Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público,I.P

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público,I.P. 04-09-2007"

Transcrição

1 Pag.: 1 Montante Saldo anterior em EUR Crédito _ Débito _ Saldo _ , , , I Out 0000FOL. 229 P 236, , T Out 000P. 4 -AAE P , , T Out 00P. 4 - AAE P 656, , T Out 00P. 4 - AAE P 7.534, , T Out 00P. 4 - AAE P 6.687, , T Out 00P. 4 - AAE P , , T Out 00P. 4 - RPH P 3.115, , T Out 00P. 4 - RPH P 2.499, , T Out 00P. 4 - RPH P , , T Out 00P. 4 - RPH P 4.411, , T Out 00P. 4 - RPH P 1.576, , T Out 00P. 4 - RPH P 6.737, , T Out 00P. 4 - RPH P 8.169, , T Out 000P. 4- RPH P 2.622, , T Out 00P. 4 - RPH P 6.920, , T Out P. 11ENR/CUR P 5.888, , T Out P. 11ENR/CUR P , , T Out P. 11ENR/CUR P , , T Out P.11-ENR/CUR P , , T Out 0P.11ENR/CUR P , , T Out P. 11- ENR/C P 1.500, , T Out 0000FOL. 229 P 946, , I Out 0000FOL. 210 P 519, , I Out 0000FOL. 210 P 1.114, , I Out 0000FOL. 211 P 867, , I Out 0000FOL. 228 P 620, , I Fac P 314, , I Fac P 1.496, , I Out 0000FOL. 211 P 65, , I Out 0000FOL. 238 P 16, , I Out 0000FOL. 236 P 1, , I Out 0000FOL. 235 P 6, , I Out 0000FOL. 235 P 11, , I Out 0000FOL. 235 P 3, , I Out 0000FOL. 235 P 28, , I Out 0000FOL. 236 P 3, , I Out 0000FOL. 236 P 2, , I Out 0000FOL. 236 P 15, , I Out 0000FOL. 239 P 11, , T Out P.4RPH P 7.614, , T Out 0000PROP. 51 P 9.000, , T Out 0000PROP. 51 P , , T Out 0000PROP. 51 P 6.000, , T Out 0000PROP. 51 P 2.000, , T Out 0000PROP. 51 P 5.000, , T Out 0000P. 4/AAE P , , T Fac 00A P 273, , T Fac P 2.906, , T Rec P 47, , T Fac 00A P 1.500, , T Rec P 0, , T Rec P 1, , T Rec P 26, ,07

2 Pag.: T Rec P 26, , T Rec P 13, , T Fac F. 712 P 222, , T Fac 00000F P 2.850, , T Fac P 26, , T Fac P 224, , T Fac P 287, , T Fac P 382, , T Fac 00G P 45, , T Fac F. G P 35, , T Fac 00G P 235, , T Fac F.G P 100, , T Fac 00G P 100, , T Fac F. A P 824, , T Fac F. A P 121, , T Fac F. A P 61, , T Fac P 136, , T Fac P 500, , T Fac P 836, , T Rec P 14, , T Rec C221 P 2, , T Out 0000PROP. 51 P , , T Fac 00A P 121, , T Fac 00A P 2.258, , T Fac P 26, , T Fac P 6.256, , T Out 000P. 51/DSP P 3.000, , T Out 0000FOL. 238 P 230, , T Out 0000FOL. 237 P 324, , T Out 0000FOL. 234 P 112, , T Out 0000FOL. 234 P 280, , T Out 0000FOL. 234 P 153, , T Out 0000FOL. 234 P 270, , T Out 0000FOL. 236 P 39, , T Out 0000FOL. 235 P 137, , T Out 0000FOL. 235 P 203, , T Out 0000FOL. 235 P 155, , T Out 0000FOL. 235 P 414, , T Out 0000FOL. 236 P 63, , T Out 0000FOL. 236 P 83, , T Out 0000FOL. 236 P 229, , T Fac E63599 P , , T Out 0000FOL. 239 P 165, , T Fac P 1.032, , T Fac P 50, , T Fac P 249, , T Fac P 14, , T Fac P 113, , T Fac P 66, , T Fol P 4, , T Fol P 35, , T Fac P 168, , T Fac P 198, ,58

3 Pag.: T Fac P 386, , T Out 00000PROP.53 P 3.000, , T Out 00000PROP. 6 P 7.208,02 278, LC , , I Fol P 44, , I Fol P 691, , I Fol P 69, , I Fol P 179, , I Fol P 253, , I Fol P 336, , I Fol F 231 P 300, , I Fol F250 P 84, , I Fol F 248 P 245, , I Fol F244 P 73, , I Fol F243 P 694, , I Fol F243 P 85, , I Fol F 242 P 413, , I Fol F242 P 815, , T Out 00000P.3 EPC P 3.393, , T Out 000P1/EPC/EA P , , T Out 000P1/EPC/EA P , , T Out 000P1/EPC/EA P , , T Out 000P1/EPC/EA P , , T Fol P 294, , T Fol P 1.912, , T Fol P 227, , T Fol P 88, , T Fac P , , T Fol P 1.200, , T Fol P 88, , T Fol F 231 P 1.515, , T Fol F230 P 457, , T Fac P 4.161, , T Out 000P3/EPC/EE P 3.393, , T Out P78 P 2.800, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 3.600, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.800, , T Out P78 P 2.800, , T Out P78 P 2.800, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.800, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.300, , T Out 000P50 LEITE P 500, , T Out 000P52 LEITE P 3.621, , T Out 000P52 LEITE P 1.915, , T Out 000P52 LEITE P 500, , T Out 000P52 LEITE P 1.161, ,74

4 Pag.: T Out 0PROP 56 DSP P 6.500, , T Out AAE P 3.043, , T Out AAE P 1.283, , T Out AAE P 7.743, , T Out /RPH P 2.117, , T Out RPH P , , T Out /RPH P 1.416, , T Out RPH P 4.435, , T Out RPH P 6.594, , T Out 011-ENR. CUR P 6.912, , T Out 011-ENR. CUR P , , T Out 011-ENR. CUR P , , T Out 000P52 LEITE P 2.878, , T Out 000P52 LEITE P 2.571, , T Out 000P52 LEITE P 700, , T Out 000P52 LEITE P 500, , T Out 000P52 LEITE P 2.163, , T Out 000P52 LEITE P 2.813, , T Out 000P52 LEITE P 6.939, , T Out 000P52 LEITE P 6.944, , T Out 000P52 LEITE P 5.435, , T Out 000P52 LEITE P 1.200, , T Out /2007 P 4.485, , T Out /2007 P , , T Out /2007 P 5.944, , T Out /2007 P 2.248, , T Out P78 CART EDU P 2.300, , T Out P78 CART EDU P 2.800, , T Out P78 CART EDU P 2.300, , T Out P78 CART EDU P 2.300, , T Out P78 CART EDU P 2.300, , T Out P78 CART EDU P 2.300, , T Out P78 CART EDU P 3.600, , T Out P78 CART EDU P 2.300, , T Out P78 CART EDU P 2.300, , T Out P78 CART EDU P 2.300, , T Out P78 CART EDU P 2.300, , T Out P78 CART EDU P 3.600, , T Out P78 CART EDU P 2.800, , T Out P78 CART EDU P 4.300, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.800, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.300, , T Out P78 P 2.300, , T Fac 00A P 17, , T Fac 00A P 17, , T Fac 00A P 17, , T Fac 00A P 708, , T Fac 00A P 131, ,02

5 Pag.: T Fac 00A P 16, , T Fac 00A P 20, , T Fac 00A P 16, , T Fac 00A P 126, ,85 Montante Crédito _ Débito _ Saldo _ Totais Periodo em EUR , , ,85 TIPOMPG: I = Transferência para o banco Tesouro; T = Transferência Interbancária Nacional; E= Transferência Europeia TIPOMOV: LC = Libertação de Crédito; P = Pago; D = Devolvido

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRATIVO DE CREDITOS ADICIONAIS Z33NDKYP 04/03/2015 PAG. 1 03 44612 19/02/2014 135400 00059 0,00 5622.167,24 13540 20601016620910000 449000 013 0,00 44612 19/02/2014

Leia mais

Prefeitura Municipal de Martinópole Liberação de Recursos da União - Lei 9452/97 Período: (01/04/2013 a 30/04/2013)

Prefeitura Municipal de Martinópole Liberação de Recursos da União - Lei 9452/97 Período: (01/04/2013 a 30/04/2013) 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINOPOLE 01040001 01/04/2013 Or. 1721.22.30.00.00 Cota-parte Royalties - Compensação Financeira pela Produção SECRETARIA de Petróleo DO TESOURO - Lei nº NACIONAL 7.990/89 1.015,77

Leia mais

Imparidade 31-12-2014

Imparidade 31-12-2014 Mensuração da imparidade da carteira de crédito - Carta Circular n.º 2/2014 31 de dezembro de 2014 Nota Introdutória: Não obstante as demonstrações financeiras apresentadas no âmbito do presente Relatório

Leia mais

Introdução às Finanças

Introdução às Finanças Introdução às Finanças Aula Teórica 3 Esta informação é restrita ou confidencial, não podendo ser duplicada, publicada ou fornecida total ou parcialmente a terceiros sem o prévio consentimento dos autores.

Leia mais

SMS Banif@st. Exemplos de Operações através do Canal SMS

SMS Banif@st. Exemplos de Operações através do Canal SMS Activar o Canal SMS Comando: ACTIVAR [n.º contrato] Para activar o Canal SMS do contrato 1234567 deverá: ACTIVAR 1234567 Confirme o seu pedido de adesão ao canal SMS com CONF seguido do 1º, 3º,6º e 7º

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos Casos práticos Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente aos casos práticos da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE)

Leia mais

1,00% Isento. Taxa AKZ USD Comissão de emissão 1% Livro Corporativo Cheques (41 Cheques) Equivalente $41,00 n.a. Cheque Visado 1,00% 1,00% 1,00%

1,00% Isento. Taxa AKZ USD Comissão de emissão 1% Livro Corporativo Cheques (41 Cheques) Equivalente $41,00 n.a. Cheque Visado 1,00% 1,00% 1,00% APLICAÇÕES À ORDEM 1. Abertura de Contas 1.1. Montante Mínimo Conta Corporativa Conta Corporativa PLUS Equivalente $10.000,00 Equivalente $10.000,00 APLICAÇÕES A PRAZO 1. Constituição Aplicações 1.1. Certificados

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação Para Aquisição, Construção, Obras e Aquisição de Terreno para Habitação Própria, Secundária ou Arrendamento, Crédito Sinal, Transferências;

Leia mais

Conheça os bancos que mais subiram as comissões desde o início da crise. Desde 2010 que as instituições financeiras têm vindo a aumentar as comissões

Conheça os bancos que mais subiram as comissões desde o início da crise. Desde 2010 que as instituições financeiras têm vindo a aumentar as comissões Conheça os bancos que mais subiram as comissões desde o início da crise Desde 2010 que as instituições financeiras têm vindo a aumentar as comissões dos serviços associados às contas à ordem. Em média,

Leia mais

Argus. Ministério Público Militar. terça-feira, 30 de agosto de 11

Argus. Ministério Público Militar. terça-feira, 30 de agosto de 11 Argus Ministério Público Militar cpadsi Centro de Apoio à Investigação Sigilo Bancário O modelo tradicional Dificuldades... Tabular dados Exportar extratos para planilhas Destacar o que é importante Encontrar

Leia mais

CURSO PREVISÃO, GESTÃO E CONTROLO DE TESOURARIA

CURSO PREVISÃO, GESTÃO E CONTROLO DE TESOURARIA CURSO PREVISÃO, GESTÃO E CONTROLO DE TESOURARIA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris

Leia mais

A implantação de Procedimentos Contábeis Patrimoniais na Federação

A implantação de Procedimentos Contábeis Patrimoniais na Federação A implantação de Procedimentos Contábeis Patrimoniais na Federação Henrique Ferreira Souza Carneiro Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação (CCONF/STN) Secretaria do Tesouro

Leia mais

Instrumentos financeiros de curto prazo

Instrumentos financeiros de curto prazo Instrumentos financeiros de curto prazo Miguel Matias Instituto Superior Miguel Torga LICENCIATURA EM GESTÃO / 2ºANO 1ºSEM 2015/16 PROGRAMA 1. Introdução ao cálculo financeiro 2. Instrumentos financeiros

Leia mais

FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Outros Clientes ECOBANK CABO VERDE S.A.

FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Outros Clientes ECOBANK CABO VERDE S.A. 1 FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Outros Clientes Em vigor 01/05/2015 2 Folheto de Comissões e Despesas Outros Clientes 9. CONTA DE DEPÓSITO 9.1- Depósito à ordem 9.2- Outras Modalidades de deposito 1.2.1-

Leia mais

Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-DEZ-2015

Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-DEZ-2015 Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS Consulte o FOLHETO E COMISSÕES E ESPESAS ata de Entrada em vigor: 01-EZ-2015 Consulte o FOLHETO E TAXAS E JURO ata de Entrada em vigor: 16-OUT-2015 O Preçário

Leia mais

Podem ser constituídas contas nas seguintes condições: Continha Ordem: Conta à ordem caderneta; Continha Poupança: conta de depósito a prazo.

Podem ser constituídas contas nas seguintes condições: Continha Ordem: Conta à ordem caderneta; Continha Poupança: conta de depósito a prazo. CONTINHA DA CAIXA Conta para crianças e adolescentes com idade inferior aos 18 anos, que, ao completar os 18 anos, a conta é transformada automaticamente numa Conta Poupança Jovem. Podem ser constituídas

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE PRIMEIRO OUTORGANTE: BANCO SANTANDER TOTTA, SA com sede na Rua do Ouro 88 em Lisboa, 1100-063-Lisboa, com o capital social de 656723284 Euros, Pessoa Colectiva nº 500844321

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) Alterações ao precário em vigor a partir de 16/03/2015

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) Alterações ao precário em vigor a partir de 16/03/2015 Folheto de Taxas de juro - Particulares 17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) Alterações ao precário em vigor a partir de 16/03/2015 17.1. Depósitos à ordem 17.1.1. Contas com caderneta (2) Contas com

Leia mais

Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos

Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos Planejamento Urbano O orçamento importa! O Planejamento está subordinado ao orçamento? Restrições orçamentárias ou

Leia mais

Reclamações. Qualquer reclamação pode ainda ser dirigida ao Departamento de Supervisão Bancária do Banco de Portugal: Banco de Portugal

Reclamações. Qualquer reclamação pode ainda ser dirigida ao Departamento de Supervisão Bancária do Banco de Portugal: Banco de Portugal INFORMAÇÃO GERAL (ÍNICE) Reclamações Para a recepção e resolução de reclamações, contacte: (Serviço de reclamação e apoio ao cliente) epartamento de Organização e Qualidade Av. da Liberdade, nº 195, 11º,

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos 1. Beneficiários Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores que não tenham como actividade principal

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

Prefeitura Municipal de Curitiba

Prefeitura Municipal de Curitiba Custo previsto do projeto: R$ 2.918.764,27 Repasses realizados em 2008: R$ 2.661.682,37 6- propiciar ao catador, através da sua organização em associações ou cooperativas a celebração de convênio para

Leia mais

Preçário AS "PRIVATBANK" SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o PARTE I FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o PARTE II FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário AS PRIVATBANK SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o PARTE I FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o PARTE II FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário AS "PRIVATBANK" SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Consulte o PARTE I FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o PARTE II FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 15 Abril 2014 O Preçário completo

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE TAXAS DE JURO 17.1. Depósitos à Ordem

17. CONTAS DE DEPÓSITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE TAXAS DE JURO 17.1. Depósitos à Ordem 17. CONTAS DE DEPÓSITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE TAXAS DE JURO 17.1. Depósitos à Ordem Contas à Ordem Standard Conta Bankinter (idade igual ou superior a 18 anos) Entrada em vigor: 01-abril-2016

Leia mais

Preçário. Anexo I. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Anexo II. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Anexo III

Preçário. Anexo I. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Anexo II. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Anexo III Preçário Anexo I Consulte o FOLHETO E COMISSÕES E ESPESAS Anexo II Consulte o FOLHETO E TAXAS E JURO Anexo III Consulte a INFORMAÇÃO SUPLEMENTAR Entrada em vigor: 1 Julho 2015 O Preçário completo do Banco

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

10. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS 10.1. Linhas de Crédito e Contas Correntes

10. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS 10.1. Linhas de Crédito e Contas Correntes 10. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) - FOLHETO DE COMSÕES E DESPESAS 10.1. Linhas de Crédito e Contas Correntes Crédito de Curto Prazo em Conta Corrente Iniciais Euros (min/máx) Valor Anual Acresce

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Diario de Tesouraria Numero: 42 Folha: 1 Prefeitura Municip.Santana do Livramento Unidade Gestora: PREFEITURA MUNICIPAL

Estado do Rio Grande do Sul Diario de Tesouraria Numero: 42 Folha: 1 Prefeitura Municip.Santana do Livramento Unidade Gestora: PREFEITURA MUNICIPAL Estado do Rio Grande do Sul Diario de Tesouraria Numero: 42 Folha: 1 Saldo Anterior... 1.855,77 --------------------- Recebimentos --------------------- Recebimentos de guias 491882 19 ITBI - PROPRIO Arrecadacao

Leia mais

Índice. Introdução 3. Uso e convenção de cheque 3. Contas coletivas. Cotitulares e representantes 8. Regularização de cheques devolvidos 5

Índice. Introdução 3. Uso e convenção de cheque 3. Contas coletivas. Cotitulares e representantes 8. Regularização de cheques devolvidos 5 Índice Introdução 3 Uso e convenção de cheque 3 De que modo devo utilizar o cheque? 3 O que significa utilizar indevidamente o cheque? 3 O que pode acontecer a quem utilizar indevidamente o cheque? 4 O

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO Índice Conceito de responsabilidade de crédito Central de Responsabilidades de crédito (CRC) O que é a CRC? Para que serve a CRC? Mapa de

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES)

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) 17.1. Depósitos à ordem Contas à ordem 0,000% 28,00% no Os juros obtidos estão sujeitos a retenção na fonte de imposto sobre o rendimento, à taxa que estiver em vigor na data de pagamento de juros. e (2)

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 42/2013. FGCT, FCT e ME

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 42/2013. FGCT, FCT e ME INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 42/2013 FGCT, FCT e ME Índice 1.Introdução... 1 2.Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho (FGCT)... 1 2.1.Enquadramento contabilístico do FGCT... 1 2.2.Enquadramento fiscal

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

FIPLAN-BA Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia DEPAT e Unidades Orçamentárias

FIPLAN-BA Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia DEPAT e Unidades Orçamentárias ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 001/2012 Projeto Unidade Responsável: Assunto: FIPLAN-BA Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia DEPAT e Unidades Orçamentárias Ordem Bancárias

Leia mais

Comparação entre Sistema de Débitos Diretos nacional e Débitos Diretos SEPA Core

Comparação entre Sistema de Débitos Diretos nacional e Débitos Diretos SEPA Core SEPA A SEPA (Single Euro Payments Area) ou Área Única de Pagamentos em Euros é um espaço geográfico onde particulares, empresas e administração pública podem efetuar e receber pagamentos em euros, em idênticas

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis Contabilidade Pública Aula 4 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Plano de Contas Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão Consiste em um rol ordenado de forma sistematizada de contas

Leia mais

FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS ECOBANK CABO VERDE S.A.

FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS ECOBANK CABO VERDE S.A. 1 FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Em vigor 01/05/2015 2 Folheto De Comissões E Despesas Clientes Particulares 1. CONTA DE DEPÓSITO 1.1- Depósito à ordem 1.2- Outras Modalidades de deposito 1.2.1- deposito

Leia mais

PREÇÁRIO BANCO YETU, S.A ANEXO II TABELA DAS TAXAS DE JURO. blico do Banco Yetu e em www.bancoyetu.ao, poderemos encontrar as Taxas de Juro.

PREÇÁRIO BANCO YETU, S.A ANEXO II TABELA DAS TAXAS DE JURO. blico do Banco Yetu e em www.bancoyetu.ao, poderemos encontrar as Taxas de Juro. PREÇÁRIO BANCO YETU, S.A ANEXO II TABELA DAS TAXAS DE JURO DATA DE ENTRADA EM VIGOR 21 DE SETEMBRO DE 2015 O Preçário das Operações Yetu pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atenimento ao pú- blico

Leia mais

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente)

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) 1 CONTAS DE DEPÓSITO 1.1. DEPÓSITOS À ORDEM ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) Movimentos efetuados até últimos 31 meses inclusive Envio por email 1,00 Envio por correio 5,00 Movimentos

Leia mais

R$ 4.375.600,00 R$ 1.659.549,90 R$ 698.317,81 R$ 2.357.867,71 R$ 2.017.732,29

R$ 4.375.600,00 R$ 1.659.549,90 R$ 698.317,81 R$ 2.357.867,71 R$ 2.017.732,29 FUNBIO Anexo 1 Demonstrativo da Execução das Receitas e Despesas por rubrica de cada categoria de gasto, contendo o extrato bancário consolidado com as movimentações dos recursos e conciliação bancária,

Leia mais

Regras de consistência para validação dos Balancetes Contábeis SICADI - Módulo Contábil. Regras de consistência - Anexo A

Regras de consistência para validação dos Balancetes Contábeis SICADI - Módulo Contábil. Regras de consistência - Anexo A Regras de consistência - Anexo A Regras de consistência (competência = janeiro/2002 a dezembro/2009) Balancete do(s) Plano(s) de Benefícios: 1 SZ (1.0.0.0.00.00) + (2.0.0.0.00.00) = 0 2 ST (1.0.0.0.00.00)

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO OUTROS CLIENTES

FOLHETO DE TAXAS DE JURO OUTROS CLIENTES FOLHETO DE TAXAS DE JURO OUTROS CLIENTES 153 ÍNDICE FOLHETO DE TAXA DE JURO OUTROS CLIENTES 19 CONTAS DE DEPÓSITO... 155 19.1 DEPÓSITO À ORDEM... 156 19.2 DEPÓSITO A PRAZO... 157 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO...

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 Considerando a necessidade do Governo dos Açores continuar a potenciar a competitividade e crescimento sustentado

Leia mais

Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-Jun-16

Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-Jun-16 Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01Jun16 O Preçário completo do Banco Invest, contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Engº Francisco Antônio Ramos de Oliveira Gerente de Negócios faro@cpfl.com.br 14 9148 5978 São Paulo, 16 de junho de

Leia mais

Montante Mínimo Equivalente 1.000,00 30 dias, 60 dias, 90 dias, 180 dias, 365 dias

Montante Mínimo Equivalente 1.000,00 30 dias, 60 dias, 90 dias, 180 dias, 365 dias APLICAÇÕES À ORDEM 1. Abertura de Contas 1.1. Montante Mínimo Conta BNI Particulares Equivalente 20,00 Conta BNI Empresas Equivalente 200,00 Conta Plus Equivalente 100,00 Despesas manuteção D.O / trimestrais

Leia mais

Workshop Invest Lisboa Meios de Pagamentos Eletrónicos: Oportunidades e Desafios para Empresas e Empreendedores

Workshop Invest Lisboa Meios de Pagamentos Eletrónicos: Oportunidades e Desafios para Empresas e Empreendedores Workshop Invest Lisboa Meios de Pagamentos Eletrónicos: Oportunidades e Desafios para Empresas e Empreendedores DANIEL REIS 13 de abril de 2016 ÍNDICE O QUE DIZ A LEI SOBRE OS MEIOS DE PAGAMENTO? REGULAÇÃO

Leia mais

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA

STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA PREÇÁRIO STANDARD CHARTERED BANK ANGOLA Instituição Financeira Bancária ANEXO I Tabela de Comissões e Despesas DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01/06/2015 Este Preçário pode ser consultado nos balcões e locais

Leia mais

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes.

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes. Página1 TESOURARIA Âmbito Recibos O módulo de recibos do Multi permite associar os valores recebidos de terceiros aos documentos regularizados, registar os meios de liquidação e emitir o Recibo. O recibo

Leia mais

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA 1. CONTAS DE TÍTULOS CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) Em todas as Bolsas 12,00 (*) - Aplicável a todas as Contas Títulos com saldo médio diário superior a zero unidades

Leia mais

Conta BNI Particulares Equivalente $20 Conta BNI Empresas Equivalente $200 Conta Plus Equivalente $100

Conta BNI Particulares Equivalente $20 Conta BNI Empresas Equivalente $200 Conta Plus Equivalente $100 APLICAÇÕES À ORDEM 1. Abertura de Contas 1.1. Montante Mínimo Conta BNI Particulares Equivalente $20 Conta BNI Empresas Equivalente $200 Conta Plus Equivalente $100 APLICAÇÕES A PRAZO 1. Produtos Aplicação

Leia mais

Encaminho a V. Sa., documentação da Prestação de Contas, composta dos anexos

Encaminho a V. Sa., documentação da Prestação de Contas, composta dos anexos ANEXO I (MODELO) OFÍCIO DE ENCAMINHAMENTO DA PRESTAÇÃO CONTAS CONVÊNIO Nº Ofício nº 001 / 2012. Senhor (a) Secretário (a) RECIFE, de JUNHO de 2012. Encaminho a V. Sa., documentação da Prestação de Contas,

Leia mais

Cartilha de Poupança

Cartilha de Poupança Cartilha depoupança Poupança O que é?... 2 Segurança... 2 Modalidades de poupança do BB... 3 Reajuste Monetário... 4 Juros... 4 Imposto de renda... 4 Valor mínimo... 5 Abertura... 5 Aniversário da poupança...

Leia mais

Condições para Serviços Bancários a Particulares Covilhã 13/3/2015

Condições para Serviços Bancários a Particulares Covilhã 13/3/2015 Condições para Serviços Bancários a Particulares Covilhã 13/3/2015 PRODUTOS Conta à Ordem/Conta Ordenado Cartão de débito Eletron/ Crédito/Pré-pago Acesso Multicanal Cheques Outros Serviços Condições vantajosas

Leia mais

16. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

16. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 16.1. Remessas documentárias Remessas Documentárias de Exportação / Abonos e Descontos em Carteira 1. Cobrança 0,25 70,0/400,00 IS-4% Expediente 37,50 2. Prorrogação, franco pagamento 40,00 IS-4% 3. Devolução

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENAÇÃO DA RECEITA DO ESTADO NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N. 112/2008

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENAÇÃO DA RECEITA DO ESTADO NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N. 112/2008 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENAÇÃO DA RECEITA DO ESTADO NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N. 112/2008 O DIRETOR DA COORDENAÇÃO DA RECEITA DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS GUIA PARA A MOBILIDADE DE SERVIÇOS BANCÁRIOS simplifica Como nasce este Guia O presente Guia baseia-se nos Princípios Comuns Para a Mobilidade de Serviços Bancários", adoptados

Leia mais

REFEIÇÕES ESCOLARES. cascais.pt

REFEIÇÕES ESCOLARES. cascais.pt REFEIÇÕES ESCOLARES cascais.pt REFEIÇÕES ESCOLARES PROGRAMA ALIMENTAR (PA) O Programa Alimentar do Município de Cascais tem mais de 20 anos e abrange todas as Escolas do Pré-escolar e 1º Ciclo da rede

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: - 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Data início de comercialização: 2000/04/13 por tempo

Leia mais

Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING

Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING Preçário FINANFARMA - SOCIEDADE DE FACTORING, S A SOCIEDADES DE FACTORING Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Finanfarma, S.A.,

Leia mais

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões EBA/GL/2015/01 11.05.2015 Orientações da EBA relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões 1 Obrigações em matéria

Leia mais

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991;

CIRCULAR Nº 3249. Art. 3º Divulgar as folhas anexas, necessárias à atualização da CNC. - Carta-Circular 2.201, de 20 de agosto de 1991; CIRCULAR Nº 3249 Divulga o Regulamento sobre Frete Internacional, e dá outras providências. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, com base nos artigos 9º e 11 da Lei 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

Não aplicável (conta não remunerada)

Não aplicável (conta não remunerada) Designação Conta 18-23 Condições de Acesso Clientes Particulares com idades compreendidas entre os 18 e os 23 anos Modalidade Depósito à Ordem Meios de Movimentação Cartão de débito, cheque, ordem de transferência,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12 Do Plano de Recuperação ANEXO I 1 A Operadora deverá mencionar em seu Plano de Recuperação, o(s) motivo(s) e problema(s) exposto(s) pela ANS, indicando

Leia mais

# Confiança Planeamento e Gestão de Investimentos. segurança do seu património. Para isso contamos com o nosso trabalho, no

# Confiança Planeamento e Gestão de Investimentos. segurança do seu património. Para isso contamos com o nosso trabalho, no Caritas Dioces ana de Coim bra Condições válidas para Caritas Diocesana de Coimbra Oferta de Cooperação Barclays at Work Saiba mais em www.barclays.pt/compromissopremier # Confiança Planeamento e Gestão

Leia mais

Horário. CET: Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação 3ª edição, 2014/15. Semana: 1 Sala: 2.09

Horário. CET: Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação 3ª edição, 2014/15. Semana: 1 Sala: 2.09 Horário CET: Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação 3ª edição, 2014/15 Semana: 1 Sala: 2.09 Hora 2014-09-22 2014-09-23 2014-09-24 2014-09-25 2014-09-26 2014-09-27 do utilizador do utilizador

Leia mais

Cash Passport Multi Moeda Cartão pré-pago da MasterCard

Cash Passport Multi Moeda Cartão pré-pago da MasterCard Cash Passport Multi Moeda Cartão pré-pago da MasterCard Page 1 Cash Passport Multi Moeda Cartão Pré-pago da MasterCard Conceito Uma alternativa moderna, prática e segura na hora de levar dinheiro em suas

Leia mais

EUROPEIA SOBRE A VENDA DE TÍTULOS A DESCOBERTO

EUROPEIA SOBRE A VENDA DE TÍTULOS A DESCOBERTO INFORMAÇÃO PADRÃO EUROPEIA SOBRE A VENDA DE TÍTULOS A DESCOBERTO 1 IDENTIDADE E DADOS DE CONTATO DA ENTIDADE FORNECEDORA DO CRÉDITO Entidade fornecedora do crédito: DEGIRO B.V. Endereço: Rembrandt Tower

Leia mais

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004.

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. CIRCULAR N.º 11/ORÇ/2003 (PROVISÓRIA) A todos os serviços da administração pública regional ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. O Decreto Regulamentar Regional n.º ---/---M, de --de --,

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Negócio Clientes Empresa e Empresários em Nome Individual. Depósito à Ordem remunerado, que possibilita o acesso a um limite de crédito

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 26 DE MARÇO DE 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO Município de Olhão Saldo Inicial Débitos Créditos Saldo Final Faturas Clientes Conta Corrente 575.655,98 1.151.592,32 1.547.633,80 179.614,50 Faturas

Leia mais

Comparação com o Sistema de Débitos Diretos nacional

Comparação com o Sistema de Débitos Diretos nacional 1 Sobre a SEPA A criação da Área Única de Pagamentos em Euros (SEPA Single Euro Payments Area) tem como objetivo principal o estabelecimento de um mercado único de pagamentos de retalho. Nesta Área, particulares,

Leia mais

QUESTÕES MAIS FREQUENTES. Ref. 02.002.14017

QUESTÕES MAIS FREQUENTES. Ref. 02.002.14017 7 QUESTÕES MAIS FREQUENTES 1 DE ÂMBITO GENÉRICO (1/4) O que significa a SEPA para as Empresas e para os demais agentes económicos? Significa que estas poderão efetuar pagamentos em toda a área do euro,

Leia mais

DEMONSTRATIVO MENSAL DE CRÉDITO ACUMULADO - DMCA

DEMONSTRATIVO MENSAL DE CRÉDITO ACUMULADO - DMCA ANEXO XI (a que se refere o art. 120 do RICMS/ES) DEMONSTRATIVO MENSAL DE CRÉDITO ACUMULADO - DMCA DEMONSTRATIVO MENSAL DE CRÉDITO ACUMULADO - DMCA Nº: Forma de Apresentação: Razão Social: Endereço: Insc.

Leia mais

Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008

Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008 Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008 O presente relatório analisa a actividade desenvolvida pelo OPART no primeiro trimestre de 2008 e enquadrada na temporada 2007/08.

Leia mais

Preçário AS "PRIVATBANK" SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o PARTE I FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o PARTE II FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário AS PRIVATBANK SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o PARTE I FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o PARTE II FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário AS "PRIVATBANK" SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Consulte o PARTE I FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o PARTE II FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 10 Junho 2013 O Preçário completo

Leia mais

Acesso à informação das empresas na Central de Responsabilidades de Crédito

Acesso à informação das empresas na Central de Responsabilidades de Crédito Acesso à informação das empresas na Central de Responsabilidades de Crédito P l C i i Paula Casimiro ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. A do Banco de Portugal II. Acesso à informação da CRC 2 A do Banco de Portugal

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

Novas Funções do módulo Financeiro

Novas Funções do módulo Financeiro Novas Funções do módulo Financeiro Contas a receber: Lançamentos de contas a receber. Contas a pagar: Lançamentos de contas a pagar. Conciliação Bancária: Permite controlar os saldos da Conta Banco como

Leia mais

b) Certidão, emitida pela Direcção-Geral do Tesouro, relativa ao saldo de créditos libertos no final da gerência (modelo n.º 13); c) Certidão de

b) Certidão, emitida pela Direcção-Geral do Tesouro, relativa ao saldo de créditos libertos no final da gerência (modelo n.º 13); c) Certidão de Instruções n.º 2/97-2.ª S Instruções para a organização e documentação das contas dos serviços e organismos da Administração Pública (regime geral - autonomia administrativa), integrados no novo Regime

Leia mais

REAL INVESTIMENTO SEGURO Ficha de Produto

REAL INVESTIMENTO SEGURO Ficha de Produto Tipo de Cliente Descrição Segmento-alvo Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. O Real Investimento Seguro é um produto de capitalização a 5 anos, assente num Contrato de Investimento, de entrega

Leia mais

Mérito Desenvolvimento Imobiliário I FII. Fundo de Investimento Imobiliário

Mérito Desenvolvimento Imobiliário I FII. Fundo de Investimento Imobiliário 03 09 10 11 13 15 16 18 20 22 24 26 28 29 31 33 02 1. Imobiliário I 03 1. Imobiliário I 04 1. Imobiliário I 05 1. Imobiliário I 06 1. Imobiliário I 07 1. Imobiliário I 1. LANÇAMENTO 2. OBRAS 3. CONCLUÍDO

Leia mais

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO Atendendo a que o turismo é um sector estratégico na economia nacional e considerando que a APAVT tem tido um papel fundamental no desenvolvimento do turismo nacional, o acordo

Leia mais

Klavier Tecnologia da Informação. Klavier Sistemas Integrados. Contas a Pagar

Klavier Tecnologia da Informação. Klavier Sistemas Integrados. Contas a Pagar Klavier Sistemas Integrados Contas a Pagar Versão 3.00.003 2009 1 - Contas a Pagar O módulo Contas a Pagar contém toda a previsão de pagamentos futuros bem como o movimento pago e / ou em aberto da empresa.

Leia mais

Passo a Passo do Fluxo de Caixa no SIGLA Digital

Passo a Passo do Fluxo de Caixa no SIGLA Digital Página 1 de 9 Passo a Passo do Fluxo de Caixa no SIGLA Digital Este é um dos principais módulos do Sigla Digital. Ferramenta de controle financeiro das empresas cadastradas no Sigla Digital. Por essa ferramenta

Leia mais

E-mail Funtef-cp@utfpr.edu.br

E-mail Funtef-cp@utfpr.edu.br Anexo I Encaminhamento de Prestação de Contas Convênio nº 339/2012 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE/BENEFICIÁRIO Beneficiário: Fundação de Apoio à Educação, Pesquisa e Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO. Art. 1" (Período de dupla circulação monetária)

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO. Art. 1 (Período de dupla circulação monetária) Art. 1" (Período de dupla circulação monetária) Conjuntamente com as notas e moedas metálicas expressas em eur,os, cuja circulação tem início em 1 de Janeiro de 2002, continuarão a circular, até 28 de

Leia mais