratoriais, sinais vitais. Consequências possíveis: troca de medicamentos entre pacientes com nomes parecidos, administração de medicamento a paciente alérgico, sobredose em paciente com comprometimento renal ou hepático, administração de dose inadvertida em paciente pediátrico.

106 PROCESSOS SEGUROS Informação do Medicamento: Desconhecimento sobre a dose correta. Erros de cálculo. Via de administração, posologia, recomendações. Consequências possíveis: administração por via inadequada, dose inadequada, toxicidade ou ausência de efeito terapêutico.

107 PROCESSOS SEGUROS Comunicação entre profissionais sobre prescrição de medicamentos: Falhas de comunicação entre médico, farmacêutico e enfermeiro. Uso de abreviaturas. Ordens verbais. Consequências possíveis: troca de medicamentos, sobredose.

108 PROCESSOS SEGUROS Rotulagem, embalagem e nomenclatura: Medicamentos look alike. Medicamentos sound alike. Medicamentos genéricos. Apresentações distintas. Consequências possíveis: troca de medicamentos.

109 PROCESSOS SEGUROS Padronização, armazenamento e distribuição: Segregação de narcóticos. Geladeira para quimioterápicos. Regras para armazenamento. Espaço adequado para armazenamento. Fluxo de recebimento e armazenamento. Consequências possíveis: troca de medicamentos.

110 PROCESSOS SEGUROS Aquisição, uso e monitoramento de dispositivos de medicação: Infusão contínua. Consequências possíveis: erros de utilização, falhas de administração.

111 PROCESSOS SEGUROS Fatores ambientais, escala e padrões de trabalho: Fatores ambientais: baixa luminosidade, barulho. Fluxos de trabalho cruzados. Falta de atenção em atividades críticas. Consequências possíveis: troca de medicamentos, utilização inadvertida de medicamentos de alto-risco.

112 PROCESSOS SEGUROS Competências da equipe e Educação: Educação da equipe como importante estratégia de prevenção de erros, fundamental no gerenciamento de MAR. Competências/ privilégios para realização de atividades específicas. Consequências possíveis: erros de dispensação, falhas na orientação de uso.

113 PROCESSOS SEGUROS Educação do paciente: Barreira de segurança final. Competências/ privilégios para realização de atividades específicas. Consequências possíveis: erros de utilização.

114 PROCESSOS SEGUROS Qualidade do processo e gerenciamento de riscos: Sistema não-punitivo. Dupla checagem para etapas de risco elevado. Consequências possíveis: falhas de processo.

115 RECOMENDAÇÕES IHI 1. Métodos para prevenir erro incluem: Desenvolver formulários e protocolos para estabelecer uma assistência padronizada. Reduzir a variabilidade, padronizando concentrações e doses. Prover orientação farmacêutica para utilização de anticoagulantes, insulina e controle da dor. Fornecer informações sobre parâmetros de monitoramento. Considerar protocolos para grupos vulneráveis: idosos, crianças, obesos.

116 RECOMENDAÇÕES IHI 2. Métodos para identificar erro e dano incluem: Incluir alertas sobre parâmetros de monitoramento adequados nas prescrições. Garantir que informações críticas de resultados laboratoriais estejam disponíveis. Implementar dupla-checagem em etapas críticas. Orientar pacientes a contactar o professional de saúde quando identificarem sintomas específicos.

117 RECOMENDAÇÕES IHI 3. Métodos para mitigar o dano incluem: Desenvolver protocolos permitindo a administração de agentes neutralizantes sem a necessidade de contato com o medico. Garantir que antídotos e agentes neutralizantes estejam prontamente disponíveis. Ter protocolos de resgate disponíveis.

118 RECOMENDAÇÕES IHI Aprendizado: Estudar eventos adversos sérios que ocorreram em outras instituições e perguntar: Este evento poderia ocorrer aqui? O que fazemos para garantir que minimizamos o erro para tal evento. Ferramentas específicas: Auto-avaliação para insulina desenvolvida pela American Society of Health-System Pharmacists. Auto-avaliação para anticoagulantes desenvolvida pela ISMP.

119 Processo Seguro: Dispensação ISMP Medication Safety Self Assessment

120 AUTO AVALIAÇÃO ISMP Informações do Paciente: Administração por código de barras é utilizada em todos os pacientes? Existe interface entre o sistema da farmácia e do laboratório? Existem bloqueios no sistema informatizado para medicamentos que o paciente é alérgico? Existe ajuste de dose pacientes com disfunção hepática ou renal?

121 AUTO AVALIAÇÃO ISMP Informações do Paciente: Todos os pacientes possuem pulseira de identificação com código de barras e pulseiras de alergia coloridas? Informações sobre todos os dados do paciente estão disponíveis aos profissionais (história, alergias, valores laboratoriais, testes diagnósticos e medicamentos em uso). O sistema informatizado possibilita avaliação de interações medicamentosas, doses máxima e mínima, modificações de dose por condição clínica e outros?

122 AUTO AVALIAÇÃO ISMP Informações sobre os medicamentos: - O sistema possui alertas para prescrições inseguras? - Existem formulários impressos e protocolos atualizados anualmente? - Existe um procedimento ou diretriz estabelecida para resolver conflitos de prescrição. - É possível entrar em contato imediatamente com o prescritor para esclarecimento de dúvidas?

123 AUTO AVALIAÇÃO ISMP Informações sobre os medicamentos: - A equipe de enfermagem é orientada sobre doses e perfil dos medicamentos de alto risco? - São utilizadas abreviações perigosas em algum documento? - Eu aceito ordens verbais para medicamentos de alto risco e quimioterapia?

124 AUTO AVALIAÇÃO ISMP Dispositivos de infusão: - Há um procedimento para que as bombas de infusão sejam verificadas por dois profissionais distintos? - Há padronização dos dispositivos de infusão utilizados? - Existe um comitê que revisa a aquisição de todos os dispositivos de infusão? - A equipe de enfermagem é treinada adequadamente para a utilização de novos dispositivos de infusão? - Quando um dispositivo inseguro é notificado, existe substituição ou remoção do material?

125 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS To Err is Human: Building a Safer Health System, eds. Linda T. Kohn, Janet M. Corrigan, and Molla S. Donaldson. (Washington: National Academy Press, 1999). Committee on Quality of Health Care in America, Institute of Medicine. Crossing the Quality Chasm: A New Health System for the 21st Century. (Washington: National Academy Press, 2001). Robin E. McDermott, Raymond J. Mikulak, and Michael R. Beauregard, The Basics of FMEA (Portland, OR: Resources Engineering, 1996).

126 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Langley GL, Nolan KM, Nolan TW, Norman CL, Provost LP. The Improvement Guide: A Practical Approach to Enhancing Organizational Performance (2nd edition). San Francisco: Jossey-Bass Publishers; Deming WE. The New Economics for Industry, Government, and Education. Cambridge, MA: The MIT Press; Failure Mode and Effects Analysis Course Materials (Ann Arbor, MI: VA National Center for Patient Safety, 2002). Institute for Safe Medication Practices, ISMP Medication Safety Self Assessment. (Huntington Valley, PA: Institute for Safe Medication Practices, 2000).

127

128 FARMÁCIA ASSISTENCIAL

129 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Objetivos da Assistência Farmacêutica: Ter os produtos disponíveis, rastreáveis, em condições adequadas para o uso, com análise e atendimento conforme prescrição médica. Medicamento correto e disponível Paciente certo

130 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Avaliação farmacêutica da prescrição Informações sobre o paciente: Peso e altura, Diagnóstico (inclusive estadiamento), Insuficiência hepática ou renal, Doenças concomitantes. Informações sobre o esquema terapêutico: Doses, Datas, Sequência de infusão.

131 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Avaliação farmacêutica da prescrição Informações sobre os medicamentos: Diluição, Tempo de infusão, Via de administração, Sequência de administração, Perfil de toxicidade, Medicamentos de suporte.

132 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PRESCRIÇÃO MÉDICA SEM AVALIAÇÃO RECEBA A PRESCRIÇÃO MÉDICA CONFIRA AS INFORMAÇÕES DO PACIENTE CONFIRA CÁLCULO DE SUPERFÍCIE CORPÓREA E ESQUEMA TERAPÊUTICO VERIFIQUE DILUIÇÃO, TEMPO DE INFUSÃO E VIA DE ADMINISTRAÇÃO VERIFIQUE DOSE ACUMULADA E RESTRIÇÃO DE DOSE PRESCRIÇÃO OK? CONFIRME AS DÚVIDAS COM O MÉDICO E ANOTE EM FORMULÁRIO ESPECÍFICO ANOTE MATERIAL UTILIZADO E ORIENTAÇÕES ESPECIAIS CARIMBE E ASSINE ENCAMINHE A PRESCRIÇÃO PARA MANIPULAÇÃO PRESCRIÇÃO AVALIADA

133 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Sequência de Falhas Causas dos eventos: 65% comunicação 58% educação, treinamento 36% avaliação inicial do paciente 20% disponibilidade da informação Council for Safety and Quality in Healthcare - Australia

134 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O caso varfarina... Margem terapêutica estreita, facilmente alterada pela interação com outros medicamentos, ervas, produtos de venda livre e alimentos. Processos seguros são necessários para garantir o INR desejado e o gerenciamento adequado do paciente anticoagulado antes e após cirurgia. Diretrizes de doses, monitoramento adequado. Anticoagulantes são responsáveis por 4% dos EAs preveníveis e 10% dos EAs potenciais. Complexidade de doses e monitoramento, perda de aderência do paciente, numerosas interações medicamentosas.

135 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Padronizar os passos para iniciar e manter o tratamento reduz variação e torna o processo mais simples para enfermeiros e farmacêuticos. Estudos demonstram que estas estratégias tem o potencial de reduzir eventos tais como sangramento ou eventos tromboembólicos.

136 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Barreiras de segurança: Padronizar protocolos e doses. Desenvolver um protocolo para descontinuar e reiniciar varfarina no pré-operatório. Garantir monitoramento, educação do paciente, seguimento e gerenciamento de doses através de um serviço centralizado.

137 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Barreiras de segurança: Engajar o paciente no entendimento de como tomar o medicamento, como evitar uso de outros medicamentos e como identificar sintomas que indicam dano. Incluir uma consulta nutricional para educar pacientes sobre interações fármaco-alimentos. Desenvolver um plano de comunicação robusto para garantir que informações sobre o paciente sejam corretamente transmitidas de um profissional a outro.

138 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Modelo de Melhoria IHI e os MAR : Objetivo: prevenir dano e salvar vidas, melhorando a prescrição e o gerenciamento de MAR. Exemplo de medida: reduzir a incidência de eventos adversos associados a varfarina em 50% na unidade ambulatorial, no prazo de 9 meses.

139 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Modelo de Melhoria IHI e os MAR : Time: médico que prescreve anticoagulantes, enfermeira da unidade ambulatorial e farmacêutico. Um dos membros é eleito líder e deve garantir a aplicação da metodologia PDSA. Outros participantes são sugeridos: representante do Sistema informatizado, gestor de risco, analista da qualidade. É recomendável que o time tenha não mais que 5 ou 7 participantes. Conforme o trabalho for conduzido, especialistas serão convidados a opinar em questões específicas.

140 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Testando a mudança: Implementar um protocolo de gerenciamento de varfarina. Objetivo: reduzir dano associado a introdução da varfarina em 50%, até dezembro Teste: 1 médico, 1 enfermeira e 1 paciente. Plano: 1. Orientar a equipe sobre o teste. 2. Desenvolver ou utilizar protocolo de outra instituição. 3. Identificar quem, o que, quando e onde testar. 4. Completar o teste. 5. Reunir o time para discutir, avaliando barreiras para a implementação.

141 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Mensurando estratégias para gerenciamento de MAR. Para obter medidas adequadas: 1. Utilizar amostragem. 2. Integrar mensuração na rotina diária das pessoas. 3. Registrar os dados e elaborar gráficos para os membros da equipe visualizarem o progresso.

142 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Mensurando estratégias para gerenciamento de MAR. Indicadores de processo ou de resultado? Indicadores de processo informam como o sistema assistencial está ocorrendo, indicadores de resultado descrevem o desfecho de cada sistema. Também é possível iniciar por perguntas simples. Foi elaborado um protocolo? O protocolo é utilizado? Os pacientes monitorados estão seguindo o protocolo? Estas simples questões podem auxiliar na condução de esforços durante a implementação.

143 MAR E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Mensurando estratégias para gerenciamento de MAR. Indicadores de processo sugeridos: Percentual de anticoagulantes administrados de acordo com o protocolo. Se o resultado for abaixo de 80%, você tem o caos Percentual de pacientes recebendo varfarina com INR fora dos limites estabelecidos pelo protocolo. Indicadores de resultado sugeridos: Eventos adversos relacionados a anticoagulantes por 100 pacientes com anticoagulante administrado.

144 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS How-to Guide: Prevent Harm from High-Alert Medications Institute for Healthcare Improvement. Cambridge, MA: Institute for Healthcare Improvement; (Available at Joint Comission: Anticoagulation Therapy as a National Patient Safety Goal. The 2011 National Patient Safety Goals and FAQs. Bates DW, Cullen DJ, Laird N, et al. Incidence of adverse drug events and potential adverse drug events: Implications for prevention. ADE Prevention Study Group. JAMA. 1995;274:29-34.

145 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Kanjanarat P, Winterstein AG, John TE, et al. Nature of preventable adverse drug events in hospitals: A literature review. Am J Health-Syst Pharm. 2003;60: Bloomfield H, Krause A, Greer N, et al. Meta analysis: Effect of patient self-testing and self-management of long-term anticoagulation on major clinical outcomes. Ann Intern Med. 2011;154: How-to Guide: Prevent Harm from High-Alert Medications. Cambridge, MA: Institute for Healthcare Improvement; (Available at

146 Medicamentos Oncológicos: critérios de segurança específicos

147 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Erros em quimioterapia Confusão de nomes: docetaxel/ paclitaxel, carboplatina/ cisplatina, vimblastina/ vincristina. Confusão de via de administração: casos de óbito por administração intratecal de vincristina. Confusão com o esquema quimioterápico: interpretação errônea de doses diárias e totais. Confusão de nomes: Doxil/ doxorubicina, docetaxel/ paclitaxel, cisplatina/ carboplatina.

148 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Erros em quimioterapia Interpretação errônea de abreviações: VCR, VLB, MTX. Doses em decimais: como 159,5 mg ao invés de 160 mg. Prescrições ilegíveis. Ordens verbais.

149 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Primeiras recomendações: A continuous-improvement approach for reducing the number of chemoterapy-related medication erros. Am. J. Health-Syst. Pharm (2000) 57, Suppl 4, S4-S9. Improving the cancer chemoterapy use process. JCO (1996) 14,

150 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Abordagem de tratamento: Sistêmico: Quimioterapia. Local: Radioterapia, Cirurgia. Intenção de tratamento: Curativo: tratamento definitivo para a doença. Adjuvante: tratamento realizado após cirurgia para otimizar chance de cura. Neoadjuvante: tratamento realizado antes da cirurgia para diminuir a massa tumoral, possibilita cirurgia conservadora. Paliativa: não existe possibilidade de cura, pois existem metástases. Objetiva aumentar qualidade de vida e diminuição dos sintomas relacionados ao câncer.

151 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Avaliação farmacêutica da prescrição Informações sobre o paciente: Peso e altura, Diagnóstico (inclusive estadiamento), Insuficiência hepática ou renal, Doenças concomitantes. Informações sobre o esquema terapêutico: Doses, Datas, Sequência de infusão.

152 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Avaliação farmacêutica da prescrição Informações sobre os medicamentos: Diluição, Tempo de infusão, Via de administração, Sequência de administração, Perfil de toxicidade, Medicamentos de suporte.

153 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Avaliação Farmacêutica da Prescrição: Comparar o regime prescrito com referências aceitáveis (livros, handbooks ou artigos). Verificar a superfície corpórea atual. SC (em m 2 )= (altura em cm x peso em kg/3600) 1/2 Calcular a dose final de cada medicamento. Ex.: Tratamento adjuvante de câncer de mama Esquema AC : A Adriblastina (doxorubicina) 60 mg/ m 2 C Ciclofosfamida 600 mg/ m 2

154 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Padrões seguros para quimioterapia ASCO Equipe Treinamento e educação continuada. Prescrições assinadas por profissionais qualificados, de acordo com procedimentos descritos. Quimioterápicos preparados por farmacêutico, técnico de farmácia ou enfermeiro qualificados, de acordo com procedimentos descritos. Administração realizada somente por médicos ou enfermeiros. Treinamento inclui avaliação de competências. Reavaliação de competências realizada anualmente. Revisão de todas as vias de administração utilizadas. Toda a equipe assistencial possui treinamento em suporte básico a vida.

155 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Padrões seguros para quimioterapia ASCO Planejamento do tratamento: Confirmação patológica ou verificação do diagnóstico inicial. Estadiamento inicial. História médica completa e exame físico. Alergias. Registro de orientação ao paciente. Aspectos psicosociais envolvidos. Terapia antineoplásica: drogas, doses, duração e objetivo. Para quimioterápicos orais: frequência de visitas e monitoramento.

156 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Padrões seguros para quimioterapia ASCO A prática: Definir o esquema quimioterápico. Comparar com a fonte (guidelines, estudos científicos). Justificativas documentadas para alteração do esquema padronizado. Periodicidade definida para realização de exames laboratoriais, como parte da padronização do esquema terapêutico. Regras para aplicação do termo de consentimento.

157 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Padrões seguros para quimioterapia ASCO A prescrição: Não aceitar ordens verbais, exceto para interrupção de tratamento. Utilizar formulários padronizados, eletrônicos ou impressos. Utilizar nome genérico completo para todos os medicamentos e evitar abreviações. Nomes comerciais utilizados somente para indicar produtos sem possibilidade de intercâmbio pela formulação. Prescrição deve incluir: nome completo e segundo identificador, dose, diagnóstico, nome do esquema e número, critérios para tratamento baseados em resultados laboratoriais, alergias, referência ao método de cálculo, peso e altura, dose, via e velocidade de administração, ordem de infusão, dose acumulada se aplicável, tratamento de suporte,

158 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Padrões seguros para quimioterapia ASCO O preparo Dupla verificação: dois identificadores do paciente, nomes das drogas, doses, volume, via e velocidade de administração, cálculo das doses. Rotulagem realizada imediatamente após preparo e inclui: dois identificadores do paciente, nome genérico completo das drogas, via de administração, dose total administrada, volume total, data da administração, data e hora do preparo e validade. Práticas específicas para administração intratecal: Preparo realizado totalmente separado de outros medicamentos e armazenado em local separado e identificado. Enviar para administração separadamente de outros medicamentos.

159 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Padrões seguros para quimioterapia ASCO Educação do paciente e consentimento Antes de iniciar o tratamento, o paciente recebe orientações escritas e apropriadas ao nível de conhecimento sobre: A. Diagnóstico, B. Objetivos do tratamento C. Duração da quimioterapia, medicamentos e esquema D. Possíveis efeitos adversos E. Sintomas que requerem contato medico F. Seguimento Consentimento informado aplicado pelo médico antes de iniciar a quimioterapia. Informações específicas para pacientes em uso de quimioterapia oral: A. Preparo, administração e descarte. B. Responsabilidades dos membros da família e cuidadores.

160 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Padrões seguros para quimioterapia ASCO Administração: Antes da administração, ao menos dois profissionais treinados seguem o procedimento: A. Verifica identificação do paciente utilizando dois identificadores. B. Confirma com o paciente tratamento proposto, via de administração e reações previstas. C. Verifica: nome dos medicamentos, doses, volumes, via de administração, velocidade, data de validade, integridade física. D. Assina, confirmando o procedimento de conferência realizado. Procedimentos de controle de extravasamento e disponibilidade de antídotos. Disponibilidade de plantonista para atendimento de emergências.

161 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Padrões seguros para quimioterapia ASCO Monitoramento Protocolos de atendimento a emergências, revistos anualmente. Registro de acompanhamento medico entre as sessões de quimioterapia: A. Mudanças no estado clínico e peso. B. Mudanças de performance status. C. Alergias, reações prévias e toxicidade relacionada a quimioterapia. D. Necessidade de suporte e acompanhamento psicosocial. E. Medicamentos em uso e terapias complementares. Lista de serviços de suporte disponível. Acompanhamento de faltosos.

162 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Padrões seguros para quimioterapia ASCO Monitoramento Toxicidade documentada seguindo critérios estabelecidos. Ex: NCI Common Toxicity Criteria e WHO Toxicity Criteria. Existem procedimentos que determinam a continuidade da informação sobre toxicidade e ações propostas. O planejamento de novos ciclos baseia na avaliação prévia de toxicidade. Existe rastreamento de dose acumulada para medicamentos com risco de toxicidade acumulada. Existe avaliação específica de resposta ao tratamento baseada em literatura ou definida pela prática. Existe procedimento para notificação de erros ou quase-falhas.

163 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS RDC Anvisa 220/04 Etapas da Terapia Antineoplásica: Observação clínica e prescrição médica; Preparação: avaliação da prescrição, manipulação, controle de qualidade e conservação; Transporte; Administração; Descarte.

164 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS RDC Anvisa 220/04 Equipe Multiprofissional de Terapia Antineoplásica (EMTA): Oncologista ou hematologista; Enfermeiro (RT atividades de enfermagem); Farmacêutico (RT atividades de farmácia). Atribuições EMTA: Supervisionar todas as etapas da TA; Criar mecanismos para farmacovigilância, tecnovigilância e biosegurança; Estabelecer protocolos; Capacitar profissionais envolvidos.

165 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS RDC Anvisa 220/04 Boas Práticas de Preparo: Procedimentos escritos; Avaliação da prescrição médica; Registro de todas as manipulações, indicando lote e fabricante; Rótulo com informações detalhadas, inclusive prazo de validade e condições para conservação; Inspeção visual; Garantia de conservação e transporte.

166 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Reação adversa em oncologia Avaliar perfil de toxicidade dos antineoplásicos: Estreita margem de segurança, Reações esperadas, principalmente com anticorpos monoclonais, Experiência da equipe médica envolvida.

167 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Reação adversa em oncologia Carboplatina Hipocalcemia, hipomagnesemia, hiponatremia, hipocalemia. Alopecia. Náusea e vômitos, com início de 2 a 6 horas após administração e duração de 1 a 48 horas. Potencial emetogênico: moderado. Estomatite. Mielossupressão cumulativa, dose-dependente (toxicidade doselimitante). Neutropenia, leucopenia, trombocitopenia, anemia. Nadir: dias; Recuperação: dias. Astenia, neuropatia periférica.

168 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Reação adversa em oncologia Rituximabe Dor de cabeça, febre, resfriado. Náusea. Leucopenia. Astenia. Angioedema. Relacionados à infusão: febre e resfriado, náusea, urticária, fadiga, dispnéia, hipotensão, rubor e dor no local da injeção. Estas reações ocorrem de 30 minutos a 2 horas após início da primeira infusão e são resolvidas com a diminuição da velocidade de infusão e tratamento de suporte.

169 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Reação adversa em oncologia Paclitaxel Hipotensão. Alopecia (extremamente comum, ocorre após 14 dias da administração, reversível). Náusea e vômito. Potencial emetogênico: moderado. Diarréia. Mucosite. Sangramento, neutropenia (aumentada com infusão prolongada), leucopenia, trombocitopenia, anemia. Nadir- 11 dias; Recuperação- 15 a 21 dias. Neuropatia periférica dose relacionada, comum após muitos ciclos ou altas doses (250 mg/m 2 ). Mialgia e artralgia (início em 2 dias e término em 5 dias, utilizar analgésicos). Reações de hipersensibilidade, com dispnéia, hipotensão e angioedema. Predisposição a infecções. Bradicardia. Eventos cardiovasculares severos (1-10%).

170 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS Reação adversa em oncologia Paclitaxel Esquemas 21 dias: Eritema maculopapular e prurido: incidência < 1%. Alterações nas unhas: incidência < 2%. Esquema semanal: Alterações severas nas unhas, incluindo escurecimento das mãos e pés, paroníquia com exsudação e hemorragia sub-ungueal, perda parcial ou completa das unhas ou dor no leito ungueal foram reportados por pacientes recebendo esquema de paclitaxel semanal para câncer de mama. Fontes: Medscape, Drug Information Handbook

171 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS

172 MEDICAMENTOS ONCOLÓGICOS

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico Sandra Abrantes Krug Seabra Outubro 2010 Agenda Gerenciamento de Risco Fatores Críticos de Sucesso Estamos fazendo certo? Gestão = Administração Administrar:

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Segurança na Administração de Medicamentos : Erros na Prescrição e Dispensação de Medicamentos Andrea Almeida Tofani Email: farm.hc1.hospitalar@inca.gov.br Novembro 2010 Segurança

Leia mais

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Introdução O tema Segurança do Paciente se transformou em preocupação, nas instituições de saúde, a partir de 2003

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo Farmacêutica, graduada em Farmácia pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Farmacologia pela Universidade Federal de Lavras

Leia mais

ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO

ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO Autor: Celiane Crivelli Alves Co-autores: Ana Cristina Rossetti Raquel A. dos Santos Tatiana de Carvalho Ramos Cláudio Alves de Souza Carla

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Prevenção do Erro e o Medicamento

Prevenção do Erro e o Medicamento Prevenção do Erro e o Medicamento Daniela Garcia 26 de março de 2015 Diretora dos Serviços Farmacêuticos Erro de medicação Qualquer evento evitável que pode causar dano ao doente ou dar lugar à utilização

Leia mais

HFMEA TIME DE FLUXO TAUBATÉ.xls O = Ocorrência pode ser 1 = baixa, 4 e 7 = média e 10= alta

HFMEA TIME DE FLUXO TAUBATÉ.xls O = Ocorrência pode ser 1 = baixa, 4 e 7 = média e 10= alta Etapa Tipo de falha Efeito da falha Consequência Controle e detecção S O D Risco Ação Responsável Medida implantada S O D Risco Não há 10 7 10 700 10 7 10 700 2 protocolo de 2 protocolo de prevenção de

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Metas Internacionais de Segurança do paciente

Metas Internacionais de Segurança do paciente Metas Internacionais de Segurança do paciente 2011 Missão Defender a saúde da comunidade e contribuir para o aprimoramento do Sistema Único de Saúde Visão Ser reconhecido nacionalmente pela excelência

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

O que é Inovação em Saúde?

O que é Inovação em Saúde? Capa foto: dreamstime.com O que é Inovação em Saúde? A competitividade no setor da saúde depende essencialmente de melhorar a qualidade da assistência e a segurança do paciente reduzindo custos Por Kika

Leia mais

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento IQG Instituto Qualisa de Gestão Março 2011 Martha Savedra Práticas Excelência X Pagamento Qualidade Segurança Percepção do cliente FFS Pacotes

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Fadiga de Alarmes: Uma ameaça à segurança do paciente

Fadiga de Alarmes: Uma ameaça à segurança do paciente 1 Fadiga de Alarmes: Uma ameaça à segurança do paciente Os alarmes clínicos alertam quando a condição de um paciente está se agravando e/ou quando um dispositivo não está funcionando como deveria e, problemas

Leia mais

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Claudia Garcia de Barros Diretora de Prática Assistencial, Qualidade, Segurança e Meio Ambiente Hospital Albert Einstein 1859 - Florence

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer 31 de Agosto de 2010 Centro de Combate ao Câncer QUEM SOMOS Centro de Combate ao Câncer NOSSAS DIRETRIZES Nossa Visão - O que buscamos

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Eventos adversos relacionados à assistência

Eventos adversos relacionados à assistência Eventos adversos relacionados à assistência em serviços de saúde - Medicamentos Farmacêutico Sergio Matthies Junior Joinville SC VII Seminário Nacional de Acreditação Assistência Segura ao Paciente: uma

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

O PAPEL DA GESTÃO DE RISCO NA PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS

O PAPEL DA GESTÃO DE RISCO NA PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS O PAPEL DA GESTÃO DE RISCO NA PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS Gestão de Riscos RDC 36 de 2013 Aplicação sistêmica e contínua de políticas, procedimentos, condutas e recursos na identificação, análise,

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE VANTAGEM COMPETITIVA

ACREDITAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE VANTAGEM COMPETITIVA ACREDITAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE VANTAGEM COMPETITIVA QUALIDADE EM SAÚDE ACREDITAÇÃO. Que definição? ISQUA - www.isqua.org Um processo que as organizações utilizam para avaliar e implementar a gestão da

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança 2012 Programa de Acreditação Internacional Gestão da Qualidade e Segurança Responda rapidamente: Os serviços prestados pela sua instituição têm qualidade e segurança satisfatórias??? Por Quê???? QUALIDADE?

Leia mais

CONCOMITÂNCIA DE DIFERENTES MODELOS DE ACREDITAÇÃO NUMA MESMA INSTITUIÇÃO

CONCOMITÂNCIA DE DIFERENTES MODELOS DE ACREDITAÇÃO NUMA MESMA INSTITUIÇÃO Nº DO TRABALHO: P_197_2011 ACREDITAÇÃO CONCOMITÂNCIA DE DIFERENTES MODELOS DE ACREDITAÇÃO NUMA MESMA INSTITUIÇÃO RESUMO Acreditação - coexistência de diferentes modelos numa instituição. Métodos de acreditação

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

CONSULTA PÚBLICA MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE A Organização Nacional de Acreditação, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 5º, inciso II, do seu Estatuto, aprovado em 21 de janeiro de 2008, adotou a seguinte e eu, Presidente da ONA, determino

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

Definir protocolo para garantir a segurança no uso de medicamentos de alta vigilância no Hospital São Paulo.

Definir protocolo para garantir a segurança no uso de medicamentos de alta vigilância no Hospital São Paulo. 1. INTRODUÇÃO Os medicamentos de Alta Vigilância são aqueles que possuem risco aumentado de provocar danos significativos aos pacientes em decorrência de falha no processo de utilização. Os erros que ocorrem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Segurança de Medicamentos no Processo de Acreditação da Joint Commission International

Segurança de Medicamentos no Processo de Acreditação da Joint Commission International Segurança de Medicamentos no Processo de Acreditação da Joint Commission International José de Lima Valverde Filho Consórcio Brasileiro de Acreditação Acreditação Processo no qual uma entidade, geralmente

Leia mais

Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo).

Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo). Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo). Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Nome do protocolo: Prevenção de

Leia mais

Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco. Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br

Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco. Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br Segurança do Paciente e Gerenciamento de Risco Enf. Vera Lúcia Borrasca Gerente de Segurança Assistencial vera.lucia@hsl.org.br Premissas para qualidade do cuidado à saúde IOM 2001 Segurança Eficácia e

Leia mais

Cruz Azul de São Paulo

Cruz Azul de São Paulo Cruz Azul de São Paulo RUZ AZUL DE SÃO PAULO GERENCIAMENTO DE RISCO Ações preventivas, corretivas, análises e gerenciamento! Patrícia Mara Molina Gerente da Qualidade Cruz Azul de São Paulo RUZ AZUL DE

Leia mais

GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS. O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos.

GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS. O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos. GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos. O farmacêutico atual tem participação nos processos

Leia mais

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Da Prescrição à Administração do Medicamento Sofia Valongo Serviços Farmacêuticos 26-09-2015 OBJETIVO 2 Descrever o papel do Farmacêutico na implementação

Leia mais

Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente. Simone Mahmud

Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente. Simone Mahmud Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente Simone Mahmud 28 a 56% dos Eventos Adversos são preveníveis Erros devido a prescrição ilegível Interações negligenciadas, erro de dose Intervenções

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR

GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR EVENTOS ADVERSOS (EAs) Evento Adverso pode ser definido como lesão não intencional que resultou em incapacidade temporária ou permanente e/ou prolongamento do tempo de permanência

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 ATENÇÃO AO PACIENTE/CLIENTE Esta seção agrupa todos os componentes, atividades e serviços que se relacionam aos processos

Leia mais

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do paciente...pode parecer talvez um estranho princípio enunciar como

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 Sistema Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação Estadual

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica ISSN 1984-9354 Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica Priscyla Abramowicz (LATEC/UFF) Resumo: A Indústria farmacêutica deve, por legislação,

Leia mais

A - Informação acerca do Doente e do Medicamento

A - Informação acerca do Doente e do Medicamento NÚMERO: 014/2015 DATA: 17/12/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Processo de Gestão da Medicação Segurança do doente; segurança na medicação; processo de gestão da medicação Direções Clínicas

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança

Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança Gestão Operacional Sistemas de Garantia da Qualidade Gestão da Estratégia Planejamento Estratégico Projetos Estratégicos Desdobramento

Leia mais

FAZENDO MUDANÇAS EM GESTÃO DE RISCOS EM GOIÁS III ENCONTRO GOIANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

FAZENDO MUDANÇAS EM GESTÃO DE RISCOS EM GOIÁS III ENCONTRO GOIANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FAZENDO MUDANÇAS EM GESTÃO DE RISCOS EM GOIÁS III ENCONTRO GOIANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Dra. Rôsani Arantes de Faria Gerente de Gestão de Riscos GERISCO / SUNAS / SES GO Abril de 2013 ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DA RASTREABILIDADE DOS REGISTROS ASSISTENCIAIS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

GESTÃO DA RASTREABILIDADE DOS REGISTROS ASSISTENCIAIS EM SERVIÇOS DE SAÚDE GESTÃO DA RASTREABILIDADE DOS REGISTROS ASSISTENCIAIS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Resumo A rastreabilidade é um conceito advindo dos processos industriais e ficou estabelecido como padrão básico de qualidade

Leia mais

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL Adriana Baptista da Cruz Löffel Coordenadora de Farmácia ACCamargo Cancer Center Especialista em Farmacologia Clínica CONCEITOS Reconciliar = ato de restabelecer

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Seminário Nacional Redução do Risco para a Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Fórum especial Proposta: compartilhar idéias, conceitos e estratégias relacionadas

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013.

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Estratégias para a segurança do paciente na terapia medicamentosa Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Total de Vidas perdidas por ano Serviços de Saúde são seguros?

Leia mais

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP Laura Schiesari Diretora Técnica AGENDA I. A ANAHP II. Melhores Práticas Assistenciais III. Monitoramento

Leia mais

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos Business Club Healthcare, a TM Jobs e a Integrare 360 - Marketing de Conteúdo deram início a uma série de estudos de mercado para, ao longo do ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, IA 1 Objetivo: Identificar, qualificar e principalmente evitar qualquer tipo

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE UNIDADES DE INTERNAÇÃO Comissão de Gerenciamento de Risco NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA 2012 Luciane Lindenmeyer,

Leia mais

META 1. Identificar os pacientes corretamente

META 1. Identificar os pacientes corretamente META 1 Identificar os pacientes corretamente Identificar, com segurança, o paciente como sendo a pessoa para a qual se destina o serviço e/ou procedimento. Como atendemos a esta meta: Utilizando a dupla

Leia mais

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade Norma ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade Sistemas da Qualidade e Qualidade Ambiental ISO 9000 e ISO 14000 Prof. M. Sc. Helcio Suguiyama 1- Foco no cliente 2- Liderança 3- Envolvimento das Pessoas 4- Abordagem

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 27, de 06 de abril de 2015 D.O.U de 08/04/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / /

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / PERFIL DO PACIENTE : Encaminhamento Equipe Alta Hospitalar Busca Ativa Outra Nome: Cartão SUS: Data de nascimento: Idade: Gênero: Masculino Feminino

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar Thaiana Santiago Acreditação Acreditação é um processo que as organizações de saúde utilizam

Leia mais

I Jornada Carioca de Nefrologia Mesa Redonda 3: Nova Legislação em Diálise no Brasil

I Jornada Carioca de Nefrologia Mesa Redonda 3: Nova Legislação em Diálise no Brasil I Jornada Carioca de Nefrologia Mesa Redonda 3: Nova Legislação em Diálise no Brasil PENSAR OS CAMINHOS E DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA E AS INTERAÇÕES ENTRE ESTRUTURAS

Leia mais