11. Estampas Desenho de materiais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11. Estampas Desenho de materiais"

Transcrição

1 11. Estampas Desenho de materiais Naquele Império, a Arte da Cartografia logrou tal Perfeição que o mapa de uma só Província ocupava toda uma Cidade, e o mapa do império toda uma Província. Com o tempo, esses Mapas Desmesurados não satisfizeram e os Colégios de Cartógrafos levantaram um Mapa do Império que tinha o tamanho do Império e coincidia pontualmente com ele. Menos Dadas a Estudos de Cartografia, as Gerações Seguintes entenderam que esse dilatado Mapa era Inútil e não sem Impiedade o entregaram à Inclemência do Sol e dos Invernos. Borges, 1984, p. 121

2 FFE 1. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

3 FFE 2. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 138

4 FFE 3. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

5 FFE 4. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 140

6 FFE 5. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

7 FFE 6. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 142

8 FFE 7. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

9 FFE 8. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 144

10 FFE 9. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

11 FFE 10. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 146

12 FFE 11. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

13 FFE 12. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 148

14 FFE 13. Materiais de superfície da Fonte Ferrenha ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

15 MRIB 14. Materiais de superfície do Monte da Ribeira. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 150

16 MRIB 15. Materiais de superfície do Monte da Ribeira ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

17 MRIB 16. Materiais de superfície do Monte da Ribeira. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 152

18 MRIB 17. Materiais de superfície do Monte da Ribeira ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

19 MRIB 18. Materiais de superfície do Monte da Ribeira. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 154

20 MRIB 19. Materiais de superfície do Monte da Ribeira ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

21 MRIB 20. Materiais de superfície do Monte da Ribeira. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 156

22 MRIB 21. Materiais de superfície do Monte da Ribeira ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

23 MRIB 22. Materiais de superfície do Monte da Ribeira. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 158

24 MRIB 23. Materiais de superfície do Monte da Ribeira ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

25 MRIB 24. Materiais de superfície do Monte da Ribeira. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 160

26 MRIB 25. Materiais de superfície do Monte da Ribeira ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

27 MRIB 26. Materiais de superfície do Monte da Ribeira. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 162

28 MRIB 27. Materiais de superfície do Monte da Ribeira ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

29 MRIB 28. Materiais de superfície do Monte da Ribeira. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 164

30 MRIB 29. Ídolo de cornos do Monte da Ribeira (seg. Gonçalves, 1989, p. 452) ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

31 MRIB 30. Materiais de superfície do Monte da Ribeira. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 166

32 MRIB 31. Materiais de superfície do Monte da Ribeira ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

33 MRIB CAN AAZ TER SIL 32. Materiais de superfície. 1 a 7: Monte da Ribeira; 8: Candeeira; 9: Anta da Azaruja; 10: Terrugem; 11: Silveira. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 168

34 SPD 33. Materiais de superfície do S. Pedro ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

35 SPD 34. Materiais de superfície do S. Pedro. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 170

36 SPD 35. Materiais de superfície do S. Pedro ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

37 SPD 36. Materiais de superfície do S. Pedro. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 172

38 SPD 37. Materiais de superfície do S. Pedro ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

39 SPD 38. Materiais de superfície do S. Pedro. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 174

40 SPD 39. Materiais de superfície do S. Pedro ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

41 SPD 40. Materiais de superfície. 1 a 12: S. Pedro; 13 a 16: Vinha. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 176

42 VIN VIN 41. Materiais de superfície. 1: Vinha; 2 a 12: Caladinho ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

43 CAL AG 42. Materiais de superfície. 1 a 7: Caladinho; 8: Águia. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 178

44 CAB 43. Materiais de superfície do Cabido ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

45 COV 1 AAZ ALM AAZ CN 44. Materiais de superfície. 1: Covas; 2: Anta da Azaruja; 3: Almo; 4: Anta da Azaruja; 5: Casas Novas. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 180

46 COL 2 COL Materiais de superfície. 1 a 6: Colmeeiro 2; 7 e 8: Colmeeiro ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

47 COL 2 PER 46. Materiais de superfície. 1 a 6: Colmeeiro 2; 7 a 12: Pereiras. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 182

48 PER 47. Materiais de superfície das Pereiras ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

49 SSIN PNA CV 48. Materiais de superfície. 1 a 6: Serra da Sina; 7: Pena de Alfanje; 8 a 10: Castelo Velho. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 184

50 SSIN 49. Materiais de superfície da Serra da Sina ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

51 SGE 50. Materiais de superfície do S. Gens. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 186

52 SGE 51. Materiais de superfície do S. Gens ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

53 ATA 52. Materiais de superfície da Atalaia. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 188

54 ATA 53. Materiais de superfície. 1 a 4: Atalaia; 5 a 9: Encostinha ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

55 FAM 54. Materiais de superfície do Famão. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 190

56 FAM 55. Materiais de superfície do Famão ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

57 FAM 56. Materiais de superfície do Famão. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 192

58 FAM 57. Materiais de superfície do Famão ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

59 BRI 58. Materiais de superfície da Brioa. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 194

60 PLOB MIL 59. Materiais de superfície. 1 a 4: Pero Lobo; 5 Milreu ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

61 MCHA 60. Materiais de superfície do Monte do Charqueirão. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 196

62 MCHA 61. Materiais de superfície do Monte do Charqueirão ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

63 MCHA 62. Materiais de superfície do Monte do Charqueirão. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 198

64 MCHA 63. Materiais de superfície do Monte do Charqueirão ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

65 MCHA 64. Materiais de superfície do Monte do Charqueirão. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 200

66 MCHA 65. Materiais de superfície do Monte do Charqueirão ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

67 PERD 66. Materiais de superfície da Perdigoa. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 202

68 PERD 67. Materiais de superfície da Perdigoa ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

69 PERD 68. Materiais de superfície da Perdigoa. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 204

70 PERD 69. Materiais de superfície da Perdigoa ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

71 PERD 70. Materiais de superfície da Perdigoa. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 206

72 PERD 71. Materiais de superfície da Perdigoa ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

73 CHA 72. Materiais de superfície do Chapim. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 208

74 CUB 73. Materiais de superfície do Cubo ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

75 CUB 74. Materiais de superfície do Cubo. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 210

76 BCT 75. Materiais de superfície de Bencatel ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

77 HNG 76. Materiais de superfície da Horta das Nogueiras. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 212

78 SAL 77. Materiais de superfície da Salgada ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

79 SAL 78. Materiais de superfície da Salgada. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 214

80 SAL 79. Materiais de superfície da Salgada ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

81 SAL 80. Materiais de superfície da Salgada. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 216

82 SAL 81. Materiais de superfície da Salgada ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

83 SAL 82. Materiais de superfície da Salgada. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 218

84 SAL 83. Materiais de superfície da Salgada ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

85 SAL 84. Materiais de superfície da Salgada. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 220

86 SAL 85. Materiais de superfície da Salgada ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

87 SAL 86. Materiais de superfície da Salgada. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 222

88 SAL 87. Materiais de superfície da Salgada ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

89 SAL 88. Materiais de superfície da Salgada. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 224

90 SAL 89. Materiais de superfície da Salgada ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

91 QIT SAL SOB 2 OCA 90. Materiais de superfície. 1 a 4: Quintas; 5: Salgada; 6: Sobreira 2; 7: Outeiro da Cardiga. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 226

92 VIG 91. Materiais de superfície da Vigária ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

93 VIG 92. Materiais de superfície da Vigária. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 228

94 ENC SLOU 93. Materiais de superfície. 1 a 5: Encostinha; 6 a 8: S. Lourenço ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

95 CLMT 94. Materiais de superfície. 1 a 13: Claros Montes; 14: Olival. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 230

96 COMM 95. Materiais de superfície da Comenda do Meio ESTAMPAS DESENHO DE MATERIAIS

97 IFR 2 CQ Materiais de superfície. 1 e 2: Ilha Fria 2; 3 a 5: Carrasqueira 1. DA SERRA D OSSA AO GUADIANA UM ESTUDO DE PRÉ-HISTÓRIA REGIONAL 232

PERCURSO DETALHADO. AVENIDA DO MAR (2,21 Km) 1ª Prova Especial

PERCURSO DETALHADO. AVENIDA DO MAR (2,21 Km) 1ª Prova Especial Quinta-feira, 30 de Julho 1ª ETAPA 1ª Secção FUNCHAL/FUNCHAL FUNCHAL - C.I.F.E.C. Parque Fechado (Saída) C.H. 0 17:31 horas Rua Nova do Pico de São João Avenida Calouste Gulbenkian Avenida Arriaga Podium

Leia mais

PERCURSO DETALHADO REABASTECIMENTO (RZ 1) CAMPO DE GOLFE 1 (16,07 Km) 1ª Prova Especial. CHÃO DA LAGOA 1 (22,07 Km) 2ª Prova Especial

PERCURSO DETALHADO REABASTECIMENTO (RZ 1) CAMPO DE GOLFE 1 (16,07 Km) 1ª Prova Especial. CHÃO DA LAGOA 1 (22,07 Km) 2ª Prova Especial Sexta-feira, 1 de Agosto 1ª Secção FUNCHAL/FUNCHAL 1ª ETAPA Partida - Praça do Mar Parque Fechado (Saída) C.H. 0 17:29 horas Rotunda do Infante Avenida Arriaga Podium - Cerimónia de Partida (C. S. Madeira)

Leia mais

Códigos STAPE Códigos INE Código Distrito Concelho Freguesia Código Distrito Concelho Freguesia

Códigos STAPE Códigos INE Código Distrito Concelho Freguesia Código Distrito Concelho Freguesia 021116 Beja Odemira Longueira/Almograve 021117 Beja Odemira Longueira/Almograve 021117 Beja Odemira Boavista dos Pinheiros 021116 Beja Odemira Boavista dos Pinheiros 070517 Évora Évora Malagueira 070519

Leia mais

A Problemática das Continuidades e Descontinuidades na Idade do Bronze no Médio Tejo Português

A Problemática das Continuidades e Descontinuidades na Idade do Bronze no Médio Tejo Português A Problemática das Continuidades e Descontinuidades na Idade do Bronze no Médio Tejo Português A. Cruz, D. Delfino, A. Graça, F. Gaspar, A. Batista, C. Batata TERRITÓRIO Médio Tejo Português TERRITÓRIO

Leia mais

CAMPO DE GOLFE 1 (16,07 Km) 1 st Special Stage. CHÃO DA LAGOA 1 (22,07 Km) 2 nd Special Stage

CAMPO DE GOLFE 1 (16,07 Km) 1 st Special Stage. CHÃO DA LAGOA 1 (22,07 Km) 2 nd Special Stage Friday, 1 st of August 1 st Section FUNCHAL/FUNCHAL Start - 1st LEG - Praça do Mar Parc Fermé (OUT) T.C. 0 17:29 hours Infante Roundabout Arriaga Avenue Podium - Ceremonial Start (C. S. Madeira) T.C. 0A

Leia mais

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: De Segunda a Sexta-feira das 8:00 às 12:30 h e das 14:00 às 20:00 h Sábado das 9:00 às 13:00 h

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: De Segunda a Sexta-feira das 8:00 às 12:30 h e das 14:00 às 20:00 h Sábado das 9:00 às 13:00 h Direcção, Telefone e Informação: 707 236 333 Águas de Moura Brejo de Canes Aldeia dos Pinheiros Brejos Algeruz Cachofarra Alpertucho Figueirinha Alto da Guerra Galápos Amieira Gambia Arrábida Lau Marateca

Leia mais

Património cultural Museus. http://www.cmpedrogaogrande.pt/index.php?option=com_content&view=a. rticle&id=132&itemid=123. rticle&id=132&itemid=123

Património cultural Museus. http://www.cmpedrogaogrande.pt/index.php?option=com_content&view=a. rticle&id=132&itemid=123. rticle&id=132&itemid=123 Atelier Túllio Victorino Sertã / Cernache do Bonjardim CASA MUSEU COMENDADOR MANUEL NUNES CORRÊA MUSEU PEDRO CRUZ MUSEU DE ARTE SACRA (Misericórdia) Museu Arqueologia Mação Centro Geodésico de Portugal

Leia mais

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 7º ANO TRABALHO DE GRUPO HYPERPAISAGENS PROFESSORA: CRISTINA CÂMARA ANO LECTIVO 2002/03 FOTOGRAFIA AÉREA (1 E 2) A Fotografia Aérea é: a) Uma fotografia digital, tirada na vertical

Leia mais

ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE

ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE Caminha V. Praia de Âncora costeira C/ cadeira anfíbia

Leia mais

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR MAPA V EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Código Estabelecimento de Educação/Concelho/Zonas Pedagógicas 3101 Concelho da Calheta 3101101 EB1/PE de Ladeira e Lamaceiros 3101102 EB1/PE do Lombo da Guiné 3101103 EB1/PE

Leia mais

CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL 2016

CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL 2016 CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL 2016 MEDALHAS GRANDE OURO Nunes Barata Reserva Tinto, 2012 - Nunes Barata Vinhos Cortes de Cima Branco 2014 - Cortes de Cima, S.A. MEDALHAS DE OURO Bombeira do Guadiana Escolha

Leia mais

Divisão Municipal de Sistemas de Informação Geográfica, Cartográfica e Cadastro Classificação e Cadastro dos Caminhos Públicos do Município de Oliveira de Azeméis Freguesia de Travanca Outubro 2011 Câmara

Leia mais

INTERNATIONAL WINE CHALLENGE 2011

INTERNATIONAL WINE CHALLENGE 2011 INTERNATIONAL WINE CHALLENGE 2011 3 MEDALHA DE OURO Encostas de Estremoz Reserva 2008 T / Encostas de Estremoz Sociedade Agrícola Lda Casa Santa Vitória Reserva 2007 T / Casa Santa Vitória SA Sexy 2009

Leia mais

EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS TOURISTIC ACCOMMODATION

EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS TOURISTIC ACCOMMODATION EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS TOURISTIC ACCOMMODATION Estabelecimentos Hoteleiros / Hotels Pousada Histórica / Historical Hostels - Pousada do Convento da Graça (Pousada Histórica) Rua D. Paio Peres Correia,

Leia mais

Património. Projecto em.cantos

Património. Projecto em.cantos Património Património gastronómico As especialidades gastronómicas do concelho fazem parte dos encantos de Serpa, revestindo-se de saberes seculares, usos, costumes e modos de fazer antiquíssimos, o que

Leia mais

EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS TOURISTIC ACCOMMODATION

EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS TOURISTIC ACCOMMODATION EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS TOURISTIC ACCOMMODATION Estabelecimentos Hoteleiros / Hotels Pousada Histórica / Historical Hostels Pousada do Convento da Graça (Pousada Histórica) Rua D. Paio Peres Correia,

Leia mais

ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE

ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE Caminha V. Praia de Âncora costeira C/ cadeira anfíbia

Leia mais

Servidões e restrições de utilidade pública

Servidões e restrições de utilidade pública Servidões e restrições de utilidade pública RECURSOS HÍDRICOS Linhas de água do Domínio Hídrico Regime geral: Lei nº 58/2005 Limite de cheia com período de retorno de 100 anos Regime geral: Lei nº 58/2005

Leia mais

Património Arqueológico do Médio Tejo: Aplicação em Sistemas de Informação Geográfica

Património Arqueológico do Médio Tejo: Aplicação em Sistemas de Informação Geográfica X JORNADAS DE ARQUEOLOGIA IBEROAMERICANA II JORNADAS DE ARQUEOLOGIA TRANSATLÂNTICA Património Arqueológico do Médio Tejo: Aplicação em Sistemas de Informação Geográfica ANASTÁCIO & ZUNNI & CRUZ & GRAÇA

Leia mais

Inventario Anual 2010

Inventario Anual 2010 1- ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS DO INVENTÁRIO ANUAL AOS ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS 2010 I- Estabelecimentos hoteleiros e capacidade hoteleira Segundo o inventário anual realizado pelo Instituto Nacional

Leia mais

276510160 Centro de Saúde. 254320050 Centro de Saúde. 259493115 Centro de Saúde. 259939209 Centro de Saúde. 254820030 Centro de Saúde

276510160 Centro de Saúde. 254320050 Centro de Saúde. 259493115 Centro de Saúde. 259939209 Centro de Saúde. 254820030 Centro de Saúde Agrupamento De Centros De Saúde Alto Trás-Os- Montes II- Alto Tâmega e Barroso Agrupamento De Centros De Saúde Douro I - Marão e Douro Norte Antonio F. Lobo, Serviços Clínicos, Sociedade Unipessoal, Lda.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS DA OFERTA DE LAZER E CULTURA

CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS DA OFERTA DE LAZER E CULTURA CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS DA OFERTA DE LAZER E CULTURA LOCALIZAÇÃO Aeroportos / Aeródromos / Pistas Aeródromo da Tojeira Bibliotecas / Arquivos Históricos Biblioteca Casa Mantero Biblioteca Municipal

Leia mais

DETAILED ROUTE. AVENIDA DO MAR (2,21Km) 1 st Special Stage

DETAILED ROUTE. AVENIDA DO MAR (2,21Km) 1 st Special Stage Thursday, 30th of July 1 st LEG 1 st Section FUNCHAL/FUNCHAL Start - 1st LEG - C.I.F.E.C. Parc Fermé (OUT) T.C. 0 17:31 hours Nova do Pico de São João Street Calouste Gulbenkian Avenue Arriaga Avenue Podium

Leia mais

Celorico da Beira / Cortiçô da Serra Mourela - 6360-050 CORTIÇÔ DA SERRA

Celorico da Beira / Cortiçô da Serra Mourela - 6360-050 CORTIÇÔ DA SERRA Celorico Beira / Açores Açores - 6360-010 AÇORES Celorico Beira / Açores Aldeia Rica - 6360-011 AÇORES Celorico Beira / Açores Quinta do Pomar - 6360-012 AÇORES Celorico Beira / Açores Estra de Açores

Leia mais

TOPONÍMIA DA REDE VIÁRIA AGADÃO

TOPONÍMIA DA REDE VIÁRIA AGADÃO LUGAR DE ALCAFAZ Rua da Portela Da Rua Principal de, para Nordeste e Sul com saída para caminhos Rua das Lombitas Rua sem saída, com inicio na Rua Principal de, para Norte. Rua do Cabo Da Rua Principal

Leia mais

LEVANTAMENTO DE ÁREAS PUBLICAS - Unidades de AÇÃO COMUNITÁRIA

LEVANTAMENTO DE ÁREAS PUBLICAS - Unidades de AÇÃO COMUNITÁRIA LEVANTAMENTO DE ÁREAS PUBLICAS - Unidades de DOCUMENTO CAC: Centro DE ALTER/REGULARIZ: de Ação Comunitária; RM: Restaurante Dc: Decreto; Municipal; Rs: Resolução; CQP: Centro Dl: de Deliberação; Qualificação

Leia mais

Decanter World Wine Awards 2016

Decanter World Wine Awards 2016 Decanter World Wine Awards 2016 MEDALHA DE PLATINA Pêra-Grave Reserva Tinto 2013 Pêra-Grave Soc. Agr. Unipessoal, Lda MEDALHA DE OURO Monte Mayor Reserva Tinto 2013 Adega Mayor, S.A Malhadinha Tinto 2013

Leia mais

ENCONTRE AQUI O TERRENO PARA A SUA MORADIA

ENCONTRE AQUI O TERRENO PARA A SUA MORADIA ENCONTRE AQUI O PARA A SUA MORADIA S PARA CONSTRUÇÃO 5% DE DESCONTO SOBRE O PREÇO DO EM CATÁLOGO PARA ESCRITURAS REALIZADAS ATÉ 30/09/2014 Em parceria com: EM MAIS DE 300 S, UM SERÁ CERTAMENTE O QUE PROCURA.

Leia mais

Plano Desenvolvimento Rural de Linhares 2010/2013

Plano Desenvolvimento Rural de Linhares 2010/2013 Plano Desenvolvimento Rural de Linhares 2010/2013 Esta freguesia localizada em região planaltica está situada a cerca de oito quilómetros da sede do concelho, e a cerca de 5 Km da Auto Estrada Porto- Valença.

Leia mais

RELllTORIO lll\iulll DO DIRETOR

RELllTORIO lll\iulll DO DIRETOR MINISTll:RIO DA AGRICULTURA DEPARTAMENTO NACIONAL DA PRODUÇÃO MINERAL DIVISÃO DE GEOLOGIA E MINERALOGIA ALBERTO RIBEIRO LAMEGO Diretor, RELllTORIO lll\iulll DO DIRETOR ANO DE 1956 RIO DE JANEIRO SERVIÇO

Leia mais

Prova do Nível 1 (resolvida)

Prova do Nível 1 (resolvida) Prova do Nível (resolvida) ª fase 0 de novembro de 0 Instruções para realização da prova. Verifique se este caderno contém 0 questões e/ou qualquer tipo de defeito. Se houver algum problema, avise imediatamente

Leia mais

TABLEWARE SET JUEGO DE CUBIERTOS INFORMAÇÕES DICAS E CUIDADOS

TABLEWARE SET JUEGO DE CUBIERTOS INFORMAÇÕES DICAS E CUIDADOS TABLEWARE SET JUEGO DE CUBIERTOS INFORMAÇÕES DICAS E CUIDADOS QUALIDADE ACABAMENTO ERGONOMIA OS TALHERES Quem conhece já sabe: os talheres Tramontina são sempre a melhor escolha. As peças são fabricadas

Leia mais

Catálogo Produtos. ANTÓNIO ENES MORAIS, Lda. - Molduras para Painéis de Parede e Tectos. - Molduras de Tabela. - Moldura Viga - Candeeiros Gesso

Catálogo Produtos. ANTÓNIO ENES MORAIS, Lda. - Molduras para Painéis de Parede e Tectos. - Molduras de Tabela. - Moldura Viga - Candeeiros Gesso ANTÓNIO ENES MORAIS, Lda. Estucadores Profissionais Executam todos os trabalhos em estuque decorativo e projectado Catálogo Produtos - Molduras para Painéis de Parede e Tectos - Molduras de Tabela - Moldura

Leia mais

Algarve. Rede de Acolhimento ao Autocaravanismo da Região do Algarve ARTICULAR PARA INTERVIR. Ações para o desenvolvimento regional

Algarve. Rede de Acolhimento ao Autocaravanismo da Região do Algarve ARTICULAR PARA INTERVIR. Ações para o desenvolvimento regional ART L A R V I R ARTICU TER Ações para o desenvolvimento regional Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional Comunidade Intermunicipal Região de Turismo Associação Turismo Algarve 1 ARTICU TER Ações

Leia mais

Ao final do trajeto, João estará no ponto: a) A b) B c) C d) D

Ao final do trajeto, João estará no ponto: a) A b) B c) C d) D QUIZ 1) (Prova Brasil 2007) A figura abaixo ilustra as localizações de alguns pontos no plano. João sai do ponto X, anda 20 metros para a direita, 30 metros para cima, 40 metros para a direita e 10 metros

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

BIMESTRAL - MANHÃ MATEMÁTICA CÁLCULOS TESTES. Nome: Nº: Data: / /2007 Série: 6ª/Ano: 7º Bimestre: 1º NOTA: Prova: Disciplina:

BIMESTRAL - MANHÃ MATEMÁTICA CÁLCULOS TESTES. Nome: Nº: Data: / /2007 Série: 6ª/Ano: 7º Bimestre: 1º NOTA: Prova: Disciplina: Nome: Nº: Disciplina: MATEMÁTICA Prova: BIMESTRAL - MANHÃ Data: / /2007 Série: 6ª/Ano: 7º Bimestre: 1º NOTA: Orientações para a prova: A prova é um instrumento de avaliação e aprendizagem. 1 - Leia cada

Leia mais

A presença árabo-muçulmana

A presença árabo-muçulmana A presença árabo-muçulmana Corão - Surāt al-fathia (Abertura) Os textos árabes não falam de Torres Vedras, assim como silenciaram o espaço litoral entre Lisboa e Sintra e Coimbra. Sem estas fontes, restam-nos

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO ECO-CÓDIGO C O N S T R U Ç Ã O D O N O S S O E C O - C Ó D I G O

CONSTRUÇÃO DO ECO-CÓDIGO C O N S T R U Ç Ã O D O N O S S O E C O - C Ó D I G O CONSTRUÇÃO DO ECO-CÓDIGO C O N S T R U Ç Ã O D O N O S S O E C O - C Ó D I G O ECO-CÓDIGO PELO COLÉGIO ECO-CÓDIGO PELO COLÉGIO ECO-CÓDIGO PELO COLÉGIO ECO-CÓDIGO PELO COLÉGIO HASTEAR DA BANDEIRA ECO-ESCOLAS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do Ministro dos Assuntos Parlamentares

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do Ministro dos Assuntos Parlamentares PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do Ministro dos Assuntos Parlamentares Ofº nº 5514/MAP 23 Julho 09 Exma. Senhora Secretária-Geral da Assembleia da República Conselheira Adelina Sá Carvalho

Leia mais

Rede Escolar do Concelho de Sintra

Rede Escolar do Concelho de Sintra Secundária Matias Aires Agualva 402199 X X Básica 2, 3 D. Domingos Jardo Mira Sintra 340728 X X Básica Dr. António Torrado Agualva 290178 X X Básica Lopas Agualva 293714 X X Básica Meleças Belas 244661

Leia mais

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA ILHA DA MADEIRA

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA ILHA DA MADEIRA Porto Moniz SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA ILHA DA MADEIRA São Vicente Santana Calheta Machico Galeria de Captação Furo de Captação Estação de Tratamento de Água (Municipal / desactivada) Central

Leia mais

Festas Religiosas 2015

Festas Religiosas 2015 Festas Religiosas 205 Religious Festivities 205 Mês/Month Dia/Day Local/Location Festa/Festivity P. Delgada Bom Jesus Santa Cruz São Salvador Câmara de Lobos, Sta Cecília Capela S.João Sagrada Família

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL. 1288 Diário da República, 1.ª série N.º 40 26 de Fevereiro de 2008

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL. 1288 Diário da República, 1.ª série N.º 40 26 de Fevereiro de 2008 1288 Diário da República, 1.ª série N.º 40 26 de Fevereiro de 2008 Incidente/procedimento/execução Taxa de justiça (UC) Oposição à execução ou à penhora/embargos de terceiro: Até 300 000...............................

Leia mais

ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS OMS- LISTA DE REFERÊNCIAS EM PORTUGAL

ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS OMS- LISTA DE REFERÊNCIAS EM PORTUGAL ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS OMS- LISTA DE REFERÊNCIAS EM PORTUGAL OMS TRATAMENTO DE ÁGUAS, LDA. Rua 25 de Abril, Ed. Viana B, Lote 7, 4º Dto., Ap. 158 3854-909 ALBERGARIA-A-VELHA T:234 524 273 ; f: 234 522 016

Leia mais

Data do início da implementação da experiência: 19 de setembro de 1996. 2. RELATO DA SITUAÇÃO ANTERIOR À INTRODUÇÃO DA INOVAÇÃO

Data do início da implementação da experiência: 19 de setembro de 1996. 2. RELATO DA SITUAÇÃO ANTERIOR À INTRODUÇÃO DA INOVAÇÃO Experiência: SISTEMA MATRICIAL DE ATIVIDADES Nome da Instituição: CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE Responsável: GESNER OLIVEIRA Integrantes da equipe: CARLA MARIA NAVES FERREIRA ADRIANO

Leia mais

Como chega a água às nossas casas?

Como chega a água às nossas casas? AgdA Águas Públicas do Alentejo, S.A. Como chega a água às nossas casas? Água de Todos para Todos Quem é? Em 13 de Agosto de 2009, foi celebrado um Contrato de Parceria Pública entre o Estado Português

Leia mais

0. A Histórico de Alterações:

0. A Histórico de Alterações: 0. A Histórico de Alterações: Data Revisão Item Descrição da Alteração Aprovação 1 1. Objetivo: Este procedimento tem como objetivo alocar nas salas da engenharia as disciplinas dos cursos de e Engenharia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LISBOA Instituição de Utilidade Pública

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LISBOA Instituição de Utilidade Pública ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LISBOA Instituição de Utilidade Pública FUTSAL COMUNICADO OFICIAL Nº 8 MAPA DE CASTIGOS Nº 63 ÉPOCA / 5 Em reunião do Conselho de Disciplina de 6/3/5, foram tomadas as deliberações

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

Concelho / Freguesia Localidade Tipo de Rua / Rua Números Local/Zona Código Postal. Horta Areinha Velha - 9900-011 HORTA

Concelho / Freguesia Localidade Tipo de Rua / Rua Números Local/Zona Código Postal. Horta Areinha Velha - 9900-011 HORTA Concelho / Freguesia Localidade Tipo de Rua / Rua Números Local/Zona Código Postal Horta Areinha Velha - 9900-011 HORTA Horta Loteamento de Santa Bárbara - 9900-013 HORTA 9900-014 HORTA Horta Rua Luís

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

REDE NACIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS - RNAP

REDE NACIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS - RNAP » ÂMBITO NACIONAL» ÂMBITO REGIONAL/LOCAL» ÂMBITO PRIVADO ÂMBITO NACIONAL 1. PARQUE NACIONAL DA PENEDA- GERÊS 2. PARQUE NATURAL DE MONTESINHO 3. PARQUE NATURAL DO LITORAL NORTE 4. PARQUE NATURAL DO ALVÃO

Leia mais

Salão Nobre da Associação. Salão das Sessões

Salão Nobre da Associação. Salão das Sessões Ano: 1922 Título: Associação Commercial Tipologia: Edifício com 3 pavimentos Logradouro Original: Rua Onze de Junho / Praça Azevedo Júnior / Rua XV de Novembro Logradouro Atual: Rua Riachuelo Bairro: Centro

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Produção de Pequenos Frutos na Região Norte Em Portugal, à exceção do morango,

Leia mais

PORTUGAL EMOTIONS CASA DA CALDEIRA

PORTUGAL EMOTIONS CASA DA CALDEIRA TURISMO REGIÃO CENTRO 2014 PORTUGAL EMOTIONS CASA DA CALDEIRA Enoturismo Sabores da Rolha ROTEIRO TURÍSTICO Z. CENTRO Sabores da Rolha propõe uma visita a uma região rica em diversidade cultural e paisagística

Leia mais

As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água

As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água Sede Monárquica Água e Esgoto As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água Em 12 de agosto de 1834, o Rio de Janeiro foi designado município neutro, por ato adicional à Constituição

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária

Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária Fádua Maria do Amaral SAMPAIO 1 ; Fernando Salomé JORGE 1 ; Wemerton Luís EVANGELISTA 2 1 Estudante de Engenharia

Leia mais

Mestrado e Pós-graduação em C&SIG Seminário Final do 2º semestre (2ª EDIÇÃO) Universidade de Cabo Verde 21 e 22 de Julho de 2010

Mestrado e Pós-graduação em C&SIG Seminário Final do 2º semestre (2ª EDIÇÃO) Universidade de Cabo Verde 21 e 22 de Julho de 2010 Mestrado e Pós-graduação em C&SIG Seminário Final do 2º semestre (2ª EDIÇÃO) Universidade de Cabo 21 e 22 de Julho de 2010 As sessões do Seminário Final do 2º semestre na UniCV estão programadas para os

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011 RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 068/2011 DO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS

Leia mais

Painel II As Portas e a evolução do seus modelos de organização

Painel II As Portas e a evolução do seus modelos de organização Painel II As Portas e a evolução do seus modelos de organização João Carlos Farinha Chefe de Divisão de Valorização de Áreas Classificadas do ICNF, I.P 25 áreas protegidas de âmbito nacional 7,6% de Portugal

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR. R$ 54 bilhões VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO TOTAL DE ESTABELECIMENTOS

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR. R$ 54 bilhões VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO TOTAL DE ESTABELECIMENTOS Os dados mostram uma estrutura agrária ainda concentrada no país: os estabelecimentos não familiares, apesar de representarem 15,6% do total dos estabelecimentos, ocupavam 75,7% da área ocupada. A área

Leia mais

EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES.

EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES. EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES. Tema 1: Histórias de vida, diversidade populacional (étnica, cultural, regional e social) e migrações locais, regionais e intercontinentais

Leia mais

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão

Leia mais

Boletim climatológico mensal novembro 2011

Boletim climatológico mensal novembro 2011 Boletim climatológico mensal novembro 2011 CONTEÚDOS 14:50 UTC 14:55 UTC 15:00 UTC 15:05 UTC 15:10 UTC 15:15 UTC IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática

Leia mais

Revista de Imprensa. Missão internacional de apreensão de droga

Revista de Imprensa. Missão internacional de apreensão de droga Revista de Imprensa Missão internacional de apreensão de droga Sexta-feira, 29 de Agosto de 2014 ÍNDICE Título Fonte Data Pág/Hora Apreensão ao largo de Viana. Veleiro tinha 850 kg de cocaína i 29/8/2014

Leia mais

Sistemas de abastecimento de água na ilha da Madeira

Sistemas de abastecimento de água na ilha da Madeira Porto Moniz Sistemas de abastecimento de água na ilha da Madeira São Vicente Santana Calheta Machico Galeria de Captação Furo de Captação Estação de Tratamento de Água (Municipal / desactivada) Central

Leia mais

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre:

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre: áreas protegidas de portugal continental estatutos de conservação (áreas protegidas citadas de norte para sul; legislação essencial por ordem cronológica; dados referentes a março 2006) Pedro Castro Henriques

Leia mais

Manual de Montagem Casa 36m²

Manual de Montagem Casa 36m² Manual de Montagem Casa 36m² cga -gerência de desenvolvimento da aplicação do aço Usiminas - Construção Civil INTRODUÇÃO Solução para Habitação Popular - é uma alternativa econômica, simples e de rápida

Leia mais

Gabriela Zilioti, graduanda de Licenciatura e Bacharelado em Geografia na Universidade Estadual de Campinas.

Gabriela Zilioti, graduanda de Licenciatura e Bacharelado em Geografia na Universidade Estadual de Campinas. Relato de Experiência Eixo temático: Direitos Humanos - inclusão Gabriela Zilioti, graduanda de Licenciatura e Bacharelado em Geografia na Universidade Estadual de Campinas. A importância de maquetes para

Leia mais

Caracterização e Enquadramento da região ZV de Estremoz-Cano

Caracterização e Enquadramento da região ZV de Estremoz-Cano Caracterização e Enquadramento da região ZV de Estremoz-Cano Sousel 7 de outubro de 2014 Enquadramento Geográfico Distritos: Portalegre e Évora Concelhos: Sousel e Estremoz Sistema Aquífero: Estremoz-Cano

Leia mais

Sobral do Monte Agraço. Sobral do Monte Agraço Sobral do Monte Agraço Sobral do Monte Agraço Sobral do Monte Agraço Sobral do Monte Agraço

Sobral do Monte Agraço. Sobral do Monte Agraço Sobral do Monte Agraço Sobral do Monte Agraço Sobral do Monte Agraço Sobral do Monte Agraço 1 1 Bateria do Tejo Vila Franca de Xira 38 55' 11.66" N 9 00' 38.16" W 2 1 Bateria do Conde Vila Franca de Xira 38 55' 26.68" N 9 00' 50.04" W 3 1 Reduto da Boavista Vila Franca de Xira 38 55' 31.54" N

Leia mais

Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do Governo Intervenção proferida pelo Deputado Regional Luís Henrique Silva, na Sessão Plenária de Maio de 2006 Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente, Senhora e Senhores

Leia mais

Quinta das Lavandas, espaço único 100% biológico em pleno Parque Natural da Ser...

Quinta das Lavandas, espaço único 100% biológico em pleno Parque Natural da Ser... Página 1 de 5 Quinta das Lavandas, espaço único 100% biológico em pleno Parque Natural da Serra de São Mamede Sábado, 11 de Abril de 2015 Categorias: Featured, Jardins & Parques, Os Artigos Tags: Castelo

Leia mais

Campeonato do Mundo de Corridas de Aventura, programa oficial, locais de interesse e horários previsto

Campeonato do Mundo de Corridas de Aventura, programa oficial, locais de interesse e horários previsto Campeonato do Mundo de Corridas de Aventura, programa oficial, locais de interesse e horários previstos. Com passagens pelos concelhos da Lousã e Pampilhosa da Serra no dia 9, naquela que será a "etapa

Leia mais

A História de azzeittum

A História de azzeittum A História de azzeittum Azeitão é palavra derivada de azzeittum, vocábulo de origem árabe, que refere os extensos olivais encontrados quando aquele povo chegou a esta região. A primeira delimitação que

Leia mais

GUIA DE FUNDOS. 1. Arquivos Públicos. GA: Administração Central

GUIA DE FUNDOS. 1. Arquivos Públicos. GA: Administração Central GUIA DE FUNDOS 1. Arquivos Públicos GA: Administração Central Fundos Datas Dimensão Observ. Junta Central das Casas do Povo: Distrito de Santarém 1934-1985 13 m.l. (2 mç., 141 cx.) GA: Administração Central

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Laur a Ander s on B ar b at a Los f rut os pas ar án la pr omes a de l as f lores, 1 99 3, s er ig r afi a Fot o: Fau st o Fleur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - CAMPUS SÃO LUIS - MONTE CASTELO PRÓ-REITORIA DE ENSINO Horários de Aula por Turmas

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - CAMPUS SÃO LUIS - MONTE CASTELO PRÓ-REITORIA DE ENSINO Horários de Aula por Turmas Filtros Utilizados para Gerar este Relatório: Instituição: Monte Castelo Estrutura de Curso: Graduação Curso: Engenharia Mecânica Industrial Ano Letivo: 2013 Per. Letivo: 1 Vigência do horário: 18/ 03/

Leia mais

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Dirlene A. Costa Gonçalves Professora Escola para Surdos Dulce de Oliveira, Uberaba-MG. dirlenecosta12@hotmail.com

Leia mais

Lojas CTT com Espaços Cidadão. agosto 2015

Lojas CTT com Espaços Cidadão. agosto 2015 Lojas CTT com Espaços Cidadão agosto 2015 Lojas CTT com Espaços do Cidadão até final de agosto Distrito Concelho Freguesia- designação atual Loja Lisboa Lisboa Alvalade ALVALADE (LISBOA) Lisboa Amadora

Leia mais

a) espécie, gênero, tipo, suporte e forma. b) técnica de registro, formato, forma, tipo e espécie.

a) espécie, gênero, tipo, suporte e forma. b) técnica de registro, formato, forma, tipo e espécie. Diapositivo, datilografia, contrato, textual e ata de reunião são exemplos, respectivamente, de a) espécie, gênero, tipo, suporte e forma. b) técnica de registro, formato, forma, tipo e espécie. c) invólucro,

Leia mais

Alojamentos no Concelho de Gouveia

Alojamentos no Concelho de Gouveia Hotel Eurosol Gouveia Categoria: Hotel 3 estrelas Morada: Av. 1.º de Maio 6290-541 Gouveia Telefone: 238491010 Internet: www.eurosol.pt E-mail: gouveia@eurosol.pt N.º de quartos: 48 N.º de camas: 85 Estabelecimentos

Leia mais

CARDOSO, Ciro Flamarion S. Sociedades do antigo Oriente Próximo. São Paulo: Ática, 1986. p. 56.

CARDOSO, Ciro Flamarion S. Sociedades do antigo Oriente Próximo. São Paulo: Ática, 1986. p. 56. Disciplina: HISTÓRIA Nome: Nº: Ensino Fundamental 2 Prova: P - TARDE Código da Prova: 1206205770 Data: / /2012 Ano: 6º Bimestre: 2º NOTA: Algumas dicas para fazer uma boa prova: 1 - Leia a prova na íntegra

Leia mais

DESIGNAÇÃO FREGUESIA X Y CNS TIPO DE SÍTIO CRONOLOGIA GRAU. Mancha de Ocupação;

DESIGNAÇÃO FREGUESIA X Y CNS TIPO DE SÍTIO CRONOLOGIA GRAU. Mancha de Ocupação; 1 VALE DE ÁGUA 1 Albernoa 17647,5469-199978,4062 Casal Rústico; Romano; 3 PDM 01.05 CMBEJA,2007 2 VALE DE ÁGUA 2 Albernoa 17879,3691-199758,4531 Casal Rústico; Romano; 3 PDM 01.05 CMBEJA,2007 3 MONTE DO

Leia mais

SEGUNDA-FEIRA 23 de Julho. 10.30 horas Parque das Nações Concentração e partida de Lisboa para Beja. 13h:00m Almoço Refeitório do IPBeja

SEGUNDA-FEIRA 23 de Julho. 10.30 horas Parque das Nações Concentração e partida de Lisboa para Beja. 13h:00m Almoço Refeitório do IPBeja SEGUNDA-FEIRA 23 de Julho 10.30 horas Parque das Nações Concentração e partida de Lisboa para Beja 13h:00m Almoço 14h:30m Boas-vindas nos Paços do Concelho Câmara Municipal 16:00h 19:00h Circuito de orientação

Leia mais

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP Thais Borges Sanches Lima e Bruno Tamm Rabello Setembro/2012 Introdução 1. Experiência de um grupo de

Leia mais

Canguru Matemático sem Fronteiras 2014

Canguru Matemático sem Fronteiras 2014 http://www.mat.uc.pt/canguru/ Destinatários: alunos do 9. o ano de escolaridade Nome: Turma: Duração: 1h 30min Não podes usar calculadora. Em cada questão deves assinalar a resposta correta. As questões

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 29 de agosto de 2014. Série. Número 132

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 29 de agosto de 2014. Série. Número 132 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 29 de agosto de 2014 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução n.º 832/2014 Autoriza a celebração de um contrato-programa com a Casa

Leia mais

EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS TOURISTIC ACCOMMODATION

EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS TOURISTIC ACCOMMODATION EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS TOURISTIC ACCOMMODATION Estabelecimentos Hoteleiros / Hotels Pousada Histórica / Historical Hostels Pousada do Convento da Graça (Pousada Histórica) Rua D. Paio Peres Correia,

Leia mais

Vinharia - Vinhos e Artigos de Hotelaria Lda Tabela de Preços

Vinharia - Vinhos e Artigos de Hotelaria Lda Tabela de Preços Vinharia - Vinhos e Artigos de Hotelaria Lda Tabela de Preços REGIÃO PRODUTOR MARCA TIPO CAPACIDADE CAIXA PREÇO UNITARIO Douro Carlos Alonso Piano Grande Reserva 2007 Tinto 75 cl 3 ou 6 14,05 Douro Carlos

Leia mais

REDE NACIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS RNAP

REDE NACIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS RNAP » ÂMBITO NACIONAL» ÂMBITO REGIONAL/LOCAL» ÂMBITO PRIVADO ÂMBITO NACIONAL 1. PARQUE NACIONAL DA PENEDA- GERÊS Decreto nº 187/71, de 8 de maio. 69 592,00 ha 2. PARQUE NATURAL DE MONTESINHO Decreto-Lei nº

Leia mais

2ª Fase da 1ª Competição Internacional de Literacia Estatística do ISLP. Santo Tirso, 28 de Março de 2009 NOME COMPLETO DO ALUNO:

2ª Fase da 1ª Competição Internacional de Literacia Estatística do ISLP. Santo Tirso, 28 de Março de 2009 NOME COMPLETO DO ALUNO: International Statistical Literacy Competition of the ISLP 2ª Fase da 1ª Competição Internacional de Literacia Estatística do ISLP Santo Tirso, 28 de Março de 2009 NOME COMPLETO DO ALUNO: Ano de Escolaridade:

Leia mais

LISTA DE MATERIAIS do 2º ANO 2015. MATERIAL DE USO PESSOAL 2º Caderno cartografia grande sem margem, sem pauta (p/ música) 1

LISTA DE MATERIAIS do 2º ANO 2015. MATERIAL DE USO PESSOAL 2º Caderno cartografia grande sem margem, sem pauta (p/ música) 1 LISTA DE MATERIAIS do 2º ANO 2015 MATERIAL DE USO PESSOAL 2º Caderno cartografia grande c/ margem (p/ desenho) 1 Caderno brochurão (48 folhas) 3 Caderno brochura quadriculado (1 cm) capa dura (96 folhas)

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

CURSO DE HISTÓRIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG CURSO DE HISTÓRIA ANTIGA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS PRÉ-COLOMBIANOS ASTECAS MAIAS INCAS Principais fontes para estudo dos povos americanos: 1º Fontes

Leia mais

ARTE E GEOGRAFIA: TRABALHANDO A ORIENTAÇÃO CARTOGRAFICA UMA EXPERIENCIA DOS PIBIDIANOS DE GEOGRAFIA DO COLÉGIO PROFESSOR IVAN FERREIRA O (CEPIF).

ARTE E GEOGRAFIA: TRABALHANDO A ORIENTAÇÃO CARTOGRAFICA UMA EXPERIENCIA DOS PIBIDIANOS DE GEOGRAFIA DO COLÉGIO PROFESSOR IVAN FERREIRA O (CEPIF). ARTE E GEOGRAFIA: TRABALHANDO A ORIENTAÇÃO CARTOGRAFICA UMA EXPERIENCIA DOS PIBIDIANOS DE GEOGRAFIA DO COLÉGIO PROFESSOR IVAN FERREIRA O (CEPIF). Wilson Lázaro Pereira da Silva 1 wilsonlazarosilva2010@hotmail.com

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA RMSP. Col. Santa Clara - 2014 Prof. Marcos N. Giusti

ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA RMSP. Col. Santa Clara - 2014 Prof. Marcos N. Giusti ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA RMSP Col. Santa Clara - 2014 Prof. Marcos N. Giusti Região Metropolitana de São Paulo Col. Santa Clara Você sabe de onde vem a água que nós bebemos e utilizamos? Col. Santa Clara

Leia mais