Regulamento da União Europeia sobre a Madeira e Produtos da Madeira (RUEM)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento da União Europeia sobre a Madeira e Produtos da Madeira (RUEM)"

Transcrição

1 Regulamento da União Europeia sobre a Madeira e Produtos da Madeira (RUEM) Ponto da situação em Portugal (2013 a março de 2015) Divisão de Apoio à Produção Florestal e Valorização dos Recursos Silvestres Lisboa, março de 2015

2 Título: Regulamento da União Europeia sobre a madeira e produtos derivados da madeira (RUEM) Edição: Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, IP Autor: Divisão de Apoio à Produção Florestal e Valorização de Recursos Silvestres Texto: Divisão de Apoio à Produção Florestal e Valorização dos Recursos Silvestres Imagens: Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, IP Edição: 18 de março de 2015

3 ÍNDICE 1. SUMÁRIO EXECUTIVO ENQUADRAMENTO OBRIGAÇÕES DOS OPERADORES E DOS COMERCIANTES OPERADORES COMERCIANTES REGISTO DE INICIAL DE OPERADOR FLORESTAL AÇÕES DE DIVULGAÇÃO E ESCLARECIMENTO FISCALIZAÇÃO ARTICULAÇÃO COM ENTIDADES NACIONAIS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SIGLAS

4 1. SUMÁRIO EXECUTIVO O Regulamento (UE) n.º 995/2010 (RUEM), de 20 de outubro, entrou em vigor em março 2013, tendo o Decreto-Lei n.º 76/2013, para a sua aplicação em Portugal, sido publicado a 5 de junho do mesmo ano. O ICNF é a autoridade competente para efeitos da aplicação do RUEM em Portugal. No quadro do RUEM são definidos dois tipos de agentes: o «Operador», entendido como qualquer pessoa singular ou coletiva que coloque no mercado madeira ou produtos da madeira; o «Comerciante» entendido como qualquer pessoa singular ou coletiva que no exercício de uma atividade comercial, vende ou compra no mercado interno da União Europeia (EU) madeira ou produtos da madeira já colocados no mercado interno. Em Portugal os operadores estão obrigados ao registo de operador concretizado através do sistema de registo inicial dos operadores, disponibilizado no portal do ICNF em O ICNF, em colaboração com as entidades representativas dos agentes económicos, tem vindo a proceder à divulgação do regulamento junto dos operadores e da necessidade do seu cumprimento. Em simultâneo, a resposta a inúmeros pedidos de esclarecimento sobre a aplicação do regulamento constitui também uma prioridade. Nesta primeira fase de aplicação do regulamento procedeu-se ainda à criação, disponibilização, verificação do funcionamento e resolução de problemas com o sistema de registo inicial dos operadores e de dificuldades dos próprios registos. Destaca-se a colaboração do ICNF com a Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente, da Região Autónoma dos Açores, e com a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) na prossecução das suas competências no quadro RUEM. Finalmente, sublinha-se a conclusão do delineamento da metodologia para as fiscalizações, com resultado na criação das fichas a utilizar para o efeito e na seleção dos operadores a serem objetos de uma primeira fiscalização, tendo as mesmas sido iniciadas em janeiro de

5 2. ENQUADRAMENTO O regulamento da madeira (RUEM)) - Regulamento (UE) n.º 995/2010, de 20 de outubro - proíbe a colocação no mercado interno da União Europeia (EU) de madeira extraída ilegalmente ou dos seus produtos derivados, sendo aplicado em Portugal através do Decreto- Lei n.º 76/2013, de 5 de junho. No contexto do RUEM são definidos dois tipos de agentes, singulares ou coletivos, sujeitos a um conjunto de procedimentos e medidas no âmbito do «sistema de diligência devida»: O «Operador» entendido como qualquer pessoa singular ou coletiva que coloque no mercado madeira ou produtos da madeira (alínea c) do artigo 2.º, do Regulamento (UE) n.º 995/2010); O «Comerciante» entendido como qualquer pessoa singular ou coletiva que, no exercício de uma atividade comercial, venda ou compre no mercado interno da UE madeira ou produtos da madeira já colocados no mercado interno (alínea d) do artigo 2.º, do Regulamento (UE) n.º 995/2010). O ICNF é a autoridade competente para efeitos da aplicação do RUEM em Portugal. 3

6 3. OBRIGAÇÕES DOS OPERADORES E DOS COMERCIANTES 3.1. Operadores As obrigações dos operadores estão centradas na proibição de colocação pela primeira vez no mercado da UE de madeira extraída ilegalmente e de produtos derivados de madeira. Nesse quadro, os operadores estão sujeitos à obrigação de diligência devida, exercida através de um conjunto de procedimentos e medidas, designados por «sistema de diligência devida», os quais são estabelecidos no artigo 6.º do Regulamento (UE) n.º 995/2010. Nos termos do artigo 3.º, do Decreto-Lei 76/2013, de 5 de junho, os operadores estão, igualmente, obrigados ao registo de operador, o qual é efetuado previamente à colocação da madeira ou dos produtos derivados da madeira no mercado interno, através de submissão eletrónica no portal do ICNF Comerciantes Os comerciantes têm obrigação de rastreabilidade (artigo 5. º do Regulamento (UE) n. º 995/2010), a qual é assegurada pela identificação da cadeia de abastecimento, ou seja a empresa terá que identificar os operadores ou comerciantes a quem compra e a quem fornece a madeira ou produtos da madeira. No caso dos comerciantes, a madeira e/ou produtos da madeira já deram entrada no mercado interno da UE. Relativamente às empresas às quais os comerciantes vão vender a madeira ou os produtos da madeira, caso exerçam as suas atividades no mercado da UE, terão as mesmas que assegurar a rastreabilidade e as respetivas obrigações, pelo que se devem munir igualmente de todas as informações relativas à identificação da cadeia de abastecimento (artigo 5.º do regulamento). 4

7 4. REGISTO INICIAL DE OPERADOR FLORESTAL Após a publicação do Decreto-Lei n.º 76/2013, de 5 de junho, sobre a aplicação em Portugal do Regulamento (UE) n.º 995/2010, foi dada prioridade, numa primeira etapa, à criação disponibilização e verificação do funcionamento do sistema de registo inicial dos operadores. O sistema foi disponibilizado ao público a 26 de julho, no portal do ICNF, (sistema RIO). Releva-se a importância do registo enquanto ferramenta para a verificação do cumprimento do regulamento em Portugal, designadamente nas fiscalizações aos operadores e aos sistemas de diligência devida que estes têm de implementar. Até março de 2015, estão registadas no sistema RIO um total de operadores, dos quais já têm a respetiva conta ativa (quadro 1). De notar que, concluído o registo no sistema RIO, o operadore terá de o ativar e verifica-se que há um conjunto de operadores que não o chegam a fazer. Contudo, são desde já considerados como estando registados. Em Portugal continental a maior número de registos é observado (figura 1) no distrito Porto (194). De notar que a classe Região Autónoma dos Açores e outros países inclui igualmente um elevado número de empresas que, embora sediadas no continente, não georreferenciaram no sistema a sua localização geográfica, aquando do seu registo. Na tipologia por produto os registos que verificam maior frequência (figura 2) são os de papel e cartão (622 registos, 21%), seguido de perto pela madeira em bruto (522 registos, 17%), pelo mobiliário de madeira (407 registos, 14%) e pela lenha, estilhas ou partículas, serradura, desperdícios e resíduos de madeira (373 registos, 12%). Na distribuição dos registos por atividade económica das empresas (CAE), verifica-se que o maior número de se observa na atividade exploração florestal, seguida do comércio por grosso de madeira em bruto e de produtos derivados e da serração de madeira (figura 3). Notam-se igualmente várias empresas de fora do setor florestal, que surgem no registo por importarem diretamente produtos de madeira. 5

8 Quadro 1 Registos no sistema de Registo Oficial de Operador (RIO) em março de Ano Estado Registos (n.º) Ativo 197 Não ativo 1 49 Total 246 Ativo 794 Não ativo 39 Total 833 Ativo 298 Não ativo 14 Total 312 Total Figura 1 Distribuição anual e geográfica dos registos no sistema de Registo Oficial de Operador (RIO) em março de Concluído o registo no sistema RIO, este tem de ser ativado pelos operadores, para aceder aos dados inseridos no mesmo da empresa. Este procedimento conclui-se através do link de ativação remetido após a realização do registo no sistema. 6

9 Figura 2 Registos no sistema de Registo Oficial de Operador (RIO) por tipo de produto em março de Figura 3 Registos no sistema de Registo Oficial de Operador (RIO) por tipo de atividade económica (CAE) em março de 2015 (apenas para as CAE com 10 ou mais registos). 7

10 5. AÇÕES DE DIVULGAÇÃO E ESCLARECIMENTO O ICNF em colaboração com as entidades representativas dos agentes económicos tem participado em fóruns de discussão e divulgação (seminários, encontros, feiras florestais, etc.) onde promove a divulgação do regulamento, reiterando a necessidade do seu cumprimento e os formalismos legais a ele associados. As comunicações apresentadas nos diversos fóruns encontram-se disponíveis para consulta em A resposta a inúmeros pedidos de esclarecimento sobre a aplicação do regulamento, bem como a resolução de dificuldades no registo dos operadores têm também sido uma prioridade. 8

11 6. FISCALIZAÇÃO A metodologia para fiscalizar a aplicação do sistema de diligência pelos operadores foi delineada tendo o procedimento sido concertado com os serviços regionais do ICNF e da Região Autónoma dos Açores. Como resultados foram produzidas: Fichas para a FISCALIZAÇÃO A OPERADORES e para FISCALIZAÇÃO A COMERCIANTES; Modelos de apoio à AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE DILIGÊNCIA DEVIDA JUNTO DOS OPERADORES e à IDENTIFICAÇÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO JUNTO DOS COMERCIANTES Foi Igualmente estabelecida a frequência e incidência das fiscalizações por tipologia de operadores, tendo sido decidido estabelecer uma amostra de 5% dos operadores registados, para fiscalizar, na primeira etapa. Nos Açores as fiscalizações tiveram início ainda em 2014, transcrevendo-se no quadro 2 a síntese com os resultados das 49 ações realizadas (20% do universo potencial de operadores e comerciantes). No continente, as fiscalizações começaram em janeiro de Quadro 2 - Resultado das ações de fiscalização na Região Autónoma dos Açores em 201. Situação perante Reg 995/2010 N.º Fiscalizações Percentagem Resultado da Fiscalização Operador Regular Operador e Comerciante 7 14 Regular Comerciante Regular Não Aplicável/Inativo Total

12 7. ARTICULAÇÃO COM ENTIDADES NACIONAIS 7.1. Autoridade Tributária e Aduaneira Nas diligências desenvolvidas para articular a aplicação com outras entidades destaca-se a colaboração com a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), visando a: Articulação da aplicação do regulamento n.º 995/2010 com a aplicação do regulamento n.º 2173/2005, Forest Law Enforcement, Governance and Trade (FLEGT); Articulação entre ambas as entidades para efeitos do controlo e fiscalização. Desde já sublinha-se os resultados na troca de informação entre o ICNF e a AT visando a verificação dos importadores de madeira e produtos derivados e o cumprimento dos requisitos do Decreto-Lei n.º 76/2013, em particular quanto à obrigatoriedade de registo quando do desalfandegamento. No quadro 3 é sintetizada a informação remetida pela AT em setembro de 2014, relativa às empresas importadoras de madeira e dos produtos derivados de madeira, e da verificação do registo destas empresas no sistema RIO, nessa mesma data. Quadro 3 Empresas importadoras e produtos da madeira e derivados importados (setembro de 2014). Empresas importadoras (n.º) Madeira e produtos da madeira, Total Com registo Total Com registo incluindo a pasta o papel e o cartão Importações por tipo de produto (n.º) Madeira e produtos da madeira, excluindo a pasta o papel e o cartão Pasta, papel e cartão Total A AT instruiu os serviços aduaneiros sobre a obrigatoriedade de apresentação do comprovativo do registo no sistema de Registo Oficial de Operador (RIO) no caso da importação de países exteriores à União Europeia (ou seja na introdução pela primeira vez no mercado da UE) de madeira ou produtos da madeira enquadrados no RUEM. Refere-se a relevância deste procedimento para a maior eficácia na aplicação do regulamento em 10

13 Portugal, constituindo, designadamente, uma importante possibilidade no esclarecimento/sensibilização dos operadores para as obrigações a ele associadas Região Autónoma dos Açores A articulação e continuada colaboração entre o ICNF e a Direção Regional dos Recursos Florestais (DRRF) da Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente da Região Autónoma dos Açores merece destaque, a qual é demonstrada pelos resultados na boa aplicação do RUEM na região, a decorrer em coerência perfeita com a metodologia nacional. Naquela Região Autónoma a DRRF, na prossecução das competências de controlo e fiscalização do comércio de madeira e produtos derivados da madeira, tem também vindo a colaborar com outras autoridades, nomeadamente policiais (GNR), tributárias (AT) e de fiscalização das atividades económicas (IRAE). Essas entidades já reuniram com a DRRF para esclarecimento sobre as implicações do Regulamento (UE) 995/2010 e do Decreto-Lei n.º 76/2013, de 5 de junho, e definição da colaboração no âmbito do mesmo (quadro 4). No ano de 2014 a fiscalização planeada para avaliar a diligência devida ficou apenas a cargo da DRRF. Porém, o controlo das exportações e importações através dos Açores, designadamente a obrigatoriedade de registo dos operadores está a ser executado pela AT através da alfândega e respetivas delegações aduaneiras, não tendo sido detetadas infrações. Quadro 4 Colaboração das entidades fiscalizadoras nos Açores, por tipo de operador Tipologia dos operadores Importação de madeira e produtos da madeira de países extra-ue Introdução no mercado de madeira ou produtos da madeira produzidos na UE Rastreio nos comerciantes Responsabilidades no controlo e fiscalização do comércio de madeira e produtos derivados da madeira. Direção Regional dos Recursos Florestais (DRRF) Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) Guarda Nacional Republicana (GNR) Inspeção Regional de Atividades Económicas (IRAE) Direção Regional dos Recursos Florestais (DRRF) Guarda Nacional Republicana (GNR) Inspeção Regional de Atividades Económicas (IRAE) 11

14 Siglas AT Autoridade Tributária e Aduaneira DRRF - Direção Regional dos Recursos Florestais GNR - Guarda Nacional Republicana ICNF Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I.P. IRAE - Inspeção Regional das Atividades Económicas RUEM Regulamento da União Europeia da Madeira e dos Produtos Derivados da Madeira UE União Europeia 12

Regulamento da União Europeia sobre a Madeira e Produtos da Madeira (RUEM) Ponto de situação em Portugal. (março de 2013 a novembro de 2016)

Regulamento da União Europeia sobre a Madeira e Produtos da Madeira (RUEM) Ponto de situação em Portugal. (março de 2013 a novembro de 2016) Regulamento da União Europeia sobre a Madeira e Produtos da Madeira (RUEM) Ponto de situação em Portugal (março de 2013 a novembro de 2016) Divisão de Apoio à Produção Florestal e Valorização dos Recursos

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 146/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/879 DA COMISSÃO de 2 de junho de 2016 que estabelece, nos termos do Regulamento (UE) n. o 517/2014 do Parlamento Europeu

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 09 Auditoria Energética a Elevadores em Edifícios de DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos

RARU 13 ANEXO II Metodologia e Pressupostos O Decreto-Lei nº 178/2006, de 5 de setembro, com a nova redação do Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de junho, veio criar um Sistema Integrado de Registo Eletrónico de Resíduos (SIRER), suportado pelo Sistema

Leia mais

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PARA PRODUTORES/IMPORTADORES DE BATERIAS DE VEÍCULOS ÍNDICE Introdução...3 1. Enquadramento Legal...4

Leia mais

1. O Dec.-Lei n.º 77/2015 aplica-se a todo o tipo de pinhas e em todo o país?

1. O Dec.-Lei n.º 77/2015 aplica-se a todo o tipo de pinhas e em todo o país? Perguntas frequentes sobre o regime jurídico aplicável à colheita transporte, armazenamento, transformação, importação e exportação de pinhas de Pinus pinea (Dec.-Lei n.º 77/2015, de 12 de maio). 1. O

Leia mais

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 1

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 1 NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/2015 1 Rev 1 [Operações públicas FEDER] 1 Não aplicável a operações enquadradas no Sistema de Incentivos às Empresas e a operações cofinanciadas pelo FSE. CONTROLO DO DOCUMENTO

Leia mais

Realização de Acampamentos Ocasionais

Realização de Acampamentos Ocasionais Capítulo 470 Realização de Acampamentos Ocasionais MR.470.01.Vers.1.0.b Página 1 de 11 Conteúdo PREÂMBULO... 3 CAPÍTULO I - ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 4 Artigo 1.º Lei habilitante... 4 Artigo 2.º Âmbito e

Leia mais

Deliberação ERC/2016/93 (PROG-TV)

Deliberação ERC/2016/93 (PROG-TV) Deliberação ERC/2016/93 (PROG-TV) Incumprimento do Dever de informação do serviço de programas SPORTING TV do operador SPORTING COMUNICAÇÃO e PLATAFORMAS, S.A. Lisboa 20 de abril de 2016 Conselho Regulador

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 03/2016

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 03/2016 ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 03/2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO (RECI) Sistema de Incentivos às Empresas Inovação Produtiva Majoração «Execução do Investimento»

Leia mais

BARREIRAS À EXPORTAÇÃO

BARREIRAS À EXPORTAÇÃO BARREIRAS À EXPORTAÇÃO QUESTÕES FITOSSANITÁRIAS RIAS José Fernandes ALIMENTARIA LISBOA, 29 de Março BARREIRAS À EXPORTAÇÃO QUESTÕES FITOSSANITÁRIAS RIAS Organizações Internacionais/ Normas Internacionais

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves

Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves Conteúdo 1. Dimensões da Qualidade de Serviço e Regulação 2. Evolução do Desempenho das Redes Elétricas e Regulação da Qualidade

Leia mais

Estrutura Técnica de Animação da RRN, Versão revista a 15/02/2016. Alteração na página 3 - ponto 2.1.b. Versão revista a 18/01/2016

Estrutura Técnica de Animação da RRN, Versão revista a 15/02/2016. Alteração na página 3 - ponto 2.1.b. Versão revista a 18/01/2016 Versão revista a 15/02/2016 Alteração na página 3 - ponto 2.1. Versão revista a 18/01/2016 Alteração na página 3 - ponto 2.1.f Versão revista a 27/11/2015 Alteração na página 3 - ponto 2.1.b Estrutura

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

Revisão da implementação do novo sistema nacional das GDP nos medicamentos, substâncias ativas e perspetivas futuras

Revisão da implementação do novo sistema nacional das GDP nos medicamentos, substâncias ativas e perspetivas futuras CURSO Boas Práticas de Distribuição de Medicamentos de uso Humano: Revisão da implementação do novo sistema nacional das GDP nos medicamentos, substâncias ativas e perspetivas futuras A sua Formadora:

Leia mais

Ambiente Cabo Verde: Novo Regime Jurídico da Gestão de Resíduos

Ambiente Cabo Verde: Novo Regime Jurídico da Gestão de Resíduos 4 de dezembro de 2015 capeverde@vda.pt da Gestão de Manuel Gouveia Pereira mgp@vda.pt O Governo de Cabo Verde aprovou o Decreto-Lei n.º 56/2015, de 17 de outubro, que estabelece o novo. Objeto > Estabelece

Leia mais

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS PROCESSO DE MAPEAMENTO DAS INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS NACIONAIS 9 de agosto de 2016 Página 1 de 6 Índice

Leia mais

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 20/2012, de 14 de maio A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei altera a Lei n.º 64-B/2011, de

Leia mais

DECLARAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA

DECLARAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA DECLARAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA CONSTITUIÇÃO DE DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA (DRHP) Enquadramento Legal: Decreto-Lei n.º 275/93, de 5 de Agosto, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 37/2011,

Leia mais

Informação jurídica. Assunto: Registo de hóspedes. Questões:

Informação jurídica. Assunto: Registo de hóspedes. Questões: Informação jurídica Assunto: Registo de hóspedes Questões: 1- Há alguma lei que obrigue os estabelecimentos hoteleiros a procederem ao registo dos hóspedes estrangeiros? Relativamente a hóspedes estrangeiros,

Leia mais

Seminário: Diretiva de equipamentos sob pressão (ESP) e. O papel das Diretivas no licenciamento dos ESP

Seminário: Diretiva de equipamentos sob pressão (ESP) e. O papel das Diretivas no licenciamento dos ESP Seminário: Diretiva de equipamentos sob pressão (ESP) e marcação CE O papel das Diretivas no licenciamento dos ESP Manuel Rebelo 11 novembro 2015 Equipamento sob pressão (ESP) Destina-se a conter um fluído

Leia mais

Guia de interpretação- Representante Autorizado

Guia de interpretação- Representante Autorizado 2014 Guia de interpretação- Representante Autorizado 17-07-2014 Índice 1 Objetivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 A que se deve a existência de um Representante Autorizado?... 3 4 Em que circunstâncias

Leia mais

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, O

Leia mais

Instrução n. o 9/2016 BO n. o

Instrução n. o 9/2016 BO n. o Instrução n. o 9/2016 BO n. o 7 15-07-2016 Temas Supervisão Normas Prudenciais Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Autorização para a utilização de modelos internos para cálculo dos requisitos

Leia mais

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Observatório do Ordenamento do Território e Urbanismo Conhecer

Leia mais

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 (Não dispensa a consulta do Diário da República) Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 Estabelece medidas de proteção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a Exploração

Leia mais

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT)

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT) Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados poderão aceder à informação que lhes diga respeito

Leia mais

MANUAL DE REGISTO DE NASCIMENTOS DE BOVINOS ATRAVÉS DA WEB, Produtor - Detentor. Mod. 255-B/DGAV

MANUAL DE REGISTO DE NASCIMENTOS DE BOVINOS ATRAVÉS DA WEB, Produtor - Detentor. Mod. 255-B/DGAV MANUAL DE REGISTO DE NASCIMENTOS DE BOVINOS ATRAVÉS DA WEB, Produtor - Detentor Mod. 255-B/DGAV SOLICITAÇÃO DE ACESSOS À BASE DE DADOS DO IDIGITAL Para se poder proceder ao Registo de Nascimentos de Bovinos

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL Perguntas Frequentes

LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL Perguntas Frequentes LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD 2016-2020 PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL 2020 Perguntas Frequentes Linha de Crédito com Garantia Mútua, IFD 2016-2020 Programa Capitalizar Portugal 2020 PERGUNTAS

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 09 Auditoria Energética a Elevadores em Edifícios de Sessão de esclarecimentos DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE 15/05/2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DA ECONOMIA Diário da República, 1.ª série N.º de setembro de 2013

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DA ECONOMIA Diário da República, 1.ª série N.º de setembro de 2013 5664 Diário da República, 1.ª série N.º 174 10 de setembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 101/2013 de 1.ª classe Augusto José Pestana Saraiva Peixoto como Embaixador

Leia mais

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em CÓDIGO DO IRS Artigo 16.º Residência 6 - Considera-se que não têm residência habitual em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes, nomeadamente ao abrigo do disposto

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 10/2014/A de 3 de Julho de 2014

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 10/2014/A de 3 de Julho de 2014 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 10/2014/A de 3 de Julho de 2014 Cria medidas para a redução do consumo de sacos de plástico A distribuição gratuita

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Instrução 1/2009

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Instrução 1/2009 Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Instrução 1/2009 Assunto: Para: Reclamações/queixas ou informações sobre a má prática em Saúde Ocupacional Secretariado de apoio ao PNSOC

Leia mais

ASECE Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia. Aspetos principais

ASECE Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia. Aspetos principais Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia Aspetos principais 1. Em que consiste o Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia (ASECE)? O ASECE é um instrumento de apoio social extraordinário

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Decreto-Lei n.º 158/2014, de 24 de outubro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Decreto-Lei n.º 158/2014, de 24 de outubro Diploma Decreto-Lei n.º 158/2014, de 24 de outubro Estado: vigente Legislação Resumo: No uso da autorização legislativa concedida pelo artigo 237.º da Lei n.º 83-C/2013, de 31 de dezembro, altera o Código

Leia mais

Prevenção e Controlo Integrado da Poluição. Prevenção e Controlo Integrado da Poluição

Prevenção e Controlo Integrado da Poluição. Prevenção e Controlo Integrado da Poluição Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 173/2008, de 26 de Agosto (Diploma PCIP) Regime de prevenção e controlo integrados da poluição (PCIP) proveniente de certas atividades Licença ambiental - decisão escrita

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 923/2016

DELIBERAÇÃO N.º 923/2016 1 DELIBERAÇÃO N.º 923/2016 1. A pretensão de acesso aos dados pessoais constantes de recibo de vencimento de trabalhadores objeto de processo de execução A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD)

Leia mais

Empresas exportadoras são maioritariamente de pequena dimensão, mas quase metade do valor exportado provém de empresas com mais de 250 trabalhadores

Empresas exportadoras são maioritariamente de pequena dimensão, mas quase metade do valor exportado provém de empresas com mais de 250 trabalhadores Comércio Internacional por Características das Empresas 2013 23 de outubro de 2014 Empresas exportadoras são maioritariamente de pequena dimensão, mas quase metade do valor exportado provém de empresas

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA PLANO DE LIQUIDAÇÃO DE PAGAMENTOS EM ATRASO

NOTA EXPLICATIVA PLANO DE LIQUIDAÇÃO DE PAGAMENTOS EM ATRASO NOTA EXPLICATIVA PLANO DE LIQUIDAÇÃO DE PAGAMENTOS EM ATRASO 1. ENQUADRAMENTO A Lei n.º 22/2015, de 17 de março, procede à 4.ª alteração à Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro (LCPA), determina que as entidades

Leia mais

93/CNECV/2017 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA

93/CNECV/2017 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA 93/CNECV/2017 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 32/XII (2.ª) GOV, RELATIVA AO REGIME JURÍDICO DE QUALIDADE E SEGURANÇA DOS TECIDOS E CÉLULAS

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

5725/17 cp/jv 1 DGD 1A

5725/17 cp/jv 1 DGD 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de janeiro de 2017 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2016/0354 (NLE) 5725/17 SCH-EVAL 31 COMIX 66 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data:

Leia mais

Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis

Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis Circular nº 34/2015 15 de Setembro de 2015 Assunto: Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis Caros Associados, Os sujeitos passivos de IVA (singulares

Leia mais

Titulo da Apresentação da DRAPLVT

Titulo da Apresentação da DRAPLVT Título da Apresentação Titulo da Apresentação da DRAPLVT Substítulo Rio Maior Setembro 2016 Objetivos Nacionais Crescimento sustentável do sector AGROFLORESTAL em TODO O TERRITÒRIO NACIONAL Aumento do

Leia mais

FEIRA DE SÃO SIMÃO - PROGRAMA DO PROCEDIMENTO PROGRAMA

FEIRA DE SÃO SIMÃO - PROGRAMA DO PROCEDIMENTO PROGRAMA PROGRAMA ARTIGO 1º (OBJETO) 1. O presente programa tem por objeto a definição das regras a que obedece a entrega das candidaturas e os trâmites subsequentes até à atribuição do direito à instalação e exploração

Leia mais

Instrução n. o 4/2015 BO n. o

Instrução n. o 4/2015 BO n. o Instrução n. o 4/2015 BO n. o 6 15-06-2015 Temas Supervisão Elementos de Informação Índice Texto da Instrução Mapas anexos à Instrução 4/2015 Notas auxiliares de preenchimento anexas à Instrução 4/2015

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2013

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2013 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2013 Por alteração da Orientação de Gestão da Orientação de Gestão n. º 1/2012 (06-01-2012), n.º 1/2010 (29-03-2010) e da Orientação de Gestão n.º 7/2008 (21-01-2009) REGRAS

Leia mais

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing)

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES 1 Princípios Gerais A Caixa Económica Montepio Geral, nos termos do Regime Geral das Instituições

Leia mais

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto DECRETO N.º 378/X Estabelece medidas de protecção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a exploração sexual e o abuso sexual de crianças e procede à segunda

Leia mais

Relatório dos Resultados do Questionário de Satisfação aos Clientes Externos do GPP

Relatório dos Resultados do Questionário de Satisfação aos Clientes Externos do GPP Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral Relatório dos Resultados do Questionário de Satisfação aos Clientes Externos do GPP 2015 Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral

Leia mais

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português;

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português; Regime Complementar do Procedimento de Inspeção Tributária Artigo 12.º 1 2 3 - O disposto nos números anteriores compreende, relativamente aos grandes contribuintes, a decisão antecipada, sobre a qualificação

Leia mais

DECRETO N.º 42/XIII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 42/XIII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 42/XIII Regime da restituição de bens culturais que tenham saído ilicitamente do território de um Estado membro da União Europeia (transpõe a Diretiva 2014/60/UE do Parlamento Europeu e do

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA Maio de 2012 REGULAMENTO DO ESTÁGIO Preâmbulo De acordo com o previsto na alínea 3

Leia mais

10º CONGRESSO NACIONAL DE MECÂNICA EXPERIMENTAL

10º CONGRESSO NACIONAL DE MECÂNICA EXPERIMENTAL 10º CONGRESSO NACIONAL DE MECÂNICA EXPERIMENTAL Lisboa LNEC 12 a 14 de outubro de 2016 GUIA PARA PATROCÍNIOS 1 de 5 INTRODUÇÃO O Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) vai organizar de 12 a 14

Leia mais

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A.

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA E FINANÇAS NOS, SGPS, S.A. 1/5 O presente instrumento regulamenta o exercício de competências e deveres, e o funcionamento, da Comissão de Auditoria e Finanças da NOS

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GE 3 SECÇÃO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 77/25

Jornal Oficial da União Europeia L 77/25 23.3.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 77/25 REGULAMENTO (UE) N. o 284/2011 DA COMISSÃO de 22 de Março de 2011 que fixa as condições específicas e os procedimentos pormenorizados para a importação

Leia mais

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional Relatório Anual 2015 Gerenciamento de Risco Operacional Sumário Introdução Estrutura de Risco Operacional Responsabilidades Metodologia de Gerenciamento Aprovação e Divulgação Conclusão 1 Introdução Em

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE DIRETOR CLÍNICO

ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE DIRETOR CLÍNICO ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE DIRETOR CLÍNICO Ao abrigo do artigo 15.º, n.º 1, do Decreto-Lei n.º 184/2009, de 11 de agosto, e no uso da competência que lhe é conferida pela

Leia mais

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD)

Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Planeamento e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Rita Teixeira d Azevedo O planeamento e a gestão de resíduos de construção e demolição pretende identificar e implementar os elementos necessários

Leia mais

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo 2016/2017

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo 2016/2017 INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA Condições de acesso ao incentivo 2016/2017 A Lei nº 82-D/2014, de 31 de dezembro (Lei da Fiscalidade Verde ), alterada pela Lei n.º 7-A/2016 de 30 de

Leia mais

Óleos Alimentares Usados - Rede nacional de recolha 2010

Óleos Alimentares Usados - Rede nacional de recolha 2010 Óleos Alimentares Usados - Rede nacional de recolha 2010 Índice Rede nacional de recolha de óleos alimentares usados... 3 Opções de gestão dos OAU da rede municipal... 6 2 Rede nacional de recolha de óleos

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO

ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DOS CURSOS DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho DISCIPLINA APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B Prova 303/2016

Leia mais

o Identificação do medicamento (nome comercial, DCI, n.º de lote, tamanho de embalagem);

o Identificação do medicamento (nome comercial, DCI, n.º de lote, tamanho de embalagem); Requisitos e condições necessários à obtenção de autorização para dispensa de medicamentos ao domicílio e através da Internet por parte das farmácias, ao abrigo da Portaria n.º 1427/2007, de 2 de novembro

Leia mais

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC)

O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra Incêndio (ANPC) O Enquadramento Legal da Manutenção de O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra O Enquadramento Legal da Manutenção de Sistemas de Proteção Ativa (passiva) contra

Leia mais

Formação Algarve PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE

Formação Algarve PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE Em que consiste Concessão de um apoio financeiro à renovação, à conversão de contratos de trabalho a termo ou à celebração de novos contratos de trabalho com ex-trabalhadores

Leia mais

Portaria n.º 879-A/2010, de 29 de Novembro, Série II, n.º231

Portaria n.º 879-A/2010, de 29 de Novembro, Série II, n.º231 Aprova os modelos oficiais do recibo designado de recibo verde electrónico A generalização da utilização das tecnologias da informação e da comunicação nos procedimentos administrativos é reconhecida internacionalmente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) 1. A Comissão de Controlo do Governo Societário (CCGS) é designada pelo Conselho de Administração

Leia mais

PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda

PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda 1 PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO Novo Regulamento, o que Muda Regulamento (UE) nº 305/2011 versus Diretiva nº 89/106/CEE Melo Arruda Encontro promovido pelo Bureau Veritas e IPQ 6 de novembro de 2012 2 Tópicos

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

autoridade tributária e aduaneira

autoridade tributária e aduaneira ' Ofício Circulado N.º: 35.070 2017-01-24 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal {NIF): O Sua Ref.ª: Técníco: Classificação: 210.25.01 Segurança: Uso Interno Processo: 19/2017 Diretores de Alfândegas

Leia mais

AS NOVAS DIRETIVAS EUROPEIAS

AS NOVAS DIRETIVAS EUROPEIAS SEMINÁRIO "Obras Subterrâneas Complexas, Riscos Contratuais e CCP: como conviver?" AS NOVAS DIRETIVAS EUROPEIAS Apontamentos para o Futuro da Contratação Pública em Portugal Fernando Silva Lisboa 02 de

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 02/2012

INSTRUTIVO N.º 02/2012 INSTRUTIVO N.º 02/2012 Considerando que o Banco Nacional de Angola é a instituição competente para autorizar a constituição e proceder à supervisão das casas de câmbio, nos termos da Secção I do Capítulo

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016 Considerando que o Regime Jurídico de Apoio ao Movimento Associativo Desportivo, aprovado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 21/2009/A,

Leia mais

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 32 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS Nos termos do Regulamento do

Leia mais

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Publicado no Diário da República, I série, nº 61, de 29 de Março AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Considerando a necessidade de se estabelecer os padrões para o exercício do serviço de remessas de valores

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS

Leia mais

REGULAMENTO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de XXX

REGULAMENTO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de XXX COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, XXX SANCO/10387/2013 Rev.1 (POOL/E3/2013/10387/10387R1- EN.doc) D030733/02 [ ](2013) XXX draft REGULAMENTO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de XXX que concede uma derrogação a certas

Leia mais

Índice. Direção Geral de Alimentação e Veterinária Direção de Serviços de Segurança Alimentar - Divisão de Controlo da Cadeia Alimentar

Índice. Direção Geral de Alimentação e Veterinária Direção de Serviços de Segurança Alimentar - Divisão de Controlo da Cadeia Alimentar Índice 1. Introdução 2. Universo 3. Resumo dos dados relativos à execução do plano 4. Taxa de execução do plano 5. Nº de pisciculturas controladas 6. Nº de vistorias regulares 7. Nº de amostras colhidas

Leia mais

PORTUGAL 2020: A IMPORTÂNCIA DA ELEGIBILIDADE DAS DESPESAS

PORTUGAL 2020: A IMPORTÂNCIA DA ELEGIBILIDADE DAS DESPESAS 21 de maio de 2015 PORTUGAL 2020: A IMPORTÂNCIA DA ELEGIBILIDADE DAS DESPESAS Ao abrigo do Acordo de Parceria estabelecido entre Portugal e a Comissão Europeia, denominado Portugal 2020, as empresas portuguesas

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

REGIME JURÍDICO DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS REGIME JURÍDICO DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS PORTO, 18 JUNHO 2015 José Luís Esquível LEI 52/2015, de 09.06 Aprova o RJSPTP Extinção das Autoridades Metropolitanas de Lisboa e do Porto

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

Fundo Florestal Permanente

Fundo Florestal Permanente Fundo Florestal Permanente Encontro Nacional Zonas de Intervenção Florestal Centro de Interpretação da Serra da Estrela Seia 30 de abril de 2013 Enquadramento legal e objetivos Sumário Mecanismos de financiamento

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 37/2013

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 37/2013 INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 37/2013 Regulamento dos deveres de prevenção e combate ao branqueamento de vantagens de proveniência ilícita e ao financiamento do terrorismo no setor comercial Índice 1.Introdução...

Leia mais

Projeto de Regulamento que define os Requisitos Técnicos do Sistema Técnico de Jogo Online com Liquidez Partilhada

Projeto de Regulamento que define os Requisitos Técnicos do Sistema Técnico de Jogo Online com Liquidez Partilhada Projeto de Regulamento que define os Requisitos Técnicos do Sistema Técnico de Jogo Online com Liquidez Partilhada 1 Índice 1 Enquadramento Legal... 3 1.1 Objeto... 3 1.2 Destinatários... 3 1.3 Versão...

Leia mais

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho A informação como prevenção do conflito Isabel Andrade Álvaro Carvalho Encontro Nacional de Entidades Gestoras Coimbra, 4 de dezembro de 2013 A importância da informação aos utilizadores Abastecimento

Leia mais

Inventário e registo de substâncias Aplicação da Directiva SEVESO e do Regulamento REACH

Inventário e registo de substâncias Aplicação da Directiva SEVESO e do Regulamento REACH Inventário e registo de substâncias Aplicação da Directiva SEVESO e do Regulamento REACH Objectivo Esclarecer todos os colaboradores da Empresa, que participam na compra de matérias primas e produtos,

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT20 62 2015 10 Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública (SAMA2020) DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Manuela Gomes Directora do Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Despacho: Concordo. Envie-se a presente a informação à Senhora Diretora Municipal do Ambiente e Serviços

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA.

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA. SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA Código 19 3.º Ciclo do Ensino Básico Ano Letivo 2015 / 2016 O presente documento

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS O primeiro outorgante, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P., doravante designado

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 5/2016. Projeto de Regulamento relativo aos Deveres de reporte dos Peritos Avaliadores de Imóveis

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 5/2016. Projeto de Regulamento relativo aos Deveres de reporte dos Peritos Avaliadores de Imóveis DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 5/2016 Projeto de Regulamento relativo aos Deveres de reporte dos Peritos Avaliadores de Imóveis ÍNDICE I. ENQUADRAMENTO... 2 1. Âmbito do projeto... 2 1.1. Introdução...

Leia mais