Hospital São Francisco. Lean Healthcare Introdução e Case da CME

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hospital São Francisco. Lean Healthcare Introdução e Case da CME"

Transcrição

1 Hospital São Francisco Lean Healthcare Introdução e Case da CME

2 Roberto Chimionato Consultor de Melhoria Contínua do Grupo Hospitalar São Francisco Trabalhei em empresas como TAM Air Lines, Nestlé e Mead Johnson com a implementação de projetos Produção Enxuta (Lean) e Gestão de Controle de Processos Engenheiro de produção pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) MBA em Administração de Empresa pela USP

3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO ENXUTA ONDE PODE DER APLICADO LEAN FORA DA MANUFATURA LEAN HEALTHCARE CASE CME HOSPITAL SÃO FRANCISCO

4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO ENXUTA ONDE PODE DER APLICADO LEAN FORA DA MANUFATURA LEAN HEALTHCARE CASE CME HOSPITAL SÃO FRANCISCO

5 Evolução da Manufatura Produção Artesanal Produção em Massa Produção Enxuta

6 Produção Artesanal Primeiro sistema de produção Mão de obra especializada Pouca ou nenhuma padronização Alta Flexibilidade Baixo Volume

7 Produção em Massa As técnicas de Produção em Massa desenvolvidas por Henry Ford antes da I Guerra Mundial colocaram quase todos os produtores artesanais de carros fora do mercado

8 Produção em Massa Começa a produção do Ford modelo T em a 1927: mais de 15 milhões de unidades Custo médio do carro (1908): Artesanal: US$ 5.000,00 Modelo T: US$ 850,00

9 Produção em Massa Características Alta produtividade Baixa variedade Recursos dedicados Alto Volume Baixa Flexibilidade

10 Produção Enxuta Desenvolvida no Japão após a II Guerra Mundial Indústria japonesa teve que ser completamente reconstruída Volume de produção não justificava produção em massa ao estilo americano Mercado altamente segmentado Produção Enxuta = Lean Production = Lean Fazer mais com os mesmos recursos existentes

11 Produção Enxuta Característica Alta produtividade Alta variedade Alto Volume Alta Flexibilidade

12 Produção Enxuta Produção Enxuta = Identificação e eliminação/redução sistemática e sustentável de desperdícios

13 Os três tipos de atividades Atividades que agregam valor (AV) Atividades que, aos olhos do cliente final, tornam o produto ou serviço mais valioso. Atividades que não agregam valor (NAV) Atividades que, aos olhos do cliente final, não tornam o produto ou serviço mais valioso e não são necessárias mesmo nas atuais circunstâncias. Atividades que não agregam valor necessárias Atividades que, aos olhos do cliente final, não tornam o produto ou serviço mais valioso, mas que são necessárias a não ser que o processo atual mude radicalmente.

14 Os três tipos de atividades Em um ambiente de produção de bens (manufatura ou fluxo logístico não world class) a relação entre os tempos consumidos pelos três tipos de atividades gira em torno de: Hines & Taylor, 2000

15 Exemplo de Atividades Fluxo mat/med Atividade Agrega Valor Não Agrega Valor Preparar medicação Não Agrega Valor mas é Necessária NAV Medicar paciente AV Buscar medicamento na farmácia NAV Esterilizar novamente o Instrumental devido a vencimento Procurar Inalatório na CME Esterilizar instrumental na Autoclave AV NAV NAV

16 Enfoque da Produção Enxuta Companhia Típica AV NAV Enfoque Tradicional nas Tarefas AV Melhorias Tradicionais NAV Melhorias Tradicionais Enfoque de Produção Enxuta AV NAV Melhorias nas Atividades NAV TEMPO

17 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO ENXUTA ONDE PODE DER APLICADO LEAN FORA DA MANUFATURA LEAN HEALTHCARE CASE CME HOSPITAL SÃO FRANCISCO

18 Lean Manufacturing Onde pode ser aplicado? Lean Office Lean Development Lean Healthcare Lean Construction Lean Hospitality

19 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO ENXUTA ONDE PODE DER APLICADO LEAN FORA DA MANUFATURA LEAN HEALTHCARE CASE CME HOSPITAL SÃO FRANCISCO

20 Lean Healthcare

21 Contextualização Hospital Padrões de qualidade Novas tecnologias Envelhecimento da população Deficiência operacional Operadoras Concorrência

22 Contextualização Produção Enxuta: da indústria automotiva para os hospitais Hospitais Lean Healthcare Serviços Lean Thinking Manufatura Indústria Automotiva Hospital Lean Manufacturing Lean Manufacturing

23 Lean Healthcare - Pioneiros

24 Gestão de Operações Custos Pessoas Equipamentos Materiais Faturamento Paciente Entrada Doente Empresa Hospital Paciente Saudável Saída Qualidade LeadTime Lead Time Lead Time

25 Fornecedor Casa Mapa de Fluxo de Valor Agendamen PCP to Cliente Casa Filas E Matéria Prima Paciente doente Transporte Espera Movimentação Estampar Cadastro Cirurgia Soldar Reabilitação Pintar Internação Montar E E E Processo Inadequado Estoques E Produto Final Paciente saudável Lead Time de Produção

26 Paciente doente Paciente saudável AV Lead Time NAV Cadastro Cirurgia Reabilitação Internação Paciente doente Lead Time AV Paciente saudável Eliminação de Desperdícios (NAV) Estoques Esperas Filas Transporte excessivo Movimentação excessiva Processamento Inadequado

27 O que é Lean Healthcare Lean Production Hospital

28 Casos de Sucesso Virginia Mason Virginia Mason Medical Center Situado em Seattle, Washington Início deste século grave crise financeira do hospital Iniciou sua jornada Lean em 2002, ao visitar a Toyota no Japão Fonte: Virginia Mason Medical Center

29 Casos de Sucesso Virginia Mason Medical Care Resultados obtidos após 2 anos de aplicação do lean healthcare Categoria Resultados Estoques Redução de 53% - US$ 1,350, Produtividade Aumento de 36% Lead Time Redução de 65% Tempo de Setup Cirúrgico Redução de 82% Distância (pessoas) Redução de 44% Fonte: Virginia Mason Medical Center

30 Categorias de Desperdício Talento

31 Categorias de Desperdício Realização de testes e exames além do necessário Mais de um formulário com a mesma informação Superprodução Efetuar testes redundantes Manter o paciente no leito por mais tempo do que o necessário

32 Categorias de Desperdício Utilização de antibióticos fortes para o tratamento de leves inflamações Cirurgias mal realizadas Processamento Inadequado Erros e retrabalho nos tratamentos aos pacientes

33 Categorias de Desperdício Infecções do paciente no hospital Radiografias com baixa qualidade de imagem Defeitos Informação errada ou não disponível Faturamento errôneo do paciente

34 Categorias de Desperdício Excesso de medicamentos na farmácia Excesso de amostras laboratoriais aguardando análise Estoques Excesso de pacientes aguardando pelo atendimento

35 Categorias de Desperdício Espera Paciente aguardando: Consulta Leito Resultado de exames Alta Médico aguardando: Paciente Sala cirúrgica Enfermeira aguardando: Médico Medicamento Informação

36 Categorias de Desperdício Movimentação Enfermeiros buscando medicamentos e documentos Médicos/enfermeiros tratando de pacientes em diferentes alas

37 Categorias de Desperdício Idas e vindas do paciente de sua casa para o hospital Transporte excessivo de pacientes no hospital Transporte Excessivo Transporte excessivo de medicamentos Transporte excessivod e exames

38 8º Desperdício Cultura organizacional não incentiva o envolvimento das pessoas em melhoria Comunicação ineficiente Talento Resistência a melhorias e mudanças

39 Ferramentas Lean Sistema a Prova de Erros Mapa de Fluxo de Valor Manutenção Produtiva Total Fluxo Contínu o Reduçã o de Setup Trabalho Padronizad o 5 S Produçã o Puxada

40 Utilizando a Ferramenta de Mapeamento Fluxo de Valor do Paciente Desenho do Estado Atual Desenho do Estado Futuro Plano de trabalho

41 Mapa Fluxo Valor Atual Estritamente informação Input/ Output Atividade Dados Input/ Output Atividade Dados Input/ Output Paciente/ Produto + Informação Casa Atividade Dados Input/ Output Atividade Dados Atividade Dados Casa Linha do Tempo Problemas e desperdícios 2d 1d 5d 1,5h 1h 4h Problemas Problemas Problemas Problemas

42 Mapa Fluxo Valor Futuro Eliminar atividades, quando possível Estritamente informação Reduzir vai e vem entre setores e idas e vindas para casa Paciente ou Paciente + Informação Casa Atividade Dados Input/ Output Atividade Dados Input/ Output Input/ Output X Atividade Dados Input/ Output Atividade Dados Casa Linha do Tempo 2d 1d 5,5h 1h 3d Problemas e desperdícios Problemas Problemas Problemas Problemas

43 Ferramentas Lean Sistema a Prova de Erros Mapa de Fluxo de Valor Manutenção Produtiva Total Fluxo Contínu o Reduçã o de Setup Trabalho Padronizad o 5 S Produçã o Puxada

44 Tornar o ambiente de trabalho favorável à qualidade Diminuir os índices de acidentes Incentivar a criatividade Combater desperdícios Melhorar a comunicação Aumentar a produtividade 5S 1 S 2 S 3 S 4 S 5 S 5S Seiri - Senso de Utilização Seiton - Senso de Ordenação Seiso - Senso de Limpeza Seiketsu - Senso de Padronização Shitsuke - Senso de Auto Disciplina

45 DINÂMICA DE 5S

46 5S Seiri Seiton Seiso Seiketsu Shitsuke Separar Organizar Limpar Padronizar Disciplinar

47 Instruções Uma cirurgia de emergência foi encaixada no mapa cirúrgico e está prevista para começar em 10 minutos Durante a montagem do kit cirúrgico (6 minutos) detectou-se a falta de 4 peças de inalatórios Depois de procurá-las no centro cirúrgico (2 minutos), foi identificado que as peças faltantes ainda estavam no CME e ainda não haviam sido embaladas Considerando que o tempo de transporte das peças entre o CME e a sala de cirurgia é de 1 minuto e 45 segundos, restam cerca de 15 segundos para encontrá-las O atraso na entrega das peças pode afetar o sucesso da cirurgia, pois trata-se de uma cirurgia de emergência.

48 As peças de inalatórios faltantes são: Traquéia silicone infantil autoclavável 15 mm Máscara transparente para anestesia (infantil) Conector pediátrico angulado em Y Balão de anestesia silicone autoclavável 134ºC (1,5L)

49 1º Cenário Nenhum S aplicado na bancada dos inalatórios Objetos desnecessários na bancada, inalatórios desorganizados, sem nenhum padrão de organização.

50 Ache as peças de inalatórios faltantes em 15 segundos Traquéia silicone infantil autoclavável 15 mm Máscara transparente para anestesia (infantil) Conector pediátrico angulado em Y Balão de anestesia silicone autoclavável 134ºC (1,5L)

51 2º Cenário 1º S (Separar) é aplicado na bancada Seiri Seiton Seiso Seiketsu Shitsuke Separar Organizar Limpar Padronizar Disciplinar Materiais desnecessários são removidos da bancada.

52 Ache as peças de inalatórios faltantes em 15 segundos Traquéia silicone infantil autoclavável 15 mm Máscara transparente para anestesia (infantil) Conector pediátrico angulado em Y Balão de anestesia silicone autoclavável 134ºC (1,5L)

53 3º Cenário 2º e 3º S (Organizar & Limpar) são aplicados na bancada Seiri Seiton Seiso Seiketsu Shitsuke Separar Organizar Limpar Padronizar Disciplinar Um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar. A bancada é organizada e limpa.

54 Ache as peças de inalatórios faltantes em 15 segundos Traquéia silicone infantil autoclavável 15 mm Máscara transparente para anestesia (infantil) Conector pediátrico angulado em Y Balão de anestesia silicone autoclavável 134ºC (1,5L)

55 4º Cenário 4º S (Padronizar) é aplicado na bancada Seiri Seiton Seiso Seiketsu Shitsuke Separar Organizar Limpar Padronizar Disciplinar As peças são organizadas de acordo com um padrão

56 Ache as peças de inalatórios faltantes em 15 segundos Traquéia silicone infantil autoclavável 15 mm Máscara transparente para anestesia (infantil) Conector pediátrico angulado em Y Balão de anestesia silicone autoclavável 134ºC (1,5L)

57 Trabalho Padronizado A padronização é a chave para se criar um processo repetitivo Problemas podem ser facilmente identificados Ações endereçadas e melhorias apontadas Sem Padronização Com Padronização Situação Insustentável Podemos diferenciar uma situação normal de uma anormal

58 Padrão de Trabalho Enfermeiras Sala de espera

59 Trabalho Padronizado Um estudo realizado em um hospital privado do município de Contagem, Minas Gerais, analisou prescrições de 780 medicamentos: destes, 42,04% foram prescritos pelo nome comercial e 57,96% pelo nome do principio ativo Ocorreram erros de dispensação em cerca de 26,4% das prescrições avaliadas

60 Ferramentas Lean Sistema a Prova de Erros Mapa de Fluxo de Valor Manutenção Produtiva Total Fluxo Contínu o Reduçã o de Setup Trabalho Padronizad o 5 S Produçã o Puxada

61 Falhas em Hospitais Menina morre após receber vaselina na veia A estudante Stephane dos Santos Teixeira, de 12 anos, moradora do Jaçanã, zona norte, morreu após receber, no Hospital Municipal São Luiz Gonzaga, na mesma região, vaselina líquida no lugar de soro fisiológico. Os dois medicamentos são feitos pela própria Santa Casa. Os frascos de vaselina e de soro são idênticos e o nome dos medicamentos estava em etiqueta de mesma cor.

62 Falhas em Hospitais Dois anos após cirurgia, dona de casa descobre tesoura na barriga Instrumento pode ter sido deixado durante cirurgia para retirada de ovário. Paciente só descobriu problema após sentir dores abdominais. Uma dona de casa de Araraquara descobriu que há dois anos tem uma tesoura cirúrgica na barriga. O instrumento foi esquecido durante uma cirurgia para a retirada de um dos ovários. Ela percebeu o problema porque começou a sofrer fortes dores abdominais.

63 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO ENXUTA ONDE PODE DER APLICADO LEAN FORA DA MANUFATURA LEAN HEALTHCARE CASE CME HOSPITAL SÃO FRANCISCO

64 Cenário Hospital São Francisco Hospital São Francisco Instituição privada Hospital de alta complexidade (média mensal) : - Taxa de ocupação 81,8% cirurgias; procedimentos hemodinâmicos; atendimentos em PA e emergência; atendimentos de oncologia clínica; pacientes internados (52% Cirúrgico); - 31% entre 60 e 80 anos e 15% maior que 80 anos; - Média de permanência de 4,2 dias.

65 Pessoas Equipamentos Paciente doente HSF Case CME Paciente saudável Lead Time

66 Equipe Kaizen

67 Fluxo Macro do Paciente Cirúrgico Preparar instrumentos cirúrgicos Autorizar Guia Agendar Preparar materiais e medicamentos Central de esterilização de materiais (CME) Preparar centro cirúrgico UTI Consultar Internar Realizar Cirurgia Rec. no Leito RPA

68 Responsabilidades da CME Fornecer ao centro cirúrgico os instrumentos necessários para cada cirurgia: Na quantidade correta No momento certo Em boas condições de uso Devidamente limpos e esterilizados

69 Desafios do projeto Desnivelamento da demanda Arsenal de instrumental limitado Elevado número de emergências

70 Objetivos do projeto Redução de custos da CME com insumos de esterilização e material de embalagem Aumentar a capacidade de esterilização e a produtividade do setor Reduzir índices de infecção em cirurgias limpas causadas por problemas de esterilização Reduzir o tempo de espera por materiais da CME nas salas cirúrgicas

71 Fluxo de valor da CME Centro cirúrgico/ Hospital Dia CME Peças sujas Lavar Desinfetar termicamen te Inspecionar e montar caixa Embalar Esterilizar Peças limpas Lead time (tempo de atravessamento) = dias

72 SITUAÇÃO ANTERIOR

73 Desnivelament o da carga de trabalho Situação anterior da CME Elevados custos de esterilização em máquinas de ciclo curto Padrão de organização inadequado Dificuldade de visualização da programação diária Picos de sobrecarga na Lavagem e na Termo Alta movimentação para buscar peças sujas Paradas frequentes dos funcionários para realizar outra atividade Variação dos tempos de resfriamento das Autoclaves Tempo de troca elevado na Termo Sobrecarga na montagem/ inspeção Tempo de troca elevado nas autoclaves

74 Situação anterior da CME Inspeção e montagem de caixas separadas da embalagem

75 Situação anterior da CME Padrão de organização inadequado

76 Situação anterior da CME Padrão de organização inadequado

77 Situação anterior da CME Padrão de organização inadequado

78 SITUAÇÃO IMPLEMENTADA

79 Situação implementada na CME 5S e padrão de organização Gestão visual para a programação da esterilização Balanceamento da mão-de-obra ao longo do dia Padrão de trabalho para cada colaborador do setor Redução do tempo de troca da Termo e Autoclaves Readequação do layout para proporcionar fluxo contínuo entre montagem, inspeção e embalagem Sistema puxado para kits cirúrgicos prontos

80 Plano de Ação Realizado Antes e Depois Inspeção e montagem de caixas separadas da embalagem Material avulso com inspeção e embalagem distantes Antes Fluxo Contínuo Processo Caixas Processo Avulsos Processos não contínuos e estoques Depois

81 Plano de Ação Realizado Antes e Depois Antes Estoque de Materiais Não Frequentes Aguardando Sistema Puxado Estoque de Materiais Não Frequentes Esterelizados Depois

82 Plano de Ação Realizado Antes e Depois Antes Iluminação insuficiente para uma boa qualidade de inspeção Melhor Iluminação e Lupa para facilitar e garantir maior qualidade na inspeção Depois

83 Plano de Ação Realizado Antes e Depois Antes Comunicação Única e Padronizada Cartão kanban Depois

84 Plano de Ação Realizado Antes e Depois Antes Depois

85 Situação implementada na CME Identificação visual das caixas cirúrgicas

86 Padrões de Trabalho Modificado Depois Novo Padrão de Trabalho para Otimização do Set Up das Autoclaves Novo Padrão de Trabalho Arsenal Kanban e Preparação de Kits

87 Padrões de Trabalho Modificado Depois Novo Padrão de Identificação das Caixas Frequência e Embalagem Novo Padrão de Trabalho Inspeção, Montagem e Embalagem Fluxo Contínuo e Criação da função Circulante do CME

88 Padrões de Trabalho Modificado Depois Novo Padrão de Trabalho Circulante de Sala e Circulante de Corredor do HD Novo Padrão de Trabalho Circulante de Sala e Circulante de Corredor do CC

89 RESULTADOS ALCANÇADOS

90 Resultados do projeto Redução de 88% do tempo de troca de ciclos das autoclaves (de 34 min para 4 min) Redução de 25% do tempo de ciclo das autoclaves (de 2 hr para 1,5hr) Aumento de 64% da capacidade de esterilização das autoclaves

91 Resultados do projeto Aumento de 64% da capacidade de esterilização das autoclaves Redução de 78% (R$ ,00 por ano) dos custos com máquinas de alto custo de esterilização Redução de 94% da quantidade de cirurgias que atrasam por falta de materiais da CME Redução de 52% no índice de infecção em cirurgias limpas

92 Obrigado! Roberto Chimionato Gerente Melhoria Contínua 3 September 2013 NCE/ 123

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

Lean Office O fluxo de informação enxuto

Lean Office O fluxo de informação enxuto Lean Office O fluxo de informação enxuto Antonio Rentes Visão Ampla do Lean Thinking Identificação e eliminação sistemática e sustentável de desperdícios na cadeia produtiva Desperdício: Qualquer atividade

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Eberson de Andrade Moreira (SULZER) eng_eberson@hotmail.com Paulo Augusto Cauchick Miguel (USP)

Leia mais

Processos LinCE e LeanOR no CHP. Jornadas dos assistentes técnicos de saúde do Centro Hospitalar do Porto 28.05.2011

Processos LinCE e LeanOR no CHP. Jornadas dos assistentes técnicos de saúde do Centro Hospitalar do Porto 28.05.2011 Processos LinCE e LeanOR no CHP Jornadas dos assistentes técnicos de saúde do Centro Hospitalar do Porto 28.05.2011 1 Processos de Mudança Procurar ser melhor No atendimento; Nas instalações Nas condições

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO RESUMO. Palavras-Chaves: Lean Manufacturing. Cronoanálise. Padronização.

LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO RESUMO. Palavras-Chaves: Lean Manufacturing. Cronoanálise. Padronização. LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO Daiane Maciel Rezende ¹ Jessica Freitas da Silva ² Sheila Marcela Miranda ³ Anderson Barros 4 RESUMO O objetivo deste artigo é de

Leia mais

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia Logística/6º 07/05/2015 PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Hendy de Oliveira Analista de Suprimentos

Leia mais

O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia

O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia Jordana Lemos Pinheiro Novaes - jordanalemos@hotmail.com MBA Gestão da Qualidade e Engenharia da Produção Instituto de Pós-Graduação IPOG Resumo

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados.

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados. Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA Reduza suas perdas e melhore seus resultados. INSTITUCIONAL A Consustec é uma empresa com menos de um ano de mercado, com espírito jovem e um time extremamente

Leia mais

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA Gece Wallace Santos Reno (UFSCar) gece.reno@uol.com.br Carolina

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

INTRODUÇÃO A LE L A E N A N M AN A U N FA F C A TURI R NG N

INTRODUÇÃO A LE L A E N A N M AN A U N FA F C A TURI R NG N INTRODUÇÃO A LEAN MANUFACTURING O queé LEAN? Uma filosofia de produção que enfatiza o minimização da quantidade de todos os recursos (inclusive tempo) usados nas várias atividades da empresa. Envolve a

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Gece Wallace Santos Renó (UFSC) gece.reno@uol.com.br Carolina Peres Diniz (UNICAMP) carolinaperesdiniz@yahoo.com.br

Gece Wallace Santos Renó (UFSC) gece.reno@uol.com.br Carolina Peres Diniz (UNICAMP) carolinaperesdiniz@yahoo.com.br XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DA FERRAMENTA 5S - ORGANIZAÇÃO DO LOCAL DE TRABALHO NA PRODUTIVIDADE DE UM PROCESSO DE MONTAGEM

Leia mais

Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC

Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC Marcio Fernando, MAFFEZZOLLI, marcio9191@hotmail.com 1 André Luis Almeida, BASTOS, prof.abastos@gmail.com 2 Centro Universitário

Leia mais

A Base para a Qualidade Total

A Base para a Qualidade Total A Base para a Qualidade Total 1 HISTÓRIA Foi concebido por Kaoru Ishikawa em 1950, no Japão pós-guerra; Surgiu com a necessidade de por ordem na grande confusão a que ficou reduzido o país após a derrota

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde.

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. A CME é uma unidade nobre do hospital responsável

Leia mais

Produção Enxuta. Lean Manufacturing

Produção Enxuta. Lean Manufacturing Produção Enxuta Lean Manufacturing Produção Enxuta Principais ferramentas Ferramentas do STP 5S; SMED ; Gestão Visual; Poka-Yoke; TPM Kanban; Kaizen; VSM Casa do STP 5 Sensos Filosofia cujo objetivo é

Leia mais

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação 5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação Introdução Década de 50 Japão tenta se reerguer da derrota sofrida na Segunda Grande. Profissionais dos Estados Unidos vão ao Japão a ensinar como

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 5 Lean Office Isto não é... LEAN OFFICE 1 Aqui parece ser... LEAN OFFICE Lean Thinking: Os 5 Princípios Fundamentais 1. Definir o que é VALOR sob a ótica do

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

Curso de Pós-Graduação MBA Gestão Eficaz de Obras e Projetos

Curso de Pós-Graduação MBA Gestão Eficaz de Obras e Projetos Curso de Pós-Graduação MBA Gestão Eficaz de Obras e Projetos Otimização de Projetos Profº.: Msc. Lincoln Nascimento Ribeiro Coordenação: Profº. Esp. Carlos Eduardo Artioli Russo Conhecendo o Professor:

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

ANAIS ANÁLISE PARA A MELHORIA DA GESTÃO DE OPERAÇÕES NA ÁREA HOSPITALAR: UM ESTUDO A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN HEALTHCARE

ANAIS ANÁLISE PARA A MELHORIA DA GESTÃO DE OPERAÇÕES NA ÁREA HOSPITALAR: UM ESTUDO A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN HEALTHCARE ANÁLISE PARA A MELHORIA DA GESTÃO DE OPERAÇÕES NA ÁREA HOSPITALAR: UM ESTUDO A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN HEALTHCARE LEANDRO JOSÉ MORILHAS ( ljmorilhas@ig.com.br, morilhas@usp.br ) FACULDADE

Leia mais

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL Janaína Anchieta Costa Enfermeira Mestre em Enfermagem na área de Administração em Serviços de

Leia mais

Apresentação do programa 5S

Apresentação do programa 5S Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID 2011 Ciências da Natureza Apresentação do programa 5S Dia 04 de janeiro de 2012 Local: Escola Elisa Ferrari Valls Horário: 09h O "Programa

Leia mais

Gestão visual e Manutenção

Gestão visual e Manutenção 10º Congresso da Manutenção Associação Portuguesa de Manutenção Industrial Figueira da Foz, 19 e 20 de Novembro de 2009 Gestão visual e Manutenção Não é fácil gerir tanta informação 2 Tem a certeza? Os

Leia mais

S1 Seiri Separar o desnecessário. Resultado esperado Um local de trabalho desimpedido. Definição Remover objectos não essenciais do local de trabalho

S1 Seiri Separar o desnecessário. Resultado esperado Um local de trabalho desimpedido. Definição Remover objectos não essenciais do local de trabalho S1 Seiri Separar o desnecessário Remover objectos não essenciais do local de trabalho 1. Tirar fotografias à área onde se inicia o projecto 5S; 2. Rever os critérios para separar os objectos desnecessários;

Leia mais

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Nelson Eiji Takeuchi Uma cadeia logística convencional é composta por logística inbound, logística outbound, warehouse e movimentação interna. Fala-se que

Leia mais

7º Encontro de Pesquisa Clínica. Metodologia Lean

7º Encontro de Pesquisa Clínica. Metodologia Lean 7º Encontro de Pesquisa Clínica Metodologia Lean 2 1 Áreas de Atuação Estratégico Planejamento Estratégico Diagnóstico Lean Sustentabilidade Processos Produtividade Qualidade Custo Sistemas de Gestão Pessoas

Leia mais

Edição 01/08. Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade

Edição 01/08. Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade Edição 01/08 MÓDULO 5S`s Apresentações: Nome Atividade desenvolvida Tempo de experiência profissional Nome do Hospital Cidade 1 Conteúdo Programático do Módulo 5S Conteúdo Origem do 5S Objetivos do 5S

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

Implementação de um sistema de gerenciamento visual em um ambiente de alta diversificação e baixo volume de produtos.

Implementação de um sistema de gerenciamento visual em um ambiente de alta diversificação e baixo volume de produtos. Implementação de um sistema de gerenciamento visual em um ambiente de alta diversificação e baixo volume de produtos. Daniel França Lazarin (UFSCAR-PPGEP) danielflazarin@yahoo.com.br Resumo: Empresas lean

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE PRODUTIVIDADE MELHORIA CONTÍNUA / KAIZEN CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conceituar Melhoria Contínua e sua importância no contexto

Leia mais

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009 O que é o Programa 5Ss? O Programa 5Ss é uma filosofia de trabalho que busca promover a disciplina na empresa através de consciência e responsabilidade de todos, de forma a tornar o ambiente de trabalho

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Fonte: Maximiano Autores Principais Idéias e Contribuições Shewhart, Dodge e Romig Cartas de Controle. Controle estatístico da qualidade e controle estatístico

Leia mais

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE)

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) Jeferson Duarte Oliveira * Este artigo tem como objetivo fazer uma revisão bibliográfica das mais importantes formas de desperdício nos escritórios e apresentar os métodos

Leia mais

GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL

GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL 28/11/2009 1 A BASE DA LEAN É O 5S SEIRI SEITON SEISOO SEIKETSU SHITSUKE ARRUMAÇÃO ORDENAÇÃO LIMPEZA ASSEIO AUTO DISCIPLINA No sistema de Lean é importante reconhecer (enxergar) de imediato os problemas

Leia mais

5S - 5 sensos da qualidade

5S - 5 sensos da qualidade 5S - 5 sensos da qualidade É um processo com cinco grandes passos que ajudam a organizar melhor trabalho. É um programa que busca tornar o dia a dia na empresa mais tranqüilo, através de : cuidados com

Leia mais

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção Bosch Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção por Douglas Costa Ferreira Mestre em Engenharia Mecânica pela UFPR - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho.

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Programa 5 S A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Com este programa, a qualidade e a segurança será colocada em prática e seu ambiente vai ficar mais alegre

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0

Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0 Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados Versão 1.0 Sumário Central de Materiais Esterilizados 3 1 Manual... de Processos - Central de Materiais Esterilizados 4 Fluxos do... Processo

Leia mais

LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO

LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO Levi da Silva Guimaraes (UMINHO ) levisguimara@hotmail.com Cintya Bareiro Colares (UMINHO ) cintyac@gmail.com Hyggor da Silva Medeiros (UMINHO

Leia mais

Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos.

Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos. O QUE É O 5S? Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos. TAMBÉM É CONHECIDO COMO HOUSE KEEPING 2 QUAIS SÃO OS SIGNIFICADOS

Leia mais

Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos

Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos Paulino G. Francischini pgfranci@usp.br Conteúdo 1. Conceito de Lean Production 2. Desperdícios no processos produtivo

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Sensibilizando para Organização e Limpeza

Sensibilizando para Organização e Limpeza Sensibilizando para Organização e Limpeza Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com. @sebraesp.com.br Ver-03/04 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS FAZER

Leia mais

1- Introdução ao Lean V1-2008

1- Introdução ao Lean V1-2008 1- Introdução ao Lean V1-2008 Autor: José Pedro A. Rodrigues da Silva 1 Programa 1- Introdução 2- Os 7 tipos de desperdício 3- Técnicas e ferramentas do Lean 4- Implementação do Lean 5- Conclusões Anexos

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

ETRO ento S2i LABM PROGRAMA 5S a de Treinam Program

ETRO ento S2i LABM PROGRAMA 5S a de Treinam Program PROGRAMA 5S Agenda Objetivos do Programa 5S Origem do 5S Senso de Descarte Senso de Ordenação Senso de Limpeza Senso de Saúde Senso de Disciplina 2 Agenda Objetivos do Programa 5S Origem do 5S Senso de

Leia mais

Modelo de Gestão KAIZEN e Sua Aplicação no Setor de Fertilizantes

Modelo de Gestão KAIZEN e Sua Aplicação no Setor de Fertilizantes Modelo de Gestão KAIZEN e Sua Aplicação no Setor de Fertilizantes ASSUNÇÃO, D. S. a ; MOURA, L. B. b ;MAMEDES, T. C. c ; SIMÕES, T. F. d a. Universidade Paulista, São Paulo, daviassuncao_logistic@hotmail.com

Leia mais

O que é Inovação em Saúde?

O que é Inovação em Saúde? Capa foto: dreamstime.com O que é Inovação em Saúde? A competitividade no setor da saúde depende essencialmente de melhorar a qualidade da assistência e a segurança do paciente reduzindo custos Por Kika

Leia mais

Uma análise de técnicas do Planejamento e Controle da Produção e da filosofia Lean

Uma análise de técnicas do Planejamento e Controle da Produção e da filosofia Lean UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Uma análise de técnicas do Planejamento e Controle da Produção e da filosofia Lean Trabalho de Conclusão

Leia mais

Isaura Cristinah Soares Del Miranda

Isaura Cristinah Soares Del Miranda Isaura Cristinah Soares Del Miranda médica Diretora da Del Miranda Serviços Administrativos Eleonora Zioni arquiteta Diretora da Asclépio Consultoria www.asclepioconsultoria.com.br Florence Nightingale...embora

Leia mais

O Planejamento e Controle da Produção em uma Montadora de Veículos Urbanos e Rodoviários

O Planejamento e Controle da Produção em uma Montadora de Veículos Urbanos e Rodoviários O Planejamento e Controle da Produção em uma Montadora de Veículos Urbanos e Rodoviários Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: O objetivo desse artigo é apresentar

Leia mais

Sistema de Produção. Transformação do Fluxo de Valor. Transformação do Fluxo de Valor - Ciclos. Edição de Março de 2013.

Sistema de Produção. Transformação do Fluxo de Valor. Transformação do Fluxo de Valor - Ciclos. Edição de Março de 2013. Sistema de Produção Conceitos - Fique Por Dentro Edição de Março de 2013. Transformação do Fluxo de Valor Cada organização é única, cada fluxo de valor é diferente mas há uma estrutura para cada processo

Leia mais

Redução de custos por meio de departamentalização por família de produtos. Pesquisa Ação Numa Linha de Transformadores.

Redução de custos por meio de departamentalização por família de produtos. Pesquisa Ação Numa Linha de Transformadores. Redução de custos por meio de departamentalização por família de produtos. Pesquisa Ação Numa Linha de Transformadores. Anderson do Nascimento Jorge Muniz Universidade Estadual Paulista - UNESP RESUMO

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

Lean na Indústria Farmacêutica Quebrando paradigmas

Lean na Indústria Farmacêutica Quebrando paradigmas Lean na Indústria Farmacêutica Quebrando paradigmas Neste artigo, apresento um breve relato pessoal de como vivenciei de perto a transformação lean em um ambiente farmacêutico e como alguns paradigmas

Leia mais

VISÃO GLOBAL DAS ÁREAS FUNCIONAIS : MERCADOLÓGICA, FINANCEIRA, PRODUÇÃO E DE RECURSOS HUMANOS

VISÃO GLOBAL DAS ÁREAS FUNCIONAIS : MERCADOLÓGICA, FINANCEIRA, PRODUÇÃO E DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE PRODUÇÃO UNTO DE SETORES CUJO OBJETIVO É TRANSFORMAR A ENTRADA EM SAIDAS EM FORMA DE BENS OU SERVIÇOS, ATRAVÉS DE PROCESSOS PRÉ-DETERMINADOS. MATÉRIA-PRIMA ENTRADAS SAÍDAS PRODUTOS INFORMAÇÃO

Leia mais

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento O R I G E N S 1 9 5 0 JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA O B J E T I V O S Preparar uma empresa, ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente. OBJETIVOS ESPECÍFICOS ü Melhorar

Leia mais

QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda. HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro

QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda. HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro Somos uma empresa especializada em consultoria de FÁBRICA e CUSTOS. QUEM

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

11 Sep 12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012

11 Sep 12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Heloisa Barreto Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Gestão da Farmácia Hospitalar Heloisa Arruda Gomm Barreto Comissão de Farmácia Hospitalar

Leia mais

Conteúdo. Conceitos Básicos de Gestão da Produção. Contexto da gestão da produção na construção. Conceitos básicos de gestão da produção

Conteúdo. Conceitos Básicos de Gestão da Produção. Contexto da gestão da produção na construção. Conceitos básicos de gestão da produção Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Conceitos Básicos de Gestão da Produção Conteúdo Contexto da gestão da

Leia mais

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Marco Antonio Equi marcoequi@hotmail.com FESA Hugo Pissaia Junior hugo.planejamento@sampel.com.br FESA Resumo:No atual cenário vivido

Leia mais

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre

Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos. Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Disciplina: Gestão da Qualidade Prof. Patricio Vasconcelos Curso de Administração 5º periodo - Turmas A e B 2º Bimestre Pode-se criar um ambiente de qualidade em torno de si, usando as mãos para agir,

Leia mais

Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável

Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável Fluxo de pacientes: melhoria de processos Coordenadora de Enfermagem Hospital Israelita Albert Einstein Unidade Morumbi Durante nossa vida...

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE LEAN PRODUCTION EM UMA EMPRESA DO SETOR AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE LEAN PRODUCTION EM UMA EMPRESA DO SETOR AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE LEAN PRODUCTION EM UMA EMPRESA DO SETOR AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO Antonio Freitas Rentes rentes@sc.usp.br Escola de Engenharia de São Carlos - USP Av. Trabalhador São-carlense,

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S Gestão da Qualidade Os 5 S Histórico dos 5S A gestão da Qualidade é primordial para o estabelecimento e sobrevivência de uma instituição e para viabilizar o controle de atividades,informações e documentos.

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Gestão Aplicada I Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Formação e ficha profissional: Graduado em Analises e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS MANUAL 5 SENSOS Ref.: MSGQ-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 09 1. INTRODUÇÃO O programa 5S tem como principais objetivos mudar comportamentos,

Leia mais

DANTE RAMACCIOTTI ABREU Consultor Associado a Luis Borges Assessoria em Gestão Ltda. FORMAÇÃO ACADÊMICA

DANTE RAMACCIOTTI ABREU Consultor Associado a Luis Borges Assessoria em Gestão Ltda. FORMAÇÃO ACADÊMICA DANTE RAMACCIOTTI ABREU Consultor Associado a Luis Borges Assessoria em Gestão Ltda. FORMAÇÃO ACADÊMICA Graduação Engenharia Industrial Mecânica CEFET MG 1992. PRINCIPAIS ÁREAS DE ATUAÇÃO NA GESTÃO DE

Leia mais

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos P G Q P Gestão de Produtividade Ivan De Pellegrin Produttare Consultores Associados Alexandre Soares Medabil Sistemas Construtivos Plano de Vôo 1. Introdução a. Produtividade um dos requisitos... b. Indicadores

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais