UNIVERSIDADE FEDERAL DE SAO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SAO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SAO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIRURGIA E EXPERIMENTAÇÂO Coordenador: Prof. Dr. José Luiz Martins Critérios de indicação de cirurgia bariátrica: utilização da lógica fuzzy na comparação entre índice de massa corporal versus gordura corporal avaliada por impedância bioelétrica Projeto de Pesquisa - Mestrado Susana Abe Miyahira Orientador: Prof. Dr. João Luiz Moreira Coutinho de Azevedo Co-orientador: Dr. José Ernesto Araújo Filho São Paulo 2009

2 2 Sistema de suporte à decisão baseado na lógica fuzzy para indicação de cirurgia bariátrica: índice de massa corporal versus gordura corporal avaliada por impedância bioelétrica Resumo: A obesidade tem caráter atual de epidemia universal e constitui importante causa de morte e de co-morbidades. O índice de massa corporal (IMC) utilizado na orientação de tratamento da obesidade e indicação de cirurgia bariátrica afere o excesso de peso e não o de gordura corporal (GC), contudo, o fator prejudicial na obesidade é o acúmulo de gordura. A impedância bioelétrica (BIA) afere a percentagem de GC (%GC) de maneira simples e pouco onerosa. Não existe na literatura, até o momento, informação consistente acerca de qual é a %GC correspondente ao IMC compatível com a prescrição do tratamento cirúrgico, e nem a partir de que o grau de %GC há relação com o aparecimento de comorbidades.objetivos: Idealização de um sistema de suporte à decisão difuso (FDSS) para indicação de cirurgia bariátrica construído à luz da lógica fuzzy avaliando IMC e de %GC obtido através da BIA e a presença de co-morbidades. Métodos: Estudo prospectivo. Amostra de 300 pacientes ou mais, alocados segundo sexo, IMC, BIA e co-morbidades. Os resultados serão analisados avaliando superposições entre IMC, BIA e co-morbidades segundo a teoria booleana e também segundo a teoria dos conjuntos difusa. As variáveis paramétricas serão analisadas pelos testes t-student e ANOVA e as variáveis não paramétricas pelo teste dox 2. Para avaliação dos dados difusos será utilizado o programa Matlab. Introdução Caracterização da situação-problema A condição clínica caracterizada como obesidade tem caráter atual de epidemia universal. Essa enfermidade é importante causa de morte e de doenças relacionadas (comorbidades), as quais incidem de forma diretamente proporcional à magnitude da condição clínica de obesidade 1-5.

3 3 Dessa forma, há grande interesse clínico no dimensionamento da obesidade, para fins de avaliação de riscos e de prescrição de tratamentos e, mesmo da indicação de tratamento cirúrgico. Nesse sentido, é internacionalmente reconhecido o sistema de gradação da obesidade mediante o índice de massa corporal (IMC) também chamado de Quetelet index 6, que é uma relação matemática de proporcionalidade entre o peso corporal do indivíduo em quilogramas (P) e o quadrado da sua altura expressa em metros (A): IMC = P/A 2. A classificação de sobrepeso e obesidade com os pontos de corte baseada no estudo do National Institute of Health 7 e da Organização Mundial de Saúde 8 são apresentados na tabela 1. Diretrizes federais para a classificação de sobrepeso e obesidade em adultos por meio do IMC Classificação de sobrepeso Classe de obesidade IMC Peso abaixo do normal <18,5 Normal 18,5 a 24,9 Sobrepeso 25 a 29,9 Obesidade Grau I 30 a 34,9 Obesidade Grau II 35 a 39,9 Obesidade mórbida Grau III 40 Tabela1. Se por um lado, a determinação do IMC é um mecanismo para auxiliar a aferição de excesso de peso e não de gordura corporal (GC), por outro, a mensuração discriminada da GC tem maior valor que a simples determinação do peso corporal global, visto que o fator prejudicial maior na obesidade é o acúmulo de depósitos de gordura no corpo, pois o peso da massa magra não sobrecarrega a saúde do portador Adicionalmente, o IMC revela-se um método impreciso e de pouca acurácia para mensurar a GC em classificações distintas, por exemplo, em populações de variadas idades e diferentes constituições físicas. Entretanto, apesar destas limitações, o IMC é utilizado na orientação de tratamento da obesidade, bem como na indicação de cirurgia bariátrica Tabela 2

4 4 Indicação de cirurgia bariátrica de acordo com IMC e co-morbidades IMC >35 e <40 IMC >40 Sem co-morbidades Sem indicação Com indicação Com co-morbidades Com indicação Com indicação Tabela 2 Assim sendo, tanto a avaliação da obesidade como a indicação de seu tratamento, fundamentadas na análise da composição corporal estimando a quantificação do teor de GC, da massa magra e da água corporal total e considerando as diferenças segundo a idade, o sexo e os grupos étnicos, são mais fidedignas e adequadas quando comparadas à avaliação do IMC 18. A tabela 3 apresenta a percentagem de gordura corporal (%GC) segundo idade, sexo e grupo étnico segundo estudo do terceiro National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES III) 19. PERCENTAGEM DE GORDURA CORPORAL (%) Não hispânico branco Não hispânico negro Americano mexicano Idade (anos) Média Média Média Homens 12 13,9 18,4 19, ,9 18,4 17,8 18, ,9 17,7 18,6 21, ,9 19,6 19,9 22, ,9 21,8 23,7 24, ,9 23,6 23,6 25, ,9 24,2 24,9 26, ,9 25,1 25,1 26, ,9 26,2 24,9 26, ,9 25,1 24,3 26,1 Mulheres 12 13,9 24,8 26,9 28, ,9 29,1 30,9 31, ,9 30,7 32,6 33, ,9 30,8 33,3 33,5

5 , ,5 35, , ,9 35,4 39,4 39, ,9 37, , ,9 36,9 39,8 39, ,9 35,9 38,5 37,8 Tabela 3. A tabela 4 apresenta a classificação de sobrepeso e da obesidade segundo (%GC). Classificação do sobrepeso e da obesidade %GC Mulheres Homens ADEQUADA <25% <15% LEVE 25 30% 15 20% MODERADA 30 35% 20 25% ELEVADA 35 40% 25 30% MÓRBIDA >40% >30 % Tabela 4. Fonte: Adaptado de NIDDK, Entre os procedimentos considerados como referência para avaliação da composição corporal e mais acurados para aferição da GC estão a densitometria ou pesagem hidrostática e a absortometria de raios-x de dupla energia (DEXA). Todavia, esses métodos requerem equipamento especial e de alto custo, são onerosos, complexos e de realização demorada, o que limita sua utilização na prática clínica e em estudos epidemiológicos 17. A densitometria ou pesagem hidrostática envolve o princípio de Arquimedes e calcula o percentual de GC a partir da densidade corporal, isto é, a relação entre o peso corporal e o volume corporal. Contudo, a pesagem hidrostática tem limitações e apresenta fontes de erro inerentes ao procedimento, mesmo considerada como método de referência. Por exemplo, não calcula as diferenças individuais na densidade óssea e é necessário medir o volume residual pulmonar para calcular a densidade corporal. Requer ainda equipamento de alto custo e complexidade, é um procedimento demorado e oneroso, além de promover desconforto para alguns indivíduos, quando a submersão do corpo e da cabeça em água é difícil e causa ansiedade. Por essas razões a utilização da densitometria é limitada na

6 6 prática clínica, em estudos epidemiológicos e como método de avaliação para indicação de cirurgia bariátrica 17. Outro método concebido para avaliação da composição corporal, a absortometria de raios-x de dupla energia (DEXA), consiste em procedimento de alta tecnologia que utiliza emissão de dois feixes distintos de raios-x de baixa energia e estima porcentagem de GC com acurácia, quantificando a gordura e massa magra regional não óssea, incluindo o conteúdo mineral das estruturas ósseas mais profundas,20,21. Este método apresenta como vantagens a capacidade de analisar a composição corporal por segmentos, informando quanto à distribuição anatômica da gordura e não depender das considerações acerca da constância biológica dos componentes adiposos e dos isentos de gordura, como na pesagem hidrostática. Entretanto, a DEXA também constitui método dispendioso e complexo, além de envolver emissão de radiação ainda que de baixa potência, o que limita sua utilização na prática clínica e em estudos epidemiológicos 17,18. Configura-se ainda, como método alternativo para avaliação da composição corporal, a impedância bioelétrica (BIA), que envolve a passagem de pequena corrente elétrica através das extremidades do corpo e a medida da resistência encontrada. A massa livre de gordura, que consiste principalmente numa solução aquosa de íons, é boa condutora de corrente e registra baixa impedância, ao passo que a massa gorda não conduz eletricidade tão bem e tem impedância alta 15. A resistência ao fluxo da corrente é, assim, inversamente relacionada com massa livre de gordura. Dessa forma, a BIA mede a composição corpórea indiretamente, baseado no princípio da condutividade elétrica e da sua relação estável com a água corporal e utiliza a resistência, a reatância e o ângulo de fase como parâmetros bioelétricos Resistência é a oposição oferecida pelo fluido corporal à corrente elétrica alternada e é inversamente proporcional à quantidade de água e eletrólitos contidos nos tecidos. No corpo humano, os tecidos magros são altamente condutores por constituírem reservatório de grande quantidade de água e eletrólitos, representando desta maneira um meio de baixa resistência. Reatância, também conhecida como resistência capacitiva, é a oposição ao fluxo da corrente elétrica causada pela capacitância. Por definição, um capacitor consiste em duas ou mais placas condutoras separadas por um isolante ou material não condutivo, utilizado para armazenar carga elétrica. No ser humano, a membrana celular é formada por uma camada de lipídeos não condutora que permeia duas

7 7 camadas condutoras de proteínas. Teoricamente, a reatância é a medida da capacitância da membrana celular e o indicador da quantidade de massa intracelular ou da massa celular do corpo. Enquanto a gordura corporal, a água total e a água extracelular oferecem resistência à corrente elétrica, somente a membrana celular apresenta reatância, sendo que nesta última podem ocorrer variações dependendo da integridade, funcionamento e composições celulares. Ângulo de fase é um método linear de medir a relação entre a resistência e reatância em circuitos elétricos em série ou em paralelo. O ângulo de fase pode variar de 0 a 90 graus: zero grau se o circuito é só resistivo (como em um sistema de membranas celulares) e noventa graus se o circuito é só capacitivo (apenas membranas, sem fluido). Um ângulo de fase de 45 graus reflete um circuito (ou corpo) com igual quantidade de reatância capacitiva e resistência, como em vegetais frescos. A média do ângulo de fase para um individuo saudável é de aproximadamente de 4 a 10 graus, dependendo do sexo. Ângulos de fase menores (baixa reatância) podem ser associados à morte celular ou a uma alteração na permeabilidade seletiva da membrana celular. Ângulos de fase mais altos (reatância alta) podem ser associados a maiores quantidades de membranas celulares intactas, isto é, maior massa celular no corpo 23. Ângulo de fase = arc-tangente reatância /resistência x 180/π A corrente elétrica utilizada pela BIA pode ser emitida em freqüência simples ou por multifreqüência. A BIA de freqüência simples surgiu na década de 80, e em 1990, foi lançada no mercado a BIA de múltipla freqüência, que utiliza o modelo de regressão linear e inclui impedâncias de diferentes freqüências (0, 1, 5, 50, 100, 200, e 500kHz) para avaliar massa livre de gordura, água corporal total, intracelular e extracelular 23. Esta técnica exige condições padronizadas para realização das mensurações, em especial, a colocação dos eletrodos, posição corporal do indivíduo, estado de hidratação adequado, ausência de ingestão de alimentos e de álcool previamente à avaliação, e abstenção de atividade física recente. A exatidão preditiva da BIA pode ser influenciada pelo grau de adiposidade corporal, idade, sexo, características étnicas, patologias que alteram conformação corporal e fatores que modificam a composição hidroeletrolítica. A fim de dirimir resultados conflitantes faz-se necessário utilizar as equações preditivas adequadas para as populações em estudo

8 8 Apesar destas desvantagens, e considerados os aspectos práticos, a proposta da utilização da BIA na determinação percentagem de gordura corporal (%GC) em obesos, para fins de dimensionamento da obesidade e de seu tratamento, principalmente a indicação do tratamento cirúrgico, tem sentido. Todavia não existe na literatura, até o momento, informação consistente acerca de qual é a percentagem de gordura distribuída pelo organismo, correspondente ao IMC e que seja compatível com a prescrição do tratamento cirúrgico, e tampouco, a partir de que grau de %GC há relação com o aparecimento de comorbidades que acompanham a obesidade. Considerando-se que a %GC é o indicativo mais fidedigno de obesidade que o IMC que prescreve cirurgia e também que esse teor de GC é mais fidedigno para avaliar o risco do indivíduo permanecer obeso, parece ser mais adequado basear-se nele para indicar a cirurgia. A busca de um modelo mais acurado para avaliação da obesidade e, por conseguinte, de seu tratamento mais adequado, levou a idealização de um índice indicador do tratamento cirúrgico da obesidade utilizando IMC, %GC medida através da BIA e presença de co-morbidades avaliados à luz da teoria de conjuntos difusos e lógica fuzzy. A teoria de conjuntos difuso e lógica fuzzy introduzida por Lofti Aliasker Zadeh em 1965, foi desenvolvida para lidar com conceito de verdades parciais, com limites mal definidos, variando de completamente verdadeiro a completamente falso, passando gradualmente de uma condição à outra. Diferentemente da teoria de conjuntos clássica baseado no princípio aristotélico do terceiro excluído, onde o elemento pertence ou não a uma classe, um conjunto difuso contempla a pertinência gradual e não absoluta de um elemento de uma classe e constitui, assim, ferramenta poderosa para tratar com termos imprecisos, incertos ou vagos, apontando soluções consistentes, amigáveis e de baixo custo para problemas reais Estas características e a capacidade para lidar com as variáveis lingüísticas ou termos lingüísticos, a facilidade de entendimento, o baixo custo computacional e a habilidade para incorporar aos sistemas a experiência do especialista e valores atribuídos, justificam o crescente número de trabalhos aplicando a teoria de conjuntos difusos e lógica fuzzy em questões biomédicas. Dessa forma, esta abordagem matemática torna-se uma opção extremamente interessante para elaborar modelos médicos, seja em sistemas de diagnose, no tratamento de imagens médicas, em epidemiologia ou saúde pública

9 9 Recentes publicações demonstram o aumento progressivo de utilização da lógica fuzzy nas diversas áreas médicas: medicina interna, cardiologia, cirurgia vascular, terapia intensiva, pediatria, endocrinologia, oncologia, gerontologia, cirurgia plástica, ortopedia, anestesiologia, dermatologia, oftalmologia, otorrinolaringologia, ginecologia, urologia, neurologia, psiquiatria, radiologia, em análise de imagens e dados laboratoriais, medicina forense e também nas áreas de ciências básicas: fisiologia, anatomia, patologia, bioquímica, farmacologia e genética Com o intuito de validar esta abordagem foi elaborado um estudo que utilizou os valores de IMC e de %GC obtidos a partir de medidas antropométricas, DEXA, BIA, ou densitometria de pacientes do sexo masculino, selecionados nos banco de dados Medline e Medscape, e que foram avaliados à luz da lógica fuzzy. Este estudo preliminar concluiu que o IMC não é adequado para indicação de cirurgia bariátrica em todas as condições e que a teoria de conjuntos difusa e lógica fuzzy torna-se uma alternativa para tomada de decisão para indicação de cirurgia bariátrica baseada no Índice de Obesidade Fuzzy Miyahira- Araújo (MAFOI). Um novo índice correlacionando IMC, %GC e a presença de comorbidades, pode assumir um importante papel na medicina transformando o caminho como a obesidade é percebida e tratada 49. (ANEXOI) Objetivos Este estudo tem como objetivo geral propor um modelo de avaliação da obesidade e critérios de indicação de cirurgia bariátrica e como objetivo específico propor um sistema de suporte a decisão difuso (Fuzzy Decision Support System - FDSS) para a indicação da cirurgia bariátrica baseado em um índice de avaliação de obesidade construído à luz da lógica fuzzy combinando IMC e %GC obtido através da BIA e a presença de comorbidades. Este índice utiliza-se das vantagens dos métodos anteriores e tem por objetivo compensar as desvantagens dos mesmos. Visto que índice pode ser entendido como uma relação entre os valores de qualquer medida ou gradação, esta proposição preconiza um índice que relaciona os indicadores de obesidade previamente apresentados, em particular, o IMC e a %GC, através da lógica fuzzy, fazendo com que eles trabalhem em sinergia ao invés de forma controversa (contraditória, competitiva).

10 10 Métodos Este projeto será um estudo prospectivo, realizado no Hospital Municipal Dr. José de Carvalho Florence (HMJCF) e no Programa de Pós-Graduação em Cirurgia e Experimentação da Disciplina de Técnica Operatória do Departamento de Cirurgia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), após aprovação da Comissão de Ética Médica (CEM) do HMJCF (Aprovado), da Comissão de Ética e Pesquisa (CEP) da Universidade de Taubaté (UNITAU) (Aprovado em 12/12/2008 protocolo n o 536/08) e do CEP da UNIFESP (Submetido em 08/05/09 - Protocolo n o 0658/09- aguardando aprovação) e da obtenção do consentimento livre e esclarecido dos pacientes. Todos os pacientes participantes do estudo assinarão o termo de consentimento livre e esclarecido, em obediência à Resolução n o 196/96 do Conselho Nacional de Saúde (CNS)/Ministério da Saúde (MS) e em suas complementações (Resoluções 240/97, 251/97, 292/99, 303/00 e 304/00 do CNS/MS). (ANEXO II) Serão incluídos pacientes de ambos os sexos, com idade maior ou igual a 18 anos, com IMC >18,5, provenientes dos ambulatórios do HMJCF. Os critérios de exclusão serão: recusa do paciente em participar do estudo, pacientes apresentando insuficiência renal, alterações hidroeletrolíticas, hidratação inadequada, ascite, cirrose, portadores de marcapassos, com amputação de membro inferior ou de membro superior. Serão mensurados peso, altura e %GC dos pacientes no mesmo dia, em momentos subseqüentes. Serão estudados no mínimo 300 pacientes que serão alocados em seis grupos segundo IMC, conforme tabela 1 e em cinco grupos segundo a %GC, conforme tabela 3.

11 11 Feminino Masculino Grupos IMC Grupos IMC M 18,5 24,9 M 18,5 24,9 SP 25 29,9 SP 25 29,9 OI 30 34,4 OI 30 34,4 OII 35 39,9 OII 35 39,9 OIII > 40 OIII > 40 Tabela 1. IMC=índice de massa corporal, AP=abaixo do peso, M=magro, SP=sobrepeso, OI=obesidade grau I, OII=obesidade grau II, OIII=obesidade grau III. Para o cálculo da IMC será utilizado estapedômetro graduado a cada 0,5 cm e balança digital com intervalo de 0,1kg. Os pacientes terão sua composição corporal: %GC e massa livre de gordura, avaliada através da análise da BIA. Para tanto será utilizado aparelho RJL Systems BIA 101Q (RJL Systems, Clinton Township, MI). O aparelho utiliza corrente elétrica de baixa intensidade (0,8mA) e de baixa freqüência (50kHz). Quatro eletrodos serão posicionados no hemicorpo direito: dois no dorso da mão (eletrodos transmissores) e dois no dorso do pé (eletrodos receptores), tal como referido por Heyward & Stolarczyk 50. Os indivíduos serão orientados a se absterem de álcool no dia anterior e permanecerem em jejum para alimentos sólidos nas 6h e líquidos nas 4h anteriores ao momento das medidas, serão também orientados a não fazerem atividades físicas vigorosas nas 6h anteriores ao momento das medidas e vestirão roupas leves. Por esta técnica, estimar-se-ão os valores de BIA que serão obtidos a partir das equações incorporadas no próprio equipamento, conforme descrito por Segal 25. Os pacientes serão também avaliados se têm co-morbidades. Os valores de IMC, %GC e presença de comorbidades, serão confrontados e analisados de modo a avaliar quais as co-morbidades se superpõe ao IMC e %GC como descrito a seguir:

12 12 I) Considerando-se o IMC=25 e a %GC =20 como limites superiores de normalidade para indivíduos do sexo masculino, e que um valor de IMC=40, seguramente representa a condição da doença obesidade, utilizando-se regra de três simples, encontra-se o teor de GC que corresponde ao IMC=40, de tal forma que IMC=25 está para IMC=40 assim como %GC =20 está para %GC=32. Em tese, e, apoiado na lógica cartesiana e aristotélica, as pessoas do sexo masculino com %GC =32 terão o índice de teor de GC que corresponde ao IMC=40. Supondo que o indivíduo com IMC=40 e %GC =32, em cálculo normal, verificarse-á se isso corresponde à realidade ou não, se esse indivíduo tem realmente uma comorbidade ou não. Será então avaliado se o indivíduo com IMC=40 tem comorbidades e qual a relação das comorbidades com %GC =32. De maneira semelhante, considerando-se IMC=25 e %GC =30 como limites superiores de normalidade para indivíduos do sexo feminino, e que um valor de IMC=40, seguramente representa a condição da doença obesidade, utilizando-se regra de três simples, encontra-se o teor de GC que corresponde ao IMC=40, de tal forma que IMC=25 está para IMC=40 assim como %GC =30 está para %GC=48. As correlações entre IMC, %GC, presença de co-morbidades, serão realizadas separadamente para indivíduos do sexo feminino e do sexo masculino, conforme apresentado a seguir: 1) Sexo masculino, IMC=40 e %GC=32. 2) IMC=40, quais são as co-morbidades que se superpõe à %GC=32? 3) Sexo masculino, IMC=X, %GC=Y. 4) IMC=X, quais são as co-morbidades que se superpõe à %GC=Y? II) Considerando como variáveis lingüísticas de entrada ou premissas, o IMC e a %GC, ou seja, os antecedentes da regra, teremos que o conjunto difuso IMC será particionado nos termos lingüísticos: magro (M), obesidade grau I (OI), obesidade grau II (OII) e obesidade grau III (OIII) e o conjunto difuso %GC por sua vez, será particionado nos termos lingüísticos: adequado (AD), leve (LEV), moderado (MOD), elevado (ELEV) e mórbido (MOR). A avaliação da obesidade/indicação de tratamento cirúrgico constituirá a variável lingüística de saída, ou seja, o conseqüente da regra. Este constituirá um conjunto difuso que será particionado em: magro (M), hipertrofia muscular (HMU), excesso de peso (EP),

13 13 sumotori (SUT), obeso fuzzy (OBFZ), obeso mórbido (OBE). Nessa ordem, serão considerados obesos com indicação tratamento cirúrgico aqueles pacientes classificados como OBFZ, que apresentem co-morbidades e também os que estiverem classificados como OBE com ou sem co-morbidades. Sendo a base de regras assim constituída: R1) Se IMC é M e %GC é AD então é M R2) Se IMC é M e %GC é LEV então é EP R3) Se IMC é M e %GC é MOD então é EP R4) Se IMC é SP e %GC é AD então é HMU R5) Se IMC é SP e %GC é LEV então é HMU R6) Se IMC é SP e %GC é MOD então é EP R7) Se IMC é SP e %GC é ELE então é OFZ R8) Se IMC é SP e %GC é MOR então é OFZ R9) Se IMC é OI e %GC é AD então é HMU R10) Se IMC é OI e %GC é LEV então é HMU R11) Se IMC é OI e %GC é MOD então é SUT R12) Se IMC é OI e %GC é ELEV então é OFZ R13) Se IMC é OI e %GC é MOR então é OFZ R14) Se IMC é OII e %GC é AD então é HMU R15) Se IMC é OII e %GC é LEV então é HMU R16) Se IMC é OII e %GC é MOD então é SUT R17) Se IMC é OII e %GC é ELEV então é OFZ R18) Se IMC é OII e %GC é MOR então é OFZ R19) Se IMC é OIII e %GC é MOD então é OBE R20) Se IMC é OIII e %GC é ELEV então é OBE R21) Se IMC é OIII e %GC é MOR então é OBE As regras ficarão restritas àquelas consideradas relevantes, ou seja, somente as passíveis de ocorrência na prática. A inferência para a tomada de decisão utilizará o método do mínimo de Mamdani e para defuzificação será utilizado o centro de área.

14 14 As variáveis paramétricas serão analisadas pelo teste t-student e teste de variância ANOVA e as variáveis não paramétricas pelo teste do X 2. Para avaliação dos dados difusos será utilizado o programa Matlab. Resultados esperados: 1) Demonstrar que a quantificação da gordura corporal, em especial mediante a BIA, é adequada para a classificação da obesidade e para a indicação de cirurgia bariátrica. 2) Idealizar um sistema difuso de suporte a decisão (FDSS) para indicação de cirurgia bariátrica construído à luz da lógica fuzzy, avaliando o IMC, a %GC obtido através da BIA e a presença de comorbidades. Referências bibliográficas: 1. Kolata G. Obesity declared a disease. Science.1985;227: James WPT, Ralph A. New understanding in obesity research. Proc Nutr Soc. 1999; 58: Cole TJ, Bellizzi MC, Flegal KM, Dietz WH. Establishing a standard definition for child overweight and obesity worldwide: international survey. Br Med J.2000;320: Visscher TL, Seidell JC, Menotti A, Blackburn H, Nissinem A, Feskens EJ, Kromhout D. Underweight and overweight in relation to mortality among men aged and 50-69y: the Seven Countries Study. Am J Epidemiol. 2000;151: Fine JT, Colditz GA, Coakley EH, Moseley G, Manson JE, Willett WC, Kawachi I. A prospective study of weight change and health-relates quality of life in women. JAMA : Calle EE, Thun MJ, Petrelli JM. Body-mass index and mortality in a prospective cohort of U.S. adults. N Engl J Med.1999;341: National Institute of Health. Clinical guidelines on the identification, evaluation and treatment of overweight and obesity in adults the evidence report. Obes Res 1998;6:51S 209S. NAO ENCONTREI! 8. World Health Organization. Report of a WHO Consultation on Obesity. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva, Switzerland: World Health Organization, 1998.

15 15 9. Tseng CH. Body composition as a risk factor for coronary artery disease in Chinese type2 diabetic patients in Taiwan. Circ J. 2003;67: Singh RB, Niaz MA, Beegom R, Wander GS,Thakur AS, Rissam HS. Body fat percent by bioelectrical impedance analisys and risk of coronary artery disease among urban men with low rates of obesity: the Indian paradox. J Am Coll Nutr.1999;18: Nagaya T, Yoshida H, Takahashi H, Matsuda Y, Kawai M. Body mass index (weight/height 2 ) or percentage body fat by bioelectrical impedance analisys: which variable better reflects serum lipid profile? Int J Obes Relat Metab Disord. 1999;23: McLachlan CR, Poulton R, Car G, Cowan J, Filsell S, Greene JM, Taylor DR, Welch D, Williamson A, Sears MR, Hancox RJ. Adiposity, asthma, and airway inflammation. J Allergy Clin Immunol.2007;119: Adams TD, Heath EM, LaMonte MJ, Gress RE, Pendleton R, Strong M, Smith SC, Hunt SC. The relationship between body mass index and per cent body fat in the severely obese. Diabetes Obes Metab.2007;9: Garn SM, Leonard WR, Hawthorne VM. Three limitation of the body mass index. Am J Clin Nutr.1986;44: Ricciardi R, Talbot LA. Use of bioelectrical impedance analisys in the evaluation, treatment, and prevention of overweight and obesity. J Am Acad Nurse Pract.2007;19: Curtin F, Morabia A, Pichard C, Slosman DO. Body mass index compared to dualenergy x-ray absorptiometry: evidence for a spectrum bias. J Clin Epidemiol.1997;50: Saito K, Nakaji S, Umeda T, Shimoyama T, Sugawara K, Yamamoto Y. Development of predictive equations for body density of sumo wrestlers using B-mode ultrasound for the determination of subcutaneous fat thickness. Br J Sports Med.2003;37: Wannamethee SG, Shaper AG, Whincup PH. Body fat distribution, body composition, and respiratory function in elderly men. Am J Clin Nutr.2005;82: Chumlea WC, Guo SS, Kuczmarski RJ, Flega KM, Johnson CL, Heymsfield SB, Lukaski HC, Fried K, Hubbard VS. Body composition estimates from NHANES III bioelectrical impedance data. Int J Obes.2002;26:

16 Ellis KJ. Bone mineral and body composition measurements: cross-calibration of pencil-beam and fan-beam dual-energy x-ray absorptiometers. J Bone Miner Res.1998;13: Sum G, French CR, Martin GR, Younghusband B, Green RC, Xie Y, Mathews M, Barron JR, Fitzpatrick DG, Gulliver W,Zhang H. Comparison of multifrequency bioelectrical impedance analysis with dual-energy x-ray absorptometry for assessment of percentage body fat in a large, healthy population. Am J Clin Nutr.2005;81: Lukaski HC. Validation of tetrapolar bioelectrical impedance method to assess human body composition. J Applied Physiol.1986;60: Kyle KG, Bosaeus I, De Lorenzo AD, Deurenberg P, Elia M, G!omez JM, Heitmann BL, Kent-Smith L, Melchior JC, Pirlich M, Scharfetter H, Schols AMWJ, Pichard C. Bioelectrical impedance analysis - part I: review of principles and methods. Clinical Nutrition.2004;23: Kyle KG, Bosaeus I, De Lorenzo AD, Deurenberg P, Elia M, G!omez JM, Heitmann BL, Kent-Smith L, Melchior JC, Pirlich M, Scharfetter H, Schols AMWJ, Pichard C. Bioelectrical impedance analysis - part II utilization in clinical practice. Clinical Nutrition.2004;23: Segal KR, VanLoan M, Fitzgerald PI, Hodgdon JA, VanItallie TB. Lean body mass estimation by bioelectrical impedance analysis: a four-site cross-validation study. Am J Clin Nutr.1988;47: Shalikh MG, Crabtree NJ, Shaw NJ, Kirk JM. Body fat estimation using bioelectrical impedance. Horm Res.2007;68: Rush EC, Crowley J, Freitas IF, Luke A. Validity of hand-to-foot measurement of bioelectrical impedance: standing compared with lying position. Obesity.2006;14: Vasudev S, Mohan A, Mohan D, Farooq S, Raj D, Mohan V. Validation of body fat measurement by skin folds and two bioelectrical impedance methods with DEXA the Chennai Urban Rural Epidemiology Study [CURES]. J Assoc Physicians India.2004;52:

17 Newton RL, Alfonso A, White MA, York-Crowe E, Walden H, Ryan D, Brav GA, Williamson DA. Percent body fat measured by BIA and DEXA in obese, African- American adolescent girls. Int J Obes.2005;29: Carrasco F, Reyes E, Rimler O, Rios F. [Predictive accuracy of body mass index in estimating body fatness measured by bioelectrical impedance]. Arch Latinoam Nutr.2004;54: Jakicic JM, Wing RR, Lang W. Bioelectrical impedance analysis to assess body composition in obese adult women: the effect of ethnicity. Int J Obes Relat Metab Disord.1998;22: Roubenoff R. Applications of bioelectrical impedance analysis for body composition to epidemiologic studies. Am J Clin Nutr.1996;644:459S-62S. 33. Newton RL, Alfonso A, York-Crowe E, Walden H, White MA, Ryan D, Williamson DA. Comparison of body composition methods in obese African-American women. Obesity.2006;14: Wells JC, Williams JE, Fewtrell M, Singhal A, Lucas A, Cole TJ. A simplified approach to analyzing bio-electrical impedance data in epidemiological surveys. Int J Obes.2007;31: Willet K, Jiang R, Lenart E, Spiegelman D, Willet W. Comparison of bioelectrical impedance and BMI in predicting obesity-related medical conditions. Obesity.2006;14: Sartorio A, Malavolti M, Agosti F, Marinone PG, Caiti O, Battistini N, Bedogni G. Body water distribution in severe obesity and its assessment from eight-polar bioelectrical impedance analysis. Eur J Clin Nutr.2005;59: Guida B, Trio R, Pecoraro P, Gerardi MC, Laccetti R, Nastasi A, Falconi C. Impedance vector distribution by body mass index and conventional bioelectrical impedance analysis in obese women. Nutr Metab Cardiovasc Dis.2003;13: Zadeh LA. Fuzzy control. Informat Control.1965;8: Zadeh LA. Probability measures and fuzzy events. J Math Anal Appl.1968;23: Miki Y, Grossman RI, Udupa JK, Samarasekera S, van Buchem MA, Cooney BS, Pollack SN, Kolson DL, Constantinescu C, Polansky M, Mannon LJ. Computer-

18 18 assisted quantitation of enhancing lesions in multiple sclerosis: correlation with clinical classification. Am J Neuroradiology.1997;18: Nascimento LFC, Ortega NR. Fuzzy linguistic model for evaluating the risk of neonatal death. Rev Saúde Pública.2002;36: Jensen EW, Litvan H, Revuelta M, Rodriguez BE, Carminal P, Martinez P, Vereecke H, Struys MRF. Cerebral state index during propofol anesthesia. Anesthesiology.2006;105: Martinioni EP, Pfister CA, Stadler KS, Schumacher PM, Leibundgut D, Bouillon T, Bohlen T, Zbinden AM. Model-based control of mechanical ventilation: design and clinical validation. Br J Anaesth.2004;92: Lloyd FJ, Reyna VF. A web exercise in evidence-based medicine using cognitive theory. J Gen Intern Med.2001;16: Litman RS, Wake N, Chan LML, McDonough JM, Sin S, Mahboubi S, Arens R. Effect of lateral positioning on upper airway size and morphology in sedated children. Anesthesiology.2005;103: Virant-Klun I, Virant J. Fuzzy logic alternative for analysis in the biomedical sciences. Computers Biomedical Research.1999;32: Torres A, Nieto JJ. Fuzzy logic in medicine and bioinformatics. J Biomed Biotech.2006;2006: Abbod MF, von Keyserling K, Linken S, Mahfouf M. Survey of utilization of fuzzy technology in Medicine and Healthcare. Fuzzy Sets and Systems.2001;120: Miyahira SA, Araujo JE. Fuzzy Obesity Index for Obesity Treatment and Surgical Indication. In: International Conference on Fuzzy Systems (FUZZ-IEEE), pre-print, Hong-Kong, Heyward VH, Stolarczyk LM, Champaign IL. Applied body composition assessment. Human Kinetics. 1996,88p. Cronograma: Novembro 2008 a fevereiro 2009 pesquisa bibliográfica Junho 2009 a junho 2010 coleta de dados

19 19 Junho 2010 a setembro 2010 avaliação dos dados Outubro 2010 a novembro 2010 entrega dos resultados Orçamento: R$ 8.900, 00 Custo do aparelho para avaliação da composição corporal: RJL Systems BIA 101Q (RJL Systems, Clinton Township, MI), material importado, disponível para aquisição no país. RS$ 150,00 Custo dos eletrodos para utilização com o aparelho de BIA, material importado, disponível para aquisição no país. Despesas com pessoal estão incluídas no orçamento da instituição onde será desenvolvido o estudo, sem gastos adicionais. Despesas de papelaria, fotocópias e material para apresentação em multimídia ficarão a cargo dos pesquisadores.

SUSANA ABE MIYAHIRA SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO BASEADO NA LÓGICA NEBULOSA PARA CLASSIFICAÇÃO DA OBESIDADE E INDICAÇÃO DE CIRURGIA BARIÁTRICA

SUSANA ABE MIYAHIRA SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO BASEADO NA LÓGICA NEBULOSA PARA CLASSIFICAÇÃO DA OBESIDADE E INDICAÇÃO DE CIRURGIA BARIÁTRICA SUSANA ABE MIYAHIRA SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO BASEADO NA LÓGICA NEBULOSA PARA CLASSIFICAÇÃO DA OBESIDADE E INDICAÇÃO DE CIRURGIA BARIÁTRICA Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo para

Leia mais

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal?

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Roberto Fernandes da Costa Mestrando em Educação Física da Escola de Educação Física e Esporte da USP E-mail: costa2001@fitmail.com.br Esta é

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA Kátia Baluz Transplantes realizados no CEMO/INCA Fonte: Ministério da Saúde - INCA. TRANSPLANTE

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA Clara Monteiro 1, Filipa Franco 2, Ana Santos 2, Sara Neves 2 & Ana Neves 1 1 Departamento de Tecnologia

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

Avaliação nutricional de adultos em estudos epidemiológicos

Avaliação nutricional de adultos em estudos epidemiológicos Avaliação nutricional de adultos em estudos epidemiológicos Luiz Antonio dos Anjos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros VERAS, RP., et al., orgs. Epidemiologia: contextos e pluralidade [online].

Leia mais

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada.

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada. I Comparação de Composição Corporal Entre Alunos de Escolas Públicas e Privadas Por: André Shigueo F. Vieira Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Resumo: O objetivo do presente estudo foi analisar

Leia mais

Recursos antropométricos para análise da composição corporal

Recursos antropométricos para análise da composição corporal Recursos antropométricos para análise da composição corporal Procedimentos laboratoriais oferecem estimativas muito precisas sobre os componentes de gordura e de massa isenta de gordura e se tornam, portanto,

Leia mais

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES 1 FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL (04 COMPONENTES) GORDURA CORPORAL MASSA ÓSSEA MASSA MUSCULAR RESÍDUOS FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

6. Sobrepeso e obesidade Introdução

6. Sobrepeso e obesidade Introdução 6. Sobrepeso e obesidade Introdução A prevalência de sobrepeso e obesidade vem aumentando rapidamente no mundo, sendo considerada um importante problema de saúde pública tanto para países desenvolvidos

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN Resumo: A obesidade é reconhecida como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, sabe-se que na população com SD

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

Prevalência da obesidade em meio escolar, estudo realizado ao segundo e terceiro ciclo de escolaridade numa escola na cidade de Beja

Prevalência da obesidade em meio escolar, estudo realizado ao segundo e terceiro ciclo de escolaridade numa escola na cidade de Beja E-motion. Revista de Educación, Motricidad e Investigación 2015, nº 5, pp. 61-68. ISSN: 2341-1473 Copyright: 2015 Grupo de investigación (HUM-643) Edición Web (www.uhu.es/publicaciones/ojs/index.php/e-moti-on/index)

Leia mais

no ciclo de vida: Crescer ou não crescer?

no ciclo de vida: Crescer ou não crescer? Brasília, Nov 2008 Novas abordagens para a nutrição no ciclo de vida: Crescer ou não crescer? Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas Brasil 1 A subnutrição hoje RCIU Baixa A/I Baixo P/A Baixo P/I

Leia mais

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino 1 1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso 0,0

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Referências Bibliográficas 1 - Correia de Campos A. Saúde o custo de um valor sem preço. Lisboa: Editora Portuguesa de Livros Técnicos e Científicos. 1983. 2 - Direcção

Leia mais

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM A SAÚDE DO OBESO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor do Instituto Flumignano de Medicina

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

ANEXO I EDITAL DE ABERTURA Nº 076/2015-UFAM

ANEXO I EDITAL DE ABERTURA Nº 076/2015-UFAM Unidade Acadêmica QUADRO II VAGAS PARA O INSTITUTO DE SAÚDE E BIOTECNOLOGIA Área de Vagas Requisito Mínimo Carga Classe/ Nº de Conhecimento para Horária Padrão Vagas negros Comunidade ÁREA I Comunidade

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 5 A 8 ANOS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 5 A 8 ANOS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA PREVALÊNCIA DE OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 5 A 8 ANOS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Mônica Barros Costa 1 Márcio José Martins Alves 2 Tufi Machado Soares 3 Geovana Maria Gomes 4 Bianca Giovana Ferreira 4 1

Leia mais

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA Escola Superior de Ciências da Saúde Período de Inscrição: 18 de janeiro de 2010 a 19 de fevereiro de 2010. Local de Inscrição:

Leia mais

Health Care & Human Care

Health Care & Human Care Health Care & Human Care O sistema ideal para cuidar da saúde e bem-estar A tecnologia BIA criou um novo standard Liderar a nova tecnologia proporciona resultados precisos em que pode confiar - Composição

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 Valéria Baccarin Ianiski 2, Lígia Beatriz Bento Franz 3, Eliane Roseli Winkelmann 4, Juliana Schneider 5. 1 Atividade relacionada ao Projeto de Iniciação

Leia mais

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP.

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. Alessandra Santana Valadares Cleverson Alves dos Santos Cristiano Rovella Alecsandro Rosa da Silva

Leia mais

InBody220 Dossier Técnico

InBody220 Dossier Técnico InBody220 Dossier Técnico 1. Análise de Composição Corporal 1.1 Factos a ter em conta para a medição precisa com o InBody220 A precisão de um teste, envolvendo o analisador de composição corporal, é dependente

Leia mais

fios e oportunida ATAS DO IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LAZER E SAÚDE

fios e oportunida ATAS DO IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LAZER E SAÚDE OBESIDADE NO 1º CICLO DESENHO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE INTERVENÇÃO NUM ESTUDO TRANSVERSAL Joana Magalhães, Luís Cardoso, Luís Ferreira, Rui Silva, Beatriz Pereira e Graça Carvalho CIEC, Instituto

Leia mais

Proposta de Pontos de Corte para Indicação da Obesidade Abdominal entre Adolescentes

Proposta de Pontos de Corte para Indicação da Obesidade Abdominal entre Adolescentes Proposta de Pontos de Corte para Indicação da Obesidade Abdominal entre Adolescentes Proposal of Cut Points for the Indication of Abdominal Obesity Among Adolescents Rômulo Araújo Fernandes 1, Diego Giulliano

Leia mais

PROGRAMA DATA LOCAL E INFORMAÇÕES HORÁRIO

PROGRAMA DATA LOCAL E INFORMAÇÕES HORÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - SANTA CASA DE PORTO ALEGRE COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 CALENDÁRIO DA 2ª

Leia mais

Detecção do Risco de Sobrepeso em Servidoras Universitárias: Um Estudo Exploratório Resumo Palavras-Chaves: Introdução

Detecção do Risco de Sobrepeso em Servidoras Universitárias: Um Estudo Exploratório Resumo Palavras-Chaves: Introdução ARTIGO ORIGINAL Detecção do Risco de Sobrepeso em Servidoras Universitárias: Um Estudo Exploratório Geraldo de Albuquerque Maranhão Neto 1,2,3 e Cristiano José Martins de Miranda 4 Resumo O sobrepeso em

Leia mais

Balança Digital para Uso Pessoal com Medição do Percentual de Água, Gordura e Massa Muscular Corporal

Balança Digital para Uso Pessoal com Medição do Percentual de Água, Gordura e Massa Muscular Corporal Manual do Usuário Balança Digital para Uso Pessoal com Medição do Percentual de Água, Gordura e Massa Muscular Corporal Modelo Glass 2 FW Importado por: ACCUMED PRODUTOS MÉDICO-HOSPITALARES LTDA R. São

Leia mais

Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Dia: 28 de Novembro de 2015 Local: Porto, Fundação Cupertino de Miranda Tema:

Leia mais

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( )

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário

Leia mais

Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de uma escola da rede privada de Recife

Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de uma escola da rede privada de Recife 96 Jornal de Pediatria - Vol. 77, Nº2, 2001 0021-7557/01/77-02/96 Jornal de Pediatria Copyright 2001 by Sociedade Brasileira de Pediatria ARTIGO ORIGINAL Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Resistência à Insulina e Câncer

Resistência à Insulina e Câncer Resistência à Insulina e Câncer Prof. Adaliene 1 Resistência à Insulina e Câncer Câncer Sobreviventes 11 milhões Resistência à insulina Obesidade 2 1 Obesidade/ Resistência à Insulina e Câncer OVERWEIGHT,

Leia mais

Provas de Função Tireoidiana

Provas de Função Tireoidiana Provas de Função Tireoidiana imunologia 1. INTRODUÇÃO Nos últimos 40 anos, ocorreu uma melhora substancial na sensibilidade e especificidade dos testes tireoidianos principalmente com o desenvolvimentos

Leia mais

ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR

ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR 2 ELIANE SEGUNDA 1 ; 2 LORENE S. YASSIN ANZUATEGUI ; 3 ANTONIO CARLOS FRASSON. Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais, Ponta Grossa,

Leia mais

Utilização da Bioimpedância para Avaliação da Massa Corpórea

Utilização da Bioimpedância para Avaliação da Massa Corpórea Utilização da Bioimpedância para Avaliação da Massa Corpórea Autoria: Associação Brasileira de Nutrologia Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral Elaboração Final: 26 de janeiro de 2009 Participantes:

Leia mais

Prolia para osteoporose

Prolia para osteoporose Data: 29/06/2013 Nota Técnica 105/2013 Número do processo: 0110170-82.2013-813.0525 Solicitante: Juiz de Direito Dr. Napoleão da Silva Chaves Réu: Estado de Minas Gerais Medicamento Material Procedimento

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Antropometria O objetivo desta seção é apresentar a mediana das medidas de peso e altura aferidas no contexto da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009, e analisá-las

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INFORMAÇÕES GERAIS 1 - A Residência em Medicina constitui modalidade de ensino de pós-graduação, destinada

Leia mais

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site

Leia mais

O USO DA ANTROPOMETRIA COMO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM PEDIATRIA

O USO DA ANTROPOMETRIA COMO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM PEDIATRIA ANTROPOMETRIA E COMPOSIÇÃO CORPORAL 351 O USO DA ANTROPOMETRIA COMO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM PEDIATRIA THE USE OF ANTHROPOMETRY AS A METHOD OF EVALUATION OF THE BODY COMPOSITION IN

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

Diagnóstico de sobrepeso e obesidade em escolares: utilização do índice de massa corporal segundo padrão internacional

Diagnóstico de sobrepeso e obesidade em escolares: utilização do índice de massa corporal segundo padrão internacional 001-7557/04/80-0/19 Jornal de Pediatria Copyright 004 by Sociedade Brasileira de Pediatria ARTIGO ORIGINAL Diagnóstico de sobrepeso e obesidade em escolares: utilização do índice de massa corporal segundo

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

Instruções de Uso BALANÇA PARA MONITORAMENTO DA HIDRATAÇÃO E GORDURA DO CORPO. Modelo EF912

Instruções de Uso BALANÇA PARA MONITORAMENTO DA HIDRATAÇÃO E GORDURA DO CORPO. Modelo EF912 BALANÇA PARA MONITORAMENTO DA HIDRATAÇÃO E GORDURA DO CORPO Importado por: Instruções de Uso Modelo EF912 CONTROLLER COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA. Av. Santa Catarina, 1481 - CEP.: 88075-500 Estreito - Florianópolis

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear

Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear A Ruzzarin 1,AM Xavier 2, A Iwahara 1, L Tauhata 1 1 Laboratório Nacional de Metrologia das Radiações Ionizantes/Instituto

Leia mais

Atualização das Diretrizes para o rastreamento do câncer do colo do útero

Atualização das Diretrizes para o rastreamento do câncer do colo do útero Atualização das Diretrizes para o rastreamento do câncer do colo do útero Fábio Russomano Possíveis conflitos de interesses: Responsável por serviço público de Patologia Cervical (IFF/Fiocruz) Colaborador

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica - ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site da ABESO A Pesquisa

Leia mais

Composição corporal de pessoas com deficiências avaliadas pela técnica de pletismografia

Composição corporal de pessoas com deficiências avaliadas pela técnica de pletismografia AUTORES: Mateus Rossato 1 John Lennon Moura Lima 1 Silas Nery de Oliveira 1 Murillo Augusto de Moraes 1 Ewertton de Souza Bezerra 1 Minerva Amorim 2 Lionela Corrêa 2 Khatya A Thome Lopes 2 Composição corporal

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 006 Médico - Anestesiologia

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

ORIGINAL. RESuMO ABSTRACT

ORIGINAL. RESuMO ABSTRACT ORIGINAL ASSOCIAçãO ENtRE GORduRA CORPORAL RELAtIVA E índice de MASSA CORPORAL, CIRCuNFERÊNCIA da CINtuRA, RAZãO CINtuRA-QuAdRIL E RAZãO CINtuRA-EStAtuRA EM AduLtOS JOVENS Recebido: 29/08/2009 Re-submissão:

Leia mais

INTERVENÇÃO NA OBESIDADE EM IDOSOS

INTERVENÇÃO NA OBESIDADE EM IDOSOS INTERVENÇÃO NA OBESIDADE EM IDOSOS DANIELA GOUVÊA CUNHA DE CASTRO DISCIPLINA DE GERIATRIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO 2005 2 INTERVENÇÃO NA OBESIDADE EM IDOSOS

Leia mais

Martins Pereira, S. Moreira, F.; Breda, M.; Pratas, R.; Dias, L. Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Hospital de Braga

Martins Pereira, S. Moreira, F.; Breda, M.; Pratas, R.; Dias, L. Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Hospital de Braga Martins Pereira, S. Moreira, F.; Breda, M.; Pratas, R.; Dias, L. Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Hospital de Braga Introdução Hipertrofia de adenóides e amígdalas como principal

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DA POPULAÇÃO ATENDIDA EM EVENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

PERFIL NUTRICIONAL DA POPULAÇÃO ATENDIDA EM EVENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL PERFIL NUTRICIONAL DA POPULAÇÃO ATENDIDA EM EVENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL Uyeda, Mari RESUMO Este trabalho tem como objetivo traçar o perfil nutricional da população atendida no Centro Universitário

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

Sobrepeso e Obesidade: Diagnóstico

Sobrepeso e Obesidade: Diagnóstico Elaboração Final: 24 de agosto de 2004 Participantes: Godoy-Matos AF, Oliveira J Autoria: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia O Projeto Diretrizes, iniciativa conjunta da Associação Médica

Leia mais

APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA

APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA Resumo Desde o nascer da sociedade, pessoas caminham para realizar tarefas cotidianas com o objetivo de sobreviver e, para se caminhar, é preciso energia, energia

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM IDOSAS ATENDIDAS NOS PROJETOS DA UESB

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM IDOSAS ATENDIDAS NOS PROJETOS DA UESB Artigo Original PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM IDOSAS ATENDIDAS NOS PROJETOS DA UESB PREVALENCE OF OVERWEIGHT AND OBESITY IN ELDERLY ATTENDED IN PROJECTS OF UESB Resumo Ciro Oliveira Queiroz¹

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

Keywords: Body Weight. Height. Body Mass Index. Anthropometry. Artigo original/original Article

Keywords: Body Weight. Height. Body Mass Index. Anthropometry. Artigo original/original Article Artigo original/original Article Validade de peso e estatura informados por mulheres adultas no Município de São Paulo Validity of weight and height informed by adult women in the city of São Paulo ABSTRACT

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV

RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV Fixa o currículo do Curso de Graduação em Medicina, na modalidade Bacharelado, da Universidade do Estado do Amazonas. A REITORA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PESQUISADOR CIENTÍFICO LABORATÓRIOS DE INVESTIGAÇÃO MÉDICA HCFMUSP

CONCURSO PÚBLICO PESQUISADOR CIENTÍFICO LABORATÓRIOS DE INVESTIGAÇÃO MÉDICA HCFMUSP CONCURSO PÚBLICO PESQUISADOR CIENTÍFICO LABORATÓRIOS DE INVESTIGAÇÃO MÉDICA HCFMUSP Período de inscrições 04/08 a 05/09/08, das 8 às 16 horas Local de inscrições Serviço de Seleção do Hospital das Clínicas

Leia mais

GRUPO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE PROCESSO SELETIVO - RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 RESULTADO FINAL 1ª Etapa Prova Objetiva.

GRUPO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE PROCESSO SELETIVO - RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 RESULTADO FINAL 1ª Etapa Prova Objetiva. 101 Anestesiologia 1167427 84,00 5,60-89,60 1 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1168953 78,00 8,00-86,00 2 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1169652 75,60 8,50-84,10 3 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1170741

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE RESOLUÇÃO CFM Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, n. 81, 29 abr.2002. Seção 1, p. 265-66 Alterada pela Resolução CFM nº 1666/03 (Anexo II) O CONSELHO

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 1. Apreciação Global A existência de um Contrato de Desenvolvimento para a Medicina, celebrado entre a UNL e o Governo, em Dezembro de 2001, permitiu

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Dados Pessoais. Nome Cintia Mendonça de Abreu

CURRICULUM VITAE. Dados Pessoais. Nome Cintia Mendonça de Abreu CURRICULUM VITAE Dados Pessoais Nome Cintia Mendonça de Abreu Formação Universitária Graduação Instituição Faculdade de Medicina - Universidade Federal de Goiás Conclusão 17/11/1995 Pós-Graduação Residência

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre convênio de reconhecimento de especialidades médicas firmado entre o Conselho Federal de Medicina CFM, a Associação

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA - FAMED CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1 MED001 MED002 MED003

Leia mais

Mais da metade dos adultos norte-americanos estão acima do peso (61%) necessidade de uma terapia adicional para combater a obesidade

Mais da metade dos adultos norte-americanos estão acima do peso (61%) necessidade de uma terapia adicional para combater a obesidade Fitoterapia para Nutricionistas Citrus aurantium como um termogênico na redução de peso: uma visão geral. 1 Citrus aurantium: A obesidade é um problema de saúde ao redor do mundo. Mais da metade dos adultos

Leia mais

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais.

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais. ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Cód. Cargo 1 Ajudante de Carga e Descarga Vagas Vagas Reservadas Deficientes Vencimento Inicial

Leia mais

O que mudou? Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório o indivíduos que apresente:

O que mudou? Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório o indivíduos que apresente: O que mudou? Marcus B. Conde Comissão de Tuberculose/SBPT Instituto de Doenças de Tórax/UFRJ marcusconde@hucff.ufrj.br Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo a análise da distribuição de gordura em homens

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Cardiovascular risk and glycemic indexes of the elderly patients at a university

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 %MASSA GORDA SAUDÁVEL Homens 20 anos %MGsaudável = 10% (a partir dos 20 anos acresce-se 1% por cada 3 anos de idade, até ao limite de 25% ou até 50 anos de idade). Ou usando

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 004 Médico - Alergia e Imunologia

Leia mais